O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Aula (1)

1.289 visualizações

Publicada em

Aula (1)

  1. 1. Enfermeira Isadora Elisa de Moura Albuquerque
  2. 2. DOENÇAS DIARRÉICAS• Principal causa de morbi-mortalidade infantil no Brasil;• Na década de 90 foi responsável pela morte de cerca de três milhões de crianças menores de cinco anos.• No Nordeste representa cerca de 30% do total das mortes durante o primeiro ano de vida;• Relação direta com:  Precárias condições de vida e saúde;  Falta de saneamento;  Desnutrição crônica• Risco de morte em crianças menores de 5 anos 4x maior que na Região Sul
  3. 3. Diarréia Conceito:  Síndrome de mal-absorção predominante de água e eletrólitos  Início súbito, auto limitada  Aumenta o número de evacuações (mais de 3 vezes ao dia)  Diminuição da consistência das fezes  Até 14 dias classificada como aguda  Transmissão fecal - oral
  4. 4. CLASSIFICAÇÃO DA DOENÇADIARRÉICAI – Quanto à evolução: Diarréia Aguda Diarréia Persistente
  5. 5. II- Quanto a Origem Alimentar Não infecciosa Tóxica Alérgica Infecciosa Vírus Bactérias e Fungos Parasitas
  6. 6. AGENTES ETIOLÓGICOS DA DOENÇA DIARRÉICA BACTÉRIA: Stafilococus aureus, Escherichia coli, Enterobacter, Salmonelas, Shigela desinteriae, vibrio cholerae... Vírus: Rotavírus A, B e C, Adenovírus entérico... Parasitas: Giardia lamblia, Entamoeba histolytica, Cryptosporidium, Isospora belli...
  7. 7. QUADRO CLÍNICO• Desconforto abdominal• Cólica• Náuseas e vômitos• Febre• Mal-estar generalizado• Modificação no aspecto das fezes• Presença de sangue, pus ou muco nas fezes (disenteria)• Sinais de desidratação
  8. 8. Diagnósticos• Clínico e laboratorial• Anamnese • Idade do paciente; duração do episódio atual da diarréia, característica das fezes...• Exame Físico
  9. 9. Assistência de Enfermagem Avaliar e monitorar a característica e padrão da diarréia; Colher a história de saúde do paciente, abordando a terapia medicamentosa, as histórias clínicas, cirúrgicas e nutricionais. Avaliação inclui palpação e ausculta abdominal quanto a hipersensibilidade. A inspeção do abdome, mucosa e pele são importantes para determinar o estado de hidratação. Durante o episódio de diarréia, encorajar o repouso no leito e ingestão de líquidos e alimentos pobre em resíduos. Pode ser necessário a terapia com líquidos intravenosos para reidratação rápida, e é importante os níveis hidroeletrolíticos séricos.
  10. 10. Avaliar a diarréia A criança com diarréia deve ser avaliada levando-se em consideração os seguintes pontos:  Por quanto tempo a criança tem tido diarréia;  Se há sinais de desidratação;  Se há sangue nas fezes
  11. 11. Avaliação da criança• Examinar a condição geral da criança – Letárgica ou inconsciente? – Inquieta, irritada?• Observar se os olhos estão fundos• Oferecer líquidos à criança – Não consegue beber ou só bebe muito mal? – Bebe avidamente, com sede?• Sinal da prega – A pele volta ao estado anterior: • Muito lentamente (mais de 2 segundos)? • Lentamente?
  12. 12. Classificar a diarréia Todas as crianças com diarréia são classificadas quanto ao estado de hidratação. Caso a criança tenha tido diarréia por 14 dias ou mais, classifique como diarréia persistente. Caso a criança apresente sangue nas fezes, classifique a criança como disenteria.
  13. 13. Avaliação do estado de hidrataçãodo paciente
  14. 14. Planos de Tratamento Plano A  destina-se a paciente com diarréia e sem sinais de desidratação  Domiciliar  DAR LÍQUIDOS ADICIONAIS (tanto quanto a criança consiga aceitar)  Orientar o responsável sobre a manutenção da alimentação e reconhecer os sinais de desidratação. Recomendar que em caso de piora procure novamente o serviço de saúde
  15. 15.  Plano B  destina-se a paciente com diarréia e com sinais de desidratação.  Inclui um período inicial de tratamento no serviço de saúde que dura 4 horas. Ideal que haja na unidade um local para Terapia de Reidratação Oral (TRO) DEMONSTRAR PARA A MÃE COMO ADMINISTRAR A SOLUÇÃO DE SRO:  Dar com freqüência pequenos goles de líquidos usando copo ou colher;  Se a criança vomitar, aguardar 10 minutos e depois continuar, porém mais lentamente; e  Continuar a amamentar no peito sempre que a criança o desejar. Reavaliar após 4 horas
  16. 16.  Plano C  destina-se a paciente com diarreia e desidratação grave.  Geralmente se administra líquidos por via intravenosa (IV) O uso de SNG é indicado apenas em casos de perda de peso após as 2 primeiras horas de TRO, de vômitos persistentes, de distensão abdominal com RHA +
  17. 17. Fase de Expansão (rápida)• A solução recomendada é de partes iguais de soro glicosado a 5% e soro fisiológico – 100 ml/kg em 2 horas;• Se após essa etapa criança continuar desidratada administrar 25 a 50 ml/ Kg em 2 horas;• A fase de expansão termina quando há melhora clínica da criançaFase de Manutenção e ReposiçãoA fase de manutenção é para cobrir as perdas normais e a fase de reposição deve compensar as perdas anormais decorrente da diarréia e vômitos;
  18. 18. VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICAImportância:• Monitorar a incidência das diarréias visando atuar em situações de surtos e manter contínuas atividades de educação em saúde com o propósito de diminuir sua incidência e letalidade.
  19. 19. ReferânciasBRASIL, Ministério da Saúde. Guia de Vigilância epidemiológica, 6 ed. Brasília: FUNASA, 2005.______, Ministério da Saúde. Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância, 2 ed. Brasília: Funasa, 2003.______, Ministério da Saúde . Informações em Saúde. In: http: www.datasus.gov.br, 2001.
  20. 20. Caso Clínico Identificação  M.E.S.P.B., 11meses , sexo feminino  Data de nascimento: 14/12/05  Natural e procedente: Gama – DF Mãe: 22anos, dona de casa (informante). Pai: 23 anos, auxiliar de cozinha
  21. 21. Caso Clínico QUEIXA PRINCIPAL:  Diarréia há 15 dias
  22. 22. Caso ClínicoHDA: Mãe refere que há 15 dias a criançaapresentou quadro de diarréia com fezes líquidas erestos alimentares, sem sangue ou muco, cerca de 5a 7 episódios ao dia.Concomitantemente apresentou distensão edesconforto abdominal além de eructações comodor ruim e hiporexia.
  23. 23. Caso ClínicoHDA: No 2° dia de evolução do quadro a mãe levoua criança a um médico, quando foi feita hipótesediagnóstica de virose e receitada terapia dereidratação oral (TRO) e dimeticona. Como naohouve melhora do quadro clínico a mãe procurouatendimento médico outras vezes porém a condutafoi mantida.
  24. 24. Caso ClínicoHDA: Há 03 dias, além da diarréia e distensãoabdominal, a criança passou a apresentar febrícula(37°C a 37,5°C) e vômitos pós-prandiais cerca de 03vezes ao dia. Procurou então PSI do HRAS, onde foiinternada para investigação diagnóstica etratamento.
  25. 25. Caso ClínicoRevisão dos Sistemas Geral:  Criança com história de baixo ganho ponderal desde os 04 meses de vida (desmame) Sist. Cardiovascular e respiratório: Nega queixas. Sist. Digestivo:  Diarréia, vômitos e hiporexia (vide HDA)  Refere que criança costumava se alimentar muito bem. Sist.Urinário: Refere urina clara e abundante. Nega disúria e infecções prévias. Sist. Locomotor: Nega queixas. SNC: Nega queixas
  26. 26. Caso ClínicoAlimentação: Leite Materno Exclusivo: 03 meses LM total: 07 meses Desmame: Nestogeno®, frutas e papa salgada. Alimentação atual: Nestogeno® (2 mamadeiras ao dia) e alimentação habitual da família (arroz, feijão, carne, legumes, verduras, frutas)
  27. 27. Caso ClínicoAntecedentes pessoais: Refere vários episódios de quadros gripais, amigdalite e otite. Nega internações prévias, cirurgias e hemotransfusão e alergias. Vacinação atualizada, incluindo vacina para rotavírus (faltam : febre amarela e tríplice viral com 01ano de idade). Desenvolvimento neuropsicomotor: normal.
  28. 28. Caso ClínicoAntecedentes Familiares: Pais saudáveis, negam tabagismo e etilismo Irmão (4 anos) : saudável Avó materna: HAS Avô e tio paternos: Asma Avó paterna: DMAntecedentes sócio-econômicos: Reside em zona urbana, em casa de alvenaria, >10 cômodos (05 moradores) Água mineral, rede de esgoto, luz elétrica, coleta de lixo. Nega animais em peridomicílio
  29. 29. Caso Clínico – Exame FísicoPeso: 8.010g Estatura: 70 cm PA: 126/63 mmHg BEG, hipocorada, anictérica, acianótica, normohidratada, afebril, eupneica, hipoativa, reativa, hipotrófica. Linfonodos impalpáveis. Fácies atípico. FC: 126 bpm FR: 28 rpm Pele: áreas de aspereza em região lombar e abdome. Orofaringe, Ap. respiratório e cardiovasc.: normais Abdome: globoso, distendido, RHA +, normotenso, indolor à palpação, fígado palpável, baço impalpável, sem massas palpáveis. Genitália externa: normal. Sem dermatite. Extremidades: bem perfundidas e sem edema. SNC: sem sinais de irritação meníngea.
  30. 30. Parabéns a todas as mães!!!Bem como pela semana da enfermagem. Obrigada Obrigada“ Em alguns momentos não há mais nada a se fazer peladoença, mas sempre haverá o q fazer pelo doente”Obrigada

×