SlideShare uma empresa Scribd logo
Formadora: Elisa de Castro Carvalho
http://cursosefa.do.sapo.pt




                           Deficiência e Agressividade




                                                                    Formadora: Elisa de Castro Carvalho   1




                       Temperamento e Agressividade
                   Uma percentagem elevada de crianças, especialmente as que se encontram
                   em idade escolar, desenvolve problemas de conduta que às vezes podem ter
                   alguma seriedade, desde comportamentos de oposição a comportamentos
                   agressivos.

                   Todas as crianças têm necessidades e desejos. Quando estes não são
                   satisfeitos, surgem problemas em forma de desvios de comportamento.


                   Algumas crianças nascem com um temperamento que as torna difíceis de
                   educar e as põe em risco de desenvolverem comportamentos pautados pela
                   desobediência, pela oposição e pela agressividade.




                                                                                                          2
Formadora: Elisa de Castro Carvalho
http://cursosefa.do.sapo.pt




                                         Agressividade - causas
                 Sabe-se hoje que crianças particularmente
                 impulsivas e agressivas apresentam baixos
                 níveis de epinefrina, uma enzima que reduz
                 os níveis de serotonina, neurotransmissor
                 que modula o humor, as emoções, o
                 sono e o apetite. Níveis elevados de
                 serotonina estão associados à
                 agressividade. Por fim, baixos níveis de
                 monoamina-oxídase (MAO), uma enzima
                 que contém ferro e que modula a resposta
                 do indivíduo a estímulos que produzem
                 excitação,     são      consistentemente
                 encontrados em pessoas impulsivas.




                                                                                                               3




                                          Agressividade - causas
                 Entre psicólogos, a resposta a esta questão tem gerado controvérsia:

                 -Algumas correntes apoiam-se no pressuposto de que a agressividade é
                 largamente herdada;
                 - Outras defendem que a agressividade é o produto da influência do meio.

                 Colocando de lado estas questões polémicas sabe-se que o comportamento é o
                 resultado de múltiplos factores e talvez a conclusão mais correcta seja a de que:


                          a agressividade é o resultado de factores genéticos,
                     em interacção com o meio, num contexto temporal específico.

                 O comportamento humano é o reflexo de determinadas características da personalidade do indivíduo,
                 tais como o temperamento, o carácter ou a emoção.



                                                                                                               4
Formadora: Elisa de Castro Carvalho
http://cursosefa.do.sapo.pt




                                     A criança agressiva
                 Ao longo do processo de desenvolvimento da criança, há tendências agressivas
                 inatas que emergem, embora estas possam ser diferentes, consoante a criança
                 em questão.

                 Nos primeiros anos de vida, por não dominar os recursos da linguagem e,
                 consequentemente, não conseguir exprimir verbalmente as suas contrariedades,
                 a criança expressa a sua agressividade através de gritos, choro ou até com
                 agressões físicas.


                                           AGRESSIVIDADE MANIPULATIVA




                                           Alcançar determinados fins

                                                                                           5




                                     A criança agressiva

                 Com a passagem do tempo, a
                 agressividade não desaparece.
                 No entanto, a criança aprende
                 com os adultos que existem
                 outras formas de obter o que se
                 deseja, nomeadamente através
                 da partilha e da negociação.




                                                                                           6
Formadora: Elisa de Castro Carvalho
http://cursosefa.do.sapo.pt




                                       A criança agressiva
                 Quando as condutas agressivas persistem com o tempo, isso deve-se
                 essencialmente às interacções familiares e ao ambiente social.

                 Podem ser enumeradas várias "condutas de risco" da parte dos pais, que
                 podem potenciar o desenvolvimento de padrões comportamentais agressivos
                 nos filhos:

                 -inconsistência no estabelecimento de limites;

                 -estimular os filhos a resolver os conflitos recorrendo a comportamentos
                 agressivos;

                 -cenas de violência doméstica fazem com que a criança aprenda que esta é
                 uma forma "normal" e aceitável de lidar com a raiva e a frustração.




                                                                                            7




                                    Agressividade doseada
                  É fundamental termos consciência
                  de que a agressividade, quando
                  bem    doseada,   pode ser
                  saudável!
                  Quando     as    crianças   são
                  demasiado passivas, é sinal que
                  guardam tudo para elas e que
                  reprimem sentimentos e mágoas,
                  o que também é preocupante.




                                                                                            8
Formadora: Elisa de Castro Carvalho
http://cursosefa.do.sapo.pt




                         A criança agressiva e as aprendizagens

                 A maior parte das crianças que não tem sucesso, quer tal suceda com a
                 leitura ou com o estabelecimento de relações, faz tentativas para se adaptar
                 ao seu insucesso.


                 Incapazes de verem as suas necessidades correspondidas através de
                 comportamentos positivos e socialmente adequados, ficam frustradas.




                         FRUSTRAÇÃO                                  AGRESSIVIDADE




                                                                                                9




                         A criança agressiva e as aprendizagens

                   Deve ensinar-se tudo à criança, dia após dia, pois só assim veremos a
                   criança progredir. É uma luta quotidiana que não deve ser interrompida.

                   A cada nova aprendizagem, a criança revolta-se frequentemente, recusa,
                   opõe-se. Algumas tapam os ouvidos, fecham os olhos, viram a cabeça,
                   deitam-se com a cara no chão. A primeira recusa é quase sistemática mas
                   corresponde a uma reacção normal.


                   Toda a criança deficiente deve conhecer os limites do que é permitido
                   no plano moral e no plano do comportamento, pois só assim a sociedade
                   não a rejeitará. Se for necessário, os pais devem castigar, proibir, ralhar e
                   serem firmes com a criança, para que ela nunca venha a ter atitudes que
                   nunca seriam aceites numa criança normal.



                                                                                                10
Formadora: Elisa de Castro Carvalho
http://cursosefa.do.sapo.pt




                                            O que fazer?
                                                            Não há receitas para se
                                                            estabelecer uma boa relação
                                                            com as crianças.
                                                            No entanto, existem técnicas
                                                            e competências específicas
                                                            que      podem        ajudar.
                                                            Basicamente, a resposta
                                                            consiste em saber
                                                                           o que
                                                            não se deve fazer.




                                                                                              11




                                            O que fazer?
                Castigo

                As crianças com problemas de temperamento prestam pouca atenção às
                consequências do seu comportamento. A maior parte do comportamento
                inadequado advém de um impulso (algo não premeditado) ou de uma
                intensidade emotiva que não permite o controlo das reacções. Em qualquer
                dos casos, castigar o comportamento não ajuda a alterá-lo mas, por vezes, é
                necessário e inevitável.


                Ignorar o comportamento

                O ignorar o comportamento funciona com muitas crianças. Muitas crianças
                perturbam a aula, por exemplo, para chamar a atenção. Tentam perceber,
                sobretudo, se o seu comportamento afecta os outros.
                Os elementos do ignorar eficaz são:
                -eliminação do contacto ocular;
                -eliminação da atenção não verbal, do contacto verbal e do contacto físico.
                                                                                              12
Formadora: Elisa de Castro Carvalho
http://cursosefa.do.sapo.pt




                                            O que fazer?
                Recompensas

                Algumas crianças com comportamentos de oposição e de agressividade
                raramente ganham a recompensa. Eventualmente, desligam-se do adulto que
                a prometeu e começam a ver-se a si mesmas como fracassos. Têm
                dificuldade em fazer com que o seu comportamento sirva os seus melhores
                interesses.

                Reforços sociais positivos (elogios)

                Empregam três tipos de recompensas:
                -Físicas (abraços, beijos, toques nas costas);
                -Verbais não específicas (“Muito bem”, “Gosto disso”, “Bom trabalho”);
                -Verbais específicas (frases elogiosas que descrevem o comportamento:
                “Obrigada por me ajudares com o lixo”.

                O elogio descreve o que a criança está a fazer e mostra-lhe que o seu
                comportamento é valorizado. Deve ser genuíno e feito de modo adequado.
                                                                                            13




                                 Proposta de actividade
                                Crianças com comportamento agressivo

                As crianças que usam com frequência a força física para resolver os seus
                problemas são pessoas inseguras que estão a reclamar a atenção dos
                adultos. Não há receitas para se estabelecer uma boa relação com as
                crianças; no entanto, o senso comum diz-nos que algum amor misturado com
                uma boa dose de respeito pela personalidade única da criança podem ser os
                condimentos perfeitos para tal.
                Seguem-se algumas técnicas que podem ajudar os educadores perante
                desvios de comportamento. Para cada uma delas, diga se as afirmações são
                correctas (C) ou incorrectas (I).




                                                                                            14

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Desenvolvimento Psicossocial: Terceira Infâncai
Desenvolvimento Psicossocial: Terceira InfâncaiDesenvolvimento Psicossocial: Terceira Infâncai
Desenvolvimento Psicossocial: Terceira InfâncaiAriane Macedo
 
Desenvolvimento psicossocial na terceira infância
Desenvolvimento psicossocial na terceira infânciaDesenvolvimento psicossocial na terceira infância
Desenvolvimento psicossocial na terceira infânciaAdilson Rodrigues Furtado
 
Maus tratos infligidos a crianças
Maus tratos infligidos a criançasMaus tratos infligidos a crianças
Maus tratos infligidos a criançasAna Lopes
 
55662708 processo-de-socializacao-da-crianca-manual (1)
55662708 processo-de-socializacao-da-crianca-manual (1)55662708 processo-de-socializacao-da-crianca-manual (1)
55662708 processo-de-socializacao-da-crianca-manual (1)Welida Alves da Cruz
 
DEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímida
DEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímidaDEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímida
DEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímidapiaprograma
 
Estilos parentais e práticas educativas
Estilos parentais e práticas educativasEstilos parentais e práticas educativas
Estilos parentais e práticas educativasLudmila Moura
 
LiçãO 07 Educando Os Filhos Ii
LiçãO 07 Educando Os Filhos IiLiçãO 07 Educando Os Filhos Ii
LiçãO 07 Educando Os Filhos Iiguest06a00c
 
Estilos de paternidade: pais permissivos, negligentes, autoritários e com aut...
Estilos de paternidade: pais permissivos, negligentes, autoritários e com aut...Estilos de paternidade: pais permissivos, negligentes, autoritários e com aut...
Estilos de paternidade: pais permissivos, negligentes, autoritários e com aut...Robson Santana
 
Jogo dos 7 erros
Jogo dos 7 errosJogo dos 7 erros
Jogo dos 7 errosCarina
 
Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)
Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)
Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)efaesan
 
Crianças agressivas e adolescentes rebeldes o que têm em comum
Crianças agressivas e adolescentes rebeldes   o que têm em comumCrianças agressivas e adolescentes rebeldes   o que têm em comum
Crianças agressivas e adolescentes rebeldes o que têm em comumSimoneHelenDrumond
 
Adaptação escolar por simone helen drumond
Adaptação escolar por simone helen drumondAdaptação escolar por simone helen drumond
Adaptação escolar por simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
PLAYtalk - Crescer, viver e brincar com Hiperatividade – Apresentação de "Jun...
PLAYtalk - Crescer, viver e brincar com Hiperatividade – Apresentação de "Jun...PLAYtalk - Crescer, viver e brincar com Hiperatividade – Apresentação de "Jun...
PLAYtalk - Crescer, viver e brincar com Hiperatividade – Apresentação de "Jun...pimpumplay
 
Sindrome de Asperger - guião para pais e professores
Sindrome de Asperger - guião para pais e  professoresSindrome de Asperger - guião para pais e  professores
Sindrome de Asperger - guião para pais e professoresAna Paula Santos
 

Mais procurados (20)

Desenvolvimento Psicossocial: Terceira Infâncai
Desenvolvimento Psicossocial: Terceira InfâncaiDesenvolvimento Psicossocial: Terceira Infâncai
Desenvolvimento Psicossocial: Terceira Infâncai
 
Crianças estressadas volume1
Crianças estressadas volume1Crianças estressadas volume1
Crianças estressadas volume1
 
Desenvolvimento psicossocial na terceira infância
Desenvolvimento psicossocial na terceira infânciaDesenvolvimento psicossocial na terceira infância
Desenvolvimento psicossocial na terceira infância
 
Maus tratos infligidos a crianças
Maus tratos infligidos a criançasMaus tratos infligidos a crianças
Maus tratos infligidos a crianças
 
Bullingeg
BullingegBullingeg
Bullingeg
 
55662708 processo-de-socializacao-da-crianca-manual (1)
55662708 processo-de-socializacao-da-crianca-manual (1)55662708 processo-de-socializacao-da-crianca-manual (1)
55662708 processo-de-socializacao-da-crianca-manual (1)
 
Pdf online12
Pdf online12Pdf online12
Pdf online12
 
Encontro de Pais
Encontro de PaisEncontro de Pais
Encontro de Pais
 
DEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímida
DEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímidaDEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímida
DEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímida
 
Estilos parentais e práticas educativas
Estilos parentais e práticas educativasEstilos parentais e práticas educativas
Estilos parentais e práticas educativas
 
LiçãO 07 Educando Os Filhos Ii
LiçãO 07 Educando Os Filhos IiLiçãO 07 Educando Os Filhos Ii
LiçãO 07 Educando Os Filhos Ii
 
Estilos de paternidade: pais permissivos, negligentes, autoritários e com aut...
Estilos de paternidade: pais permissivos, negligentes, autoritários e com aut...Estilos de paternidade: pais permissivos, negligentes, autoritários e com aut...
Estilos de paternidade: pais permissivos, negligentes, autoritários e com aut...
 
Jogo dos 7 erros
Jogo dos 7 errosJogo dos 7 erros
Jogo dos 7 erros
 
Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)
Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)
Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)
 
Crianças agressivas e adolescentes rebeldes o que têm em comum
Crianças agressivas e adolescentes rebeldes   o que têm em comumCrianças agressivas e adolescentes rebeldes   o que têm em comum
Crianças agressivas e adolescentes rebeldes o que têm em comum
 
Bullying marcelo
Bullying marceloBullying marcelo
Bullying marcelo
 
9 c 7
9 c 79 c 7
9 c 7
 
Adaptação escolar por simone helen drumond
Adaptação escolar por simone helen drumondAdaptação escolar por simone helen drumond
Adaptação escolar por simone helen drumond
 
PLAYtalk - Crescer, viver e brincar com Hiperatividade – Apresentação de "Jun...
PLAYtalk - Crescer, viver e brincar com Hiperatividade – Apresentação de "Jun...PLAYtalk - Crescer, viver e brincar com Hiperatividade – Apresentação de "Jun...
PLAYtalk - Crescer, viver e brincar com Hiperatividade – Apresentação de "Jun...
 
Sindrome de Asperger - guião para pais e professores
Sindrome de Asperger - guião para pais e  professoresSindrome de Asperger - guião para pais e  professores
Sindrome de Asperger - guião para pais e professores
 

Semelhante a Agressividade

Apresentação sobre jardim de infancia
Apresentação sobre jardim de infancia Apresentação sobre jardim de infancia
Apresentação sobre jardim de infancia ruben faria
 
Sobrevivendo a fase de birras.pdf
Sobrevivendo a fase de birras.pdfSobrevivendo a fase de birras.pdf
Sobrevivendo a fase de birras.pdfEveraldoDias6
 
Sobrevivendo a fase de birras.pdf
Sobrevivendo a fase de birras.pdfSobrevivendo a fase de birras.pdf
Sobrevivendo a fase de birras.pdfEveraldoDias6
 
Sobrevivendo a fase de birras.pdf
Sobrevivendo a fase de birras.pdfSobrevivendo a fase de birras.pdf
Sobrevivendo a fase de birras.pdfEveraldoDias6
 
Apresentacao bullying (1)
Apresentacao bullying (1)Apresentacao bullying (1)
Apresentacao bullying (1)LucasDantas98
 
Violencia saudavel anaalmeida
Violencia saudavel anaalmeidaViolencia saudavel anaalmeida
Violencia saudavel anaalmeidaLicínia Simões
 
Sindrome de-asperger-guia-para-pais-e-professores
Sindrome de-asperger-guia-para-pais-e-professoresSindrome de-asperger-guia-para-pais-e-professores
Sindrome de-asperger-guia-para-pais-e-professoresDislexia Positiva
 
O QUE É IMPRESCINDÍVEL PARA TRABALHAR COM A Educação Infantil.pptx
O QUE É IMPRESCINDÍVEL PARA TRABALHAR COM A Educação Infantil.pptxO QUE É IMPRESCINDÍVEL PARA TRABALHAR COM A Educação Infantil.pptx
O QUE É IMPRESCINDÍVEL PARA TRABALHAR COM A Educação Infantil.pptxnovaesjosiana2020
 
Conflitos entre escolares
Conflitos entre escolaresConflitos entre escolares
Conflitos entre escolaresRenata Peruce
 
Limites e pais
Limites e paisLimites e pais
Limites e paisSussu Ca
 
Psicodinmica na-sala-de-aula-1224409838974827-9
Psicodinmica na-sala-de-aula-1224409838974827-9Psicodinmica na-sala-de-aula-1224409838974827-9
Psicodinmica na-sala-de-aula-1224409838974827-9ANA GRALHEIRO
 
Sindrome de asperger guia para professores
Sindrome de asperger   guia para professoresSindrome de asperger   guia para professores
Sindrome de asperger guia para professoresCaminhos do Autismo
 
A rebeldia pode demonstrar atitudes autoritárias, extremistas e insensíveis d...
A rebeldia pode demonstrar atitudes autoritárias, extremistas e insensíveis d...A rebeldia pode demonstrar atitudes autoritárias, extremistas e insensíveis d...
A rebeldia pode demonstrar atitudes autoritárias, extremistas e insensíveis d...SimoneHelenDrumond
 
Educando os Filhos para a Vida.pptx
Educando os Filhos para a Vida.pptxEducando os Filhos para a Vida.pptx
Educando os Filhos para a Vida.pptxLucasSilva385433
 
Atraso cognitivo
Atraso cognitivoAtraso cognitivo
Atraso cognitivosedf
 
Grandes homens, fruto de pequenos pormenores
Grandes homens, fruto de pequenos pormenoresGrandes homens, fruto de pequenos pormenores
Grandes homens, fruto de pequenos pormenoresAna Teresa
 
Asperger na escola
Asperger na escolaAsperger na escola
Asperger na escolaSA Asperger
 

Semelhante a Agressividade (20)

Apresentação sobre jardim de infancia
Apresentação sobre jardim de infancia Apresentação sobre jardim de infancia
Apresentação sobre jardim de infancia
 
Sobrevivendo a fase de birras.pdf
Sobrevivendo a fase de birras.pdfSobrevivendo a fase de birras.pdf
Sobrevivendo a fase de birras.pdf
 
Sobrevivendo a fase de birras.pdf
Sobrevivendo a fase de birras.pdfSobrevivendo a fase de birras.pdf
Sobrevivendo a fase de birras.pdf
 
Sobrevivendo a fase de birras.pdf
Sobrevivendo a fase de birras.pdfSobrevivendo a fase de birras.pdf
Sobrevivendo a fase de birras.pdf
 
Apresentacao bullying (1)
Apresentacao bullying (1)Apresentacao bullying (1)
Apresentacao bullying (1)
 
Relacionamento Entre Pais E Filhos
Relacionamento Entre Pais E FilhosRelacionamento Entre Pais E Filhos
Relacionamento Entre Pais E Filhos
 
Violencia saudavel anaalmeida
Violencia saudavel anaalmeidaViolencia saudavel anaalmeida
Violencia saudavel anaalmeida
 
Sindrome de-asperger-guia-para-pais-e-professores
Sindrome de-asperger-guia-para-pais-e-professoresSindrome de-asperger-guia-para-pais-e-professores
Sindrome de-asperger-guia-para-pais-e-professores
 
O QUE É IMPRESCINDÍVEL PARA TRABALHAR COM A Educação Infantil.pptx
O QUE É IMPRESCINDÍVEL PARA TRABALHAR COM A Educação Infantil.pptxO QUE É IMPRESCINDÍVEL PARA TRABALHAR COM A Educação Infantil.pptx
O QUE É IMPRESCINDÍVEL PARA TRABALHAR COM A Educação Infantil.pptx
 
Conflitos entre escolares
Conflitos entre escolaresConflitos entre escolares
Conflitos entre escolares
 
Limites e pais
Limites e paisLimites e pais
Limites e pais
 
Compreendendo o Aventureiro.pptx
Compreendendo o Aventureiro.pptxCompreendendo o Aventureiro.pptx
Compreendendo o Aventureiro.pptx
 
Filipa Simoes
Filipa SimoesFilipa Simoes
Filipa Simoes
 
Psicodinmica na-sala-de-aula-1224409838974827-9
Psicodinmica na-sala-de-aula-1224409838974827-9Psicodinmica na-sala-de-aula-1224409838974827-9
Psicodinmica na-sala-de-aula-1224409838974827-9
 
Sindrome de asperger guia para professores
Sindrome de asperger   guia para professoresSindrome de asperger   guia para professores
Sindrome de asperger guia para professores
 
A rebeldia pode demonstrar atitudes autoritárias, extremistas e insensíveis d...
A rebeldia pode demonstrar atitudes autoritárias, extremistas e insensíveis d...A rebeldia pode demonstrar atitudes autoritárias, extremistas e insensíveis d...
A rebeldia pode demonstrar atitudes autoritárias, extremistas e insensíveis d...
 
Educando os Filhos para a Vida.pptx
Educando os Filhos para a Vida.pptxEducando os Filhos para a Vida.pptx
Educando os Filhos para a Vida.pptx
 
Atraso cognitivo
Atraso cognitivoAtraso cognitivo
Atraso cognitivo
 
Grandes homens, fruto de pequenos pormenores
Grandes homens, fruto de pequenos pormenoresGrandes homens, fruto de pequenos pormenores
Grandes homens, fruto de pequenos pormenores
 
Asperger na escola
Asperger na escolaAsperger na escola
Asperger na escola
 

Agressividade

  • 1. Formadora: Elisa de Castro Carvalho http://cursosefa.do.sapo.pt Deficiência e Agressividade Formadora: Elisa de Castro Carvalho 1 Temperamento e Agressividade Uma percentagem elevada de crianças, especialmente as que se encontram em idade escolar, desenvolve problemas de conduta que às vezes podem ter alguma seriedade, desde comportamentos de oposição a comportamentos agressivos. Todas as crianças têm necessidades e desejos. Quando estes não são satisfeitos, surgem problemas em forma de desvios de comportamento. Algumas crianças nascem com um temperamento que as torna difíceis de educar e as põe em risco de desenvolverem comportamentos pautados pela desobediência, pela oposição e pela agressividade. 2
  • 2. Formadora: Elisa de Castro Carvalho http://cursosefa.do.sapo.pt Agressividade - causas Sabe-se hoje que crianças particularmente impulsivas e agressivas apresentam baixos níveis de epinefrina, uma enzima que reduz os níveis de serotonina, neurotransmissor que modula o humor, as emoções, o sono e o apetite. Níveis elevados de serotonina estão associados à agressividade. Por fim, baixos níveis de monoamina-oxídase (MAO), uma enzima que contém ferro e que modula a resposta do indivíduo a estímulos que produzem excitação, são consistentemente encontrados em pessoas impulsivas. 3 Agressividade - causas Entre psicólogos, a resposta a esta questão tem gerado controvérsia: -Algumas correntes apoiam-se no pressuposto de que a agressividade é largamente herdada; - Outras defendem que a agressividade é o produto da influência do meio. Colocando de lado estas questões polémicas sabe-se que o comportamento é o resultado de múltiplos factores e talvez a conclusão mais correcta seja a de que: a agressividade é o resultado de factores genéticos, em interacção com o meio, num contexto temporal específico. O comportamento humano é o reflexo de determinadas características da personalidade do indivíduo, tais como o temperamento, o carácter ou a emoção. 4
  • 3. Formadora: Elisa de Castro Carvalho http://cursosefa.do.sapo.pt A criança agressiva Ao longo do processo de desenvolvimento da criança, há tendências agressivas inatas que emergem, embora estas possam ser diferentes, consoante a criança em questão. Nos primeiros anos de vida, por não dominar os recursos da linguagem e, consequentemente, não conseguir exprimir verbalmente as suas contrariedades, a criança expressa a sua agressividade através de gritos, choro ou até com agressões físicas. AGRESSIVIDADE MANIPULATIVA Alcançar determinados fins 5 A criança agressiva Com a passagem do tempo, a agressividade não desaparece. No entanto, a criança aprende com os adultos que existem outras formas de obter o que se deseja, nomeadamente através da partilha e da negociação. 6
  • 4. Formadora: Elisa de Castro Carvalho http://cursosefa.do.sapo.pt A criança agressiva Quando as condutas agressivas persistem com o tempo, isso deve-se essencialmente às interacções familiares e ao ambiente social. Podem ser enumeradas várias "condutas de risco" da parte dos pais, que podem potenciar o desenvolvimento de padrões comportamentais agressivos nos filhos: -inconsistência no estabelecimento de limites; -estimular os filhos a resolver os conflitos recorrendo a comportamentos agressivos; -cenas de violência doméstica fazem com que a criança aprenda que esta é uma forma "normal" e aceitável de lidar com a raiva e a frustração. 7 Agressividade doseada É fundamental termos consciência de que a agressividade, quando bem doseada, pode ser saudável! Quando as crianças são demasiado passivas, é sinal que guardam tudo para elas e que reprimem sentimentos e mágoas, o que também é preocupante. 8
  • 5. Formadora: Elisa de Castro Carvalho http://cursosefa.do.sapo.pt A criança agressiva e as aprendizagens A maior parte das crianças que não tem sucesso, quer tal suceda com a leitura ou com o estabelecimento de relações, faz tentativas para se adaptar ao seu insucesso. Incapazes de verem as suas necessidades correspondidas através de comportamentos positivos e socialmente adequados, ficam frustradas. FRUSTRAÇÃO AGRESSIVIDADE 9 A criança agressiva e as aprendizagens Deve ensinar-se tudo à criança, dia após dia, pois só assim veremos a criança progredir. É uma luta quotidiana que não deve ser interrompida. A cada nova aprendizagem, a criança revolta-se frequentemente, recusa, opõe-se. Algumas tapam os ouvidos, fecham os olhos, viram a cabeça, deitam-se com a cara no chão. A primeira recusa é quase sistemática mas corresponde a uma reacção normal. Toda a criança deficiente deve conhecer os limites do que é permitido no plano moral e no plano do comportamento, pois só assim a sociedade não a rejeitará. Se for necessário, os pais devem castigar, proibir, ralhar e serem firmes com a criança, para que ela nunca venha a ter atitudes que nunca seriam aceites numa criança normal. 10
  • 6. Formadora: Elisa de Castro Carvalho http://cursosefa.do.sapo.pt O que fazer? Não há receitas para se estabelecer uma boa relação com as crianças. No entanto, existem técnicas e competências específicas que podem ajudar. Basicamente, a resposta consiste em saber o que não se deve fazer. 11 O que fazer? Castigo As crianças com problemas de temperamento prestam pouca atenção às consequências do seu comportamento. A maior parte do comportamento inadequado advém de um impulso (algo não premeditado) ou de uma intensidade emotiva que não permite o controlo das reacções. Em qualquer dos casos, castigar o comportamento não ajuda a alterá-lo mas, por vezes, é necessário e inevitável. Ignorar o comportamento O ignorar o comportamento funciona com muitas crianças. Muitas crianças perturbam a aula, por exemplo, para chamar a atenção. Tentam perceber, sobretudo, se o seu comportamento afecta os outros. Os elementos do ignorar eficaz são: -eliminação do contacto ocular; -eliminação da atenção não verbal, do contacto verbal e do contacto físico. 12
  • 7. Formadora: Elisa de Castro Carvalho http://cursosefa.do.sapo.pt O que fazer? Recompensas Algumas crianças com comportamentos de oposição e de agressividade raramente ganham a recompensa. Eventualmente, desligam-se do adulto que a prometeu e começam a ver-se a si mesmas como fracassos. Têm dificuldade em fazer com que o seu comportamento sirva os seus melhores interesses. Reforços sociais positivos (elogios) Empregam três tipos de recompensas: -Físicas (abraços, beijos, toques nas costas); -Verbais não específicas (“Muito bem”, “Gosto disso”, “Bom trabalho”); -Verbais específicas (frases elogiosas que descrevem o comportamento: “Obrigada por me ajudares com o lixo”. O elogio descreve o que a criança está a fazer e mostra-lhe que o seu comportamento é valorizado. Deve ser genuíno e feito de modo adequado. 13 Proposta de actividade Crianças com comportamento agressivo As crianças que usam com frequência a força física para resolver os seus problemas são pessoas inseguras que estão a reclamar a atenção dos adultos. Não há receitas para se estabelecer uma boa relação com as crianças; no entanto, o senso comum diz-nos que algum amor misturado com uma boa dose de respeito pela personalidade única da criança podem ser os condimentos perfeitos para tal. Seguem-se algumas técnicas que podem ajudar os educadores perante desvios de comportamento. Para cada uma delas, diga se as afirmações são correctas (C) ou incorrectas (I). 14