SlideShare uma empresa Scribd logo
MERCADO FINANCEIRO
INTRODUÇÃO
AULA 01 (21/11/2022)
MERCADO FINANCEIRO
CICLO ECONÔMICO
•O conceito do ciclo
econômico refere-se às
flutuações da atividade
econômica no curto
prazo.
CICLO ECONÔMICO
• O ciclo envolve uma
alternância de períodos de
crescimento relativamente
rápido do produto, com
períodos de relativa
estagnação ou declínio.
ENTENDENDO A POLÍTICA MONETÁRIA
DO BRASIL
• Dentro da conjuntura econômica
brasileira, a política monetária
representa um papel de
fundamental importância para o
desenvolvimento da estrutura
financeira do país.
ENTENDENDO A POLÍTICA MONETÁRIA
DO BRASIL
• Mesmo possuindo uma alta parcela
de representatividade no dia-a-dia
dos brasileiros no âmbito de suas
finanças pessoais, muitas pessoas
ainda não sabem, de fato, do que se
trata a política monetária.
O QUE É A POLÍTICA MONETÁRIA ?
• A política monetária nada mais é
do que um conjunto de medidas
que determinado governo adota
e que visa o controle da oferta da
sua moeda (leia-se dinheiro) na
economia, ou seja, a sua liquidez.
O QUE É A POLÍTICA MONETÁRIA ?
• Dessa maneira, esse tipo de política
praticada pelo Estado tem o poder
de impactar diretamente a inflação e
a taxa de juros de um país. E assim,
impactar diretamente a economia.
O QUE É A POLÍTICA MONETÁRIA ?
• Durante a história moderna, os
países sempre se utilizaram da
política monetária para gerir a
economia. Ela é, inclusive,
importante para conter e
superar crises.
O QUE É A POLÍTICA MONETÁRIA ?
•No entanto, pode-se
afirmar até que, se
utilizada incorretamente, a
política monetária pode
causa crises.
O QUE É A POLÍTICA MONETÁRIA ?
• No Brasil, por exemplo,
algumas crises foram
atribuídas à más
administrações no que diz
respeito à política monetária.
O QUE É A POLÍTICA MONETÁRIA ?
•Para gerir a economia de
um país, as autoridades se
utilizam de uma série de
instrumentos de política
monetária.
TIPOS DE POLÍTICAS MONETÁRIAS
•RESTRITIVAS
•EXPANSIONISTA
INSTRUMENTOS DA POLÍTICA
MONETÁRIA
• OPEN MARKET
• REDESCONTO
• DEPÓSITO COMPULSÓRIO
EFEITOS DA INFLAÇÃO
• Diminuição do poder de compra
• Redistribuição aleatória da
riqueza
• Aumento excessivo do câmbio
• Incerteza econômica
EXEMPLO REAL
• O Brasil com suas grandes oscilações e
volatilidade econômicas torna-se um
ambiente propício para a constatação do
uso de políticas monetárias. Tanto é, que
em um curto espaço de tempo, o país
oscilou entre políticas expansionistas e
contracionistas.
EXEMPLO REAL
• . Geralmente, em países mais
desenvolvidos, a oscilação entre
políticas se dá em espaços longos de
tempo, não sendo raro um país
desenvolvido passar mais de uma
década sem grandes alterações na
condução da política
macroeconômica.
EXEMPLO REAL
• O Brasil, entretanto, entre
anos de 2016 de 2018 variou
de uma política amplamente
contracionista para uma
expansionista.
EXEMPLO REAL
• O Brasil passou por uma grande
alta da inflação de 2014 até 2016,
devido a políticas estimulantes do
consumo que já não davam o
resultado esperado.
EXEMPLO REAL
• Como vimos, a inflação possui
efeitos nocivos sobre uma
economia, é uma forma de
contê-la é através de uma
política monetária
contracionista.
EXEMPLO REAL
• Pois bem, assim foi feito no
Brasil, e isto pode ser constatado
acompanhando a evolução da
taxa Selic, que saiu do patamar
de 7,25% para chegar no pico de
14,25% em julho de 2015.
EXEMPLO REAL
• Isto para conter a inflação, que
ainda chegaria ao pico de 10,70%,
um patamar considerado elevado.
A taxa Selic ainda foi mantida no
patamar de 14,25% até novembro
de 2016, quando a inflação deu
sinais de que reduziria.
TAXA SELIC
• A Taxa SELIC é conhecida como a
“ Taxa Básica de Juros ” no Brasil. O que
isso quer dizer? Quer dizer que todas as
outras taxas no mercado serão baseadas
nela.
TAXA SELIC
•A Taxa SELIC é uma média
anualizada das taxas
overnight de empréstimos
interbancários lastreados
com Títulos Públicos.
O QUE É OVERNIGHT?
• Overnight signfica “durante a noite”. No
entanto, no mercado financeiro esse
termo assume outro significado - as
operações financeiras feitas
rotineiramente pelos bancos no open
market para obter recursos para
financiar suas posições em títulos
públicos também são chamadas de
overnight.
O QUE É OPEN MARKET?
• O termo em inglês, Open Market
significa (de forma literal) “mercado
aberto”. O Open Market nada mais é, do
que um ambiente onde o Banco Central
de um determinado país, faz negócios
(com títulos públicos) com os bancos
comerciais do próprio país.
EXEMPLO REAL
• Pode-se dizer que esta política
teve sucesso, visto que a
inflação de 2017 ficou abaixo
dos 3%, um patamar muito
baixo se tratando de Brasil.
EXEMPLO REAL
• O controle da inflação no entanto, como
descrito no texto, foi obtido através de uma
redução significativa do PIB e uma elevação do
desemprego. A partir do final de 2016 o país
deu início a uma política expansionista, com a
Selic chegando até o menor patamar da
história do país em 2018.
O QUE AJUDA NO CRESCIMENTO
• Controle das contas públicas.
• Recuperação da credibilidade da política
econômica e controle inflacionário.
• Simplificação das regras tributárias.
• Integração nas cadeias globais de valor.
PERGUNTAS E RESPOSTAS
• QUAL É O OBJETIVO DA POLÍTICA
MONETÁRIA?
• O principal objetivo da política
monetária é manter a inflação sob
controle. Para isso, o governo baseia-
se em um regime de metas de
inflação.
PERGUNTAS E RESPOSTAS
• Para um determinado ano é
fixada uma meta para a inflação,
e o Banco Central deve utilizar
dos instrumentos de política
monetária para cumpri-la.
POLÍTICA MONETÁRIA É O MESMO
QUE POLÍTICA FISCAL
• Não. A política monetária, como
vimos, diz respeito ao controle sobre
a oferta de moeda. Já a política fiscal
diz respeito ao controle da receita e
dos gastos do governos.
POLÍTICA MONETÁRIA É O MESMO
QUE POLÍTICA FISCAL
• O governo, assim como os demais
agentes econômicos, possui obrigações e
fontes de renda. E é a partir destes dados
que se faz a política fiscal. O Governo
arrecada recursos através dos impostos,
e os gasta com serviços e pagamento de
funcionários.
POLÍTICA MONETÁRIA É O MESMO
QUE POLÍTICA FISCAL
• Obviamente, política monetária e
fiscal muitas vezes se cruzam, e é
necessário que estejam alinhadas
para o sucesso do planejamento
macroeconômico de um país.
QUAIS OS EFEITOS DE UMA
ALTERAÇÃO NA SELIC?
•Como vimos, uma Selic em
alta costuma ser um sinal
de uma política monetária
contracionista, e entre seus
efeitos podemos citar:
TAXA SELIC
•Redução da inflação -
Aumento do desemprego -
Redução dos investimentos
por empresas - Redução
do PIB
QUAIS OS EFEITOS DE UMA
ALTERAÇÃO NA SELIC?
•Já uma queda na Selic pode
ser associada a estes
fatores, sendo que no
sentindo inverso.
QUAIS OS EFEITOS DE UMA
ALTERAÇÃO NA SELIC?
• Portanto temos que uma redução
na taxa básica de juros tende a
causar: Aumento da inflação -
Aumento do emprego - Estímulo
a novos investimentos -
Crescimento do PIB
QUAIS OS EFEITOS DE UMA
ALTERAÇÃO NA SELIC?
• No ano de 2018, observou-se
uma forte redução da Selic no
Brasil. A taxa partiu de seu
pico em 14,25% para a mínima
histórica de 6,5%.
QUAIS OS EFEITOS DE UMA
ALTERAÇÃO NA SELIC?
• No entanto, não foram observados
os efeitos teóricos da redução dos
juros, tais como os citados acima.
Isto pode ser justificado pela grande
crise vivida pela economia brasileira
anos antes.
QUAIS OS EFEITOS DE UMA
ALTERAÇÃO NA SELIC?
• A recessão causou um grande abalo na
confiança da população e dos
investidores. Além disso, a situação de
grande déficit fiscal do país, em conjunto
com a ausência de medidas que visem
conter este déficit, também contribuíram
para conter uma retomada mais forte da
economia.
TAXA SELIC
• A Selic é definida a cada 45 dias
pelo Copom (Comitê de Política
Monetária), ligado ao Banco
Central, que se baseia em
inúmeros indicadores financeiros
do país para chegar a uma taxa..
• Nessas decisões, a Selic pode
tanto se manter estável, sem
alterações, quanto aumentar ou
diminuir em pontos percentuais
NÚMEROS DO ESTADÃO
21/07/2019
• O Estado de São Paulo, maior polo industrial
do País, registrou o fechamento de 2.325
indústrias de transformação e extrativas nos
primeiros cinco meses do ano. O número é o
mais alto para o período na última década e
12% maior que o do ano passado, segundo a
Junta Comercial.
NÚMEROS DO ESTADÃO
21/07/2019
• O dado indica que a fraca
recuperação da economia brasileira
após a recessão de 2014 a 2016
continua levando ao encolhimento
do setor produtivo, deixando um
rastro de fábricas desativadas e
desempregados.... -
CONCLUSÃO
• Como pode ser notado, a política
monetária exerce um impacto bem direto
na vida dos brasileiros e, por conta disso,
investidores que possuam uma maior
clareza dessa relação, certamente podem
apresentar melhores resultados em suas
aplicações ao longo do tempo.
CONCLUSÃO
• É importante, por isso, estar
ciente dos principais
instrumentos utilizados pela
monetária, bem como das
diferenças entre uma política
expansionista e contracionista.
ATIVIDADE 01
• TAXA SELIC
• INDICADORES FINANCEIROS:
IPCA e CDI
• QUAL A RELAÇÃO DO IPCA e
DO CDI COM A TAXA SELIC.
MERCADO FINANCEIRO
• MERCADO MONETÁRIO
• MERCADO DE CRÉDITO
• MERCADO DE CAPITAIS
• MERCADO DE CÂMBIO
01- MERCADO MONETÁRIO
• O mercado monetário envolve as
operações de curto e curtíssimo prazos,
proporcionando um controle ágil e rápido
da liquidez da economia e das taxas de
juros básicas pretendidas pela política
econômica das autoridades monetárias.
MERCADO MONETÁRIO
•Neste mercado, encontra-
se estruturado visando ao
controle da liquidez
monetária da economia.
MERCADO MONETÁRIO
• Os papeis são negociados nesses
mercado tendo como parâmetro
de referencia a taxa de juros, que
se constitui em sua mais
importante moeda de transação.
Como a taxa de juros influencia a
economia?
• As taxas de juros menores
estimulam o crédito e o consumo,
que, por sua vez, estimula a
economia. Assim, a Selic é uma
forma de o governo manejar a
inflação no país.
Como a taxa de juros influencia a
economia?
• Com a Selic alta há menos
crédito no mercado, menos
dinheiro circulando e a
procura por produtos e
serviços é menor.
Qual o impacto da taxa de juros na
economia brasileira?
• A alta da Selic é indicação de um cenário
de inflação em alta, já que o objetivo da
elevação da taxa é o desaquecer a
economia, usando canais como o crédito
mais caro para frear o consumo e a
produção, e maiores retornos para
incentivar investimentos.
Qual o impacto da taxa de juros na
economia brasileira?
•Assim, reduzindo a
pressão sobre a alta de
preços na economia.
Taxa de juros prefixados
• As taxas de juros prefixadas são
definidas previamente e permitem
que o consumidor conheça, na data
da contratação, o valor exato de
todas as parcelas a pagar, que
permanecem fixas por todo o
contrato. Simples assim!
Taxas pós fixadas
• As taxas pós-fixadas, por sua vez, não
asseguram um valor fixo mensal da
parcela, pois elas estão vinculadas
aos índices de inflação e juros de
curto prazo. Ou seja, ela pode
aumentar ou diminuir de acordo com
as oscilações econômicas do país.
MERCADO MONETÁRIO
• Os papeis que lastreiam as
operações do mercado
monetário caracterizam-se
pelos reduzidos prazos de
resgate e alta liquidez.
Quais são os perfis dos investidores?
• Conservador. É aquele que tem forte
repulsa ao risco e prefere aplicações
seguras. ...
• Moderado. É um meio termo entre
os extremos. ...
Quais são os perfis dos investidores?
• Agressivo. A pessoa de perfil
agressivo ou arrojado está em
busca de rendimentos maiores
e disposta a correr riscos para
que isso aconteça.
TÍTULOS PÚBLICOS
• São negociados, principalmente,
os papeis emitidos pelo Banco
Central do Brasil voltados à
execução da política monetária
do Governo Federal (ex.: BBC –
bônus do Banco Central)
TÍTULOS PÚBLICOS
• E pelo Tesouro Nacional
emitidos com o objetivo de
financiar o orçamento público
(ex.: NTN – Notas do Tesouro
Nacional; LTN – Letras
do Tesouro Nacional).
COMO FUNCIONA
• Quando o Banco Central faz a venda de títulos
públicos para instituições financeiras
• Quando o Banco Central faz a compra de
títulos públicos que eram de instituições
financeiras
• Quando as instituições financeiras fazem
compra e venda entre si dos títulos do Tesouro
TÍTULOS PRIVADOS
• Esses papéis são emitidos por
instituições financeiras ou
empresas e servem para
captação de dinheiro para ter
reservas. Exemplos: RDB
Recibo de Depósito Bancário
TÍTULOS PRIVADOS
• Exemplos:
• CDB (Certificado de Depósito
Bancário)
• CDI (Certificado de Depósito
Interbancário)
• e Debêntures
02- MERCADO DE CRÉDITO
• O mercado de crédito engloba
as operações de financiamento
de curto e médio prazos,
direcionadas aos ativos
permanentes e capital de giro
das empresas.
MERCADO DE CRÉDITO
•Esse mercado é
constituído,
basicamente, pelos
Bancos Comerciais e
Sociedades Financeiras.
MERCADO DE CRÉDITO
Este mercado visa fundamental-
mente suprir as necessidades de
caixa de curto e médio prazos dos
vários agentes econômicos, seja por
meio da concessão de créditos às
pessoas físicas, seja por
empréstimos e financiamentos às
empresas.
PARTICIPANTES
• Poupadores: indivíduos que
guardam recursos para se
resguardarem de imprevistos e
formarem patrimônio;
• Tomadores: empresas e governos
com projetos que trazem
produtividade e desenvolvimento.
PREÇO DO DINHEIRO
• Crédito direcionado: operações do
BNDES, crédito rural e financiamento
imobiliário;
• Crédito livre: cheque especial,
crédito consignado, crédito pessoal,
rotativo de cartão de crédito, capital
de giro (empresas), entre outros.
PREÇO DO DINHEIRO
• Informações limitadas sobre o
tomador: impacta na avaliação
de risco do cliente;
• Custos regulatórios: conjunto de
normas que os agentes
financeiros precisam atender;
PREÇO DO DINHEIRO
•Crédito direcionado: sendo
obrigatório, gera
ineficiência na economia;
Crédito Livre
• O crédito livre é aquele em
que os bancos têm autonomia
para emprestar o dinheiro
captado no mercado e definir
as taxas de juros cobradas dos
clientes.
O crédito direcionado
• Já o crédito direcionado tem
regras definidas pelo governo,
e é destinado, basicamente,
aos setores habitacional, rural,
de infraestrutura e ao
microcrédito
PREÇO DO DINHEIRO
• Insegurança na execução de
garantias: o poder judiciário é
pouco previsível nas suas
decisões, dificultando as chances
de um contrato bancário ser
honrado pelo cliente;
PREÇO DO DINHEIRO
• Intervenção governamental: o
uso dos bancos públicos para
operações de crédito mais
baratas aumenta a necessidade
de financiamento por parte do
governo.
VALOR DA PREVISÃO
• A nova regra, acrescentou a autoridade
monetária, prevê ainda que as
instituições financeiras também devem
informar ao Conselho de Controle de
Atividades Financeiras (Coaf) as
comunicações prévias aos saques e as
transações em espécie de valor igual a
superior a R$50 mil.
MERCADO DE CAPITAIS
• O mercado de capitais
contempla as operações
financeiras de médio e longo
prazos, e de prazo
indeterminado, como as
operações com ações.
MERCADO DE CAPITAIS
• É o grande municiador de recursos
permanentes para a economia, em
virtude da ligação que efetua entre os
que tem capacidade de poupança, ou
seja, os investidores, e aqueles carentes
de recursos de longo prazo, ou seja que
apresentam déficits de investimento.
MERCADO DE CAPITAIS
• Mercado de capitais é um
sistema de distribuição de valores
mobiliários que proporciona
liquidez aos títulos de emissão de
empresas e viabiliza o processo
de capitalização.
MERCADO DE CAPITAIS
•É constituído pelas bolsas
de valores, sociedades
corretoras e outras
instituições financeiras
autorizadas.
Qual é a função do mercado de
capitais?
• O Mercado de Capitais funciona
por meio da negociação dos
títulos mobiliários emitidos pelas
empresas, sem que a
intermediação ocorra por uma
instituição financeira.
O que se estuda em mercado de
capitais?
• Mercado de capitais é constituído de um
conjunto de instrumentos, instituições e
agentes econômicos cuja missão é mobilizar
recursos de poupança financeira de pessoas
físicas, empresas e outras unidades
econômicas que tem excedentes financeiros e
promover sua alocação eficiente para
financiar a produção,
Comissão de Valores Mobiliários
(CVM)
• O mercado de capitais brasileiro é
monitorado e regulado pela
Comissão de Valores Mobiliários
(CVM), responsável por definir as
regras que empresas, investidores e
instituições financeiras devem seguir
ao negociar valores mobiliários.
Veja os primeiros passos para investir
no mercado de capitais
• Planejamento financeiro. Antes de
começar, faça um diagnóstico
financeiro das suas contas e receitas
para compreender o quanto você
pode investir e por quanto tempo
pode manter as aplicações. ...
• Reserva de emergência. ...
• Perfil de investidor.
Fique por dentro dos 3 importantes
tipos de mercado!
• Mercado Consumidor. Este mercado
representa o conjunto de consumidores
(homens, mulheres, adultos, crianças,
empresas públicas ou privadas) que
comprarão suas mercadorias ou utilizarão os
serviços prestados pelo seu negócio. ...
• Mercado Fornecedor. ...
• Mercado Concorrente.
Por que as empresas procuram os
mercados de capitais?
• O mercado de capitais serve para alguns
propósitos. Um deles, é permitir que as
empresas obtenham recursos para
financiar seus projetos de investimento.
Outro, seria possibilitar que os acionistas
que não desejem ser mais sócios possam
vender suas participações a outros que
desejam ser sócios.
MERCADO DE CAPITAIS
• Os principais instrumentos de financiamento
existentes no mercado de capitais brasileiro
são:
• • Ações;
• • Debêntures;
• • Notas promissórias
(commercial papers)
O que é commercial paper?
• É um título de dívida com um
prazo curto, ou seja, uma nota
promissória sem garantia.
Assim, ele tem sua emissão
feita por sociedades anônimas
abertas ou fechadas.
O que é commercial paper?
•Uma promissória ou uma
nota promissória, por sua
vez, é uma promessa de
pagamento de dívida.
Quem não pode emitir commercial
papers?
• As instituições financeiras, as
sociedades corretoras e
distribuidoras de valores mobiliários
e sociedades de arrendamento
mercantil (empresas de leasing), não
podem emitir esses títulos.
São negociáveis?
•Os commercial papers
costumam ser negociados
com descontos, sendo seu
valor de face pago por
ocasião do resgate.
Divisões do Mercado de Capitais
• Ações (ordinárias e preferenciais)
• Debêntures (emitidos por
sociedades anônimas)
• Commercial Papers (título
privado de curto prazo)
Divisões do Mercado de Capitais
• Opções sobre ações (direito de
compra e venda de ações)
• Mercado futuro (contratos e
mini contratos)
• Mercado de renda fixa.
MERCADO DE CÂMBIO
• O mercado cambial é o segmento
financeiro em que ocorrem
operações de compras e vendas de
moedas internacionais conversíveis,
ou seja, em que se verificam
conversões de moeda nacional em
estrangeiras e vice-versa
MOEDAS CONVERSÍVEIS
• As moedas conversíveis são as
moedas que não recebem
restrições no mercado de câmbio
internacional, são livremente
aceitas por outros países e
denominadas de moeda forte.
MOEDAS INCONVERSÍVEIS
• Já as moedas inconversíveis
são aquelas que geralmente
não são aceitas no mercado
de câmbio.
O REAL ?
•O Real, por exemplo, é uma
moeda inconversível OU
INCONVERSÍVEL?
MERCADO DE CÂMBIO
• O Banco Central, de forma mais
específica, atua nesse mercado
cambial visando principalmente ao
controle das reservas cambiais da
economia e manter o valor da
moeda nacional em relação a outras
moedas internacionais.
PRINCIPAIS MOEDAS CONVERSÍVEIS
• Dólar Americano
• Euro
• Coroa dinamarquesa
• Coroa norueguesa
• Coroa sueca
PRINCIPAIS MOEDAS CONVERSÍVEIS
• Dólar canadense
• Dólar australiano
• Franco suíço
• Iene japonês
• Libra esterlina
E O REAL?
•O Real brasileiro não é
uma das moedas
conversíveis.
E O REAL?
• Ainda que o Brasil seja considerado
um país moderno, com mercado
financeiro e sistema bancário bem
estabelecidos, a percepção
internacional é de que temos pouca
estabilidade jurisdicional e de que o
Real é uma moeda ainda nova
E O REAL?
• Mesmo que ainda não seja
uma moeda conversível, o Real
já pode ser utilizado para
alguns pagamentos
internacionais sem a
necessidade do câmbio.
E O REAL?
• O Sistema de Pagamentos em
Moedas Locais (SML), um sistema de
pagamentos, normatizado pelo
Banco Central do Brasil, que permite
realizar pagamentos em moedas
locais, com a Argentina, o Uruguai e
o Paraguai.
• Em negociações envolvendo empresas ou
cidadãos destes quatros países, tanto pessoas
jurídicas, quanto pessoas físicas podem
realizar pagamentos na moeda local, desde
que atenda a legislação vigente com suas
permissões e restrições.
MERCADO DE CÂMBIO
• As operações cambiais processam-se
basicamente por meio de operadores de
câmbio (corretores), que são especialistas
vinculados às instituições financeiras na
função de transacionar divisas, e as corretoras
de câmbio, que atuam como intermediários
entre os operadores e os agentes econômicos
interessados em comprar ou vender moedas
MERCADO DE CÂMBIO
• É importante destacar que no Brasil,
as operações de compra e venda de
moedas estrangeiras somente
podem ser realizadas por meio das
autoridades monetárias,
constituindo um monopólio do
governo.
INSTITUIÇÕES QUE OPERAM
• Podem ser autorizados pelo BACEN a operar
no mercado de câmbio: bancos comerciais,
bancos múltiplos, bancos de investimento,
bancos de desenvolvimento, caixas
econômicas, sociedades de crédito,
financiamento e investimento, sociedades
corretoras de câmbio ou de títulos e valores
mobiliários, sociedades distribuidoras ..
A INFLUÊNCIA DA TAXA DE JUROS
• Quando a taxa Selic está muito alta, o
valor do dólar tende a diminuir no país.
Isso ocorre porque investidores
estrangeiros fazem investimentos no
Brasil atrelados aos juros. Com a maior
quantidade da moeda norte-americana
na economia, a oferta também aumenta.
QUE TIPO DE MERCADO?
• mercado em que são negociadas as
trocas de moedas estrangeiras por
moeda nacional, participando desse
mercado todos os agentes econômicos
que realizam transações com o exterior,
ou seja, têm recebimentos ou
pagamentos a realizar em moeda
estrangeira.
QUE TIPO DE MERCADO?
• segmento do mercado financeiro em que são
criadas as condições para que as empresas
captem recursos diretamente dos
investidores, através da emissão de
instrumentos financeiros (ações, debêntures,
bônus de subscrição, etc), com o objetivo
principal de financiar suas atividades ou
viabilizar projetos de investimentos.
QUE TIPO DE MERCADO?
• mercado utilizado basicamente
para controle da liquidez da
economia, no qual o Banco
Central intervém para condução
da Política Monetária.
QUE TIPO DE MERCADO?
• mercado para realização, registro e
negociação de determinados instrumentos
financeiros, basicamente divididos em quatro
produtos, como: mercado a termo, mercado
futuro, opções e swaps, com a finalidade de
proteção, elevação de rentabilidade
(alavancagem), especulação e arbitragem.
• .
QUE TIPO DE MERCADO?
• segmento do mercado financeiro em que
as instituições financeiras captam
recursos dos agentes superavitários e os
emprestam às famílias ou empresas,
sendo remuneradas pela diferença entre
seu custo de captação e o que cobram
dos tomadores
QUE TIPO DE MERCADO?
o ambiente onde ocorre a compra e
venda de valores mobiliários (ações,
opções e títulos), do câmbio de
moedas estrangeiras e de
mercadorias como minérios e
produtos agrícolas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão FinanceiraIntrodução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão Financeira
Eliseu Fortolan
 
Introdução ao Mercado de Capitais
Introdução ao Mercado de CapitaisIntrodução ao Mercado de Capitais
Introdução ao Mercado de Capitais
Milton Henrique do Couto Neto
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
alunocontabil
 
Aula 1 introdução a adm financeira
Aula 1   introdução a adm financeiraAula 1   introdução a adm financeira
Aula 1 introdução a adm financeira
sscutrim
 
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas EmpresasA Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Rafael Gonçalves
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
Cadernos PPT
 
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
Milton Henrique do Couto Neto
 
Aula 8 - Fluxo de caixa
Aula 8 - Fluxo de caixaAula 8 - Fluxo de caixa
Aula 8 - Fluxo de caixa
Professor Cristiano Barreto
 
Aula 8 - Fluxo de caixa.pptx
Aula 8 - Fluxo de caixa.pptxAula 8 - Fluxo de caixa.pptx
Aula 8 - Fluxo de caixa.pptx
Professor Cristiano Barreto
 
Capital de giro exercicios
Capital de giro exerciciosCapital de giro exercicios
Capital de giro exercicios
admcontabil
 
Fluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e práticaFluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e prática
Elmano Cavalcanti
 
Contabilidade conceitos básicos
Contabilidade   conceitos básicosContabilidade   conceitos básicos
Contabilidade conceitos básicos
Celso Frederico Lago
 
Conhecimentos Bancários - aulas 1 a 8
Conhecimentos Bancários - aulas 1 a 8Conhecimentos Bancários - aulas 1 a 8
Conhecimentos Bancários - aulas 1 a 8
Wandick Rocha de Aquino
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
Erlandia Pimentel
 
Adm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostasAdm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostas
Leandro Trelesse Vieira
 
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2) SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
Kelly Ariane Buás Bráz
 
Contabilidade Basica
Contabilidade BasicaContabilidade Basica
Contabilidade Basica
Cristiano Rodrigues Barcellos
 
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1   Fundamentos da gestao do capital de giroCap 1   Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
FEARP/USP
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
Grupo Suprema
 

Mais procurados (20)

Introdução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão FinanceiraIntrodução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão Financeira
 
Introdução ao Mercado de Capitais
Introdução ao Mercado de CapitaisIntrodução ao Mercado de Capitais
Introdução ao Mercado de Capitais
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
 
Aula 1 introdução a adm financeira
Aula 1   introdução a adm financeiraAula 1   introdução a adm financeira
Aula 1 introdução a adm financeira
 
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas EmpresasA Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
 
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
 
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
 
Aula 8 - Fluxo de caixa
Aula 8 - Fluxo de caixaAula 8 - Fluxo de caixa
Aula 8 - Fluxo de caixa
 
Aula 8 - Fluxo de caixa.pptx
Aula 8 - Fluxo de caixa.pptxAula 8 - Fluxo de caixa.pptx
Aula 8 - Fluxo de caixa.pptx
 
Capital de giro exercicios
Capital de giro exerciciosCapital de giro exercicios
Capital de giro exercicios
 
Fluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e práticaFluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e prática
 
Contabilidade conceitos básicos
Contabilidade   conceitos básicosContabilidade   conceitos básicos
Contabilidade conceitos básicos
 
Conhecimentos Bancários - aulas 1 a 8
Conhecimentos Bancários - aulas 1 a 8Conhecimentos Bancários - aulas 1 a 8
Conhecimentos Bancários - aulas 1 a 8
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
 
Adm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostasAdm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostas
 
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2) SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
 
Contabilidade Basica
Contabilidade BasicaContabilidade Basica
Contabilidade Basica
 
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1   Fundamentos da gestao do capital de giroCap 1   Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
 

Semelhante a INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO 2.pptx

Aula 04.pptx
Aula 04.pptxAula 04.pptx
Aula 04.pptx
JosBorges56
 
Políticas eco
Políticas ecoPolíticas eco
Políticas eco
simuladocontabil
 
Ufabc 29.09.2015 vf
Ufabc 29.09.2015 vfUfabc 29.09.2015 vf
Ufabc 29.09.2015 vf
Renan Viana
 
Macroeconomia -aula 1
Macroeconomia -aula  1Macroeconomia -aula  1
Macroeconomia -aula 1
Na Silva
 
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
José Mota
 
Política fiscal e monetária
Política fiscal e monetáriaPolítica fiscal e monetária
Política fiscal e monetária
Eva Eugenio Santana
 
Apresentação politica monetária
Apresentação politica monetáriaApresentação politica monetária
Apresentação politica monetária
Ivanildo Moreira
 
Dívida pública acumulação de capital e desenvolvimento
Dívida pública acumulação de capital e desenvolvimentoDívida pública acumulação de capital e desenvolvimento
Dívida pública acumulação de capital e desenvolvimento
paulo rubem santiago
 
Materialeconomia2
Materialeconomia2Materialeconomia2
Materialeconomia2
Thiago Luis Colozio Casácio
 
Aula 03.pptx
Aula 03.pptxAula 03.pptx
Aula 03.pptx
JosBorges56
 
Microsoft Power Point Expectativas Racionais E InflaçãO
Microsoft Power Point   Expectativas Racionais E InflaçãOMicrosoft Power Point   Expectativas Racionais E InflaçãO
Microsoft Power Point Expectativas Racionais E InflaçãO
joseguilhermevieira
 
Ch25 4e t
Ch25 4e tCh25 4e t
Ch25 4e t
cideni
 
Plitica monetaria
Plitica monetariaPlitica monetaria
Plitica monetaria
Pedro Francis
 
Transparências - ECONOMIA Micro e Macro - Parte II.ppt
Transparências - ECONOMIA Micro e Macro - Parte II.pptTransparências - ECONOMIA Micro e Macro - Parte II.ppt
Transparências - ECONOMIA Micro e Macro - Parte II.ppt
SibeleLeandraPennaSi
 
ECONOMIA MICROeconomia E MACROeconomia.ppt
ECONOMIA MICROeconomia E MACROeconomia.pptECONOMIA MICROeconomia E MACROeconomia.ppt
ECONOMIA MICROeconomia E MACROeconomia.ppt
MairaLuizaSpanholi
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
joaocostasantacasa
 
Apresentacao maria luciafattorelli-outubro2015
Apresentacao maria luciafattorelli-outubro2015Apresentacao maria luciafattorelli-outubro2015
Apresentacao maria luciafattorelli-outubro2015
Daniel Reis Duarte Pousa
 
Conjuntura econômica
Conjuntura econômicaConjuntura econômica
Conjuntura econômica
Guilherme de Oliveira
 
Política fiscal e monetária
Política fiscal e monetáriaPolítica fiscal e monetária
Política fiscal e monetária
UsuarioManeiro
 
Apresentação inflação
Apresentação inflaçãoApresentação inflação
Apresentação inflação
Ivanildo Moreira
 

Semelhante a INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO 2.pptx (20)

Aula 04.pptx
Aula 04.pptxAula 04.pptx
Aula 04.pptx
 
Políticas eco
Políticas ecoPolíticas eco
Políticas eco
 
Ufabc 29.09.2015 vf
Ufabc 29.09.2015 vfUfabc 29.09.2015 vf
Ufabc 29.09.2015 vf
 
Macroeconomia -aula 1
Macroeconomia -aula  1Macroeconomia -aula  1
Macroeconomia -aula 1
 
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
 
Política fiscal e monetária
Política fiscal e monetáriaPolítica fiscal e monetária
Política fiscal e monetária
 
Apresentação politica monetária
Apresentação politica monetáriaApresentação politica monetária
Apresentação politica monetária
 
Dívida pública acumulação de capital e desenvolvimento
Dívida pública acumulação de capital e desenvolvimentoDívida pública acumulação de capital e desenvolvimento
Dívida pública acumulação de capital e desenvolvimento
 
Materialeconomia2
Materialeconomia2Materialeconomia2
Materialeconomia2
 
Aula 03.pptx
Aula 03.pptxAula 03.pptx
Aula 03.pptx
 
Microsoft Power Point Expectativas Racionais E InflaçãO
Microsoft Power Point   Expectativas Racionais E InflaçãOMicrosoft Power Point   Expectativas Racionais E InflaçãO
Microsoft Power Point Expectativas Racionais E InflaçãO
 
Ch25 4e t
Ch25 4e tCh25 4e t
Ch25 4e t
 
Plitica monetaria
Plitica monetariaPlitica monetaria
Plitica monetaria
 
Transparências - ECONOMIA Micro e Macro - Parte II.ppt
Transparências - ECONOMIA Micro e Macro - Parte II.pptTransparências - ECONOMIA Micro e Macro - Parte II.ppt
Transparências - ECONOMIA Micro e Macro - Parte II.ppt
 
ECONOMIA MICROeconomia E MACROeconomia.ppt
ECONOMIA MICROeconomia E MACROeconomia.pptECONOMIA MICROeconomia E MACROeconomia.ppt
ECONOMIA MICROeconomia E MACROeconomia.ppt
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Apresentacao maria luciafattorelli-outubro2015
Apresentacao maria luciafattorelli-outubro2015Apresentacao maria luciafattorelli-outubro2015
Apresentacao maria luciafattorelli-outubro2015
 
Conjuntura econômica
Conjuntura econômicaConjuntura econômica
Conjuntura econômica
 
Política fiscal e monetária
Política fiscal e monetáriaPolítica fiscal e monetária
Política fiscal e monetária
 
Apresentação inflação
Apresentação inflaçãoApresentação inflação
Apresentação inflação
 

INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO 2.pptx

  • 3. CICLO ECONÔMICO •O conceito do ciclo econômico refere-se às flutuações da atividade econômica no curto prazo.
  • 4. CICLO ECONÔMICO • O ciclo envolve uma alternância de períodos de crescimento relativamente rápido do produto, com períodos de relativa estagnação ou declínio.
  • 5. ENTENDENDO A POLÍTICA MONETÁRIA DO BRASIL • Dentro da conjuntura econômica brasileira, a política monetária representa um papel de fundamental importância para o desenvolvimento da estrutura financeira do país.
  • 6. ENTENDENDO A POLÍTICA MONETÁRIA DO BRASIL • Mesmo possuindo uma alta parcela de representatividade no dia-a-dia dos brasileiros no âmbito de suas finanças pessoais, muitas pessoas ainda não sabem, de fato, do que se trata a política monetária.
  • 7. O QUE É A POLÍTICA MONETÁRIA ? • A política monetária nada mais é do que um conjunto de medidas que determinado governo adota e que visa o controle da oferta da sua moeda (leia-se dinheiro) na economia, ou seja, a sua liquidez.
  • 8. O QUE É A POLÍTICA MONETÁRIA ? • Dessa maneira, esse tipo de política praticada pelo Estado tem o poder de impactar diretamente a inflação e a taxa de juros de um país. E assim, impactar diretamente a economia.
  • 9. O QUE É A POLÍTICA MONETÁRIA ? • Durante a história moderna, os países sempre se utilizaram da política monetária para gerir a economia. Ela é, inclusive, importante para conter e superar crises.
  • 10. O QUE É A POLÍTICA MONETÁRIA ? •No entanto, pode-se afirmar até que, se utilizada incorretamente, a política monetária pode causa crises.
  • 11. O QUE É A POLÍTICA MONETÁRIA ? • No Brasil, por exemplo, algumas crises foram atribuídas à más administrações no que diz respeito à política monetária.
  • 12. O QUE É A POLÍTICA MONETÁRIA ? •Para gerir a economia de um país, as autoridades se utilizam de uma série de instrumentos de política monetária.
  • 13. TIPOS DE POLÍTICAS MONETÁRIAS •RESTRITIVAS •EXPANSIONISTA
  • 14. INSTRUMENTOS DA POLÍTICA MONETÁRIA • OPEN MARKET • REDESCONTO • DEPÓSITO COMPULSÓRIO
  • 15. EFEITOS DA INFLAÇÃO • Diminuição do poder de compra • Redistribuição aleatória da riqueza • Aumento excessivo do câmbio • Incerteza econômica
  • 16. EXEMPLO REAL • O Brasil com suas grandes oscilações e volatilidade econômicas torna-se um ambiente propício para a constatação do uso de políticas monetárias. Tanto é, que em um curto espaço de tempo, o país oscilou entre políticas expansionistas e contracionistas.
  • 17. EXEMPLO REAL • . Geralmente, em países mais desenvolvidos, a oscilação entre políticas se dá em espaços longos de tempo, não sendo raro um país desenvolvido passar mais de uma década sem grandes alterações na condução da política macroeconômica.
  • 18. EXEMPLO REAL • O Brasil, entretanto, entre anos de 2016 de 2018 variou de uma política amplamente contracionista para uma expansionista.
  • 19. EXEMPLO REAL • O Brasil passou por uma grande alta da inflação de 2014 até 2016, devido a políticas estimulantes do consumo que já não davam o resultado esperado.
  • 20. EXEMPLO REAL • Como vimos, a inflação possui efeitos nocivos sobre uma economia, é uma forma de contê-la é através de uma política monetária contracionista.
  • 21. EXEMPLO REAL • Pois bem, assim foi feito no Brasil, e isto pode ser constatado acompanhando a evolução da taxa Selic, que saiu do patamar de 7,25% para chegar no pico de 14,25% em julho de 2015.
  • 22. EXEMPLO REAL • Isto para conter a inflação, que ainda chegaria ao pico de 10,70%, um patamar considerado elevado. A taxa Selic ainda foi mantida no patamar de 14,25% até novembro de 2016, quando a inflação deu sinais de que reduziria.
  • 23. TAXA SELIC • A Taxa SELIC é conhecida como a “ Taxa Básica de Juros ” no Brasil. O que isso quer dizer? Quer dizer que todas as outras taxas no mercado serão baseadas nela.
  • 24. TAXA SELIC •A Taxa SELIC é uma média anualizada das taxas overnight de empréstimos interbancários lastreados com Títulos Públicos.
  • 25. O QUE É OVERNIGHT? • Overnight signfica “durante a noite”. No entanto, no mercado financeiro esse termo assume outro significado - as operações financeiras feitas rotineiramente pelos bancos no open market para obter recursos para financiar suas posições em títulos públicos também são chamadas de overnight.
  • 26. O QUE É OPEN MARKET? • O termo em inglês, Open Market significa (de forma literal) “mercado aberto”. O Open Market nada mais é, do que um ambiente onde o Banco Central de um determinado país, faz negócios (com títulos públicos) com os bancos comerciais do próprio país.
  • 27. EXEMPLO REAL • Pode-se dizer que esta política teve sucesso, visto que a inflação de 2017 ficou abaixo dos 3%, um patamar muito baixo se tratando de Brasil.
  • 28. EXEMPLO REAL • O controle da inflação no entanto, como descrito no texto, foi obtido através de uma redução significativa do PIB e uma elevação do desemprego. A partir do final de 2016 o país deu início a uma política expansionista, com a Selic chegando até o menor patamar da história do país em 2018.
  • 29. O QUE AJUDA NO CRESCIMENTO • Controle das contas públicas. • Recuperação da credibilidade da política econômica e controle inflacionário. • Simplificação das regras tributárias. • Integração nas cadeias globais de valor.
  • 30. PERGUNTAS E RESPOSTAS • QUAL É O OBJETIVO DA POLÍTICA MONETÁRIA? • O principal objetivo da política monetária é manter a inflação sob controle. Para isso, o governo baseia- se em um regime de metas de inflação.
  • 31. PERGUNTAS E RESPOSTAS • Para um determinado ano é fixada uma meta para a inflação, e o Banco Central deve utilizar dos instrumentos de política monetária para cumpri-la.
  • 32. POLÍTICA MONETÁRIA É O MESMO QUE POLÍTICA FISCAL • Não. A política monetária, como vimos, diz respeito ao controle sobre a oferta de moeda. Já a política fiscal diz respeito ao controle da receita e dos gastos do governos.
  • 33. POLÍTICA MONETÁRIA É O MESMO QUE POLÍTICA FISCAL • O governo, assim como os demais agentes econômicos, possui obrigações e fontes de renda. E é a partir destes dados que se faz a política fiscal. O Governo arrecada recursos através dos impostos, e os gasta com serviços e pagamento de funcionários.
  • 34. POLÍTICA MONETÁRIA É O MESMO QUE POLÍTICA FISCAL • Obviamente, política monetária e fiscal muitas vezes se cruzam, e é necessário que estejam alinhadas para o sucesso do planejamento macroeconômico de um país.
  • 35. QUAIS OS EFEITOS DE UMA ALTERAÇÃO NA SELIC? •Como vimos, uma Selic em alta costuma ser um sinal de uma política monetária contracionista, e entre seus efeitos podemos citar:
  • 36. TAXA SELIC •Redução da inflação - Aumento do desemprego - Redução dos investimentos por empresas - Redução do PIB
  • 37. QUAIS OS EFEITOS DE UMA ALTERAÇÃO NA SELIC? •Já uma queda na Selic pode ser associada a estes fatores, sendo que no sentindo inverso.
  • 38. QUAIS OS EFEITOS DE UMA ALTERAÇÃO NA SELIC? • Portanto temos que uma redução na taxa básica de juros tende a causar: Aumento da inflação - Aumento do emprego - Estímulo a novos investimentos - Crescimento do PIB
  • 39. QUAIS OS EFEITOS DE UMA ALTERAÇÃO NA SELIC? • No ano de 2018, observou-se uma forte redução da Selic no Brasil. A taxa partiu de seu pico em 14,25% para a mínima histórica de 6,5%.
  • 40. QUAIS OS EFEITOS DE UMA ALTERAÇÃO NA SELIC? • No entanto, não foram observados os efeitos teóricos da redução dos juros, tais como os citados acima. Isto pode ser justificado pela grande crise vivida pela economia brasileira anos antes.
  • 41. QUAIS OS EFEITOS DE UMA ALTERAÇÃO NA SELIC? • A recessão causou um grande abalo na confiança da população e dos investidores. Além disso, a situação de grande déficit fiscal do país, em conjunto com a ausência de medidas que visem conter este déficit, também contribuíram para conter uma retomada mais forte da economia.
  • 42. TAXA SELIC • A Selic é definida a cada 45 dias pelo Copom (Comitê de Política Monetária), ligado ao Banco Central, que se baseia em inúmeros indicadores financeiros do país para chegar a uma taxa..
  • 43. • Nessas decisões, a Selic pode tanto se manter estável, sem alterações, quanto aumentar ou diminuir em pontos percentuais
  • 44. NÚMEROS DO ESTADÃO 21/07/2019 • O Estado de São Paulo, maior polo industrial do País, registrou o fechamento de 2.325 indústrias de transformação e extrativas nos primeiros cinco meses do ano. O número é o mais alto para o período na última década e 12% maior que o do ano passado, segundo a Junta Comercial.
  • 45. NÚMEROS DO ESTADÃO 21/07/2019 • O dado indica que a fraca recuperação da economia brasileira após a recessão de 2014 a 2016 continua levando ao encolhimento do setor produtivo, deixando um rastro de fábricas desativadas e desempregados.... -
  • 46. CONCLUSÃO • Como pode ser notado, a política monetária exerce um impacto bem direto na vida dos brasileiros e, por conta disso, investidores que possuam uma maior clareza dessa relação, certamente podem apresentar melhores resultados em suas aplicações ao longo do tempo.
  • 47. CONCLUSÃO • É importante, por isso, estar ciente dos principais instrumentos utilizados pela monetária, bem como das diferenças entre uma política expansionista e contracionista.
  • 48. ATIVIDADE 01 • TAXA SELIC • INDICADORES FINANCEIROS: IPCA e CDI • QUAL A RELAÇÃO DO IPCA e DO CDI COM A TAXA SELIC.
  • 49. MERCADO FINANCEIRO • MERCADO MONETÁRIO • MERCADO DE CRÉDITO • MERCADO DE CAPITAIS • MERCADO DE CÂMBIO
  • 50. 01- MERCADO MONETÁRIO • O mercado monetário envolve as operações de curto e curtíssimo prazos, proporcionando um controle ágil e rápido da liquidez da economia e das taxas de juros básicas pretendidas pela política econômica das autoridades monetárias.
  • 51. MERCADO MONETÁRIO •Neste mercado, encontra- se estruturado visando ao controle da liquidez monetária da economia.
  • 52. MERCADO MONETÁRIO • Os papeis são negociados nesses mercado tendo como parâmetro de referencia a taxa de juros, que se constitui em sua mais importante moeda de transação.
  • 53. Como a taxa de juros influencia a economia? • As taxas de juros menores estimulam o crédito e o consumo, que, por sua vez, estimula a economia. Assim, a Selic é uma forma de o governo manejar a inflação no país.
  • 54. Como a taxa de juros influencia a economia? • Com a Selic alta há menos crédito no mercado, menos dinheiro circulando e a procura por produtos e serviços é menor.
  • 55. Qual o impacto da taxa de juros na economia brasileira? • A alta da Selic é indicação de um cenário de inflação em alta, já que o objetivo da elevação da taxa é o desaquecer a economia, usando canais como o crédito mais caro para frear o consumo e a produção, e maiores retornos para incentivar investimentos.
  • 56. Qual o impacto da taxa de juros na economia brasileira? •Assim, reduzindo a pressão sobre a alta de preços na economia.
  • 57. Taxa de juros prefixados • As taxas de juros prefixadas são definidas previamente e permitem que o consumidor conheça, na data da contratação, o valor exato de todas as parcelas a pagar, que permanecem fixas por todo o contrato. Simples assim!
  • 58. Taxas pós fixadas • As taxas pós-fixadas, por sua vez, não asseguram um valor fixo mensal da parcela, pois elas estão vinculadas aos índices de inflação e juros de curto prazo. Ou seja, ela pode aumentar ou diminuir de acordo com as oscilações econômicas do país.
  • 59. MERCADO MONETÁRIO • Os papeis que lastreiam as operações do mercado monetário caracterizam-se pelos reduzidos prazos de resgate e alta liquidez.
  • 60. Quais são os perfis dos investidores? • Conservador. É aquele que tem forte repulsa ao risco e prefere aplicações seguras. ... • Moderado. É um meio termo entre os extremos. ...
  • 61. Quais são os perfis dos investidores? • Agressivo. A pessoa de perfil agressivo ou arrojado está em busca de rendimentos maiores e disposta a correr riscos para que isso aconteça.
  • 62. TÍTULOS PÚBLICOS • São negociados, principalmente, os papeis emitidos pelo Banco Central do Brasil voltados à execução da política monetária do Governo Federal (ex.: BBC – bônus do Banco Central)
  • 63. TÍTULOS PÚBLICOS • E pelo Tesouro Nacional emitidos com o objetivo de financiar o orçamento público (ex.: NTN – Notas do Tesouro Nacional; LTN – Letras do Tesouro Nacional).
  • 64. COMO FUNCIONA • Quando o Banco Central faz a venda de títulos públicos para instituições financeiras • Quando o Banco Central faz a compra de títulos públicos que eram de instituições financeiras • Quando as instituições financeiras fazem compra e venda entre si dos títulos do Tesouro
  • 65. TÍTULOS PRIVADOS • Esses papéis são emitidos por instituições financeiras ou empresas e servem para captação de dinheiro para ter reservas. Exemplos: RDB Recibo de Depósito Bancário
  • 66. TÍTULOS PRIVADOS • Exemplos: • CDB (Certificado de Depósito Bancário) • CDI (Certificado de Depósito Interbancário) • e Debêntures
  • 67. 02- MERCADO DE CRÉDITO • O mercado de crédito engloba as operações de financiamento de curto e médio prazos, direcionadas aos ativos permanentes e capital de giro das empresas.
  • 68. MERCADO DE CRÉDITO •Esse mercado é constituído, basicamente, pelos Bancos Comerciais e Sociedades Financeiras.
  • 69. MERCADO DE CRÉDITO Este mercado visa fundamental- mente suprir as necessidades de caixa de curto e médio prazos dos vários agentes econômicos, seja por meio da concessão de créditos às pessoas físicas, seja por empréstimos e financiamentos às empresas.
  • 70. PARTICIPANTES • Poupadores: indivíduos que guardam recursos para se resguardarem de imprevistos e formarem patrimônio; • Tomadores: empresas e governos com projetos que trazem produtividade e desenvolvimento.
  • 71. PREÇO DO DINHEIRO • Crédito direcionado: operações do BNDES, crédito rural e financiamento imobiliário; • Crédito livre: cheque especial, crédito consignado, crédito pessoal, rotativo de cartão de crédito, capital de giro (empresas), entre outros.
  • 72. PREÇO DO DINHEIRO • Informações limitadas sobre o tomador: impacta na avaliação de risco do cliente; • Custos regulatórios: conjunto de normas que os agentes financeiros precisam atender;
  • 73. PREÇO DO DINHEIRO •Crédito direcionado: sendo obrigatório, gera ineficiência na economia;
  • 74. Crédito Livre • O crédito livre é aquele em que os bancos têm autonomia para emprestar o dinheiro captado no mercado e definir as taxas de juros cobradas dos clientes.
  • 75. O crédito direcionado • Já o crédito direcionado tem regras definidas pelo governo, e é destinado, basicamente, aos setores habitacional, rural, de infraestrutura e ao microcrédito
  • 76. PREÇO DO DINHEIRO • Insegurança na execução de garantias: o poder judiciário é pouco previsível nas suas decisões, dificultando as chances de um contrato bancário ser honrado pelo cliente;
  • 77. PREÇO DO DINHEIRO • Intervenção governamental: o uso dos bancos públicos para operações de crédito mais baratas aumenta a necessidade de financiamento por parte do governo.
  • 78. VALOR DA PREVISÃO • A nova regra, acrescentou a autoridade monetária, prevê ainda que as instituições financeiras também devem informar ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) as comunicações prévias aos saques e as transações em espécie de valor igual a superior a R$50 mil.
  • 79. MERCADO DE CAPITAIS • O mercado de capitais contempla as operações financeiras de médio e longo prazos, e de prazo indeterminado, como as operações com ações.
  • 80. MERCADO DE CAPITAIS • É o grande municiador de recursos permanentes para a economia, em virtude da ligação que efetua entre os que tem capacidade de poupança, ou seja, os investidores, e aqueles carentes de recursos de longo prazo, ou seja que apresentam déficits de investimento.
  • 81. MERCADO DE CAPITAIS • Mercado de capitais é um sistema de distribuição de valores mobiliários que proporciona liquidez aos títulos de emissão de empresas e viabiliza o processo de capitalização.
  • 82. MERCADO DE CAPITAIS •É constituído pelas bolsas de valores, sociedades corretoras e outras instituições financeiras autorizadas.
  • 83. Qual é a função do mercado de capitais? • O Mercado de Capitais funciona por meio da negociação dos títulos mobiliários emitidos pelas empresas, sem que a intermediação ocorra por uma instituição financeira.
  • 84. O que se estuda em mercado de capitais? • Mercado de capitais é constituído de um conjunto de instrumentos, instituições e agentes econômicos cuja missão é mobilizar recursos de poupança financeira de pessoas físicas, empresas e outras unidades econômicas que tem excedentes financeiros e promover sua alocação eficiente para financiar a produção,
  • 85. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) • O mercado de capitais brasileiro é monitorado e regulado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), responsável por definir as regras que empresas, investidores e instituições financeiras devem seguir ao negociar valores mobiliários.
  • 86. Veja os primeiros passos para investir no mercado de capitais • Planejamento financeiro. Antes de começar, faça um diagnóstico financeiro das suas contas e receitas para compreender o quanto você pode investir e por quanto tempo pode manter as aplicações. ... • Reserva de emergência. ... • Perfil de investidor.
  • 87. Fique por dentro dos 3 importantes tipos de mercado! • Mercado Consumidor. Este mercado representa o conjunto de consumidores (homens, mulheres, adultos, crianças, empresas públicas ou privadas) que comprarão suas mercadorias ou utilizarão os serviços prestados pelo seu negócio. ... • Mercado Fornecedor. ... • Mercado Concorrente.
  • 88. Por que as empresas procuram os mercados de capitais? • O mercado de capitais serve para alguns propósitos. Um deles, é permitir que as empresas obtenham recursos para financiar seus projetos de investimento. Outro, seria possibilitar que os acionistas que não desejem ser mais sócios possam vender suas participações a outros que desejam ser sócios.
  • 89. MERCADO DE CAPITAIS • Os principais instrumentos de financiamento existentes no mercado de capitais brasileiro são: • • Ações; • • Debêntures; • • Notas promissórias (commercial papers)
  • 90. O que é commercial paper? • É um título de dívida com um prazo curto, ou seja, uma nota promissória sem garantia. Assim, ele tem sua emissão feita por sociedades anônimas abertas ou fechadas.
  • 91. O que é commercial paper? •Uma promissória ou uma nota promissória, por sua vez, é uma promessa de pagamento de dívida.
  • 92. Quem não pode emitir commercial papers? • As instituições financeiras, as sociedades corretoras e distribuidoras de valores mobiliários e sociedades de arrendamento mercantil (empresas de leasing), não podem emitir esses títulos.
  • 93. São negociáveis? •Os commercial papers costumam ser negociados com descontos, sendo seu valor de face pago por ocasião do resgate.
  • 94. Divisões do Mercado de Capitais • Ações (ordinárias e preferenciais) • Debêntures (emitidos por sociedades anônimas) • Commercial Papers (título privado de curto prazo)
  • 95. Divisões do Mercado de Capitais • Opções sobre ações (direito de compra e venda de ações) • Mercado futuro (contratos e mini contratos) • Mercado de renda fixa.
  • 96. MERCADO DE CÂMBIO • O mercado cambial é o segmento financeiro em que ocorrem operações de compras e vendas de moedas internacionais conversíveis, ou seja, em que se verificam conversões de moeda nacional em estrangeiras e vice-versa
  • 97. MOEDAS CONVERSÍVEIS • As moedas conversíveis são as moedas que não recebem restrições no mercado de câmbio internacional, são livremente aceitas por outros países e denominadas de moeda forte.
  • 98. MOEDAS INCONVERSÍVEIS • Já as moedas inconversíveis são aquelas que geralmente não são aceitas no mercado de câmbio.
  • 99. O REAL ? •O Real, por exemplo, é uma moeda inconversível OU INCONVERSÍVEL?
  • 100. MERCADO DE CÂMBIO • O Banco Central, de forma mais específica, atua nesse mercado cambial visando principalmente ao controle das reservas cambiais da economia e manter o valor da moeda nacional em relação a outras moedas internacionais.
  • 101. PRINCIPAIS MOEDAS CONVERSÍVEIS • Dólar Americano • Euro • Coroa dinamarquesa • Coroa norueguesa • Coroa sueca
  • 102. PRINCIPAIS MOEDAS CONVERSÍVEIS • Dólar canadense • Dólar australiano • Franco suíço • Iene japonês • Libra esterlina
  • 103. E O REAL? •O Real brasileiro não é uma das moedas conversíveis.
  • 104. E O REAL? • Ainda que o Brasil seja considerado um país moderno, com mercado financeiro e sistema bancário bem estabelecidos, a percepção internacional é de que temos pouca estabilidade jurisdicional e de que o Real é uma moeda ainda nova
  • 105. E O REAL? • Mesmo que ainda não seja uma moeda conversível, o Real já pode ser utilizado para alguns pagamentos internacionais sem a necessidade do câmbio.
  • 106. E O REAL? • O Sistema de Pagamentos em Moedas Locais (SML), um sistema de pagamentos, normatizado pelo Banco Central do Brasil, que permite realizar pagamentos em moedas locais, com a Argentina, o Uruguai e o Paraguai.
  • 107. • Em negociações envolvendo empresas ou cidadãos destes quatros países, tanto pessoas jurídicas, quanto pessoas físicas podem realizar pagamentos na moeda local, desde que atenda a legislação vigente com suas permissões e restrições.
  • 108. MERCADO DE CÂMBIO • As operações cambiais processam-se basicamente por meio de operadores de câmbio (corretores), que são especialistas vinculados às instituições financeiras na função de transacionar divisas, e as corretoras de câmbio, que atuam como intermediários entre os operadores e os agentes econômicos interessados em comprar ou vender moedas
  • 109. MERCADO DE CÂMBIO • É importante destacar que no Brasil, as operações de compra e venda de moedas estrangeiras somente podem ser realizadas por meio das autoridades monetárias, constituindo um monopólio do governo.
  • 110. INSTITUIÇÕES QUE OPERAM • Podem ser autorizados pelo BACEN a operar no mercado de câmbio: bancos comerciais, bancos múltiplos, bancos de investimento, bancos de desenvolvimento, caixas econômicas, sociedades de crédito, financiamento e investimento, sociedades corretoras de câmbio ou de títulos e valores mobiliários, sociedades distribuidoras ..
  • 111. A INFLUÊNCIA DA TAXA DE JUROS • Quando a taxa Selic está muito alta, o valor do dólar tende a diminuir no país. Isso ocorre porque investidores estrangeiros fazem investimentos no Brasil atrelados aos juros. Com a maior quantidade da moeda norte-americana na economia, a oferta também aumenta.
  • 112. QUE TIPO DE MERCADO? • mercado em que são negociadas as trocas de moedas estrangeiras por moeda nacional, participando desse mercado todos os agentes econômicos que realizam transações com o exterior, ou seja, têm recebimentos ou pagamentos a realizar em moeda estrangeira.
  • 113. QUE TIPO DE MERCADO? • segmento do mercado financeiro em que são criadas as condições para que as empresas captem recursos diretamente dos investidores, através da emissão de instrumentos financeiros (ações, debêntures, bônus de subscrição, etc), com o objetivo principal de financiar suas atividades ou viabilizar projetos de investimentos.
  • 114. QUE TIPO DE MERCADO? • mercado utilizado basicamente para controle da liquidez da economia, no qual o Banco Central intervém para condução da Política Monetária.
  • 115. QUE TIPO DE MERCADO? • mercado para realização, registro e negociação de determinados instrumentos financeiros, basicamente divididos em quatro produtos, como: mercado a termo, mercado futuro, opções e swaps, com a finalidade de proteção, elevação de rentabilidade (alavancagem), especulação e arbitragem. • .
  • 116. QUE TIPO DE MERCADO? • segmento do mercado financeiro em que as instituições financeiras captam recursos dos agentes superavitários e os emprestam às famílias ou empresas, sendo remuneradas pela diferença entre seu custo de captação e o que cobram dos tomadores
  • 117. QUE TIPO DE MERCADO? o ambiente onde ocorre a compra e venda de valores mobiliários (ações, opções e títulos), do câmbio de moedas estrangeiras e de mercadorias como minérios e produtos agrícolas.