SlideShare uma empresa Scribd logo
• Falta de interesse pela reflexão filosófica e
  tendência ao aspecto prático

• Era a base utilitária para a marcação do tempo

• Astrônomos egípcios também eram
  sacerdotes

• Calendário civil mais avançado dos tempos
  antigos
• Inundação anual do Nilo e aparecimento de
  Sirius
  – Após um longo período de invisibilidade dessa
    estrela

  – “O iniciador do Ano”  Calendário Civil

  – 12 meses
     • 29 ou 30 dias
     • 354 dias
     • Pouco preciso
• Cálculo entre um solstício de verão e o
  seguinte, se obteve o valor de 365 dias

• Novo calendário
  – Baseado nas estações do Ano
     • Inundação, Emersão dos Campos e Colheita
        – Costume Egípcio
        – 4 meses pra cada estação
            » 30 dias
            » Semanas de 10 dias
        – 360 dias + 5 dias a serem adicionados
• As festas religiosas ainda eram determinadas
  pelo calendário lunar

• Coexistência do calendário civil e calendário
  lunar
• O dia se dividia entre um nascer do Sol e
  outro. E se dividia em dois períodos de 12
  horas.

• 1490 – 1436 a.C
  – As horas eram medidas por relógios de Sol
                          “Durante o dia as horas eram medidas por relógios de
                          sol, ou, mais corretamente relógios de sombra. Eles
                          podiam ser bem simples, como demonstra um aparelho
                          do tempo de Tutmés III (1490 – 1436 a.C). Era uma peça
                          lisa de madeira, com cinco divisões e um braço horizontal
                          suspenso em uma das extremidades. Ao meio-dia, ele era
                          virado de lado para medir a sombra do sol, pois, à tarde,
                          ele incidia em uma direção diferente; embora indicasse
                          apenas dez horas no total, a primeira e a última se
                          perdiam na penumbra.“
• 1397 a 1360 a.C
  – Clepsidra ( relógio de água )
• Planetas
  – Embora tenham sido observados, não mostravam
    interesse em saber os movimentos precisos.
  – Se importavam com o seu sentido espiritual
  – Imaginavam que tinham impacto sobre suas vidas

  – Mercúrio era considerado malévolo, quando
    surgia ao entardecer
• Observação astronômica científica.
  Conseguiram traçar uma imagem que não é
  inteiramente mítica

• Separação céu-terra
  – O céu se expandia como uma cúpula intangível

  – Alguma estrutura na borda do mar salgado aonde
    se apoiaria essa cúpula

  – Cúpula tinha sua própria cor pois era feita de
    pedras preciosas
     • Ideia repetida na Bíblia ( Exôdo e Apocalipse )
• Deduziram que o brilho da Lua era um reflexo
  da luz do Sol

• Imaginaram que as estrelas eram fixas na
  cúpula do céu, mas não se satisfizeram com
  essa hipótese

• Organizaram as estrelas por constelações

• Estudaram minuciosamente o movimento dos
  planetas, anotando as posições que ocupavam
  durante o alvorecer e pôr-do-sol
• Demonstravam grande interesse pelo
  movimento de Júpiter, o planeta mais brilhante
  do céu noturno.

• Usavam relógios de sol e água para determinar
  os instantes em que cada objeto se encontrava
  no céu

• No início, pensavam que o ano tinha 360 dias,
  uma confirmação gloriosa para o seu sistema
  sexagesimal, mas logo se mostrou insuficiente
• Dinastia Caldéia (VII e VI a.C)

  – Aplicaram a análise matemática à astronomia,
    de uma forma bastante diferente de seus
    contemporâneos, os gregos.

  – Organizaram tabelas detalhadas dos
    movimentos planetários, de forma que podiam
    antecipar movimentos futuros
     • Aritimética  Calcular as velocidades variáveis com
       as quais os planetas pareciam se mover pelo céu
• As primeiras tentativas de tentar predizer o
  movimento do Sol, baseavam-se na
  suposição que o Sol tinha duas velocidades:
  a maior no inverno e a menor verão.
• Mais tarde, descobriram, após acumular
  mais dados observacionais, que essa
  mudança era feita de forma gradativa. Essa
  descoberta representou algo novo e
  verdadeiramente científico e só seria
  retomado mais tarde na Europa Ocidental
• Astrologia

  – Foram os caldeus que introduziram a astrologia
    como ela é conhecida hoje. Era uma forma para
    determinar as personalidades e futuro do indivíduo
    conforme a análise da posição dos planetas no
    momento de seu nascimento

  – O céu representava, em grande escala, as vontades
    dos deuses em relação ao bem-estar de um povo. A
    aplicação disso nas vidas das pessoas era uma
    extensão dessa ideia.
Astronomia da Europa Ocidental
Astronomia da Europa Ocidental
Stonehenge,
Inglaterra
The Ring of Brodgar, Orkney Islands, Scotland.
The Ring of Brodgar, Orkney Islands, Scotland.
The Ring of Brodgar, Orkney Islands, Scotland.
The Ring of Brodgar, Orkney Islands, Scotland.
The standing stones of Callanish, Isle of Lewis,
Scotland
The standing stones of Callanish, Isle of Lewis,
Scotland
Part of the stone setting at Carahunge in
Armenia
Part of the stone setting at Carahunge in
Armenia
The axial stone circle at Reenascreena South,
Co. Cork, Ireland, viewed along its axis in the
direction from the portals
towards the recumbent stone. (Courtesy of
Clive Ruggles)
• Tales ( Por volta de 600 a.C )

   – Acreditava que a Terra fosse um disco plano boiando
     na água

   – Parece ter sido o primeiro a demonstrar as qualidades
     que deveriam qualidades que deveriam caracterizar a
     ciência grega

      • Explicações naturais
      • Teorias a partir da observação e experiência
• Anaximandro ( contemporâneo de Tales )

  – Os materiais mais pesados ficavam no centro,
    formando a Terra

  – Fogo e o ar eram deixados nas bordas, para
    construir os corpos celestes

  – O Sol e a Lua eram anéis de fogo
• Pitágoras ( Nasceu por volta de 560 a.C.)

   – Visitou o Egito e a Babilônia quando rapaz, e talvez tenha sido
     essa visita que lhe deu o desejo de estudar a matemática e
     declarar que “todas as coisas são números”

   – Relação matemática entre as notas de uma escala musical e os
     comprimentos de uma corda vibrante

   – Observação dos triângulos retângulos

   – Havia relações numérica entre os tempos utilizados pelos
     corpos celestes em sua órbita aparentes ao redor da Terra
• Pitágoras ( Nasceu por volta de 560 a.C.)

  – Astronomia pitagórica deveu muito aos babilônios

  – Adotaram uma ordem de distância para os
    planetas, de acordo com a velocidade de órbita
    aparente ao redor da Terra

     • Seguinte ordem: Lua, Mercúrio, Vênus, Sol, Marte,
       Júpiter e Saturno
• Pitágoras ( Nasceu por volta de 560 a.C.)

  – Amor pela beleza e simetria

     • Os planetas deveriam girar na mais simples das curvas,
       ou seja, num círculo

     • Céu e a Terra eram esféricos
• Aristóteles ( Nasceu por volta de 384 a.C. )

  – Universo era uma esfera com a Terra fixa no
    centro e deveria ser finito, pois se fosse infinito
    não teria centro

  – A Terra era esférica. O navio “afunda” no
    horizonte porque a Terra é esférica. Não poderia
    acontecer se fosse plana
• Astronomia em Alexandria

   – Erastóstenes

      • Medida da circunferência da Terra

   – Ptolomeu
      • Almagesto
          – Esta obra, a síntese dos trabalhos e observações de Aristóteles, Hiparco,
            Posidônio e outros, é uma das mais importantes e influentes da Antiguidade
            Clássica

          – Treze volumes com tabelas de observações de estrelas e planetas e com um
            grande modelo de sistema solar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

BIOLOGIA | SEMANA 40 | 1ª SÉRIE | TECIDO MUSCULAR
BIOLOGIA | SEMANA 40 | 1ª SÉRIE |  TECIDO MUSCULARBIOLOGIA | SEMANA 40 | 1ª SÉRIE |  TECIDO MUSCULAR
BIOLOGIA | SEMANA 40 | 1ª SÉRIE | TECIDO MUSCULAR
GoisBemnoEnem
 
Processo de Separação de Misturas
Processo de Separação de MisturasProcesso de Separação de Misturas
Processo de Separação de Misturas
Marcia Regina
 
Citologia
Citologia Citologia
Citologia
Mariinazorzi
 
Leis De Kepler
Leis De KeplerLeis De Kepler
Leis De Kepler
ISJ
 
Física - Gravitação universal -
Física - Gravitação universal -Física - Gravitação universal -
Física - Gravitação universal -
Vídeo Aulas Apoio
 
1S- Exercícios divisão celular 70 questoes- respondida
1S- Exercícios divisão celular   70 questoes- respondida1S- Exercícios divisão celular   70 questoes- respondida
1S- Exercícios divisão celular 70 questoes- respondida
Ionara Urrutia Moura
 
Gravidade power point
Gravidade power pointGravidade power point
Gravidade power point
Flávia Allves
 
I.3 A Terra
I.3  A TerraI.3  A Terra
I.3 A Terra
Rebeca Vale
 
Estereoquímica
EstereoquímicaEstereoquímica
Estereoquímica
José Nunes da Silva Jr.
 
Problemas de Visão e Lentes
Problemas de Visão e LentesProblemas de Visão e Lentes
Problemas de Visão e Lentes
J0anaG0mes
 
9 ano cinemática_aula
9 ano cinemática_aula9 ano cinemática_aula
9 ano cinemática_aula
Giselle Marques Goes
 
9 ano_astronomia
9 ano_astronomia9 ano_astronomia
9 ano_astronomia
Giselle Marques Goes
 
Plano de Aula: Matéria e sua Natureza
Plano de Aula: Matéria e sua NaturezaPlano de Aula: Matéria e sua Natureza
Plano de Aula: Matéria e sua Natureza
Neusa Fialho
 
Diluição e Concentração - Exercicios
Diluição e Concentração - ExerciciosDiluição e Concentração - Exercicios
Diluição e Concentração - Exercicios
José Vitor Alves
 
Modelo atómico exerccios 2
Modelo atómico exerccios 2Modelo atómico exerccios 2
Modelo atómico exerccios 2
Fidel Fernandes Teixeira
 
Ap fisica modulo 21 exercicios
Ap fisica modulo 21 exerciciosAp fisica modulo 21 exercicios
Ap fisica modulo 21 exercicios
comentada
 
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
Ronaldo Santana
 
Cosmologia - Sistema Solar - Origem do sol e suas características
Cosmologia - Sistema Solar - Origem do sol e suas característicasCosmologia - Sistema Solar - Origem do sol e suas características
Cosmologia - Sistema Solar - Origem do sol e suas características
Wesley Germano Otávio
 
Ppt 15 ReproduçãO Sexuada E Variabilidade GenéTica
Ppt 15    ReproduçãO Sexuada E Variabilidade GenéTicaPpt 15    ReproduçãO Sexuada E Variabilidade GenéTica
Ppt 15 ReproduçãO Sexuada E Variabilidade GenéTica
Nuno Correia
 
Avaliação 9º ano liceu batalha 3 bim
Avaliação 9º ano liceu batalha   3 bimAvaliação 9º ano liceu batalha   3 bim
Avaliação 9º ano liceu batalha 3 bim
Liceu Municipal de Maracanaú
 

Mais procurados (20)

BIOLOGIA | SEMANA 40 | 1ª SÉRIE | TECIDO MUSCULAR
BIOLOGIA | SEMANA 40 | 1ª SÉRIE |  TECIDO MUSCULARBIOLOGIA | SEMANA 40 | 1ª SÉRIE |  TECIDO MUSCULAR
BIOLOGIA | SEMANA 40 | 1ª SÉRIE | TECIDO MUSCULAR
 
Processo de Separação de Misturas
Processo de Separação de MisturasProcesso de Separação de Misturas
Processo de Separação de Misturas
 
Citologia
Citologia Citologia
Citologia
 
Leis De Kepler
Leis De KeplerLeis De Kepler
Leis De Kepler
 
Física - Gravitação universal -
Física - Gravitação universal -Física - Gravitação universal -
Física - Gravitação universal -
 
1S- Exercícios divisão celular 70 questoes- respondida
1S- Exercícios divisão celular   70 questoes- respondida1S- Exercícios divisão celular   70 questoes- respondida
1S- Exercícios divisão celular 70 questoes- respondida
 
Gravidade power point
Gravidade power pointGravidade power point
Gravidade power point
 
I.3 A Terra
I.3  A TerraI.3  A Terra
I.3 A Terra
 
Estereoquímica
EstereoquímicaEstereoquímica
Estereoquímica
 
Problemas de Visão e Lentes
Problemas de Visão e LentesProblemas de Visão e Lentes
Problemas de Visão e Lentes
 
9 ano cinemática_aula
9 ano cinemática_aula9 ano cinemática_aula
9 ano cinemática_aula
 
9 ano_astronomia
9 ano_astronomia9 ano_astronomia
9 ano_astronomia
 
Plano de Aula: Matéria e sua Natureza
Plano de Aula: Matéria e sua NaturezaPlano de Aula: Matéria e sua Natureza
Plano de Aula: Matéria e sua Natureza
 
Diluição e Concentração - Exercicios
Diluição e Concentração - ExerciciosDiluição e Concentração - Exercicios
Diluição e Concentração - Exercicios
 
Modelo atómico exerccios 2
Modelo atómico exerccios 2Modelo atómico exerccios 2
Modelo atómico exerccios 2
 
Ap fisica modulo 21 exercicios
Ap fisica modulo 21 exerciciosAp fisica modulo 21 exercicios
Ap fisica modulo 21 exercicios
 
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
 
Cosmologia - Sistema Solar - Origem do sol e suas características
Cosmologia - Sistema Solar - Origem do sol e suas característicasCosmologia - Sistema Solar - Origem do sol e suas características
Cosmologia - Sistema Solar - Origem do sol e suas características
 
Ppt 15 ReproduçãO Sexuada E Variabilidade GenéTica
Ppt 15    ReproduçãO Sexuada E Variabilidade GenéTicaPpt 15    ReproduçãO Sexuada E Variabilidade GenéTica
Ppt 15 ReproduçãO Sexuada E Variabilidade GenéTica
 
Avaliação 9º ano liceu batalha 3 bim
Avaliação 9º ano liceu batalha   3 bimAvaliação 9º ano liceu batalha   3 bim
Avaliação 9º ano liceu batalha 3 bim
 

Semelhante a Astronomia antiga

Astronomia antiga
 Astronomia antiga Astronomia antiga
Astronomia antiga
Paulo Rogerio Dias
 
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema SolarAula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Leonardo Kaplan
 
Primeira aula de Astrofísica
Primeira aula de AstrofísicaPrimeira aula de Astrofísica
Primeira aula de Astrofísica
PIBID02FísicaUEL
 
A medida do tempo
A medida do tempoA medida do tempo
A medida do tempo
Sanclé Porchéra
 
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
Thommas Kevin
 
Astronomia 1 - A astronomia na Antigüidade
Astronomia 1 - A astronomia na AntigüidadeAstronomia 1 - A astronomia na Antigüidade
Astronomia 1 - A astronomia na Antigüidade
Nuricel Aguilera
 
Evidências do formato da Terra - teorias.pptx
Evidências do formato da Terra - teorias.pptxEvidências do formato da Terra - teorias.pptx
Evidências do formato da Terra - teorias.pptx
691775
 
Madison.pptx
Madison.pptxMadison.pptx
Madison.pptx
MateusMota30
 
História da astronomia
História da astronomiaHistória da astronomia
História da astronomia
Alison Martins
 
Material OBA Pt.1
Material OBA Pt.1Material OBA Pt.1
Material OBA Pt.1
eing2010
 
A terra e o universo
A terra e o universoA terra e o universo
A terra e o universo
Kethlin Ruas
 
Aula 02- A história da astronomia (mundo antigo) -
Aula 02-  A história da astronomia  (mundo antigo) -Aula 02-  A história da astronomia  (mundo antigo) -
Aula 02- A história da astronomia (mundo antigo) -
Universidade Federal de Goiás- UFG
 
O homem e o universo
O homem e o universoO homem e o universo
O homem e o universo
wilkerfis
 
O homem e o universo
O homem e o universoO homem e o universo
O homem e o universo
wilkerfis
 
Astronomia aula2 janete pdf
Astronomia aula2 janete pdfAstronomia aula2 janete pdf
Astronomia aula2 janete pdf
Janete Garcia de Freitas
 
Astronomia e sistema solar
Astronomia e sistema solarAstronomia e sistema solar
Astronomia e sistema solar
Wanderley Almeida
 
A Terra e o Universo.ppt
A Terra e o Universo.pptA Terra e o Universo.ppt
A Terra e o Universo.ppt
Igor da Silva
 
A Terra e o Universo.ppt
A Terra e o Universo.pptA Terra e o Universo.ppt
A Terra e o Universo.ppt
Igor da Silva
 
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
Instituto Iprodesc
 
Apostila geofisica
Apostila geofisicaApostila geofisica
Apostila geofisica
Celian Magalhaes Rocha
 

Semelhante a Astronomia antiga (20)

Astronomia antiga
 Astronomia antiga Astronomia antiga
Astronomia antiga
 
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema SolarAula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
 
Primeira aula de Astrofísica
Primeira aula de AstrofísicaPrimeira aula de Astrofísica
Primeira aula de Astrofísica
 
A medida do tempo
A medida do tempoA medida do tempo
A medida do tempo
 
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
 
Astronomia 1 - A astronomia na Antigüidade
Astronomia 1 - A astronomia na AntigüidadeAstronomia 1 - A astronomia na Antigüidade
Astronomia 1 - A astronomia na Antigüidade
 
Evidências do formato da Terra - teorias.pptx
Evidências do formato da Terra - teorias.pptxEvidências do formato da Terra - teorias.pptx
Evidências do formato da Terra - teorias.pptx
 
Madison.pptx
Madison.pptxMadison.pptx
Madison.pptx
 
História da astronomia
História da astronomiaHistória da astronomia
História da astronomia
 
Material OBA Pt.1
Material OBA Pt.1Material OBA Pt.1
Material OBA Pt.1
 
A terra e o universo
A terra e o universoA terra e o universo
A terra e o universo
 
Aula 02- A história da astronomia (mundo antigo) -
Aula 02-  A história da astronomia  (mundo antigo) -Aula 02-  A história da astronomia  (mundo antigo) -
Aula 02- A história da astronomia (mundo antigo) -
 
O homem e o universo
O homem e o universoO homem e o universo
O homem e o universo
 
O homem e o universo
O homem e o universoO homem e o universo
O homem e o universo
 
Astronomia aula2 janete pdf
Astronomia aula2 janete pdfAstronomia aula2 janete pdf
Astronomia aula2 janete pdf
 
Astronomia e sistema solar
Astronomia e sistema solarAstronomia e sistema solar
Astronomia e sistema solar
 
A Terra e o Universo.ppt
A Terra e o Universo.pptA Terra e o Universo.ppt
A Terra e o Universo.ppt
 
A Terra e o Universo.ppt
A Terra e o Universo.pptA Terra e o Universo.ppt
A Terra e o Universo.ppt
 
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
 
Apostila geofisica
Apostila geofisicaApostila geofisica
Apostila geofisica
 

Mais de Felipe Menegotto

Processos de Transferência de Calor
Processos de Transferência de CalorProcessos de Transferência de Calor
Processos de Transferência de Calor
Felipe Menegotto
 
Eletromagnetismo - Indução Eletromagnética
Eletromagnetismo - Indução EletromagnéticaEletromagnetismo - Indução Eletromagnética
Eletromagnetismo - Indução Eletromagnética
Felipe Menegotto
 
Pré-UFRGS Física
Pré-UFRGS FísicaPré-UFRGS Física
Pré-UFRGS Física
Felipe Menegotto
 
Gráficos - Cinemática - Revisão
Gráficos - Cinemática - RevisãoGráficos - Cinemática - Revisão
Gráficos - Cinemática - Revisão
Felipe Menegotto
 
Ondas - Parte II
Ondas - Parte IIOndas - Parte II
Ondas - Parte II
Felipe Menegotto
 
Ondas Eletromagnéticas
Ondas EletromagnéticasOndas Eletromagnéticas
Ondas Eletromagnéticas
Felipe Menegotto
 
Ondas Sonoras
Ondas SonorasOndas Sonoras
Ondas Sonoras
Felipe Menegotto
 
Leis de Newton
Leis de NewtonLeis de Newton
Leis de Newton
Felipe Menegotto
 
Dispersão da luz
Dispersão da luzDispersão da luz
Dispersão da luz
Felipe Menegotto
 
Oficina de Radiações - Dia 1
Oficina de Radiações - Dia 1Oficina de Radiações - Dia 1
Oficina de Radiações - Dia 1
Felipe Menegotto
 
Campo elétrico e seu caráter vetorial
Campo elétrico e seu caráter vetorialCampo elétrico e seu caráter vetorial
Campo elétrico e seu caráter vetorial
Felipe Menegotto
 
Ondas - Parte I
Ondas - Parte IOndas - Parte I
Ondas - Parte I
Felipe Menegotto
 
Montanha russa, força centrípeta e conservação de energia
Montanha russa, força centrípeta e conservação de energiaMontanha russa, força centrípeta e conservação de energia
Montanha russa, força centrípeta e conservação de energia
Felipe Menegotto
 
Código de barras
Código de barrasCódigo de barras
Código de barras
Felipe Menegotto
 
Supercondutividade
SupercondutividadeSupercondutividade
Supercondutividade
Felipe Menegotto
 
Cultura e astronomia pré colombianas
Cultura e astronomia pré colombianasCultura e astronomia pré colombianas
Cultura e astronomia pré colombianas
Felipe Menegotto
 
Teoria cinética dos gases pt2
Teoria cinética dos gases pt2Teoria cinética dos gases pt2
Teoria cinética dos gases pt2
Felipe Menegotto
 
Teoria cinética dos gases pt1
Teoria cinética dos gases pt1Teoria cinética dos gases pt1
Teoria cinética dos gases pt1
Felipe Menegotto
 
Oscilações
OscilaçõesOscilações
Oscilações
Felipe Menegotto
 
Sistemas de coordenadas astronômicas
Sistemas de coordenadas astronômicasSistemas de coordenadas astronômicas
Sistemas de coordenadas astronômicas
Felipe Menegotto
 

Mais de Felipe Menegotto (20)

Processos de Transferência de Calor
Processos de Transferência de CalorProcessos de Transferência de Calor
Processos de Transferência de Calor
 
Eletromagnetismo - Indução Eletromagnética
Eletromagnetismo - Indução EletromagnéticaEletromagnetismo - Indução Eletromagnética
Eletromagnetismo - Indução Eletromagnética
 
Pré-UFRGS Física
Pré-UFRGS FísicaPré-UFRGS Física
Pré-UFRGS Física
 
Gráficos - Cinemática - Revisão
Gráficos - Cinemática - RevisãoGráficos - Cinemática - Revisão
Gráficos - Cinemática - Revisão
 
Ondas - Parte II
Ondas - Parte IIOndas - Parte II
Ondas - Parte II
 
Ondas Eletromagnéticas
Ondas EletromagnéticasOndas Eletromagnéticas
Ondas Eletromagnéticas
 
Ondas Sonoras
Ondas SonorasOndas Sonoras
Ondas Sonoras
 
Leis de Newton
Leis de NewtonLeis de Newton
Leis de Newton
 
Dispersão da luz
Dispersão da luzDispersão da luz
Dispersão da luz
 
Oficina de Radiações - Dia 1
Oficina de Radiações - Dia 1Oficina de Radiações - Dia 1
Oficina de Radiações - Dia 1
 
Campo elétrico e seu caráter vetorial
Campo elétrico e seu caráter vetorialCampo elétrico e seu caráter vetorial
Campo elétrico e seu caráter vetorial
 
Ondas - Parte I
Ondas - Parte IOndas - Parte I
Ondas - Parte I
 
Montanha russa, força centrípeta e conservação de energia
Montanha russa, força centrípeta e conservação de energiaMontanha russa, força centrípeta e conservação de energia
Montanha russa, força centrípeta e conservação de energia
 
Código de barras
Código de barrasCódigo de barras
Código de barras
 
Supercondutividade
SupercondutividadeSupercondutividade
Supercondutividade
 
Cultura e astronomia pré colombianas
Cultura e astronomia pré colombianasCultura e astronomia pré colombianas
Cultura e astronomia pré colombianas
 
Teoria cinética dos gases pt2
Teoria cinética dos gases pt2Teoria cinética dos gases pt2
Teoria cinética dos gases pt2
 
Teoria cinética dos gases pt1
Teoria cinética dos gases pt1Teoria cinética dos gases pt1
Teoria cinética dos gases pt1
 
Oscilações
OscilaçõesOscilações
Oscilações
 
Sistemas de coordenadas astronômicas
Sistemas de coordenadas astronômicasSistemas de coordenadas astronômicas
Sistemas de coordenadas astronômicas
 

Último

said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 

Astronomia antiga

  • 1.
  • 2. • Falta de interesse pela reflexão filosófica e tendência ao aspecto prático • Era a base utilitária para a marcação do tempo • Astrônomos egípcios também eram sacerdotes • Calendário civil mais avançado dos tempos antigos
  • 3. • Inundação anual do Nilo e aparecimento de Sirius – Após um longo período de invisibilidade dessa estrela – “O iniciador do Ano”  Calendário Civil – 12 meses • 29 ou 30 dias • 354 dias • Pouco preciso
  • 4. • Cálculo entre um solstício de verão e o seguinte, se obteve o valor de 365 dias • Novo calendário – Baseado nas estações do Ano • Inundação, Emersão dos Campos e Colheita – Costume Egípcio – 4 meses pra cada estação » 30 dias » Semanas de 10 dias – 360 dias + 5 dias a serem adicionados
  • 5. • As festas religiosas ainda eram determinadas pelo calendário lunar • Coexistência do calendário civil e calendário lunar
  • 6. • O dia se dividia entre um nascer do Sol e outro. E se dividia em dois períodos de 12 horas. • 1490 – 1436 a.C – As horas eram medidas por relógios de Sol “Durante o dia as horas eram medidas por relógios de sol, ou, mais corretamente relógios de sombra. Eles podiam ser bem simples, como demonstra um aparelho do tempo de Tutmés III (1490 – 1436 a.C). Era uma peça lisa de madeira, com cinco divisões e um braço horizontal suspenso em uma das extremidades. Ao meio-dia, ele era virado de lado para medir a sombra do sol, pois, à tarde, ele incidia em uma direção diferente; embora indicasse apenas dez horas no total, a primeira e a última se perdiam na penumbra.“
  • 7. • 1397 a 1360 a.C – Clepsidra ( relógio de água )
  • 8. • Planetas – Embora tenham sido observados, não mostravam interesse em saber os movimentos precisos. – Se importavam com o seu sentido espiritual – Imaginavam que tinham impacto sobre suas vidas – Mercúrio era considerado malévolo, quando surgia ao entardecer
  • 9. • Observação astronômica científica. Conseguiram traçar uma imagem que não é inteiramente mítica • Separação céu-terra – O céu se expandia como uma cúpula intangível – Alguma estrutura na borda do mar salgado aonde se apoiaria essa cúpula – Cúpula tinha sua própria cor pois era feita de pedras preciosas • Ideia repetida na Bíblia ( Exôdo e Apocalipse )
  • 10. • Deduziram que o brilho da Lua era um reflexo da luz do Sol • Imaginaram que as estrelas eram fixas na cúpula do céu, mas não se satisfizeram com essa hipótese • Organizaram as estrelas por constelações • Estudaram minuciosamente o movimento dos planetas, anotando as posições que ocupavam durante o alvorecer e pôr-do-sol
  • 11. • Demonstravam grande interesse pelo movimento de Júpiter, o planeta mais brilhante do céu noturno. • Usavam relógios de sol e água para determinar os instantes em que cada objeto se encontrava no céu • No início, pensavam que o ano tinha 360 dias, uma confirmação gloriosa para o seu sistema sexagesimal, mas logo se mostrou insuficiente
  • 12. • Dinastia Caldéia (VII e VI a.C) – Aplicaram a análise matemática à astronomia, de uma forma bastante diferente de seus contemporâneos, os gregos. – Organizaram tabelas detalhadas dos movimentos planetários, de forma que podiam antecipar movimentos futuros • Aritimética  Calcular as velocidades variáveis com as quais os planetas pareciam se mover pelo céu
  • 13. • As primeiras tentativas de tentar predizer o movimento do Sol, baseavam-se na suposição que o Sol tinha duas velocidades: a maior no inverno e a menor verão.
  • 14. • Mais tarde, descobriram, após acumular mais dados observacionais, que essa mudança era feita de forma gradativa. Essa descoberta representou algo novo e verdadeiramente científico e só seria retomado mais tarde na Europa Ocidental
  • 15. • Astrologia – Foram os caldeus que introduziram a astrologia como ela é conhecida hoje. Era uma forma para determinar as personalidades e futuro do indivíduo conforme a análise da posição dos planetas no momento de seu nascimento – O céu representava, em grande escala, as vontades dos deuses em relação ao bem-estar de um povo. A aplicação disso nas vidas das pessoas era uma extensão dessa ideia.
  • 16. Astronomia da Europa Ocidental
  • 17. Astronomia da Europa Ocidental
  • 19. The Ring of Brodgar, Orkney Islands, Scotland.
  • 20. The Ring of Brodgar, Orkney Islands, Scotland.
  • 21. The Ring of Brodgar, Orkney Islands, Scotland.
  • 22. The Ring of Brodgar, Orkney Islands, Scotland.
  • 23. The standing stones of Callanish, Isle of Lewis, Scotland
  • 24. The standing stones of Callanish, Isle of Lewis, Scotland
  • 25. Part of the stone setting at Carahunge in Armenia
  • 26. Part of the stone setting at Carahunge in Armenia
  • 27. The axial stone circle at Reenascreena South, Co. Cork, Ireland, viewed along its axis in the direction from the portals towards the recumbent stone. (Courtesy of Clive Ruggles)
  • 28. • Tales ( Por volta de 600 a.C ) – Acreditava que a Terra fosse um disco plano boiando na água – Parece ter sido o primeiro a demonstrar as qualidades que deveriam qualidades que deveriam caracterizar a ciência grega • Explicações naturais • Teorias a partir da observação e experiência
  • 29. • Anaximandro ( contemporâneo de Tales ) – Os materiais mais pesados ficavam no centro, formando a Terra – Fogo e o ar eram deixados nas bordas, para construir os corpos celestes – O Sol e a Lua eram anéis de fogo
  • 30. • Pitágoras ( Nasceu por volta de 560 a.C.) – Visitou o Egito e a Babilônia quando rapaz, e talvez tenha sido essa visita que lhe deu o desejo de estudar a matemática e declarar que “todas as coisas são números” – Relação matemática entre as notas de uma escala musical e os comprimentos de uma corda vibrante – Observação dos triângulos retângulos – Havia relações numérica entre os tempos utilizados pelos corpos celestes em sua órbita aparentes ao redor da Terra
  • 31. • Pitágoras ( Nasceu por volta de 560 a.C.) – Astronomia pitagórica deveu muito aos babilônios – Adotaram uma ordem de distância para os planetas, de acordo com a velocidade de órbita aparente ao redor da Terra • Seguinte ordem: Lua, Mercúrio, Vênus, Sol, Marte, Júpiter e Saturno
  • 32. • Pitágoras ( Nasceu por volta de 560 a.C.) – Amor pela beleza e simetria • Os planetas deveriam girar na mais simples das curvas, ou seja, num círculo • Céu e a Terra eram esféricos
  • 33. • Aristóteles ( Nasceu por volta de 384 a.C. ) – Universo era uma esfera com a Terra fixa no centro e deveria ser finito, pois se fosse infinito não teria centro – A Terra era esférica. O navio “afunda” no horizonte porque a Terra é esférica. Não poderia acontecer se fosse plana
  • 34. • Astronomia em Alexandria – Erastóstenes • Medida da circunferência da Terra – Ptolomeu • Almagesto – Esta obra, a síntese dos trabalhos e observações de Aristóteles, Hiparco, Posidônio e outros, é uma das mais importantes e influentes da Antiguidade Clássica – Treze volumes com tabelas de observações de estrelas e planetas e com um grande modelo de sistema solar