SlideShare uma empresa Scribd logo
PETRÓLEO
HIDROCARBONETOS
DERIVADOS
PETRÓLEO
PETRÓLEO
LATIM
PETRUS - PEDRA
OLEUM - ÓLEO
PETRÓLEO
É uma substância formada por
hidrocarbonetos que serve como
base para fabricação dos mais
variados produtos
O petróleo é uma substância menos
densa que a água e suas características,
como cheiro e cor podem variar de
acordo com a área em que for
explorado, assim como pode ser
inflamável, tóxico e corrosivo
HIDROCARBONETOS
HIDROCARBONETOS
São compostos químicos constituídos por átomos de
Carbono (C) e Hidrogênio (H)
São conhecidos alguns milhares de
carbonetos. Átomos de Oxigênio (O),
Nitrogênio (N) e Enxofre (S), podem se
juntar aos hidrocarbonetos dando origem a
novos compostos.
H
H
C HH
METANO - CH4
Molécula mais simples
encontrada na natureza e pode se
formar em condições de pressão
e temperaturas mais baixas.
Os hidrocarbonetos naturais formam-se a grandes
pressões no interior da terra
e pode se apresentar na forma líquida (petróleo)
ou na forma gasosa (gás natural)
Todos são importantes fontes de combustível
Como se formam?
HIDROCARBONETOS
Nome :
Prefixo 01 Carbono : MET
TIPO DE LIGAÇÃO AN
Terminação de Hidrocarbonetos : O
Nome : METANO
Símbolo : CH4
HIDROCARBONETOS
Nome :
Prefixo 02 Carbonos : ET
TIPO DE LIGAÇÃO AN
Terminação de Hidrocarbonetos
: O
Nome : ETANO
Símbolo : C2H6
GÁS NATURAL
O gás Natural é formado pelas moléculas :
Etano 10%Metano 90%
CH4 C2H6
PROPANO
Nome :
Prefixo 03 Carbono : PROP
TIPO DE LIGAÇÃO AN
Terminação de Hidrocarbonetos
: O
Nome : PROPANO
Símbolo : C3H8
BUTANO
Nome :
Prefixo 04 Carbono : BUT
TIPO DE LIGAÇÃO AN
Terminação de Hidrocarbonetos
: O
Nome : BUTANO
Símbolo : C4H10
GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO
É o gás que esta dissolvido no petróleo. Quando a Petrobras
extrai petróleo, junto vem um gás.
Esse gás que está dissolvido não é visível, mas para fazer uma
analogia, é como uma garrafa de Coca Cola fechada que sabemos
que contem gás embora não conseguimos ver assim que
agitamos a garrafa e a abrimos o gás sai, no petróleo é a mesma
coisa.
É constituído de duas moléculas, Propano e Butano :
GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO
Butano 50%Propano 50%
C3H8 C4H10
PENTANO
É uma molécula líquida.
Quanto maior a cadeia de carbonos, portanto
maior o numero de átomos de carbono, maior a
atração entre as moléculas, sendo assim com
cinco átomos as moléculas já são atraídas umas
pelas outra com tanta força que grudam umas
nas outras, ou seja, ficam no estado líquido, não
são como as moléculas pequenas gasosas que se
afastam ficam dispersas na forma de gás
PENTANO
C5H12
MOLÉCULAS DO PETRÓLEO
As moléculas do Petróleo são todas iguais, somente diferem pelo
numero de átomos de carbono.
Assim temos moléculas com até 50 átomos de carbono
Quanto maior o numero de átomos na moléculas mais viscosa
ela fica.
Com 1 átomo é gás
Com 5 átomos já é liquida
Com 20 átomos já é óleo
Com 25 átomos já é graxa
Acima de 30 já é piche
CH4
Gás
Gás Natural
C2H6
Petróleo
Leve
Maior Valor
Comercial
C3H8
Gás Liquefeito de
Petroleo
C4H10
Líquido
C5H12
Nafta
C7H16
C8H18
Gasolina Alto API
C12H26
Oleoso
C13H26
Diesel - Querosene BOM
C21H44
OleosoÓleo Lubrificante Motor Petróleo Pesado
C25H52
Grosso
C26H54
Graxa Baixo API
C30H62
Sólido
C31H64
Piche /Asfalto Ruim Menor
Valor Comercial
C50H102
FRAÇÕES DO PETRÓLEO
Nafta : Mistura de hidrocarbonetos de C5 até C7.
Contém uma enorme variedade de compostos,
todos possíveis a partir de 5 carbonos ate 7
carbonos;
São importantes compostos usados na indústria
moderna para a fabricação de solventes
industriais e plásticos.
ISÔMEROS
São Moléculas com o mesmo peso molecular e portanto
fórmulas iguais.
São como montar um quebra cabeças com as peças carbono e
Hidrogênio
Como o Ciclo-Pentano C5H10 e o Metil-Butano C5H12
Como são Parecidos eles saem juntos na
destilação da Nafta
ISÔMEROS: Metilbutano e Ciclopentano
Metil-Butano
C5H12
C5H10
Observar que
todos os
Ciclo-pentano carbonos fazem 4
ligações
CLASSIFICAÇÃO DOS HIDROCARBONETOS
Número de átomos Nome Fórmula Molecular
1 Metano CH4
2 Etano C2H6
3 Propano C3H8
4 Butano C4H10
5 Pentano C5H12
6 Hexano C6H14
7 Heptano C7H16
8 Octano C8H18
CLASSIFICAÇÃO DOS HIDROCARBONETOS
Fração Temperatura de
Ebulição (ºC)
Composição
aproximada
Usos
Gás Residual - C1 – C2 Gás combustível
Gás liquefeito de
petróleo – GLP
Até 40 C3 – C4 Gás combustível engarrafado, uso
doméstico e industrial.
Gasolina 40 – 175 C5 – C10 Combustível de automóveis, solvente.
Querosene 175 – 235 C11 – C12 Iluminação, combustível de aviões a jato.
Gasóleo leve 235 – 305 C13 – C17 Diesel, fornos.
Gasóleo pesado 305 – 400 C18 – C25 Combustível, matéria-prima para
lubrificantes.
Lubrificantes 400 – 510 C26 – C38 Óleos lubrificantes.
Residuo Acima de 510 C38+ Asfalto, piche, impermeabilizantes.
CONDIÇÕES PARA A FORMAÇÃO
DO PETRÓLEO
FORMAÇÃO DO PETRÓLEO
O petróleo é formado pelo processo de decomposição de matéria
orgânica, restos de vegetais, algas e restos de animais marinhos
(ocorrido durante centenas de milhões de anos)
Condições para formação
Petróleo
•Matéria orgânica adequada
• Preservado de ação de bactérias aeróbias
• Material orgânico depositado não deve
ser movimentado por longos períodos
•A matéria orgânica em decomposição
deve sofrer ação de temperatura e pressão
por longos períodos
TIPOS DE PETRÓLEO
TIPOS DE PETRÓLEO
Petróleo na sua forma bruta (cru)
Não passou por nenhum tipo de refino
Petróleo leve, sem impurezas
Já passou por sistema de refino
Petróleo com grande quantidade de
Hidrocarbonetos naftênicos
Petróleo com grande concentração de
Hidrocarbonetos parafínicos
Petróleo com grande concentração de
Hidrocarbonetos aromáticos
PETRÓLEO BRENT
PETRÓLEO LIGHT
PETRÓLEO NAFTÊNICO
PETRÓLEO PARAFÍNICO
PETRÓLEO AROMÁTICO
AULA 4 – TIPOS DE PETRÓLEO
PROCESSO DE
TRANSFORMAÇÃO DO PETRÓLEO
TRANSFORMAÇÃO DO PETRÓLEO
PROCESSO
As cadeias de hidrocarbonetos de diferentes tamanhos têm pontos de
ebulição diferente que vão aumentando progressivamente, o que
possibilita separá-las através do processo de destilação.
PONTO DE EBULIÇÃO
É o ponto de fervura de cada molécula.
Essa propriedade é usada para separar cada grupo de moléculas.
É isso o que acontece em uma refinaria de petróleo. Na etapa inicial do refino,
o petróleo bruto é aquecido e as diferentes cadeias são separadas de acordo
com suas temperaturas de ebulição levando em conta o número de carbonos
de cada molécula
TRANSFORMAÇÃO DO PETRÓLEO
CLASSIFICAÇÃO DO PETRÓLEO
FAMÍLIA PRODUTO CARACTERÍSTICA
Parafínicos
QAV Combustão limpa
Diesel Facilidade ignição
Lubrificantes Constância da viscosidade com temperatura
Parafinas Facilidade na cristalização
Naftênicos
Gasolina
Solução de compromisso entre a qualidade e a
quantidade do derivado.
Nafta petroquímica
QAV
Lubrificantes
Aromáticos
Gasolina Ótima resistência à detonação
Solventes Solubilização
Asfaltos Agregados moleculares
Coque Elevado
CLASSE PARAFÍNICA (75% ou mais de parafinas)
Nesta classe estão os óleos leves, fluidos ou de alto ponto de fluidez,
com densidade inferior a 0,85.
A maior parte dos petróleos produzidos no Nordeste brasileiro é
classificada como parafínica.
as seguintesEste tipo de petróleo produz subprodutos com
propriedades:
• Gasolina de baixo índice de octanagem.
• Querosene de alta qualidade.
• Óleo diesel com boas características de combustão.
•Óleos lubrificantes de alto índice de viscosidade, elevada
estabilidade química e alto ponto de fluidez.
• Resíduos de refinação com elevada percentagem de parafina.
CLASSE PARAFÍNICO-NAFTÊNICA (50 – 70% parafinas, >20% de
naftênicos)
Os óleos desta classe são os que apresentam densidade e
viscosidade maiores do que os parafínicos, mas ainda são
moderados. A maioria dos petróleos produzidos na Bacia de Campos,
RJ, é deste tipo.
CLASSE NAFTÊNICA (>70% de naftênicos)
Nesta classe enquadra-se um número muito pequeno de óleos.
Apresentam baixo teor de enxofre se originam da alteração
bioquímica de óleos parafínicos e parafínico-naftênicos. Alguns óleos
da América do Sul, da Rússia e do Mar do Norte pertencem a esta
classe.
O petróleo do tipo naftênico produz subprodutos com as seguintes
propriedades principais:
• Gasolina de alto índice de octonagem.
• Óleos lubrificantes de baixo resíduo de carbono.
• Resíduos asfálticos na refinação.
CLASSE AROMÁTICA INTERMEDIÁRIA (>50% de hidrocarbonetos a
aromáticos)
Compreende óleos freqüentemente pesados, contendo uma
densidade usualmente é maior que 0,85. Alguns óleos do Oriente
Médio (Arábia Saudita, Catar, Kuwait, Iraque, Síria e Turquia), África
Ocidental, Venezuela, Califórnia e Mediterrâneo (Sicília, Espanha e
Grécia) são desta classe.
CLASSE AROMÁTICO-NAFTÊNICA (>35% de naftênicos)
Óleos deste grupo sofreram processo inicial de biodegradação, no
qual foram removidas as parafinas. Eles são derivados dos óleos
parafínicos e parafínico-naftênicos. Alguns óleos da África Ocidental
são deste tipo.
CLASSE AROMÁTICO-ASFÁLTICA (>35% de asfaltenos e resinas)
Estes óleos são oriundos
que ocorreria
de um processo de biodegradação
a reunião de monocicloalcenos eavançada em
oxidação. Podem também nela se enquadrar alguns poucos óleos
verdadeiramente aromáticos não degradados da Venezuela e África
Ocidental. Entretanto, ela compreende principalmente óleos pesados
e viscosos, resultantes da alteração dos
intermediários. Nesta classe encontra-se os
óleos aromáticos
óleos do Canadá
ocidental, Venezuela e sul da França.
DERIVADOS DO PETRÓLEO
DERIVADOS DO PETRÓLEO
PRODUTO Tamanho da Molécula
Gás Natural CH4 / C2H4
GLP C3H8 / C5H12
Nafta C5H12 / C7H16
Gasolina C7H16 / C10H22
Querosene C10H22 / C15H32
Óleo Diesel C15H32 / C18H38
Óleo Combustível C18H38 / C28H58
Óleo Lubrificante C28H58 / C38H78
Parafina C38H78 / C50H102
Asfalto C50H102
NAFTA
NAFTA
É um líquido incolor, com faixa de destilação próxima à da
gasolina, utilizado como matéria-prima básica para toda a
cadeia de resina plástica.
Este material é utilizado como
matéria prima nas 3 indústrias
petroquímicas do país
Braskem – Bahia
Copesul – Rio Grande do Sul
União – São Paulo
A Petrobras é a única produtora de nafta petroquímica no Brasil,
atendendo parcialmente à demanda nacional com produção própria e com
importações. As Centrais Petroquímicas realizam importações por conta
própria, para complementar suas necessidades.
NAFTA
Aguarrás
Este solvente tem aplicação em diversos segmentos
industriais tais como: indústria de tintas, vernizes, limpeza
em geral, ceras, resinas, graxas, gráfica, lavagem a seco,
polimento e herbicidas.
Diluente de tintas Este solvente é utilizado nas indústrias de adesivos, vernizes,
revestimentos protetores e de tintas.
Fluidos Hidrogenados
Os fluidos hidrogenados formam uma linha de solventes
ecológicos, produzida a partir do fracionamento e
hidrogenação de frações intermediárias do petróleo. Os
fluidos hidrogenados destinam-se às indústrias de tintas,
resinas, lavagem de roupas a seco, formulação de produtos
domésticos, aerossóis, máquinas copiadoras, limpeza em
geral, laminação a frio e agroquímica.
Hexano
Este solvente é utilizado nas indústrias de extração de óleos
vegetais, e na fabricação de colas, adesivos, manufaturados
de borracha e laminação.
Solvente para Borracha
Este solvente é utilizado nas indústrias de adesivos e
artefatos de borracha.
Tolueno
É utilizado na indústria de tintas, vernizes, adesivos,
borracha, óleos de corte, resinas e gráfica.
Xileno
Sua utilização se dá nas indústrias de tintas, colas e adesivos,
borracha, corantes, resinas, vernizes, metalurgia, defensores
agrícolas e eletro-eletrônica.
ETILENO
É uma gás incolor obtido a partir da Nafta
A maior aplicação do etileno é através do emprego de
derivados obtidos a partir dele:
-Cloreto de Etileno : Usado para a produção de
borracha sintética.
- Cloreto de Vinila : Obtenção do PVC
- Etileno cloridina : Obtenção de vidro sintético
- Acetato de Vinila : Produção de couros sintéticos
POLIETILENO
Etileno faz o Polietileno – Plástico base para
toda a Indústria de plásticos. Forma moléculas
com mais de 1 milhão de carbonos
PVC
Plásticos derivado do Polietileno que tem um
enorme uso no mundo moderno
TEFLON
Plástico derivado do polietileno
usado pela industria e
consumidores finais
SOLVENTES INDÚSTRIAIS
PETRÓLEO BRUTO
O petróleo bruto contém centenas de diferentes tipos
de hidrocarbonetos misturados e, para separá-los, é
necessário refinar o petróleo
As cadeias de hidrocarbonetos de diferentes
tamanhos têm pontos de ebulição que vão aumentando
progressivamente, o que possibilita separá-las através
do processo de destilação. É isso o que acontece em
uma refinaria de petróleo.
Na etapa inicial do refino, o petróleo bruto é aquecido e
as diferentes cadeias são separadas de acordo com
suas temperaturas de evaporação.
LISTA DE ATIVIDADES
1) O que é petróleo?
2) O que são hidrocarbonetos e como eles se formam?
3) Como o petróleo é formado?
4) Quais as condições para formação do petróleo?
5) Quais os tipos de petróleo?
6) O que é petróleo Brent?
7) Cite 5 derivados do petróleo?
8) O que é Nafta?
9) O que é refino?
10) Descreva quais as faixas de ebulição do petróleo?
COMPLEMENTO VIRTUAL
http://www.youtube.com/watch?v=YquU85f7aW4
http://www.youtube.com/watch?v=L7EVno8DfFo
ATÉ A PRÓXIMA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Petróleo
Petróleo Petróleo
Petróleo
Henrique Nunes
 
11 aula refino do petróleo
11  aula refino do petróleo11  aula refino do petróleo
11 aula refino do petróleo
Homero Alves de Lima
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
Renata Oliveira
 
05 aula gás natural
05 aula gás natural05 aula gás natural
05 aula gás natural
Homero Alves de Lima
 
Gasolina - Química Orgânica
Gasolina - Química OrgânicaGasolina - Química Orgânica
Gasolina - Química Orgânica
Lucas Castro
 
Gás Natural
Gás NaturalGás Natural
Gás Natural
Gabriel Resende
 
Aula petroleo-2010
Aula petroleo-2010Aula petroleo-2010
Trabalho de Geografia
Trabalho de GeografiaTrabalho de Geografia
Trabalho de Geografia
Guilherme Do Rosario
 
Aula 15 combustão industrial e controle das emissões - parte i - 13.05.11
Aula 15   combustão industrial e controle das emissões - parte i - 13.05.11Aula 15   combustão industrial e controle das emissões - parte i - 13.05.11
Aula 15 combustão industrial e controle das emissões - parte i - 13.05.11
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Petróleo e gás natural - 10º D
Petróleo  e gás natural - 10º DPetróleo  e gás natural - 10º D
Petróleo e gás natural - 10º D
Física Química A
 
O petróleo
O petróleoO petróleo
O petróleo
Isabel Vitória
 
Petroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetosPetroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetos
Karol Maia
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
Rafael Nishikawa
 
Aula 11 petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Aula 11   petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11Aula 11   petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Aula 11 petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Gas natural
Gas naturalGas natural
Gas natural
Jeferson Tabelini
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
Josimar Nunes
 
Aula 09 processos de conversão
Aula 09   processos de conversãoAula 09   processos de conversão
Aula 09 processos de conversão
Anderson Pontes
 
O Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-sal
O Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-salO Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-sal
O Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-sal
ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Base da refinação de petróleo
Base da refinação de petróleoBase da refinação de petróleo
Base da refinação de petróleo
JoaoSandoval
 

Mais procurados (20)

Petróleo
Petróleo Petróleo
Petróleo
 
11 aula refino do petróleo
11  aula refino do petróleo11  aula refino do petróleo
11 aula refino do petróleo
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 
05 aula gás natural
05 aula gás natural05 aula gás natural
05 aula gás natural
 
Gasolina - Química Orgânica
Gasolina - Química OrgânicaGasolina - Química Orgânica
Gasolina - Química Orgânica
 
Gás Natural
Gás NaturalGás Natural
Gás Natural
 
Aula petroleo-2010
Aula petroleo-2010Aula petroleo-2010
Aula petroleo-2010
 
Trabalho de Geografia
Trabalho de GeografiaTrabalho de Geografia
Trabalho de Geografia
 
Aula 15 combustão industrial e controle das emissões - parte i - 13.05.11
Aula 15   combustão industrial e controle das emissões - parte i - 13.05.11Aula 15   combustão industrial e controle das emissões - parte i - 13.05.11
Aula 15 combustão industrial e controle das emissões - parte i - 13.05.11
 
Petróleo e gás natural - 10º D
Petróleo  e gás natural - 10º DPetróleo  e gás natural - 10º D
Petróleo e gás natural - 10º D
 
O petróleo
O petróleoO petróleo
O petróleo
 
Petroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetosPetroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetos
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 
Aula 11 petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Aula 11   petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11Aula 11   petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Aula 11 petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
 
Gas natural
Gas naturalGas natural
Gas natural
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
 
Aula 09 processos de conversão
Aula 09   processos de conversãoAula 09   processos de conversão
Aula 09 processos de conversão
 
O Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-sal
O Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-salO Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-sal
O Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-sal
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 
Base da refinação de petróleo
Base da refinação de petróleoBase da refinação de petróleo
Base da refinação de petróleo
 

Semelhante a 04_Aula Petróleo

Aula 01 - Curso de Formação de Auxiliar de Plataforma
Aula 01 - Curso de Formação de Auxiliar de PlataformaAula 01 - Curso de Formação de Auxiliar de Plataforma
Aula 01 - Curso de Formação de Auxiliar de Plataforma
Victor Cals
 
Apostila de gas e petroleo
Apostila de gas e petroleoApostila de gas e petroleo
Apostila de gas e petroleo
Adriano Silva
 
Aula 1 qualidade-de_combustiveis
Aula 1 qualidade-de_combustiveisAula 1 qualidade-de_combustiveis
Aula 1 qualidade-de_combustiveis
Lee Marx
 
Aula 1 qualidade-de_combustiveis
Aula 1 qualidade-de_combustiveisAula 1 qualidade-de_combustiveis
Aula 1 qualidade-de_combustiveis
javeloux
 
Aula De Quimica Organica Petroleo 2
Aula De Quimica Organica   Petroleo 2Aula De Quimica Organica   Petroleo 2
Aula De Quimica Organica Petroleo 2
socorro06
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
Henrique Nunes
 
Dequi petroleo
Dequi petroleoDequi petroleo
Dequi petroleo
Jeová Corrêa
 
Aula 3 prof° pedro - ibrapeq
Aula 3   prof° pedro - ibrapeqAula 3   prof° pedro - ibrapeq
Aula 3 prof° pedro - ibrapeq
Pedro Monteiro
 
Petróleo enio
Petróleo enioPetróleo enio
Petróleo enio
Enio Silva De Lima
 
Noções Gerais da Engenharia de Petróleo
Noções Gerais da Engenharia de PetróleoNoções Gerais da Engenharia de Petróleo
Noções Gerais da Engenharia de Petróleo
Anderson Pontes
 
"Somos Físicos" Derivados do Petróleo
"Somos Físicos" Derivados do Petróleo"Somos Físicos" Derivados do Petróleo
"Somos Físicos" Derivados do Petróleo
Vania Lima "Somos Físicos"
 
Comb petroleo e gasolina
Comb petroleo e gasolinaComb petroleo e gasolina
Comb petroleo e gasolina
tamandarealfamanha
 
Opu operações-unitárias.pptxn
Opu operações-unitárias.pptxnOpu operações-unitárias.pptxn
Opu operações-unitárias.pptxn
Cristyan Ribeiro
 
PETROLEO.pptx
PETROLEO.pptxPETROLEO.pptx
PETROLEO.pptx
Lilian Fortunato
 
Petróleo
Petróleo Petróleo
Petróleo
LuisFernando672328
 
Aula 1 profº pedro - ibrapeq
Aula 1   profº pedro - ibrapeqAula 1   profº pedro - ibrapeq
Aula 1 profº pedro - ibrapeq
Pedro Monteiro
 
Trab quimica
Trab quimica Trab quimica
Trab quimica
Vivian Sanches
 
Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1
Jeová Corrêa
 
Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1
Paulo Cunha
 

Semelhante a 04_Aula Petróleo (20)

Aula 01 - Curso de Formação de Auxiliar de Plataforma
Aula 01 - Curso de Formação de Auxiliar de PlataformaAula 01 - Curso de Formação de Auxiliar de Plataforma
Aula 01 - Curso de Formação de Auxiliar de Plataforma
 
Apostila de gas e petroleo
Apostila de gas e petroleoApostila de gas e petroleo
Apostila de gas e petroleo
 
Aula 1 qualidade-de_combustiveis
Aula 1 qualidade-de_combustiveisAula 1 qualidade-de_combustiveis
Aula 1 qualidade-de_combustiveis
 
Aula 1 qualidade-de_combustiveis
Aula 1 qualidade-de_combustiveisAula 1 qualidade-de_combustiveis
Aula 1 qualidade-de_combustiveis
 
Aula De Quimica Organica Petroleo 2
Aula De Quimica Organica   Petroleo 2Aula De Quimica Organica   Petroleo 2
Aula De Quimica Organica Petroleo 2
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 
Dequi petroleo
Dequi petroleoDequi petroleo
Dequi petroleo
 
Aula 3 prof° pedro - ibrapeq
Aula 3   prof° pedro - ibrapeqAula 3   prof° pedro - ibrapeq
Aula 3 prof° pedro - ibrapeq
 
Petróleo enio
Petróleo enioPetróleo enio
Petróleo enio
 
Noções Gerais da Engenharia de Petróleo
Noções Gerais da Engenharia de PetróleoNoções Gerais da Engenharia de Petróleo
Noções Gerais da Engenharia de Petróleo
 
"Somos Físicos" Derivados do Petróleo
"Somos Físicos" Derivados do Petróleo"Somos Físicos" Derivados do Petróleo
"Somos Físicos" Derivados do Petróleo
 
Comb petroleo e gasolina
Comb petroleo e gasolinaComb petroleo e gasolina
Comb petroleo e gasolina
 
Opu operações-unitárias.pptxn
Opu operações-unitárias.pptxnOpu operações-unitárias.pptxn
Opu operações-unitárias.pptxn
 
PETROLEO.pptx
PETROLEO.pptxPETROLEO.pptx
PETROLEO.pptx
 
Petróleo
Petróleo Petróleo
Petróleo
 
Aula 1 profº pedro - ibrapeq
Aula 1   profº pedro - ibrapeqAula 1   profº pedro - ibrapeq
Aula 1 profº pedro - ibrapeq
 
Trab quimica
Trab quimica Trab quimica
Trab quimica
 
Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1
 
Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1
 

Mais de Homero Alves de Lima

Aula 01 curso de administração de hotel
Aula 01 curso de administração de hotelAula 01 curso de administração de hotel
Aula 01 curso de administração de hotel
Homero Alves de Lima
 
Livro completo de administração de empresa
Livro completo de administração de empresaLivro completo de administração de empresa
Livro completo de administração de empresa
Homero Alves de Lima
 
Sumulando uma prova do enem
Sumulando uma prova do enemSumulando uma prova do enem
Sumulando uma prova do enem
Homero Alves de Lima
 
Simulado de matemática e suas tecnologias
Simulado de matemática e suas tecnologiasSimulado de matemática e suas tecnologias
Simulado de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologiasSimulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Simulado de ciências humanas e suas tecnologias
Simulado de ciências humanas e suas tecnologiasSimulado de ciências humanas e suas tecnologias
Simulado de ciências humanas e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologias
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologiasSimulado de ciências da natureza e suas tecnologias
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Caderno de ecercícios de redação
Caderno de ecercícios de redaçãoCaderno de ecercícios de redação
Caderno de ecercícios de redação
Homero Alves de Lima
 
Aula 02 redação
Aula 02 redaçãoAula 02 redação
Aula 02 redação
Homero Alves de Lima
 
Aula 01 redação
Aula 01 redaçãoAula 01 redação
Aula 01 redação
Homero Alves de Lima
 
Conteúdo programático redação
Conteúdo programático redaçãoConteúdo programático redação
Conteúdo programático redação
Homero Alves de Lima
 
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologiasCaderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 09 de matemática e suas tecnologias
Aula 09 de matemática e suas tecnologiasAula 09 de matemática e suas tecnologias
Aula 09 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 08 de matemática e suas tecnologias
Aula 08 de matemática e suas tecnologiasAula 08 de matemática e suas tecnologias
Aula 08 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 07 de matemática e suas tecnologias
Aula 07 de matemática e suas tecnologiasAula 07 de matemática e suas tecnologias
Aula 07 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 06 de matemática e suas tecnologias
Aula 06 de matemática e suas tecnologiasAula 06 de matemática e suas tecnologias
Aula 06 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 05 de matemática e suas tecnologias
Aula 05 de matemática e suas tecnologiasAula 05 de matemática e suas tecnologias
Aula 05 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 04 de matemática e suas tecnologias
Aula 04 de matemática e suas tecnologiasAula 04 de matemática e suas tecnologias
Aula 04 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 03 de matemática e suas tecnologias
Aula 03 de matemática e suas tecnologiasAula 03 de matemática e suas tecnologias
Aula 03 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 02 de matemática e suas tecnologias
Aula 02 de matemática e suas tecnologiasAula 02 de matemática e suas tecnologias
Aula 02 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 

Mais de Homero Alves de Lima (20)

Aula 01 curso de administração de hotel
Aula 01 curso de administração de hotelAula 01 curso de administração de hotel
Aula 01 curso de administração de hotel
 
Livro completo de administração de empresa
Livro completo de administração de empresaLivro completo de administração de empresa
Livro completo de administração de empresa
 
Sumulando uma prova do enem
Sumulando uma prova do enemSumulando uma prova do enem
Sumulando uma prova do enem
 
Simulado de matemática e suas tecnologias
Simulado de matemática e suas tecnologiasSimulado de matemática e suas tecnologias
Simulado de matemática e suas tecnologias
 
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologiasSimulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
 
Simulado de ciências humanas e suas tecnologias
Simulado de ciências humanas e suas tecnologiasSimulado de ciências humanas e suas tecnologias
Simulado de ciências humanas e suas tecnologias
 
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologias
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologiasSimulado de ciências da natureza e suas tecnologias
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologias
 
Caderno de ecercícios de redação
Caderno de ecercícios de redaçãoCaderno de ecercícios de redação
Caderno de ecercícios de redação
 
Aula 02 redação
Aula 02 redaçãoAula 02 redação
Aula 02 redação
 
Aula 01 redação
Aula 01 redaçãoAula 01 redação
Aula 01 redação
 
Conteúdo programático redação
Conteúdo programático redaçãoConteúdo programático redação
Conteúdo programático redação
 
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologiasCaderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
 
Aula 09 de matemática e suas tecnologias
Aula 09 de matemática e suas tecnologiasAula 09 de matemática e suas tecnologias
Aula 09 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 08 de matemática e suas tecnologias
Aula 08 de matemática e suas tecnologiasAula 08 de matemática e suas tecnologias
Aula 08 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 07 de matemática e suas tecnologias
Aula 07 de matemática e suas tecnologiasAula 07 de matemática e suas tecnologias
Aula 07 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 06 de matemática e suas tecnologias
Aula 06 de matemática e suas tecnologiasAula 06 de matemática e suas tecnologias
Aula 06 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 05 de matemática e suas tecnologias
Aula 05 de matemática e suas tecnologiasAula 05 de matemática e suas tecnologias
Aula 05 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 04 de matemática e suas tecnologias
Aula 04 de matemática e suas tecnologiasAula 04 de matemática e suas tecnologias
Aula 04 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 03 de matemática e suas tecnologias
Aula 03 de matemática e suas tecnologiasAula 03 de matemática e suas tecnologias
Aula 03 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 02 de matemática e suas tecnologias
Aula 02 de matemática e suas tecnologiasAula 02 de matemática e suas tecnologias
Aula 02 de matemática e suas tecnologias
 

Último

Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 

04_Aula Petróleo

  • 3. PETRÓLEO LATIM PETRUS - PEDRA OLEUM - ÓLEO PETRÓLEO É uma substância formada por hidrocarbonetos que serve como base para fabricação dos mais variados produtos O petróleo é uma substância menos densa que a água e suas características, como cheiro e cor podem variar de acordo com a área em que for explorado, assim como pode ser inflamável, tóxico e corrosivo
  • 5. HIDROCARBONETOS São compostos químicos constituídos por átomos de Carbono (C) e Hidrogênio (H) São conhecidos alguns milhares de carbonetos. Átomos de Oxigênio (O), Nitrogênio (N) e Enxofre (S), podem se juntar aos hidrocarbonetos dando origem a novos compostos. H H C HH METANO - CH4 Molécula mais simples encontrada na natureza e pode se formar em condições de pressão e temperaturas mais baixas. Os hidrocarbonetos naturais formam-se a grandes pressões no interior da terra e pode se apresentar na forma líquida (petróleo) ou na forma gasosa (gás natural) Todos são importantes fontes de combustível Como se formam?
  • 6. HIDROCARBONETOS Nome : Prefixo 01 Carbono : MET TIPO DE LIGAÇÃO AN Terminação de Hidrocarbonetos : O Nome : METANO Símbolo : CH4
  • 7. HIDROCARBONETOS Nome : Prefixo 02 Carbonos : ET TIPO DE LIGAÇÃO AN Terminação de Hidrocarbonetos : O Nome : ETANO Símbolo : C2H6
  • 8. GÁS NATURAL O gás Natural é formado pelas moléculas : Etano 10%Metano 90% CH4 C2H6
  • 9. PROPANO Nome : Prefixo 03 Carbono : PROP TIPO DE LIGAÇÃO AN Terminação de Hidrocarbonetos : O Nome : PROPANO Símbolo : C3H8
  • 10. BUTANO Nome : Prefixo 04 Carbono : BUT TIPO DE LIGAÇÃO AN Terminação de Hidrocarbonetos : O Nome : BUTANO Símbolo : C4H10
  • 11. GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO É o gás que esta dissolvido no petróleo. Quando a Petrobras extrai petróleo, junto vem um gás. Esse gás que está dissolvido não é visível, mas para fazer uma analogia, é como uma garrafa de Coca Cola fechada que sabemos que contem gás embora não conseguimos ver assim que agitamos a garrafa e a abrimos o gás sai, no petróleo é a mesma coisa. É constituído de duas moléculas, Propano e Butano :
  • 12. GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO Butano 50%Propano 50% C3H8 C4H10
  • 13. PENTANO É uma molécula líquida. Quanto maior a cadeia de carbonos, portanto maior o numero de átomos de carbono, maior a atração entre as moléculas, sendo assim com cinco átomos as moléculas já são atraídas umas pelas outra com tanta força que grudam umas nas outras, ou seja, ficam no estado líquido, não são como as moléculas pequenas gasosas que se afastam ficam dispersas na forma de gás
  • 15. MOLÉCULAS DO PETRÓLEO As moléculas do Petróleo são todas iguais, somente diferem pelo numero de átomos de carbono. Assim temos moléculas com até 50 átomos de carbono Quanto maior o numero de átomos na moléculas mais viscosa ela fica. Com 1 átomo é gás Com 5 átomos já é liquida Com 20 átomos já é óleo Com 25 átomos já é graxa Acima de 30 já é piche
  • 16. CH4 Gás Gás Natural C2H6 Petróleo Leve Maior Valor Comercial C3H8 Gás Liquefeito de Petroleo C4H10 Líquido C5H12 Nafta C7H16 C8H18 Gasolina Alto API C12H26 Oleoso C13H26 Diesel - Querosene BOM
  • 17. C21H44 OleosoÓleo Lubrificante Motor Petróleo Pesado C25H52 Grosso C26H54 Graxa Baixo API C30H62 Sólido C31H64 Piche /Asfalto Ruim Menor Valor Comercial C50H102
  • 18. FRAÇÕES DO PETRÓLEO Nafta : Mistura de hidrocarbonetos de C5 até C7. Contém uma enorme variedade de compostos, todos possíveis a partir de 5 carbonos ate 7 carbonos; São importantes compostos usados na indústria moderna para a fabricação de solventes industriais e plásticos.
  • 19. ISÔMEROS São Moléculas com o mesmo peso molecular e portanto fórmulas iguais. São como montar um quebra cabeças com as peças carbono e Hidrogênio Como o Ciclo-Pentano C5H10 e o Metil-Butano C5H12 Como são Parecidos eles saem juntos na destilação da Nafta
  • 20. ISÔMEROS: Metilbutano e Ciclopentano Metil-Butano C5H12 C5H10 Observar que todos os Ciclo-pentano carbonos fazem 4 ligações
  • 21. CLASSIFICAÇÃO DOS HIDROCARBONETOS Número de átomos Nome Fórmula Molecular 1 Metano CH4 2 Etano C2H6 3 Propano C3H8 4 Butano C4H10 5 Pentano C5H12 6 Hexano C6H14 7 Heptano C7H16 8 Octano C8H18
  • 22. CLASSIFICAÇÃO DOS HIDROCARBONETOS Fração Temperatura de Ebulição (ºC) Composição aproximada Usos Gás Residual - C1 – C2 Gás combustível Gás liquefeito de petróleo – GLP Até 40 C3 – C4 Gás combustível engarrafado, uso doméstico e industrial. Gasolina 40 – 175 C5 – C10 Combustível de automóveis, solvente. Querosene 175 – 235 C11 – C12 Iluminação, combustível de aviões a jato. Gasóleo leve 235 – 305 C13 – C17 Diesel, fornos. Gasóleo pesado 305 – 400 C18 – C25 Combustível, matéria-prima para lubrificantes. Lubrificantes 400 – 510 C26 – C38 Óleos lubrificantes. Residuo Acima de 510 C38+ Asfalto, piche, impermeabilizantes.
  • 23. CONDIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO PETRÓLEO
  • 24. FORMAÇÃO DO PETRÓLEO O petróleo é formado pelo processo de decomposição de matéria orgânica, restos de vegetais, algas e restos de animais marinhos (ocorrido durante centenas de milhões de anos) Condições para formação Petróleo •Matéria orgânica adequada • Preservado de ação de bactérias aeróbias • Material orgânico depositado não deve ser movimentado por longos períodos •A matéria orgânica em decomposição deve sofrer ação de temperatura e pressão por longos períodos
  • 26. TIPOS DE PETRÓLEO Petróleo na sua forma bruta (cru) Não passou por nenhum tipo de refino Petróleo leve, sem impurezas Já passou por sistema de refino Petróleo com grande quantidade de Hidrocarbonetos naftênicos Petróleo com grande concentração de Hidrocarbonetos parafínicos Petróleo com grande concentração de Hidrocarbonetos aromáticos PETRÓLEO BRENT PETRÓLEO LIGHT PETRÓLEO NAFTÊNICO PETRÓLEO PARAFÍNICO PETRÓLEO AROMÁTICO AULA 4 – TIPOS DE PETRÓLEO
  • 28. TRANSFORMAÇÃO DO PETRÓLEO PROCESSO As cadeias de hidrocarbonetos de diferentes tamanhos têm pontos de ebulição diferente que vão aumentando progressivamente, o que possibilita separá-las através do processo de destilação. PONTO DE EBULIÇÃO É o ponto de fervura de cada molécula. Essa propriedade é usada para separar cada grupo de moléculas. É isso o que acontece em uma refinaria de petróleo. Na etapa inicial do refino, o petróleo bruto é aquecido e as diferentes cadeias são separadas de acordo com suas temperaturas de ebulição levando em conta o número de carbonos de cada molécula
  • 30. CLASSIFICAÇÃO DO PETRÓLEO FAMÍLIA PRODUTO CARACTERÍSTICA Parafínicos QAV Combustão limpa Diesel Facilidade ignição Lubrificantes Constância da viscosidade com temperatura Parafinas Facilidade na cristalização Naftênicos Gasolina Solução de compromisso entre a qualidade e a quantidade do derivado. Nafta petroquímica QAV Lubrificantes Aromáticos Gasolina Ótima resistência à detonação Solventes Solubilização Asfaltos Agregados moleculares Coque Elevado
  • 31. CLASSE PARAFÍNICA (75% ou mais de parafinas) Nesta classe estão os óleos leves, fluidos ou de alto ponto de fluidez, com densidade inferior a 0,85. A maior parte dos petróleos produzidos no Nordeste brasileiro é classificada como parafínica. as seguintesEste tipo de petróleo produz subprodutos com propriedades: • Gasolina de baixo índice de octanagem. • Querosene de alta qualidade. • Óleo diesel com boas características de combustão. •Óleos lubrificantes de alto índice de viscosidade, elevada estabilidade química e alto ponto de fluidez. • Resíduos de refinação com elevada percentagem de parafina.
  • 32. CLASSE PARAFÍNICO-NAFTÊNICA (50 – 70% parafinas, >20% de naftênicos) Os óleos desta classe são os que apresentam densidade e viscosidade maiores do que os parafínicos, mas ainda são moderados. A maioria dos petróleos produzidos na Bacia de Campos, RJ, é deste tipo.
  • 33. CLASSE NAFTÊNICA (>70% de naftênicos) Nesta classe enquadra-se um número muito pequeno de óleos. Apresentam baixo teor de enxofre se originam da alteração bioquímica de óleos parafínicos e parafínico-naftênicos. Alguns óleos da América do Sul, da Rússia e do Mar do Norte pertencem a esta classe. O petróleo do tipo naftênico produz subprodutos com as seguintes propriedades principais: • Gasolina de alto índice de octonagem. • Óleos lubrificantes de baixo resíduo de carbono. • Resíduos asfálticos na refinação.
  • 34. CLASSE AROMÁTICA INTERMEDIÁRIA (>50% de hidrocarbonetos a aromáticos) Compreende óleos freqüentemente pesados, contendo uma densidade usualmente é maior que 0,85. Alguns óleos do Oriente Médio (Arábia Saudita, Catar, Kuwait, Iraque, Síria e Turquia), África Ocidental, Venezuela, Califórnia e Mediterrâneo (Sicília, Espanha e Grécia) são desta classe.
  • 35. CLASSE AROMÁTICO-NAFTÊNICA (>35% de naftênicos) Óleos deste grupo sofreram processo inicial de biodegradação, no qual foram removidas as parafinas. Eles são derivados dos óleos parafínicos e parafínico-naftênicos. Alguns óleos da África Ocidental são deste tipo.
  • 36. CLASSE AROMÁTICO-ASFÁLTICA (>35% de asfaltenos e resinas) Estes óleos são oriundos que ocorreria de um processo de biodegradação a reunião de monocicloalcenos eavançada em oxidação. Podem também nela se enquadrar alguns poucos óleos verdadeiramente aromáticos não degradados da Venezuela e África Ocidental. Entretanto, ela compreende principalmente óleos pesados e viscosos, resultantes da alteração dos intermediários. Nesta classe encontra-se os óleos aromáticos óleos do Canadá ocidental, Venezuela e sul da França.
  • 38. DERIVADOS DO PETRÓLEO PRODUTO Tamanho da Molécula Gás Natural CH4 / C2H4 GLP C3H8 / C5H12 Nafta C5H12 / C7H16 Gasolina C7H16 / C10H22 Querosene C10H22 / C15H32 Óleo Diesel C15H32 / C18H38 Óleo Combustível C18H38 / C28H58 Óleo Lubrificante C28H58 / C38H78 Parafina C38H78 / C50H102 Asfalto C50H102
  • 39. NAFTA
  • 40. NAFTA É um líquido incolor, com faixa de destilação próxima à da gasolina, utilizado como matéria-prima básica para toda a cadeia de resina plástica. Este material é utilizado como matéria prima nas 3 indústrias petroquímicas do país Braskem – Bahia Copesul – Rio Grande do Sul União – São Paulo A Petrobras é a única produtora de nafta petroquímica no Brasil, atendendo parcialmente à demanda nacional com produção própria e com importações. As Centrais Petroquímicas realizam importações por conta própria, para complementar suas necessidades.
  • 41. NAFTA Aguarrás Este solvente tem aplicação em diversos segmentos industriais tais como: indústria de tintas, vernizes, limpeza em geral, ceras, resinas, graxas, gráfica, lavagem a seco, polimento e herbicidas. Diluente de tintas Este solvente é utilizado nas indústrias de adesivos, vernizes, revestimentos protetores e de tintas. Fluidos Hidrogenados Os fluidos hidrogenados formam uma linha de solventes ecológicos, produzida a partir do fracionamento e hidrogenação de frações intermediárias do petróleo. Os fluidos hidrogenados destinam-se às indústrias de tintas, resinas, lavagem de roupas a seco, formulação de produtos domésticos, aerossóis, máquinas copiadoras, limpeza em geral, laminação a frio e agroquímica. Hexano Este solvente é utilizado nas indústrias de extração de óleos vegetais, e na fabricação de colas, adesivos, manufaturados de borracha e laminação. Solvente para Borracha Este solvente é utilizado nas indústrias de adesivos e artefatos de borracha. Tolueno É utilizado na indústria de tintas, vernizes, adesivos, borracha, óleos de corte, resinas e gráfica. Xileno Sua utilização se dá nas indústrias de tintas, colas e adesivos, borracha, corantes, resinas, vernizes, metalurgia, defensores agrícolas e eletro-eletrônica.
  • 42. ETILENO É uma gás incolor obtido a partir da Nafta A maior aplicação do etileno é através do emprego de derivados obtidos a partir dele: -Cloreto de Etileno : Usado para a produção de borracha sintética. - Cloreto de Vinila : Obtenção do PVC - Etileno cloridina : Obtenção de vidro sintético - Acetato de Vinila : Produção de couros sintéticos
  • 43. POLIETILENO Etileno faz o Polietileno – Plástico base para toda a Indústria de plásticos. Forma moléculas com mais de 1 milhão de carbonos
  • 44. PVC Plásticos derivado do Polietileno que tem um enorme uso no mundo moderno
  • 45. TEFLON Plástico derivado do polietileno usado pela industria e consumidores finais
  • 47. PETRÓLEO BRUTO O petróleo bruto contém centenas de diferentes tipos de hidrocarbonetos misturados e, para separá-los, é necessário refinar o petróleo As cadeias de hidrocarbonetos de diferentes tamanhos têm pontos de ebulição que vão aumentando progressivamente, o que possibilita separá-las através do processo de destilação. É isso o que acontece em uma refinaria de petróleo. Na etapa inicial do refino, o petróleo bruto é aquecido e as diferentes cadeias são separadas de acordo com suas temperaturas de evaporação.
  • 48. LISTA DE ATIVIDADES 1) O que é petróleo? 2) O que são hidrocarbonetos e como eles se formam? 3) Como o petróleo é formado? 4) Quais as condições para formação do petróleo? 5) Quais os tipos de petróleo? 6) O que é petróleo Brent? 7) Cite 5 derivados do petróleo? 8) O que é Nafta? 9) O que é refino? 10) Descreva quais as faixas de ebulição do petróleo?