SlideShare uma empresa Scribd logo
APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITAALFABÉTICA E A
                     CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSODE ALFABETIZAÇÃO EM
                                  ESCOLAS DO CAMPO


Eram cinco horas da manhã. Acordou cedo e, pulando um dos filhos que
dormia no chão aos pés da cama, foi para o outro cômodo do barraco fazer
café. Voltou para acordar a filha Vera Lucia que dormia profundo, mas que
precisava acordar cedo, pois, o Shopping Plaza Osasco, onde trabalhava,
ficava a dois ônibus e um metrô de distância. Muito longe, portanto.

Maria da Conceição da Silva, cinquenta e quatro anos, analfabeta, era mulher
sacudida, peitos espaçosos, de cor negra, dentes ilesos e alvos. Morava em
Itaquera, num barraco firme, com seus sete filhos e o querido marido José,
que por sinal acabava de chegar do trabalho de vigia noturno. Com um
"Bença mãe e um Deus te abençõe filha", Vera Lucia despediu-se, ainda com
uma bolacha na boca, o seu café-da-manhã. Realmente. Deus a teria de
abençoar demais naquele dia. Maria da Conceição tinha que correr para
deixar o almoço pronto e partir para o seu trabalho de faxineira, numa
agência de viagens no centro de Osasco.
APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITAALFABÉTICA E A
                     CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSODE ALFABETIZAÇÃO EM
                                  ESCOLAS DO CAMPO


Dizem que notícia ruim sempre corre depressa e Maria da Conceição foi uma
das primeiras a saber que no shopping onde trabalhava a filha, houve uma
grave explosão de gás. Não tirou o uniforme, não pediu licença, não avisou
ninguém e bateu em retirada, pois o seu coração de mãe ordenava que fosse
ver a filha, onde ela estivesse. Correndo desesperada pelas ruas de Osasco,
ouvia dizer de centenas de mortos e feridos. Ambulâncias, helicópteros,
carros de policia, bombeiros, tudo se misturava nos olhos da pobre mulher.

Parou a uma certa distância e viu a cena medonha do desabamento, dos
destroços, da destruição; ela nunca mais conseguiria esquecer o que
presenciava. "Deus faz e não explica", sussurrou. Parada, boquiaberta,
confusa nem percebeu estar justamente no caminho que levava a uma
ambulância ali perto estacionada. Por circunstâncias que ninguém explica,
uma velha maca conduzida por dois bombeiros, teve que parar bem em sua
frente.
APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITAALFABÉTICA E A
                     CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSODE ALFABETIZAÇÃO EM
                                  ESCOLAS DO CAMPO


“Vera Lucia, Vera Lucia minha filha”, - gritou ela, estendendo as duas mãos,
como querendo adivinhar quem estava lá dentro. “Não é Vera Lucia, dona,
este é um homem e está morto” - respondeu-lhe apressadamente um dos
homens. “Para saber quem está vivo ou morto vá até o Hospital Municipal
que eles darão notícias”.

Veio-lhe a certeza de que sua filha havia morrido. Maria recuou na calçada o
suficiente para encostar-se, amparou a nuca na parede, olhou o céu azul e
sentiu o chão faltar-lhe aos pés. A perna direita amoleceu e ela se firmou
somente na esquerda, tombando levemente o corpo. Não conseguia pensar e
já não sabia mais onde estava, em que rua, em que bairro, em que cidade, em
que país. Parecia então que não existia. Não posso garantir, mas tenho a
certeza de que Maria da Conceição, por alguns segundos, experenciou o nada,
isto é, a morte.
APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITAALFABÉTICA E A
                      CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSODE ALFABETIZAÇÃO EM
                                   ESCOLAS DO CAMPO


Mas Deus dá o frio conforme o cobertor e ela acionou suas forças internas,
aprumou-se, enxugou as lágrimas e zarpou em direção ao hospital.

Lá chegando, com a inocência de uma criança, perguntava a todos se alguém
tinha visto a sua Vera Lucia, ao que evidentemente, não obtinha resposta
alguma.Um senhor aproximou-se e, entre amoroso e apressado, disse-lhe que
havia duas listas pregadas na parede, uma dos mortos, outra dos vivos e que
ela fosse procurar pela sua filha. Com muita dificuldade e igual empurra-
empurra, soletrando rezas aproximou-se das listas. Se por um lado esquecia-
se que era analfabeta, par outro confiava nela própria, pois o que sabia ler na
vida era unicamente os nomes dos sete filhos e do marido.
 
 
APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITAALFABÉTICA E A
                      CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSODE ALFABETIZAÇÃO EM
                                   ESCOLAS DO CAMPO



Aproximou-se e leu assim:
Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx.
Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxx.
Vera        Lucia         da   Conceição      da       Silva
XxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxXxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxXxxxxxxxxxxxxxx.

Leu o nome da filha. Pronto, era o que mais queria na vida. Sim, estava lá. Ela
a encontrara. Porém, novamente sentiu um frio, uma horrível dor de barriga
e incontroláveis arrepios na pele. O ar lhe faltava, a vista escurecia e ela já
não ouvia. O nome da filha, em que lista estaria? Na dos vivos ou na dos
mortos? Meu Deus, isso ela não sabia ler.
APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITAALFABÉTICA E A
                      CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSODE ALFABETIZAÇÃO EM
                                   ESCOLAS DO CAMPO




Novamente aproximou-se das listas com o peito apertado, como se um pomo-
de-adão estivesse a asfixiar-lhe a garganta seca. Os lábios tinham aquela
gosma branca de quando se fala muito ou se tem um ataque epiléptico.
Conseguiu agarrar o braço de um homem que estava ao seu lado e sem poder
falar olhou profundamente em seus olhos. Levando-o bem perto das listas
seguiu com o dedo indicador até o princípio das palavras que lá estavam
escritas e sublinhou fortemente embaixo delas.

Como na hora do desespero as pessoas se entendem pelo olhar e pelos gestos, o
homem compreendendo tudo gritou em seu ouvido:
APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITAALFABÉTICA E A
                     CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSODE ALFABETIZAÇÃO EM
                                  ESCOLAS DO CAMPO




lista dos vivos.

Maria da Conceição, a analfabeta que sabia ler com o coração desmaiou e só
acordou horas depois.
 
APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITAALFABÉTICA E A
                      CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSODE ALFABETIZAÇÃO EM
                                   ESCOLAS DO CAMPO




 
A ANALFABETA – PAULO AFONSO CARUSO RONCA
 
 
 
Paulo                     Afonso                Caruso                   Ronca
Mestre em Educação pela PUC-SP, Prof. Dr. em Psicologia Educacional pela
Unicamp, escritor e membro da Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de São
Paulo. É autor dos livros: Estudo Dirigido - Uma Técnica de Ensino
Aprendizagem; A Prova Operatória; A Aula Operatória e a Construção do
Conhecimento; Quem Conta um Conto Aumenta um Ponto; Estudar-Verbo
Intransitivo? e muitos outros.
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A moça tecelã
A moça tecelãA moça tecelã
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emíliaHipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
profeannecunha
 
Slides da reunião com professores
Slides da reunião com professoresSlides da reunião com professores
Slides da reunião com professores
driminas
 
Hipóteses de escrita
Hipóteses de escritaHipóteses de escrita
Hipóteses de escrita
sielcs
 
Power point, leitura é...
Power point, leitura é...Power point, leitura é...
Power point, leitura é...
Fan Santos
 
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
augustafranca7
 
Concepção de alfabetizaação Hipotese alfabetica
 Concepção de alfabetizaação Hipotese alfabetica Concepção de alfabetizaação Hipotese alfabetica
Concepção de alfabetizaação Hipotese alfabetica
♥Marcinhatinelli♥
 
RelatóRio De DeficiêNcia Visual
RelatóRio De DeficiêNcia VisualRelatóRio De DeficiêNcia Visual
RelatóRio De DeficiêNcia Visual
GuilherminaP
 
5. consciencia fonologica
5. consciencia fonologica5. consciencia fonologica
5. consciencia fonologica
Pactoufba
 
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
Ana Macanario
 
Apresentação do portfólio
Apresentação do portfólioApresentação do portfólio
Apresentação do portfólio
Aline Correia Pereira
 
Apresentação fluência revisado
Apresentação fluência revisadoApresentação fluência revisado
Apresentação fluência revisado
angelafreire
 
LIBRAS Cartaz 4 trabalhando com surdos saudações
LIBRAS Cartaz 4 trabalhando com surdos saudaçõesLIBRAS Cartaz 4 trabalhando com surdos saudações
LIBRAS Cartaz 4 trabalhando com surdos saudações
Nelinha Soares
 
Livro - Contos de terror - 5º ano "E"
Livro - Contos de terror - 5º ano "E"Livro - Contos de terror - 5º ano "E"
Livro - Contos de terror - 5º ano "E"
Guilherme Leão
 
Níveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaicNíveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaic
Edeil Reis do Espírito Santo
 
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
Mara Magalhaes
 
Sondagem o que pensam as crianças sobre a escrita
Sondagem o que pensam as crianças sobre a escritaSondagem o que pensam as crianças sobre a escrita
Sondagem o que pensam as crianças sobre a escrita
SileneHolanda
 
A princesa e a sapo
A princesa e a sapoA princesa e a sapo
A princesa e a sapo
Maria Aparecida de Almeida
 
Projeto literatura de cordel
Projeto literatura de cordelProjeto literatura de cordel
Projeto literatura de cordel
Marinelda B. da Silva
 
Chapeuzinho amarelo
Chapeuzinho amareloChapeuzinho amarelo
Chapeuzinho amarelo
Nadie Christina Machado-Spence
 

Mais procurados (20)

A moça tecelã
A moça tecelãA moça tecelã
A moça tecelã
 
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emíliaHipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
 
Slides da reunião com professores
Slides da reunião com professoresSlides da reunião com professores
Slides da reunião com professores
 
Hipóteses de escrita
Hipóteses de escritaHipóteses de escrita
Hipóteses de escrita
 
Power point, leitura é...
Power point, leitura é...Power point, leitura é...
Power point, leitura é...
 
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
 
Concepção de alfabetizaação Hipotese alfabetica
 Concepção de alfabetizaação Hipotese alfabetica Concepção de alfabetizaação Hipotese alfabetica
Concepção de alfabetizaação Hipotese alfabetica
 
RelatóRio De DeficiêNcia Visual
RelatóRio De DeficiêNcia VisualRelatóRio De DeficiêNcia Visual
RelatóRio De DeficiêNcia Visual
 
5. consciencia fonologica
5. consciencia fonologica5. consciencia fonologica
5. consciencia fonologica
 
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
 
Apresentação do portfólio
Apresentação do portfólioApresentação do portfólio
Apresentação do portfólio
 
Apresentação fluência revisado
Apresentação fluência revisadoApresentação fluência revisado
Apresentação fluência revisado
 
LIBRAS Cartaz 4 trabalhando com surdos saudações
LIBRAS Cartaz 4 trabalhando com surdos saudaçõesLIBRAS Cartaz 4 trabalhando com surdos saudações
LIBRAS Cartaz 4 trabalhando com surdos saudações
 
Livro - Contos de terror - 5º ano "E"
Livro - Contos de terror - 5º ano "E"Livro - Contos de terror - 5º ano "E"
Livro - Contos de terror - 5º ano "E"
 
Níveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaicNíveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaic
 
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
 
Sondagem o que pensam as crianças sobre a escrita
Sondagem o que pensam as crianças sobre a escritaSondagem o que pensam as crianças sobre a escrita
Sondagem o que pensam as crianças sobre a escrita
 
A princesa e a sapo
A princesa e a sapoA princesa e a sapo
A princesa e a sapo
 
Projeto literatura de cordel
Projeto literatura de cordelProjeto literatura de cordel
Projeto literatura de cordel
 
Chapeuzinho amarelo
Chapeuzinho amareloChapeuzinho amarelo
Chapeuzinho amarelo
 

Semelhante a PNAIC - Analfabeta

Amaoealuva
AmaoealuvaAmaoealuva
Machado de assis a mão e a luva
Machado de assis   a mão e a luvaMachado de assis   a mão e a luva
Machado de assis a mão e a luva
Joao Maria John Sincero
 
A mão e a luva
A mão e a luvaA mão e a luva
A mão e a luva
Max Pessanha
 
A mao e a luva
A mao e a luvaA mao e a luva
A mao e a luva
Joao Maria John Sincero
 
Helena
HelenaHelena
Missa do galo
Missa do galoMissa do galo
Missa do galo
Isabella Silva
 
Missa do Galo - Machado de Assis
Missa do Galo - Machado de AssisMissa do Galo - Machado de Assis
Missa do Galo - Machado de Assis
Fran Maciel de Almeida
 

Semelhante a PNAIC - Analfabeta (7)

Amaoealuva
AmaoealuvaAmaoealuva
Amaoealuva
 
Machado de assis a mão e a luva
Machado de assis   a mão e a luvaMachado de assis   a mão e a luva
Machado de assis a mão e a luva
 
A mão e a luva
A mão e a luvaA mão e a luva
A mão e a luva
 
A mao e a luva
A mao e a luvaA mao e a luva
A mao e a luva
 
Helena
HelenaHelena
Helena
 
Missa do galo
Missa do galoMissa do galo
Missa do galo
 
Missa do Galo - Machado de Assis
Missa do Galo - Machado de AssisMissa do Galo - Machado de Assis
Missa do Galo - Machado de Assis
 

Mais de ElieneDias

PNAIC 2015 - Luas e luas
PNAIC 2015 - Luas e luas PNAIC 2015 - Luas e luas
PNAIC 2015 - Luas e luas
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Texto 4 o lugar da cultura escrita na educação da criança
PNAIC 2015 - Texto 4   o lugar da cultura escrita na educação da criançaPNAIC 2015 - Texto 4   o lugar da cultura escrita na educação da criança
PNAIC 2015 - Texto 4 o lugar da cultura escrita na educação da criança
ElieneDias
 
Texto 03 A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
Texto 03   A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anosTexto 03   A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
Texto 03 A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetizaçãoPNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educaçãoPNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - A roda
PNAIC 2015 - A roda   PNAIC 2015 - A roda
PNAIC 2015 - A roda
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridadePNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias
PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias  PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias
PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Educação do campo
PNAIC 2015 - Educação do campoPNAIC 2015 - Educação do campo
PNAIC 2015 - Educação do campo
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidadePNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dançaPNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
ElieneDias
 
Lilito um amor de caracol
Lilito um amor de caracolLilito um amor de caracol
Lilito um amor de caracol
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 CurrículoPNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
ElieneDias
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemasPNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
ElieneDias
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números profa. shirley
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números   profa. shirleyPNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números   profa. shirley
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números profa. shirley
ElieneDias
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmosPNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
ElieneDias
 

Mais de ElieneDias (20)

PNAIC 2015 - Luas e luas
PNAIC 2015 - Luas e luas PNAIC 2015 - Luas e luas
PNAIC 2015 - Luas e luas
 
PNAIC 2015 - Texto 4 o lugar da cultura escrita na educação da criança
PNAIC 2015 - Texto 4   o lugar da cultura escrita na educação da criançaPNAIC 2015 - Texto 4   o lugar da cultura escrita na educação da criança
PNAIC 2015 - Texto 4 o lugar da cultura escrita na educação da criança
 
Texto 03 A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
Texto 03   A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anosTexto 03   A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
Texto 03 A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
 
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetizaçãoPNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
 
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educaçãoPNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
 
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
 
PNAIC 2015 - A roda
PNAIC 2015 - A roda   PNAIC 2015 - A roda
PNAIC 2015 - A roda
 
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridadePNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
 
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
 
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
 
PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias
PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias  PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias
PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias
 
PNAIC 2015 - Educação do campo
PNAIC 2015 - Educação do campoPNAIC 2015 - Educação do campo
PNAIC 2015 - Educação do campo
 
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidadePNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
 
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
 
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dançaPNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
 
Lilito um amor de caracol
Lilito um amor de caracolLilito um amor de caracol
Lilito um amor de caracol
 
PNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 CurrículoPNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemasPNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números profa. shirley
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números   profa. shirleyPNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números   profa. shirley
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números profa. shirley
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmosPNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
 

PNAIC - Analfabeta

  • 1. APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITAALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSODE ALFABETIZAÇÃO EM ESCOLAS DO CAMPO Eram cinco horas da manhã. Acordou cedo e, pulando um dos filhos que dormia no chão aos pés da cama, foi para o outro cômodo do barraco fazer café. Voltou para acordar a filha Vera Lucia que dormia profundo, mas que precisava acordar cedo, pois, o Shopping Plaza Osasco, onde trabalhava, ficava a dois ônibus e um metrô de distância. Muito longe, portanto. Maria da Conceição da Silva, cinquenta e quatro anos, analfabeta, era mulher sacudida, peitos espaçosos, de cor negra, dentes ilesos e alvos. Morava em Itaquera, num barraco firme, com seus sete filhos e o querido marido José, que por sinal acabava de chegar do trabalho de vigia noturno. Com um "Bença mãe e um Deus te abençõe filha", Vera Lucia despediu-se, ainda com uma bolacha na boca, o seu café-da-manhã. Realmente. Deus a teria de abençoar demais naquele dia. Maria da Conceição tinha que correr para deixar o almoço pronto e partir para o seu trabalho de faxineira, numa agência de viagens no centro de Osasco.
  • 2. APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITAALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSODE ALFABETIZAÇÃO EM ESCOLAS DO CAMPO Dizem que notícia ruim sempre corre depressa e Maria da Conceição foi uma das primeiras a saber que no shopping onde trabalhava a filha, houve uma grave explosão de gás. Não tirou o uniforme, não pediu licença, não avisou ninguém e bateu em retirada, pois o seu coração de mãe ordenava que fosse ver a filha, onde ela estivesse. Correndo desesperada pelas ruas de Osasco, ouvia dizer de centenas de mortos e feridos. Ambulâncias, helicópteros, carros de policia, bombeiros, tudo se misturava nos olhos da pobre mulher. Parou a uma certa distância e viu a cena medonha do desabamento, dos destroços, da destruição; ela nunca mais conseguiria esquecer o que presenciava. "Deus faz e não explica", sussurrou. Parada, boquiaberta, confusa nem percebeu estar justamente no caminho que levava a uma ambulância ali perto estacionada. Por circunstâncias que ninguém explica, uma velha maca conduzida por dois bombeiros, teve que parar bem em sua frente.
  • 3. APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITAALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSODE ALFABETIZAÇÃO EM ESCOLAS DO CAMPO “Vera Lucia, Vera Lucia minha filha”, - gritou ela, estendendo as duas mãos, como querendo adivinhar quem estava lá dentro. “Não é Vera Lucia, dona, este é um homem e está morto” - respondeu-lhe apressadamente um dos homens. “Para saber quem está vivo ou morto vá até o Hospital Municipal que eles darão notícias”. Veio-lhe a certeza de que sua filha havia morrido. Maria recuou na calçada o suficiente para encostar-se, amparou a nuca na parede, olhou o céu azul e sentiu o chão faltar-lhe aos pés. A perna direita amoleceu e ela se firmou somente na esquerda, tombando levemente o corpo. Não conseguia pensar e já não sabia mais onde estava, em que rua, em que bairro, em que cidade, em que país. Parecia então que não existia. Não posso garantir, mas tenho a certeza de que Maria da Conceição, por alguns segundos, experenciou o nada, isto é, a morte.
  • 4. APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITAALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSODE ALFABETIZAÇÃO EM ESCOLAS DO CAMPO Mas Deus dá o frio conforme o cobertor e ela acionou suas forças internas, aprumou-se, enxugou as lágrimas e zarpou em direção ao hospital. Lá chegando, com a inocência de uma criança, perguntava a todos se alguém tinha visto a sua Vera Lucia, ao que evidentemente, não obtinha resposta alguma.Um senhor aproximou-se e, entre amoroso e apressado, disse-lhe que havia duas listas pregadas na parede, uma dos mortos, outra dos vivos e que ela fosse procurar pela sua filha. Com muita dificuldade e igual empurra- empurra, soletrando rezas aproximou-se das listas. Se por um lado esquecia- se que era analfabeta, par outro confiava nela própria, pois o que sabia ler na vida era unicamente os nomes dos sete filhos e do marido.    
  • 5. APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITAALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSODE ALFABETIZAÇÃO EM ESCOLAS DO CAMPO Aproximou-se e leu assim: Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxx. Vera Lucia da Conceição da Silva XxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxXxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxXxxxxxxxxxxxxxx. Leu o nome da filha. Pronto, era o que mais queria na vida. Sim, estava lá. Ela a encontrara. Porém, novamente sentiu um frio, uma horrível dor de barriga e incontroláveis arrepios na pele. O ar lhe faltava, a vista escurecia e ela já não ouvia. O nome da filha, em que lista estaria? Na dos vivos ou na dos mortos? Meu Deus, isso ela não sabia ler.
  • 6. APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITAALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSODE ALFABETIZAÇÃO EM ESCOLAS DO CAMPO Novamente aproximou-se das listas com o peito apertado, como se um pomo- de-adão estivesse a asfixiar-lhe a garganta seca. Os lábios tinham aquela gosma branca de quando se fala muito ou se tem um ataque epiléptico. Conseguiu agarrar o braço de um homem que estava ao seu lado e sem poder falar olhou profundamente em seus olhos. Levando-o bem perto das listas seguiu com o dedo indicador até o princípio das palavras que lá estavam escritas e sublinhou fortemente embaixo delas. Como na hora do desespero as pessoas se entendem pelo olhar e pelos gestos, o homem compreendendo tudo gritou em seu ouvido:
  • 7. APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITAALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSODE ALFABETIZAÇÃO EM ESCOLAS DO CAMPO lista dos vivos. Maria da Conceição, a analfabeta que sabia ler com o coração desmaiou e só acordou horas depois.  
  • 8. APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITAALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSODE ALFABETIZAÇÃO EM ESCOLAS DO CAMPO   A ANALFABETA – PAULO AFONSO CARUSO RONCA       Paulo Afonso Caruso Ronca Mestre em Educação pela PUC-SP, Prof. Dr. em Psicologia Educacional pela Unicamp, escritor e membro da Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo. É autor dos livros: Estudo Dirigido - Uma Técnica de Ensino Aprendizagem; A Prova Operatória; A Aula Operatória e a Construção do Conhecimento; Quem Conta um Conto Aumenta um Ponto; Estudar-Verbo Intransitivo? e muitos outros.