SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 8 – Variáveis e Tipos de
           Dados
  Prof. André Constantino da Silva
          LOGT1 – Lógica
              Noturno


            04 de maio de 2012
Na aula anterior...

• VisualG


• Comando de Decisão
    - Simples (se-entao)
    - Dupla (se-entao-senao)
Na aula de hoje...

• Variáveis

• Tipos de Dados

• Operadores
Variável

• Aprendemos a usar variáveis e a declará-las




          Mas o que é uma variável?
Variável

• É um objeto ou entidade situado na
  memória que representa um valor ou
  expressão
Memória
• São dispositivos
  utilizados para guardar
  dados
• A unidade básica da
  memória é o dígito
  binário (bit)
• Atualmente, cada byte
  da memória possui um
  endereço
Memória




          02   03
00   01




          06   07
04   05
Memória
Mas o computador trabalha com bits!
Os endereços então são binários:


                           0   0
                   0   0
                           1   1
                   0   0
                           0   1
                   0   1




                           1   1
                   1   1
                           1   1
                   0   0
                           0   1
                   0   1
Memória

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0

1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1

0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 1

0 0 0 0 0 1 0 0 1 0 0 0 0 1 0 0 0 0 1 0 0 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1
Memória
    0000            0001                             0011
                                    0010

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0

   0100             0101                             0111
                                    0110

1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1

   1000             1001                             1011
                                    1010

0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 1

   1100             1101                             1111
                                    1110

0 0 0 0 0 1 0 0 1 0 0 0 0 1 0 0 0 0 1 0 0 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1
Memória
• Imagina manipularmos endereços de memória
  em nossos algoritmos?
Ex (hipotético):
      algoritmo “teste”
      var
              0x010: inteiro
      inicio
             0x010 <- 50
             escreva(0x010)
      fim
• E se o endereço estiver sendo usado por outro
  programa?
Variável
• Espaço na memória
• Possui um nome (identificador)
• Armazena um dado
 (conteúdo)
• Só existe em tempo de
 execução
• Possui um tipo                   I
                                   n
                                   t
                                   e


Ex.: var fator: inteiro
                                   i
                                   r
                                   o
Tipos de Dados
Tipos de Dados

• Combinação de valores e de operações
  que uma variável pode executar
    - Também conhecido como tipo de variável

• Exemplo:
    inteiro
    Valores: ... , -2, -1, 0, 1, 2, .... , 100, ...
    Operações: + , - , *, /
Tipo de Dados
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 1 1 0 0 0 1 0 1

1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1

0 1 0 0 1 0 0 1 0 1 0 0 0 1 1 0 0 1 0 1 0 0 1 1 0 1 0 1 0 0 0 0

0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 1

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1

0 0 0 0 0 1 0 0 1 0 0 0 0 1 0 0 0 0 1 0 0 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1

0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 1 0 0 0 0 0 1 0 0 0 1 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0

0 1 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1

0 0 1 0 0 0 0 0 0 1 0 1 0 1 0 1 0 1 0 1 1 1 1 0 1 0 1 0 0 0 0 0
Tipo de Dados
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 1 1 0 0 0 1 0 1

1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1

0 1 0 0 1 0 0 1 0 1 0 0 0 1 1 0 0 1 0 1 0 0 1 1 0 1 0 1 0 0 0 0

0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 1

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1

0 0 0 0 0 1 0 0 1
                    O que 0esses 0 0e
                    0 0 0 0 1   0 0 0 1
                                        0 1     1 1 1 1 1 1 1 1 1 1

0 0 0 0 0 0 1 0 0
                     1 representam?
                    0 1 0 0 0 0 0 1 0 0 0 1 0   0 0 1 1 0 0 0 0 0 0

0 1 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1

0 0 1 0 0 0 0 0 0 1 0 1 0 1 0 1 0 1 0 1 1 1 1 0 1 0 1 0 0 0 0 0
Tipo de Dados - Inteiro
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 1 1 0 0 0 1 0 1

1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1

• Se o sistema utiliza 32 bits para representar um
  inteiro, temos:
       - A primeira sequência de 32 bits é 254
       - A segunda sequência de 32 bits é 1.221
       - A terceira sequência de 32 bits é 2.147.483.647
Tipo de Dados - Real
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 1 1 0 0 0 1 0 1

1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1

• Se o sistema utiliza 32 bits para representar um
  real (ponto flutuante), adotando a norma IEEE
  754 formato simples:
       - Primeiro bit: indica o sinal (0 positivo, 1 negativo)
       - Os próximos 23 bits: mantissa (número em binário)
       - 8 bits restantes: expoente (variando de -126 a +127)
Tipo de Dados - Real
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 1 1 0 0 0 1 0 1

1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1

• Se o sistema utiliza 32 bits para representar um
  real, adotando a norma IEEE 754 formato
  simples:
       - Primeiro bit: indica o sinal (0 positivo, 1 negativo)
       - Os próximos 8 bits: expoente (variando de -126 a +127)
       - 23 bits restantes: mantissa (número em binário)
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0

                            representa 356 x e-43
Tipo de Dados - Caractere
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 1 1 0 0 0 1 0 1

1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1

• Se o sistema utiliza 8 bits para representar um
  caractere, adotando a tabela ASC II:
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0

                    Nulo
     Nulo                             Nulo             ▀

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 1 1 0 0 0 1 0 1

                    Nulo
     Nulo                             EOT              †
Tabela ASC II

• Convenção para representar
letras, números, símbolos
através de código binário.

•     Exemplos:

A       0100 0001
B       0100 0010
C       0100 0011
...
a       0110 0001
b       0110 0010
c       0110 0011
Tipo de Dados - Caractere
0 1 0 0 1 0 0 1 0 1 0 0 0 1 1 0 0 1 0 1 0 0 1 1 0 1 0 1 0 0 0 0

0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 1

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1


• Se o sistema utiliza 8 bits para representar um
  caractere, adotando a tabela ASC II:
0 1 0 0 1 0 0 1 0 1 0 0 0 1 1 0 0 1 0 1 0 0 1 1 0 1 0 1 0 0 0 0


     I              F                S                 P
Tipo de Dados - Lógico
0 1 0 0 1 0 0 1 0 1 0 0 0 1 1 0 0 1 0 1 0 0 1 1 0 1 0 1 0 0 0 0

0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 1

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1


• Valores possíveis: verdadeiro, falso
• Se o sistema utiliza 1 bit para representar um
  tipo lógico (booleano), adotamos por convenção
            bit 0 é falso
            bit 1 é verdadeiro
0 1 0 0 1 0 0 1 0 1 0 0 0 1 1 0 0 1 0 1 0 0 1 1 0 1 0 1 0 0 0 0
          Falso
          Verdadeiro
          Falso
Tipo de Dados - Lógico
•   Em Portugol, para atribuir verdadeiro ou falso,
    fazemos:
algoritmo “verdadeiro_falso"
var
       ligado: logico
inicio
       ligado <- verdadeiro
       ligado <- falso
       escreva(ligado)
Fimalgoritmo
Válido para o comando leia(), qualquer coisa que o
usuário digitar que não for igual a palavra reservada
verdadeiro será considerado como falso
Tipo de Dados

• Determina o conteúdo de uma variável
• Determina a quantidade de memória que
  será utilizada para armazenar o conteúdo
• Escolha o tipo de dados mais adequado
  ao que deseja representar
    Para não usar mais memória do que é necessário


• As operações que poderá realizar estão
  relacionadas ao tipo de dados
Operadores
Operador de Atribuição

• Atribui um valor a uma variável
• Símbolo: <- (lê-se recebe)

• Cuidado: a variável só pode receber
  valores do seu tipo
Operador de Atribuição
algoritmo "erro de atribuicao"
var numero1, numero2: inteiro
     numero3, numero4: real
     letra: caractere
     ligado: logico
inicio
       numero1 <- "teste"
       numero2 <- falso
       letra <- 20
       ligado <- "sim"
       escreva(numero1, numero2, letra, ligado)
fimalgoritmo
Operadores Matemáticos
Símbolo              Ação                  Exemplo

  +                  Soma               Soma <- 5 + 2

   -               Subtração             Sub <- 5 – 2

   *             Multiplicação             M <- 5 * 2

   /                Divisão             Divisao <- 5 / 2
            (resultado sempre real)
                Divisão Inteira       Quociente <- 5  2

 MOD        Resto da divisão inteira   Resto <- 5 mod 2

   ^               Potenciação         Potencia <- 5 ^ 2
            (resultando sempre real)
Operadores Matemáticos

• O resultado pode ser um inteiro ou real
• Operados +, - e * o resultado dependerá dos
   operandos
      - Se os operandos forem inteiros, resultado
será inteiro
      - Se houver algum operando real, resultado
será real
              - mesmo se o resultado for um número inteiro.
Ex: 1.5 + 1.5 = 3.0

     Observação: Se o resultado for inteiro, ele
pode ser atribuído a uma variável do tipo real
Exercícios
1. Escreva um algoritmo que leia um número inteiro
do usuário e calcule y, sendo que y é calculado
pela fórmula
                        y = 2x
2. Escrever um algoritmo que leia um número
inteiro digitado pelo usuário e informe ao usuário se
ele é par ou ímpar
3. Escrever um algoritmo que leia o nome de um
aluno e as notas das três provas que ele obteve no
semestre. No final informar o nome do aluno e a
sua média (aritmética) , a sua média (aritmética) e
se o aluno passou na disciplina (média maior ou
igual a 6.0).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Aula01 - Logica de Programação
Aula01 - Logica de ProgramaçãoAula01 - Logica de Programação
Aula01 - Logica de Programação
Jorge Ávila Miranda
 
Curso completo de excel
Curso completo de excelCurso completo de excel
Curso completo de excel
CDIM Daniel
 
Lógica de Programação - Fluxograma
Lógica de Programação - FluxogramaLógica de Programação - Fluxograma
Lógica de Programação - Fluxograma
Wesley R. Bezerra
 
Aula 04 - Medidas de Armazenamento
Aula 04 - Medidas de ArmazenamentoAula 04 - Medidas de Armazenamento
Aula 04 - Medidas de Armazenamento
Suzana Viana Mota
 
Partes do Computador
Partes do ComputadorPartes do Computador
Partes do Computador
Anabelazita
 
Arquitetura de Sistemas Operacionais 32 x 64 Bits
Arquitetura de Sistemas Operacionais 32 x 64 BitsArquitetura de Sistemas Operacionais 32 x 64 Bits
Arquitetura de Sistemas Operacionais 32 x 64 Bits
Cleber Ramos
 
Informática Básica - Aula 04 - Software
Informática Básica - Aula 04 - SoftwareInformática Básica - Aula 04 - Software
Informática Básica - Aula 04 - Software
Joeldson Costa Damasceno
 
Sistema binario
Sistema binarioSistema binario
Sistema binario
Projeto Ensino Medio
 
Pseudocódigo - Estrutura de Repetição (Lógica de Programação)
Pseudocódigo - Estrutura de Repetição (Lógica de Programação)Pseudocódigo - Estrutura de Repetição (Lógica de Programação)
Pseudocódigo - Estrutura de Repetição (Lógica de Programação)
Gercélia Ramos
 
Introdução ao Arduino
Introdução ao ArduinoIntrodução ao Arduino
Introdução ao Arduino
Helder da Rocha
 
Aula 03 - Hardware e Software
Aula 03 - Hardware e SoftwareAula 03 - Hardware e Software
Aula 03 - Hardware e Software
Suzana Viana Mota
 
Aula 6 - Constantes e variáveis
Aula 6 - Constantes e variáveisAula 6 - Constantes e variáveis
Aula 6 - Constantes e variáveis
Luiz Augusto Macêdo Morais
 
Arquitetura de Computadores: Conceitos básicos
Arquitetura de Computadores: Conceitos básicosArquitetura de Computadores: Conceitos básicos
Arquitetura de Computadores: Conceitos básicos
Alex Camargo
 
Excel Básico
Excel BásicoExcel Básico
Excel Básico
aprcds
 
ApresentaçãO Tipos De Memorias
ApresentaçãO  Tipos De MemoriasApresentaçãO  Tipos De Memorias
ApresentaçãO Tipos De Memorias
ecompo
 
Banco de Dados II Aula 01 - Apresentação
Banco de Dados II Aula 01 - ApresentaçãoBanco de Dados II Aula 01 - Apresentação
Banco de Dados II Aula 01 - Apresentação
Leinylson Fontinele
 
Aula 06 - Sistema Binário
Aula 06 - Sistema BinárioAula 06 - Sistema Binário
Aula 06 - Sistema Binário
Suzana Viana Mota
 
Informática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadores
Informática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadoresInformática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadores
Informática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadores
Joeldson Costa Damasceno
 
1.Introdução Banco de Dados
1.Introdução Banco de Dados1.Introdução Banco de Dados
1.Introdução Banco de Dados
vini_campos
 

Mais procurados (20)

Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Algoritmos
 
Aula01 - Logica de Programação
Aula01 - Logica de ProgramaçãoAula01 - Logica de Programação
Aula01 - Logica de Programação
 
Curso completo de excel
Curso completo de excelCurso completo de excel
Curso completo de excel
 
Lógica de Programação - Fluxograma
Lógica de Programação - FluxogramaLógica de Programação - Fluxograma
Lógica de Programação - Fluxograma
 
Aula 04 - Medidas de Armazenamento
Aula 04 - Medidas de ArmazenamentoAula 04 - Medidas de Armazenamento
Aula 04 - Medidas de Armazenamento
 
Partes do Computador
Partes do ComputadorPartes do Computador
Partes do Computador
 
Arquitetura de Sistemas Operacionais 32 x 64 Bits
Arquitetura de Sistemas Operacionais 32 x 64 BitsArquitetura de Sistemas Operacionais 32 x 64 Bits
Arquitetura de Sistemas Operacionais 32 x 64 Bits
 
Informática Básica - Aula 04 - Software
Informática Básica - Aula 04 - SoftwareInformática Básica - Aula 04 - Software
Informática Básica - Aula 04 - Software
 
Sistema binario
Sistema binarioSistema binario
Sistema binario
 
Pseudocódigo - Estrutura de Repetição (Lógica de Programação)
Pseudocódigo - Estrutura de Repetição (Lógica de Programação)Pseudocódigo - Estrutura de Repetição (Lógica de Programação)
Pseudocódigo - Estrutura de Repetição (Lógica de Programação)
 
Introdução ao Arduino
Introdução ao ArduinoIntrodução ao Arduino
Introdução ao Arduino
 
Aula 03 - Hardware e Software
Aula 03 - Hardware e SoftwareAula 03 - Hardware e Software
Aula 03 - Hardware e Software
 
Aula 6 - Constantes e variáveis
Aula 6 - Constantes e variáveisAula 6 - Constantes e variáveis
Aula 6 - Constantes e variáveis
 
Arquitetura de Computadores: Conceitos básicos
Arquitetura de Computadores: Conceitos básicosArquitetura de Computadores: Conceitos básicos
Arquitetura de Computadores: Conceitos básicos
 
Excel Básico
Excel BásicoExcel Básico
Excel Básico
 
ApresentaçãO Tipos De Memorias
ApresentaçãO  Tipos De MemoriasApresentaçãO  Tipos De Memorias
ApresentaçãO Tipos De Memorias
 
Banco de Dados II Aula 01 - Apresentação
Banco de Dados II Aula 01 - ApresentaçãoBanco de Dados II Aula 01 - Apresentação
Banco de Dados II Aula 01 - Apresentação
 
Aula 06 - Sistema Binário
Aula 06 - Sistema BinárioAula 06 - Sistema Binário
Aula 06 - Sistema Binário
 
Informática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadores
Informática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadoresInformática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadores
Informática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadores
 
1.Introdução Banco de Dados
1.Introdução Banco de Dados1.Introdução Banco de Dados
1.Introdução Banco de Dados
 

Semelhante a Aula 8 - Lógica de Programação - Variáveis, Tipos de dados e Operadores

PSI Aula 1 à 3
PSI Aula 1 à 3PSI Aula 1 à 3
PSI Aula 1 à 3
paulocsm
 
Introdução ao DDD
Introdução ao DDDIntrodução ao DDD
Introdução ao DDD
Charles Fortes
 
O papel do profissional de Ti no mundo corporativo.pptx
O papel do profissional de Ti no mundo corporativo.pptxO papel do profissional de Ti no mundo corporativo.pptx
O papel do profissional de Ti no mundo corporativo.pptx
Fernando Barbieri
 
Integrando iot, machine learning, analytics, etc.pptx
Integrando iot, machine learning, analytics, etc.pptxIntegrando iot, machine learning, analytics, etc.pptx
Integrando iot, machine learning, analytics, etc.pptx
Fernando Barbieri
 
Do zero ao Lançamento - Tomadas de decisão em um mundo de constante inovação ...
Do zero ao Lançamento - Tomadas de decisão em um mundo de constante inovação ...Do zero ao Lançamento - Tomadas de decisão em um mundo de constante inovação ...
Do zero ao Lançamento - Tomadas de decisão em um mundo de constante inovação ...
Fernando Barbieri
 
Linguagem C (Parte 4)
Linguagem C (Parte 4)Linguagem C (Parte 4)
Linguagem C (Parte 4)
Daniel Barão
 
Dig1
Dig1Dig1
Afinal, o que é uma linguagem de programação?
Afinal, o que é uma linguagem de programação?Afinal, o que é uma linguagem de programação?
Afinal, o que é uma linguagem de programação?
Harlley Oliveira
 
Curso de programação para iniciantes: Afinal, o que é uma linguagem de progra...
Curso de programação para iniciantes: Afinal, o que é uma linguagem de progra...Curso de programação para iniciantes: Afinal, o que é uma linguagem de progra...
Curso de programação para iniciantes: Afinal, o que é uma linguagem de progra...
Curso de Programação
 
Aula 05-oac-conceitos-de-logica-digital
Aula 05-oac-conceitos-de-logica-digitalAula 05-oac-conceitos-de-logica-digital
Aula 05-oac-conceitos-de-logica-digital
Cristiano Pires Martins
 

Semelhante a Aula 8 - Lógica de Programação - Variáveis, Tipos de dados e Operadores (10)

PSI Aula 1 à 3
PSI Aula 1 à 3PSI Aula 1 à 3
PSI Aula 1 à 3
 
Introdução ao DDD
Introdução ao DDDIntrodução ao DDD
Introdução ao DDD
 
O papel do profissional de Ti no mundo corporativo.pptx
O papel do profissional de Ti no mundo corporativo.pptxO papel do profissional de Ti no mundo corporativo.pptx
O papel do profissional de Ti no mundo corporativo.pptx
 
Integrando iot, machine learning, analytics, etc.pptx
Integrando iot, machine learning, analytics, etc.pptxIntegrando iot, machine learning, analytics, etc.pptx
Integrando iot, machine learning, analytics, etc.pptx
 
Do zero ao Lançamento - Tomadas de decisão em um mundo de constante inovação ...
Do zero ao Lançamento - Tomadas de decisão em um mundo de constante inovação ...Do zero ao Lançamento - Tomadas de decisão em um mundo de constante inovação ...
Do zero ao Lançamento - Tomadas de decisão em um mundo de constante inovação ...
 
Linguagem C (Parte 4)
Linguagem C (Parte 4)Linguagem C (Parte 4)
Linguagem C (Parte 4)
 
Dig1
Dig1Dig1
Dig1
 
Afinal, o que é uma linguagem de programação?
Afinal, o que é uma linguagem de programação?Afinal, o que é uma linguagem de programação?
Afinal, o que é uma linguagem de programação?
 
Curso de programação para iniciantes: Afinal, o que é uma linguagem de progra...
Curso de programação para iniciantes: Afinal, o que é uma linguagem de progra...Curso de programação para iniciantes: Afinal, o que é uma linguagem de progra...
Curso de programação para iniciantes: Afinal, o que é uma linguagem de progra...
 
Aula 05-oac-conceitos-de-logica-digital
Aula 05-oac-conceitos-de-logica-digitalAula 05-oac-conceitos-de-logica-digital
Aula 05-oac-conceitos-de-logica-digital
 

Mais de André Constantino da Silva

Introdução ao TelEduc
Introdução ao TelEducIntrodução ao TelEduc
Introdução ao TelEduc
André Constantino da Silva
 
Mouse+Teclado x Toque+Caneta: as modalidades de interação em contextos educac...
Mouse+Teclado x Toque+Caneta: as modalidades de interação em contextos educac...Mouse+Teclado x Toque+Caneta: as modalidades de interação em contextos educac...
Mouse+Teclado x Toque+Caneta: as modalidades de interação em contextos educac...
André Constantino da Silva
 
Aula sobre texto academico - elaboração do desenvolvimento
Aula sobre texto academico - elaboração do desenvolvimentoAula sobre texto academico - elaboração do desenvolvimento
Aula sobre texto academico - elaboração do desenvolvimento
André Constantino da Silva
 
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuáriosAula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
André Constantino da Silva
 
Aula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de Usuário
Aula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de UsuárioAula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de Usuário
Aula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de Usuário
André Constantino da Silva
 
Como fazer citações e referências bibliográficas
Como fazer citações e referências bibliográficasComo fazer citações e referências bibliográficas
Como fazer citações e referências bibliográficas
André Constantino da Silva
 
Aula 4 - Avaliação de Interface - Parte 1
Aula 4 -  Avaliação de Interface - Parte 1Aula 4 -  Avaliação de Interface - Parte 1
Aula 4 - Avaliação de Interface - Parte 1
André Constantino da Silva
 
Aula 3 - Fatores Humanos
Aula 3 - Fatores HumanosAula 3 - Fatores Humanos
Aula 3 - Fatores Humanos
André Constantino da Silva
 
Aula 2 - A área de IHC
Aula 2 - A área de IHCAula 2 - A área de IHC
Aula 2 - A área de IHC
André Constantino da Silva
 
Aula 1 - Apresentação da Disciplina
Aula 1 - Apresentação da DisciplinaAula 1 - Apresentação da Disciplina
Aula 1 - Apresentação da Disciplina
André Constantino da Silva
 
Introdução ao ambiente virtual de aprendizagem TelEduc
Introdução ao ambiente virtual de aprendizagem TelEducIntrodução ao ambiente virtual de aprendizagem TelEduc
Introdução ao ambiente virtual de aprendizagem TelEduc
André Constantino da Silva
 
Aula 5 - Fatores Humanos - Parte 2 - Disciplina de IHC
Aula 5 - Fatores Humanos - Parte 2 - Disciplina de IHCAula 5 - Fatores Humanos - Parte 2 - Disciplina de IHC
Aula 5 - Fatores Humanos - Parte 2 - Disciplina de IHC
André Constantino da Silva
 
Aula 4 Fatores Humanos - parte 1 - Disciplina de IHC
Aula 4   Fatores Humanos - parte 1 - Disciplina de IHCAula 4   Fatores Humanos - parte 1 - Disciplina de IHC
Aula 4 Fatores Humanos - parte 1 - Disciplina de IHC
André Constantino da Silva
 
Aula 3 – A áera de IHC
Aula 3 – A áera de IHCAula 3 – A áera de IHC
Aula 3 – A áera de IHC
André Constantino da Silva
 
InkBlog: A Pen-Based Blog Tool for e-Learning Environments
InkBlog: A Pen-Based Blog Tool for e-Learning EnvironmentsInkBlog: A Pen-Based Blog Tool for e-Learning Environments
InkBlog: A Pen-Based Blog Tool for e-Learning Environments
André Constantino da Silva
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 2 final
Aula 2 finalAula 2 final
Aula 1 final
Aula 1 finalAula 1 final
Aula 10 - Comando de Decisão Múltipla e Comandos de Repetição
Aula 10 - Comando de Decisão Múltipla e Comandos de RepetiçãoAula 10 - Comando de Decisão Múltipla e Comandos de Repetição
Aula 10 - Comando de Decisão Múltipla e Comandos de Repetição
André Constantino da Silva
 
Aula 9 - Resultado Operandos Matemáticos, Operadores Aritmeticos, Relacionais...
Aula 9 - Resultado Operandos Matemáticos, Operadores Aritmeticos, Relacionais...Aula 9 - Resultado Operandos Matemáticos, Operadores Aritmeticos, Relacionais...
Aula 9 - Resultado Operandos Matemáticos, Operadores Aritmeticos, Relacionais...
André Constantino da Silva
 

Mais de André Constantino da Silva (20)

Introdução ao TelEduc
Introdução ao TelEducIntrodução ao TelEduc
Introdução ao TelEduc
 
Mouse+Teclado x Toque+Caneta: as modalidades de interação em contextos educac...
Mouse+Teclado x Toque+Caneta: as modalidades de interação em contextos educac...Mouse+Teclado x Toque+Caneta: as modalidades de interação em contextos educac...
Mouse+Teclado x Toque+Caneta: as modalidades de interação em contextos educac...
 
Aula sobre texto academico - elaboração do desenvolvimento
Aula sobre texto academico - elaboração do desenvolvimentoAula sobre texto academico - elaboração do desenvolvimento
Aula sobre texto academico - elaboração do desenvolvimento
 
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuáriosAula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
 
Aula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de Usuário
Aula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de UsuárioAula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de Usuário
Aula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de Usuário
 
Como fazer citações e referências bibliográficas
Como fazer citações e referências bibliográficasComo fazer citações e referências bibliográficas
Como fazer citações e referências bibliográficas
 
Aula 4 - Avaliação de Interface - Parte 1
Aula 4 -  Avaliação de Interface - Parte 1Aula 4 -  Avaliação de Interface - Parte 1
Aula 4 - Avaliação de Interface - Parte 1
 
Aula 3 - Fatores Humanos
Aula 3 - Fatores HumanosAula 3 - Fatores Humanos
Aula 3 - Fatores Humanos
 
Aula 2 - A área de IHC
Aula 2 - A área de IHCAula 2 - A área de IHC
Aula 2 - A área de IHC
 
Aula 1 - Apresentação da Disciplina
Aula 1 - Apresentação da DisciplinaAula 1 - Apresentação da Disciplina
Aula 1 - Apresentação da Disciplina
 
Introdução ao ambiente virtual de aprendizagem TelEduc
Introdução ao ambiente virtual de aprendizagem TelEducIntrodução ao ambiente virtual de aprendizagem TelEduc
Introdução ao ambiente virtual de aprendizagem TelEduc
 
Aula 5 - Fatores Humanos - Parte 2 - Disciplina de IHC
Aula 5 - Fatores Humanos - Parte 2 - Disciplina de IHCAula 5 - Fatores Humanos - Parte 2 - Disciplina de IHC
Aula 5 - Fatores Humanos - Parte 2 - Disciplina de IHC
 
Aula 4 Fatores Humanos - parte 1 - Disciplina de IHC
Aula 4   Fatores Humanos - parte 1 - Disciplina de IHCAula 4   Fatores Humanos - parte 1 - Disciplina de IHC
Aula 4 Fatores Humanos - parte 1 - Disciplina de IHC
 
Aula 3 – A áera de IHC
Aula 3 – A áera de IHCAula 3 – A áera de IHC
Aula 3 – A áera de IHC
 
InkBlog: A Pen-Based Blog Tool for e-Learning Environments
InkBlog: A Pen-Based Blog Tool for e-Learning EnvironmentsInkBlog: A Pen-Based Blog Tool for e-Learning Environments
InkBlog: A Pen-Based Blog Tool for e-Learning Environments
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Aula 2 final
Aula 2 finalAula 2 final
Aula 2 final
 
Aula 1 final
Aula 1 finalAula 1 final
Aula 1 final
 
Aula 10 - Comando de Decisão Múltipla e Comandos de Repetição
Aula 10 - Comando de Decisão Múltipla e Comandos de RepetiçãoAula 10 - Comando de Decisão Múltipla e Comandos de Repetição
Aula 10 - Comando de Decisão Múltipla e Comandos de Repetição
 
Aula 9 - Resultado Operandos Matemáticos, Operadores Aritmeticos, Relacionais...
Aula 9 - Resultado Operandos Matemáticos, Operadores Aritmeticos, Relacionais...Aula 9 - Resultado Operandos Matemáticos, Operadores Aritmeticos, Relacionais...
Aula 9 - Resultado Operandos Matemáticos, Operadores Aritmeticos, Relacionais...
 

Último

Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Jonathas Muniz
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 

Último (7)

Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 

Aula 8 - Lógica de Programação - Variáveis, Tipos de dados e Operadores

  • 1. Aula 8 – Variáveis e Tipos de Dados Prof. André Constantino da Silva LOGT1 – Lógica Noturno 04 de maio de 2012
  • 2. Na aula anterior... • VisualG • Comando de Decisão - Simples (se-entao) - Dupla (se-entao-senao)
  • 3. Na aula de hoje... • Variáveis • Tipos de Dados • Operadores
  • 4. Variável • Aprendemos a usar variáveis e a declará-las Mas o que é uma variável?
  • 5. Variável • É um objeto ou entidade situado na memória que representa um valor ou expressão
  • 6. Memória • São dispositivos utilizados para guardar dados • A unidade básica da memória é o dígito binário (bit) • Atualmente, cada byte da memória possui um endereço
  • 7. Memória 02 03 00 01 06 07 04 05
  • 8. Memória Mas o computador trabalha com bits! Os endereços então são binários: 0 0 0 0 1 1 0 0 0 1 0 1 1 1 1 1 1 1 0 0 0 1 0 1
  • 9. Memória 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 1 0 0 0 0 0 1 0 0 1 0 0 0 0 1 0 0 0 0 1 0 0 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1
  • 10. Memória 0000 0001 0011 0010 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0 0100 0101 0111 0110 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1000 1001 1011 1010 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 1 1100 1101 1111 1110 0 0 0 0 0 1 0 0 1 0 0 0 0 1 0 0 0 0 1 0 0 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1
  • 11. Memória • Imagina manipularmos endereços de memória em nossos algoritmos? Ex (hipotético): algoritmo “teste” var 0x010: inteiro inicio 0x010 <- 50 escreva(0x010) fim • E se o endereço estiver sendo usado por outro programa?
  • 12. Variável • Espaço na memória • Possui um nome (identificador) • Armazena um dado (conteúdo) • Só existe em tempo de execução • Possui um tipo I n t e Ex.: var fator: inteiro i r o
  • 14. Tipos de Dados • Combinação de valores e de operações que uma variável pode executar - Também conhecido como tipo de variável • Exemplo: inteiro Valores: ... , -2, -1, 0, 1, 2, .... , 100, ... Operações: + , - , *, /
  • 15. Tipo de Dados 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 1 1 0 0 0 1 0 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 0 1 0 0 1 0 0 1 0 1 0 0 0 1 1 0 0 1 0 1 0 0 1 1 0 1 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 1 0 0 1 0 0 0 0 1 0 0 0 0 1 0 0 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 1 0 0 0 0 0 1 0 0 0 1 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 1 0 0 0 0 0 0 1 0 1 0 1 0 1 0 1 0 1 1 1 1 0 1 0 1 0 0 0 0 0
  • 16. Tipo de Dados 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 1 1 0 0 0 1 0 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 0 1 0 0 1 0 0 1 0 1 0 0 0 1 1 0 0 1 0 1 0 0 1 1 0 1 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 1 0 0 1 O que 0esses 0 0e 0 0 0 0 1 0 0 0 1 0 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 0 0 0 0 0 0 1 0 0 1 representam? 0 1 0 0 0 0 0 1 0 0 0 1 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 1 0 0 0 0 0 0 1 0 1 0 1 0 1 0 1 0 1 1 1 1 0 1 0 1 0 0 0 0 0
  • 17. Tipo de Dados - Inteiro 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 1 1 0 0 0 1 0 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 • Se o sistema utiliza 32 bits para representar um inteiro, temos: - A primeira sequência de 32 bits é 254 - A segunda sequência de 32 bits é 1.221 - A terceira sequência de 32 bits é 2.147.483.647
  • 18. Tipo de Dados - Real 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 1 1 0 0 0 1 0 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 • Se o sistema utiliza 32 bits para representar um real (ponto flutuante), adotando a norma IEEE 754 formato simples: - Primeiro bit: indica o sinal (0 positivo, 1 negativo) - Os próximos 23 bits: mantissa (número em binário) - 8 bits restantes: expoente (variando de -126 a +127)
  • 19. Tipo de Dados - Real 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 1 1 0 0 0 1 0 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 • Se o sistema utiliza 32 bits para representar um real, adotando a norma IEEE 754 formato simples: - Primeiro bit: indica o sinal (0 positivo, 1 negativo) - Os próximos 8 bits: expoente (variando de -126 a +127) - 23 bits restantes: mantissa (número em binário) 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0 representa 356 x e-43
  • 20. Tipo de Dados - Caractere 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 1 1 0 0 0 1 0 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 • Se o sistema utiliza 8 bits para representar um caractere, adotando a tabela ASC II: 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 0 Nulo Nulo Nulo ▀ 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 1 1 0 0 0 1 0 1 Nulo Nulo EOT †
  • 21. Tabela ASC II • Convenção para representar letras, números, símbolos através de código binário. • Exemplos: A 0100 0001 B 0100 0010 C 0100 0011 ... a 0110 0001 b 0110 0010 c 0110 0011
  • 22. Tipo de Dados - Caractere 0 1 0 0 1 0 0 1 0 1 0 0 0 1 1 0 0 1 0 1 0 0 1 1 0 1 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 • Se o sistema utiliza 8 bits para representar um caractere, adotando a tabela ASC II: 0 1 0 0 1 0 0 1 0 1 0 0 0 1 1 0 0 1 0 1 0 0 1 1 0 1 0 1 0 0 0 0 I F S P
  • 23. Tipo de Dados - Lógico 0 1 0 0 1 0 0 1 0 1 0 0 0 1 1 0 0 1 0 1 0 0 1 1 0 1 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 • Valores possíveis: verdadeiro, falso • Se o sistema utiliza 1 bit para representar um tipo lógico (booleano), adotamos por convenção bit 0 é falso bit 1 é verdadeiro 0 1 0 0 1 0 0 1 0 1 0 0 0 1 1 0 0 1 0 1 0 0 1 1 0 1 0 1 0 0 0 0 Falso Verdadeiro Falso
  • 24. Tipo de Dados - Lógico • Em Portugol, para atribuir verdadeiro ou falso, fazemos: algoritmo “verdadeiro_falso" var ligado: logico inicio ligado <- verdadeiro ligado <- falso escreva(ligado) Fimalgoritmo Válido para o comando leia(), qualquer coisa que o usuário digitar que não for igual a palavra reservada verdadeiro será considerado como falso
  • 25. Tipo de Dados • Determina o conteúdo de uma variável • Determina a quantidade de memória que será utilizada para armazenar o conteúdo • Escolha o tipo de dados mais adequado ao que deseja representar Para não usar mais memória do que é necessário • As operações que poderá realizar estão relacionadas ao tipo de dados
  • 27. Operador de Atribuição • Atribui um valor a uma variável • Símbolo: <- (lê-se recebe) • Cuidado: a variável só pode receber valores do seu tipo
  • 28. Operador de Atribuição algoritmo "erro de atribuicao" var numero1, numero2: inteiro numero3, numero4: real letra: caractere ligado: logico inicio numero1 <- "teste" numero2 <- falso letra <- 20 ligado <- "sim" escreva(numero1, numero2, letra, ligado) fimalgoritmo
  • 29. Operadores Matemáticos Símbolo Ação Exemplo + Soma Soma <- 5 + 2 - Subtração Sub <- 5 – 2 * Multiplicação M <- 5 * 2 / Divisão Divisao <- 5 / 2 (resultado sempre real) Divisão Inteira Quociente <- 5 2 MOD Resto da divisão inteira Resto <- 5 mod 2 ^ Potenciação Potencia <- 5 ^ 2 (resultando sempre real)
  • 30. Operadores Matemáticos • O resultado pode ser um inteiro ou real • Operados +, - e * o resultado dependerá dos operandos - Se os operandos forem inteiros, resultado será inteiro - Se houver algum operando real, resultado será real - mesmo se o resultado for um número inteiro. Ex: 1.5 + 1.5 = 3.0 Observação: Se o resultado for inteiro, ele pode ser atribuído a uma variável do tipo real
  • 31. Exercícios 1. Escreva um algoritmo que leia um número inteiro do usuário e calcule y, sendo que y é calculado pela fórmula y = 2x 2. Escrever um algoritmo que leia um número inteiro digitado pelo usuário e informe ao usuário se ele é par ou ímpar 3. Escrever um algoritmo que leia o nome de um aluno e as notas das três provas que ele obteve no semestre. No final informar o nome do aluno e a sua média (aritmética) , a sua média (aritmética) e se o aluno passou na disciplina (média maior ou igual a 6.0).