SlideShare uma empresa Scribd logo
José Luiz dos
Santos é doutor
em Economia pela
Universidade Fede-
ral do Rio Grande
do Sul (UFRGS) e
mestre em Ciên-
cias Contábeis pela Universidade do
Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS).
Diretor, professor, pesquisador e
orientador da Faculdade São Francis-
co de Assis (UNIFIN) e professor da
pós-graduação da UFRGS e da UNI-
FIN. Sócio da Integral Consultoria
Empresarial, consultor empresarial e
coautor de dezenas de livros nas áreas
tributária, de contabilidade gerencial,
controladoria, contabilidade avançada
e contabilidade internacional, publica-
dos pela Atlas.
Paulo Schmidt é
doutor em Conta-
bilidade e Contro-
ladoria pela Facul-
dade de Economia,
Administração e
Contabilidade da
Universidade de
São Paulo (FEA/USP). Professor, pes-
quisador, orientador e coordenador
do curso de mestrado em Controla-
doria na Universidade Federal do Rio
Grande do Sul (UFRGS). Membro da
Academy of Accounting Historians,
consultor empresarial e coautor de
dezenas de livros nas áreas de conta-
bilidade gerencial, controladoria, con-
tabilidade avançada e contabilidade
internacional, publicados pela Atlas.
CONTABILIDADE
AVANÇADA
Aspectos Societários e Tributários
CONTABILIDADEAVANÇADASantos•Schmidt•Fernandes
3a
Edição
Atualizada pela Lei no
11.941/09 e pelas normas do CPC
Combinações de Negócios
Consolidação Plena e Proporcional
Joint Ventures
Equivalência Patrimonial de Investimentos no Exterior
José Luiz dos Santos
Paulo Schmidt
Luciane Alves FernandesCONTABILIDADE AVANÇADA
Aspectos Societários e Tributários
Este livro apresenta uma síntese dos principais temas relacionados à contabilidade
avançada,emespecialamensuraçãoeoregistrocontábildaequivalênciapatrimonial,
os principais procedimentos relacionados à elaboração de demonstrações contábeis
consolidadas e operações de incorporação, fusão e cisão de empresas.
Para atingir tal objetivo, aborda questões como equivalência patrimonial de
investimentos no exterior, joint ventures, consolidação das demonstrações
contábeis plena e proporcional e combinações de negócios, incluindo as alterações
introduzidas pela Lei no
11.941/09 e pronunciamentos técnicos revisados do CPC.
A principal característica desta obra, que a diferencia das demais, é a de vincular
conceitos contábeis com leis e normatizações societárias e tributárias vigentes,
tornando-a muito útil para consultas de profissionais do dia a dia, sem se descuidar
de seu cunho didático. Além disso, possui excelente material prático, que não só
elucida pontos mais complexos, como também viabiliza a apreensão do conteúdo
teórico, facilitando, dessa forma, sua aplicação em casos concretos.
Aplicação
Livro-texto para a disciplina Contabilidade Avançada dos cursos de graduação em
Contabilidade e dos cursos de pós-graduação em Contabilidade, Controladoria e
Finanças. Leitura complementar para profissionais da área de contabilidade.
Luciane Alves
Fernandes é dou-
tora em Agronegó-
cios pela Univer-
sidade Federal do
Rio Grande do Sul
(UFRGS) e mestre
em Ciências Contá-
beis pela Universidade do Vale do Rio
dos Sinos (UNISINOS). Professora,
pesquisadora e orientadora da Facul-
dade São Francisco de Assis (UNI-
FIN) e professora da pós-graduação
da UNIFIN. Sócia da Integral Consul-
toria Empresarial, consultora empre-
sarial. Coautora de dezenas de livros
nas áreas tributária, de contabilidade
geral, contabilidade avançada e con-
tabilidade internacional, publicados
pela Atlas.
6732.indd 1 19/12/2011 15:32:16
José Luiz dos Santos
Paulo Schmidt
Luciane Alves Fernandes
Aspectos Societários e Tributários
SÃO PAULO
EDITORA ATLAS S.A. – 2012
Contabilidade
Avançada
Combinações de Negócios
Consolidação Plena e Proporcional
Joint Ventures
Equivalência Patrimonial de Investimentos no Exterior
3a Edição
Atualizada pela Lei no 11.941/09 e pelas normas do CPC
Material de site – Portal Atlas
Casos Práticos
2  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
1  Caso prático de consolidação plena
Essa seção apresenta um exemplo prático de consolidação das demonstrações
financeiras de um grupo empresarial constituído por três empresas, a controladora
Delta, sua subsidiária integral Ômega e sua controlada Sigma, cuja participação no
capital social é de 80%, sendo que a subsidiária integral Ômega foi constituída no
ano 20X1. Durante o exercício social de 20X1, ocorreram as seguintes operações
intercompanhias:
a)	em julho de 20X1, a controladora Delta concedeu um empréstimo via
contrato de mútuo para a subsidiária integral Ômega no valor de $ 6.000,
em dinheiro;
b)	em setembro de 20X1, a controladora Delta efetuou a venda de mercado-
rias a prazo, cujo custo era de $ 4.200, por $ 8.400, para sua subsidiária
integral Ômega, sendo que na data do balanço patrimonial elas ainda
permaneciam nos estoques da subsidiária;
c)	em agosto de 20X1, a controlada Sigma emprestou, por meio de uma
operação de mútuo, para a controladora Delta, o valor de $ 3.800, em
dinheiro;
d)	em outubro de 20X1, a controlada Sigma vendeu mercadorias a prazo
para sua controladora Delta, cujo custo era de $ 7.200, por $ 14.000,
sendo que na data do balanço patrimonial as mesmas já haviam sido
vendidas para terceiros.
Além disso, cabe ressaltar algumas informações adicionais em relação ao
exemplo apresentado, dentre as quais se destacam as seguintes:
•	 as empresas vendem produtos que não são tributados pelo PIS e pela
Cofins, pois os produtos vendidos pelas empresas se enquadram no re-
gime de substituição tributária;
•	 as operações de venda entre as companhias referem-se a produtos en-
quadrados no regime de substituição tributária de ICMS.
Em função disso, nenhum ajuste relativo a esses tributos foi considerado na
elaboração das demonstrações financeiras consolidadas, pois os mesmos, em fun-
ção do exposto anteriormente, não geraram quaisquer efeitos na demonstração do
resultado do exercício das companhias componentes do grupo consolidado.
As demonstrações financeiras individuais, as quais incluem o balanço patri-
monial, a demonstração do resultado do exercício, a demonstração de lucros e
prejuízos acumulados e a demonstração do fluxo de caixa, do grupo empresarial,
estão apresentadas nos Quadros 1 a 6.
Consolidação das Demonstrações Financeiras  3
Quadro 1	 Demonstrações do resultado do período das companhias Delta, Ômega
e Sigma.
DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO DELTA ÔMEGA SIGMA
RECEITA BRUTA 69.300 49.000 56.000
DEDUÇÕES DE VENDAS –8.316 –8.330 –7.140
ICMS S/ VENDAS 8.316 8.330 7.140
RECEITA LÍQUIDA 60.984 40.670 48.860
CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS –34.629 –23.640 –25.320
LUCRO BRUTO 26.355 17.030 23.540
DESPESAS COM VENDAS –4.632 –3.910 –3.051
DESPESAS COM PESSOAL 3.940 3.240 2.760
DEPRECIAÇÃO 692 0 291
ALUGUÉIS 0 670 0
DESPESAS ADMINISTRATIVAS –7.570 –4.630 –3.640
DESPESAS COM PESSOAL 4.900 4.200 2.980
DESPESAS MATERIAL DE EXPEDIENTE 2.670 430 660
DESPESAS FINANCEIRAS –3.910 –990 –1.320
VARIAÇÃO MONETÁRIA PASSIVA 3.910 0 1.320
DESPESAS BANCÁRIAS 0 990 0
RECEITAS FINANCEIRAS 1.390 625 1.110
VARIAÇÃO MONETÁRIA ATIVA 1.390 0 1.110
RENDIMENTO APLICAÇÕES FINANCEIRAS 0 625 0
OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS 8.040 –320 –330
RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL 8.360 0 0
PERDAS COM ESTOQUES –320 –320 –330
RESULTADO OPERACIONAL 19.673 7.805 16.309
RESULTADO ANTES DA CS E IR 19.673 7.805 16.309
CONTRIBUIÇÃO SOCIAL –1.018 –702 –1.468
PROVISÃO PARA IMPOSTO DE RENDA –1.544 –1.171 –2.446
RESULTADO ANTES DAS PARTICIPAÇÕES 17.111 5.932 12.395
DEBÊNTURES –1.711 –593 –1.240
EMPREGADOS –1.540 –534 –1.116
ADMINISTRADORES –710 –481 –1.004
LUCRO LÍQUIDO 13.150 4.324 9.035
4  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
Quadro 2	 Balanço patrimonial da controladora Delta.
BALANÇO PATRIMONIAL
CONTROLADORA DELTA
(EXERCÍCIO FINDO EM 31/12/X1)
ATIVO 31/12/X 31/12/X1 PASSIVO 31/12/X 31/12/X1
CIRCULANTE 23.986 92.075 CIRCULANTE 18.110 93.624
DISPONIBILIDADES 9.786 55.116 FORNECEDORES 6.170 58.510
CAIXA 5.946 54.446 SALÁRIOS A PAGAR 2.450 4.150
BANCOS 3.840 670 CONTAS A PAGAR 7.230 7.230
PROVISÃO DE FÉRIAS 2.260 2.680
DIREITOS REALIZÁVEIS 12.610 35.369 PROVISÃO P/ IMP. RENDA 1.544
CLIENTES 3.630 12.030 CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 1.018
ESTOQUES 7.790 18.900 PARTICIPAÇÕES A PG 3.961
ADIANTAMENTO DE VIAGEM 1.190 1.190 DIVIDENDOS A PAGAR 4.006
DIVIDENDOS A RECEBER 3.249 ENCARGOS SOCIAIS A PG 4.690
ICMS A PAGAR 2.035
DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE 1.590 1.590 EMPRÉSTIMO SIGMA 3.800
SEGUROS PAGOS ANTECIPADAMENTE 1.590 1.590
NÃO CIRCULANTE 8.230 12.720
FINANCIAMENTOS A PG – LP 5.140 9.630
NÃO CIRCULANTE 22.984 43.973 ALUGUÉIS RECEBIDOS ANTECIPA-
DAMENTE 3.090 3.090
REALIZÁVEL A LP 1.620 10.120
EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO 1.620 4.120 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 20.630 29.704
EMPRÉSTIMO ÔMEGA 6.000
CAPITAL SOCIAL 13.950 14.300
INVESTIMENTOS 7.064 18.175 CAPITAL SUBSCRITO 15.260 15.260
PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS 7.064 18.175 CAPITAL A INTEGRALIZAR –1.310 –960
IMOBILIZADO 14.300 14.908 RESERVA DE CAPITAL 0 0
IMÓVEL DE USO 17.290 17.290
DEPRECIAÇÃO ACUM. IMÓVEL DE USO –2.990 –3.682 RESERVA DE REAVALIAÇÃO 2.110 2.110
VEÍCULOS 1.300
RESERVAS DE LUCROS 2.880 3.163
INTANGÍVEL 0 770 RESERVA LEGAL 0 658
MARCAS E PATENTES 770 RESERVA ESTATUTÁRIA 0 1.315
RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 1.690 0
RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 1.190 1.190
LUCROS ACUMULADOS 1.690 10.131
TOTAL DO ATIVO 46.970 136.048 TOTAL PASSIVO 46.970 136.048
Consolidação das Demonstrações Financeiras  5
Quadro 3	 Balanço patrimonial da controlada Ômega.
BALANÇO PATRIMONIAL
CONTROLADA ÔMEGA
(EXERCÍCIO FINDO EM 31/12/X1)
ATIVO 31/12/X 31/12/X1 PASSIVO 31/12/X 31/12/X1
CIRCULANTE 0 70.455 CIRCULANTE 0 61.668
FORNECEDORES 0 40.400
DISPONIBILIDADES 0 33.465 SALÁRIOS A PAGAR 0 3.200
CAIXA 0 22.930 CONTAS A PAGAR 0 430
BANCOS 0 10.535 PROVISÃO P/ IMP. RENDA 0 1.171
CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 0 702
DIREITOS REALIZÁVEIS 0 35.940 PARTICIPAÇÕES A PG 0 1.608
CLIENTES 0 24.500 DIVIDENDOS A PAGAR 0 1.027
ESTOQUES 0 11.000 ENCARGOS SOCIAIS A PG 0 4.240
ADIANTAMENTOS FUNCIONÁRIOS 0 440 ICMS A PAGAR 0 2.890
EMPRÉSTIMO DELTA 6.000
DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE 0 1.050
SEGUROS PAGOS ANTECIPADAMENTE 0 1.050 NÃO CIRCULANTE 0 0
FINANCIAMENTOS A PG-LP 0 0
ALUGUÉIS RECEBIDOS ANTECIPA-
DAMENTE 0 0
NÃO CIRCULANTE 0 510
REALIZÁVEL A LP 0 0
0 0 PATRIMÔNIO LIQUIDO 0 9.297
INVESTIMENTOS 0 0 CAPITAL SOCIAL 0 6.000
PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS 0 0 CAPITAL SUBSCRITO 0 6.000
CAPITAL A INTEGRALIZAR 0 0
IMOBILIZADO 0 0
IMÓVEL DE USO 0 0 RESERVA DE CAPITAL 0 0
DEPRECIAÇÃO ACÚM. IMÓVEL DE USO 0 0
VEÍCULOS 0 0 RESERVA DE REAVALIAÇÃO 0 0
INTANGÍVEL 0 510 RESERVAS DE LUCROS 0 648
MARCAS E PATENTES 0 510 RESERVA LEGAL 0 216
RESERVA ESTATUTÁRIA 0 432
RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 0 0
RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 0 0
LUCROS ACUMULADOS 0 2.649
TOTAL DO ATIVO 0 70.965 TOTAL PASSIVO 0 70.965
6  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
Quadro 4	 Balanço patrimonial da controlada Sigma.
BALANÇO PATRIMONIAL
CONTROLADA SIGMA
(EXERCÍCIO FINDO EM 31/12/X1)
ATIVO 31/12/X 31/12/X1 PASSIVO 31/12/X 31/12/X1
CIRCULANTE 20.440 73.380 CIRCULANTE 12.490 63.511
FORNECEDORES 6.150 42.150
DISPONIBILIDADES 6.320 25.610 SALÁRIOS A PAGAR 2.450 2.560
CAIXA 2.500 16.670 CONTAS A PAGAR 1.650 2.310
BANCOS 3.820 8.940 PROVISÃO DE FÉRIAS 2.240 2.240
PROVISÃO P/ IMP. RENDA 0 2.446
DIREITOS REALIZÁVEIS 12.550 45.230 CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 0 1.468
CLIENTES 3.610 31.610 PARTICIPAÇÕES A PG 0 3.360
ESTOQUES 7.770 12.000 DIVIDENDOS A PAGAR 0 2.777
ADIANTAMENTO FUNCIONÁRIOS 1.170 1.620 ENCARGOS SOCIAIS A PG 0 3.180
ICMS A PAGAR 0 1.020
DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE 1.570 2.540
SEGUROS PAGOS ANTECIPADAMENTE 1.570 2.540 NÃO CIRCULANTE 8.190 8.860
FINANCIAMENTOS A PG – LP 5.120 5.790
ALUGUÉIS RECEBIDOS ANTECIPA-
DAMENTE 3.070 3.070
NÃO CIRCULANTE 9.070 14.079
REALIZÁVEL A LP 1.600 6.340 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 8.830 15.088
EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO 1.600 2.540
EMPRÉSTIMO DELTA 0 3.800 CAPITAL SOCIAL 4.320 4.320
CAPITAL SUBSCRITO 4.320 4.320
INVESTIMENTOS 3.170 3.170 CAPITAL A INTEGRALIZAR 0 0
PARTICIPAÇÕES OUTRAS EMP. 3.170 3.170
RESERVA DE CAPITAL 0 0
IMOBILIZADO 4.300 4.009
IMÓVEL DE USO 7.270 7.270 RESERVA DE REAVALIAÇÃO 0 0
DEPRECIAÇÃO ACUM. IMÓVEL DE USO –2.970 –3.261
VEÍCULOS 0 0 RESERVAS DE LUCROS 2.840 4.151
RESERVA LEGAL 0 452
INTANGÍVEL 0 560 RESERVA ESTATUTÁRIA 0 904
MARCAS E PATENTES 0 560 RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 1.670 1.670
RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 1.170 1.125
LUCROS ACUMULADOS 1.670 6.617
TOTAL DO ATIVO 29.510 87.459 TOTAL PASSIVO 29.510 87.459
Consolidação das Demonstrações Financeiras  7
Quadro 5	 Delpa das companhias Delta, Ômega e Sigma.
DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS
DELTA ÔMEGA SIGMA
SALDO NO INÍCIO DO PERÍODO 1.690 0 1.670
AJUSTE DE EXERCÍCIO ANTERIOR –420 0 0
SALDO AJUSTADO 1.270 0 1.670
REVERSÃO DE RESERVAS 1.690 0 45
RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 1.690 0 0
RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 0 0 45
RESERVA DE REAVALIAÇÃO 0 0 0
LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO 13.150 4.324 9.035
SALDO À DISPOSIÇÃO DA AGO/E 16.110 4.324 10.750
DESTINAÇÕES –5.979 –1.675 –4.133
RESERVA LEGAL 658 216 452
DIVIDENDO PREFERENCIAL 480 0 620
DIVIDENDO ORDINÁRIO 3.526 1.027 2.157
RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 0 0 0
RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 0 0 0
RESERVA ESTATUTÁRIA 1.315 432 904
SALDO NO FINAL DO PERÍODO 10.131 2.649 6.617
8  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
Quadro 6	 Fluxo de caixa das companhias Delta, Ômega e Sigma.
DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DELTA ÔMEGA SIGMA
FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS:
LUCRO LÍQUIDO ANTES DO IMP. RENDA E CONT. SOCIAL 15.712 6.197 12.949
AJUSTADO PELA:
RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL –8.360 0 0
DESPESAS COM DEPRECIAÇÃO 692 0 291
VARIAÇÃO MONETÁRIA ATIVA DO RLP –1.390 0 –1.110
VARIAÇÃO MONETÁRIA PASSIVA DO ELP 3.910 0 1.320
RESULTADO DO PERÍODO AJUSTADO 10.564 6.197 13.450
REDUÇÃO (AUMENTO) NAS CONTAS A RECEBER –8.400 –24.940 –28.450
REDUÇÃO (AUMENTO) NOS ESTOQUES –11.110 –11.000 –4.230
REDUÇÃO (AUMENTO) NAS DESP. EXERCÍCIO SEGUINTE 0 –1.050 –970
AUMENTO (REDUÇÃO) NO CONTAS A PAGAR 64.726 52.768 44.330
CAIXA GERADO PELAS OPERAÇÕES 55.780 21.975 24.130
JUROS PAGOS 0 0 0
IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PAGOS 0 0 0
CAIXA LÍQUIDO GERADO PELAS ATIVIDADES OPERACIONAIS 55.780 21.975 24.130
FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS:
RECEBIMENTO DE EMPRÉSTIMOS FEITOS A TERCEIROS 470 0 730
EMPRÉSTIMOS FEITOS A TERCEIROS –7.580 0 –4.360
AQUISIÇÃO DE IMOBILIZADO –1.300 0 0
AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS –6.000 0 0
AQUISIÇÃO DE INTANGÍVEL –770 –510 –560
CAIXA LÍQUIDO USADO NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO –15.180 –510 –4.190
FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS:
DISTRIBUIÇÃO DE DIVIDENDOS 0 0 0
INTEGRALIZAÇÕES DE CAPITAL 350 6.000 0
CAIXA RECEBIDO DE FINANCIAMENTOS A PAGAR 4.380 6.000 1.480
PAGAMENTOS DE FINANCIAMENTOS A PAGAR 0 0 –2.130
CAIXA LÍQUIDO USADO NAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO 4.730 12.000 –650
AUMENTO LÍQUIDO DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 45.330 33.465 19.290
CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO INÍCIO DO PERÍODO 9.786 0 6.320
CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO FINAL DO PERÍODO 55.116 33.465 25.610
Consolidação das Demonstrações Financeiras  9
Essas demonstrações apresentadas nos Quadros 1 a 6, servem de base para os
relatórios consolidados que serão vistos a seguir. Entretanto, antes de se proceder
à consolidação, torna-se necessários que primeiramente sejam efetuados os ajustes
requeridos por tal processo, de acordo com o exposto anteriormente, que estão
evidenciados no Quadro 6.
Quadro 7	 Registros de eliminação na consolidação.
COMPANHIA DELTA E CONTROLADAS
RESUMO DOS LANÇAMENTOS DE ELIMINAÇÕES
Nº do REGISTRO HISTÓRICO/REGISTRO DÉBITO CRÉDITO
D – FORNECEDORES (ÔMEGA) 8.400
C – CLIENTES (DELTA) 8.400
– 1 D – RECEITA DE VENDAS (DELTA) 8.400
C – CMV (DELTA) 4.200
C – ESTOQUES (ÔMEGA) 4.200
– 2 D – IMPOSTOS DIFERIDOS 1.008
C – PROVISÃO IMPOSTO DE RENDA 630
C – CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 378
– 3 D – EMPRÉSTIMOS DELTA (ÔMEGA) 6.000
C – EMPRÉSTIMOS ÔMEGA (DELTA) 6.000
– 4 D – EMPRÉSTIMOS SIGMA (DELTA) 3.800
C – EMPRÉSTIMOS DELTA (SIGMA) 3.800
D – FORNECEDORES (DELTA) 14.000
– 5 C – CLIENTES (SIGMA) 14.000
D – RECEITA DE VENDAS (SIGMA) 14.000
C – CMV (SIGMA) 7.200
C – CMV (DELTA) 6.800
D – DIVIDENDOS A PAGAR (ÔMEGA) 1.027
– 6 D – DIVIDENDOS A PAGAR (SIGMA) 2.222
C – DIVIDENDOS A RECEBER (DELTA) 3.249
D – CAPITAL SUBSCRITO (ÔMEGA) 6.000
– 7 D – RES. LEGAL (ÔMEGA) 216
D – RES. ESTATUTÁRIA (ÔMEGA) 432
D – LUCROS ACUMULADOS (ÔMEGA) 2.649
C – PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS (DELTA) 6.105
C – RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL 3.192
D – CAPITAL SUBSCRITO (SIGMA) 3.456
D – RESERVA LEGAL (SIGMA) 362
– 8 D – RESERVA ESTATUTÁRIA (SIGMA) 723
D – RESERVA DE LUCROS A REALIZAR (SIGMA) 900
D – RESERVA DE CONTINGÊNCIAS (SIGMA) 1.336
D – LUCROS ACUMULADOS (SIGMA) 5.294
C – PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS (DELTA) 12.070
D – CAPITAL SUBSCRITO (SIGMA) 864
D – RESERVA LEGAL (SIGMA) 90
– 9 D – RESERVA ESTATUTÁRIA (SIGMA) 181
D – RESERVA DE LUCROS A REALIZAR (SIGMA) 225
D – RESERVA DE CONTINGÊNCIAS (SIGMA) 334
D – LUCROS ACUMULADOS (SIGMA) 1.323
C – PARTICIPAÇÃO DE NÃO CONTROLADORES 3.018
10  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
O Quadro 7 apresenta os registros de eliminação que devem ser feitos na
consolidação, pelos motivos expostos a seguir:
1.	 Refere-se à aquisição de mercadorias da empresa Ômega junto à contro-
ladora Delta, pelo valor de $ 8.400 a prazo, gerando um direito (clientes)
na controladora e uma obrigação na controlada (fornecedores), devendo,
portanto, tais valores serem eliminados das demonstrações consolidadas.
Além disso, como se trata de venda entre as companhias do grupo,
é necessário eliminar a receita de vendas da controladora e o respectivo
custo, tanto na controladora quanto na controlada. Entretanto, esse ajuste
direto ocorreria somente se as mercadorias já tivessem sido vendidas a
terceiros. Como as mercadorias ainda estão no estoque da controlada, é
necessário ainda eliminar o lucro remanescente em seu estoque, no caso,
a diferença entre $ 8.400 (preço de venda) e $ 4.200 (preço de custo).
2.	Esse ajuste refere-se ao Imposto de Renda e Contribuição Social inci-
dentes sobre o lucro não realizado, que devem ser reclassificados nas
demonstrações financeiras consolidadas, e correspondem a 15% e 9%,
respectivamente, do valor do lucro não realizado, que é de $ 4.200.
3.	Esse ajuste refere-se ao empréstimo concedido por Delta a Ômega, ge-
rando um direito na primeira e uma obrigação na última, que devem ser
eliminados na consolidação.
4.	O presente ajuste também se relaciona à concessão de empréstimo, só
que este concedido por Sigma a Delta, igualmente gerando um direito
na primeira e uma obrigação na última, que devem ser eliminados na
consolidação.
5.	 Refere-se à aquisição de mercadorias da empresa Delta junto à controlada
Sigma, pelo valor de $ 14.000 a prazo, gerando um direito (clientes) na
controlada e uma obrigação na controladora (fornecedores), devendo,
portanto, tais valores ser eliminados das demonstrações consolidadas.
Adicionalmente, como se trata de venda entre as companhias do
grupo, é necessário eliminar a receita de vendas da controlada e o res-
pectivo custo, tanto na controladora quanto na controlada. Uma vez
que as mercadorias já foram vendidas a terceiros, é necessário eliminar
a receita de vendas e o custo parcial da controlada, além da parte do
custo que está registrada na controladora, a fim de evidenciar somente
o lucro efetivamente realizado com terceiros.
6.	Os dividendos propostos foram calculados nas duas controladas, Ômega
e Sigma, gerando uma obrigação em ambas e, em contrapartida, gerando
um direito na controladora Delta, devendo então ser eliminados por não
se tratar de direitos ou obrigações junto a terceiros.
Consolidação das Demonstrações Financeiras  11
O valor do dividendo na controlada Ômega, $ 1.027, está eviden-
ciado na conta de Dividendos a Pagar no balanço patrimonial apre-
sentado no Quadro 3; o valor relativo à controlada Sigma, $ 2.222,
também está evidenciado na conta de Dividendos a Pagar no balanço
patrimonial apresentado no Quadro 4 ($ 2.777 × 80%). Já o valor dos
dividendos a receber, na controladora, no valor de $ 3.249 pode ser
observado no balanço patrimonial apresentado no Quadro 2.
7.	Refere-se à eliminação do investimento da controladora Delta na con-
trolada Ômega. Por tratar-se de subsidiária integral, todo o valor do
patrimônio líquido da mesma deve ser eliminado, ou seja, $ 9.297. Além
disso, como na demonstração individual da controladora já foi conside-
rado o lucro não realizado na operação descendente (downstream) de
$ 3.192 (4.200 – 1.008) deve-se creditar esse valor na conta de resulta-
do de equivalência patrimonial, conforme demonstrado no seu balanço
patrimonial, no Quadro 3.
8.	 Refere-se à eliminação do investimento da controladora Delta na contro-
lada Sigma. Como o percentual de participação é de 80%, esse mesmo
percentual deve ser aplicado sobre o valor do patrimônio líquido de
Sigma. Conforme pode ser observado no balanço patrimonial da com-
panhia, no Quadro 4, o valor do patrimônio líquido é de $ 15.088; 80%
corresponde ao valor de $ 12.070. Assim, devem ser eliminadas todas
as contas do patrimônio líquido de acordo com esse percentual.
9.	Como a controladora Delta detém 80% de participação na controlada
Sigma, os 20% restantes pertencem aos acionistas não controladores. Em
razão disso, essa parcela deve ser destacada nas demonstrações conso-
lidadas. Similarmente ao ajuste (7), o valor refere-se a 20% do valor do
patrimônio líquido da controlada Sigma ($ 15.088 × 20%).
Após os referidos ajustes, deve-se elaborar a demonstração do resultado do
exercício consolidada, que é obtida através do somatório das demonstrações
individuais, adicionando ou excluindo os ajustes de eliminação apresentados
anteriormente, de acordo com o apresentado no Quadro 8.
12  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
Quadro 8	 Demonstração do resultado do período consolidada.
COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS
CONSOLIDAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO
Discriminação
das Contas
Saldos DRE Eliminações
Consolidação
Saldos
Consolidados
Controladora
DELTA
Controlada
ÔMEGA
Controlada
SIGMA D C
RECEITA BRUTA 69.300 49.000 56.000 22.400 151.900
DEDUÇÕES DE VENDAS –8.316 –8.330 –7.140 –23.786
ICMS SOBRE VENDAS 8.316 8.330 7.140 23.786
RECEITA LÍQUIDA 60.984 40.670 48.860 128.114
CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS –34.629 –23.640 –25.320 18.200 –65.389
LUCRO BRUTO 26.355 17.030 23.540 62.725
DESPESAS COM VENDAS –4.632 –3.910 –3.051 –11.593
DESPESAS COM PESSOAL 3.940 3.240 2.760 9.940
DEPRECIAÇÃO 692 0 291 983
ALUGUÉIS 0 670 670
DESPESAS ADMINISTRATIVAS –7.570 –4.630 –3.640 –15.840
DESPESAS COM PESSOAL 4.900 4.200 2.980 12.080
DESPESAS MATERIAL DE EXPEDIENTE 2.670 430 660 3.760
DESPESAS FINANCEIRAS –3.910 –990 –1.320 –6.220
VARIAÇÃO MONETÁRIA PASSIVA 3.910 1.320 5.230
DESPESAS BANCÁRIAS 990 990
RECEITAS FINANCEIRAS 1.390 625 1.110 3.125
VARIAÇÃO MONETÁRIA ATIVA 1.390 1.110 2.500
RENDIMENTO DE APLICAÇÕES FINANCEIRAS 625 625
OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS 8.040 –320 –330 11.552 3.192 –970
RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL 8.360 0 0 11.552 3.192 0
PERDAS COM ESTOQUES –320 –320 –330 –970
RESULTADO OPERACIONAL 19.673 7.805 16.309 31.227
RESULTADO ANTES DA CS E IR 19.673 7.805 16.309 31.227
CONTRIBUIÇÃO SOCIAL –1.018 –702 –1.468 378 –2.810
PROVISÃO PARA IMPOSTO DE RENDA –1.544 –1.171 –2.446 630 –4.531
RESULTADO ANTES DAS PARTICIPAÇÕES 17.111 5.932 12.395 23.886
DEBÊNTURES –1.711 –593 –1.240 –3.544
EMPREGADOS –1.540 –534 –1.116 –3.190
ADMINISTRADORES –710 –481 –1.004 –2.195
LUCRO LÍQUIDO DO PERÍODO 13.150 4.324 9.035 14.957
(–) PARTICIPAÇÃO DE NÃO CONTROLADORES 1.807 –1.807
LUCRO LÍQUIDO CONSOLIDADO 13.150
22.400 22.400
Consolidação das Demonstrações Financeiras  13
Em relação ao Quadro 8, é importante observar que o lucro líquido consoli-
dado, $ 13.150, é idêntico ao lucro líquido da controladora Delta, $ 13.150, isso
ocorre porque a partir do advento da Interpretação Técnica ICPC 09, o lucro não
realizado em operações descendentes (downstream) também é ajustado no cálculo
da equivalência patrimonial.
Já o valor do lucro não realizado é obtido através do cálculo apresentado na
Figura 1.
Valor de venda	 $ 	 8.400
Custo da venda	 $ 	 (4.200)
Lucro bruto	 $ 	 4.200
Tributos diferidos	 $ 	 (1.008)
Lucro não realizado	 $ 	 3.192
Figura 1  Cálculo do lucro não realizado.
O passo seguinte é o da elaboração do balanço patrimonial consolidado,
que é obtido através do somatório das demonstrações individuais, adicionando
ou excluindo os ajustes de eliminação apresentados anteriormente, conforme o
apresentado nos Quadros 9 e 10.
14  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
Quadro 9	 Balanço patrimonial (ativo) consolidado.
COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS
CONSOLIDAÇÃO DO ATIVO
Discriminação das Contas
Saldos Balanço Eliminações
Consolidação Saldos
ConsolidadosControladora
DELTA
Controlada
ÔMEGA
Controlada
SIGMA D C
ATIVO
CIRCULANTE 92.075 70.455 73.380 0 29.849 206.061
DISPONIBILIDADES 55.116 33.465 25.610 114.191
CAIXA 53.336 22.930 16.670 92.936
BANCOS 1.780 10.535 8.940 21.255
DIREITOS REALIZÁVEIS 35.369 35.940 45.230 0 29.849 86.690
CLIENTES 12.030 24.500 31.610 22.400 45.740
ESTOQUES 18.900 11.000 12.000 4.200 37.700
ADIANTAMENTO FUNCIONÁRIOS 1.190 440 1.620 3.250
DIVIDENDOS A RECEBER 3.249 0 0 3.249 0
DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE 1.590 1.050 2.540 5.180
SEGUROS PAGOS ANTECIPADAMENTE 1.590 1.050 2.540 5.180
NÃO CIRCULANTE 43.973 510 14.079 1.008 27.975 31.595
REALIZÁVEL A LP 10.120 0 6.340 1.008 9.800 7.668
EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO 4.120 0 2.540 6.660
EMPRÉSTIMO ÔMEGA 6.000 0 0 6.000 0
EMPRÉSTIMO DELTA 0 0 3.800 3.800 0
IMPOSTOS DIFERIDOS 1.008 1.008
INVESTIMENTOS 18.175 0 3.170 18.175 3.170
PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS 18.175 0 0 18.175 0
PARTICIPAÇÕES DE OUTRAS EMPRESAS 0 0 3.170 3.170
IMOBILIZADO 14.908 0 4.009 18.917
IMÓVEL DE USO 17.290 0 7.270 24.560
DEPRECIAÇÃO ACUM. IMÓVEL DE USO –3.682 0 –3.261 –6.943
VEÍCULOS 1.300 0 0 1.300
INTANGÍVEL 770 510 560 1.840
MARCAS E PATENTES 770 510 560 1.840
TOTAL DO ATIVO 136.048 70.965 87.459 1.008 57.824 237.656
Consolidação das Demonstrações Financeiras  15
Quadro 10	 Balanço patrimonial (passivo) consolidado.
COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS
CONSOLIDAÇÃO DO PASSIVO
Discriminação das Contas
Saldos Balanço Eliminações
Consolidação Saldos
ConsolidadosControladora
DELTA
Controlada
ÔMEGA
Controlada
SIGMA D C
PASSIVO
CIRCULANTE 93.624 61.668 63.511 35.449 183.354
FORNECEDORES 58.510 40.400 42.150 22.400 118.660
SALÁRIOS A PAGAR 4.150 3.200 2.560 9.910
CONTAS A PAGAR 7.230 430 2.310 9.970
PROVISÃO DE FÉRIAS 2.680 2.240 4.920
PROVISÃO P/IMP. RENDA 1.544 1.171 2.446 5.161
CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 1.018 702 1.468 3.188
PARTICIPAÇÕES A PG 3.961 1.608 3.360 8.929
DIVIDENDOS A PAGAR 4.006 1.027 2.777 3.249 4.561
ENCARGOS SOCIAIS A PG 4.690 4.240 3.180 12.110
ICMS A PAGAR 2.035 2.890 1.020 5.945
EMPRÉSTIMO DELTA 0 6.000 0 6.000 0
EMPRÉSTIMO SIGMA 3.800 0 0 3.800 0
NÃO CIRCULANTE 12.720 0 8.860 21.580
FINANCIAMENTOS A PG – LP 9.630 0 5.790 15.420
ALUGUÉIS RECEBIDOS ANTECIPADAMENTE 3.090 0 3.070 6.160
PATRIMÔNIO LIQUIDO 29.704 9.297 15.088 24.385 3.018 32.722
CAPITAL SUBSCRITO 15.260 6.000 4.320 10.320 15.260
CAPITAL A INTEGRALIZAR –960 0 0 0 –960
RESERVA DE CAPITAL 0 0 0 0 0
RESERVA DE REAVALIAÇÃO 2.110 0 0 0 2.110
RESERVAS DE LUCROS 3.163 648 4.151 4.799 3.163
RESERVA LEGAL 658 216 452 668 658
RESERVA ESTATUTÁRIA 1.315 432 904 1.336 1.315
RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 0 0 1.670 1.670 0
RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 1.190 0 1.125 1.125 1.190
LUCROS ACUMULADOS 10.131 2.649 6.617 9.266 10.131
PATRIMÔNIO LÍQUIDO DOS ACIONISTAS 29.704
PARTICIPAÇÃO DE NÃO CONTROLADORES 3.018 3.018
TOTAL DO PASSIVO E DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 136.048 70.965 87.459 59.834 3.018 237.656
16  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
A evolução do patrimônio líquido dos acionistas é obtida através do balanço
patrimonial consolidado, que, conforme abordado na parte teórica, é idêntico ao
patrimônio da controladora, $ 29.704, conforme evidenciado no Quadro 11.
Quadro 11	 Evolução do patrimônio consolidado.
COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS
DEMONSTRAÇÃO DA EVOLUÇÃO DO
PATRIMÔNIO LÍQUIDO DOS ACIONISTAS
SALDO NO INÍCIO PERÍODO 20.630
AJUSTES DE EXERCÍCIOS ANTERIORES –420
LUCRO LÍQUIDO CONSOLIDADO 13.150
INTEGRALIZAÇÃO DE CAPITAL 350
DIVIDENDOS DISTRIBUÍDOS –4.006
SALDO NO FINAL DO PERÍODO 29.704
Finalmente, deve-se elaborar a demonstração das origens e aplicações de re-
cursos consolidada, através da utilização das demais demonstrações consolidadas,
bem como dos papéis de trabalho de movimentação do exigível a longo prazo e
do realizável a longo prazo, de acordo com o apresentado nos Quadros 12 e 13.
Quadro 12	 Movimentação do passivo não circulante.
Contas
Saldo
inicial
Entradas Saídas
Variação
monetária
Ajustes
eliminação
Saldo final
Passivo Não Circulante 16.420 2.060 2.130 5.230 0 21.580
Delta 8.230 580 0 3.910 0 12.720
Sigma 8.190 1.480 2.130 1.320 0 8.860
Consolidação das Demonstrações Financeiras  17
Quadro 13	 Movimentação do realizável a longo prazo.
Contas
Saldo
inicial
Entradas Saídas
Variação
monetária
Ajustes
eliminação
Saldo final
Realizável a LP 3.220 11.940 1.200 2.500 (9.800) 6.660
Delta 1.620 7.580 470 1.390 (6.000) 4.120
Sigma 1.600 4.360 730 1.110 (3.800) 2.540
Com base nessas informações e nas demais demonstrações individuais e con-
solidadas, elabora-se a demonstração do fluxo de caixa consolidado, conforme o
apresentado no Quadro 14.
18  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
Quadro 14	 Demonstração do Fluxo de Caixa Consolidado.
COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS
DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA CONSOLIDADO
FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS: 224.261
1) LUCRO LÍQUIDO ANTES DO IMP. RENDA E CONT. SOCIAL 20.491
AJUSTADO PELA:
2) RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL 0
3) DESPESAS COM DEPRECIAÇÃO 983
4) VARIAÇÃO MONETÁRIA ATIVA DO RLP –2.500
5) VARIAÇÃO MONETÁRIA PASSIVA DO ELP 5.230
6) PARTICIPAÇÃO DE NÃO CONTROLADORES NO RESULTADO 1.807
7) RESULTADO DO PERÍODO AJUSTADO 26.011
8) REDUÇÃO (AUMENTO) NAS CONTAS A RECEBER –39.390
9) REDUÇÃO (AUMENTO) NOS ESTOQUES –22.140
10) REDUÇÃO (AUMENTO) NAS DESP. EXERCÍCIO SEGUINTE –2.020
11) AUMENTO (REDUÇÃO) NO CONTAS A PAGAR 139.424
12) CAIXA GERADO PELAS OPERAÇÕES 101.885
13) JUROS PAGOS 0
14) IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PAGOS 0
15) CAIXA LÍQUIDO GERADO PELAS ATIVIDADES OPERACIONAIS 101.885
FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS:
16) RECEBIMENTO DE EMPRÉSTIMOS FEITOS A TERCEIROS 1.200
17) EMPRÉSTIMO FEITOS A TERCEIROS –2.140
18) AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS –6.000
19) AQUISIÇÃO DE IMOBILIZADO –1.300
20) AQUISIÇÃO DE INTANGÍVEIS –1.840
21) CAIXA LÍQUIDO USADO NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO –10.080
FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS:
22) DISTRIBUIÇÃO DE DIVIDENDOS 0
23) INTEGRALIZAÇÕES DE CAPITAL 6.350
24) CAIXA RECEBIDO DE FINANCIAMENTOS A PAGAR 2.060
25) PAGAMENTOS DE FINANCIAMENTOS A PAGAR –2.130
26) CAIXA LÍQUIDO PROVENIENTE DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO 6.280
27) AUMENTO LÍQUIDO DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 98.085
28) CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO INÍCIO DO PERÍODO 16.106
29) CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO FINAL DO PERÍODO 114.191
Consolidação das Demonstrações Financeiras  19
Em relação ao Quadro 14, no qual os itens que compõem a demonstração do
fluxo de caixa consolidado foram numerados, seus valores são obtidos, conforme
mencionado anteriormente, a partir das demais demonstrações consolidadas e
individuais, de acordo com o evidenciado a seguir:
(1) 	 o resultado antes do Imposto de Renda e da Contribuição Social pode ser
obtido na demonstração do resultado do exercício consolidado ajustado do
valor da participação de minoritários, já que a mesma é evidenciada separa-
damente nos ajustes;
(2) 	 o resultado da equivalência patrimonial também pode ser obtido diretamente
na demonstração do resultado do exercício consolidado, contudo o seu valor
é zero, pois a equivalência patrimonial representa o lucro ou prejuízo obtido
pela investidora de acordo com o percentual de participação no capital que
ela possui em cada investida em relação ao lucro destas, consequentemente,
como na demonstração do resultado do exercício consolidada os resultados
das empresas são somados, ocorre uma duplicidade que é sanada através da
eliminação do resultado de equivalência patrimonial;
(3) 	 a depreciação pode ser obtida diretamente na demonstração do resultado
do exercício consolidado;
(4)	 a variação monetária do realizável a longo prazo é obtida diretamente no
papel de trabalho da movimentação do realizável a longo prazo. Esse valor,
por sua vez, é obtido pelo somatório das variações monetárias ativas de lon-
go prazo da controladora Delta e das controladas Ômega e Sigma, ou seja,
$ 2.500 (1.390 + 0+ 1.110), obtido, mais facilmente, nas demonstrações
de fluxo de caixa individuais;
(5)	 a variação monetária do passivo não circulante é obtida diretamente no pa-
pel de trabalho da movimentação do exigível a longo prazo. Esse valor, por
sua vez, é obtido pelo somatório das variações monetárias passivas de longo
prazo da controladora Delta e das controladas Ômega e Sigma, ou seja, $
5.230 (3.910 + 0 + 1.320), obtido, mais facilmente, nas demonstrações de
fluxo de caixa individuais;
(6)	 as participações de não controladores no resultado do exercício são obtidas
diretamente na demonstração do resultado do exercício consolidada;
(7)	 o resultado do período ajustado é obtido pela diferença entre o resultado
antes do Imposto de Renda e da Contribuição Social e os ajustes;
(8)	 a redução ou aumento nas contas a receber refletem a movimentação ocorrida
nas contas a receber no período (nesse caso, clientes e adiantamentos), que
é obtida nos balanços patrimoniais individuais e no consolidado, conside-
rando os saldos iniciais dos balanços individuais e o saldo final no balanço
consolidado. Ademais, não é considerada a conta de Dividendos a Receber,
pois a mesma não afetou o caixa;
20  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
(9)	 a redução ou aumento nos estoques, refletem a movimentação ocorrida nos
estoques no período, que é obtida nos balanços patrimoniais individuais e
no consolidado, considerando os saldos iniciais dos balanços individuais e o
saldo final no balanço consolidado;
(10)	a redução ou aumento nas despesas do exercício seguinte refletem a movi-
mentação ocorrida nesse grupo do ativo no período, que é obtida nos balanços
patrimoniais individuais e no consolidado, considerando os saldos iniciais
dos balanços individuais e o saldo final no balanço consolidado;
(11)	 a redução ou aumento no contas a pagar reflete a movimentação ocorrida no
passivo circulante (exceto financiamentos a pagar e Imposto de Renda e Con-
tribuição Social a pagar) no período, que é obtida nos balanços patrimoniais
individuais e no consolidado, considerando os saldos iniciais dos balanços
individuais e o saldo final no balanço consolidado. Ademais, devem ser aba-
tidos os valores de ajustes de exercícios anteriores, $ 420, e de dividendos a
pagar, $ 4.561, pois os mesmos não afetaram o caixa;
(12)	o caixa gerado pelas operações é obtido pela diferença entre o resultado do
período ajustado e os aumentos ou reduções dos ativos e passivos circulantes,
exceto as disponibilidades;
(13)	os juros pagos são obtidos diretamente nos fluxos de caixa individuais da
investidora e de suas investidas, nesse caso, não houve pagamento de juros;
(14)	os pagamentos de Imposto de Renda e Contribuição Social são obtidos dire-
tamente nos fluxos de caixa individuais da investidora e de suas investidas;
nesse caso, não houve pagamento de Imposto de Renda e Contribuição Social;
(15)	o caixa líquido gerado pelas atividades operacionais é obtido pela diferença
entre o caixa gerado pelas operações e o valor dos juros pagos e Imposto de
Renda e Contribuição Sociais pagos no período;
(16)	os recebimentos de empréstimos feitos a terceiros, nesse caso, estão repre-
sentados pela conta de Empréstimos Compulsórios, cujos valores são obtidos
diretamente no papel de trabalho da movimentação do realizável a longo
prazo;
(17)	os empréstimos feitos a terceiros, nesse caso, estão representados pela conta
de empréstimos compulsórios, cujos valores são obtidos diretamente no papel
de trabalho da movimentação do realizável a longo prazo;
(18)	as aquisições de investimentos representam as aplicações de recursos em
investimentos e podem ser obtidas diretamente nas demonstrações de fluxo
de caixa individuais;
(19)	 as aquisições de imobilizado ($ 1.300) representam os recursos aplicados no
ativo imobilizado no período e podem ser obtidas diretamente nas demons-
trações de fluxo de caixa individuais;
Consolidação das Demonstrações Financeiras  21
(20)	as aquisições de intangível representam as compras de marcas e patentes e
podem ser obtidas diretamente nas demonstrações de fluxo de caixa indivi-
duais, através do somatório dos aumentos do ativo intangível da controladora
Delta e das controladas Ômega e Sigma, ou seja, $ 1.840 (770 + 510 + 560);
(21)	o caixa líquido usado nas atividades de investimentos é obtido pela soma
algébrica das aquisições e baixas do ativo não circulante no período;
(22)	os dividendos distribuídos, que nesse caso não possuem valor, pois os mesmos
não foram pagos, podem ser obtidos diretamente no razão contábil da conta
de Dividendos a Pagar;
(23)	as integralizações de capital podem ser obtidas diretamente nas demonstra-
ções de fluxo de caixa individuais, isto é $ 6.350 (350 + 0 + 6.000);
(24)	o caixa recebido de financiamentos a pagar é representado, nesse caso,
pelos aumentos do passivo não circulante e é obtido diretamente no papel
de trabalho da movimentação do passivo não circulante. Esse valor, por sua
vez, é obtido pelo somatório dos aumentos dos passivos não circulantes da
controladora Delta e das controladas Ômega e Sigma, ou seja, $ 2.060 (580
+ 0 + 1.480), obtidos, mais facilmente, nas demonstrações de fluxo de caixa
individuais;
(25)	os pagamentos de financiamentos a pagar representados pelas reduções
do passivo não circulante são obtidos diretamente no papel de trabalho da
movimentação do passivo não circulante. Esse valor, por sua vez, é obtido
pelo somatório das reduções dos passivos não circulantes da controladora
Delta e das controladas Ômega e Sigma, ou seja, $ 2.130 (0 + 0 + 2.130),
obtidos, mais facilmente, nas demonstrações de fluxo de caixa individuais;
(26)	o caixa líquido proveniente das atividades de financiamento é obtido pela
soma algébrica dos ingressos e desembolsos, originados no período, em de-
corrência do aporte e devoluções ou pagamentos de capitais próprios e de
terceiros, isto é, do passivo não circulante e do patrimônio líquido;
(27)	o aumento líquido de caixa e equivalente de caixa é obtido pela diferença
entre o saldo de caixa e equivalentes de caixas no final do período e o seu
saldo inicial;
(28)	o valor do caixa e equivalente de caixa no início do período pode ser obtido
diretamente nos balanços patrimoniais individuais, através do somatório
das disponibilidades no início do período da controladora Delta e de suas
controladas Ômega e Sigma, ou seja, $ 16.106 (9.786 + 0 + 6.320);
(29)	o valor do caixa e equivalente de caixa no final do período ($ 114.191)
pode ser obtido diretamente no saldo do grupo disponibilidades no balanço
patrimonial consolidado.
22  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
2  Caso prático de consolidação proporcional
Esta seção apresenta um exemplo prático de consolidação proporcional das
demonstrações financeiras de um grupo empresarial constituído por três empresas,
a controladora Delta, sua subsidiária integral Ômega e sua controlada em conjun-
to Sigma, cuja participação no capital social é de 50%, sendo que a subsidiária
integral Ômega foi constituída no ano 20X1. Durante o exercício social de 20X1,
ocorreram as seguintes operações intercompanhias:
a)	em julho de 20X1, a controladora Delta concedeu um empréstimo
via contrato de mútuo para a subsidiária integral Ômega no valor de
$ 6.000, em dinheiro;
b)	em setembro de 20X1, a controladora Delta efetuou a venda de mercado-
rias a prazo, cujo custo era de $ 4.200, por $ 8.400, para sua subsidiária
integral Ômega, sendo que na data do balanço patrimonial as mesmas
ainda permaneciam nos estoques da subsidiária;
c)	em agosto de 20X1, a controlada em conjunto Sigma emprestou, por
meio de uma operação de mútuo, para a controladora Delta, o valor de
$ 3.800, em dinheiro;
d)	em outubro de 20X1, a controlada em conjunto Sigma vendeu merca-
dorias a prazo para sua controladora Delta, cujo custo era de $ 7.200,
por $ 14.000, sendo que na data do balanço patrimonial as mesmas já
haviam sido vendidas para terceiros.
Além disso, cabe ressaltar algumas informações adicionais em relação ao
exemplo apresentado, dentre as quais se destacam as seguintes:
•	 as empresas vendem produtos que não são tributados pelo PIS e pela
Cofins, pois os produtos vendidos pelas empresas enquadram-se no re-
gime de substituição tributária;
•	 as operações de venda entre as companhias referem-se a produtos en-
quadrados no regime de substituição tributária de ICMS.
Em função disso, nenhum ajuste relativo a esses tributos foi considerado na ela-
boração das demonstrações financeiras consolidadas, pois os mesmos, em função
do exposto no parágrafo anterior, não geraram quaisquer efeitos na demonstração
do resultado do exercício das companhias componentes do grupo consolidado.
As demonstrações financeiras individuais, as quais incluem o balanço patri-
monial, a demonstração do resultado do exercício, a demonstração de lucros e
prejuízos acumulados e a demonstração do fluxo de caixa, do grupo empresarial,
estão apresentadas nos Quadros 15 a 20.
Consolidação das Demonstrações Financeiras  23
Quadro 15	 DRE das companhias Delta, Ômega e Sigma.
DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO DELTA ÔMEGA SIGMA
RECEITA BRUTA 72.560 51.300 58.540
DEDUÇÕES DE VENDAS –8.707 –8.721 –7.572
ICMS S/ VENDAS 8.707 8.721 7.572
RECEITA LÍQUIDA 63.853 42.579 50.968
CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS –34.659 –22.482 –23.698
LUCRO BRUTO 29.194 20.097 27.270
DESPESAS COM VENDAS –4.749 –4.220 –3.171
DESPESAS COM PESSOAL 3.940 3.240 2.880
DEPRECIAÇÃO 809 0 291
ALUGUÉIS 0 980 0
DESPESAS ADMINISTRATIVAS –7.420 –4.850 –3.830
DESPESAS COM PESSOAL 4.900 4.200 3.170
DESPESAS MATERIAL DE EXPEDIENTE 2.520 650 660
DESPESAS FINANCEIRAS –3.790 –860 –1.320
VARIAÇÃO MONETÁRIA PASSIVA 3.790 0 1.320
DESPESAS BANCÁRIAS 0 860 0
RECEITAS FINANCEIRAS 1.320 750 1.110
VARIAÇÃO MONETÁRIA ATIVA 1.320 0 1.110
RENDIMENTO APLICAÇÕES FINANCEIRAS 0 750 0
OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS 7.525 –420 –340
RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL 8.085 0 0
PERDAS COM ESTOQUES –560 –420 –340
RESULTADO OPERACIONAL 22.080 10.497 19.719
RESULTADO ANTES DA CS E IR 22.080 10.497 19.719
CONTRIBUIÇÃO SOCIAL –1.260 –945 –1.775
PROVISÃO PARA IMPOSTO DE RENDA –1.910 –1.575 –2.958
RESULTADO ANTES DAS PARTICIPAÇÕES 18.910 7.977 14.986
DEBÊNTURES –1.891 –798 –1.499
EMPREGADOS –1.702 –718 –1.349
ADMINISTRADORES –710 –646 –1.214
LUCRO LÍQUIDO 14.607 5.815 10.924
24  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
Quadro 16	 Balanço patrimonial da controladora Delta.
BALANÇO PATRIMONIAL
CONTROLADORA DELTA
(EXERCÍCIO FINDO EM 31/12/X1)
ATIVO 31/12/X 31/12/X1 PASSIVO 31/12/X 31/12/X1
CIRCULANTE 26.530 96.894 CIRCULANTE 18.880 98.438
DISPONIBILIDADES 10.660 58.790 FORNECEDORES 6.640 58.980
CAIXA 7.090 58.220 SALÁRIOS A PAGAR 2.670 4.150
BANCOS 3.570 570 CONTAS A PAGAR 7.410 9.810
PROVISÃO DE FÉRIAS 2.160 2.730
DIREITOS REALIZÁVEIS 14.160 36.394 PROVISÃO P/ IMP. RENDA 1.910
CLIENTES 4.070 12.470 CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 1.260
ESTOQUES 8.560 19.400 PARTICIPAÇÕES A PAGAR 4.303
ADIANTAMENTO DE VIAGEM 1.530 1.530 DIVIDENDOS A PAGAR 4.379
DIVIDENDOS A RECEBER 2.994 ENCARGOS SOCIAIS A PAGAR 4.690
ICMS A PAGAR 2.426
DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE 1.710 1.710 EMPRÉSTIMO SIGMA 3.800
SEGUROS PAGOS ANTECIPADAMENTE 1.710 1.710
NÃO CIRCULANTE 10.880 13.240
FINANCIAMENTOS A PG – LP 7.350 9.710
NÃO CIRCULANTE 24.210 47.312 ALUGUÉIS RECEBIDOS ANTECIPADA-
MENTE 3.530 3.530
REALIZÁVEL A LP 1.550 9.950
EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO 1.550 3.950 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 20.980 32.528
EMPRÉSTIMO ÔMEGA 6.000
CAPITAL SOCIAL 13.690 15.580
INVESTIMENTOS 4.420 17.011 CAPITAL SUBSCRITO 15.000 15.000
PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS 4.420 17.011 CAPITAL A INTEGRALIZAR –1.310 580
IMOBILIZADO 18.240 18.731 RESERVA DE CAPITAL 0 0
IMÓVEL DE USO 20.220 20.220
DEPRECIAÇÃO ACUM. IMÓVEL DE USO –1.980 –2.789 RESERVA DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL 2.020 2.020
VEÍCULOS 1.300
RESERVAS DE LUCROS 2.920 3.311
INTANGÍVEL 0 1.620 RESERVA LEGAL 0 730
MARCAS E PATENTES 1.620 RESERVA ESTATUTÁRIA 0 1.461
RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 1.800 0
RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 1.120 1.120
LUCROS ACUMULADOS 2.350 11.617
TOTAL DO ATIVO 50.740 144.206 TOTAL PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 50.740 144.206
Consolidação das Demonstrações Financeiras  25
Quadro 17	 Balanço patrimonial da controlada Ômega.
BALANÇO PATRIMONIAL
CONTROLADA ÔMEGA
(EXERCÍCIO FINDO EM 31/12/X1)
ATIVO 31/12/X 31/12/X1 PASSIVO 31/12/X 31/12/X1
CIRCULANTE 0 75.620 CIRCULANTE 0 64.196
FORNECEDORES 0 40.836
DISPONIBILIDADES 0 36.060 SALÁRIOS A PAGAR 0 3.200
CAIXA 0 25.040 CONTAS A PAGAR 0 650
BANCOS 0 11.020 PROVISÃO P/ IMP. RENDA 0 1.575
CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 0 945
DIREITOS REALIZÁVEIS 0 38.510 PARTICIPAÇÕES A PAGAR 0 2.162
CLIENTES 0 25.650 DIVIDENDOS A PAGAR 0 1.381
ESTOQUES 0 12.420 ENCARGOS SOCIAIS A PAGAR 0 4.240
ADIANTAMENTOS FUNCIONÁRIOS 0 440 ICMS A PAGAR 0 3.207
EMPRÉSTIMO DELTA 6.000
DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE 0 1.050
SEGUROS PAGOS ANTECIPADAMENTE 0 1.050 NÃO CIRCULANTE 0 0
FINANCIAMENTOS A PG – LP 0 0
ALUGUÉIS RECEBIDOS ANTECIPADA-
MENTE 0 0
NÃO CIRCULANTE 0 510
REALIZÁVEL A LP 0 0
0 0 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0 11.934
INVESTIMENTOS 0 0 CAPITAL SOCIAL 0 7.500
PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS 0 0 CAPITAL SUBSCRITO 0 7.500
CAPITAL A INTEGRALIZAR 0 0
IMOBILIZADO 0 0
IMÓVEL DE USO 0 0 RESERVA DE CAPITAL 0 0
DEPRECIAÇÃO ACUM. IMÓVEL DE USO 0 0
VEÍCULOS 0 0 AJUSTES DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL 0 0
INTANGÍVEL 0 510 RESERVAS DE LUCROS 0 873
MARCAS E PATENTES 0 510 RESERVA LEGAL 0 291
RESERVA ESTATUTÁRIA 0 582
RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 0 0
RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 0 0
LUCROS ACUMULADOS 0 3.561
TOTAL DO ATIVO 0 76.130 TOTAL PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0 76.130
26  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
Quadro 18	 Balanço patrimonial da controlada Sigma.
BALANÇO PATRIMONIAL
CONTROLADA SIGMA
(EXERCÍCIO FINDO EM 31/12/X1)
ATIVO 31/12/X 31/12/X1 PASSIVO 31/12/X 31/12/X1
CIRCULANTE 20.440 76.370 CIRCULANTE 12.490 65.061
FORNECEDORES 6.150 40.750
DISPONIBILIDADES 6.320 26.870 SALÁRIOS A PAGAR 2.450 2.790
CAIXA 2.500 17.676 CONTAS A PAGAR 1.650 2.310
BANCOS 3.820 9.194 PROVISÃO DE FÉRIAS 2.240 2.240
PROVISÃO P/ IMP. RENDA 0 2.958
DIREITOS REALIZÁVEIS 12.550 46.950 CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 0 1.775
CLIENTES 3.610 32.880 PARTICIPAÇÕES A PAGAR 0 4.062
ESTOQUES 7.770 12.450 DIVIDENDOS A PAGAR 0 3.226
ADIANTAMENTO FUNCIONÁRIOS 1.170 1.620 ENCARGOS SOCIAIS A PAGAR 0 3.260
ICMS A PAGAR 0 1.690
DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE 1.570 2.550
SEGUROS PAGOS ANTECIPADAMENTE 1.570 2.550 NÃO CIRCULANTE 8.190 8.860
FINANCIAMENTOS A PG – LP 5.120 5.790
ALUGUÉIS RECEBIDOS ANTECIPADA-
MENTE 3.070 3.070
NÃO CIRCULANTE 9.080 14.089
REALIZÁVEL A LP 1.610 6.350 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 8.840 16.538
EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO 1.610 2.550
EMPRÉSTIMO DELTA 0 3.800 CAPITAL SOCIAL 4.330 4.330
CAPITAL SUBSCRITO 4.330 4.330
INVESTIMENTOS 3.170 3.170 CAPITAL A INTEGRALIZAR 0 0
PARTICIPAÇÕES OUTRAS EMP. 3.170 3.170
RESERVA DE CAPITAL 0 0
IMOBILIZADO 4.300 4.009
IMÓVEL DE USO 7.270 7.270 AJUSTES DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL 0 0
DEPRECIAÇÃO ACUM. IMÓVEL DE USO –2.970 –3.261
VEÍCULOS 0 0 RESERVAS DE LUCROS 2.840 4.432
RESERVA LEGAL 0 546
INTANGÍVEL 0 560 RESERVA ESTATUTÁRIA 0 1.092
MARCAS E PATENTES 0 560 RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 1.670 1.670
RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 1.170 1.124
LUCROS ACUMULADOS 1.670 7.776
TOTAL DO ATIVO 29.520 90.459 TOTAL PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 29.520 90.459
Consolidação das Demonstrações Financeiras  27
Quadro 19	 DELPA das companhias Delta, Ômega e Sigma.
DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS
DELTA ÔMEGA SIGMA
SALDO NO INÍCIO DO PERÍODO 2.350 0 1.670
AJUSTE DE EXERCÍCIO ANTERIOR –570 0 0
SALDO AJUSTADO 1.780 0 1.670
REVERSÃO DE RESERVAS 1.800 0 46
RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 1.800 0 0
RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 0 0 46
RESERVA DE REAVALIAÇÃO 0 0 0
LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO 14.607 5.815 10.924
SALDO A DISPOSIÇÃO DA AGO/E 18.187 5.815 12.640
DESTINAÇÕES –6.570 –2.254 –4.864
RESERVA LEGAL 730 291 546
DIVIDENDO PREFERENCIAL 480 0 620
DIVIDENDO ORDINÁRIO 3.899 1.381 2.606
RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 0 0 0
RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 0 0 0
RESERVA ESTATUTÁRIA 1.461 582 1.092
SALDO NO FINAL DO PERÍODO 11.617 3.561 7.776
28  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
Quadro 20	 Fluxo de caixa das companhias Delta, Ômega e Sigma.
DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DELTA ÔMEGA SIGMA
FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS:
LUCRO LÍQUIDO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA E CONT. SOCIAL 17.777 8.335 15.657
AJUSTADO POR:
RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL –8.085 0 0
DESPESAS COM DEPRECIAÇÃO 809 0 291
VARIAÇÃO MONETÁRIA ATIVA DO RLP –1.320 0 –1.110
VARIAÇÃO MONETÁRIA PASSIVA DO ELP 3.790 0 1.320
RESULTADO DO PERÍODO AJUSTADO 12.971 8.335 16.158
REDUÇÃO (AUMENTO) NAS CONTAS A RECEBER –8.400 –26.090 –29.720
REDUÇÃO (AUMENTO) NOS ESTOQUES –10.840 –12.420 –4.680
REDUÇÃO (AUMENTO) NAS DESP. EXERCÍCIO SEGUINTE 0 –1.050 –980
AUMENTO (REDUÇÃO) NO CONTAS A PAGAR 67.639 54.295 44.612
CAIXA GERADO PELAS OPERAÇÕES 61.370 23.070 25.390
JUROS PAGOS 0 0 0
IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PAGOS 0 0 0
CAIXA LÍQUIDO PROVENIENTE DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS 61.370 23.070 25.390
FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS:
RECEBIMENTO DE EMPRÉSTIMOS FEITOS A TERCEIROS 560 0 730
EMPRÉSTIMOS FEITOS A TERCEIROS –7.640 0 –4.360
AQUISIÇÃO DE IMOBILIZADO –1.300 0 0
AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS –7.500 0 0
AQUISIÇÃO DE INTANGÍVEL –1.620 –510 –560
CAIXA LÍQUIDO USADO NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO –17.500 –510 –4.190
FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS:
DISTRIBUIÇÃO DE DIVIDENDOS 0 0 0
INTEGRALIZAÇÕES DE CAPITAL 1.890 7.500 0
CAIXA RECEBIDO DE FINANCIAMENTOS A PAGAR 4.770 6.000 1.480
PAGAMENTOS DE FINANCIAMENTOS A PAGAR –2.400 0 –2.130
CAIXA LÍQUIDO USADO NAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO 4.260 13.500 –650
AUMENTO LÍQUIDO DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 48.130 36.060 20.550
CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO INÍCIO DO PERÍODO 10.660 0 6.320
CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO FINAL DO PERÍODO 58.790 36.060 26.870
Consolidação das Demonstrações Financeiras  29
Essas demonstrações, apresentadas nos Quadros 15 a 20, servem de base
para os relatórios consolidados que serão vistos a seguir. Entretanto, antes de se
proceder à consolidação, torna-se necessário que primeiramente sejam efetuados
os ajustes requeridos por tal processo, de acordo com o exposto anteriormente,
que estão evidenciados no Quadro 21.
Quadro 21	 Registros de eliminação na consolidação proporcional.
COMPANHIA DELTA E CONTROLADAS
RESUMO DOS LANÇAMENTOS DE ELIMINAÇÕES
NO do REGISTRO HISTÓRICO/REGISTRO DÉBITO CRÉDITO
D – FORNECEDORES (ÔMEGA) 8.400
C – CLIENTES (DELTA) 8.400
– 1 D – RECEITA DE VENDAS (DELTA) 8.400
C – CMV (DELTA) 4.200
C – ESTOQUES (ÔMEGA) 4.200
– 2 D – IMPOSTOS DIFERIDOS 1.008
C – PROVISÃO IMPOSTO DE RENDA 630
C – CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 378
– 3 D – EMPRÉSTIMOS DELTA (ÔMEGA) 6.000
C – EMPRÉSTIMOS ÔMEGA (DELTA) 6.000
– 4 D – EMPRÉSTIMOS SIGMA (DELTA) 1.900
C – EMPRÉSTIMOS DELTA (SIGMA) 1.900
D – FORNECEDORES(DELTA) 7.000
– 5 C – CLIENTES (SIGMA) 7.000
D – RECEITA DE VENDAS (SIGMA) 7.000
C – CMV (SIGMA) 3.600
C – CMV (DELTA) 3.400
D – DIVIDENDOS A PAGAR (ÔMEGA) 1.381
– 6 D – DIVIDENDOS A PAGAR (SIGMA) 1.613
C – DIVIDENDOS A RECEBER (DELTA) 2.994
D – CAPITAL SUBSCRITO (ÔMEGA) 7.500
– 7 D – RESERVA LEGAL (ÔMEGA) 291
D – RESERVA ESTATUTÁRIA (ÔMEGA) 582
D – LUCROS ACUMULADOS (ÔMEGA) 3.561
C – PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS (DELTA) 8.742
C – RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL 3.192
D – CAPITAL SUBSCRITO (SIGMA) 2.165
D – RESERVA LEGAL (SIGMA) 273
– 8 D – RESERVA ESTATUTÁRIA (SIGMA) 546
D – RESERVA DE LUCROS A REALIZAR (SIGMA) 562
D – RESERVA DE CONTINGÊNCIAS (SIGMA) 835
D – LUCROS ACUMULADOS (SIGMA) 3.888
C – PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS (DELTA) 8.269
30  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
O Quadro 21 apresenta os registros de eliminação que devem ser feitos na
consolidação, pelos motivos apresentados a seguir:
1.	 Refere-se à aquisição de mercadorias da empresa Ômega junto à contro-
ladora Delta, pelo valor de $ 8.400 a prazo, gerando um direito (clientes)
na controladora e uma obrigação na controlada (fornecedores), devendo,
portanto, tais valores ser eliminados das demonstrações consolidadas.
Além disso, como se trata de venda entre as companhias do grupo,
é necessário eliminar a receita de vendas da controladora e o respectivo
custo, tanto na controladora quanto na controlada. Entretanto, esse ajuste
direto ocorreria somente se as mercadorias já tivessem sido vendidas a
terceiros. Como as mercadorias ainda estão no estoque da controlada, é
necessário ainda eliminar o lucro remanescente em seu estoque, no caso,
a diferença entre $ 8.400 (preço de venda) e $ 4.200 (preço de custo).
2.	Esse ajuste refere-se ao Imposto de Renda e Contribuição Social inci-
dentes sobre o lucro não realizado, que devem ser reclassificados nas
demonstrações financeiras consolidadas, e correspondem a 15% e 9%,
respectivamente, do valor do lucro não realizado, que é de $ 4.200, re-
sultando num valor de $ 1.008; consequentemente, o lucro não realizado
líquido é de $ 3.192 (4.200 – 1.008).
3.	Esse ajuste refere-se ao empréstimo concedido por Delta a Ômega, ge-
rando um direito na primeira e uma obrigação na última, que devem ser
eliminados na consolidação.
4.	O presente ajuste também se relaciona à concessão de empréstimo, só
que este concedido por Sigma a Delta, igualmente gerando um direito
na primeira e uma obrigação na última, que devem ser eliminados na
consolidação, proporcionalmente à participação de Delta em Sigma.
5.	 Refere-se à aquisição de mercadorias da empresa Delta junto à controlada
Sigma, pelo valor de $ 14.000 a prazo, gerando um direito (clientes) na
controlada e uma obrigação na controladora (fornecedores), devendo,
portanto, ser eliminados proporcionalmente nas demonstrações conso-
lidadas, ou seja, $ 7.000 (14.000 × 50%).
Adicionalmente, como se trata de venda entre as companhias do gru-
po, é necessário eliminar a receita de vendas da controlada e o respectivo
custo proporcionalmente, tanto na controladora quanto na controlada.
Uma vez que as mercadorias já foram vendidas a terceiros, é necessário
eliminar a receita de vendas e o custo parcial da controlada, além da parte
do custo que está registrada na controladora, a fim de se evidenciar so-
mente o lucro efetivamente realizado com terceiros.
6.	 Os dividendos propostos foram calculados nas duas controladas, Ômega e
Sigma, gerando uma obrigação nas duas companhias e, em contrapartida,
Consolidação das Demonstrações Financeiras  31
gerando um direito na controladora Delta, devendo então ser eliminados
por não se tratar de direitos ou obrigações junto a terceiros.
	   O valor do dividendo na controlada Ômega, $ 1.381, está evidenciado
na demonstração de lucros ou prejuízos acumulados (DELPA), apresenta-
da no Quadro 19; o valor relativo à controlada Sigma, $ 1.613, também
está evidenciado na DELPA apresentada no Quadro 19 ($ 3.226 × 50%).
Esses valores também constam no balanço patrimonial das controladas
apresentados nos Quadros 17 e 18. Já o valor dos dividendos a receber,
na controladora, no valor de $ 2.994 pode ser observado no balanço
patrimonial apresentado no Quadro 16.
7.	 Refere-se à eliminação do investimento da controladora Delta na contro-
lada Ômega. Por tratar-se de subsidiária integral, todo o valor do patri-
mônio líquido da mesma deve ser eliminado, ou seja, $ 11.934, conforme
demonstrado no seu balanço patrimonial, no Quadro 17. Além disso,
como na demonstração individual da controladora já foi considerado o
lucro não realizado na operação descendente (downstream), de $ 3.192
(4.200 – 1.008), deve-se creditar esse valor na conta de Resultado de
Equivalência Patrimonial, conforme demonstrado no seu balanço patri-
monial, no Quadro 21.
8.	 Refere-se à eliminação do investimento da controladora Delta na contro-
lada com controle compartilhado Sigma. Como o percentual de participa-
ção é de 50%, esse mesmo percentual deve ser aplicado sobre o valor do
patrimônio líquido de Sigma. Conforme pode ser observado no balanço
patrimonial da companhia, no Quadro 18, o valor do patrimônio líquido
é de $ 16.538; 50% corresponde ao valor de $ 8.269. Assim, devem ser
eliminadas todas as contas do patrimônio líquido de acordo com esse
percentual. É importante destacar que no caso de controle compartilhado
não existem as participações de não controladores.
Após os referidos ajustes, deve-se elaborar a demonstração do resultado do
exercício consolidada, que é obtida através do somatório das demonstrações indi-
viduais da controladora Delta e da controlada Ômega, bem como do valor propor-
cional (50%) na controlada compartilhada Sigma, adicionando ou excluindo os
ajustes de eliminação apresentados anteriormente, de acordo com o apresentado
no Quadro 21.
32  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
Quadro 22	 Demonstração do resultado do exercício consolidada proporcionalmente.
COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS
CONSOLIDAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO
Discriminação
das Contas
Saldos DRE Eliminações
Consolidação
Saldos
Consolidados
Controladora
DELTA
Controlada
ÔMEGA
Controlada
SIGMA D C
RECEITA BRUTA 72.560 51.300 58.540 15.400 137.730
DEDUÇÕES DE VENDAS –8.707 –8.721 –7.572 –21.214
ICMS SOBRE VENDAS 8.707 8.721 7.572 21.214
RECEITA LÍQUIDA 63.853 42.579 50.968 116.516
CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS –34.659 –22.482 –23.698 11.200 –57.790
LUCRO BRUTO 29.194 20.097 27.270 58.726
DESPESAS COM VENDAS –4.749 –4.220 –3.171 –10.555
DESPESAS COM PESSOAL 3.940 3.240 2.880 8.620
DEPRECIAÇÃO 809 0 291 955
ALUGUÉIS 0 980 980
DESPESAS ADMINISTRATIVAS –7.420 –4.850 –3.830 –14.185
DESPESAS COM PESSOAL 4.900 4.200 3.170 10.685
DESPESAS MATERIAL DE EXPEDIENTE 2.520 650 660 3.500
DESPESAS FINANCEIRAS –3.790 –860 –1.320 –5.310
VARIAÇÃO MONETÁRIA PASSIVA 3.790 1.320 4.450
DESPESAS BANCÁRIAS 860 860
RECEITAS FINANCEIRAS 1.320 750 1.110 2.625
VARIAÇÃO MONETÁRIA ATIVA 1.320 1.110 1.875
RENDIMENTO APLICAÇÕES FINANCEIRAS 750 750
OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS 7.525 –420 –340 11.277 3.192 –1.150
RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL 8.085 0 0 11.277 3.192 0
PERDAS COM ESTOQUES –560 –420 –340 –1.150
RESULTADO OPERACIONAL 22.080 10.497 19.719 30.151
RESULTADO ANTES DA CS E IR 22.080 10.497 19.719 30.151
CONTRIBUIÇÃO SOCIAL –1.260 –945 –1.775 378 –2.715
PROVISÃO PARA IMPOSTO DE RENDA –1.910 –1.575 –2.958 630 –4.334
RESULTADO ANTES DAS PARTICIPAÇÕES 18.910 7.977 14.986 23.102
DEBÊNTURES –1.891 –798 –1.499 –3.438
EMPREGADOS –1.702 –718 –1.349 –3.094
ADMINISTRADORES –710 –646 –1.214 –1.963
LUCRO LÍQUIDO DO PERÍODO 14.607 5.815 10.924 14.607
LUCRO LÍQUIDO CONSOLIDADO 14.607
15.400 15.400
Consolidação das Demonstrações Financeiras  33
Em relação ao Quadro 22 é importante observar que o lucro líquido consoli-
dado, $ 14.607, é idêntico ao lucro líquido da controladora Delta, $ 14.607, ou
seja, de forma similar ao que ocorre na consolidação plena, porém, não é desta-
cada a participação de não controladores, que é distribuída em todas as contas da
demonstração do resultado do exercício.
Já o valor do lucro não realizado é obtido através do cálculo apresentado na
Figura 2.
Valor de venda	 $ 	 8.400
Custo da venda	 $ 	(4.200)
Lucro bruto	 $ 	 4.200
Tributos diferidos	 $ 	(1.008)
Lucro não realizado	 $ 	 3.192
Figura 2  Cálculo do lucro não realizado.
O passo seguinte é o da elaboração do balanço patrimonial consolidado, que é
obtido através do somatório das demonstrações individuais da controladora Delta
e da controlada Ômega, bem como do valor proporcional (50%) da controlada
compartilhada Sigma, adicionando ou excluindo os ajustes de eliminação apre-
sentados anteriormente, conforme o apresentado nos Quadros 23 e 24.
34  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
Quadro 23	 Balanço patrimonial (ativo) consolidado proporcionalmente.
COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS
CONSOLIDAÇÃO DO ATIVO
Discriminação das Contas
Saldos Balanço Eliminações
Consolidação Saldos
ConsolidadosControladora
DELTA
Controlada
ÔMEGA
Controlada
SIGMA D C
ATIVO
CIRCULANTE 96.894 75.620 76.370 0 22.594 188.105
DISPONIBILIDADES 58.790 36.060 26.870 108.285
CAIXA 57.110 25.040 17.676 90.988
BANCOS 1.680 11.020 9.194 17.297
DIREITOS REALIZÁVEIS 36.394 38.510 46.950 0 22.594 75.785
CLIENTES 12.470 25.650 32.880 15.400 39.160
ESTOQUES 19.400 12.420 12.450 4.200 33.845
ADIANTAMENTO FUNCIONÁRIOS 1.530 440 1.620 2.780
DIVIDENDOS A RECEBER 2.994 0 0 2.994 0
DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE 1.710 1.050 2.550 4.035
SEGUROS PAGOS ANTECIPADAMENTE 1.710 1.050 2.550 4.035
NÃO CIRCULANTE 47.312 510 14.089 1.008 24.911 30.963
REALIZÁVEL A LP 9.950 0 6.350 1.008 7.900 6.233
EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO 3.950 0 2.550 5.225
EMPRÉSTIMO ÔMEGA 6.000 0 0 6.000 0
EMPRÉSTIMO DELTA 0 0 3.800 1.900 0
IMPOSTOS DIFERIDOS 1.008 1.008
INVESTIMENTOS 17.011 0 3.170 17.011 1.585
PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS 17.011 0 0 17.011 0
PARTICIPAÇÕES OUTRAS EMPRESAS 0 0 3.170 1.585
IMOBILIZADO 18.731 0 4.009 20.735
IMÓVEL DE USO 20.220 0 7.270 23.855
DEPRECIAÇÃO ACUM. IMÓVEL DE USO –2.789 0 –3.261 –4.420
VEÍCULOS 1.300 0 0 1.300
INTANGÍVEL 1.620 510 560 2.410
MARCAS E PATENTES 1.620 510 560 2.410
TOTAL DO ATIVO 144.206 76.130 90.459 1.008 47.505 219.068
Consolidação das Demonstrações Financeiras  35
Quadro 24	 Balanço patrimonial (passivo) consolidado proporcionalmente.
COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS
CONSOLIDAÇÃO DO PASSIVO
Discriminação das Contas
Saldos Balanço Eliminações
Consolidação Saldos
ConsolidadosControladora
DELTA
Controlada
ÔMEGA
Controlada
SIGMA D C
PASSIVO
CIRCULANTE 98.438 64.196 65.061 26.294 168.870
FORNECEDORES 58.980 40.836 40.750 15.400 104.791
SALÁRIOS A PAGAR 4.150 3.200 2.790 8.745
CONTAS A PAGAR 9.810 650 2.310 11.615
PROVISÃO DE FÉRIAS 2.730 2.240 3.850
PROVISÃO P/ IMP. RENDA 1.910 1.575 2.958 4.964
CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 1.260 945 1.775 3.092
PARTICIPAÇÕES A PAGAR 4.303 2.162 4.062 8.496
DIVIDENDOS A PAGAR 4.379 1.381 3.226 2.994 4.379
ENCARGOS SOCIAIS A PAGAR 4.690 4.240 3.260 10.560
ICMS A PAGAR 2.426 3.207 1.690 6.478
EMPRÉSTIMO DELTA 0 6.000 0 6.000 0
EMPRÉSTIMO SIGMA 3.800 0 0 1.900 1.900
NÃO CIRCULANTE 13.240 0 8.860 17.670
FINANCIAMENTOS A PAGAR – LP 9.710 0 5.790 12.605
ALUGUÉIS RECEBIDOS ANTECIPADAMENTE 3.530 0 3.070 5.065
PATRIMÔNIO LIQUIDO 32.528 11.934 16.538 20.203 0 32.528
CAPITAL SUBSCRITO 15.000 7.500 4.330 9.665 15.000
CAPITAL A INTEGRALIZAR 580 0 0 0 580
RESERVA DE CAPITAL 0 0 0 0 0
RESERVA DE REAVALIAÇÃO 2.020 0 0 0 2.020
RESERVAS DE LUCROS 3.311 873 4.432 3.089 3.311
RESERVA LEGAL 730 291 546 564 730
RESERVA ESTATUTÁRIA 1.461 582 1.092 1.128 1.461
RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 0 0 1.670 835 0
RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 1.120 0 1.124 562 1.120
LUCROS ACUMULADOS 11.617 3.561 7.776 7.449 11.617
TOTAL DO PASSIVO E DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 144.206 76.130 90.459 46.497 0 219.068
36  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
Em relação ao Quadro 24, é importante ressaltar que o ajuste na conta de
lucros acumulados no valor de $ 7.449 é obtido pelo somatório do valor da conta
de lucros acumulados da controlada Ômega, $ 3.561, e da conta de lucros acu-
mulados proporcional da controlada Sigma, $ 3.888 (7.776 × 50%).
Já a evolução do patrimônio líquido consolidado é obtida através do balanço
patrimonial consolidado, que, conforme abordado na parte teórica, é idêntico ao
patrimônio da controladora, $ 32.528, já que, a partir da Interpretação Técnica
ICPC 09, o lucro não realizado em operações descendentes é considerado no cálculo
da equivalência patrimonial, conforme evidenciado no Quadro 25.
Quadro 25	 Evolução do patrimônio consolidado.
COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS
DEMONSTRAÇÃO DA EVOLUÇÃO DO
PATRIMÔNIO LÍQUIDO DOS ACIONISTAS
SALDO NO INÍCIO DO PERÍODO 20.980
AJUSTES DE EXERCÍCIOS ANTERIORES – 570
LUCRO LIQUIDO CONSOLIDADO 14.607
INTEGRALIZAÇÃO DE CAPITAL 1.890
DIVIDENDOS DISTRIBUÍDOS – 4.379
SALDO NO FINAL DO PERÍODO 32.528
A seguir, deve-se elaborar a demonstração do fluxo de caixa consolidado, atra-
vés da utilização das demais demonstrações consolidadas, bem como dos papéis
de trabalho de movimentação do passivo não circulante e do realizável a longo
prazo, de acordo com o apresentado nos Quadros 26 e 27.
Consolidação das Demonstrações Financeiras  37
Quadro 26	 Movimentação do passivo não circulante.
Contas
Saldo
inicial
Entradas Saídas
Variação
monetária
Ajustes
eliminação
Saldo final
Passivo Não Circulante 14.975 1.710 3.465 4.450 0 14.765
Delta 10.880 970 2.400 3.790 0 13.240
Sigma 4.095 740 1.065 660 0 4.430
Em relação ao Quadro 26, é importante destacar que o saldo inicial de $ 14.975
é obtido pelo somatório do saldo inicial das contas do Passivo Não Circulante da
controladora Delta, da controlada Ômega e do saldo proporcional das contas da
controlada compartilhada Sigma [10.880 + 0 + (8.190 × 50%)], esse mesmo
tratamento deve ser dado às entradas, saídas e para variação monetária.
Quadro 27	 Movimentação do realizável a longo prazo.
Contas
Saldo
inicial
Entradas Saídas
Variação
monetária
Ajustes
eliminação
Saldo final
Realizável a LP 2.355 9.820 925 1.875 7.900 5.225
Delta 1.550 7.640 560 1.320 6.000 3.950
Sigma 805 2.180 365 555 1.900 1.275
Em relação ao Quadro 27, é importante destacar que o saldo inicial de $ 2.355
é obtido pelo somatório do saldo inicial das contas do Realizável a Longo Prazo
da controladora Delta, da controlada Ômega e do saldo proporcional das contas
da controlada compartilhada Sigma [1.550 + 0 + (1.610 × 50%)]; esse mesmo
tratamento deve ser dado às entradas, saídas e para variação monetária.
Com base nas informações fornecidas nos Quadros 26 e 27, na demonstração
do resultado consolidada, na demonstração da evolução do patrimônio líquido
consolidado e no balanço patrimonial consolidado, bem como nos balanços patri-
moniais e nas demonstrações de fluxo de caixa individuais em relação aos saldos
iniciais e movimentação do ativo não circulante, respectivamente, elabora-se a de-
monstração de fluxo de caixa consolidado, conforme o apresentado no Quadro28.
38  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
Quadro 28	 Demonstração do fluxo de caixa consolidado proporcionalmente.
COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS
DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA CONSOLIDADO
FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS: 215.926
1) LUCRO LÍQUIDO ANTES DO IMP. RENDA E CONT. SOCIAL 21.656
AJUSTADO POR:
2) RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL 0
3) DESPESAS COM DEPRECIAÇÃO 955
4) VARIAÇÃO MONETÁRIA ATIVA DO RLP –1.875
5) VARIAÇÃO MONETÁRIA PASSIVA DO ELP 4.450
6) RESULTADO DO PERÍODO AJUSTADO 25.185
7) REDUÇÃO (AUMENTO) NAS CONTAS A RECEBER –33.950
8) REDUÇÃO (AUMENTO) NOS ESTOQUES –21.400
9) REDUÇÃO (AUMENTO) NAS DESP. EXERCÍCIO SEGUINTE –1.540
10) AUMENTO (REDUÇÃO) NO CONTAS A PAGAR 128.840
11) CAIXA GERADO PELAS OPERAÇÕES 97.135
12) JUROS PAGOS 0
13) IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PAGOS 0
14) CAIXA LÍQUIDO PROVENIENTE DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS 97.135
FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS:
15) RECEBIMENTO DE EMPRÉSTIMOS FEITOS A TERCEIROS 925
16) EMPRÉSTIMO FEITOS A TERCEIROS –1.920
17) AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS –7.500
18) AQUISIÇÃO DE IMOBILIZADO –1.300
19) AQUISIÇÃO DE INTANGÍVEIS –2.410
20) CAIXA LÍQUIDO USADO NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO –12.205
FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS:
21) DISTRIBUIÇÃO DE DIVIDENDOS 0
22) INTEGRALIZAÇÕES DE CAPITAL 9.390
23) CAIXA RECEBIDO DE FINANCIAMENTOS A PAGAR 3.610
24) PAGAMENTOS DE FINANCIAMENTOS A PAGAR –3.465
25) CAIXA LÍQUIDO PROVENIENTE DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO 9.535
26) AUMENTO LÍQUIDO DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 94.465
27) CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO INÍCIO DO PERÍODO 13.820
28) CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO FINAL DO PERÍODO 108.285
Consolidação das Demonstrações Financeiras  39
Em relação ao Quadro 28, no qual os itens que compõem a demonstração do
fluxo de caixa consolidado foram numerados, seus valores são obtidos, conforme
mencionado anteriormente, a partir das demais demonstrações consolidadas e
individuais, de acordo com o evidenciado a seguir:
(1)	 o lucro líquido antes do Imposto de Renda e da Contribuição Social pode ser
obtido diretamente na demonstração do resultado do exercício consolidado,
no entanto, como nesse caso foram elaboradas demonstrações contábeis de
acordo com a legislação societária, é necessário retirar o efeito das partici-
pações que de acordo com as normas pelo CPC são distribuídas nas despesas
operacionais e financeiras, ou seja, o valor de $ 21.656 é obtido pelo somató-
rio entre o lucro líquido consolidado e o Imposto de Renda e a Contribuição
Social ($ 14.607 + $ 2.715 + $ 4.334);
(2)	 o resultado da equivalência patrimonial também pode ser obtido diretamente
na demonstração do resultado do exercício consolidado, contudo o seu valor
é zero, pois a equivalência patrimonial representa o lucro ou prejuízo obtido
pela investidora de acordo com o percentual de participação no capital que
ela possui em cada investida em relação ao lucro destas; consequentemente,
como na demonstração do resultado do exercício consolidada os resultados
das empresas são somados, ocorre uma duplicidade que é sanada através da
eliminação do resultado de equivalência patrimonial;
(3)	 a depreciação pode ser obtida diretamente na demonstração do resultado
do exercício consolidado;
(4)	 a variação monetária do realizável a longo prazo é obtida diretamente no
papel de trabalho da movimentação do realizável a longo prazo. Esse valor,
por sua vez, é obtido pelo somatório das variações monetárias ativas de
longo prazo da controladora Delta e da controlada Ômega, bem como do
valor proporcional (50%) da controlada Sigma, ou seja, $ 1.875 [1.320 +
0 + (1.100 × 50%)], obtidos, mais facilmente, nas demonstrações de fluxo
de caixa individuais;
(5)	 a variação monetária do passivo não circulante é obtida diretamente no
papel de trabalho da movimentação do passivo não circulante. Esse valor,
por sua vez, é obtido pelo somatório das variações monetárias passivas de
longo prazo da controladora Delta e da controlada Ômega, bem como do
valor proporcional (50%) da controlada Sigma, ou seja, $ 4.450 [3.790 +
0+ (1.320/2)], obtidos, mais facilmente, nas demonstrações de fluxo de
caixa individuais;
(6)	 o resultado do período ajustado é obtido pela diferença entre o lucro líquido
antes do Imposto de Renda e da Contribuição Social e o somatório dos ajustes;
(7)	 a redução ou aumento nas contas a receber refletem a movimentação ocorrida
nas contas a receber no período (nesse caso, clientes e adiantamentos), que é
40  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
obtida nos balanços patrimoniais individuais (saldos iniciais), considerando-
-se a totalidade de seus valores em relação à controladora Delta e à controlada
Ômega e o valor proporcional (50%) da controlada Sigma, bem como no
balanço patrimonial consolidado (saldo final);
(8)	 a redução ou aumento nos estoques refletem a movimentação ocorrida nos
estoques no período, considerando-se a totalidade de seus valores em relação
à controladora Delta e à controlada Ômega e o valor proporcional (50%)
da controlada Sigma, que são obtidos nos balanços patrimoniais individuais
(saldo inicial) e no consolidado (saldo final);
(9)	 a redução ou aumento nas despesas do exercício seguinte refletem a mo-
vimentação ocorrida nesse grupo do ativo no período, considerando-se a
totalidade de seus valores em relação à controladora Delta e à controlada
Ômega e o valor proporcional (50%) da controlada Sigma, que são obtidos
nos balanços patrimoniais individuais (saldo inicial) e no consolidado (saldo
final);
(10)	a redução ou aumento no contas a pagar reflete a movimentação ocorrida
no passivo circulante no período (exceto financiamentos a pagar e Imposto
de Renda e Contribuição Social a pagar), considerando-se a totalidade de
seus valores em relação à controladora Delta e à controlada Ômega e o va-
lor proporcional (50%) da controlada Sigma, que são obtidos nos balanços
patrimoniais individuais (saldo inicial) e no consolidado (saldo final). Além
disso, deve ser diminuído o valor dos dividendos a pagar e dos ajustes de
exercícios anteriores, pois os mesmos não geraram movimentação no caixa;
(11)	o caixa gerado pelas operações é obtido pela diferença entre o resultado do
período ajustado e os aumentos ou reduções dos ativos e passivos circulantes,
exceto as disponibilidades;
(12)	os juros pagos são obtidos diretamente no razão contábil das contas sujeitas
a esse encargo;
(13)	os valores do Imposto de Renda e Contribuição Social pagos são obtidos
diretamente no razão contábil da conta de Provisão para Imposto de Renda
e Contribuição Social a pagar;
(14)	o valor do caixa líquido das atividades operacionais é obtido pela diferença
entre o valor do caixa gerado pelas operações e os juros, Imposto de Renda
e Contribuição Social pagos;
(15)	os recebimentos de empréstimos feitos a terceiros, nesse caso, estão repre-
sentados pela conta de Empréstimos Compulsórios, cujos valores são obtidos
diretamente no papel de trabalho da movimentação do realizável a longo
prazo, $ 925 [560 + 0 + (730/2)];
(16)	os empréstimos feitos a terceiros, nesse caso, estão representados pela conta
de Empréstimos Compulsórios, cujos valores são obtidos diretamente no papel
Consolidação das Demonstrações Financeiras  41
de trabalho da movimentação do realizável a longo prazo, $ 1.920 [1.640 +
0 + (4.360/2)] – 6.000 – (3.800/2);
(17)	as aquisições de imobilizado, $ 1.300, podem ser obtidas diretamente nas
demonstrações de fluxo de caixa individuais;
(18)	as aquisições de investimentos, $ 7.500, podem ser obtidas diretamente nas
demonstrações de fluxo de caixa individuais;
(19)	as aquisições de intangível podem ser obtidas diretamente nas demonstra-
ções de fluxo de caixa individuais, através do somatório dos aumentos do
ativo intangível, considerando-se a totalidade de seus valores em relação à
controladora Delta e à controlada Ômega e o valor proporcional, (50%), da
controlada Sigma, ou seja, $ 2.410 [1.620 + 510+ (1.120 × 50%)];
(20)	o caixa líquido usado nas atividades de investimentos é obtido pela soma
algébrica das aquisições e baixas do ativo não circulante no período;
(21)	os dividendos distribuídos podem ser obtidos diretamente no razão contábil
da conta Dividendos a Pagar, no entanto, seu valor é igual a zero, haja vista
que o dividendo ainda não foi pago;
(22)	as integralizações de capital podem ser obtidas diretamente nas demonstra-
ções de fluxo de caixa individuais, isto é, $ 9.390 (1.890 + 7.500 + 0);
(23)	 o caixa recebido de financiamentos a pagar é representado, nesse caso, pelos
aumentos do passivo não circulante e são obtidos diretamente no papel de
trabalho da movimentação do passivo não circulante. Esse valor, por sua
vez, é obtido pelo somatório dos aumentos dos passivos não circulantes da
controladora Delta e da controlada Ômega, bem como do valor proporcional
(50%) da controlada Sigma, ou seja, $ 3.610 [970 + 0 + (1.480 × 50%)
+ 1.900], obtidos, mais facilmente, nas demonstrações de fluxo de caixa
individuais;
(24)	os pagamentos de financiamentos a pagar representados pelas reduções
do passivo não circulante são obtidos diretamente no papel de trabalho da
movimentação do passivo não circulante. Esse valor, por sua vez, é obtido
pelo somatório das reduções dos passivos circulantes da controladora Delta
e da controlada Ômega, bem como do valor proporcional (50%) da contro-
lada Sigma, ou seja, $ 3.465 [3.790 + 0 + (1.320 × 50%)], obtidos, mais
facilmente, nas demonstrações de fluxo de caixa individuais;
(25)	o caixa líquido proveniente das atividades de financiamento é obtido pela
soma algébrica dos ingressos e desembolsos, originados no período, em de-
corrência do aporte e devoluções ou pagamentos de capitais próprios e de
terceiros, isto é, do passivo não circulante e patrimônio líquido, bem como
de financiamentos a pagar;
42  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes
(26)	o aumento líquido de caixa e equivalente de caixa é obtido pela diferença
entre o saldo de caixa e equivalentes de caixa no final do período e o seu
saldo inicial;
(27)	o valor do caixa e equivalente de caixa no início do período pode ser obtido
diretamente nos balanços patrimoniais individuais, através do somatório das
disponibilidades no início do período da controladora Delta e da controlada
Ômega, bem como do valor proporcional (50%) da controlada Sigma, ou
seja, $ 13.820 [10.660 + 0 + (6.320 × 50%)];
(28)	o valor do caixa e equivalente de caixa no final do período ($ 108.285) pode
ser obtido diretamente no balanço patrimonial consolidado.
Além dos ajustes apresentados anteriormente, essa demonstração pode ser
aperfeiçoada através da realização dos ajustes referentes a operações não caixa
do passivo circulante e do ativo circulante (exceto disponibilidades).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os seguros e os riscos como compreendê-los
Os seguros e os riscos   como compreendê-losOs seguros e os riscos   como compreendê-los
Os seguros e os riscos como compreendê-los
Universidade Federal Fluminense
 
Uso do Solver do Excel na resolução de problemas de pesquisa operacional
Uso do Solver do Excel na resolução de problemas de pesquisa operacionalUso do Solver do Excel na resolução de problemas de pesquisa operacional
Uso do Solver do Excel na resolução de problemas de pesquisa operacional
Toshiaki Saito Filho
 
Endividamento
EndividamentoEndividamento
Endividamento
eliboro
 
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixaPalestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
Universidade de Pernambuco
 
Dmpl e dlpa
Dmpl e dlpaDmpl e dlpa
Dmpl e dlpa
simuladocontabil
 
A Importância da Contabilidade
A Importância da ContabilidadeA Importância da Contabilidade
A Importância da Contabilidade
Soma Contabilidades
 
Demonstração de resultados - Portuguese Architect
Demonstração de resultados - Portuguese ArchitectDemonstração de resultados - Portuguese Architect
Demonstração de resultados - Portuguese Architect
miguelpmelo
 
Dre
DreDre
Contabilidade gerencial- Professor Danilo Pires
Contabilidade gerencial- Professor Danilo PiresContabilidade gerencial- Professor Danilo Pires
Contabilidade gerencial- Professor Danilo Pires
Danilo Pires
 
Modelo de plano de contas
Modelo de plano de contasModelo de plano de contas
Modelo de plano de contas
Fafá Mota
 
Encerramento das contas de resultado
Encerramento das contas de resultadoEncerramento das contas de resultado
Encerramento das contas de resultado
razonetecontabil
 
Aprenda a usar a HP-12C
Aprenda a usar a HP-12CAprenda a usar a HP-12C
Aprenda a usar a HP-12C
seligacorretor
 
Fontes de financiamento de curto prazo
Fontes de financiamento de curto prazoFontes de financiamento de curto prazo
Fontes de financiamento de curto prazo
Universidade Pedagogica
 
Planejamento financeiro pessoal e familiar
Planejamento financeiro pessoal e familiarPlanejamento financeiro pessoal e familiar
Planejamento financeiro pessoal e familiar
Ronilson Sousa
 
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
Milton Henrique do Couto Neto
 
Matemática Financeira
Matemática FinanceiraMatemática Financeira
Matemática Financeira
elliando dias
 
Administração financeira análise de balanços
Administração financeira   análise de balançosAdministração financeira   análise de balanços
Administração financeira análise de balanços
Kleber Mantovanelli
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 05
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 05Exercicios resolvidos contabilidade   aula 05
Exercicios resolvidos contabilidade aula 05
contacontabil
 
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Rafael Gonçalves
 
Aula 5 notas explicativas parte 1
Aula 5  notas explicativas parte 1Aula 5  notas explicativas parte 1
Aula 5 notas explicativas parte 1
Leda Honorato da Silva Reis
 

Mais procurados (20)

Os seguros e os riscos como compreendê-los
Os seguros e os riscos   como compreendê-losOs seguros e os riscos   como compreendê-los
Os seguros e os riscos como compreendê-los
 
Uso do Solver do Excel na resolução de problemas de pesquisa operacional
Uso do Solver do Excel na resolução de problemas de pesquisa operacionalUso do Solver do Excel na resolução de problemas de pesquisa operacional
Uso do Solver do Excel na resolução de problemas de pesquisa operacional
 
Endividamento
EndividamentoEndividamento
Endividamento
 
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixaPalestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
 
Dmpl e dlpa
Dmpl e dlpaDmpl e dlpa
Dmpl e dlpa
 
A Importância da Contabilidade
A Importância da ContabilidadeA Importância da Contabilidade
A Importância da Contabilidade
 
Demonstração de resultados - Portuguese Architect
Demonstração de resultados - Portuguese ArchitectDemonstração de resultados - Portuguese Architect
Demonstração de resultados - Portuguese Architect
 
Dre
DreDre
Dre
 
Contabilidade gerencial- Professor Danilo Pires
Contabilidade gerencial- Professor Danilo PiresContabilidade gerencial- Professor Danilo Pires
Contabilidade gerencial- Professor Danilo Pires
 
Modelo de plano de contas
Modelo de plano de contasModelo de plano de contas
Modelo de plano de contas
 
Encerramento das contas de resultado
Encerramento das contas de resultadoEncerramento das contas de resultado
Encerramento das contas de resultado
 
Aprenda a usar a HP-12C
Aprenda a usar a HP-12CAprenda a usar a HP-12C
Aprenda a usar a HP-12C
 
Fontes de financiamento de curto prazo
Fontes de financiamento de curto prazoFontes de financiamento de curto prazo
Fontes de financiamento de curto prazo
 
Planejamento financeiro pessoal e familiar
Planejamento financeiro pessoal e familiarPlanejamento financeiro pessoal e familiar
Planejamento financeiro pessoal e familiar
 
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
 
Matemática Financeira
Matemática FinanceiraMatemática Financeira
Matemática Financeira
 
Administração financeira análise de balanços
Administração financeira   análise de balançosAdministração financeira   análise de balanços
Administração financeira análise de balanços
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 05
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 05Exercicios resolvidos contabilidade   aula 05
Exercicios resolvidos contabilidade aula 05
 
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
 
Aula 5 notas explicativas parte 1
Aula 5  notas explicativas parte 1Aula 5  notas explicativas parte 1
Aula 5 notas explicativas parte 1
 

Destaque

Contabilidade intermediária
Contabilidade intermediáriaContabilidade intermediária
Contabilidade intermediária
Thays Lima
 
Contabilidade básica fácil - 001 a 302 - osni moura ribeiro
Contabilidade   básica fácil - 001 a 302 - osni moura ribeiro Contabilidade   básica fácil - 001 a 302 - osni moura ribeiro
Contabilidade básica fácil - 001 a 302 - osni moura ribeiro
Adriana Contabilidade Etec
 
Contabilidade básica josé carlos mation 10ª ed
Contabilidade básica   josé carlos mation 10ª edContabilidade básica   josé carlos mation 10ª ed
Contabilidade básica josé carlos mation 10ª ed
Marilia Cordeiro
 
Contabilidade Geral e Tributária - 8ª Edição - IOB e-Store
Contabilidade Geral e Tributária - 8ª Edição - IOB e-StoreContabilidade Geral e Tributária - 8ª Edição - IOB e-Store
Contabilidade Geral e Tributária - 8ª Edição - IOB e-Store
IOB News
 
Contabilidade Geral e Avançada para Auditor Fiscal Receita Federal
Contabilidade Geral e Avançada para Auditor Fiscal Receita FederalContabilidade Geral e Avançada para Auditor Fiscal Receita Federal
Contabilidade Geral e Avançada para Auditor Fiscal Receita Federal
Estratégia Concursos
 
Contabilidade fácil de entender
Contabilidade fácil de entenderContabilidade fácil de entender
Contabilidade fácil de entender
Rodolfo Avona
 
Contabilidade Básica
Contabilidade BásicaContabilidade Básica
Contabilidade Básica
André Faria Gomes
 
Livro padoveze - contabilidade gerencial
Livro   padoveze - contabilidade gerencialLivro   padoveze - contabilidade gerencial
Livro padoveze - contabilidade gerencial
DIOGNES CARDOSO
 
Contabilidade geral e tributaria – 7ª edição
Contabilidade geral e tributaria – 7ª edição Contabilidade geral e tributaria – 7ª edição
Contabilidade geral e tributaria – 7ª edição
IOB News
 
Contabilidade básica resumão
Contabilidade básica resumãoContabilidade básica resumão
Contabilidade básica resumão
contacontabil
 
Apostila contabilidade geral completa
Apostila contabilidade geral completaApostila contabilidade geral completa
Apostila contabilidade geral completa
gabaritocontabil
 
Apostila de contabilidade avançada prof. núbia rodrigues
Apostila de contabilidade avançada   prof. núbia rodriguesApostila de contabilidade avançada   prof. núbia rodrigues
Apostila de contabilidade avançada prof. núbia rodrigues
Marcos Vinícius
 
Livro de exercício - contabilidade introdutória
Livro de exercício   - contabilidade introdutóriaLivro de exercício   - contabilidade introdutória
Livro de exercício - contabilidade introdutória
Lylian Vieira
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à Contabilidade
Ana Paula Bevilacqua
 
Resolução de questões contabilidade avançada
Resolução de questões contabilidade avançadaResolução de questões contabilidade avançada
Resolução de questões contabilidade avançada
simuladocontabil
 
Balancetes e razonetes
Balancetes e razonetesBalancetes e razonetes
Balancetes e razonetes
zeramento contabil
 
Resolução de questões contabeis
Resolução de questões contabeisResolução de questões contabeis
Resolução de questões contabeis
simuladocontabil
 
Apostila introdução à contabilidade i
Apostila introdução à contabilidade iApostila introdução à contabilidade i
Apostila introdução à contabilidade i
Reila Márcia Rezende
 

Destaque (18)

Contabilidade intermediária
Contabilidade intermediáriaContabilidade intermediária
Contabilidade intermediária
 
Contabilidade básica fácil - 001 a 302 - osni moura ribeiro
Contabilidade   básica fácil - 001 a 302 - osni moura ribeiro Contabilidade   básica fácil - 001 a 302 - osni moura ribeiro
Contabilidade básica fácil - 001 a 302 - osni moura ribeiro
 
Contabilidade básica josé carlos mation 10ª ed
Contabilidade básica   josé carlos mation 10ª edContabilidade básica   josé carlos mation 10ª ed
Contabilidade básica josé carlos mation 10ª ed
 
Contabilidade Geral e Tributária - 8ª Edição - IOB e-Store
Contabilidade Geral e Tributária - 8ª Edição - IOB e-StoreContabilidade Geral e Tributária - 8ª Edição - IOB e-Store
Contabilidade Geral e Tributária - 8ª Edição - IOB e-Store
 
Contabilidade Geral e Avançada para Auditor Fiscal Receita Federal
Contabilidade Geral e Avançada para Auditor Fiscal Receita FederalContabilidade Geral e Avançada para Auditor Fiscal Receita Federal
Contabilidade Geral e Avançada para Auditor Fiscal Receita Federal
 
Contabilidade fácil de entender
Contabilidade fácil de entenderContabilidade fácil de entender
Contabilidade fácil de entender
 
Contabilidade Básica
Contabilidade BásicaContabilidade Básica
Contabilidade Básica
 
Livro padoveze - contabilidade gerencial
Livro   padoveze - contabilidade gerencialLivro   padoveze - contabilidade gerencial
Livro padoveze - contabilidade gerencial
 
Contabilidade geral e tributaria – 7ª edição
Contabilidade geral e tributaria – 7ª edição Contabilidade geral e tributaria – 7ª edição
Contabilidade geral e tributaria – 7ª edição
 
Contabilidade básica resumão
Contabilidade básica resumãoContabilidade básica resumão
Contabilidade básica resumão
 
Apostila contabilidade geral completa
Apostila contabilidade geral completaApostila contabilidade geral completa
Apostila contabilidade geral completa
 
Apostila de contabilidade avançada prof. núbia rodrigues
Apostila de contabilidade avançada   prof. núbia rodriguesApostila de contabilidade avançada   prof. núbia rodrigues
Apostila de contabilidade avançada prof. núbia rodrigues
 
Livro de exercício - contabilidade introdutória
Livro de exercício   - contabilidade introdutóriaLivro de exercício   - contabilidade introdutória
Livro de exercício - contabilidade introdutória
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à Contabilidade
 
Resolução de questões contabilidade avançada
Resolução de questões contabilidade avançadaResolução de questões contabilidade avançada
Resolução de questões contabilidade avançada
 
Balancetes e razonetes
Balancetes e razonetesBalancetes e razonetes
Balancetes e razonetes
 
Resolução de questões contabeis
Resolução de questões contabeisResolução de questões contabeis
Resolução de questões contabeis
 
Apostila introdução à contabilidade i
Apostila introdução à contabilidade iApostila introdução à contabilidade i
Apostila introdução à contabilidade i
 

Semelhante a 6732 casos praticos

Cartilha Planejamento Orçamentário
Cartilha Planejamento OrçamentárioCartilha Planejamento Orçamentário
Cartilha Planejamento Orçamentário
Denise Matos
 
Gestão Financeira - Corticeira Amorim
Gestão Financeira - Corticeira AmorimGestão Financeira - Corticeira Amorim
Gestão Financeira - Corticeira Amorim
Maria José Rodrigues
 
Contabilidade final revisado
Contabilidade final revisadoContabilidade final revisado
Contabilidade final revisado
lopesuan2012
 
Contabilidade final revisado,contabilidade geral
Contabilidade final revisado,contabilidade geralContabilidade final revisado,contabilidade geral
Contabilidade final revisado,contabilidade geral
Samyra Dantas
 
Apostila de Logística 1
Apostila de Logística 1 Apostila de Logística 1
Apostila de Logística 1
Miguel Salgado
 
O balanço financeiro do Sport em 2015
O balanço financeiro do Sport em 2015O balanço financeiro do Sport em 2015
O balanço financeiro do Sport em 2015
Cassio Zirpoli
 
Atps contabilidade intermediária 4º sem(não)
Atps   contabilidade intermediária 4º sem(não)Atps   contabilidade intermediária 4º sem(não)
Atps contabilidade intermediária 4º sem(não)
Monika Gomes
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
Eliene Botelho
 
Atps contabilidade geral
Atps contabilidade geralAtps contabilidade geral
Atps contabilidade geral
SIMONE GOUVEA
 
Happy SGPS - dados da Empresa
Happy SGPS - dados da EmpresaHappy SGPS - dados da Empresa
Happy SGPS - dados da Empresa
Rodrigo Viana
 
Trabalho em grupo de analise financeira curso de gestao de empresa - 3ano -...
Trabalho em grupo de analise financeira   curso de gestao de empresa - 3ano -...Trabalho em grupo de analise financeira   curso de gestao de empresa - 3ano -...
Trabalho em grupo de analise financeira curso de gestao de empresa - 3ano -...
Universidade Pedagogica
 
Estágio supervisionado curso de ciências contábeis
Estágio supervisionado curso de ciências contábeisEstágio supervisionado curso de ciências contábeis
Estágio supervisionado curso de ciências contábeis
HELENO FAVACHO
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS.pdf
ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS.pdfESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS.pdf
ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS.pdf
HELENO FAVACHO
 
Demonstrações contábeis 2015
Demonstrações contábeis 2015Demonstrações contábeis 2015
Demonstrações contábeis 2015
ChildFund Brasil - Fundo para Crianças
 
Contabilidade topicos avançados 9
Contabilidade topicos avançados 9Contabilidade topicos avançados 9
Contabilidade topicos avançados 9
J M
 
Livro texto - unidade i contabilidade
Livro texto - unidade i contabilidadeLivro texto - unidade i contabilidade
Livro texto - unidade i contabilidade
Revair Ferraresi
 
Aula 05 balanço patrimonial - grupo de contas
Aula 05   balanço patrimonial - grupo de contasAula 05   balanço patrimonial - grupo de contas
Aula 05 balanço patrimonial - grupo de contas
Raul Alberto
 
Gp contbilidade unidade iii
Gp contbilidade  unidade iiiGp contbilidade  unidade iii
Gp contbilidade unidade iii
Claudia Patricia
 
Caderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-iiCaderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-ii
Neimar Pereira
 
Caderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-iiCaderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-ii
zeramento contabil
 

Semelhante a 6732 casos praticos (20)

Cartilha Planejamento Orçamentário
Cartilha Planejamento OrçamentárioCartilha Planejamento Orçamentário
Cartilha Planejamento Orçamentário
 
Gestão Financeira - Corticeira Amorim
Gestão Financeira - Corticeira AmorimGestão Financeira - Corticeira Amorim
Gestão Financeira - Corticeira Amorim
 
Contabilidade final revisado
Contabilidade final revisadoContabilidade final revisado
Contabilidade final revisado
 
Contabilidade final revisado,contabilidade geral
Contabilidade final revisado,contabilidade geralContabilidade final revisado,contabilidade geral
Contabilidade final revisado,contabilidade geral
 
Apostila de Logística 1
Apostila de Logística 1 Apostila de Logística 1
Apostila de Logística 1
 
O balanço financeiro do Sport em 2015
O balanço financeiro do Sport em 2015O balanço financeiro do Sport em 2015
O balanço financeiro do Sport em 2015
 
Atps contabilidade intermediária 4º sem(não)
Atps   contabilidade intermediária 4º sem(não)Atps   contabilidade intermediária 4º sem(não)
Atps contabilidade intermediária 4º sem(não)
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Atps contabilidade geral
Atps contabilidade geralAtps contabilidade geral
Atps contabilidade geral
 
Happy SGPS - dados da Empresa
Happy SGPS - dados da EmpresaHappy SGPS - dados da Empresa
Happy SGPS - dados da Empresa
 
Trabalho em grupo de analise financeira curso de gestao de empresa - 3ano -...
Trabalho em grupo de analise financeira   curso de gestao de empresa - 3ano -...Trabalho em grupo de analise financeira   curso de gestao de empresa - 3ano -...
Trabalho em grupo de analise financeira curso de gestao de empresa - 3ano -...
 
Estágio supervisionado curso de ciências contábeis
Estágio supervisionado curso de ciências contábeisEstágio supervisionado curso de ciências contábeis
Estágio supervisionado curso de ciências contábeis
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS.pdf
ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS.pdfESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS.pdf
ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS.pdf
 
Demonstrações contábeis 2015
Demonstrações contábeis 2015Demonstrações contábeis 2015
Demonstrações contábeis 2015
 
Contabilidade topicos avançados 9
Contabilidade topicos avançados 9Contabilidade topicos avançados 9
Contabilidade topicos avançados 9
 
Livro texto - unidade i contabilidade
Livro texto - unidade i contabilidadeLivro texto - unidade i contabilidade
Livro texto - unidade i contabilidade
 
Aula 05 balanço patrimonial - grupo de contas
Aula 05   balanço patrimonial - grupo de contasAula 05   balanço patrimonial - grupo de contas
Aula 05 balanço patrimonial - grupo de contas
 
Gp contbilidade unidade iii
Gp contbilidade  unidade iiiGp contbilidade  unidade iii
Gp contbilidade unidade iii
 
Caderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-iiCaderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-ii
 
Caderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-iiCaderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-ii
 

6732 casos praticos

  • 1. José Luiz dos Santos é doutor em Economia pela Universidade Fede- ral do Rio Grande do Sul (UFRGS) e mestre em Ciên- cias Contábeis pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Diretor, professor, pesquisador e orientador da Faculdade São Francis- co de Assis (UNIFIN) e professor da pós-graduação da UFRGS e da UNI- FIN. Sócio da Integral Consultoria Empresarial, consultor empresarial e coautor de dezenas de livros nas áreas tributária, de contabilidade gerencial, controladoria, contabilidade avançada e contabilidade internacional, publica- dos pela Atlas. Paulo Schmidt é doutor em Conta- bilidade e Contro- ladoria pela Facul- dade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP). Professor, pes- quisador, orientador e coordenador do curso de mestrado em Controla- doria na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Membro da Academy of Accounting Historians, consultor empresarial e coautor de dezenas de livros nas áreas de conta- bilidade gerencial, controladoria, con- tabilidade avançada e contabilidade internacional, publicados pela Atlas. CONTABILIDADE AVANÇADA Aspectos Societários e Tributários CONTABILIDADEAVANÇADASantos•Schmidt•Fernandes 3a Edição Atualizada pela Lei no 11.941/09 e pelas normas do CPC Combinações de Negócios Consolidação Plena e Proporcional Joint Ventures Equivalência Patrimonial de Investimentos no Exterior José Luiz dos Santos Paulo Schmidt Luciane Alves FernandesCONTABILIDADE AVANÇADA Aspectos Societários e Tributários Este livro apresenta uma síntese dos principais temas relacionados à contabilidade avançada,emespecialamensuraçãoeoregistrocontábildaequivalênciapatrimonial, os principais procedimentos relacionados à elaboração de demonstrações contábeis consolidadas e operações de incorporação, fusão e cisão de empresas. Para atingir tal objetivo, aborda questões como equivalência patrimonial de investimentos no exterior, joint ventures, consolidação das demonstrações contábeis plena e proporcional e combinações de negócios, incluindo as alterações introduzidas pela Lei no 11.941/09 e pronunciamentos técnicos revisados do CPC. A principal característica desta obra, que a diferencia das demais, é a de vincular conceitos contábeis com leis e normatizações societárias e tributárias vigentes, tornando-a muito útil para consultas de profissionais do dia a dia, sem se descuidar de seu cunho didático. Além disso, possui excelente material prático, que não só elucida pontos mais complexos, como também viabiliza a apreensão do conteúdo teórico, facilitando, dessa forma, sua aplicação em casos concretos. Aplicação Livro-texto para a disciplina Contabilidade Avançada dos cursos de graduação em Contabilidade e dos cursos de pós-graduação em Contabilidade, Controladoria e Finanças. Leitura complementar para profissionais da área de contabilidade. Luciane Alves Fernandes é dou- tora em Agronegó- cios pela Univer- sidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e mestre em Ciências Contá- beis pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Professora, pesquisadora e orientadora da Facul- dade São Francisco de Assis (UNI- FIN) e professora da pós-graduação da UNIFIN. Sócia da Integral Consul- toria Empresarial, consultora empre- sarial. Coautora de dezenas de livros nas áreas tributária, de contabilidade geral, contabilidade avançada e con- tabilidade internacional, publicados pela Atlas. 6732.indd 1 19/12/2011 15:32:16
  • 2. José Luiz dos Santos Paulo Schmidt Luciane Alves Fernandes Aspectos Societários e Tributários SÃO PAULO EDITORA ATLAS S.A. – 2012 Contabilidade Avançada Combinações de Negócios Consolidação Plena e Proporcional Joint Ventures Equivalência Patrimonial de Investimentos no Exterior 3a Edição Atualizada pela Lei no 11.941/09 e pelas normas do CPC Material de site – Portal Atlas Casos Práticos
  • 3. 2  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes 1  Caso prático de consolidação plena Essa seção apresenta um exemplo prático de consolidação das demonstrações financeiras de um grupo empresarial constituído por três empresas, a controladora Delta, sua subsidiária integral Ômega e sua controlada Sigma, cuja participação no capital social é de 80%, sendo que a subsidiária integral Ômega foi constituída no ano 20X1. Durante o exercício social de 20X1, ocorreram as seguintes operações intercompanhias: a) em julho de 20X1, a controladora Delta concedeu um empréstimo via contrato de mútuo para a subsidiária integral Ômega no valor de $ 6.000, em dinheiro; b) em setembro de 20X1, a controladora Delta efetuou a venda de mercado- rias a prazo, cujo custo era de $ 4.200, por $ 8.400, para sua subsidiária integral Ômega, sendo que na data do balanço patrimonial elas ainda permaneciam nos estoques da subsidiária; c) em agosto de 20X1, a controlada Sigma emprestou, por meio de uma operação de mútuo, para a controladora Delta, o valor de $ 3.800, em dinheiro; d) em outubro de 20X1, a controlada Sigma vendeu mercadorias a prazo para sua controladora Delta, cujo custo era de $ 7.200, por $ 14.000, sendo que na data do balanço patrimonial as mesmas já haviam sido vendidas para terceiros. Além disso, cabe ressaltar algumas informações adicionais em relação ao exemplo apresentado, dentre as quais se destacam as seguintes: • as empresas vendem produtos que não são tributados pelo PIS e pela Cofins, pois os produtos vendidos pelas empresas se enquadram no re- gime de substituição tributária; • as operações de venda entre as companhias referem-se a produtos en- quadrados no regime de substituição tributária de ICMS. Em função disso, nenhum ajuste relativo a esses tributos foi considerado na elaboração das demonstrações financeiras consolidadas, pois os mesmos, em fun- ção do exposto anteriormente, não geraram quaisquer efeitos na demonstração do resultado do exercício das companhias componentes do grupo consolidado. As demonstrações financeiras individuais, as quais incluem o balanço patri- monial, a demonstração do resultado do exercício, a demonstração de lucros e prejuízos acumulados e a demonstração do fluxo de caixa, do grupo empresarial, estão apresentadas nos Quadros 1 a 6.
  • 4. Consolidação das Demonstrações Financeiras  3 Quadro 1 Demonstrações do resultado do período das companhias Delta, Ômega e Sigma. DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO DELTA ÔMEGA SIGMA RECEITA BRUTA 69.300 49.000 56.000 DEDUÇÕES DE VENDAS –8.316 –8.330 –7.140 ICMS S/ VENDAS 8.316 8.330 7.140 RECEITA LÍQUIDA 60.984 40.670 48.860 CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS –34.629 –23.640 –25.320 LUCRO BRUTO 26.355 17.030 23.540 DESPESAS COM VENDAS –4.632 –3.910 –3.051 DESPESAS COM PESSOAL 3.940 3.240 2.760 DEPRECIAÇÃO 692 0 291 ALUGUÉIS 0 670 0 DESPESAS ADMINISTRATIVAS –7.570 –4.630 –3.640 DESPESAS COM PESSOAL 4.900 4.200 2.980 DESPESAS MATERIAL DE EXPEDIENTE 2.670 430 660 DESPESAS FINANCEIRAS –3.910 –990 –1.320 VARIAÇÃO MONETÁRIA PASSIVA 3.910 0 1.320 DESPESAS BANCÁRIAS 0 990 0 RECEITAS FINANCEIRAS 1.390 625 1.110 VARIAÇÃO MONETÁRIA ATIVA 1.390 0 1.110 RENDIMENTO APLICAÇÕES FINANCEIRAS 0 625 0 OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS 8.040 –320 –330 RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL 8.360 0 0 PERDAS COM ESTOQUES –320 –320 –330 RESULTADO OPERACIONAL 19.673 7.805 16.309 RESULTADO ANTES DA CS E IR 19.673 7.805 16.309 CONTRIBUIÇÃO SOCIAL –1.018 –702 –1.468 PROVISÃO PARA IMPOSTO DE RENDA –1.544 –1.171 –2.446 RESULTADO ANTES DAS PARTICIPAÇÕES 17.111 5.932 12.395 DEBÊNTURES –1.711 –593 –1.240 EMPREGADOS –1.540 –534 –1.116 ADMINISTRADORES –710 –481 –1.004 LUCRO LÍQUIDO 13.150 4.324 9.035
  • 5. 4  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes Quadro 2 Balanço patrimonial da controladora Delta. BALANÇO PATRIMONIAL CONTROLADORA DELTA (EXERCÍCIO FINDO EM 31/12/X1) ATIVO 31/12/X 31/12/X1 PASSIVO 31/12/X 31/12/X1 CIRCULANTE 23.986 92.075 CIRCULANTE 18.110 93.624 DISPONIBILIDADES 9.786 55.116 FORNECEDORES 6.170 58.510 CAIXA 5.946 54.446 SALÁRIOS A PAGAR 2.450 4.150 BANCOS 3.840 670 CONTAS A PAGAR 7.230 7.230 PROVISÃO DE FÉRIAS 2.260 2.680 DIREITOS REALIZÁVEIS 12.610 35.369 PROVISÃO P/ IMP. RENDA 1.544 CLIENTES 3.630 12.030 CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 1.018 ESTOQUES 7.790 18.900 PARTICIPAÇÕES A PG 3.961 ADIANTAMENTO DE VIAGEM 1.190 1.190 DIVIDENDOS A PAGAR 4.006 DIVIDENDOS A RECEBER 3.249 ENCARGOS SOCIAIS A PG 4.690 ICMS A PAGAR 2.035 DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE 1.590 1.590 EMPRÉSTIMO SIGMA 3.800 SEGUROS PAGOS ANTECIPADAMENTE 1.590 1.590 NÃO CIRCULANTE 8.230 12.720 FINANCIAMENTOS A PG – LP 5.140 9.630 NÃO CIRCULANTE 22.984 43.973 ALUGUÉIS RECEBIDOS ANTECIPA- DAMENTE 3.090 3.090 REALIZÁVEL A LP 1.620 10.120 EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO 1.620 4.120 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 20.630 29.704 EMPRÉSTIMO ÔMEGA 6.000 CAPITAL SOCIAL 13.950 14.300 INVESTIMENTOS 7.064 18.175 CAPITAL SUBSCRITO 15.260 15.260 PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS 7.064 18.175 CAPITAL A INTEGRALIZAR –1.310 –960 IMOBILIZADO 14.300 14.908 RESERVA DE CAPITAL 0 0 IMÓVEL DE USO 17.290 17.290 DEPRECIAÇÃO ACUM. IMÓVEL DE USO –2.990 –3.682 RESERVA DE REAVALIAÇÃO 2.110 2.110 VEÍCULOS 1.300 RESERVAS DE LUCROS 2.880 3.163 INTANGÍVEL 0 770 RESERVA LEGAL 0 658 MARCAS E PATENTES 770 RESERVA ESTATUTÁRIA 0 1.315 RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 1.690 0 RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 1.190 1.190 LUCROS ACUMULADOS 1.690 10.131 TOTAL DO ATIVO 46.970 136.048 TOTAL PASSIVO 46.970 136.048
  • 6. Consolidação das Demonstrações Financeiras  5 Quadro 3 Balanço patrimonial da controlada Ômega. BALANÇO PATRIMONIAL CONTROLADA ÔMEGA (EXERCÍCIO FINDO EM 31/12/X1) ATIVO 31/12/X 31/12/X1 PASSIVO 31/12/X 31/12/X1 CIRCULANTE 0 70.455 CIRCULANTE 0 61.668 FORNECEDORES 0 40.400 DISPONIBILIDADES 0 33.465 SALÁRIOS A PAGAR 0 3.200 CAIXA 0 22.930 CONTAS A PAGAR 0 430 BANCOS 0 10.535 PROVISÃO P/ IMP. RENDA 0 1.171 CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 0 702 DIREITOS REALIZÁVEIS 0 35.940 PARTICIPAÇÕES A PG 0 1.608 CLIENTES 0 24.500 DIVIDENDOS A PAGAR 0 1.027 ESTOQUES 0 11.000 ENCARGOS SOCIAIS A PG 0 4.240 ADIANTAMENTOS FUNCIONÁRIOS 0 440 ICMS A PAGAR 0 2.890 EMPRÉSTIMO DELTA 6.000 DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE 0 1.050 SEGUROS PAGOS ANTECIPADAMENTE 0 1.050 NÃO CIRCULANTE 0 0 FINANCIAMENTOS A PG-LP 0 0 ALUGUÉIS RECEBIDOS ANTECIPA- DAMENTE 0 0 NÃO CIRCULANTE 0 510 REALIZÁVEL A LP 0 0 0 0 PATRIMÔNIO LIQUIDO 0 9.297 INVESTIMENTOS 0 0 CAPITAL SOCIAL 0 6.000 PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS 0 0 CAPITAL SUBSCRITO 0 6.000 CAPITAL A INTEGRALIZAR 0 0 IMOBILIZADO 0 0 IMÓVEL DE USO 0 0 RESERVA DE CAPITAL 0 0 DEPRECIAÇÃO ACÚM. IMÓVEL DE USO 0 0 VEÍCULOS 0 0 RESERVA DE REAVALIAÇÃO 0 0 INTANGÍVEL 0 510 RESERVAS DE LUCROS 0 648 MARCAS E PATENTES 0 510 RESERVA LEGAL 0 216 RESERVA ESTATUTÁRIA 0 432 RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 0 0 RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 0 0 LUCROS ACUMULADOS 0 2.649 TOTAL DO ATIVO 0 70.965 TOTAL PASSIVO 0 70.965
  • 7. 6  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes Quadro 4 Balanço patrimonial da controlada Sigma. BALANÇO PATRIMONIAL CONTROLADA SIGMA (EXERCÍCIO FINDO EM 31/12/X1) ATIVO 31/12/X 31/12/X1 PASSIVO 31/12/X 31/12/X1 CIRCULANTE 20.440 73.380 CIRCULANTE 12.490 63.511 FORNECEDORES 6.150 42.150 DISPONIBILIDADES 6.320 25.610 SALÁRIOS A PAGAR 2.450 2.560 CAIXA 2.500 16.670 CONTAS A PAGAR 1.650 2.310 BANCOS 3.820 8.940 PROVISÃO DE FÉRIAS 2.240 2.240 PROVISÃO P/ IMP. RENDA 0 2.446 DIREITOS REALIZÁVEIS 12.550 45.230 CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 0 1.468 CLIENTES 3.610 31.610 PARTICIPAÇÕES A PG 0 3.360 ESTOQUES 7.770 12.000 DIVIDENDOS A PAGAR 0 2.777 ADIANTAMENTO FUNCIONÁRIOS 1.170 1.620 ENCARGOS SOCIAIS A PG 0 3.180 ICMS A PAGAR 0 1.020 DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE 1.570 2.540 SEGUROS PAGOS ANTECIPADAMENTE 1.570 2.540 NÃO CIRCULANTE 8.190 8.860 FINANCIAMENTOS A PG – LP 5.120 5.790 ALUGUÉIS RECEBIDOS ANTECIPA- DAMENTE 3.070 3.070 NÃO CIRCULANTE 9.070 14.079 REALIZÁVEL A LP 1.600 6.340 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 8.830 15.088 EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO 1.600 2.540 EMPRÉSTIMO DELTA 0 3.800 CAPITAL SOCIAL 4.320 4.320 CAPITAL SUBSCRITO 4.320 4.320 INVESTIMENTOS 3.170 3.170 CAPITAL A INTEGRALIZAR 0 0 PARTICIPAÇÕES OUTRAS EMP. 3.170 3.170 RESERVA DE CAPITAL 0 0 IMOBILIZADO 4.300 4.009 IMÓVEL DE USO 7.270 7.270 RESERVA DE REAVALIAÇÃO 0 0 DEPRECIAÇÃO ACUM. IMÓVEL DE USO –2.970 –3.261 VEÍCULOS 0 0 RESERVAS DE LUCROS 2.840 4.151 RESERVA LEGAL 0 452 INTANGÍVEL 0 560 RESERVA ESTATUTÁRIA 0 904 MARCAS E PATENTES 0 560 RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 1.670 1.670 RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 1.170 1.125 LUCROS ACUMULADOS 1.670 6.617 TOTAL DO ATIVO 29.510 87.459 TOTAL PASSIVO 29.510 87.459
  • 8. Consolidação das Demonstrações Financeiras  7 Quadro 5 Delpa das companhias Delta, Ômega e Sigma. DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DELTA ÔMEGA SIGMA SALDO NO INÍCIO DO PERÍODO 1.690 0 1.670 AJUSTE DE EXERCÍCIO ANTERIOR –420 0 0 SALDO AJUSTADO 1.270 0 1.670 REVERSÃO DE RESERVAS 1.690 0 45 RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 1.690 0 0 RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 0 0 45 RESERVA DE REAVALIAÇÃO 0 0 0 LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO 13.150 4.324 9.035 SALDO À DISPOSIÇÃO DA AGO/E 16.110 4.324 10.750 DESTINAÇÕES –5.979 –1.675 –4.133 RESERVA LEGAL 658 216 452 DIVIDENDO PREFERENCIAL 480 0 620 DIVIDENDO ORDINÁRIO 3.526 1.027 2.157 RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 0 0 0 RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 0 0 0 RESERVA ESTATUTÁRIA 1.315 432 904 SALDO NO FINAL DO PERÍODO 10.131 2.649 6.617
  • 9. 8  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes Quadro 6 Fluxo de caixa das companhias Delta, Ômega e Sigma. DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DELTA ÔMEGA SIGMA FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS: LUCRO LÍQUIDO ANTES DO IMP. RENDA E CONT. SOCIAL 15.712 6.197 12.949 AJUSTADO PELA: RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL –8.360 0 0 DESPESAS COM DEPRECIAÇÃO 692 0 291 VARIAÇÃO MONETÁRIA ATIVA DO RLP –1.390 0 –1.110 VARIAÇÃO MONETÁRIA PASSIVA DO ELP 3.910 0 1.320 RESULTADO DO PERÍODO AJUSTADO 10.564 6.197 13.450 REDUÇÃO (AUMENTO) NAS CONTAS A RECEBER –8.400 –24.940 –28.450 REDUÇÃO (AUMENTO) NOS ESTOQUES –11.110 –11.000 –4.230 REDUÇÃO (AUMENTO) NAS DESP. EXERCÍCIO SEGUINTE 0 –1.050 –970 AUMENTO (REDUÇÃO) NO CONTAS A PAGAR 64.726 52.768 44.330 CAIXA GERADO PELAS OPERAÇÕES 55.780 21.975 24.130 JUROS PAGOS 0 0 0 IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PAGOS 0 0 0 CAIXA LÍQUIDO GERADO PELAS ATIVIDADES OPERACIONAIS 55.780 21.975 24.130 FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS: RECEBIMENTO DE EMPRÉSTIMOS FEITOS A TERCEIROS 470 0 730 EMPRÉSTIMOS FEITOS A TERCEIROS –7.580 0 –4.360 AQUISIÇÃO DE IMOBILIZADO –1.300 0 0 AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS –6.000 0 0 AQUISIÇÃO DE INTANGÍVEL –770 –510 –560 CAIXA LÍQUIDO USADO NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO –15.180 –510 –4.190 FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS: DISTRIBUIÇÃO DE DIVIDENDOS 0 0 0 INTEGRALIZAÇÕES DE CAPITAL 350 6.000 0 CAIXA RECEBIDO DE FINANCIAMENTOS A PAGAR 4.380 6.000 1.480 PAGAMENTOS DE FINANCIAMENTOS A PAGAR 0 0 –2.130 CAIXA LÍQUIDO USADO NAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO 4.730 12.000 –650 AUMENTO LÍQUIDO DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 45.330 33.465 19.290 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO INÍCIO DO PERÍODO 9.786 0 6.320 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO FINAL DO PERÍODO 55.116 33.465 25.610
  • 10. Consolidação das Demonstrações Financeiras  9 Essas demonstrações apresentadas nos Quadros 1 a 6, servem de base para os relatórios consolidados que serão vistos a seguir. Entretanto, antes de se proceder à consolidação, torna-se necessários que primeiramente sejam efetuados os ajustes requeridos por tal processo, de acordo com o exposto anteriormente, que estão evidenciados no Quadro 6. Quadro 7 Registros de eliminação na consolidação. COMPANHIA DELTA E CONTROLADAS RESUMO DOS LANÇAMENTOS DE ELIMINAÇÕES Nº do REGISTRO HISTÓRICO/REGISTRO DÉBITO CRÉDITO D – FORNECEDORES (ÔMEGA) 8.400 C – CLIENTES (DELTA) 8.400 – 1 D – RECEITA DE VENDAS (DELTA) 8.400 C – CMV (DELTA) 4.200 C – ESTOQUES (ÔMEGA) 4.200 – 2 D – IMPOSTOS DIFERIDOS 1.008 C – PROVISÃO IMPOSTO DE RENDA 630 C – CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 378 – 3 D – EMPRÉSTIMOS DELTA (ÔMEGA) 6.000 C – EMPRÉSTIMOS ÔMEGA (DELTA) 6.000 – 4 D – EMPRÉSTIMOS SIGMA (DELTA) 3.800 C – EMPRÉSTIMOS DELTA (SIGMA) 3.800 D – FORNECEDORES (DELTA) 14.000 – 5 C – CLIENTES (SIGMA) 14.000 D – RECEITA DE VENDAS (SIGMA) 14.000 C – CMV (SIGMA) 7.200 C – CMV (DELTA) 6.800 D – DIVIDENDOS A PAGAR (ÔMEGA) 1.027 – 6 D – DIVIDENDOS A PAGAR (SIGMA) 2.222 C – DIVIDENDOS A RECEBER (DELTA) 3.249 D – CAPITAL SUBSCRITO (ÔMEGA) 6.000 – 7 D – RES. LEGAL (ÔMEGA) 216 D – RES. ESTATUTÁRIA (ÔMEGA) 432 D – LUCROS ACUMULADOS (ÔMEGA) 2.649 C – PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS (DELTA) 6.105 C – RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL 3.192 D – CAPITAL SUBSCRITO (SIGMA) 3.456 D – RESERVA LEGAL (SIGMA) 362 – 8 D – RESERVA ESTATUTÁRIA (SIGMA) 723 D – RESERVA DE LUCROS A REALIZAR (SIGMA) 900 D – RESERVA DE CONTINGÊNCIAS (SIGMA) 1.336 D – LUCROS ACUMULADOS (SIGMA) 5.294 C – PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS (DELTA) 12.070 D – CAPITAL SUBSCRITO (SIGMA) 864 D – RESERVA LEGAL (SIGMA) 90 – 9 D – RESERVA ESTATUTÁRIA (SIGMA) 181 D – RESERVA DE LUCROS A REALIZAR (SIGMA) 225 D – RESERVA DE CONTINGÊNCIAS (SIGMA) 334 D – LUCROS ACUMULADOS (SIGMA) 1.323 C – PARTICIPAÇÃO DE NÃO CONTROLADORES 3.018
  • 11. 10  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes O Quadro 7 apresenta os registros de eliminação que devem ser feitos na consolidação, pelos motivos expostos a seguir: 1. Refere-se à aquisição de mercadorias da empresa Ômega junto à contro- ladora Delta, pelo valor de $ 8.400 a prazo, gerando um direito (clientes) na controladora e uma obrigação na controlada (fornecedores), devendo, portanto, tais valores serem eliminados das demonstrações consolidadas. Além disso, como se trata de venda entre as companhias do grupo, é necessário eliminar a receita de vendas da controladora e o respectivo custo, tanto na controladora quanto na controlada. Entretanto, esse ajuste direto ocorreria somente se as mercadorias já tivessem sido vendidas a terceiros. Como as mercadorias ainda estão no estoque da controlada, é necessário ainda eliminar o lucro remanescente em seu estoque, no caso, a diferença entre $ 8.400 (preço de venda) e $ 4.200 (preço de custo). 2. Esse ajuste refere-se ao Imposto de Renda e Contribuição Social inci- dentes sobre o lucro não realizado, que devem ser reclassificados nas demonstrações financeiras consolidadas, e correspondem a 15% e 9%, respectivamente, do valor do lucro não realizado, que é de $ 4.200. 3. Esse ajuste refere-se ao empréstimo concedido por Delta a Ômega, ge- rando um direito na primeira e uma obrigação na última, que devem ser eliminados na consolidação. 4. O presente ajuste também se relaciona à concessão de empréstimo, só que este concedido por Sigma a Delta, igualmente gerando um direito na primeira e uma obrigação na última, que devem ser eliminados na consolidação. 5. Refere-se à aquisição de mercadorias da empresa Delta junto à controlada Sigma, pelo valor de $ 14.000 a prazo, gerando um direito (clientes) na controlada e uma obrigação na controladora (fornecedores), devendo, portanto, tais valores ser eliminados das demonstrações consolidadas. Adicionalmente, como se trata de venda entre as companhias do grupo, é necessário eliminar a receita de vendas da controlada e o res- pectivo custo, tanto na controladora quanto na controlada. Uma vez que as mercadorias já foram vendidas a terceiros, é necessário eliminar a receita de vendas e o custo parcial da controlada, além da parte do custo que está registrada na controladora, a fim de evidenciar somente o lucro efetivamente realizado com terceiros. 6. Os dividendos propostos foram calculados nas duas controladas, Ômega e Sigma, gerando uma obrigação em ambas e, em contrapartida, gerando um direito na controladora Delta, devendo então ser eliminados por não se tratar de direitos ou obrigações junto a terceiros.
  • 12. Consolidação das Demonstrações Financeiras  11 O valor do dividendo na controlada Ômega, $ 1.027, está eviden- ciado na conta de Dividendos a Pagar no balanço patrimonial apre- sentado no Quadro 3; o valor relativo à controlada Sigma, $ 2.222, também está evidenciado na conta de Dividendos a Pagar no balanço patrimonial apresentado no Quadro 4 ($ 2.777 × 80%). Já o valor dos dividendos a receber, na controladora, no valor de $ 3.249 pode ser observado no balanço patrimonial apresentado no Quadro 2. 7. Refere-se à eliminação do investimento da controladora Delta na con- trolada Ômega. Por tratar-se de subsidiária integral, todo o valor do patrimônio líquido da mesma deve ser eliminado, ou seja, $ 9.297. Além disso, como na demonstração individual da controladora já foi conside- rado o lucro não realizado na operação descendente (downstream) de $ 3.192 (4.200 – 1.008) deve-se creditar esse valor na conta de resulta- do de equivalência patrimonial, conforme demonstrado no seu balanço patrimonial, no Quadro 3. 8. Refere-se à eliminação do investimento da controladora Delta na contro- lada Sigma. Como o percentual de participação é de 80%, esse mesmo percentual deve ser aplicado sobre o valor do patrimônio líquido de Sigma. Conforme pode ser observado no balanço patrimonial da com- panhia, no Quadro 4, o valor do patrimônio líquido é de $ 15.088; 80% corresponde ao valor de $ 12.070. Assim, devem ser eliminadas todas as contas do patrimônio líquido de acordo com esse percentual. 9. Como a controladora Delta detém 80% de participação na controlada Sigma, os 20% restantes pertencem aos acionistas não controladores. Em razão disso, essa parcela deve ser destacada nas demonstrações conso- lidadas. Similarmente ao ajuste (7), o valor refere-se a 20% do valor do patrimônio líquido da controlada Sigma ($ 15.088 × 20%). Após os referidos ajustes, deve-se elaborar a demonstração do resultado do exercício consolidada, que é obtida através do somatório das demonstrações individuais, adicionando ou excluindo os ajustes de eliminação apresentados anteriormente, de acordo com o apresentado no Quadro 8.
  • 13. 12  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes Quadro 8 Demonstração do resultado do período consolidada. COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS CONSOLIDAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO Discriminação das Contas Saldos DRE Eliminações Consolidação Saldos Consolidados Controladora DELTA Controlada ÔMEGA Controlada SIGMA D C RECEITA BRUTA 69.300 49.000 56.000 22.400 151.900 DEDUÇÕES DE VENDAS –8.316 –8.330 –7.140 –23.786 ICMS SOBRE VENDAS 8.316 8.330 7.140 23.786 RECEITA LÍQUIDA 60.984 40.670 48.860 128.114 CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS –34.629 –23.640 –25.320 18.200 –65.389 LUCRO BRUTO 26.355 17.030 23.540 62.725 DESPESAS COM VENDAS –4.632 –3.910 –3.051 –11.593 DESPESAS COM PESSOAL 3.940 3.240 2.760 9.940 DEPRECIAÇÃO 692 0 291 983 ALUGUÉIS 0 670 670 DESPESAS ADMINISTRATIVAS –7.570 –4.630 –3.640 –15.840 DESPESAS COM PESSOAL 4.900 4.200 2.980 12.080 DESPESAS MATERIAL DE EXPEDIENTE 2.670 430 660 3.760 DESPESAS FINANCEIRAS –3.910 –990 –1.320 –6.220 VARIAÇÃO MONETÁRIA PASSIVA 3.910 1.320 5.230 DESPESAS BANCÁRIAS 990 990 RECEITAS FINANCEIRAS 1.390 625 1.110 3.125 VARIAÇÃO MONETÁRIA ATIVA 1.390 1.110 2.500 RENDIMENTO DE APLICAÇÕES FINANCEIRAS 625 625 OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS 8.040 –320 –330 11.552 3.192 –970 RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL 8.360 0 0 11.552 3.192 0 PERDAS COM ESTOQUES –320 –320 –330 –970 RESULTADO OPERACIONAL 19.673 7.805 16.309 31.227 RESULTADO ANTES DA CS E IR 19.673 7.805 16.309 31.227 CONTRIBUIÇÃO SOCIAL –1.018 –702 –1.468 378 –2.810 PROVISÃO PARA IMPOSTO DE RENDA –1.544 –1.171 –2.446 630 –4.531 RESULTADO ANTES DAS PARTICIPAÇÕES 17.111 5.932 12.395 23.886 DEBÊNTURES –1.711 –593 –1.240 –3.544 EMPREGADOS –1.540 –534 –1.116 –3.190 ADMINISTRADORES –710 –481 –1.004 –2.195 LUCRO LÍQUIDO DO PERÍODO 13.150 4.324 9.035 14.957 (–) PARTICIPAÇÃO DE NÃO CONTROLADORES 1.807 –1.807 LUCRO LÍQUIDO CONSOLIDADO 13.150 22.400 22.400
  • 14. Consolidação das Demonstrações Financeiras  13 Em relação ao Quadro 8, é importante observar que o lucro líquido consoli- dado, $ 13.150, é idêntico ao lucro líquido da controladora Delta, $ 13.150, isso ocorre porque a partir do advento da Interpretação Técnica ICPC 09, o lucro não realizado em operações descendentes (downstream) também é ajustado no cálculo da equivalência patrimonial. Já o valor do lucro não realizado é obtido através do cálculo apresentado na Figura 1. Valor de venda $ 8.400 Custo da venda $ (4.200) Lucro bruto $ 4.200 Tributos diferidos $ (1.008) Lucro não realizado $ 3.192 Figura 1  Cálculo do lucro não realizado. O passo seguinte é o da elaboração do balanço patrimonial consolidado, que é obtido através do somatório das demonstrações individuais, adicionando ou excluindo os ajustes de eliminação apresentados anteriormente, conforme o apresentado nos Quadros 9 e 10.
  • 15. 14  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes Quadro 9 Balanço patrimonial (ativo) consolidado. COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS CONSOLIDAÇÃO DO ATIVO Discriminação das Contas Saldos Balanço Eliminações Consolidação Saldos ConsolidadosControladora DELTA Controlada ÔMEGA Controlada SIGMA D C ATIVO CIRCULANTE 92.075 70.455 73.380 0 29.849 206.061 DISPONIBILIDADES 55.116 33.465 25.610 114.191 CAIXA 53.336 22.930 16.670 92.936 BANCOS 1.780 10.535 8.940 21.255 DIREITOS REALIZÁVEIS 35.369 35.940 45.230 0 29.849 86.690 CLIENTES 12.030 24.500 31.610 22.400 45.740 ESTOQUES 18.900 11.000 12.000 4.200 37.700 ADIANTAMENTO FUNCIONÁRIOS 1.190 440 1.620 3.250 DIVIDENDOS A RECEBER 3.249 0 0 3.249 0 DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE 1.590 1.050 2.540 5.180 SEGUROS PAGOS ANTECIPADAMENTE 1.590 1.050 2.540 5.180 NÃO CIRCULANTE 43.973 510 14.079 1.008 27.975 31.595 REALIZÁVEL A LP 10.120 0 6.340 1.008 9.800 7.668 EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO 4.120 0 2.540 6.660 EMPRÉSTIMO ÔMEGA 6.000 0 0 6.000 0 EMPRÉSTIMO DELTA 0 0 3.800 3.800 0 IMPOSTOS DIFERIDOS 1.008 1.008 INVESTIMENTOS 18.175 0 3.170 18.175 3.170 PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS 18.175 0 0 18.175 0 PARTICIPAÇÕES DE OUTRAS EMPRESAS 0 0 3.170 3.170 IMOBILIZADO 14.908 0 4.009 18.917 IMÓVEL DE USO 17.290 0 7.270 24.560 DEPRECIAÇÃO ACUM. IMÓVEL DE USO –3.682 0 –3.261 –6.943 VEÍCULOS 1.300 0 0 1.300 INTANGÍVEL 770 510 560 1.840 MARCAS E PATENTES 770 510 560 1.840 TOTAL DO ATIVO 136.048 70.965 87.459 1.008 57.824 237.656
  • 16. Consolidação das Demonstrações Financeiras  15 Quadro 10 Balanço patrimonial (passivo) consolidado. COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS CONSOLIDAÇÃO DO PASSIVO Discriminação das Contas Saldos Balanço Eliminações Consolidação Saldos ConsolidadosControladora DELTA Controlada ÔMEGA Controlada SIGMA D C PASSIVO CIRCULANTE 93.624 61.668 63.511 35.449 183.354 FORNECEDORES 58.510 40.400 42.150 22.400 118.660 SALÁRIOS A PAGAR 4.150 3.200 2.560 9.910 CONTAS A PAGAR 7.230 430 2.310 9.970 PROVISÃO DE FÉRIAS 2.680 2.240 4.920 PROVISÃO P/IMP. RENDA 1.544 1.171 2.446 5.161 CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 1.018 702 1.468 3.188 PARTICIPAÇÕES A PG 3.961 1.608 3.360 8.929 DIVIDENDOS A PAGAR 4.006 1.027 2.777 3.249 4.561 ENCARGOS SOCIAIS A PG 4.690 4.240 3.180 12.110 ICMS A PAGAR 2.035 2.890 1.020 5.945 EMPRÉSTIMO DELTA 0 6.000 0 6.000 0 EMPRÉSTIMO SIGMA 3.800 0 0 3.800 0 NÃO CIRCULANTE 12.720 0 8.860 21.580 FINANCIAMENTOS A PG – LP 9.630 0 5.790 15.420 ALUGUÉIS RECEBIDOS ANTECIPADAMENTE 3.090 0 3.070 6.160 PATRIMÔNIO LIQUIDO 29.704 9.297 15.088 24.385 3.018 32.722 CAPITAL SUBSCRITO 15.260 6.000 4.320 10.320 15.260 CAPITAL A INTEGRALIZAR –960 0 0 0 –960 RESERVA DE CAPITAL 0 0 0 0 0 RESERVA DE REAVALIAÇÃO 2.110 0 0 0 2.110 RESERVAS DE LUCROS 3.163 648 4.151 4.799 3.163 RESERVA LEGAL 658 216 452 668 658 RESERVA ESTATUTÁRIA 1.315 432 904 1.336 1.315 RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 0 0 1.670 1.670 0 RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 1.190 0 1.125 1.125 1.190 LUCROS ACUMULADOS 10.131 2.649 6.617 9.266 10.131 PATRIMÔNIO LÍQUIDO DOS ACIONISTAS 29.704 PARTICIPAÇÃO DE NÃO CONTROLADORES 3.018 3.018 TOTAL DO PASSIVO E DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 136.048 70.965 87.459 59.834 3.018 237.656
  • 17. 16  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes A evolução do patrimônio líquido dos acionistas é obtida através do balanço patrimonial consolidado, que, conforme abordado na parte teórica, é idêntico ao patrimônio da controladora, $ 29.704, conforme evidenciado no Quadro 11. Quadro 11 Evolução do patrimônio consolidado. COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS DEMONSTRAÇÃO DA EVOLUÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO DOS ACIONISTAS SALDO NO INÍCIO PERÍODO 20.630 AJUSTES DE EXERCÍCIOS ANTERIORES –420 LUCRO LÍQUIDO CONSOLIDADO 13.150 INTEGRALIZAÇÃO DE CAPITAL 350 DIVIDENDOS DISTRIBUÍDOS –4.006 SALDO NO FINAL DO PERÍODO 29.704 Finalmente, deve-se elaborar a demonstração das origens e aplicações de re- cursos consolidada, através da utilização das demais demonstrações consolidadas, bem como dos papéis de trabalho de movimentação do exigível a longo prazo e do realizável a longo prazo, de acordo com o apresentado nos Quadros 12 e 13. Quadro 12 Movimentação do passivo não circulante. Contas Saldo inicial Entradas Saídas Variação monetária Ajustes eliminação Saldo final Passivo Não Circulante 16.420 2.060 2.130 5.230 0 21.580 Delta 8.230 580 0 3.910 0 12.720 Sigma 8.190 1.480 2.130 1.320 0 8.860
  • 18. Consolidação das Demonstrações Financeiras  17 Quadro 13 Movimentação do realizável a longo prazo. Contas Saldo inicial Entradas Saídas Variação monetária Ajustes eliminação Saldo final Realizável a LP 3.220 11.940 1.200 2.500 (9.800) 6.660 Delta 1.620 7.580 470 1.390 (6.000) 4.120 Sigma 1.600 4.360 730 1.110 (3.800) 2.540 Com base nessas informações e nas demais demonstrações individuais e con- solidadas, elabora-se a demonstração do fluxo de caixa consolidado, conforme o apresentado no Quadro 14.
  • 19. 18  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes Quadro 14 Demonstração do Fluxo de Caixa Consolidado. COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA CONSOLIDADO FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS: 224.261 1) LUCRO LÍQUIDO ANTES DO IMP. RENDA E CONT. SOCIAL 20.491 AJUSTADO PELA: 2) RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL 0 3) DESPESAS COM DEPRECIAÇÃO 983 4) VARIAÇÃO MONETÁRIA ATIVA DO RLP –2.500 5) VARIAÇÃO MONETÁRIA PASSIVA DO ELP 5.230 6) PARTICIPAÇÃO DE NÃO CONTROLADORES NO RESULTADO 1.807 7) RESULTADO DO PERÍODO AJUSTADO 26.011 8) REDUÇÃO (AUMENTO) NAS CONTAS A RECEBER –39.390 9) REDUÇÃO (AUMENTO) NOS ESTOQUES –22.140 10) REDUÇÃO (AUMENTO) NAS DESP. EXERCÍCIO SEGUINTE –2.020 11) AUMENTO (REDUÇÃO) NO CONTAS A PAGAR 139.424 12) CAIXA GERADO PELAS OPERAÇÕES 101.885 13) JUROS PAGOS 0 14) IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PAGOS 0 15) CAIXA LÍQUIDO GERADO PELAS ATIVIDADES OPERACIONAIS 101.885 FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS: 16) RECEBIMENTO DE EMPRÉSTIMOS FEITOS A TERCEIROS 1.200 17) EMPRÉSTIMO FEITOS A TERCEIROS –2.140 18) AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS –6.000 19) AQUISIÇÃO DE IMOBILIZADO –1.300 20) AQUISIÇÃO DE INTANGÍVEIS –1.840 21) CAIXA LÍQUIDO USADO NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO –10.080 FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS: 22) DISTRIBUIÇÃO DE DIVIDENDOS 0 23) INTEGRALIZAÇÕES DE CAPITAL 6.350 24) CAIXA RECEBIDO DE FINANCIAMENTOS A PAGAR 2.060 25) PAGAMENTOS DE FINANCIAMENTOS A PAGAR –2.130 26) CAIXA LÍQUIDO PROVENIENTE DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO 6.280 27) AUMENTO LÍQUIDO DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 98.085 28) CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO INÍCIO DO PERÍODO 16.106 29) CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO FINAL DO PERÍODO 114.191
  • 20. Consolidação das Demonstrações Financeiras  19 Em relação ao Quadro 14, no qual os itens que compõem a demonstração do fluxo de caixa consolidado foram numerados, seus valores são obtidos, conforme mencionado anteriormente, a partir das demais demonstrações consolidadas e individuais, de acordo com o evidenciado a seguir: (1) o resultado antes do Imposto de Renda e da Contribuição Social pode ser obtido na demonstração do resultado do exercício consolidado ajustado do valor da participação de minoritários, já que a mesma é evidenciada separa- damente nos ajustes; (2) o resultado da equivalência patrimonial também pode ser obtido diretamente na demonstração do resultado do exercício consolidado, contudo o seu valor é zero, pois a equivalência patrimonial representa o lucro ou prejuízo obtido pela investidora de acordo com o percentual de participação no capital que ela possui em cada investida em relação ao lucro destas, consequentemente, como na demonstração do resultado do exercício consolidada os resultados das empresas são somados, ocorre uma duplicidade que é sanada através da eliminação do resultado de equivalência patrimonial; (3) a depreciação pode ser obtida diretamente na demonstração do resultado do exercício consolidado; (4) a variação monetária do realizável a longo prazo é obtida diretamente no papel de trabalho da movimentação do realizável a longo prazo. Esse valor, por sua vez, é obtido pelo somatório das variações monetárias ativas de lon- go prazo da controladora Delta e das controladas Ômega e Sigma, ou seja, $ 2.500 (1.390 + 0+ 1.110), obtido, mais facilmente, nas demonstrações de fluxo de caixa individuais; (5) a variação monetária do passivo não circulante é obtida diretamente no pa- pel de trabalho da movimentação do exigível a longo prazo. Esse valor, por sua vez, é obtido pelo somatório das variações monetárias passivas de longo prazo da controladora Delta e das controladas Ômega e Sigma, ou seja, $ 5.230 (3.910 + 0 + 1.320), obtido, mais facilmente, nas demonstrações de fluxo de caixa individuais; (6) as participações de não controladores no resultado do exercício são obtidas diretamente na demonstração do resultado do exercício consolidada; (7) o resultado do período ajustado é obtido pela diferença entre o resultado antes do Imposto de Renda e da Contribuição Social e os ajustes; (8) a redução ou aumento nas contas a receber refletem a movimentação ocorrida nas contas a receber no período (nesse caso, clientes e adiantamentos), que é obtida nos balanços patrimoniais individuais e no consolidado, conside- rando os saldos iniciais dos balanços individuais e o saldo final no balanço consolidado. Ademais, não é considerada a conta de Dividendos a Receber, pois a mesma não afetou o caixa;
  • 21. 20  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes (9) a redução ou aumento nos estoques, refletem a movimentação ocorrida nos estoques no período, que é obtida nos balanços patrimoniais individuais e no consolidado, considerando os saldos iniciais dos balanços individuais e o saldo final no balanço consolidado; (10) a redução ou aumento nas despesas do exercício seguinte refletem a movi- mentação ocorrida nesse grupo do ativo no período, que é obtida nos balanços patrimoniais individuais e no consolidado, considerando os saldos iniciais dos balanços individuais e o saldo final no balanço consolidado; (11) a redução ou aumento no contas a pagar reflete a movimentação ocorrida no passivo circulante (exceto financiamentos a pagar e Imposto de Renda e Con- tribuição Social a pagar) no período, que é obtida nos balanços patrimoniais individuais e no consolidado, considerando os saldos iniciais dos balanços individuais e o saldo final no balanço consolidado. Ademais, devem ser aba- tidos os valores de ajustes de exercícios anteriores, $ 420, e de dividendos a pagar, $ 4.561, pois os mesmos não afetaram o caixa; (12) o caixa gerado pelas operações é obtido pela diferença entre o resultado do período ajustado e os aumentos ou reduções dos ativos e passivos circulantes, exceto as disponibilidades; (13) os juros pagos são obtidos diretamente nos fluxos de caixa individuais da investidora e de suas investidas, nesse caso, não houve pagamento de juros; (14) os pagamentos de Imposto de Renda e Contribuição Social são obtidos dire- tamente nos fluxos de caixa individuais da investidora e de suas investidas; nesse caso, não houve pagamento de Imposto de Renda e Contribuição Social; (15) o caixa líquido gerado pelas atividades operacionais é obtido pela diferença entre o caixa gerado pelas operações e o valor dos juros pagos e Imposto de Renda e Contribuição Sociais pagos no período; (16) os recebimentos de empréstimos feitos a terceiros, nesse caso, estão repre- sentados pela conta de Empréstimos Compulsórios, cujos valores são obtidos diretamente no papel de trabalho da movimentação do realizável a longo prazo; (17) os empréstimos feitos a terceiros, nesse caso, estão representados pela conta de empréstimos compulsórios, cujos valores são obtidos diretamente no papel de trabalho da movimentação do realizável a longo prazo; (18) as aquisições de investimentos representam as aplicações de recursos em investimentos e podem ser obtidas diretamente nas demonstrações de fluxo de caixa individuais; (19) as aquisições de imobilizado ($ 1.300) representam os recursos aplicados no ativo imobilizado no período e podem ser obtidas diretamente nas demons- trações de fluxo de caixa individuais;
  • 22. Consolidação das Demonstrações Financeiras  21 (20) as aquisições de intangível representam as compras de marcas e patentes e podem ser obtidas diretamente nas demonstrações de fluxo de caixa indivi- duais, através do somatório dos aumentos do ativo intangível da controladora Delta e das controladas Ômega e Sigma, ou seja, $ 1.840 (770 + 510 + 560); (21) o caixa líquido usado nas atividades de investimentos é obtido pela soma algébrica das aquisições e baixas do ativo não circulante no período; (22) os dividendos distribuídos, que nesse caso não possuem valor, pois os mesmos não foram pagos, podem ser obtidos diretamente no razão contábil da conta de Dividendos a Pagar; (23) as integralizações de capital podem ser obtidas diretamente nas demonstra- ções de fluxo de caixa individuais, isto é $ 6.350 (350 + 0 + 6.000); (24) o caixa recebido de financiamentos a pagar é representado, nesse caso, pelos aumentos do passivo não circulante e é obtido diretamente no papel de trabalho da movimentação do passivo não circulante. Esse valor, por sua vez, é obtido pelo somatório dos aumentos dos passivos não circulantes da controladora Delta e das controladas Ômega e Sigma, ou seja, $ 2.060 (580 + 0 + 1.480), obtidos, mais facilmente, nas demonstrações de fluxo de caixa individuais; (25) os pagamentos de financiamentos a pagar representados pelas reduções do passivo não circulante são obtidos diretamente no papel de trabalho da movimentação do passivo não circulante. Esse valor, por sua vez, é obtido pelo somatório das reduções dos passivos não circulantes da controladora Delta e das controladas Ômega e Sigma, ou seja, $ 2.130 (0 + 0 + 2.130), obtidos, mais facilmente, nas demonstrações de fluxo de caixa individuais; (26) o caixa líquido proveniente das atividades de financiamento é obtido pela soma algébrica dos ingressos e desembolsos, originados no período, em de- corrência do aporte e devoluções ou pagamentos de capitais próprios e de terceiros, isto é, do passivo não circulante e do patrimônio líquido; (27) o aumento líquido de caixa e equivalente de caixa é obtido pela diferença entre o saldo de caixa e equivalentes de caixas no final do período e o seu saldo inicial; (28) o valor do caixa e equivalente de caixa no início do período pode ser obtido diretamente nos balanços patrimoniais individuais, através do somatório das disponibilidades no início do período da controladora Delta e de suas controladas Ômega e Sigma, ou seja, $ 16.106 (9.786 + 0 + 6.320); (29) o valor do caixa e equivalente de caixa no final do período ($ 114.191) pode ser obtido diretamente no saldo do grupo disponibilidades no balanço patrimonial consolidado.
  • 23. 22  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes 2  Caso prático de consolidação proporcional Esta seção apresenta um exemplo prático de consolidação proporcional das demonstrações financeiras de um grupo empresarial constituído por três empresas, a controladora Delta, sua subsidiária integral Ômega e sua controlada em conjun- to Sigma, cuja participação no capital social é de 50%, sendo que a subsidiária integral Ômega foi constituída no ano 20X1. Durante o exercício social de 20X1, ocorreram as seguintes operações intercompanhias: a) em julho de 20X1, a controladora Delta concedeu um empréstimo via contrato de mútuo para a subsidiária integral Ômega no valor de $ 6.000, em dinheiro; b) em setembro de 20X1, a controladora Delta efetuou a venda de mercado- rias a prazo, cujo custo era de $ 4.200, por $ 8.400, para sua subsidiária integral Ômega, sendo que na data do balanço patrimonial as mesmas ainda permaneciam nos estoques da subsidiária; c) em agosto de 20X1, a controlada em conjunto Sigma emprestou, por meio de uma operação de mútuo, para a controladora Delta, o valor de $ 3.800, em dinheiro; d) em outubro de 20X1, a controlada em conjunto Sigma vendeu merca- dorias a prazo para sua controladora Delta, cujo custo era de $ 7.200, por $ 14.000, sendo que na data do balanço patrimonial as mesmas já haviam sido vendidas para terceiros. Além disso, cabe ressaltar algumas informações adicionais em relação ao exemplo apresentado, dentre as quais se destacam as seguintes: • as empresas vendem produtos que não são tributados pelo PIS e pela Cofins, pois os produtos vendidos pelas empresas enquadram-se no re- gime de substituição tributária; • as operações de venda entre as companhias referem-se a produtos en- quadrados no regime de substituição tributária de ICMS. Em função disso, nenhum ajuste relativo a esses tributos foi considerado na ela- boração das demonstrações financeiras consolidadas, pois os mesmos, em função do exposto no parágrafo anterior, não geraram quaisquer efeitos na demonstração do resultado do exercício das companhias componentes do grupo consolidado. As demonstrações financeiras individuais, as quais incluem o balanço patri- monial, a demonstração do resultado do exercício, a demonstração de lucros e prejuízos acumulados e a demonstração do fluxo de caixa, do grupo empresarial, estão apresentadas nos Quadros 15 a 20.
  • 24. Consolidação das Demonstrações Financeiras  23 Quadro 15 DRE das companhias Delta, Ômega e Sigma. DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO DELTA ÔMEGA SIGMA RECEITA BRUTA 72.560 51.300 58.540 DEDUÇÕES DE VENDAS –8.707 –8.721 –7.572 ICMS S/ VENDAS 8.707 8.721 7.572 RECEITA LÍQUIDA 63.853 42.579 50.968 CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS –34.659 –22.482 –23.698 LUCRO BRUTO 29.194 20.097 27.270 DESPESAS COM VENDAS –4.749 –4.220 –3.171 DESPESAS COM PESSOAL 3.940 3.240 2.880 DEPRECIAÇÃO 809 0 291 ALUGUÉIS 0 980 0 DESPESAS ADMINISTRATIVAS –7.420 –4.850 –3.830 DESPESAS COM PESSOAL 4.900 4.200 3.170 DESPESAS MATERIAL DE EXPEDIENTE 2.520 650 660 DESPESAS FINANCEIRAS –3.790 –860 –1.320 VARIAÇÃO MONETÁRIA PASSIVA 3.790 0 1.320 DESPESAS BANCÁRIAS 0 860 0 RECEITAS FINANCEIRAS 1.320 750 1.110 VARIAÇÃO MONETÁRIA ATIVA 1.320 0 1.110 RENDIMENTO APLICAÇÕES FINANCEIRAS 0 750 0 OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS 7.525 –420 –340 RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL 8.085 0 0 PERDAS COM ESTOQUES –560 –420 –340 RESULTADO OPERACIONAL 22.080 10.497 19.719 RESULTADO ANTES DA CS E IR 22.080 10.497 19.719 CONTRIBUIÇÃO SOCIAL –1.260 –945 –1.775 PROVISÃO PARA IMPOSTO DE RENDA –1.910 –1.575 –2.958 RESULTADO ANTES DAS PARTICIPAÇÕES 18.910 7.977 14.986 DEBÊNTURES –1.891 –798 –1.499 EMPREGADOS –1.702 –718 –1.349 ADMINISTRADORES –710 –646 –1.214 LUCRO LÍQUIDO 14.607 5.815 10.924
  • 25. 24  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes Quadro 16 Balanço patrimonial da controladora Delta. BALANÇO PATRIMONIAL CONTROLADORA DELTA (EXERCÍCIO FINDO EM 31/12/X1) ATIVO 31/12/X 31/12/X1 PASSIVO 31/12/X 31/12/X1 CIRCULANTE 26.530 96.894 CIRCULANTE 18.880 98.438 DISPONIBILIDADES 10.660 58.790 FORNECEDORES 6.640 58.980 CAIXA 7.090 58.220 SALÁRIOS A PAGAR 2.670 4.150 BANCOS 3.570 570 CONTAS A PAGAR 7.410 9.810 PROVISÃO DE FÉRIAS 2.160 2.730 DIREITOS REALIZÁVEIS 14.160 36.394 PROVISÃO P/ IMP. RENDA 1.910 CLIENTES 4.070 12.470 CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 1.260 ESTOQUES 8.560 19.400 PARTICIPAÇÕES A PAGAR 4.303 ADIANTAMENTO DE VIAGEM 1.530 1.530 DIVIDENDOS A PAGAR 4.379 DIVIDENDOS A RECEBER 2.994 ENCARGOS SOCIAIS A PAGAR 4.690 ICMS A PAGAR 2.426 DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE 1.710 1.710 EMPRÉSTIMO SIGMA 3.800 SEGUROS PAGOS ANTECIPADAMENTE 1.710 1.710 NÃO CIRCULANTE 10.880 13.240 FINANCIAMENTOS A PG – LP 7.350 9.710 NÃO CIRCULANTE 24.210 47.312 ALUGUÉIS RECEBIDOS ANTECIPADA- MENTE 3.530 3.530 REALIZÁVEL A LP 1.550 9.950 EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO 1.550 3.950 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 20.980 32.528 EMPRÉSTIMO ÔMEGA 6.000 CAPITAL SOCIAL 13.690 15.580 INVESTIMENTOS 4.420 17.011 CAPITAL SUBSCRITO 15.000 15.000 PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS 4.420 17.011 CAPITAL A INTEGRALIZAR –1.310 580 IMOBILIZADO 18.240 18.731 RESERVA DE CAPITAL 0 0 IMÓVEL DE USO 20.220 20.220 DEPRECIAÇÃO ACUM. IMÓVEL DE USO –1.980 –2.789 RESERVA DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL 2.020 2.020 VEÍCULOS 1.300 RESERVAS DE LUCROS 2.920 3.311 INTANGÍVEL 0 1.620 RESERVA LEGAL 0 730 MARCAS E PATENTES 1.620 RESERVA ESTATUTÁRIA 0 1.461 RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 1.800 0 RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 1.120 1.120 LUCROS ACUMULADOS 2.350 11.617 TOTAL DO ATIVO 50.740 144.206 TOTAL PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 50.740 144.206
  • 26. Consolidação das Demonstrações Financeiras  25 Quadro 17 Balanço patrimonial da controlada Ômega. BALANÇO PATRIMONIAL CONTROLADA ÔMEGA (EXERCÍCIO FINDO EM 31/12/X1) ATIVO 31/12/X 31/12/X1 PASSIVO 31/12/X 31/12/X1 CIRCULANTE 0 75.620 CIRCULANTE 0 64.196 FORNECEDORES 0 40.836 DISPONIBILIDADES 0 36.060 SALÁRIOS A PAGAR 0 3.200 CAIXA 0 25.040 CONTAS A PAGAR 0 650 BANCOS 0 11.020 PROVISÃO P/ IMP. RENDA 0 1.575 CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 0 945 DIREITOS REALIZÁVEIS 0 38.510 PARTICIPAÇÕES A PAGAR 0 2.162 CLIENTES 0 25.650 DIVIDENDOS A PAGAR 0 1.381 ESTOQUES 0 12.420 ENCARGOS SOCIAIS A PAGAR 0 4.240 ADIANTAMENTOS FUNCIONÁRIOS 0 440 ICMS A PAGAR 0 3.207 EMPRÉSTIMO DELTA 6.000 DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE 0 1.050 SEGUROS PAGOS ANTECIPADAMENTE 0 1.050 NÃO CIRCULANTE 0 0 FINANCIAMENTOS A PG – LP 0 0 ALUGUÉIS RECEBIDOS ANTECIPADA- MENTE 0 0 NÃO CIRCULANTE 0 510 REALIZÁVEL A LP 0 0 0 0 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0 11.934 INVESTIMENTOS 0 0 CAPITAL SOCIAL 0 7.500 PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS 0 0 CAPITAL SUBSCRITO 0 7.500 CAPITAL A INTEGRALIZAR 0 0 IMOBILIZADO 0 0 IMÓVEL DE USO 0 0 RESERVA DE CAPITAL 0 0 DEPRECIAÇÃO ACUM. IMÓVEL DE USO 0 0 VEÍCULOS 0 0 AJUSTES DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL 0 0 INTANGÍVEL 0 510 RESERVAS DE LUCROS 0 873 MARCAS E PATENTES 0 510 RESERVA LEGAL 0 291 RESERVA ESTATUTÁRIA 0 582 RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 0 0 RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 0 0 LUCROS ACUMULADOS 0 3.561 TOTAL DO ATIVO 0 76.130 TOTAL PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0 76.130
  • 27. 26  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes Quadro 18 Balanço patrimonial da controlada Sigma. BALANÇO PATRIMONIAL CONTROLADA SIGMA (EXERCÍCIO FINDO EM 31/12/X1) ATIVO 31/12/X 31/12/X1 PASSIVO 31/12/X 31/12/X1 CIRCULANTE 20.440 76.370 CIRCULANTE 12.490 65.061 FORNECEDORES 6.150 40.750 DISPONIBILIDADES 6.320 26.870 SALÁRIOS A PAGAR 2.450 2.790 CAIXA 2.500 17.676 CONTAS A PAGAR 1.650 2.310 BANCOS 3.820 9.194 PROVISÃO DE FÉRIAS 2.240 2.240 PROVISÃO P/ IMP. RENDA 0 2.958 DIREITOS REALIZÁVEIS 12.550 46.950 CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 0 1.775 CLIENTES 3.610 32.880 PARTICIPAÇÕES A PAGAR 0 4.062 ESTOQUES 7.770 12.450 DIVIDENDOS A PAGAR 0 3.226 ADIANTAMENTO FUNCIONÁRIOS 1.170 1.620 ENCARGOS SOCIAIS A PAGAR 0 3.260 ICMS A PAGAR 0 1.690 DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE 1.570 2.550 SEGUROS PAGOS ANTECIPADAMENTE 1.570 2.550 NÃO CIRCULANTE 8.190 8.860 FINANCIAMENTOS A PG – LP 5.120 5.790 ALUGUÉIS RECEBIDOS ANTECIPADA- MENTE 3.070 3.070 NÃO CIRCULANTE 9.080 14.089 REALIZÁVEL A LP 1.610 6.350 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 8.840 16.538 EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO 1.610 2.550 EMPRÉSTIMO DELTA 0 3.800 CAPITAL SOCIAL 4.330 4.330 CAPITAL SUBSCRITO 4.330 4.330 INVESTIMENTOS 3.170 3.170 CAPITAL A INTEGRALIZAR 0 0 PARTICIPAÇÕES OUTRAS EMP. 3.170 3.170 RESERVA DE CAPITAL 0 0 IMOBILIZADO 4.300 4.009 IMÓVEL DE USO 7.270 7.270 AJUSTES DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL 0 0 DEPRECIAÇÃO ACUM. IMÓVEL DE USO –2.970 –3.261 VEÍCULOS 0 0 RESERVAS DE LUCROS 2.840 4.432 RESERVA LEGAL 0 546 INTANGÍVEL 0 560 RESERVA ESTATUTÁRIA 0 1.092 MARCAS E PATENTES 0 560 RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 1.670 1.670 RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 1.170 1.124 LUCROS ACUMULADOS 1.670 7.776 TOTAL DO ATIVO 29.520 90.459 TOTAL PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 29.520 90.459
  • 28. Consolidação das Demonstrações Financeiras  27 Quadro 19 DELPA das companhias Delta, Ômega e Sigma. DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DELTA ÔMEGA SIGMA SALDO NO INÍCIO DO PERÍODO 2.350 0 1.670 AJUSTE DE EXERCÍCIO ANTERIOR –570 0 0 SALDO AJUSTADO 1.780 0 1.670 REVERSÃO DE RESERVAS 1.800 0 46 RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 1.800 0 0 RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 0 0 46 RESERVA DE REAVALIAÇÃO 0 0 0 LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO 14.607 5.815 10.924 SALDO A DISPOSIÇÃO DA AGO/E 18.187 5.815 12.640 DESTINAÇÕES –6.570 –2.254 –4.864 RESERVA LEGAL 730 291 546 DIVIDENDO PREFERENCIAL 480 0 620 DIVIDENDO ORDINÁRIO 3.899 1.381 2.606 RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 0 0 0 RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 0 0 0 RESERVA ESTATUTÁRIA 1.461 582 1.092 SALDO NO FINAL DO PERÍODO 11.617 3.561 7.776
  • 29. 28  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes Quadro 20 Fluxo de caixa das companhias Delta, Ômega e Sigma. DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DELTA ÔMEGA SIGMA FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS: LUCRO LÍQUIDO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA E CONT. SOCIAL 17.777 8.335 15.657 AJUSTADO POR: RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL –8.085 0 0 DESPESAS COM DEPRECIAÇÃO 809 0 291 VARIAÇÃO MONETÁRIA ATIVA DO RLP –1.320 0 –1.110 VARIAÇÃO MONETÁRIA PASSIVA DO ELP 3.790 0 1.320 RESULTADO DO PERÍODO AJUSTADO 12.971 8.335 16.158 REDUÇÃO (AUMENTO) NAS CONTAS A RECEBER –8.400 –26.090 –29.720 REDUÇÃO (AUMENTO) NOS ESTOQUES –10.840 –12.420 –4.680 REDUÇÃO (AUMENTO) NAS DESP. EXERCÍCIO SEGUINTE 0 –1.050 –980 AUMENTO (REDUÇÃO) NO CONTAS A PAGAR 67.639 54.295 44.612 CAIXA GERADO PELAS OPERAÇÕES 61.370 23.070 25.390 JUROS PAGOS 0 0 0 IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PAGOS 0 0 0 CAIXA LÍQUIDO PROVENIENTE DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS 61.370 23.070 25.390 FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS: RECEBIMENTO DE EMPRÉSTIMOS FEITOS A TERCEIROS 560 0 730 EMPRÉSTIMOS FEITOS A TERCEIROS –7.640 0 –4.360 AQUISIÇÃO DE IMOBILIZADO –1.300 0 0 AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS –7.500 0 0 AQUISIÇÃO DE INTANGÍVEL –1.620 –510 –560 CAIXA LÍQUIDO USADO NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO –17.500 –510 –4.190 FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS: DISTRIBUIÇÃO DE DIVIDENDOS 0 0 0 INTEGRALIZAÇÕES DE CAPITAL 1.890 7.500 0 CAIXA RECEBIDO DE FINANCIAMENTOS A PAGAR 4.770 6.000 1.480 PAGAMENTOS DE FINANCIAMENTOS A PAGAR –2.400 0 –2.130 CAIXA LÍQUIDO USADO NAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO 4.260 13.500 –650 AUMENTO LÍQUIDO DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 48.130 36.060 20.550 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO INÍCIO DO PERÍODO 10.660 0 6.320 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO FINAL DO PERÍODO 58.790 36.060 26.870
  • 30. Consolidação das Demonstrações Financeiras  29 Essas demonstrações, apresentadas nos Quadros 15 a 20, servem de base para os relatórios consolidados que serão vistos a seguir. Entretanto, antes de se proceder à consolidação, torna-se necessário que primeiramente sejam efetuados os ajustes requeridos por tal processo, de acordo com o exposto anteriormente, que estão evidenciados no Quadro 21. Quadro 21 Registros de eliminação na consolidação proporcional. COMPANHIA DELTA E CONTROLADAS RESUMO DOS LANÇAMENTOS DE ELIMINAÇÕES NO do REGISTRO HISTÓRICO/REGISTRO DÉBITO CRÉDITO D – FORNECEDORES (ÔMEGA) 8.400 C – CLIENTES (DELTA) 8.400 – 1 D – RECEITA DE VENDAS (DELTA) 8.400 C – CMV (DELTA) 4.200 C – ESTOQUES (ÔMEGA) 4.200 – 2 D – IMPOSTOS DIFERIDOS 1.008 C – PROVISÃO IMPOSTO DE RENDA 630 C – CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 378 – 3 D – EMPRÉSTIMOS DELTA (ÔMEGA) 6.000 C – EMPRÉSTIMOS ÔMEGA (DELTA) 6.000 – 4 D – EMPRÉSTIMOS SIGMA (DELTA) 1.900 C – EMPRÉSTIMOS DELTA (SIGMA) 1.900 D – FORNECEDORES(DELTA) 7.000 – 5 C – CLIENTES (SIGMA) 7.000 D – RECEITA DE VENDAS (SIGMA) 7.000 C – CMV (SIGMA) 3.600 C – CMV (DELTA) 3.400 D – DIVIDENDOS A PAGAR (ÔMEGA) 1.381 – 6 D – DIVIDENDOS A PAGAR (SIGMA) 1.613 C – DIVIDENDOS A RECEBER (DELTA) 2.994 D – CAPITAL SUBSCRITO (ÔMEGA) 7.500 – 7 D – RESERVA LEGAL (ÔMEGA) 291 D – RESERVA ESTATUTÁRIA (ÔMEGA) 582 D – LUCROS ACUMULADOS (ÔMEGA) 3.561 C – PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS (DELTA) 8.742 C – RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL 3.192 D – CAPITAL SUBSCRITO (SIGMA) 2.165 D – RESERVA LEGAL (SIGMA) 273 – 8 D – RESERVA ESTATUTÁRIA (SIGMA) 546 D – RESERVA DE LUCROS A REALIZAR (SIGMA) 562 D – RESERVA DE CONTINGÊNCIAS (SIGMA) 835 D – LUCROS ACUMULADOS (SIGMA) 3.888 C – PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS (DELTA) 8.269
  • 31. 30  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes O Quadro 21 apresenta os registros de eliminação que devem ser feitos na consolidação, pelos motivos apresentados a seguir: 1. Refere-se à aquisição de mercadorias da empresa Ômega junto à contro- ladora Delta, pelo valor de $ 8.400 a prazo, gerando um direito (clientes) na controladora e uma obrigação na controlada (fornecedores), devendo, portanto, tais valores ser eliminados das demonstrações consolidadas. Além disso, como se trata de venda entre as companhias do grupo, é necessário eliminar a receita de vendas da controladora e o respectivo custo, tanto na controladora quanto na controlada. Entretanto, esse ajuste direto ocorreria somente se as mercadorias já tivessem sido vendidas a terceiros. Como as mercadorias ainda estão no estoque da controlada, é necessário ainda eliminar o lucro remanescente em seu estoque, no caso, a diferença entre $ 8.400 (preço de venda) e $ 4.200 (preço de custo). 2. Esse ajuste refere-se ao Imposto de Renda e Contribuição Social inci- dentes sobre o lucro não realizado, que devem ser reclassificados nas demonstrações financeiras consolidadas, e correspondem a 15% e 9%, respectivamente, do valor do lucro não realizado, que é de $ 4.200, re- sultando num valor de $ 1.008; consequentemente, o lucro não realizado líquido é de $ 3.192 (4.200 – 1.008). 3. Esse ajuste refere-se ao empréstimo concedido por Delta a Ômega, ge- rando um direito na primeira e uma obrigação na última, que devem ser eliminados na consolidação. 4. O presente ajuste também se relaciona à concessão de empréstimo, só que este concedido por Sigma a Delta, igualmente gerando um direito na primeira e uma obrigação na última, que devem ser eliminados na consolidação, proporcionalmente à participação de Delta em Sigma. 5. Refere-se à aquisição de mercadorias da empresa Delta junto à controlada Sigma, pelo valor de $ 14.000 a prazo, gerando um direito (clientes) na controlada e uma obrigação na controladora (fornecedores), devendo, portanto, ser eliminados proporcionalmente nas demonstrações conso- lidadas, ou seja, $ 7.000 (14.000 × 50%). Adicionalmente, como se trata de venda entre as companhias do gru- po, é necessário eliminar a receita de vendas da controlada e o respectivo custo proporcionalmente, tanto na controladora quanto na controlada. Uma vez que as mercadorias já foram vendidas a terceiros, é necessário eliminar a receita de vendas e o custo parcial da controlada, além da parte do custo que está registrada na controladora, a fim de se evidenciar so- mente o lucro efetivamente realizado com terceiros. 6. Os dividendos propostos foram calculados nas duas controladas, Ômega e Sigma, gerando uma obrigação nas duas companhias e, em contrapartida,
  • 32. Consolidação das Demonstrações Financeiras  31 gerando um direito na controladora Delta, devendo então ser eliminados por não se tratar de direitos ou obrigações junto a terceiros.    O valor do dividendo na controlada Ômega, $ 1.381, está evidenciado na demonstração de lucros ou prejuízos acumulados (DELPA), apresenta- da no Quadro 19; o valor relativo à controlada Sigma, $ 1.613, também está evidenciado na DELPA apresentada no Quadro 19 ($ 3.226 × 50%). Esses valores também constam no balanço patrimonial das controladas apresentados nos Quadros 17 e 18. Já o valor dos dividendos a receber, na controladora, no valor de $ 2.994 pode ser observado no balanço patrimonial apresentado no Quadro 16. 7. Refere-se à eliminação do investimento da controladora Delta na contro- lada Ômega. Por tratar-se de subsidiária integral, todo o valor do patri- mônio líquido da mesma deve ser eliminado, ou seja, $ 11.934, conforme demonstrado no seu balanço patrimonial, no Quadro 17. Além disso, como na demonstração individual da controladora já foi considerado o lucro não realizado na operação descendente (downstream), de $ 3.192 (4.200 – 1.008), deve-se creditar esse valor na conta de Resultado de Equivalência Patrimonial, conforme demonstrado no seu balanço patri- monial, no Quadro 21. 8. Refere-se à eliminação do investimento da controladora Delta na contro- lada com controle compartilhado Sigma. Como o percentual de participa- ção é de 50%, esse mesmo percentual deve ser aplicado sobre o valor do patrimônio líquido de Sigma. Conforme pode ser observado no balanço patrimonial da companhia, no Quadro 18, o valor do patrimônio líquido é de $ 16.538; 50% corresponde ao valor de $ 8.269. Assim, devem ser eliminadas todas as contas do patrimônio líquido de acordo com esse percentual. É importante destacar que no caso de controle compartilhado não existem as participações de não controladores. Após os referidos ajustes, deve-se elaborar a demonstração do resultado do exercício consolidada, que é obtida através do somatório das demonstrações indi- viduais da controladora Delta e da controlada Ômega, bem como do valor propor- cional (50%) na controlada compartilhada Sigma, adicionando ou excluindo os ajustes de eliminação apresentados anteriormente, de acordo com o apresentado no Quadro 21.
  • 33. 32  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes Quadro 22 Demonstração do resultado do exercício consolidada proporcionalmente. COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS CONSOLIDAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO Discriminação das Contas Saldos DRE Eliminações Consolidação Saldos Consolidados Controladora DELTA Controlada ÔMEGA Controlada SIGMA D C RECEITA BRUTA 72.560 51.300 58.540 15.400 137.730 DEDUÇÕES DE VENDAS –8.707 –8.721 –7.572 –21.214 ICMS SOBRE VENDAS 8.707 8.721 7.572 21.214 RECEITA LÍQUIDA 63.853 42.579 50.968 116.516 CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS –34.659 –22.482 –23.698 11.200 –57.790 LUCRO BRUTO 29.194 20.097 27.270 58.726 DESPESAS COM VENDAS –4.749 –4.220 –3.171 –10.555 DESPESAS COM PESSOAL 3.940 3.240 2.880 8.620 DEPRECIAÇÃO 809 0 291 955 ALUGUÉIS 0 980 980 DESPESAS ADMINISTRATIVAS –7.420 –4.850 –3.830 –14.185 DESPESAS COM PESSOAL 4.900 4.200 3.170 10.685 DESPESAS MATERIAL DE EXPEDIENTE 2.520 650 660 3.500 DESPESAS FINANCEIRAS –3.790 –860 –1.320 –5.310 VARIAÇÃO MONETÁRIA PASSIVA 3.790 1.320 4.450 DESPESAS BANCÁRIAS 860 860 RECEITAS FINANCEIRAS 1.320 750 1.110 2.625 VARIAÇÃO MONETÁRIA ATIVA 1.320 1.110 1.875 RENDIMENTO APLICAÇÕES FINANCEIRAS 750 750 OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS 7.525 –420 –340 11.277 3.192 –1.150 RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL 8.085 0 0 11.277 3.192 0 PERDAS COM ESTOQUES –560 –420 –340 –1.150 RESULTADO OPERACIONAL 22.080 10.497 19.719 30.151 RESULTADO ANTES DA CS E IR 22.080 10.497 19.719 30.151 CONTRIBUIÇÃO SOCIAL –1.260 –945 –1.775 378 –2.715 PROVISÃO PARA IMPOSTO DE RENDA –1.910 –1.575 –2.958 630 –4.334 RESULTADO ANTES DAS PARTICIPAÇÕES 18.910 7.977 14.986 23.102 DEBÊNTURES –1.891 –798 –1.499 –3.438 EMPREGADOS –1.702 –718 –1.349 –3.094 ADMINISTRADORES –710 –646 –1.214 –1.963 LUCRO LÍQUIDO DO PERÍODO 14.607 5.815 10.924 14.607 LUCRO LÍQUIDO CONSOLIDADO 14.607 15.400 15.400
  • 34. Consolidação das Demonstrações Financeiras  33 Em relação ao Quadro 22 é importante observar que o lucro líquido consoli- dado, $ 14.607, é idêntico ao lucro líquido da controladora Delta, $ 14.607, ou seja, de forma similar ao que ocorre na consolidação plena, porém, não é desta- cada a participação de não controladores, que é distribuída em todas as contas da demonstração do resultado do exercício. Já o valor do lucro não realizado é obtido através do cálculo apresentado na Figura 2. Valor de venda $ 8.400 Custo da venda $ (4.200) Lucro bruto $ 4.200 Tributos diferidos $ (1.008) Lucro não realizado $ 3.192 Figura 2  Cálculo do lucro não realizado. O passo seguinte é o da elaboração do balanço patrimonial consolidado, que é obtido através do somatório das demonstrações individuais da controladora Delta e da controlada Ômega, bem como do valor proporcional (50%) da controlada compartilhada Sigma, adicionando ou excluindo os ajustes de eliminação apre- sentados anteriormente, conforme o apresentado nos Quadros 23 e 24.
  • 35. 34  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes Quadro 23 Balanço patrimonial (ativo) consolidado proporcionalmente. COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS CONSOLIDAÇÃO DO ATIVO Discriminação das Contas Saldos Balanço Eliminações Consolidação Saldos ConsolidadosControladora DELTA Controlada ÔMEGA Controlada SIGMA D C ATIVO CIRCULANTE 96.894 75.620 76.370 0 22.594 188.105 DISPONIBILIDADES 58.790 36.060 26.870 108.285 CAIXA 57.110 25.040 17.676 90.988 BANCOS 1.680 11.020 9.194 17.297 DIREITOS REALIZÁVEIS 36.394 38.510 46.950 0 22.594 75.785 CLIENTES 12.470 25.650 32.880 15.400 39.160 ESTOQUES 19.400 12.420 12.450 4.200 33.845 ADIANTAMENTO FUNCIONÁRIOS 1.530 440 1.620 2.780 DIVIDENDOS A RECEBER 2.994 0 0 2.994 0 DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE 1.710 1.050 2.550 4.035 SEGUROS PAGOS ANTECIPADAMENTE 1.710 1.050 2.550 4.035 NÃO CIRCULANTE 47.312 510 14.089 1.008 24.911 30.963 REALIZÁVEL A LP 9.950 0 6.350 1.008 7.900 6.233 EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO 3.950 0 2.550 5.225 EMPRÉSTIMO ÔMEGA 6.000 0 0 6.000 0 EMPRÉSTIMO DELTA 0 0 3.800 1.900 0 IMPOSTOS DIFERIDOS 1.008 1.008 INVESTIMENTOS 17.011 0 3.170 17.011 1.585 PARTICIPAÇÕES EM CONTROLADAS 17.011 0 0 17.011 0 PARTICIPAÇÕES OUTRAS EMPRESAS 0 0 3.170 1.585 IMOBILIZADO 18.731 0 4.009 20.735 IMÓVEL DE USO 20.220 0 7.270 23.855 DEPRECIAÇÃO ACUM. IMÓVEL DE USO –2.789 0 –3.261 –4.420 VEÍCULOS 1.300 0 0 1.300 INTANGÍVEL 1.620 510 560 2.410 MARCAS E PATENTES 1.620 510 560 2.410 TOTAL DO ATIVO 144.206 76.130 90.459 1.008 47.505 219.068
  • 36. Consolidação das Demonstrações Financeiras  35 Quadro 24 Balanço patrimonial (passivo) consolidado proporcionalmente. COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS CONSOLIDAÇÃO DO PASSIVO Discriminação das Contas Saldos Balanço Eliminações Consolidação Saldos ConsolidadosControladora DELTA Controlada ÔMEGA Controlada SIGMA D C PASSIVO CIRCULANTE 98.438 64.196 65.061 26.294 168.870 FORNECEDORES 58.980 40.836 40.750 15.400 104.791 SALÁRIOS A PAGAR 4.150 3.200 2.790 8.745 CONTAS A PAGAR 9.810 650 2.310 11.615 PROVISÃO DE FÉRIAS 2.730 2.240 3.850 PROVISÃO P/ IMP. RENDA 1.910 1.575 2.958 4.964 CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 1.260 945 1.775 3.092 PARTICIPAÇÕES A PAGAR 4.303 2.162 4.062 8.496 DIVIDENDOS A PAGAR 4.379 1.381 3.226 2.994 4.379 ENCARGOS SOCIAIS A PAGAR 4.690 4.240 3.260 10.560 ICMS A PAGAR 2.426 3.207 1.690 6.478 EMPRÉSTIMO DELTA 0 6.000 0 6.000 0 EMPRÉSTIMO SIGMA 3.800 0 0 1.900 1.900 NÃO CIRCULANTE 13.240 0 8.860 17.670 FINANCIAMENTOS A PAGAR – LP 9.710 0 5.790 12.605 ALUGUÉIS RECEBIDOS ANTECIPADAMENTE 3.530 0 3.070 5.065 PATRIMÔNIO LIQUIDO 32.528 11.934 16.538 20.203 0 32.528 CAPITAL SUBSCRITO 15.000 7.500 4.330 9.665 15.000 CAPITAL A INTEGRALIZAR 580 0 0 0 580 RESERVA DE CAPITAL 0 0 0 0 0 RESERVA DE REAVALIAÇÃO 2.020 0 0 0 2.020 RESERVAS DE LUCROS 3.311 873 4.432 3.089 3.311 RESERVA LEGAL 730 291 546 564 730 RESERVA ESTATUTÁRIA 1.461 582 1.092 1.128 1.461 RESERVA DE CONTINGÊNCIAS 0 0 1.670 835 0 RESERVA DE LUCROS A REALIZAR 1.120 0 1.124 562 1.120 LUCROS ACUMULADOS 11.617 3.561 7.776 7.449 11.617 TOTAL DO PASSIVO E DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 144.206 76.130 90.459 46.497 0 219.068
  • 37. 36  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes Em relação ao Quadro 24, é importante ressaltar que o ajuste na conta de lucros acumulados no valor de $ 7.449 é obtido pelo somatório do valor da conta de lucros acumulados da controlada Ômega, $ 3.561, e da conta de lucros acu- mulados proporcional da controlada Sigma, $ 3.888 (7.776 × 50%). Já a evolução do patrimônio líquido consolidado é obtida através do balanço patrimonial consolidado, que, conforme abordado na parte teórica, é idêntico ao patrimônio da controladora, $ 32.528, já que, a partir da Interpretação Técnica ICPC 09, o lucro não realizado em operações descendentes é considerado no cálculo da equivalência patrimonial, conforme evidenciado no Quadro 25. Quadro 25 Evolução do patrimônio consolidado. COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS DEMONSTRAÇÃO DA EVOLUÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO DOS ACIONISTAS SALDO NO INÍCIO DO PERÍODO 20.980 AJUSTES DE EXERCÍCIOS ANTERIORES – 570 LUCRO LIQUIDO CONSOLIDADO 14.607 INTEGRALIZAÇÃO DE CAPITAL 1.890 DIVIDENDOS DISTRIBUÍDOS – 4.379 SALDO NO FINAL DO PERÍODO 32.528 A seguir, deve-se elaborar a demonstração do fluxo de caixa consolidado, atra- vés da utilização das demais demonstrações consolidadas, bem como dos papéis de trabalho de movimentação do passivo não circulante e do realizável a longo prazo, de acordo com o apresentado nos Quadros 26 e 27.
  • 38. Consolidação das Demonstrações Financeiras  37 Quadro 26 Movimentação do passivo não circulante. Contas Saldo inicial Entradas Saídas Variação monetária Ajustes eliminação Saldo final Passivo Não Circulante 14.975 1.710 3.465 4.450 0 14.765 Delta 10.880 970 2.400 3.790 0 13.240 Sigma 4.095 740 1.065 660 0 4.430 Em relação ao Quadro 26, é importante destacar que o saldo inicial de $ 14.975 é obtido pelo somatório do saldo inicial das contas do Passivo Não Circulante da controladora Delta, da controlada Ômega e do saldo proporcional das contas da controlada compartilhada Sigma [10.880 + 0 + (8.190 × 50%)], esse mesmo tratamento deve ser dado às entradas, saídas e para variação monetária. Quadro 27 Movimentação do realizável a longo prazo. Contas Saldo inicial Entradas Saídas Variação monetária Ajustes eliminação Saldo final Realizável a LP 2.355 9.820 925 1.875 7.900 5.225 Delta 1.550 7.640 560 1.320 6.000 3.950 Sigma 805 2.180 365 555 1.900 1.275 Em relação ao Quadro 27, é importante destacar que o saldo inicial de $ 2.355 é obtido pelo somatório do saldo inicial das contas do Realizável a Longo Prazo da controladora Delta, da controlada Ômega e do saldo proporcional das contas da controlada compartilhada Sigma [1.550 + 0 + (1.610 × 50%)]; esse mesmo tratamento deve ser dado às entradas, saídas e para variação monetária. Com base nas informações fornecidas nos Quadros 26 e 27, na demonstração do resultado consolidada, na demonstração da evolução do patrimônio líquido consolidado e no balanço patrimonial consolidado, bem como nos balanços patri- moniais e nas demonstrações de fluxo de caixa individuais em relação aos saldos iniciais e movimentação do ativo não circulante, respectivamente, elabora-se a de- monstração de fluxo de caixa consolidado, conforme o apresentado no Quadro28.
  • 39. 38  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes Quadro 28 Demonstração do fluxo de caixa consolidado proporcionalmente. COMPANHIA “DELTA” E CONTROLADAS DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA CONSOLIDADO FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS: 215.926 1) LUCRO LÍQUIDO ANTES DO IMP. RENDA E CONT. SOCIAL 21.656 AJUSTADO POR: 2) RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL 0 3) DESPESAS COM DEPRECIAÇÃO 955 4) VARIAÇÃO MONETÁRIA ATIVA DO RLP –1.875 5) VARIAÇÃO MONETÁRIA PASSIVA DO ELP 4.450 6) RESULTADO DO PERÍODO AJUSTADO 25.185 7) REDUÇÃO (AUMENTO) NAS CONTAS A RECEBER –33.950 8) REDUÇÃO (AUMENTO) NOS ESTOQUES –21.400 9) REDUÇÃO (AUMENTO) NAS DESP. EXERCÍCIO SEGUINTE –1.540 10) AUMENTO (REDUÇÃO) NO CONTAS A PAGAR 128.840 11) CAIXA GERADO PELAS OPERAÇÕES 97.135 12) JUROS PAGOS 0 13) IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PAGOS 0 14) CAIXA LÍQUIDO PROVENIENTE DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS 97.135 FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS: 15) RECEBIMENTO DE EMPRÉSTIMOS FEITOS A TERCEIROS 925 16) EMPRÉSTIMO FEITOS A TERCEIROS –1.920 17) AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS –7.500 18) AQUISIÇÃO DE IMOBILIZADO –1.300 19) AQUISIÇÃO DE INTANGÍVEIS –2.410 20) CAIXA LÍQUIDO USADO NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO –12.205 FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS: 21) DISTRIBUIÇÃO DE DIVIDENDOS 0 22) INTEGRALIZAÇÕES DE CAPITAL 9.390 23) CAIXA RECEBIDO DE FINANCIAMENTOS A PAGAR 3.610 24) PAGAMENTOS DE FINANCIAMENTOS A PAGAR –3.465 25) CAIXA LÍQUIDO PROVENIENTE DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO 9.535 26) AUMENTO LÍQUIDO DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 94.465 27) CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO INÍCIO DO PERÍODO 13.820 28) CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO FINAL DO PERÍODO 108.285
  • 40. Consolidação das Demonstrações Financeiras  39 Em relação ao Quadro 28, no qual os itens que compõem a demonstração do fluxo de caixa consolidado foram numerados, seus valores são obtidos, conforme mencionado anteriormente, a partir das demais demonstrações consolidadas e individuais, de acordo com o evidenciado a seguir: (1) o lucro líquido antes do Imposto de Renda e da Contribuição Social pode ser obtido diretamente na demonstração do resultado do exercício consolidado, no entanto, como nesse caso foram elaboradas demonstrações contábeis de acordo com a legislação societária, é necessário retirar o efeito das partici- pações que de acordo com as normas pelo CPC são distribuídas nas despesas operacionais e financeiras, ou seja, o valor de $ 21.656 é obtido pelo somató- rio entre o lucro líquido consolidado e o Imposto de Renda e a Contribuição Social ($ 14.607 + $ 2.715 + $ 4.334); (2) o resultado da equivalência patrimonial também pode ser obtido diretamente na demonstração do resultado do exercício consolidado, contudo o seu valor é zero, pois a equivalência patrimonial representa o lucro ou prejuízo obtido pela investidora de acordo com o percentual de participação no capital que ela possui em cada investida em relação ao lucro destas; consequentemente, como na demonstração do resultado do exercício consolidada os resultados das empresas são somados, ocorre uma duplicidade que é sanada através da eliminação do resultado de equivalência patrimonial; (3) a depreciação pode ser obtida diretamente na demonstração do resultado do exercício consolidado; (4) a variação monetária do realizável a longo prazo é obtida diretamente no papel de trabalho da movimentação do realizável a longo prazo. Esse valor, por sua vez, é obtido pelo somatório das variações monetárias ativas de longo prazo da controladora Delta e da controlada Ômega, bem como do valor proporcional (50%) da controlada Sigma, ou seja, $ 1.875 [1.320 + 0 + (1.100 × 50%)], obtidos, mais facilmente, nas demonstrações de fluxo de caixa individuais; (5) a variação monetária do passivo não circulante é obtida diretamente no papel de trabalho da movimentação do passivo não circulante. Esse valor, por sua vez, é obtido pelo somatório das variações monetárias passivas de longo prazo da controladora Delta e da controlada Ômega, bem como do valor proporcional (50%) da controlada Sigma, ou seja, $ 4.450 [3.790 + 0+ (1.320/2)], obtidos, mais facilmente, nas demonstrações de fluxo de caixa individuais; (6) o resultado do período ajustado é obtido pela diferença entre o lucro líquido antes do Imposto de Renda e da Contribuição Social e o somatório dos ajustes; (7) a redução ou aumento nas contas a receber refletem a movimentação ocorrida nas contas a receber no período (nesse caso, clientes e adiantamentos), que é
  • 41. 40  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes obtida nos balanços patrimoniais individuais (saldos iniciais), considerando- -se a totalidade de seus valores em relação à controladora Delta e à controlada Ômega e o valor proporcional (50%) da controlada Sigma, bem como no balanço patrimonial consolidado (saldo final); (8) a redução ou aumento nos estoques refletem a movimentação ocorrida nos estoques no período, considerando-se a totalidade de seus valores em relação à controladora Delta e à controlada Ômega e o valor proporcional (50%) da controlada Sigma, que são obtidos nos balanços patrimoniais individuais (saldo inicial) e no consolidado (saldo final); (9) a redução ou aumento nas despesas do exercício seguinte refletem a mo- vimentação ocorrida nesse grupo do ativo no período, considerando-se a totalidade de seus valores em relação à controladora Delta e à controlada Ômega e o valor proporcional (50%) da controlada Sigma, que são obtidos nos balanços patrimoniais individuais (saldo inicial) e no consolidado (saldo final); (10) a redução ou aumento no contas a pagar reflete a movimentação ocorrida no passivo circulante no período (exceto financiamentos a pagar e Imposto de Renda e Contribuição Social a pagar), considerando-se a totalidade de seus valores em relação à controladora Delta e à controlada Ômega e o va- lor proporcional (50%) da controlada Sigma, que são obtidos nos balanços patrimoniais individuais (saldo inicial) e no consolidado (saldo final). Além disso, deve ser diminuído o valor dos dividendos a pagar e dos ajustes de exercícios anteriores, pois os mesmos não geraram movimentação no caixa; (11) o caixa gerado pelas operações é obtido pela diferença entre o resultado do período ajustado e os aumentos ou reduções dos ativos e passivos circulantes, exceto as disponibilidades; (12) os juros pagos são obtidos diretamente no razão contábil das contas sujeitas a esse encargo; (13) os valores do Imposto de Renda e Contribuição Social pagos são obtidos diretamente no razão contábil da conta de Provisão para Imposto de Renda e Contribuição Social a pagar; (14) o valor do caixa líquido das atividades operacionais é obtido pela diferença entre o valor do caixa gerado pelas operações e os juros, Imposto de Renda e Contribuição Social pagos; (15) os recebimentos de empréstimos feitos a terceiros, nesse caso, estão repre- sentados pela conta de Empréstimos Compulsórios, cujos valores são obtidos diretamente no papel de trabalho da movimentação do realizável a longo prazo, $ 925 [560 + 0 + (730/2)]; (16) os empréstimos feitos a terceiros, nesse caso, estão representados pela conta de Empréstimos Compulsórios, cujos valores são obtidos diretamente no papel
  • 42. Consolidação das Demonstrações Financeiras  41 de trabalho da movimentação do realizável a longo prazo, $ 1.920 [1.640 + 0 + (4.360/2)] – 6.000 – (3.800/2); (17) as aquisições de imobilizado, $ 1.300, podem ser obtidas diretamente nas demonstrações de fluxo de caixa individuais; (18) as aquisições de investimentos, $ 7.500, podem ser obtidas diretamente nas demonstrações de fluxo de caixa individuais; (19) as aquisições de intangível podem ser obtidas diretamente nas demonstra- ções de fluxo de caixa individuais, através do somatório dos aumentos do ativo intangível, considerando-se a totalidade de seus valores em relação à controladora Delta e à controlada Ômega e o valor proporcional, (50%), da controlada Sigma, ou seja, $ 2.410 [1.620 + 510+ (1.120 × 50%)]; (20) o caixa líquido usado nas atividades de investimentos é obtido pela soma algébrica das aquisições e baixas do ativo não circulante no período; (21) os dividendos distribuídos podem ser obtidos diretamente no razão contábil da conta Dividendos a Pagar, no entanto, seu valor é igual a zero, haja vista que o dividendo ainda não foi pago; (22) as integralizações de capital podem ser obtidas diretamente nas demonstra- ções de fluxo de caixa individuais, isto é, $ 9.390 (1.890 + 7.500 + 0); (23) o caixa recebido de financiamentos a pagar é representado, nesse caso, pelos aumentos do passivo não circulante e são obtidos diretamente no papel de trabalho da movimentação do passivo não circulante. Esse valor, por sua vez, é obtido pelo somatório dos aumentos dos passivos não circulantes da controladora Delta e da controlada Ômega, bem como do valor proporcional (50%) da controlada Sigma, ou seja, $ 3.610 [970 + 0 + (1.480 × 50%) + 1.900], obtidos, mais facilmente, nas demonstrações de fluxo de caixa individuais; (24) os pagamentos de financiamentos a pagar representados pelas reduções do passivo não circulante são obtidos diretamente no papel de trabalho da movimentação do passivo não circulante. Esse valor, por sua vez, é obtido pelo somatório das reduções dos passivos circulantes da controladora Delta e da controlada Ômega, bem como do valor proporcional (50%) da contro- lada Sigma, ou seja, $ 3.465 [3.790 + 0 + (1.320 × 50%)], obtidos, mais facilmente, nas demonstrações de fluxo de caixa individuais; (25) o caixa líquido proveniente das atividades de financiamento é obtido pela soma algébrica dos ingressos e desembolsos, originados no período, em de- corrência do aporte e devoluções ou pagamentos de capitais próprios e de terceiros, isto é, do passivo não circulante e patrimônio líquido, bem como de financiamentos a pagar;
  • 43. 42  Contabilidade Avançada  • Santos/Schmidt/Fernandes (26) o aumento líquido de caixa e equivalente de caixa é obtido pela diferença entre o saldo de caixa e equivalentes de caixa no final do período e o seu saldo inicial; (27) o valor do caixa e equivalente de caixa no início do período pode ser obtido diretamente nos balanços patrimoniais individuais, através do somatório das disponibilidades no início do período da controladora Delta e da controlada Ômega, bem como do valor proporcional (50%) da controlada Sigma, ou seja, $ 13.820 [10.660 + 0 + (6.320 × 50%)]; (28) o valor do caixa e equivalente de caixa no final do período ($ 108.285) pode ser obtido diretamente no balanço patrimonial consolidado. Além dos ajustes apresentados anteriormente, essa demonstração pode ser aperfeiçoada através da realização dos ajustes referentes a operações não caixa do passivo circulante e do ativo circulante (exceto disponibilidades).