SlideShare uma empresa Scribd logo
1
COISAS QUE UM SOFTWARE DE
GESTÃO DE PROJETOS PODE
FAZER, E VOCÊ NÃO SABIA.7
@
2
Os softwares e ferramentas de gestão de projetos são instrumentos cada vez mais
utilizados nos dias atuais por grandes e pequenas empresas. Sua proposta é simples:
simplificar a condução dos projetos, geralmente complexos em suas tarefas, e facilitar
a comunicação entre os membros da equipe.
Ou seja, um software desse tipo deve ser utilizado para agilizar os resultados e garantir
a melhor execução dos projetos. A palavra-chave é gestão. Quanto mais conturba-
da a gestão do projeto, mais o software se faz importante e, por vezes, até mesmo
necessário.
Em grandes empresas o gerente de projetos costuma viver uma vida atribulada, em
virtude dos projetos complexos e que envolvem vários colaboradores. Já em pequenas
empresas o gestor também encontra seus dilemas, seja com a eventual desorganização
dos processos da empresa, seja com a falta de colaboradores para desenvolver as várias
facetas do projeto. Por isso, para qualquer tipo de e tamanho de empreendimento, o
software é uma ferramenta positiva.
Porém é muito comum que os gestores não aproveitem todas as potencialidades dos
softwares. Uma ferramenta só é tão útil quanto a capacidade de seu utilizador de ex-
plorar seus recursos. E em um mercado cada vez mais competitivo, é fundamental que
o gestor aproveite de todas as vantagens e possibilidades para gerar mais produtivi-
dade e eficiência na produção em sua companhia.
A proposta desse e-book é mostrar algumas das vantagens mais interessantes e úteis de
um software de gestão de projetos, para que você o utilize em sua máxima capacidade!
INTRODUÇÃO
3
Um dos elementos mais complicados de lidar em uma empresa é seu sistema de re-
cursos. E recurso é quase tudo de uma empresa! Desde os financeiros, como questões
contábeis, trabalhistas e de impostos, até inventários de estoque, passando por ponto
de funcionários e controle de pessoal, tudo pode e deve ser quantificado e planejado.
Para responder a essa demanda e gerar mais segurança à empresa que as ferramentas
de ERP foram criadas. ERP significa Enterprise Resource Planning (ou seja, planejamento
de recursos da empresa), e sua proposta é gerar um sistema que possa ser alimentado
pelos colaboradores de múltiplos setores da companhia de forma a gerar uma imagem
ampla, mas também profunda, da empresa e permita grande controle na utilização dos
recursos disponíveis.
Confira esse exemplo do que um sistema ERP permite a um gestor realizar. Um sistema
bem alimentado impede que a empresa gaste mais que o necessário em qualquer eta-
pa de processo (nesse caso, no processo de controle de materiais).
Fonte: http://wk.com.br/solucoes/sistema-erp-gestao-e-controle-de-estoque-almoxarifado-compras-e-vendas/
Mas o que isso tem a ver com os sistemas de gestão de projetos? Tudo! Hoje em dia
vários softwares permitem a integração entre as ferramentas: através de um Applica-
tion Program Interface (API) o gestor pode conectar seu software e o sistema ERP, con-
trolando custos em todas as áreas, comparando prazos em todas as etapas do proces-
so, e, assim, planejar com mais segurança o amplo processo sob sua responsabilidade.
CAP. 1 – INTEGRAÇÃO
COM FERRAMENTAS ERP
4
Muitas empresas e consultores, além, é claro, das pro-
dutoras de sistemas de gestão, vendem seus produtos
atualmente comentando das vantagens de um sistema de armazenamento em nuvem.
Vão falar em mobilidade, em acesso, em redução de custos de TI, e até mesmo a segu-
rança de possuir sempre um backup. E eles estão certos! Há muitas vantagens em se
possuir um sistema online.
Porém, há uma significativa desvantagem: a performance. Quanto mais complexo o
processo, e quanto maior for o banco de dados da operação, mais lento fica o sistema
quando em nuvem. A verdade que todo gestor de projetos conhece é: a performance
de uma operação WEB ainda é menor que em uma operação local.
Ora, há solução para esse dilema: basta que seu software possua um módu-
lo offline, permitindo o lançamento dos dados e sua execução local-
mente, com um algoritmo de sincronismo, enviando os dados e resulta-
dos para a nuvem após seu processamento. Com isso o gestor possui o
melhor dos dois mundos, com todas as vantagens do sistema online, e a celeridade do
sistema local.
Além, essa característica permite que o colaborador trabalhe remotamente, mesmo
sem acesso à internet ou em ambientes em que não há segurança na navegação, sem
desperdício de tempo.
CAP. 2 – USO DE
MÓDULO OFFLINE
5
A remuneração variável é uma realidade. É cada
vez mais comum que empresas, em suas es-
tratégias de Gestão de Pessoas, para atrair os
melhores profissionais do mercado e man-
ter seus melhores colaboradores, utilizem
avaliações de resultados para premiar com par-
ticipações em lucros e bônus. A remuneração
variável, antigamente vista apenas como um
complemento da remuneração total do empre-
gado, hoje já passa a ser vista, portanto, como
uma técnica importante para a empresa.
CAP. 3
REMUNERAÇÃO
VARIÁVEL
Fonte: http://docplayer.com.br/14801680-Universidade-do-extremo-sul-catarinense-unesc-curso-de-gradua-
cao-em-ciencias-contabeis-gessica-boeng-batista.html
6
E há muitas vantagens com essa estratégia, pois a companhia garante mais dedicação
dos seus funcionários, que partilham dos resultados positivos de seu trabalho e do
trabalho dos colegas. Mas, não é simples fazer essa avaliação de dedicação apenas
acompanhando os resultados finais de produção e comercialização da empresa.
Para uma avaliação confiável dos resultados deve-se utilizar técnicas de Análise Valor
Agregado, que medem o desempenho de um projeto específico, apontando os setores
que contribuíram mais para o resultado positivo. Essa análise se baseia em dois índices: o
SPI (que mensura o desempenho de prazo) e o CPI (que avalia o desempenho de custo).
Um software de gestão de projetos que permita a vinculação de tais índices facilita in-
crivelmente, portanto, a avaliação dos resultados, gerando mais equidade e equilíbrio
na distribuição dos benefícios da remuneração variável. O controle através do software
permite avaliar os números de cada projeto, de cada gestor, e de cada setor sob coor-
denação do gestor, sendo assim uma excelente ferramenta para medição dos resultados.
7
Muito vinculado com a vantagem anterior, é at-
ravés de um software de gestão de projetos que o
setor de Gestão de Pessoas de uma empresa pode
identificar seus melhores colaboradores e desen-
volver estratégias para mantê-los.
Há, basicamente, três formas de se premiar um
funcionário: através da intervenção direta e pes-
soal de seu superior, através de votações abertas
nas quais os demais colegas reconhecem a quali-
dade do profissional, e através da análise de seus
resultados. Nos dois primeiros processos, apesar
de sua simplicidade, existe a possibilidade de in-
satisfação com os resultados. Além, há a chance
de ser premiado não o colaborador com melhores
números, mas sim aquele de trato mais fácil, ou
mais brincalhão.
Já através de uma avaliação dos dados do
software, se apresentam resultados quanti-
ficáveis, permitindo visualizar o funcionário que
executou mais atividades dentro do prazo deter-
minado, o tempo que cada um levou para realizar
suas atividades, o nível de resolução de pendên-
cias, o nível de controle do processo, entre tantos
outros dados.
CAP. 4 – PREMIAÇÃO DE
RECURSOS DO PROJETO
8
Esse tipo de análise, costumeiramente difícil de ser realizada, fica simples com a imple-
mentação de um software de gestão de projetos.
Assim, avaliações de pessoal, fundamentais para crescimento na empresa, ascensão
profissional, premiações específicas (como funcionário do mês, entre outras), passam a
ser realizadas com dados e resultados claros, gerando impessoalidade e confiabilidade
nas decisões. Um sistema de gestão de projetos, afinal, não serve apenas aos setores
produtivos da empresa, mas também para as divisões que pensam no funcionamento
geral da companhia, seja, em curto ou longo prazos.
9
Todo projeto possui riscos, ou seja, condições incertas que afetam um dos elemen-
tos básicos de um projeto (seja o escopo, o cronograma, o custo ou a qualidade). E é
fundamental para a empresa que o gestor possua visão ampla e profunda do projeto
sob sua coordenação, de forma a avaliar e controlar os riscos previstos, caso contrário
pode-se colocar todo um investimento a perder.
O gestor deve seguir algumas etapas para garantir que os riscos não se realizem.
Através desse controle os riscos são minimizados e as chances de resultados positivos
são elevadas. Mas há ainda mais vantagens quando se integra tal processo ditado pelo
CAP. 5 – INTEGRAÇÃO
DE RISCOS E CUSTOS
Fonte: https://escritoriodeprojetos.com.br/gerenciamento-dos-riscos-do-projeto
10
Guia PMBOK com um bom software de gestão de projetos.
Com o lançamento dos dados observados na etapa de Análise Quantitativa
(especificamente o Valor Esperado, Valor Melhor Caso e Valor Pior Caso) no
sistema, o gestor consegue realizar uma Análise de Custos do Projeto, con-
trolando-o de forma mais qualificada, garantindo a melhor relação custo
X benefício, e desenvolvendo justificativas para aumentar ou reduzir seus
gastos e riscos.
Portanto, fique atento! Muitos especialistas em gestão de riscos chegam
a dizer que a etapa quantitativa é menos importante e poderia, em deter-
minados casos, ser deixada de lado. Porém, é através de seus resultados,
e da alimentação do software de gestão de projetos, que um gestor pode
melhorar seu controle.
11
Não há mais gestor ou empre-
sa que não utilize, ou tenha utilizado, do
modelo Canvas para o desenvolvimento de seu
projeto. A ferramenta tem grande utilidade e
qualidade em determinadas situações, em espe-
cial no momento de criação do projeto, ou seja, na
deliberação dos pontos chave de um negócio. E, cla-
ro, é através de um bom planejamento que um projeto
ganha força e se garante contra riscos quaisquer.
Assim, a utilização de um Canvas continua sendo bem
vista para as etapas iniciais de um projeto de qualquer
escopo ou tamanho.
Porém, também é cada vez mais comum a utilização de
softwares de gestão de projetos para o controle de sua
execução. E no momento em que a ideia inicial sai do
papel e toma corpo, faz-se necessário lançar todos os
dados novamente no sistema. Desperdício de tempo, de
esforço e das vantagens de cada uma das ferramentas.
Um software de gestão de projetos de qualidade deve
possuir a capacidade de evitar a duplicidade de infor-
mações e lançamentos, com sistemas automatizados
para preenchimentos das informações similares entre
Canvas e Software. Em especial os documentos formais,
CAP. 6 – INTEGRAÇÃO
DO CANVAS AOS DEMAIS
DOCUMENTOS
12
como Termo de Abertura, a Declaração de Escopo ou o Plano do Projeto, para evitar o
novo trabalho ou erros de lançamento, podem ser automaticamente alimentados com
os dados anteriores.
Além, outra qualidade de softwares completos é a automatização das versões dos
documentos. Ou seja, a cada alteração em qualquer dos documentos, seja dentro do
ambiente do software, seja no Canvas, todos os dados similares são alterados, garan-
tindo a similaridade e a atualidade das informações. Simples, não? Mas é para isso que
um sistema como esse existe!
13
Finalmente, uma das grandes vantagens pouco percebidas de um software de
gestão de projetos é a possibilidade de visualizá-lo através de uma linha do tem-
po. Claro que as análises de riscos, de custos e de pessoal são fundamentais para
o bom andamento de qualquer projeto de uma empresa, mas a verdade é que os
problemas nesses setores costumam ser percebidos através de um resultado: atrasos.
Ao acompanhar a execução do projeto em uma timeline, montada com base em
um planejamento rigoroso, e constantemente verificada e atualizada, o gestor
consegue perceber os maiores problemas e riscos, e atuar rapidamente para im-
pedir que o processo saia de seu controle.
CAP. 7 – VISÃO
TEMPORAL DO PROJETO
Fonte: https://br.pinterest.com/pin/407364728766411583/
14
Um bom software permite a visualização, simples e amigável, at-
ravés de uma interface adaptável, das tarefas concluídas, dos mar-
cos alcançados, ocorrências criadas, aprovações de cliente, entre
tantas outras possibilidades. Além, permite comentários e obser-
vações, de forma a gerar aprendizado com as experiências e evitar
certos dilemas em próximas experiências.
Com essa interface o gestor possui uma visão completa das tarefas
de seu projeto, e consegue antecipar os procedimentos e garantir
sua melhor execução.
15
CONCLUSÃO
Como dissemos antes: hoje em dia praticamente todas as companhias que se prezam
utilizam de um software de gestão de projetos para acompanhar suas atividades e con-
trolar melhor seu serviço. Se você não utiliza, então está na hora de fazê-lo!
Mas um software só é tão bom quanto seu utilizador. Assim, cabe ao gestor entender
todas as qualidades de um bom programa, e aproveitar de todos os seus benefícios.
Não basta mais apenas lançar dados e informações no software e esperar os resultados
positivos. Os dados gerados pelo sistema, além do controle alcançado pelos gestores
devem ser apropriados ao máximo. Não basta apenas seguir as melhores práticas do
mercado, mas se diferenciar da competição aproveitando todas as qualidades das fer-
ramentas ao seu alcance.
O NetProject, nosso gerenciador de projetos e portfólios, possui todas essas vantagens
citadas em nosso e-book e muitas mais! Quer conhecer um pouco mais? Então entre
em contato! Além de ser um sistema de fácil operação, com muitas opções e facetas,
ainda possuímos um help desk de excelente qualidade, garantindo ao usuário o melhor
aproveitamento da ferramenta.
16
SOBRE O NETPROJECT
O NetProject é um software moderno com di-
versos recursos, o que o torna ideal para em-
presas de diferentes segmentos e portes, pois se
adequa a todas as necessidades. São mais de 58
ferramentas disponíveis, além de uma interface
intuitiva e das vantagens do armazenamento on-
line (acesso seguro e backup).
Uma de suas ferramentas é o Canvas do Projeto que permite que fazer o planejamento
do projeto de forma colaborativa com outros membros da equipe. Além de organizar
e acompanhar o desenvolvimento, também é possível conversar com os participantes
do grupo por meio do chat online dentro do Canvas.
Entre em contato conosco e conheça mais sobre o NetProject e sua eficiência para o
gerenciamento de projetos, portfolio e trabalhos.
17
EVOLUA A GESTÃO DE PROJETOS
DE SUA EMPRESA
ACESSE NOSSO SITE:
WWW.NETPROJECT.COM.BR

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Metodos ageis
Metodos ageisMetodos ageis
Metodos ageis
Fábio Giordani
 
Práticas de Métodos Ágeis e Possibilidade de Execução em Ambiente de Trabalh...
Práticas de Métodos Ágeis e Possibilidade de Execução em Ambiente de  Trabalh...Práticas de Métodos Ágeis e Possibilidade de Execução em Ambiente de  Trabalh...
Práticas de Métodos Ágeis e Possibilidade de Execução em Ambiente de Trabalh...
Silvio Gonçalves
 
Cap 10 – Tecnologia BPM – Bruno Lima,CBPP
Cap 10 – Tecnologia BPM – Bruno Lima,CBPPCap 10 – Tecnologia BPM – Bruno Lima,CBPP
Cap 10 – Tecnologia BPM – Bruno Lima,CBPP
EloGroup
 
Tudo que sei sobre lean aprendi no 1º ano da escola, Martichenko, R.
Tudo que sei sobre lean aprendi no 1º ano da escola, Martichenko, R.Tudo que sei sobre lean aprendi no 1º ano da escola, Martichenko, R.
Tudo que sei sobre lean aprendi no 1º ano da escola, Martichenko, R.
Lucila Imoto Freitas
 
BIA - Business Impact Analysis
BIA - Business Impact AnalysisBIA - Business Impact Analysis
BIA - Business Impact Analysis
Allan Piter Pressi
 
Ferramentas e Conceitos em Lean Seis Sigma
Ferramentas e Conceitos em Lean Seis SigmaFerramentas e Conceitos em Lean Seis Sigma
Ferramentas e Conceitos em Lean Seis Sigma
Francisco Mello Castro
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Bruce Ds
 
7 6 Sigma Dmaic
7 6 Sigma Dmaic7 6 Sigma Dmaic
7 6 Sigma Dmaic
guestcfdccb15
 
Qualidade de software
Qualidade de softwareQualidade de software
Qualidade de software
Rodrigo Oliveira, Msc, PMP
 
Agile testing
Agile testing Agile testing
Sistema de Gestão de Continuidade de Negócio (SGCN)
Sistema de Gestão de Continuidade de Negócio (SGCN)Sistema de Gestão de Continuidade de Negócio (SGCN)
Sistema de Gestão de Continuidade de Negócio (SGCN)
Gustavo de Castro Rafael
 
Exemplo de plano de continuidade de ti
Exemplo de plano de continuidade de tiExemplo de plano de continuidade de ti
Exemplo de plano de continuidade de ti
Fernando Palma
 
Erp Customizar Ou Nao Customizar
Erp Customizar Ou Nao CustomizarErp Customizar Ou Nao Customizar
Erp Customizar Ou Nao Customizar
Andre Dourado
 
Aula 6 7 automação de processos
Aula 6 7   automação de processosAula 6 7   automação de processos
Aula 6 7 automação de processos
Maurício Botelho
 
Indicadores de Desempenho para Service Desk com base na SAS
Indicadores de Desempenho para Service Desk com base na SASIndicadores de Desempenho para Service Desk com base na SAS
Indicadores de Desempenho para Service Desk com base na SAS
Ivan Luizio Magalhães
 
Michael Rosmann - O valor de BPM
Michael Rosmann - O valor de BPMMichael Rosmann - O valor de BPM
Michael Rosmann - O valor de BPM
EloGroup
 
Gerenciamento de Processos de Negócio - BPM: O modelo de gestão do Século XXI
Gerenciamento de Processos de Negócio - BPM: O modelo de gestão do Século XXIGerenciamento de Processos de Negócio - BPM: O modelo de gestão do Século XXI
Gerenciamento de Processos de Negócio - BPM: O modelo de gestão do Século XXI
CRA-BA
 

Mais procurados (17)

Metodos ageis
Metodos ageisMetodos ageis
Metodos ageis
 
Práticas de Métodos Ágeis e Possibilidade de Execução em Ambiente de Trabalh...
Práticas de Métodos Ágeis e Possibilidade de Execução em Ambiente de  Trabalh...Práticas de Métodos Ágeis e Possibilidade de Execução em Ambiente de  Trabalh...
Práticas de Métodos Ágeis e Possibilidade de Execução em Ambiente de Trabalh...
 
Cap 10 – Tecnologia BPM – Bruno Lima,CBPP
Cap 10 – Tecnologia BPM – Bruno Lima,CBPPCap 10 – Tecnologia BPM – Bruno Lima,CBPP
Cap 10 – Tecnologia BPM – Bruno Lima,CBPP
 
Tudo que sei sobre lean aprendi no 1º ano da escola, Martichenko, R.
Tudo que sei sobre lean aprendi no 1º ano da escola, Martichenko, R.Tudo que sei sobre lean aprendi no 1º ano da escola, Martichenko, R.
Tudo que sei sobre lean aprendi no 1º ano da escola, Martichenko, R.
 
BIA - Business Impact Analysis
BIA - Business Impact AnalysisBIA - Business Impact Analysis
BIA - Business Impact Analysis
 
Ferramentas e Conceitos em Lean Seis Sigma
Ferramentas e Conceitos em Lean Seis SigmaFerramentas e Conceitos em Lean Seis Sigma
Ferramentas e Conceitos em Lean Seis Sigma
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
7 6 Sigma Dmaic
7 6 Sigma Dmaic7 6 Sigma Dmaic
7 6 Sigma Dmaic
 
Qualidade de software
Qualidade de softwareQualidade de software
Qualidade de software
 
Agile testing
Agile testing Agile testing
Agile testing
 
Sistema de Gestão de Continuidade de Negócio (SGCN)
Sistema de Gestão de Continuidade de Negócio (SGCN)Sistema de Gestão de Continuidade de Negócio (SGCN)
Sistema de Gestão de Continuidade de Negócio (SGCN)
 
Exemplo de plano de continuidade de ti
Exemplo de plano de continuidade de tiExemplo de plano de continuidade de ti
Exemplo de plano de continuidade de ti
 
Erp Customizar Ou Nao Customizar
Erp Customizar Ou Nao CustomizarErp Customizar Ou Nao Customizar
Erp Customizar Ou Nao Customizar
 
Aula 6 7 automação de processos
Aula 6 7   automação de processosAula 6 7   automação de processos
Aula 6 7 automação de processos
 
Indicadores de Desempenho para Service Desk com base na SAS
Indicadores de Desempenho para Service Desk com base na SASIndicadores de Desempenho para Service Desk com base na SAS
Indicadores de Desempenho para Service Desk com base na SAS
 
Michael Rosmann - O valor de BPM
Michael Rosmann - O valor de BPMMichael Rosmann - O valor de BPM
Michael Rosmann - O valor de BPM
 
Gerenciamento de Processos de Negócio - BPM: O modelo de gestão do Século XXI
Gerenciamento de Processos de Negócio - BPM: O modelo de gestão do Século XXIGerenciamento de Processos de Negócio - BPM: O modelo de gestão do Século XXI
Gerenciamento de Processos de Negócio - BPM: O modelo de gestão do Século XXI
 

Semelhante a 14987568107 coisas-software-gestao-projetos

Fundamentos da gestao_de_processos_41744
Fundamentos da gestao_de_processos_41744Fundamentos da gestao_de_processos_41744
Fundamentos da gestao_de_processos_41744
mapaiva
 
Parte9 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte9 - Fundamentos de Sistema de InformaçãoParte9 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte9 - Fundamentos de Sistema de Informação
Gabriel Faustino
 
Blue it
Blue itBlue it
Blue it
Bruce Ds
 
Blue it
Blue itBlue it
Blue it
Bruce Ds
 
úLtimo dia
úLtimo diaúLtimo dia
úLtimo dia
Bruce Ds
 
Blue it
Blue itBlue it
Blue it
Bruce Ds
 
Apresentação Final
Apresentação FinalApresentação Final
Apresentação Final
betinho87
 
Gerenciamento PDS
Gerenciamento PDSGerenciamento PDS
Gerenciamento PDS
Fatec Jales
 
Caso-de-estudo-bongas-sagex3
Caso-de-estudo-bongas-sagex3Caso-de-estudo-bongas-sagex3
Caso-de-estudo-bongas-sagex3
Marco Leite
 
Concepção e implementação de solucões tecnológicas e ERP´S por meio de proce...
 Concepção e implementação de solucões tecnológicas e ERP´S por meio de proce... Concepção e implementação de solucões tecnológicas e ERP´S por meio de proce...
Concepção e implementação de solucões tecnológicas e ERP´S por meio de proce...
EloGroup
 
Concepção e implementação de solucões tecnológicas e ERP´S por meio de processos
Concepção e implementação de solucões tecnológicas e ERP´S por meio de processosConcepção e implementação de solucões tecnológicas e ERP´S por meio de processos
Concepção e implementação de solucões tecnológicas e ERP´S por meio de processos
EloGroup
 
Sistemas case ERP
Sistemas case ERP Sistemas case ERP
Sistemas case ERP
EloGroup
 
Artigo asap - metodologia de gestão de projetos para implementação de pacot...
Artigo   asap - metodologia de gestão de projetos para implementação de pacot...Artigo   asap - metodologia de gestão de projetos para implementação de pacot...
Artigo asap - metodologia de gestão de projetos para implementação de pacot...
Garage Criativa | Garage Hub
 
Artigo automatizacao
Artigo automatizacaoArtigo automatizacao
Artigo automatizacao
Maurício Botelho
 
EAD - FAP Formação Analista de Processos
EAD - FAP Formação Analista de ProcessosEAD - FAP Formação Analista de Processos
EAD - FAP Formação Analista de Processos
CompanyWeb
 
GEHBOARD: UM DASHBOARD GENERAL-ERP PARA USUÁRIOS DE NIVEL ESTRATÉGICO
GEHBOARD: UM DASHBOARD GENERAL-ERP PARA USUÁRIOS DE NIVEL ESTRATÉGICOGEHBOARD: UM DASHBOARD GENERAL-ERP PARA USUÁRIOS DE NIVEL ESTRATÉGICO
GEHBOARD: UM DASHBOARD GENERAL-ERP PARA USUÁRIOS DE NIVEL ESTRATÉGICO
Welynton Oliveira
 
GEHBOARD: UM DASHBOARD GENERAL-ERP PARA USUÁRIOS DE NIVEL ESTRATÉGICO
GEHBOARD: UM DASHBOARD GENERAL-ERP PARA USUÁRIOS DE NIVEL ESTRATÉGICOGEHBOARD: UM DASHBOARD GENERAL-ERP PARA USUÁRIOS DE NIVEL ESTRATÉGICO
GEHBOARD: UM DASHBOARD GENERAL-ERP PARA USUÁRIOS DE NIVEL ESTRATÉGICO
Welynton Oliveira
 
Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BPMS...
Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BPMS...Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BPMS...
Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BPMS...
Lecom Tecnologia
 
– Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BP...
– Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BP...– Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BP...
– Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BP...
EloGroup
 
Sistemas de Informação como Sistemas de Controle
Sistemas de Informação como Sistemas de ControleSistemas de Informação como Sistemas de Controle
Sistemas de Informação como Sistemas de Controle
Fee Kosta
 

Semelhante a 14987568107 coisas-software-gestao-projetos (20)

Fundamentos da gestao_de_processos_41744
Fundamentos da gestao_de_processos_41744Fundamentos da gestao_de_processos_41744
Fundamentos da gestao_de_processos_41744
 
Parte9 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte9 - Fundamentos de Sistema de InformaçãoParte9 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte9 - Fundamentos de Sistema de Informação
 
Blue it
Blue itBlue it
Blue it
 
Blue it
Blue itBlue it
Blue it
 
úLtimo dia
úLtimo diaúLtimo dia
úLtimo dia
 
Blue it
Blue itBlue it
Blue it
 
Apresentação Final
Apresentação FinalApresentação Final
Apresentação Final
 
Gerenciamento PDS
Gerenciamento PDSGerenciamento PDS
Gerenciamento PDS
 
Caso-de-estudo-bongas-sagex3
Caso-de-estudo-bongas-sagex3Caso-de-estudo-bongas-sagex3
Caso-de-estudo-bongas-sagex3
 
Concepção e implementação de solucões tecnológicas e ERP´S por meio de proce...
 Concepção e implementação de solucões tecnológicas e ERP´S por meio de proce... Concepção e implementação de solucões tecnológicas e ERP´S por meio de proce...
Concepção e implementação de solucões tecnológicas e ERP´S por meio de proce...
 
Concepção e implementação de solucões tecnológicas e ERP´S por meio de processos
Concepção e implementação de solucões tecnológicas e ERP´S por meio de processosConcepção e implementação de solucões tecnológicas e ERP´S por meio de processos
Concepção e implementação de solucões tecnológicas e ERP´S por meio de processos
 
Sistemas case ERP
Sistemas case ERP Sistemas case ERP
Sistemas case ERP
 
Artigo asap - metodologia de gestão de projetos para implementação de pacot...
Artigo   asap - metodologia de gestão de projetos para implementação de pacot...Artigo   asap - metodologia de gestão de projetos para implementação de pacot...
Artigo asap - metodologia de gestão de projetos para implementação de pacot...
 
Artigo automatizacao
Artigo automatizacaoArtigo automatizacao
Artigo automatizacao
 
EAD - FAP Formação Analista de Processos
EAD - FAP Formação Analista de ProcessosEAD - FAP Formação Analista de Processos
EAD - FAP Formação Analista de Processos
 
GEHBOARD: UM DASHBOARD GENERAL-ERP PARA USUÁRIOS DE NIVEL ESTRATÉGICO
GEHBOARD: UM DASHBOARD GENERAL-ERP PARA USUÁRIOS DE NIVEL ESTRATÉGICOGEHBOARD: UM DASHBOARD GENERAL-ERP PARA USUÁRIOS DE NIVEL ESTRATÉGICO
GEHBOARD: UM DASHBOARD GENERAL-ERP PARA USUÁRIOS DE NIVEL ESTRATÉGICO
 
GEHBOARD: UM DASHBOARD GENERAL-ERP PARA USUÁRIOS DE NIVEL ESTRATÉGICO
GEHBOARD: UM DASHBOARD GENERAL-ERP PARA USUÁRIOS DE NIVEL ESTRATÉGICOGEHBOARD: UM DASHBOARD GENERAL-ERP PARA USUÁRIOS DE NIVEL ESTRATÉGICO
GEHBOARD: UM DASHBOARD GENERAL-ERP PARA USUÁRIOS DE NIVEL ESTRATÉGICO
 
Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BPMS...
Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BPMS...Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BPMS...
Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BPMS...
 
– Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BP...
– Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BP...– Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BP...
– Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma BP...
 
Sistemas de Informação como Sistemas de Controle
Sistemas de Informação como Sistemas de ControleSistemas de Informação como Sistemas de Controle
Sistemas de Informação como Sistemas de Controle
 

Último

AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
RoemirPeres
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Wagner Moraes
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
ClaudioArez
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
RafaelDantas32562
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
WeltonAgostinhoDias1
 

Último (13)

AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
 

14987568107 coisas-software-gestao-projetos

  • 1. 1 COISAS QUE UM SOFTWARE DE GESTÃO DE PROJETOS PODE FAZER, E VOCÊ NÃO SABIA.7 @
  • 2. 2 Os softwares e ferramentas de gestão de projetos são instrumentos cada vez mais utilizados nos dias atuais por grandes e pequenas empresas. Sua proposta é simples: simplificar a condução dos projetos, geralmente complexos em suas tarefas, e facilitar a comunicação entre os membros da equipe. Ou seja, um software desse tipo deve ser utilizado para agilizar os resultados e garantir a melhor execução dos projetos. A palavra-chave é gestão. Quanto mais conturba- da a gestão do projeto, mais o software se faz importante e, por vezes, até mesmo necessário. Em grandes empresas o gerente de projetos costuma viver uma vida atribulada, em virtude dos projetos complexos e que envolvem vários colaboradores. Já em pequenas empresas o gestor também encontra seus dilemas, seja com a eventual desorganização dos processos da empresa, seja com a falta de colaboradores para desenvolver as várias facetas do projeto. Por isso, para qualquer tipo de e tamanho de empreendimento, o software é uma ferramenta positiva. Porém é muito comum que os gestores não aproveitem todas as potencialidades dos softwares. Uma ferramenta só é tão útil quanto a capacidade de seu utilizador de ex- plorar seus recursos. E em um mercado cada vez mais competitivo, é fundamental que o gestor aproveite de todas as vantagens e possibilidades para gerar mais produtivi- dade e eficiência na produção em sua companhia. A proposta desse e-book é mostrar algumas das vantagens mais interessantes e úteis de um software de gestão de projetos, para que você o utilize em sua máxima capacidade! INTRODUÇÃO
  • 3. 3 Um dos elementos mais complicados de lidar em uma empresa é seu sistema de re- cursos. E recurso é quase tudo de uma empresa! Desde os financeiros, como questões contábeis, trabalhistas e de impostos, até inventários de estoque, passando por ponto de funcionários e controle de pessoal, tudo pode e deve ser quantificado e planejado. Para responder a essa demanda e gerar mais segurança à empresa que as ferramentas de ERP foram criadas. ERP significa Enterprise Resource Planning (ou seja, planejamento de recursos da empresa), e sua proposta é gerar um sistema que possa ser alimentado pelos colaboradores de múltiplos setores da companhia de forma a gerar uma imagem ampla, mas também profunda, da empresa e permita grande controle na utilização dos recursos disponíveis. Confira esse exemplo do que um sistema ERP permite a um gestor realizar. Um sistema bem alimentado impede que a empresa gaste mais que o necessário em qualquer eta- pa de processo (nesse caso, no processo de controle de materiais). Fonte: http://wk.com.br/solucoes/sistema-erp-gestao-e-controle-de-estoque-almoxarifado-compras-e-vendas/ Mas o que isso tem a ver com os sistemas de gestão de projetos? Tudo! Hoje em dia vários softwares permitem a integração entre as ferramentas: através de um Applica- tion Program Interface (API) o gestor pode conectar seu software e o sistema ERP, con- trolando custos em todas as áreas, comparando prazos em todas as etapas do proces- so, e, assim, planejar com mais segurança o amplo processo sob sua responsabilidade. CAP. 1 – INTEGRAÇÃO COM FERRAMENTAS ERP
  • 4. 4 Muitas empresas e consultores, além, é claro, das pro- dutoras de sistemas de gestão, vendem seus produtos atualmente comentando das vantagens de um sistema de armazenamento em nuvem. Vão falar em mobilidade, em acesso, em redução de custos de TI, e até mesmo a segu- rança de possuir sempre um backup. E eles estão certos! Há muitas vantagens em se possuir um sistema online. Porém, há uma significativa desvantagem: a performance. Quanto mais complexo o processo, e quanto maior for o banco de dados da operação, mais lento fica o sistema quando em nuvem. A verdade que todo gestor de projetos conhece é: a performance de uma operação WEB ainda é menor que em uma operação local. Ora, há solução para esse dilema: basta que seu software possua um módu- lo offline, permitindo o lançamento dos dados e sua execução local- mente, com um algoritmo de sincronismo, enviando os dados e resulta- dos para a nuvem após seu processamento. Com isso o gestor possui o melhor dos dois mundos, com todas as vantagens do sistema online, e a celeridade do sistema local. Além, essa característica permite que o colaborador trabalhe remotamente, mesmo sem acesso à internet ou em ambientes em que não há segurança na navegação, sem desperdício de tempo. CAP. 2 – USO DE MÓDULO OFFLINE
  • 5. 5 A remuneração variável é uma realidade. É cada vez mais comum que empresas, em suas es- tratégias de Gestão de Pessoas, para atrair os melhores profissionais do mercado e man- ter seus melhores colaboradores, utilizem avaliações de resultados para premiar com par- ticipações em lucros e bônus. A remuneração variável, antigamente vista apenas como um complemento da remuneração total do empre- gado, hoje já passa a ser vista, portanto, como uma técnica importante para a empresa. CAP. 3 REMUNERAÇÃO VARIÁVEL Fonte: http://docplayer.com.br/14801680-Universidade-do-extremo-sul-catarinense-unesc-curso-de-gradua- cao-em-ciencias-contabeis-gessica-boeng-batista.html
  • 6. 6 E há muitas vantagens com essa estratégia, pois a companhia garante mais dedicação dos seus funcionários, que partilham dos resultados positivos de seu trabalho e do trabalho dos colegas. Mas, não é simples fazer essa avaliação de dedicação apenas acompanhando os resultados finais de produção e comercialização da empresa. Para uma avaliação confiável dos resultados deve-se utilizar técnicas de Análise Valor Agregado, que medem o desempenho de um projeto específico, apontando os setores que contribuíram mais para o resultado positivo. Essa análise se baseia em dois índices: o SPI (que mensura o desempenho de prazo) e o CPI (que avalia o desempenho de custo). Um software de gestão de projetos que permita a vinculação de tais índices facilita in- crivelmente, portanto, a avaliação dos resultados, gerando mais equidade e equilíbrio na distribuição dos benefícios da remuneração variável. O controle através do software permite avaliar os números de cada projeto, de cada gestor, e de cada setor sob coor- denação do gestor, sendo assim uma excelente ferramenta para medição dos resultados.
  • 7. 7 Muito vinculado com a vantagem anterior, é at- ravés de um software de gestão de projetos que o setor de Gestão de Pessoas de uma empresa pode identificar seus melhores colaboradores e desen- volver estratégias para mantê-los. Há, basicamente, três formas de se premiar um funcionário: através da intervenção direta e pes- soal de seu superior, através de votações abertas nas quais os demais colegas reconhecem a quali- dade do profissional, e através da análise de seus resultados. Nos dois primeiros processos, apesar de sua simplicidade, existe a possibilidade de in- satisfação com os resultados. Além, há a chance de ser premiado não o colaborador com melhores números, mas sim aquele de trato mais fácil, ou mais brincalhão. Já através de uma avaliação dos dados do software, se apresentam resultados quanti- ficáveis, permitindo visualizar o funcionário que executou mais atividades dentro do prazo deter- minado, o tempo que cada um levou para realizar suas atividades, o nível de resolução de pendên- cias, o nível de controle do processo, entre tantos outros dados. CAP. 4 – PREMIAÇÃO DE RECURSOS DO PROJETO
  • 8. 8 Esse tipo de análise, costumeiramente difícil de ser realizada, fica simples com a imple- mentação de um software de gestão de projetos. Assim, avaliações de pessoal, fundamentais para crescimento na empresa, ascensão profissional, premiações específicas (como funcionário do mês, entre outras), passam a ser realizadas com dados e resultados claros, gerando impessoalidade e confiabilidade nas decisões. Um sistema de gestão de projetos, afinal, não serve apenas aos setores produtivos da empresa, mas também para as divisões que pensam no funcionamento geral da companhia, seja, em curto ou longo prazos.
  • 9. 9 Todo projeto possui riscos, ou seja, condições incertas que afetam um dos elemen- tos básicos de um projeto (seja o escopo, o cronograma, o custo ou a qualidade). E é fundamental para a empresa que o gestor possua visão ampla e profunda do projeto sob sua coordenação, de forma a avaliar e controlar os riscos previstos, caso contrário pode-se colocar todo um investimento a perder. O gestor deve seguir algumas etapas para garantir que os riscos não se realizem. Através desse controle os riscos são minimizados e as chances de resultados positivos são elevadas. Mas há ainda mais vantagens quando se integra tal processo ditado pelo CAP. 5 – INTEGRAÇÃO DE RISCOS E CUSTOS Fonte: https://escritoriodeprojetos.com.br/gerenciamento-dos-riscos-do-projeto
  • 10. 10 Guia PMBOK com um bom software de gestão de projetos. Com o lançamento dos dados observados na etapa de Análise Quantitativa (especificamente o Valor Esperado, Valor Melhor Caso e Valor Pior Caso) no sistema, o gestor consegue realizar uma Análise de Custos do Projeto, con- trolando-o de forma mais qualificada, garantindo a melhor relação custo X benefício, e desenvolvendo justificativas para aumentar ou reduzir seus gastos e riscos. Portanto, fique atento! Muitos especialistas em gestão de riscos chegam a dizer que a etapa quantitativa é menos importante e poderia, em deter- minados casos, ser deixada de lado. Porém, é através de seus resultados, e da alimentação do software de gestão de projetos, que um gestor pode melhorar seu controle.
  • 11. 11 Não há mais gestor ou empre- sa que não utilize, ou tenha utilizado, do modelo Canvas para o desenvolvimento de seu projeto. A ferramenta tem grande utilidade e qualidade em determinadas situações, em espe- cial no momento de criação do projeto, ou seja, na deliberação dos pontos chave de um negócio. E, cla- ro, é através de um bom planejamento que um projeto ganha força e se garante contra riscos quaisquer. Assim, a utilização de um Canvas continua sendo bem vista para as etapas iniciais de um projeto de qualquer escopo ou tamanho. Porém, também é cada vez mais comum a utilização de softwares de gestão de projetos para o controle de sua execução. E no momento em que a ideia inicial sai do papel e toma corpo, faz-se necessário lançar todos os dados novamente no sistema. Desperdício de tempo, de esforço e das vantagens de cada uma das ferramentas. Um software de gestão de projetos de qualidade deve possuir a capacidade de evitar a duplicidade de infor- mações e lançamentos, com sistemas automatizados para preenchimentos das informações similares entre Canvas e Software. Em especial os documentos formais, CAP. 6 – INTEGRAÇÃO DO CANVAS AOS DEMAIS DOCUMENTOS
  • 12. 12 como Termo de Abertura, a Declaração de Escopo ou o Plano do Projeto, para evitar o novo trabalho ou erros de lançamento, podem ser automaticamente alimentados com os dados anteriores. Além, outra qualidade de softwares completos é a automatização das versões dos documentos. Ou seja, a cada alteração em qualquer dos documentos, seja dentro do ambiente do software, seja no Canvas, todos os dados similares são alterados, garan- tindo a similaridade e a atualidade das informações. Simples, não? Mas é para isso que um sistema como esse existe!
  • 13. 13 Finalmente, uma das grandes vantagens pouco percebidas de um software de gestão de projetos é a possibilidade de visualizá-lo através de uma linha do tem- po. Claro que as análises de riscos, de custos e de pessoal são fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto de uma empresa, mas a verdade é que os problemas nesses setores costumam ser percebidos através de um resultado: atrasos. Ao acompanhar a execução do projeto em uma timeline, montada com base em um planejamento rigoroso, e constantemente verificada e atualizada, o gestor consegue perceber os maiores problemas e riscos, e atuar rapidamente para im- pedir que o processo saia de seu controle. CAP. 7 – VISÃO TEMPORAL DO PROJETO Fonte: https://br.pinterest.com/pin/407364728766411583/
  • 14. 14 Um bom software permite a visualização, simples e amigável, at- ravés de uma interface adaptável, das tarefas concluídas, dos mar- cos alcançados, ocorrências criadas, aprovações de cliente, entre tantas outras possibilidades. Além, permite comentários e obser- vações, de forma a gerar aprendizado com as experiências e evitar certos dilemas em próximas experiências. Com essa interface o gestor possui uma visão completa das tarefas de seu projeto, e consegue antecipar os procedimentos e garantir sua melhor execução.
  • 15. 15 CONCLUSÃO Como dissemos antes: hoje em dia praticamente todas as companhias que se prezam utilizam de um software de gestão de projetos para acompanhar suas atividades e con- trolar melhor seu serviço. Se você não utiliza, então está na hora de fazê-lo! Mas um software só é tão bom quanto seu utilizador. Assim, cabe ao gestor entender todas as qualidades de um bom programa, e aproveitar de todos os seus benefícios. Não basta mais apenas lançar dados e informações no software e esperar os resultados positivos. Os dados gerados pelo sistema, além do controle alcançado pelos gestores devem ser apropriados ao máximo. Não basta apenas seguir as melhores práticas do mercado, mas se diferenciar da competição aproveitando todas as qualidades das fer- ramentas ao seu alcance. O NetProject, nosso gerenciador de projetos e portfólios, possui todas essas vantagens citadas em nosso e-book e muitas mais! Quer conhecer um pouco mais? Então entre em contato! Além de ser um sistema de fácil operação, com muitas opções e facetas, ainda possuímos um help desk de excelente qualidade, garantindo ao usuário o melhor aproveitamento da ferramenta.
  • 16. 16 SOBRE O NETPROJECT O NetProject é um software moderno com di- versos recursos, o que o torna ideal para em- presas de diferentes segmentos e portes, pois se adequa a todas as necessidades. São mais de 58 ferramentas disponíveis, além de uma interface intuitiva e das vantagens do armazenamento on- line (acesso seguro e backup). Uma de suas ferramentas é o Canvas do Projeto que permite que fazer o planejamento do projeto de forma colaborativa com outros membros da equipe. Além de organizar e acompanhar o desenvolvimento, também é possível conversar com os participantes do grupo por meio do chat online dentro do Canvas. Entre em contato conosco e conheça mais sobre o NetProject e sua eficiência para o gerenciamento de projetos, portfolio e trabalhos.
  • 17. 17 EVOLUA A GESTÃO DE PROJETOS DE SUA EMPRESA ACESSE NOSSO SITE: WWW.NETPROJECT.COM.BR