SlideShare uma empresa Scribd logo
DoAdventoaoPresépio
Espiritualidade, Símbolos e Significado
Prof. Luís Miranda
Teólogo, Pastoralista e Catequeta
luismgmiranda1978@gmail.com
O ANO LITÚRGICO
divide-se em cinco tempos:
▪ Tempo do Advento
▪ Tempo do Natal
▪ Tempo da Quaresma
▪ Tempo Pascal
▪ Tempo Comum
OANOLITÚRGICO:
ciclodaEncarnação
No Tempo do Advento, a liturgia romana celebra a dupla
«Vinda do Senhor»:
▪ a primeira, humilde, quando, na plenitude dos tempos
(cf. Gal 4, 4), o Filho de Deus, tomando da Santíssima
Virgem a condição humana, veio ao mundo para salvar
os homens;
▪ a segunda, gloriosa, quando no fim dos tempos, virá
«para julgar os vivos e os mortos» (Credo) e introduzir
os justos na casa do Pai, onde nos precedeu a Virgem
Santa Maria.
O que celebramos nos quatro
Domingos que antecedem o
Natal do Senhor?
Espiritualidade
• Tempo de especial intimidade espiritual com
Deus através do itinerário catequético da
Liturgia;
• Tempo de redescoberta do Silêncio;
• Tempo de aprofundamento da Esperança;
• Tempo de contemplação da ação do Espírito
Santo;
O que nos ensina a
Liturgia?
• Escuta
“O advento é tempo para
acolher o Verbo procedente do
silêncio.”
(Sto. Inácio de Antioquia)
O que nos ensina a
Liturgia?
• Vigilância
“O Senhor nos visita
continuamente, todo dia, caminha
ao nosso lado, é uma presença de
consolação”
(Papa Francisco)
O que nos ensina a
Liturgia?
• Sobriedade
“É preciso aprender a não depender de
nossas seguranças, de nossos esquemas
demarcados, porque o Senhor vem na hora
que não imaginamos. Vem para nos conduzir
a uma dimensão mais bonita e maior”
(Papa Francisco)
O que nos ensina a
Liturgia?
• Contemplação
“A primeira visita ocorreu com a encarnação, o
nascimento de Jesus na gruta de Belém; a segunda
acontece no presente, o Senhor nos visita
continuamente, todo dia, caminha ao nosso lado e é
uma presença de consolação; e em fim haverá ainda
uma terceira e última vinda, que nós professamos todas
as vezes que rezamos o Credo, ‘De novo Ele virá na
glória para julgar os vivos e os mortos”
(Papa Francisco)
O que nos ensina a
Liturgia?
• Coração aberto
“Somos chamados a ampliar o horizonte
de nosso coração, a deixarmo-nos
surpreender pela vida que apresenta a
cada dia suas novidades”
(Papa Francisco)
O que nos ensina a
Liturgia?
“1ª Parte” do Advento, celebramos O
Advento da vinda definitiva, que vai do primeiro
domingo do Advento ao dia 16 de dezembro,
inclusive.
O que nos ensina a
Liturgia?
Na “2ª parte”, O Advento natalício,
preparação mais imediata, que se estende de
17 a 24 de dezembro. É nestes dias que
começam a novena do Natal e as antífonas do
“Ó”
O que nos ensina a
Liturgia?
Neste tempo não cantamos “Glória”, a
sobriedade da liturgia ‘omite’ o canto dos
anjos que fazem alegrar o céu e a terra para
que possamos saborear mais intensamente
essa alegria no Natal.
Como a Igreja
“traduz” tudo isto
em sinais?
1º Sinal
A cor roxa usada na liturgia
símbolodeumtempolitúrgicoonde iremos,comrecolhimento,
percorrer/aprofundar ocaminhoparaacolherJesusquevem
2º Sinal
«No tempo do Advento ornamente-se o altar
com flores com a moderação que convém à
índole deste tempo, de modo a não antecipar a
plena alegria do Natal do Senhor»
(Instrução Geral do Missal Romano, n. 305; Cerimonial dos Bispos, n. 236).
3º Sinal
O 3º Domingo do
Advento,
Domingo Gaudete,
uso da cor Rosa.
A liturgia nos convida:
"Alegrai-vos
sempre no Senhor.
Repito, alegrai-vos,
pois o Senhor está
perto“
(Fl 4, 4).
4º Sinal
A Coroa do Advento
Origem
A Coroa do Advento tem a sua origem em
uma tradição pagã europeia. No inverno,
acendiam-se algumas velas que
representavam o "fogo do deus sol" com a
esperança de que a sua luz e o seu calor
voltassem. Os primeiros missionários
aproveitaram esta tradição para evangelizar as
pessoas. A partir de seus próprios costumes
ensinavam-lhes a fé católica.
Forma circular
O círculo não tem princípio, nem
fim. É sinal do amor de Deus que é
eterno, sem princípio nem fim, e
também do nosso amor a Deus e ao
próximo, o qual nunca deve terminar.
Quatro velas: Simbolizam os quatro Domingos do Advento. No início, a coroa
sem luz recorda-nos a experiência de escuridão do pecado. Na medida em que
se aproxima o Natal, vamos acendendo uma a uma as quatro velas,
representando assim a chegada, entre nós, do Senhor Jesus, luz do mundo, que
dissipa a escuridão.
Quanto a cor
as velas podem ser:
A) Três roxas e uma rosa: A cor roxa é um
convite a purificar os nossos corações, para
acolher o Cristo que vem. A cor rosa, no
terceiro domingo, é um chamado à alegria,
pois o Senhor está próximo. Detalhes
dourados prefiguram a glória do Reino que
virá.
Quanto a cor
as velas podem ser:
B) Quatro velas nas cores litúrgicas:
• Roxa - cor penitencial que lembra o perdão concedido a Adão e
Eva.
• Vermelha - expressa a fé de Abraão e demais Patriarcas.
• Branca - simboliza a alegria do rei Davi que recebeu de Deus a
promessa de uma aliança.
• Verde - recorda os Profetas que anunciaram a chegada do
Salvador.
5º Sinal
As grandes figuras
bíblicas do Advento...
ISAÍAS – profeta da Esperança que
desperta no coração do povo a confiança
em Deus
JOÃO BATISTA – Voz que clama no deserto
e que aponta o caminho do Senhor
As grandes figuras
bíblicas do Advento...
MARIA
A simples ‘jovem do interior’, que carrega no coração
toda a esperança de Deus! No seu ventre a esperança de
Deus se fez carne, tornou-se homem, se fez história: Jesus
Cristo. O seu Magnificat é o cântico do Povo de Deus a
caminho, e de todos os homens e mulheres que esperam
em Deus, no poder da sua misericórdia.
(Papa Francisco)
As grandes figuras
bíblicas do Advento...
JOSÉ
É o homem que não fala, mas obedece, o homem da ternura, o
homem capaz de levar adiante as promessas para que se tornem
firmes, seguras. O homem que garante a estabilidade do Reino de
Deus, a paternidade de Deus, a nossa filiação como filho de Deus. É
guardião das fraquezas, de nossas fraquezas: é capaz de fazer nascer
muitas coisas bonitas de nossas fraquezas, de nossos pecados. José é
o custódio das fraquezas para que se tornem firmes na fé, é o
“guardião do sonho de Deus”: o sonho de Deus de nos salvar, de
nos redimir. É grande este carpinteiro silencioso, trabalhador e
guardião que carrega as fraquezas e é capaz de sonhar.
(Papa Francisco)
6º Sinal
As atitudes
de cada Domingo...
• Vigiai
• Preparai (-vos)
• Alegrai (-vos)
• Confiai
O Presépio
Do Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significado
OLHANDO CADA FIGURA...
Maria e José – Sinal da fidelidade total ao projeto de
Deus; Símbolo de um Povo que sabe esperar as ‘surpresas de
Deus’;
Os Anjos – Mensageiros portadores da Boa notícia de Deus
para a Humanidade;
Os Pastores – Símbolo das ‘periferias’, não podiam ser
testemunhas em tribunal pois eram tidos como trapaceiros e
sujos pois negociavam gado e viviam no meio do gado. São os
primeiros a receber o anúncio...o Evangelho nos alerta: “os
últimos serão os primeiros!”
OLHANDO CADA FIGURA...
Os Magos – não eram reis, eram estudiosos dos astros. Símbolo
das nações/continentes conhecidos na época, representam todas as
nações pagãs peregrinantes para reconhecer e adorar a Cristo como
Salvador.
O Boi/Vaca - evoca as tarefas da lavoura, o trabalho duro e diário;
simboliza o pesado jugo do trabalho, que o próprio Cristo quis partilhar
connosco: “vinde a Mim todos vós que andais cansados e oprimidos, e
Eu vos aliviarei”, dirá depois Jesus.
O jumento - com a sua mansidão, recorda-nos que Jesus, esse
Menino deitado entre palhas e feno, aquecido por animais, não vem pela
violência, mas pela mansidão e pela paz. “Aprendei de Mim, que sou
manso e humilde de coração”, dirá mais tarde o próprio Jesus. Diante da
violência de tantos homens, Jesus apresenta-se como mansidão e paz.
A figura do jumento liga também o Natal à Páscoa: será montado
num jumentinho que Jesus entrará em Jerusalém, onde será preso e
morto.
OLHANDO CADA FIGURA...
A vaca e o jumento do Presépio
recordam-nos ainda aquela que é a
atitude fundamental diante do
Presépio: o silêncio! A contemplação!
Desprovidos de fala, olham aquela
criança deitada na sua manjedoura e
aquecem-na com o seu bafo, a sua
respiração.
OLHANDO CADA FIGURA...
É verdade que normalmente olhamos os animais do Presépio como meras
figuras decorativas. Mas eles estão lá também para nos recordar algo
importante:
▪ Desafiar-nos à contemplação deste mistério do nascimento de Jesus; corrigir
a nossa tentação a tudo afogarmos com palavras!
▪ Desafiar-nos à mansidão e bondade para com todos; a renunciarmos à
violência, seja ela de que género for; a vermos naquele Menino Deus aquele
com quem podemos aprender essa mansidão e humildade.
▪ Desafiar-nos a compreender que é toda a nossa vida, com os seus trabalhos
e dificuldades, que Jesus assume. Filho de José, o carpinteiro, Jesus, Ele
próprio, assumirá o trabalho de seu pai. É também pelo nosso trabalho que
nos aproximamos de Deus.
▪ Mas sobretudo, no Presépio, a vaca e o burro recordam-nos constantemente
a necessidade de acolhermos Jesus; dizem-nos que a manjedoura em que
Ele quer nascer hoje é o nosso coração; recordam-nos sem cessar que o
drama do primeiro Natal foi a falta de espaço: as pessoas não tiveram
espaço nas suas vidas para receber e acolher o Menino Deus!
Do Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significado
O ideal cristão convidará sempre a superar a suspeita, a desconfiança
permanente, o medo de sermos invadidos, as atitudes defensivas que nos impõe
o mundo atual. Muitos tentam escapar dos outros fechando-se na sua privacidade
confortável ou no círculo reduzido dos mais íntimos, e renunciam ao realismo da
dimensão social do Evangelho. Porque, assim como alguns quiseram um Cristo
puramente espiritual, sem carne nem cruz, também se pretendem relações
interpessoais mediadas apenas por sofisticados aparatos, por ecrãs e sistemas que
se podem acender e apagar à vontade. Entretanto o Evangelho convida-
nos sempre a abraçar o risco do encontro com o rosto do outro,
com a sua presença física que interpela, com o seu sofrimentos
e suas reivindicações, com a sua alegria contagiosa
permanecendo lado a lado. A verdadeira fé no Filho de Deus
feito carne é inseparável do dom de si mesmo, da pertença à
comunidade, do serviço, da reconciliação com a carne dos
outros. Na sua encarnação, o Filho de Deus convidou-nos à
revolução da ternura.
(Evangelii Gaudium nº 88)
Bom
Advento
E
Feliz
Natal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

23º Encontro - Sacramento da Confissão
23º Encontro - Sacramento da Confissão23º Encontro - Sacramento da Confissão
23º Encontro - Sacramento da Confissão
Catequese Anjos dos Céus
 
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro ppsFormação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
José Luiz Silva Pinto
 
Curso de-ministros
Curso de-ministrosCurso de-ministros
Curso de-ministros
Wesley Mallbross
 
O que é a Eucaristia?
O que é a Eucaristia?O que é a Eucaristia?
O que é a Eucaristia?
Juliana Cristina M. Muniz
 
Itinerários do processo da iniciação a vida cristã
Itinerários do processo da iniciação a vida cristãItinerários do processo da iniciação a vida cristã
Itinerários do processo da iniciação a vida cristã
lomes
 
A missa– parte por parte
A missa– parte por parteA missa– parte por parte
A missa– parte por parte
Jean
 
Formação litúrgica: Advento e Natal
Formação litúrgica:  Advento e NatalFormação litúrgica:  Advento e Natal
Formação litúrgica: Advento e Natal
Bernadetecebs .
 
Roteiro de missa de 1ª eucaristia.
Roteiro de missa de 1ª eucaristia.Roteiro de missa de 1ª eucaristia.
Roteiro de missa de 1ª eucaristia.
Lucas Licerre
 
Um culto bem preparado
Um culto bem preparadoUm culto bem preparado
Um culto bem preparado
Estevão Ribeiro
 
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da EucarístiaMissa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
Cris-Keka Mania
 
Advento e natal
Advento e natalAdvento e natal
Advento e natal
Zaara Miranda
 
Missa parte a parte
Missa parte a parteMissa parte a parte
Missa parte a parte
paroquianogueira
 
Ano liturgico
Ano liturgicoAno liturgico
Ano liturgico
Jean
 
Ano Litúrgico
Ano Litúrgico Ano Litúrgico
Ano Litúrgico
José Vieira Dos Santos
 
Apresentação a iniciação da vida cristã
Apresentação a iniciação da vida cristãApresentação a iniciação da vida cristã
Apresentação a iniciação da vida cristã
eusouaimaculada
 
A missa parte por parte
A missa parte por parteA missa parte por parte
A missa parte por parte
Juliana Cristina M. Muniz
 
Quaresma
QuaresmaQuaresma
Quaresma
cacaesteves
 
Power point da formação
Power point da formaçãoPower point da formação
Power point da formação
acolitosdeparanhos
 
Catequese iniciacao a vida cristã ii
Catequese   iniciacao a vida cristã iiCatequese   iniciacao a vida cristã ii
Catequese iniciacao a vida cristã ii
Henrique Fernandes de Souza
 
CNBB - Diretorio Nancional de Catequese
CNBB - Diretorio Nancional de CatequeseCNBB - Diretorio Nancional de Catequese
CNBB - Diretorio Nancional de Catequese
Luís Miguel Rodrigues
 

Mais procurados (20)

23º Encontro - Sacramento da Confissão
23º Encontro - Sacramento da Confissão23º Encontro - Sacramento da Confissão
23º Encontro - Sacramento da Confissão
 
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro ppsFormação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
 
Curso de-ministros
Curso de-ministrosCurso de-ministros
Curso de-ministros
 
O que é a Eucaristia?
O que é a Eucaristia?O que é a Eucaristia?
O que é a Eucaristia?
 
Itinerários do processo da iniciação a vida cristã
Itinerários do processo da iniciação a vida cristãItinerários do processo da iniciação a vida cristã
Itinerários do processo da iniciação a vida cristã
 
A missa– parte por parte
A missa– parte por parteA missa– parte por parte
A missa– parte por parte
 
Formação litúrgica: Advento e Natal
Formação litúrgica:  Advento e NatalFormação litúrgica:  Advento e Natal
Formação litúrgica: Advento e Natal
 
Roteiro de missa de 1ª eucaristia.
Roteiro de missa de 1ª eucaristia.Roteiro de missa de 1ª eucaristia.
Roteiro de missa de 1ª eucaristia.
 
Um culto bem preparado
Um culto bem preparadoUm culto bem preparado
Um culto bem preparado
 
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da EucarístiaMissa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
 
Advento e natal
Advento e natalAdvento e natal
Advento e natal
 
Missa parte a parte
Missa parte a parteMissa parte a parte
Missa parte a parte
 
Ano liturgico
Ano liturgicoAno liturgico
Ano liturgico
 
Ano Litúrgico
Ano Litúrgico Ano Litúrgico
Ano Litúrgico
 
Apresentação a iniciação da vida cristã
Apresentação a iniciação da vida cristãApresentação a iniciação da vida cristã
Apresentação a iniciação da vida cristã
 
A missa parte por parte
A missa parte por parteA missa parte por parte
A missa parte por parte
 
Quaresma
QuaresmaQuaresma
Quaresma
 
Power point da formação
Power point da formaçãoPower point da formação
Power point da formação
 
Catequese iniciacao a vida cristã ii
Catequese   iniciacao a vida cristã iiCatequese   iniciacao a vida cristã ii
Catequese iniciacao a vida cristã ii
 
CNBB - Diretorio Nancional de Catequese
CNBB - Diretorio Nancional de CatequeseCNBB - Diretorio Nancional de Catequese
CNBB - Diretorio Nancional de Catequese
 

Semelhante a Do Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significado

Natal 2.pptx
Natal 2.pptxNatal 2.pptx
Natal 2.pptx
M.R.L
 
Natal e seus Significados
Natal e seus SignificadosNatal e seus Significados
Natal e seus Significados
ThiagoPereiraSantos2
 
Vem senhor
Vem senhorVem senhor
Vem senhor
pr_afsalbergaria
 
Vem senhor
Vem senhorVem senhor
Vem senhor
pr_afsalbergaria
 
Livreto ieq-20161103
Livreto ieq-20161103Livreto ieq-20161103
Livreto ieq-20161103
JONATAS VELOSO
 
Dinamica do advento dinamica
Dinamica do advento dinamicaDinamica do advento dinamica
Dinamica do advento dinamica
Maria José Gonçalves
 
I domingo do advento ano c - tempo de esperança
I domingo do advento   ano c - tempo de esperançaI domingo do advento   ano c - tempo de esperança
I domingo do advento ano c - tempo de esperança
José Luiz Silva Pinto
 
Semana santa ramos_repassando
Semana santa ramos_repassandoSemana santa ramos_repassando
Semana santa ramos_repassando
Ivan Gondim
 
Ss1201 ramos
Ss1201 ramosSs1201 ramos
Workshop sobre Advento.pptx
Workshop sobre Advento.pptxWorkshop sobre Advento.pptx
Workshop sobre Advento.pptx
EisenhowerSouza1
 
Advent and Christmas 2 Customs, Traditions and Folklore (Portuguese)
Advent and Christmas   2   Customs, Traditions and Folklore (Portuguese)Advent and Christmas   2   Customs, Traditions and Folklore (Portuguese)
Advent and Christmas 2 Customs, Traditions and Folklore (Portuguese)
Martin M Flynn
 
Formação sobre o Tempo do Advento.pptx..
Formação sobre o Tempo do Advento.pptx..Formação sobre o Tempo do Advento.pptx..
Formação sobre o Tempo do Advento.pptx..
LehonanSouza
 
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Abril ...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Abril ...Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Abril ...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Abril ...
ParoquiaDeSaoPedro
 
Cat02
Cat02Cat02
SEMANA SANTA E TRIDUO PASCAL 2023.pptx
SEMANA SANTA E TRIDUO PASCAL 2023.pptxSEMANA SANTA E TRIDUO PASCAL 2023.pptx
SEMANA SANTA E TRIDUO PASCAL 2023.pptx
ssuserb2df64
 
Domingo de Ramos
Domingo de RamosDomingo de Ramos
Domingo de Ramos
pr_afsalbergaria
 
08 01 12
08 01 1208 01 12
Quatro substantivos femininos
Quatro substantivos femininosQuatro substantivos femininos
Quatro substantivos femininos
Pastor Robson Colaço
 
06-07-2021_07-07-2cccccc021_16-46-07.pdf
06-07-2021_07-07-2cccccc021_16-46-07.pdf06-07-2021_07-07-2cccccc021_16-46-07.pdf
06-07-2021_07-07-2cccccc021_16-46-07.pdf
RafaelCndidoCampos
 
Messaggio della Consigliera per le Missioni_14 agosto 2021 por
Messaggio della Consigliera per le Missioni_14 agosto 2021 porMessaggio della Consigliera per le Missioni_14 agosto 2021 por
Messaggio della Consigliera per le Missioni_14 agosto 2021 por
Maike Loes
 

Semelhante a Do Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significado (20)

Natal 2.pptx
Natal 2.pptxNatal 2.pptx
Natal 2.pptx
 
Natal e seus Significados
Natal e seus SignificadosNatal e seus Significados
Natal e seus Significados
 
Vem senhor
Vem senhorVem senhor
Vem senhor
 
Vem senhor
Vem senhorVem senhor
Vem senhor
 
Livreto ieq-20161103
Livreto ieq-20161103Livreto ieq-20161103
Livreto ieq-20161103
 
Dinamica do advento dinamica
Dinamica do advento dinamicaDinamica do advento dinamica
Dinamica do advento dinamica
 
I domingo do advento ano c - tempo de esperança
I domingo do advento   ano c - tempo de esperançaI domingo do advento   ano c - tempo de esperança
I domingo do advento ano c - tempo de esperança
 
Semana santa ramos_repassando
Semana santa ramos_repassandoSemana santa ramos_repassando
Semana santa ramos_repassando
 
Ss1201 ramos
Ss1201 ramosSs1201 ramos
Ss1201 ramos
 
Workshop sobre Advento.pptx
Workshop sobre Advento.pptxWorkshop sobre Advento.pptx
Workshop sobre Advento.pptx
 
Advent and Christmas 2 Customs, Traditions and Folklore (Portuguese)
Advent and Christmas   2   Customs, Traditions and Folklore (Portuguese)Advent and Christmas   2   Customs, Traditions and Folklore (Portuguese)
Advent and Christmas 2 Customs, Traditions and Folklore (Portuguese)
 
Formação sobre o Tempo do Advento.pptx..
Formação sobre o Tempo do Advento.pptx..Formação sobre o Tempo do Advento.pptx..
Formação sobre o Tempo do Advento.pptx..
 
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Abril ...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Abril ...Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Abril ...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Abril ...
 
Cat02
Cat02Cat02
Cat02
 
SEMANA SANTA E TRIDUO PASCAL 2023.pptx
SEMANA SANTA E TRIDUO PASCAL 2023.pptxSEMANA SANTA E TRIDUO PASCAL 2023.pptx
SEMANA SANTA E TRIDUO PASCAL 2023.pptx
 
Domingo de Ramos
Domingo de RamosDomingo de Ramos
Domingo de Ramos
 
08 01 12
08 01 1208 01 12
08 01 12
 
Quatro substantivos femininos
Quatro substantivos femininosQuatro substantivos femininos
Quatro substantivos femininos
 
06-07-2021_07-07-2cccccc021_16-46-07.pdf
06-07-2021_07-07-2cccccc021_16-46-07.pdf06-07-2021_07-07-2cccccc021_16-46-07.pdf
06-07-2021_07-07-2cccccc021_16-46-07.pdf
 
Messaggio della Consigliera per le Missioni_14 agosto 2021 por
Messaggio della Consigliera per le Missioni_14 agosto 2021 porMessaggio della Consigliera per le Missioni_14 agosto 2021 por
Messaggio della Consigliera per le Missioni_14 agosto 2021 por
 

Último

Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 

Último (15)

Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 

Do Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significado

  • 1. DoAdventoaoPresépio Espiritualidade, Símbolos e Significado Prof. Luís Miranda Teólogo, Pastoralista e Catequeta luismgmiranda1978@gmail.com
  • 2. O ANO LITÚRGICO divide-se em cinco tempos: ▪ Tempo do Advento ▪ Tempo do Natal ▪ Tempo da Quaresma ▪ Tempo Pascal ▪ Tempo Comum
  • 4. No Tempo do Advento, a liturgia romana celebra a dupla «Vinda do Senhor»: ▪ a primeira, humilde, quando, na plenitude dos tempos (cf. Gal 4, 4), o Filho de Deus, tomando da Santíssima Virgem a condição humana, veio ao mundo para salvar os homens; ▪ a segunda, gloriosa, quando no fim dos tempos, virá «para julgar os vivos e os mortos» (Credo) e introduzir os justos na casa do Pai, onde nos precedeu a Virgem Santa Maria. O que celebramos nos quatro Domingos que antecedem o Natal do Senhor?
  • 5. Espiritualidade • Tempo de especial intimidade espiritual com Deus através do itinerário catequético da Liturgia; • Tempo de redescoberta do Silêncio; • Tempo de aprofundamento da Esperança; • Tempo de contemplação da ação do Espírito Santo;
  • 6. O que nos ensina a Liturgia? • Escuta “O advento é tempo para acolher o Verbo procedente do silêncio.” (Sto. Inácio de Antioquia)
  • 7. O que nos ensina a Liturgia? • Vigilância “O Senhor nos visita continuamente, todo dia, caminha ao nosso lado, é uma presença de consolação” (Papa Francisco)
  • 8. O que nos ensina a Liturgia? • Sobriedade “É preciso aprender a não depender de nossas seguranças, de nossos esquemas demarcados, porque o Senhor vem na hora que não imaginamos. Vem para nos conduzir a uma dimensão mais bonita e maior” (Papa Francisco)
  • 9. O que nos ensina a Liturgia? • Contemplação “A primeira visita ocorreu com a encarnação, o nascimento de Jesus na gruta de Belém; a segunda acontece no presente, o Senhor nos visita continuamente, todo dia, caminha ao nosso lado e é uma presença de consolação; e em fim haverá ainda uma terceira e última vinda, que nós professamos todas as vezes que rezamos o Credo, ‘De novo Ele virá na glória para julgar os vivos e os mortos” (Papa Francisco)
  • 10. O que nos ensina a Liturgia? • Coração aberto “Somos chamados a ampliar o horizonte de nosso coração, a deixarmo-nos surpreender pela vida que apresenta a cada dia suas novidades” (Papa Francisco)
  • 11. O que nos ensina a Liturgia? “1ª Parte” do Advento, celebramos O Advento da vinda definitiva, que vai do primeiro domingo do Advento ao dia 16 de dezembro, inclusive.
  • 12. O que nos ensina a Liturgia? Na “2ª parte”, O Advento natalício, preparação mais imediata, que se estende de 17 a 24 de dezembro. É nestes dias que começam a novena do Natal e as antífonas do “Ó”
  • 13. O que nos ensina a Liturgia? Neste tempo não cantamos “Glória”, a sobriedade da liturgia ‘omite’ o canto dos anjos que fazem alegrar o céu e a terra para que possamos saborear mais intensamente essa alegria no Natal.
  • 14. Como a Igreja “traduz” tudo isto em sinais?
  • 16. A cor roxa usada na liturgia símbolodeumtempolitúrgicoonde iremos,comrecolhimento, percorrer/aprofundar ocaminhoparaacolherJesusquevem
  • 18. «No tempo do Advento ornamente-se o altar com flores com a moderação que convém à índole deste tempo, de modo a não antecipar a plena alegria do Natal do Senhor» (Instrução Geral do Missal Romano, n. 305; Cerimonial dos Bispos, n. 236).
  • 20. O 3º Domingo do Advento, Domingo Gaudete, uso da cor Rosa. A liturgia nos convida: "Alegrai-vos sempre no Senhor. Repito, alegrai-vos, pois o Senhor está perto“ (Fl 4, 4).
  • 22. A Coroa do Advento
  • 23. Origem A Coroa do Advento tem a sua origem em uma tradição pagã europeia. No inverno, acendiam-se algumas velas que representavam o "fogo do deus sol" com a esperança de que a sua luz e o seu calor voltassem. Os primeiros missionários aproveitaram esta tradição para evangelizar as pessoas. A partir de seus próprios costumes ensinavam-lhes a fé católica.
  • 24. Forma circular O círculo não tem princípio, nem fim. É sinal do amor de Deus que é eterno, sem princípio nem fim, e também do nosso amor a Deus e ao próximo, o qual nunca deve terminar.
  • 25. Quatro velas: Simbolizam os quatro Domingos do Advento. No início, a coroa sem luz recorda-nos a experiência de escuridão do pecado. Na medida em que se aproxima o Natal, vamos acendendo uma a uma as quatro velas, representando assim a chegada, entre nós, do Senhor Jesus, luz do mundo, que dissipa a escuridão.
  • 26. Quanto a cor as velas podem ser: A) Três roxas e uma rosa: A cor roxa é um convite a purificar os nossos corações, para acolher o Cristo que vem. A cor rosa, no terceiro domingo, é um chamado à alegria, pois o Senhor está próximo. Detalhes dourados prefiguram a glória do Reino que virá.
  • 27. Quanto a cor as velas podem ser: B) Quatro velas nas cores litúrgicas: • Roxa - cor penitencial que lembra o perdão concedido a Adão e Eva. • Vermelha - expressa a fé de Abraão e demais Patriarcas. • Branca - simboliza a alegria do rei Davi que recebeu de Deus a promessa de uma aliança. • Verde - recorda os Profetas que anunciaram a chegada do Salvador.
  • 29. As grandes figuras bíblicas do Advento... ISAÍAS – profeta da Esperança que desperta no coração do povo a confiança em Deus JOÃO BATISTA – Voz que clama no deserto e que aponta o caminho do Senhor
  • 30. As grandes figuras bíblicas do Advento... MARIA A simples ‘jovem do interior’, que carrega no coração toda a esperança de Deus! No seu ventre a esperança de Deus se fez carne, tornou-se homem, se fez história: Jesus Cristo. O seu Magnificat é o cântico do Povo de Deus a caminho, e de todos os homens e mulheres que esperam em Deus, no poder da sua misericórdia. (Papa Francisco)
  • 31. As grandes figuras bíblicas do Advento... JOSÉ É o homem que não fala, mas obedece, o homem da ternura, o homem capaz de levar adiante as promessas para que se tornem firmes, seguras. O homem que garante a estabilidade do Reino de Deus, a paternidade de Deus, a nossa filiação como filho de Deus. É guardião das fraquezas, de nossas fraquezas: é capaz de fazer nascer muitas coisas bonitas de nossas fraquezas, de nossos pecados. José é o custódio das fraquezas para que se tornem firmes na fé, é o “guardião do sonho de Deus”: o sonho de Deus de nos salvar, de nos redimir. É grande este carpinteiro silencioso, trabalhador e guardião que carrega as fraquezas e é capaz de sonhar. (Papa Francisco)
  • 33. As atitudes de cada Domingo... • Vigiai • Preparai (-vos) • Alegrai (-vos) • Confiai
  • 36. OLHANDO CADA FIGURA... Maria e José – Sinal da fidelidade total ao projeto de Deus; Símbolo de um Povo que sabe esperar as ‘surpresas de Deus’; Os Anjos – Mensageiros portadores da Boa notícia de Deus para a Humanidade; Os Pastores – Símbolo das ‘periferias’, não podiam ser testemunhas em tribunal pois eram tidos como trapaceiros e sujos pois negociavam gado e viviam no meio do gado. São os primeiros a receber o anúncio...o Evangelho nos alerta: “os últimos serão os primeiros!”
  • 37. OLHANDO CADA FIGURA... Os Magos – não eram reis, eram estudiosos dos astros. Símbolo das nações/continentes conhecidos na época, representam todas as nações pagãs peregrinantes para reconhecer e adorar a Cristo como Salvador. O Boi/Vaca - evoca as tarefas da lavoura, o trabalho duro e diário; simboliza o pesado jugo do trabalho, que o próprio Cristo quis partilhar connosco: “vinde a Mim todos vós que andais cansados e oprimidos, e Eu vos aliviarei”, dirá depois Jesus. O jumento - com a sua mansidão, recorda-nos que Jesus, esse Menino deitado entre palhas e feno, aquecido por animais, não vem pela violência, mas pela mansidão e pela paz. “Aprendei de Mim, que sou manso e humilde de coração”, dirá mais tarde o próprio Jesus. Diante da violência de tantos homens, Jesus apresenta-se como mansidão e paz. A figura do jumento liga também o Natal à Páscoa: será montado num jumentinho que Jesus entrará em Jerusalém, onde será preso e morto.
  • 38. OLHANDO CADA FIGURA... A vaca e o jumento do Presépio recordam-nos ainda aquela que é a atitude fundamental diante do Presépio: o silêncio! A contemplação! Desprovidos de fala, olham aquela criança deitada na sua manjedoura e aquecem-na com o seu bafo, a sua respiração.
  • 39. OLHANDO CADA FIGURA... É verdade que normalmente olhamos os animais do Presépio como meras figuras decorativas. Mas eles estão lá também para nos recordar algo importante: ▪ Desafiar-nos à contemplação deste mistério do nascimento de Jesus; corrigir a nossa tentação a tudo afogarmos com palavras! ▪ Desafiar-nos à mansidão e bondade para com todos; a renunciarmos à violência, seja ela de que género for; a vermos naquele Menino Deus aquele com quem podemos aprender essa mansidão e humildade. ▪ Desafiar-nos a compreender que é toda a nossa vida, com os seus trabalhos e dificuldades, que Jesus assume. Filho de José, o carpinteiro, Jesus, Ele próprio, assumirá o trabalho de seu pai. É também pelo nosso trabalho que nos aproximamos de Deus. ▪ Mas sobretudo, no Presépio, a vaca e o burro recordam-nos constantemente a necessidade de acolhermos Jesus; dizem-nos que a manjedoura em que Ele quer nascer hoje é o nosso coração; recordam-nos sem cessar que o drama do primeiro Natal foi a falta de espaço: as pessoas não tiveram espaço nas suas vidas para receber e acolher o Menino Deus!
  • 41. O ideal cristão convidará sempre a superar a suspeita, a desconfiança permanente, o medo de sermos invadidos, as atitudes defensivas que nos impõe o mundo atual. Muitos tentam escapar dos outros fechando-se na sua privacidade confortável ou no círculo reduzido dos mais íntimos, e renunciam ao realismo da dimensão social do Evangelho. Porque, assim como alguns quiseram um Cristo puramente espiritual, sem carne nem cruz, também se pretendem relações interpessoais mediadas apenas por sofisticados aparatos, por ecrãs e sistemas que se podem acender e apagar à vontade. Entretanto o Evangelho convida- nos sempre a abraçar o risco do encontro com o rosto do outro, com a sua presença física que interpela, com o seu sofrimentos e suas reivindicações, com a sua alegria contagiosa permanecendo lado a lado. A verdadeira fé no Filho de Deus feito carne é inseparável do dom de si mesmo, da pertença à comunidade, do serviço, da reconciliação com a carne dos outros. Na sua encarnação, o Filho de Deus convidou-nos à revolução da ternura. (Evangelii Gaudium nº 88)