SlideShare uma empresa Scribd logo
A Vegetação A vegetação Gonçalo Freitas Nº12 ; Helder Soares Nº14
Neste power point:  O que e a vegetação ? A vegetação em Portugal  Amazónia
O conjunto de plantas nativas de uma área qualquer, que nela crescem naturalmente, chama-se vegetação. Não devemos confundir vegetação natural com plantação, pois esta é obra do homem, enquanto vegetação é obra da natureza, cresce naturalmente. Hoje, poucas são as áreas onde podemos encontrar vegetação natural, que não tenham recebido qualquer interferência humana. Toda a superfície terrestre, directa ou indirectamente, já teve suas paisagens alteradas pelo homem: extraindo produtos das florestas, derrubando a mata para fazer plantações, expandindo as cidades, construindo estradas e hidroeléctricas, poluindo o ar que respiramos, a água indispensável, etc.  O  que é a vegetação ?
Vegetação em Portugal     A vegetação de Portugal é uma mistura de espécies atlânticas, europeias e mediterrâneas, variando muito de acordo com a região em que se desenvolvem. No Norte encontram-se, principalmente, plantas de origem europeia, ao passo que no sul as predominantes são as de origem mediterrânea.
Amazónia         O ambiente é húmido e as chuvas, abundantes. A menor imprudência pode causar danos irreversíveis ao seu equilíbrio delicado. Na Amazónia vivem e se reproduzem mais de um terço das espécies existentes no planeta. Além de 2.500 espécies de árvores (um terço da madeira tropical do mundo), a Amazónia também abriga água, muita água. Todos os números que envolvem indicadores desse bioma são enormes. Uma boa ideia da exuberância da floresta está na fauna local.Das 100 mil espécies de plantas que ocorrem em toda a América Latina, 30 mil estão na Amazónia. A diversidade em espécies se repete na fauna da região. Os insectos, por exemplo, estão presentes em todos os estratos da floresta, e podem, com certeza, deixar qualquer pessoa, no mínimo, muito nervosa! Os animais rastejadores, os anfíbios e aqueles com capacidade para subir em locais íngremes, como o esquilo, exploram os níveis baixos e médios.Os locais mais altos são explorados por beija-flores, araras, papagaios e periquitos à procura de frutas, brotos e castanhas. Os tucanos, voadores de curta distância, exploram as árvores altas. O nível intermediário é habitado por jacus, gaviões, corujas e centenas de pequenas aves.No extracto terrestre estão os jabutis, cutias, pacas, antas etc. Os mamíferos aproveitam a produtividade sazonal dos alimentos, como os frutos caídos das árvores. Esses animais, por sua vez, servem de alimentos para grandes felinos e cobras de grande porte, que podem ser encontrados com uma frequência desagradável…

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As formaçoes vegetais pelo mundo
As formaçoes vegetais pelo mundoAs formaçoes vegetais pelo mundo
As formaçoes vegetais pelo mundo
Professor
 
Biomas do mundo
Biomas do mundoBiomas do mundo
Biomas do mundo
André Luiz Marques
 
Biogeografia
BiogeografiaBiogeografia
Biomas mundiais (1ºano)
Biomas mundiais (1ºano)Biomas mundiais (1ºano)
Biomas mundiais (1ºano)
Matheus Boniatti
 
Biomas.
Biomas.Biomas.
Biomas.
Lara Lídia
 
Sexto ano unidade6-tema3
Sexto ano unidade6-tema3Sexto ano unidade6-tema3
Sexto ano unidade6-tema3
Christie Freitas
 
Biogeografia
BiogeografiaBiogeografia
Vegetacao
VegetacaoVegetacao
Vegetacao
profleofonseca
 
Biomas E FormaçõEs Vegetais
Biomas E FormaçõEs VegetaisBiomas E FormaçõEs Vegetais
Biomas E FormaçõEs Vegetais
frankfranklyn
 
Cobertura vegetal do planeta
Cobertura vegetal do planetaCobertura vegetal do planeta
Cobertura vegetal do planeta
João José Ferreira Tojal
 
As grandes paisagens vegetais
As grandes paisagens vegetaisAs grandes paisagens vegetais
As grandes paisagens vegetais
bruno rangel
 
Biomas terrestres
Biomas terrestres Biomas terrestres
Biomas terrestres
Andre Luiz Nascimento
 
Biomas No Mundo Aroldo
Biomas No Mundo AroldoBiomas No Mundo Aroldo
Biomas No Mundo Aroldo
aroudus
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
Salageo Cristina
 
Bioma Pluvial Tropical
Bioma Pluvial TropicalBioma Pluvial Tropical
Bioma Pluvial Tropical
Fatinha Yagame
 
As principais formações vegetais
As principais formações vegetaisAs principais formações vegetais
As principais formações vegetais
Fernando Barrosa
 
Paisagens vegetais do brasil
Paisagens vegetais do brasil Paisagens vegetais do brasil
Paisagens vegetais do brasil
Colégio Nova Geração COC
 
Florestas pluviais
Florestas pluviaisFlorestas pluviais
Florestas pluviais
Guilherme Drumond
 
Vegetação mundial
Vegetação mundialVegetação mundial
Vegetação mundial
dela28
 
Floresta Tropical
Floresta TropicalFloresta Tropical
Floresta Tropical
Larissa Oliveira
 

Mais procurados (20)

As formaçoes vegetais pelo mundo
As formaçoes vegetais pelo mundoAs formaçoes vegetais pelo mundo
As formaçoes vegetais pelo mundo
 
Biomas do mundo
Biomas do mundoBiomas do mundo
Biomas do mundo
 
Biogeografia
BiogeografiaBiogeografia
Biogeografia
 
Biomas mundiais (1ºano)
Biomas mundiais (1ºano)Biomas mundiais (1ºano)
Biomas mundiais (1ºano)
 
Biomas.
Biomas.Biomas.
Biomas.
 
Sexto ano unidade6-tema3
Sexto ano unidade6-tema3Sexto ano unidade6-tema3
Sexto ano unidade6-tema3
 
Biogeografia
BiogeografiaBiogeografia
Biogeografia
 
Vegetacao
VegetacaoVegetacao
Vegetacao
 
Biomas E FormaçõEs Vegetais
Biomas E FormaçõEs VegetaisBiomas E FormaçõEs Vegetais
Biomas E FormaçõEs Vegetais
 
Cobertura vegetal do planeta
Cobertura vegetal do planetaCobertura vegetal do planeta
Cobertura vegetal do planeta
 
As grandes paisagens vegetais
As grandes paisagens vegetaisAs grandes paisagens vegetais
As grandes paisagens vegetais
 
Biomas terrestres
Biomas terrestres Biomas terrestres
Biomas terrestres
 
Biomas No Mundo Aroldo
Biomas No Mundo AroldoBiomas No Mundo Aroldo
Biomas No Mundo Aroldo
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
 
Bioma Pluvial Tropical
Bioma Pluvial TropicalBioma Pluvial Tropical
Bioma Pluvial Tropical
 
As principais formações vegetais
As principais formações vegetaisAs principais formações vegetais
As principais formações vegetais
 
Paisagens vegetais do brasil
Paisagens vegetais do brasil Paisagens vegetais do brasil
Paisagens vegetais do brasil
 
Florestas pluviais
Florestas pluviaisFlorestas pluviais
Florestas pluviais
 
Vegetação mundial
Vegetação mundialVegetação mundial
Vegetação mundial
 
Floresta Tropical
Floresta TropicalFloresta Tropical
Floresta Tropical
 

Semelhante a A vegetação

Mata Atlântica
Mata AtlânticaMata Atlântica
Mata Atlântica
Ana Cristina de Jesus
 
Perda De Biodiversidade
Perda De BiodiversidadePerda De Biodiversidade
Perda De Biodiversidade
guest0f0d8
 
BIOMA AMAZONIA.pdf
BIOMA AMAZONIA.pdfBIOMA AMAZONIA.pdf
BIOMA AMAZONIA.pdf
JooPedroMapurungadeS
 
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
leila Cardoso
 
Biomas.ppt
Biomas.pptBiomas.ppt
Biomas.ppt
RedneyAlesi
 
Biomas.ppt
Biomas.pptBiomas.ppt
Biomas.ppt
Biomas.pptBiomas.ppt
Biomas.ppt
LinoReis1
 
Cidade de cavalcante powerpoint 1
Cidade de cavalcante powerpoint 1Cidade de cavalcante powerpoint 1
Cidade de cavalcante powerpoint 1
olecramsepol
 
4 biomas
4   biomas4   biomas
Biologia 2
Biologia 2Biologia 2
Biologia 2
HermannyGALO
 
Biologia 2
Biologia 2Biologia 2
Biologia 2
HermannyGALO
 
Beatriz e joão pedro aragão
Beatriz e joão pedro aragãoBeatriz e joão pedro aragão
Beatriz e joão pedro aragão
Nute JPA
 
3 complexo regional-amazonico
3 complexo regional-amazonico3 complexo regional-amazonico
3 complexo regional-amazonico
Lucas Cechinel
 
9 complexo regional-amazonico
9 complexo regional-amazonico9 complexo regional-amazonico
9 complexo regional-amazonico
Lucas Cechinel
 
13/03/1989
13/03/198913/03/1989
13/03/1989
jupia87
 
Slides
SlidesSlides
Slides
jupia87
 
Cidade de cavalcante powerpoint marcelaaaaaa
Cidade de cavalcante powerpoint  marcelaaaaaaCidade de cavalcante powerpoint  marcelaaaaaa
Cidade de cavalcante powerpoint marcelaaaaaa
olecramsepol
 
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIOVEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
Maria Lima
 
Trabalho De Florestas
Trabalho De FlorestasTrabalho De Florestas
Trabalho De Florestas
Leo França
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Paulo Vitor
 

Semelhante a A vegetação (20)

Mata Atlântica
Mata AtlânticaMata Atlântica
Mata Atlântica
 
Perda De Biodiversidade
Perda De BiodiversidadePerda De Biodiversidade
Perda De Biodiversidade
 
BIOMA AMAZONIA.pdf
BIOMA AMAZONIA.pdfBIOMA AMAZONIA.pdf
BIOMA AMAZONIA.pdf
 
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
 
Biomas.ppt
Biomas.pptBiomas.ppt
Biomas.ppt
 
Biomas.ppt
Biomas.pptBiomas.ppt
Biomas.ppt
 
Biomas.ppt
Biomas.pptBiomas.ppt
Biomas.ppt
 
Cidade de cavalcante powerpoint 1
Cidade de cavalcante powerpoint 1Cidade de cavalcante powerpoint 1
Cidade de cavalcante powerpoint 1
 
4 biomas
4   biomas4   biomas
4 biomas
 
Biologia 2
Biologia 2Biologia 2
Biologia 2
 
Biologia 2
Biologia 2Biologia 2
Biologia 2
 
Beatriz e joão pedro aragão
Beatriz e joão pedro aragãoBeatriz e joão pedro aragão
Beatriz e joão pedro aragão
 
3 complexo regional-amazonico
3 complexo regional-amazonico3 complexo regional-amazonico
3 complexo regional-amazonico
 
9 complexo regional-amazonico
9 complexo regional-amazonico9 complexo regional-amazonico
9 complexo regional-amazonico
 
13/03/1989
13/03/198913/03/1989
13/03/1989
 
Slides
SlidesSlides
Slides
 
Cidade de cavalcante powerpoint marcelaaaaaa
Cidade de cavalcante powerpoint  marcelaaaaaaCidade de cavalcante powerpoint  marcelaaaaaa
Cidade de cavalcante powerpoint marcelaaaaaa
 
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIOVEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
 
Trabalho De Florestas
Trabalho De FlorestasTrabalho De Florestas
Trabalho De Florestas
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 

Mais de António Luís Catarino

A ii revolucao-industrial[1]
A ii revolucao-industrial[1]A ii revolucao-industrial[1]
A ii revolucao-industrial[1]
António Luís Catarino
 
A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]
A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]
A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]
António Luís Catarino
 
Teletrabalho
TeletrabalhoTeletrabalho
O romantismo
O romantismoO romantismo
Apresentação1 romantismo[1]
Apresentação1  romantismo[1]Apresentação1  romantismo[1]
Apresentação1 romantismo[1]
António Luís Catarino
 
Organização da rede urbana
Organização da rede urbanaOrganização da rede urbana
Organização da rede urbana
António Luís Catarino
 
As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]
António Luís Catarino
 
Ws2[1]correcção[1]
Ws2[1]correcção[1]Ws2[1]correcção[1]
Ws2[1]correcção[1]
António Luís Catarino
 
Indústria[1]..[2]
Indústria[1]..[2]Indústria[1]..[2]
Indústria[1]..[2]
António Luís Catarino
 
Vestuário %201,8[1]
Vestuário %201,8[1]Vestuário %201,8[1]
Vestuário %201,8[1]
António Luís Catarino
 
Transportes porto 100_anos[2]
Transportes porto 100_anos[2]Transportes porto 100_anos[2]
Transportes porto 100_anos[2]
António Luís Catarino
 
Rua 31 de_janeiro-14,18,24[2]
Rua 31 de_janeiro-14,18,24[2]Rua 31 de_janeiro-14,18,24[2]
Rua 31 de_janeiro-14,18,24[2]
António Luís Catarino
 
Rua%20da%20 constituição 1,11[1]
Rua%20da%20 constituição 1,11[1]Rua%20da%20 constituição 1,11[1]
Rua%20da%20 constituição 1,11[1]
António Luís Catarino
 
Rainha%20 d.amélia 6,12,25[1]
Rainha%20 d.amélia 6,12,25[1]Rainha%20 d.amélia 6,12,25[1]
Rainha%20 d.amélia 6,12,25[1]
António Luís Catarino
 
Porto%20no%20século%20 xix 1,23,24[2]
Porto%20no%20século%20 xix 1,23,24[2]Porto%20no%20século%20 xix 1,23,24[2]
Porto%20no%20século%20 xix 1,23,24[2]
António Luís Catarino
 
Porto%20 há%20100%20anos%20 2,3,14%20power%20point[1]
Porto%20 há%20100%20anos%20 2,3,14%20power%20point[1]Porto%20 há%20100%20anos%20 2,3,14%20power%20point[1]
Porto%20 há%20100%20anos%20 2,3,14%20power%20point[1]
António Luís Catarino
 
Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]
Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]
Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]
António Luís Catarino
 
Pedro,guilherme,carolina conde[2]
Pedro,guilherme,carolina conde[2]Pedro,guilherme,carolina conde[2]
Pedro,guilherme,carolina conde[2]
António Luís Catarino
 

Mais de António Luís Catarino (20)

A ii revolucao-industrial[1]
A ii revolucao-industrial[1]A ii revolucao-industrial[1]
A ii revolucao-industrial[1]
 
A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]
A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]
A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]
 
Teletrabalho
TeletrabalhoTeletrabalho
Teletrabalho
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Apresentação1 romantismo[1]
Apresentação1  romantismo[1]Apresentação1  romantismo[1]
Apresentação1 romantismo[1]
 
Organização da rede urbana
Organização da rede urbanaOrganização da rede urbana
Organização da rede urbana
 
As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]
 
Ws2[1]correcção[1]
Ws2[1]correcção[1]Ws2[1]correcção[1]
Ws2[1]correcção[1]
 
Shopping final (2)[1]
Shopping final (2)[1]Shopping final (2)[1]
Shopping final (2)[1]
 
Clothes shop[3]
Clothes shop[3]Clothes shop[3]
Clothes shop[3]
 
Indústria[1]..[2]
Indústria[1]..[2]Indústria[1]..[2]
Indústria[1]..[2]
 
Vestuário %201,8[1]
Vestuário %201,8[1]Vestuário %201,8[1]
Vestuário %201,8[1]
 
Transportes porto 100_anos[2]
Transportes porto 100_anos[2]Transportes porto 100_anos[2]
Transportes porto 100_anos[2]
 
Rua 31 de_janeiro-14,18,24[2]
Rua 31 de_janeiro-14,18,24[2]Rua 31 de_janeiro-14,18,24[2]
Rua 31 de_janeiro-14,18,24[2]
 
Rua%20da%20 constituição 1,11[1]
Rua%20da%20 constituição 1,11[1]Rua%20da%20 constituição 1,11[1]
Rua%20da%20 constituição 1,11[1]
 
Rainha%20 d.amélia 6,12,25[1]
Rainha%20 d.amélia 6,12,25[1]Rainha%20 d.amélia 6,12,25[1]
Rainha%20 d.amélia 6,12,25[1]
 
Porto%20no%20século%20 xix 1,23,24[2]
Porto%20no%20século%20 xix 1,23,24[2]Porto%20no%20século%20 xix 1,23,24[2]
Porto%20no%20século%20 xix 1,23,24[2]
 
Porto%20 há%20100%20anos%20 2,3,14%20power%20point[1]
Porto%20 há%20100%20anos%20 2,3,14%20power%20point[1]Porto%20 há%20100%20anos%20 2,3,14%20power%20point[1]
Porto%20 há%20100%20anos%20 2,3,14%20power%20point[1]
 
Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]
Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]
Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]
 
Pedro,guilherme,carolina conde[2]
Pedro,guilherme,carolina conde[2]Pedro,guilherme,carolina conde[2]
Pedro,guilherme,carolina conde[2]
 

Último

livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 

A vegetação

  • 1. A Vegetação A vegetação Gonçalo Freitas Nº12 ; Helder Soares Nº14
  • 2. Neste power point: O que e a vegetação ? A vegetação em Portugal Amazónia
  • 3. O conjunto de plantas nativas de uma área qualquer, que nela crescem naturalmente, chama-se vegetação. Não devemos confundir vegetação natural com plantação, pois esta é obra do homem, enquanto vegetação é obra da natureza, cresce naturalmente. Hoje, poucas são as áreas onde podemos encontrar vegetação natural, que não tenham recebido qualquer interferência humana. Toda a superfície terrestre, directa ou indirectamente, já teve suas paisagens alteradas pelo homem: extraindo produtos das florestas, derrubando a mata para fazer plantações, expandindo as cidades, construindo estradas e hidroeléctricas, poluindo o ar que respiramos, a água indispensável, etc. O que é a vegetação ?
  • 4. Vegetação em Portugal A vegetação de Portugal é uma mistura de espécies atlânticas, europeias e mediterrâneas, variando muito de acordo com a região em que se desenvolvem. No Norte encontram-se, principalmente, plantas de origem europeia, ao passo que no sul as predominantes são as de origem mediterrânea.
  • 5. Amazónia O ambiente é húmido e as chuvas, abundantes. A menor imprudência pode causar danos irreversíveis ao seu equilíbrio delicado. Na Amazónia vivem e se reproduzem mais de um terço das espécies existentes no planeta. Além de 2.500 espécies de árvores (um terço da madeira tropical do mundo), a Amazónia também abriga água, muita água. Todos os números que envolvem indicadores desse bioma são enormes. Uma boa ideia da exuberância da floresta está na fauna local.Das 100 mil espécies de plantas que ocorrem em toda a América Latina, 30 mil estão na Amazónia. A diversidade em espécies se repete na fauna da região. Os insectos, por exemplo, estão presentes em todos os estratos da floresta, e podem, com certeza, deixar qualquer pessoa, no mínimo, muito nervosa! Os animais rastejadores, os anfíbios e aqueles com capacidade para subir em locais íngremes, como o esquilo, exploram os níveis baixos e médios.Os locais mais altos são explorados por beija-flores, araras, papagaios e periquitos à procura de frutas, brotos e castanhas. Os tucanos, voadores de curta distância, exploram as árvores altas. O nível intermediário é habitado por jacus, gaviões, corujas e centenas de pequenas aves.No extracto terrestre estão os jabutis, cutias, pacas, antas etc. Os mamíferos aproveitam a produtividade sazonal dos alimentos, como os frutos caídos das árvores. Esses animais, por sua vez, servem de alimentos para grandes felinos e cobras de grande porte, que podem ser encontrados com uma frequência desagradável…