Sociologia da Globalização e Conhecimento - Fundo Monetário Internacional

830 visualizações

Publicada em

Apresentação académica na disciplina de Sociologia da Globalização e Conhecimento

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
830
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Hello, today l be describing the main characteristics of the global financial system and looking at what difficulties these might raise for governments around the world.
  • Sociologia da Globalização e Conhecimento - Fundo Monetário Internacional

    1. 1. 254,000,000,000,00$
    2. 2. Fundo Monetário Internacional Ricardo Moreira Eduardo Matos Paulo Pestana Sérgio Pinto
    3. 3. Agenda• História• Objectivos• Estrutura• Financiamento• Acções Internacionais• Intervenção em Portugal• Q&A• Bibliografia
    4. 4. História do FMI• Grande Depressão anos 30 e a 2º Grande Guerra Mundial 1939- 1945), várias economias mundiais encontravam-se em crise.• Foram tomadas várias medidas internas e isoladas, de forma a estimular a recuperação das suas economias.• A crise criou uma falta de cooperação no comércio mundial,originando um decréscimo acentuado das trocascomerciais, que por sua vez agravou asnormas laborais e sociais de cada pais.
    5. 5. História• Em Julho de 1944 foi criado o IMF (FMI).• Representantes de 45 países chegaram a acordo para um quadro de cooperação económica• Formalmente o FMI passou a existir em Dezembro de 1945• As suas operações iniciaram-se em Março de 1947, nesse mesmo ano a França tornou-se o primeiro país a contrair empréstimos.
    6. 6. Objectivos• Monitorizar, Assistir, Ajudar• Estimular a cooperação monetária através da existência permanente de uma instituição que faculte o mecanismo necessário de consulta e colaboração dos problemas monetários internacionais.• Procurar a expansão e o crescimento equilibrado do comércio internacional, contribuindo assim para fomentar e manter um elevado nível de actividade e respectivas receitas reais.• Promover a estabilidade da política cambial.
    7. 7. Financiamento e Organização• As decisões são tomadas por sufrágio, mas cada país tem uma percentagem de votos diferente, que é definida pelo contributo de cada um (dólares) ao organismo.• Actualmente o conjunto dos países formado pelo EUA, Alemanha, Japão, Reino Unido e França possuem perto de 40% dos votos de resolução.• A principal fonte de financiamento é o dinheiro disponibilizado por cada estado membro.• Aos países membros é fixada uma quota expressa em dólares, revista cada cinco anos.• O montante é definido, tendo em conta vários critérios, entre os quais o PIB nacional e a sua importância relativamente ao PIB mundial.
    8. 8. Aplicações Disponíveis• Tranche de reservas (empréstimo até 25% da sua quota sem medidas de política).• Tranche de crédito (empréstimo acima dos 25% e exige a adopção de medidas de política do fundo).• Acordo de direito de giro (recursos que são só disponibilizados após a verificação de certos indicadores macroeconómicos).• Serviço ampliado do fundo (SAF) (empréstimo de maior prazo).• Facilidade Reforçada para o Ajustamento Estrutural (FRAE) (empréstimo concedido em condições muito favoráveis aos países de baixo rendimento per capita). Maiores mutuários: Romania, Ukraine, Greece
    9. 9. Críticas• Impõe duras medidas de contenção de gastos públicos (apelidados de cortes “cegos”) aos países aos quais atribuem ajuda financeira;• Tais medidas poderão “asfixiar” o investimento externo que por sua vez retarda o desenvolvimento económico e social necessário;• Alguns autores referem, que vêem o FMI como um organismo dotado de uma agenda particular, com interesses diversos, principalmente dos países que possuem maior numero de cotas(G8);• Perda de soberania. 9
    10. 10. Intervenções com objectivos Sociais• Arménia: investimento social passou de 5.8% para 6.9%• Burundi: Passou de 15.1 para 16.8%• Costa Rica: aumentos de 3%/ano• Jamaica: aumento de 25% em politicas sociais• Guatemala: Aumento para 5.7% do GDP
    11. 11. FMI e Portugal
    12. 12. Objectivos da Troika• Resolver problemas estruturais – reduzir o envolvimento do estado na economia, evitando lucros excessivos, cortando subsídios• Reforçar a política fiscal – Mais• e melhores medidas• Garantir a estabilidade do sistema financeiro – supervisão, regulamentação
    13. 13. Objectivos Financeiros• Reduzir o défice: 12,000 10,068bn€ 10,000 7,645bn€ 8,000 5,224bn€ 6,000 4,000 2,000 0 Défice 2011 2012 2013
    14. 14. Objectivos Sociais• Congelar o aumento de vencimentos• Redução de subsídios• Congelar a admissão de funcionários• Redução de benefícios(ADSE,etc)• Redução de pensões acima de 1500€• Congelamento de projetos(Aeroporto, TGV)
    15. 15. Plano de Financiamento • Total: 78bn€ • FMI: 26bn€ a 3 anos • Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF) + Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira (MEEF):52bn€"As taxas de juro do empréstimo serão de 3,25% no início, mas irão mudando”- Poul Thomsen
    16. 16. Previsões“A economia portuguesa deve começar arecuperar no primeiro semestre de 2013 seas medidas definidas pela troika foremimplementadas”, Poul Thomsen - Chefe damissão do FMI em Portugal
    17. 17. Conclusão• Nasceu de uma necessidade de agilizar o comércio internacional e diminuir as diferenças entre países.• É composto por um sistema de quotas;• Têm vários modelos de acção dependente do tipo de situação, mas principalmente concede capital a taxas de juro mais “justas”.• Não é um modelo perfeito onde alguns factores não são respeitados;• Não é clara a sua eficácia, havendo estudos que corroboram ambas os lados da discussão sendo que a maioria critica o seu papel e eficácia;• A operação de resgaste do FMI em Portugal vai proporcionar ao fundo um acréscimo aproximadamente de 520 milhões de euros.
    18. 18. Bibliografia• 1983. Terapia de choque do FMI agravou a crise mas deu resultados, iOnline, Maio 2011, http://www.ionline.pt/conteudo/116951-1983-terapia-choque-do-fmi-agravou-crise-mas-deu- resultados• Ameco, European Commision – Economic and Finantial Affairs, Maio 2011, http://ec.europa.eu/economy_finance/ameco/user/serie/SelectSerie.cfm• Banco Mundial, Maio 2011, www.worldbank.com• Euro/Crise: Desemprego aumentou desigualdades em Portugal – FMI, Maio de 2011, < http://www.dn.pt/Inicio/interior.aspx?content_id=1850533>• Fundo Monetário Internacional, Maio 2011, <http://pt.wikipedia.org/wiki/Fundo_Monet%C3%A1rio_Internacional>• Grande Enciclopédia Universal” Volume 9 (2004) Edição Durclub, S.A. , Espanha;• International Monetary Fund, Maio 2011, <www.imf.org>• Journal of Development Economics, Vol. 62 _2000. 385–421, The effect of IMF programs on economic growth, Authors: Adam Przeworski, James Raymond Vreeland, Maio 2011, http://www.international.ucla.edu/cms/files/Przeworski_Vreeland.pdf• Políticas Económicas de Desenvolvimento – Autor: António M. de Almeida Serra (Prof. ISEG/UTL – “Económicas"), Maio 2011, <http://www.iseg.utl.pt/disciplinas/mestrados/dci/fmi_1.htm

    ×