SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 73
Baixar para ler offline
BLOQUEIO DE
ENERGIAS
OBJETIVO
• Definir conceitos, ações e responsabilidades para o travamento de
fontes de energia, assegurando que na realização de trabalhos com
máquinas, equipamentos e instalações, estes estejam totalmente
desenergizados, salvaguardando pessoas da liberação inesperada de
energia.
Entre 1982 e 1997, dos 1.281 acidentes fatais investigados pela NIOSH,
152 envolveram falhas no controle das energias, distribuídos da seguinte
forma:
INTRODUÇÃO
FALHA QUANTIDADE PERCENTUAL
DESENERGIZAÇÃO, ISOLAMENTO OU DISSIPAÇÃO DE
ENERGIAS INCORRETOS
124 81,6
BLOQUEIO E SINALIZAÇAO INCORRETOS 17 11,2
FALHA EM VERIFICAR SE O EQUIPAMENTO FOI
DESENERGIZADO
11 7,2
TOTAL 152 100
PRINCIPAIS FALHAS
• Falha ao deter o
equipamento;
• Falha ao desconectar o
equipamento de sua fonte de
energia;
• Falha ao dissipar a energia
residual armazenada;
• Erro ao se restabelecer
acidentalmente o
equipamento.
• A – desernegização, isolamento ou
dissipação de energia incorretos;
• B – bloqueio e sinalizações
incorretos;
• C – falha ao verificar se o
equipamento foi desenergizados.
Criada nos Estados Unidos em 1990.
Objetivo
Evitar a ocorrência de aproximadamente 100 mortes e 60.000 lesões
anuais decorrentes de acidentes em serviços e manutenção de máquinas
e equipamentos envolvendo as chamadas “Energias Perigosas”.
OSHA 1910.147 ( CONTROLE DE ENERGIAS PERIGOSAS
Energia: Qualquer fonte de alimentação de máquinas, equipamentos ou
sistemas. As mais usuais são: elétrica, pneumática, mecânica e térmica;
O QUE É ENERGIA?
PORQUE BLOQUEIO ELETROMECÂNICO?
Controlamos a energia elétrica porque é à partir dela que se aciona os
comandos dos dispositivos que poderiam utilizar energia mecânica, tais
como: implementos, roldanas, turbinas, polias, hélices, correias, etc.
evitando assim o risco para as pessoas.
SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS
Todo bloqueio deve ser precedido de análise de risco e planejamento
para liberação, assim como uso de dispositivos necessários.
Deve ser elaborada uma “matriz de isolamento”, onde constem os
dispositivos de bloqueio e os equipamentos onde devem ser utilizados.
SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS
Toda energia perigosa deve ser e permanecer isolada durante a
execução do serviço.
SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS
Antes dos serviços, toda energia residual presente nos sistemas deve ser
dissipada ou eliminada.
Tipos de Energia Residual: eletricidade estática, pressão armazenada,
tanques contaminados.
SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS
O responsável pelo isolamento deve utilizar os dispositivos de bloqueio
indicados conforme a “matriz de isolamento”.
SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS
O responsável pelo isolamento deve usar cadeados de isolamento para
isolar as energias identificadas.
SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS
SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS
As chaves dos cadeados de isolamento devem ser trancadas dentro do
cofre de segurança pelo responsável pelo isolamento.
SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS
Cada cofre de segurança corresponde a uma “Matriz de Isolamento”
específica para um equipamento ou área delimitada fisicamente.
SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS
O cofre de segurança deve ser fixado no local de trabalho.
SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS
Todo cofre de segurança deve possuir um cartão de isolamento preso por
lacre, indicando o responsável pelo isolamento e o motivo do serviço.
CARTÃO DE ISOLAMENTO – RESPONSÁVEL PELO
ISOLAMENTO - RI
SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS
Cada trabalhador deve colocar seu cadeado individual no cofre de
segurança.
TIPOS DE DE BLOQUEIO
Dispositivos de bloqueios para válvulas esféricas.
BLOQUEIO UNIVERSAL PARA VÁLVULAS
VÁLVULAS
Utilize um braço para
bloquear válvulas
Esféricas.
Utilize dois braços
para bloquear válvulas
esféricas, permitindo
determinada quantidade de fluxo.
VÁLVULAS
Utilize o cabo para
bloquear válvulas
gaveta.
VÁLVULAS
Bloqueio para válvula borboleta.
VÁLVULAS GAVETA
Bloqueio de válvulas gaveta, seguro e
fácil de aplicar.
VÁLVULAS GAVETA - AJUSTÁVEL
Bloqueio versátil ajusta-se aos volantes de 1” a 6 1/2” de diâmetro.
VÁLVULAS E CHAVES LIGA/DESLIGA
BLOQUEIOS A CABO
Bloqueie válvulas gaveta
(registro) de grande porte.
Bloqueie diversas válvulas gaveta de
uma vez, com um único dispositivo.
BLOQUEIOS A CABO - ORIGINAL
Ideal para bloquear válvulas gaveta
(registro) de grande porte
MULTIBLOQUEADOR E CAIXA DE TRAVAMENTO
CAIXA DE TRAVAMENTO
Em grupo tipo cofre. Após travar-se o
equipamento com um único cadeado, a
chave é depositada no interior da Caixa.
Suporta até 13 cadeados de cada
membro da equipe.
MULTIBLOQUEADOR
Mecanismo que permite o uso de
vários cadeados de segurança
individuais em um mesmo ponto da
caixa de travamento ou equipamento.
MULTIBLOQUEADOR COM CABO
• Bloqueio de uma ou diversas
válvulas, equipamentos e
painéis;
• Uso individualmente ou como
bloqueio de grupo;
• Acomoda até 6 cadeados.
BLOQUEIOS A CABO
CADEADOS E ACESSÓRIOS
• Etiquetas para Cadeados;
• Fácil maneira de identificar grupos de
empregados ou departamentos;
• Nas cores Vermelho, Verde, Azul,
Amarelo e Branco.
CADEADOS
Mecanismos utilizados somente para o bloqueio das fontes de energia,
com chave e segredo únicos, ambos identificados. É obrigatório o uso da
etiqueta de identificação personalizada em conjunto com o cadeado.
CADEADOS DE PLÁSTICO
CADEADOS DE AÇO LAMINADO
CARACTERÍSTICAS DE PERFORMANCE DOS
CADEADOS
CARACTERÍSTICAS DE PERFORMANCE DOS CADEADOS
Cadeados de
Plástico
Cadeado de
Latão
Cadeado de
Alumínio
Cadeado
deAço
Compacto, leve
Corpo não condutivo
Melhor resistência a corrosão
Melhor resistência a faísca
Melhor resistência a violação
Melhor resistência a impacto
CARTÃO IDENTIFICADOR (TAGOUT)
Cartão pessoal a ser utilizado no bloqueio junto ao cadeado, que identifica
o executor do bloqueio:
• Permite o controle de isolação de energia através da identificação do
responsável, indicando que o equipamento está em manutenção até que
a mesma seja removida;
• Atenção: O cartão é um complemento informativo obrigatório do
bloqueio e não poderá ser utilizado isoladamente.
CARTÕES DE IDENTIFICAÇÃO
IDENTIFICAÇÃO
Sinalização que indica que o equipamento não pode ser utilizado sem
indicação de responsável para a liberação.
• Ação indicativa de sinalizar fisicamente um equipamento que estará ou
está em manutenção.
• Será utilizado uma etiqueta específica,
com indicação de responsável
pela manutenção de equipamento com
intuito de informar pessoas para impedir
operação.
ENFOQUE
Isolamento de Energia (mecânica, hidráulica e pneumática)
Ao fazermos o bloqueio eletromecânico, procuramos isolar estas potenciais
“energias”.
Deve ser estabelecido um procedimento de Segurança que determina o
isolamento dessa energia com uso de travas físicas, identificação e
treinamento.
PNEUMÁTICOS
Bloqueio pneumático.
CILINDROS DE GÁS
BLOQUEIOS PARA PLUGUES / ACESSÓRIOS
BLOQUEIOS PARA PLUGUES
• Maneira eficaz de bloquear, com segurança, tomadas elétricas;
• Ideal para situações onde a tomada não esteja sob controle exclusivo da
pessoa que está efetuando o reparo ou a manutenção. Se o pessoal da
manutenção deixar temporariamente a área, o dispositivo impede que a
outra pessoa coloque-o de volta na tomada.
BLOQUEIOS PARA DISJUNTORES
PINO PRA FORA – PONTA PRETA
PINO PRA DENTRO – PONTA AZUL
PINO PRA FORA GRANDE (PONTA VERMELHA)
BARRA DE LIGAÇÃO
BLOQUEIOS PARA DISJUNTORES
DISJUNTORES MONOPOLARES – 120V
DISJUNTORES MONOPOLARES (SEM FURO)
DISJUNTORES TRIPOLARES
DISJUNTORES MULTIPOLARES
Um bloqueio multipolar universal funciona com a maioria dos disjuntores
multipolares.
BLOQUEIO PARA DISJUNTORES GRANDES - 480/600
VOLTS
BLOQUEIO PARA DISJUNTORES 480/600 VOLTS EM
PAINÉIS ELÉTRICOS
BLOQUEIOS PARA INTERRUPTORES
SEQUÊNCIA DE BLOQUEIO
PROCEDIMENTO DE BLOQUEIO
• Antes de iniciar a tarefa, observe o procedimento de trabalho e/ou
realize análise de risco efetuando as intervenções iniciais
necessárias:
• Verifique o tipo de bloqueio necessário (mecânico, pneumático,
elétrico, entre outros;
PROCEDIMENTO DE BLOQUEIO
• Realize despressurizações do sistema a ser trabalhado;
• Realize o bloqueio no ponto de instalação necessário.
PROCEDIMENTO DE BLOQUEIO
• O bloqueio deve ser realizado por todos os funcionários envolvidos
na operação.
• Nos equipamentos em que os pontos (chaves de acionamento)
existem três estágios de energia (nula, apenas energizado e
possibilidade de funcionamento), poderá ser utilizado o ponto
energizado;
PROCEDIMENTO DE BLOQUEIO
• Fazer teste de eficiência do bloqueio.
OBSERVAÇÕES PARA BLOQUEIO
Não confunda o bloqueio por trava com utilização de travas de segurança.
• Observe que o bloqueio por trava é feito
com cadeado ao qual tentamos evitar
partidas acidentais;
• Nos equipamentos e máquinas, existem
diversas travas de segurança de pontos
móveis que devem ser utilizadas
independentemente de haver o bloqueio
por trava.
REALIZAÇÃO DE TESTE COM MÁQUINA LIGADA
Necessidade de teste em equipamento para verificação de funcionalidade.
Nos momentos em que sejam
necessários testes, o bloqueio deverá
ser retirado com as restrições:
• Previsão do teste em análise de
risco;
• Paralisação de todas atividades não
ligadas ao teste;
• Utilização do estágio energizado
onde houver chaves de
acionamento.
SEQUÊNCIA DE DESBLOQUEIO
PROCEDIMENTO DE DESBLOQUEIO
A ação só poderá ser tomada na medida que todos os executantes
concluírem suas atividades.
• Deve-se conferir se todas pessoas
envolvidas realizaram suas atividades;
• Conferir se todas as travas de proteções
foram retiradas (quando necessário);
• Conferir se não há pessoas expostas a
risco na área;
• Ligar o equipamento.
TRANSFERÊNCIA DE BLOQUEIO
Procedimento de bloqueio em horários extraordinários e troca de
turno:
• Nos casos de troca de turno, deverá haver troca de cadeados
observando-se a transferência de informações para os novos
executantes (realizar nova análise de risco);
• Manter bloqueio para continuação no próximo dia de trabalho;
• Repassar informações para supervisão responsável para assumir novo
bloqueio.
SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS
No caso de troca de turno o responsável pelo isolamento deverá fazer a
transferência de responsabilidade para um responsável do próximo turno.
SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS
Transferência de Responsabilidade:
O responsável pelo isolamento ao concluir sua jornada de trabalho,
transfere a responsabilidade pelas chaves, bem como todas as atividades
pertinentes ao seu substituto correspondente, documentando este ato
através de relatório.
DISPOSIÇÕES GERAIS
• Somente o próprio empregado poderá efetuar o bloqueio e/ou
desbloqueio;
• Se houver esquecimento de desbloqueio somente o executor do
bloqueio poderá liberar a retirada do mesmo;
• Não será permitido o uso de um cadeado e vários cartões de bloqueio;
• Troca de Cadeado: é proibida a troca de cadeado entre os
colaboradores tanto para bloqueio quanto desbloqueio de energia;
DISPOSIÇÕES GERAIS
• Todo empregado que fizer utilização de bloqueio deverá receber
treinamento;
• Quaisquer irregularidades observadas sobre a utilização incorreta do
bloqueio de equipamentos será tratado como quase-acidente, inclusive
com investigação do mesmo.
DISPOSIÇÕES GERAIS
Violação Autorizada de Isolamento:
• Quando houver perda de chave;
• Quando não for identificado o Empregado Autorizado / Envolvido que
efetuou o Isolamento;
• Então, sob autorização formal do Gerente Geral, ou Indicado por ele, o
Isolamento será violado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Treinamento operador betoneira
Treinamento operador betoneiraTreinamento operador betoneira
Treinamento operador betoneiraJupira Silva
 
Politica de saúde e segurança do trabalho
Politica de saúde e segurança do trabalhoPolitica de saúde e segurança do trabalho
Politica de saúde e segurança do trabalhoEvandroPFonseca
 
Apostila máquinas tratores
Apostila máquinas tratoresApostila máquinas tratores
Apostila máquinas tratoresJoão Junior
 
Relatorio de inspeção
Relatorio de inspeçãoRelatorio de inspeção
Relatorio de inspeçãoVih Silveira
 
Check List de Emergência - Iluminação de Emergência
Check List de Emergência - Iluminação de EmergênciaCheck List de Emergência - Iluminação de Emergência
Check List de Emergência - Iluminação de EmergênciaIZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Treinamento trabalho a quente petrobras
Treinamento trabalho a quente   petrobrasTreinamento trabalho a quente   petrobras
Treinamento trabalho a quente petrobrasOrlando Mendes
 
Treinamento escadas
Treinamento escadasTreinamento escadas
Treinamento escadasnetorochinha
 
Conect instruções de uso e manutenção do trava-quedas retratil
Conect   instruções de uso e manutenção do trava-quedas retratilConect   instruções de uso e manutenção do trava-quedas retratil
Conect instruções de uso e manutenção do trava-quedas retratilCONECT
 

Mais procurados (20)

Capacete
CapaceteCapacete
Capacete
 
Treinamento operador betoneira
Treinamento operador betoneiraTreinamento operador betoneira
Treinamento operador betoneira
 
Curso loto
Curso lotoCurso loto
Curso loto
 
Treinamento NR-12
Treinamento NR-12Treinamento NR-12
Treinamento NR-12
 
Politica de saúde e segurança do trabalho
Politica de saúde e segurança do trabalhoPolitica de saúde e segurança do trabalho
Politica de saúde e segurança do trabalho
 
Apostila máquinas tratores
Apostila máquinas tratoresApostila máquinas tratores
Apostila máquinas tratores
 
Relatorio de inspeção
Relatorio de inspeçãoRelatorio de inspeção
Relatorio de inspeção
 
Treinamento nr 12
Treinamento nr 12Treinamento nr 12
Treinamento nr 12
 
Regras de ouro
Regras de ouroRegras de ouro
Regras de ouro
 
Check List de Emergência - Iluminação de Emergência
Check List de Emergência - Iluminação de EmergênciaCheck List de Emergência - Iluminação de Emergência
Check List de Emergência - Iluminação de Emergência
 
CAPACITAÇÃO NR12.pdf
CAPACITAÇÃO NR12.pdfCAPACITAÇÃO NR12.pdf
CAPACITAÇÃO NR12.pdf
 
NR - 18 Construção Civil (Oficial)
NR - 18 Construção Civil (Oficial)NR - 18 Construção Civil (Oficial)
NR - 18 Construção Civil (Oficial)
 
Aula 10 NR 18
Aula 10   NR 18Aula 10   NR 18
Aula 10 NR 18
 
Treinamento trabalho a quente petrobras
Treinamento trabalho a quente   petrobrasTreinamento trabalho a quente   petrobras
Treinamento trabalho a quente petrobras
 
Treinamento linha de vidas
Treinamento linha de vidasTreinamento linha de vidas
Treinamento linha de vidas
 
Treinamento de integração nr 1 upload
Treinamento de integração nr 1 uploadTreinamento de integração nr 1 upload
Treinamento de integração nr 1 upload
 
Pta
PtaPta
Pta
 
Treinamento escadas
Treinamento escadasTreinamento escadas
Treinamento escadas
 
ROÇADEIRA COSTAL.ppt
ROÇADEIRA COSTAL.pptROÇADEIRA COSTAL.ppt
ROÇADEIRA COSTAL.ppt
 
Conect instruções de uso e manutenção do trava-quedas retratil
Conect   instruções de uso e manutenção do trava-quedas retratilConect   instruções de uso e manutenção do trava-quedas retratil
Conect instruções de uso e manutenção do trava-quedas retratil
 

Semelhante a Bloqueio-de-Energia.pdf

Sistema LOTO.ppt
Sistema LOTO.pptSistema LOTO.ppt
Sistema LOTO.pptNewAge16
 
0051 travamento seguran%e7a-92sld
0051 travamento seguran%e7a-92sld0051 travamento seguran%e7a-92sld
0051 travamento seguran%e7a-92sldSávio Gomes
 
Bloqueios de energias
Bloqueios de energias Bloqueios de energias
Bloqueios de energias NewAge16
 
2 treinamento de bloqueio 02-05_2013
2   treinamento de bloqueio 02-05_20132   treinamento de bloqueio 02-05_2013
2 treinamento de bloqueio 02-05_2013Jefferson Navarro
 
TREINAMENTO-NR-10_060b07baa0974b39ac8e0e6556b2c899.pptx
TREINAMENTO-NR-10_060b07baa0974b39ac8e0e6556b2c899.pptxTREINAMENTO-NR-10_060b07baa0974b39ac8e0e6556b2c899.pptx
TREINAMENTO-NR-10_060b07baa0974b39ac8e0e6556b2c899.pptxAlexandreSilva472104
 
BLOQUEIO E ISOLAMENTO DE ENERGIAS SANDEN.pptx
BLOQUEIO E ISOLAMENTO DE ENERGIAS SANDEN.pptxBLOQUEIO E ISOLAMENTO DE ENERGIAS SANDEN.pptx
BLOQUEIO E ISOLAMENTO DE ENERGIAS SANDEN.pptxLciaGuimares8
 
Cultura de Segurança -Masterlock
Cultura de Segurança -MasterlockCultura de Segurança -Masterlock
Cultura de Segurança -MasterlockTIPSAL
 
Nocoes basicas de travamento de fontes de energia
Nocoes basicas de travamento de fontes de energiaNocoes basicas de travamento de fontes de energia
Nocoes basicas de travamento de fontes de energiaCosmo Palasio
 
29 bloqueio efetivo de energia
29   bloqueio efetivo de energia29   bloqueio efetivo de energia
29 bloqueio efetivo de energiaCristiano Silva
 
Medidas de controle
Medidas de controleMedidas de controle
Medidas de controleAndré Souza
 
TREINAMENTO BLOQUEIO VALE-PAULO.ppt
TREINAMENTO BLOQUEIO VALE-PAULO.pptTREINAMENTO BLOQUEIO VALE-PAULO.ppt
TREINAMENTO BLOQUEIO VALE-PAULO.pptBaltazarGeraldoJnior
 
2 - Regra de Ouro_Isolamento de Energias_Final.pptx
2 - Regra de Ouro_Isolamento de Energias_Final.pptx2 - Regra de Ouro_Isolamento de Energias_Final.pptx
2 - Regra de Ouro_Isolamento de Energias_Final.pptxRodineiGoncalves
 
Treinamento Segurança em eletricidade
Treinamento Segurança em eletricidade   Treinamento Segurança em eletricidade
Treinamento Segurança em eletricidade Ane Costa
 

Semelhante a Bloqueio-de-Energia.pdf (20)

Sistema LOTO.ppt
Sistema LOTO.pptSistema LOTO.ppt
Sistema LOTO.ppt
 
lockout-tagout-pdf
 lockout-tagout-pdf lockout-tagout-pdf
lockout-tagout-pdf
 
0051 travamento seguran%e7a-92sld
0051 travamento seguran%e7a-92sld0051 travamento seguran%e7a-92sld
0051 travamento seguran%e7a-92sld
 
Bloqueio e Etiquetagem.pdf
Bloqueio e Etiquetagem.pdfBloqueio e Etiquetagem.pdf
Bloqueio e Etiquetagem.pdf
 
Bloqueios de energia
Bloqueios de energiaBloqueios de energia
Bloqueios de energia
 
Bloqueios de energias
Bloqueios de energias Bloqueios de energias
Bloqueios de energias
 
Bloqueios de energia
Bloqueios de energiaBloqueios de energia
Bloqueios de energia
 
Tagout Lockout by CLT Services
Tagout Lockout by CLT ServicesTagout Lockout by CLT Services
Tagout Lockout by CLT Services
 
2 treinamento de bloqueio 02-05_2013
2   treinamento de bloqueio 02-05_20132   treinamento de bloqueio 02-05_2013
2 treinamento de bloqueio 02-05_2013
 
TREINAMENTO-NR-10_060b07baa0974b39ac8e0e6556b2c899.pptx
TREINAMENTO-NR-10_060b07baa0974b39ac8e0e6556b2c899.pptxTREINAMENTO-NR-10_060b07baa0974b39ac8e0e6556b2c899.pptx
TREINAMENTO-NR-10_060b07baa0974b39ac8e0e6556b2c899.pptx
 
BLOQUEIO E ISOLAMENTO DE ENERGIAS SANDEN.pptx
BLOQUEIO E ISOLAMENTO DE ENERGIAS SANDEN.pptxBLOQUEIO E ISOLAMENTO DE ENERGIAS SANDEN.pptx
BLOQUEIO E ISOLAMENTO DE ENERGIAS SANDEN.pptx
 
Cultura de Segurança -Masterlock
Cultura de Segurança -MasterlockCultura de Segurança -Masterlock
Cultura de Segurança -Masterlock
 
Nocoes basicas de travamento de fontes de energia
Nocoes basicas de travamento de fontes de energiaNocoes basicas de travamento de fontes de energia
Nocoes basicas de travamento de fontes de energia
 
29 bloqueio efetivo de energia
29   bloqueio efetivo de energia29   bloqueio efetivo de energia
29 bloqueio efetivo de energia
 
Medidas de controle
Medidas de controleMedidas de controle
Medidas de controle
 
TREINAMENTO BLOQUEIO VALE-PAULO.ppt
TREINAMENTO BLOQUEIO VALE-PAULO.pptTREINAMENTO BLOQUEIO VALE-PAULO.ppt
TREINAMENTO BLOQUEIO VALE-PAULO.ppt
 
2 - Regra de Ouro_Isolamento de Energias_Final.pptx
2 - Regra de Ouro_Isolamento de Energias_Final.pptx2 - Regra de Ouro_Isolamento de Energias_Final.pptx
2 - Regra de Ouro_Isolamento de Energias_Final.pptx
 
Curso de eletricidade
Curso de eletricidadeCurso de eletricidade
Curso de eletricidade
 
Treinamento Segurança em eletricidade
Treinamento Segurança em eletricidade   Treinamento Segurança em eletricidade
Treinamento Segurança em eletricidade
 
Seguranca Eletricidade - Apresentação
Seguranca Eletricidade - ApresentaçãoSeguranca Eletricidade - Apresentação
Seguranca Eletricidade - Apresentação
 

Mais de ssuser22319e

-Treinamento-Operador-Plataforma-de-Trabalho-Aereo.pdf
-Treinamento-Operador-Plataforma-de-Trabalho-Aereo.pdf-Treinamento-Operador-Plataforma-de-Trabalho-Aereo.pdf
-Treinamento-Operador-Plataforma-de-Trabalho-Aereo.pdfssuser22319e
 
nr-37-atualizada-2022-1.pdf
nr-37-atualizada-2022-1.pdfnr-37-atualizada-2022-1.pdf
nr-37-atualizada-2022-1.pdfssuser22319e
 
Nr-26-Sinalizacao-de-Seguranca.pdf
Nr-26-Sinalizacao-de-Seguranca.pdfNr-26-Sinalizacao-de-Seguranca.pdf
Nr-26-Sinalizacao-de-Seguranca.pdfssuser22319e
 
Nocoes-Basicas-de-Amarracao-Sinalizacao-e-Movimentacao-de-Cargas-SENAI-.pdf
Nocoes-Basicas-de-Amarracao-Sinalizacao-e-Movimentacao-de-Cargas-SENAI-.pdfNocoes-Basicas-de-Amarracao-Sinalizacao-e-Movimentacao-de-Cargas-SENAI-.pdf
Nocoes-Basicas-de-Amarracao-Sinalizacao-e-Movimentacao-de-Cargas-SENAI-.pdfssuser22319e
 
urso-avancado-bloqueio-sinalizacao-rev2-0-ppt.p427325485-cdf
urso-avancado-bloqueio-sinalizacao-rev2-0-ppt.p427325485-cdfurso-avancado-bloqueio-sinalizacao-rev2-0-ppt.p427325485-cdf
urso-avancado-bloqueio-sinalizacao-rev2-0-ppt.p427325485-cdfssuser22319e
 
SINALIZAÇÃO.TREINAMENTO NR 26.pdf
SINALIZAÇÃO.TREINAMENTO NR 26.pdfSINALIZAÇÃO.TREINAMENTO NR 26.pdf
SINALIZAÇÃO.TREINAMENTO NR 26.pdfssuser22319e
 
Produtos-Perigosos. nr 26.pdf
Produtos-Perigosos. nr 26.pdfProdutos-Perigosos. nr 26.pdf
Produtos-Perigosos. nr 26.pdfssuser22319e
 
Curso-Produtos-quimicos.pdf
Curso-Produtos-quimicos.pdfCurso-Produtos-quimicos.pdf
Curso-Produtos-quimicos.pdfssuser22319e
 
PRODUTOS.PERIGOSOS
PRODUTOS.PERIGOSOSPRODUTOS.PERIGOSOS
PRODUTOS.PERIGOSOSssuser22319e
 
PRODUTOS.PERIGOSOS.pdf
PRODUTOS.PERIGOSOS.pdfPRODUTOS.PERIGOSOS.pdf
PRODUTOS.PERIGOSOS.pdfssuser22319e
 
Manual-de-Produtos-Perigosos.pdf
Manual-de-Produtos-Perigosos.pdfManual-de-Produtos-Perigosos.pdf
Manual-de-Produtos-Perigosos.pdfssuser22319e
 
Produtos Perigosos. Apostila 2022.pdf
Produtos Perigosos. Apostila 2022.pdfProdutos Perigosos. Apostila 2022.pdf
Produtos Perigosos. Apostila 2022.pdfssuser22319e
 
Apostila. Produtos Perigosos -CFBP 2022-1.pdf
Apostila. Produtos Perigosos -CFBP 2022-1.pdfApostila. Produtos Perigosos -CFBP 2022-1.pdf
Apostila. Produtos Perigosos -CFBP 2022-1.pdfssuser22319e
 
ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUIMICOS.pdf
ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUIMICOS.pdfARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUIMICOS.pdf
ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUIMICOS.pdfssuser22319e
 
manual_nr10 (1).pdf
manual_nr10 (1).pdfmanual_nr10 (1).pdf
manual_nr10 (1).pdfssuser22319e
 
construcao_civil_manual.pdf
construcao_civil_manual.pdfconstrucao_civil_manual.pdf
construcao_civil_manual.pdfssuser22319e
 
Manual_Acesso por Corda_NR-35 (1).pdf
Manual_Acesso por Corda_NR-35 (1).pdfManual_Acesso por Corda_NR-35 (1).pdf
Manual_Acesso por Corda_NR-35 (1).pdfssuser22319e
 
CURSO NR 17 ERGONOMIA 3.ppt
CURSO  NR 17 ERGONOMIA 3.pptCURSO  NR 17 ERGONOMIA 3.ppt
CURSO NR 17 ERGONOMIA 3.pptssuser22319e
 
APOSTILA DE ERGONOMIA NR 17.pdf
APOSTILA DE ERGONOMIA NR 17.pdfAPOSTILA DE ERGONOMIA NR 17.pdf
APOSTILA DE ERGONOMIA NR 17.pdfssuser22319e
 

Mais de ssuser22319e (20)

-Treinamento-Operador-Plataforma-de-Trabalho-Aereo.pdf
-Treinamento-Operador-Plataforma-de-Trabalho-Aereo.pdf-Treinamento-Operador-Plataforma-de-Trabalho-Aereo.pdf
-Treinamento-Operador-Plataforma-de-Trabalho-Aereo.pdf
 
nr-37-atualizada-2022-1.pdf
nr-37-atualizada-2022-1.pdfnr-37-atualizada-2022-1.pdf
nr-37-atualizada-2022-1.pdf
 
Nr-26-Sinalizacao-de-Seguranca.pdf
Nr-26-Sinalizacao-de-Seguranca.pdfNr-26-Sinalizacao-de-Seguranca.pdf
Nr-26-Sinalizacao-de-Seguranca.pdf
 
Nocoes-Basicas-de-Amarracao-Sinalizacao-e-Movimentacao-de-Cargas-SENAI-.pdf
Nocoes-Basicas-de-Amarracao-Sinalizacao-e-Movimentacao-de-Cargas-SENAI-.pdfNocoes-Basicas-de-Amarracao-Sinalizacao-e-Movimentacao-de-Cargas-SENAI-.pdf
Nocoes-Basicas-de-Amarracao-Sinalizacao-e-Movimentacao-de-Cargas-SENAI-.pdf
 
urso-avancado-bloqueio-sinalizacao-rev2-0-ppt.p427325485-cdf
urso-avancado-bloqueio-sinalizacao-rev2-0-ppt.p427325485-cdfurso-avancado-bloqueio-sinalizacao-rev2-0-ppt.p427325485-cdf
urso-avancado-bloqueio-sinalizacao-rev2-0-ppt.p427325485-cdf
 
SINALIZAÇÃO.TREINAMENTO NR 26.pdf
SINALIZAÇÃO.TREINAMENTO NR 26.pdfSINALIZAÇÃO.TREINAMENTO NR 26.pdf
SINALIZAÇÃO.TREINAMENTO NR 26.pdf
 
Produtos-Perigosos. nr 26.pdf
Produtos-Perigosos. nr 26.pdfProdutos-Perigosos. nr 26.pdf
Produtos-Perigosos. nr 26.pdf
 
Curso-Produtos-quimicos.pdf
Curso-Produtos-quimicos.pdfCurso-Produtos-quimicos.pdf
Curso-Produtos-quimicos.pdf
 
PRODUTOS.PERIGOSOS
PRODUTOS.PERIGOSOSPRODUTOS.PERIGOSOS
PRODUTOS.PERIGOSOS
 
PRODUTOS.PERIGOSOS.pdf
PRODUTOS.PERIGOSOS.pdfPRODUTOS.PERIGOSOS.pdf
PRODUTOS.PERIGOSOS.pdf
 
Manual-de-Produtos-Perigosos.pdf
Manual-de-Produtos-Perigosos.pdfManual-de-Produtos-Perigosos.pdf
Manual-de-Produtos-Perigosos.pdf
 
Produtos Perigosos. Apostila 2022.pdf
Produtos Perigosos. Apostila 2022.pdfProdutos Perigosos. Apostila 2022.pdf
Produtos Perigosos. Apostila 2022.pdf
 
Apostila. Produtos Perigosos -CFBP 2022-1.pdf
Apostila. Produtos Perigosos -CFBP 2022-1.pdfApostila. Produtos Perigosos -CFBP 2022-1.pdf
Apostila. Produtos Perigosos -CFBP 2022-1.pdf
 
ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUIMICOS.pdf
ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUIMICOS.pdfARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUIMICOS.pdf
ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUIMICOS.pdf
 
manual_nr12.pdf
manual_nr12.pdfmanual_nr12.pdf
manual_nr12.pdf
 
manual_nr10 (1).pdf
manual_nr10 (1).pdfmanual_nr10 (1).pdf
manual_nr10 (1).pdf
 
construcao_civil_manual.pdf
construcao_civil_manual.pdfconstrucao_civil_manual.pdf
construcao_civil_manual.pdf
 
Manual_Acesso por Corda_NR-35 (1).pdf
Manual_Acesso por Corda_NR-35 (1).pdfManual_Acesso por Corda_NR-35 (1).pdf
Manual_Acesso por Corda_NR-35 (1).pdf
 
CURSO NR 17 ERGONOMIA 3.ppt
CURSO  NR 17 ERGONOMIA 3.pptCURSO  NR 17 ERGONOMIA 3.ppt
CURSO NR 17 ERGONOMIA 3.ppt
 
APOSTILA DE ERGONOMIA NR 17.pdf
APOSTILA DE ERGONOMIA NR 17.pdfAPOSTILA DE ERGONOMIA NR 17.pdf
APOSTILA DE ERGONOMIA NR 17.pdf
 

Último

FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 

Último (20)

FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 

Bloqueio-de-Energia.pdf

  • 2. OBJETIVO • Definir conceitos, ações e responsabilidades para o travamento de fontes de energia, assegurando que na realização de trabalhos com máquinas, equipamentos e instalações, estes estejam totalmente desenergizados, salvaguardando pessoas da liberação inesperada de energia.
  • 3. Entre 1982 e 1997, dos 1.281 acidentes fatais investigados pela NIOSH, 152 envolveram falhas no controle das energias, distribuídos da seguinte forma: INTRODUÇÃO FALHA QUANTIDADE PERCENTUAL DESENERGIZAÇÃO, ISOLAMENTO OU DISSIPAÇÃO DE ENERGIAS INCORRETOS 124 81,6 BLOQUEIO E SINALIZAÇAO INCORRETOS 17 11,2 FALHA EM VERIFICAR SE O EQUIPAMENTO FOI DESENERGIZADO 11 7,2 TOTAL 152 100
  • 4. PRINCIPAIS FALHAS • Falha ao deter o equipamento; • Falha ao desconectar o equipamento de sua fonte de energia; • Falha ao dissipar a energia residual armazenada; • Erro ao se restabelecer acidentalmente o equipamento. • A – desernegização, isolamento ou dissipação de energia incorretos; • B – bloqueio e sinalizações incorretos; • C – falha ao verificar se o equipamento foi desenergizados.
  • 5. Criada nos Estados Unidos em 1990. Objetivo Evitar a ocorrência de aproximadamente 100 mortes e 60.000 lesões anuais decorrentes de acidentes em serviços e manutenção de máquinas e equipamentos envolvendo as chamadas “Energias Perigosas”. OSHA 1910.147 ( CONTROLE DE ENERGIAS PERIGOSAS
  • 6. Energia: Qualquer fonte de alimentação de máquinas, equipamentos ou sistemas. As mais usuais são: elétrica, pneumática, mecânica e térmica; O QUE É ENERGIA?
  • 7. PORQUE BLOQUEIO ELETROMECÂNICO? Controlamos a energia elétrica porque é à partir dela que se aciona os comandos dos dispositivos que poderiam utilizar energia mecânica, tais como: implementos, roldanas, turbinas, polias, hélices, correias, etc. evitando assim o risco para as pessoas.
  • 8. SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS Todo bloqueio deve ser precedido de análise de risco e planejamento para liberação, assim como uso de dispositivos necessários.
  • 9. Deve ser elaborada uma “matriz de isolamento”, onde constem os dispositivos de bloqueio e os equipamentos onde devem ser utilizados. SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS
  • 10. Toda energia perigosa deve ser e permanecer isolada durante a execução do serviço. SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS
  • 11. Antes dos serviços, toda energia residual presente nos sistemas deve ser dissipada ou eliminada. Tipos de Energia Residual: eletricidade estática, pressão armazenada, tanques contaminados. SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS
  • 12. O responsável pelo isolamento deve utilizar os dispositivos de bloqueio indicados conforme a “matriz de isolamento”. SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS
  • 13. O responsável pelo isolamento deve usar cadeados de isolamento para isolar as energias identificadas. SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS
  • 14. SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS As chaves dos cadeados de isolamento devem ser trancadas dentro do cofre de segurança pelo responsável pelo isolamento.
  • 15. SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS Cada cofre de segurança corresponde a uma “Matriz de Isolamento” específica para um equipamento ou área delimitada fisicamente.
  • 16. SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS O cofre de segurança deve ser fixado no local de trabalho.
  • 17. SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS Todo cofre de segurança deve possuir um cartão de isolamento preso por lacre, indicando o responsável pelo isolamento e o motivo do serviço.
  • 18. CARTÃO DE ISOLAMENTO – RESPONSÁVEL PELO ISOLAMENTO - RI
  • 19. SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS Cada trabalhador deve colocar seu cadeado individual no cofre de segurança.
  • 20. TIPOS DE DE BLOQUEIO Dispositivos de bloqueios para válvulas esféricas.
  • 22. VÁLVULAS Utilize um braço para bloquear válvulas Esféricas. Utilize dois braços para bloquear válvulas esféricas, permitindo determinada quantidade de fluxo.
  • 23. VÁLVULAS Utilize o cabo para bloquear válvulas gaveta.
  • 25. VÁLVULAS GAVETA Bloqueio de válvulas gaveta, seguro e fácil de aplicar.
  • 26. VÁLVULAS GAVETA - AJUSTÁVEL Bloqueio versátil ajusta-se aos volantes de 1” a 6 1/2” de diâmetro.
  • 27. VÁLVULAS E CHAVES LIGA/DESLIGA
  • 28. BLOQUEIOS A CABO Bloqueie válvulas gaveta (registro) de grande porte. Bloqueie diversas válvulas gaveta de uma vez, com um único dispositivo.
  • 29. BLOQUEIOS A CABO - ORIGINAL Ideal para bloquear válvulas gaveta (registro) de grande porte
  • 30. MULTIBLOQUEADOR E CAIXA DE TRAVAMENTO CAIXA DE TRAVAMENTO Em grupo tipo cofre. Após travar-se o equipamento com um único cadeado, a chave é depositada no interior da Caixa. Suporta até 13 cadeados de cada membro da equipe. MULTIBLOQUEADOR Mecanismo que permite o uso de vários cadeados de segurança individuais em um mesmo ponto da caixa de travamento ou equipamento.
  • 31. MULTIBLOQUEADOR COM CABO • Bloqueio de uma ou diversas válvulas, equipamentos e painéis; • Uso individualmente ou como bloqueio de grupo; • Acomoda até 6 cadeados.
  • 33. CADEADOS E ACESSÓRIOS • Etiquetas para Cadeados; • Fácil maneira de identificar grupos de empregados ou departamentos; • Nas cores Vermelho, Verde, Azul, Amarelo e Branco.
  • 34. CADEADOS Mecanismos utilizados somente para o bloqueio das fontes de energia, com chave e segredo únicos, ambos identificados. É obrigatório o uso da etiqueta de identificação personalizada em conjunto com o cadeado.
  • 36. CADEADOS DE AÇO LAMINADO
  • 37. CARACTERÍSTICAS DE PERFORMANCE DOS CADEADOS CARACTERÍSTICAS DE PERFORMANCE DOS CADEADOS Cadeados de Plástico Cadeado de Latão Cadeado de Alumínio Cadeado deAço Compacto, leve Corpo não condutivo Melhor resistência a corrosão Melhor resistência a faísca Melhor resistência a violação Melhor resistência a impacto
  • 38. CARTÃO IDENTIFICADOR (TAGOUT) Cartão pessoal a ser utilizado no bloqueio junto ao cadeado, que identifica o executor do bloqueio: • Permite o controle de isolação de energia através da identificação do responsável, indicando que o equipamento está em manutenção até que a mesma seja removida; • Atenção: O cartão é um complemento informativo obrigatório do bloqueio e não poderá ser utilizado isoladamente.
  • 40. IDENTIFICAÇÃO Sinalização que indica que o equipamento não pode ser utilizado sem indicação de responsável para a liberação. • Ação indicativa de sinalizar fisicamente um equipamento que estará ou está em manutenção. • Será utilizado uma etiqueta específica, com indicação de responsável pela manutenção de equipamento com intuito de informar pessoas para impedir operação.
  • 41. ENFOQUE Isolamento de Energia (mecânica, hidráulica e pneumática) Ao fazermos o bloqueio eletromecânico, procuramos isolar estas potenciais “energias”. Deve ser estabelecido um procedimento de Segurança que determina o isolamento dessa energia com uso de travas físicas, identificação e treinamento.
  • 44. BLOQUEIOS PARA PLUGUES / ACESSÓRIOS
  • 45. BLOQUEIOS PARA PLUGUES • Maneira eficaz de bloquear, com segurança, tomadas elétricas; • Ideal para situações onde a tomada não esteja sob controle exclusivo da pessoa que está efetuando o reparo ou a manutenção. Se o pessoal da manutenção deixar temporariamente a área, o dispositivo impede que a outra pessoa coloque-o de volta na tomada.
  • 47. PINO PRA FORA – PONTA PRETA
  • 48. PINO PRA DENTRO – PONTA AZUL
  • 49. PINO PRA FORA GRANDE (PONTA VERMELHA)
  • 55. DISJUNTORES MULTIPOLARES Um bloqueio multipolar universal funciona com a maioria dos disjuntores multipolares.
  • 56. BLOQUEIO PARA DISJUNTORES GRANDES - 480/600 VOLTS
  • 57. BLOQUEIO PARA DISJUNTORES 480/600 VOLTS EM PAINÉIS ELÉTRICOS
  • 60. PROCEDIMENTO DE BLOQUEIO • Antes de iniciar a tarefa, observe o procedimento de trabalho e/ou realize análise de risco efetuando as intervenções iniciais necessárias: • Verifique o tipo de bloqueio necessário (mecânico, pneumático, elétrico, entre outros;
  • 61. PROCEDIMENTO DE BLOQUEIO • Realize despressurizações do sistema a ser trabalhado; • Realize o bloqueio no ponto de instalação necessário.
  • 62. PROCEDIMENTO DE BLOQUEIO • O bloqueio deve ser realizado por todos os funcionários envolvidos na operação. • Nos equipamentos em que os pontos (chaves de acionamento) existem três estágios de energia (nula, apenas energizado e possibilidade de funcionamento), poderá ser utilizado o ponto energizado;
  • 63. PROCEDIMENTO DE BLOQUEIO • Fazer teste de eficiência do bloqueio.
  • 64. OBSERVAÇÕES PARA BLOQUEIO Não confunda o bloqueio por trava com utilização de travas de segurança. • Observe que o bloqueio por trava é feito com cadeado ao qual tentamos evitar partidas acidentais; • Nos equipamentos e máquinas, existem diversas travas de segurança de pontos móveis que devem ser utilizadas independentemente de haver o bloqueio por trava.
  • 65. REALIZAÇÃO DE TESTE COM MÁQUINA LIGADA Necessidade de teste em equipamento para verificação de funcionalidade. Nos momentos em que sejam necessários testes, o bloqueio deverá ser retirado com as restrições: • Previsão do teste em análise de risco; • Paralisação de todas atividades não ligadas ao teste; • Utilização do estágio energizado onde houver chaves de acionamento.
  • 67. PROCEDIMENTO DE DESBLOQUEIO A ação só poderá ser tomada na medida que todos os executantes concluírem suas atividades. • Deve-se conferir se todas pessoas envolvidas realizaram suas atividades; • Conferir se todas as travas de proteções foram retiradas (quando necessário); • Conferir se não há pessoas expostas a risco na área; • Ligar o equipamento.
  • 68. TRANSFERÊNCIA DE BLOQUEIO Procedimento de bloqueio em horários extraordinários e troca de turno: • Nos casos de troca de turno, deverá haver troca de cadeados observando-se a transferência de informações para os novos executantes (realizar nova análise de risco); • Manter bloqueio para continuação no próximo dia de trabalho; • Repassar informações para supervisão responsável para assumir novo bloqueio.
  • 69. SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS No caso de troca de turno o responsável pelo isolamento deverá fazer a transferência de responsabilidade para um responsável do próximo turno.
  • 70. SISTEMA DE BLOQUEIO DE ENERGIAS PERIGOSAS Transferência de Responsabilidade: O responsável pelo isolamento ao concluir sua jornada de trabalho, transfere a responsabilidade pelas chaves, bem como todas as atividades pertinentes ao seu substituto correspondente, documentando este ato através de relatório.
  • 71. DISPOSIÇÕES GERAIS • Somente o próprio empregado poderá efetuar o bloqueio e/ou desbloqueio; • Se houver esquecimento de desbloqueio somente o executor do bloqueio poderá liberar a retirada do mesmo; • Não será permitido o uso de um cadeado e vários cartões de bloqueio; • Troca de Cadeado: é proibida a troca de cadeado entre os colaboradores tanto para bloqueio quanto desbloqueio de energia;
  • 72. DISPOSIÇÕES GERAIS • Todo empregado que fizer utilização de bloqueio deverá receber treinamento; • Quaisquer irregularidades observadas sobre a utilização incorreta do bloqueio de equipamentos será tratado como quase-acidente, inclusive com investigação do mesmo.
  • 73. DISPOSIÇÕES GERAIS Violação Autorizada de Isolamento: • Quando houver perda de chave; • Quando não for identificado o Empregado Autorizado / Envolvido que efetuou o Isolamento; • Então, sob autorização formal do Gerente Geral, ou Indicado por ele, o Isolamento será violado.