SlideShare uma empresa Scribd logo
Apresentação o pensamento pedagógico romano
 Por     serem      ambas,      Roma     e
 Grécia, sociedades escravistas, o trabalho
 manual      era desvalorizado, enquanto o
 intelectual    constituía   privilégio  da
 aristocracia; a única a desfrutar de tais
 privilégios. Os educadores então buscam
 formar o Homem racional capaz de pensar
 corretamente e se expressar de forma
 convincente,

 Erauma sociedade composta por grandes
 proprietários que monopolizavam o poder
 e por plebeus que apesar de livres eram
 excluídos do poder,
   O poder do Império construido pelos romanos foi tão
    grande que até os dias de hoje é uma referencia para
    os povos Ocidentais,

   Através de conquistas impuseram o latim a
    numerosas províncias,

   Os educadores buscavam formar o homem racional,
    capaz de pensar corretamente e se expressar de
    forma convincente,

   Na época áurea do Império, existia um sistema de
    educação com três graus de ensino:
-   As escolas do ludi-magister – educação elementar;
-   As escolas do gramático – ensino secundário;
-   Os estabelecimentos de educação superior, que
    iniciaram com a Retórica e seguidos do ensino do
    Direito e da Filosofia, espécie de universidade,(estas
    só surgiram na Idade Média).
 Seus
     estudos eram essencialmente
 humanista,

 Osromanos queriam universalizar a sua
 humanitas, o que acabaram por conseguir
 através do cristianismo.

 humanitas ( tradução de paidéia) cultura
 geral que transcende os interesses locais e
 nacionais.

A Humanitas restringiu-se aos estudos das
 letras, descuidando-se das ciências.
    A humanitas era dada na escola do “gramático”, que
    seguia as seguintes fases

    • Ditado de um fragmento do texto, a título de
    exercício ortográfico;

    • Memorização do fragmento;

    • Tradução do verso em prosa e vice-versa;

    • Expressão de uma mesma ideia em diversas
    construções;

    • Análise das palavras e frases;

    • Composição literária.
   A praticidade do processo educativo romano inicia-se desde os tempos
    mais remotos, na educação doméstica, em que a vida familiar serve de
    principal instituição. Nesse processo, a criança recebe a máxima
    reverência, dentro das exigências de uma educação austera, que visa
    formá-la no amor à pátria e no culto aos deuses. O processo elementar
    visará formar nela a piedade, a honestidade e a austeridade.

   O jovem romano integra-se no processo educativo a partir da vida
    diária, acompanhando o pai nos afazeres civis, pois o ideal imediato de
    todo processo educativo é formar o bom cidadão, formar o homem que
    um dia possa servir à pátria.

   Tratava-se de uma educação pela vida e para a vida. Dentro desse mesmo
    conceito, as meninas permanecem sob a vigilância da mãe para aprender
    os deveres da vida doméstica.

   Doravante, o principal valor do processo educativo será a formação do
    caráter do educando, em sentido universal, cosmopolita, humanista.
   Roma teve muitos teóricos da educação como:


    Catão: (234 – 149 a C.) chamado “O antigo”, distinguiu-se pela
    importância que atribuía à formação do caráter.


    Marco Terêncio Varão: (116 – 27 a C.), foi partidário de uma cultura
    Romano/Helênica;         com   base      na      “virtus”    romana:
    pietas, honestitas, austerits.


    Marco Túlio Cícero (106 – 43 a C.), senador proclamado pelo Senado
    Romano como “pai da Pátria”, considerava o ideal da educação formar
    um orador que reunisse as qualidades do dialético, do filósofo, do
    poeta, do jurista e do ator.


    O orador encontrava sua base de sustentação na Humanitas. Essa, por
    sua vez, vinculava-se ao projeto político de Roma: reunir os diversos
    povos num grande império. Cícero foi o idealizador do Direito. Paz só
    com vitórias e escravidão aos vencidos. Aos rebeldes a pena capital.
 Marco Fábio Quintilliano- põe o peso
 principal do ensino no conteúdo do discurso.
 O estudo devia dar-se num espaço de
 alegria(schola). O ensino da leitura e da
 escrita era oferecido pelo ludi- magister (
 centro do brinquedo)

 Sêneca-insiste na educação para a vida e a
 individualidade: “non scholae, sed vitae est
 docendum” ( não se deve ensinar para a
 escola mas sim para a vida)

 Plutarco-insistia que a educação procurasse
 mostrar a biografia dos grandes
 homens, para funcionar como exemplos vivos
 de virtude e de caráter
   Direito do pai sobre os filhos (pater - polestas);
   Direito do marido sobre a esposa (manus);
   Direito do senhor sobre os escravos (potestas dominica);
   Direito de um homem livre sobre um outro, que a lei lhe
    dava por contrato ou por condenação judiciária (manus
    capere);
   O     Direito    sobre     a     propriedade     (dominium).
    Os direitos decorriam desses direitos:
    No lar o pai pela Pater potestas infligia aos filhos as
    obrigações do clã.
   Na escola, os castigos eram severos e os culpados eram
    açoitados com vara.
    Todas as cidades e regiões conquistadas eram submetidas
    aos    mesmos      hábitos   e   costumes,   à    mesma
    administração, apesar de serem consideradas “aliados de
    Roma”.
A instalação de escolas era livre à iniciativa
 privada, deixando o Estado sua fiscalização
 aos pais que deviam saber a quem
 entregavam     os     filhos  para    educar.
 O alojamento era bem modesto: um
 alpendre, situado na proximidade dos
 pórticos, separado de ruídos; a mobília
 constava de bancos (os alunos escreviam
 sobre os joelhos), as vezes de mesas e outros
 móveis, como quadro-negro. O professor
 sentava sobre um estrado.
O  programa da escola primária abrangia a
 leitura, a escrita e a aritmética. Antes de
 conhecerem a forma das letras, os alunos
 deviam aprender-lhes o nome e a ordem.
 Conhecido o aspecto dos sinais, passava-se às
 combinações silábicas e, depois às palavras
 isoladas. Os alunos primários, em estágio de
 alfabetização dividiam-se de acordo com seu
 adiantamento. Da leitura de palavras
 isoladas passava-se à de frases e pequenos
 versos.
O magistério primário era uma profissão
 penosa, mal paga e de baixa consideração, o
 que ganhava mal dava para o sustento, então
 necessitava juntar receitas de outras
 fontes, escreviam nas horas vagas alguns
 testamentos.
 Os alunos eram levados à escola de manhã
 por um escravo paedagogus, que às
 vezes, desempenhava papel decisivo na
 formação do adolescente.
 O ano letivo durava de oito a nove meses e
 as férias de verão iam de julho até meados
 de outubro.
   Após o término dos estudos elementares, os meninos
    ingressavam na escola do grammaticus. A sala de aula
    era forrada com mapas murais e bustos de autores
    célebres. A situação financeira do grammaticus era
    superior a do professor primário.

   Os ensinamentos visavam o aperfeiçoamento da boa
    linguagem e a explicação dos poetas clássicos.

   Para a compreensão dos poetas, era indispensável
    estudar certas noções de
    História, Geografia, Astronomia, etc. Entre os poetas
    gregos, estudados inicialmente em traduções e, ao
    depois, nos textos originais, figuravam
    Homero, Hesíodo e Menandro.
 Nem  todos os que concluíam seus estudos
 elementares     ingressavam  no      ensino
 secundário. Menor ainda era o número dos
 que podiam prosseguir os estudos de grau
 superior. “A sociedade romana permaneceu
 uma sociedade aristocrática e os estudos
 aprofundados fazem parte dos privilégios da
 elite” (Marrou 1975).
   E para os romanos as escolas de direito. De
    fato, representa a aparição de uma nova forma
    de cultura, de um tipo de espírito que o mundo
    grego não havia de modo algum pressentido. É
    um tipo original: o homem que conhece o
    direito, que sabe a fundo as leis, os costumes, as
    regras     processuais,    o     repertório     da
    jurisprudência (conjunto dos precedentes a que
    determinados casos se pode referir para invocar
    a autoridade da analogia, da tradição), que sabe
    propor a elegante solução que triunfa sobre a
    obscuridade da causa e a ambigüidade da lei. A
    sabedoria não é constituída apenas de
    trapaças, apóia-se sobre o justo, o bem e a
    ordem. Esta sabedoria contribuiu para o
    pensamento grego.
 Havia, em Roma uma ciência do
 direito, seu conhecimento que era
 um precioso bem, ao qual aspiravam
 muitos jovens romanos: abre uma
 promissora carreira. Surge para
 atender a este desejo o mestre do
 direito (magister iuris), o mestre é
 mais um prático que um professor, o
 aluno o acompanha nas consultas
 jurídicas e aprende as sutilezas do
 caso.
   Era utilitária e militarista, organizada pela disciplina e
    justiça. Começava pela fidelidade administrativa;
    educação              para             a            pátria.
    No âmbito do pensamento filosófico, tornaram-se
    populares                    as                 correntes:
    Epicurismo: baseado no desenvolvimento do espírito e na
    prática das virtudes, procurava atingir o bem pela busca
    do                                                 prazer.
    Estoicismo: defendia a harmonia entre os indivíduos e a
    natureza. Argumentava que o prazer e a dor eram
    insignificantes diante da verdadeira felicidade. Propunham
    o desprendimento em relação aos bens materiais e
    defendia           a         fraternidade          humana.
    Cinismo: criticava sem nada oferecer, total desprezo aos
    valores tradicionais, desprendimento de tudo (riqueza).
   “A virtude está na ação”.

   “Nada em nossa vida escapa ao dever”.

   “Próprio do Homem é à procura da verdade”

   Ensinar de acordo com a natureza humana”.

    “De que modo se reconhecem os talentos nas
    crianças e quais os que devem ser tratados”.
Apresentação o pensamento pedagógico romano
Apresentação o pensamento pedagógico romano
Apresentação o pensamento pedagógico romano
Apresentação o pensamento pedagógico romano
Apresentação o pensamento pedagógico romano
Apresentação o pensamento pedagógico romano

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Metodologia do Ensino de Historia
Metodologia do Ensino de HistoriaMetodologia do Ensino de Historia
Metodologia do Ensino de Historia
Patrícia Éderson Dias
 
Pré socráticos slides
Pré socráticos slidesPré socráticos slides
Pré socráticos slides
Colégio Tiradentes III
 
52150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau1
52150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau152150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau1
52150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau1
Péricles Oliveira
 
Gestao escolar
Gestao escolarGestao escolar
Gestao escolar
Magno Oliveira
 
Slide de didática
Slide de didáticaSlide de didática
02 FUNDAMENTOS DE PEDAGOGIA 1 aulas.ppt
02 FUNDAMENTOS DE PEDAGOGIA 1 aulas.ppt02 FUNDAMENTOS DE PEDAGOGIA 1 aulas.ppt
02 FUNDAMENTOS DE PEDAGOGIA 1 aulas.ppt
AlbertoMatavele
 
Escola libertária seminário de teoria pedagógica i
Escola libertária   seminário de teoria pedagógica iEscola libertária   seminário de teoria pedagógica i
Escola libertária seminário de teoria pedagógica i
mefurb
 
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICADESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
carolnacari
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
Marcelo Assis
 
Educação grega
Educação gregaEducação grega
Educação grega
Elainy Rodrigues
 
Apresentação abnt citações
Apresentação abnt citaçõesApresentação abnt citações
Apresentação abnt citações
Diogo Maxwell
 
EJA.pptx
EJA.pptxEJA.pptx
EJA.pptx
INGRID ALMEIDA
 
Tipologia de conteúdos
Tipologia de conteúdosTipologia de conteúdos
Tipologia de conteúdos
João Alberto
 
O ensino de química e a formação do professor sob olhar bachelardiano
O ensino de química e a formação do professor sob olhar bachelardianoO ensino de química e a formação do professor sob olhar bachelardiano
O ensino de química e a formação do professor sob olhar bachelardiano
Zara Hoffmann
 
Abordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na EducaçãoAbordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na Educação
Carol Messias
 
Didática
DidáticaDidática
Didática
gadea
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
Tendência crítico social dos conteúdos
Tendência crítico social dos conteúdosTendência crítico social dos conteúdos
Tendência crítico social dos conteúdos
Colégio Estadual Padre Fernando Gomes de Melo
 
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docenteAula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Kelly da Silva
 
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
Mario Amorim
 

Mais procurados (20)

Metodologia do Ensino de Historia
Metodologia do Ensino de HistoriaMetodologia do Ensino de Historia
Metodologia do Ensino de Historia
 
Pré socráticos slides
Pré socráticos slidesPré socráticos slides
Pré socráticos slides
 
52150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau1
52150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau152150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau1
52150697 resenha-critica-abnt-o-trabalho-thau1
 
Gestao escolar
Gestao escolarGestao escolar
Gestao escolar
 
Slide de didática
Slide de didáticaSlide de didática
Slide de didática
 
02 FUNDAMENTOS DE PEDAGOGIA 1 aulas.ppt
02 FUNDAMENTOS DE PEDAGOGIA 1 aulas.ppt02 FUNDAMENTOS DE PEDAGOGIA 1 aulas.ppt
02 FUNDAMENTOS DE PEDAGOGIA 1 aulas.ppt
 
Escola libertária seminário de teoria pedagógica i
Escola libertária   seminário de teoria pedagógica iEscola libertária   seminário de teoria pedagógica i
Escola libertária seminário de teoria pedagógica i
 
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICADESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
 
Educação grega
Educação gregaEducação grega
Educação grega
 
Apresentação abnt citações
Apresentação abnt citaçõesApresentação abnt citações
Apresentação abnt citações
 
EJA.pptx
EJA.pptxEJA.pptx
EJA.pptx
 
Tipologia de conteúdos
Tipologia de conteúdosTipologia de conteúdos
Tipologia de conteúdos
 
O ensino de química e a formação do professor sob olhar bachelardiano
O ensino de química e a formação do professor sob olhar bachelardianoO ensino de química e a formação do professor sob olhar bachelardiano
O ensino de química e a formação do professor sob olhar bachelardiano
 
Abordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na EducaçãoAbordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na Educação
 
Didática
DidáticaDidática
Didática
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
Conhecendo a didática
 
Tendência crítico social dos conteúdos
Tendência crítico social dos conteúdosTendência crítico social dos conteúdos
Tendência crítico social dos conteúdos
 
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docenteAula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
 
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
 

Destaque

Hep aula4-antiguidade-romana-a humanitas.12-03-2012
Hep aula4-antiguidade-romana-a humanitas.12-03-2012Hep aula4-antiguidade-romana-a humanitas.12-03-2012
Hep aula4-antiguidade-romana-a humanitas.12-03-2012
Elisa Maria Gomide
 
CÍCERO, Marco Túlio. Diálogo sobre a amizade (Laelius de amicitia)
CÍCERO, Marco Túlio. Diálogo sobre a amizade (Laelius de amicitia)CÍCERO, Marco Túlio. Diálogo sobre a amizade (Laelius de amicitia)
CÍCERO, Marco Túlio. Diálogo sobre a amizade (Laelius de amicitia)
Isabela Pinto
 
Cícero - Da República
Cícero - Da RepúblicaCícero - Da República
Cícero - Da República
caixapretadopt
 
O pensamento pedagógico da escola nova
O pensamento pedagógico da escola novaO pensamento pedagógico da escola nova
O pensamento pedagógico da escola nova
PET-PEDAGOGIA2012
 
Cicero : estoicismo romano e lei natural
Cicero : estoicismo romano e lei naturalCicero : estoicismo romano e lei natural
Cicero : estoicismo romano e lei natural
Francis Rosa
 
Pensamento educacional de platão e aristóteles
Pensamento educacional de platão e aristótelesPensamento educacional de platão e aristóteles
Pensamento educacional de platão e aristóteles
soares204
 
Antiguidade Romana
Antiguidade RomanaAntiguidade Romana
Antiguidade Romana
Robson Santos
 
Roma Antigua
Roma AntiguaRoma Antigua
Roma Antigua
abelardis
 
Cícero e horácio
Cícero e horácioCícero e horácio
Cícero e horácio
Lázaro Montes
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Cicero (1)
Cicero (1)Cicero (1)
Cicero (1)
Leanderson Moreira
 
Roma
RomaRoma
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
marcos ursi
 
A redução ao sistema como operação epistêmica: Metodologia e aplicação à ciên...
A redução ao sistema como operação epistêmica: Metodologia e aplicação à ciên...A redução ao sistema como operação epistêmica: Metodologia e aplicação à ciên...
A redução ao sistema como operação epistêmica: Metodologia e aplicação à ciên...
Vinícius M. Kern
 
Roma a.C.
Roma a.C.Roma a.C.
Roma a.C.
Sofia Marques
 
Slides 3 ano
Slides   3 anoSlides   3 ano
Slides 3 ano
Victor França
 
3 Antiguidade Grega
3 Antiguidade Grega3 Antiguidade Grega
3 Antiguidade Grega
Robson Santos
 
Apresentação trabalho ufra 1
Apresentação trabalho ufra 1Apresentação trabalho ufra 1
Apresentação trabalho ufra 1
wilson favacho
 
Grécia clássica e roma
Grécia clássica e romaGrécia clássica e roma
Grécia clássica e roma
Carlos Glufke
 

Destaque (20)

Hep aula4-antiguidade-romana-a humanitas.12-03-2012
Hep aula4-antiguidade-romana-a humanitas.12-03-2012Hep aula4-antiguidade-romana-a humanitas.12-03-2012
Hep aula4-antiguidade-romana-a humanitas.12-03-2012
 
CÍCERO, Marco Túlio. Diálogo sobre a amizade (Laelius de amicitia)
CÍCERO, Marco Túlio. Diálogo sobre a amizade (Laelius de amicitia)CÍCERO, Marco Túlio. Diálogo sobre a amizade (Laelius de amicitia)
CÍCERO, Marco Túlio. Diálogo sobre a amizade (Laelius de amicitia)
 
Cícero - Da República
Cícero - Da RepúblicaCícero - Da República
Cícero - Da República
 
O pensamento pedagógico da escola nova
O pensamento pedagógico da escola novaO pensamento pedagógico da escola nova
O pensamento pedagógico da escola nova
 
Cicero : estoicismo romano e lei natural
Cicero : estoicismo romano e lei naturalCicero : estoicismo romano e lei natural
Cicero : estoicismo romano e lei natural
 
Pensamento educacional de platão e aristóteles
Pensamento educacional de platão e aristótelesPensamento educacional de platão e aristóteles
Pensamento educacional de platão e aristóteles
 
Antiguidade Romana
Antiguidade RomanaAntiguidade Romana
Antiguidade Romana
 
Roma Antigua
Roma AntiguaRoma Antigua
Roma Antigua
 
Cícero e horácio
Cícero e horácioCícero e horácio
Cícero e horácio
 
Capítulo 11 power point
Capítulo 11 power pointCapítulo 11 power point
Capítulo 11 power point
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Cicero (1)
Cicero (1)Cicero (1)
Cicero (1)
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
A redução ao sistema como operação epistêmica: Metodologia e aplicação à ciên...
A redução ao sistema como operação epistêmica: Metodologia e aplicação à ciên...A redução ao sistema como operação epistêmica: Metodologia e aplicação à ciên...
A redução ao sistema como operação epistêmica: Metodologia e aplicação à ciên...
 
Roma a.C.
Roma a.C.Roma a.C.
Roma a.C.
 
Slides 3 ano
Slides   3 anoSlides   3 ano
Slides 3 ano
 
3 Antiguidade Grega
3 Antiguidade Grega3 Antiguidade Grega
3 Antiguidade Grega
 
Apresentação trabalho ufra 1
Apresentação trabalho ufra 1Apresentação trabalho ufra 1
Apresentação trabalho ufra 1
 
Grécia clássica e roma
Grécia clássica e romaGrécia clássica e roma
Grécia clássica e roma
 

Semelhante a Apresentação o pensamento pedagógico romano

APRESENTACAO_DA_DISCIPLINA_HST_EDUCACAO.ppt
APRESENTACAO_DA_DISCIPLINA_HST_EDUCACAO.pptAPRESENTACAO_DA_DISCIPLINA_HST_EDUCACAO.ppt
APRESENTACAO_DA_DISCIPLINA_HST_EDUCACAO.ppt
DELSOCORREIA
 
A Filosofia na historia da Educacao
A Filosofia na historia da Educacao A Filosofia na historia da Educacao
A Filosofia na historia da Educacao
Keila Cuzzuol Pimentel
 
Fundamentos Da Educação HistóRia Da EducaçãO
Fundamentos Da Educação   HistóRia Da EducaçãOFundamentos Da Educação   HistóRia Da EducaçãO
Fundamentos Da Educação HistóRia Da EducaçãO
FUBÁ CAFÉ - Ponto de Cultura e Escola de Aprendizado Livre
 
Fundamentos da-educao-histria-da-educao-1211473322195580-9[1]
Fundamentos da-educao-histria-da-educao-1211473322195580-9[1]Fundamentos da-educao-histria-da-educao-1211473322195580-9[1]
Fundamentos da-educao-histria-da-educao-1211473322195580-9[1]
nandacollazos
 
Fundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da EducaçãoFundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da Educação
Herbert Santana
 
Fundamentos historicos da educacao - Manacorda
Fundamentos historicos da educacao - ManacordaFundamentos historicos da educacao - Manacorda
Fundamentos historicos da educacao - Manacorda
Maria Cristina Professora
 
A educação na grécia antiga
A educação na grécia antigaA educação na grécia antiga
A educação na grécia antiga
turco2802
 
Sociedades primitivas período moderno
Sociedades primitivas período modernoSociedades primitivas período moderno
Sociedades primitivas período moderno
Ronaldo Rodrigues
 
O Ensino em Roma 10ºAno
O Ensino em Roma 10ºAnoO Ensino em Roma 10ºAno
O Ensino em Roma 10ºAno
Luana Fernandes
 
Linha Do Tempo
Linha Do TempoLinha Do Tempo
Linha Do Tempo
silsame
 
História da educação geral
História da educação geralHistória da educação geral
História da educação geral
Rosicler Casal Bueno Cardoso
 
História da educação - Roma - Maria e Rosilde
História da educação - Roma - Maria e RosildeHistória da educação - Roma - Maria e Rosilde
História da educação - Roma - Maria e Rosilde
geografia
 
Hep aula3-antiguidade oriental-grega-romana.07-03-2012
Hep aula3-antiguidade oriental-grega-romana.07-03-2012Hep aula3-antiguidade oriental-grega-romana.07-03-2012
Hep aula3-antiguidade oriental-grega-romana.07-03-2012
Elisa Maria Gomide
 
Linhadotempo da filosofia
Linhadotempo da filosofiaLinhadotempo da filosofia
Linhadotempo da filosofia
FLAVIO PINTO NUNES
 
1 aulahistoriadaeducacao-120314072730-phpapp02
1  aulahistoriadaeducacao-120314072730-phpapp021  aulahistoriadaeducacao-120314072730-phpapp02
1 aulahistoriadaeducacao-120314072730-phpapp02
simonete3a
 
Aula historia da educacao
Aula historia da educacaoAula historia da educacao
Aula historia da educacao
Alelis Gomes
 
Bases histórico filosóficas da educação
Bases histórico filosóficas da educaçãoBases histórico filosóficas da educação
Bases histórico filosóficas da educação
Danielle Mesquita
 
A educação na antiguidade clássica grécia
A educação na antiguidade clássica  gréciaA educação na antiguidade clássica  grécia
A educação na antiguidade clássica grécia
Lílian Reis
 
Ppt 11º b regencias 7 e 8 corrigido
Ppt 11º b regencias 7 e 8 corrigidoPpt 11º b regencias 7 e 8 corrigido
Ppt 11º b regencias 7 e 8 corrigido
j_sdias
 
Historia da educação silvana
Historia da educação  silvanaHistoria da educação  silvana
Historia da educação silvana
Silvana Mara
 

Semelhante a Apresentação o pensamento pedagógico romano (20)

APRESENTACAO_DA_DISCIPLINA_HST_EDUCACAO.ppt
APRESENTACAO_DA_DISCIPLINA_HST_EDUCACAO.pptAPRESENTACAO_DA_DISCIPLINA_HST_EDUCACAO.ppt
APRESENTACAO_DA_DISCIPLINA_HST_EDUCACAO.ppt
 
A Filosofia na historia da Educacao
A Filosofia na historia da Educacao A Filosofia na historia da Educacao
A Filosofia na historia da Educacao
 
Fundamentos Da Educação HistóRia Da EducaçãO
Fundamentos Da Educação   HistóRia Da EducaçãOFundamentos Da Educação   HistóRia Da EducaçãO
Fundamentos Da Educação HistóRia Da EducaçãO
 
Fundamentos da-educao-histria-da-educao-1211473322195580-9[1]
Fundamentos da-educao-histria-da-educao-1211473322195580-9[1]Fundamentos da-educao-histria-da-educao-1211473322195580-9[1]
Fundamentos da-educao-histria-da-educao-1211473322195580-9[1]
 
Fundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da EducaçãoFundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da Educação
 
Fundamentos historicos da educacao - Manacorda
Fundamentos historicos da educacao - ManacordaFundamentos historicos da educacao - Manacorda
Fundamentos historicos da educacao - Manacorda
 
A educação na grécia antiga
A educação na grécia antigaA educação na grécia antiga
A educação na grécia antiga
 
Sociedades primitivas período moderno
Sociedades primitivas período modernoSociedades primitivas período moderno
Sociedades primitivas período moderno
 
O Ensino em Roma 10ºAno
O Ensino em Roma 10ºAnoO Ensino em Roma 10ºAno
O Ensino em Roma 10ºAno
 
Linha Do Tempo
Linha Do TempoLinha Do Tempo
Linha Do Tempo
 
História da educação geral
História da educação geralHistória da educação geral
História da educação geral
 
História da educação - Roma - Maria e Rosilde
História da educação - Roma - Maria e RosildeHistória da educação - Roma - Maria e Rosilde
História da educação - Roma - Maria e Rosilde
 
Hep aula3-antiguidade oriental-grega-romana.07-03-2012
Hep aula3-antiguidade oriental-grega-romana.07-03-2012Hep aula3-antiguidade oriental-grega-romana.07-03-2012
Hep aula3-antiguidade oriental-grega-romana.07-03-2012
 
Linhadotempo da filosofia
Linhadotempo da filosofiaLinhadotempo da filosofia
Linhadotempo da filosofia
 
1 aulahistoriadaeducacao-120314072730-phpapp02
1  aulahistoriadaeducacao-120314072730-phpapp021  aulahistoriadaeducacao-120314072730-phpapp02
1 aulahistoriadaeducacao-120314072730-phpapp02
 
Aula historia da educacao
Aula historia da educacaoAula historia da educacao
Aula historia da educacao
 
Bases histórico filosóficas da educação
Bases histórico filosóficas da educaçãoBases histórico filosóficas da educação
Bases histórico filosóficas da educação
 
A educação na antiguidade clássica grécia
A educação na antiguidade clássica  gréciaA educação na antiguidade clássica  grécia
A educação na antiguidade clássica grécia
 
Ppt 11º b regencias 7 e 8 corrigido
Ppt 11º b regencias 7 e 8 corrigidoPpt 11º b regencias 7 e 8 corrigido
Ppt 11º b regencias 7 e 8 corrigido
 
Historia da educação silvana
Historia da educação  silvanaHistoria da educação  silvana
Historia da educação silvana
 

Apresentação o pensamento pedagógico romano

  • 2.  Por serem ambas, Roma e Grécia, sociedades escravistas, o trabalho manual era desvalorizado, enquanto o intelectual constituía privilégio da aristocracia; a única a desfrutar de tais privilégios. Os educadores então buscam formar o Homem racional capaz de pensar corretamente e se expressar de forma convincente,  Erauma sociedade composta por grandes proprietários que monopolizavam o poder e por plebeus que apesar de livres eram excluídos do poder,
  • 3. O poder do Império construido pelos romanos foi tão grande que até os dias de hoje é uma referencia para os povos Ocidentais,  Através de conquistas impuseram o latim a numerosas províncias,  Os educadores buscavam formar o homem racional, capaz de pensar corretamente e se expressar de forma convincente,  Na época áurea do Império, existia um sistema de educação com três graus de ensino: - As escolas do ludi-magister – educação elementar; - As escolas do gramático – ensino secundário; - Os estabelecimentos de educação superior, que iniciaram com a Retórica e seguidos do ensino do Direito e da Filosofia, espécie de universidade,(estas só surgiram na Idade Média).
  • 4.  Seus estudos eram essencialmente humanista,  Osromanos queriam universalizar a sua humanitas, o que acabaram por conseguir através do cristianismo.  humanitas ( tradução de paidéia) cultura geral que transcende os interesses locais e nacionais. A Humanitas restringiu-se aos estudos das letras, descuidando-se das ciências.
  • 5. A humanitas era dada na escola do “gramático”, que seguia as seguintes fases • Ditado de um fragmento do texto, a título de exercício ortográfico; • Memorização do fragmento; • Tradução do verso em prosa e vice-versa; • Expressão de uma mesma ideia em diversas construções; • Análise das palavras e frases; • Composição literária.
  • 6. A praticidade do processo educativo romano inicia-se desde os tempos mais remotos, na educação doméstica, em que a vida familiar serve de principal instituição. Nesse processo, a criança recebe a máxima reverência, dentro das exigências de uma educação austera, que visa formá-la no amor à pátria e no culto aos deuses. O processo elementar visará formar nela a piedade, a honestidade e a austeridade.  O jovem romano integra-se no processo educativo a partir da vida diária, acompanhando o pai nos afazeres civis, pois o ideal imediato de todo processo educativo é formar o bom cidadão, formar o homem que um dia possa servir à pátria.  Tratava-se de uma educação pela vida e para a vida. Dentro desse mesmo conceito, as meninas permanecem sob a vigilância da mãe para aprender os deveres da vida doméstica.  Doravante, o principal valor do processo educativo será a formação do caráter do educando, em sentido universal, cosmopolita, humanista.
  • 7. Roma teve muitos teóricos da educação como:  Catão: (234 – 149 a C.) chamado “O antigo”, distinguiu-se pela importância que atribuía à formação do caráter.  Marco Terêncio Varão: (116 – 27 a C.), foi partidário de uma cultura Romano/Helênica; com base na “virtus” romana: pietas, honestitas, austerits.  Marco Túlio Cícero (106 – 43 a C.), senador proclamado pelo Senado Romano como “pai da Pátria”, considerava o ideal da educação formar um orador que reunisse as qualidades do dialético, do filósofo, do poeta, do jurista e do ator.  O orador encontrava sua base de sustentação na Humanitas. Essa, por sua vez, vinculava-se ao projeto político de Roma: reunir os diversos povos num grande império. Cícero foi o idealizador do Direito. Paz só com vitórias e escravidão aos vencidos. Aos rebeldes a pena capital.
  • 8.  Marco Fábio Quintilliano- põe o peso principal do ensino no conteúdo do discurso. O estudo devia dar-se num espaço de alegria(schola). O ensino da leitura e da escrita era oferecido pelo ludi- magister ( centro do brinquedo)  Sêneca-insiste na educação para a vida e a individualidade: “non scholae, sed vitae est docendum” ( não se deve ensinar para a escola mas sim para a vida)  Plutarco-insistia que a educação procurasse mostrar a biografia dos grandes homens, para funcionar como exemplos vivos de virtude e de caráter
  • 9. Direito do pai sobre os filhos (pater - polestas);  Direito do marido sobre a esposa (manus);  Direito do senhor sobre os escravos (potestas dominica);  Direito de um homem livre sobre um outro, que a lei lhe dava por contrato ou por condenação judiciária (manus capere);  O Direito sobre a propriedade (dominium). Os direitos decorriam desses direitos:  No lar o pai pela Pater potestas infligia aos filhos as obrigações do clã.  Na escola, os castigos eram severos e os culpados eram açoitados com vara.  Todas as cidades e regiões conquistadas eram submetidas aos mesmos hábitos e costumes, à mesma administração, apesar de serem consideradas “aliados de Roma”.
  • 10. A instalação de escolas era livre à iniciativa privada, deixando o Estado sua fiscalização aos pais que deviam saber a quem entregavam os filhos para educar. O alojamento era bem modesto: um alpendre, situado na proximidade dos pórticos, separado de ruídos; a mobília constava de bancos (os alunos escreviam sobre os joelhos), as vezes de mesas e outros móveis, como quadro-negro. O professor sentava sobre um estrado.
  • 11. O programa da escola primária abrangia a leitura, a escrita e a aritmética. Antes de conhecerem a forma das letras, os alunos deviam aprender-lhes o nome e a ordem. Conhecido o aspecto dos sinais, passava-se às combinações silábicas e, depois às palavras isoladas. Os alunos primários, em estágio de alfabetização dividiam-se de acordo com seu adiantamento. Da leitura de palavras isoladas passava-se à de frases e pequenos versos.
  • 12. O magistério primário era uma profissão penosa, mal paga e de baixa consideração, o que ganhava mal dava para o sustento, então necessitava juntar receitas de outras fontes, escreviam nas horas vagas alguns testamentos. Os alunos eram levados à escola de manhã por um escravo paedagogus, que às vezes, desempenhava papel decisivo na formação do adolescente. O ano letivo durava de oito a nove meses e as férias de verão iam de julho até meados de outubro.
  • 13. Após o término dos estudos elementares, os meninos ingressavam na escola do grammaticus. A sala de aula era forrada com mapas murais e bustos de autores célebres. A situação financeira do grammaticus era superior a do professor primário.  Os ensinamentos visavam o aperfeiçoamento da boa linguagem e a explicação dos poetas clássicos.  Para a compreensão dos poetas, era indispensável estudar certas noções de História, Geografia, Astronomia, etc. Entre os poetas gregos, estudados inicialmente em traduções e, ao depois, nos textos originais, figuravam Homero, Hesíodo e Menandro.
  • 14.  Nem todos os que concluíam seus estudos elementares ingressavam no ensino secundário. Menor ainda era o número dos que podiam prosseguir os estudos de grau superior. “A sociedade romana permaneceu uma sociedade aristocrática e os estudos aprofundados fazem parte dos privilégios da elite” (Marrou 1975).
  • 15. E para os romanos as escolas de direito. De fato, representa a aparição de uma nova forma de cultura, de um tipo de espírito que o mundo grego não havia de modo algum pressentido. É um tipo original: o homem que conhece o direito, que sabe a fundo as leis, os costumes, as regras processuais, o repertório da jurisprudência (conjunto dos precedentes a que determinados casos se pode referir para invocar a autoridade da analogia, da tradição), que sabe propor a elegante solução que triunfa sobre a obscuridade da causa e a ambigüidade da lei. A sabedoria não é constituída apenas de trapaças, apóia-se sobre o justo, o bem e a ordem. Esta sabedoria contribuiu para o pensamento grego.
  • 16.  Havia, em Roma uma ciência do direito, seu conhecimento que era um precioso bem, ao qual aspiravam muitos jovens romanos: abre uma promissora carreira. Surge para atender a este desejo o mestre do direito (magister iuris), o mestre é mais um prático que um professor, o aluno o acompanha nas consultas jurídicas e aprende as sutilezas do caso.
  • 17. Era utilitária e militarista, organizada pela disciplina e justiça. Começava pela fidelidade administrativa; educação para a pátria. No âmbito do pensamento filosófico, tornaram-se populares as correntes: Epicurismo: baseado no desenvolvimento do espírito e na prática das virtudes, procurava atingir o bem pela busca do prazer. Estoicismo: defendia a harmonia entre os indivíduos e a natureza. Argumentava que o prazer e a dor eram insignificantes diante da verdadeira felicidade. Propunham o desprendimento em relação aos bens materiais e defendia a fraternidade humana. Cinismo: criticava sem nada oferecer, total desprezo aos valores tradicionais, desprendimento de tudo (riqueza).
  • 18. “A virtude está na ação”.  “Nada em nossa vida escapa ao dever”.  “Próprio do Homem é à procura da verdade”  Ensinar de acordo com a natureza humana”.  “De que modo se reconhecem os talentos nas crianças e quais os que devem ser tratados”.