SlideShare uma empresa Scribd logo
I Encontro da Rede de Bibliotecas Escolares de Bragança
      “Leituras em Rede: inovação, acesso e inclusão social”

Bragança, 9 de março de 2013
Painel de boas práticas: Ideias com Mérito




ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMARES
                                                 2010/2011 e 2011/2012
ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMARES
BE/CRE - ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMARES
Antecedentes que originam o projecto

 Projeto das Maletas Pedagógicas utilizadas em contexto de sala de aula
(Candidatura de Mérito 2006) e que tem por objetivo o desenvolvimento das práticas
de utilização dos recursos da BE/CRE em situações de ensino/aprendizagem e o
desenvolvimento, nesse ambiente, de competências de utilização da informação.

 Programa de formação de utilizadores, vocacionado para os alunos de todos os
anos, centrado nas literacias de informação e no bom uso das TIC, em contexto
educativo.

 Sessões de sensibilização e formação para professores.

 Utilização de ferramentas da web 2.0 no trabalho da BE/CRE, divulgando-as em
toda a comunidade: Blog, Delicious ….
Projecto das Maletas Pedagógicas - Candidatura de Mérito 2006
Diagnóstico da situação que originou o projecto
Apesar deste esforço, retiramos duas ilações fundamentais:

em primeiro lugar, que a receptividade para utilização das maletas pedagógicas se
verifica em momentos e situações restritas (realização de trabalhos de investigação,
sobretudo), constatando-se alguma resistência a uma utilização regular das mesmas.
Deste modo, a ligação à BE/CRE acaba por ser episódica, irregular e
descontinuada. Se as metodologias adoptadas pelos professores em contexto de
sala de aula não tiverem como pressuposto um papel ativo dos alunos, não resta
espaço para a integração da BE/CRE (ou resta um papel lateral) e para o
desenvolvimento de competências de informação.

Em segundo lugar, apesar do balanço muito positivo que fazemos das ações de
formação de utilizadores (e que é partilhado por alunos e professores), sentimos que
a sua realização é insuficiente e inconsequente se as práticas promovidas e as
competências sobre que incidem, não continuarem a ser trabalhadas, com
regularidade, e se não houver a sua assunção por parte de todos os docentes da
escola.
Diagnóstico da situação que originou o projecto

Auto-avaliação da BE/CRE – Pontos fortes:

 O reconhecimento por parte de um número crescente de docentes acerca da
importância da colaboração com a BE/CRE no desenvolvimento do seu trabalho.

 O balanço positivo, realizado pela maioria dos docentes, acerca das experiências
de colaboração realizadas com a BE/CRE e sobre o impacto do trabalho da BE/CRE
no desenvolvimento das competências dos alunos.

 A variedade da oferta de recursos disponibilizados pela BE/CRE, pensados e
organizados numa perspetiva de utilização em contexto de sala de aula.

 Os indicadores positivos que referenciam uma crescente utilização da BE/CRE,
dos seus espaços e dos seus recursos.
Diagnóstico da situação que originou o projecto


Auto-avaliação da BE/CRE - Debilidades:

 A permanência, apesar de alguns sinais de progresso, de um ethos educativo
muito individualista que dificulta a regularidade de práticas colaborativas entre a
BE/CRE e os docentes.

 A prevalência de metodologias de trabalho em sala de aula que não incorporam o
hábito de utilização regular da BE/CRE.

 A dificuldade de definir tempos de trabalho para, com regularidade, articular e
definir estratégias de colaboração entre a BE/CRE e os docentes.

 A reduzida utilização de algumas das propostas de atividades apresentadas.
Diagnóstico da situação que originou o projecto
Entre os professores

 a dificuldade/resistência a integrar a utilização da BE/CRE e dos seus recursos no
âmbito do desenvolvimento do currículo

 a ausência de práticas orientadas para o desenvolvimento de competências de
informação, na maior parte dos casos, transversais ao currículo

Entre os alunos

 a fragilidade – mesmo nos anos mais adiantados – de competências sólidas no
domínio das literacias de informação (pesquisa, localização, acesso, seleção,
tratamento e utilização da informação)

 a constância, a este nível, de hábitos inapropriados, como o recurso acrítico à web
(numa verdadeira wikipediodependência).
Diagnóstico da situação que originou o projecto

 Necessidade de repensar o estatuto e funções da BE.

 Necessidade de desenvolver novas práticas colaborativas entre a BE/CRE e os
docentes, incorporando novas metodologias de trabalho, definindo tempos e modos
de intervenção.

 Necessidade de desenvolver uma intervenção que responda ao impacto
que as tecnologias têm no acesso à informação e ao conhecimento.

 Reconhecimento de que não é profícuo trabalhar, em abstrato, as competências de
informação pelo que a forma ideal de realizar a formação de utilizadores neste âmbito
seria em contexto de trabalho ligado às disciplinas.

Mais do que disponibilizar informação, torna-se prioritário formar
utilizadores, desenvolver o sentido crítico e criar a consciência de que
não chega aceder à informação, sendo necessário desenvolver os
mecanismos que transformam essa informação em conhecimento.
Objectivos do projecto
Promover um novo modelo de trabalho da BE/CRE na sua articulação
com o currículo

Pretende-se ir mais longe do que uma simples cooperação ou coordenação do
trabalho entre a BE/CRE e os professores: Numa lógica integrada do currículo,
pretende-se planificar, desenvolver e avaliar as situações de aprendizagem que
têm propósitos comuns, valorizando a utilização crítica da informação em
contexto disciplinar e transdisciplinar, exercitando estas competências
transversais aos vários saberes disciplinares e fomentando hábitos de trabalho
e de estudo autónomos.

Este projeto visa dar um salto qualitativo nas práticas que a BE/CRE tem
desenvolvido, na sua relação com os docentes e no apoio ao currículo, mas
sobretudo na forma como a BE/CRE promove o desenvolvimento das
competências de informação dos alunos
Programa de Português

“A competência estratégica, transversal ao currículo, envolve saberes
procedimentais e contextuais (saber como se faz, onde, quando e com que meios) que
fazem do aluno um sujeito activo e progressivamente mais autónomo no processo de
construção das próprias aprendizagens. A escola deve proporcionar aos alunos
conhecimentos de processos de consulta e pesquisa em vários suportes
(incluindo a Internet); conhecimentos de processos .de organização da
informação (apontamentos por palavras-chave, frases curtas; resumo; esquemas
e mapas); conhecimentos de elaboração de ficheiros; conhecimentos sobre a
utilização de instrumentos de análise, processadores de texto e bases de dados,
correio electrónico e produção de registos áudio e vídeo.”
Programa de Filosofia

“iniciar ao conhecimento e utilização criteriosa das fontes de informação,
designadamente obras de referência e novas tecnologias e (...) à leitura crítica da
linguagem icónica (BD, pintura, fotografia) e audiovisual (cinema, televisão), tendo por
base instrumentos de descodificação e análise.”; no programa de Biologia e Geologia
afirma-se que “são valorizados os conteúdos procedimentais relativos à aquisição de
informação (…), interpretação de informação (…), análise de informação e realização
de inferências (…) compreensão e organização conceptual da informação e
comunicação da informação”;
Programa de Física e Química

“As aulas deverão ser organizadas de modo a que os alunos nunca deixem de realizar
tarefas em que possam discutir pontos de vista, analisar documentos, recolher dados,
fazer sínteses, formular hipóteses, fazer observações de experiências, aprender a
consultar e interpretar fontes diversas de informação, responder a questões,
formular outras, avaliar situações, delinear soluções para problemas, expor ideias
oralmente e/ou por escrito.” e recomenda-se “o recurso às modernas tecnologias
(TIC) que constituem um excelente auxiliar neste domínio, tendo especial cuidado na
análise crítica da informação disponível, principalmente no que diz respeito à
correcção científica e terminológica e adequação aos alunos e aos fins a que se
destina.”.
Programa de História,

“pesquisar, de forma autónoma mas planificada, em meios diversificados, informação
relevante para assuntos em estudo, organizando-a segundo critérios de pertinência;
analisar fontes de natureza diversa, distinguindo informação, implícita e explícita,
assim como os respectivos limites para o conhecimento do passado; analisar textos
historiográficos, identificando a opinião do autor e tomando-a como uma interpretação
susceptível de revisão em função dos avanços historiográficos; utilizar as tecnologias
de informação e comunicação, manifestando sentido crítico na selecção
adequada de contributos” e acrescenta que “para que os alunos atinjam os
objectivos propostos e venham a evidenciar as competências consideradas
desejáveis, toda uma variedade de recursos e de actividades poderá ser mobilizada
pelo professor, no sentido de: incentivar e orientar a pesquisa individual em
suportes diversos, dentro e fora da sala de aula; estimular a organização e a
recolha de dados recorrendo, nomeadamente, às novas tecnologias.”
Programa de Biologia e Geologia

“são valorizados os conteúdos procedimentais relativos à aquisição de informação
(…), interpretação de informação (…), análise de informação e realização de
inferências (…) compreensão e organização conceptual da informação e
comunicação da informação”;




Poderíamos acrescentar muitos outros exemplos de outras disciplinas
– Matemática, Geografia, Economia, Línguas Estrangeiras - em que
estas propostas são recorrentes
Programa de Formação
6 sessões – 1 por semana

1º Ano – 2010/2011:
• 3 Turmas de 12º Ano – Área de Projecto
• 7 Turmas de 10º Ano
     • 1 Biologia e Geologia
     • 1 Física e Química
     • 1 Filosofia
     • 1 História
     • 3 Área de Integração (Cursos Profissionais)

2º Ano – 2011/2012:
• 7 Turmas de 10º Ano
     • 1 Biologia e Geologia
     • 2 Filosofia
     • 1 História
     • 3 Área de Integração (Cursos Profissionais)
1ª Sessão

     Etapas            Tarefas                               Descrição
                 Apresentação do       Breve motivação e apresentação dos objectivos e da
                 Projeto                metodologia do Projeto
                 Reflexão sobre a      Debate acerca de questões ligadas à temática da
                 importância da         Informação: Evolução, suportes, acesso ….
                 informação no Séc.
                 XXI.
1 - Introdução
                 Sensibilização para   Apresentação de conceitos e ferramentas da web 2.0
                 a utilização das       Exemplificação de 1 ou 2 ferramentas
                 ferramentas da Web
                 2.0
                 Apresentação do       Apresentação e explicação do modelo Big 6
                 modelo Big6
Ihr Logo
2ª Sessão
                     Definição das   Organização dos trabalhos: definição de um plano
                     tarefas de       de trabalho, constituição de grupos, escolha de
                     trabalho         temas, cronograma.
                                      Definição do modelo de trabalho a utilizar
                                      (Trabalho de Pesquisa, Poster, Cartaz, PPoint….)
                     Questões        Reflexão/debate acerca das questões éticas na
2 – Estratégias de
                     éticas da        utilização da informação.
pesquisa de
                     utilização da
Informação
                     informação
                     Estabelecime    Reflexão sobre os diferentes tipos, fontes e
                     nto de           suportes de informação
                     estratégias de
                     pesquisa de
                     informação.
3ª Sessão

                      Estabelecim     Apresentação de técnicas de pesquisa: enunciação
2 – Estratégias de    ento de          de palavras-chave; pesquisa booleana; truncatura
pesquisa de           estratégias de
Informação            pesquisa de
                      informação.
                      Identificação   Exercício de localização, levantamento e
                      da informação    organização da informação, em diferentes suportes,
3 – Localização e
                      disponível em    disponível para cada trabalho
acesso à informação
                      diferentes
                      suportes
Ihr Logo
4ª Sessão

                      Leitura e      Interacção com a informação (leitura,
                      análise da      visualização, escuta da informação)
                      informação
                      Avaliação da   Exercício de avaliação sobre informação
4 – A utilização da   qualidade da    disponível na web
Informação            informação
                      Seleção da     Realização de exercícios de seleção da
                      informação      informação: tomar notas, elaborar resumos;
                      pretendida      preencher uma grelha; tratar dados estatísticos;
                                      elaborar cronologias, ou outros.
5ª Sessão

                    Sistematiza   Conclusão dos trabalhos com utilização da
                    ção da         informação reunida
                    informação     Preparação da apresentação final de acordo com
5 – Organização
                    selecionada    o modelo definido
e apresentação da
                    de acordo
Informação
                    com a
                    natureza da
                    tarefa
Ihr Logo
6ª Sessão

                Reflexão sobre o    Apresentação, análise e discussão dos trabalhos
                trabalho realizado   produzidos
6 – Avaliação
                                     Preenchimento dos instrumentos de avaliação
                                     (Alunos e Docentes)
Materiais distribuídos aos alunos

 Guião de orientação das sessões de trabalho
 Guião Como elaborar um Plano de Trabalho
 Guião-Ficha de registo do trabalho
 Guião Como organizar um trabalho – O modelo Big 6
 Guião Tipos, fontes e suportes de informação
 Guião de orientação na web 2.0
 Guião Avaliar um sítio na web
 Guião Técnicas de pesquisa na web
 Guião Como elaborar um trabalho escrito
 Guião Como fazer um Poster
 Guião Como fazer um PPoint
 Guião Referências bibliográficas
 Guião Citações e Plágio
 Ficha de Avaliação

  http://poramaresoslivros.blogspot.pt/p/literacias-da-informacao.html
Conclusões
. Aspetos positivos

- a diversidade de disciplinas em que foi possível implementar o projecto
  e consequente variedade de temas trabalhados;

- a adesão positiva da maior parte dos alunos às propostas de trabalho e
  à metodologia do mesmo;

- a adesão dos professores à proposta de formação;

- A reflexão provocada na escola (C.P., Departamentos, Grupos) acerca
  de algumas práticas de trabalho;

- a incorporação progressiva das práticas propostas por um número
  crescente de professores e alunos.
Conclusões
. Aspetos menos conseguidos:

- A experiência em algumas turmas foi pouco conseguida;

- A enorme dificuldade que representa assumir a totalidade das sessões
  de formação, o que dificulta a intervenção;

- Alguma imaturidade e impreparação revelada por alunos de 10º ano, o
  que coloca dificuldades e questiona a necessidade de intervenção no 3º
  ciclo;

- O enraizamento muito profundo de práticas de trabalho pouco abertas
  ao espírito colaborativo.
Conclusões
- O cuidado no recrutamento dos professores intervenientes é um fator
  importante para o sucesso das intervenções;

- A planificação com os professores tem de ser permanente ao longo das
  intervenções;

- É indispensável a diferenciação da intervenção em cursos de
  prosseguimento de estudo e em cursos profissionais;

- A importância da componente de formação dos professores;

- A necessidade de autonomizar e alargar o âmbito de intervenção do
  projeto, centrando-o, por vezes, numa componente,

- A importância de continuidade e persistência.
FIM
       Obrigado
poramaresoslivros.blogspot.pt

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

20 pea-2013-2016
20 pea-2013-201620 pea-2013-2016
20 pea-2013-2016
Maria José Oliveira
 
UnBFE-PEAD 2 2012
UnBFE-PEAD 2 2012UnBFE-PEAD 2 2012
Pratica pedagogica baseada em metodologia ativa
Pratica pedagogica baseada em metodologia ativaPratica pedagogica baseada em metodologia ativa
Pratica pedagogica baseada em metodologia ativa
Elineides Silva
 
Maristela stefanello
Maristela stefanelloMaristela stefanello
Maristela stefanello
equipetics
 
Elaboração de projetos.ppt mariza
Elaboração de projetos.ppt marizaElaboração de projetos.ppt mariza
Elaboração de projetos.ppt mariza
marizaliealvares
 
Guia de orientação para aare v1 revisado
Guia de orientação para aare v1 revisadoGuia de orientação para aare v1 revisado
Guia de orientação para aare v1 revisado
Mara Dutra
 
Defesa Dissertação
Defesa Dissertação Defesa Dissertação
Defesa Dissertação
Helena Soares
 
Mtc tarefa 2 - definição do grupo de trabalho - final jvt
Mtc   tarefa 2 - definição do grupo de trabalho - final jvtMtc   tarefa 2 - definição do grupo de trabalho - final jvt
Mtc tarefa 2 - definição do grupo de trabalho - final jvt
Jovert Freire
 
Possibilidades DidáTico PedagóGicas De UtilizaçãO De Av As
Possibilidades DidáTico PedagóGicas De UtilizaçãO De Av AsPossibilidades DidáTico PedagóGicas De UtilizaçãO De Av As
Possibilidades DidáTico PedagóGicas De UtilizaçãO De Av As
Levenhagen
 
Un bfe pead 2 2012
Un bfe pead 2 2012Un bfe pead 2 2012
Santana do Livramento - Nara Fátima Oliveira dos Santos
Santana do Livramento - Nara Fátima Oliveira dos SantosSantana do Livramento - Nara Fátima Oliveira dos Santos
Santana do Livramento - Nara Fátima Oliveira dos Santos
CursoTICs
 
Pesquisa em Processos de Ensino-Aprendizagem
Pesquisa em Processos de Ensino-AprendizagemPesquisa em Processos de Ensino-Aprendizagem
Pesquisa em Processos de Ensino-Aprendizagem
Leonardo Severo
 
Mtc tarefa 4 - anteprojeto do projeto final de curso pós-graduação em pigea...
Mtc   tarefa 4 - anteprojeto do projeto final de curso pós-graduação em pigea...Mtc   tarefa 4 - anteprojeto do projeto final de curso pós-graduação em pigea...
Mtc tarefa 4 - anteprojeto do projeto final de curso pós-graduação em pigea...
Jovert Freire
 
Pré-projeto de Mestrado: Interface Lúdica para Ensino Remoto de Conteúdos de ...
Pré-projeto de Mestrado: Interface Lúdica para Ensino Remoto de Conteúdos de ...Pré-projeto de Mestrado: Interface Lúdica para Ensino Remoto de Conteúdos de ...
Pré-projeto de Mestrado: Interface Lúdica para Ensino Remoto de Conteúdos de ...
José Neres de Almeida Junior
 
As TIC: novas práticas para antigos saberes da escola.
As TIC: novas práticas para antigos saberes da escola.As TIC: novas práticas para antigos saberes da escola.
As TIC: novas práticas para antigos saberes da escola.
Lázaro Melo
 
10º encontro
10º encontro10º encontro
Projeto UFPR
Projeto UFPRProjeto UFPR
Projeto UFPR
gepoteriko
 
Angelita scalamato
Angelita scalamatoAngelita scalamato
Angelita scalamato
equipetics
 
Pigead – lante uff
Pigead – lante   uffPigead – lante   uff
Pigead – lante uff
Niely Freitas
 
Mtc tarefa 6 - metodologia - final jvt
Mtc   tarefa 6 - metodologia - final jvtMtc   tarefa 6 - metodologia - final jvt
Mtc tarefa 6 - metodologia - final jvt
Jovert Freire
 

Mais procurados (20)

20 pea-2013-2016
20 pea-2013-201620 pea-2013-2016
20 pea-2013-2016
 
UnBFE-PEAD 2 2012
UnBFE-PEAD 2 2012UnBFE-PEAD 2 2012
UnBFE-PEAD 2 2012
 
Pratica pedagogica baseada em metodologia ativa
Pratica pedagogica baseada em metodologia ativaPratica pedagogica baseada em metodologia ativa
Pratica pedagogica baseada em metodologia ativa
 
Maristela stefanello
Maristela stefanelloMaristela stefanello
Maristela stefanello
 
Elaboração de projetos.ppt mariza
Elaboração de projetos.ppt marizaElaboração de projetos.ppt mariza
Elaboração de projetos.ppt mariza
 
Guia de orientação para aare v1 revisado
Guia de orientação para aare v1 revisadoGuia de orientação para aare v1 revisado
Guia de orientação para aare v1 revisado
 
Defesa Dissertação
Defesa Dissertação Defesa Dissertação
Defesa Dissertação
 
Mtc tarefa 2 - definição do grupo de trabalho - final jvt
Mtc   tarefa 2 - definição do grupo de trabalho - final jvtMtc   tarefa 2 - definição do grupo de trabalho - final jvt
Mtc tarefa 2 - definição do grupo de trabalho - final jvt
 
Possibilidades DidáTico PedagóGicas De UtilizaçãO De Av As
Possibilidades DidáTico PedagóGicas De UtilizaçãO De Av AsPossibilidades DidáTico PedagóGicas De UtilizaçãO De Av As
Possibilidades DidáTico PedagóGicas De UtilizaçãO De Av As
 
Un bfe pead 2 2012
Un bfe pead 2 2012Un bfe pead 2 2012
Un bfe pead 2 2012
 
Santana do Livramento - Nara Fátima Oliveira dos Santos
Santana do Livramento - Nara Fátima Oliveira dos SantosSantana do Livramento - Nara Fátima Oliveira dos Santos
Santana do Livramento - Nara Fátima Oliveira dos Santos
 
Pesquisa em Processos de Ensino-Aprendizagem
Pesquisa em Processos de Ensino-AprendizagemPesquisa em Processos de Ensino-Aprendizagem
Pesquisa em Processos de Ensino-Aprendizagem
 
Mtc tarefa 4 - anteprojeto do projeto final de curso pós-graduação em pigea...
Mtc   tarefa 4 - anteprojeto do projeto final de curso pós-graduação em pigea...Mtc   tarefa 4 - anteprojeto do projeto final de curso pós-graduação em pigea...
Mtc tarefa 4 - anteprojeto do projeto final de curso pós-graduação em pigea...
 
Pré-projeto de Mestrado: Interface Lúdica para Ensino Remoto de Conteúdos de ...
Pré-projeto de Mestrado: Interface Lúdica para Ensino Remoto de Conteúdos de ...Pré-projeto de Mestrado: Interface Lúdica para Ensino Remoto de Conteúdos de ...
Pré-projeto de Mestrado: Interface Lúdica para Ensino Remoto de Conteúdos de ...
 
As TIC: novas práticas para antigos saberes da escola.
As TIC: novas práticas para antigos saberes da escola.As TIC: novas práticas para antigos saberes da escola.
As TIC: novas práticas para antigos saberes da escola.
 
10º encontro
10º encontro10º encontro
10º encontro
 
Projeto UFPR
Projeto UFPRProjeto UFPR
Projeto UFPR
 
Angelita scalamato
Angelita scalamatoAngelita scalamato
Angelita scalamato
 
Pigead – lante uff
Pigead – lante   uffPigead – lante   uff
Pigead – lante uff
 
Mtc tarefa 6 - metodologia - final jvt
Mtc   tarefa 6 - metodologia - final jvtMtc   tarefa 6 - metodologia - final jvt
Mtc tarefa 6 - metodologia - final jvt
 

Destaque

Bragança
Bragança Bragança
Bragança
Umberto Pacheco
 
Distritos de Portugal Bragança
Distritos de Portugal   BragançaDistritos de Portugal   Bragança
Distritos de Portugal Bragança
FJFLuz
 
Lenda de bragança
Lenda de bragançaLenda de bragança
Lenda de bragança
Taniabastos15
 
Bragança portugal
Bragança  portugalBragança  portugal
Bragança portugal
bibliotecalvarogomes
 
Adolesciencia dez 13
Adolesciencia dez 13Adolesciencia dez 13
Adolesciencia dez 13
IsabelPereira2010
 
Portugal
PortugalPortugal
Portugal
f7c0809
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragança
Carmo Silva
 
BragançA
BragançABragançA
BragançA
Filipe Almeida
 
As belezas dos 18 distritos de portugal
As belezas dos 18 distritos de portugalAs belezas dos 18 distritos de portugal
As belezas dos 18 distritos de portugal
vanstocher
 
Clima 5 fatores climáticos
Clima 5   fatores climáticos Clima 5   fatores climáticos
Clima 5 fatores climáticos
Walbruni
 
Distritos de Portugal
Distritos de PortugalDistritos de Portugal
Distritos de Portugal
Ministério da Educação
 
O Novo Mapa de Portugal
O Novo Mapa de Portugal O Novo Mapa de Portugal
O Novo Mapa de Portugal
Idalina Leite
 
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-climaFatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
julio2012souto
 
Grafico de portugal
Grafico de portugalGrafico de portugal
Grafico de portugal
8A_reporters
 
Bragança Distrito
Bragança DistritoBragança Distrito
Bragança Distrito
alex
 
Anuário 2015 - Bragança Paulista
Anuário 2015 - Bragança PaulistaAnuário 2015 - Bragança Paulista
Anuário 2015 - Bragança Paulista
Nathan Nascimento
 
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosAtmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Professor
 
4 variação da temperatura em portugal
4  variação da temperatura em portugal4  variação da temperatura em portugal
4 variação da temperatura em portugal
Ministério da Educação
 
Serras e rios de portugal
Serras e rios de portugalSerras e rios de portugal
Serras e rios de portugal
profsabio
 
3.Factores Climáticos
3.Factores Climáticos3.Factores Climáticos
3.Factores Climáticos
Mayjö .
 

Destaque (20)

Bragança
Bragança Bragança
Bragança
 
Distritos de Portugal Bragança
Distritos de Portugal   BragançaDistritos de Portugal   Bragança
Distritos de Portugal Bragança
 
Lenda de bragança
Lenda de bragançaLenda de bragança
Lenda de bragança
 
Bragança portugal
Bragança  portugalBragança  portugal
Bragança portugal
 
Adolesciencia dez 13
Adolesciencia dez 13Adolesciencia dez 13
Adolesciencia dez 13
 
Portugal
PortugalPortugal
Portugal
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragança
 
BragançA
BragançABragançA
BragançA
 
As belezas dos 18 distritos de portugal
As belezas dos 18 distritos de portugalAs belezas dos 18 distritos de portugal
As belezas dos 18 distritos de portugal
 
Clima 5 fatores climáticos
Clima 5   fatores climáticos Clima 5   fatores climáticos
Clima 5 fatores climáticos
 
Distritos de Portugal
Distritos de PortugalDistritos de Portugal
Distritos de Portugal
 
O Novo Mapa de Portugal
O Novo Mapa de Portugal O Novo Mapa de Portugal
O Novo Mapa de Portugal
 
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-climaFatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
 
Grafico de portugal
Grafico de portugalGrafico de portugal
Grafico de portugal
 
Bragança Distrito
Bragança DistritoBragança Distrito
Bragança Distrito
 
Anuário 2015 - Bragança Paulista
Anuário 2015 - Bragança PaulistaAnuário 2015 - Bragança Paulista
Anuário 2015 - Bragança Paulista
 
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosAtmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
 
4 variação da temperatura em portugal
4  variação da temperatura em portugal4  variação da temperatura em portugal
4 variação da temperatura em portugal
 
Serras e rios de portugal
Serras e rios de portugalSerras e rios de portugal
Serras e rios de portugal
 
3.Factores Climáticos
3.Factores Climáticos3.Factores Climáticos
3.Factores Climáticos
 

Semelhante a Apresentação Bragança

Curso Elaboração de Projetos
Curso Elaboração de ProjetosCurso Elaboração de Projetos
Curso Elaboração de Projetos
anilzabrasil
 
Apresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptx
Apresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptxApresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptx
Apresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptx
laraamaral26
 
1203078170 an2 qimfc_profs
1203078170 an2 qimfc_profs1203078170 an2 qimfc_profs
1203078170 an2 qimfc_profs
Abel Antunes
 
Projeto lei 2014
Projeto lei   2014Projeto lei   2014
Projeto lei 2014
Roberto Jesus
 
Programa Supervisao 08 09 Sobre Tic
Programa Supervisao 08 09 Sobre TicPrograma Supervisao 08 09 Sobre Tic
Programa Supervisao 08 09 Sobre Tic
TEODORO SOARES
 
Be E Desenv Comp Li
Be E Desenv Comp LiBe E Desenv Comp Li
Be E Desenv Comp Li
Isabel Mendinhos
 
Wie2010 Formacao UCA Beth Almeida
Wie2010 Formacao UCA Beth AlmeidaWie2010 Formacao UCA Beth Almeida
Wie2010 Formacao UCA Beth Almeida
Web Currículo PUC-SP
 
Orientações didáticas - terceiro e quarto ciclo de Ciência Naturais
Orientações didáticas -  terceiro e quarto ciclo de Ciência NaturaisOrientações didáticas -  terceiro e quarto ciclo de Ciência Naturais
Orientações didáticas - terceiro e quarto ciclo de Ciência Naturais
pibidbio
 
Biblioteca Escolar: Desafios e Metas
Biblioteca Escolar: Desafios e MetasBiblioteca Escolar: Desafios e Metas
Biblioteca Escolar: Desafios e Metas
Ana Ferreira
 
As tecnologias no cotidiano escolar possibilidades de __articular o trabalh...
As tecnologias no cotidiano   escolar possibilidades de __articular o trabalh...As tecnologias no cotidiano   escolar possibilidades de __articular o trabalh...
As tecnologias no cotidiano escolar possibilidades de __articular o trabalh...
Mayke Machado
 
97
9797
Projeto de Gestao das Mídias
Projeto de Gestao das MídiasProjeto de Gestao das Mídias
Projeto de Gestao das Mídias
patricianobille
 
Cultura da escola saberes e competencias
Cultura da escola  saberes e competenciasCultura da escola  saberes e competencias
Cultura da escola saberes e competencias
Denilson André
 
Dimensões pedagógicas e de avaliação do Piloto
Dimensões pedagógicas e de avaliação do PilotoDimensões pedagógicas e de avaliação do Piloto
Dimensões pedagógicas e de avaliação do Piloto
Universidade de Brasília - UnB (University of Brasilia - UnB)
 
Apropriaçãoo das tecnologias um fenomeno em espiral
Apropriaçãoo das tecnologias  um fenomeno em espiralApropriaçãoo das tecnologias  um fenomeno em espiral
Apropriaçãoo das tecnologias um fenomeno em espiral
Deusirene Magalhaes de Araujo
 
Produto Educacional - Guia de Metodologias Ativas para Professores de Ensino ...
Produto Educacional - Guia de Metodologias Ativas para Professores de Ensino ...Produto Educacional - Guia de Metodologias Ativas para Professores de Ensino ...
Produto Educacional - Guia de Metodologias Ativas para Professores de Ensino ...
Gameplay0102
 
Os 4P`s das Metas de Aprendizagem na área das TIC
Os 4P`s das Metas de Aprendizagem na área das TICOs 4P`s das Metas de Aprendizagem na área das TIC
Os 4P`s das Metas de Aprendizagem na área das TIC
Elisabete Cruz
 
Responder a um contexto digital nas IES
Responder a um contexto digital nas IESResponder a um contexto digital nas IES
Responder a um contexto digital nas IES
Luis Borges Gouveia
 
Ppt Mav SessãO3
Ppt Mav SessãO3Ppt Mav SessãO3
Ppt Mav SessãO3
Antonio Tavares
 
Sintese1 Desafios Oportunidades Drealg Turma 2
Sintese1  Desafios Oportunidades Drealg Turma 2Sintese1  Desafios Oportunidades Drealg Turma 2
Sintese1 Desafios Oportunidades Drealg Turma 2
Ana Cristina Matias
 

Semelhante a Apresentação Bragança (20)

Curso Elaboração de Projetos
Curso Elaboração de ProjetosCurso Elaboração de Projetos
Curso Elaboração de Projetos
 
Apresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptx
Apresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptxApresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptx
Apresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptx
 
1203078170 an2 qimfc_profs
1203078170 an2 qimfc_profs1203078170 an2 qimfc_profs
1203078170 an2 qimfc_profs
 
Projeto lei 2014
Projeto lei   2014Projeto lei   2014
Projeto lei 2014
 
Programa Supervisao 08 09 Sobre Tic
Programa Supervisao 08 09 Sobre TicPrograma Supervisao 08 09 Sobre Tic
Programa Supervisao 08 09 Sobre Tic
 
Be E Desenv Comp Li
Be E Desenv Comp LiBe E Desenv Comp Li
Be E Desenv Comp Li
 
Wie2010 Formacao UCA Beth Almeida
Wie2010 Formacao UCA Beth AlmeidaWie2010 Formacao UCA Beth Almeida
Wie2010 Formacao UCA Beth Almeida
 
Orientações didáticas - terceiro e quarto ciclo de Ciência Naturais
Orientações didáticas -  terceiro e quarto ciclo de Ciência NaturaisOrientações didáticas -  terceiro e quarto ciclo de Ciência Naturais
Orientações didáticas - terceiro e quarto ciclo de Ciência Naturais
 
Biblioteca Escolar: Desafios e Metas
Biblioteca Escolar: Desafios e MetasBiblioteca Escolar: Desafios e Metas
Biblioteca Escolar: Desafios e Metas
 
As tecnologias no cotidiano escolar possibilidades de __articular o trabalh...
As tecnologias no cotidiano   escolar possibilidades de __articular o trabalh...As tecnologias no cotidiano   escolar possibilidades de __articular o trabalh...
As tecnologias no cotidiano escolar possibilidades de __articular o trabalh...
 
97
9797
97
 
Projeto de Gestao das Mídias
Projeto de Gestao das MídiasProjeto de Gestao das Mídias
Projeto de Gestao das Mídias
 
Cultura da escola saberes e competencias
Cultura da escola  saberes e competenciasCultura da escola  saberes e competencias
Cultura da escola saberes e competencias
 
Dimensões pedagógicas e de avaliação do Piloto
Dimensões pedagógicas e de avaliação do PilotoDimensões pedagógicas e de avaliação do Piloto
Dimensões pedagógicas e de avaliação do Piloto
 
Apropriaçãoo das tecnologias um fenomeno em espiral
Apropriaçãoo das tecnologias  um fenomeno em espiralApropriaçãoo das tecnologias  um fenomeno em espiral
Apropriaçãoo das tecnologias um fenomeno em espiral
 
Produto Educacional - Guia de Metodologias Ativas para Professores de Ensino ...
Produto Educacional - Guia de Metodologias Ativas para Professores de Ensino ...Produto Educacional - Guia de Metodologias Ativas para Professores de Ensino ...
Produto Educacional - Guia de Metodologias Ativas para Professores de Ensino ...
 
Os 4P`s das Metas de Aprendizagem na área das TIC
Os 4P`s das Metas de Aprendizagem na área das TICOs 4P`s das Metas de Aprendizagem na área das TIC
Os 4P`s das Metas de Aprendizagem na área das TIC
 
Responder a um contexto digital nas IES
Responder a um contexto digital nas IESResponder a um contexto digital nas IES
Responder a um contexto digital nas IES
 
Ppt Mav SessãO3
Ppt Mav SessãO3Ppt Mav SessãO3
Ppt Mav SessãO3
 
Sintese1 Desafios Oportunidades Drealg Turma 2
Sintese1  Desafios Oportunidades Drealg Turma 2Sintese1  Desafios Oportunidades Drealg Turma 2
Sintese1 Desafios Oportunidades Drealg Turma 2
 

Mais de Biblioteca Amares

Informação oficina e ficha def.
Informação oficina e ficha   def.Informação oficina e ficha   def.
Informação oficina e ficha def.
Biblioteca Amares
 
Inscrição oficina teatro
Inscrição oficina teatroInscrição oficina teatro
Inscrição oficina teatro
Biblioteca Amares
 
Informação oficina TEATRO def.
Informação oficina TEATRO  def.Informação oficina TEATRO  def.
Informação oficina TEATRO def.
Biblioteca Amares
 
Catálogo Ler+ Poesia
Catálogo Ler+ PoesiaCatálogo Ler+ Poesia
Catálogo Ler+ Poesia
Biblioteca Amares
 
CATÁLOGO LER+CIÊNCIA 2014
CATÁLOGO LER+CIÊNCIA 2014 CATÁLOGO LER+CIÊNCIA 2014
CATÁLOGO LER+CIÊNCIA 2014
Biblioteca Amares
 
Semeando palavras floresce poesia - 21 de março/21 poemas
Semeando palavras floresce poesia - 21 de março/21 poemasSemeando palavras floresce poesia - 21 de março/21 poemas
Semeando palavras floresce poesia - 21 de março/21 poemas
Biblioteca Amares
 
9 tipos, fontes e suportes de informação
9   tipos, fontes e suportes de informação9   tipos, fontes e suportes de informação
9 tipos, fontes e suportes de informação
Biblioteca Amares
 
5 guião de trabalho individual
5   guião de trabalho individual5   guião de trabalho individual
5 guião de trabalho individualBiblioteca Amares
 
14 como elaborar um cartaz
14   como elaborar um cartaz14   como elaborar um cartaz
14 como elaborar um cartaz
Biblioteca Amares
 
13 como elaborar um trabalho escrito
13 como elaborar um trabalho escrito13 como elaborar um trabalho escrito
13 como elaborar um trabalho escrito
Biblioteca Amares
 
12 como fazer referencias bibliograficas
12   como fazer referencias bibliograficas12   como fazer referencias bibliograficas
12 como fazer referencias bibliograficas
Biblioteca Amares
 
11 a definição de palavras chave
11  a definição de palavras chave11  a definição de palavras chave
11 a definição de palavras chave
Biblioteca Amares
 
10 como fazer uma pesquisa
10   como fazer uma pesquisa10   como fazer uma pesquisa
10 como fazer uma pesquisa
Biblioteca Amares
 
7 como elaborar um poster
7   como elaborar um poster7   como elaborar um poster
7 como elaborar um poster
Biblioteca Amares
 
8 como fazer citações e evitar o plágio
8   como fazer citações e evitar o plágio8   como fazer citações e evitar o plágio
8 como fazer citações e evitar o plágio
Biblioteca Amares
 
6 como definir plano de trabalho
6   como definir plano de trabalho6   como definir plano de trabalho
6 como definir plano de trabalho
Biblioteca Amares
 
4 como organizar o trabalho - big 6
4   como organizar o trabalho - big 64   como organizar o trabalho - big 6
4 como organizar o trabalho - big 6
Biblioteca Amares
 
15 como analisar e avaliar um sítio web
15 como analisar e avaliar um sítio web15 como analisar e avaliar um sítio web
15 como analisar e avaliar um sítio web
Biblioteca Amares
 

Mais de Biblioteca Amares (18)

Informação oficina e ficha def.
Informação oficina e ficha   def.Informação oficina e ficha   def.
Informação oficina e ficha def.
 
Inscrição oficina teatro
Inscrição oficina teatroInscrição oficina teatro
Inscrição oficina teatro
 
Informação oficina TEATRO def.
Informação oficina TEATRO  def.Informação oficina TEATRO  def.
Informação oficina TEATRO def.
 
Catálogo Ler+ Poesia
Catálogo Ler+ PoesiaCatálogo Ler+ Poesia
Catálogo Ler+ Poesia
 
CATÁLOGO LER+CIÊNCIA 2014
CATÁLOGO LER+CIÊNCIA 2014 CATÁLOGO LER+CIÊNCIA 2014
CATÁLOGO LER+CIÊNCIA 2014
 
Semeando palavras floresce poesia - 21 de março/21 poemas
Semeando palavras floresce poesia - 21 de março/21 poemasSemeando palavras floresce poesia - 21 de março/21 poemas
Semeando palavras floresce poesia - 21 de março/21 poemas
 
9 tipos, fontes e suportes de informação
9   tipos, fontes e suportes de informação9   tipos, fontes e suportes de informação
9 tipos, fontes e suportes de informação
 
5 guião de trabalho individual
5   guião de trabalho individual5   guião de trabalho individual
5 guião de trabalho individual
 
14 como elaborar um cartaz
14   como elaborar um cartaz14   como elaborar um cartaz
14 como elaborar um cartaz
 
13 como elaborar um trabalho escrito
13 como elaborar um trabalho escrito13 como elaborar um trabalho escrito
13 como elaborar um trabalho escrito
 
12 como fazer referencias bibliograficas
12   como fazer referencias bibliograficas12   como fazer referencias bibliograficas
12 como fazer referencias bibliograficas
 
11 a definição de palavras chave
11  a definição de palavras chave11  a definição de palavras chave
11 a definição de palavras chave
 
10 como fazer uma pesquisa
10   como fazer uma pesquisa10   como fazer uma pesquisa
10 como fazer uma pesquisa
 
7 como elaborar um poster
7   como elaborar um poster7   como elaborar um poster
7 como elaborar um poster
 
8 como fazer citações e evitar o plágio
8   como fazer citações e evitar o plágio8   como fazer citações e evitar o plágio
8 como fazer citações e evitar o plágio
 
6 como definir plano de trabalho
6   como definir plano de trabalho6   como definir plano de trabalho
6 como definir plano de trabalho
 
4 como organizar o trabalho - big 6
4   como organizar o trabalho - big 64   como organizar o trabalho - big 6
4 como organizar o trabalho - big 6
 
15 como analisar e avaliar um sítio web
15 como analisar e avaliar um sítio web15 como analisar e avaliar um sítio web
15 como analisar e avaliar um sítio web
 

Apresentação Bragança

  • 1. I Encontro da Rede de Bibliotecas Escolares de Bragança “Leituras em Rede: inovação, acesso e inclusão social” Bragança, 9 de março de 2013 Painel de boas práticas: Ideias com Mérito ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMARES 2010/2011 e 2011/2012
  • 2.
  • 4. BE/CRE - ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMARES
  • 5.
  • 6. Antecedentes que originam o projecto  Projeto das Maletas Pedagógicas utilizadas em contexto de sala de aula (Candidatura de Mérito 2006) e que tem por objetivo o desenvolvimento das práticas de utilização dos recursos da BE/CRE em situações de ensino/aprendizagem e o desenvolvimento, nesse ambiente, de competências de utilização da informação.  Programa de formação de utilizadores, vocacionado para os alunos de todos os anos, centrado nas literacias de informação e no bom uso das TIC, em contexto educativo.  Sessões de sensibilização e formação para professores.  Utilização de ferramentas da web 2.0 no trabalho da BE/CRE, divulgando-as em toda a comunidade: Blog, Delicious ….
  • 7. Projecto das Maletas Pedagógicas - Candidatura de Mérito 2006
  • 8. Diagnóstico da situação que originou o projecto Apesar deste esforço, retiramos duas ilações fundamentais: em primeiro lugar, que a receptividade para utilização das maletas pedagógicas se verifica em momentos e situações restritas (realização de trabalhos de investigação, sobretudo), constatando-se alguma resistência a uma utilização regular das mesmas. Deste modo, a ligação à BE/CRE acaba por ser episódica, irregular e descontinuada. Se as metodologias adoptadas pelos professores em contexto de sala de aula não tiverem como pressuposto um papel ativo dos alunos, não resta espaço para a integração da BE/CRE (ou resta um papel lateral) e para o desenvolvimento de competências de informação. Em segundo lugar, apesar do balanço muito positivo que fazemos das ações de formação de utilizadores (e que é partilhado por alunos e professores), sentimos que a sua realização é insuficiente e inconsequente se as práticas promovidas e as competências sobre que incidem, não continuarem a ser trabalhadas, com regularidade, e se não houver a sua assunção por parte de todos os docentes da escola.
  • 9. Diagnóstico da situação que originou o projecto Auto-avaliação da BE/CRE – Pontos fortes:  O reconhecimento por parte de um número crescente de docentes acerca da importância da colaboração com a BE/CRE no desenvolvimento do seu trabalho.  O balanço positivo, realizado pela maioria dos docentes, acerca das experiências de colaboração realizadas com a BE/CRE e sobre o impacto do trabalho da BE/CRE no desenvolvimento das competências dos alunos.  A variedade da oferta de recursos disponibilizados pela BE/CRE, pensados e organizados numa perspetiva de utilização em contexto de sala de aula.  Os indicadores positivos que referenciam uma crescente utilização da BE/CRE, dos seus espaços e dos seus recursos.
  • 10. Diagnóstico da situação que originou o projecto Auto-avaliação da BE/CRE - Debilidades:  A permanência, apesar de alguns sinais de progresso, de um ethos educativo muito individualista que dificulta a regularidade de práticas colaborativas entre a BE/CRE e os docentes.  A prevalência de metodologias de trabalho em sala de aula que não incorporam o hábito de utilização regular da BE/CRE.  A dificuldade de definir tempos de trabalho para, com regularidade, articular e definir estratégias de colaboração entre a BE/CRE e os docentes.  A reduzida utilização de algumas das propostas de atividades apresentadas.
  • 11. Diagnóstico da situação que originou o projecto Entre os professores  a dificuldade/resistência a integrar a utilização da BE/CRE e dos seus recursos no âmbito do desenvolvimento do currículo  a ausência de práticas orientadas para o desenvolvimento de competências de informação, na maior parte dos casos, transversais ao currículo Entre os alunos  a fragilidade – mesmo nos anos mais adiantados – de competências sólidas no domínio das literacias de informação (pesquisa, localização, acesso, seleção, tratamento e utilização da informação)  a constância, a este nível, de hábitos inapropriados, como o recurso acrítico à web (numa verdadeira wikipediodependência).
  • 12. Diagnóstico da situação que originou o projecto  Necessidade de repensar o estatuto e funções da BE.  Necessidade de desenvolver novas práticas colaborativas entre a BE/CRE e os docentes, incorporando novas metodologias de trabalho, definindo tempos e modos de intervenção.  Necessidade de desenvolver uma intervenção que responda ao impacto que as tecnologias têm no acesso à informação e ao conhecimento.  Reconhecimento de que não é profícuo trabalhar, em abstrato, as competências de informação pelo que a forma ideal de realizar a formação de utilizadores neste âmbito seria em contexto de trabalho ligado às disciplinas. Mais do que disponibilizar informação, torna-se prioritário formar utilizadores, desenvolver o sentido crítico e criar a consciência de que não chega aceder à informação, sendo necessário desenvolver os mecanismos que transformam essa informação em conhecimento.
  • 13. Objectivos do projecto Promover um novo modelo de trabalho da BE/CRE na sua articulação com o currículo Pretende-se ir mais longe do que uma simples cooperação ou coordenação do trabalho entre a BE/CRE e os professores: Numa lógica integrada do currículo, pretende-se planificar, desenvolver e avaliar as situações de aprendizagem que têm propósitos comuns, valorizando a utilização crítica da informação em contexto disciplinar e transdisciplinar, exercitando estas competências transversais aos vários saberes disciplinares e fomentando hábitos de trabalho e de estudo autónomos. Este projeto visa dar um salto qualitativo nas práticas que a BE/CRE tem desenvolvido, na sua relação com os docentes e no apoio ao currículo, mas sobretudo na forma como a BE/CRE promove o desenvolvimento das competências de informação dos alunos
  • 14. Programa de Português “A competência estratégica, transversal ao currículo, envolve saberes procedimentais e contextuais (saber como se faz, onde, quando e com que meios) que fazem do aluno um sujeito activo e progressivamente mais autónomo no processo de construção das próprias aprendizagens. A escola deve proporcionar aos alunos conhecimentos de processos de consulta e pesquisa em vários suportes (incluindo a Internet); conhecimentos de processos .de organização da informação (apontamentos por palavras-chave, frases curtas; resumo; esquemas e mapas); conhecimentos de elaboração de ficheiros; conhecimentos sobre a utilização de instrumentos de análise, processadores de texto e bases de dados, correio electrónico e produção de registos áudio e vídeo.”
  • 15. Programa de Filosofia “iniciar ao conhecimento e utilização criteriosa das fontes de informação, designadamente obras de referência e novas tecnologias e (...) à leitura crítica da linguagem icónica (BD, pintura, fotografia) e audiovisual (cinema, televisão), tendo por base instrumentos de descodificação e análise.”; no programa de Biologia e Geologia afirma-se que “são valorizados os conteúdos procedimentais relativos à aquisição de informação (…), interpretação de informação (…), análise de informação e realização de inferências (…) compreensão e organização conceptual da informação e comunicação da informação”;
  • 16. Programa de Física e Química “As aulas deverão ser organizadas de modo a que os alunos nunca deixem de realizar tarefas em que possam discutir pontos de vista, analisar documentos, recolher dados, fazer sínteses, formular hipóteses, fazer observações de experiências, aprender a consultar e interpretar fontes diversas de informação, responder a questões, formular outras, avaliar situações, delinear soluções para problemas, expor ideias oralmente e/ou por escrito.” e recomenda-se “o recurso às modernas tecnologias (TIC) que constituem um excelente auxiliar neste domínio, tendo especial cuidado na análise crítica da informação disponível, principalmente no que diz respeito à correcção científica e terminológica e adequação aos alunos e aos fins a que se destina.”.
  • 17. Programa de História, “pesquisar, de forma autónoma mas planificada, em meios diversificados, informação relevante para assuntos em estudo, organizando-a segundo critérios de pertinência; analisar fontes de natureza diversa, distinguindo informação, implícita e explícita, assim como os respectivos limites para o conhecimento do passado; analisar textos historiográficos, identificando a opinião do autor e tomando-a como uma interpretação susceptível de revisão em função dos avanços historiográficos; utilizar as tecnologias de informação e comunicação, manifestando sentido crítico na selecção adequada de contributos” e acrescenta que “para que os alunos atinjam os objectivos propostos e venham a evidenciar as competências consideradas desejáveis, toda uma variedade de recursos e de actividades poderá ser mobilizada pelo professor, no sentido de: incentivar e orientar a pesquisa individual em suportes diversos, dentro e fora da sala de aula; estimular a organização e a recolha de dados recorrendo, nomeadamente, às novas tecnologias.”
  • 18. Programa de Biologia e Geologia “são valorizados os conteúdos procedimentais relativos à aquisição de informação (…), interpretação de informação (…), análise de informação e realização de inferências (…) compreensão e organização conceptual da informação e comunicação da informação”; Poderíamos acrescentar muitos outros exemplos de outras disciplinas – Matemática, Geografia, Economia, Línguas Estrangeiras - em que estas propostas são recorrentes
  • 19. Programa de Formação 6 sessões – 1 por semana 1º Ano – 2010/2011: • 3 Turmas de 12º Ano – Área de Projecto • 7 Turmas de 10º Ano • 1 Biologia e Geologia • 1 Física e Química • 1 Filosofia • 1 História • 3 Área de Integração (Cursos Profissionais) 2º Ano – 2011/2012: • 7 Turmas de 10º Ano • 1 Biologia e Geologia • 2 Filosofia • 1 História • 3 Área de Integração (Cursos Profissionais)
  • 20. 1ª Sessão Etapas Tarefas Descrição Apresentação do Breve motivação e apresentação dos objectivos e da Projeto metodologia do Projeto Reflexão sobre a Debate acerca de questões ligadas à temática da importância da Informação: Evolução, suportes, acesso …. informação no Séc. XXI. 1 - Introdução Sensibilização para Apresentação de conceitos e ferramentas da web 2.0 a utilização das Exemplificação de 1 ou 2 ferramentas ferramentas da Web 2.0 Apresentação do Apresentação e explicação do modelo Big 6 modelo Big6
  • 22. 2ª Sessão Definição das Organização dos trabalhos: definição de um plano tarefas de de trabalho, constituição de grupos, escolha de trabalho temas, cronograma. Definição do modelo de trabalho a utilizar (Trabalho de Pesquisa, Poster, Cartaz, PPoint….) Questões Reflexão/debate acerca das questões éticas na 2 – Estratégias de éticas da utilização da informação. pesquisa de utilização da Informação informação Estabelecime Reflexão sobre os diferentes tipos, fontes e nto de suportes de informação estratégias de pesquisa de informação.
  • 23. 3ª Sessão Estabelecim Apresentação de técnicas de pesquisa: enunciação 2 – Estratégias de ento de de palavras-chave; pesquisa booleana; truncatura pesquisa de estratégias de Informação pesquisa de informação. Identificação Exercício de localização, levantamento e da informação organização da informação, em diferentes suportes, 3 – Localização e disponível em disponível para cada trabalho acesso à informação diferentes suportes
  • 25. 4ª Sessão Leitura e Interacção com a informação (leitura, análise da visualização, escuta da informação) informação Avaliação da Exercício de avaliação sobre informação 4 – A utilização da qualidade da disponível na web Informação informação Seleção da Realização de exercícios de seleção da informação informação: tomar notas, elaborar resumos; pretendida preencher uma grelha; tratar dados estatísticos; elaborar cronologias, ou outros.
  • 26. 5ª Sessão Sistematiza Conclusão dos trabalhos com utilização da ção da informação reunida informação Preparação da apresentação final de acordo com 5 – Organização selecionada o modelo definido e apresentação da de acordo Informação com a natureza da tarefa
  • 28. 6ª Sessão Reflexão sobre o Apresentação, análise e discussão dos trabalhos trabalho realizado produzidos 6 – Avaliação Preenchimento dos instrumentos de avaliação (Alunos e Docentes)
  • 29. Materiais distribuídos aos alunos  Guião de orientação das sessões de trabalho  Guião Como elaborar um Plano de Trabalho  Guião-Ficha de registo do trabalho  Guião Como organizar um trabalho – O modelo Big 6  Guião Tipos, fontes e suportes de informação  Guião de orientação na web 2.0  Guião Avaliar um sítio na web  Guião Técnicas de pesquisa na web  Guião Como elaborar um trabalho escrito  Guião Como fazer um Poster  Guião Como fazer um PPoint  Guião Referências bibliográficas  Guião Citações e Plágio  Ficha de Avaliação http://poramaresoslivros.blogspot.pt/p/literacias-da-informacao.html
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34. Conclusões . Aspetos positivos - a diversidade de disciplinas em que foi possível implementar o projecto e consequente variedade de temas trabalhados; - a adesão positiva da maior parte dos alunos às propostas de trabalho e à metodologia do mesmo; - a adesão dos professores à proposta de formação; - A reflexão provocada na escola (C.P., Departamentos, Grupos) acerca de algumas práticas de trabalho; - a incorporação progressiva das práticas propostas por um número crescente de professores e alunos.
  • 35. Conclusões . Aspetos menos conseguidos: - A experiência em algumas turmas foi pouco conseguida; - A enorme dificuldade que representa assumir a totalidade das sessões de formação, o que dificulta a intervenção; - Alguma imaturidade e impreparação revelada por alunos de 10º ano, o que coloca dificuldades e questiona a necessidade de intervenção no 3º ciclo; - O enraizamento muito profundo de práticas de trabalho pouco abertas ao espírito colaborativo.
  • 36. Conclusões - O cuidado no recrutamento dos professores intervenientes é um fator importante para o sucesso das intervenções; - A planificação com os professores tem de ser permanente ao longo das intervenções; - É indispensável a diferenciação da intervenção em cursos de prosseguimento de estudo e em cursos profissionais; - A importância da componente de formação dos professores; - A necessidade de autonomizar e alargar o âmbito de intervenção do projeto, centrando-o, por vezes, numa componente, - A importância de continuidade e persistência.
  • 37. FIM Obrigado poramaresoslivros.blogspot.pt