SlideShare uma empresa Scribd logo
CIRCUNFERÊNCIA
TEORIA CONCEITOS
PROPRIEDADES
CIRCUNFERÊNCIA - É um lugar geométrico de um conjunto de
infinitos pontos que equidistam de um ponto situado no centro.
ELEMENTOS DE UMA CIRCUNFERÊNCIA
A B
Reta
tangente
Reta
secante
Seguimento
de reta
Diâmetro
AB
( )
Centro

T

Ponto de tangencia
Q

P
Raio
Arco 𝐵𝑄
Corda PQ
POSIÇÕES RELATIVAS DE DUAS CIRCUNFERÊNCIAS
01 - CIRCUNFERÊNCIAS CONCÊNTRICAS - Têm o mesmo centro.
r
d = Zero; d: distancia
Distância entre
os centros (d)
02 - CIRCUNFERÊNCIAS EXTERIORES - Não tem ponto em comum.
d > R + r
R r
d = R + r
03 - CIRCUNFERÊNCIAS TANGENTES EXTERIORES - Têm Um
ponto comum que é a de tangência.
R r
Ponto de tangência
Distância entre
os centros (d)
d
d = R - r
04 - CIRCUNFERÊNCIAS TANGENTES INTERIORES - Têm um
ponto en comum que é a de tangência.
d: Distância entre os centros
R
r
Ponto de
tangência
05 - CIRCUNFERÊNCIAS SECANTES - Têm dois pontos comuns que são as intersecções.
( R – r ) < d < ( R + r )
Distância entre
os centros (d)
06 - CIRCUNFERÊNCIAS ORTOGONAIS - Os raios são perpendiculares no ponto de intersecção.
d2 = R2 + r2
Distância entre
os centros (d)
07 - CIRCUNFERÊNCIAS INTERIORES - Não têm pontos comuns.
d
d < R - r d: Distância entre os centros
AULÃO DE MATEMÁTICA 19.10.22.pptx
O que significa "ceviana"?
Ceviana é um segmento de reta que liga um
vértice de um triângulo a um ponto qualquer do
lado oposto.
MEDIANA
 Une o vértice ao ponto médio do lado oposto.
B
A
C
M
AM é mediana
BM = CM
⇒
M é o ponto médio do segmento BC.
ALTURA
 Une o vértice ao lado oposto (ou a seu prolongamento) e é
perpendicular à reta suporte desse lado.
B
A
C
H
AH é altura
AH é perpendicular a BC
⇒
BISSETRIZ INTERNA
 Une o vértice ao lado oposto, dividindo o ângulo desse vértice
em dois ângulos congruentes.
B
A
C
S
AS é bissetriz
MEDIATRIZ
 Chama-se mediatriz de um segmento AB a reta m
perpendicular a AB, passando pelo seu ponto médio.
A
m
B
M A reta m é mediatriz
AM = BM
⇒
Ceviana Definição Ponto notável Figura
Mediana
É o segmento que tem como
extremidade um vértice do triângulo e o
ponto médio do lado oposto a esse
vértice.
Baricentro (B): é o ponto de encontro
das medianas do triângulo; é o centro
de gravidade do triângulo.
Bissetriz
É o segmento que tem uma extremidade
em um vértice do triângulo, divide o
ângulo ao meio e tem a outra
extremidade no lado oposto a esse
vértice.
Incentro (I): é o encontro das
bissetrizes internas do triângulo; é o
centro da circunferência inscrita no
triângulo, pois equidista dos três
lados.
Altura
É o segmento com uma extremidade em
um vértice e a outra extremidade no lado
oposto ou no seu prolongamento,
formando com ele ângulos retos.
Ortocentro (O): é o ponto de
encontro das retas que contêm as
alturas, podendo pertencer ao exterior
do triângulo.
Mediatriz
Reta que passa pelo ponto médio de um
lado do triângulo e é perpendicular a ele.
Circuncentro (C): é o ponto de
encontro das mediatrizes dos lados
do triângulo; é o centro da
circunferência circunscrita ao
triângulo, pois equidista dos três
vértices.
C
B A
b
a
M
c
z
x y
Relação de Stewart
a2.y + b2.x – z2.c = c.x.y
PROPRIEDADES RELATIVAS AOS
TRIÂNGULOS ISÓSCELES E
EQUILÁTERO
TRIÂNGULO ISÓSCELES
A
B C
x
x
 a altura AM relativa à base é também mediana e
bissetriz interna.
M
TRIÂNGULO EQÜILÁTERO
A
B C
N
P
 Em cada vértice, a mediana, a altura e a bissetriz interna
coincidem e são todas congruentes (AM = BN = CP).
M
1 - Desde um ponto exterior a uma circunferência se pode traçar dois raios tangentes
que determinam dois seguimentos congruentes.
PROPRIEDADES DAS TANGENTES
AP = PB
A
B
P
R
R


2 - TANGENTES COMUNS EXTERIORES - São congruentes
AB = CD
A
B
C
D
R
R
r
r
3 - TANGENTES COMUNS INTERIORES - São congruentes.
AB = CD
A
B
C
D
R
R
r
r
TEOREMA DE PONCELET - Em todo triângulo retângulo, a soma das comprimentos dos
catetos é igual ao comprimento da hipotenusa mais o dobro do raio.
a + b = c + 2r a + b = 2 ( R + r )
a
b
c
r
R R
raio
Circunraio
TEOREMA DE PITOT - Em todo quadrilátero circunscrito a uma circunferência,
sabe-se que a soma do comprimento dos lados opostos são iguais.
a + c = b + d
d
a
b
c
Quadrilátero circunscrito
AULÃO DE MATEMÁTICA 19.10.22.pptx

1 - MEDIDA DO ÂNGULO CENTRAL - É igual à medida do arco que se opõe.
A
B
C
r
r
 = mAB

A
C
B
D
2 - MEDIDA DO ÂNGULO INTERIOR - É igual à semi-soma das medidas dos
arcos opostos
𝜷 =
𝒎𝑨𝑩 + 𝒎𝑪𝑫
𝟐

A
B
C
3 - MEDIDA DO ÂNGULO INSCRITO - É a metade da medida do
arco oposto.
𝜽 =
𝒎𝑨𝑩
𝟐

4 - MEDIDA DO ÂNGULO SEMI-INSCRITO - É igual à medida
do arco oposto dividido por 2.
A
B
C
𝜹 =
𝒎𝑨𝑩
𝟐

A
B
C
5 - MEDIDA DO ÂNGULO EX-INSCRITO - É igual à metade da medida do arco 𝑨𝑩𝑪.
𝜺 =
𝒎𝑨𝑩𝑪
𝟐

A
B
C O
6 - ÂNGULOS EXTERIORES - São três casos:
a - Medida do ângulo formado por duas retas tangentes - É igual à semidiferença das
medidas dos arcos opostos.
𝜶 =
𝒎𝑨𝑪𝑩 − 𝒎𝑨𝑩
𝟐
𝜶 + 𝒎𝑨𝑩 = 180º

A
B
C
O
D
b - Ângulo formado por duas retas secantes - É igual à semidiferença da medida dos arcos
opostos.
𝜷 =
𝒎𝑨𝑩 − 𝒎𝑪𝑫
𝟐

A
B
C
O
c - Medida do ângulo formado por uma reta tangente e outra secante - É igual à
semidiferença das medidas dos arcos opostos.
𝜽 =
𝒎𝑨𝑩 − 𝒎𝑩𝑪
𝟐
50°
70º+x
X
R
S
Q
140°
2X
X + (X+70) + 50° = 180°
X = 30°
Pelo ângulo semi-inscrito PQS
Problema Nº 01
RESOLUÇÃO
P
x
º
70
2
x
2
º
140
PQS
m 




Substituindo:
No triângulo PQS:
Resolvendo a equação:
PSQ = x
Se traça a corda SQ
2
mQRS
PQS
m 

De um ponto “P” exterior a uma circunferência se
traçam a tangente PQ e a secante PRS, se o arco RS
mede 140º e o ângulo QPS mede 50º. Calcule a
medida do ângulo PSQ.
20°
70°
X
X = 40°
R
Q
No triângulo retângulo RHS
140° É propriedade, que:
140° + X = 180°
Pelo ângulo inscrito
Problema Nº 02
RESOLUÇÃO
P
S
m  S = 70º
Resolvendo:
PSQ = x
2
mQR
º
70  mQR = 140°
De um ponto “P” exterior a uma circunferência se traçam as tangentes PQ
e PR, logo no maior arco QR se localiza um ponto “S”, se traça RH
perpendicular à corda QS, se mHRS = 20º; calcule mQPR.
x
130°
A
C
B
D
X = 40°
2
50
130
X




50°
Problema Nº 03
RESOLUÇÃO
P
Resolvendo:
APD = x
Medida do ângulo interior
Medida do ângulo exterior




90
2
mBC
130
mBC = 50°
De um ponto “P” exterior a uma circunferência se traçam as secantes PBA e
PCD tal que as cordas AC e BD sejam perpendiculares entre si; calcule a
medida do ângulo APD, se o arco AD mede 130º.
x
X = 18°
2
X
54
X



M
N
54°
x
x
Problema Nº 04
RESOLUÇÃO
P
A
B
APN = x
Se traçaa o raio OM:
o
Dado: OM(raio) = PM
Logo triângulo PMO é isósceles
Ângulo central igual ao arco
Medida do ângulo exterior
Resolvendo:
Em uma circunferência, o diâmetro AB se prolonga até um ponto “P”, desde o
qual se traça um raio secante PMN tal que o comprimento de PM seja igual ao
raio, se o arco AN mede 54º. Calcule a mAPN.
x
70°
Medida do ângulo inscrito:
X = 55°
2
110
X


A
B
C
P
Q
R
110°
Problema Nº 05
RESOLUÇÃO
PRQ = x
Pela propriedade do ângulo exterior
formado por duas tangentes:
Resolvendo:
70° + mPQ = 180° mPQ = 110°
Em um triângulo ABC se inscreve uma circunferência tangente aos lados
AB, BC e AC nos pontos “P”, “Q” e “R” respectivamente, se o ângulo ABC
mede 70º. Calcule mPRQ.
Calcule a medida do ângulo “X”.
Problema Nº 06
70°
B
A
X P
RESOLUÇÃO
Pela propriedade do ângulo exterior
formado por duas tangentes:
Medida do ângulo inscrito:
70°
B
A
X P
C
→
140º
140º + x = 180º Resolvendo: X = 40º
2
mAB
º
70  mAB=140º
Calcular a medida do ângulo “x”
Problema Nº 07
B
A
X P
130º
RESOLUÇÃO
B
A
X P
130º C
Medida do ângulo inscrito:
Na circunferência:
260º
Pela propriedade do ângulo exterior
formado por duas tangentes:
X = 80º
2
mAB
º
130  mAB = 260º
mACB = 100º
mACB + x = 100º
260º + mACB = 360º
Calcule o perímetro do triângulo ABC.
Problema Nº 08
2
5 5
A
B
C
Teorema de Poncelet: a + b = 10 + 2(2)
Logo o perímetro: (2p) = a + b + 10 = 14 + 10
(2p) = 24
RESOLUÇÃO
2
5 5
A
B
C
a b
a + b = 14 (1)
(2)
Substituindo (1) em (2) (2p) = 14 + 10
X
ABORDAGEM
Q
R
S
80º P
a
a
Problema Nº 09
De um ponto “P” exterior a uma circunferência se traçam a tangente PQ e a
secante PRS de modo que os arcos SQ e SR sejam congruentes. Se o arco
QR mede 80º, calcular mQPR.
2a + 80º = 360º
a = 140º
Medida do ângulo exterior:
X
a




80
2
140 80
2
º º º
X = 30º
Na circunferência:
RESOLUÇÃO
X
Q
R
S
80º P
a
a
P
Q
R
S
2
3
ABORDAGEM
Problema Nº 10
Em um quadrilátero ABCD mQ = mS = 90º se traça a diagonal PR. Os
raios dos triângulos PQR e PRS medem 3 cm e 2 cm respectivamente. Se
o perímetro do quadrilátero PQRS é 22 cm. Calcule o comprimento de PR
Teorema de Poncelet:
a b
c
d
PQR  a + b = PR+2(3)
a +b + c + d = 2PR + 10
PR = 6 cm
Dado:
a + b + c + d = 22 cm
PSR  c + d = PR+2(2)
22 = 2PR + 10
RESOLUÇÃO
P
Q
R
S
2
3
+
51
Fórmulas
Soma das medidas
dos ângulos internos:
 
180º 2
i
S n
 
Soma das medidas
dos ângulos externos:
360º
e
S 
Ângulos internos de
um polígono regular:
 
180º 2
ou
i
i i
n
S
a a
n n

 
Ângulos externos de
um polígono regular:
360º
ou
e
e e
S
a a
n n
 
Número de diagonais
de um polígono:
 
3
2
n n
d


Prof. Herivelton Xavier
REVISÃO DE MATEMÁTICA BÁSICA
01 – Quantas vezes usamos o algarismo 3 para escrever todos os números de 1 a 100 ?
a) 5 b) 10 c) 15 d) 20 e) 25
RESOLUÇÃO:
Usamos formulas para determinar este tipo de calculo:
Consideremos a seqüência 1 ................10n, usamos a formula n.10n-1, para qualquer
posição e 10n-1, para posição definida.
No caso acima temos 1 ------102, então temos 2.102-1, ficando como resultado 20.
Prof. Herivelton Xavier
02 – Numa divisão, se acrescentarmos 57 ao dividendo e, 6 ao divisor, o quociente
permanece inalterado e o resto é acrescido de 3. Qual é o quociente?
a) 6 b) 12 c) 9 d) 7 e) 8
RESOLUÇÃO:
Neste tipo de quesito, usaremos o algoritimo de EUCLIDES, que é a seguinte expressão: D
= dq + R.
No caso acima D + 57 = (d + 6)q + R + 3, fica:
D + 57 = dq + 6q + R + 3, de euclides fica dq = D – R, substituindo temos: D + 57 = D – R +
6q + R + 3,
Eliminando os fatores.
Ficamos apenas com 57 = 6q + 3, resolvendo esta operação do 1º grau encontramos o
resultado q = 9.
Prof. Herivelton Xavier
03 – A soma 0,2 + 0,333 ... + 0,0121212 ... tem como resultado:
a) 4/173 b) 41/75 c) 33/55 d) 6/11 e) 71/6000
RESOLUÇÃO:
Primeiro, transformamos tudo em fração:
0,2 =
0,3333.... =
0,01212... =
Segundo: Fazemos agora a operação de soma de frações.
10
2
9
3
990
12
• Temos:
• Resposta: Letra D
11
6
99
54
990
540
990
12
330
198
990
1
12
110
3
2
99
990
12
9
3
10
2











x
x
x
04 – Um automóvel pode andar sem abastecer durante cinco horas. Tendo
saído com um furo no tanque de gasolina, somente pôde andar 250 minutos.
Se esse automóvel tivesse parado durante 25 minutos, quantos litros de
gasolina perderia sabendo que a capacidade do seu tanque é 60 litros?
a) 1 litro
b) 10 litros
c) 5 litros
d) 3 litros
e) 8 litros
Prof. Herivelton Xavier
• RESOLUÇÃO: Duas Regra de Três
• Duração de viagem: 5h = 300 min.
• 1ª - Regra de Três
• 60 litros
• 2ª - Regra de Três: OBS: O tanque tem capacidade para 60
litros e o carro gastou 50 litros, teve um prejuízo de 10 litros,
então fazemos;
300 min
X 250 min
Resultado = 50 litros
10 litros 50 min
25 min
X
Resultado = 5 litros
Prof. Herivelton Xavier
• RESOLUÇÃO COM UMA REGRA DE TRÊS.
300 min 60 litros
25 min X litros
• Encontramos
300 X = 60.25
• Daí temos:
300 X = 1500
X = 1500/300 X = 5 litros
Prof. Herivelton Xavier
• 05 – No sistema binário, o numeral 1011 representa o número
cuja expressão decimal é:
• a) 12 b) 8 c) 10 d) 11 e) 9
• RESOLUÇÃO:
1 0 1 1
20 = 1
21 = 2
22 = 0
23 = 8
11
Prof. Herivelton Xavier
• 06 – Os 2/3 de 5/3 do preço de uma TV equivalem a 3/2 de
2/5 do preço de um carro, avaliado em R$ 1.800,00. O preço
da TV é:
• a) R$ 1.040 b) R$ 904 c) R$ 970
• d) R$ 972 e) R$ 800
• RESOLUÇÃO:
• Produto direto de frações.
• Resposta: X = 972, Letra D
1800
.
5
2
.
2
3
.
3
5
.
3
2

X 1800
.
10
6
.
9
10

X 1800
.
10
.
10
6
.
9

X
Prof. Herivelton Xavier
• 07 – Se a densidade absoluta de um corpo é expressa por 3,5
Kg/m3, expresso com g/cm3 será:
• a) 35 b) 0,35 c) 0,035
• d) 0,0035 e) 3,5
• RESOLUÇÃO: Usaremos as seguintes Tabelas de Conversões.
kg hg dag g dg cg mg
km3 hm3 dam3 m3 dm3 cm3 mm3
3 5 0 0
1 0 0 0 0 0 0
• Agora fazemos:

1000000
3500
0035
,
0
10000
35

• Resposta: Letra D
• 08 – Uma torneira enche um tanque em 10h e
outra esvazia em 15h. Estando vazio o tanque e
abrindo-se as duas torneiras simultaneamente, o
tempo em horas, que levará para encher o
tanque será:
• a) 20 b) 24 c) 30 d) 36 e) 40
• O bizú para este problema é fazer: Produto dos valores
dividido pela diferença.
30
5
150
10
15
10
.
15




X
Prof. Herivelton Xavier
• 09 – Transforme:
• a) 48 dm em m
• b) 0,5 km2 em m2
• c) 2,5 km2 em ha
• d) 3,75 m3 em litros
• e) 500 mm3 em cm3
km hm dam m dm cm mm
4 8
,
km2 hm2 dam2 m2 dm2 cm2 mm2
0 5 0 0 0 0 0
a)
b)
km3 hm3 dam3 m3 dm3 cm3 mm3
e)
0
0
5
0
d)
• Neste caso a relação é:
1m3 = 1000 litros
E a resposta é: 3750litros.
c) Relação: 1ha = 10000m2, ou 1 ha = 0,01 km2 Resp. = 250 ha
Prof. Herivelton Xavier
• 10 – Calcule as seguintes somas:
• a)
• b)
• RESOLUÇÃO:
 



20
1
1
2
n
n
 


1 1
,
1
1
n
n
    440
20
.
2
41
3
41
..
..........
7
5
3
1
2
20
1










n
n
     
10
1
,
0
1
1
,
1
1
1
1
,
1
1
.
..........
1
,
1
1
1
,
1
1
1
,
1
1
1
,
1
1
3
2
1











n
n
• O bizú para este problema é
que na letra A, temos uma
soma dos termos de uma P.A.,
e na letra B, temos a soma de
uma P.G. infinita.
Prof. Herivelton Xavier
• 11 – Qual o número de divisores positivos de 320 ?
• Fazemos neste caso a fatoração:
320 2
160 2
80 2
40 2
20 2
10 2
5 5
1
26 . 51
• Agora a cada potencia aumentamos
uma unidade e depois fazemos o
produto deles. (6 + 1).(1 + 1) = (7).(2)
= 14
Prof. Herivelton Xavier
• 12 – Classifique em verdadeiro (V) ou falso (F) :
• ( ) 7 Є { 2, 3, 7}
• ( ) Ø Є { Ø, {a}}
• ( ) { a, b} Є {a, b, c, d,}
• ( ) Ø C { 3 }
• 13 – Numa sociedade existem;
• - 35 homens
• - 18 pessoas que usam óculos
• - 15 mulheres que não usam óculos
• - 07 homens que usam óculos
• a) Qual o número de pessoas que compõem a sociedade ?
• b) Quantas pessoas são homens ou quantas usam óculos ?
V
V
F
V
Prof. Herivelton Xavier
• Homens Mulheres
c/óculos s/óculos c/óculos
s/óculos
35
7 28
18 pessoas c/óculos
7 – Homens 11 - Mulheres
11 15
26
a) Resposta = 61
b) Resposta = 46
Prof. Herivelton Xavier
• 14 – Marcos dá a Neuza tantos reais quanto Neuza possui. Em
seguida, Neuza dá a Marcos tantos reais quanto Marcos
possui. Ambos ficam então com R$ 24,00. No início, Marcos
possuía:
• a) R$ 30,00
• b) R$ 28,00
• c) R$ 24,00
• d) R$ 18,00
• RESPOSTA:
• MARCOS: X
• NEUZA: Y
Prof. Herivelton Xavier
• CONTINUAÇÃO:
• MARCOS: X – Y = A
• NEUZA: Y + Y = 2Y
• NEUZA: 2Y – A para Marcos.
• MARCOS: A + A = 2A,
• Daí temos: Marcos 2A = 24, A = 12
• Como os dois ficaram com 24,00, temos ai um sistema:







12
48
Y
X
Y
X Daí temos:







12
48
Y
X
Y
X
Ficamos com:
30
;
60
2 
 X
X
RESPOSTA: Letra A
QUESTÃO – 01 O câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais
comum e o que mais mata mulheres no mundo. Pesquisadores da
Universidade de Brasília (UnB) investigam propriedades antitumorais
de extratos vegetais produzidos a partir de plantas da Amazônia,
como a Cassia Ocidentalis. Suponha que, no laboratório de
farmacologia da UnB, trabalhem 10 homens e 4 mulheres. Necessita-
se formar uma equipe composta por 4 pessoas para dar continuidade
às pesquisas e nela pretende-se que haja pelo menos uma mulher.
Nessas condições, o número total de maneiras de se compor a equipe
de pesquisadores é igual a:
a) 641.
b) 826.
c) 791.
d) 936.
e) 1 024.
Pelo menos uma mulher: uma, duas, três ou 4 mulheres
Podemos utilizar o raciocínio exclusivo:
Todas as possibilidades subtraído de todos serem homens.
𝑪𝟏𝟒,𝟒 − 𝑪𝟏𝟎,𝟒
14!
4! 10!
−
10!
4! 6!
1001 – 210 = 791
São 10 homens e 4 mulheres
a) 641.
b) 826.
c) 791.
d) 936.
e) 1 024.
Segmentos notáveis do triângulo
Mediana
• Une o vértice ao ponto médio do lado oposto.
B
A
C
M
AM é mediana
BM = CM
⇒
M é o ponto médio do segmento BC.
Altura
• Une o vértice ao lado oposto (ou a seu prolongamento) e é
perpendicular à reta suporte desse lado.
B
A
C
H
AH é altura
AH é perpendicular a BC
⇒
Bissetriz interna
• Une o vértice ao lado oposto, dividindo o ângulo desse
vértice em dois ângulos congruentes.
B
A
C
S
AS é bissetriz
Mediatriz
• Chama-se mediatriz de um segmento AB a reta m
perpendicular a AB, passando pelo seu ponto médio.
A
m
B
M A reta m é mediatriz
AM = BM
⇒
Propriedades relativas aos triângulos
isósceles e eqüilátero
Triângulo isósceles
A
B C
x
x
 a altura AM relativa à base é também mediana e
bissetriz interna.
M
Triângulo eqüilátero
A
B C
N
P
 Em cada vértice, a mediana, a altura e a bissetriz interna
coincidem e são todas congruentes (AM = BN = CP).
M
C
B A
b
a
M
c
z
x y
Relação de Stewart
a2.y + b2.x – z2.c = c.x.y
A escala decibel de som é definida pela seguinte expressão: 𝐵 =
10. 𝑙𝑜𝑔
𝐼
𝐼𝑜
Nessa expressão, B é o nível do som, em decibéis (dB), de
um ruído de intensidade física I, e Io é a intensidade de referência
associada ao som mais fraco percebido pelo ouvido humano.
QUESTÃO - 02
De acordo com a expressão dada e a tabela a seguir, pode-se concluir
que, em relação à intensidade de uma conversação normal, a
intensidade do som de uma orquestra é:
a) 1 000 vezes superior.
b) 200 vezes superior.
c) 100 vezes superior.
d) 2 000 vezes superior.
e) 5 000 vezes superior.
a) 1 000 vezes superior.
b) 200 vezes superior.
c) 100 vezes superior.
d) 2 000 vezes superior.
e) 5 000 vezes superior
Conversação normal:
10. log
𝐼
𝐼0
= 60 log
𝐼
𝐼0
= 6
𝐼
𝐼0
= 106
𝑰 = 𝟏𝟎𝟔. 𝑰𝟎
som de uma orquestra:
10. log
𝐼
𝐼0
= 90 log
𝐼
𝐼0
= 9
𝐼
𝐼0
= 109
𝑰 = 𝟏𝟎𝟗
. 𝑰𝟎
𝑅 =
109
106
= 103 = 1000
𝐵 = 10. 𝑙𝑜𝑔
𝐼
𝐼𝑜 log𝑏 𝐴 = 𝑥 ↔ 𝑏𝑥 = 𝐴
QUESTÃO – 03 Observe esta tirinha de quadrinhos.
A Mônica desafia seus amigos, numa brincadeira de “cabo de guerra”.
Supondo que a posição da Mônica pode ser substituída por qualquer
um de seus amigos, e que ela pode ocupar o outro lado, junto com
os demais, mantendo-se em qualquer posição, o número de
maneiras distintas que podem ocorrer essa brincadeira será igual a:
a) 60.
b) 150.
c) 600.
d) 120.
e) 380.
Utilizaremos todos os elementos, apenas permutando-os.
∴ 𝑃5 = 5! = 5.4.3.2.1 = 120
Então teremos 120 maneiras diferentes de essa
brincadeira ocorrer.
a) 60.
b) 150.
c) 600.
d) 120.
e) 380.
QUESTÃO – 04 Um fertilizante é constituído por 20% de nitrato. Sabe-se
que 20% do nitrato desse fertilizante é composto por nitrogênio, e a
massa do fertilizante sem nitrato não contém matéria com nitrogênio.
Considerando uma certa quantidade, em gramas, desse fertilizante, a
parte sem nitrato corresponde a 1,52 kg da massa total considerada.
Nas condições dadas, o total de nitrogênio nesse fertilizante, em
gramas, é igual a:
a) 60,8.
b) 95,0.
c) 38,0.
d) 76,0.
e) 84,6.
Fertilizante
Nitrato
(20% do fertilizante)
Nitrogênio
(20% do nitrato)
1,52 kg
Massa do nitrogênio em
relação à massa total:
𝟐𝟎% 𝒅𝒆 𝟐𝟎% =
𝟐𝟎
𝟏𝟎𝟎
𝟐𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 𝟒%
Massa (g) %
1520 80
x 4
𝒙 = 𝟕𝟔 𝒈
QUESTÃO – 05 De quantas maneiras diferentes oito crianças podem
ser dispostas ao redor de um círculo em uma brincadeira de roda?
a) 8!
b) 7!
c) 8
d) 7
e) 16
Exemplifiquemos com 3 pessoas: A, B, C
A
B C
A
C
B
Então, devemos fixar uma pessoa e mudar as outras de lugar.
Como se tivéssemos: _1_ _ 2_ _1_ = 2 possibilidades
“A”
Temos o que chamamos de Permutação Circular. 𝑃𝑐,𝑛 = (𝑛 − 1)!
∴ 𝑃𝑐,3 = 3 − 1 ! = 2! = 2
No exercício:
𝑷𝒄,𝟖 = 𝟖 − 𝟏 ! = 𝟕!
QUESTÃO - 06 Suponha que R(q) e C(q) sejam funções afins,
representando, respectivamente, a receita e o custo mensais, em reais,
da fabricação e comercialização de um dado produto por uma empresa,
quando q varia no conjunto dos números naturais e corresponde à
quantidade mensal produzida e vendida desse produto, conforme indica
esta figura:
Se M é a menor quantidade desse
produto a ser produzida e vendida, de
forma a assegurar um lucro mensal
maior do que ou igual a R$ 30.000,00,
então M pertence ao intervalo
a) (4 200, 5 200].
b) (5 200, 6 200].
c) (6 200, 7 200].
d) (3 200, 4 200].
e) (2 200, 3 200].
Seja 𝑹(𝒒) = 𝒂𝒙 + 𝒃.
𝑹(𝒒) = 𝒂𝒙 + 𝟎 𝒂 =
∆𝒚
∆𝒙
=
𝟏𝟖𝟎𝟎𝟎 − 𝟎
𝟏𝟎𝟎𝟎 − 𝟎
= 𝟏𝟖
𝑹 𝒒 − 𝑪(𝒒) ≥ 𝟑𝟎. 𝟎𝟎𝟎
(𝟎, 𝟎)
(𝟏𝟎𝟎𝟎, 𝟏𝟖𝟎𝟎𝟎) 𝑹(𝒒) = 𝟏𝟖𝒙
Seja 𝐂(𝒒) = 𝒄𝒙 + 𝒅.
𝑪(𝒒) = 𝒄𝒙 + 𝟔𝟎𝟎𝟎. 𝒄 =
∆𝒚
∆𝒙
=
𝟏𝟖𝟎𝟎𝟎 − 𝟔𝟎𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎𝟎 − 𝟎
= 𝟏𝟐
𝑪(𝒒) = 𝟏𝟐𝒙 + 𝟔𝟎𝟎𝟎.
(𝟎, 𝟔𝟎𝟎𝟎)
(𝟏𝟎𝟎𝟎, 𝟏𝟖𝟎𝟎𝟎)
𝑹 𝒒 − 𝑪(𝒒) ≥ 𝟑𝟎. 𝟎𝟎𝟎 𝟏𝟖𝒙 − (𝟏𝟐𝒙 + 𝟔𝟎𝟎𝟎) ≥ 𝟑𝟎. 𝟎𝟎𝟎
𝟏𝟖𝒙 − 𝟏𝟐𝒙 − 𝟔𝟎𝟎𝟎 ≥ 𝟑𝟎. 𝟎𝟎𝟎 𝒙 ≥ 6000
b) (5 200, 6 200].
QUESTÃO – 07 Dados do Instituto de Pesquisas Econômicas
Aplicadas (IPEA) revelaram que, no biênio 2004/2005, nas rodovias
federais, os atropelamentos com morte ocuparam o segundo lugar
no ranking de mortalidade por acidentes. A cada 34
atropelamentos, ocorreram 10 mortes. Cerca de 4 mil
atropelamentos/ano, um a cada duas horas, aproximadamente.
Disponível em: <http://www.ipea.gov.br.>. Acesso em: 6 jan. 2009.
De acordo com esses dados, se for escolhido aleatoriamente, para
uma investigação mais detalhada, um dos atropelamentos ocorridos
no biênio 2004/2005, a probabilidade de ter sido um atropelamento
com morte é
𝒂) 𝟐
𝟓 𝒃) 𝟐
𝟏𝟕 𝒄) 𝟓
𝟏𝟕 𝒅) 𝟑
𝟓 𝒆) 𝟏𝟐
𝟏𝟕
𝐷𝑎 𝑑𝑒𝑓𝑖𝑛𝑖çã𝑜 𝑑𝑒 𝑝𝑟𝑜𝑏𝑎𝑏𝑖𝑙𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒: 𝑃 𝐸 =
𝑛(𝐸)
𝑛(𝑆)
, 𝑜𝑛𝑑𝑒
𝑛 𝐸 é 𝑜 𝑛ú𝑚𝑒𝑟𝑜 𝑑𝑒 𝑐𝑎𝑠𝑜𝑠 𝑓𝑎𝑣𝑜𝑟á𝑣𝑒𝑖𝑠 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑞𝑢𝑒 𝑜 𝑒𝑣𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑜𝑐𝑜𝑟𝑟𝑎
𝑛(𝑆) é o número de elementos do espaço amostral
No exercício temos:
N(E) = 10 e n(S) = 34
∴ 𝑷 𝑬 =
𝟏𝟎
𝟑𝟒
=
𝟓
𝟏𝟕
𝒂) 𝟐
𝟓 𝒃) 𝟐
𝟏𝟕 𝒄) 𝟓
𝟏𝟕 𝒅) 𝟑
𝟓 𝒆) 𝟏𝟐
𝟏𝟕
QUESTÃO – 08 Uma pesquisa de mercado sobre determinado
eletrodoméstico mostrou que 37% dos entrevistados preferem a marca
X, 40%, a marca Y, 30%, a marca Z, 25% preferem X e Y, 8% preferem Y e
Z, 3% preferem X e Z, e 1%, as três marcas. Considerando que há os
que não preferem nenhuma das três marcas, a porcentagem dos que
não preferem nem X nem Y é:
a) 23%.
b) 20%.
c) 30%.
d) 42%.
e) 48%.
Bom: iniciaremos construindo um tabela informativa das porcentagens,
para facilitar a resolução.
X 37%
Y 40%
Z 30%
X e Y 25%
Y e Z 8%
X e Z 3%
X, Y e Z 1%
X Y
Z
*
*
*
*
*
*
1
Entrevistados em %
2
7
24
20
*
8
10
a
𝟏𝟎 + 𝟐𝟒 + 𝟖 + 𝟐 + 𝟏 + 𝟕 + 𝟐𝟎 + 𝒂 = 𝟏𝟎𝟎
𝒂 = 𝟐𝟖 Resposta: 20 + a = 48
a) 23%.
b) 20%.
c) 30%.
d) 42%.
e) 48%.
QUESTÃO – 09 Uma peça na forma de prisma quadrangular de
altura 3 cm será construída com vértices da base nos pontos A
(2,0), B (4,0), C (4,4) e D (2,4) de um sistema de eixos ortogonais.
Seu idealizador precisa saber a área total de material a ser gasto
para calcular o preço de venda. Sabendo que essa peça possui
tampa, a área encontrada por ele foi de:
a) 8 cm2.
b) 16 cm2.
c) 36 cm2.
d) 52 cm2.
e) 88 cm2.
0
0.5
1
1.5
2
2.5
3
3.5
4
4.5
0 0.5 1 1.5 2 2.5 3 3.5 4 4.5
𝐴𝑏𝑎𝑠𝑒 = 2 2.4
= 16𝑐𝑚2
(com tampa)
𝐴𝑙𝑎𝑡𝑒𝑟𝑎𝑙 = ∑𝐴𝑓𝑎𝑐𝑒𝑠 𝑙𝑎𝑡𝑒𝑟𝑎𝑖𝑠 = 2 2.3 + 2 4.3
= 12 + 24
= 36 𝑐𝑚2
∴ 𝑨𝑻𝒐𝒕𝒂𝒍 = 𝟏𝟔𝒄𝒎𝟐 + 𝟑𝟔𝒄𝒎𝟐 = 𝟓𝟐𝒄𝒎𝟐
Começamos construindo um eixo ortogonal e colocando os pontos
destacados no enunciado: A (2,0), B (4,0), C (4,4) e D (2,4)
QUESTÃO – 10 Este gráfico representa a vazão resultante de água, em
m³/h, em um tanque, em função do tempo, em horas. Vazões negativas
significam que o volume de água no tanque está diminuindo
São feitas as seguintes afirmações:
I) No intervalo de A até B, o volume de água no tanque é constante.
II) No intervalo de B até E, o volume de água no tanque está crescendo.
III) No intervalo de E até H, o volume de água no tanque está decrescendo.
IV) No intervalo de C até D, o volume de água no tanque está crescendo mais
lentamente.
V) No intervalo de F até G, o volume de água no tanque é constante.
É correto o que se afirma em:
a) I, III e V apenas.
b) II e IV apenas.
c) I, II e III apenas.
d) I, II, III e IV apenas.
e) I, II, III, IV e V.
I) No intervalo de A até B, o volume de água no tanque é constante.
II) No intervalo de B até E, o volume de água no tanque está crescendo.
III) No intervalo de E até H, o volume de água no tanque está decrescendo.
IV) No intervalo de C até D, o volume de água no tanque está crescendo mais
lentamente.
V) No intervalo de F até G, o volume de água no tanque é constante.
V
V
V
F
F
LETRA C
QUESTÃO – 11 Em uma região de temperaturas elevadas, foi
identificado um polígono em que a sobrevivência de espécies se
tornava muito difícil devido à escassez de água. Mapeados, os
vértices desse polígono são: A (2,2), B (3,4), C (4,3) e D (6,2). Com
base nessas informações, pode-se afirmar que o polígono formado
pela união dos pontos A, B, C e D e sua respectiva área são:
a) triângulo de 7 unidades de área.
b) triângulo de 15 unidades de área.
c) quadrilátero de 30 unidades de área.
d) quadrilátero de 7 unidades de área.
e) quadrilátero de 3,5 unidades de área.
Observamos tratar-se
de Um quadrilátero.
Da Geometria Analítica temos :
𝐴𝑝𝑜𝑙í𝑔𝑜𝑛𝑜=
1
2
. 𝐷 𝑜𝑛𝑑𝑒 𝐷 é 𝑜 𝑑𝑒𝑡𝑒𝑟𝑚𝑖𝑛𝑎𝑛𝑡𝑒
formado pelas coordenadas dos pontos.
∴ 𝐷 =
2 2
3 4
4 3
6 2
2 2
= −7 então 𝐷 = −7 = 7
∴ 𝑨𝒑𝒐𝒍í𝒈𝒐𝒏𝒐 =
𝟏
𝟐
. 𝟕 = 𝟑, 𝟓 ua
a) triângulo de 7 unidades de área.
b) triângulo de 15 unidades de área.
c) quadrilátero de 30 unidades de área.
d) quadrilátero de 7 unidades de área.
e) quadrilátero de 3,5 unidades de área.
QUESTÃO – 12 Considere que um determinado tsunami se propaga
como uma onda circular, cujo raio, partindo de zero, aumenta 10 km por
hora. Então a área, em quilômetros quadrados, varrida pela onda entre
9 e 10 horas é dada por:
a) 100π
b) 900π
c) 1 200π
d) 1 500π
e) 1 900π
Tsunami após 9 horas
Tsunami após 10 horas
𝐴𝑐𝑜𝑟𝑜𝑎 = 𝜋. 100² − 𝜋.90²
𝐴𝑐𝑜𝑟𝑜𝑎 = 1900. 𝜋
𝐴𝑐𝑜𝑟𝑜𝑎 = 𝐴𝑐í𝑟𝑐𝑢𝑙𝑜 𝑚𝑎𝑖𝑜𝑟 − 𝐴𝑐í𝑟𝑐𝑢𝑙𝑜 𝑚𝑒𝑛𝑜𝑟
QUESTÃO – 13 João, Maria e José estão brincando de pique esconde.
João e Maria se posicionam nos pontos A (2,1) e B (14,2) de um
sistema de coordenadas ortogonais. Nos pontos C (4,7) e D (11, 14),
encontram-se dois obstáculos. José, garoto esperto, não será visto
pelos amigos caso se posicione no ponto
a) (– 7, – 22).
b) (43, 83).
c) (– 7, 3).
d) (9, 22).
e) (8, 28).
João
Maria
O
O
0
2
4
6
8
10
12
14
16
0 2 4 6 8 10 12 14 16
José
𝑚
=
14 2
11 14
𝑥 𝑦
14 2
= 0 𝑚
: 4x+y-58=0
m
𝑛
=
2 1
4 7
𝑥 𝑦
2 1
= 0
𝑛
: 3x-y-5=0
Resolvendo o sistema composto pelas equações das retas, encontramos o ponto:
(9,22)
n
(2,1) João
(14,2) Maria
(4,7) Obstáculo
(11,14) Obstáculo
𝑚
=
14 2
11 14
𝑥 𝑦
14 2
= 0 196 + 11y + 2x - 14y - 14x - 22 = 0
Ficando
4x + y – 58 = 0
𝑛
=
2 1
4 7
𝑥 𝑦
2 1
= 0
14 + 4y + x - 2y – 7x – 4 = 0
Ficando
3x - y – 5 = 0
Juntando as equações temos um sistema:
3𝑥 − 𝑦 − 5 = 0
4𝑥 + 𝑦 − 58 = 0 Resolução do sistema = (9,22)
QUESTÃO – 14 Em um hospital, uma das enfermarias, que é uma sala
retangular de 10 m de comprimento por 6 m de largura, foi reformada,
aumentando o comprimento e a largura na mesma medida, conforme
mostram estas figuras:
Sabendo-se que a área que foi aumentada representa 60% da área
original, então o valor do perímetro, em metros, da sala após a reforma
passou a ser
a) 38.
b) 40.
c) 34.
d) 36.
e) 42.
60 m²
60% de 60 = 36 m²
𝟏𝟎 + 𝒙 . 𝟔 + 𝒙 = 𝟔𝟎 + 𝟑𝟔
60 m²
𝒙² + 𝟏𝟔𝒙 − 𝟑𝟔 = 𝟎
𝐱´ = 𝟐 𝐱´´ = −𝟏𝟖
Perímetro = 2.( 8 + 12) = 40 metros
10 + x
6 + x (60 + 36) m²
QUESTÃO – 15 Uma fábrica tem seu emblema representado
pela figura a seguir:
Se o raio de cada um dos círculos menores é igual a 6 cm,
então o raio do maior mede:
Unindo-se os centros dos círculos menores,
obtemos um quadrado de lado de medida
igual a 12 cm.
𝑑 = l 2
𝑑 = 12 2
Precisamos da metade deste valor e a ele acrescentamos a medida do
raio do círculo menor
∴ 𝑹 = 𝟔 𝟐 + 𝟔 = 𝟔( 𝟐 + 𝟏)
QUESTÃO – 16 Na busca de solução para o problema da gravidez na
adolescência, uma equipe de orientadores educacionais de uma
instituição de ensino pesquisou um grupo de adolescentes de uma
comunidade próxima a essa escola e obteve os seguintes dados:
Com base nos textos e em seus conhecimentos, é correto afirmar, em
relação às idades das adolescentes grávidas, que:
a) a média é 15 anos.
b) a mediana é 15,3 anos.
c) a mediana é 16,1 anos.
d) a moda é 16 anos.
e) a média é 15,3 anos.
Moda (Valor que mais se repete): 17
a) a média é 15 anos.
b) a mediana é 15,3 anos.
c) a mediana é 16,1 anos.
d) a moda é 16 anos.
e) a média é 15,3 anos.
𝒎𝒆𝒅𝒊𝒂𝒏𝒂 𝒒𝒖𝒂𝒏𝒕𝒊𝒅𝒂𝒅𝒆 𝒊𝒎𝒑𝒂𝒓 = 𝒂𝒐 𝒎𝒆𝒊𝒐 ;
(quantidade par, média dos dois números centrais):
𝟏𝟔+𝟏𝟔
𝟐
= 𝟏𝟔
𝑴é𝒅𝒊𝒂:
𝟏𝟑. 𝟒 + 𝟏𝟒. 𝟑 + 𝟏𝟓. 𝟐 + 𝟏𝟔. 𝟓 + 𝟏𝟕. 𝟔
𝟒 + 𝟑 + 𝟐 + 𝟓 + 𝟔
=
𝟑𝟎𝟔
𝟐𝟎
= 𝟏𝟓, 𝟑
Vamos fazer um rol: (sequência em ordem crescente)
13, 13, 13, 13, 14, 14, 14, 15, 15, 16, 16, 16, 16, 16, 17, 17, 17, 17, 17, 17
QUESTÃO - 17 Um teatro é instalado num salão circular. Nesse salão, a
parte frontal do palco, BC, pode ser vista do centro sob um ângulo de
60°.
Uma pessoa sentada em uma cadeira situada em A verá esse palco
sob um ângulo de:
a) 15°.
b) 30°.
c) 45°.
d) 60°.
e) 75°.
Sabemos do enunciado que o ângulo informado
é um ângulo central, pois tem seu vértice na origem.
Portanto, a medida do arco BC é 60 graus.
Já o ângulo BAC é ângulo inscrito, pois tem seu
vértice na circunferência.
∴ 𝐴 𝑚𝑒𝑑𝑖𝑑𝑎 𝑑𝑒 𝐵Â𝐶 𝑡𝑒𝑚 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑖𝑔𝑢𝑎𝑙 à 𝑚𝑒𝑡𝑎𝑑𝑒
𝑑𝑜 𝑎𝑟𝑐𝑜 𝑞𝑢𝑒 𝑒𝑙𝑒 𝑑𝑒𝑡𝑒𝑟𝑚𝑖𝑛𝑎.
Assim med (BÂC) = 30°
QUESTÃO – 18 Seja f uma função que tem como domínio o conjunto A
= {Ana, José, Maria, Paulo, Pedro} e como contradomínio o
conjunto B = {1, 2, 3, 4, 5}, essa função associa a cada elemento x em
A o número de letras distintas desse elemento x. Com base nessas
informações, assinale a alternativa correta.
a) f é injetora.
b) f é sobrejetora.
c) f não é uma função.
d) f (Maria) = 5.
e) f (Paulo) = f (Pedro)
A B
Ana
José
Maria
Paulo
Pedro
1
2
3
4
5
f: número de letras distintas.
a) f é injetora.
b) f é sobrejetora.
c) f não é uma função.
d) f (Maria) = 5.
e) f (Paulo) = f (Pedro)
QUESTÃO – 19 O volume e a altura de um prisma são expressos
pelos polinômios V(x) = x3 – 3x2 + 2x + 6 e A(x) = x + 1,
respectivamente, sendo x um real estritamente positivo. O menor
valor que a área da base desse prisma pode assumir é
a) 1.
b) 1,5.
c) 2.
d) 2,5.
e) 3.
Sabemos que :
𝑉𝑐𝑖𝑙𝑖𝑛𝑑𝑟𝑜 = 𝐴𝑏𝑎𝑠𝑒. ℎ Devemos, portanto, dividir o volume pela altura
para determinarmos a expressão da área da base.
Podemos utilizar o método da chave ou o dispositivo prático de Briot-Ruffini, já
que se trata da divisão de um polinômio 𝑉 𝑥 = 𝑥3 − 3𝑥2 + 2𝑥 + 6 por um
binômio do 1º grau 𝐴 𝑥 = 𝑥 + 1, resultando em um polinômio de 2º grau.
-1 1 -3 2 6
1 -4 6 0
Pol. quociente resto
A área da base é dada pelo polinômio
Seu gráfico é uma parábola com
concavidade voltada para cima.
Q(x)=𝐴𝑏𝑎𝑠𝑒 = 𝑥2 − 4𝑥 + 6
∴ 𝒐 𝒎𝒆𝒏𝒐𝒓 𝒗𝒂𝒍𝒐𝒓 𝒒𝒖𝒆 𝒑𝒐𝒅𝒆 𝒂𝒔𝒔𝒖𝒎𝒊𝒓
é 𝑿𝒗 = 𝟐
𝑿𝒗 = −
𝒃
𝟐𝒂
=
𝟒
𝟐
= 𝟐
QUESTÃO – 20 Um porta-lápis de madeira foi construído a partir de
um bloco no formato cúbico cuja aresta mede 12 cm. Nesse bloco,
foi feito um furo cúbico de 8 cm de aresta.
O volume de madeira utilizado na confecção desse porta lápis foi de
a) 12 cm³.
b) 64 cm³.
c) 96 cm³.
d) 1 216 cm³.
e) 1 728 cm³
Um porta-lápis de madeira foi construído a partir de um bloco no
formato cúbico cuja aresta mede 12 cm. Nesse bloco, foi feito um
furo cúbico de 8 cm de aresta.
O volume de madeira utilizado na confecção desse porta lápis foi
de
Cubo de aresta 12 cm
Cubo de aresta 8 cm
𝑽𝒐𝒍𝒖𝒎𝒆 𝒅𝒐 𝒑𝒐𝒓𝒕𝒂 𝒍á𝒑𝒊𝒔 = 𝑽𝒄𝒖𝒃𝒐 𝒎𝒂𝒊𝒐𝒓 − 𝑽𝒄𝒖𝒃𝒐 𝒎𝒆𝒏𝒐𝒓
𝑽𝒑𝒐𝒓𝒕𝒂 𝒍á𝒑𝒊𝒔 = 𝟏𝟐𝟑
− 𝟖𝟑
𝑽𝒑𝒐𝒓𝒕𝒂 𝒍á𝒑𝒊𝒔 = 𝟏𝟕𝟐𝟖 − 𝟓𝟏𝟐
𝑽𝒑𝒐𝒓𝒕𝒂 𝒍á𝒑𝒊𝒔 = 𝟏𝟐𝟏𝟔 𝒄𝒎³
QUESTÃO – 21 Em certo período, o número de automóveis numa
cidade variou conforme a função V(x) = 9x + 100, enquanto a
população variou, nesse mesmo período, segundo o polinômio P(x)
= 1,8x2 + 47x + 300, sendo V(x) e P(x) dados em milhares de
unidades. Podemos afirmar que, nesse período, o número de
habitantes por automóvel variou segundo a função
a) y = 0,2x + 2,4.
b) y = 0,3x + 1,8.
c) y = 3x + 0,6.
d) y = 0,2x + 3.
e) y = 1,2x + 1,6.
Devemos observar a pergunta: habitantes/ automóvel, já verificando a
divisão que deve ser realizada. Por tratar-se da divisão de um polinômio
P(x) = 1,8x2 + 47x + 300 por um binômio do primeiro grau V (x) = 9x +
100, podemos utilizar o dispositivo de Briot-Ruffini ou se preferir, o
método da chave, obtendo como quociente um polinômio do 1º grau.
−100
9
1,8 47 300
1,8 27 0
𝑞 𝑥 = 1,8𝑥 + 27 = (: 9) = 𝟎, 𝟐𝒙 + 𝟑
a) y = 0,2x + 2,4.
b) y = 0,3x + 1,8.
c) y = 3x + 0,6.
d) y = 0,2x + 3.
e) y = 1,2x + 1,6.
AULÃO DE MATEMÁTICA 19.10.22.pptx

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Matemática - Módulo 03
Matemática - Módulo 03Matemática - Módulo 03
Matemática - Módulo 03
Everton Moraes
 
Física experimental - Aula 1.pptx
Física experimental - Aula 1.pptxFísica experimental - Aula 1.pptx
Física experimental - Aula 1.pptx
ssuser3d1cd51
 
Arranjo simples
Arranjo simplesArranjo simples
Arranjo simples
Joyce Micielle
 
Função de 1º Grau
Função de 1º GrauFunção de 1º Grau
Função de 1º Grau
André Marchesini
 
Prismas
PrismasPrismas
D23 (mat. 3ª série) blog do prof. warles
D23 (mat. 3ª série)    blog do prof. warlesD23 (mat. 3ª série)    blog do prof. warles
D23 (mat. 3ª série) blog do prof. warles
Pedro Sérgio BUosi
 
Superfícies quadricas revisão
Superfícies quadricas   revisãoSuperfícies quadricas   revisão
Superfícies quadricas revisão
Reginaldo Alcântara
 
9º ano matutino
9º ano   matutino9º ano   matutino
9º ano matutino
Andréia Rodrigues
 
Ponto, reta, plano e ângulos 6º ano
Ponto, reta, plano e ângulos   6º anoPonto, reta, plano e ângulos   6º ano
Ponto, reta, plano e ângulos 6º ano
Eduardo Garcia
 
Sistemas lineares
Sistemas linearesSistemas lineares
Sistemas lineares
jorgehenriqueangelim
 
Matrizes e determinantes exercícios
Matrizes e determinantes   exercícios Matrizes e determinantes   exercícios
Matrizes e determinantes exercícios
Edson Marcos Silva
 
Matrizes
MatrizesMatrizes
Matrizes
rosania39
 
Função do 2º grau
Função do 2º grauFunção do 2º grau
Função do 2º grau
leilamaluf
 
Aula 5- Profmat-Aplicacoes do mdc - Equacoes diofantinas - Expressoes binomia...
Aula 5- Profmat-Aplicacoes do mdc - Equacoes diofantinas - Expressoes binomia...Aula 5- Profmat-Aplicacoes do mdc - Equacoes diofantinas - Expressoes binomia...
Aula 5- Profmat-Aplicacoes do mdc - Equacoes diofantinas - Expressoes binomia...
Aline Guedes
 
Análise combinatória I
Análise combinatória IAnálise combinatória I
Análise combinatória I
Everton Moraes
 
Triangulo Retangulo
Triangulo RetanguloTriangulo Retangulo
Triangulo Retangulo
josioliveira
 
Stevin
StevinStevin
Teorema de pitágoras plano de aula
Teorema de pitágoras    plano de aulaTeorema de pitágoras    plano de aula
Teorema de pitágoras plano de aula
meparj
 
GEOMETRIA ESPACIAL - POLIEDROS E CORPOS REDONDOS - PROF TARCÍSIO - www.profta...
GEOMETRIA ESPACIAL - POLIEDROS E CORPOS REDONDOS - PROF TARCÍSIO - www.profta...GEOMETRIA ESPACIAL - POLIEDROS E CORPOS REDONDOS - PROF TARCÍSIO - www.profta...
GEOMETRIA ESPACIAL - POLIEDROS E CORPOS REDONDOS - PROF TARCÍSIO - www.profta...
Tarcísio Filho
 
Unidades de medidas de arcos e ângulos
Unidades de medidas de arcos e ângulosUnidades de medidas de arcos e ângulos
Unidades de medidas de arcos e ângulos
Rodrigo Carvalho
 

Mais procurados (20)

Matemática - Módulo 03
Matemática - Módulo 03Matemática - Módulo 03
Matemática - Módulo 03
 
Física experimental - Aula 1.pptx
Física experimental - Aula 1.pptxFísica experimental - Aula 1.pptx
Física experimental - Aula 1.pptx
 
Arranjo simples
Arranjo simplesArranjo simples
Arranjo simples
 
Função de 1º Grau
Função de 1º GrauFunção de 1º Grau
Função de 1º Grau
 
Prismas
PrismasPrismas
Prismas
 
D23 (mat. 3ª série) blog do prof. warles
D23 (mat. 3ª série)    blog do prof. warlesD23 (mat. 3ª série)    blog do prof. warles
D23 (mat. 3ª série) blog do prof. warles
 
Superfícies quadricas revisão
Superfícies quadricas   revisãoSuperfícies quadricas   revisão
Superfícies quadricas revisão
 
9º ano matutino
9º ano   matutino9º ano   matutino
9º ano matutino
 
Ponto, reta, plano e ângulos 6º ano
Ponto, reta, plano e ângulos   6º anoPonto, reta, plano e ângulos   6º ano
Ponto, reta, plano e ângulos 6º ano
 
Sistemas lineares
Sistemas linearesSistemas lineares
Sistemas lineares
 
Matrizes e determinantes exercícios
Matrizes e determinantes   exercícios Matrizes e determinantes   exercícios
Matrizes e determinantes exercícios
 
Matrizes
MatrizesMatrizes
Matrizes
 
Função do 2º grau
Função do 2º grauFunção do 2º grau
Função do 2º grau
 
Aula 5- Profmat-Aplicacoes do mdc - Equacoes diofantinas - Expressoes binomia...
Aula 5- Profmat-Aplicacoes do mdc - Equacoes diofantinas - Expressoes binomia...Aula 5- Profmat-Aplicacoes do mdc - Equacoes diofantinas - Expressoes binomia...
Aula 5- Profmat-Aplicacoes do mdc - Equacoes diofantinas - Expressoes binomia...
 
Análise combinatória I
Análise combinatória IAnálise combinatória I
Análise combinatória I
 
Triangulo Retangulo
Triangulo RetanguloTriangulo Retangulo
Triangulo Retangulo
 
Stevin
StevinStevin
Stevin
 
Teorema de pitágoras plano de aula
Teorema de pitágoras    plano de aulaTeorema de pitágoras    plano de aula
Teorema de pitágoras plano de aula
 
GEOMETRIA ESPACIAL - POLIEDROS E CORPOS REDONDOS - PROF TARCÍSIO - www.profta...
GEOMETRIA ESPACIAL - POLIEDROS E CORPOS REDONDOS - PROF TARCÍSIO - www.profta...GEOMETRIA ESPACIAL - POLIEDROS E CORPOS REDONDOS - PROF TARCÍSIO - www.profta...
GEOMETRIA ESPACIAL - POLIEDROS E CORPOS REDONDOS - PROF TARCÍSIO - www.profta...
 
Unidades de medidas de arcos e ângulos
Unidades de medidas de arcos e ângulosUnidades de medidas de arcos e ângulos
Unidades de medidas de arcos e ângulos
 

Semelhante a AULÃO DE MATEMÁTICA 19.10.22.pptx

1. comprimento da circunferência
1. comprimento da circunferência1. comprimento da circunferência
1. comprimento da circunferência
Elisangela Ocea
 
Alguns tópicos de geometria
Alguns tópicos de geometriaAlguns tópicos de geometria
Alguns tópicos de geometria
P Valter De Almeida Gomes
 
Aula-05_-_Trigonometria-no-triangulo-retangulo.pdf
Aula-05_-_Trigonometria-no-triangulo-retangulo.pdfAula-05_-_Trigonometria-no-triangulo-retangulo.pdf
Aula-05_-_Trigonometria-no-triangulo-retangulo.pdf
RafaelVictorMorenoPo
 
trigonometria
trigonometriatrigonometria
trigonometria
carlos monteiro
 
Mat circunferencia circulo
Mat circunferencia   circuloMat circunferencia   circulo
Mat circunferencia circulo
trigono_metria
 
1 ano trigonometria no triângulo retângulo - 2008
1 ano   trigonometria no triângulo retângulo - 20081 ano   trigonometria no triângulo retângulo - 2008
1 ano trigonometria no triângulo retângulo - 2008
Erick Fernandes
 
Trigonometra
TrigonometraTrigonometra
Geometria analítica
Geometria analíticaGeometria analítica
Geometria analítica
Marianna Teixeira
 
Geometria plana
Geometria planaGeometria plana
Geometria plana
arianechaves
 
Slide de matemática Geometria analítica
Slide de matemática Geometria analítica Slide de matemática Geometria analítica
Slide de matemática Geometria analítica
DAIANEMARQUESDASILVA1
 
Circunferência
CircunferênciaCircunferência
Circunferência
marmorei
 
Identificando os quadrantes do ciclo trigonométrico
Identificando os quadrantes do ciclo trigonométricoIdentificando os quadrantes do ciclo trigonométrico
Identificando os quadrantes do ciclo trigonométrico
trigono_metria
 
CfSd 2016 matematica - 3
CfSd 2016   matematica - 3CfSd 2016   matematica - 3
CfSd 2016 matematica - 3
profNICODEMOS
 
M (1)
M (1)M (1)
Relações métricas no triângulo retângulo e na circunferência
Relações métricas no triângulo retângulo e na circunferênciaRelações métricas no triângulo retângulo e na circunferência
Relações métricas no triângulo retângulo e na circunferência
Antonio Magno Ferreira
 
Matematica9 grandezas e_medidas_e_estatistica1
Matematica9 grandezas e_medidas_e_estatistica1Matematica9 grandezas e_medidas_e_estatistica1
Matematica9 grandezas e_medidas_e_estatistica1
Luis
 
Noções de geometria
Noções de geometriaNoções de geometria
Noções de geometria
rosania39
 
EquaçãO+G[1] (Erlan)
EquaçãO+G[1] (Erlan)EquaçãO+G[1] (Erlan)
EquaçãO+G[1] (Erlan)
josivaldopassos
 
Lista p8-3-bimestre
Lista p8-3-bimestreLista p8-3-bimestre
Lista p8-3-bimestre
Crislaine Mota
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
lucivaniaholanda
 

Semelhante a AULÃO DE MATEMÁTICA 19.10.22.pptx (20)

1. comprimento da circunferência
1. comprimento da circunferência1. comprimento da circunferência
1. comprimento da circunferência
 
Alguns tópicos de geometria
Alguns tópicos de geometriaAlguns tópicos de geometria
Alguns tópicos de geometria
 
Aula-05_-_Trigonometria-no-triangulo-retangulo.pdf
Aula-05_-_Trigonometria-no-triangulo-retangulo.pdfAula-05_-_Trigonometria-no-triangulo-retangulo.pdf
Aula-05_-_Trigonometria-no-triangulo-retangulo.pdf
 
trigonometria
trigonometriatrigonometria
trigonometria
 
Mat circunferencia circulo
Mat circunferencia   circuloMat circunferencia   circulo
Mat circunferencia circulo
 
1 ano trigonometria no triângulo retângulo - 2008
1 ano   trigonometria no triângulo retângulo - 20081 ano   trigonometria no triângulo retângulo - 2008
1 ano trigonometria no triângulo retângulo - 2008
 
Trigonometra
TrigonometraTrigonometra
Trigonometra
 
Geometria analítica
Geometria analíticaGeometria analítica
Geometria analítica
 
Geometria plana
Geometria planaGeometria plana
Geometria plana
 
Slide de matemática Geometria analítica
Slide de matemática Geometria analítica Slide de matemática Geometria analítica
Slide de matemática Geometria analítica
 
Circunferência
CircunferênciaCircunferência
Circunferência
 
Identificando os quadrantes do ciclo trigonométrico
Identificando os quadrantes do ciclo trigonométricoIdentificando os quadrantes do ciclo trigonométrico
Identificando os quadrantes do ciclo trigonométrico
 
CfSd 2016 matematica - 3
CfSd 2016   matematica - 3CfSd 2016   matematica - 3
CfSd 2016 matematica - 3
 
M (1)
M (1)M (1)
M (1)
 
Relações métricas no triângulo retângulo e na circunferência
Relações métricas no triângulo retângulo e na circunferênciaRelações métricas no triângulo retângulo e na circunferência
Relações métricas no triângulo retângulo e na circunferência
 
Matematica9 grandezas e_medidas_e_estatistica1
Matematica9 grandezas e_medidas_e_estatistica1Matematica9 grandezas e_medidas_e_estatistica1
Matematica9 grandezas e_medidas_e_estatistica1
 
Noções de geometria
Noções de geometriaNoções de geometria
Noções de geometria
 
EquaçãO+G[1] (Erlan)
EquaçãO+G[1] (Erlan)EquaçãO+G[1] (Erlan)
EquaçãO+G[1] (Erlan)
 
Lista p8-3-bimestre
Lista p8-3-bimestreLista p8-3-bimestre
Lista p8-3-bimestre
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 

Último

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 

AULÃO DE MATEMÁTICA 19.10.22.pptx

  • 2. CIRCUNFERÊNCIA - É um lugar geométrico de um conjunto de infinitos pontos que equidistam de um ponto situado no centro.
  • 3. ELEMENTOS DE UMA CIRCUNFERÊNCIA A B Reta tangente Reta secante Seguimento de reta Diâmetro AB ( ) Centro  T  Ponto de tangencia Q  P Raio Arco 𝐵𝑄 Corda PQ
  • 4. POSIÇÕES RELATIVAS DE DUAS CIRCUNFERÊNCIAS 01 - CIRCUNFERÊNCIAS CONCÊNTRICAS - Têm o mesmo centro. r d = Zero; d: distancia
  • 5. Distância entre os centros (d) 02 - CIRCUNFERÊNCIAS EXTERIORES - Não tem ponto em comum. d > R + r R r
  • 6. d = R + r 03 - CIRCUNFERÊNCIAS TANGENTES EXTERIORES - Têm Um ponto comum que é a de tangência. R r Ponto de tangência Distância entre os centros (d)
  • 7. d d = R - r 04 - CIRCUNFERÊNCIAS TANGENTES INTERIORES - Têm um ponto en comum que é a de tangência. d: Distância entre os centros R r Ponto de tangência
  • 8. 05 - CIRCUNFERÊNCIAS SECANTES - Têm dois pontos comuns que são as intersecções. ( R – r ) < d < ( R + r ) Distância entre os centros (d)
  • 9. 06 - CIRCUNFERÊNCIAS ORTOGONAIS - Os raios são perpendiculares no ponto de intersecção. d2 = R2 + r2 Distância entre os centros (d)
  • 10. 07 - CIRCUNFERÊNCIAS INTERIORES - Não têm pontos comuns. d d < R - r d: Distância entre os centros
  • 12. O que significa "ceviana"? Ceviana é um segmento de reta que liga um vértice de um triângulo a um ponto qualquer do lado oposto.
  • 13. MEDIANA  Une o vértice ao ponto médio do lado oposto. B A C M AM é mediana BM = CM ⇒ M é o ponto médio do segmento BC.
  • 14. ALTURA  Une o vértice ao lado oposto (ou a seu prolongamento) e é perpendicular à reta suporte desse lado. B A C H AH é altura AH é perpendicular a BC ⇒
  • 15. BISSETRIZ INTERNA  Une o vértice ao lado oposto, dividindo o ângulo desse vértice em dois ângulos congruentes. B A C S AS é bissetriz
  • 16. MEDIATRIZ  Chama-se mediatriz de um segmento AB a reta m perpendicular a AB, passando pelo seu ponto médio. A m B M A reta m é mediatriz AM = BM ⇒
  • 17. Ceviana Definição Ponto notável Figura Mediana É o segmento que tem como extremidade um vértice do triângulo e o ponto médio do lado oposto a esse vértice. Baricentro (B): é o ponto de encontro das medianas do triângulo; é o centro de gravidade do triângulo. Bissetriz É o segmento que tem uma extremidade em um vértice do triângulo, divide o ângulo ao meio e tem a outra extremidade no lado oposto a esse vértice. Incentro (I): é o encontro das bissetrizes internas do triângulo; é o centro da circunferência inscrita no triângulo, pois equidista dos três lados. Altura É o segmento com uma extremidade em um vértice e a outra extremidade no lado oposto ou no seu prolongamento, formando com ele ângulos retos. Ortocentro (O): é o ponto de encontro das retas que contêm as alturas, podendo pertencer ao exterior do triângulo. Mediatriz Reta que passa pelo ponto médio de um lado do triângulo e é perpendicular a ele. Circuncentro (C): é o ponto de encontro das mediatrizes dos lados do triângulo; é o centro da circunferência circunscrita ao triângulo, pois equidista dos três vértices.
  • 18. C B A b a M c z x y Relação de Stewart a2.y + b2.x – z2.c = c.x.y
  • 19. PROPRIEDADES RELATIVAS AOS TRIÂNGULOS ISÓSCELES E EQUILÁTERO
  • 20. TRIÂNGULO ISÓSCELES A B C x x  a altura AM relativa à base é também mediana e bissetriz interna. M
  • 21. TRIÂNGULO EQÜILÁTERO A B C N P  Em cada vértice, a mediana, a altura e a bissetriz interna coincidem e são todas congruentes (AM = BN = CP). M
  • 22. 1 - Desde um ponto exterior a uma circunferência se pode traçar dois raios tangentes que determinam dois seguimentos congruentes. PROPRIEDADES DAS TANGENTES AP = PB A B P R R  
  • 23. 2 - TANGENTES COMUNS EXTERIORES - São congruentes AB = CD A B C D R R r r
  • 24. 3 - TANGENTES COMUNS INTERIORES - São congruentes. AB = CD A B C D R R r r
  • 25. TEOREMA DE PONCELET - Em todo triângulo retângulo, a soma das comprimentos dos catetos é igual ao comprimento da hipotenusa mais o dobro do raio. a + b = c + 2r a + b = 2 ( R + r ) a b c r R R raio Circunraio
  • 26. TEOREMA DE PITOT - Em todo quadrilátero circunscrito a uma circunferência, sabe-se que a soma do comprimento dos lados opostos são iguais. a + c = b + d d a b c Quadrilátero circunscrito
  • 28.  1 - MEDIDA DO ÂNGULO CENTRAL - É igual à medida do arco que se opõe. A B C r r  = mAB
  • 29.  A C B D 2 - MEDIDA DO ÂNGULO INTERIOR - É igual à semi-soma das medidas dos arcos opostos 𝜷 = 𝒎𝑨𝑩 + 𝒎𝑪𝑫 𝟐
  • 30.  A B C 3 - MEDIDA DO ÂNGULO INSCRITO - É a metade da medida do arco oposto. 𝜽 = 𝒎𝑨𝑩 𝟐
  • 31.  4 - MEDIDA DO ÂNGULO SEMI-INSCRITO - É igual à medida do arco oposto dividido por 2. A B C 𝜹 = 𝒎𝑨𝑩 𝟐
  • 32.  A B C 5 - MEDIDA DO ÂNGULO EX-INSCRITO - É igual à metade da medida do arco 𝑨𝑩𝑪. 𝜺 = 𝒎𝑨𝑩𝑪 𝟐
  • 33.  A B C O 6 - ÂNGULOS EXTERIORES - São três casos: a - Medida do ângulo formado por duas retas tangentes - É igual à semidiferença das medidas dos arcos opostos. 𝜶 = 𝒎𝑨𝑪𝑩 − 𝒎𝑨𝑩 𝟐 𝜶 + 𝒎𝑨𝑩 = 180º
  • 34.  A B C O D b - Ângulo formado por duas retas secantes - É igual à semidiferença da medida dos arcos opostos. 𝜷 = 𝒎𝑨𝑩 − 𝒎𝑪𝑫 𝟐
  • 35.  A B C O c - Medida do ângulo formado por uma reta tangente e outra secante - É igual à semidiferença das medidas dos arcos opostos. 𝜽 = 𝒎𝑨𝑩 − 𝒎𝑩𝑪 𝟐
  • 36. 50° 70º+x X R S Q 140° 2X X + (X+70) + 50° = 180° X = 30° Pelo ângulo semi-inscrito PQS Problema Nº 01 RESOLUÇÃO P x º 70 2 x 2 º 140 PQS m      Substituindo: No triângulo PQS: Resolvendo a equação: PSQ = x Se traça a corda SQ 2 mQRS PQS m   De um ponto “P” exterior a uma circunferência se traçam a tangente PQ e a secante PRS, se o arco RS mede 140º e o ângulo QPS mede 50º. Calcule a medida do ângulo PSQ.
  • 37. 20° 70° X X = 40° R Q No triângulo retângulo RHS 140° É propriedade, que: 140° + X = 180° Pelo ângulo inscrito Problema Nº 02 RESOLUÇÃO P S m  S = 70º Resolvendo: PSQ = x 2 mQR º 70  mQR = 140° De um ponto “P” exterior a uma circunferência se traçam as tangentes PQ e PR, logo no maior arco QR se localiza um ponto “S”, se traça RH perpendicular à corda QS, se mHRS = 20º; calcule mQPR.
  • 38. x 130° A C B D X = 40° 2 50 130 X     50° Problema Nº 03 RESOLUÇÃO P Resolvendo: APD = x Medida do ângulo interior Medida do ângulo exterior     90 2 mBC 130 mBC = 50° De um ponto “P” exterior a uma circunferência se traçam as secantes PBA e PCD tal que as cordas AC e BD sejam perpendiculares entre si; calcule a medida do ângulo APD, se o arco AD mede 130º.
  • 39. x X = 18° 2 X 54 X    M N 54° x x Problema Nº 04 RESOLUÇÃO P A B APN = x Se traçaa o raio OM: o Dado: OM(raio) = PM Logo triângulo PMO é isósceles Ângulo central igual ao arco Medida do ângulo exterior Resolvendo: Em uma circunferência, o diâmetro AB se prolonga até um ponto “P”, desde o qual se traça um raio secante PMN tal que o comprimento de PM seja igual ao raio, se o arco AN mede 54º. Calcule a mAPN.
  • 40. x 70° Medida do ângulo inscrito: X = 55° 2 110 X   A B C P Q R 110° Problema Nº 05 RESOLUÇÃO PRQ = x Pela propriedade do ângulo exterior formado por duas tangentes: Resolvendo: 70° + mPQ = 180° mPQ = 110° Em um triângulo ABC se inscreve uma circunferência tangente aos lados AB, BC e AC nos pontos “P”, “Q” e “R” respectivamente, se o ângulo ABC mede 70º. Calcule mPRQ.
  • 41. Calcule a medida do ângulo “X”. Problema Nº 06 70° B A X P
  • 42. RESOLUÇÃO Pela propriedade do ângulo exterior formado por duas tangentes: Medida do ângulo inscrito: 70° B A X P C → 140º 140º + x = 180º Resolvendo: X = 40º 2 mAB º 70  mAB=140º
  • 43. Calcular a medida do ângulo “x” Problema Nº 07 B A X P 130º
  • 44. RESOLUÇÃO B A X P 130º C Medida do ângulo inscrito: Na circunferência: 260º Pela propriedade do ângulo exterior formado por duas tangentes: X = 80º 2 mAB º 130  mAB = 260º mACB = 100º mACB + x = 100º 260º + mACB = 360º
  • 45. Calcule o perímetro do triângulo ABC. Problema Nº 08 2 5 5 A B C
  • 46. Teorema de Poncelet: a + b = 10 + 2(2) Logo o perímetro: (2p) = a + b + 10 = 14 + 10 (2p) = 24 RESOLUÇÃO 2 5 5 A B C a b a + b = 14 (1) (2) Substituindo (1) em (2) (2p) = 14 + 10
  • 47. X ABORDAGEM Q R S 80º P a a Problema Nº 09 De um ponto “P” exterior a uma circunferência se traçam a tangente PQ e a secante PRS de modo que os arcos SQ e SR sejam congruentes. Se o arco QR mede 80º, calcular mQPR.
  • 48. 2a + 80º = 360º a = 140º Medida do ângulo exterior: X a     80 2 140 80 2 º º º X = 30º Na circunferência: RESOLUÇÃO X Q R S 80º P a a
  • 49. P Q R S 2 3 ABORDAGEM Problema Nº 10 Em um quadrilátero ABCD mQ = mS = 90º se traça a diagonal PR. Os raios dos triângulos PQR e PRS medem 3 cm e 2 cm respectivamente. Se o perímetro do quadrilátero PQRS é 22 cm. Calcule o comprimento de PR
  • 50. Teorema de Poncelet: a b c d PQR  a + b = PR+2(3) a +b + c + d = 2PR + 10 PR = 6 cm Dado: a + b + c + d = 22 cm PSR  c + d = PR+2(2) 22 = 2PR + 10 RESOLUÇÃO P Q R S 2 3 +
  • 51. 51 Fórmulas Soma das medidas dos ângulos internos:   180º 2 i S n   Soma das medidas dos ângulos externos: 360º e S  Ângulos internos de um polígono regular:   180º 2 ou i i i n S a a n n    Ângulos externos de um polígono regular: 360º ou e e e S a a n n   Número de diagonais de um polígono:   3 2 n n d  
  • 52. Prof. Herivelton Xavier REVISÃO DE MATEMÁTICA BÁSICA 01 – Quantas vezes usamos o algarismo 3 para escrever todos os números de 1 a 100 ? a) 5 b) 10 c) 15 d) 20 e) 25 RESOLUÇÃO: Usamos formulas para determinar este tipo de calculo: Consideremos a seqüência 1 ................10n, usamos a formula n.10n-1, para qualquer posição e 10n-1, para posição definida. No caso acima temos 1 ------102, então temos 2.102-1, ficando como resultado 20.
  • 53. Prof. Herivelton Xavier 02 – Numa divisão, se acrescentarmos 57 ao dividendo e, 6 ao divisor, o quociente permanece inalterado e o resto é acrescido de 3. Qual é o quociente? a) 6 b) 12 c) 9 d) 7 e) 8 RESOLUÇÃO: Neste tipo de quesito, usaremos o algoritimo de EUCLIDES, que é a seguinte expressão: D = dq + R. No caso acima D + 57 = (d + 6)q + R + 3, fica: D + 57 = dq + 6q + R + 3, de euclides fica dq = D – R, substituindo temos: D + 57 = D – R + 6q + R + 3, Eliminando os fatores. Ficamos apenas com 57 = 6q + 3, resolvendo esta operação do 1º grau encontramos o resultado q = 9.
  • 54. Prof. Herivelton Xavier 03 – A soma 0,2 + 0,333 ... + 0,0121212 ... tem como resultado: a) 4/173 b) 41/75 c) 33/55 d) 6/11 e) 71/6000 RESOLUÇÃO: Primeiro, transformamos tudo em fração: 0,2 = 0,3333.... = 0,01212... = Segundo: Fazemos agora a operação de soma de frações. 10 2 9 3 990 12 • Temos: • Resposta: Letra D 11 6 99 54 990 540 990 12 330 198 990 1 12 110 3 2 99 990 12 9 3 10 2            x x x
  • 55. 04 – Um automóvel pode andar sem abastecer durante cinco horas. Tendo saído com um furo no tanque de gasolina, somente pôde andar 250 minutos. Se esse automóvel tivesse parado durante 25 minutos, quantos litros de gasolina perderia sabendo que a capacidade do seu tanque é 60 litros? a) 1 litro b) 10 litros c) 5 litros d) 3 litros e) 8 litros
  • 56. Prof. Herivelton Xavier • RESOLUÇÃO: Duas Regra de Três • Duração de viagem: 5h = 300 min. • 1ª - Regra de Três • 60 litros • 2ª - Regra de Três: OBS: O tanque tem capacidade para 60 litros e o carro gastou 50 litros, teve um prejuízo de 10 litros, então fazemos; 300 min X 250 min Resultado = 50 litros 10 litros 50 min 25 min X Resultado = 5 litros
  • 57. Prof. Herivelton Xavier • RESOLUÇÃO COM UMA REGRA DE TRÊS. 300 min 60 litros 25 min X litros • Encontramos 300 X = 60.25 • Daí temos: 300 X = 1500 X = 1500/300 X = 5 litros
  • 58. Prof. Herivelton Xavier • 05 – No sistema binário, o numeral 1011 representa o número cuja expressão decimal é: • a) 12 b) 8 c) 10 d) 11 e) 9 • RESOLUÇÃO: 1 0 1 1 20 = 1 21 = 2 22 = 0 23 = 8 11
  • 59. Prof. Herivelton Xavier • 06 – Os 2/3 de 5/3 do preço de uma TV equivalem a 3/2 de 2/5 do preço de um carro, avaliado em R$ 1.800,00. O preço da TV é: • a) R$ 1.040 b) R$ 904 c) R$ 970 • d) R$ 972 e) R$ 800 • RESOLUÇÃO: • Produto direto de frações. • Resposta: X = 972, Letra D 1800 . 5 2 . 2 3 . 3 5 . 3 2  X 1800 . 10 6 . 9 10  X 1800 . 10 . 10 6 . 9  X
  • 60. Prof. Herivelton Xavier • 07 – Se a densidade absoluta de um corpo é expressa por 3,5 Kg/m3, expresso com g/cm3 será: • a) 35 b) 0,35 c) 0,035 • d) 0,0035 e) 3,5 • RESOLUÇÃO: Usaremos as seguintes Tabelas de Conversões. kg hg dag g dg cg mg km3 hm3 dam3 m3 dm3 cm3 mm3 3 5 0 0 1 0 0 0 0 0 0
  • 62. • 08 – Uma torneira enche um tanque em 10h e outra esvazia em 15h. Estando vazio o tanque e abrindo-se as duas torneiras simultaneamente, o tempo em horas, que levará para encher o tanque será: • a) 20 b) 24 c) 30 d) 36 e) 40 • O bizú para este problema é fazer: Produto dos valores dividido pela diferença. 30 5 150 10 15 10 . 15     X
  • 63. Prof. Herivelton Xavier • 09 – Transforme: • a) 48 dm em m • b) 0,5 km2 em m2 • c) 2,5 km2 em ha • d) 3,75 m3 em litros • e) 500 mm3 em cm3 km hm dam m dm cm mm 4 8 , km2 hm2 dam2 m2 dm2 cm2 mm2 0 5 0 0 0 0 0 a) b) km3 hm3 dam3 m3 dm3 cm3 mm3 e) 0 0 5 0 d) • Neste caso a relação é: 1m3 = 1000 litros E a resposta é: 3750litros. c) Relação: 1ha = 10000m2, ou 1 ha = 0,01 km2 Resp. = 250 ha
  • 64. Prof. Herivelton Xavier • 10 – Calcule as seguintes somas: • a) • b) • RESOLUÇÃO:      20 1 1 2 n n     1 1 , 1 1 n n     440 20 . 2 41 3 41 .. .......... 7 5 3 1 2 20 1           n n       10 1 , 0 1 1 , 1 1 1 1 , 1 1 . .......... 1 , 1 1 1 , 1 1 1 , 1 1 1 , 1 1 3 2 1            n n • O bizú para este problema é que na letra A, temos uma soma dos termos de uma P.A., e na letra B, temos a soma de uma P.G. infinita.
  • 65. Prof. Herivelton Xavier • 11 – Qual o número de divisores positivos de 320 ? • Fazemos neste caso a fatoração: 320 2 160 2 80 2 40 2 20 2 10 2 5 5 1 26 . 51 • Agora a cada potencia aumentamos uma unidade e depois fazemos o produto deles. (6 + 1).(1 + 1) = (7).(2) = 14
  • 66. Prof. Herivelton Xavier • 12 – Classifique em verdadeiro (V) ou falso (F) : • ( ) 7 Є { 2, 3, 7} • ( ) Ø Є { Ø, {a}} • ( ) { a, b} Є {a, b, c, d,} • ( ) Ø C { 3 } • 13 – Numa sociedade existem; • - 35 homens • - 18 pessoas que usam óculos • - 15 mulheres que não usam óculos • - 07 homens que usam óculos • a) Qual o número de pessoas que compõem a sociedade ? • b) Quantas pessoas são homens ou quantas usam óculos ? V V F V
  • 67. Prof. Herivelton Xavier • Homens Mulheres c/óculos s/óculos c/óculos s/óculos 35 7 28 18 pessoas c/óculos 7 – Homens 11 - Mulheres 11 15 26 a) Resposta = 61 b) Resposta = 46
  • 68. Prof. Herivelton Xavier • 14 – Marcos dá a Neuza tantos reais quanto Neuza possui. Em seguida, Neuza dá a Marcos tantos reais quanto Marcos possui. Ambos ficam então com R$ 24,00. No início, Marcos possuía: • a) R$ 30,00 • b) R$ 28,00 • c) R$ 24,00 • d) R$ 18,00 • RESPOSTA: • MARCOS: X • NEUZA: Y
  • 69. Prof. Herivelton Xavier • CONTINUAÇÃO: • MARCOS: X – Y = A • NEUZA: Y + Y = 2Y • NEUZA: 2Y – A para Marcos. • MARCOS: A + A = 2A, • Daí temos: Marcos 2A = 24, A = 12 • Como os dois ficaram com 24,00, temos ai um sistema:        12 48 Y X Y X Daí temos:        12 48 Y X Y X Ficamos com: 30 ; 60 2   X X RESPOSTA: Letra A
  • 70. QUESTÃO – 01 O câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais comum e o que mais mata mulheres no mundo. Pesquisadores da Universidade de Brasília (UnB) investigam propriedades antitumorais de extratos vegetais produzidos a partir de plantas da Amazônia, como a Cassia Ocidentalis. Suponha que, no laboratório de farmacologia da UnB, trabalhem 10 homens e 4 mulheres. Necessita- se formar uma equipe composta por 4 pessoas para dar continuidade às pesquisas e nela pretende-se que haja pelo menos uma mulher. Nessas condições, o número total de maneiras de se compor a equipe de pesquisadores é igual a: a) 641. b) 826. c) 791. d) 936. e) 1 024.
  • 71. Pelo menos uma mulher: uma, duas, três ou 4 mulheres Podemos utilizar o raciocínio exclusivo: Todas as possibilidades subtraído de todos serem homens. 𝑪𝟏𝟒,𝟒 − 𝑪𝟏𝟎,𝟒 14! 4! 10! − 10! 4! 6! 1001 – 210 = 791 São 10 homens e 4 mulheres a) 641. b) 826. c) 791. d) 936. e) 1 024.
  • 73. Mediana • Une o vértice ao ponto médio do lado oposto. B A C M AM é mediana BM = CM ⇒ M é o ponto médio do segmento BC.
  • 74. Altura • Une o vértice ao lado oposto (ou a seu prolongamento) e é perpendicular à reta suporte desse lado. B A C H AH é altura AH é perpendicular a BC ⇒
  • 75. Bissetriz interna • Une o vértice ao lado oposto, dividindo o ângulo desse vértice em dois ângulos congruentes. B A C S AS é bissetriz
  • 76. Mediatriz • Chama-se mediatriz de um segmento AB a reta m perpendicular a AB, passando pelo seu ponto médio. A m B M A reta m é mediatriz AM = BM ⇒
  • 77. Propriedades relativas aos triângulos isósceles e eqüilátero
  • 78. Triângulo isósceles A B C x x  a altura AM relativa à base é também mediana e bissetriz interna. M
  • 79. Triângulo eqüilátero A B C N P  Em cada vértice, a mediana, a altura e a bissetriz interna coincidem e são todas congruentes (AM = BN = CP). M
  • 80. C B A b a M c z x y Relação de Stewart a2.y + b2.x – z2.c = c.x.y
  • 81. A escala decibel de som é definida pela seguinte expressão: 𝐵 = 10. 𝑙𝑜𝑔 𝐼 𝐼𝑜 Nessa expressão, B é o nível do som, em decibéis (dB), de um ruído de intensidade física I, e Io é a intensidade de referência associada ao som mais fraco percebido pelo ouvido humano. QUESTÃO - 02 De acordo com a expressão dada e a tabela a seguir, pode-se concluir que, em relação à intensidade de uma conversação normal, a intensidade do som de uma orquestra é: a) 1 000 vezes superior. b) 200 vezes superior. c) 100 vezes superior. d) 2 000 vezes superior. e) 5 000 vezes superior.
  • 82. a) 1 000 vezes superior. b) 200 vezes superior. c) 100 vezes superior. d) 2 000 vezes superior. e) 5 000 vezes superior Conversação normal: 10. log 𝐼 𝐼0 = 60 log 𝐼 𝐼0 = 6 𝐼 𝐼0 = 106 𝑰 = 𝟏𝟎𝟔. 𝑰𝟎 som de uma orquestra: 10. log 𝐼 𝐼0 = 90 log 𝐼 𝐼0 = 9 𝐼 𝐼0 = 109 𝑰 = 𝟏𝟎𝟗 . 𝑰𝟎 𝑅 = 109 106 = 103 = 1000 𝐵 = 10. 𝑙𝑜𝑔 𝐼 𝐼𝑜 log𝑏 𝐴 = 𝑥 ↔ 𝑏𝑥 = 𝐴
  • 83. QUESTÃO – 03 Observe esta tirinha de quadrinhos. A Mônica desafia seus amigos, numa brincadeira de “cabo de guerra”. Supondo que a posição da Mônica pode ser substituída por qualquer um de seus amigos, e que ela pode ocupar o outro lado, junto com os demais, mantendo-se em qualquer posição, o número de maneiras distintas que podem ocorrer essa brincadeira será igual a: a) 60. b) 150. c) 600. d) 120. e) 380.
  • 84. Utilizaremos todos os elementos, apenas permutando-os. ∴ 𝑃5 = 5! = 5.4.3.2.1 = 120 Então teremos 120 maneiras diferentes de essa brincadeira ocorrer. a) 60. b) 150. c) 600. d) 120. e) 380.
  • 85. QUESTÃO – 04 Um fertilizante é constituído por 20% de nitrato. Sabe-se que 20% do nitrato desse fertilizante é composto por nitrogênio, e a massa do fertilizante sem nitrato não contém matéria com nitrogênio. Considerando uma certa quantidade, em gramas, desse fertilizante, a parte sem nitrato corresponde a 1,52 kg da massa total considerada. Nas condições dadas, o total de nitrogênio nesse fertilizante, em gramas, é igual a: a) 60,8. b) 95,0. c) 38,0. d) 76,0. e) 84,6. Fertilizante Nitrato (20% do fertilizante) Nitrogênio (20% do nitrato) 1,52 kg Massa do nitrogênio em relação à massa total: 𝟐𝟎% 𝒅𝒆 𝟐𝟎% = 𝟐𝟎 𝟏𝟎𝟎 𝟐𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 𝟒% Massa (g) % 1520 80 x 4 𝒙 = 𝟕𝟔 𝒈
  • 86. QUESTÃO – 05 De quantas maneiras diferentes oito crianças podem ser dispostas ao redor de um círculo em uma brincadeira de roda? a) 8! b) 7! c) 8 d) 7 e) 16 Exemplifiquemos com 3 pessoas: A, B, C A B C A C B Então, devemos fixar uma pessoa e mudar as outras de lugar. Como se tivéssemos: _1_ _ 2_ _1_ = 2 possibilidades “A” Temos o que chamamos de Permutação Circular. 𝑃𝑐,𝑛 = (𝑛 − 1)! ∴ 𝑃𝑐,3 = 3 − 1 ! = 2! = 2 No exercício: 𝑷𝒄,𝟖 = 𝟖 − 𝟏 ! = 𝟕!
  • 87. QUESTÃO - 06 Suponha que R(q) e C(q) sejam funções afins, representando, respectivamente, a receita e o custo mensais, em reais, da fabricação e comercialização de um dado produto por uma empresa, quando q varia no conjunto dos números naturais e corresponde à quantidade mensal produzida e vendida desse produto, conforme indica esta figura: Se M é a menor quantidade desse produto a ser produzida e vendida, de forma a assegurar um lucro mensal maior do que ou igual a R$ 30.000,00, então M pertence ao intervalo a) (4 200, 5 200]. b) (5 200, 6 200]. c) (6 200, 7 200]. d) (3 200, 4 200]. e) (2 200, 3 200].
  • 88. Seja 𝑹(𝒒) = 𝒂𝒙 + 𝒃. 𝑹(𝒒) = 𝒂𝒙 + 𝟎 𝒂 = ∆𝒚 ∆𝒙 = 𝟏𝟖𝟎𝟎𝟎 − 𝟎 𝟏𝟎𝟎𝟎 − 𝟎 = 𝟏𝟖 𝑹 𝒒 − 𝑪(𝒒) ≥ 𝟑𝟎. 𝟎𝟎𝟎 (𝟎, 𝟎) (𝟏𝟎𝟎𝟎, 𝟏𝟖𝟎𝟎𝟎) 𝑹(𝒒) = 𝟏𝟖𝒙 Seja 𝐂(𝒒) = 𝒄𝒙 + 𝒅. 𝑪(𝒒) = 𝒄𝒙 + 𝟔𝟎𝟎𝟎. 𝒄 = ∆𝒚 ∆𝒙 = 𝟏𝟖𝟎𝟎𝟎 − 𝟔𝟎𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎𝟎 − 𝟎 = 𝟏𝟐 𝑪(𝒒) = 𝟏𝟐𝒙 + 𝟔𝟎𝟎𝟎. (𝟎, 𝟔𝟎𝟎𝟎) (𝟏𝟎𝟎𝟎, 𝟏𝟖𝟎𝟎𝟎) 𝑹 𝒒 − 𝑪(𝒒) ≥ 𝟑𝟎. 𝟎𝟎𝟎 𝟏𝟖𝒙 − (𝟏𝟐𝒙 + 𝟔𝟎𝟎𝟎) ≥ 𝟑𝟎. 𝟎𝟎𝟎 𝟏𝟖𝒙 − 𝟏𝟐𝒙 − 𝟔𝟎𝟎𝟎 ≥ 𝟑𝟎. 𝟎𝟎𝟎 𝒙 ≥ 6000 b) (5 200, 6 200].
  • 89. QUESTÃO – 07 Dados do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA) revelaram que, no biênio 2004/2005, nas rodovias federais, os atropelamentos com morte ocuparam o segundo lugar no ranking de mortalidade por acidentes. A cada 34 atropelamentos, ocorreram 10 mortes. Cerca de 4 mil atropelamentos/ano, um a cada duas horas, aproximadamente. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br.>. Acesso em: 6 jan. 2009. De acordo com esses dados, se for escolhido aleatoriamente, para uma investigação mais detalhada, um dos atropelamentos ocorridos no biênio 2004/2005, a probabilidade de ter sido um atropelamento com morte é 𝒂) 𝟐 𝟓 𝒃) 𝟐 𝟏𝟕 𝒄) 𝟓 𝟏𝟕 𝒅) 𝟑 𝟓 𝒆) 𝟏𝟐 𝟏𝟕
  • 90. 𝐷𝑎 𝑑𝑒𝑓𝑖𝑛𝑖çã𝑜 𝑑𝑒 𝑝𝑟𝑜𝑏𝑎𝑏𝑖𝑙𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒: 𝑃 𝐸 = 𝑛(𝐸) 𝑛(𝑆) , 𝑜𝑛𝑑𝑒 𝑛 𝐸 é 𝑜 𝑛ú𝑚𝑒𝑟𝑜 𝑑𝑒 𝑐𝑎𝑠𝑜𝑠 𝑓𝑎𝑣𝑜𝑟á𝑣𝑒𝑖𝑠 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑞𝑢𝑒 𝑜 𝑒𝑣𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑜𝑐𝑜𝑟𝑟𝑎 𝑛(𝑆) é o número de elementos do espaço amostral No exercício temos: N(E) = 10 e n(S) = 34 ∴ 𝑷 𝑬 = 𝟏𝟎 𝟑𝟒 = 𝟓 𝟏𝟕 𝒂) 𝟐 𝟓 𝒃) 𝟐 𝟏𝟕 𝒄) 𝟓 𝟏𝟕 𝒅) 𝟑 𝟓 𝒆) 𝟏𝟐 𝟏𝟕
  • 91. QUESTÃO – 08 Uma pesquisa de mercado sobre determinado eletrodoméstico mostrou que 37% dos entrevistados preferem a marca X, 40%, a marca Y, 30%, a marca Z, 25% preferem X e Y, 8% preferem Y e Z, 3% preferem X e Z, e 1%, as três marcas. Considerando que há os que não preferem nenhuma das três marcas, a porcentagem dos que não preferem nem X nem Y é: a) 23%. b) 20%. c) 30%. d) 42%. e) 48%. Bom: iniciaremos construindo um tabela informativa das porcentagens, para facilitar a resolução.
  • 92. X 37% Y 40% Z 30% X e Y 25% Y e Z 8% X e Z 3% X, Y e Z 1% X Y Z * * * * * * 1 Entrevistados em % 2 7 24 20 * 8 10 a 𝟏𝟎 + 𝟐𝟒 + 𝟖 + 𝟐 + 𝟏 + 𝟕 + 𝟐𝟎 + 𝒂 = 𝟏𝟎𝟎 𝒂 = 𝟐𝟖 Resposta: 20 + a = 48 a) 23%. b) 20%. c) 30%. d) 42%. e) 48%.
  • 93. QUESTÃO – 09 Uma peça na forma de prisma quadrangular de altura 3 cm será construída com vértices da base nos pontos A (2,0), B (4,0), C (4,4) e D (2,4) de um sistema de eixos ortogonais. Seu idealizador precisa saber a área total de material a ser gasto para calcular o preço de venda. Sabendo que essa peça possui tampa, a área encontrada por ele foi de: a) 8 cm2. b) 16 cm2. c) 36 cm2. d) 52 cm2. e) 88 cm2.
  • 94. 0 0.5 1 1.5 2 2.5 3 3.5 4 4.5 0 0.5 1 1.5 2 2.5 3 3.5 4 4.5 𝐴𝑏𝑎𝑠𝑒 = 2 2.4 = 16𝑐𝑚2 (com tampa) 𝐴𝑙𝑎𝑡𝑒𝑟𝑎𝑙 = ∑𝐴𝑓𝑎𝑐𝑒𝑠 𝑙𝑎𝑡𝑒𝑟𝑎𝑖𝑠 = 2 2.3 + 2 4.3 = 12 + 24 = 36 𝑐𝑚2 ∴ 𝑨𝑻𝒐𝒕𝒂𝒍 = 𝟏𝟔𝒄𝒎𝟐 + 𝟑𝟔𝒄𝒎𝟐 = 𝟓𝟐𝒄𝒎𝟐 Começamos construindo um eixo ortogonal e colocando os pontos destacados no enunciado: A (2,0), B (4,0), C (4,4) e D (2,4)
  • 95. QUESTÃO – 10 Este gráfico representa a vazão resultante de água, em m³/h, em um tanque, em função do tempo, em horas. Vazões negativas significam que o volume de água no tanque está diminuindo São feitas as seguintes afirmações: I) No intervalo de A até B, o volume de água no tanque é constante. II) No intervalo de B até E, o volume de água no tanque está crescendo. III) No intervalo de E até H, o volume de água no tanque está decrescendo. IV) No intervalo de C até D, o volume de água no tanque está crescendo mais lentamente. V) No intervalo de F até G, o volume de água no tanque é constante. É correto o que se afirma em: a) I, III e V apenas. b) II e IV apenas. c) I, II e III apenas. d) I, II, III e IV apenas. e) I, II, III, IV e V.
  • 96. I) No intervalo de A até B, o volume de água no tanque é constante. II) No intervalo de B até E, o volume de água no tanque está crescendo. III) No intervalo de E até H, o volume de água no tanque está decrescendo. IV) No intervalo de C até D, o volume de água no tanque está crescendo mais lentamente. V) No intervalo de F até G, o volume de água no tanque é constante. V V V F F LETRA C
  • 97. QUESTÃO – 11 Em uma região de temperaturas elevadas, foi identificado um polígono em que a sobrevivência de espécies se tornava muito difícil devido à escassez de água. Mapeados, os vértices desse polígono são: A (2,2), B (3,4), C (4,3) e D (6,2). Com base nessas informações, pode-se afirmar que o polígono formado pela união dos pontos A, B, C e D e sua respectiva área são: a) triângulo de 7 unidades de área. b) triângulo de 15 unidades de área. c) quadrilátero de 30 unidades de área. d) quadrilátero de 7 unidades de área. e) quadrilátero de 3,5 unidades de área.
  • 98. Observamos tratar-se de Um quadrilátero. Da Geometria Analítica temos : 𝐴𝑝𝑜𝑙í𝑔𝑜𝑛𝑜= 1 2 . 𝐷 𝑜𝑛𝑑𝑒 𝐷 é 𝑜 𝑑𝑒𝑡𝑒𝑟𝑚𝑖𝑛𝑎𝑛𝑡𝑒 formado pelas coordenadas dos pontos.
  • 99. ∴ 𝐷 = 2 2 3 4 4 3 6 2 2 2 = −7 então 𝐷 = −7 = 7 ∴ 𝑨𝒑𝒐𝒍í𝒈𝒐𝒏𝒐 = 𝟏 𝟐 . 𝟕 = 𝟑, 𝟓 ua a) triângulo de 7 unidades de área. b) triângulo de 15 unidades de área. c) quadrilátero de 30 unidades de área. d) quadrilátero de 7 unidades de área. e) quadrilátero de 3,5 unidades de área.
  • 100. QUESTÃO – 12 Considere que um determinado tsunami se propaga como uma onda circular, cujo raio, partindo de zero, aumenta 10 km por hora. Então a área, em quilômetros quadrados, varrida pela onda entre 9 e 10 horas é dada por: a) 100π b) 900π c) 1 200π d) 1 500π e) 1 900π Tsunami após 9 horas Tsunami após 10 horas 𝐴𝑐𝑜𝑟𝑜𝑎 = 𝜋. 100² − 𝜋.90² 𝐴𝑐𝑜𝑟𝑜𝑎 = 1900. 𝜋 𝐴𝑐𝑜𝑟𝑜𝑎 = 𝐴𝑐í𝑟𝑐𝑢𝑙𝑜 𝑚𝑎𝑖𝑜𝑟 − 𝐴𝑐í𝑟𝑐𝑢𝑙𝑜 𝑚𝑒𝑛𝑜𝑟
  • 101. QUESTÃO – 13 João, Maria e José estão brincando de pique esconde. João e Maria se posicionam nos pontos A (2,1) e B (14,2) de um sistema de coordenadas ortogonais. Nos pontos C (4,7) e D (11, 14), encontram-se dois obstáculos. José, garoto esperto, não será visto pelos amigos caso se posicione no ponto a) (– 7, – 22). b) (43, 83). c) (– 7, 3). d) (9, 22). e) (8, 28).
  • 102. João Maria O O 0 2 4 6 8 10 12 14 16 0 2 4 6 8 10 12 14 16 José 𝑚 = 14 2 11 14 𝑥 𝑦 14 2 = 0 𝑚 : 4x+y-58=0 m 𝑛 = 2 1 4 7 𝑥 𝑦 2 1 = 0 𝑛 : 3x-y-5=0 Resolvendo o sistema composto pelas equações das retas, encontramos o ponto: (9,22) n (2,1) João (14,2) Maria (4,7) Obstáculo (11,14) Obstáculo
  • 103. 𝑚 = 14 2 11 14 𝑥 𝑦 14 2 = 0 196 + 11y + 2x - 14y - 14x - 22 = 0 Ficando 4x + y – 58 = 0 𝑛 = 2 1 4 7 𝑥 𝑦 2 1 = 0 14 + 4y + x - 2y – 7x – 4 = 0 Ficando 3x - y – 5 = 0 Juntando as equações temos um sistema: 3𝑥 − 𝑦 − 5 = 0 4𝑥 + 𝑦 − 58 = 0 Resolução do sistema = (9,22)
  • 104. QUESTÃO – 14 Em um hospital, uma das enfermarias, que é uma sala retangular de 10 m de comprimento por 6 m de largura, foi reformada, aumentando o comprimento e a largura na mesma medida, conforme mostram estas figuras: Sabendo-se que a área que foi aumentada representa 60% da área original, então o valor do perímetro, em metros, da sala após a reforma passou a ser a) 38. b) 40. c) 34. d) 36. e) 42.
  • 105. 60 m² 60% de 60 = 36 m² 𝟏𝟎 + 𝒙 . 𝟔 + 𝒙 = 𝟔𝟎 + 𝟑𝟔 60 m² 𝒙² + 𝟏𝟔𝒙 − 𝟑𝟔 = 𝟎 𝐱´ = 𝟐 𝐱´´ = −𝟏𝟖 Perímetro = 2.( 8 + 12) = 40 metros 10 + x 6 + x (60 + 36) m²
  • 106. QUESTÃO – 15 Uma fábrica tem seu emblema representado pela figura a seguir: Se o raio de cada um dos círculos menores é igual a 6 cm, então o raio do maior mede:
  • 107. Unindo-se os centros dos círculos menores, obtemos um quadrado de lado de medida igual a 12 cm. 𝑑 = l 2 𝑑 = 12 2 Precisamos da metade deste valor e a ele acrescentamos a medida do raio do círculo menor ∴ 𝑹 = 𝟔 𝟐 + 𝟔 = 𝟔( 𝟐 + 𝟏)
  • 108. QUESTÃO – 16 Na busca de solução para o problema da gravidez na adolescência, uma equipe de orientadores educacionais de uma instituição de ensino pesquisou um grupo de adolescentes de uma comunidade próxima a essa escola e obteve os seguintes dados: Com base nos textos e em seus conhecimentos, é correto afirmar, em relação às idades das adolescentes grávidas, que: a) a média é 15 anos. b) a mediana é 15,3 anos. c) a mediana é 16,1 anos. d) a moda é 16 anos. e) a média é 15,3 anos.
  • 109. Moda (Valor que mais se repete): 17 a) a média é 15 anos. b) a mediana é 15,3 anos. c) a mediana é 16,1 anos. d) a moda é 16 anos. e) a média é 15,3 anos. 𝒎𝒆𝒅𝒊𝒂𝒏𝒂 𝒒𝒖𝒂𝒏𝒕𝒊𝒅𝒂𝒅𝒆 𝒊𝒎𝒑𝒂𝒓 = 𝒂𝒐 𝒎𝒆𝒊𝒐 ; (quantidade par, média dos dois números centrais): 𝟏𝟔+𝟏𝟔 𝟐 = 𝟏𝟔 𝑴é𝒅𝒊𝒂: 𝟏𝟑. 𝟒 + 𝟏𝟒. 𝟑 + 𝟏𝟓. 𝟐 + 𝟏𝟔. 𝟓 + 𝟏𝟕. 𝟔 𝟒 + 𝟑 + 𝟐 + 𝟓 + 𝟔 = 𝟑𝟎𝟔 𝟐𝟎 = 𝟏𝟓, 𝟑 Vamos fazer um rol: (sequência em ordem crescente) 13, 13, 13, 13, 14, 14, 14, 15, 15, 16, 16, 16, 16, 16, 17, 17, 17, 17, 17, 17
  • 110. QUESTÃO - 17 Um teatro é instalado num salão circular. Nesse salão, a parte frontal do palco, BC, pode ser vista do centro sob um ângulo de 60°. Uma pessoa sentada em uma cadeira situada em A verá esse palco sob um ângulo de: a) 15°. b) 30°. c) 45°. d) 60°. e) 75°.
  • 111. Sabemos do enunciado que o ângulo informado é um ângulo central, pois tem seu vértice na origem. Portanto, a medida do arco BC é 60 graus. Já o ângulo BAC é ângulo inscrito, pois tem seu vértice na circunferência. ∴ 𝐴 𝑚𝑒𝑑𝑖𝑑𝑎 𝑑𝑒 𝐵Â𝐶 𝑡𝑒𝑚 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑖𝑔𝑢𝑎𝑙 à 𝑚𝑒𝑡𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑜 𝑎𝑟𝑐𝑜 𝑞𝑢𝑒 𝑒𝑙𝑒 𝑑𝑒𝑡𝑒𝑟𝑚𝑖𝑛𝑎. Assim med (BÂC) = 30°
  • 112. QUESTÃO – 18 Seja f uma função que tem como domínio o conjunto A = {Ana, José, Maria, Paulo, Pedro} e como contradomínio o conjunto B = {1, 2, 3, 4, 5}, essa função associa a cada elemento x em A o número de letras distintas desse elemento x. Com base nessas informações, assinale a alternativa correta. a) f é injetora. b) f é sobrejetora. c) f não é uma função. d) f (Maria) = 5. e) f (Paulo) = f (Pedro)
  • 113. A B Ana José Maria Paulo Pedro 1 2 3 4 5 f: número de letras distintas. a) f é injetora. b) f é sobrejetora. c) f não é uma função. d) f (Maria) = 5. e) f (Paulo) = f (Pedro)
  • 114. QUESTÃO – 19 O volume e a altura de um prisma são expressos pelos polinômios V(x) = x3 – 3x2 + 2x + 6 e A(x) = x + 1, respectivamente, sendo x um real estritamente positivo. O menor valor que a área da base desse prisma pode assumir é a) 1. b) 1,5. c) 2. d) 2,5. e) 3.
  • 115. Sabemos que : 𝑉𝑐𝑖𝑙𝑖𝑛𝑑𝑟𝑜 = 𝐴𝑏𝑎𝑠𝑒. ℎ Devemos, portanto, dividir o volume pela altura para determinarmos a expressão da área da base. Podemos utilizar o método da chave ou o dispositivo prático de Briot-Ruffini, já que se trata da divisão de um polinômio 𝑉 𝑥 = 𝑥3 − 3𝑥2 + 2𝑥 + 6 por um binômio do 1º grau 𝐴 𝑥 = 𝑥 + 1, resultando em um polinômio de 2º grau. -1 1 -3 2 6 1 -4 6 0 Pol. quociente resto A área da base é dada pelo polinômio Seu gráfico é uma parábola com concavidade voltada para cima. Q(x)=𝐴𝑏𝑎𝑠𝑒 = 𝑥2 − 4𝑥 + 6 ∴ 𝒐 𝒎𝒆𝒏𝒐𝒓 𝒗𝒂𝒍𝒐𝒓 𝒒𝒖𝒆 𝒑𝒐𝒅𝒆 𝒂𝒔𝒔𝒖𝒎𝒊𝒓 é 𝑿𝒗 = 𝟐 𝑿𝒗 = − 𝒃 𝟐𝒂 = 𝟒 𝟐 = 𝟐
  • 116. QUESTÃO – 20 Um porta-lápis de madeira foi construído a partir de um bloco no formato cúbico cuja aresta mede 12 cm. Nesse bloco, foi feito um furo cúbico de 8 cm de aresta. O volume de madeira utilizado na confecção desse porta lápis foi de a) 12 cm³. b) 64 cm³. c) 96 cm³. d) 1 216 cm³. e) 1 728 cm³
  • 117. Um porta-lápis de madeira foi construído a partir de um bloco no formato cúbico cuja aresta mede 12 cm. Nesse bloco, foi feito um furo cúbico de 8 cm de aresta. O volume de madeira utilizado na confecção desse porta lápis foi de Cubo de aresta 12 cm Cubo de aresta 8 cm 𝑽𝒐𝒍𝒖𝒎𝒆 𝒅𝒐 𝒑𝒐𝒓𝒕𝒂 𝒍á𝒑𝒊𝒔 = 𝑽𝒄𝒖𝒃𝒐 𝒎𝒂𝒊𝒐𝒓 − 𝑽𝒄𝒖𝒃𝒐 𝒎𝒆𝒏𝒐𝒓 𝑽𝒑𝒐𝒓𝒕𝒂 𝒍á𝒑𝒊𝒔 = 𝟏𝟐𝟑 − 𝟖𝟑 𝑽𝒑𝒐𝒓𝒕𝒂 𝒍á𝒑𝒊𝒔 = 𝟏𝟕𝟐𝟖 − 𝟓𝟏𝟐 𝑽𝒑𝒐𝒓𝒕𝒂 𝒍á𝒑𝒊𝒔 = 𝟏𝟐𝟏𝟔 𝒄𝒎³
  • 118. QUESTÃO – 21 Em certo período, o número de automóveis numa cidade variou conforme a função V(x) = 9x + 100, enquanto a população variou, nesse mesmo período, segundo o polinômio P(x) = 1,8x2 + 47x + 300, sendo V(x) e P(x) dados em milhares de unidades. Podemos afirmar que, nesse período, o número de habitantes por automóvel variou segundo a função a) y = 0,2x + 2,4. b) y = 0,3x + 1,8. c) y = 3x + 0,6. d) y = 0,2x + 3. e) y = 1,2x + 1,6.
  • 119. Devemos observar a pergunta: habitantes/ automóvel, já verificando a divisão que deve ser realizada. Por tratar-se da divisão de um polinômio P(x) = 1,8x2 + 47x + 300 por um binômio do primeiro grau V (x) = 9x + 100, podemos utilizar o dispositivo de Briot-Ruffini ou se preferir, o método da chave, obtendo como quociente um polinômio do 1º grau. −100 9 1,8 47 300 1,8 27 0 𝑞 𝑥 = 1,8𝑥 + 27 = (: 9) = 𝟎, 𝟐𝒙 + 𝟑 a) y = 0,2x + 2,4. b) y = 0,3x + 1,8. c) y = 3x + 0,6. d) y = 0,2x + 3. e) y = 1,2x + 1,6.