SlideShare uma empresa Scribd logo
Juliana
• A civilização mais antiga do mundo nasceu
provavelmente nas planícies férteis do vale do rio Huang
Ho, ou Rio Amarelo. Ali, desde 5000 a.C, os chineses se
aproveitavam das águas desse rio e do solo para cultivar
cereais, e criar animais, especialmente porcos e
cachorros.
• Escavações arqueológicas feitas no vale do Rio Amarelo
revelam que por volta de 2000 a.C, as aldeias chinesas
eram grandes e numerosas.
• A cultura Yangshao foi identificada por vasos de
cerâmica pintada e a cultura Iongshan pelos vasos de
cerâmica negra.
• Com base em inscrições encontradas em ossos
divinatórios (ossos em que os antigos chineses
consultavam os espíritos dos seus ancentrais), a familia
Shang assumiu o poder na China por volta de 1750 a.C,
quando fundou a primeira dinastia chinesa com
existência comprovada.
• Durante essa dinastia, os chineses construíram cidades
fortificadas e protegidas por muralhas maciças,
aperfeiçoaram a escrita inventada por eles e
desenvolveram a metalurgia do bronze.
• Sob a dinastia Shang os chineses também
desenvolveram um calendário relativamente preciso,
com 365 dias, usaram conchas como moedas e criaram
instrumentos musicais diversificado.
• Os Shang adotaram uma política guerreira e valendo-se
de carros puxados por dois cavalos, de armas de bronze
e da perícia de seus guerreiros, ampliaram o território
chinês.
• Por volta de 1122 a.C os Zhou, uma poderosa família do
oeste chinês, conquistaram o trono e fundaram uma
nova dinastia.
• Os Zhou governaram com o apoio de famílias nobres
que controlavam vastas áreas do território chinês.
• No topo da hierarquia social estava o Rei Zhou, o Filho
do Céu, título que ele acreditava ter recebido do Senhor
do Alto, a quem somente ele podia cultuar e oferecer
sacrifícios.
• Estes cultos realizados aos antepassados da família real
eram realizados na capital.
• As famílias de nobres conviviam entre si e sua posição
social dependia de quantos soldados e carros de guerra
forneciam ao Rei.
• No entanto, ao enriquecer com as guerras, algumas
famílias nobres se fortaleceram e transformaram seus
imensos domínios em principados independentes que
passaram a guerrear entre si.
• Abria-se um longo período de fragmentação política e
guerras internas, conhecido como Era dos Reinos
Combatentes.
• A vitória nessas guerras coube ao Principe Qin, Shi
Huangdi (que quer dizer Primeiro Imperador), em 221
a.C ele assumiu o poder e reunificou a China.
Estátua do
Príncipe Qin.
• Shi Huangdi, o primeiro imperador chinês, tomou uma
série de medidas visando enfraquecer a nobreza e
centralizar o poder:
• Obrigou os chefes dos antigos principados a se mudarem para a
capital e entregarem suas armas para que fossem derretidas.
• Adotou o sistema único de pesos e medidas
• Adotou moeda única
• Padronizou a escrita
• Definiu leis para o país inteiro
• Introduziu concursos para o preenchimento de cargos públicos (os
empregos no governo eram até então privilégios da nobreza.
• Coordenou grandes obras de irrigação
• Iniciou a construção da Grande Muralha para se defender dos
invasores.
• Além disso, baseado em suas crenças, Shi mandou
construir um exército de terracota (argila cozida em um
forno), composto de 7 mil guerreiros, alguns deles
acompanhados por cavalos, a fim de proteger seu
túmulo e servi-lo após a morte.
• Com a morte de Shi Huangdi, as disputas pelo poder
foram vencidas por Liu Bang, o primeiro imperador da
Dinastia Han.
• A marca do seu governo foi reforçar seu poder,
colocando membros de sua família para governar onde
antes governavam outras famílias de nobres.
• Adotaram o recrutamento obrigatório de homens com 30
anos para servir o exército.
• Estabeleceram uma língua oficial para todo o país, o
mandarim.
• Alargaram o território chinês expandindo-se para a
Mongólia (norte) e ao centro e ao sul da Ásia.
• Expandiram seu comércio com a Índia e os territórios
romanos no Oriente.
• Caravanas chinesas partiam do vale do Rio Amarelo
carregados de seda, jóias, vidros, estatuetas e pedras
preciosas, até os portos do Oriente Próximo.
• A expansão do território chinês sob a dinastia Han, a
partir da metade do século II a.C, só foi possível graças
ao aumento das riquezas, que por sua vez, está
associada aos progressos técnicos feitos por eles na
época.
• Chineses desenvolveram a metalurgia do ferro
• Passaram a produzir ferramentas agrícolas (pás, enxadas) mais
eficientes
• Com aumento da população, mais gente foi liberada para
trabalhar com artesanato de cobre.
• Inventaram o carrinho de mão, o sismógrafo, o papel e o moinho
movido à água.
• Com o aumento da produção e do comércio na China
dos Han, a sociedade imperial chinesa se diversificou:
• Famílias nobres acumularam fortunas como donas de unidades
agrícolas
• Mercadores enriqueceram.
• A nobreza tradicional manteve seus privilégios, conservando
propriedades cultivadas por milhares de camponeses
• Aumentou o número de escravos (prisioneiros de guerra ou
devedores)
• Duas filosofias importantes no passado e presente da
China é o confucionismo e o taoísmo.
• O confucionismo
• A filosofia de Kung Fu-Tseu (551 a.C a 479 a.C) que nós
denominamos como Confúcio, influenciou enormemente
os chineses.
• Esse sábio chinês não deixou nada escrito, apenas
relatos da tradição oral e uma coletânea de textos, o
Lunyu, redigido por seus discípulos após a sua morte.
• Confúcio dava grande importância ao aperfeiçoamento
individual.
• A virtude, para ele, era resultado de um esforço
individual, não uma qualidade inata aos nobres, como
até então era considerada
• A ideia de esforço individual para alcançar a virtude foi a
ideia chave para a decisão imperial de introduzir
concursos para o preenchimento de vagas no
funcionalismo público.
• No Século II a.C essa se tornou a doutrina oficial do
império chinês.
• Da China, o confucionismo expandiu-se para outras
áreas do Oriente, especialmente Japão, Coréia e Vietnã.
• O Taoísmo: A China antiga viu florescer também o
taoísmo, filosofia cujas bases estão contidas no Tao te
Ching: o livro do caminho e da virtude, atribuído a Lao
Tse.
• O taoísmo se opõe ao luxo e a ostentação e se propõe
uma vida simples em harmonia com a natureza.
• Só quem vivesse com simplicidade poderia viver feliz e
atingir o Tao
• Segundo o taoísmo, tudo o que ocorre no universo
resulta de diferentes integrações entre o Yin e o Yang,
duas forças/energias opostas e complementares.
• Essa filosofia serviu de base para a acupuntura.
A china antiga

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
Daniel Alves Bronstrup
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
Geová da Silva
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
João Medeiros
 
O reino de kush
O reino de kushO reino de kush
O reino de kush
historiando
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
Nefer19
 
Povos germânicos
Povos germânicosPovos germânicos
Povos germânicos
Eduard Henry
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
cattonia
 
Idade Média - Feudalismo - Reino Franco
Idade Média - Feudalismo - Reino FrancoIdade Média - Feudalismo - Reino Franco
Idade Média - Feudalismo - Reino Franco
Portal do Vestibulando
 
Macedônia
MacedôniaMacedônia
Macedônia
profdu
 
O mediterrâneo antigo
O mediterrâneo antigoO mediterrâneo antigo
O mediterrâneo antigo
Zé Knust
 
A grécia antiga
A grécia antigaA grécia antiga
A grécia antiga
Cleide Professora
 
Feudalismo - Alta Idade Média
Feudalismo - Alta Idade MédiaFeudalismo - Alta Idade Média
Feudalismo - Alta Idade Média
Valeria Kosicki
 
Mineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil ColôniaMineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil Colônia
Jerry Guimarães
 
Séculos finais da idade média
Séculos finais da idade médiaSéculos finais da idade média
Séculos finais da idade média
Marilia Pimentel
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
ElvisJohnR
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
Escolacsm
 
Grécia Antiga (Civilização Ocidental)
Grécia Antiga (Civilização Ocidental)Grécia Antiga (Civilização Ocidental)
Grécia Antiga (Civilização Ocidental)
Murilo Benevides
 
HAITI
HAITIHAITI

Mais procurados (20)

África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)
 
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
 
O reino de kush
O reino de kushO reino de kush
O reino de kush
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
 
Povos germânicos
Povos germânicosPovos germânicos
Povos germânicos
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
 
Idade Média - Feudalismo - Reino Franco
Idade Média - Feudalismo - Reino FrancoIdade Média - Feudalismo - Reino Franco
Idade Média - Feudalismo - Reino Franco
 
Macedônia
MacedôniaMacedônia
Macedônia
 
O mediterrâneo antigo
O mediterrâneo antigoO mediterrâneo antigo
O mediterrâneo antigo
 
A grécia antiga
A grécia antigaA grécia antiga
A grécia antiga
 
Feudalismo - Alta Idade Média
Feudalismo - Alta Idade MédiaFeudalismo - Alta Idade Média
Feudalismo - Alta Idade Média
 
Mineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil ColôniaMineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil Colônia
 
Séculos finais da idade média
Séculos finais da idade médiaSéculos finais da idade média
Séculos finais da idade média
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
 
Grécia Antiga (Civilização Ocidental)
Grécia Antiga (Civilização Ocidental)Grécia Antiga (Civilização Ocidental)
Grécia Antiga (Civilização Ocidental)
 
HAITI
HAITIHAITI
HAITI
 

Destaque

A china antiga
A china antigaA china antiga
A china antiga
Nelia Salles Nantes
 
Resumo china
Resumo chinaResumo china
Resumo china
Péricles Penuel
 
China Antiga
China AntigaChina Antiga
China Antiga
Vanessa Eduarda
 
Bichos da-seda
Bichos da-sedaBichos da-seda
Bichos da-seda
Ana Sobral Gonçalves
 
Formação da China
Formação da ChinaFormação da China
Formação da China
Germano Letti
 
China antiga
China antigaChina antiga
China antiga
valdeck1
 

Destaque (6)

A china antiga
A china antigaA china antiga
A china antiga
 
Resumo china
Resumo chinaResumo china
Resumo china
 
China Antiga
China AntigaChina Antiga
China Antiga
 
Bichos da-seda
Bichos da-sedaBichos da-seda
Bichos da-seda
 
Formação da China
Formação da ChinaFormação da China
Formação da China
 
China antiga
China antigaChina antiga
China antiga
 

Semelhante a A china antiga

china antiga.pptx
china antiga.pptxchina antiga.pptx
china antiga.pptx
JulioCosta107411
 
Resumo china e índia
Resumo   china e índiaResumo   china e índia
Resumo china e índia
Claudenilson da Silva
 
Imagens china
Imagens chinaImagens china
Imagens china
Péricles Penuel
 
China medieval
China medievalChina medieval
China medieval
Juliana Zalamena
 
china wesley help me
china wesley help mechina wesley help me
china wesley help me
Micael José
 
china porra weslley me ajuda nigga
china porra weslley me ajuda niggachina porra weslley me ajuda nigga
china porra weslley me ajuda nigga
Micael José
 
A china antiga e o japão
A china antiga  e o japãoA china antiga  e o japão
A china antiga e o japão
ProfessoresColeguium
 
China Antiga - 6º Ano (2016)
China Antiga - 6º Ano (2016)China Antiga - 6º Ano (2016)
China Antiga - 6º Ano (2016)
Nefer19
 
China 131028165255-phpapp02
China 131028165255-phpapp02China 131028165255-phpapp02
China 131028165255-phpapp02
aparadoxo
 
China
ChinaChina
Achinaantiga 100519182556-phpapp02 (1)
Achinaantiga 100519182556-phpapp02 (1)Achinaantiga 100519182556-phpapp02 (1)
Achinaantiga 100519182556-phpapp02 (1)
Arnaldo Alves
 
Modo de produção asiático em outras geografias
Modo de produção asiático em outras geografiasModo de produção asiático em outras geografias
Modo de produção asiático em outras geografias
Carlos Glufke
 
China Antiga - 6º Ano (2017)
China Antiga - 6º Ano (2017)China Antiga - 6º Ano (2017)
China Antiga - 6º Ano (2017)
Nefer19
 
Índia e china antigas
Índia e china antigasÍndia e china antigas
Índia e china antigas
Julio Cesar Yusuf Cavalcanti
 
China Antiga
China AntigaChina Antiga
China Antiga
aparadoxo
 
china-131028165255-phpapp02.pdf
china-131028165255-phpapp02.pdfchina-131028165255-phpapp02.pdf
china-131028165255-phpapp02.pdf
RafaelPereira753209
 
China antiga
China antiga China antiga
China antiga
Carlos Zaranza
 
China antiga 1
China antiga 1China antiga 1
China antiga 1
Carlos Zaranza
 
Índia e China.
Índia e China.Índia e China.
Índia e China.
Camila Brito
 
China
ChinaChina

Semelhante a A china antiga (20)

china antiga.pptx
china antiga.pptxchina antiga.pptx
china antiga.pptx
 
Resumo china e índia
Resumo   china e índiaResumo   china e índia
Resumo china e índia
 
Imagens china
Imagens chinaImagens china
Imagens china
 
China medieval
China medievalChina medieval
China medieval
 
china wesley help me
china wesley help mechina wesley help me
china wesley help me
 
china porra weslley me ajuda nigga
china porra weslley me ajuda niggachina porra weslley me ajuda nigga
china porra weslley me ajuda nigga
 
A china antiga e o japão
A china antiga  e o japãoA china antiga  e o japão
A china antiga e o japão
 
China Antiga - 6º Ano (2016)
China Antiga - 6º Ano (2016)China Antiga - 6º Ano (2016)
China Antiga - 6º Ano (2016)
 
China 131028165255-phpapp02
China 131028165255-phpapp02China 131028165255-phpapp02
China 131028165255-phpapp02
 
China
ChinaChina
China
 
Achinaantiga 100519182556-phpapp02 (1)
Achinaantiga 100519182556-phpapp02 (1)Achinaantiga 100519182556-phpapp02 (1)
Achinaantiga 100519182556-phpapp02 (1)
 
Modo de produção asiático em outras geografias
Modo de produção asiático em outras geografiasModo de produção asiático em outras geografias
Modo de produção asiático em outras geografias
 
China Antiga - 6º Ano (2017)
China Antiga - 6º Ano (2017)China Antiga - 6º Ano (2017)
China Antiga - 6º Ano (2017)
 
Índia e china antigas
Índia e china antigasÍndia e china antigas
Índia e china antigas
 
China Antiga
China AntigaChina Antiga
China Antiga
 
china-131028165255-phpapp02.pdf
china-131028165255-phpapp02.pdfchina-131028165255-phpapp02.pdf
china-131028165255-phpapp02.pdf
 
China antiga
China antiga China antiga
China antiga
 
China antiga 1
China antiga 1China antiga 1
China antiga 1
 
Índia e China.
Índia e China.Índia e China.
Índia e China.
 
China
ChinaChina
China
 

Último

A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 

Último (20)

A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 

A china antiga

  • 2. • A civilização mais antiga do mundo nasceu provavelmente nas planícies férteis do vale do rio Huang Ho, ou Rio Amarelo. Ali, desde 5000 a.C, os chineses se aproveitavam das águas desse rio e do solo para cultivar cereais, e criar animais, especialmente porcos e cachorros.
  • 3. • Escavações arqueológicas feitas no vale do Rio Amarelo revelam que por volta de 2000 a.C, as aldeias chinesas eram grandes e numerosas. • A cultura Yangshao foi identificada por vasos de cerâmica pintada e a cultura Iongshan pelos vasos de cerâmica negra.
  • 4. • Com base em inscrições encontradas em ossos divinatórios (ossos em que os antigos chineses consultavam os espíritos dos seus ancentrais), a familia Shang assumiu o poder na China por volta de 1750 a.C, quando fundou a primeira dinastia chinesa com existência comprovada.
  • 5. • Durante essa dinastia, os chineses construíram cidades fortificadas e protegidas por muralhas maciças, aperfeiçoaram a escrita inventada por eles e desenvolveram a metalurgia do bronze. • Sob a dinastia Shang os chineses também desenvolveram um calendário relativamente preciso, com 365 dias, usaram conchas como moedas e criaram instrumentos musicais diversificado. • Os Shang adotaram uma política guerreira e valendo-se de carros puxados por dois cavalos, de armas de bronze e da perícia de seus guerreiros, ampliaram o território chinês.
  • 6. • Por volta de 1122 a.C os Zhou, uma poderosa família do oeste chinês, conquistaram o trono e fundaram uma nova dinastia. • Os Zhou governaram com o apoio de famílias nobres que controlavam vastas áreas do território chinês. • No topo da hierarquia social estava o Rei Zhou, o Filho do Céu, título que ele acreditava ter recebido do Senhor do Alto, a quem somente ele podia cultuar e oferecer sacrifícios. • Estes cultos realizados aos antepassados da família real eram realizados na capital. • As famílias de nobres conviviam entre si e sua posição social dependia de quantos soldados e carros de guerra forneciam ao Rei.
  • 7.
  • 8. • No entanto, ao enriquecer com as guerras, algumas famílias nobres se fortaleceram e transformaram seus imensos domínios em principados independentes que passaram a guerrear entre si. • Abria-se um longo período de fragmentação política e guerras internas, conhecido como Era dos Reinos Combatentes. • A vitória nessas guerras coube ao Principe Qin, Shi Huangdi (que quer dizer Primeiro Imperador), em 221 a.C ele assumiu o poder e reunificou a China.
  • 10. • Shi Huangdi, o primeiro imperador chinês, tomou uma série de medidas visando enfraquecer a nobreza e centralizar o poder: • Obrigou os chefes dos antigos principados a se mudarem para a capital e entregarem suas armas para que fossem derretidas. • Adotou o sistema único de pesos e medidas • Adotou moeda única • Padronizou a escrita • Definiu leis para o país inteiro • Introduziu concursos para o preenchimento de cargos públicos (os empregos no governo eram até então privilégios da nobreza. • Coordenou grandes obras de irrigação • Iniciou a construção da Grande Muralha para se defender dos invasores.
  • 11.
  • 12. • Além disso, baseado em suas crenças, Shi mandou construir um exército de terracota (argila cozida em um forno), composto de 7 mil guerreiros, alguns deles acompanhados por cavalos, a fim de proteger seu túmulo e servi-lo após a morte.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16. • Com a morte de Shi Huangdi, as disputas pelo poder foram vencidas por Liu Bang, o primeiro imperador da Dinastia Han. • A marca do seu governo foi reforçar seu poder, colocando membros de sua família para governar onde antes governavam outras famílias de nobres. • Adotaram o recrutamento obrigatório de homens com 30 anos para servir o exército. • Estabeleceram uma língua oficial para todo o país, o mandarim. • Alargaram o território chinês expandindo-se para a Mongólia (norte) e ao centro e ao sul da Ásia.
  • 17. • Expandiram seu comércio com a Índia e os territórios romanos no Oriente. • Caravanas chinesas partiam do vale do Rio Amarelo carregados de seda, jóias, vidros, estatuetas e pedras preciosas, até os portos do Oriente Próximo.
  • 18. • A expansão do território chinês sob a dinastia Han, a partir da metade do século II a.C, só foi possível graças ao aumento das riquezas, que por sua vez, está associada aos progressos técnicos feitos por eles na época. • Chineses desenvolveram a metalurgia do ferro • Passaram a produzir ferramentas agrícolas (pás, enxadas) mais eficientes • Com aumento da população, mais gente foi liberada para trabalhar com artesanato de cobre. • Inventaram o carrinho de mão, o sismógrafo, o papel e o moinho movido à água.
  • 19.
  • 20. • Com o aumento da produção e do comércio na China dos Han, a sociedade imperial chinesa se diversificou: • Famílias nobres acumularam fortunas como donas de unidades agrícolas • Mercadores enriqueceram. • A nobreza tradicional manteve seus privilégios, conservando propriedades cultivadas por milhares de camponeses • Aumentou o número de escravos (prisioneiros de guerra ou devedores)
  • 21. • Duas filosofias importantes no passado e presente da China é o confucionismo e o taoísmo. • O confucionismo • A filosofia de Kung Fu-Tseu (551 a.C a 479 a.C) que nós denominamos como Confúcio, influenciou enormemente os chineses. • Esse sábio chinês não deixou nada escrito, apenas relatos da tradição oral e uma coletânea de textos, o Lunyu, redigido por seus discípulos após a sua morte.
  • 22.
  • 23. • Confúcio dava grande importância ao aperfeiçoamento individual. • A virtude, para ele, era resultado de um esforço individual, não uma qualidade inata aos nobres, como até então era considerada • A ideia de esforço individual para alcançar a virtude foi a ideia chave para a decisão imperial de introduzir concursos para o preenchimento de vagas no funcionalismo público. • No Século II a.C essa se tornou a doutrina oficial do império chinês. • Da China, o confucionismo expandiu-se para outras áreas do Oriente, especialmente Japão, Coréia e Vietnã.
  • 24. • O Taoísmo: A China antiga viu florescer também o taoísmo, filosofia cujas bases estão contidas no Tao te Ching: o livro do caminho e da virtude, atribuído a Lao Tse. • O taoísmo se opõe ao luxo e a ostentação e se propõe uma vida simples em harmonia com a natureza. • Só quem vivesse com simplicidade poderia viver feliz e atingir o Tao • Segundo o taoísmo, tudo o que ocorre no universo resulta de diferentes integrações entre o Yin e o Yang, duas forças/energias opostas e complementares. • Essa filosofia serviu de base para a acupuntura.