SlideShare uma empresa Scribd logo
Professores:
Jonathan Mourão - FAESA
Márcia Helena Cassago - FAESA
 Etimologia: Petra – “pedra”; Oleum – “óleo”.
 Estado Físico: Líquido viscoso e coloração escura
(maioria dos casos).
 Ocorrência: Encontrado em poros de rochas, em
terra firme ou sob o mar.
 Constituição: É constituído fundamentalmente por
Hidrocarbonetos.
Solo
Cascalho
Rocha impermeável
Rocha + gás natural
PETRÓLEO
Refinaria
EXTRAÇÃO EM TERRA
Aula petroleo-2010
EXTRAÇÃO EM ÁGUAS PROFUNDAS
Tecnologia no fundo do mar.
MISTURA DE HIDROCARBONETOS
DESTILAÇÃO FRACIONADA
FRAÇÕES
 Petróleo bruto é o termo para o óleo não processado. Também é
conhecido apenas como petróleo.
 Combustível fóssil, o que significa que é formado pelo processo de
decomposição de matéria orgânica, restos vegetais, algas, alguns tipos
de plâncton e restos de animais marinhos - ocorrido durante centenas
de milhões de anos na história geológica da Terra.
 Podem apresentar cores diferentes, de marrons claros a preto, assim
como viscosidades diferentes, que podem ser semelhantes à água ou
quase sólidas.
 O petróleo bruto é o ponto de partida para muitas substâncias
diferentes porque contém hidrocarbonetos.
Os hidrocarbonetos são moléculas que contém
hidrogênio e carbono e existem em diferentes
tamanhos e estruturas, com cadeias ramificadas e
não ramificadas e anéis.
Em média, o petróleo bruto contém os seguintes elementos ou compostos:
 carbono - 84%
 hidrogênio - 14%
 enxofre - de 1 a 3% (sulfeto de hidrogênio, sulfetos, dissulfetos, enxofre elementar)
 nitrogênio - menos de 1% (compostos básicos com grupos amina)
 oxigênio - menos de 1% (encontrado em compostos orgânicos como o dióxido de
carbono, fenóis, cetonas e ácidos carboxílicos)
 metais - menos de 1% (níquel, ferro, vanádio, cobre, arsênio)
 sais - menos de 1% (cloreto de sódio, cloreto de magnésio, cloreto de cálcio)
Duas características são importantes nos hidrocarbonetos:
 Eles contêm muita energia. Muitos dos produtos derivados de petróleo
bruto como a gasolina, óleo diesel, parafina sólida e assim por diante são
úteis graça a essa energia;
 Eles podem ter formas diferentes. O menor hidrocarboneto é o metano
(CH4), um gás mais leve do que o ar. Cadeias mais longas contêm cinco
carbonos ou mais e são líquidos; já nas cadeias muito longas há
hidrocarbonetos sólidos, como a cera. Ao ligar quimicamente cadeias de
hidrocarbonetos artificialmente, obtemos vários produtos, que vão da
borracha sintética até o náilon e o plástico de potes para alimentos.
 As principais classes de hidrocarbonetos em petróleo bruto incluem:
 Parafinas
◦ fórmula geral: CnH2n+2 (n é um número inteiro, geralmente de 1 a 20)
◦ as moléculas são cadeias ramificadas ou não
◦ em temperatura ambiente podem ser gases ou líquidos, dependendo da molécula
◦ exemplos: metano, etano, propano, butano, isobutano, pentano, hexano
Aromáticos
◦ fórmula geral: C6H5 - Y (Y é uma molécula mais longa e não ramificada que se conecta a
anéis benzênicos)
◦ estruturas em anel, com um ou mais anéis
◦ os anéis contêm seis átomos de carbono, com ligações duplas e simples alternando-se entre
os carbonos
◦ geralmente são líquidos
◦ exemplos: benzeno, naftaleno
Naftenos ou cicloalcanos
◦ fórmula geral: CnH2n (n é um número inteiro, geralmente de 1 a 20)
◦ estruturas em anel, com um ou mais anéis
◦ os anéis contêm apenas ligações simples entre os átomos de carbono
◦ em temperatura ambiente, geralmente são líquidos
 exemplos: ciclohexano, metilciclopentano
 Outros hidrocarbonetos
Alcenos
 fórmula geral: CnH2n (n é um número inteiro, geralmente de 1 a 20)
 moléculas de cadeias ramificadas ou não que contêm uma ligação
dupla carbono-carbono
 podem apresentar-se nos estados líquido ou gasoso
 exemplos: etileno, buteno, isobuteno
Dienos e Alcinos
 fórmula geral: CnH2n-2 (n é um número inteiro, geralmente de 1 a 20)
 moléculas de cadeias ramificadas ou não que contêm duas ligações
duplas carbono-carbono
 podem apresentar-se nos estados líquido ou gasoso
 exemplos: acetileno, butadieno
 O petróleo bruto contém centenas de diferentes tipos de
hidrocarbonetos misturados e, para separá-los, é necessário
refinar o petróleo
 As cadeias de hidrocarbonetos de diferentes tamanhos têm
pontos de ebulição que vão aumentando progressivamente,
o que possibilita separá-las através do processo de
destilação. É isso o que acontece em uma refinaria de
petróleo. Na etapa inicial do refino, o petróleo bruto é
aquecido e as diferentes cadeias são separadas de acordo
com suas temperaturas de evaporação. Cada comprimento
de cadeia diferente tem uma propriedade diferente que a
torna útil de uma maneira específica.
 Para entender a diversidade contida no petróleo bruto e o motivo pelo qual o
seu refino é tão importante, veja uma lista de produtos que obtemos a partir
do petróleo bruto:
gás de petróleo: usado para aquecer, cozinhar, fabricar plásticos
 alcanos com cadeias curtas (de 1 a 4 átomos de carbono)
 normalmente conhecidos pelos nomes de metano, etano, propano, butano
 faixa de ebulição: menos de 40°C
 são liquefeitos sob pressão para criar o GLP (gás liquefeito de petróleo)
nafta: intermediário que irá passar por mais processamento para produzir gasolina
 mistura de alcanos de 5 a 9 átomos de carbono
 faixa de ebulição: de 60 a 100°C
gasolina: combustível de motores
 líquido
 mistura de alcanos e cicloalcanos (de 5 a 12 átomos de carbono)
 faixa de ebulição: de 40 a 205°C
querosene: combustível para motores de jatos e tratores, além de ser material inicial
para a fabricação de outros produtos
◦ líquido
◦ mistura de alcanos (de 10 a 18 carbonos) e aromáticos
◦ faixa de ebulição: de 175 a 325°C
gasóleo ou diesel destilado: usado como diesel e óleo combustível, além de ser um
intermediário para fabricação de outros produtos
◦ líquido
◦ alcanos contendo 12 ou mais átomos de carbono
◦ faixa de ebulição: de 250 a 350°C
óleo lubrificante: usado para óleo de motor, graxa e outros lubrificantes
◦ líquido
◦ alcanos, cicloalnos e aromáticos de cadeias longas (de 20 a 50 átomos de carbono)
◦ faixa de ebulição: de 300 a 370°C
petróleo pesado ou óleo combustível: usado como combustível industrial, também
serve como intermediário na fabricação de outros produtos
◦ líquido
◦ alcanos, cicloalcanos e aromáticos de cadeia longa (de 20 a 70 átomos de carbono)
◦ faixa de ebulição: de 370 a 600°C
resíduos: coque, asfalto, alcatrão, breu, ceras, além de ser material inicial para
fabricação de outros produtos
◦ sólido
◦ compostos com vários anéis com 70 átomos de carbono ou mais
◦ faixa de ebulição: mais de 600°C
 Os vários componentes do petróleo bruto têm tamanhos,
pesos e temperaturas de ebulição diferentes. Por isso, o
primeiro passo é separar esses componentes. E devido à
diferença de suas temperaturas de ebulição, eles podem
ser facilmente separados por um processo chamado de
destilação fracionada.
 Veja as etapas a seguir:
Foto cedida Phillips Petroleum
Colunas de destilação em uma refinaria de petróleo
Baseia-se nos diferentes pontos de ebulição, tendo em
vista os diferentes tamanhos de cadeias carbônicas na
mistura de hidrocarbonetos no petróleo . Quanto maior a
cadeia, maior o Ponto de Ebulição.
Aula petroleo-2010
 Poucos compostos já saem da coluna de destilação
prontos para serem comercializados. Muitos deles
devem ser processados quimicamente para criar
outras frações. Por exemplo, apenas 40% do
petróleo bruto destilado é gasolina. No entanto, a
gasolina é um dos principais produtos fabricados
pelas empresas de petróleo. Em vez de destilar
continuamente grandes quantidades de petróleo
bruto, essas empresas utilizam processos químicos
para produzir gasolina a partir de outras frações
que saem da coluna de destilação. É este processo
que garante uma porção maior de gasolina em cada
barril de petróleo bruto.
Pode-se transformar uma fração em outra usando
um destes três métodos:
 dividindo grandes cadeias de hidrocarbonetos em
pedaços menores (craqueamento);
 combinando pedaços menores para criar outros
maiores (reforma);
 rearranjando vários pedaços para fazer os
hidrocarbonetos desejados (alquilação).
O craqueamento divide
grandes cadeias de
hidrocarbonetos em pedaços
menores.
O craqueamento divide cadeias grandes
em outras menores
Aula petroleo-2010
Foto cedida Phillips Petroleum Company
Catalisadores usados no craqueamento ou reforma catalítica
Algumas vezes, é preciso combinar
hidrocarbonetos menores para fazer
outros maiores. Este processo é chamado
de reforma. O principal processo á a
reforma catalítica, que utiliza um
catalisador (platina, mistura platina-
rênio) para transformar nafta de baixo
peso molecular em
compostos aromáticos, usados na
fabricação de produtos químicos e para
misturar na gasolina. Um subproduto
importante dessa reação é o gás
hidrogênio, usado para o
hidrocraqueamento ou vendido.
Um reformador combina cadeias de
hidrocarbonetos
 Alquilação
 Às vezes, as estruturas de
moléculas em uma fração são
rearranjadas para produzir outra.
Isso normalmente é feito por meio
de um processo chamado
alquilação.
 Na alquilação, compostos de baixo
peso molecular, como o propileno
e o buteno, são misturados na
presença de um catalisador como
o ácido fluorídrico ou ácido
sulfúrico (um subproduto da
remoção de impureza de muitos
produtos do petróleo).
 Os produtos da alquilação são
hidrocarbonetos ricos em
octanas, usados em tipos de
gasolina para reduzir o poder
de detonação.
Uma refinaria de petróleo é uma combinação de
todas essas unidades.
Aula petroleo-2010
Qualidade: maior resistência à compressão.
MENOS SUPORTA: n-heptano:
H3C-CH2-CH2-CH2-CH2-CH2-CH3
MAIS SUPORTA: Isoctano:
CH3 H
| |
H3C – C – C – C – CH3
| H2 |
CH3 CH3
 Escala para medir qualidade:
Índice de Octanagem
0% 50% 100%
0% - Isoctano 100% - Isoctano
100% - n-heptano 0% - n-heptano
ANTIDETONANTES (a gasolina aditivada)
 COMBUSTÃO COMPLETA:
Hidrocarboneto + O2 → CO2 + H2O
 COMBUSTÕES INCOMPLETAS:
Hidrocarboneto + O2 → CO + H2O
Hidrocarboneto + O2 → C + H2O
Aula petroleo-2010
Aula petroleo-2010
 RECICLAR:
 1 ton plástico → economiza 130 kg de petróleo;
 1 ton de vidro → 70% menos energia que fabricá-lo;
 1 ton de papel → poupa 22 árvores;
→ 71% menos de energia elétrica;
→ polui o ar 74% menos do que
fabricá-la
Você sabe responder qual é a
substância em
cada caixinha preta?
Olhando esse fluxograma, você sabe classificar
quais são as etapas que tem processos físicos
e quais tem processos químicos?
Se você respondeu: Processos Físicos  dessalinização e Separação
e Processos Químicos  Conversão eTratamento.
PARABÉNS! ACERTOU!!!
Reportagens sobre petróleo na RevistaVeja Online
http://veja.abril.com.br/idade/exclusivo/petroleo/index.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Petroleo e Gasolina
Petroleo e GasolinaPetroleo e Gasolina
Petroleo e Gasolina
Kaires Braga
 
Petroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetosPetroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetos
Karol Maia
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
Josimar Nunes
 
Gas natural
Gas naturalGas natural
Gas natural
Jeferson Tabelini
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
Felipe Dias
 
O petróleo
O petróleoO petróleo
O petróleo
Isabel Vitória
 
05 aula gás natural
05 aula gás natural05 aula gás natural
05 aula gás natural
Homero Alves de Lima
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
Renata Oliveira
 
petroleo
petroleopetroleo
Aula 11 petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Aula 11   petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11Aula 11   petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Aula 11 petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
A Importância do Petróleo
A Importância do PetróleoA Importância do Petróleo
Gás Natural
Gás NaturalGás Natural
Gás Natural
Gabriel Resende
 
Petróleo e Gás Natural - 10º B
Petróleo e Gás Natural - 10º BPetróleo e Gás Natural - 10º B
Petróleo e Gás Natural - 10º B
Física Química A
 
Petroleo aula ppt.
Petroleo   aula ppt.Petroleo   aula ppt.
Petroleo aula ppt.
JulianaGimenes
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
Rafael Nishikawa
 
Petróleo - Uso e Derivados
Petróleo - Uso e DerivadosPetróleo - Uso e Derivados
Petróleo - Uso e Derivados
Kelly Ruas
 
Aula 10 processos de tratamento
Aula 10   processos de tratamentoAula 10   processos de tratamento
Aula 10 processos de tratamento
Anderson Pontes
 
Gasolina - Química Orgânica
Gasolina - Química OrgânicaGasolina - Química Orgânica
Gasolina - Química Orgânica
Lucas Castro
 
Processo de refinação do petróleo
Processo de refinação do petróleoProcesso de refinação do petróleo
Processo de refinação do petróleo
Ajudar Pessoas
 
Carvão - 10º B
Carvão - 10º BCarvão - 10º B
Carvão - 10º B
Física Química A
 

Mais procurados (20)

Petroleo e Gasolina
Petroleo e GasolinaPetroleo e Gasolina
Petroleo e Gasolina
 
Petroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetosPetroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetos
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
 
Gas natural
Gas naturalGas natural
Gas natural
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 
O petróleo
O petróleoO petróleo
O petróleo
 
05 aula gás natural
05 aula gás natural05 aula gás natural
05 aula gás natural
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 
petroleo
petroleopetroleo
petroleo
 
Aula 11 petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Aula 11   petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11Aula 11   petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Aula 11 petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
 
A Importância do Petróleo
A Importância do PetróleoA Importância do Petróleo
A Importância do Petróleo
 
Gás Natural
Gás NaturalGás Natural
Gás Natural
 
Petróleo e Gás Natural - 10º B
Petróleo e Gás Natural - 10º BPetróleo e Gás Natural - 10º B
Petróleo e Gás Natural - 10º B
 
Petroleo aula ppt.
Petroleo   aula ppt.Petroleo   aula ppt.
Petroleo aula ppt.
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 
Petróleo - Uso e Derivados
Petróleo - Uso e DerivadosPetróleo - Uso e Derivados
Petróleo - Uso e Derivados
 
Aula 10 processos de tratamento
Aula 10   processos de tratamentoAula 10   processos de tratamento
Aula 10 processos de tratamento
 
Gasolina - Química Orgânica
Gasolina - Química OrgânicaGasolina - Química Orgânica
Gasolina - Química Orgânica
 
Processo de refinação do petróleo
Processo de refinação do petróleoProcesso de refinação do petróleo
Processo de refinação do petróleo
 
Carvão - 10º B
Carvão - 10º BCarvão - 10º B
Carvão - 10º B
 

Destaque

Carvão mineral
Carvão mineralCarvão mineral
Carvão mineral
Bruna Lacerda
 
Carvão - 10º C
Carvão - 10º CCarvão - 10º C
Carvão - 10º C
Física Química A
 
Carvão mineral
Carvão mineralCarvão mineral
Carvão mineral
diego
 
Aula De Quimica Organica Petroleo 2
Aula De Quimica Organica   Petroleo 2Aula De Quimica Organica   Petroleo 2
Aula De Quimica Organica Petroleo 2
socorro06
 
Carvão
CarvãoCarvão
Carvão mineral
Carvão mineralCarvão mineral
Carvão mineral
Carlos Dantas
 
O PetróLeo
O PetróLeoO PetróLeo
O PetróLeo
tomalmeida182
 
Trabalho de quimica - EXTRAÇÃO E REFINO DE PRETOLEO
Trabalho de quimica - EXTRAÇÃO E REFINO DE PRETOLEOTrabalho de quimica - EXTRAÇÃO E REFINO DE PRETOLEO
Trabalho de quimica - EXTRAÇÃO E REFINO DE PRETOLEO
Tom Souza
 
Carvão - 10º A
Carvão - 10º ACarvão - 10º A
Carvão - 10º A
Física Química A
 

Destaque (9)

Carvão mineral
Carvão mineralCarvão mineral
Carvão mineral
 
Carvão - 10º C
Carvão - 10º CCarvão - 10º C
Carvão - 10º C
 
Carvão mineral
Carvão mineralCarvão mineral
Carvão mineral
 
Aula De Quimica Organica Petroleo 2
Aula De Quimica Organica   Petroleo 2Aula De Quimica Organica   Petroleo 2
Aula De Quimica Organica Petroleo 2
 
Carvão
CarvãoCarvão
Carvão
 
Carvão mineral
Carvão mineralCarvão mineral
Carvão mineral
 
O PetróLeo
O PetróLeoO PetróLeo
O PetróLeo
 
Trabalho de quimica - EXTRAÇÃO E REFINO DE PRETOLEO
Trabalho de quimica - EXTRAÇÃO E REFINO DE PRETOLEOTrabalho de quimica - EXTRAÇÃO E REFINO DE PRETOLEO
Trabalho de quimica - EXTRAÇÃO E REFINO DE PRETOLEO
 
Carvão - 10º A
Carvão - 10º ACarvão - 10º A
Carvão - 10º A
 

Semelhante a Aula petroleo-2010

04aulapetrleo-150523224110-lva1-app6891.pptx
04aulapetrleo-150523224110-lva1-app6891.pptx04aulapetrleo-150523224110-lva1-app6891.pptx
04aulapetrleo-150523224110-lva1-app6891.pptx
cunhadealmeidap
 
Parte ii técnico
Parte ii  técnicoParte ii  técnico
Parte ii técnico
Kellecampos Kelle Campos
 
Comb petroleo e gasolina
Comb petroleo e gasolinaComb petroleo e gasolina
Comb petroleo e gasolina
tamandarealfamanha
 
Trabalho sobre petróleo
Trabalho sobre petróleoTrabalho sobre petróleo
Trabalho sobre petróleo
Eduardo Chaves
 
Pronae aula 14
Pronae aula 14Pronae aula 14
Pronae aula 14
Nuno Miguel Martins
 
Petróleo enio
Petróleo enioPetróleo enio
Petróleo enio
Enio Silva De Lima
 
Petróleo e gás natural - 10º D
Petróleo  e gás natural - 10º DPetróleo  e gás natural - 10º D
Petróleo e gás natural - 10º D
Física Química A
 
PETROLEO.pptx
PETROLEO.pptxPETROLEO.pptx
PETROLEO.pptx
Lilian Fortunato
 
Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1
Jeová Corrêa
 
Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1
Paulo Cunha
 
Petróleo pps
Petróleo ppsPetróleo pps
Petróleo pps
Fernanda Cordeiro
 
Apostila de Refino de PETRÓLEO
Apostila de Refino de PETRÓLEO Apostila de Refino de PETRÓLEO
Apostila de Refino de PETRÓLEO
Ricardo Akerman
 
Petróleo
Petróleo Petróleo
Petróleo
LuisFernando672328
 
Petroquimica
PetroquimicaPetroquimica
Petroquimica
Cristyan Ribeiro
 
Glossario petrobras
Glossario petrobrasGlossario petrobras
Glossario petrobras
tmanha
 
Petróleo e Combustão
Petróleo e Combustão Petróleo e Combustão
Petróleo e Combustão
alinesantana1422
 
Apostila de gas e petroleo
Apostila de gas e petroleoApostila de gas e petroleo
Apostila de gas e petroleo
Adriano Silva
 
Aula 1 qualidade-de_combustiveis
Aula 1 qualidade-de_combustiveisAula 1 qualidade-de_combustiveis
Aula 1 qualidade-de_combustiveis
Lee Marx
 
Haletos, Petroleo e gasolina
Haletos, Petroleo e gasolinaHaletos, Petroleo e gasolina
Haletos, Petroleo e gasolina
Kaires Braga
 
Haletos Orgânicos e Petróleo
Haletos Orgânicos e PetróleoHaletos Orgânicos e Petróleo
Haletos Orgânicos e Petróleo
Kaires Braga
 

Semelhante a Aula petroleo-2010 (20)

04aulapetrleo-150523224110-lva1-app6891.pptx
04aulapetrleo-150523224110-lva1-app6891.pptx04aulapetrleo-150523224110-lva1-app6891.pptx
04aulapetrleo-150523224110-lva1-app6891.pptx
 
Parte ii técnico
Parte ii  técnicoParte ii  técnico
Parte ii técnico
 
Comb petroleo e gasolina
Comb petroleo e gasolinaComb petroleo e gasolina
Comb petroleo e gasolina
 
Trabalho sobre petróleo
Trabalho sobre petróleoTrabalho sobre petróleo
Trabalho sobre petróleo
 
Pronae aula 14
Pronae aula 14Pronae aula 14
Pronae aula 14
 
Petróleo enio
Petróleo enioPetróleo enio
Petróleo enio
 
Petróleo e gás natural - 10º D
Petróleo  e gás natural - 10º DPetróleo  e gás natural - 10º D
Petróleo e gás natural - 10º D
 
PETROLEO.pptx
PETROLEO.pptxPETROLEO.pptx
PETROLEO.pptx
 
Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1
 
Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1Curso refino ufrn-final_1
Curso refino ufrn-final_1
 
Petróleo pps
Petróleo ppsPetróleo pps
Petróleo pps
 
Apostila de Refino de PETRÓLEO
Apostila de Refino de PETRÓLEO Apostila de Refino de PETRÓLEO
Apostila de Refino de PETRÓLEO
 
Petróleo
Petróleo Petróleo
Petróleo
 
Petroquimica
PetroquimicaPetroquimica
Petroquimica
 
Glossario petrobras
Glossario petrobrasGlossario petrobras
Glossario petrobras
 
Petróleo e Combustão
Petróleo e Combustão Petróleo e Combustão
Petróleo e Combustão
 
Apostila de gas e petroleo
Apostila de gas e petroleoApostila de gas e petroleo
Apostila de gas e petroleo
 
Aula 1 qualidade-de_combustiveis
Aula 1 qualidade-de_combustiveisAula 1 qualidade-de_combustiveis
Aula 1 qualidade-de_combustiveis
 
Haletos, Petroleo e gasolina
Haletos, Petroleo e gasolinaHaletos, Petroleo e gasolina
Haletos, Petroleo e gasolina
 
Haletos Orgânicos e Petróleo
Haletos Orgânicos e PetróleoHaletos Orgânicos e Petróleo
Haletos Orgânicos e Petróleo
 

Último

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 

Último (20)

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 

Aula petroleo-2010

  • 1. Professores: Jonathan Mourão - FAESA Márcia Helena Cassago - FAESA
  • 2.  Etimologia: Petra – “pedra”; Oleum – “óleo”.  Estado Físico: Líquido viscoso e coloração escura (maioria dos casos).  Ocorrência: Encontrado em poros de rochas, em terra firme ou sob o mar.  Constituição: É constituído fundamentalmente por Hidrocarbonetos.
  • 3. Solo Cascalho Rocha impermeável Rocha + gás natural PETRÓLEO Refinaria EXTRAÇÃO EM TERRA
  • 5. EXTRAÇÃO EM ÁGUAS PROFUNDAS Tecnologia no fundo do mar.
  • 7.  Petróleo bruto é o termo para o óleo não processado. Também é conhecido apenas como petróleo.  Combustível fóssil, o que significa que é formado pelo processo de decomposição de matéria orgânica, restos vegetais, algas, alguns tipos de plâncton e restos de animais marinhos - ocorrido durante centenas de milhões de anos na história geológica da Terra.  Podem apresentar cores diferentes, de marrons claros a preto, assim como viscosidades diferentes, que podem ser semelhantes à água ou quase sólidas.  O petróleo bruto é o ponto de partida para muitas substâncias diferentes porque contém hidrocarbonetos. Os hidrocarbonetos são moléculas que contém hidrogênio e carbono e existem em diferentes tamanhos e estruturas, com cadeias ramificadas e não ramificadas e anéis.
  • 8. Em média, o petróleo bruto contém os seguintes elementos ou compostos:  carbono - 84%  hidrogênio - 14%  enxofre - de 1 a 3% (sulfeto de hidrogênio, sulfetos, dissulfetos, enxofre elementar)  nitrogênio - menos de 1% (compostos básicos com grupos amina)  oxigênio - menos de 1% (encontrado em compostos orgânicos como o dióxido de carbono, fenóis, cetonas e ácidos carboxílicos)  metais - menos de 1% (níquel, ferro, vanádio, cobre, arsênio)  sais - menos de 1% (cloreto de sódio, cloreto de magnésio, cloreto de cálcio)
  • 9. Duas características são importantes nos hidrocarbonetos:  Eles contêm muita energia. Muitos dos produtos derivados de petróleo bruto como a gasolina, óleo diesel, parafina sólida e assim por diante são úteis graça a essa energia;  Eles podem ter formas diferentes. O menor hidrocarboneto é o metano (CH4), um gás mais leve do que o ar. Cadeias mais longas contêm cinco carbonos ou mais e são líquidos; já nas cadeias muito longas há hidrocarbonetos sólidos, como a cera. Ao ligar quimicamente cadeias de hidrocarbonetos artificialmente, obtemos vários produtos, que vão da borracha sintética até o náilon e o plástico de potes para alimentos.
  • 10.  As principais classes de hidrocarbonetos em petróleo bruto incluem:  Parafinas ◦ fórmula geral: CnH2n+2 (n é um número inteiro, geralmente de 1 a 20) ◦ as moléculas são cadeias ramificadas ou não ◦ em temperatura ambiente podem ser gases ou líquidos, dependendo da molécula ◦ exemplos: metano, etano, propano, butano, isobutano, pentano, hexano Aromáticos ◦ fórmula geral: C6H5 - Y (Y é uma molécula mais longa e não ramificada que se conecta a anéis benzênicos) ◦ estruturas em anel, com um ou mais anéis ◦ os anéis contêm seis átomos de carbono, com ligações duplas e simples alternando-se entre os carbonos ◦ geralmente são líquidos ◦ exemplos: benzeno, naftaleno Naftenos ou cicloalcanos ◦ fórmula geral: CnH2n (n é um número inteiro, geralmente de 1 a 20) ◦ estruturas em anel, com um ou mais anéis ◦ os anéis contêm apenas ligações simples entre os átomos de carbono ◦ em temperatura ambiente, geralmente são líquidos  exemplos: ciclohexano, metilciclopentano
  • 11.  Outros hidrocarbonetos Alcenos  fórmula geral: CnH2n (n é um número inteiro, geralmente de 1 a 20)  moléculas de cadeias ramificadas ou não que contêm uma ligação dupla carbono-carbono  podem apresentar-se nos estados líquido ou gasoso  exemplos: etileno, buteno, isobuteno Dienos e Alcinos  fórmula geral: CnH2n-2 (n é um número inteiro, geralmente de 1 a 20)  moléculas de cadeias ramificadas ou não que contêm duas ligações duplas carbono-carbono  podem apresentar-se nos estados líquido ou gasoso  exemplos: acetileno, butadieno
  • 12.  O petróleo bruto contém centenas de diferentes tipos de hidrocarbonetos misturados e, para separá-los, é necessário refinar o petróleo  As cadeias de hidrocarbonetos de diferentes tamanhos têm pontos de ebulição que vão aumentando progressivamente, o que possibilita separá-las através do processo de destilação. É isso o que acontece em uma refinaria de petróleo. Na etapa inicial do refino, o petróleo bruto é aquecido e as diferentes cadeias são separadas de acordo com suas temperaturas de evaporação. Cada comprimento de cadeia diferente tem uma propriedade diferente que a torna útil de uma maneira específica.
  • 13.  Para entender a diversidade contida no petróleo bruto e o motivo pelo qual o seu refino é tão importante, veja uma lista de produtos que obtemos a partir do petróleo bruto: gás de petróleo: usado para aquecer, cozinhar, fabricar plásticos  alcanos com cadeias curtas (de 1 a 4 átomos de carbono)  normalmente conhecidos pelos nomes de metano, etano, propano, butano  faixa de ebulição: menos de 40°C  são liquefeitos sob pressão para criar o GLP (gás liquefeito de petróleo) nafta: intermediário que irá passar por mais processamento para produzir gasolina  mistura de alcanos de 5 a 9 átomos de carbono  faixa de ebulição: de 60 a 100°C gasolina: combustível de motores  líquido  mistura de alcanos e cicloalcanos (de 5 a 12 átomos de carbono)  faixa de ebulição: de 40 a 205°C
  • 14. querosene: combustível para motores de jatos e tratores, além de ser material inicial para a fabricação de outros produtos ◦ líquido ◦ mistura de alcanos (de 10 a 18 carbonos) e aromáticos ◦ faixa de ebulição: de 175 a 325°C gasóleo ou diesel destilado: usado como diesel e óleo combustível, além de ser um intermediário para fabricação de outros produtos ◦ líquido ◦ alcanos contendo 12 ou mais átomos de carbono ◦ faixa de ebulição: de 250 a 350°C óleo lubrificante: usado para óleo de motor, graxa e outros lubrificantes ◦ líquido ◦ alcanos, cicloalnos e aromáticos de cadeias longas (de 20 a 50 átomos de carbono) ◦ faixa de ebulição: de 300 a 370°C petróleo pesado ou óleo combustível: usado como combustível industrial, também serve como intermediário na fabricação de outros produtos ◦ líquido ◦ alcanos, cicloalcanos e aromáticos de cadeia longa (de 20 a 70 átomos de carbono) ◦ faixa de ebulição: de 370 a 600°C resíduos: coque, asfalto, alcatrão, breu, ceras, além de ser material inicial para fabricação de outros produtos ◦ sólido ◦ compostos com vários anéis com 70 átomos de carbono ou mais ◦ faixa de ebulição: mais de 600°C
  • 15.  Os vários componentes do petróleo bruto têm tamanhos, pesos e temperaturas de ebulição diferentes. Por isso, o primeiro passo é separar esses componentes. E devido à diferença de suas temperaturas de ebulição, eles podem ser facilmente separados por um processo chamado de destilação fracionada.  Veja as etapas a seguir: Foto cedida Phillips Petroleum Colunas de destilação em uma refinaria de petróleo
  • 16. Baseia-se nos diferentes pontos de ebulição, tendo em vista os diferentes tamanhos de cadeias carbônicas na mistura de hidrocarbonetos no petróleo . Quanto maior a cadeia, maior o Ponto de Ebulição.
  • 18.  Poucos compostos já saem da coluna de destilação prontos para serem comercializados. Muitos deles devem ser processados quimicamente para criar outras frações. Por exemplo, apenas 40% do petróleo bruto destilado é gasolina. No entanto, a gasolina é um dos principais produtos fabricados pelas empresas de petróleo. Em vez de destilar continuamente grandes quantidades de petróleo bruto, essas empresas utilizam processos químicos para produzir gasolina a partir de outras frações que saem da coluna de destilação. É este processo que garante uma porção maior de gasolina em cada barril de petróleo bruto.
  • 19. Pode-se transformar uma fração em outra usando um destes três métodos:  dividindo grandes cadeias de hidrocarbonetos em pedaços menores (craqueamento);  combinando pedaços menores para criar outros maiores (reforma);  rearranjando vários pedaços para fazer os hidrocarbonetos desejados (alquilação).
  • 20. O craqueamento divide grandes cadeias de hidrocarbonetos em pedaços menores. O craqueamento divide cadeias grandes em outras menores
  • 22. Foto cedida Phillips Petroleum Company Catalisadores usados no craqueamento ou reforma catalítica
  • 23. Algumas vezes, é preciso combinar hidrocarbonetos menores para fazer outros maiores. Este processo é chamado de reforma. O principal processo á a reforma catalítica, que utiliza um catalisador (platina, mistura platina- rênio) para transformar nafta de baixo peso molecular em compostos aromáticos, usados na fabricação de produtos químicos e para misturar na gasolina. Um subproduto importante dessa reação é o gás hidrogênio, usado para o hidrocraqueamento ou vendido. Um reformador combina cadeias de hidrocarbonetos
  • 24.  Alquilação  Às vezes, as estruturas de moléculas em uma fração são rearranjadas para produzir outra. Isso normalmente é feito por meio de um processo chamado alquilação.  Na alquilação, compostos de baixo peso molecular, como o propileno e o buteno, são misturados na presença de um catalisador como o ácido fluorídrico ou ácido sulfúrico (um subproduto da remoção de impureza de muitos produtos do petróleo).  Os produtos da alquilação são hidrocarbonetos ricos em octanas, usados em tipos de gasolina para reduzir o poder de detonação.
  • 25. Uma refinaria de petróleo é uma combinação de todas essas unidades.
  • 27. Qualidade: maior resistência à compressão. MENOS SUPORTA: n-heptano: H3C-CH2-CH2-CH2-CH2-CH2-CH3 MAIS SUPORTA: Isoctano: CH3 H | | H3C – C – C – C – CH3 | H2 | CH3 CH3
  • 28.  Escala para medir qualidade: Índice de Octanagem 0% 50% 100% 0% - Isoctano 100% - Isoctano 100% - n-heptano 0% - n-heptano ANTIDETONANTES (a gasolina aditivada)
  • 29.  COMBUSTÃO COMPLETA: Hidrocarboneto + O2 → CO2 + H2O  COMBUSTÕES INCOMPLETAS: Hidrocarboneto + O2 → CO + H2O Hidrocarboneto + O2 → C + H2O
  • 32.  RECICLAR:  1 ton plástico → economiza 130 kg de petróleo;  1 ton de vidro → 70% menos energia que fabricá-lo;  1 ton de papel → poupa 22 árvores; → 71% menos de energia elétrica; → polui o ar 74% menos do que fabricá-la
  • 33. Você sabe responder qual é a substância em cada caixinha preta?
  • 34. Olhando esse fluxograma, você sabe classificar quais são as etapas que tem processos físicos e quais tem processos químicos? Se você respondeu: Processos Físicos  dessalinização e Separação e Processos Químicos  Conversão eTratamento. PARABÉNS! ACERTOU!!!
  • 35. Reportagens sobre petróleo na RevistaVeja Online http://veja.abril.com.br/idade/exclusivo/petroleo/index.html