SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Baixar para ler offline
PROFESSOR DO 1º AO 5º ANO
(DESCRITORES)
PROF. JOSÉ BARBOSA, MSc.
I. ESTRATÉGIAS DE LEITURA:
1. INTERPRETAR TEXTO COM AUXÍLIO DE MATERIAL GRÁFICO DIVERSO (PROPAGANDAS,
QUADRINHOS, FOTO ETC.) (D5)
2. INFERIR SENTIDO DE PALAVRA OU EXPRESSÃO (D3) OU INFORMAÇÃO IMPLÍCITA EM UM
(D4)
3. IDENTIFICAR EFEITO DE SENTIDO DECORRENTE DO USO DA PONTUAÇÃO E DE OUTRAS
(D14)
4. IDENTIFICAR EFEITOS DE IRONIA OU HUMOR EM TEXTOS VARIADOS (D13)
5. IDENTIFICAR A FINALIDADE DE TEXTOS DE DIFERENTES TIPOLOGIAS E GÊNEROS (D9)
II. PROCESSAMENTO DO TEXTO
6. ESTABELECER RELAÇÕES LÓGICO-DISCURSIVAS PRESENTES NO TEXTO, MARCADAS POR
ADVÉRBIOS, LOCUÇÕES ADVERBIAIS, CONJUNÇÕES ETC. (D12)
7. ESTABELECER RELAÇÃO DE CAUSA/CONSEQUÊNCIA ENTRE PARTES E ELEMENTOS DO
8. ESTABELECER RELAÇÕES ENTRE AS PARTES DE UM TEXTO, IDENTIFICANDO REPETIÇÕES
SUBSTITUIÇÕES QUE CONTRIBUEM PARA A CONTINUIDADE DE UM TEXTO (D2)
9. IDENTIFICAR O CONFLITO GERADOR DO ENREDO E OS ELEMENTOS QUE CONSTROEM A
NARRATIVA (D7)
III. VARIAÇÃO LINGUÍSTICA:
10. IDENTIFICAR AS MARCAS LINGUÍSTICAS QUE EVIDENCIAM O LOCUTOR E O
PROGRAMÁTICO
PROFESSOR1º-5ºANO
DESCRITORES DE HABILIDADES
DA LÍNGUA PORTUGUESA
CONFORME A MATRIZ DE
REFERÊNCIA PARA O ENSINO
FUNDAMENTAL I (5º ANO)
OS DESCRITORES
DO 5º ANO
Em Língua Portuguesa (com
foco em leitura) são
avaliadas habilidades e
competências definidas em
unidades chamadas
descritores, agrupadas em
tópicos que compõem a
Matriz de Referência dessa
disciplina. São 15 descritores
divididos em seis tópicos.
I. PROCEDIMENTOS DE LEITURA
D1 – Localizar informações explícitas em um texto.
D3 – Inferir o sentido de uma palavra ou expressão.
D4 – Inferir uma informação implícita em um texto.
D6 – Identificar o tema de um texto.
D11 – Distinguir um fato da opinião relativa a esse fato.
Este tópico diz respeito a procedimentos fundamentais do ato
de ler no que tange às informações explícitas e implícitas do
texto, desde a localização, o entendimento de palavra ou
expressão, compreensão global da informação, até o resgate
de informação nas entrelinhas do texto.
TÓPICO II. IMPLICAÇÕES DO SUPORTE, DO
GÊNERO, E/ OU DO ENUNCIADOR NA
COMPREENSÃO DE TEXTO
Este tópico diz respeito à “embalagem” em que o texto
aparece, ou seja, sua estrutura, seu suporte, a forma como é
veiculado, o que o caracteriza em um dado gênero
discursivo.
D5 – Interpretar texto com auxílio de material gráfico
diverso (propagandas, quadrinhos, foto, etc.).
D9 – Identificar a finalidade de textos de diferentes gêneros.
TÓPICO III. RELAÇÃO ENTRE TEXTOS
Este tópico diz respeito à intertextualidade, ou seja, a
comunhão entre textos quer na forma, quer no conteúdo. É
o conjunto de relações explícitas (ou implícitas) que um
texto mantém com o outro. Neste caso específico, requer a
comparação entre textos do mesmo tema.
D15 – Reconhecer diferentes formas de tratar a informação
na comparação de textos que tratam do mesmo tema, em
função das condições em que ele foi produzido e daquelas
em que será recebido.
TÓPICO IV. COERÊNCIA E COESÃO NO
PROCESSAMENTO DO TEXTO
Trata da ligações de sentidos, tanto em nível micro quanto em nível
macrotextual, ou seja, de que forma os recursos gramaticais
estabelecem, e.g., as relações de continuidade do texto. A palavra de
ordem é o estabelecimento de relações semânticas no texto.
D2 – Estabelecer relações entre partes de um texto, identificando repetições
ou substituições que contribuem para a continuidade de um texto.
D7 – Identificar o conflito gerador do enredo e os elementos que constroem
a narrativa.
D8 – Estabelecer relação de causa/ consequência entre partes e elementos do
texto.
D12 – Estabelecer relações lógico-discursivas presentes no texto, marcadas
por conjunções, advérbios, etc.
TÓPICO V. RELAÇÃO ENTRE RECURSOS
EXPRESSIVOS E EFEITOS DE SENTIDO
Este tópico diz respeito ao uso de recursos quer lexicais
(vocabulário), quer fonológicos (da relação entre letra e som),
quer notacionais (pontuação e de outros sinais gráficos), e o
efeito de seu uso, de sua escolha no texto.
D13 – Identificar efeitos de ironia ou humor em textos
variados.
D14 – Identificar o efeito de sentido decorrente do uso da
pontuação e de outras notações.
TÓPICO VI. VARIAÇÃO LINGUÍSTICA
Considerando a heterogeneidade da língua (as diferenças de
cada falante no uso da língua), e partindo de uma
concepção de língua que varia no tempo, no espaço,
socialmente, nas diferentes formas de falar das pessoas,
homens, mulheres, crianças, idosos, este tópico visa à
identificação das marcas que caracterizam os interlocutores
do texto.
D10 – Identificar as marcas linguísticas que evidenciam o
locutor e o interlocutor de um texto.
HABILIDADES ENVOLVIDAS
NOS DESCRITORES
TÓPICO I – PROCEDIMENTOS
DE LEITURA
D1 – LOCALIZAR INFORMAÇÕES EXPLÍCITAS
DO TEXTO
Esta é uma habilidade básica na compreensão leitora do
texto: a identificação de informações que estão claramente
apresentadas no texto. Trata-se de localização de
informação explícita, claramente identificável, o que permite
avaliar se o estudante é capaz de localizar a informação, sem
o auxílio de informação concorrente no texto.
D3 – INFERIR O SENTIDO DE UMA PALAVRA
OU EXPRESSÃO
O grau de familiaridade com uma palavra depende da frequência de
convivência com ela, que, por sua vez, está ligada à intimidade com a
leitura, de um modo geral, e, por conseguinte, à frequência de leitura
de diferentes gêneros discursivos. Por isso, a capacidade de inferir o
significado de palavras – depreensão do que está nas entrelinhas do
texto, do que não está explícito – evita o sério problema que se
constitui quando o leitor se depara com um grande número de
palavras cujo significado desconhece, o que interfere na leitura
fluente do texto. Assim, a inferência lexical – recobrir o sentido de
algo que não está claro no texto – depende de outros fatores, tais
como: contexto, pistas linguísticas, para haver compreensão.
D4 – INFERIR UMA INFORMAÇÃO IMPLÍCITA
EM UM TEXTO
Da mesma forma que se depreende o sentido implícito de uma
expressão, há uma complexidade um pouco maior quando se pensa
em inferência de informações. Este descritor requer do leitor uma
capacidade de construir a informação que está subjacente ao texto,
partindo do contexto e das pistas linguísticas que o texto oferece.
Trata-se, na verdade, do desvendamento do que está subjacente,
posto que há um balanceamento entre as informações de superfície
do texto e aquelas que serão resgatadas nas entrelinhas do texto.
Não é possível explicitar 100% as informações, sejam elas quais
forem. Por isso, pode-se dizer que existem graus diferentes de
implicitudes do texto.
D6 – IDENTIFICAR O TEMA DE UM TEXTO
Constitui-se em competência básica na compreensão do texto, pois
trata do reconhecimento do tópico global do texto, ou seja, o leitor
precisa transformar os elementos dispostos localmente em um todo
coerente.
D11 – DISTINGUIR UM FATO DA OPINIÃO
RELATIVA A ESSE FATO
Dois conceitos são importantes neste descritor: fato e opinião
relativa ao fato. O primeiro – fato – algo que aconteceu
(acontece), está relacionado a algo real, quer no mundo
“extratextual”, quer no mundo textual. Já a opinião é algo
subjetivo, quer no mundo real, quer no mundo textual, que
impõe, necessariamente, uma posição do locutor do texto. Este é
um descritor bastante importante, porque indica uma proficiência
crítica em relação à leitura: a de diferenciar informação de uma
opinião sobre algo
TÓPICO II – IMPLICAÇÕES DO
SUPORTE, DO GÊNERO, E/ OU
DO ENUNCIADOR NA
COMPREENSÃO DE TEXTO
D5 – INTERPRETAR TEXTO COM AUXÍLIO DE
MATERIAL GRÁFICO DIVERSO
(PROPAGANDAS, QUADRINHOS, FOTO ETC.)
Considera-se parte constitutiva da habilidade de leitura a
construção da estrutura textual e de que forma esta estrutura traz
implicações na compreensão de texto. Por isso, entende-se que
este descritor requer a construção de uma “armação”
sustentadora do assunto, ligada ao texto. Neste caso, o material
gráfico pode levar o leitor a entender as relações mais abstratas.
A informação focada no material gráfico pode preparar para a
leitura verbal do texto. Entretanto, é, sem dúvida, necessária uma
intimidade com este tipo de linguagem, que visa à articulação
dessas duas formas de linguagem (verbal e não verbal)
D9 – IDENTIFICAR A FINALIDADE DE TEXTOS
DE DIFERENTES TIPOLOGIAS E GÊNEROS
Este é um descritor em nível macrotextual que visa à identificação
da tipologia e do gênero do texto, como também ao
reconhecimento de sua finalidade, seu propósito comunicativo.
TÓPICO III – RELAÇÃO ENTRE
TEXTO
D15 – RECONHECER DIFERENTES FORMAS DE
TRATAR A INFORMAÇÃO NA COMPARAÇÃO DE
TEXTOS QUE TRATAM DO MESMO TEMA, EM
FUNÇÃO DAS CONDIÇÕES EM QUE ELE FOI
PRODUZIDO E DAQUELAS EM QUE SERÁ RECEBIDO
Neste descritor, a palavra-chave é a intertextualidade. Está inscrita na
concepção do descritor a relação de interação que se estabelece
entre os interlocutores. Isto pressupõe entender de que forma o texto
é produzido e como ele é recebido. Neste sentido, admite-se a ideia
de polifonia, ou seja, da existência de muitas vozes no texto, o que
constitui um princípio que trata o texto como uma comunhão de
discursos e não como algo isolado. Neste tópico, a ideia central é a
ampliação do mundo textual.
TÓPICO IV – COESÃO E
COERÊNCIA NO
PROCESSAMENTO DO TEXTO
D2 – ESTABELECER RELAÇÕES ENTRE PARTES
DE UM TEXTO, IDENTIFICANDO REPETIÇÕES
OU SUBSTITUIÇÕES QUE CONTRIBUEM PARA
A CONTINUIDADE DE UM TEXTO
Trata-se de uma habilidade fundamental para o entendimento do
texto: relacionar as partes de um texto, tanto nas relações entre
parágrafos, quanto nas relações dentro do parágrafo. Embora
requeira do leitor um conhecimento gramatical das funções que
um sintagma nominal e um pronome, por exemplo, podem
exercer na frase, não se trata – é importante enfatizar – de uma
identificação de palavras, mas de identificação de relações
semânticas a que se pode atribuir coerência de sentidos no texto.
D7 – IDENTIFICAR O CONFLITO GERADOR DO
ENREDO E OS ELEMENTOS QUE CONSTROEM
A NARRATIVA
Neste descritor, vamos nos ater mais especificamente ao tipo de
texto (narrativo) e a seus componentes fundamentais. Portanto,
diz respeito à construção da coerência entre os elementos da
narrativa em relação ao conflito que gera o enredo.
D8 – ESTABELECER RELAÇÃO DE
CAUSA/CONSEQUÊNCIA ENTRE PARTES E
ELEMENTOS DO TEXTO
A coesão sequencial diz respeito aos procedimentos linguísticos
por meio dos quais se estabelecem, entre segmentos do texto,
diversos tipos de relações semânticas, responsáveis por fazer o
texto progredir. Neste caso específico, a relação é de
causa/consequência: a busca dos porquês nas relações textuais.
D12 – ESTABELECER RELAÇÃO LÓGICO-
DISCURSIVAS PRESENTES NO TEXTO, MARCADAS
POR CONJUNÇÕES, ADVÉRBIOS ETC.
De forma mais ampla, este descritor visa à ampliação dos descritores
anteriores no que tange ao papel que as diferentes palavras exercem
na língua. Trata-se de relação de coesão, ou seja, de ligação entre
partes do texto, mas, neste caso, estabelecidas por palavras que
substituem outras, como, por exemplo, os advérbios e as conjunções.
Aqui está um bom exemplo do que é um processamento textual e um
conteúdo em sala de aula. Neste caso, não basta o estudante
reconhecer o advérbio de tempo, modo ou lugar, por exemplo, mas
entender como este advérbio une um parágrafo e outro, por exemplo,
ou que relação de sentido estabelece entre uma ideia e outra dentro
do parágrafo.
TÓPICO V – RELAÇÃO ENTRE
RECURSOS EXPRESSIVOS E
EFEITOS DE SENTIDO
D13 – IDENTIFICAR EFEITOS DE IRONIA OU
HUMOR EM TEXTOS VARIADOS
A proficiência leitora requer do leitor a capacidade de perceber os
envolvidos no texto e também suas intenções. Neste sentido, o uso
de determinadas palavras e expressões constituem pistas
linguísticas que levam o leitor a perceber, por exemplo, um traço
de humor do texto. Neste descritor, o leitor proficiente deve
perceber o efeito que a palavra, expressão ou a construção de
uma ideia, de forma irônica ou humorística podem causar no texto.
D14 – IDENTIFICAR EFEITOS DE SENTIDO
DECORRENTES DO USO DA PONTUAÇÃO E DE
OUTRAS NOTAÇÕES
Este descritor visa ao reconhecimento discursivo do uso dos sinais de
pontuação, ou seja, que efeito provocam no texto, indicando uma pista
linguística para entender a intenção comunicativa. Aqui se faz necessário
marcar a diferença entre o que é gramatical: saber usar os sinais de
pontuação, e o que é discursivo: saber avaliar o efeito decorrente do uso
em dado contexto. Esta é outra contribuição importante da matriz de
referência: não basta o estudante conhecer os termos gramaticais. É
fundamental que o estudante saiba relacionar o uso dos recursos
gramaticais ao contexto discursivo. É neste sentido que vimos enfatizando
que a matriz de referência apresenta um cunho textual, que investiga,
efetivamente, o processo das informações a partir dos recursos disponíveis
na língua.
TÓPICO VI – VARIAÇÃO
LINGUÍSTICA
D10 – IDENTIFICAR AS MARCAS LINGUÍSTICAS
QUE EVIDENCIAM O LOCUTOR E O
INTERLOCUTOR DE
UM TEXTO
Partindo de uma concepção dialógica do texto, o descritor 10 visa à
identificação das marcas que podem caracterizar os interlocutores, em
diferentes momentos, espaços, etc. já que sabemos que usamos a mesma a
língua, mas a usamos de forma diferente, quer pelas nossas próprias
características, quer pelo nosso nível de escolarização, informalidade ou
formalidade do quê e como queremos dizer, nossos regionalismos, etc.
Deve-se lembrar que os parâmetros da variação são diversos. Entretanto,
estão imbricados, pois, no ato de interagir verbalmente, o falante acionará a
variante linguística relativa ao contexto em que está inserido, de acordo
com as intenções do ato de comunicação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano diagnóstico de Matemática - 5º ano
Plano diagnóstico  de Matemática  - 5º ano  Plano diagnóstico  de Matemática  - 5º ano
Plano diagnóstico de Matemática - 5º ano Mary Alvarenga
 
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docxFICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docxNatália Moura
 
Simulado 7 (port. 5º ano)
Simulado 7 (port. 5º ano)Simulado 7 (port. 5º ano)
Simulado 7 (port. 5º ano)Cidinha Paulo
 
Coletânea de Poemas
Coletânea de PoemasColetânea de Poemas
Coletânea de PoemasMariGiopato
 
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...orientadoresdeestudopaic
 
Sugestões atividades oralidade
Sugestões atividades oralidadeSugestões atividades oralidade
Sugestões atividades oralidadeDyone Andrade
 
Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática. (20...
Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática.  (20...Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática.  (20...
Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática. (20...Mary Alvarenga
 
O príncipe das emojis
O príncipe das emojisO príncipe das emojis
O príncipe das emojisAndrea Alves
 
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º anoSimulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º anoSilvânia Silveira
 
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observaçãoArte Tecnologia
 
Sequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulasSequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulasProfessora Cida
 
Projeto de leitura para o 3º bimestre
Projeto de leitura para o 3º bimestreProjeto de leitura para o 3º bimestre
Projeto de leitura para o 3º bimestreheliane
 
Guia para estudo dos pronomes pessoais 4º ano
Guia para estudo dos pronomes pessoais 4º anoGuia para estudo dos pronomes pessoais 4º ano
Guia para estudo dos pronomes pessoais 4º anoPaulo Alves de Araujo
 
Gabarito+20+questões (1)
Gabarito+20+questões (1)Gabarito+20+questões (1)
Gabarito+20+questões (1)Inttermed
 
Simulado prova-brasil- 2º ano
Simulado prova-brasil- 2º ano Simulado prova-brasil- 2º ano
Simulado prova-brasil- 2º ano Mara Sueli
 
Palavras do jogo soletrando - 8º e 9º ano
Palavras do jogo soletrando - 8º e 9º anoPalavras do jogo soletrando - 8º e 9º ano
Palavras do jogo soletrando - 8º e 9º anoTainá Almada
 

Mais procurados (20)

Plano diagnóstico de Matemática - 5º ano
Plano diagnóstico  de Matemática  - 5º ano  Plano diagnóstico  de Matemática  - 5º ano
Plano diagnóstico de Matemática - 5º ano
 
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docxFICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
 
Simulado 7 (port. 5º ano)
Simulado 7 (port. 5º ano)Simulado 7 (port. 5º ano)
Simulado 7 (port. 5º ano)
 
Coletânea de Poemas
Coletânea de PoemasColetânea de Poemas
Coletânea de Poemas
 
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
 
Texto Reflexivo: Plante um Futuro
Texto Reflexivo: Plante um FuturoTexto Reflexivo: Plante um Futuro
Texto Reflexivo: Plante um Futuro
 
Sugestões atividades oralidade
Sugestões atividades oralidadeSugestões atividades oralidade
Sugestões atividades oralidade
 
D12 (5º ano mat.)
D12 (5º ano   mat.)D12 (5º ano   mat.)
D12 (5º ano mat.)
 
Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática. (20...
Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática.  (20...Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática.  (20...
Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática. (20...
 
Planejamento anual 2 ano fund
Planejamento anual 2 ano fundPlanejamento anual 2 ano fund
Planejamento anual 2 ano fund
 
O príncipe das emojis
O príncipe das emojisO príncipe das emojis
O príncipe das emojis
 
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º anoSimulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
 
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observação
 
Sequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulasSequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulas
 
Projeto de leitura para o 3º bimestre
Projeto de leitura para o 3º bimestreProjeto de leitura para o 3º bimestre
Projeto de leitura para o 3º bimestre
 
Guia para estudo dos pronomes pessoais 4º ano
Guia para estudo dos pronomes pessoais 4º anoGuia para estudo dos pronomes pessoais 4º ano
Guia para estudo dos pronomes pessoais 4º ano
 
Gabarito+20+questões (1)
Gabarito+20+questões (1)Gabarito+20+questões (1)
Gabarito+20+questões (1)
 
Simulado prova-brasil- 2º ano
Simulado prova-brasil- 2º ano Simulado prova-brasil- 2º ano
Simulado prova-brasil- 2º ano
 
Projeto semana da pátria
Projeto semana da pátriaProjeto semana da pátria
Projeto semana da pátria
 
Palavras do jogo soletrando - 8º e 9º ano
Palavras do jogo soletrando - 8º e 9º anoPalavras do jogo soletrando - 8º e 9º ano
Palavras do jogo soletrando - 8º e 9º ano
 

Semelhante a Estratégias de leitura e descritores da Língua Portuguesa do 5o ano

Descritores- Explicando Competências e Habilidades
Descritores- Explicando Competências e HabilidadesDescritores- Explicando Competências e Habilidades
Descritores- Explicando Competências e HabilidadesMarina Alessandra
 
Matrizes de referência salto TO 2014
Matrizes de referência salto TO 2014Matrizes de referência salto TO 2014
Matrizes de referência salto TO 2014Marianacl
 
3592 texto do artigo-8204-1-10-20100919
3592 texto do artigo-8204-1-10-201009193592 texto do artigo-8204-1-10-20100919
3592 texto do artigo-8204-1-10-20100919AnaSimes583336
 
Estudos para avaliação SAEGO Língua portuguesa
Estudos para avaliação SAEGO Língua portuguesaEstudos para avaliação SAEGO Língua portuguesa
Estudos para avaliação SAEGO Língua portuguesaMaiteFerreira4
 
Saego avaliação de Língua Portuguesa
Saego avaliação de Língua PortuguesaSaego avaliação de Língua Portuguesa
Saego avaliação de Língua Portuguesaladywatanabefonseca
 
A construção dos sentidos - Denotação e Conotação.ppt
A construção dos sentidos - Denotação e Conotação.pptA construção dos sentidos - Denotação e Conotação.ppt
A construção dos sentidos - Denotação e Conotação.pptCaroline Assis
 
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)SMEdeItabaianinha
 
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)SMEdeItabaianinha
 
Prova Saeb_2021.pptx
Prova Saeb_2021.pptxProva Saeb_2021.pptx
Prova Saeb_2021.pptxTCCFAJ
 

Semelhante a Estratégias de leitura e descritores da Língua Portuguesa do 5o ano (20)

Descritores- Explicando Competências e Habilidades
Descritores- Explicando Competências e HabilidadesDescritores- Explicando Competências e Habilidades
Descritores- Explicando Competências e Habilidades
 
Matrizes de referência salto TO 2014
Matrizes de referência salto TO 2014Matrizes de referência salto TO 2014
Matrizes de referência salto TO 2014
 
Plano de ensi nino de inglês 6º ano
Plano de ensi nino de inglês 6º anoPlano de ensi nino de inglês 6º ano
Plano de ensi nino de inglês 6º ano
 
3592 texto do artigo-8204-1-10-20100919
3592 texto do artigo-8204-1-10-201009193592 texto do artigo-8204-1-10-20100919
3592 texto do artigo-8204-1-10-20100919
 
Estudos para avaliação SAEGO Língua portuguesa
Estudos para avaliação SAEGO Língua portuguesaEstudos para avaliação SAEGO Língua portuguesa
Estudos para avaliação SAEGO Língua portuguesa
 
Saego avaliação de Língua Portuguesa
Saego avaliação de Língua PortuguesaSaego avaliação de Língua Portuguesa
Saego avaliação de Língua Portuguesa
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO - COM GABARITO
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO - COM GABARITOAVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO - COM GABARITO
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO - COM GABARITO
 
Cronograma intervenção hist 1 ano
Cronograma intervenção hist 1 anoCronograma intervenção hist 1 ano
Cronograma intervenção hist 1 ano
 
Cronograma intervenção hist 1 ano
Cronograma intervenção hist 1 anoCronograma intervenção hist 1 ano
Cronograma intervenção hist 1 ano
 
Cronograma intervenção hist 1 ano
Cronograma intervenção hist 1 anoCronograma intervenção hist 1 ano
Cronograma intervenção hist 1 ano
 
A construção dos sentidos - Denotação e Conotação.ppt
A construção dos sentidos - Denotação e Conotação.pptA construção dos sentidos - Denotação e Conotação.ppt
A construção dos sentidos - Denotação e Conotação.ppt
 
Saego lp
Saego lpSaego lp
Saego lp
 
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
 
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
 
Plano de ensino ingles pav 2 2013
Plano de ensino ingles pav 2 2013Plano de ensino ingles pav 2 2013
Plano de ensino ingles pav 2 2013
 
Cronograma intervenção hist 3 ano
Cronograma intervenção hist 3 anoCronograma intervenção hist 3 ano
Cronograma intervenção hist 3 ano
 
Cronograma intervenção hist 3 ano
Cronograma intervenção hist 3 anoCronograma intervenção hist 3 ano
Cronograma intervenção hist 3 ano
 
PARTE 1- 1 - 153.pdf
PARTE 1- 1 - 153.pdfPARTE 1- 1 - 153.pdf
PARTE 1- 1 - 153.pdf
 
Cronograma intervenção hist 3 ano
Cronograma intervenção hist 3 anoCronograma intervenção hist 3 ano
Cronograma intervenção hist 3 ano
 
Prova Saeb_2021.pptx
Prova Saeb_2021.pptxProva Saeb_2021.pptx
Prova Saeb_2021.pptx
 

Mais de Prof Barbosa

Curso de didática geral
Curso de didática geralCurso de didática geral
Curso de didática geralProf Barbosa
 
Avaliacao da-aprendizagem-escolar-cipriano-luckesi-pdf
Avaliacao da-aprendizagem-escolar-cipriano-luckesi-pdfAvaliacao da-aprendizagem-escolar-cipriano-luckesi-pdf
Avaliacao da-aprendizagem-escolar-cipriano-luckesi-pdfProf Barbosa
 
Manual de linguística
Manual de linguísticaManual de linguística
Manual de linguísticaProf Barbosa
 
Descritores de lp do ensino fundamental
Descritores de lp do ensino fundamentalDescritores de lp do ensino fundamental
Descritores de lp do ensino fundamentalProf Barbosa
 
Descritores da Língua Portuguesa 5º ano (Teoria)
Descritores da Língua Portuguesa 5º ano (Teoria)Descritores da Língua Portuguesa 5º ano (Teoria)
Descritores da Língua Portuguesa 5º ano (Teoria)Prof Barbosa
 
Descritores de port e mat com teoria e exercícios
Descritores de port e mat com teoria e exercíciosDescritores de port e mat com teoria e exercícios
Descritores de port e mat com teoria e exercíciosProf Barbosa
 

Mais de Prof Barbosa (6)

Curso de didática geral
Curso de didática geralCurso de didática geral
Curso de didática geral
 
Avaliacao da-aprendizagem-escolar-cipriano-luckesi-pdf
Avaliacao da-aprendizagem-escolar-cipriano-luckesi-pdfAvaliacao da-aprendizagem-escolar-cipriano-luckesi-pdf
Avaliacao da-aprendizagem-escolar-cipriano-luckesi-pdf
 
Manual de linguística
Manual de linguísticaManual de linguística
Manual de linguística
 
Descritores de lp do ensino fundamental
Descritores de lp do ensino fundamentalDescritores de lp do ensino fundamental
Descritores de lp do ensino fundamental
 
Descritores da Língua Portuguesa 5º ano (Teoria)
Descritores da Língua Portuguesa 5º ano (Teoria)Descritores da Língua Portuguesa 5º ano (Teoria)
Descritores da Língua Portuguesa 5º ano (Teoria)
 
Descritores de port e mat com teoria e exercícios
Descritores de port e mat com teoria e exercíciosDescritores de port e mat com teoria e exercícios
Descritores de port e mat com teoria e exercícios
 

Último

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxrenatacolbeich1
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 

Estratégias de leitura e descritores da Língua Portuguesa do 5o ano

  • 1. PROFESSOR DO 1º AO 5º ANO (DESCRITORES) PROF. JOSÉ BARBOSA, MSc.
  • 2. I. ESTRATÉGIAS DE LEITURA: 1. INTERPRETAR TEXTO COM AUXÍLIO DE MATERIAL GRÁFICO DIVERSO (PROPAGANDAS, QUADRINHOS, FOTO ETC.) (D5) 2. INFERIR SENTIDO DE PALAVRA OU EXPRESSÃO (D3) OU INFORMAÇÃO IMPLÍCITA EM UM (D4) 3. IDENTIFICAR EFEITO DE SENTIDO DECORRENTE DO USO DA PONTUAÇÃO E DE OUTRAS (D14) 4. IDENTIFICAR EFEITOS DE IRONIA OU HUMOR EM TEXTOS VARIADOS (D13) 5. IDENTIFICAR A FINALIDADE DE TEXTOS DE DIFERENTES TIPOLOGIAS E GÊNEROS (D9) II. PROCESSAMENTO DO TEXTO 6. ESTABELECER RELAÇÕES LÓGICO-DISCURSIVAS PRESENTES NO TEXTO, MARCADAS POR ADVÉRBIOS, LOCUÇÕES ADVERBIAIS, CONJUNÇÕES ETC. (D12) 7. ESTABELECER RELAÇÃO DE CAUSA/CONSEQUÊNCIA ENTRE PARTES E ELEMENTOS DO 8. ESTABELECER RELAÇÕES ENTRE AS PARTES DE UM TEXTO, IDENTIFICANDO REPETIÇÕES SUBSTITUIÇÕES QUE CONTRIBUEM PARA A CONTINUIDADE DE UM TEXTO (D2) 9. IDENTIFICAR O CONFLITO GERADOR DO ENREDO E OS ELEMENTOS QUE CONSTROEM A NARRATIVA (D7) III. VARIAÇÃO LINGUÍSTICA: 10. IDENTIFICAR AS MARCAS LINGUÍSTICAS QUE EVIDENCIAM O LOCUTOR E O PROGRAMÁTICO PROFESSOR1º-5ºANO
  • 3. DESCRITORES DE HABILIDADES DA LÍNGUA PORTUGUESA CONFORME A MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL I (5º ANO)
  • 4. OS DESCRITORES DO 5º ANO Em Língua Portuguesa (com foco em leitura) são avaliadas habilidades e competências definidas em unidades chamadas descritores, agrupadas em tópicos que compõem a Matriz de Referência dessa disciplina. São 15 descritores divididos em seis tópicos.
  • 5. I. PROCEDIMENTOS DE LEITURA D1 – Localizar informações explícitas em um texto. D3 – Inferir o sentido de uma palavra ou expressão. D4 – Inferir uma informação implícita em um texto. D6 – Identificar o tema de um texto. D11 – Distinguir um fato da opinião relativa a esse fato. Este tópico diz respeito a procedimentos fundamentais do ato de ler no que tange às informações explícitas e implícitas do texto, desde a localização, o entendimento de palavra ou expressão, compreensão global da informação, até o resgate de informação nas entrelinhas do texto.
  • 6. TÓPICO II. IMPLICAÇÕES DO SUPORTE, DO GÊNERO, E/ OU DO ENUNCIADOR NA COMPREENSÃO DE TEXTO Este tópico diz respeito à “embalagem” em que o texto aparece, ou seja, sua estrutura, seu suporte, a forma como é veiculado, o que o caracteriza em um dado gênero discursivo. D5 – Interpretar texto com auxílio de material gráfico diverso (propagandas, quadrinhos, foto, etc.). D9 – Identificar a finalidade de textos de diferentes gêneros.
  • 7. TÓPICO III. RELAÇÃO ENTRE TEXTOS Este tópico diz respeito à intertextualidade, ou seja, a comunhão entre textos quer na forma, quer no conteúdo. É o conjunto de relações explícitas (ou implícitas) que um texto mantém com o outro. Neste caso específico, requer a comparação entre textos do mesmo tema. D15 – Reconhecer diferentes formas de tratar a informação na comparação de textos que tratam do mesmo tema, em função das condições em que ele foi produzido e daquelas em que será recebido.
  • 8. TÓPICO IV. COERÊNCIA E COESÃO NO PROCESSAMENTO DO TEXTO Trata da ligações de sentidos, tanto em nível micro quanto em nível macrotextual, ou seja, de que forma os recursos gramaticais estabelecem, e.g., as relações de continuidade do texto. A palavra de ordem é o estabelecimento de relações semânticas no texto. D2 – Estabelecer relações entre partes de um texto, identificando repetições ou substituições que contribuem para a continuidade de um texto. D7 – Identificar o conflito gerador do enredo e os elementos que constroem a narrativa. D8 – Estabelecer relação de causa/ consequência entre partes e elementos do texto. D12 – Estabelecer relações lógico-discursivas presentes no texto, marcadas por conjunções, advérbios, etc.
  • 9. TÓPICO V. RELAÇÃO ENTRE RECURSOS EXPRESSIVOS E EFEITOS DE SENTIDO Este tópico diz respeito ao uso de recursos quer lexicais (vocabulário), quer fonológicos (da relação entre letra e som), quer notacionais (pontuação e de outros sinais gráficos), e o efeito de seu uso, de sua escolha no texto. D13 – Identificar efeitos de ironia ou humor em textos variados. D14 – Identificar o efeito de sentido decorrente do uso da pontuação e de outras notações.
  • 10. TÓPICO VI. VARIAÇÃO LINGUÍSTICA Considerando a heterogeneidade da língua (as diferenças de cada falante no uso da língua), e partindo de uma concepção de língua que varia no tempo, no espaço, socialmente, nas diferentes formas de falar das pessoas, homens, mulheres, crianças, idosos, este tópico visa à identificação das marcas que caracterizam os interlocutores do texto. D10 – Identificar as marcas linguísticas que evidenciam o locutor e o interlocutor de um texto.
  • 12. TÓPICO I – PROCEDIMENTOS DE LEITURA
  • 13. D1 – LOCALIZAR INFORMAÇÕES EXPLÍCITAS DO TEXTO Esta é uma habilidade básica na compreensão leitora do texto: a identificação de informações que estão claramente apresentadas no texto. Trata-se de localização de informação explícita, claramente identificável, o que permite avaliar se o estudante é capaz de localizar a informação, sem o auxílio de informação concorrente no texto.
  • 14. D3 – INFERIR O SENTIDO DE UMA PALAVRA OU EXPRESSÃO O grau de familiaridade com uma palavra depende da frequência de convivência com ela, que, por sua vez, está ligada à intimidade com a leitura, de um modo geral, e, por conseguinte, à frequência de leitura de diferentes gêneros discursivos. Por isso, a capacidade de inferir o significado de palavras – depreensão do que está nas entrelinhas do texto, do que não está explícito – evita o sério problema que se constitui quando o leitor se depara com um grande número de palavras cujo significado desconhece, o que interfere na leitura fluente do texto. Assim, a inferência lexical – recobrir o sentido de algo que não está claro no texto – depende de outros fatores, tais como: contexto, pistas linguísticas, para haver compreensão.
  • 15. D4 – INFERIR UMA INFORMAÇÃO IMPLÍCITA EM UM TEXTO Da mesma forma que se depreende o sentido implícito de uma expressão, há uma complexidade um pouco maior quando se pensa em inferência de informações. Este descritor requer do leitor uma capacidade de construir a informação que está subjacente ao texto, partindo do contexto e das pistas linguísticas que o texto oferece. Trata-se, na verdade, do desvendamento do que está subjacente, posto que há um balanceamento entre as informações de superfície do texto e aquelas que serão resgatadas nas entrelinhas do texto. Não é possível explicitar 100% as informações, sejam elas quais forem. Por isso, pode-se dizer que existem graus diferentes de implicitudes do texto.
  • 16. D6 – IDENTIFICAR O TEMA DE UM TEXTO Constitui-se em competência básica na compreensão do texto, pois trata do reconhecimento do tópico global do texto, ou seja, o leitor precisa transformar os elementos dispostos localmente em um todo coerente.
  • 17. D11 – DISTINGUIR UM FATO DA OPINIÃO RELATIVA A ESSE FATO Dois conceitos são importantes neste descritor: fato e opinião relativa ao fato. O primeiro – fato – algo que aconteceu (acontece), está relacionado a algo real, quer no mundo “extratextual”, quer no mundo textual. Já a opinião é algo subjetivo, quer no mundo real, quer no mundo textual, que impõe, necessariamente, uma posição do locutor do texto. Este é um descritor bastante importante, porque indica uma proficiência crítica em relação à leitura: a de diferenciar informação de uma opinião sobre algo
  • 18. TÓPICO II – IMPLICAÇÕES DO SUPORTE, DO GÊNERO, E/ OU DO ENUNCIADOR NA COMPREENSÃO DE TEXTO
  • 19. D5 – INTERPRETAR TEXTO COM AUXÍLIO DE MATERIAL GRÁFICO DIVERSO (PROPAGANDAS, QUADRINHOS, FOTO ETC.) Considera-se parte constitutiva da habilidade de leitura a construção da estrutura textual e de que forma esta estrutura traz implicações na compreensão de texto. Por isso, entende-se que este descritor requer a construção de uma “armação” sustentadora do assunto, ligada ao texto. Neste caso, o material gráfico pode levar o leitor a entender as relações mais abstratas. A informação focada no material gráfico pode preparar para a leitura verbal do texto. Entretanto, é, sem dúvida, necessária uma intimidade com este tipo de linguagem, que visa à articulação dessas duas formas de linguagem (verbal e não verbal)
  • 20. D9 – IDENTIFICAR A FINALIDADE DE TEXTOS DE DIFERENTES TIPOLOGIAS E GÊNEROS Este é um descritor em nível macrotextual que visa à identificação da tipologia e do gênero do texto, como também ao reconhecimento de sua finalidade, seu propósito comunicativo.
  • 21. TÓPICO III – RELAÇÃO ENTRE TEXTO
  • 22. D15 – RECONHECER DIFERENTES FORMAS DE TRATAR A INFORMAÇÃO NA COMPARAÇÃO DE TEXTOS QUE TRATAM DO MESMO TEMA, EM FUNÇÃO DAS CONDIÇÕES EM QUE ELE FOI PRODUZIDO E DAQUELAS EM QUE SERÁ RECEBIDO Neste descritor, a palavra-chave é a intertextualidade. Está inscrita na concepção do descritor a relação de interação que se estabelece entre os interlocutores. Isto pressupõe entender de que forma o texto é produzido e como ele é recebido. Neste sentido, admite-se a ideia de polifonia, ou seja, da existência de muitas vozes no texto, o que constitui um princípio que trata o texto como uma comunhão de discursos e não como algo isolado. Neste tópico, a ideia central é a ampliação do mundo textual.
  • 23. TÓPICO IV – COESÃO E COERÊNCIA NO PROCESSAMENTO DO TEXTO
  • 24. D2 – ESTABELECER RELAÇÕES ENTRE PARTES DE UM TEXTO, IDENTIFICANDO REPETIÇÕES OU SUBSTITUIÇÕES QUE CONTRIBUEM PARA A CONTINUIDADE DE UM TEXTO Trata-se de uma habilidade fundamental para o entendimento do texto: relacionar as partes de um texto, tanto nas relações entre parágrafos, quanto nas relações dentro do parágrafo. Embora requeira do leitor um conhecimento gramatical das funções que um sintagma nominal e um pronome, por exemplo, podem exercer na frase, não se trata – é importante enfatizar – de uma identificação de palavras, mas de identificação de relações semânticas a que se pode atribuir coerência de sentidos no texto.
  • 25. D7 – IDENTIFICAR O CONFLITO GERADOR DO ENREDO E OS ELEMENTOS QUE CONSTROEM A NARRATIVA Neste descritor, vamos nos ater mais especificamente ao tipo de texto (narrativo) e a seus componentes fundamentais. Portanto, diz respeito à construção da coerência entre os elementos da narrativa em relação ao conflito que gera o enredo.
  • 26. D8 – ESTABELECER RELAÇÃO DE CAUSA/CONSEQUÊNCIA ENTRE PARTES E ELEMENTOS DO TEXTO A coesão sequencial diz respeito aos procedimentos linguísticos por meio dos quais se estabelecem, entre segmentos do texto, diversos tipos de relações semânticas, responsáveis por fazer o texto progredir. Neste caso específico, a relação é de causa/consequência: a busca dos porquês nas relações textuais.
  • 27. D12 – ESTABELECER RELAÇÃO LÓGICO- DISCURSIVAS PRESENTES NO TEXTO, MARCADAS POR CONJUNÇÕES, ADVÉRBIOS ETC. De forma mais ampla, este descritor visa à ampliação dos descritores anteriores no que tange ao papel que as diferentes palavras exercem na língua. Trata-se de relação de coesão, ou seja, de ligação entre partes do texto, mas, neste caso, estabelecidas por palavras que substituem outras, como, por exemplo, os advérbios e as conjunções. Aqui está um bom exemplo do que é um processamento textual e um conteúdo em sala de aula. Neste caso, não basta o estudante reconhecer o advérbio de tempo, modo ou lugar, por exemplo, mas entender como este advérbio une um parágrafo e outro, por exemplo, ou que relação de sentido estabelece entre uma ideia e outra dentro do parágrafo.
  • 28. TÓPICO V – RELAÇÃO ENTRE RECURSOS EXPRESSIVOS E EFEITOS DE SENTIDO
  • 29. D13 – IDENTIFICAR EFEITOS DE IRONIA OU HUMOR EM TEXTOS VARIADOS A proficiência leitora requer do leitor a capacidade de perceber os envolvidos no texto e também suas intenções. Neste sentido, o uso de determinadas palavras e expressões constituem pistas linguísticas que levam o leitor a perceber, por exemplo, um traço de humor do texto. Neste descritor, o leitor proficiente deve perceber o efeito que a palavra, expressão ou a construção de uma ideia, de forma irônica ou humorística podem causar no texto.
  • 30. D14 – IDENTIFICAR EFEITOS DE SENTIDO DECORRENTES DO USO DA PONTUAÇÃO E DE OUTRAS NOTAÇÕES Este descritor visa ao reconhecimento discursivo do uso dos sinais de pontuação, ou seja, que efeito provocam no texto, indicando uma pista linguística para entender a intenção comunicativa. Aqui se faz necessário marcar a diferença entre o que é gramatical: saber usar os sinais de pontuação, e o que é discursivo: saber avaliar o efeito decorrente do uso em dado contexto. Esta é outra contribuição importante da matriz de referência: não basta o estudante conhecer os termos gramaticais. É fundamental que o estudante saiba relacionar o uso dos recursos gramaticais ao contexto discursivo. É neste sentido que vimos enfatizando que a matriz de referência apresenta um cunho textual, que investiga, efetivamente, o processo das informações a partir dos recursos disponíveis na língua.
  • 31. TÓPICO VI – VARIAÇÃO LINGUÍSTICA
  • 32. D10 – IDENTIFICAR AS MARCAS LINGUÍSTICAS QUE EVIDENCIAM O LOCUTOR E O INTERLOCUTOR DE UM TEXTO Partindo de uma concepção dialógica do texto, o descritor 10 visa à identificação das marcas que podem caracterizar os interlocutores, em diferentes momentos, espaços, etc. já que sabemos que usamos a mesma a língua, mas a usamos de forma diferente, quer pelas nossas próprias características, quer pelo nosso nível de escolarização, informalidade ou formalidade do quê e como queremos dizer, nossos regionalismos, etc. Deve-se lembrar que os parâmetros da variação são diversos. Entretanto, estão imbricados, pois, no ato de interagir verbalmente, o falante acionará a variante linguística relativa ao contexto em que está inserido, de acordo com as intenções do ato de comunicação.