SlideShare uma empresa Scribd logo
 
Substância oleosa, inflamável, geralmente menos densa que a água, com cheiro característico e coloração que pode variar desde o incolor ou castanho claro até o preto, passando por verde e marrom (castanho). É atualmente a principal fonte de energia.
- ORIGEM - A hipótese mais aceita leva em conta que, com o aumento da temperatura, as moléculas do querogênio começariam a ser quebradas, gerando compostos orgânicos líquidos e gasosos. Para se ter uma acumulação de petróleo seria necessário que, após o processo de geração (cozinha de geração) e expulsão, ocorresse a migração do óleo e/ou gás através das camadas de rochas adjacentes e porosas, até encontrar uma rocha selante e uma estrutura geológica que detenha seu caminho, sobre a qual ocorrerá a acumulação do óleo e/ou gás em uma rocha porosa chamada rocha reservatório.
É de aceitação para a maioria dos geólogos e geoquímicos, que ele se forme a partir de substâncias orgânicas procedentes da superfície terrestre (detritos orgânicos), mas esta não é a única teoria sobre a sua formação. Uma outra hipótese, datada do século XIX, defende que o petróleo teve uma origem inorgânica, a partir dos depósitos de carbono que possivelmente foram formados com a formação da Terra.
- GEOLOGIA - O petróleo está associado a grandes estruturas que comunicam a crosta e o manto da terra, sobretudo nos limites entre placas tectônicas. O petróleo pode ser encontrado tanto em terra quanto no mar, principalmente nas bacias sedimentares, mas também em rochas do embasamento cristalino.  Durante a perfuração de um poço, as rochas atravessadas são descritas, pesquisando-se a ocorrência de indícios de hidrocarbonetos. Logo após a perfuração são investigadas as propriedades radioativas, elétricas, magnéticas e elásticas das rochas da parede do poço através de ferramentas especiais as quais também permitem ler as propriedades físicas das rochas, identificar e avaliar a ocorrência de hidrocarbonetos, que ocupam espaços porosos nas rochas, sejam eles entre grãos ou fraturas.
->  O PRIMEIRO POÇO DE PETRÓLEO; O primeiro poço de petróleo foi descoberto nos  Estados Unidos  – Pensilvânia – no ano de 1859. Ele foi encontrado em uma região de pequena profundidade (21m). Ao contrário das escavações de hoje, que ultrapassam os 6.000 metros. O maior produtor e consumidor mundial são os Estados Unidos; por esta razão, necessitam importar cada vez mais. 
- TIPOS DE PETRÓLEO - ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
- DERIVADOS - ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
- INDÚSTRIA PETROLÍFERA - ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
O petróleo é um recurso natural abundante, porém sua pesquisa envolve elevados custos e complexidade de estudos. Já provocou muitas guerras, e é a principal fonte de renda de muitos países, sobretudo no Oriente Médio, cuja  exploração petrolífera nasceu da rivalidade entre a Grã-Bretanha e o Império Russo.
- OPEP e SETE IRMÃS - ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
-  QUESTÕES POLÍTICAS E ECONÔMICAS  - ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
- PRINCIPAIS PRODUTORES DE PETRÓLEO - ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
- MAIORES EXPORTADORES DE PETRÓLEO - ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
- MAIORES IMPORTADORES DE PETRÓLEO - ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
- MAIORES CONSUMIDORES DE PETRÓLEO - ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
-  AS 20 MAIORES RESERVAS DE PETRÓLEO DO MUNDO  - ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],12.  Estados Unidos 29,9  12.  Canadá 17,1 13.  República Popular da China 16,3 14.  Qatar 15,2 15.  México 12,9 16.  Argélia 12,3 17.  Brasil 12,2 18.  Angola 9,0 19.  Noruega 8,5 20.  Azerbaijão 7,0
No Brasil, a primeira sondagem foi realizada em São Paulo, entre 1892/1896, por Eugênio Ferreira de Camargo, quando ele fez a primeira perfuração na profundidade de 488 metros; contudo, o poço jorrou somente água sulfurosa. Foi somente no ano de 1939 que foi descoberto o óleo de Lobato na Bahia.   ->  PETRÓLEO NO BRASIL;
 
->  PETRÓLEO NO ESPIRITO SANTO; Nos últimos anos, o Espírito Santo foi destaque na produção de petróleo no Brasil. Com as descobertas realizadas, principalmente pela Petrobras, o Estado saiu da 5ª posição no ranking brasileiro de reservas, em 2002, para se tornar a segunda maior província petrolífera do País, com reservas totais de 2,5 bilhões de barris. Atualmente, o Estado é o segundo maior produtor de petróleo do Brasil, com 140 mil barris diários. Até o final deste ano, este número deve chegar a 200 mil barris por dia, e em 2010, atingirá a marca de 500 mil barris/dia. Os campos petrolíferos se localizam tanto em terra quanto em mar, em águas rasas, profundas e ultra- profundas, contendo óleo leve e pesado e gás não associado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Petróleo - Slides de geografia - 9°B
Petróleo  - Slides de geografia - 9°BPetróleo  - Slides de geografia - 9°B
Petróleo - Slides de geografia - 9°B
Nádya Dixon
 
Carvão mineral
Carvão mineralCarvão mineral
Carvão mineral
Carlos Dantas
 
Refino de Petróleo
Refino de PetróleoRefino de Petróleo
Tipos de Rochas
Tipos de RochasTipos de Rochas
Tipos de Rochas
Márcia Dutra
 
Gás Natural
Gás NaturalGás Natural
Gás Natural
Gabriel Resende
 
Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio
Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio
Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio
Salageo Cristina
 
Energia Renovável
Energia RenovávelEnergia Renovável
Energia Renovável
Kaique Dadalto
 
Produção e consumo dos combustíveis fosseis
Produção e consumo dos combustíveis fosseisProdução e consumo dos combustíveis fosseis
Produção e consumo dos combustíveis fosseis
Professor
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
Elaine Bogo Pavani
 
Trabalho petróleo
Trabalho petróleoTrabalho petróleo
Trabalho petróleo
Sako Afonso M. Vuna
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
Fernando Lucas
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Luciano Pessanha
 
Pré sal
Pré salPré sal
Pré sal
Beatriz Henkels
 
Mudanças Climáticas
Mudanças ClimáticasMudanças Climáticas
A historia do petroleo e do gas natural 1
A historia do petroleo e do gas natural 1A historia do petroleo e do gas natural 1
A historia do petroleo e do gas natural 1
Aninha Felix Vieira Dias
 
Energia renovável e não renovável
Energia renovável e não renovávelEnergia renovável e não renovável
Energia renovável e não renovável
Wanessa Veloso
 
Matriz energética
Matriz energéticaMatriz energética
Matriz energética
Roney Gusmão
 
Ciência, tecnologia e sociedade
Ciência, tecnologia e sociedadeCiência, tecnologia e sociedade
Ciência, tecnologia e sociedade
Cláudia Moura
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento global
Prof.Paulo/geografia
 
Energia
EnergiaEnergia

Mais procurados (20)

Petróleo - Slides de geografia - 9°B
Petróleo  - Slides de geografia - 9°BPetróleo  - Slides de geografia - 9°B
Petróleo - Slides de geografia - 9°B
 
Carvão mineral
Carvão mineralCarvão mineral
Carvão mineral
 
Refino de Petróleo
Refino de PetróleoRefino de Petróleo
Refino de Petróleo
 
Tipos de Rochas
Tipos de RochasTipos de Rochas
Tipos de Rochas
 
Gás Natural
Gás NaturalGás Natural
Gás Natural
 
Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio
Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio
Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio
 
Energia Renovável
Energia RenovávelEnergia Renovável
Energia Renovável
 
Produção e consumo dos combustíveis fosseis
Produção e consumo dos combustíveis fosseisProdução e consumo dos combustíveis fosseis
Produção e consumo dos combustíveis fosseis
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Trabalho petróleo
Trabalho petróleoTrabalho petróleo
Trabalho petróleo
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Pré sal
Pré salPré sal
Pré sal
 
Mudanças Climáticas
Mudanças ClimáticasMudanças Climáticas
Mudanças Climáticas
 
A historia do petroleo e do gas natural 1
A historia do petroleo e do gas natural 1A historia do petroleo e do gas natural 1
A historia do petroleo e do gas natural 1
 
Energia renovável e não renovável
Energia renovável e não renovávelEnergia renovável e não renovável
Energia renovável e não renovável
 
Matriz energética
Matriz energéticaMatriz energética
Matriz energética
 
Ciência, tecnologia e sociedade
Ciência, tecnologia e sociedadeCiência, tecnologia e sociedade
Ciência, tecnologia e sociedade
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento global
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
 

Semelhante a Petroleo

QUÍMICA ORGÂNICA
QUÍMICA ORGÂNICA QUÍMICA ORGÂNICA
QUÍMICA ORGÂNICA
Gledson de Souza
 
Petroleojnnews 100427103059-phpapp02-110804123012-phpapp01
Petroleojnnews 100427103059-phpapp02-110804123012-phpapp01Petroleojnnews 100427103059-phpapp02-110804123012-phpapp01
Petroleojnnews 100427103059-phpapp02-110804123012-phpapp01
axelito Oliveros
 
petroleojnnews-100427103059-phpapp02.pdf
petroleojnnews-100427103059-phpapp02.pdfpetroleojnnews-100427103059-phpapp02.pdf
petroleojnnews-100427103059-phpapp02.pdf
AntonioMarcos839221
 
aula de geografia petróleo o ouro negro
aula de geografia petróleo o ouro negroaula de geografia petróleo o ouro negro
aula de geografia petróleo o ouro negro
Escola Estadual Zé de Calu
 
Surgimento do petróleo
Surgimento do petróleoSurgimento do petróleo
Surgimento do petróleo
Maria Eduarda
 
A história do petróleo e a política mundial
A história do petróleo e a política mundialA história do petróleo e a política mundial
A história do petróleo e a política mundial
Pedro Domacena
 
A HISTÓRIA DO PETRÓLEO E A POLÍTICA MUNDIAL
A HISTÓRIA DO PETRÓLEO E  A POLÍTICA MUNDIALA HISTÓRIA DO PETRÓLEO E  A POLÍTICA MUNDIAL
A HISTÓRIA DO PETRÓLEO E A POLÍTICA MUNDIAL
Pedro Domacena
 
Trabalho de Geografia
Trabalho de GeografiaTrabalho de Geografia
Trabalho de Geografia
Guilherme Do Rosario
 
G5 energia
G5   energiaG5   energia
G5 energia
cristbarb
 
Aula 2 profº pedro- ibrapeq
Aula 2  profº pedro- ibrapeqAula 2  profº pedro- ibrapeq
Aula 2 profº pedro- ibrapeq
Pedro Monteiro
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
Léo Stopassoli
 
Aula de Petróleo - Miguel e Muricy
Aula de Petróleo - Miguel e MuricyAula de Petróleo - Miguel e Muricy
Aula de Petróleo - Miguel e Muricy
SERGIO MURICY
 
A história do surgimento do petróleo
A história do surgimento do petróleoA história do surgimento do petróleo
A história do surgimento do petróleo
Ivano-Frankivsk National Tecnical University of Oil & Gas
 
Aplicações do petróleo
Aplicações do petróleoAplicações do petróleo
Aplicações do petróleo
Marcus Souza Soares
 
1 aglomerantes cap (1)
1 aglomerantes cap (1)1 aglomerantes cap (1)
1 aglomerantes cap (1)
Larissa Freire
 
Energia Química no Cotidiano - Enem
Energia Química no Cotidiano - Enem  Energia Química no Cotidiano - Enem
Energia Química no Cotidiano - Enem
Joelson Barral
 
Origem e extração do petróleo
Origem e extração do petróleoOrigem e extração do petróleo
Origem e extração do petróleo
Natech11
 
Industria Petroquimica.pptx
Industria Petroquimica.pptxIndustria Petroquimica.pptx
Industria Petroquimica.pptx
AndrLuiz622362
 
AULA 2 - TÓPICOS ESPECIAIS DE ENGENHARIA II.pdf
AULA 2  - TÓPICOS ESPECIAIS DE ENGENHARIA II.pdfAULA 2  - TÓPICOS ESPECIAIS DE ENGENHARIA II.pdf
AULA 2 - TÓPICOS ESPECIAIS DE ENGENHARIA II.pdf
SANDROCarvalho56
 
AULA 1 - TÓPICOS ESPECIAIS DE ENGENHARIA II.pdf
AULA 1 - TÓPICOS ESPECIAIS DE ENGENHARIA II.pdfAULA 1 - TÓPICOS ESPECIAIS DE ENGENHARIA II.pdf
AULA 1 - TÓPICOS ESPECIAIS DE ENGENHARIA II.pdf
SANDROCarvalho56
 

Semelhante a Petroleo (20)

QUÍMICA ORGÂNICA
QUÍMICA ORGÂNICA QUÍMICA ORGÂNICA
QUÍMICA ORGÂNICA
 
Petroleojnnews 100427103059-phpapp02-110804123012-phpapp01
Petroleojnnews 100427103059-phpapp02-110804123012-phpapp01Petroleojnnews 100427103059-phpapp02-110804123012-phpapp01
Petroleojnnews 100427103059-phpapp02-110804123012-phpapp01
 
petroleojnnews-100427103059-phpapp02.pdf
petroleojnnews-100427103059-phpapp02.pdfpetroleojnnews-100427103059-phpapp02.pdf
petroleojnnews-100427103059-phpapp02.pdf
 
aula de geografia petróleo o ouro negro
aula de geografia petróleo o ouro negroaula de geografia petróleo o ouro negro
aula de geografia petróleo o ouro negro
 
Surgimento do petróleo
Surgimento do petróleoSurgimento do petróleo
Surgimento do petróleo
 
A história do petróleo e a política mundial
A história do petróleo e a política mundialA história do petróleo e a política mundial
A história do petróleo e a política mundial
 
A HISTÓRIA DO PETRÓLEO E A POLÍTICA MUNDIAL
A HISTÓRIA DO PETRÓLEO E  A POLÍTICA MUNDIALA HISTÓRIA DO PETRÓLEO E  A POLÍTICA MUNDIAL
A HISTÓRIA DO PETRÓLEO E A POLÍTICA MUNDIAL
 
Trabalho de Geografia
Trabalho de GeografiaTrabalho de Geografia
Trabalho de Geografia
 
G5 energia
G5   energiaG5   energia
G5 energia
 
Aula 2 profº pedro- ibrapeq
Aula 2  profº pedro- ibrapeqAula 2  profº pedro- ibrapeq
Aula 2 profº pedro- ibrapeq
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 
Aula de Petróleo - Miguel e Muricy
Aula de Petróleo - Miguel e MuricyAula de Petróleo - Miguel e Muricy
Aula de Petróleo - Miguel e Muricy
 
A história do surgimento do petróleo
A história do surgimento do petróleoA história do surgimento do petróleo
A história do surgimento do petróleo
 
Aplicações do petróleo
Aplicações do petróleoAplicações do petróleo
Aplicações do petróleo
 
1 aglomerantes cap (1)
1 aglomerantes cap (1)1 aglomerantes cap (1)
1 aglomerantes cap (1)
 
Energia Química no Cotidiano - Enem
Energia Química no Cotidiano - Enem  Energia Química no Cotidiano - Enem
Energia Química no Cotidiano - Enem
 
Origem e extração do petróleo
Origem e extração do petróleoOrigem e extração do petróleo
Origem e extração do petróleo
 
Industria Petroquimica.pptx
Industria Petroquimica.pptxIndustria Petroquimica.pptx
Industria Petroquimica.pptx
 
AULA 2 - TÓPICOS ESPECIAIS DE ENGENHARIA II.pdf
AULA 2  - TÓPICOS ESPECIAIS DE ENGENHARIA II.pdfAULA 2  - TÓPICOS ESPECIAIS DE ENGENHARIA II.pdf
AULA 2 - TÓPICOS ESPECIAIS DE ENGENHARIA II.pdf
 
AULA 1 - TÓPICOS ESPECIAIS DE ENGENHARIA II.pdf
AULA 1 - TÓPICOS ESPECIAIS DE ENGENHARIA II.pdfAULA 1 - TÓPICOS ESPECIAIS DE ENGENHARIA II.pdf
AULA 1 - TÓPICOS ESPECIAIS DE ENGENHARIA II.pdf
 

Mais de Josimar Nunes

Professor da UFES é afastado
Professor da UFES é afastadoProfessor da UFES é afastado
Professor da UFES é afastado
Josimar Nunes
 
Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina - Aníbal Quijano
Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina - Aníbal QuijanoColonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina - Aníbal Quijano
Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina - Aníbal Quijano
Josimar Nunes
 
DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES
DINÂMICAS DO RELEVO:  AGENTES MODELADORESDINÂMICAS DO RELEVO:  AGENTES MODELADORES
DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES
Josimar Nunes
 
Casos de Racismo no início da copa 2014
Casos de Racismo no início da copa 2014Casos de Racismo no início da copa 2014
Casos de Racismo no início da copa 2014
Josimar Nunes
 
Europa: Geopolitica, Geofísica e Geoeconomia
Europa: Geopolitica, Geofísica e GeoeconomiaEuropa: Geopolitica, Geofísica e Geoeconomia
Europa: Geopolitica, Geofísica e Geoeconomia
Josimar Nunes
 
Geografia no ensino básico: questões e propostas
Geografia no ensino básico: questões e propostasGeografia no ensino básico: questões e propostas
Geografia no ensino básico: questões e propostas
Josimar Nunes
 
GLobalização: O global e o regional, uma interação entre os meios
GLobalização: O global e o regional, uma interação entre os meiosGLobalização: O global e o regional, uma interação entre os meios
GLobalização: O global e o regional, uma interação entre os meios
Josimar Nunes
 
Politicas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociais
Politicas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociaisPoliticas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociais
Politicas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociais
Josimar Nunes
 
Apostila Básica de Word
Apostila Básica de WordApostila Básica de Word
Apostila Básica de Word
Josimar Nunes
 
Fases do trabalho estatístico
Fases do trabalho estatísticoFases do trabalho estatístico
Fases do trabalho estatístico
Josimar Nunes
 
Gabarito, edital e Prova Completa CESAN PC2005
 Gabarito, edital e Prova Completa CESAN PC2005 Gabarito, edital e Prova Completa CESAN PC2005
Gabarito, edital e Prova Completa CESAN PC2005
Josimar Nunes
 
Gestao de Petroleo e Gás - Amigos do Brasil
Gestao de Petroleo e Gás - Amigos do BrasilGestao de Petroleo e Gás - Amigos do Brasil
Gestao de Petroleo e Gás - Amigos do Brasil
Josimar Nunes
 

Mais de Josimar Nunes (12)

Professor da UFES é afastado
Professor da UFES é afastadoProfessor da UFES é afastado
Professor da UFES é afastado
 
Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina - Aníbal Quijano
Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina - Aníbal QuijanoColonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina - Aníbal Quijano
Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina - Aníbal Quijano
 
DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES
DINÂMICAS DO RELEVO:  AGENTES MODELADORESDINÂMICAS DO RELEVO:  AGENTES MODELADORES
DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES
 
Casos de Racismo no início da copa 2014
Casos de Racismo no início da copa 2014Casos de Racismo no início da copa 2014
Casos de Racismo no início da copa 2014
 
Europa: Geopolitica, Geofísica e Geoeconomia
Europa: Geopolitica, Geofísica e GeoeconomiaEuropa: Geopolitica, Geofísica e Geoeconomia
Europa: Geopolitica, Geofísica e Geoeconomia
 
Geografia no ensino básico: questões e propostas
Geografia no ensino básico: questões e propostasGeografia no ensino básico: questões e propostas
Geografia no ensino básico: questões e propostas
 
GLobalização: O global e o regional, uma interação entre os meios
GLobalização: O global e o regional, uma interação entre os meiosGLobalização: O global e o regional, uma interação entre os meios
GLobalização: O global e o regional, uma interação entre os meios
 
Politicas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociais
Politicas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociaisPoliticas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociais
Politicas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociais
 
Apostila Básica de Word
Apostila Básica de WordApostila Básica de Word
Apostila Básica de Word
 
Fases do trabalho estatístico
Fases do trabalho estatísticoFases do trabalho estatístico
Fases do trabalho estatístico
 
Gabarito, edital e Prova Completa CESAN PC2005
 Gabarito, edital e Prova Completa CESAN PC2005 Gabarito, edital e Prova Completa CESAN PC2005
Gabarito, edital e Prova Completa CESAN PC2005
 
Gestao de Petroleo e Gás - Amigos do Brasil
Gestao de Petroleo e Gás - Amigos do BrasilGestao de Petroleo e Gás - Amigos do Brasil
Gestao de Petroleo e Gás - Amigos do Brasil
 

Último

“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 

Último (20)

“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 

Petroleo

  • 1.  
  • 2. Substância oleosa, inflamável, geralmente menos densa que a água, com cheiro característico e coloração que pode variar desde o incolor ou castanho claro até o preto, passando por verde e marrom (castanho). É atualmente a principal fonte de energia.
  • 3. - ORIGEM - A hipótese mais aceita leva em conta que, com o aumento da temperatura, as moléculas do querogênio começariam a ser quebradas, gerando compostos orgânicos líquidos e gasosos. Para se ter uma acumulação de petróleo seria necessário que, após o processo de geração (cozinha de geração) e expulsão, ocorresse a migração do óleo e/ou gás através das camadas de rochas adjacentes e porosas, até encontrar uma rocha selante e uma estrutura geológica que detenha seu caminho, sobre a qual ocorrerá a acumulação do óleo e/ou gás em uma rocha porosa chamada rocha reservatório.
  • 4. É de aceitação para a maioria dos geólogos e geoquímicos, que ele se forme a partir de substâncias orgânicas procedentes da superfície terrestre (detritos orgânicos), mas esta não é a única teoria sobre a sua formação. Uma outra hipótese, datada do século XIX, defende que o petróleo teve uma origem inorgânica, a partir dos depósitos de carbono que possivelmente foram formados com a formação da Terra.
  • 5. - GEOLOGIA - O petróleo está associado a grandes estruturas que comunicam a crosta e o manto da terra, sobretudo nos limites entre placas tectônicas. O petróleo pode ser encontrado tanto em terra quanto no mar, principalmente nas bacias sedimentares, mas também em rochas do embasamento cristalino. Durante a perfuração de um poço, as rochas atravessadas são descritas, pesquisando-se a ocorrência de indícios de hidrocarbonetos. Logo após a perfuração são investigadas as propriedades radioativas, elétricas, magnéticas e elásticas das rochas da parede do poço através de ferramentas especiais as quais também permitem ler as propriedades físicas das rochas, identificar e avaliar a ocorrência de hidrocarbonetos, que ocupam espaços porosos nas rochas, sejam eles entre grãos ou fraturas.
  • 6. -> O PRIMEIRO POÇO DE PETRÓLEO; O primeiro poço de petróleo foi descoberto nos Estados Unidos – Pensilvânia – no ano de 1859. Ele foi encontrado em uma região de pequena profundidade (21m). Ao contrário das escavações de hoje, que ultrapassam os 6.000 metros. O maior produtor e consumidor mundial são os Estados Unidos; por esta razão, necessitam importar cada vez mais. 
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11. O petróleo é um recurso natural abundante, porém sua pesquisa envolve elevados custos e complexidade de estudos. Já provocou muitas guerras, e é a principal fonte de renda de muitos países, sobretudo no Oriente Médio, cuja exploração petrolífera nasceu da rivalidade entre a Grã-Bretanha e o Império Russo.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20. No Brasil, a primeira sondagem foi realizada em São Paulo, entre 1892/1896, por Eugênio Ferreira de Camargo, quando ele fez a primeira perfuração na profundidade de 488 metros; contudo, o poço jorrou somente água sulfurosa. Foi somente no ano de 1939 que foi descoberto o óleo de Lobato na Bahia.  -> PETRÓLEO NO BRASIL;
  • 21.  
  • 22. -> PETRÓLEO NO ESPIRITO SANTO; Nos últimos anos, o Espírito Santo foi destaque na produção de petróleo no Brasil. Com as descobertas realizadas, principalmente pela Petrobras, o Estado saiu da 5ª posição no ranking brasileiro de reservas, em 2002, para se tornar a segunda maior província petrolífera do País, com reservas totais de 2,5 bilhões de barris. Atualmente, o Estado é o segundo maior produtor de petróleo do Brasil, com 140 mil barris diários. Até o final deste ano, este número deve chegar a 200 mil barris por dia, e em 2010, atingirá a marca de 500 mil barris/dia. Os campos petrolíferos se localizam tanto em terra quanto em mar, em águas rasas, profundas e ultra- profundas, contendo óleo leve e pesado e gás não associado.