SlideShare uma empresa Scribd logo
EQUIPE
• TAIRES
• MURIEL
• QUEREM
• EVANILCE
• ADELBRANOO
• THIGO SOUSA
•A falta de dinheiro é a
raiz de todos os males”
(George Bernard Shaw)
INFLAÇÃO
• É processo continuo de
aumento de preços que
representa a queda do poder
aquisitivo do dinheiro e que é
causado pelo crescimento da
circulação monetária e
desproporções de bens
disponíveis.
• Num processo inflacionário o
poder de compra da moeda cai.
• Exemplo: num pais com inflação
de 10% ao mês, um trabalhador
compra 5 quilos de arroz num
mês e paga R$ 10,00. No mês
seguinte, para comprar a
mesma quantidade de arroz, ele
necessitará de R$ 11,00. Como
o salário deste trabalhador não
é reajustado mensalmente, o
poder de compra vai diminuindo.
Após um ano, o salário deste
trabalhador perdeu 120% de
compra.
Podemos citar as seguintes causas da inflação.
-Emissão exagerada e descontrolada de dinheiro por parte
do governo;
-Demanda por produtos, (aumento no consumo) maior do
que a capacidade de produção do país;
-Aumento no custo de produção (maquinas, matéria-prima,
mão-de-obra) dos produtos.
EXEMPLO DO TOMATE
TOMATE
Quando a gente junta o
excesso de demanda, ou
seja, gente que quer com
escassez de produto e mais
a demora para solucionar o
problema acontece a
INFLAÇÃO.
Deve ficar com isso claro
que um aumento de
preços, por uma única
vez, não pode ser
considerado inflação.
Precisa de um aumento
continuo, mesmo que este
aumento não seja da
mesma magnitude ao
longo do tempo.
No Brasil, existem vários
índices que medem a
inflação. Os principais são:
IGP – Índices Geral de Preços.
IPC – Índices de Preços ao
consumidor.
INPC – Índices Nacional de
Preços ao Consumidor.
IPCA – Índices de Preços ao
Consumidor Amplo.
AS DISTORÇOES PROVOCADAS POR
ALTAS TAXAS DE INFLAÇÃO .
As distorções
provocadas pela inflação
em economias mais
fracas geram uma seria
de efeitos como: efeitos
sobre a distribuição de
renda, sobre o balanço
de pagamentos, o
mercado de capitais
entre outros ...
Efeito sobre a distribuição de
renda:
Talvez a distorção mais séria
provocada pela inflação diga respeito à
redução relativa do poder aquisitivo das
classes que dependem de rendimentos
fixos, que possuem prazos legais de
reajustes. Neste caso, estão os
assalariados que com o passar do
tempo vão ficando com seus
orçamentos cada vez mais
reduzidos, até a chegada de um novo
reajuste.
• Efeito sobre o balanço de
pagamentos:
Elevadas taxas de inflação, em níveis
superiores ao aumento de preços
internacionais, encarecem o produto
nacional relativamente ao produzido
externamente. Assim devem provocar um
estimulo às importações e um desestimulo
ás exportações, diminuindo o saldo do
balanço comercial.
Efeito sobre o mercado de capitais:
Durante um período inflacionário intenso a
moeda tende a desvalorizar muito rápido, ocorre
um desestimulo à recursos no mercado de
capitais financeiro. Com isso a aplicação em
poupança, títulos e outros investimentos
financeiros se tornam pouco atraente, apesar de
existir pessoas que, em curto prazo, ganham
dinheiro com inflação, porem, em longo prazo
todos perdem.
Efeito sobre outras expectativas:
• Outra distorção provocada por elevadas
taxas de inflação prende-se à formação
das expectativas sobre o futuro.
Particularmente o setor empresarial é
bastante sensível a esse tipo de
situação, dada a relativa instabilidade e
imprevisibilidade de seus lucros.
CAUSAS CLÁSSICAS
DE INFLAÇÃO
Inflação de demanda
Refere-se ao excesso de demanda agregada em relação à
produção disponível.
Dinheiro demais em busca
de poucos bens.
Monetaristas
Causa: Excesso de moeda em relação a
produção
Correção: Diminuir a base monetária
Contra intervenção excessiva do governo.
Fiscalistas
Causa: variações na taxa de investimentos
Correção: Diminuição dos gastos do governo
ou elevação da carga tributária.
A favor da intervenção excessiva do governo.
Inflação de custos
Provocada por aumentos de custos, diminuindo
a oferta agregada.
Custos de insumos importantes aumentam e
são repassados aos preços.
Também pode ser associada ao fato de que
algumas firmas, com elevado poder de
monopólio ou oligopólio, terem condições de
elevar seus lucros acima os custos de produção.
Inflação de custos induzida: aumento de
custos , devido o aumento de salários, que,
em última instância, foi induzido pela
inflação de demanda preexistente.
Inflação de custos autônoma: aumento de
preços devido a pressões autônomas,
causadas por alguns grupos econômicos,
como sindicatos e firmas oligopolistas.
Inflação e subdesenvolvimento
No processo de desenvolvimento
econômico criam-se expectativas
de altas taxas de retorno, o que
estimula uma elevação das taxas
de investimentos. Sabendo-se que
o aumento da produção só ocorre
após passado um período de
maturação do investimento, o
primeiro efeito, a curto prazo,
recai sobre os preços.
O CÁLCULO DA INFLAÇÃO É MEDIDA COM
BASE NA VARIAÇÃO PERCENTUAL MÉDIA
NOS PREÇOS DOS ITENS DE UMA CESTA
DE BENS E/OU SERVIÇOS QUE A
COMPOEM, LIMITADA A UMA
DETERMINADA REGIÃO
GEOGRÁFICA, PONDERADOS DE ACORDO
COM SEUS PESOS (OU
IMPORTÂNCIA), PARA UM DADO PERÍODO
DE TEMPO.
Os diversos índices de inflação têm variações
percentuais diferentes porque são compostos de cestas
de bens diferentes, por exemplo, o INCC - Índice
Nacional da Construção Civil, é natural que na cesta de
bens que compõem este índice, só estejam bens
relacionados direta ou indiretamente à construção civil
(cimento, tijolos, areia, mão de obra, etc.), não faria
sentido colocarmos para o cálculo deste índice uma
saca de arroz.
Outros fatores que podem
diferenciar um índice do outro é a
metodologia na pesquisa mensal de
preços, o peso de cada bem na cesta
que compõem o item, o período
analisado, dentre outros fatos de
menor importância

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2) SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
Kelly Ariane Buás Bráz
 
Inflaçãox deflação apresentação do dia 26
Inflaçãox deflação apresentação do dia 26 Inflaçãox deflação apresentação do dia 26
Inflaçãox deflação apresentação do dia 26
Agla Santos
 
Aula 1 - Introdução à Economia
Aula 1 - Introdução à Economia Aula 1 - Introdução à Economia
Aula 1 - Introdução à Economia
Souza Neto
 
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia   aula 4 - introdução à macroeconomiaEconomia   aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Felipe Leo
 
Resumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomiaResumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomia
bergerbird
 
36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado
36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado
36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado
Sidinei Da Silva Vidal
 
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Luciano Pires
 
Aula De Inflação
Aula De InflaçãoAula De Inflação
Aula De Inflação
Sebrae
 
Economia – introdução às teorias da inflação
Economia – introdução às teorias da inflaçãoEconomia – introdução às teorias da inflação
Economia – introdução às teorias da inflação
Felipe Leo
 
Material de apoio gregory mankiw
Material de apoio   gregory mankiwMaterial de apoio   gregory mankiw
Material de apoio gregory mankiw
Lídia Aguiar
 
Elasticidade
ElasticidadeElasticidade
Elasticidade
isaacsales253
 
Apresentação politica monetária
Apresentação politica monetáriaApresentação politica monetária
Apresentação politica monetária
Ivanildo Moreira
 
A Evolução do Pensamento Econômico
A Evolução do Pensamento EconômicoA Evolução do Pensamento Econômico
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preços
Luciano Pires
 
políticas monetária, fiscal, cambial e de rendas
políticas monetária, fiscal, cambial e de rendaspolíticas monetária, fiscal, cambial e de rendas
políticas monetária, fiscal, cambial e de rendas
Marcos Matos
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
Luciano Pires
 
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentaisEconomia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Felipe Leo
 
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Luciano Pires
 
O consumo
O consumoO consumo
O consumo
ciganito5
 
2+demanda+moeda
2+demanda+moeda2+demanda+moeda
2+demanda+moeda
Gold Calil Haddad Haddad
 

Mais procurados (20)

SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2) SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
 
Inflaçãox deflação apresentação do dia 26
Inflaçãox deflação apresentação do dia 26 Inflaçãox deflação apresentação do dia 26
Inflaçãox deflação apresentação do dia 26
 
Aula 1 - Introdução à Economia
Aula 1 - Introdução à Economia Aula 1 - Introdução à Economia
Aula 1 - Introdução à Economia
 
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia   aula 4 - introdução à macroeconomiaEconomia   aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
 
Resumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomiaResumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomia
 
36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado
36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado
36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado
 
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
 
Aula De Inflação
Aula De InflaçãoAula De Inflação
Aula De Inflação
 
Economia – introdução às teorias da inflação
Economia – introdução às teorias da inflaçãoEconomia – introdução às teorias da inflação
Economia – introdução às teorias da inflação
 
Material de apoio gregory mankiw
Material de apoio   gregory mankiwMaterial de apoio   gregory mankiw
Material de apoio gregory mankiw
 
Elasticidade
ElasticidadeElasticidade
Elasticidade
 
Apresentação politica monetária
Apresentação politica monetáriaApresentação politica monetária
Apresentação politica monetária
 
A Evolução do Pensamento Econômico
A Evolução do Pensamento EconômicoA Evolução do Pensamento Econômico
A Evolução do Pensamento Econômico
 
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preços
 
políticas monetária, fiscal, cambial e de rendas
políticas monetária, fiscal, cambial e de rendaspolíticas monetária, fiscal, cambial e de rendas
políticas monetária, fiscal, cambial e de rendas
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
 
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentaisEconomia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
 
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
 
O consumo
O consumoO consumo
O consumo
 
2+demanda+moeda
2+demanda+moeda2+demanda+moeda
2+demanda+moeda
 

Destaque

Comparação EUA e Brasil
Comparação EUA e BrasilComparação EUA e Brasil
Comparação EUA e Brasil
Vitor De Carvalho Vecchi
 
Economia – inflação e emprego
Economia – inflação e empregoEconomia – inflação e emprego
Economia – inflação e emprego
Felipe Leo
 
Macroeconomia - Inflação
Macroeconomia - Inflação Macroeconomia - Inflação
Macroeconomia - Inflação
Fernando Monteiro D'Andrea
 
Slides Economia
Slides EconomiaSlides Economia
Slides Economia
Cleber Braga
 
Inflação
InflaçãoInflação
Inflação
AESA
 
Inflação
InflaçãoInflação
Inflação
Jaison Carvalho
 
Resumo. trabalho.artigo índices de inflação
Resumo. trabalho.artigo índices de inflaçãoResumo. trabalho.artigo índices de inflação
Resumo. trabalho.artigo índices de inflação
Enio Economia & Finanças
 
Índices igp m e Incc-m por Carlos Célio Corretor de imóves
Índices igp m e Incc-m por Carlos Célio Corretor de imóvesÍndices igp m e Incc-m por Carlos Célio Corretor de imóves
Índices igp m e Incc-m por Carlos Célio Corretor de imóves
Carlos Celio da Silva Marques
 
C:\Fakepath\InflaçãO
C:\Fakepath\InflaçãOC:\Fakepath\InflaçãO
C:\Fakepath\InflaçãO
Yduardoz
 
Sistema De Metas De InflaçãO No Brasil 1999 2005 Impactos Sobre A DíVida PúBl...
Sistema De Metas De InflaçãO No Brasil 1999 2005 Impactos Sobre A DíVida PúBl...Sistema De Metas De InflaçãO No Brasil 1999 2005 Impactos Sobre A DíVida PúBl...
Sistema De Metas De InflaçãO No Brasil 1999 2005 Impactos Sobre A DíVida PúBl...
Shelbert Braz
 
Aula industrialização e_transformações-territoriais_do_brasil_09-11-2012
Aula industrialização e_transformações-territoriais_do_brasil_09-11-2012Aula industrialização e_transformações-territoriais_do_brasil_09-11-2012
Aula industrialização e_transformações-territoriais_do_brasil_09-11-2012
Antonio Pessoa
 
O brasil atual e suas perspectivas
O brasil atual e suas perspectivasO brasil atual e suas perspectivas
O brasil atual e suas perspectivas
Fernando Alcoforado
 
Apostila do 3º ano 2011
Apostila do 3º ano 2011Apostila do 3º ano 2011
Apostila do 3º ano 2011
Edenilson Morais
 
Aula 1 Cresicmento E Desenvolvimento
Aula 1   Cresicmento E DesenvolvimentoAula 1   Cresicmento E Desenvolvimento
Aula 1 Cresicmento E Desenvolvimento
Fundação Brasileira de Direito Econômico
 
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
José Mota
 
4570 crise e oportunidade
4570 crise e oportunidade4570 crise e oportunidade
4570 crise e oportunidade
Joper Padrão do Espírito Santo, MBA
 
MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional
MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional
MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
Oportunidades de negócios em tempos de crise
Oportunidades de negócios em tempos de criseOportunidades de negócios em tempos de crise
Oportunidades de negócios em tempos de crise
Mulheres Empreendedoras
 

Destaque (18)

Comparação EUA e Brasil
Comparação EUA e BrasilComparação EUA e Brasil
Comparação EUA e Brasil
 
Economia – inflação e emprego
Economia – inflação e empregoEconomia – inflação e emprego
Economia – inflação e emprego
 
Macroeconomia - Inflação
Macroeconomia - Inflação Macroeconomia - Inflação
Macroeconomia - Inflação
 
Slides Economia
Slides EconomiaSlides Economia
Slides Economia
 
Inflação
InflaçãoInflação
Inflação
 
Inflação
InflaçãoInflação
Inflação
 
Resumo. trabalho.artigo índices de inflação
Resumo. trabalho.artigo índices de inflaçãoResumo. trabalho.artigo índices de inflação
Resumo. trabalho.artigo índices de inflação
 
Índices igp m e Incc-m por Carlos Célio Corretor de imóves
Índices igp m e Incc-m por Carlos Célio Corretor de imóvesÍndices igp m e Incc-m por Carlos Célio Corretor de imóves
Índices igp m e Incc-m por Carlos Célio Corretor de imóves
 
C:\Fakepath\InflaçãO
C:\Fakepath\InflaçãOC:\Fakepath\InflaçãO
C:\Fakepath\InflaçãO
 
Sistema De Metas De InflaçãO No Brasil 1999 2005 Impactos Sobre A DíVida PúBl...
Sistema De Metas De InflaçãO No Brasil 1999 2005 Impactos Sobre A DíVida PúBl...Sistema De Metas De InflaçãO No Brasil 1999 2005 Impactos Sobre A DíVida PúBl...
Sistema De Metas De InflaçãO No Brasil 1999 2005 Impactos Sobre A DíVida PúBl...
 
Aula industrialização e_transformações-territoriais_do_brasil_09-11-2012
Aula industrialização e_transformações-territoriais_do_brasil_09-11-2012Aula industrialização e_transformações-territoriais_do_brasil_09-11-2012
Aula industrialização e_transformações-territoriais_do_brasil_09-11-2012
 
O brasil atual e suas perspectivas
O brasil atual e suas perspectivasO brasil atual e suas perspectivas
O brasil atual e suas perspectivas
 
Apostila do 3º ano 2011
Apostila do 3º ano 2011Apostila do 3º ano 2011
Apostila do 3º ano 2011
 
Aula 1 Cresicmento E Desenvolvimento
Aula 1   Cresicmento E DesenvolvimentoAula 1   Cresicmento E Desenvolvimento
Aula 1 Cresicmento E Desenvolvimento
 
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
Slide unid 1-_nocoes_fin_e_econ_-__merc_capitais (1)
 
4570 crise e oportunidade
4570 crise e oportunidade4570 crise e oportunidade
4570 crise e oportunidade
 
MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional
MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional
MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional
 
Oportunidades de negócios em tempos de crise
Oportunidades de negócios em tempos de criseOportunidades de negócios em tempos de crise
Oportunidades de negócios em tempos de crise
 

Semelhante a Slide inflaçao 1

Introdução às Teorias da Inflação
Introdução às Teorias da InflaçãoIntrodução às Teorias da Inflação
Introdução às Teorias da Inflação
Webber Stelling
 
Ec 01.06
Ec 01.06Ec 01.06
Ec 01.06
marinamolopes
 
Inflacao
InflacaoInflacao
Inflacao
direitounimonte
 
Aula 5 - Sistema Financeiro , Inflação e Desemprego
Aula 5 - Sistema Financeiro , Inflação e DesempregoAula 5 - Sistema Financeiro , Inflação e Desemprego
Aula 5 - Sistema Financeiro , Inflação e Desemprego
Caio Roberto de Souza Filho
 
Macroeconomia O Setor Externo
Macroeconomia O Setor ExternoMacroeconomia O Setor Externo
Macroeconomia O Setor Externo
Deborah Ribeiro
 
Inflação
InflaçãoInflação
Inflação
Pedro Kangombe
 
E2 31_10
E2 31_10E2 31_10
E2 31_10
Angelo Yasui
 
1. A INFLAÇÃO.ppt
1.  A INFLAÇÃO.ppt1.  A INFLAÇÃO.ppt
1. A INFLAÇÃO.ppt
allantalesadriano444
 
RESUMO ECONOMIA.docx
RESUMO ECONOMIA.docxRESUMO ECONOMIA.docx
RESUMO ECONOMIA.docx
VitriaPavan
 
Trade-off Inflação e Desemprego e Inconsistência Dinâmica
Trade-off Inflação e Desemprego e Inconsistência DinâmicaTrade-off Inflação e Desemprego e Inconsistência Dinâmica
Trade-off Inflação e Desemprego e Inconsistência Dinâmica
Roseli Silva
 
Materialeconomia2
Materialeconomia2Materialeconomia2
Materialeconomia2
Thiago Luis Colozio Casácio
 
Trabalho variaveis macroeconomicas
Trabalho variaveis macroeconomicasTrabalho variaveis macroeconomicas
Trabalho variaveis macroeconomicas
Lowrrayny Franchesca
 
Unidade 5 parte 2
Unidade 5   parte 2Unidade 5   parte 2
Unidade 5 parte 2
Daniel Suzarte
 
Segundo exercício para engenharia
Segundo exercício para engenhariaSegundo exercício para engenharia
Segundo exercício para engenharia
Jacob Ackles
 
Economia para executivos3
Economia para executivos3Economia para executivos3
Economia para executivos3
Hugo Eduardo Meza Pinto
 
O Setor Externo de Uma Economia
O Setor Externo de Uma EconomiaO Setor Externo de Uma Economia
Aula de macroeconomia historia da macroecoomia.ppt
Aula de macroeconomia historia da macroecoomia.pptAula de macroeconomia historia da macroecoomia.ppt
Aula de macroeconomia historia da macroecoomia.ppt
EduardoGyn
 
E11
E11E11
Trabalho cenários econ pier ietto
Trabalho cenários econ   pier iettoTrabalho cenários econ   pier ietto
Trabalho cenários econ pier ietto
Pier Ietto
 
Ciclos de Crescimento Económico.pptx
Ciclos de Crescimento Económico.pptxCiclos de Crescimento Económico.pptx
Ciclos de Crescimento Económico.pptx
Alice Magalhães
 

Semelhante a Slide inflaçao 1 (20)

Introdução às Teorias da Inflação
Introdução às Teorias da InflaçãoIntrodução às Teorias da Inflação
Introdução às Teorias da Inflação
 
Ec 01.06
Ec 01.06Ec 01.06
Ec 01.06
 
Inflacao
InflacaoInflacao
Inflacao
 
Aula 5 - Sistema Financeiro , Inflação e Desemprego
Aula 5 - Sistema Financeiro , Inflação e DesempregoAula 5 - Sistema Financeiro , Inflação e Desemprego
Aula 5 - Sistema Financeiro , Inflação e Desemprego
 
Macroeconomia O Setor Externo
Macroeconomia O Setor ExternoMacroeconomia O Setor Externo
Macroeconomia O Setor Externo
 
Inflação
InflaçãoInflação
Inflação
 
E2 31_10
E2 31_10E2 31_10
E2 31_10
 
1. A INFLAÇÃO.ppt
1.  A INFLAÇÃO.ppt1.  A INFLAÇÃO.ppt
1. A INFLAÇÃO.ppt
 
RESUMO ECONOMIA.docx
RESUMO ECONOMIA.docxRESUMO ECONOMIA.docx
RESUMO ECONOMIA.docx
 
Trade-off Inflação e Desemprego e Inconsistência Dinâmica
Trade-off Inflação e Desemprego e Inconsistência DinâmicaTrade-off Inflação e Desemprego e Inconsistência Dinâmica
Trade-off Inflação e Desemprego e Inconsistência Dinâmica
 
Materialeconomia2
Materialeconomia2Materialeconomia2
Materialeconomia2
 
Trabalho variaveis macroeconomicas
Trabalho variaveis macroeconomicasTrabalho variaveis macroeconomicas
Trabalho variaveis macroeconomicas
 
Unidade 5 parte 2
Unidade 5   parte 2Unidade 5   parte 2
Unidade 5 parte 2
 
Segundo exercício para engenharia
Segundo exercício para engenhariaSegundo exercício para engenharia
Segundo exercício para engenharia
 
Economia para executivos3
Economia para executivos3Economia para executivos3
Economia para executivos3
 
O Setor Externo de Uma Economia
O Setor Externo de Uma EconomiaO Setor Externo de Uma Economia
O Setor Externo de Uma Economia
 
Aula de macroeconomia historia da macroecoomia.ppt
Aula de macroeconomia historia da macroecoomia.pptAula de macroeconomia historia da macroecoomia.ppt
Aula de macroeconomia historia da macroecoomia.ppt
 
E11
E11E11
E11
 
Trabalho cenários econ pier ietto
Trabalho cenários econ   pier iettoTrabalho cenários econ   pier ietto
Trabalho cenários econ pier ietto
 
Ciclos de Crescimento Económico.pptx
Ciclos de Crescimento Económico.pptxCiclos de Crescimento Económico.pptx
Ciclos de Crescimento Económico.pptx
 

Slide inflaçao 1

  • 1.
  • 2. EQUIPE • TAIRES • MURIEL • QUEREM • EVANILCE • ADELBRANOO • THIGO SOUSA
  • 3. •A falta de dinheiro é a raiz de todos os males” (George Bernard Shaw)
  • 4. INFLAÇÃO • É processo continuo de aumento de preços que representa a queda do poder aquisitivo do dinheiro e que é causado pelo crescimento da circulação monetária e desproporções de bens disponíveis. • Num processo inflacionário o poder de compra da moeda cai. • Exemplo: num pais com inflação de 10% ao mês, um trabalhador compra 5 quilos de arroz num mês e paga R$ 10,00. No mês seguinte, para comprar a mesma quantidade de arroz, ele necessitará de R$ 11,00. Como o salário deste trabalhador não é reajustado mensalmente, o poder de compra vai diminuindo. Após um ano, o salário deste trabalhador perdeu 120% de compra.
  • 5. Podemos citar as seguintes causas da inflação. -Emissão exagerada e descontrolada de dinheiro por parte do governo; -Demanda por produtos, (aumento no consumo) maior do que a capacidade de produção do país; -Aumento no custo de produção (maquinas, matéria-prima, mão-de-obra) dos produtos.
  • 6. EXEMPLO DO TOMATE TOMATE Quando a gente junta o excesso de demanda, ou seja, gente que quer com escassez de produto e mais a demora para solucionar o problema acontece a INFLAÇÃO. Deve ficar com isso claro que um aumento de preços, por uma única vez, não pode ser considerado inflação. Precisa de um aumento continuo, mesmo que este aumento não seja da mesma magnitude ao longo do tempo.
  • 7. No Brasil, existem vários índices que medem a inflação. Os principais são: IGP – Índices Geral de Preços. IPC – Índices de Preços ao consumidor. INPC – Índices Nacional de Preços ao Consumidor. IPCA – Índices de Preços ao Consumidor Amplo.
  • 8. AS DISTORÇOES PROVOCADAS POR ALTAS TAXAS DE INFLAÇÃO . As distorções provocadas pela inflação em economias mais fracas geram uma seria de efeitos como: efeitos sobre a distribuição de renda, sobre o balanço de pagamentos, o mercado de capitais entre outros ...
  • 9. Efeito sobre a distribuição de renda: Talvez a distorção mais séria provocada pela inflação diga respeito à redução relativa do poder aquisitivo das classes que dependem de rendimentos fixos, que possuem prazos legais de reajustes. Neste caso, estão os assalariados que com o passar do tempo vão ficando com seus orçamentos cada vez mais reduzidos, até a chegada de um novo reajuste.
  • 10. • Efeito sobre o balanço de pagamentos: Elevadas taxas de inflação, em níveis superiores ao aumento de preços internacionais, encarecem o produto nacional relativamente ao produzido externamente. Assim devem provocar um estimulo às importações e um desestimulo ás exportações, diminuindo o saldo do balanço comercial.
  • 11. Efeito sobre o mercado de capitais: Durante um período inflacionário intenso a moeda tende a desvalorizar muito rápido, ocorre um desestimulo à recursos no mercado de capitais financeiro. Com isso a aplicação em poupança, títulos e outros investimentos financeiros se tornam pouco atraente, apesar de existir pessoas que, em curto prazo, ganham dinheiro com inflação, porem, em longo prazo todos perdem.
  • 12. Efeito sobre outras expectativas: • Outra distorção provocada por elevadas taxas de inflação prende-se à formação das expectativas sobre o futuro. Particularmente o setor empresarial é bastante sensível a esse tipo de situação, dada a relativa instabilidade e imprevisibilidade de seus lucros.
  • 13. CAUSAS CLÁSSICAS DE INFLAÇÃO Inflação de demanda Refere-se ao excesso de demanda agregada em relação à produção disponível. Dinheiro demais em busca de poucos bens.
  • 14. Monetaristas Causa: Excesso de moeda em relação a produção Correção: Diminuir a base monetária Contra intervenção excessiva do governo. Fiscalistas Causa: variações na taxa de investimentos Correção: Diminuição dos gastos do governo ou elevação da carga tributária. A favor da intervenção excessiva do governo.
  • 15. Inflação de custos Provocada por aumentos de custos, diminuindo a oferta agregada. Custos de insumos importantes aumentam e são repassados aos preços. Também pode ser associada ao fato de que algumas firmas, com elevado poder de monopólio ou oligopólio, terem condições de elevar seus lucros acima os custos de produção.
  • 16. Inflação de custos induzida: aumento de custos , devido o aumento de salários, que, em última instância, foi induzido pela inflação de demanda preexistente. Inflação de custos autônoma: aumento de preços devido a pressões autônomas, causadas por alguns grupos econômicos, como sindicatos e firmas oligopolistas.
  • 17. Inflação e subdesenvolvimento No processo de desenvolvimento econômico criam-se expectativas de altas taxas de retorno, o que estimula uma elevação das taxas de investimentos. Sabendo-se que o aumento da produção só ocorre após passado um período de maturação do investimento, o primeiro efeito, a curto prazo, recai sobre os preços.
  • 18. O CÁLCULO DA INFLAÇÃO É MEDIDA COM BASE NA VARIAÇÃO PERCENTUAL MÉDIA NOS PREÇOS DOS ITENS DE UMA CESTA DE BENS E/OU SERVIÇOS QUE A COMPOEM, LIMITADA A UMA DETERMINADA REGIÃO GEOGRÁFICA, PONDERADOS DE ACORDO COM SEUS PESOS (OU IMPORTÂNCIA), PARA UM DADO PERÍODO DE TEMPO.
  • 19. Os diversos índices de inflação têm variações percentuais diferentes porque são compostos de cestas de bens diferentes, por exemplo, o INCC - Índice Nacional da Construção Civil, é natural que na cesta de bens que compõem este índice, só estejam bens relacionados direta ou indiretamente à construção civil (cimento, tijolos, areia, mão de obra, etc.), não faria sentido colocarmos para o cálculo deste índice uma saca de arroz.
  • 20. Outros fatores que podem diferenciar um índice do outro é a metodologia na pesquisa mensal de preços, o peso de cada bem na cesta que compõem o item, o período analisado, dentre outros fatos de menor importância