SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
PETRÓLEO
• O petróleo é um líquido
escuro, cuja cor varia do
âmbar ao negro, viscoso,
imiscível em água, insolúvel
neste solvente e menos
denso que a mesma.
• É formado por uma mistura
complexa de diversos compostos
químicos com predominância de
hidrocarbonetos.
Neste contexto pode ser classificado
conforme sua composição em:
• PETRÓLEO DE BASE PARAFÍNICA –
predominam alcanos.
• PETRÓLEO DE BASE NAFTÊNICA –
predominam ciclanos.
• PETRÓLEO DE BASE AROMÁTICA –
predominam hidrocarbonetos aromáticos.
• PETRÓLEO DE BASE ASFÁLTICA –
predominam hidrocarbonetos superiores.
ORIGEM E FORMAÇÃO DO
PETRÓLEO
• Restos de animais e vegetais,
principalmente o plâncton marinho,
foram soterrados em camadas
inferiores do sub-solo, em regiões
de rochas sedimentares, sendo
submetidos a condições extremas
de pressão, ação bacteriológica e
temperatura.
• Este processo lento e complexo
gerou a mistura que foi fluindo por
rochas porosas até se acumular em
bolsões circundados por rochas
compactas, onde é freqüentemente
encontrado misturado com água
salgada e areia.
PROSPECÇÃO E EXTRAÇÃO
• O petróleo é conhecido desde a
antiguidade. Narrações bíblicas citam-no
como BETUME.
• Achados arqueológicos associam o uso
do petróleo no processo de mumificação
egípcio. Historiadores citam o uso do
ASFALTO nos “Jardins da Babilônia”.
• O petróleo jorrou pela primeira vez de um
poço petrolífero no ano de 1859, no
Texas, USA.
• A prospecção de petróleo envolve
pesquisas geológicas complexas por meio
da análise da composição do subsolo.
• Acredita-se que 80% das reservas
mundiais estejam nas bacias oceânicas.
• A perfuração de poços petrolíferos é
executada por meio de sondas e brocas
gigantescas confeccionadas com Titânio
e Diamante.
• Inicialmente o petróleo jorra devido a
pressão exercida pela fração gasosa
presente na jazida. Com o tempo é
necessário promover o bombeamento.
• Freqüentemente o petróleo é extraído
misturado com água salgada e areia.
• Para separar estes componentes
promove-se filtração e decantação.
Extração petrolífera no Brasil
GLP
• GLP é a sigla utilizada para representar o gás liquefeito
de petróleo, uma mistura gasosa muito utilizada como
combustível para produzir o aquecimento de alimentos
em fogões.
GNV é um combustível
disponibilizado na forma gasosa.
Diferencia-se do
gás liquefeito de petróleo (GLP) por
ser constituído por hidrocarbonetos
na faixa do metano e do etano,
enquanto o GLP possui em sua
formação hidrocarbonetos na faixa
do propano e do butano.
Querosene
• O querosene é um conhecido líquido derivado do
petróleo, principalmente porque é o combustível
utilizado em aviões. A partir de 1800, o querosene
começou a ser usado em lamparinas. Nos dias atuais,
existem diversas formas de iluminar um local, como um
acampamento, mas o querosene ainda é usado para
esse fim.
Óleo diesel
• Óleo diesel é um combustível fóssil obtido
a partir da destilação do petróleo.
Apresenta uma grande quantidade de
enxofre e é bastante utilizado para o
transporte de cargas
Asfalto
• Asfalto
Parafina
• Parece estranho usar em
medicamentos uma substância
altamente poluente, mas não
há como negar: muitos
remédios (em especial os
analgésicos e, curiosamente,
até mesmo os homeopáticos)
contêm benzeno, um derivado
do petróleo.
comidas
• Também são usados direta
(em corantes, flavorizantes
e conservantes) ou
indiretamente (em
fertilizantes artificiais e
pesticidas) na produção de
alimentos.
Plásticos
Gasolina
Gasolina
• A gasolina é um combustível de origem
fóssil, ou seja, não renovável e que é
obtida através do processo de refino ou
craqueamento do petróleo, e pode possuir
sua composição variável, de acordo com
o uso final, origem do petróleo e tipos de
processos de refino.
Índice de Octanagem
• A qualidade da gasolina é definida de
acordo com o índice de octanagem do
combustível, sabendo-se que a gasolina é
uma mistura de hidrocarbonetos que
variam sua cadeia carbônica de quatro a
doze átomos de carbono (gasolina
automotiva) e de cinco a dez átomos de
carbono (gasolina de aviação), a média de
átomos de carbono geral das cadeias é de
oito carbonos.
craqueamento
• O craqueamento é realizado em colunas de
fracionamento das refinarias de petróleo e existem dois
tipos: o craqueamento térmico e o catalítico. O
craqueamento térmico é realizado com temperatura e
pressão elevadas que rompem as moléculas mais
pesadas. Por exemplo, no craqueamento do querosene,
do óleo diesel e do óleo lubrificante em gasolina, são
utilizadas temperaturas que vão de 450 a 700ºC. Já o
craqueamento catalítico diferencia-se do térmico apenas
pelo uso de um catalisador. Os catalisadores são
substâncias capazes de aumentar a velocidade de
determinadas reações químicas sem participar da
reação, ou seja, são regenerados ao final dela.
Criada em 1953 pela Lei 2.004 a Petrobras
S.A. destina-se à prospecção (estudo
preliminar de um local), extração, refino e
distribuição do petróleo. Com 12.895 poços
produtores de petróleo, a estatal brasileira está
entre as 500 maiores empresas do mundo
segundo a revista Fortune.
Pré sal
• Pré-sal é o nome dado às reservas de
hidrocarbonetos em rochas calcárias que se
localizam abaixo de camadas de sal. É o óleo
(petróleo) descoberto em camadas de 5 a 7 mil
metros de profundidade abaixo do nível do mar. É
uma camada de aproximadamente 800
quilômetros de extensão por 200 quilômetros de
largura, que vai do litoral de Santa Catarina ao
litoral do Espírito Santo.
Pré sal
Fim

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (19)

04_Aula Petróleo
04_Aula Petróleo04_Aula Petróleo
04_Aula Petróleo
 
Noções Gerais da Engenharia de Petróleo
Noções Gerais da Engenharia de PetróleoNoções Gerais da Engenharia de Petróleo
Noções Gerais da Engenharia de Petróleo
 
Petroleo e Gasolina
Petroleo e GasolinaPetroleo e Gasolina
Petroleo e Gasolina
 
Aula 06 classificação do petroleo e introdução ao refino
Aula 06   classificação do petroleo e introdução ao refinoAula 06   classificação do petroleo e introdução ao refino
Aula 06 classificação do petroleo e introdução ao refino
 
Aula 2 GeraçãO Do PetróLeo E Sistemas PetrolíFeros Anp
Aula 2 GeraçãO Do PetróLeo E Sistemas PetrolíFeros AnpAula 2 GeraçãO Do PetróLeo E Sistemas PetrolíFeros Anp
Aula 2 GeraçãO Do PetróLeo E Sistemas PetrolíFeros Anp
 
Industria Do Petr4óLeo
Industria Do Petr4óLeoIndustria Do Petr4óLeo
Industria Do Petr4óLeo
 
Refino de Petróleo
Refino de PetróleoRefino de Petróleo
Refino de Petróleo
 
3ww
3ww3ww
3ww
 
Gasolina de aviação
Gasolina de aviaçãoGasolina de aviação
Gasolina de aviação
 
Introdução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e GásIntrodução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e Gás
 
11 aula refino do petróleo
11  aula refino do petróleo11  aula refino do petróleo
11 aula refino do petróleo
 
Teoria biogenica e abiogenica
Teoria biogenica e abiogenicaTeoria biogenica e abiogenica
Teoria biogenica e abiogenica
 
Apostila de gas e petroleo
Apostila de gas e petroleoApostila de gas e petroleo
Apostila de gas e petroleo
 
O que é octanagem
O que é octanagemO que é octanagem
O que é octanagem
 
O PetróLeo
O PetróLeoO PetróLeo
O PetróLeo
 
Gasolina x Álcool
Gasolina x ÁlcoolGasolina x Álcool
Gasolina x Álcool
 
Fontesnathidrocarb
FontesnathidrocarbFontesnathidrocarb
Fontesnathidrocarb
 
Petróleo e seus derivados
Petróleo e seus derivadosPetróleo e seus derivados
Petróleo e seus derivados
 
Querosene e parafina
Querosene e parafinaQuerosene e parafina
Querosene e parafina
 

Semelhante a Petróleo enio

Semelhante a Petróleo enio (20)

Petróleo e-carvão-3a1
Petróleo e-carvão-3a1Petróleo e-carvão-3a1
Petróleo e-carvão-3a1
 
Opu operações-unitárias.pptxn
Opu operações-unitárias.pptxnOpu operações-unitárias.pptxn
Opu operações-unitárias.pptxn
 
Petróleo e Combustão
Petróleo e Combustão Petróleo e Combustão
Petróleo e Combustão
 
Aula De Quimica Organica Petroleo 2
Aula De Quimica Organica   Petroleo 2Aula De Quimica Organica   Petroleo 2
Aula De Quimica Organica Petroleo 2
 
Petróleo e gás
Petróleo e gásPetróleo e gás
Petróleo e gás
 
Petróleo
Petróleo Petróleo
Petróleo
 
Petroleo.pdf
Petroleo.pdfPetroleo.pdf
Petroleo.pdf
 
Comb petroleo e gasolina
Comb petroleo e gasolinaComb petroleo e gasolina
Comb petroleo e gasolina
 
PQO hidrocarbonetos.pdf
PQO hidrocarbonetos.pdfPQO hidrocarbonetos.pdf
PQO hidrocarbonetos.pdf
 
Petróleo e gasolina
Petróleo e gasolinaPetróleo e gasolina
Petróleo e gasolina
 
Dequi petroleo
Dequi petroleoDequi petroleo
Dequi petroleo
 
PETROLEO.pptx
PETROLEO.pptxPETROLEO.pptx
PETROLEO.pptx
 
Petroquimica
PetroquimicaPetroquimica
Petroquimica
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 
Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1
 
Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1
 
Glossario petrobras
Glossario petrobrasGlossario petrobras
Glossario petrobras
 
Apresentação petroquiica 1
Apresentação petroquiica 1Apresentação petroquiica 1
Apresentação petroquiica 1
 
Aual tématica petróleo
Aual tématica petróleoAual tématica petróleo
Aual tématica petróleo
 
Trabalho sobre petróleo
Trabalho sobre petróleoTrabalho sobre petróleo
Trabalho sobre petróleo
 

Mais de Enio Silva De Lima (11)

Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
 
Evolução atomica 2015
Evolução atomica 2015Evolução atomica 2015
Evolução atomica 2015
 
Lei geral dos gases
Lei geral dos gasesLei geral dos gases
Lei geral dos gases
 
Ciclo celular mitose e meiose
Ciclo celular mitose e meioseCiclo celular mitose e meiose
Ciclo celular mitose e meiose
 
Origemdavida
OrigemdavidaOrigemdavida
Origemdavida
 
Origem das espécies
Origem das espéciesOrigem das espécies
Origem das espécies
 
Historia da química
Historia da químicaHistoria da química
Historia da química
 
Historia da quimica
Historia da quimicaHistoria da quimica
Historia da quimica
 
Energia do dia a dia
Energia do dia a diaEnergia do dia a dia
Energia do dia a dia
 
Eficiência energética
Eficiência energéticaEficiência energética
Eficiência energética
 
Respiração sistêmica e celular
Respiração sistêmica e celularRespiração sistêmica e celular
Respiração sistêmica e celular
 

Último

Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 

Último (20)

Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 

Petróleo enio

  • 2. • O petróleo é um líquido escuro, cuja cor varia do âmbar ao negro, viscoso, imiscível em água, insolúvel neste solvente e menos denso que a mesma.
  • 3. • É formado por uma mistura complexa de diversos compostos químicos com predominância de hidrocarbonetos.
  • 4. Neste contexto pode ser classificado conforme sua composição em: • PETRÓLEO DE BASE PARAFÍNICA – predominam alcanos. • PETRÓLEO DE BASE NAFTÊNICA – predominam ciclanos. • PETRÓLEO DE BASE AROMÁTICA – predominam hidrocarbonetos aromáticos. • PETRÓLEO DE BASE ASFÁLTICA – predominam hidrocarbonetos superiores.
  • 5. ORIGEM E FORMAÇÃO DO PETRÓLEO
  • 6. • Restos de animais e vegetais, principalmente o plâncton marinho, foram soterrados em camadas inferiores do sub-solo, em regiões de rochas sedimentares, sendo submetidos a condições extremas de pressão, ação bacteriológica e temperatura.
  • 7. • Este processo lento e complexo gerou a mistura que foi fluindo por rochas porosas até se acumular em bolsões circundados por rochas compactas, onde é freqüentemente encontrado misturado com água salgada e areia.
  • 9. • O petróleo é conhecido desde a antiguidade. Narrações bíblicas citam-no como BETUME. • Achados arqueológicos associam o uso do petróleo no processo de mumificação egípcio. Historiadores citam o uso do ASFALTO nos “Jardins da Babilônia”. • O petróleo jorrou pela primeira vez de um poço petrolífero no ano de 1859, no Texas, USA.
  • 10. • A prospecção de petróleo envolve pesquisas geológicas complexas por meio da análise da composição do subsolo. • Acredita-se que 80% das reservas mundiais estejam nas bacias oceânicas. • A perfuração de poços petrolíferos é executada por meio de sondas e brocas gigantescas confeccionadas com Titânio e Diamante.
  • 11. • Inicialmente o petróleo jorra devido a pressão exercida pela fração gasosa presente na jazida. Com o tempo é necessário promover o bombeamento. • Freqüentemente o petróleo é extraído misturado com água salgada e areia. • Para separar estes componentes promove-se filtração e decantação.
  • 13.
  • 14.
  • 15. GLP • GLP é a sigla utilizada para representar o gás liquefeito de petróleo, uma mistura gasosa muito utilizada como combustível para produzir o aquecimento de alimentos em fogões. GNV é um combustível disponibilizado na forma gasosa. Diferencia-se do gás liquefeito de petróleo (GLP) por ser constituído por hidrocarbonetos na faixa do metano e do etano, enquanto o GLP possui em sua formação hidrocarbonetos na faixa do propano e do butano.
  • 16. Querosene • O querosene é um conhecido líquido derivado do petróleo, principalmente porque é o combustível utilizado em aviões. A partir de 1800, o querosene começou a ser usado em lamparinas. Nos dias atuais, existem diversas formas de iluminar um local, como um acampamento, mas o querosene ainda é usado para esse fim.
  • 17. Óleo diesel • Óleo diesel é um combustível fóssil obtido a partir da destilação do petróleo. Apresenta uma grande quantidade de enxofre e é bastante utilizado para o transporte de cargas
  • 20.
  • 21. • Parece estranho usar em medicamentos uma substância altamente poluente, mas não há como negar: muitos remédios (em especial os analgésicos e, curiosamente, até mesmo os homeopáticos) contêm benzeno, um derivado do petróleo.
  • 22. comidas • Também são usados direta (em corantes, flavorizantes e conservantes) ou indiretamente (em fertilizantes artificiais e pesticidas) na produção de alimentos. Plásticos
  • 24. Gasolina • A gasolina é um combustível de origem fóssil, ou seja, não renovável e que é obtida através do processo de refino ou craqueamento do petróleo, e pode possuir sua composição variável, de acordo com o uso final, origem do petróleo e tipos de processos de refino.
  • 25. Índice de Octanagem • A qualidade da gasolina é definida de acordo com o índice de octanagem do combustível, sabendo-se que a gasolina é uma mistura de hidrocarbonetos que variam sua cadeia carbônica de quatro a doze átomos de carbono (gasolina automotiva) e de cinco a dez átomos de carbono (gasolina de aviação), a média de átomos de carbono geral das cadeias é de oito carbonos.
  • 26.
  • 27.
  • 28. craqueamento • O craqueamento é realizado em colunas de fracionamento das refinarias de petróleo e existem dois tipos: o craqueamento térmico e o catalítico. O craqueamento térmico é realizado com temperatura e pressão elevadas que rompem as moléculas mais pesadas. Por exemplo, no craqueamento do querosene, do óleo diesel e do óleo lubrificante em gasolina, são utilizadas temperaturas que vão de 450 a 700ºC. Já o craqueamento catalítico diferencia-se do térmico apenas pelo uso de um catalisador. Os catalisadores são substâncias capazes de aumentar a velocidade de determinadas reações químicas sem participar da reação, ou seja, são regenerados ao final dela.
  • 29.
  • 30.
  • 31. Criada em 1953 pela Lei 2.004 a Petrobras S.A. destina-se à prospecção (estudo preliminar de um local), extração, refino e distribuição do petróleo. Com 12.895 poços produtores de petróleo, a estatal brasileira está entre as 500 maiores empresas do mundo segundo a revista Fortune.
  • 32. Pré sal • Pré-sal é o nome dado às reservas de hidrocarbonetos em rochas calcárias que se localizam abaixo de camadas de sal. É o óleo (petróleo) descoberto em camadas de 5 a 7 mil metros de profundidade abaixo do nível do mar. É uma camada de aproximadamente 800 quilômetros de extensão por 200 quilômetros de largura, que vai do litoral de Santa Catarina ao litoral do Espírito Santo.
  • 33.
  • 35.
  • 36. Fim