SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Poesia
parnasiana II
2ª SÉRIE
Aula 10 – 3º Bimestre
Língua
Portuguesa
Etapa Ensino Médio
● Leitura e interpretação
de poema;
● Características da poesia
parnasiana;
● Soneto;
● Autor(a) e eu lírico.
● Analisar um poema;
● Conhecer as características do
poema parnasiano;
● Reconhecer um soneto;
● Reconhecer a diferença entre
autor(a) e eu lírico.
Conteúdo Objetivos
Para começar
[Des]encontros
Já reparou como as escolas
literárias vivem conflitos entre si?
Observou que uns preferem
forma, outros conteúdo?
Percebeu que uns olham para o
social, outros querem se
distanciar da realidade?
Notou também que os escritores
de cada estilo dialogam entre si?
TÉCNICA LEMOV:
Virem e conversem
Foco no conteúdo
“Musa impassível”, de Francisca
Júlia
Musa! um gesto sequer de dor ou de sincero
Luto jamais te afeie o cândido semblante!
Diante de um Jó, conserva o mesmo orgulho; e diante
De um morto, o mesmo olhar e sobrecenho austero.
Em teus olhos não quero a lágrima; não quero
Em tua boca o suave e idílio descante.
Celebra ora um fantasma anguiforme de Dante,
Hora o vulto marcial de um guerreiro de Homero
Foco no conteúdo
Dá-me o hemistíquio de ouro à imagem atrativa;
A rima cujo som, de uma harmonia crebra,
Cante aos ouvidos da alma; a estrofe limpa e viva;
Versos que lembrem com seus místicos ruídos,
Ora o áspero rumor de um calhau que se quebra,
Ora o surdo rumor de mármores partidos.
(In: Rahme, 1999)
Foco no conteúdo
VOCABULÁRIO
Jó – personagem bíblico que
representa a resignação ao
sofrimento; quem vive a vida
como provação;
Sobrecenho – semblante;
Idílico – amoroso; maravilhoso;
Descante – canto popular
Anguiforme – em forma de
serpente;
Dante – renomado poeta
italiano renascentista, autor
da Divina Comédia;
Marcial – relativo à guerra;
Homero – poeta grego que é tido
como autor das epopeias gregas:
Ilíada e Odisseia;
Hemistíquio – a metade de um
verso alexandrino (de doze sílabas
métricas), e, por extensão, de
qualquer verso;
Crebra – repetida;
Calhau – pedaço de rocha dura;
pedra.
Foco no conteúdo
“Francisca Júlia, escritora parnasiana,
nasceu em 31 de agosto de 1871.
Escreveu para jornais como o Correio
Paulistano, além de outros periódicos. Seu
primeiro livro — Mármores —, publicado
em 1895, teve boa recepção da crítica,
[...] em 1904, tornou-se membro do
Comitê Central Brasileiro da Societá
Internazionale Elleno-Latina.”
Saiba mais sobre Francisca Júlia em:
https://brasilescola.uol.com.br/literatura/
francisca-julia.htm
Na prática Correção
Cândido semblante; orgulhosa; olhar e sobrecenho austero.
1. Releia a primeira estrofe. Quais são as características
da musa com quem o eu lírico dialoga?
2. Quais atitudes a musa deve conservar, para manter suas
características? (leia mais 2 versos da 2ª estrofe.)
Conservar o orgulho diante de um Jó; e manter o olhar e
sobrecenho austero diante de um morto; não deve chorar;
não deve cantar músicas populares.
Na prática Correção
A palavra “impassível” do título já indica que a mulher não
pode se deixar abalar, sofrer, demonstrar emoção. Os
versos seguintes reforçam isso, indicando que ela não pode
dar demonstração de perturbação emocional: manter o
semblante puro; manter o orgulho estampado no rosto,
com olhar e semblante rígidos; ela não deve chorar; não
deve cantar. Tudo isso se opõe ao sentimentalismo
extremado do Romantismo.
3. A “musa impassível” parnasiana é fundamentalmente
antirromântica. Como o título e os seis versos iniciais
justificam essa afirmação?
Foco no conteúdo
Como você já sabe, o poema “Musa
impassível” foi escrito por uma mulher.
Também já percebeu que a voz que fala
no poema se dirige a uma “musa”, figura
mítica, feminina e inspiradora do fazer
poético. Essa voz pode ser masculina ou
feminina, de uma jovem ou de um velho.
Essa voz é o eu lírico, que não é o autor.
Veja o trecho a seguir o poema-canção
“O meu guri”.
Autor vs. eu lírico
Na prática
Acesse o poema “O meu
guri”, de Chico Buarque.
Ao ouvir/ler, preste
atenção na voz que fala no
poema. O que se pode falar
desse eu lírico?
https://www.letras.com/maria
-bethania/o-meu-guri/
Na prática Correção
Acesse o poema “O meu guri”, de Chico Buarque. Ao
ouvir/ler, preste atenção na voz que fala no poema. O que
se pode falar desse eu lírico?
Pode-se firmar que se trata de uma mulher pobre, sem
escolarização, sem documentos, que mora num morro e cria
seu filho sozinha. Seu filho a agrada com objetos de valor,
que ela não sabe que são roubados. Em sua ingenuidade, vê
uma foto no jornal do filho já sem vida e, por não o
reconhecer morto, acredita que ele está rindo, tranquilo e
realizado, conforme atesta o verso “ele disse que chegava
lá”.
Poesia parnasiana:
características da FORMA
Na prática
Indique a alternativa que apresenta um par que forme
uma rima rara.
a. Estrelas/vê-las
b. gato/pato
c. correr/fazer
d. Modelos/cabelos
Rimas raras
A rima rara acontece com palavras com terminações incomuns,
pouco utilizadas, como combinações entre verbos e pronomes.
Correção
a. Estrelas/vê-las
Foco no conteúdo
S
o
n
e
t
o
Estrutura fixa de 4
estrofes: 2 quartetos e 2
tercetos
14 versos decassílabos (dez
sílabas métricas)
Origem na Itália, com o
poeta Giacomo de Lentini,
no século III, mas é atual.
No Brasil – Vinicius de
Moraes: “Soneto do Amor
Total”, poema renomado.
SONETO
Na prática
Analise apenas as estruturas: qual delas é um soneto?
Correção
a. Amo-te tanto, meu amor… não cante
O humano coração com mais verdade…
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade
Amo-te afim, de um calmo amor prestante,
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.
Amo-te como um bicho, simplesmente,
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.
E de te amar assim muito e amiúde,
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.
b. Amo-te tanto, meu amor… não cante
O humano coração com mais verdade…
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade
Amo-te afim, de um calmo amor prestante,
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.
Amo-te como um bicho, simplesmente,
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.
E de te amar assim muito e amiúde,
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.
A “b” é um
soneto
porque
apresenta: 2
quartetos e
2 tercetos.
Poesia parnasiana:
características do CONTEÚDO
Foco no conteúdo
● Objetividade e racionalismo estavam a serviço da contenção de
sentimentos, como forma de oposição ao Romantismo.
● Universal – linguagem objetiva; temas universais: a natureza, o
tempo, o amor, objetos de arte e, principalmente, a própria poesia.
● Tradição clássica – retomada de modelos clássicos gregos
(Parnasianismo vem de ‘Parnaso’, templo consagrado a Apolo e às
musas). Há a tentativa de imitar o rigor formal dos gregos.
● Mitologia greco-latina – havia poucas referências à mitologia nos
poemas.
Destrinchando os termos
Aplicando
Um pouco mais
sobre Francisca Júlia
Já que não é comum ouvir falar de
mulheres poetas nos cânones da
literatura mundial, até o final do século
XIX, pelo menos, a proposta é você
assistir ao vídeo sobre Francisca Júlia
para conhecer um pouco mais a respeito
de sua vida e obra. Anote em seu
caderno e compartilhe na próxima aula.
https://youtu.be/
qenPgCP1HZQ
O que aprendemos hoje?
● Analisamos um poema parnasiano;
● Conhecemos as características do
poema parnasiano;
● Conhecemos o soneto;
● Reconhecemos a diferença entre
autor(a) e eu lírico.
Tarefa SP
Localizador: 98298
1. Professor, para visualizar a tarefa da aula, acesse com
seu login: tarefas.cmsp.educacao.sp.gov.br
2. Clique em “Atividades” e, em seguida, em “Modelos”.
3. Em “Buscar por”, selecione a opção “Localizador”.
4. Copie o localizador acima e cole no campo de busca.
5. Clique em “Procurar”.
Videotutorial: http://tarefasp.educacao.sp.gov.br/
Referências
Slides 4 e 5 – RAHME, Anna Maria. Imagens femininas em
memória à vida. 2000. Dissertação de Mestrado em Arquitetura e
Urbanismo. São Paulo: EDUSP, 1999.
Referências
Lista de imagens e vídeos
Slide 3 – https://shre.ink/lYvX
Slide 4 – https://shre.ink/lVW3
Slide 7 – https://shre.ink/lYpd
Slide 10 – https://shre.ink/lYEY
Slide 20 – https://shre.ink/lYR0
Material
Digital

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a AULA DIGITAL L.P

Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
BiiancaAlvees
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
BiiancaAlvees
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
BiiancaAlvees
 
Questoes literatura prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
Questoes literatura   prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏Questoes literatura   prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
Questoes literatura prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
tamandarealfamanha
 
Fernandopessoa1
Fernandopessoa1 Fernandopessoa1
Fernandopessoa1
satense
 

Semelhante a AULA DIGITAL L.P (20)

G. Literários
G. LiteráriosG. Literários
G. Literários
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxModernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
 
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo IIExrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo II
 
O mito florbela espanca
O mito florbela espancaO mito florbela espanca
O mito florbela espanca
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Questoes literatura prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
Questoes literatura   prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏Questoes literatura   prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
Questoes literatura prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
 
Portugues3em
Portugues3emPortugues3em
Portugues3em
 
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdfprosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
 
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANOSEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
 
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
27207.pptx
27207.pptx27207.pptx
27207.pptx
 
27207.pptx
27207.pptx27207.pptx
27207.pptx
 
Fernandopessoa1
Fernandopessoa1 Fernandopessoa1
Fernandopessoa1
 
Mário Quintana
Mário QuintanaMário Quintana
Mário Quintana
 
AULA 2 - GÊNEROS LITERÁRIOS E GÊNEROS DISCURSIVOS.pdf
AULA 2 - GÊNEROS LITERÁRIOS E GÊNEROS DISCURSIVOS.pdfAULA 2 - GÊNEROS LITERÁRIOS E GÊNEROS DISCURSIVOS.pdf
AULA 2 - GÊNEROS LITERÁRIOS E GÊNEROS DISCURSIVOS.pdf
 

Último

Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
anapsuls
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 

AULA DIGITAL L.P

  • 1. Poesia parnasiana II 2ª SÉRIE Aula 10 – 3º Bimestre Língua Portuguesa Etapa Ensino Médio
  • 2. ● Leitura e interpretação de poema; ● Características da poesia parnasiana; ● Soneto; ● Autor(a) e eu lírico. ● Analisar um poema; ● Conhecer as características do poema parnasiano; ● Reconhecer um soneto; ● Reconhecer a diferença entre autor(a) e eu lírico. Conteúdo Objetivos
  • 3. Para começar [Des]encontros Já reparou como as escolas literárias vivem conflitos entre si? Observou que uns preferem forma, outros conteúdo? Percebeu que uns olham para o social, outros querem se distanciar da realidade? Notou também que os escritores de cada estilo dialogam entre si? TÉCNICA LEMOV: Virem e conversem
  • 4. Foco no conteúdo “Musa impassível”, de Francisca Júlia Musa! um gesto sequer de dor ou de sincero Luto jamais te afeie o cândido semblante! Diante de um Jó, conserva o mesmo orgulho; e diante De um morto, o mesmo olhar e sobrecenho austero. Em teus olhos não quero a lágrima; não quero Em tua boca o suave e idílio descante. Celebra ora um fantasma anguiforme de Dante, Hora o vulto marcial de um guerreiro de Homero
  • 5. Foco no conteúdo Dá-me o hemistíquio de ouro à imagem atrativa; A rima cujo som, de uma harmonia crebra, Cante aos ouvidos da alma; a estrofe limpa e viva; Versos que lembrem com seus místicos ruídos, Ora o áspero rumor de um calhau que se quebra, Ora o surdo rumor de mármores partidos. (In: Rahme, 1999)
  • 6. Foco no conteúdo VOCABULÁRIO Jó – personagem bíblico que representa a resignação ao sofrimento; quem vive a vida como provação; Sobrecenho – semblante; Idílico – amoroso; maravilhoso; Descante – canto popular Anguiforme – em forma de serpente; Dante – renomado poeta italiano renascentista, autor da Divina Comédia; Marcial – relativo à guerra; Homero – poeta grego que é tido como autor das epopeias gregas: Ilíada e Odisseia; Hemistíquio – a metade de um verso alexandrino (de doze sílabas métricas), e, por extensão, de qualquer verso; Crebra – repetida; Calhau – pedaço de rocha dura; pedra.
  • 7. Foco no conteúdo “Francisca Júlia, escritora parnasiana, nasceu em 31 de agosto de 1871. Escreveu para jornais como o Correio Paulistano, além de outros periódicos. Seu primeiro livro — Mármores —, publicado em 1895, teve boa recepção da crítica, [...] em 1904, tornou-se membro do Comitê Central Brasileiro da Societá Internazionale Elleno-Latina.” Saiba mais sobre Francisca Júlia em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/ francisca-julia.htm
  • 8. Na prática Correção Cândido semblante; orgulhosa; olhar e sobrecenho austero. 1. Releia a primeira estrofe. Quais são as características da musa com quem o eu lírico dialoga? 2. Quais atitudes a musa deve conservar, para manter suas características? (leia mais 2 versos da 2ª estrofe.) Conservar o orgulho diante de um Jó; e manter o olhar e sobrecenho austero diante de um morto; não deve chorar; não deve cantar músicas populares.
  • 9. Na prática Correção A palavra “impassível” do título já indica que a mulher não pode se deixar abalar, sofrer, demonstrar emoção. Os versos seguintes reforçam isso, indicando que ela não pode dar demonstração de perturbação emocional: manter o semblante puro; manter o orgulho estampado no rosto, com olhar e semblante rígidos; ela não deve chorar; não deve cantar. Tudo isso se opõe ao sentimentalismo extremado do Romantismo. 3. A “musa impassível” parnasiana é fundamentalmente antirromântica. Como o título e os seis versos iniciais justificam essa afirmação?
  • 10. Foco no conteúdo Como você já sabe, o poema “Musa impassível” foi escrito por uma mulher. Também já percebeu que a voz que fala no poema se dirige a uma “musa”, figura mítica, feminina e inspiradora do fazer poético. Essa voz pode ser masculina ou feminina, de uma jovem ou de um velho. Essa voz é o eu lírico, que não é o autor. Veja o trecho a seguir o poema-canção “O meu guri”. Autor vs. eu lírico
  • 11. Na prática Acesse o poema “O meu guri”, de Chico Buarque. Ao ouvir/ler, preste atenção na voz que fala no poema. O que se pode falar desse eu lírico? https://www.letras.com/maria -bethania/o-meu-guri/
  • 12. Na prática Correção Acesse o poema “O meu guri”, de Chico Buarque. Ao ouvir/ler, preste atenção na voz que fala no poema. O que se pode falar desse eu lírico? Pode-se firmar que se trata de uma mulher pobre, sem escolarização, sem documentos, que mora num morro e cria seu filho sozinha. Seu filho a agrada com objetos de valor, que ela não sabe que são roubados. Em sua ingenuidade, vê uma foto no jornal do filho já sem vida e, por não o reconhecer morto, acredita que ele está rindo, tranquilo e realizado, conforme atesta o verso “ele disse que chegava lá”.
  • 14. Na prática Indique a alternativa que apresenta um par que forme uma rima rara. a. Estrelas/vê-las b. gato/pato c. correr/fazer d. Modelos/cabelos Rimas raras A rima rara acontece com palavras com terminações incomuns, pouco utilizadas, como combinações entre verbos e pronomes. Correção a. Estrelas/vê-las
  • 15. Foco no conteúdo S o n e t o Estrutura fixa de 4 estrofes: 2 quartetos e 2 tercetos 14 versos decassílabos (dez sílabas métricas) Origem na Itália, com o poeta Giacomo de Lentini, no século III, mas é atual. No Brasil – Vinicius de Moraes: “Soneto do Amor Total”, poema renomado. SONETO
  • 16. Na prática Analise apenas as estruturas: qual delas é um soneto? Correção a. Amo-te tanto, meu amor… não cante O humano coração com mais verdade… Amo-te como amigo e como amante Numa sempre diversa realidade Amo-te afim, de um calmo amor prestante, E te amo além, presente na saudade. Amo-te, enfim, com grande liberdade Dentro da eternidade e a cada instante. Amo-te como um bicho, simplesmente, De um amor sem mistério e sem virtude Com um desejo maciço e permanente. E de te amar assim muito e amiúde, É que um dia em teu corpo de repente Hei de morrer de amar mais do que pude. b. Amo-te tanto, meu amor… não cante O humano coração com mais verdade… Amo-te como amigo e como amante Numa sempre diversa realidade Amo-te afim, de um calmo amor prestante, E te amo além, presente na saudade. Amo-te, enfim, com grande liberdade Dentro da eternidade e a cada instante. Amo-te como um bicho, simplesmente, De um amor sem mistério e sem virtude Com um desejo maciço e permanente. E de te amar assim muito e amiúde, É que um dia em teu corpo de repente Hei de morrer de amar mais do que pude. A “b” é um soneto porque apresenta: 2 quartetos e 2 tercetos.
  • 18. Foco no conteúdo ● Objetividade e racionalismo estavam a serviço da contenção de sentimentos, como forma de oposição ao Romantismo. ● Universal – linguagem objetiva; temas universais: a natureza, o tempo, o amor, objetos de arte e, principalmente, a própria poesia. ● Tradição clássica – retomada de modelos clássicos gregos (Parnasianismo vem de ‘Parnaso’, templo consagrado a Apolo e às musas). Há a tentativa de imitar o rigor formal dos gregos. ● Mitologia greco-latina – havia poucas referências à mitologia nos poemas. Destrinchando os termos
  • 19. Aplicando Um pouco mais sobre Francisca Júlia Já que não é comum ouvir falar de mulheres poetas nos cânones da literatura mundial, até o final do século XIX, pelo menos, a proposta é você assistir ao vídeo sobre Francisca Júlia para conhecer um pouco mais a respeito de sua vida e obra. Anote em seu caderno e compartilhe na próxima aula. https://youtu.be/ qenPgCP1HZQ
  • 20. O que aprendemos hoje? ● Analisamos um poema parnasiano; ● Conhecemos as características do poema parnasiano; ● Conhecemos o soneto; ● Reconhecemos a diferença entre autor(a) e eu lírico.
  • 21. Tarefa SP Localizador: 98298 1. Professor, para visualizar a tarefa da aula, acesse com seu login: tarefas.cmsp.educacao.sp.gov.br 2. Clique em “Atividades” e, em seguida, em “Modelos”. 3. Em “Buscar por”, selecione a opção “Localizador”. 4. Copie o localizador acima e cole no campo de busca. 5. Clique em “Procurar”. Videotutorial: http://tarefasp.educacao.sp.gov.br/
  • 22. Referências Slides 4 e 5 – RAHME, Anna Maria. Imagens femininas em memória à vida. 2000. Dissertação de Mestrado em Arquitetura e Urbanismo. São Paulo: EDUSP, 1999.
  • 23. Referências Lista de imagens e vídeos Slide 3 – https://shre.ink/lYvX Slide 4 – https://shre.ink/lVW3 Slide 7 – https://shre.ink/lYpd Slide 10 – https://shre.ink/lYEY Slide 20 – https://shre.ink/lYR0