SlideShare uma empresa Scribd logo
Nº 1.898 (Ano B/Verde) 5° Domingo do Tempo Comum                      5 de fevereiro de 2012


            DEUS É BOM E CONFORTA OS CORAÇÕES

                                                     cantando:
                                                     02. CANTO
                                                     Cantai ao Senhor... nº 55

                                                     03. ACOLHIDA E SAUDAÇÃO
                                                     D. Saudemos a Trindade Santa: Em nome
                                                     do Pai...
                                                     D. A graça de nosso Senhor Jesus Cristo,
                                                     o amor do Pai, e a força do Espírito Santo
                                                     estejam convosco.
                                                     Todos: Bendito seja Deus que nos reu-
                                                     niu no amor de Cristo.

                                                     04. DEUS NOS PERDOA
                                                     D. Muitas vezes não sabemos lidar com
                                                     nossos sofrimentos. Quando a dor se apro-
(No dia 11 comemoramos o Dia Mundial do En-          xima, corremos o risco de nos desesperar
fermo, fazer uma lista com o nome dos enfermos       e, até mesmo, de nos revoltarmos contra
da comunidade e apresentá-la nas intenções)          Deus. Peçamos perdão pelas vezes que
                                                     não fomos capazes de entender seus ca-
01. MOTIVAÇÃO                                        minhos e a sua lógica; por acusar a Deus
C.1 Irmãos e irmãs, sejam bem vindos! Aos            de causador de nossos sofrimentos, não
Domingos nos reunimos para glorificar o nos-         reconhecendo assim seu infinito amor.
so Deus. É Ele o esposo que está conosco             Canto: Eu confesso a Deus... nº 184.
na alegria e na tristeza todos os dias. A liturgia   D. Deus todo-poderoso, tenha compaixão
de hoje nos questiona sobre o sentido do             de nós, perdoe os nossos pecados e nos
sofrimento que acompanha toda nossa vida.            conduza à vida eterna. Amém.
Na certeza que Deus nos ama com amor de
pai e de mãe e quer conduzir-nos ao encon-           05. HINO DE LOUVOR
tro da vida verdadeira e definitiva, iniciemos       D. Glorifiquemos a Deus por seu amor infi-
nito, que nos conduz à felicidade sem fim.     Jó é apresentado como um homem piedo-
Canto: Glória a Deus, glória... n° 244         so, bom, generoso e cheio de "temor de
                                               Deus". Possuía muitos bens e uma família
06. ORAÇÃO                                     numerosa… Mas, repentinamente, viu-se
D. Velai, ó Deus, sobre a vossa família,       privado de todos os seus bens, perdeu a
com incansável amor; e, como só confi-         família e foi atingido por uma grave doença.
amos na vossa graça, guardai-nos sob           A história dos dramas de Jó serve para in-
a vossa proteção, dando-nos força fren-        troduzir uma reflexão sobre um dogma
te aos sofrimentos da vida. Por nosso          intocável da fé israelita: o dogma da retri-
Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na           buição. Para a catequese tradicional de Is-
unidade do Espírito Santo. Amém.               rael, a atitude de Deus em relação aos ho-
                                               mens estava perfeitamente definida: Deus
07. DEUS NOS FALA                              recompensava os bons pelas suas boas
                                               obras e os maus recebiam sempre um cas-
PRIMEIRA LEITURA: Jó 7, 1-4.6-7                tigo exemplar pelas injustiças e arbitrarie-
                                               dades praticadas. No entanto, a vida pu-
L.1 Leitura do Livro de Jó.                    nha em causa esta visão "oficial" de Deus e
                                               da sua ação na vida do homem. Constata-
SALMO RESPONSORIAL – 146(147)                  va-se, com alguma frequência, que os maus
Refrão: Louvai a Deus, porque Ele é            possuíam bens em abundância e viviam vi-
bom e conforta os corações.                    das longas e felizes, enquanto que os justos
                                               eram pobres e sofriam por causa da injusti-
SEGUNDA LEITURA:                               ça e da violência dos poderosos. Jó dis-
1Cor 9, 16-19.22-23                            corda da teologia tradicional e, a partir da
                                               sua própria experiência, denuncia uma fé
L.2 Leitura da Primeira Carta de São           instalada em preconceitos e em teorias abs-
Paulo aos Coríntios.                           tratas que não tem nada a ver com a vida.
                                               O texto hoje proposto apresenta-se como
EVANGELHO: Mc 1, 29-39                         uma reflexão do próprio Jó sobre o sentido
                                               da sua vida. Jó considera terrível sua situa-
CANTO DE ACLAMAÇÃO                             ção pessoal. A dor que enche a sua exis-
Aleluia... Graças eu te dou... nº 316          tência fatiga mais do que o trabalho do as-
                                               salariado; a sua infelicidade é mais doloro-
Evangelho de Jesus Cristo segundo              sa do que a vida de luta e de risco do sol-
Marcos.                                        dado; o seu desespero é mais pesado do
                                               que a sujeição do escravo. O sofrimento
08. PARTILHANDO A PALAVRA                      não lhe dá descanso, nem de noite nem de
O Livro de Jó apresenta uma bem elabora-       dia, e a sua desilusão não é atenuada com a
da reflexão sobre algumas das grandes          esperança de uma recompensa. Não temos
questões que o homem de todos os tempos        uma resposta clara e definitiva para a ques-
coloca a si próprio: qual o sentido da vida?   tão do sofrimento. O "sábio" autor do livro
Qual a situação do homem diante de Deus?       de Jó lembra-nos, contudo, a nossa peque-
Qual o papel de Deus na vida e nos dramas      nez, os nossos limites. De uma coisa pode-
do homem? Qual o sentido do sofrimento?        mos estar certos: Deus nos ama com amor
de pai e de mãe e quer conduzir-nos ao          privados de vida, que estão prisioneiros do
encontro da vida verdadeira e definitiva, da    sofrimento, da injustiça, do egoísmo, do
felicidade sem fim.                             pecado. O evangelista convida-nos a ver
No Evangelho de Marcos, a atuação de            em Jesus Aquele que tem poder para liber-
Jesus no sentido de fazer aparecer o "Rei-      tar o homem das suas misérias mais pro-
no" é uma atuação que não se limita ao es-      fundas e para lhe oferecer uma vida nova,
paço da sinagoga; estende-se, também, a         uma vida livre e feliz. A "casa de Simão
outros ambientes, porque o "Reino de Deus"      Pedro" pode ser uma representação da
que Jesus veio propor dirige-se ao homem        Igreja. É aí que Jesus está oferecendo à sua
em todas as suas dimensões e situações.         comunidade vida em abundância.
O texto de hoje nos situa na "casa de           Marcos também nos apresenta Jesus reti-
Pedro". Na narração de Marcos o objetivo        rado num lugar solitário, em oração. A ora-
fundamental é sugerir que a missão de Je-       ção faz parte do ministério de Jesus. Está
sus consiste em oferecer aos homens a vida      na agenda da sua atividade e dos seus com-
nova, a vida definitiva. O episódio é descri-   promissos. A oração é, para Jesus, o cume
to com simplicidade e sobriedade, sem ges-      e a fonte da ação.
tos teatrais desnecessários. Três pormeno-      O texto termina com uma espécie de resu-
res sobressaem na descrição. O primeiro         mo. Aí se explicita o sentido do ministério
é a indicação de que Jesus "aproximou-se"       de Jesus. Do seu encontro com o Pai, bro-
da sogra de Pedro. Naturalmente, a inicia-      ta uma vontade renovada de concretizar o
tiva de se aproximar de quem está prisio-       projeto de Deus e de atuar no meio dos
neiro do sofrimento, da doença, da opres-       homens a fim de lhes oferecer a libertação
são, é sempre de Jesus. Jesus toma a inici-     e a vida definitiva. Por isso, quando Jesus
ativa, pois a missão que recebeu do Pai         reencontra os discípulos, dispõe-se a
consiste em realizar a libertação do homem      palmilhar "toda a Galileia, pregando nas si-
de tudo aquilo que o faz sofrer e lhe rouba     nagogas e expulsando os demônios".
a vida. O segundo pormenor importante           A segunda leitura sublinha a obrigação que
aparece na indicação de que Jesus tomou a       os discípulos de Jesus assumiram no senti-
doente pela mão e "levantou-a". A mulher        do de testemunhar diante de todos os ho-
está prostrada pelo sofrimento que lhe rou-     mens a proposta libertadora de Jesus. Na
ba a vida; mas o contato com Jesus devol-       sua ação e no seu testemunho, os discípu-
ve-lhe a vida e equivale a uma ressurreição.    los de Jesus não podem ser guiados por in-
O terceiro é a indicação de que a mulher        teresses pessoais, mas sim pelo amor a
"começou a servi-los". O efeito imediato do     Deus, ao Evangelho e aos irmãos.
contato com Jesus e da experiência da vida
que brota d'Ele é a atividade que se con-       09. PROFISSÃO DE FÉ
cretiza no serviço dos irmãos.                  D. Proclamemos a nossa fé, Creio...
Num segundo momento, o texto apresen-
ta-nos "a cidade inteira" reunida diante da     10. PRECES DA COMUNIDADE
porta da casa de Pedro. Jesus curou muitas      D. Deus está presente em nossas casas e
pessoas que eram atormentadas por várias        em nossas Igrejas. Por isso, como filhos
doenças e expulsou muitos demônios. Os          amados, elevemos a Ele as nossas súplicas:
enfermos e os possessos do demônio re-          L.1 Que assumamos o compromisso de vi-
presentam, aqui, todos aqueles que estão        ver os valores do Evangelho, no amor, no
perdão, na tolerância, no serviço aos ir-              a força do corpo e a firmeza do espírito,
mãos, rezemos ao Senhor.                               para que nos empenhemos totalmente na
L.2 Pelos doentes e sem esperança, que o               nossa missão de batizados. Vós que sois
Senhor, cheio de compaixão, alivie seus                Deus com o Pai, na unidade do Espírito
sofrimentos, rezemos ao Senhor.                        Santo. Amém.
L.1 Como curou a sogra de Pedro, que
Jesus cure também nossos doentes, reze-                15. AVISOS
mos ao Senhor.                                         D. Estão abertas as inscrições para o Retiro
L.2 Para que Deus assista a todos aqueles              de Carnaval que acontecerá em São Mateus.
que estão a serviço dos enfermos, reze-                Será orientado pelas Irmãs do Cenáculo, no
mos ao Senhor.                                         Centro Diocesano. Mais informações pelo
L.1 No próximo dia 16 nossa Diocese                    telefone: (27) 3763.1177
completará 54 anos de fundação, para que
coloquemos em prática as decisões toma-
                                                       16. BÊNÇÃO E DESPEDIDA
das na 19ª Assembleia Geral Diocesana,
                                                       D. O Senhor esteja convosco!
rezemos ao Senhor.
                                                       T: Ele está no meio de nós!
D. Atendei, ó Pai, esses pedidos que hu-
                                                       D. Abençoe-nos Deus Todo-Poderoso: Pai
mildemente vos dirigimos. Por Cristo, nos-
                                                       e Filho e Espírito Santo.
so Senhor. Amém.
                                                       T: Amém!
                                                       D. Vamos em paz e que o Senhor nos acom-
11. APRESENTAÇÃO DOS DONS
                                                       panhe! T: Graças a Deus!
D. Somos frutos do amor gratuito de Deus.
Manifestemos nosso amor por Deus e pe-
                                                       17. CANTO
los irmãos contribuindo com nossa oferta
                                                       A ti, meu Deus... nº 728
e nosso dízimo, para ajudar na implanta-
ção do Reino dos Céus na terra.
Canto: O nosso Deus com amor... n° 446

11. PAI NOSSO
D. Rezemos a oração de filhos e filhas ama-
dos de Deus: Pai nosso...

13. ABRAÇO DA PAZ                                                   Leituras para a Semana
A equipe prepara.
                                                       2ª 1Rs 8, 1-7.9-13 / Sl 131 / Mc 6, 53-56
14. ORAÇÃO                                             3ª 1Rs 8, 22-23.27-30 / Sl 83 / Mc 7, 1-13
D. Senhor de infinita bondade e mise-                  4ª 1Rs 10, 1-10 / Sl 36 / Mc 7, 14-23
ricórdia, que passastes pelo mundo fa-                 5ª 1Rs 11, 4-13 / Sl 105 / Mc 7, 24-30
                                                       6ª 1Rs 11, 29-32; 12, 19 / Sl 80 / Mc 7, 31-37
zendo o bem e curando a todos, dai-nos                 Sáb.: Is 66, 10-14c / Sl Jt 13, 18-19 / Jo 2, 1-11

 Secretariado Diocesano de Pastoral Av. João XXIII, 410-Centro 29930-420-S. Mateus/ES - Tel: (27) 3763.1177
   Fax 3763.3104 - E-mail: secretariado@diocesedesaomateus.org.br / Site: www.diocesedesaomateus.org.br
                 Rádio Católica da nossa região, é a Kairós FM 94,7. www.radiokairos.com.br
        Associe-se ao Clube do Ouvinte e ajude a manter a rádio. Informações pelo telefone 3767-2000.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

19 02 12
19 02 1219 02 12
Devocional para Crianças - Fruto do Espírito- Alegria
Devocional para Crianças - Fruto do Espírito- AlegriaDevocional para Crianças - Fruto do Espírito- Alegria
Devocional para Crianças - Fruto do Espírito- Alegria
Lana Bezerra
 
22 01 12
22 01 1222 01 12
IBBC - Livros poéticos - Jó
IBBC - Livros poéticos  - Jó IBBC - Livros poéticos  - Jó
IBBC - Livros poéticos - Jó
PrAndré Luiz
 
Semeando fevereiro 2011
Semeando fevereiro 2011Semeando fevereiro 2011
Semeando fevereiro 2011
conceicaoborges
 
Semelhantes a jó
Semelhantes a jóSemelhantes a jó
Semelhantes a jó
Eid Marques
 
O livro de jó
O livro de jóO livro de jó
O livro de jó
Élida Rolim
 
Boletim Setembro 2012
Boletim Setembro 2012Boletim Setembro 2012
Boletim Setembro 2012
willams
 
Por que o justo sofre 1
 Por que o justo sofre 1 Por que o justo sofre 1
Por que o justo sofre 1
Douglas Sborowski
 
Programa sugestivo 10 h jejum 2020
Programa sugestivo 10 h jejum 2020Programa sugestivo 10 h jejum 2020
Programa sugestivo 10 h jejum 2020
Rogerio Sena
 
Curso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismoCurso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismo
Antonio Rodrigues
 
Boletim Jovem Novembro 2012
Boletim Jovem Novembro 2012Boletim Jovem Novembro 2012
Boletim Jovem Novembro 2012
willams
 
Slides reflexão bíblica
Slides   reflexão bíblicaSlides   reflexão bíblica
Slides reflexão bíblica
eschappy
 
11 09 11
11 09 1111 09 11
Licoesdosantuario pg
Licoesdosantuario pgLicoesdosantuario pg
Licoesdosantuario pg
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
A QUARTA DIMENSÃO de Paul Yonggi Sho
A QUARTA DIMENSÃO de Paul Yonggi ShoA QUARTA DIMENSÃO de Paul Yonggi Sho
A QUARTA DIMENSÃO de Paul Yonggi Sho
Enaldo Ribeiro
 
Módulo 01 Boas Novas
Módulo 01 Boas NovasMódulo 01 Boas Novas
Módulo 01 Boas Novas
Michelly de Oliveira
 
O drama do sofrimento do justo
O drama do sofrimento do justoO drama do sofrimento do justo
O drama do sofrimento do justo
Eid Marques
 

Mais procurados (18)

19 02 12
19 02 1219 02 12
19 02 12
 
Devocional para Crianças - Fruto do Espírito- Alegria
Devocional para Crianças - Fruto do Espírito- AlegriaDevocional para Crianças - Fruto do Espírito- Alegria
Devocional para Crianças - Fruto do Espírito- Alegria
 
22 01 12
22 01 1222 01 12
22 01 12
 
IBBC - Livros poéticos - Jó
IBBC - Livros poéticos  - Jó IBBC - Livros poéticos  - Jó
IBBC - Livros poéticos - Jó
 
Semeando fevereiro 2011
Semeando fevereiro 2011Semeando fevereiro 2011
Semeando fevereiro 2011
 
Semelhantes a jó
Semelhantes a jóSemelhantes a jó
Semelhantes a jó
 
O livro de jó
O livro de jóO livro de jó
O livro de jó
 
Boletim Setembro 2012
Boletim Setembro 2012Boletim Setembro 2012
Boletim Setembro 2012
 
Por que o justo sofre 1
 Por que o justo sofre 1 Por que o justo sofre 1
Por que o justo sofre 1
 
Programa sugestivo 10 h jejum 2020
Programa sugestivo 10 h jejum 2020Programa sugestivo 10 h jejum 2020
Programa sugestivo 10 h jejum 2020
 
Curso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismoCurso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismo
 
Boletim Jovem Novembro 2012
Boletim Jovem Novembro 2012Boletim Jovem Novembro 2012
Boletim Jovem Novembro 2012
 
Slides reflexão bíblica
Slides   reflexão bíblicaSlides   reflexão bíblica
Slides reflexão bíblica
 
11 09 11
11 09 1111 09 11
11 09 11
 
Licoesdosantuario pg
Licoesdosantuario pgLicoesdosantuario pg
Licoesdosantuario pg
 
A QUARTA DIMENSÃO de Paul Yonggi Sho
A QUARTA DIMENSÃO de Paul Yonggi ShoA QUARTA DIMENSÃO de Paul Yonggi Sho
A QUARTA DIMENSÃO de Paul Yonggi Sho
 
Módulo 01 Boas Novas
Módulo 01 Boas NovasMódulo 01 Boas Novas
Módulo 01 Boas Novas
 
O drama do sofrimento do justo
O drama do sofrimento do justoO drama do sofrimento do justo
O drama do sofrimento do justo
 

Destaque

Älykkäät koneet, tuotekehitys, Digitalisaatio - Sykettä teollisuuteen
Älykkäät koneet, tuotekehitys, Digitalisaatio - Sykettä teollisuuteenÄlykkäät koneet, tuotekehitys, Digitalisaatio - Sykettä teollisuuteen
Älykkäät koneet, tuotekehitys, Digitalisaatio - Sykettä teollisuuteen
Timo Rainio
 
Bernadette Haase Kromwijk - The Netherlands - Wednesday 30 - Oral Presentatio...
Bernadette Haase Kromwijk - The Netherlands - Wednesday 30 - Oral Presentatio...Bernadette Haase Kromwijk - The Netherlands - Wednesday 30 - Oral Presentatio...
Bernadette Haase Kromwijk - The Netherlands - Wednesday 30 - Oral Presentatio...
incucai_isodp
 
Caderno1ano conjuntos-100207080912-phpapp02
Caderno1ano conjuntos-100207080912-phpapp02Caderno1ano conjuntos-100207080912-phpapp02
Caderno1ano conjuntos-100207080912-phpapp02
Nayanne Santos
 
Amazing restaurants around the world
Amazing restaurants around the worldAmazing restaurants around the world
Amazing restaurants around the world
Lavennder M
 
Nuestro trabajo de tribucan en imagenes
Nuestro trabajo de tribucan en imagenesNuestro trabajo de tribucan en imagenes
Nuestro trabajo de tribucan en imagenes
Paqui
 
Minha oracao no_final_do_ano_som
Minha oracao no_final_do_ano_somMinha oracao no_final_do_ano_som
Minha oracao no_final_do_ano_som
mpsmarcos
 
Tutoria diapositiva liz
Tutoria diapositiva lizTutoria diapositiva liz
Tutoria diapositiva liz
lizvegue
 
TLC20 Colombia defensa comercial
TLC20 Colombia defensa comercialTLC20 Colombia defensa comercial
TLC20 Colombia defensa comercial
Uniambiental
 
respeto
respetorespeto
Os segredos da_motivacao
Os segredos da_motivacaoOs segredos da_motivacao
Os segredos da_motivacao
123nonato
 
Kraft Olimpíadas de Reciclagem
Kraft Olimpíadas de ReciclagemKraft Olimpíadas de Reciclagem
Kraft Olimpíadas de Reciclagem
leeleyser
 
7.6 negociación intercultural ga
7.6 negociación intercultural ga7.6 negociación intercultural ga
7.6 negociación intercultural ga
Uniambiental
 
12.7 residuos peligrosos
12.7 residuos peligrosos12.7 residuos peligrosos
12.7 residuos peligrosos
Uniambiental
 
Lazuli apresentacao
Lazuli apresentacaoLazuli apresentacao
Lazuli apresentacao
sousafco
 
INDIAN AGRICULTURE
INDIAN AGRICULTUREINDIAN AGRICULTURE
INDIAN AGRICULTURE
Unitedworld School Of Business
 
Dibujando nuestro entorno
Dibujando nuestro entornoDibujando nuestro entorno
Dibujando nuestro entorno
Paco Contreras
 
Energia solar
Energia solarEnergia solar
Energia solar
Natália Ferreira
 

Destaque (20)

Seguro de transporte
Seguro de transporteSeguro de transporte
Seguro de transporte
 
Älykkäät koneet, tuotekehitys, Digitalisaatio - Sykettä teollisuuteen
Älykkäät koneet, tuotekehitys, Digitalisaatio - Sykettä teollisuuteenÄlykkäät koneet, tuotekehitys, Digitalisaatio - Sykettä teollisuuteen
Älykkäät koneet, tuotekehitys, Digitalisaatio - Sykettä teollisuuteen
 
Bernadette Haase Kromwijk - The Netherlands - Wednesday 30 - Oral Presentatio...
Bernadette Haase Kromwijk - The Netherlands - Wednesday 30 - Oral Presentatio...Bernadette Haase Kromwijk - The Netherlands - Wednesday 30 - Oral Presentatio...
Bernadette Haase Kromwijk - The Netherlands - Wednesday 30 - Oral Presentatio...
 
Caderno1ano conjuntos-100207080912-phpapp02
Caderno1ano conjuntos-100207080912-phpapp02Caderno1ano conjuntos-100207080912-phpapp02
Caderno1ano conjuntos-100207080912-phpapp02
 
Amazing restaurants around the world
Amazing restaurants around the worldAmazing restaurants around the world
Amazing restaurants around the world
 
10d enhmonh
10d enhmonh10d enhmonh
10d enhmonh
 
Nuestro trabajo de tribucan en imagenes
Nuestro trabajo de tribucan en imagenesNuestro trabajo de tribucan en imagenes
Nuestro trabajo de tribucan en imagenes
 
Minha oracao no_final_do_ano_som
Minha oracao no_final_do_ano_somMinha oracao no_final_do_ano_som
Minha oracao no_final_do_ano_som
 
Tutoria diapositiva liz
Tutoria diapositiva lizTutoria diapositiva liz
Tutoria diapositiva liz
 
TLC20 Colombia defensa comercial
TLC20 Colombia defensa comercialTLC20 Colombia defensa comercial
TLC20 Colombia defensa comercial
 
respeto
respetorespeto
respeto
 
Os segredos da_motivacao
Os segredos da_motivacaoOs segredos da_motivacao
Os segredos da_motivacao
 
Kraft Olimpíadas de Reciclagem
Kraft Olimpíadas de ReciclagemKraft Olimpíadas de Reciclagem
Kraft Olimpíadas de Reciclagem
 
7.6 negociación intercultural ga
7.6 negociación intercultural ga7.6 negociación intercultural ga
7.6 negociación intercultural ga
 
12.7 residuos peligrosos
12.7 residuos peligrosos12.7 residuos peligrosos
12.7 residuos peligrosos
 
Lazuli apresentacao
Lazuli apresentacaoLazuli apresentacao
Lazuli apresentacao
 
INDIAN AGRICULTURE
INDIAN AGRICULTUREINDIAN AGRICULTURE
INDIAN AGRICULTURE
 
Gestalt do objetivo
Gestalt do objetivoGestalt do objetivo
Gestalt do objetivo
 
Dibujando nuestro entorno
Dibujando nuestro entornoDibujando nuestro entorno
Dibujando nuestro entorno
 
Energia solar
Energia solarEnergia solar
Energia solar
 

Semelhante a 05 02 12

29 01 12
29 01 1229 01 12
13 11 11
13 11 1113 11 11
26 02 12
26 02 1226 02 12
28 08 11
28 08 1128 08 11
25 03 12
25 03 1225 03 12
04 09 11
04 09 1104 09 11
Hebreus 12 a displina de deus
Hebreus 12 a displina de deusHebreus 12 a displina de deus
Hebreus 12 a displina de deus
Rodrigo Borges
 
15 01 12
15 01 1215 01 12
22 02 12
22 02 1222 02 12
04 12 11
04 12 1104 12 11
ESTUDOS DA TRIBO N 05.docx
ESTUDOS DA TRIBO N 05.docxESTUDOS DA TRIBO N 05.docx
ESTUDOS DA TRIBO N 05.docx
sergio dos santos
 
Publicação Mensal
Publicação MensalPublicação Mensal
Publicação Mensal
Leigos
 
Publicação Abril
Publicação AbrilPublicação Abril
Publicação Abril
Leigos
 
4. Abril.pdf
4. Abril.pdf4. Abril.pdf
4. Abril.pdf
Leigos
 
Publicação
PublicaçãoPublicação
Publicação
Leigos
 
Publicação Mensal
Publicação MensalPublicação Mensal
Publicação Mensal
Leigos
 
06 11 11
06 11 1106 11 11
Via sacra dia do deserto
Via sacra dia do desertoVia sacra dia do deserto
Via sacra dia do deserto
conceicaoborges
 
Voz da Paróquia - Julho 2012
Voz da Paróquia - Julho 2012Voz da Paróquia - Julho 2012
Voz da Paróquia - Julho 2012
jesmioma
 
Jornal da Trindade
Jornal da Trindade Jornal da Trindade
Jornal da Trindade
Mauricio Brabo
 

Semelhante a 05 02 12 (20)

29 01 12
29 01 1229 01 12
29 01 12
 
13 11 11
13 11 1113 11 11
13 11 11
 
26 02 12
26 02 1226 02 12
26 02 12
 
28 08 11
28 08 1128 08 11
28 08 11
 
25 03 12
25 03 1225 03 12
25 03 12
 
04 09 11
04 09 1104 09 11
04 09 11
 
Hebreus 12 a displina de deus
Hebreus 12 a displina de deusHebreus 12 a displina de deus
Hebreus 12 a displina de deus
 
15 01 12
15 01 1215 01 12
15 01 12
 
22 02 12
22 02 1222 02 12
22 02 12
 
04 12 11
04 12 1104 12 11
04 12 11
 
ESTUDOS DA TRIBO N 05.docx
ESTUDOS DA TRIBO N 05.docxESTUDOS DA TRIBO N 05.docx
ESTUDOS DA TRIBO N 05.docx
 
Publicação Mensal
Publicação MensalPublicação Mensal
Publicação Mensal
 
Publicação Abril
Publicação AbrilPublicação Abril
Publicação Abril
 
4. Abril.pdf
4. Abril.pdf4. Abril.pdf
4. Abril.pdf
 
Publicação
PublicaçãoPublicação
Publicação
 
Publicação Mensal
Publicação MensalPublicação Mensal
Publicação Mensal
 
06 11 11
06 11 1106 11 11
06 11 11
 
Via sacra dia do deserto
Via sacra dia do desertoVia sacra dia do deserto
Via sacra dia do deserto
 
Voz da Paróquia - Julho 2012
Voz da Paróquia - Julho 2012Voz da Paróquia - Julho 2012
Voz da Paróquia - Julho 2012
 
Jornal da Trindade
Jornal da Trindade Jornal da Trindade
Jornal da Trindade
 

Mais de Gustavo Scheffer

Folheto Litúrgico do Mês de Março 2014
Folheto Litúrgico do Mês de Março 2014Folheto Litúrgico do Mês de Março 2014
Folheto Litúrgico do Mês de Março 2014
Gustavo Scheffer
 
Folheto Litúrgico do mês de fevereiro 2014
Folheto Litúrgico do mês de fevereiro 2014Folheto Litúrgico do mês de fevereiro 2014
Folheto Litúrgico do mês de fevereiro 2014
Gustavo Scheffer
 
Domingo 01/02/2014 - Apresentação do Senhor
Domingo 01/02/2014 - Apresentação do SenhorDomingo 01/02/2014 - Apresentação do Senhor
Domingo 01/02/2014 - Apresentação do Senhor
Gustavo Scheffer
 
2º domingo do tempo comum
2º domingo do tempo comum2º domingo do tempo comum
2º domingo do tempo comum
Gustavo Scheffer
 
São raimundo de peñafort
São raimundo de peñafortSão raimundo de peñafort
São raimundo de peñafort
Gustavo Scheffer
 
Epifania do senhor
Epifania do senhorEpifania do senhor
Epifania do senhor
Gustavo Scheffer
 
QUARTA - FEIRA - SANTO AMARO.15/01/2014
QUARTA - FEIRA - SANTO AMARO.15/01/2014QUARTA - FEIRA - SANTO AMARO.15/01/2014
QUARTA - FEIRA - SANTO AMARO.15/01/2014
Gustavo Scheffer
 
27 11 11
27 11 1127 11 11
25 12 11
25 12 1125 12 11
24 12 11
24 12 1124 12 11
21 08 11
21 08 1121 08 11
18 12 11
18 12 1118 12 11
12 10 11
12 10 1112 10 11
11 12 11
11 12 1111 12 11
08 12 10
08 12 1008 12 10
08 01 12
08 01 1208 01 12
07 08 11
07 08 1107 08 11

Mais de Gustavo Scheffer (17)

Folheto Litúrgico do Mês de Março 2014
Folheto Litúrgico do Mês de Março 2014Folheto Litúrgico do Mês de Março 2014
Folheto Litúrgico do Mês de Março 2014
 
Folheto Litúrgico do mês de fevereiro 2014
Folheto Litúrgico do mês de fevereiro 2014Folheto Litúrgico do mês de fevereiro 2014
Folheto Litúrgico do mês de fevereiro 2014
 
Domingo 01/02/2014 - Apresentação do Senhor
Domingo 01/02/2014 - Apresentação do SenhorDomingo 01/02/2014 - Apresentação do Senhor
Domingo 01/02/2014 - Apresentação do Senhor
 
2º domingo do tempo comum
2º domingo do tempo comum2º domingo do tempo comum
2º domingo do tempo comum
 
São raimundo de peñafort
São raimundo de peñafortSão raimundo de peñafort
São raimundo de peñafort
 
Epifania do senhor
Epifania do senhorEpifania do senhor
Epifania do senhor
 
QUARTA - FEIRA - SANTO AMARO.15/01/2014
QUARTA - FEIRA - SANTO AMARO.15/01/2014QUARTA - FEIRA - SANTO AMARO.15/01/2014
QUARTA - FEIRA - SANTO AMARO.15/01/2014
 
27 11 11
27 11 1127 11 11
27 11 11
 
25 12 11
25 12 1125 12 11
25 12 11
 
24 12 11
24 12 1124 12 11
24 12 11
 
21 08 11
21 08 1121 08 11
21 08 11
 
18 12 11
18 12 1118 12 11
18 12 11
 
12 10 11
12 10 1112 10 11
12 10 11
 
11 12 11
11 12 1111 12 11
11 12 11
 
08 12 10
08 12 1008 12 10
08 12 10
 
08 01 12
08 01 1208 01 12
08 01 12
 
07 08 11
07 08 1107 08 11
07 08 11
 

05 02 12

  • 1. Nº 1.898 (Ano B/Verde) 5° Domingo do Tempo Comum 5 de fevereiro de 2012 DEUS É BOM E CONFORTA OS CORAÇÕES cantando: 02. CANTO Cantai ao Senhor... nº 55 03. ACOLHIDA E SAUDAÇÃO D. Saudemos a Trindade Santa: Em nome do Pai... D. A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai, e a força do Espírito Santo estejam convosco. Todos: Bendito seja Deus que nos reu- niu no amor de Cristo. 04. DEUS NOS PERDOA D. Muitas vezes não sabemos lidar com nossos sofrimentos. Quando a dor se apro- (No dia 11 comemoramos o Dia Mundial do En- xima, corremos o risco de nos desesperar fermo, fazer uma lista com o nome dos enfermos e, até mesmo, de nos revoltarmos contra da comunidade e apresentá-la nas intenções) Deus. Peçamos perdão pelas vezes que não fomos capazes de entender seus ca- 01. MOTIVAÇÃO minhos e a sua lógica; por acusar a Deus C.1 Irmãos e irmãs, sejam bem vindos! Aos de causador de nossos sofrimentos, não Domingos nos reunimos para glorificar o nos- reconhecendo assim seu infinito amor. so Deus. É Ele o esposo que está conosco Canto: Eu confesso a Deus... nº 184. na alegria e na tristeza todos os dias. A liturgia D. Deus todo-poderoso, tenha compaixão de hoje nos questiona sobre o sentido do de nós, perdoe os nossos pecados e nos sofrimento que acompanha toda nossa vida. conduza à vida eterna. Amém. Na certeza que Deus nos ama com amor de pai e de mãe e quer conduzir-nos ao encon- 05. HINO DE LOUVOR tro da vida verdadeira e definitiva, iniciemos D. Glorifiquemos a Deus por seu amor infi-
  • 2. nito, que nos conduz à felicidade sem fim. Jó é apresentado como um homem piedo- Canto: Glória a Deus, glória... n° 244 so, bom, generoso e cheio de "temor de Deus". Possuía muitos bens e uma família 06. ORAÇÃO numerosa… Mas, repentinamente, viu-se D. Velai, ó Deus, sobre a vossa família, privado de todos os seus bens, perdeu a com incansável amor; e, como só confi- família e foi atingido por uma grave doença. amos na vossa graça, guardai-nos sob A história dos dramas de Jó serve para in- a vossa proteção, dando-nos força fren- troduzir uma reflexão sobre um dogma te aos sofrimentos da vida. Por nosso intocável da fé israelita: o dogma da retri- Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na buição. Para a catequese tradicional de Is- unidade do Espírito Santo. Amém. rael, a atitude de Deus em relação aos ho- mens estava perfeitamente definida: Deus 07. DEUS NOS FALA recompensava os bons pelas suas boas obras e os maus recebiam sempre um cas- PRIMEIRA LEITURA: Jó 7, 1-4.6-7 tigo exemplar pelas injustiças e arbitrarie- dades praticadas. No entanto, a vida pu- L.1 Leitura do Livro de Jó. nha em causa esta visão "oficial" de Deus e da sua ação na vida do homem. Constata- SALMO RESPONSORIAL – 146(147) va-se, com alguma frequência, que os maus Refrão: Louvai a Deus, porque Ele é possuíam bens em abundância e viviam vi- bom e conforta os corações. das longas e felizes, enquanto que os justos eram pobres e sofriam por causa da injusti- SEGUNDA LEITURA: ça e da violência dos poderosos. Jó dis- 1Cor 9, 16-19.22-23 corda da teologia tradicional e, a partir da sua própria experiência, denuncia uma fé L.2 Leitura da Primeira Carta de São instalada em preconceitos e em teorias abs- Paulo aos Coríntios. tratas que não tem nada a ver com a vida. O texto hoje proposto apresenta-se como EVANGELHO: Mc 1, 29-39 uma reflexão do próprio Jó sobre o sentido da sua vida. Jó considera terrível sua situa- CANTO DE ACLAMAÇÃO ção pessoal. A dor que enche a sua exis- Aleluia... Graças eu te dou... nº 316 tência fatiga mais do que o trabalho do as- salariado; a sua infelicidade é mais doloro- Evangelho de Jesus Cristo segundo sa do que a vida de luta e de risco do sol- Marcos. dado; o seu desespero é mais pesado do que a sujeição do escravo. O sofrimento 08. PARTILHANDO A PALAVRA não lhe dá descanso, nem de noite nem de O Livro de Jó apresenta uma bem elabora- dia, e a sua desilusão não é atenuada com a da reflexão sobre algumas das grandes esperança de uma recompensa. Não temos questões que o homem de todos os tempos uma resposta clara e definitiva para a ques- coloca a si próprio: qual o sentido da vida? tão do sofrimento. O "sábio" autor do livro Qual a situação do homem diante de Deus? de Jó lembra-nos, contudo, a nossa peque- Qual o papel de Deus na vida e nos dramas nez, os nossos limites. De uma coisa pode- do homem? Qual o sentido do sofrimento? mos estar certos: Deus nos ama com amor
  • 3. de pai e de mãe e quer conduzir-nos ao privados de vida, que estão prisioneiros do encontro da vida verdadeira e definitiva, da sofrimento, da injustiça, do egoísmo, do felicidade sem fim. pecado. O evangelista convida-nos a ver No Evangelho de Marcos, a atuação de em Jesus Aquele que tem poder para liber- Jesus no sentido de fazer aparecer o "Rei- tar o homem das suas misérias mais pro- no" é uma atuação que não se limita ao es- fundas e para lhe oferecer uma vida nova, paço da sinagoga; estende-se, também, a uma vida livre e feliz. A "casa de Simão outros ambientes, porque o "Reino de Deus" Pedro" pode ser uma representação da que Jesus veio propor dirige-se ao homem Igreja. É aí que Jesus está oferecendo à sua em todas as suas dimensões e situações. comunidade vida em abundância. O texto de hoje nos situa na "casa de Marcos também nos apresenta Jesus reti- Pedro". Na narração de Marcos o objetivo rado num lugar solitário, em oração. A ora- fundamental é sugerir que a missão de Je- ção faz parte do ministério de Jesus. Está sus consiste em oferecer aos homens a vida na agenda da sua atividade e dos seus com- nova, a vida definitiva. O episódio é descri- promissos. A oração é, para Jesus, o cume to com simplicidade e sobriedade, sem ges- e a fonte da ação. tos teatrais desnecessários. Três pormeno- O texto termina com uma espécie de resu- res sobressaem na descrição. O primeiro mo. Aí se explicita o sentido do ministério é a indicação de que Jesus "aproximou-se" de Jesus. Do seu encontro com o Pai, bro- da sogra de Pedro. Naturalmente, a inicia- ta uma vontade renovada de concretizar o tiva de se aproximar de quem está prisio- projeto de Deus e de atuar no meio dos neiro do sofrimento, da doença, da opres- homens a fim de lhes oferecer a libertação são, é sempre de Jesus. Jesus toma a inici- e a vida definitiva. Por isso, quando Jesus ativa, pois a missão que recebeu do Pai reencontra os discípulos, dispõe-se a consiste em realizar a libertação do homem palmilhar "toda a Galileia, pregando nas si- de tudo aquilo que o faz sofrer e lhe rouba nagogas e expulsando os demônios". a vida. O segundo pormenor importante A segunda leitura sublinha a obrigação que aparece na indicação de que Jesus tomou a os discípulos de Jesus assumiram no senti- doente pela mão e "levantou-a". A mulher do de testemunhar diante de todos os ho- está prostrada pelo sofrimento que lhe rou- mens a proposta libertadora de Jesus. Na ba a vida; mas o contato com Jesus devol- sua ação e no seu testemunho, os discípu- ve-lhe a vida e equivale a uma ressurreição. los de Jesus não podem ser guiados por in- O terceiro é a indicação de que a mulher teresses pessoais, mas sim pelo amor a "começou a servi-los". O efeito imediato do Deus, ao Evangelho e aos irmãos. contato com Jesus e da experiência da vida que brota d'Ele é a atividade que se con- 09. PROFISSÃO DE FÉ cretiza no serviço dos irmãos. D. Proclamemos a nossa fé, Creio... Num segundo momento, o texto apresen- ta-nos "a cidade inteira" reunida diante da 10. PRECES DA COMUNIDADE porta da casa de Pedro. Jesus curou muitas D. Deus está presente em nossas casas e pessoas que eram atormentadas por várias em nossas Igrejas. Por isso, como filhos doenças e expulsou muitos demônios. Os amados, elevemos a Ele as nossas súplicas: enfermos e os possessos do demônio re- L.1 Que assumamos o compromisso de vi- presentam, aqui, todos aqueles que estão ver os valores do Evangelho, no amor, no
  • 4. perdão, na tolerância, no serviço aos ir- a força do corpo e a firmeza do espírito, mãos, rezemos ao Senhor. para que nos empenhemos totalmente na L.2 Pelos doentes e sem esperança, que o nossa missão de batizados. Vós que sois Senhor, cheio de compaixão, alivie seus Deus com o Pai, na unidade do Espírito sofrimentos, rezemos ao Senhor. Santo. Amém. L.1 Como curou a sogra de Pedro, que Jesus cure também nossos doentes, reze- 15. AVISOS mos ao Senhor. D. Estão abertas as inscrições para o Retiro L.2 Para que Deus assista a todos aqueles de Carnaval que acontecerá em São Mateus. que estão a serviço dos enfermos, reze- Será orientado pelas Irmãs do Cenáculo, no mos ao Senhor. Centro Diocesano. Mais informações pelo L.1 No próximo dia 16 nossa Diocese telefone: (27) 3763.1177 completará 54 anos de fundação, para que coloquemos em prática as decisões toma- 16. BÊNÇÃO E DESPEDIDA das na 19ª Assembleia Geral Diocesana, D. O Senhor esteja convosco! rezemos ao Senhor. T: Ele está no meio de nós! D. Atendei, ó Pai, esses pedidos que hu- D. Abençoe-nos Deus Todo-Poderoso: Pai mildemente vos dirigimos. Por Cristo, nos- e Filho e Espírito Santo. so Senhor. Amém. T: Amém! D. Vamos em paz e que o Senhor nos acom- 11. APRESENTAÇÃO DOS DONS panhe! T: Graças a Deus! D. Somos frutos do amor gratuito de Deus. Manifestemos nosso amor por Deus e pe- 17. CANTO los irmãos contribuindo com nossa oferta A ti, meu Deus... nº 728 e nosso dízimo, para ajudar na implanta- ção do Reino dos Céus na terra. Canto: O nosso Deus com amor... n° 446 11. PAI NOSSO D. Rezemos a oração de filhos e filhas ama- dos de Deus: Pai nosso... 13. ABRAÇO DA PAZ Leituras para a Semana A equipe prepara. 2ª 1Rs 8, 1-7.9-13 / Sl 131 / Mc 6, 53-56 14. ORAÇÃO 3ª 1Rs 8, 22-23.27-30 / Sl 83 / Mc 7, 1-13 D. Senhor de infinita bondade e mise- 4ª 1Rs 10, 1-10 / Sl 36 / Mc 7, 14-23 ricórdia, que passastes pelo mundo fa- 5ª 1Rs 11, 4-13 / Sl 105 / Mc 7, 24-30 6ª 1Rs 11, 29-32; 12, 19 / Sl 80 / Mc 7, 31-37 zendo o bem e curando a todos, dai-nos Sáb.: Is 66, 10-14c / Sl Jt 13, 18-19 / Jo 2, 1-11 Secretariado Diocesano de Pastoral Av. João XXIII, 410-Centro 29930-420-S. Mateus/ES - Tel: (27) 3763.1177 Fax 3763.3104 - E-mail: secretariado@diocesedesaomateus.org.br / Site: www.diocesedesaomateus.org.br Rádio Católica da nossa região, é a Kairós FM 94,7. www.radiokairos.com.br Associe-se ao Clube do Ouvinte e ajude a manter a rádio. Informações pelo telefone 3767-2000.