SlideShare uma empresa Scribd logo
Biomas Brasileiros
Professor Herbert Galeno
http://herbertgaleno.blogspot.com.br/
Paisagens Vegetais do Brasil
VEGETAÇÃO DO BRASIL
O Brasil possui grande diversidade de formações
vegetais naturais, associadas a diferentes tipos de
solos, relevos e climas. A vegetação da época do
descobrimento e sem ser modificada pelo ser
humano é chamada de paisagem natural. Com a
colonização, tem início a exploração dos recursos
naturais no país e essa paisagem sofre grandes
mudanças, pois a retirada da cobertura vegetal é o
primeiro passo para a instalação de atividades
produtivas.
1) Formações Florestais

Existe, no Brasil (e no Mundo) uma grande
diversidade de cobertura vegetal florestal, que
mudam de aspecto segundo as variações da
umidade, da temperatura, do tipo de solo e da
altitude.
As principais coberturas vegetais do Brasil
conhecidas como formações florestais são:
Floresta Amazônica, Mata Atlântica, Mata de
Araucária, Mata dos Cocais e Matas Ciliares.
2) Formações Não Florestais

Existe, no Brasil (e no Mundo) uma grande
diversidade de cobertura vegetal denominada
não florestal, que mudam de aspecto segundo
as variações da umidade, da temperatura, do
tipo de solo e da altitude.
As principais coberturas vegetais do Brasil
conhecidas como formações não florestais são:
Cerrado, Caatinga, Campos e o complexo do
Pantanal
3) Formações Litorâneas
Existe, no Brasil (e no Mundo) uma grande
diversidade de cobertura vegetal denominada
formação litorânea, que mudam de aspecto
segundo as variações da umidade, da
temperatura, do tipo de solo.
As principais coberturas vegetais do Brasil
conhecidas como formações litorâneas são:
Mangue e Restinga.
Próximo ao litoral também são encontradas as
vegetações de dunas e vegetações de praias
1) Formações Florestais
1.1 – Floresta Amazônica - Cobertura vegetal
densa, úmida e heterogênea, que abrange
aproximadamente 40% do território brasileiro.
A Floresta Amazônica é uma Floresta Equatorial; é
assim chamada pois sobre ela passa a linha
imaginária do Equador. Também é chamada de
Floresta Tropical ou Intertropical por estar
localizada entre os trópicos de Câncer e
Capricórnio. Devido a isso o clima na Floresta
Amazônica é quente e úmido. Ela é banhada pelo
rio Amazonas e seus afluentes.
A Floresta Amazônica possui três tipos de vegetação, classificadas
segundo a proximidade em relação aos rios. São elas: mata de igapó,
mata de várzea e mata de terra firme.
A mata de igapó é uma espécie de floresta submersa, localizada no
terreno mais baixo, permanentemente alagado pelos rios. Muitas
plantas da mata de igapó possuem ramificações baixas e densas. A
vitória-régia é uma espécie de símbolo dessa formação vegetal.
O segundo tipo, a mata de várzea, é uma mata de inundação
temporária. Ela acompanha as várzeas dos rios e em algumas regiões
ocorre entre as matas de igapó
e a terra firme. A composição vegetal é variável, de acordo com a
proximidade dos rios. Nela encontram-se a seringueira, muitas
palmeiras, o jatobá e a maçaranduba.
As matas de terra firme não são inundadas pelas cheias dos rios e
ocupam a maior parte da região. Suas árvores podem atingir 65 m de
altura e o contato de suas copas forma um telhado verde capaz de reter
até 95% da luz solar. O interior dessa mata é escuro, úmido e pouco
ventilado. São comuns a castanha-do-pará, o caucho e o guaraná.
Floresta Amazônica vista do alto
Mata de várzea
E
Mata de igapó

Floresta Amazônica vista do rio
1.2 – Mata Atlântica –
Vegetação bastante rica e variada, original do litoral
úmido e do interior do Sudeste. Foi a mais devastada
das formações originais do Brasil.
As florestas costeiras do país são conhecidas pelo
nome genérico de Mata Atlântica ou ainda Floresta
Costeira. Possuem a maior biodiversidade por hectare
entre as florestas tropicais do mundo. São matas
fechadas, com árvores altas. As espécies mais comuns
são: ipês, quaresmeiras, cedros, palmiteiro, canelas,
imbaúba, guapuruvu.
No passado a Florestas Atlântica acompanhavam
quase todo o litoral brasileiro, do Rio Grande do
Norte até Santa Catarina, graças a uma combinação
de clima e relevo – as serras e planaltos litorâneos
barram a umidade das massas de ar, garantindo
chuvas. Mas a devastação, que começou com a
exploração do pau-brasil, continuou durante os
ciclos da cana-de-açúcar e do café. Com a
urbanização e a industrialização, a extração de
madeira atingiu grandes áreas. Estima-se que exista
hoje cerca de 7 a 8% de sua mata original, sendo
que, na região sudeste, aparece maior percentual
de preservação.
Mata Atlântica vista do Mar
(oceano Atlântico)
Mata Atlântica vista por uma
trilha em seu interior
1.3 Matas de Araucária Também conhecida como Mata
dos Pinhais– São formações de clima subtropical,
características das terras altas e serras da região Sul (nos
estados: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná) e
do estado de São Paulo. As florestas são mais abertas e
têm como principal espécie a araucária – também
conhecida como pinheiro-do-paraná. Muito apreciadas
pelo fruto, o pinhão, as araucárias podem alcançar mais
de 30 m de altura. Essas matas praticamente
desapareceram pela exploração de sua madeira como
material de construção e matéria-prima para indústrias
de celulose e papel.
Esta formação já representou 15% do território
brasileiro, hoje estima-se em apenas 4% de seu espaço
original.
Araucária ou
Pinheiro do Paraná

Mata dos Pinhais
1.4 Matas de cocais – As matas
de cocais estão localizadas numa
zona de transição entre a Floresta
Amazônica e as caatingas. São
ricas em espécies de palmeiras,
como o babaçu e a carnaúba. O
babaçu é uma planta importante
para a economia local: suas
folhas são usadas na construção
de moradias e utensílios, e seus
frutos são utilizados na produção
de óleo. A carnaúba é mais
utilizada na produção de cera e
muitos outros produtos
Palmeira Carnaúba

Palmeira Babaçú
1.5 Matas ciliares ou Matas galerias – Correspondem a
pequenas florestas alongadas que se desenvolvem ao
longo dos rios, aproveitando a umidade do solo. São
encontradas nas regiões de cerrado, de campos e, mesmo,
de florestas.
Apresentam formas arredondadas e se destacam no meio
da vegetação rasteira como pequenas “ilhas de
vegetação”.
2) Formações Não Florestais
2.1 Cerrado
Predomina em quase todo o Brasil Central (Mato
Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás), parte de Minas
Gerais, parte ocidental da Bahia e sul do Maranhão,
nas áreas onde o clima apresenta duas estações bem
marcadas, uma seca e outra chuvosa. Apresenta-se
em forma de manchas isoladas em vários pontos do
território, como é o caso dos estados de São Paulo e
Paraná.
O Cerrado é formado por arbustos, vegetação rasteira
e árvores com troncos e galhos tortuosos, que
atingem cerca de 10m de altura. Ocupa 25% do
território do Brasil.
O cerrado pode ser, na realidade, resultado das condições
naturais e da ação do homem: do relevo das chapadas do
planalto Central, do clima tropical com duas estações bem
marcadas (verão chuvoso e inverno com pouca ou nenhuma
chuva), a profundidade do lençol freático, da natureza do solo
e a ação do homem, destruindo o material orgânico,
fundamental à nutrição vegetal, no preparo inadequado do
solo na prática agrícola, quanto utiliza a queimada Hoje o
cerrado está sendo descaracterizado pelos projetos de
monoculturas, principalmente a soja e a pastagem.
Queimadas de grandes proporções, muitas vezes
intencionais, destroem as matas de galeria que protegem as
regiões à beira-rio.
Estima-se que cerca de 50% da área original do cerrado já
tenha sido devastada
Cerrado
Paisagem típica do Brasil Central, onde o
clima é alternadamente seco e úmido.
Sua vegetação é, em geral, rala, com
árvores distantes umas das outras.

Ipê amarelo – original do
Cerrado

Piquizeiro – original do
Cerrado
2.2 Caatinga
O Sertão semiárido do Nordeste brasileiro, o chamado
“Polígono das Secas”, tem uma formação vegetal
denominada de Caatinga - caa = mata, tinga = branca.
Esta formação vegetal perde totalmente suas folhas
(caducas) durante as estações secas, recuperando-se durante
as primeiras chuvas. Essa escassez de chuvas, aliada a um
solo pouco profundo e pedregoso, e mais à devastação
ocasionada pela ocupação humana, é responsável pela
vegetação descontínua, característica da Caatinga.
A Caatinga ocupa 11% da área do território brasileiro. É uma
formação complexa, com várias cactáceas: o mandacaru, o
faxeiro, o xique-xique e as coroas-de-frade. Há trechos em
que predominam árvores: aroeira, umbuzeiro; em outras,
predominam arbustos, plantas rasteiras e cactáceas; há
também vegetais fibrosos, como o coroá e o sisal (ou agave).
Caatinga
Vegetação pobre, com plantas xerófilas (adaptadas à
escassez de água). Típica do Sertão semiárido do Nordeste.

Arbustos
Cactos
2.3 Campos

São recobertos por gramíneas e cortados apenas pelas matas de
galeria que acompanham os rios. Apesar de comuns em todo o Brasil,
os campos ocupam grandes extensões de terra no sul do país,
formando uma paisagem típica conhecida com Campanha Gaúcha.
Outras formações campestres são:
• Os campos de altitude, ou serranos, que surgem nas áreas elevadas
do relevo, onde a ação da altitude modifica a vegetação – Serra do
Caparaó, Serra do Itatiaia.
• Os campos da Hiléia, ou campos inundáveis, que ocupam as terras
baixas, sujeitas a inundações, como é o caso dos campos da ilha de
Marajó.
• Usa-se ainda a expressão campos limpos para designar uma região
sul do Mato Grosso do Sul entre Campo Grande e Ponta-Porã.
• A expressão campos sujos para designar uma área de campo possui
muitos arbustos
Campos
Embora haja manchas nas diversas regiões do país,
predominam na Campanha Gaúcha (pampa gaúcho).

Campos sujos
Campos limpos
2.4 Complexo do Pantanal
Estende-se pelo Mato Grosso do Sul e Cuiabá ocupando, ainda,
extensa área em território boliviano e paraguaio, onde é
conhecido como chaco. Sofre inundações por ocasião das cheias
e transbordamento do Rio Paraguai e seus afluentes. Durante a
estação seca, que vai de abril a setembro, as baías, que são
pequenas lagoas, permanecem cheias, transformando-se em
refúgio de grande variedade de animais, que, aliados à flora,
transformam o Pantanal em importante ecossistema mundial.
O Pantanal é uma formação vegetal complexa, pois possui
espécies vegetais da floresta, dos campos, do cerrado e,
mesmo, plantas xerófilas da caatinga.
É a cobertura vegetal mais heterogênea do Brasil, resultado da
umidade local e da qualidade dos solos, que recebem, durante
as cheias, materiais carreados pelas águas e depositados no
período da vazante.
No Pantanal existem matas e tufos de cerrados que não sofrem
inundações, campinas que ficam encobertas pelas águas durante as
enchentes, matas com aroeiras, angicos-vermelhos e figueiras,
também não-inundáveis. Nas áreas alagadas são encontrados aguapés
e ervas de-Santa-Luzia. Destacam-se no Pantanal as associações de
árvores (conjunto de árvores de mesma espécie, dispostas próximas
entre si), como o paratudo, o buriti, o carandá e a palmeira-acuri, que
bordeja as margens dos rios.
O Pantanal constitui importantes áreas de criação de gado, além de
áreas de extrativismo vegetal.
3 Formações litorâneas
3.1 Mangues
Predominam nas regiões de estuário e lagunas do litoral. São
formados basicamente por três tipos de árvores adaptadas
ao solo alagado, pouco arejado e com alto teor de sais. Para
auxiliar na sua fixação ao solo, muitas árvores desenvolvem
as chamadas raízes-escora ou raiz aérea. Ricos em material
orgânico, fornecem abrigo e alimento a muitas espécies
marinhas.
3.2Restingas
Vegetação típica de terrenos arenosos e salinos do
litoral, formada por plantas herbáceas e arbustivas.
Assim como os mangues, sofrem ação destrutiva do
turismo predatório, dos aterros feitos para
construção de estradas e para ocupação imobiliária e
da poluição causada por esgotos
Ocorrem, também, ao longo de todo o litoral
brasileiro, ora vegetação de praia e dunas.
A vegetação de praias e dunas é constituída pela
salsa-de-praia, picão-da-praia e por gramíneas.

Vegetação de praia

Vegetação de dunas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
Prof.Paulo/geografia
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Maicon Azevedo
 
Tundra e Taiga
Tundra e TaigaTundra e Taiga
Tundra e Taiga
michael cayo
 
Vegetação Brasileira
Vegetação BrasileiraVegetação Brasileira
Vegetação Brasileira
Cleber Reis
 
Modulo 16 - O Complexo Amazônico
Modulo 16  - O Complexo AmazônicoModulo 16  - O Complexo Amazônico
Modulo 16 - O Complexo Amazônico
Claudio Henrique Ramos Sales
 
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
Conceição Fontolan
 
Biomas mundiais
Biomas mundiaisBiomas mundiais
Biomas mundiais
igor-oliveira
 
Domínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticosDomínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticos
Paola Beatriz
 
Regiões polares
Regiões polaresRegiões polares
Regiões polares
Fernanda Lopes
 
Hidrografia - oceanos e mares
Hidrografia - oceanos e maresHidrografia - oceanos e mares
Hidrografia - oceanos e mares
André Luiz Marques
 
Grandes biomas terrestres
Grandes biomas terrestresGrandes biomas terrestres
Grandes biomas terrestres
João José Ferreira Tojal
 
Dominios Morfoclimaticos
Dominios MorfoclimaticosDominios Morfoclimaticos
Dominios Morfoclimaticos
Stéfano Silveira
 
Biomas terrestres
Biomas terrestres Biomas terrestres
Biomas terrestres
Andre Luiz Nascimento
 
Hidrografia geral e do Brasileira
Hidrografia geral e do Brasileira Hidrografia geral e do Brasileira
Hidrografia geral e do Brasileira
Artur Lara
 
As principais formações vegetais
As principais formações vegetaisAs principais formações vegetais
As principais formações vegetais
Fernando Barrosa
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
Tânia Reis
 
Tundra
TundraTundra
Clima e tempo
Clima e tempoClima e tempo
Clima e tempo
Guilherme Drumond
 
Geografia do Ceará
Geografia do CearáGeografia do Ceará
Geografia do Ceará
EEM Mariano Martins
 
Clima E Climas Do Brasil Aula
Clima E Climas Do Brasil   AulaClima E Climas Do Brasil   Aula
Clima E Climas Do Brasil Aula
Luciano Pessanha
 

Mais procurados (20)

Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Tundra e Taiga
Tundra e TaigaTundra e Taiga
Tundra e Taiga
 
Vegetação Brasileira
Vegetação BrasileiraVegetação Brasileira
Vegetação Brasileira
 
Modulo 16 - O Complexo Amazônico
Modulo 16  - O Complexo AmazônicoModulo 16  - O Complexo Amazônico
Modulo 16 - O Complexo Amazônico
 
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
 
Biomas mundiais
Biomas mundiaisBiomas mundiais
Biomas mundiais
 
Domínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticosDomínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticos
 
Regiões polares
Regiões polaresRegiões polares
Regiões polares
 
Hidrografia - oceanos e mares
Hidrografia - oceanos e maresHidrografia - oceanos e mares
Hidrografia - oceanos e mares
 
Grandes biomas terrestres
Grandes biomas terrestresGrandes biomas terrestres
Grandes biomas terrestres
 
Dominios Morfoclimaticos
Dominios MorfoclimaticosDominios Morfoclimaticos
Dominios Morfoclimaticos
 
Biomas terrestres
Biomas terrestres Biomas terrestres
Biomas terrestres
 
Hidrografia geral e do Brasileira
Hidrografia geral e do Brasileira Hidrografia geral e do Brasileira
Hidrografia geral e do Brasileira
 
As principais formações vegetais
As principais formações vegetaisAs principais formações vegetais
As principais formações vegetais
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
Tundra
TundraTundra
Tundra
 
Clima e tempo
Clima e tempoClima e tempo
Clima e tempo
 
Geografia do Ceará
Geografia do CearáGeografia do Ceará
Geografia do Ceará
 
Clima E Climas Do Brasil Aula
Clima E Climas Do Brasil   AulaClima E Climas Do Brasil   Aula
Clima E Climas Do Brasil Aula
 

Destaque

Geografia vegetação brasileira
Geografia  vegetação brasileiraGeografia  vegetação brasileira
Geografia vegetação brasileira
Jaicinha
 
As grandes paisagens vegetais do brasil
As grandes paisagens vegetais  do brasilAs grandes paisagens vegetais  do brasil
As grandes paisagens vegetais do brasil
Prof.Paulo/geografia
 
Clima e vegetação do Brasil
Clima e vegetação do BrasilClima e vegetação do Brasil
Clima e vegetação do Brasil
Portal do Vestibulando
 
Aula grandes paisagens do brasil
Aula grandes paisagens do brasilAula grandes paisagens do brasil
Aula grandes paisagens do brasil
Gilberto Pires
 
Os tipos de Clima e Vegetação do Brasil
Os tipos de Clima e Vegetação  do BrasilOs tipos de Clima e Vegetação  do Brasil
Os tipos de Clima e Vegetação do Brasil
Lana Delly Nascimento
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
Salageo Cristina
 
VegetaçãO Brasileira - Ensino Fundamental 4º e 5º ano
VegetaçãO Brasileira - Ensino Fundamental 4º e 5º anoVegetaçãO Brasileira - Ensino Fundamental 4º e 5º ano
VegetaçãO Brasileira - Ensino Fundamental 4º e 5º ano
Coraci Machado Araújo
 
Rússia e o leste europeu
Rússia e o leste europeuRússia e o leste europeu
Rússia e o leste europeu
Manu Medeiros
 
Geografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacaoGeografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacao
José Nascimento
 
íNdia
íNdiaíNdia
A geografia dos biomas tropicais
A geografia dos biomas tropicais A geografia dos biomas tropicais
A geografia dos biomas tropicais
Manu Medeiros
 
A mata dos cocais é uma floresta de transição
A mata dos cocais é uma floresta de transiçãoA mata dos cocais é uma floresta de transição
A mata dos cocais é uma floresta de transição
Isac Silveira
 
El Bádminton
El BádmintonEl Bádminton
El Bádminton
losuboenlaweb
 
Formacoes Vegetais B Rasil Bruno Aula 2
Formacoes Vegetais B Rasil Bruno Aula 2Formacoes Vegetais B Rasil Bruno Aula 2
Formacoes Vegetais B Rasil Bruno Aula 2
Bruno Emidio
 
O clima e as formações vegetais
O clima e as formações vegetaisO clima e as formações vegetais
O clima e as formações vegetais
Carlos Super
 
Geografia do brasil
Geografia do brasilGeografia do brasil
Geografia do brasil
profrobertogeo
 
América central
América centralAmérica central
América central
Daniela Minotto
 
O clima
O climaO clima
O clima
Diogo Reis
 
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIOVEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
Maria Lima
 
Geografia do Brasil - Relevo e Vegetacao Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgon...
Geografia do Brasil - Relevo e Vegetacao Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgon...Geografia do Brasil - Relevo e Vegetacao Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgon...
Geografia do Brasil - Relevo e Vegetacao Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgon...
Marco Aurélio Gondim
 

Destaque (20)

Geografia vegetação brasileira
Geografia  vegetação brasileiraGeografia  vegetação brasileira
Geografia vegetação brasileira
 
As grandes paisagens vegetais do brasil
As grandes paisagens vegetais  do brasilAs grandes paisagens vegetais  do brasil
As grandes paisagens vegetais do brasil
 
Clima e vegetação do Brasil
Clima e vegetação do BrasilClima e vegetação do Brasil
Clima e vegetação do Brasil
 
Aula grandes paisagens do brasil
Aula grandes paisagens do brasilAula grandes paisagens do brasil
Aula grandes paisagens do brasil
 
Os tipos de Clima e Vegetação do Brasil
Os tipos de Clima e Vegetação  do BrasilOs tipos de Clima e Vegetação  do Brasil
Os tipos de Clima e Vegetação do Brasil
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
 
VegetaçãO Brasileira - Ensino Fundamental 4º e 5º ano
VegetaçãO Brasileira - Ensino Fundamental 4º e 5º anoVegetaçãO Brasileira - Ensino Fundamental 4º e 5º ano
VegetaçãO Brasileira - Ensino Fundamental 4º e 5º ano
 
Rússia e o leste europeu
Rússia e o leste europeuRússia e o leste europeu
Rússia e o leste europeu
 
Geografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacaoGeografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacao
 
íNdia
íNdiaíNdia
íNdia
 
A geografia dos biomas tropicais
A geografia dos biomas tropicais A geografia dos biomas tropicais
A geografia dos biomas tropicais
 
A mata dos cocais é uma floresta de transição
A mata dos cocais é uma floresta de transiçãoA mata dos cocais é uma floresta de transição
A mata dos cocais é uma floresta de transição
 
El Bádminton
El BádmintonEl Bádminton
El Bádminton
 
Formacoes Vegetais B Rasil Bruno Aula 2
Formacoes Vegetais B Rasil Bruno Aula 2Formacoes Vegetais B Rasil Bruno Aula 2
Formacoes Vegetais B Rasil Bruno Aula 2
 
O clima e as formações vegetais
O clima e as formações vegetaisO clima e as formações vegetais
O clima e as formações vegetais
 
Geografia do brasil
Geografia do brasilGeografia do brasil
Geografia do brasil
 
América central
América centralAmérica central
América central
 
O clima
O climaO clima
O clima
 
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIOVEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
 
Geografia do Brasil - Relevo e Vegetacao Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgon...
Geografia do Brasil - Relevo e Vegetacao Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgon...Geografia do Brasil - Relevo e Vegetacao Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgon...
Geografia do Brasil - Relevo e Vegetacao Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgon...
 

Semelhante a Paisagens vegetais do brasil

Cobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasilCobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasil
rdbtava
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
rdbtava
 
Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.
norivalfp
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
Professor
 
Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010
petrivanacarvalho
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Alano Hellery Alano
 
Ecossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdfEcossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdf
AndressaCosta90
 
Mata AtlâNtica
Mata AtlâNticaMata AtlâNtica
Mata AtlâNtica
ecsette
 
Aula biomas.ppt
Aula biomas.pptAula biomas.ppt
Aula biomas.ppt
professorrobertopeix
 
Biomas brasileiros completo (1)
Biomas brasileiros completo (1)Biomas brasileiros completo (1)
Biomas brasileiros completo (1)
norivalfp
 
Geografia vegetação aprovação virtual
Geografia vegetação aprovação virtualGeografia vegetação aprovação virtual
Geografia vegetação aprovação virtual
Paulo Henrique Netinho
 
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADOBiomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Conceição Fontolan
 
Trab12092013
Trab12092013Trab12092013
Trab12092013
americanasexpress
 
Os biomas brasileiros.ppt
Os biomas brasileiros.pptOs biomas brasileiros.ppt
Os biomas brasileiros.ppt
Jones Godinho
 
VegetaçãO Brasileira 4° e 5º ano Ensino Fundamental
VegetaçãO Brasileira 4° e 5º ano Ensino FundamentalVegetaçãO Brasileira 4° e 5º ano Ensino Fundamental
VegetaçãO Brasileira 4° e 5º ano Ensino Fundamental
Coraci Machado Araújo
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Esequias Bueno
 
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
elves0927
 
Biomas do brasileiros
Biomas do brasileirosBiomas do brasileiros
Biomas do brasileiros
Raquel Avila
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
Raquel Avila
 
Aula sobre vegetações
Aula sobre vegetaçõesAula sobre vegetações
Aula sobre vegetações
rafaelescola412
 

Semelhante a Paisagens vegetais do brasil (20)

Cobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasilCobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasil
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
 
Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Ecossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdfEcossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdf
 
Mata AtlâNtica
Mata AtlâNticaMata AtlâNtica
Mata AtlâNtica
 
Aula biomas.ppt
Aula biomas.pptAula biomas.ppt
Aula biomas.ppt
 
Biomas brasileiros completo (1)
Biomas brasileiros completo (1)Biomas brasileiros completo (1)
Biomas brasileiros completo (1)
 
Geografia vegetação aprovação virtual
Geografia vegetação aprovação virtualGeografia vegetação aprovação virtual
Geografia vegetação aprovação virtual
 
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADOBiomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
 
Trab12092013
Trab12092013Trab12092013
Trab12092013
 
Os biomas brasileiros.ppt
Os biomas brasileiros.pptOs biomas brasileiros.ppt
Os biomas brasileiros.ppt
 
VegetaçãO Brasileira 4° e 5º ano Ensino Fundamental
VegetaçãO Brasileira 4° e 5º ano Ensino FundamentalVegetaçãO Brasileira 4° e 5º ano Ensino Fundamental
VegetaçãO Brasileira 4° e 5º ano Ensino Fundamental
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
 
Biomas do brasileiros
Biomas do brasileirosBiomas do brasileiros
Biomas do brasileiros
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
 
Aula sobre vegetações
Aula sobre vegetaçõesAula sobre vegetações
Aula sobre vegetações
 

Mais de Colégio Nova Geração COC

China comunismo e economia
China   comunismo e economiaChina   comunismo e economia
China comunismo e economia
Colégio Nova Geração COC
 
As estruturas do relevo brasileiro
As estruturas do relevo brasileiroAs estruturas do relevo brasileiro
As estruturas do relevo brasileiro
Colégio Nova Geração COC
 
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundialA nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
Colégio Nova Geração COC
 
A desordem mundial
A desordem mundialA desordem mundial
A desordem mundial
Colégio Nova Geração COC
 
A crise de 1929 e o keynesianismo
A crise de 1929 e o keynesianismoA crise de 1929 e o keynesianismo
A crise de 1929 e o keynesianismo
Colégio Nova Geração COC
 
Filosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidadeFilosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidade
Colégio Nova Geração COC
 
Filosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidadeFilosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidade
Colégio Nova Geração COC
 
Filosofia e arte no medievo
Filosofia e arte no medievoFilosofia e arte no medievo
Filosofia e arte no medievo
Colégio Nova Geração COC
 
Filosofia e arte na antiguidade
Filosofia e arte na antiguidadeFilosofia e arte na antiguidade
Filosofia e arte na antiguidade
Colégio Nova Geração COC
 
John Rawls
John RawlsJohn Rawls
Michel Foucalt e o biopoder
Michel Foucalt e o biopoderMichel Foucalt e o biopoder
Michel Foucalt e o biopoder
Colégio Nova Geração COC
 
Immanuel Kant e o criticismo kantiano
Immanuel Kant e o criticismo kantianoImmanuel Kant e o criticismo kantiano
Immanuel Kant e o criticismo kantiano
Colégio Nova Geração COC
 
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionaisGuerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
Colégio Nova Geração COC
 
Estados Unidos economia
Estados Unidos economiaEstados Unidos economia
Estados Unidos economia
Colégio Nova Geração COC
 
Francis Bacon
Francis BaconFrancis Bacon
Direitos e cidadania no Brasil
Direitos e cidadania no BrasilDireitos e cidadania no Brasil
Direitos e cidadania no Brasil
Colégio Nova Geração COC
 
David Hume
David HumeDavid Hume
O conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologiaO conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologia
Colégio Nova Geração COC
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Nietzsche - tragédia e existência
Nietzsche - tragédia e existênciaNietzsche - tragédia e existência
Nietzsche - tragédia e existência
Colégio Nova Geração COC
 

Mais de Colégio Nova Geração COC (20)

China comunismo e economia
China   comunismo e economiaChina   comunismo e economia
China comunismo e economia
 
As estruturas do relevo brasileiro
As estruturas do relevo brasileiroAs estruturas do relevo brasileiro
As estruturas do relevo brasileiro
 
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundialA nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
 
A desordem mundial
A desordem mundialA desordem mundial
A desordem mundial
 
A crise de 1929 e o keynesianismo
A crise de 1929 e o keynesianismoA crise de 1929 e o keynesianismo
A crise de 1929 e o keynesianismo
 
Filosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidadeFilosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidade
 
Filosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidadeFilosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidade
 
Filosofia e arte no medievo
Filosofia e arte no medievoFilosofia e arte no medievo
Filosofia e arte no medievo
 
Filosofia e arte na antiguidade
Filosofia e arte na antiguidadeFilosofia e arte na antiguidade
Filosofia e arte na antiguidade
 
John Rawls
John RawlsJohn Rawls
John Rawls
 
Michel Foucalt e o biopoder
Michel Foucalt e o biopoderMichel Foucalt e o biopoder
Michel Foucalt e o biopoder
 
Immanuel Kant e o criticismo kantiano
Immanuel Kant e o criticismo kantianoImmanuel Kant e o criticismo kantiano
Immanuel Kant e o criticismo kantiano
 
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionaisGuerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
 
Estados Unidos economia
Estados Unidos economiaEstados Unidos economia
Estados Unidos economia
 
Francis Bacon
Francis BaconFrancis Bacon
Francis Bacon
 
Direitos e cidadania no Brasil
Direitos e cidadania no BrasilDireitos e cidadania no Brasil
Direitos e cidadania no Brasil
 
David Hume
David HumeDavid Hume
David Hume
 
O conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologiaO conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologia
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
 
Nietzsche - tragédia e existência
Nietzsche - tragédia e existênciaNietzsche - tragédia e existência
Nietzsche - tragédia e existência
 

Último

Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 

Paisagens vegetais do brasil

  • 1. Biomas Brasileiros Professor Herbert Galeno http://herbertgaleno.blogspot.com.br/
  • 2. Paisagens Vegetais do Brasil VEGETAÇÃO DO BRASIL O Brasil possui grande diversidade de formações vegetais naturais, associadas a diferentes tipos de solos, relevos e climas. A vegetação da época do descobrimento e sem ser modificada pelo ser humano é chamada de paisagem natural. Com a colonização, tem início a exploração dos recursos naturais no país e essa paisagem sofre grandes mudanças, pois a retirada da cobertura vegetal é o primeiro passo para a instalação de atividades produtivas.
  • 3. 1) Formações Florestais Existe, no Brasil (e no Mundo) uma grande diversidade de cobertura vegetal florestal, que mudam de aspecto segundo as variações da umidade, da temperatura, do tipo de solo e da altitude. As principais coberturas vegetais do Brasil conhecidas como formações florestais são: Floresta Amazônica, Mata Atlântica, Mata de Araucária, Mata dos Cocais e Matas Ciliares.
  • 4. 2) Formações Não Florestais Existe, no Brasil (e no Mundo) uma grande diversidade de cobertura vegetal denominada não florestal, que mudam de aspecto segundo as variações da umidade, da temperatura, do tipo de solo e da altitude. As principais coberturas vegetais do Brasil conhecidas como formações não florestais são: Cerrado, Caatinga, Campos e o complexo do Pantanal
  • 5. 3) Formações Litorâneas Existe, no Brasil (e no Mundo) uma grande diversidade de cobertura vegetal denominada formação litorânea, que mudam de aspecto segundo as variações da umidade, da temperatura, do tipo de solo. As principais coberturas vegetais do Brasil conhecidas como formações litorâneas são: Mangue e Restinga. Próximo ao litoral também são encontradas as vegetações de dunas e vegetações de praias
  • 6. 1) Formações Florestais 1.1 – Floresta Amazônica - Cobertura vegetal densa, úmida e heterogênea, que abrange aproximadamente 40% do território brasileiro. A Floresta Amazônica é uma Floresta Equatorial; é assim chamada pois sobre ela passa a linha imaginária do Equador. Também é chamada de Floresta Tropical ou Intertropical por estar localizada entre os trópicos de Câncer e Capricórnio. Devido a isso o clima na Floresta Amazônica é quente e úmido. Ela é banhada pelo rio Amazonas e seus afluentes.
  • 7. A Floresta Amazônica possui três tipos de vegetação, classificadas segundo a proximidade em relação aos rios. São elas: mata de igapó, mata de várzea e mata de terra firme. A mata de igapó é uma espécie de floresta submersa, localizada no terreno mais baixo, permanentemente alagado pelos rios. Muitas plantas da mata de igapó possuem ramificações baixas e densas. A vitória-régia é uma espécie de símbolo dessa formação vegetal. O segundo tipo, a mata de várzea, é uma mata de inundação temporária. Ela acompanha as várzeas dos rios e em algumas regiões ocorre entre as matas de igapó e a terra firme. A composição vegetal é variável, de acordo com a proximidade dos rios. Nela encontram-se a seringueira, muitas palmeiras, o jatobá e a maçaranduba. As matas de terra firme não são inundadas pelas cheias dos rios e ocupam a maior parte da região. Suas árvores podem atingir 65 m de altura e o contato de suas copas forma um telhado verde capaz de reter até 95% da luz solar. O interior dessa mata é escuro, úmido e pouco ventilado. São comuns a castanha-do-pará, o caucho e o guaraná.
  • 8. Floresta Amazônica vista do alto Mata de várzea E Mata de igapó Floresta Amazônica vista do rio
  • 9. 1.2 – Mata Atlântica – Vegetação bastante rica e variada, original do litoral úmido e do interior do Sudeste. Foi a mais devastada das formações originais do Brasil. As florestas costeiras do país são conhecidas pelo nome genérico de Mata Atlântica ou ainda Floresta Costeira. Possuem a maior biodiversidade por hectare entre as florestas tropicais do mundo. São matas fechadas, com árvores altas. As espécies mais comuns são: ipês, quaresmeiras, cedros, palmiteiro, canelas, imbaúba, guapuruvu.
  • 10. No passado a Florestas Atlântica acompanhavam quase todo o litoral brasileiro, do Rio Grande do Norte até Santa Catarina, graças a uma combinação de clima e relevo – as serras e planaltos litorâneos barram a umidade das massas de ar, garantindo chuvas. Mas a devastação, que começou com a exploração do pau-brasil, continuou durante os ciclos da cana-de-açúcar e do café. Com a urbanização e a industrialização, a extração de madeira atingiu grandes áreas. Estima-se que exista hoje cerca de 7 a 8% de sua mata original, sendo que, na região sudeste, aparece maior percentual de preservação.
  • 11. Mata Atlântica vista do Mar (oceano Atlântico) Mata Atlântica vista por uma trilha em seu interior
  • 12. 1.3 Matas de Araucária Também conhecida como Mata dos Pinhais– São formações de clima subtropical, características das terras altas e serras da região Sul (nos estados: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná) e do estado de São Paulo. As florestas são mais abertas e têm como principal espécie a araucária – também conhecida como pinheiro-do-paraná. Muito apreciadas pelo fruto, o pinhão, as araucárias podem alcançar mais de 30 m de altura. Essas matas praticamente desapareceram pela exploração de sua madeira como material de construção e matéria-prima para indústrias de celulose e papel. Esta formação já representou 15% do território brasileiro, hoje estima-se em apenas 4% de seu espaço original.
  • 13. Araucária ou Pinheiro do Paraná Mata dos Pinhais
  • 14. 1.4 Matas de cocais – As matas de cocais estão localizadas numa zona de transição entre a Floresta Amazônica e as caatingas. São ricas em espécies de palmeiras, como o babaçu e a carnaúba. O babaçu é uma planta importante para a economia local: suas folhas são usadas na construção de moradias e utensílios, e seus frutos são utilizados na produção de óleo. A carnaúba é mais utilizada na produção de cera e muitos outros produtos
  • 16. 1.5 Matas ciliares ou Matas galerias – Correspondem a pequenas florestas alongadas que se desenvolvem ao longo dos rios, aproveitando a umidade do solo. São encontradas nas regiões de cerrado, de campos e, mesmo, de florestas. Apresentam formas arredondadas e se destacam no meio da vegetação rasteira como pequenas “ilhas de vegetação”.
  • 17. 2) Formações Não Florestais 2.1 Cerrado Predomina em quase todo o Brasil Central (Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás), parte de Minas Gerais, parte ocidental da Bahia e sul do Maranhão, nas áreas onde o clima apresenta duas estações bem marcadas, uma seca e outra chuvosa. Apresenta-se em forma de manchas isoladas em vários pontos do território, como é o caso dos estados de São Paulo e Paraná. O Cerrado é formado por arbustos, vegetação rasteira e árvores com troncos e galhos tortuosos, que atingem cerca de 10m de altura. Ocupa 25% do território do Brasil.
  • 18. O cerrado pode ser, na realidade, resultado das condições naturais e da ação do homem: do relevo das chapadas do planalto Central, do clima tropical com duas estações bem marcadas (verão chuvoso e inverno com pouca ou nenhuma chuva), a profundidade do lençol freático, da natureza do solo e a ação do homem, destruindo o material orgânico, fundamental à nutrição vegetal, no preparo inadequado do solo na prática agrícola, quanto utiliza a queimada Hoje o cerrado está sendo descaracterizado pelos projetos de monoculturas, principalmente a soja e a pastagem. Queimadas de grandes proporções, muitas vezes intencionais, destroem as matas de galeria que protegem as regiões à beira-rio. Estima-se que cerca de 50% da área original do cerrado já tenha sido devastada
  • 19. Cerrado Paisagem típica do Brasil Central, onde o clima é alternadamente seco e úmido. Sua vegetação é, em geral, rala, com árvores distantes umas das outras. Ipê amarelo – original do Cerrado Piquizeiro – original do Cerrado
  • 20. 2.2 Caatinga O Sertão semiárido do Nordeste brasileiro, o chamado “Polígono das Secas”, tem uma formação vegetal denominada de Caatinga - caa = mata, tinga = branca. Esta formação vegetal perde totalmente suas folhas (caducas) durante as estações secas, recuperando-se durante as primeiras chuvas. Essa escassez de chuvas, aliada a um solo pouco profundo e pedregoso, e mais à devastação ocasionada pela ocupação humana, é responsável pela vegetação descontínua, característica da Caatinga. A Caatinga ocupa 11% da área do território brasileiro. É uma formação complexa, com várias cactáceas: o mandacaru, o faxeiro, o xique-xique e as coroas-de-frade. Há trechos em que predominam árvores: aroeira, umbuzeiro; em outras, predominam arbustos, plantas rasteiras e cactáceas; há também vegetais fibrosos, como o coroá e o sisal (ou agave).
  • 21. Caatinga Vegetação pobre, com plantas xerófilas (adaptadas à escassez de água). Típica do Sertão semiárido do Nordeste. Arbustos Cactos
  • 22. 2.3 Campos São recobertos por gramíneas e cortados apenas pelas matas de galeria que acompanham os rios. Apesar de comuns em todo o Brasil, os campos ocupam grandes extensões de terra no sul do país, formando uma paisagem típica conhecida com Campanha Gaúcha. Outras formações campestres são: • Os campos de altitude, ou serranos, que surgem nas áreas elevadas do relevo, onde a ação da altitude modifica a vegetação – Serra do Caparaó, Serra do Itatiaia. • Os campos da Hiléia, ou campos inundáveis, que ocupam as terras baixas, sujeitas a inundações, como é o caso dos campos da ilha de Marajó. • Usa-se ainda a expressão campos limpos para designar uma região sul do Mato Grosso do Sul entre Campo Grande e Ponta-Porã. • A expressão campos sujos para designar uma área de campo possui muitos arbustos
  • 23. Campos Embora haja manchas nas diversas regiões do país, predominam na Campanha Gaúcha (pampa gaúcho). Campos sujos Campos limpos
  • 24. 2.4 Complexo do Pantanal Estende-se pelo Mato Grosso do Sul e Cuiabá ocupando, ainda, extensa área em território boliviano e paraguaio, onde é conhecido como chaco. Sofre inundações por ocasião das cheias e transbordamento do Rio Paraguai e seus afluentes. Durante a estação seca, que vai de abril a setembro, as baías, que são pequenas lagoas, permanecem cheias, transformando-se em refúgio de grande variedade de animais, que, aliados à flora, transformam o Pantanal em importante ecossistema mundial. O Pantanal é uma formação vegetal complexa, pois possui espécies vegetais da floresta, dos campos, do cerrado e, mesmo, plantas xerófilas da caatinga. É a cobertura vegetal mais heterogênea do Brasil, resultado da umidade local e da qualidade dos solos, que recebem, durante as cheias, materiais carreados pelas águas e depositados no período da vazante.
  • 25. No Pantanal existem matas e tufos de cerrados que não sofrem inundações, campinas que ficam encobertas pelas águas durante as enchentes, matas com aroeiras, angicos-vermelhos e figueiras, também não-inundáveis. Nas áreas alagadas são encontrados aguapés e ervas de-Santa-Luzia. Destacam-se no Pantanal as associações de árvores (conjunto de árvores de mesma espécie, dispostas próximas entre si), como o paratudo, o buriti, o carandá e a palmeira-acuri, que bordeja as margens dos rios. O Pantanal constitui importantes áreas de criação de gado, além de áreas de extrativismo vegetal.
  • 26. 3 Formações litorâneas 3.1 Mangues Predominam nas regiões de estuário e lagunas do litoral. São formados basicamente por três tipos de árvores adaptadas ao solo alagado, pouco arejado e com alto teor de sais. Para auxiliar na sua fixação ao solo, muitas árvores desenvolvem as chamadas raízes-escora ou raiz aérea. Ricos em material orgânico, fornecem abrigo e alimento a muitas espécies marinhas.
  • 27. 3.2Restingas Vegetação típica de terrenos arenosos e salinos do litoral, formada por plantas herbáceas e arbustivas. Assim como os mangues, sofrem ação destrutiva do turismo predatório, dos aterros feitos para construção de estradas e para ocupação imobiliária e da poluição causada por esgotos
  • 28. Ocorrem, também, ao longo de todo o litoral brasileiro, ora vegetação de praia e dunas. A vegetação de praias e dunas é constituída pela salsa-de-praia, picão-da-praia e por gramíneas. Vegetação de praia Vegetação de dunas