SlideShare uma empresa Scribd logo
INFORMATIVO DE DEZEMBRO DE 2012
                                                                             Fundada a 20 de janeiro de 1998
                                                                                 CNPJ 02.802.540 / 0001-14
  RECORDAÇÃO DO NATAL

  Não permitas que o júbilo do Natal vibre em teu cora-
                                                                   Reuniões abertas
  ção, à maneira de uma lâmpada encarcerada...                       ao público
  Toma o facho de luz que a mensagem do Céu acende
  ao redor de teus passos, e estende-lhe a claridade subli-   3ªs Feiras
  me. Não te detenhas.                                        19:00h - Estudo do Evangelho,
  Avança com alegria e humildade.
                                                              Corrente, Passes e Água Fluidi-
  Se a fé resplandece em teu santuário interior, que im-
  portam a ventania e o temporal?
                                                              ficada.
  O Sol, cada manhã, penetra os recôncavos do abismo
  sem contaminar-se.                                          4ªs Feiras
  Segue invencível em tua esperança, e sereno em tua          19:00h - Estudos Doutrinários.
  coragem, sob a inspiração da fraternidade e da paz! ...
  Sê um raio estelar da sabedoria para a noite da igno-
                                                              Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi
  rância; sê a gota de orvalho da consolação e do carinho,    assim: Estando Maria, sua mãe, despo-
  que diminua a tensão do sofrimento por onde passes; sê      sada com José, antes de se ajuntarem,
  o fio imperceptível da compreensão e do auxílio, que        achou-se ter concebido do Espírito
  dissipe o nevoeiro da discórdia; sê a frase simples e       Santo.Mateus 1:18
  boa que ajude e reconforte, onde o fogo do mal esteja       Então José, seu marido,como era justo,
  crestando as flores do bem...                               e a não queria infamar, intentou deixá-
  Um sorriso realiza milagres.                                la secretamente.
                                                              E, projetando ele isto, eis que em sonho
  Um gesto amigo ampara a multidão.
                                                              lhe apareceu um anjo do Senhor,
  Com algumas palavras, o Cristo articulou o roteiro          dizendo: José, filho de Davi, não temas
  regenarativo do mundo, e com a bênção da própria            receber a Maria, tua mulher, porque o
  renúncia retificou os caminhos da humanidade.               que nela está gerado é do Espírito
  Renovam-se no Natal as vibrações da Estrela do Amor,        Santo;
  que exaltou com Jesus a glorificação a Deus, e ao reino     E dará à luz um filho e chamarás o seu
  da boa vontade entre os homens.                             nome JESUS; porque ele salvará o seu
  Jamais ensurdeçamos, ante o apelo celestial que se          povo dos seus pecados.
                                                              Tudo isto aconteceu para que se
  repete.
                                                              cumprisse o que foi dito da parte do
  Ampliemos a comunhão fraterna, e louvemos a coope-          Senhor, pelo profeta, que diz;
  ração, porque, anualmente, o Cristo nos requisita a         Eis que a virgem conceberá, e dará à
  verdadeira solidariedade, a fim de que, em nos tornan-      luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome
                                                              de EMANUEL, Que traduzido é:
  do mais irmãos uns dos outros, possa Ele nascer, em         Deus conosco.
  espírito, na manjedoura do nosso coração, transforman-      E José, despertando do sono, fez como
  do em incessante e divino Natal, todos os dias da nossa     o anjo do Senhor lhe ordenara, e
                                                              recebeu a sua mulher;
  vida.                                                       E não a conheceu até que deu à luz seu
                                                 Emmanuel     filho, o primogênito; e pôs-lhe por
                                                              nome Jesus.


E-mail: fespiritacrista@gmail.com               Blog: fespiritacrista.blogspot.com
                                                                                                          1
Dia 03 (2ª feira) - 19:00h - Prece pelos Desencarnados
 Dias 04, 11 (3ªs feiras) - 19:00h - Evangelização
 Dias 05, 12 (4ªs feiras) - 19:00h - Estudos Doutrinários
 Dias 05 - (4ª feiras) 19:00h - Consulta com PRETOS-VELHOS
 Dias 12 - (4ª feiras) 19:00h - Consulta com CABOCLOS
 Dia 14 ( 6ª feira) 19:00h - Descarga do Templo
 Dia 15 (sábado) 15:00h - Festa de Natal da FEC
 Dia 16 (domingo) 17:00h - Encerramento


PALESTRA: "A Dependência química vista pela psiquiatria como doença física,
mental e espiritual"
Palestrante: Dr. Alessandro Alves
Data: 04/12/2012     Horário: 19:00h      Entrada Franca




                 Oração de Natal - Tempo de Luz

                                 Senhor,
  Liberta-me dos desejos inferiores, retira a venda dos meus olhos para
          que eu possa enxergar um pouco do Teu plano divino.
    Ensina-me a agir sem paixões, sem desejos, sem excessos e sem
    desamor. Corrige-me nos meus erros. Compadece do meu espírito
      enfraquecido e direcione-me ao caminho do bem – o Teu reino.
   Acorde-me para que eu entenda que o Natal significa nascimento de
  Jesus, mas que também pode ser o nascimento de muitas coisas boas
   que estão adormecidas dentro de mim e que eu não as deixo nascer.
    Reveste o meu coração com a Tua luz e com a serenidade do Teu
       amor, para que eu também possa amar como o Senhor amou.
   Dê-me a paz, o amor, a calma para que assim eu possa ouvir no meu
   íntimo os anjos cantarem: “Glória a Deus nas alturas, paz na Terra e
                    boa vontade para com os homens”.
   Que a Tua luz me ilumine sempre e a todos os meus irmãos da face
                                 da Terra.
                             Que assim seja!
                                                         por José Luiz Condotta




                                                                                  2
A origem do Natal e seus aspectos históricos

Como surgiu o Natal?
O Natal é a solenidade cristã que celebra o nascimento de Jesus Cristo. A data para
sua celebração é o dia 25 de Dezembro, pela Igreja Católica Romana e, o dia 7 de
Janeiro, pela Igreja Ortodoxa.
No ano 245 d.C., o teólogo Orígenes repudiava a ideia de se festejar o nascimento
de Jesus “como se fosse um Faraó”. Há inúmeros testemunhos de como os primei-
ros cristãos valorizavam cada momento da vida de Jesus Cristo, especialmente sua
Paixão e Morte na Cruz. No entanto, não era costume na época comemorar o aniver-
sário e, portanto não sabiam que dia havia nascido o seu Senhor. Os primeiros teste-
munhos indicam datas muito variadas, e o primeiro testemunho direto que afirma
que Jesus Cristo nasceu no dia 25 de Dezembro é de Sexto Júlio Africano, no ano
221.
De acordo com o almanaque romano, a festa já era celebrada em Roma no ano 336
d.C.. Na parte Oriental do Império Romano, comemorava-se em 7 de janeiro o seu
nascimento, ocasião do seu batismo, em virtude da não-aceitação do Calendário
Gregoriano. No século IV, as igrejas ocidentais passaram a adotar o dia 25 de de-
zembro para o Natal e o dia 6 de janeiro para Epifania (que significa
“manifestação”). Nesse dia comemora-se a visita dos Magos.
A celebração do Natal de Jesus foi instituída oficialmente pelo Papa Libério, no ano
354 d.c..
Segundo estudos, a data de 25 de dezembro não é a data real do nascimento de Je-
sus. A Igreja entendeu que devia cristianizar as festividades pagãs que os vários
povos celebravam por altura do solstício de Inverno.
Portanto, segundo certos eruditos, o dia 25 de dezembro foi adotado para que a data
coincidisse com a festividade romana dedicada ao “nascimento do deus sol invencí-
vel”, que comemorava o solstício do Inverno. No mundo romano, a Saturnália, festi-
vidade em honra ao deus Saturno, era comemorada de 17 a 22 de dezembro; era um
período de alegria e troca de presentes. O dia 25 de dezembro era tido também co-
mo o do nascimento do misterioso deus persa Mitra, o Sol da Virtude.
Assim, em vez de proibir as festividades pagãs, forneceu-lhes simbolismos cristãos
e uma nova linguagem cristã. As alusões dos padres da igreja ao simbolismo de
Cristo como “o sol de justiça” (Malaquias 4:2) e a “luz do mundo” (João 8:12) ex-
pressam o sincretismo religioso.
As evidências confirmam que, num esforço de converter pagãos, os líderes religio-
sos adotaram a festa que era celebrada pelos romanos, o “nascimento do deus sol
invencível” (Natalis Invistis Solis), e tentaram fazê-la parecer “cristã”. Para certas
correntes místicas como o Gnosticismo, a data é perfeitamente adequada para sim-
bolizar o Natal, por considerarem que o sol é a morada do Cristo Cósmico.

                                       Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre -NATAL


                                                                                     3
O que é o Natal?

Natal é muito mais que enfeites, presentes, festas, luzes e comemorações...
Natal quer dizer nascimento, vida, crescimento...
E o Natal de Jesus tem um significado muito especial para o Mundo.
Geralmente não se comemora o nascimento de alguém que morreu há mais de dois
milênios, a menos que esse nascimento tenha algo a nos ensinar.
Assim pensando, o Natal de Jesus deve ser meditado todos os dias, e vivido da melhor
maneira possível.
Se assim é, devemos convir que Natal é muito mais do que preencher um cheque e
fazer uma doação a alguém que necessita dessa ajuda.
É muito mais do que comprar uma cesta básica e entregar a uma família pobre...
É muito mais que a troca de presentes, tão costumeira nessa época.
É muito mais que reunir a família e cantar.
É muito mais que promover o jantar da empresa e reunir patrões e empregados em
torno da mesma mesa.
A verdadeira comemoração do Natal de Jesus é a vivência de Seus ensinos no dia-a-
dia.
É olhar nos olhos daqueles que convivem conosco e buscar entender, perdoar, envol-
ver com carinho esses seres humanos que trilham a mesma estrada que nós.
É se deter diante de uma criança e prestar atenção no que os seus olhos dizem sem
palavras...
É sentir compaixão do mais perverso criminoso, entendendo que ele é nosso irmão e
que se faz violento porque desconhece a paz.
É preservar e respeitar a natureza que Deus nos concede, como meio de progresso, e
fazer esforços reais para construir um mundo melhor.
O Natal é para ser vivido nos momentos em que tudo parece sucumbir...
Nas horas de enfermidades, nas horas em que somos traídos, que alguém nos calunia,
que os amigos nos abandonam...
Tudo isso pode parecer estranho e você até pode pensar que essas coisas não têm nada
a ver com o Natal.
No entanto, Jesus só veio à Terra para nos ensinar a viver, e não para ser lembrado de
ano em ano, com práticas que não refletem maturidade, nem desejo sincero de apren-


                                                                                         4
der com Essa Estrela de primeira grandeza...
Ele viveu o amor a Deus e ao próximo...Ele viveu o perdão...
Sofreu calúnias, abandono dos amigos, traição, injustiças variadas...
Dedicou Suas horas às almas sedentas de amor e conhecimento, não importando se eram
ricos ou pobres, justos ou injustos, poderosos ou sem prestígio nenhum.
Sua vida foi o maior exemplo de grandeza e sabedoria.
Por ser sábio, Jesus jamais estabeleceu qualquer diferença entre os povos, não criou ne-
nhum templo religioso, não instituiu rituais nem recomendou práticas exteriores para
adorar a Deus ou como condição para conquistar a felicidade.
Ele falava das verdades que bem conhecia, das muitas moradas da Casa do Pai, da ne-
cessidade de adorar a Deus em Espírito e Verdade, e não aqui ou ali, desta ou daquela
forma.
Falou que o Reino dos Céus não tem aparências exteriores, e não é um lugar a que che-
garemos um dia, mas está na intimidade do ser, para ser conquistado na vivência diária.
E é esse reino de felicidade que precisa ser buscado, aprendido e vivido nos mínimos
detalhes, em todos os minutos de nossa curta existência...
Bem, Natal é tudo isso...
É vida, e vida abundante...
É caminho e verdade...
É a porta...
É o Bom Pastor...
É o Mestre...
É o maior Amigo de todos nós.
Pense em tudo isso, e busque viver bem este Natal...


                                                         (Redação do Momento Espírita)




                                                                                           5
O Homem de Nazaré
Vinte séculos já se escoaram no tempo. Ao finalizar-se o último milênio, a figura de Jesus foi
muito lembrada. Ao mesmo tempo, contestada.
Ainda existem pessoas que afirmam que Ele jamais existiu. E procuram algumas anotações
distorcidas da História, para justificarem a sua tese.
Contudo, quem, na História do mundo, realizou o que Ele fez, em tão pouco tempo e com tão
pouco?
Ao nascer, não tinha sequer um berço e Lhe foi improvisada uma manjedoura, onde os animais
buscavam o alimento.
Os primeiros momentos da Sua vida passou em um estábulo, entre o calor dos animais e o amor
dos pais. O teto não Lhe pertencia.
Na infância, esteve no Egito, na qualidade de estrangeiro, submetendo-Se às leis dos homens.
Depois, de retorno a Nazaré, viveu no lar humilde de um carpinteiro, moldando com Suas mãos
a madeira para a transformar em mesas, bancos, utensílios vários.
Ao iniciar o Seu messianato, entre os homens, escolheu doze trabalhadores do povo. À exceção
de um deles, Mateus, todos os demais, homens rudes, acostumados à lide com redes e comércio.
Não dispunha de recursos amoedados. Pregava à beira do lago, nas praças, nos vilarejos. Utili-
zava-Se das oportunidades nas sinagogas e no templo.
Os exemplos, para a pregação do Reino que vinha implantar no coração dos homens, colhia das
coisas simples, mas expressivas, da natureza.
Um grão de mostarda para lecionar o tamanho da fé que remove montanhas. Uma figueira que
se negava a dar frutos, desatendendo a sua missão, para dizer da necessidade de se produzir
sempre.
Flores do campo e aves do céu para ensinar a lição inigualável da Providência Divina, que por
todos vela.
Ovelhas para falar de mansidão e da preocupação do pastor para com cada uma delas.
Pérolas para dizer da preciosidade das lições que Ele trazia do Pai para a Terra.
Sementes, campos férteis e terras áridas para Se referir ao próprio coração humano ao qual Se
dirigia.
Falou de justiça numa Terra cansada de injustiças sociais. Trouxe a lição da não violência, num
mundo envolvido em muitas guerras.
Ensinou que o Divino Criador é Pai de todos, sem diferença de nacionalidade ou condição soci-
al.
Ninguém disse o que Ele disse e da forma que O fez.
E até hoje, ninguém teve o Seu aniversário comemorado, todos os anos, pelo mundo todo, du-
rante mais de dois mil anos.
                                              * * *
Jesus é o mais notável Ser da História da Humanidade. A Sua vida e a Sua obra são
as mais comentadas e discutidas dentre todas as que já passaram pela cultura e pela
civilização, através dos tempos.
O Seu Testamento, o Evangelho, é o mais belo poema de esperanças e consolações de
que se tem notícia.
Ainda hoje, a Sua voz alcança os ouvidos de todos aqueles que sofrem, ou que aspi-
ram pelos ideais de beleza e de felicidade, os que aguardam por melhores dias.
O Seu convite é para o prosseguimento da autossuperação, na rota da perfeição.
                              Texto do livro Jesus e o Evangelho à luz da psicologia profunda,
                                                              pelo Espírito Joanna de Ângelis


                                                                                                  6
Queridos Irmãos, Saudações!
A nossa Fraternidade realiza um trabalho social junto às famílias cadastradas nesta
casa, no qual oferecemos cestas básicas mensalmente aos mais necessitados com
recursos angariados na campanha do quilo, nos eventos promovidos pela casa e com
doações generosas de alguns irmãos que se desdobram para que nunca faltem os
itens necessários.
Existe também o trabalho de assistência a duas Instituições sem fins lucrativos, loca-
lizadas no município de Duque de Caxias, que são: uma casa de repouso para idosos
– Mansão da Esperança, e um semi-internato para crianças de 3 meses a 6 anos de
idade – Casa da Criança - no qual buscamos atender às necessidades básicas, tais
como: alimentação, fraldas descartáveis, leite, curativos, luvas descartáveis, etc.
Essas instituições realizam um trabalho sem nenhuma ajuda governamental e vivem
apenas da caridade, ou seja, de doações de irmãos generosos que se preocupam com
as dificuldades do próximo.
Temos recebido, pelas graças de Deus, grande ajuda. Somos auxiliados até mesmo
por parte de pessoas e comerciantes da cidade que não frequentam a nossa Fraterni-
dade, que pertencem a outras denominações religiosas, mas como cristãos, têm cum-
prido o maior mandamento que Jesus nos deixou: Amar ao próximo como a ti mes-
mo.
Nós dependemos da ajuda de todos para que este trabalho tenha êxito e para que aja
a continuidade desse auxílio, pois a fome tem pressa, não pode esperar. Por isso bus-
camos sensibilizar nossos frequentadores nas reuniões públicas e estimulando os
mesmos a fazerem a sua parte, exercitando o dom da caridade. Porém sempre afir-
mamos que aqueles que não possuem recursos materiais para ajudar, podem fazer
algo muito importante por este trabalho, direcionar suas orações e vibrações para
que a ajuda nunca falte e para que a assistência seja na medida das necessidades
destes irmãos que vivem e dependem destas duas instituições – Mansão da Esperan-
ça e Casa da Criança.
Rogamos a Jesus e a Espiritualidade amiga, que nos fortaleça e que sustente mais e
mais esta atividade desenvolvida por nossa querida Fraternidade Espírita Cristã.
Viva Jesus!
Com todo carinho!!!




     A Fraternidade Espírita Cristã deseja a todos um
     Natal muito feliz e que durante o ano de 2013,
     estejamos todos juntos com muita saúde, paz e har-
     monia. FELIZ NATAL e FELIZ 2013!



                                                                                         7
ATIVIDADES REALIZADAS:

       ATENDIMENTO FRATERNAL
  Visita dos irmãos da casa direcionada aos enfermos, impedidos de se locomove-
  rem, convalescentes de cirurgias, acamados, hospitalizados ou que perderam um
  ente querido recentemente, que desejarem receber uma leitura reconfortante do
  Evangelho, Fluidificação da água e aplicação de passes magnéticos.
  Será realizada aos finais de semana - sábados ou domingos - a partir das 15:00h, a
  ser agendado na administração da casa ou pela irmã Angelina, informando nome,
  endereço e telefone da residência, com um ponto de referência.
  Obs: pedimos que somente sejam solicitadas visitas a pessoas que sejam simpati-
  zantes do Espiritismo, para que não haja nenhum constrangimento por parte das
  famílias e dos médiuns visitantes.

      TRATAMENTO COMPLEMENTAR: REIKI / CROMOTERAPIA / SHIATSU
  OBS: Somente com autorização da direção espiritual da FEC

      CONSULTA MÉDICA (Clínica Geral)
  Realizada todas às terças-feiras às 19:00h pelo Dr. Paulo Cesar

       CAMPANHA DO AGASALHO
  Ajude ao seu semelhante a não sentir tanto frio. Aceitamos doações de mantas,
  cobertores, etc.

       CAMPANHA DO QUILO
  Sempre que possível, ao fazer-nos uma visita, traga 1 kg de alimento não perecível,
  pois fazemos entrega de cestas básicas aos necessitados.

.“AJUDAR É UM BENEFÍCIO, MAIS PARA SI DO QUE PARA QUEM RECEBE”
INFORMAÇÕES:
É importante saber que a FEC não é mantida por nenhum Órgão Público ou Entidade
Privada. Com isso conta apenas com a colaboração e com as doações de freqüentado-
res. Quer fazer parte de nossa Fraternidade como Sócio Benemérito? É muito fácil.
Então, procure-nos na Secretaria da FEC para maiores esclarecimentos e seja bem-
vindo.
                                       AGUARDAMOS SUA VISITA!


NOSSOS AGRADECIMENTOS
Agradecemos a todos os nossos colaboradores a atenção dispensada, tendo a certeza
de que poderemos contar com a sua ajuda. Em especial o nosso agradecimento a Loja
Maçônica Treze de Maio e ao seu Departamento Feminino “Musas”, pela colaboração
na aquisição de mantimentos para compor a cesta básica das famílias de nossa comu-
nidade e assistidas pela FEC.



Av. Estácio de Sá, L32 - Q17 - Pq. Novo Rio - São João de Meriti / RJ   CEP: 25585-000 - Tel.: (021) 2652-4863
                                                                                                                 8

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Do Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significado
Do Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significadoDo Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significado
Do Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significado
Luis Miranda
 
Preparo chuva serodia
Preparo chuva serodiaPreparo chuva serodia
Preparo chuva serodia
Jose Moraes
 
Retiro do Advento_Parte 6_quarta semana
Retiro do Advento_Parte 6_quarta semanaRetiro do Advento_Parte 6_quarta semana
Retiro do Advento_Parte 6_quarta semana
Cris Simoni
 
Roteiro para carreata 2013
Roteiro para carreata 2013Roteiro para carreata 2013
Roteiro para carreata 2013
Arlan Rodrigues
 
Seminários Dá-nos a Chuva Serôdia - pdf
Seminários Dá-nos a Chuva Serôdia - pdfSeminários Dá-nos a Chuva Serôdia - pdf
Seminários Dá-nos a Chuva Serôdia - pdf
Márcio E Maria
 
A chuva têmpora e a chuva serôdia
A chuva têmpora e a chuva serôdiaA chuva têmpora e a chuva serôdia
A chuva têmpora e a chuva serôdia
Diego Fortunatto
 
Boletim 578 24-02-13
Boletim 578 24-02-13Boletim 578 24-02-13
Boletim 578 24-02-13
ibrcaruaru
 
Chuva Temporã
Chuva TemporãChuva Temporã
Chuva Temporã
ASD Remanescentes
 
Livreto Novena de Natal das CEBs 2018
Livreto Novena de Natal das CEBs  2018Livreto Novena de Natal das CEBs  2018
Livreto Novena de Natal das CEBs 2018
Bernadetecebs .
 
Lição 10ª Dons espirituais
Lição 10ª Dons espirituaisLição 10ª Dons espirituais
Lição 10ª Dons espirituais
Igreja Presbiteriana Zona Sul
 
A IMPORTÂNCIA DOS DONS ESPIRITUAIS
A IMPORTÂNCIA DOS DONS ESPIRITUAISA IMPORTÂNCIA DOS DONS ESPIRITUAIS
A IMPORTÂNCIA DOS DONS ESPIRITUAIS
Igreja Evangélica Assembleia de Deus
 
Advent and Christmas 2 Customs, Traditions and Folklore (Portuguese)
Advent and Christmas   2   Customs, Traditions and Folklore (Portuguese)Advent and Christmas   2   Customs, Traditions and Folklore (Portuguese)
Advent and Christmas 2 Customs, Traditions and Folklore (Portuguese)
Martin M Flynn
 
Elo abril a agosto de 2012
Elo abril a agosto de 2012Elo abril a agosto de 2012
Elo abril a agosto de 2012
Carlos Dege
 
Celebração nas Comunidades Eclesiais de Base - (Quarta-Feira de Cinzas feve...
Celebração nas Comunidades  Eclesiais de Base - (Quarta-Feira de Cinzas  feve...Celebração nas Comunidades  Eclesiais de Base - (Quarta-Feira de Cinzas  feve...
Celebração nas Comunidades Eclesiais de Base - (Quarta-Feira de Cinzas feve...
Bernadetecebs .
 
428 maio
428 maio428 maio
Informativo216
Informativo216Informativo216
Informativo216
a c
 
22 02 12
22 02 1222 02 12
Jornal do gonza dezembro 2011
Jornal do gonza dezembro 2011Jornal do gonza dezembro 2011
Jornal do gonza dezembro 2011
Agostinhobor
 
Seminários dá nos a chuva serôdia!
Seminários dá nos a chuva serôdia!Seminários dá nos a chuva serôdia!
Seminários dá nos a chuva serôdia!
Márcio E Maria
 
JORNAL DO GONSA - JANEIRO DE 2012
JORNAL DO GONSA - JANEIRO DE  2012JORNAL DO GONSA - JANEIRO DE  2012
JORNAL DO GONSA - JANEIRO DE 2012
Agostinhobor
 

Mais procurados (20)

Do Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significado
Do Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significadoDo Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significado
Do Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significado
 
Preparo chuva serodia
Preparo chuva serodiaPreparo chuva serodia
Preparo chuva serodia
 
Retiro do Advento_Parte 6_quarta semana
Retiro do Advento_Parte 6_quarta semanaRetiro do Advento_Parte 6_quarta semana
Retiro do Advento_Parte 6_quarta semana
 
Roteiro para carreata 2013
Roteiro para carreata 2013Roteiro para carreata 2013
Roteiro para carreata 2013
 
Seminários Dá-nos a Chuva Serôdia - pdf
Seminários Dá-nos a Chuva Serôdia - pdfSeminários Dá-nos a Chuva Serôdia - pdf
Seminários Dá-nos a Chuva Serôdia - pdf
 
A chuva têmpora e a chuva serôdia
A chuva têmpora e a chuva serôdiaA chuva têmpora e a chuva serôdia
A chuva têmpora e a chuva serôdia
 
Boletim 578 24-02-13
Boletim 578 24-02-13Boletim 578 24-02-13
Boletim 578 24-02-13
 
Chuva Temporã
Chuva TemporãChuva Temporã
Chuva Temporã
 
Livreto Novena de Natal das CEBs 2018
Livreto Novena de Natal das CEBs  2018Livreto Novena de Natal das CEBs  2018
Livreto Novena de Natal das CEBs 2018
 
Lição 10ª Dons espirituais
Lição 10ª Dons espirituaisLição 10ª Dons espirituais
Lição 10ª Dons espirituais
 
A IMPORTÂNCIA DOS DONS ESPIRITUAIS
A IMPORTÂNCIA DOS DONS ESPIRITUAISA IMPORTÂNCIA DOS DONS ESPIRITUAIS
A IMPORTÂNCIA DOS DONS ESPIRITUAIS
 
Advent and Christmas 2 Customs, Traditions and Folklore (Portuguese)
Advent and Christmas   2   Customs, Traditions and Folklore (Portuguese)Advent and Christmas   2   Customs, Traditions and Folklore (Portuguese)
Advent and Christmas 2 Customs, Traditions and Folklore (Portuguese)
 
Elo abril a agosto de 2012
Elo abril a agosto de 2012Elo abril a agosto de 2012
Elo abril a agosto de 2012
 
Celebração nas Comunidades Eclesiais de Base - (Quarta-Feira de Cinzas feve...
Celebração nas Comunidades  Eclesiais de Base - (Quarta-Feira de Cinzas  feve...Celebração nas Comunidades  Eclesiais de Base - (Quarta-Feira de Cinzas  feve...
Celebração nas Comunidades Eclesiais de Base - (Quarta-Feira de Cinzas feve...
 
428 maio
428 maio428 maio
428 maio
 
Informativo216
Informativo216Informativo216
Informativo216
 
22 02 12
22 02 1222 02 12
22 02 12
 
Jornal do gonza dezembro 2011
Jornal do gonza dezembro 2011Jornal do gonza dezembro 2011
Jornal do gonza dezembro 2011
 
Seminários dá nos a chuva serôdia!
Seminários dá nos a chuva serôdia!Seminários dá nos a chuva serôdia!
Seminários dá nos a chuva serôdia!
 
JORNAL DO GONSA - JANEIRO DE 2012
JORNAL DO GONSA - JANEIRO DE  2012JORNAL DO GONSA - JANEIRO DE  2012
JORNAL DO GONSA - JANEIRO DE 2012
 

Destaque

Pescmanaus2013
Pescmanaus2013Pescmanaus2013
Pescmanaus2013
PESC Semed
 
El sistema solar
El sistema solarEl sistema solar
El sistema solar
johannaplata2001
 
Evidencia de bioquimica
Evidencia de bioquimicaEvidencia de bioquimica
Evidencia de bioquimica
Arlett Ramirez
 
Sesion 04 -_diagramas_de_flujo_-_ejemplos
Sesion 04 -_diagramas_de_flujo_-_ejemplosSesion 04 -_diagramas_de_flujo_-_ejemplos
Sesion 04 -_diagramas_de_flujo_-_ejemplos
Nayeli Cuevas de la Paz
 
Security in GSM --- Seguridad redes GSM -- Seguridad en Sistemas de Infor...
Security in GSM   ---  Seguridad redes GSM  -- Seguridad en Sistemas de Infor...Security in GSM   ---  Seguridad redes GSM  -- Seguridad en Sistemas de Infor...
Security in GSM --- Seguridad redes GSM -- Seguridad en Sistemas de Infor...
José López Pérez
 
Religião e africanidade
Religião e africanidadeReligião e africanidade
Religião e africanidade
fespiritacrista
 
Solidos cristalinos
Solidos cristalinosSolidos cristalinos
Solidos cristalinos
Raul Luis Chavez Pataca
 
Solidos cristalinos
Solidos cristalinosSolidos cristalinos
Solidos cristalinos
Raul Luis Chavez Pataca
 
La televisió moha i juanma
La televisió moha i juanmaLa televisió moha i juanma
La televisió moha i juanma
Mohamed Asbaghi
 
Poo
PooPoo
Presentacióndehoy
PresentacióndehoyPresentacióndehoy
Presentacióndehoy
davirociraul
 
animales en peligro de extincion
animales en peligro de extincionanimales en peligro de extincion
animales en peligro de extincion
zeker15
 
Atención a la diversidad
Atención a la diversidadAtención a la diversidad
Atención a la diversidad
mar19643
 
Web
WebWeb
Debate Regrado: Possibilidade de trabalho com um gênero do domínio do argumen...
Debate Regrado: Possibilidade de trabalho com um gênero do domínio do argumen...Debate Regrado: Possibilidade de trabalho com um gênero do domínio do argumen...
Debate Regrado: Possibilidade de trabalho com um gênero do domínio do argumen...
Formação Cooperativa
 
Capitulo 07
Capitulo 07Capitulo 07
Capitulo 07
zeu1507
 
Pec
PecPec
2014 4 tri lição 1 - Daniel, nosso contemporâneo
2014 4 tri lição 1 - Daniel, nosso contemporâneo2014 4 tri lição 1 - Daniel, nosso contemporâneo
2014 4 tri lição 1 - Daniel, nosso contemporâneo
Natalino das Neves Neves
 
W3C Web Standards HTML
W3C Web Standards HTMLW3C Web Standards HTML
W3C Web Standards HTML
Andrea Dalforno
 
8. cyberbullyng
8. cyberbullyng8. cyberbullyng
8. cyberbullyng
Bolitadenuevo34
 

Destaque (20)

Pescmanaus2013
Pescmanaus2013Pescmanaus2013
Pescmanaus2013
 
El sistema solar
El sistema solarEl sistema solar
El sistema solar
 
Evidencia de bioquimica
Evidencia de bioquimicaEvidencia de bioquimica
Evidencia de bioquimica
 
Sesion 04 -_diagramas_de_flujo_-_ejemplos
Sesion 04 -_diagramas_de_flujo_-_ejemplosSesion 04 -_diagramas_de_flujo_-_ejemplos
Sesion 04 -_diagramas_de_flujo_-_ejemplos
 
Security in GSM --- Seguridad redes GSM -- Seguridad en Sistemas de Infor...
Security in GSM   ---  Seguridad redes GSM  -- Seguridad en Sistemas de Infor...Security in GSM   ---  Seguridad redes GSM  -- Seguridad en Sistemas de Infor...
Security in GSM --- Seguridad redes GSM -- Seguridad en Sistemas de Infor...
 
Religião e africanidade
Religião e africanidadeReligião e africanidade
Religião e africanidade
 
Solidos cristalinos
Solidos cristalinosSolidos cristalinos
Solidos cristalinos
 
Solidos cristalinos
Solidos cristalinosSolidos cristalinos
Solidos cristalinos
 
La televisió moha i juanma
La televisió moha i juanmaLa televisió moha i juanma
La televisió moha i juanma
 
Poo
PooPoo
Poo
 
Presentacióndehoy
PresentacióndehoyPresentacióndehoy
Presentacióndehoy
 
animales en peligro de extincion
animales en peligro de extincionanimales en peligro de extincion
animales en peligro de extincion
 
Atención a la diversidad
Atención a la diversidadAtención a la diversidad
Atención a la diversidad
 
Web
WebWeb
Web
 
Debate Regrado: Possibilidade de trabalho com um gênero do domínio do argumen...
Debate Regrado: Possibilidade de trabalho com um gênero do domínio do argumen...Debate Regrado: Possibilidade de trabalho com um gênero do domínio do argumen...
Debate Regrado: Possibilidade de trabalho com um gênero do domínio do argumen...
 
Capitulo 07
Capitulo 07Capitulo 07
Capitulo 07
 
Pec
PecPec
Pec
 
2014 4 tri lição 1 - Daniel, nosso contemporâneo
2014 4 tri lição 1 - Daniel, nosso contemporâneo2014 4 tri lição 1 - Daniel, nosso contemporâneo
2014 4 tri lição 1 - Daniel, nosso contemporâneo
 
W3C Web Standards HTML
W3C Web Standards HTMLW3C Web Standards HTML
W3C Web Standards HTML
 
8. cyberbullyng
8. cyberbullyng8. cyberbullyng
8. cyberbullyng
 

Semelhante a Boletim informativo dezembro 2012

Jormi - Jornal Missionário n° 48
Jormi - Jornal Missionário n° 48Jormi - Jornal Missionário n° 48
Jormi - Jornal Missionário n° 48
rodrigueessilva
 
Jormi - Jornal Missionário n° 48
Jormi - Jornal Missionário n° 48Jormi - Jornal Missionário n° 48
Jormi - Jornal Missionário n° 48
trabalho como autonomo
 
Voz da Paróquia - Janeiro 2011
Voz da Paróquia - Janeiro 2011Voz da Paróquia - Janeiro 2011
Voz da Paróquia - Janeiro 2011
jesmioma
 
Voz da Paróquia - Janeiro 2011
Voz da Paróquia - Janeiro 2011Voz da Paróquia - Janeiro 2011
Voz da Paróquia - Janeiro 2011
Fernando Chapeiro
 
1 DIA NOVENA 061222.ppt NOVENA SANTO ANT
1 DIA NOVENA 061222.ppt NOVENA SANTO ANT1 DIA NOVENA 061222.ppt NOVENA SANTO ANT
1 DIA NOVENA 061222.ppt NOVENA SANTO ANT
ParoquiaSantoAntonio3
 
Livreto Novena Natal 2021
Livreto Novena Natal 2021Livreto Novena Natal 2021
Livreto Novena Natal 2021
Bernadetecebs .
 
Boletim informativo junho 2012
Boletim informativo  junho 2012Boletim informativo  junho 2012
Boletim informativo junho 2012
fespiritacrista
 
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
jesmioma
 
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Fernando Chapeiro
 
Natal
NatalNatal
25 12 11
25 12 1125 12 11
Natal e seus Significados
Natal e seus SignificadosNatal e seus Significados
Natal e seus Significados
ThiagoPereiraSantos2
 
Vivendo como jesus viveu
Vivendo como jesus viveuVivendo como jesus viveu
Vivendo como jesus viveu
jb1955
 
Evangelho Natal 2020
Evangelho Natal 2020Evangelho Natal 2020
Evangelho Natal 2020
Patricia Farias
 
Maravilhado
MaravilhadoMaravilhado
Maravilhado
Freekidstories
 
SEMANA SANTA: O CRUCIFICADO É O REDENTOR
SEMANA SANTA: O CRUCIFICADO É O REDENTORSEMANA SANTA: O CRUCIFICADO É O REDENTOR
SEMANA SANTA: O CRUCIFICADO É O REDENTOR
Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Dia18-12
Dia18-12Dia18-12
Chama _170
Chama _170Chama _170
Chama _170
Frei João
 
Voz da paróquia janeiro 2015
 Voz da paróquia janeiro 2015 Voz da paróquia janeiro 2015
Voz da paróquia janeiro 2015
jesmioma
 
Boletim informativo janeiro 2012
Boletim informativo janeiro 2012Boletim informativo janeiro 2012
Boletim informativo janeiro 2012
fespiritacrista
 

Semelhante a Boletim informativo dezembro 2012 (20)

Jormi - Jornal Missionário n° 48
Jormi - Jornal Missionário n° 48Jormi - Jornal Missionário n° 48
Jormi - Jornal Missionário n° 48
 
Jormi - Jornal Missionário n° 48
Jormi - Jornal Missionário n° 48Jormi - Jornal Missionário n° 48
Jormi - Jornal Missionário n° 48
 
Voz da Paróquia - Janeiro 2011
Voz da Paróquia - Janeiro 2011Voz da Paróquia - Janeiro 2011
Voz da Paróquia - Janeiro 2011
 
Voz da Paróquia - Janeiro 2011
Voz da Paróquia - Janeiro 2011Voz da Paróquia - Janeiro 2011
Voz da Paróquia - Janeiro 2011
 
1 DIA NOVENA 061222.ppt NOVENA SANTO ANT
1 DIA NOVENA 061222.ppt NOVENA SANTO ANT1 DIA NOVENA 061222.ppt NOVENA SANTO ANT
1 DIA NOVENA 061222.ppt NOVENA SANTO ANT
 
Livreto Novena Natal 2021
Livreto Novena Natal 2021Livreto Novena Natal 2021
Livreto Novena Natal 2021
 
Boletim informativo junho 2012
Boletim informativo  junho 2012Boletim informativo  junho 2012
Boletim informativo junho 2012
 
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
 
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
 
Natal
NatalNatal
Natal
 
25 12 11
25 12 1125 12 11
25 12 11
 
Natal e seus Significados
Natal e seus SignificadosNatal e seus Significados
Natal e seus Significados
 
Vivendo como jesus viveu
Vivendo como jesus viveuVivendo como jesus viveu
Vivendo como jesus viveu
 
Evangelho Natal 2020
Evangelho Natal 2020Evangelho Natal 2020
Evangelho Natal 2020
 
Maravilhado
MaravilhadoMaravilhado
Maravilhado
 
SEMANA SANTA: O CRUCIFICADO É O REDENTOR
SEMANA SANTA: O CRUCIFICADO É O REDENTORSEMANA SANTA: O CRUCIFICADO É O REDENTOR
SEMANA SANTA: O CRUCIFICADO É O REDENTOR
 
Dia18-12
Dia18-12Dia18-12
Dia18-12
 
Chama _170
Chama _170Chama _170
Chama _170
 
Voz da paróquia janeiro 2015
 Voz da paróquia janeiro 2015 Voz da paróquia janeiro 2015
Voz da paróquia janeiro 2015
 
Boletim informativo janeiro 2012
Boletim informativo janeiro 2012Boletim informativo janeiro 2012
Boletim informativo janeiro 2012
 

Mais de fespiritacrista

O homem integral-CAPÍTULO 3 A ansiedade
O homem integral-CAPÍTULO 3  A ansiedadeO homem integral-CAPÍTULO 3  A ansiedade
O homem integral-CAPÍTULO 3 A ansiedade
fespiritacrista
 
Boletim informativo junho 2016
Boletim informativo junho 2016Boletim informativo junho 2016
Boletim informativo junho 2016
fespiritacrista
 
Boletim informativo julho 2016
Boletim informativo julho 2016Boletim informativo julho 2016
Boletim informativo julho 2016
fespiritacrista
 
Boletim Informativo Maio 2016
Boletim Informativo Maio 2016Boletim Informativo Maio 2016
Boletim Informativo Maio 2016
fespiritacrista
 
Estranhos rumos seguros roteiros - O Homem Integral - Cap II
Estranhos rumos seguros roteiros  - O Homem Integral - Cap IIEstranhos rumos seguros roteiros  - O Homem Integral - Cap II
Estranhos rumos seguros roteiros - O Homem Integral - Cap II
fespiritacrista
 
Boletim informativo abril 2016
Boletim informativo abril 2016Boletim informativo abril 2016
Boletim informativo abril 2016
fespiritacrista
 
Fenícios
FeníciosFenícios
Fenícios
fespiritacrista
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
fespiritacrista
 
Egípcios
 Egípcios Egípcios
Egípcios
fespiritacrista
 
Monismo
MonismoMonismo
O homem integral fatores de perturbação
O homem integral   fatores de perturbaçãoO homem integral   fatores de perturbação
O homem integral fatores de perturbação
fespiritacrista
 
Boletim informativo março 2016
Boletim informativo março 2016Boletim informativo março 2016
Boletim informativo março 2016
fespiritacrista
 
Boletim informativo dez2015
Boletim informativo dez2015Boletim informativo dez2015
Boletim informativo dez2015
fespiritacrista
 
Boletim informativo fev2016
Boletim informativo   fev2016Boletim informativo   fev2016
Boletim informativo fev2016
fespiritacrista
 
Panteismo
PanteismoPanteismo
Panteismo
fespiritacrista
 
Boletim informativo nov2015
Boletim informativo nov2015Boletim informativo nov2015
Boletim informativo nov2015
fespiritacrista
 
Boletim informativo out2015
Boletim informativo out2015Boletim informativo out2015
Boletim informativo out2015
fespiritacrista
 
Boletim informativo set2015
Boletim informativo set2015Boletim informativo set2015
Boletim informativo set2015
fespiritacrista
 
Monoteísmo
MonoteísmoMonoteísmo
Monoteísmo
fespiritacrista
 
Pluralismo
PluralismoPluralismo
Pluralismo
fespiritacrista
 

Mais de fespiritacrista (20)

O homem integral-CAPÍTULO 3 A ansiedade
O homem integral-CAPÍTULO 3  A ansiedadeO homem integral-CAPÍTULO 3  A ansiedade
O homem integral-CAPÍTULO 3 A ansiedade
 
Boletim informativo junho 2016
Boletim informativo junho 2016Boletim informativo junho 2016
Boletim informativo junho 2016
 
Boletim informativo julho 2016
Boletim informativo julho 2016Boletim informativo julho 2016
Boletim informativo julho 2016
 
Boletim Informativo Maio 2016
Boletim Informativo Maio 2016Boletim Informativo Maio 2016
Boletim Informativo Maio 2016
 
Estranhos rumos seguros roteiros - O Homem Integral - Cap II
Estranhos rumos seguros roteiros  - O Homem Integral - Cap IIEstranhos rumos seguros roteiros  - O Homem Integral - Cap II
Estranhos rumos seguros roteiros - O Homem Integral - Cap II
 
Boletim informativo abril 2016
Boletim informativo abril 2016Boletim informativo abril 2016
Boletim informativo abril 2016
 
Fenícios
FeníciosFenícios
Fenícios
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
 
Egípcios
 Egípcios Egípcios
Egípcios
 
Monismo
MonismoMonismo
Monismo
 
O homem integral fatores de perturbação
O homem integral   fatores de perturbaçãoO homem integral   fatores de perturbação
O homem integral fatores de perturbação
 
Boletim informativo março 2016
Boletim informativo março 2016Boletim informativo março 2016
Boletim informativo março 2016
 
Boletim informativo dez2015
Boletim informativo dez2015Boletim informativo dez2015
Boletim informativo dez2015
 
Boletim informativo fev2016
Boletim informativo   fev2016Boletim informativo   fev2016
Boletim informativo fev2016
 
Panteismo
PanteismoPanteismo
Panteismo
 
Boletim informativo nov2015
Boletim informativo nov2015Boletim informativo nov2015
Boletim informativo nov2015
 
Boletim informativo out2015
Boletim informativo out2015Boletim informativo out2015
Boletim informativo out2015
 
Boletim informativo set2015
Boletim informativo set2015Boletim informativo set2015
Boletim informativo set2015
 
Monoteísmo
MonoteísmoMonoteísmo
Monoteísmo
 
Pluralismo
PluralismoPluralismo
Pluralismo
 

Boletim informativo dezembro 2012

  • 1. INFORMATIVO DE DEZEMBRO DE 2012 Fundada a 20 de janeiro de 1998 CNPJ 02.802.540 / 0001-14 RECORDAÇÃO DO NATAL Não permitas que o júbilo do Natal vibre em teu cora- Reuniões abertas ção, à maneira de uma lâmpada encarcerada... ao público Toma o facho de luz que a mensagem do Céu acende ao redor de teus passos, e estende-lhe a claridade subli- 3ªs Feiras me. Não te detenhas. 19:00h - Estudo do Evangelho, Avança com alegria e humildade. Corrente, Passes e Água Fluidi- Se a fé resplandece em teu santuário interior, que im- portam a ventania e o temporal? ficada. O Sol, cada manhã, penetra os recôncavos do abismo sem contaminar-se. 4ªs Feiras Segue invencível em tua esperança, e sereno em tua 19:00h - Estudos Doutrinários. coragem, sob a inspiração da fraternidade e da paz! ... Sê um raio estelar da sabedoria para a noite da igno- Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi rância; sê a gota de orvalho da consolação e do carinho, assim: Estando Maria, sua mãe, despo- que diminua a tensão do sofrimento por onde passes; sê sada com José, antes de se ajuntarem, o fio imperceptível da compreensão e do auxílio, que achou-se ter concebido do Espírito dissipe o nevoeiro da discórdia; sê a frase simples e Santo.Mateus 1:18 boa que ajude e reconforte, onde o fogo do mal esteja Então José, seu marido,como era justo, crestando as flores do bem... e a não queria infamar, intentou deixá- Um sorriso realiza milagres. la secretamente. E, projetando ele isto, eis que em sonho Um gesto amigo ampara a multidão. lhe apareceu um anjo do Senhor, Com algumas palavras, o Cristo articulou o roteiro dizendo: José, filho de Davi, não temas regenarativo do mundo, e com a bênção da própria receber a Maria, tua mulher, porque o renúncia retificou os caminhos da humanidade. que nela está gerado é do Espírito Renovam-se no Natal as vibrações da Estrela do Amor, Santo; que exaltou com Jesus a glorificação a Deus, e ao reino E dará à luz um filho e chamarás o seu da boa vontade entre os homens. nome JESUS; porque ele salvará o seu Jamais ensurdeçamos, ante o apelo celestial que se povo dos seus pecados. Tudo isto aconteceu para que se repete. cumprisse o que foi dito da parte do Ampliemos a comunhão fraterna, e louvemos a coope- Senhor, pelo profeta, que diz; ração, porque, anualmente, o Cristo nos requisita a Eis que a virgem conceberá, e dará à verdadeira solidariedade, a fim de que, em nos tornan- luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, Que traduzido é: do mais irmãos uns dos outros, possa Ele nascer, em Deus conosco. espírito, na manjedoura do nosso coração, transforman- E José, despertando do sono, fez como do em incessante e divino Natal, todos os dias da nossa o anjo do Senhor lhe ordenara, e recebeu a sua mulher; vida. E não a conheceu até que deu à luz seu Emmanuel filho, o primogênito; e pôs-lhe por nome Jesus. E-mail: fespiritacrista@gmail.com Blog: fespiritacrista.blogspot.com 1
  • 2. Dia 03 (2ª feira) - 19:00h - Prece pelos Desencarnados Dias 04, 11 (3ªs feiras) - 19:00h - Evangelização Dias 05, 12 (4ªs feiras) - 19:00h - Estudos Doutrinários Dias 05 - (4ª feiras) 19:00h - Consulta com PRETOS-VELHOS Dias 12 - (4ª feiras) 19:00h - Consulta com CABOCLOS Dia 14 ( 6ª feira) 19:00h - Descarga do Templo Dia 15 (sábado) 15:00h - Festa de Natal da FEC Dia 16 (domingo) 17:00h - Encerramento PALESTRA: "A Dependência química vista pela psiquiatria como doença física, mental e espiritual" Palestrante: Dr. Alessandro Alves Data: 04/12/2012 Horário: 19:00h Entrada Franca Oração de Natal - Tempo de Luz Senhor, Liberta-me dos desejos inferiores, retira a venda dos meus olhos para que eu possa enxergar um pouco do Teu plano divino. Ensina-me a agir sem paixões, sem desejos, sem excessos e sem desamor. Corrige-me nos meus erros. Compadece do meu espírito enfraquecido e direcione-me ao caminho do bem – o Teu reino. Acorde-me para que eu entenda que o Natal significa nascimento de Jesus, mas que também pode ser o nascimento de muitas coisas boas que estão adormecidas dentro de mim e que eu não as deixo nascer. Reveste o meu coração com a Tua luz e com a serenidade do Teu amor, para que eu também possa amar como o Senhor amou. Dê-me a paz, o amor, a calma para que assim eu possa ouvir no meu íntimo os anjos cantarem: “Glória a Deus nas alturas, paz na Terra e boa vontade para com os homens”. Que a Tua luz me ilumine sempre e a todos os meus irmãos da face da Terra. Que assim seja! por José Luiz Condotta 2
  • 3. A origem do Natal e seus aspectos históricos Como surgiu o Natal? O Natal é a solenidade cristã que celebra o nascimento de Jesus Cristo. A data para sua celebração é o dia 25 de Dezembro, pela Igreja Católica Romana e, o dia 7 de Janeiro, pela Igreja Ortodoxa. No ano 245 d.C., o teólogo Orígenes repudiava a ideia de se festejar o nascimento de Jesus “como se fosse um Faraó”. Há inúmeros testemunhos de como os primei- ros cristãos valorizavam cada momento da vida de Jesus Cristo, especialmente sua Paixão e Morte na Cruz. No entanto, não era costume na época comemorar o aniver- sário e, portanto não sabiam que dia havia nascido o seu Senhor. Os primeiros teste- munhos indicam datas muito variadas, e o primeiro testemunho direto que afirma que Jesus Cristo nasceu no dia 25 de Dezembro é de Sexto Júlio Africano, no ano 221. De acordo com o almanaque romano, a festa já era celebrada em Roma no ano 336 d.C.. Na parte Oriental do Império Romano, comemorava-se em 7 de janeiro o seu nascimento, ocasião do seu batismo, em virtude da não-aceitação do Calendário Gregoriano. No século IV, as igrejas ocidentais passaram a adotar o dia 25 de de- zembro para o Natal e o dia 6 de janeiro para Epifania (que significa “manifestação”). Nesse dia comemora-se a visita dos Magos. A celebração do Natal de Jesus foi instituída oficialmente pelo Papa Libério, no ano 354 d.c.. Segundo estudos, a data de 25 de dezembro não é a data real do nascimento de Je- sus. A Igreja entendeu que devia cristianizar as festividades pagãs que os vários povos celebravam por altura do solstício de Inverno. Portanto, segundo certos eruditos, o dia 25 de dezembro foi adotado para que a data coincidisse com a festividade romana dedicada ao “nascimento do deus sol invencí- vel”, que comemorava o solstício do Inverno. No mundo romano, a Saturnália, festi- vidade em honra ao deus Saturno, era comemorada de 17 a 22 de dezembro; era um período de alegria e troca de presentes. O dia 25 de dezembro era tido também co- mo o do nascimento do misterioso deus persa Mitra, o Sol da Virtude. Assim, em vez de proibir as festividades pagãs, forneceu-lhes simbolismos cristãos e uma nova linguagem cristã. As alusões dos padres da igreja ao simbolismo de Cristo como “o sol de justiça” (Malaquias 4:2) e a “luz do mundo” (João 8:12) ex- pressam o sincretismo religioso. As evidências confirmam que, num esforço de converter pagãos, os líderes religio- sos adotaram a festa que era celebrada pelos romanos, o “nascimento do deus sol invencível” (Natalis Invistis Solis), e tentaram fazê-la parecer “cristã”. Para certas correntes místicas como o Gnosticismo, a data é perfeitamente adequada para sim- bolizar o Natal, por considerarem que o sol é a morada do Cristo Cósmico. Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre -NATAL 3
  • 4. O que é o Natal? Natal é muito mais que enfeites, presentes, festas, luzes e comemorações... Natal quer dizer nascimento, vida, crescimento... E o Natal de Jesus tem um significado muito especial para o Mundo. Geralmente não se comemora o nascimento de alguém que morreu há mais de dois milênios, a menos que esse nascimento tenha algo a nos ensinar. Assim pensando, o Natal de Jesus deve ser meditado todos os dias, e vivido da melhor maneira possível. Se assim é, devemos convir que Natal é muito mais do que preencher um cheque e fazer uma doação a alguém que necessita dessa ajuda. É muito mais do que comprar uma cesta básica e entregar a uma família pobre... É muito mais que a troca de presentes, tão costumeira nessa época. É muito mais que reunir a família e cantar. É muito mais que promover o jantar da empresa e reunir patrões e empregados em torno da mesma mesa. A verdadeira comemoração do Natal de Jesus é a vivência de Seus ensinos no dia-a- dia. É olhar nos olhos daqueles que convivem conosco e buscar entender, perdoar, envol- ver com carinho esses seres humanos que trilham a mesma estrada que nós. É se deter diante de uma criança e prestar atenção no que os seus olhos dizem sem palavras... É sentir compaixão do mais perverso criminoso, entendendo que ele é nosso irmão e que se faz violento porque desconhece a paz. É preservar e respeitar a natureza que Deus nos concede, como meio de progresso, e fazer esforços reais para construir um mundo melhor. O Natal é para ser vivido nos momentos em que tudo parece sucumbir... Nas horas de enfermidades, nas horas em que somos traídos, que alguém nos calunia, que os amigos nos abandonam... Tudo isso pode parecer estranho e você até pode pensar que essas coisas não têm nada a ver com o Natal. No entanto, Jesus só veio à Terra para nos ensinar a viver, e não para ser lembrado de ano em ano, com práticas que não refletem maturidade, nem desejo sincero de apren- 4
  • 5. der com Essa Estrela de primeira grandeza... Ele viveu o amor a Deus e ao próximo...Ele viveu o perdão... Sofreu calúnias, abandono dos amigos, traição, injustiças variadas... Dedicou Suas horas às almas sedentas de amor e conhecimento, não importando se eram ricos ou pobres, justos ou injustos, poderosos ou sem prestígio nenhum. Sua vida foi o maior exemplo de grandeza e sabedoria. Por ser sábio, Jesus jamais estabeleceu qualquer diferença entre os povos, não criou ne- nhum templo religioso, não instituiu rituais nem recomendou práticas exteriores para adorar a Deus ou como condição para conquistar a felicidade. Ele falava das verdades que bem conhecia, das muitas moradas da Casa do Pai, da ne- cessidade de adorar a Deus em Espírito e Verdade, e não aqui ou ali, desta ou daquela forma. Falou que o Reino dos Céus não tem aparências exteriores, e não é um lugar a que che- garemos um dia, mas está na intimidade do ser, para ser conquistado na vivência diária. E é esse reino de felicidade que precisa ser buscado, aprendido e vivido nos mínimos detalhes, em todos os minutos de nossa curta existência... Bem, Natal é tudo isso... É vida, e vida abundante... É caminho e verdade... É a porta... É o Bom Pastor... É o Mestre... É o maior Amigo de todos nós. Pense em tudo isso, e busque viver bem este Natal... (Redação do Momento Espírita) 5
  • 6. O Homem de Nazaré Vinte séculos já se escoaram no tempo. Ao finalizar-se o último milênio, a figura de Jesus foi muito lembrada. Ao mesmo tempo, contestada. Ainda existem pessoas que afirmam que Ele jamais existiu. E procuram algumas anotações distorcidas da História, para justificarem a sua tese. Contudo, quem, na História do mundo, realizou o que Ele fez, em tão pouco tempo e com tão pouco? Ao nascer, não tinha sequer um berço e Lhe foi improvisada uma manjedoura, onde os animais buscavam o alimento. Os primeiros momentos da Sua vida passou em um estábulo, entre o calor dos animais e o amor dos pais. O teto não Lhe pertencia. Na infância, esteve no Egito, na qualidade de estrangeiro, submetendo-Se às leis dos homens. Depois, de retorno a Nazaré, viveu no lar humilde de um carpinteiro, moldando com Suas mãos a madeira para a transformar em mesas, bancos, utensílios vários. Ao iniciar o Seu messianato, entre os homens, escolheu doze trabalhadores do povo. À exceção de um deles, Mateus, todos os demais, homens rudes, acostumados à lide com redes e comércio. Não dispunha de recursos amoedados. Pregava à beira do lago, nas praças, nos vilarejos. Utili- zava-Se das oportunidades nas sinagogas e no templo. Os exemplos, para a pregação do Reino que vinha implantar no coração dos homens, colhia das coisas simples, mas expressivas, da natureza. Um grão de mostarda para lecionar o tamanho da fé que remove montanhas. Uma figueira que se negava a dar frutos, desatendendo a sua missão, para dizer da necessidade de se produzir sempre. Flores do campo e aves do céu para ensinar a lição inigualável da Providência Divina, que por todos vela. Ovelhas para falar de mansidão e da preocupação do pastor para com cada uma delas. Pérolas para dizer da preciosidade das lições que Ele trazia do Pai para a Terra. Sementes, campos férteis e terras áridas para Se referir ao próprio coração humano ao qual Se dirigia. Falou de justiça numa Terra cansada de injustiças sociais. Trouxe a lição da não violência, num mundo envolvido em muitas guerras. Ensinou que o Divino Criador é Pai de todos, sem diferença de nacionalidade ou condição soci- al. Ninguém disse o que Ele disse e da forma que O fez. E até hoje, ninguém teve o Seu aniversário comemorado, todos os anos, pelo mundo todo, du- rante mais de dois mil anos. * * * Jesus é o mais notável Ser da História da Humanidade. A Sua vida e a Sua obra são as mais comentadas e discutidas dentre todas as que já passaram pela cultura e pela civilização, através dos tempos. O Seu Testamento, o Evangelho, é o mais belo poema de esperanças e consolações de que se tem notícia. Ainda hoje, a Sua voz alcança os ouvidos de todos aqueles que sofrem, ou que aspi- ram pelos ideais de beleza e de felicidade, os que aguardam por melhores dias. O Seu convite é para o prosseguimento da autossuperação, na rota da perfeição. Texto do livro Jesus e o Evangelho à luz da psicologia profunda, pelo Espírito Joanna de Ângelis 6
  • 7. Queridos Irmãos, Saudações! A nossa Fraternidade realiza um trabalho social junto às famílias cadastradas nesta casa, no qual oferecemos cestas básicas mensalmente aos mais necessitados com recursos angariados na campanha do quilo, nos eventos promovidos pela casa e com doações generosas de alguns irmãos que se desdobram para que nunca faltem os itens necessários. Existe também o trabalho de assistência a duas Instituições sem fins lucrativos, loca- lizadas no município de Duque de Caxias, que são: uma casa de repouso para idosos – Mansão da Esperança, e um semi-internato para crianças de 3 meses a 6 anos de idade – Casa da Criança - no qual buscamos atender às necessidades básicas, tais como: alimentação, fraldas descartáveis, leite, curativos, luvas descartáveis, etc. Essas instituições realizam um trabalho sem nenhuma ajuda governamental e vivem apenas da caridade, ou seja, de doações de irmãos generosos que se preocupam com as dificuldades do próximo. Temos recebido, pelas graças de Deus, grande ajuda. Somos auxiliados até mesmo por parte de pessoas e comerciantes da cidade que não frequentam a nossa Fraterni- dade, que pertencem a outras denominações religiosas, mas como cristãos, têm cum- prido o maior mandamento que Jesus nos deixou: Amar ao próximo como a ti mes- mo. Nós dependemos da ajuda de todos para que este trabalho tenha êxito e para que aja a continuidade desse auxílio, pois a fome tem pressa, não pode esperar. Por isso bus- camos sensibilizar nossos frequentadores nas reuniões públicas e estimulando os mesmos a fazerem a sua parte, exercitando o dom da caridade. Porém sempre afir- mamos que aqueles que não possuem recursos materiais para ajudar, podem fazer algo muito importante por este trabalho, direcionar suas orações e vibrações para que a ajuda nunca falte e para que a assistência seja na medida das necessidades destes irmãos que vivem e dependem destas duas instituições – Mansão da Esperan- ça e Casa da Criança. Rogamos a Jesus e a Espiritualidade amiga, que nos fortaleça e que sustente mais e mais esta atividade desenvolvida por nossa querida Fraternidade Espírita Cristã. Viva Jesus! Com todo carinho!!! A Fraternidade Espírita Cristã deseja a todos um Natal muito feliz e que durante o ano de 2013, estejamos todos juntos com muita saúde, paz e har- monia. FELIZ NATAL e FELIZ 2013! 7
  • 8. ATIVIDADES REALIZADAS: ATENDIMENTO FRATERNAL Visita dos irmãos da casa direcionada aos enfermos, impedidos de se locomove- rem, convalescentes de cirurgias, acamados, hospitalizados ou que perderam um ente querido recentemente, que desejarem receber uma leitura reconfortante do Evangelho, Fluidificação da água e aplicação de passes magnéticos. Será realizada aos finais de semana - sábados ou domingos - a partir das 15:00h, a ser agendado na administração da casa ou pela irmã Angelina, informando nome, endereço e telefone da residência, com um ponto de referência. Obs: pedimos que somente sejam solicitadas visitas a pessoas que sejam simpati- zantes do Espiritismo, para que não haja nenhum constrangimento por parte das famílias e dos médiuns visitantes. TRATAMENTO COMPLEMENTAR: REIKI / CROMOTERAPIA / SHIATSU OBS: Somente com autorização da direção espiritual da FEC CONSULTA MÉDICA (Clínica Geral) Realizada todas às terças-feiras às 19:00h pelo Dr. Paulo Cesar CAMPANHA DO AGASALHO Ajude ao seu semelhante a não sentir tanto frio. Aceitamos doações de mantas, cobertores, etc. CAMPANHA DO QUILO Sempre que possível, ao fazer-nos uma visita, traga 1 kg de alimento não perecível, pois fazemos entrega de cestas básicas aos necessitados. .“AJUDAR É UM BENEFÍCIO, MAIS PARA SI DO QUE PARA QUEM RECEBE” INFORMAÇÕES: É importante saber que a FEC não é mantida por nenhum Órgão Público ou Entidade Privada. Com isso conta apenas com a colaboração e com as doações de freqüentado- res. Quer fazer parte de nossa Fraternidade como Sócio Benemérito? É muito fácil. Então, procure-nos na Secretaria da FEC para maiores esclarecimentos e seja bem- vindo. AGUARDAMOS SUA VISITA! NOSSOS AGRADECIMENTOS Agradecemos a todos os nossos colaboradores a atenção dispensada, tendo a certeza de que poderemos contar com a sua ajuda. Em especial o nosso agradecimento a Loja Maçônica Treze de Maio e ao seu Departamento Feminino “Musas”, pela colaboração na aquisição de mantimentos para compor a cesta básica das famílias de nossa comu- nidade e assistidas pela FEC. Av. Estácio de Sá, L32 - Q17 - Pq. Novo Rio - São João de Meriti / RJ CEP: 25585-000 - Tel.: (021) 2652-4863 8