SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
GRAZIA.TANTA@GMAIL. COM 1/6/2021 1
Europa – um continente que se transforma em península
Habituámo-nos a considerar a Europa como um
continente. E se a realidade política e económica a
transformarem de dependência norte-americana em
península asiática?
1 - A União Europeia das desigualdades
No capitalismo avançado, de perfil neoliberal, as fronteiras são tomadas como estorvos que
podem dificultar a tramitação de mercadorias. E a internet veio facilitar de modo exponencial
os contactos em geral, as operações de capitais e a demência especulativa, em particular.
Quanto aos seres humanos as coisas são algo diferentes; são necessários cartões de cidadão,
passaportes, vistos, títulos de residência e … em curso, um certificado sobre a situação face à
covid-19.
A UE pretendeu ser um factor de homogeneidade quanto a direitos e usufrutos no sentido da
facilitação das trocas entre os países membros, como resposta à grande rivalidade saída da II
Guerra, entre norte-americanos e soviéticos. Inicialmente, as diferenças políticas e económicas
entre os seus membros não eram muitas até à integração da Grécia (1981) e dos países
ibéricos (1986), com graus de desenvolvimento económico claramente inferiores aos
fundadores. Posteriormente, com a inclusão dos países saídos do Comecon e do sangrento
desmembramento da Jugoslávia, as desigualdades no seio da UE alargada cresceram
substancialmente, apresentando enormes bolsas de potenciais emigrantes destinados a
trabalhar nos países mais ricos, desertificando e envelhecendo os seus países de origem,
tomados como exportadores de mão-de-obra. Como os níveis de formação desses países são
dos mais elevados da Europa (mormente a Leste) e, essa formação sendo paga pelas famílias
dos países das suas origens, logo se vê que quem vai beneficiar da qualificação desses
trabalhadores emigrados são os países ricos, com dinheiro suficiente para pagar salários que
nos países de origem não são praticados. Como essas desigualdades interessam aos
contratantes (países ricos) e aos contratados (trabalhadores dos países pobres), falar de
coesão social e territorial no seio da UE é uma mentira consolidada com a passagem do tempo.
O piedoso objetivo de unificação e solidariedade não se cumpriu. São perfeitamente visíveis os
países ou regiões em processo de regressão populacional e aquelas que atraem população,
embora na UE não haja apenas migrações entre os estados-membros mas também de gente
vinda do exterior. Por exemplo, os turcos dirigem-se para a Alemanha, os marroquinos para
Espanha, indianos e paquistaneses para a Grã-Bretanha, brasileiros para Portugal…
Os países mais ricos viram nos países mais pobres integrados na UE destinos interessantes
para investimentos, com aproveitamento dos baixos níveis salariais locais e, em muitos casos,
ligados a níveis educativos elevados (sobretudo nos antigos países do Comecon); nesses
territórios encontrava-se gente ávida de consumo e bem-estar, pronta para trabalhar e obter
GRAZIA.TANTA@GMAIL. COM 1/6/2021 2
melhorias nas suas vidas1
. Por outro lado, a integração desses países funcionaria como um
modelo de consolidação de centros e periferias, com estas a orbitarem os países com maior
pujança económica, demográfica ou financeira; um modelo de reorganização espacial e
económica, geradora de desigualdades que interessam ser permanentes nomeadamente no
capítulo do preço do trabalho. Tudo porém, bem camuflado numa linguagem de igualitarismo
que a realidade demonstra ser falsa; registando-se entre as periferias casos de algum sucesso,
como de total insucesso.
Toda essa arquitetura está bem embrulhada em textos legais, extensos e detalhados onde
claramente se evidenciam as dificuldades para os países que queiram voltar atrás, saindo da
União; sem prejuízo de ser evidente o desastre de uma saída para qualquer estado-membro de
menor gabarito, sobretudo se incluído na área do euro2
. A Grã-Bretanha conseguiu sair mas
levou consigo problemas que põem em causa a continuidade das suas parcelas periféricas –
Escócia e Ulster – deixando à realeza a Grande Londres como poderosa praça financeira ligada
aos numerosos pontos offshore espalhados pelo planeta. É duvidosa a viabilidade da saída de
países desestruturados, pobres, com comércio em grande parte efetuado no seio da UE e
dependente de apoios comunitários. A UE replica no seu seio as desigualdades típicas dos
estados federados; nos EUA as diferenças entre a Florida e a Virgínia Ocidental são gritantes;
no Brasil, o estado de S. Paulo tem uma capitação de rendimento três vezes superior ao do
Ceará; em Espanha, o rendimento na Comunidade de Madrid é duplo da autonomia mais
pobre (Extremadura); e em Portugal a região Norte apresenta um rendimento pouco superior
a 2/3 do registado em Lisboa e Vale do Tejo. Em suma, a UE replica as desigualdades sociais e
económicas vigentes em todos os estados-nação e estas jamais desaparecerão num quadro de
competição capitalista; a gestão global da pandemia atual revela à saciedade as diferenças que
o capitalismo gera e sustenta. Cooperação e entreajuda dão melhores resultados do que a tara
da acumulação de capital até ao infinito.
Se inicialmente, os países da CEE tinham níveis de rendimento e estruturas produtivas
aproximadas, a partir da entrada da Grécia na então CEE as coisas modificaram-se com a
inclusão daquele país pobre, com estruturas produtivas e rendimentos muito diferentes; e a
1
Um caso exemplar vivido em Portugal prende-se com a fábrica da Volkswagen em Palmela cuja génese é
interessante ser conhecida. Nos últimos anos do regime fascista pretendia-se colocar como peça central do
investimento industrial o porto de Sines com instalações de petroquímica e como interface para os grandes
petroleiros vindos do Médio Oriente pela rota do Cabo, uma vez que o Suez estava fechado depois da guerra de
1967 entre o Egito e a entidade sionista que ocupa a Palestina; e, por outro lado, instalar na Península de Setúbal
grandes estaleiros de construção/reparação naval e na área da química. Como o canal do Suez reabriu em 1973,
todo o projeto ficou sem sentido e as instalações acabaram por ser nacionalizadas em 1975, já depois do derrube
do regime fascista. Essa mudança veio a refletir-se duramente naquela Península, uma área, então marcada pelo
ativismo mais radical do país. A Volkswagen acabou por estabelecer uma fábrica na região (1991), com os fundos
comunitários a financiarem vias de comunicação, formação aos trabalhadores, um hospital, tornando-se um dos
principais exportadores do país e âncora para várias empresas fornecedoras.
2
Sobre uma eventual saída de Portugal da zona euro, ver:
http://grazia-tanta.blogspot.pt/2017/05/europa-periferias-e-desastres.html
http://grazia-tanta.blogspot.pt/2016/06/centro-e-periferias-3-portugal-uma.html
http://grazia-tanta.blogspot.pt/2016/06/centro-e-periferias-na-europa-2.html
http://grazia-tanta.blogspot.pt/2016/06/centro-e-periferias-3-portugal-uma.html
GRAZIA.TANTA@GMAIL. COM 1/6/2021 3
que se seguiram os países ibéricos, etc. Como é evidente, as classes políticas dos países menos
desenvolvidos, sedentos de se tornarem os elos de ligação e protagonistas de uma corrupta
absorção dos fundos comunitários, não se preocuparam em consultar as populações sobre a
aceitação ou não, de tal alteração geopolítica. Pelo contrário, locupletaram-se ao que puderam
e alguns tornaram-se “empresários” beneficiando das boas ligações no âmbito do partido-
estado PS/PSD, no caso português. Os chamados investidores internacionais sabem que têm
de pagar um fee específico para qualquer negócio com um país onde a corrupção faz parte da
naturalidade e, tratam de contratar intermediários abalizados – os escritórios de advogados.
Onde se afirmava um plano político de coesão territorial, política e de bem-estar, manteve-se,
na realidade, apenas uma hierarquia de países com diversos níveis de poder político, comercial
e tecnológico, concorrendo uns com os outros, para o aproveitamento dos fundos
comunitários que possibilitassem o investimento dos capitalistas dos países mais ricos nos
menos ricos, de mais baixos níveis salariais, dando ainda margem para a aplicação desses
fundos de acordo com os interesses das mafias partidárias, nacionais ou autárquicas. Europa
das Regiões, alguém se lembra?
Na realidade, os países mais pobres continuam a estar na parte baixa da hierarquia,
mantendo-se a UE como uma união de desiguais.
Nesse contexto, há uma “especialização”. Os países da UE com estruturas económicas mais
potentes e especializações produtivas de maior conteúdo tecnológico tendem a focar-se nas
relações comerciais com um vasto leque de países, mormente na exportação – é o caso
evidente da Alemanha. Os países com padrões de especialização menos avançados tendem a
focar-se na produção de bens de menor conteúdo tecnológico, como produtos agrícolas ou
turísticos, tendo como compradores os países mais ricos da União. E, no caso de produtos
agrícolas de exportação, não faltam mafiosos locais para a integração de imigrantes não
comunitários em condições e salários substandard.
2 - A UE no plano global
No final da II Guerra, a Europa tornou-se uma área política e militarmente partilhada. Na parte
ocidental, a presença de tropas norte-americanas visaria a defesa face a qualquer avanço
soviético; e, para tal foi instituída em 1949, a NATO, a que se juntaram a Grécia e a Turquia em
1952. Como resposta, em 1955, surgiu o Pacto de Varsóvia, abrangendo os países de modelo
soviético, liderados pela URSS. Uma Europa segmentada, bipartida e, obrigada a aceitar o fim
de séculos de colonização, apresentou-se ainda mais frágil perante os dois colossos do
momento – EUA e URSS.
Com o final da chamada guerra fria, a NATO manteve a sua existência, alargou o seu âmbito
geográfico com a integração dos países do extinto Pacto de Varsóvia e, com intervenções
militares nos Balcãs e, fora do âmbito europeu, na Líbia, no Sahel e no Afeganistão. O domínio
militar e político dos EUA no cenário europeu representa também a garantia de um mercado
cativo para a enorme produção norte-americana de armamento; mantém a influência política
dos EUA a ocidente da fronteira russa e no Mediterrâneo; e, pretende ainda a contenção da
GRAZIA.TANTA@GMAIL. COM 1/6/2021 4
penetração da influência comercial e política da China em todos os cantos do planeta (ver o
mapa no final do texto) .
O gasto militar conjunto dos EUA, da França, da Grã-Bretanha e da Alemanha em 2020 foi de $
942,7 mil milhões dos quais $ 778 mil milhões cabem aos EUA e, sabendo-se que a utilização
de tais recursos está espalhada por várias partes do planeta e não apenas na Europa. O gasto
militar da Rússia foi de $ 61.7 mil milhões, certamente não apenas centrados no cenário
europeu. E a China, por seu turno, gastou $ 252 mil milhões, concentrados, no Extremo
Oriente.
Outros factores desenham a menoridade europeia. O euro não conseguiu suplantar o dólar
como moeda global, o renminbi chinês também não e, a libra é uma sombra do seu passado.
Não é estranho que a Europa se mostre como uma potência exportadora (a despeito das suas
gritantes desigualdades internas) mas com uma capacidade de intervenção reduzida no xadrez
político global. Mantém-se, portanto, a situação de uma Europa como uma base norte-
americana para o domínio estratégico do Atlântico Norte e do Mediterrâneo, contando ainda
os EUA com a desestruturação política e económica do espaço que se estende do Líbano à
Mesopotâmia e ao mar de Oman, englobando-se aí, obviamente o Golfo Pérsico3
; e, sobretudo
com o apoio da fiel entidade sionista. Em resumo, os EUA mantêm o seu controlo estratégico
sobre a Europa; e esta evidencia a sua menoridade política focando-se nas minudências
burocráticas, deixando ao longe a liderança global marcada em Lepanto (1571) e, consolidada
no segundo cerco de Viena (1683).
Está em curso uma grande alteração vinda do Leste asiático, depois de uma primeira fase
protagonizada pelo desempenho económico do Japão e da Coreia do Sul, países que
continuam desde os finais da II Guerra sob protetorado dos EUA (como na Europa com a
presença da NATO) embora não se dispensando de elevados custos militares; aqueles dois
países em 2020 gastavam com as forças armadas pouco menos de $ 50000 M cada um.
Essa tara militarista que carateriza os EUA, com bases e frotas em todo o mundo, com o
envolvimento em guerras e destruições assombrosas tornou os EUA totalmente distanciados
da criação, em 2014 do Asian Infrastructure Investment Bank (AIIB); ou, em 2020, do Regional
Comprehensive Economic Partnership (RCEP) que inclui países tutelados militarmente pelos
EUA (Coreia do Sul e Japão) ou, sob a sua influência política (Austrália e Nova Zelândia) e no
qual a Índia não quis participar… por enquanto, durante o consulado do fanático hinduísta,
Modi. A História regista que o comércio, as trocas, aproximam os povos, promovem interações
culturais e constituem um enorme instrumento de desenvolvimento económico, ao contrário
do militarismo; como se pode observar no quadro seguinte.
Percentagem do PIB mundial (em termos de paridade de poder de compra)
1980 1990 2000 2010 2015 2020 (est)
UE 30.2 27.6 23.7 19.0 16.9 15.6
3
Sem esquecer o Afeganistão, onde os EUA e os seus aliados se têm mantido contra os talibans e a favor do
comércio do ópio. Seria injusto esquecer a importância dos mercenários portugueses na guarda do aeroporto de
Cabul. A grande base de Bagram vai ver a evacuação dos EUA. Em todo este tempo, chineses e indianos
estabeleceram negócios no país.
GRAZIA.TANTA@GMAIL. COM 1/6/2021 5
EUA 21.9 22.1 20.7 16.8 15.8 14.7
China 2.3 4.1 7.5 13.9 17.3 19.0
Fonte: FMI - Economic Outlook 2016
Em 2020, a pujança económica chinesa conduziu a que a UE tenha tornado a China como o seu
primeiro parceiro comercial, remetendo os EUA para um segundo posto; a forma como ambos
os países enfrentaram o surto do coronavírus releva a decadência dos EUA e a sua substituição
pela China como principal economia mundial.
A relação que se estará a firmar na Euro-Ásia, envolve várias vertentes. Uma, é o reforço da
Rússia como elo essencial de ligação entre a Ásia Oriental e a Europa; ligação essa que pode vir
a ser praticada através do Ártico. Outra, é um desenvolvimento do abastecimento de gás russo
à Alemanha, através do Báltico, perante o azedume dos EUA.
Uma terceira vertente é o estabelecimento de vários troços da Rota da Seda, integrando os
países da Ásia Central e os países muçulmanos do Próximo e do Médio Oriente, através de vias
ferroviários de elevada velocidade, uma área em que a China tem um elevado desempenho,
como se releva adiante. Segundo Keith Bradsher, do New York Times, em 2012, a China
inaugurou uma linha férrea de alta velocidade que percorre 2298 km entre Pequim e
Guangzou, com 35 paragens, em dez horas; transposta para a Europa, essa infraestrutura faria
um percurso Londres-Belgrado em… oito horas. A distância acima referida equivale à distância
entre New York e Key West, no sul da Florida; no entanto, um percurso ferroviário atual, um
pouco menor (New York/Miami) é, hoje efetuado em… 30 horas de viagem. Tais
desenvolvimentos na China como na Europa poderão oferecer percursos diversificados para as
transações entre a Europa e o Oriente e incluir os países da referida ASEAN e da costa oriental
de África.
Tendo em consideração a população da “Península Europeia” a integração euro-asiática (de
momento, excluindo a Índia) vai para além dos 2500 M de pessoas ligadas por uma massa
continental contínua e diversificada, culturalmente e quanto aos níveis de vida ou criação de
riqueza.
Não é expectável uma guerra na Europa com uma dimensão global. A presença militar dos EUA
foi justificada durante quase meio século com a existência da URSS e do Pacto de Varsóvia. A
extinção destes últimos teria sido uma boa oportunidade para o enterro das alianças militares;
GRAZIA.TANTA@GMAIL. COM 1/6/2021 6
no entanto, a NATO continua a existir, feliz por ter englobado os países balcânicos; e
esperando, depois da inclusão dos países do extinto Comecon, cercar as fronteiras russas na
Ucrânia e no Cáucaso.
Depois do final da Guerra Fria, os EUA, com ou sem a máscara NATO, promoveu guerras no
território da antiga Jugoslávia, invadiu a Líbia e o Afeganistão, armou o ISIS para desestabilizar
a Síria e o Iraque, com o reforço da ligação às monarquias do Golfo para isolar o Irão e,
desenvolver o cancro sionista na exata medida do esmagamento do povo palestiniano. Os EUA
continuam a estar presentes nos conflitos africanos, mantendo a sede do seu Africom
localizada em Estugarda (!), numa situação reveladora do seu papel de entidade estranha aos
povos do continente; e enquadrando, entre outros auxiliares, também em África, mercenários
portugueses.
A aposta militarizada dos EUA é uma verdadeira demência, sobretudo quando se toma conta
do grau de pobreza de grande parte da sua população e as suas deficiências quanto a
infraestruturas, como atrás exemplificámos. A sua presença militar na Europa continua a
utilizar e reproduzir o cenário da Guerra Fria, imputando à Rússia um poder económico e
militar que esta não tem. A Rússia tem apenas 150 milhões de habitantes e o seu gasto militar
é mais de doze vezes inferior ao dos EUA.
Onde parece haver bastante homogeneidade entre os membros da UE é na subserviência
estratégica perante a NATO, com a aceitação da liderança dos EUA4
. Na UE parece que se quer
4
Veja-se o empenho europeu na crispação de relações com Rússia ou a Turquia sabendo-se que estes
países são peças essenciais numa integração euro-asiática que está à porta. A relevância dada a Navalny
ou ao bielorusso preso num avião desviado para Minsk é francamente empolada, origina sanções que se
mostram inúteis ou ridículas mas satisfazem os interesses dos EUA em manter desavenças no espaço
europeu. Por outro lado, a UE oferece tropas para enquadrar a atividade do Africom no Sahel ou no
Afeganistão e mantém Assange preso, sob uma cortina de silêncio porque aquele protagonizou, anos
atrás, a divulgação de crimes de guerra dos EUA. Na política europeia, o caso do avião desviado para
Minsk serve para fazer esquecer a ocupação da Palestina e os mais recentes crimes do sionismo contra o
povo palestiniano. Os anões políticos que gerem a Europa só conseguem ver em Africa e na Ásia
GRAZIA.TANTA@GMAIL. COM 1/6/2021 7
manter os EUA com um pé na Europa, para evitar uma imersão total da Península Europeia nas
infraestruturas da Rota da Seda, cuja concretização manterá bem longe as esquadras norte-
americanas no Índico e no Pacífico, tendencialmente obsoletas do ponto de vista estratégico,
com o aumento da relevância de vias terrestres na ligação entre o Oriente, a Ásia Central e a
Europa. A pujança económica da China, aliada à sua força demográfica (mais que dupla que a
dos países da UE) promete secundarizar a Europa. Essa secundarização, no passado, mostrou-
se bem evidente em Bretton Woods, com a segmentação da Europa em ocidente e oriente,
com a presença de bases militares de potências ocupantes e, com sangrentas descolonizações
(Argélia, Vietnam e colónias portuguesas).
Que papel caberá à Europa, a médio ou longo prazo?
 Potência económica regional sem um papel relevante na política internacional inserida,
sem protagonismo, no confronto estratégico China/EUA?
 Quanto à China, a Europa procurará uma relação de vantagens económicas mútuas
integrando-se nos corredores logísticos previstos e para cuja construção a maioria dos
países europeus se ligou (o AIIB acima referido);
 Manutenção das atuais e gritantes desigualdades regionais no seio da UE susceptíveis de
posições políticas desviantes, como o que a GB decidiu, com o seu Brexit? E potenciadores
de diversificadas clivagens, facilitadas pela grande diversidade de culturas e
enquadramentos históricos recentes?
 Uma preferência como aliado subalterno dos EUA cuja decadência relativa é evidente,
como se observou na gestão da pandemia, nas enormes bolsas de pobreza, pelos
problemas políticos e sociais resultantes de um relevo ancestral dado à “raça”? Um país
que gasta em armamento tanto como os restantes e que força os seus aliados a comprar
o necessário à manutenção do seu enorme e influente complexo militar-industrial?
Este e outros textos em:
http://grazia-tanta.blogspot.com/
http://www.slideshare.net/durgarrai/documents
https://pt.scribd.com/uploads
refugiados e imigrantes a chegar a Lesbos, à Pantelária ou a Ceuta, prontos para uma total precariedade
de vida e empurrando os níveis salariais para baixo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Emigrações, imigrações, vidas precárias
Emigrações, imigrações, vidas precáriasEmigrações, imigrações, vidas precárias
Emigrações, imigrações, vidas precáriasGRAZIA TANTA
 
Demografia na Europa – um mundo de desigualdades
Demografia na Europa – um mundo de desigualdadesDemografia na Europa – um mundo de desigualdades
Demografia na Europa – um mundo de desigualdadesGRAZIA TANTA
 
Paródia na paróquia – a eleição presidencial
Paródia na paróquia – a eleição presidencial Paródia na paróquia – a eleição presidencial
Paródia na paróquia – a eleição presidencial GRAZIA TANTA
 
A decrepitude periférica
A decrepitude periféricaA decrepitude periférica
A decrepitude periféricaGRAZIA TANTA
 
O que se esconde na sombra da campanha do coronavírus
O que se esconde na sombra da campanha do coronavírusO que se esconde na sombra da campanha do coronavírus
O que se esconde na sombra da campanha do coronavírusGRAZIA TANTA
 
Rendimentos familiares e desigualdades na europa
Rendimentos familiares e desigualdades na europaRendimentos familiares e desigualdades na europa
Rendimentos familiares e desigualdades na europaGRAZIA TANTA
 
O Estado e a mediação política
O Estado e a mediação política O Estado e a mediação política
O Estado e a mediação política GRAZIA TANTA
 
1606 centro e periferias na europa 2- - portugal, um desastre periférico
1606   centro e periferias na europa  2- - portugal, um desastre periférico1606   centro e periferias na europa  2- - portugal, um desastre periférico
1606 centro e periferias na europa 2- - portugal, um desastre periféricoGRAZIA TANTA
 
A longa marcha das desigualdades – 3 Portugal, desastre periférico e pasto...
A longa marcha das desigualdades – 3   Portugal, desastre periférico  e pasto...A longa marcha das desigualdades – 3   Portugal, desastre periférico  e pasto...
A longa marcha das desigualdades – 3 Portugal, desastre periférico e pasto...GRAZIA TANTA
 
Quando a dívida aumenta a democracia encolhe 2-
Quando a dívida aumenta a democracia encolhe  2-Quando a dívida aumenta a democracia encolhe  2-
Quando a dívida aumenta a democracia encolhe 2-GRAZIA TANTA
 
Bloqueio político e económico. política de esquerda
Bloqueio político e económico. política de esquerdaBloqueio político e económico. política de esquerda
Bloqueio político e económico. política de esquerdaGRAZIA TANTA
 
2201 a precariedade suprema no capitalismo do século xxi
2201   a precariedade suprema no capitalismo do século xxi2201   a precariedade suprema no capitalismo do século xxi
2201 a precariedade suprema no capitalismo do século xxiGRAZIA TANTA
 
Eleições em portugal o assalto à marmita
Eleições em portugal   o assalto à marmitaEleições em portugal   o assalto à marmita
Eleições em portugal o assalto à marmitaGRAZIA TANTA
 
As canecas de guiness e os co pos à solta
As canecas de guiness e os co pos à soltaAs canecas de guiness e os co pos à solta
As canecas de guiness e os co pos à soltaGRAZIA TANTA
 
Orlando globalizacaoefragmentacao 2ano
Orlando globalizacaoefragmentacao 2anoOrlando globalizacaoefragmentacao 2ano
Orlando globalizacaoefragmentacao 2anoJoão Vaz
 
Revolta na grécia, modorra em portugal
Revolta na grécia, modorra em portugalRevolta na grécia, modorra em portugal
Revolta na grécia, modorra em portugalGRAZIA TANTA
 
Porque não se fala na enorme e crescente dívida pública?
Porque não se fala na enorme e crescente dívida pública?Porque não se fala na enorme e crescente dívida pública?
Porque não se fala na enorme e crescente dívida pública?GRAZIA TANTA
 
3 D deficits, dívida, desigualdades
3 D   deficits, dívida, desigualdades3 D   deficits, dívida, desigualdades
3 D deficits, dívida, desigualdadesGRAZIA TANTA
 
Marcelino, pan y vino
Marcelino,  pan y vinoMarcelino,  pan y vino
Marcelino, pan y vinoGRAZIA TANTA
 
Grécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ue
Grécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ueGrécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ue
Grécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ueGRAZIA TANTA
 

Mais procurados (20)

Emigrações, imigrações, vidas precárias
Emigrações, imigrações, vidas precáriasEmigrações, imigrações, vidas precárias
Emigrações, imigrações, vidas precárias
 
Demografia na Europa – um mundo de desigualdades
Demografia na Europa – um mundo de desigualdadesDemografia na Europa – um mundo de desigualdades
Demografia na Europa – um mundo de desigualdades
 
Paródia na paróquia – a eleição presidencial
Paródia na paróquia – a eleição presidencial Paródia na paróquia – a eleição presidencial
Paródia na paróquia – a eleição presidencial
 
A decrepitude periférica
A decrepitude periféricaA decrepitude periférica
A decrepitude periférica
 
O que se esconde na sombra da campanha do coronavírus
O que se esconde na sombra da campanha do coronavírusO que se esconde na sombra da campanha do coronavírus
O que se esconde na sombra da campanha do coronavírus
 
Rendimentos familiares e desigualdades na europa
Rendimentos familiares e desigualdades na europaRendimentos familiares e desigualdades na europa
Rendimentos familiares e desigualdades na europa
 
O Estado e a mediação política
O Estado e a mediação política O Estado e a mediação política
O Estado e a mediação política
 
1606 centro e periferias na europa 2- - portugal, um desastre periférico
1606   centro e periferias na europa  2- - portugal, um desastre periférico1606   centro e periferias na europa  2- - portugal, um desastre periférico
1606 centro e periferias na europa 2- - portugal, um desastre periférico
 
A longa marcha das desigualdades – 3 Portugal, desastre periférico e pasto...
A longa marcha das desigualdades – 3   Portugal, desastre periférico  e pasto...A longa marcha das desigualdades – 3   Portugal, desastre periférico  e pasto...
A longa marcha das desigualdades – 3 Portugal, desastre periférico e pasto...
 
Quando a dívida aumenta a democracia encolhe 2-
Quando a dívida aumenta a democracia encolhe  2-Quando a dívida aumenta a democracia encolhe  2-
Quando a dívida aumenta a democracia encolhe 2-
 
Bloqueio político e económico. política de esquerda
Bloqueio político e económico. política de esquerdaBloqueio político e económico. política de esquerda
Bloqueio político e económico. política de esquerda
 
2201 a precariedade suprema no capitalismo do século xxi
2201   a precariedade suprema no capitalismo do século xxi2201   a precariedade suprema no capitalismo do século xxi
2201 a precariedade suprema no capitalismo do século xxi
 
Eleições em portugal o assalto à marmita
Eleições em portugal   o assalto à marmitaEleições em portugal   o assalto à marmita
Eleições em portugal o assalto à marmita
 
As canecas de guiness e os co pos à solta
As canecas de guiness e os co pos à soltaAs canecas de guiness e os co pos à solta
As canecas de guiness e os co pos à solta
 
Orlando globalizacaoefragmentacao 2ano
Orlando globalizacaoefragmentacao 2anoOrlando globalizacaoefragmentacao 2ano
Orlando globalizacaoefragmentacao 2ano
 
Revolta na grécia, modorra em portugal
Revolta na grécia, modorra em portugalRevolta na grécia, modorra em portugal
Revolta na grécia, modorra em portugal
 
Porque não se fala na enorme e crescente dívida pública?
Porque não se fala na enorme e crescente dívida pública?Porque não se fala na enorme e crescente dívida pública?
Porque não se fala na enorme e crescente dívida pública?
 
3 D deficits, dívida, desigualdades
3 D   deficits, dívida, desigualdades3 D   deficits, dívida, desigualdades
3 D deficits, dívida, desigualdades
 
Marcelino, pan y vino
Marcelino,  pan y vinoMarcelino,  pan y vino
Marcelino, pan y vino
 
Grécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ue
Grécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ueGrécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ue
Grécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ue
 

Semelhante a Europa: de continente a península asiática

O projeto UE. Desvalorização interna, o euro e os novos Viriatos
O projeto UE. Desvalorização interna, o euro e os novos ViriatosO projeto UE. Desvalorização interna, o euro e os novos Viriatos
O projeto UE. Desvalorização interna, o euro e os novos ViriatosGRAZIA TANTA
 
1407 portugal deve sair do euro. sim ou não -1
1407   portugal deve sair do euro. sim ou não -11407   portugal deve sair do euro. sim ou não -1
1407 portugal deve sair do euro. sim ou não -1GRAZIA TANTA
 
bloco Economico geografia .pdf
bloco Economico geografia .pdfbloco Economico geografia .pdf
bloco Economico geografia .pdfCobyy
 
A crise do capital e seus efeitos desiguais e combinados na Europa: um breve ...
A crise do capital e seus efeitos desiguais e combinados na Europa: um breve ...A crise do capital e seus efeitos desiguais e combinados na Europa: um breve ...
A crise do capital e seus efeitos desiguais e combinados na Europa: um breve ...Alessandro de Moura
 
O pec – programa de empobrecimento colectivo e o bloqueio económico e político
O pec – programa de empobrecimento colectivo e o bloqueio económico e políticoO pec – programa de empobrecimento colectivo e o bloqueio económico e político
O pec – programa de empobrecimento colectivo e o bloqueio económico e políticoGRAZIA TANTA
 
A burguesia portuguesa serve para quê
A burguesia portuguesa serve para quêA burguesia portuguesa serve para quê
A burguesia portuguesa serve para quêGRAZIA TANTA
 
Soberania, soberania nacional e subalternidade – para um enquadramento geopol...
Soberania, soberania nacional e subalternidade – para um enquadramento geopol...Soberania, soberania nacional e subalternidade – para um enquadramento geopol...
Soberania, soberania nacional e subalternidade – para um enquadramento geopol...GRAZIA TANTA
 
Portugal deve sair do euro. Sim ou não (2)
Portugal deve sair do euro. Sim ou não (2)Portugal deve sair do euro. Sim ou não (2)
Portugal deve sair do euro. Sim ou não (2)GRAZIA TANTA
 
Europa, periferias e desastres periféricos
Europa, periferias e desastres periféricosEuropa, periferias e desastres periféricos
Europa, periferias e desastres periféricosGRAZIA TANTA
 
A não solução com um novo escudo
A não solução com um novo escudoA não solução com um novo escudo
A não solução com um novo escudoGRAZIA TANTA
 
A integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeiaA integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeiaRaQuel Oliveira
 
A integração europeia e as suas implicações
A integração europeia e as suas implicaçõesA integração europeia e as suas implicações
A integração europeia e as suas implicaçõesAna Cristina F
 
2parteblocoseconomicos2015 aula4-150405193819-conversion-gate01
2parteblocoseconomicos2015 aula4-150405193819-conversion-gate012parteblocoseconomicos2015 aula4-150405193819-conversion-gate01
2parteblocoseconomicos2015 aula4-150405193819-conversion-gate01Tatiana Semêdo
 
Privest - Europa III - 3º Ano EM
Privest - Europa III - 3º Ano EMPrivest - Europa III - 3º Ano EM
Privest - Europa III - 3º Ano EMprofrodrigoribeiro
 
Portugal e o alargamento da ue
Portugal e o alargamento da uePortugal e o alargamento da ue
Portugal e o alargamento da ueJosé Paulo Neves
 
Para uma breve história de uma soberania fictícia 1
Para uma breve história de uma soberania fictícia   1Para uma breve história de uma soberania fictícia   1
Para uma breve história de uma soberania fictícia 1GRAZIA TANTA
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlizaçãoVítor Santos
 
Tentativas de modernização
Tentativas de modernizaçãoTentativas de modernização
Tentativas de modernizaçãomaria40
 
Países desenvolvidos do norte - Europa
Países desenvolvidos do norte - EuropaPaíses desenvolvidos do norte - Europa
Países desenvolvidos do norte - EuropaWander barreto
 

Semelhante a Europa: de continente a península asiática (20)

O projeto UE. Desvalorização interna, o euro e os novos Viriatos
O projeto UE. Desvalorização interna, o euro e os novos ViriatosO projeto UE. Desvalorização interna, o euro e os novos Viriatos
O projeto UE. Desvalorização interna, o euro e os novos Viriatos
 
1407 portugal deve sair do euro. sim ou não -1
1407   portugal deve sair do euro. sim ou não -11407   portugal deve sair do euro. sim ou não -1
1407 portugal deve sair do euro. sim ou não -1
 
bloco Economico geografia .pdf
bloco Economico geografia .pdfbloco Economico geografia .pdf
bloco Economico geografia .pdf
 
A crise do capital e seus efeitos desiguais e combinados na Europa: um breve ...
A crise do capital e seus efeitos desiguais e combinados na Europa: um breve ...A crise do capital e seus efeitos desiguais e combinados na Europa: um breve ...
A crise do capital e seus efeitos desiguais e combinados na Europa: um breve ...
 
O pec – programa de empobrecimento colectivo e o bloqueio económico e político
O pec – programa de empobrecimento colectivo e o bloqueio económico e políticoO pec – programa de empobrecimento colectivo e o bloqueio económico e político
O pec – programa de empobrecimento colectivo e o bloqueio económico e político
 
A burguesia portuguesa serve para quê
A burguesia portuguesa serve para quêA burguesia portuguesa serve para quê
A burguesia portuguesa serve para quê
 
Soberania, soberania nacional e subalternidade – para um enquadramento geopol...
Soberania, soberania nacional e subalternidade – para um enquadramento geopol...Soberania, soberania nacional e subalternidade – para um enquadramento geopol...
Soberania, soberania nacional e subalternidade – para um enquadramento geopol...
 
Portugal deve sair do euro. Sim ou não (2)
Portugal deve sair do euro. Sim ou não (2)Portugal deve sair do euro. Sim ou não (2)
Portugal deve sair do euro. Sim ou não (2)
 
Europa, periferias e desastres periféricos
Europa, periferias e desastres periféricosEuropa, periferias e desastres periféricos
Europa, periferias e desastres periféricos
 
A não solução com um novo escudo
A não solução com um novo escudoA não solução com um novo escudo
A não solução com um novo escudo
 
A integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeiaA integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeia
 
A integração europeia e as suas implicações
A integração europeia e as suas implicaçõesA integração europeia e as suas implicações
A integração europeia e as suas implicações
 
2parteblocoseconomicos2015 aula4-150405193819-conversion-gate01
2parteblocoseconomicos2015 aula4-150405193819-conversion-gate012parteblocoseconomicos2015 aula4-150405193819-conversion-gate01
2parteblocoseconomicos2015 aula4-150405193819-conversion-gate01
 
Privest - Europa III - 3º Ano EM
Privest - Europa III - 3º Ano EMPrivest - Europa III - 3º Ano EM
Privest - Europa III - 3º Ano EM
 
Portugal e o alargamento da ue
Portugal e o alargamento da uePortugal e o alargamento da ue
Portugal e o alargamento da ue
 
Para uma breve história de uma soberania fictícia 1
Para uma breve história de uma soberania fictícia   1Para uma breve história de uma soberania fictícia   1
Para uma breve história de uma soberania fictícia 1
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
 
Reis (2000) cap 13
Reis (2000) cap 13Reis (2000) cap 13
Reis (2000) cap 13
 
Tentativas de modernização
Tentativas de modernizaçãoTentativas de modernização
Tentativas de modernização
 
Países desenvolvidos do norte - Europa
Países desenvolvidos do norte - EuropaPaíses desenvolvidos do norte - Europa
Países desenvolvidos do norte - Europa
 

Mais de GRAZIA TANTA

Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdfUcrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdfGRAZIA TANTA
 
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.docAs desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.docGRAZIA TANTA
 
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdfBalofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdfGRAZIA TANTA
 
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdfAs balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdfGRAZIA TANTA
 
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdfUnião Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdfGRAZIA TANTA
 
As desigualdades provenientes da demografia na Europa
As desigualdades provenientes da demografia na EuropaAs desigualdades provenientes da demografia na Europa
As desigualdades provenientes da demografia na EuropaGRAZIA TANTA
 
A BideNato flight over
A BideNato flight overA BideNato flight over
A BideNato flight overGRAZIA TANTA
 
Um sobrevoo do BideNato.pdf
Um sobrevoo do BideNato.pdfUm sobrevoo do BideNato.pdf
Um sobrevoo do BideNato.pdfGRAZIA TANTA
 
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdfNATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdfGRAZIA TANTA
 
USA – A huge danger to Humanity.pdf
USA – A huge danger to Humanity.pdfUSA – A huge danger to Humanity.pdf
USA – A huge danger to Humanity.pdfGRAZIA TANTA
 
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdfEUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdfGRAZIA TANTA
 
A NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdf
A NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdfA NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdf
A NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdfGRAZIA TANTA
 
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UENato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UEGRAZIA TANTA
 
Speculative electricity prices in the EU
Speculative electricity prices in the EUSpeculative electricity prices in the EU
Speculative electricity prices in the EUGRAZIA TANTA
 
Os especulativos preços da energia elétrica na ue
Os especulativos preços da energia elétrica na ueOs especulativos preços da energia elétrica na ue
Os especulativos preços da energia elétrica na ueGRAZIA TANTA
 
Human beings, servants of the financial system
Human beings, servants of the financial systemHuman beings, servants of the financial system
Human beings, servants of the financial systemGRAZIA TANTA
 
Seres humanos, servos do sistema financeiro
Seres humanos, servos do sistema financeiroSeres humanos, servos do sistema financeiro
Seres humanos, servos do sistema financeiroGRAZIA TANTA
 
Textos de circunstância - 10
Textos de circunstância  - 10Textos de circunstância  - 10
Textos de circunstância - 10GRAZIA TANTA
 
Glasgow – guinness mugs on the loose
Glasgow – guinness mugs on the looseGlasgow – guinness mugs on the loose
Glasgow – guinness mugs on the looseGRAZIA TANTA
 
2110 - As últimas eleições autárquicas. Detalhe de um campeonato (2)
2110 - As últimas eleições autárquicas. Detalhe de um campeonato (2)2110 - As últimas eleições autárquicas. Detalhe de um campeonato (2)
2110 - As últimas eleições autárquicas. Detalhe de um campeonato (2)GRAZIA TANTA
 

Mais de GRAZIA TANTA (20)

Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdfUcrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
 
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.docAs desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
 
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdfBalofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
 
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdfAs balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
 
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdfUnião Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
 
As desigualdades provenientes da demografia na Europa
As desigualdades provenientes da demografia na EuropaAs desigualdades provenientes da demografia na Europa
As desigualdades provenientes da demografia na Europa
 
A BideNato flight over
A BideNato flight overA BideNato flight over
A BideNato flight over
 
Um sobrevoo do BideNato.pdf
Um sobrevoo do BideNato.pdfUm sobrevoo do BideNato.pdf
Um sobrevoo do BideNato.pdf
 
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdfNATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
 
USA – A huge danger to Humanity.pdf
USA – A huge danger to Humanity.pdfUSA – A huge danger to Humanity.pdf
USA – A huge danger to Humanity.pdf
 
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdfEUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
 
A NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdf
A NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdfA NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdf
A NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdf
 
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UENato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
 
Speculative electricity prices in the EU
Speculative electricity prices in the EUSpeculative electricity prices in the EU
Speculative electricity prices in the EU
 
Os especulativos preços da energia elétrica na ue
Os especulativos preços da energia elétrica na ueOs especulativos preços da energia elétrica na ue
Os especulativos preços da energia elétrica na ue
 
Human beings, servants of the financial system
Human beings, servants of the financial systemHuman beings, servants of the financial system
Human beings, servants of the financial system
 
Seres humanos, servos do sistema financeiro
Seres humanos, servos do sistema financeiroSeres humanos, servos do sistema financeiro
Seres humanos, servos do sistema financeiro
 
Textos de circunstância - 10
Textos de circunstância  - 10Textos de circunstância  - 10
Textos de circunstância - 10
 
Glasgow – guinness mugs on the loose
Glasgow – guinness mugs on the looseGlasgow – guinness mugs on the loose
Glasgow – guinness mugs on the loose
 
2110 - As últimas eleições autárquicas. Detalhe de um campeonato (2)
2110 - As últimas eleições autárquicas. Detalhe de um campeonato (2)2110 - As últimas eleições autárquicas. Detalhe de um campeonato (2)
2110 - As últimas eleições autárquicas. Detalhe de um campeonato (2)
 

Europa: de continente a península asiática

  • 1. GRAZIA.TANTA@GMAIL. COM 1/6/2021 1 Europa – um continente que se transforma em península Habituámo-nos a considerar a Europa como um continente. E se a realidade política e económica a transformarem de dependência norte-americana em península asiática? 1 - A União Europeia das desigualdades No capitalismo avançado, de perfil neoliberal, as fronteiras são tomadas como estorvos que podem dificultar a tramitação de mercadorias. E a internet veio facilitar de modo exponencial os contactos em geral, as operações de capitais e a demência especulativa, em particular. Quanto aos seres humanos as coisas são algo diferentes; são necessários cartões de cidadão, passaportes, vistos, títulos de residência e … em curso, um certificado sobre a situação face à covid-19. A UE pretendeu ser um factor de homogeneidade quanto a direitos e usufrutos no sentido da facilitação das trocas entre os países membros, como resposta à grande rivalidade saída da II Guerra, entre norte-americanos e soviéticos. Inicialmente, as diferenças políticas e económicas entre os seus membros não eram muitas até à integração da Grécia (1981) e dos países ibéricos (1986), com graus de desenvolvimento económico claramente inferiores aos fundadores. Posteriormente, com a inclusão dos países saídos do Comecon e do sangrento desmembramento da Jugoslávia, as desigualdades no seio da UE alargada cresceram substancialmente, apresentando enormes bolsas de potenciais emigrantes destinados a trabalhar nos países mais ricos, desertificando e envelhecendo os seus países de origem, tomados como exportadores de mão-de-obra. Como os níveis de formação desses países são dos mais elevados da Europa (mormente a Leste) e, essa formação sendo paga pelas famílias dos países das suas origens, logo se vê que quem vai beneficiar da qualificação desses trabalhadores emigrados são os países ricos, com dinheiro suficiente para pagar salários que nos países de origem não são praticados. Como essas desigualdades interessam aos contratantes (países ricos) e aos contratados (trabalhadores dos países pobres), falar de coesão social e territorial no seio da UE é uma mentira consolidada com a passagem do tempo. O piedoso objetivo de unificação e solidariedade não se cumpriu. São perfeitamente visíveis os países ou regiões em processo de regressão populacional e aquelas que atraem população, embora na UE não haja apenas migrações entre os estados-membros mas também de gente vinda do exterior. Por exemplo, os turcos dirigem-se para a Alemanha, os marroquinos para Espanha, indianos e paquistaneses para a Grã-Bretanha, brasileiros para Portugal… Os países mais ricos viram nos países mais pobres integrados na UE destinos interessantes para investimentos, com aproveitamento dos baixos níveis salariais locais e, em muitos casos, ligados a níveis educativos elevados (sobretudo nos antigos países do Comecon); nesses territórios encontrava-se gente ávida de consumo e bem-estar, pronta para trabalhar e obter
  • 2. GRAZIA.TANTA@GMAIL. COM 1/6/2021 2 melhorias nas suas vidas1 . Por outro lado, a integração desses países funcionaria como um modelo de consolidação de centros e periferias, com estas a orbitarem os países com maior pujança económica, demográfica ou financeira; um modelo de reorganização espacial e económica, geradora de desigualdades que interessam ser permanentes nomeadamente no capítulo do preço do trabalho. Tudo porém, bem camuflado numa linguagem de igualitarismo que a realidade demonstra ser falsa; registando-se entre as periferias casos de algum sucesso, como de total insucesso. Toda essa arquitetura está bem embrulhada em textos legais, extensos e detalhados onde claramente se evidenciam as dificuldades para os países que queiram voltar atrás, saindo da União; sem prejuízo de ser evidente o desastre de uma saída para qualquer estado-membro de menor gabarito, sobretudo se incluído na área do euro2 . A Grã-Bretanha conseguiu sair mas levou consigo problemas que põem em causa a continuidade das suas parcelas periféricas – Escócia e Ulster – deixando à realeza a Grande Londres como poderosa praça financeira ligada aos numerosos pontos offshore espalhados pelo planeta. É duvidosa a viabilidade da saída de países desestruturados, pobres, com comércio em grande parte efetuado no seio da UE e dependente de apoios comunitários. A UE replica no seu seio as desigualdades típicas dos estados federados; nos EUA as diferenças entre a Florida e a Virgínia Ocidental são gritantes; no Brasil, o estado de S. Paulo tem uma capitação de rendimento três vezes superior ao do Ceará; em Espanha, o rendimento na Comunidade de Madrid é duplo da autonomia mais pobre (Extremadura); e em Portugal a região Norte apresenta um rendimento pouco superior a 2/3 do registado em Lisboa e Vale do Tejo. Em suma, a UE replica as desigualdades sociais e económicas vigentes em todos os estados-nação e estas jamais desaparecerão num quadro de competição capitalista; a gestão global da pandemia atual revela à saciedade as diferenças que o capitalismo gera e sustenta. Cooperação e entreajuda dão melhores resultados do que a tara da acumulação de capital até ao infinito. Se inicialmente, os países da CEE tinham níveis de rendimento e estruturas produtivas aproximadas, a partir da entrada da Grécia na então CEE as coisas modificaram-se com a inclusão daquele país pobre, com estruturas produtivas e rendimentos muito diferentes; e a 1 Um caso exemplar vivido em Portugal prende-se com a fábrica da Volkswagen em Palmela cuja génese é interessante ser conhecida. Nos últimos anos do regime fascista pretendia-se colocar como peça central do investimento industrial o porto de Sines com instalações de petroquímica e como interface para os grandes petroleiros vindos do Médio Oriente pela rota do Cabo, uma vez que o Suez estava fechado depois da guerra de 1967 entre o Egito e a entidade sionista que ocupa a Palestina; e, por outro lado, instalar na Península de Setúbal grandes estaleiros de construção/reparação naval e na área da química. Como o canal do Suez reabriu em 1973, todo o projeto ficou sem sentido e as instalações acabaram por ser nacionalizadas em 1975, já depois do derrube do regime fascista. Essa mudança veio a refletir-se duramente naquela Península, uma área, então marcada pelo ativismo mais radical do país. A Volkswagen acabou por estabelecer uma fábrica na região (1991), com os fundos comunitários a financiarem vias de comunicação, formação aos trabalhadores, um hospital, tornando-se um dos principais exportadores do país e âncora para várias empresas fornecedoras. 2 Sobre uma eventual saída de Portugal da zona euro, ver: http://grazia-tanta.blogspot.pt/2017/05/europa-periferias-e-desastres.html http://grazia-tanta.blogspot.pt/2016/06/centro-e-periferias-3-portugal-uma.html http://grazia-tanta.blogspot.pt/2016/06/centro-e-periferias-na-europa-2.html http://grazia-tanta.blogspot.pt/2016/06/centro-e-periferias-3-portugal-uma.html
  • 3. GRAZIA.TANTA@GMAIL. COM 1/6/2021 3 que se seguiram os países ibéricos, etc. Como é evidente, as classes políticas dos países menos desenvolvidos, sedentos de se tornarem os elos de ligação e protagonistas de uma corrupta absorção dos fundos comunitários, não se preocuparam em consultar as populações sobre a aceitação ou não, de tal alteração geopolítica. Pelo contrário, locupletaram-se ao que puderam e alguns tornaram-se “empresários” beneficiando das boas ligações no âmbito do partido- estado PS/PSD, no caso português. Os chamados investidores internacionais sabem que têm de pagar um fee específico para qualquer negócio com um país onde a corrupção faz parte da naturalidade e, tratam de contratar intermediários abalizados – os escritórios de advogados. Onde se afirmava um plano político de coesão territorial, política e de bem-estar, manteve-se, na realidade, apenas uma hierarquia de países com diversos níveis de poder político, comercial e tecnológico, concorrendo uns com os outros, para o aproveitamento dos fundos comunitários que possibilitassem o investimento dos capitalistas dos países mais ricos nos menos ricos, de mais baixos níveis salariais, dando ainda margem para a aplicação desses fundos de acordo com os interesses das mafias partidárias, nacionais ou autárquicas. Europa das Regiões, alguém se lembra? Na realidade, os países mais pobres continuam a estar na parte baixa da hierarquia, mantendo-se a UE como uma união de desiguais. Nesse contexto, há uma “especialização”. Os países da UE com estruturas económicas mais potentes e especializações produtivas de maior conteúdo tecnológico tendem a focar-se nas relações comerciais com um vasto leque de países, mormente na exportação – é o caso evidente da Alemanha. Os países com padrões de especialização menos avançados tendem a focar-se na produção de bens de menor conteúdo tecnológico, como produtos agrícolas ou turísticos, tendo como compradores os países mais ricos da União. E, no caso de produtos agrícolas de exportação, não faltam mafiosos locais para a integração de imigrantes não comunitários em condições e salários substandard. 2 - A UE no plano global No final da II Guerra, a Europa tornou-se uma área política e militarmente partilhada. Na parte ocidental, a presença de tropas norte-americanas visaria a defesa face a qualquer avanço soviético; e, para tal foi instituída em 1949, a NATO, a que se juntaram a Grécia e a Turquia em 1952. Como resposta, em 1955, surgiu o Pacto de Varsóvia, abrangendo os países de modelo soviético, liderados pela URSS. Uma Europa segmentada, bipartida e, obrigada a aceitar o fim de séculos de colonização, apresentou-se ainda mais frágil perante os dois colossos do momento – EUA e URSS. Com o final da chamada guerra fria, a NATO manteve a sua existência, alargou o seu âmbito geográfico com a integração dos países do extinto Pacto de Varsóvia e, com intervenções militares nos Balcãs e, fora do âmbito europeu, na Líbia, no Sahel e no Afeganistão. O domínio militar e político dos EUA no cenário europeu representa também a garantia de um mercado cativo para a enorme produção norte-americana de armamento; mantém a influência política dos EUA a ocidente da fronteira russa e no Mediterrâneo; e, pretende ainda a contenção da
  • 4. GRAZIA.TANTA@GMAIL. COM 1/6/2021 4 penetração da influência comercial e política da China em todos os cantos do planeta (ver o mapa no final do texto) . O gasto militar conjunto dos EUA, da França, da Grã-Bretanha e da Alemanha em 2020 foi de $ 942,7 mil milhões dos quais $ 778 mil milhões cabem aos EUA e, sabendo-se que a utilização de tais recursos está espalhada por várias partes do planeta e não apenas na Europa. O gasto militar da Rússia foi de $ 61.7 mil milhões, certamente não apenas centrados no cenário europeu. E a China, por seu turno, gastou $ 252 mil milhões, concentrados, no Extremo Oriente. Outros factores desenham a menoridade europeia. O euro não conseguiu suplantar o dólar como moeda global, o renminbi chinês também não e, a libra é uma sombra do seu passado. Não é estranho que a Europa se mostre como uma potência exportadora (a despeito das suas gritantes desigualdades internas) mas com uma capacidade de intervenção reduzida no xadrez político global. Mantém-se, portanto, a situação de uma Europa como uma base norte- americana para o domínio estratégico do Atlântico Norte e do Mediterrâneo, contando ainda os EUA com a desestruturação política e económica do espaço que se estende do Líbano à Mesopotâmia e ao mar de Oman, englobando-se aí, obviamente o Golfo Pérsico3 ; e, sobretudo com o apoio da fiel entidade sionista. Em resumo, os EUA mantêm o seu controlo estratégico sobre a Europa; e esta evidencia a sua menoridade política focando-se nas minudências burocráticas, deixando ao longe a liderança global marcada em Lepanto (1571) e, consolidada no segundo cerco de Viena (1683). Está em curso uma grande alteração vinda do Leste asiático, depois de uma primeira fase protagonizada pelo desempenho económico do Japão e da Coreia do Sul, países que continuam desde os finais da II Guerra sob protetorado dos EUA (como na Europa com a presença da NATO) embora não se dispensando de elevados custos militares; aqueles dois países em 2020 gastavam com as forças armadas pouco menos de $ 50000 M cada um. Essa tara militarista que carateriza os EUA, com bases e frotas em todo o mundo, com o envolvimento em guerras e destruições assombrosas tornou os EUA totalmente distanciados da criação, em 2014 do Asian Infrastructure Investment Bank (AIIB); ou, em 2020, do Regional Comprehensive Economic Partnership (RCEP) que inclui países tutelados militarmente pelos EUA (Coreia do Sul e Japão) ou, sob a sua influência política (Austrália e Nova Zelândia) e no qual a Índia não quis participar… por enquanto, durante o consulado do fanático hinduísta, Modi. A História regista que o comércio, as trocas, aproximam os povos, promovem interações culturais e constituem um enorme instrumento de desenvolvimento económico, ao contrário do militarismo; como se pode observar no quadro seguinte. Percentagem do PIB mundial (em termos de paridade de poder de compra) 1980 1990 2000 2010 2015 2020 (est) UE 30.2 27.6 23.7 19.0 16.9 15.6 3 Sem esquecer o Afeganistão, onde os EUA e os seus aliados se têm mantido contra os talibans e a favor do comércio do ópio. Seria injusto esquecer a importância dos mercenários portugueses na guarda do aeroporto de Cabul. A grande base de Bagram vai ver a evacuação dos EUA. Em todo este tempo, chineses e indianos estabeleceram negócios no país.
  • 5. GRAZIA.TANTA@GMAIL. COM 1/6/2021 5 EUA 21.9 22.1 20.7 16.8 15.8 14.7 China 2.3 4.1 7.5 13.9 17.3 19.0 Fonte: FMI - Economic Outlook 2016 Em 2020, a pujança económica chinesa conduziu a que a UE tenha tornado a China como o seu primeiro parceiro comercial, remetendo os EUA para um segundo posto; a forma como ambos os países enfrentaram o surto do coronavírus releva a decadência dos EUA e a sua substituição pela China como principal economia mundial. A relação que se estará a firmar na Euro-Ásia, envolve várias vertentes. Uma, é o reforço da Rússia como elo essencial de ligação entre a Ásia Oriental e a Europa; ligação essa que pode vir a ser praticada através do Ártico. Outra, é um desenvolvimento do abastecimento de gás russo à Alemanha, através do Báltico, perante o azedume dos EUA. Uma terceira vertente é o estabelecimento de vários troços da Rota da Seda, integrando os países da Ásia Central e os países muçulmanos do Próximo e do Médio Oriente, através de vias ferroviários de elevada velocidade, uma área em que a China tem um elevado desempenho, como se releva adiante. Segundo Keith Bradsher, do New York Times, em 2012, a China inaugurou uma linha férrea de alta velocidade que percorre 2298 km entre Pequim e Guangzou, com 35 paragens, em dez horas; transposta para a Europa, essa infraestrutura faria um percurso Londres-Belgrado em… oito horas. A distância acima referida equivale à distância entre New York e Key West, no sul da Florida; no entanto, um percurso ferroviário atual, um pouco menor (New York/Miami) é, hoje efetuado em… 30 horas de viagem. Tais desenvolvimentos na China como na Europa poderão oferecer percursos diversificados para as transações entre a Europa e o Oriente e incluir os países da referida ASEAN e da costa oriental de África. Tendo em consideração a população da “Península Europeia” a integração euro-asiática (de momento, excluindo a Índia) vai para além dos 2500 M de pessoas ligadas por uma massa continental contínua e diversificada, culturalmente e quanto aos níveis de vida ou criação de riqueza. Não é expectável uma guerra na Europa com uma dimensão global. A presença militar dos EUA foi justificada durante quase meio século com a existência da URSS e do Pacto de Varsóvia. A extinção destes últimos teria sido uma boa oportunidade para o enterro das alianças militares;
  • 6. GRAZIA.TANTA@GMAIL. COM 1/6/2021 6 no entanto, a NATO continua a existir, feliz por ter englobado os países balcânicos; e esperando, depois da inclusão dos países do extinto Comecon, cercar as fronteiras russas na Ucrânia e no Cáucaso. Depois do final da Guerra Fria, os EUA, com ou sem a máscara NATO, promoveu guerras no território da antiga Jugoslávia, invadiu a Líbia e o Afeganistão, armou o ISIS para desestabilizar a Síria e o Iraque, com o reforço da ligação às monarquias do Golfo para isolar o Irão e, desenvolver o cancro sionista na exata medida do esmagamento do povo palestiniano. Os EUA continuam a estar presentes nos conflitos africanos, mantendo a sede do seu Africom localizada em Estugarda (!), numa situação reveladora do seu papel de entidade estranha aos povos do continente; e enquadrando, entre outros auxiliares, também em África, mercenários portugueses. A aposta militarizada dos EUA é uma verdadeira demência, sobretudo quando se toma conta do grau de pobreza de grande parte da sua população e as suas deficiências quanto a infraestruturas, como atrás exemplificámos. A sua presença militar na Europa continua a utilizar e reproduzir o cenário da Guerra Fria, imputando à Rússia um poder económico e militar que esta não tem. A Rússia tem apenas 150 milhões de habitantes e o seu gasto militar é mais de doze vezes inferior ao dos EUA. Onde parece haver bastante homogeneidade entre os membros da UE é na subserviência estratégica perante a NATO, com a aceitação da liderança dos EUA4 . Na UE parece que se quer 4 Veja-se o empenho europeu na crispação de relações com Rússia ou a Turquia sabendo-se que estes países são peças essenciais numa integração euro-asiática que está à porta. A relevância dada a Navalny ou ao bielorusso preso num avião desviado para Minsk é francamente empolada, origina sanções que se mostram inúteis ou ridículas mas satisfazem os interesses dos EUA em manter desavenças no espaço europeu. Por outro lado, a UE oferece tropas para enquadrar a atividade do Africom no Sahel ou no Afeganistão e mantém Assange preso, sob uma cortina de silêncio porque aquele protagonizou, anos atrás, a divulgação de crimes de guerra dos EUA. Na política europeia, o caso do avião desviado para Minsk serve para fazer esquecer a ocupação da Palestina e os mais recentes crimes do sionismo contra o povo palestiniano. Os anões políticos que gerem a Europa só conseguem ver em Africa e na Ásia
  • 7. GRAZIA.TANTA@GMAIL. COM 1/6/2021 7 manter os EUA com um pé na Europa, para evitar uma imersão total da Península Europeia nas infraestruturas da Rota da Seda, cuja concretização manterá bem longe as esquadras norte- americanas no Índico e no Pacífico, tendencialmente obsoletas do ponto de vista estratégico, com o aumento da relevância de vias terrestres na ligação entre o Oriente, a Ásia Central e a Europa. A pujança económica da China, aliada à sua força demográfica (mais que dupla que a dos países da UE) promete secundarizar a Europa. Essa secundarização, no passado, mostrou- se bem evidente em Bretton Woods, com a segmentação da Europa em ocidente e oriente, com a presença de bases militares de potências ocupantes e, com sangrentas descolonizações (Argélia, Vietnam e colónias portuguesas). Que papel caberá à Europa, a médio ou longo prazo?  Potência económica regional sem um papel relevante na política internacional inserida, sem protagonismo, no confronto estratégico China/EUA?  Quanto à China, a Europa procurará uma relação de vantagens económicas mútuas integrando-se nos corredores logísticos previstos e para cuja construção a maioria dos países europeus se ligou (o AIIB acima referido);  Manutenção das atuais e gritantes desigualdades regionais no seio da UE susceptíveis de posições políticas desviantes, como o que a GB decidiu, com o seu Brexit? E potenciadores de diversificadas clivagens, facilitadas pela grande diversidade de culturas e enquadramentos históricos recentes?  Uma preferência como aliado subalterno dos EUA cuja decadência relativa é evidente, como se observou na gestão da pandemia, nas enormes bolsas de pobreza, pelos problemas políticos e sociais resultantes de um relevo ancestral dado à “raça”? Um país que gasta em armamento tanto como os restantes e que força os seus aliados a comprar o necessário à manutenção do seu enorme e influente complexo militar-industrial? Este e outros textos em: http://grazia-tanta.blogspot.com/ http://www.slideshare.net/durgarrai/documents https://pt.scribd.com/uploads refugiados e imigrantes a chegar a Lesbos, à Pantelária ou a Ceuta, prontos para uma total precariedade de vida e empurrando os níveis salariais para baixo.