SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Baixar para ler offline
Capacitação em Serviço: “Dengue em 15 minutos”
Situação Epidemiológica ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Letalidade no Brasil
Resultado das avaliações de óbito ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Dengue ,[object Object],[object Object],[object Object],Sinais de alarme:  dor abdominal intensa e contínua, vômitos persistentes, hipotensão postural e/ou lipotímia, hepatomegalia dolorosa,  sangramento de mucosa ou hemorragias importantes (hematêmese e/ou melena), sonolência e/ou irritabilidade, diminuição da diurese, diminuição repentina da temperatura corpórea ou hipotermia, aumento repentino do hematócrito, queda abrupta de plaquetas e desconforto respiratório.
Dengue ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Qual  a melhor forma de fazer  precocemente  o diagnóstico de dengue? ANAMNESE Conjunto das informações recolhidas pelo médico a respeito de um doente através  da escuta , da observação e das técnicas de exame físico.  História  Clínica EXAME FÍSICO HIPÓTESE DIAGNÓSTICA CASO SUSPEITO CONDUTA
[object Object],[object Object],[object Object],Dengue ,[object Object],[object Object]
Dengue - Hemograma   ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Hto Aumentado Criança > 38 % Mulheres > 44 % Homens > 50% Aumento do valor habitual acima de  10%
IMUNOPATOGENIA DA DENGUE Resposta Protetora  FORMAS GRAVES CURA RESPOSTA IMUNE  MICROAMBIENTE DAS CITOCINAS FATORES  GENETICOS. Resposta Desregulada  ÓBITO
Dengue – Fases da Doença 1  2  3  4  5  6  7  8  9 40 Viremia Fases Doença Febril   Crítica   Recuperação Choque  Sangramento Reabsorção Risco de Sobrecarga  de líquidos Desidratação  Dano orgânico Dia da Doença Temperatura Manifestações Clínicas Laboratório Inespecífico Laboratório Específico Plaquetas Hematócrito Extravasamento  Plasmático Ac  IgM
 
 
Estadiamento clínico da doença Prova do laço negativa, sem sangramentos espontâneos, sem comorbidades ou grupo de risco ou condições clínicas especiais,  ausência de sinais de alarme Prova do laço positiva ou sangramento de pele espontâneos (petéquias), ou com comorbidades, ou grupo de risco ou condições clínicas especiais.   Ausência de  sinais de alarme. Presença de um ou mais sinais de alarme . Sangramentos presente ou ausente.  Sem hipotensão Hipotensão ou choque . Sangramento presente ou ausente Grupo A Grupo B Grupo C Grupo D
Conduta ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Cartão do Paciente com Dengue Sinais de alarme Resultado de exames Sinais vitais
Conceitos-chave ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],“ Medularizando” o Fluxograma
Objetivo  principal:  evitar a morte do paciente. Conhecer sua classificação Reconhecer precocemente a doença Compreender as alterações clínicas nas suas diferentes fases Adoção de conduta correta em tempo hábil conforme classificação de risco do paciente

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hiper e hipotireoidismo
Hiper e hipotireoidismoHiper e hipotireoidismo
Hiper e hipotireoidismoEdienny Viana
 
Dengue Casos Clínicos - Professor Robson
Dengue Casos Clínicos - Professor RobsonDengue Casos Clínicos - Professor Robson
Dengue Casos Clínicos - Professor RobsonProfessor Robson
 
Exame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaExame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaLaped Ufrn
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilAlexandre Donha
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Alexandre Naime Barbosa
 
Câncer de esôfago
Câncer de esôfagoCâncer de esôfago
Câncer de esôfagokalinine
 
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúdeComo abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúdePatricia de Rossi
 
Aula 3 leishmaniose e leishmania sp
Aula 3   leishmaniose e leishmania spAula 3   leishmaniose e leishmania sp
Aula 3 leishmaniose e leishmania spJoao Paulo Peixoto
 
Icterícia Neonatal
Icterícia NeonatalIcterícia Neonatal
Icterícia Neonatalblogped1
 
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDASSINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDASMaycon Silva
 

Mais procurados (20)

Doença de chagas
Doença de chagas   Doença de chagas
Doença de chagas
 
Coagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
Coagulação, Anticoagulação e FibrinóliseCoagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
Coagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
 
Hiper e hipotireoidismo
Hiper e hipotireoidismoHiper e hipotireoidismo
Hiper e hipotireoidismo
 
Dengue Casos Clínicos - Professor Robson
Dengue Casos Clínicos - Professor RobsonDengue Casos Clínicos - Professor Robson
Dengue Casos Clínicos - Professor Robson
 
Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1
 
Icterícia neonatal
Icterícia neonatalIcterícia neonatal
Icterícia neonatal
 
Exame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaExame Físico em Pediatria
Exame Físico em Pediatria
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
 
Câncer de esôfago
Câncer de esôfagoCâncer de esôfago
Câncer de esôfago
 
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúdeComo abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
 
Aula 3 leishmaniose e leishmania sp
Aula 3   leishmaniose e leishmania spAula 3   leishmaniose e leishmania sp
Aula 3 leishmaniose e leishmania sp
 
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjnConduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
Coma
ComaComa
Coma
 
Icterícia Neonatal
Icterícia NeonatalIcterícia Neonatal
Icterícia Neonatal
 
Fimose
FimoseFimose
Fimose
 
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDASSINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
 
Aula Hanseníase
Aula Hanseníase Aula Hanseníase
Aula Hanseníase
 
Exame a fresco do conteúdo vaginal
Exame a fresco do conteúdo vaginalExame a fresco do conteúdo vaginal
Exame a fresco do conteúdo vaginal
 

Destaque (15)

vera lúcia mendes dias
vera lúcia mendes dias vera lúcia mendes dias
vera lúcia mendes dias
 
Aula 9 den
Aula 9 denAula 9 den
Aula 9 den
 
Dengue manejo clínico
Dengue   manejo clínicoDengue   manejo clínico
Dengue manejo clínico
 
Dengue manejo clinico_4ed_2013
Dengue manejo clinico_4ed_2013Dengue manejo clinico_4ed_2013
Dengue manejo clinico_4ed_2013
 
Dengue - aspectos epidemiológicos, diagnóstico e tratamento
Dengue - aspectos epidemiológicos, diagnóstico e tratamentoDengue - aspectos epidemiológicos, diagnóstico e tratamento
Dengue - aspectos epidemiológicos, diagnóstico e tratamento
 
Dengue Curso Internacional Bh
Dengue   Curso Internacional BhDengue   Curso Internacional Bh
Dengue Curso Internacional Bh
 
Exames complementares
Exames complementaresExames complementares
Exames complementares
 
Hemograma
HemogramaHemograma
Hemograma
 
Abordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti Morais
Abordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti MoraisAbordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti Morais
Abordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti Morais
 
Plano dengue 2016
Plano dengue 2016Plano dengue 2016
Plano dengue 2016
 
Leucócitos e Leucemias
Leucócitos e LeucemiasLeucócitos e Leucemias
Leucócitos e Leucemias
 
Virus da dengue
Virus da dengue Virus da dengue
Virus da dengue
 
Dengue Virus Overview
Dengue Virus OverviewDengue Virus Overview
Dengue Virus Overview
 
Anemia
AnemiaAnemia
Anemia
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
 

Semelhante a capacitação em serviço dengue

Protocolo dengue santa catarina
Protocolo dengue   santa catarinaProtocolo dengue   santa catarina
Protocolo dengue santa catarinaadrianomedico
 
A epidemia de dengue no continente Latino Americano
A epidemia de dengue no continente Latino AmericanoA epidemia de dengue no continente Latino Americano
A epidemia de dengue no continente Latino AmericanoIrisnara Nunes Silva
 
Dengue diagnóstico e tratamento
Dengue   diagnóstico e tratamentoDengue   diagnóstico e tratamento
Dengue diagnóstico e tratamentoadrianomedico
 
Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)
Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)
Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)blogped1
 
Dengue lepto capacita 2012
Dengue lepto capacita 2012Dengue lepto capacita 2012
Dengue lepto capacita 2012Hosana maniero
 
Dengue - by Ismael Costa
Dengue - by Ismael CostaDengue - by Ismael Costa
Dengue - by Ismael CostaIsmael Costa
 
Epidemiologia hepatite a (5)
Epidemiologia   hepatite a (5)Epidemiologia   hepatite a (5)
Epidemiologia hepatite a (5)BeatrizLanaFelipe
 
Acidente material biologico
Acidente material biologicoAcidente material biologico
Acidente material biologicoSoeli machado
 
Em Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue IIEm Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue IImarioaugusto
 
Módulo de micoses pulmonares paracoccidioidomicoses
Módulo de micoses pulmonares paracoccidioidomicosesMódulo de micoses pulmonares paracoccidioidomicoses
Módulo de micoses pulmonares paracoccidioidomicosesFlávia Salame
 

Semelhante a capacitação em serviço dengue (20)

Protocolo dengue santa catarina
Protocolo dengue   santa catarinaProtocolo dengue   santa catarina
Protocolo dengue santa catarina
 
A Dengue
A Dengue A Dengue
A Dengue
 
Estudo de caso - Dengue
Estudo de caso - DengueEstudo de caso - Dengue
Estudo de caso - Dengue
 
Denguee
DengueeDenguee
Denguee
 
Dengue na Infância
Dengue na InfânciaDengue na Infância
Dengue na Infância
 
A epidemia de dengue no continente Latino Americano
A epidemia de dengue no continente Latino AmericanoA epidemia de dengue no continente Latino Americano
A epidemia de dengue no continente Latino Americano
 
Dengue diagnóstico e tratamento
Dengue   diagnóstico e tratamentoDengue   diagnóstico e tratamento
Dengue diagnóstico e tratamento
 
Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)
Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)
Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)
 
Dengue lepto capacita 2012
Dengue lepto capacita 2012Dengue lepto capacita 2012
Dengue lepto capacita 2012
 
Dengue - by Ismael Costa
Dengue - by Ismael CostaDengue - by Ismael Costa
Dengue - by Ismael Costa
 
Epidemiologia hepatite a (5)
Epidemiologia   hepatite a (5)Epidemiologia   hepatite a (5)
Epidemiologia hepatite a (5)
 
Acidente material biologico
Acidente material biologicoAcidente material biologico
Acidente material biologico
 
Acidente material biologico
Acidente material biologicoAcidente material biologico
Acidente material biologico
 
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RSCapacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
 
Em Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue IIEm Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue II
 
Em Tempos De Dengue
Em Tempos De DengueEm Tempos De Dengue
Em Tempos De Dengue
 
Emergências Endemicas - Dengue - Enf. Cássia Tiemi
Emergências Endemicas -  Dengue - Enf. Cássia TiemiEmergências Endemicas -  Dengue - Enf. Cássia Tiemi
Emergências Endemicas - Dengue - Enf. Cássia Tiemi
 
Protocolo dengue 2014
Protocolo dengue 2014Protocolo dengue 2014
Protocolo dengue 2014
 
Módulo de micoses pulmonares paracoccidioidomicoses
Módulo de micoses pulmonares paracoccidioidomicosesMódulo de micoses pulmonares paracoccidioidomicoses
Módulo de micoses pulmonares paracoccidioidomicoses
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 

Mais de Anestesiador

Anestesia robótica para graduação
Anestesia robótica para graduaçãoAnestesia robótica para graduação
Anestesia robótica para graduaçãoAnestesiador
 
Manejo da via aérea
Manejo da via aéreaManejo da via aérea
Manejo da via aéreaAnestesiador
 
Desafios na Anestesia Cardíaca
Desafios na Anestesia CardíacaDesafios na Anestesia Cardíaca
Desafios na Anestesia CardíacaAnestesiador
 
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...Anestesiador
 
Analgesia para cirurgia torácica
Analgesia para cirurgia torácicaAnalgesia para cirurgia torácica
Analgesia para cirurgia torácicaAnestesiador
 
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadex
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadexNáuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadex
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadexAnestesiador
 
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICAMANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICAAnestesiador
 
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...Anestesiador
 
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...Anestesiador
 
Webanest 2: Simuladores em Anestesia
Webanest 2: Simuladores em AnestesiaWebanest 2: Simuladores em Anestesia
Webanest 2: Simuladores em AnestesiaAnestesiador
 
Anestesia e gestante dependente de crack
Anestesia e gestante dependente de crackAnestesia e gestante dependente de crack
Anestesia e gestante dependente de crackAnestesiador
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificilAnestesiador
 
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual Anestesiador
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificilAnestesiador
 
Monitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonarMonitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonarAnestesiador
 
Fisiopatologia ventilacao perfusão
Fisiopatologia ventilacao perfusãoFisiopatologia ventilacao perfusão
Fisiopatologia ventilacao perfusãoAnestesiador
 
Raquianestesia alta para cirurgia plástica
Raquianestesia alta para cirurgia plásticaRaquianestesia alta para cirurgia plástica
Raquianestesia alta para cirurgia plásticaAnestesiador
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidadeAnestesiador
 

Mais de Anestesiador (20)

Anestesia robótica para graduação
Anestesia robótica para graduaçãoAnestesia robótica para graduação
Anestesia robótica para graduação
 
Manejo da via aérea
Manejo da via aéreaManejo da via aérea
Manejo da via aérea
 
Desafios na Anestesia Cardíaca
Desafios na Anestesia CardíacaDesafios na Anestesia Cardíaca
Desafios na Anestesia Cardíaca
 
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...
 
Analgesia para cirurgia torácica
Analgesia para cirurgia torácicaAnalgesia para cirurgia torácica
Analgesia para cirurgia torácica
 
Profilaxia de TEV
Profilaxia de TEVProfilaxia de TEV
Profilaxia de TEV
 
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadex
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadexNáuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadex
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadex
 
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICAMANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
 
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...
 
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...
 
Webanest 2: Simuladores em Anestesia
Webanest 2: Simuladores em AnestesiaWebanest 2: Simuladores em Anestesia
Webanest 2: Simuladores em Anestesia
 
Webinar2
Webinar2Webinar2
Webinar2
 
Anestesia e gestante dependente de crack
Anestesia e gestante dependente de crackAnestesia e gestante dependente de crack
Anestesia e gestante dependente de crack
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificil
 
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificil
 
Monitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonarMonitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonar
 
Fisiopatologia ventilacao perfusão
Fisiopatologia ventilacao perfusãoFisiopatologia ventilacao perfusão
Fisiopatologia ventilacao perfusão
 
Raquianestesia alta para cirurgia plástica
Raquianestesia alta para cirurgia plásticaRaquianestesia alta para cirurgia plástica
Raquianestesia alta para cirurgia plástica
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 

capacitação em serviço dengue

  • 1. Capacitação em Serviço: “Dengue em 15 minutos”
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7. Qual a melhor forma de fazer precocemente o diagnóstico de dengue? ANAMNESE Conjunto das informações recolhidas pelo médico a respeito de um doente através da escuta , da observação e das técnicas de exame físico. História Clínica EXAME FÍSICO HIPÓTESE DIAGNÓSTICA CASO SUSPEITO CONDUTA
  • 8.
  • 9.
  • 10. IMUNOPATOGENIA DA DENGUE Resposta Protetora FORMAS GRAVES CURA RESPOSTA IMUNE MICROAMBIENTE DAS CITOCINAS FATORES GENETICOS. Resposta Desregulada ÓBITO
  • 11. Dengue – Fases da Doença 1 2 3 4 5 6 7 8 9 40 Viremia Fases Doença Febril Crítica Recuperação Choque Sangramento Reabsorção Risco de Sobrecarga de líquidos Desidratação Dano orgânico Dia da Doença Temperatura Manifestações Clínicas Laboratório Inespecífico Laboratório Específico Plaquetas Hematócrito Extravasamento Plasmático Ac IgM
  • 12.  
  • 13.  
  • 14. Estadiamento clínico da doença Prova do laço negativa, sem sangramentos espontâneos, sem comorbidades ou grupo de risco ou condições clínicas especiais, ausência de sinais de alarme Prova do laço positiva ou sangramento de pele espontâneos (petéquias), ou com comorbidades, ou grupo de risco ou condições clínicas especiais. Ausência de sinais de alarme. Presença de um ou mais sinais de alarme . Sangramentos presente ou ausente. Sem hipotensão Hipotensão ou choque . Sangramento presente ou ausente Grupo A Grupo B Grupo C Grupo D
  • 15.
  • 16.
  • 17. Objetivo principal: evitar a morte do paciente. Conhecer sua classificação Reconhecer precocemente a doença Compreender as alterações clínicas nas suas diferentes fases Adoção de conduta correta em tempo hábil conforme classificação de risco do paciente