SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Rosemeri Camilo de Araújo Zanonato
Prof. André Ricardo Gonçalves Dias
Centro Universitário Leonardo da Vinci – UNIASSELVI
Curso (1175) – Trabalho de Graduação
03/12/2017
RESUMO
Este estudo tem como objetivo investigar a presença da ludicidade na Educação Infantil. Trata-se
de uma pesquisa de natureza básica, com uma abordagem qualitativa. Configura-se em um estudo
de cunho bibliográfico, buscando através da revisão de literatura, autores que contribuíram
sobremaneira para essa temática, como Kishimoto (2011), Piaget (1975), Vygotsky (1994), entre
outros. De forma preliminar, o estudo constatou que existe uma produção bibliográfica e científica
bastante ampla. Também foi possível constatar que alguns dos métodos utilizados na educação
infantil visa exclusivamente ao envolvimento social. Em todo material investigado, a educação
infantil, em sua totalidade utiliza a ludicidade para promover além da socialização, a afetividade e
o desenvolvimento científico.
Palavras-chave: Lúdico. Educação Infantil. Brincar.
1 INTRODUÇÃO
O presente Trabalho de Graduação investiga a presença da ludicidade na Educação
Infantil. Tem como área de concentração Metodologias de Ensino. Busca compreender a
importância da Ludicidade na Educação Infantil. A pesquisa é de cunho bibliográfico, com
embasamento teórico de Kishimoto, Piaget, Vygotsky, entre outros.
Nesta pesquisa buscou-se refletir sobre o uso da ludicidade nas práticas docentes
desenvolvidas no contexto escolar através do estudo bibliográfico. Afinal, o lúdico torna-se uma
prática integral na educação das crianças. Através dos jogos, dos brinquedos, das cantigas, do uso
da música, da brincadeira as crianças aprendem de uma forma prazerosa, diversos conceitos, valores
e aprendizagens que fazem parte do ensinamento das crianças e ludicamente não se está
abandonando a seriedade e a importância dos conteúdos a serem apresentados.
Ao longo da História Constitucional do Brasil (iniciando pela “Carta Imperial”), de 1824
até os dias atuais sob a égide da “Carta Cidadã”, de 1988 (com o objetivo de verificar a educação
vem sendo tratada a nível constitucional (ou seja, se a política educacional brasileira atende aos
2
verdadeiros anseios do cidadão). Aborda-se, assim, a Educação Infantil na atual constituição, na
Legislação Infraconstitucional, o Plano Nacional de Educação (PNE), nos dados estatísticos da
Educação Infantil e finalizando nosso artigo abordaremos a formação dos profissionais da Educação
Infantil.
Nas próximas seções apresentaremos os seguintes tópicos: 2 O Lúdico e seus conceitos na
Educação Infantil; 3 Tipos de Ludicidade; 4 A Educação Infantil e a Legislação; 5 Perspectivas – A
tecnologia presente na ludicidade”; 6 Conclusão; 7 Bibliografia.
2 O LÚDICO E SEUS CONCEITOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Conforme o Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa (2010) “Lúdico é um termo que se
refere a tudo que é relacionado ou próprio de uma diversão, brinquedos, jogos, isto é, uma saída
com a família para um clube aquático, um jogo de cartas; todas estas atividades são lúdicas. A
palavra lúdica é um adjetivo da língua portuguesa com origem no latim ludos, cuja expressão está
relacionada a maneiras de recreação, ou seja, formas de promover a diversão e entretenimento.
Em métodos de aprendizagem e ensino para crianças, o termo lúdico é bastante utilizado, já que o
ato de brincar é considerado o canal de comunicação principal entre os professores e alunos.
“Assim como Jean Piaget,1975 (Kishimoto, 2000, p32), considera essencial a definição de
determinados termos que para a sociedade podem possuir o mesmo sentido: brinquedo,
brincadeiras e jogos. “Para Piaget ao manifestar a conduta lúdica, a criança demonstra o nível de
seus estágios cognitivos e constrói conhecimentos”.
Como já foi dito anteriormente lúdico é um adjetivo masculino originário do latim ludos
que remete para jogos e divertimento, o seu significado e seus conceitos são bem definido para
desenvolver saberes para a vida pessoal e profissional, com o intuito de interagir e intervir em seu
meio social de forma prazerosa. Para que o lúdico contribua na construção do conhecimento faz-
se necessário que o educador direcione toda a criatividade e estabeleça os objetivos fazendo com
que a brincadeira tenha um caráter pedagógico e não uma mera brincadeira, promovendo, assim,
interação social e desenvolvimento de habilidades intelectuais.
A Ludicidade é um assunto extremamente importante para o desenvolvimento da criança
em todos os aspectos, facilita a aprendizagem, o desenvolvimento pessoal, social, cultural e
colabora para uma boa saúde mental, tornando as aulas mais agradáveis. Isso da à criança a
oportunidade de ser livre para criar e imaginar. Estimula a criatividade e a integra com outras
3
crianças. A prática de jogos lúdicos é uma atividade que exerce um importante papel na
socialização das crianças e até da humanidade.
De um modo geral, a forma lúdica de ensinar a criança utilizando-se de jogos,
brincadeiras e brinquedos e o ponto de vista psicológico e pedagógico é de suma importância no
processo de ensino-aprendizagem na Educação Infantil. Segundo Piaget (1975) o universo
lúdico que envolve o brincar, brincadeiras e brinquedos, assunto que vem conquistando espaço
na sociedade principalmente na educação infantil, é fundamental para o início de um
conhecimento no mundo estudantil, pois envolve a curiosidade, a evolução e o crescimento da
criança. O lúdico faz parte das atividades essenciais da dinâmica humana, passando a ser
necessidade básica da personalidade, do corpo e da mente. Isto se confirma ao voltarmos e
analisarmos um pouco a história da humanidade. E ao realizar esta análise podemos perceber a
conduta daqueles que brincam e se divertem. Os jogos são brincadeiras que envolvem certas
regras e referem-se ao comportamento espontâneo nas mais diversas atividades. E o brinquedo é
identificado como objeto da brincadeira.
Kishimoto (2002, p.28) diz que os jogos são criados e recriados pelo homem. “A criança
é um ser em pleno processo de apropriação da cultura, precisando participar dos jogos de uma
forma espontânea e criativa.” Sendo assim, a criança desenvolve a curiosidade pelo
conhecimento necessário para apropriar-se do mundo da cultura. Ainda de acordo com
Kishimoto (2011) “O brinquedo coloca a criança na presença de reprodução, tudo que existe no
cotidiano, a natureza e as construções humanas. Pode-se dizer que um dos objetivos do
brinquedo é dar a criança um substituto aos objetos reais manipulando-os”. (KISHIMOTO,
2009, P.18).
Kishimoto (1993, p.7) afirma: “Cada tempo histórico possui uma hierarquia de valores
que oferece uma organicidade a essa heterogeneidade. São esses valores que orientam a
elaboração de um banco de imagens culturais que se refletem nas concepções da criança e do
seu brincar.” Os homens primitivos, mesmo de maneira rude e peculiar, já demonstravam
curiosidade e envolvimento com as atividades lúdicas ao iniciar uma forma de comunicação por
desenhos, símbolos e formas representativas. Percebemos então que, dotado de um instinto
lúdico natural, o ser humano criou mecanismos de linguagem para comunicar-se. Isso reforça a
ideia de que a ludicidade é uma forma simples e natural de expressão pela qual todos os seres
humanos.
4
No mundo todo, durante a Idade Média, o sentimento de infância não existia. As
crianças, que sobreviviam ao alto índice de mortalidade infantil, à falta de recursos financeiros e
aos problemas decorrentes da escassez de saneamento, passavam a fazer do cotidiano dos mais
velhos e eram tratados como “adultos em miniatura”, participando da vida coletiva, dos jogos e
do trabalho, sem nenhum tipo de expressão social. É bom salientar neste contexto que a
ludicidade não existia, o que ocorria era uma camuflagem, como as crianças eram vistas como
adultos em miniaturas. É importante ressaltar que, para um entendimento do sentido do lúdico, é
necessário ter claro que existe uma forte influência cultural de cada região e povos e também
outros.
É interessante afirmar que o lúdico envolve a efetividade e são aliados no processo de
ensino-aprendizagem da criança neste contexto não envolve cultura, época e classes sociais, os
primeiros sinais de valorização das atividades lúdica tiveram um início no século XVI,
resgatados pelos humanistas, que perceberam o valor educativo das atividades lúdicas. Na
história da infância sempre existiram jogos, brinquedos e brincadeiras como, por exemplo: bolas
de gude, pernas de pau, pular de corda, amarelinha, brincar de esconder, o jogo das pedrinhas, e
muitos desses jogos e brincadeiras foram passados e que existiam no mundo das crianças e hoje
infelizmente se vê muito pouco este tipo de brincadeiras e de jogos antigamente os brinquedos
antigos e jogos eram influenciados pela cultura de cada região.
O lúdico tem tanta influência que hoje é uma visão de um mundo real por criatividades e
descobertas no mundo infantil para o seu desenvolvimento na educação e melhoria mental e
saúde da criança. De acordo com Vygotsky (1984, p.97), “A brincadeira cria para as crianças
uma “zona de desenvolvimento proximal” que não é outra coisa senão a distância entre o nível
atual de desenvolvimento, determinado pela capacidade de resolver independentemente um
problema, e o nível atual de desenvolvimento potencial, determinado através da resolução de um
problema sob a orientação de um adulto ou com a colaboração de um companheiro mais capaz”.
Ainda de acordo com Vygotsky (1984), o lúdico atribui relevante papel ao ato de brincar
na constituição do pensamento infantil. É brincando, jogando, que a criança revela seu estado
cognitivo, visual, auditivo, contato, motor, seu modo de aprender e entrar em uma relação
cognitiva com o mundo de eventos, pessoas, coisas e símbolos. Então, a cada dia se pode
trabalhar e aprender o lúdico que não está somente nas brincadeiras, está também no ler.
As crianças de hoje estão brincando menos a cada dia por pouco tempo, algumas
crianças desenvolvem mais rápido, e reduz a violência do espaço físico e do tempo de brincar. É
5
assim que as crianças têm atividades lúdicas que se preparam para a vida, assimilando a cultura
do meio em que vivem, a ela se integrando, e adaptando ao mundo social.
E falando em mundo social a brinquedoteca que surgiu na década de 60, com o objetivo
de assegurar à criança o direito de brincas e a valorização do empréstimo de brinquedos e
materiais lúdicos. Portanto a definição da brinquedoteca é como uma instituição recreativa,
cultural e publica que pode ser implantado em escolas ou em outros locais tais como, hospitais,
nos centros comunitários, em supermercados, em instituições públicas, em lojas, etc. então a
importância da brinquedoteca na vida das crianças é um momento que ela estão brincando se
aprende e junto o jogo que se bom funcionamento é necessário estar fundamentada em ações
bem definidas que ajudem a desenvolverem os seus raciocínios e o desenvolvimento infantil.
Vale a pena frisar que na brinquedoteca não é necessário ter muitos brinquedos e sim baseado
numa proposta educacional um local lúdico e feliz.
O professor pode ter várias idéias em relação as crianças ao brincarem com elas que
devem ser prazerosas, alegre e divertidas. Vale a pena brincar, brincando.
3. TIPOS DE LUDICIDADE
Como dito anteriormente, as atividades com caráter lúdico podem desenvolver a
criatividade e os conhecimentos através dos jogos, das músicas, da dança, etc. Classifica-se em
três categorias, que tem em comum o brincar. Pois brincando favorece-se o domínio da
motricidade e do desenvolvimento da criança. E cada categoria é desenvolvida conforme os
símbolos e expressões desenvolvidos.
Esta informação é afirmada por Piaget (1975, pg. 66), que diz: “a evolução do jogo na
criança e a forma com que elas aprendem são divididas em três categorias: sensório-motor, o
jogo simbólico e o jogo das regras. “E é também confirmada por Bréscia (2003, p. 81) que
ressalta ‘os jogos musicais podem ser de três tipos que correspondem às fases do
desenvolvimento infantil” Sendo elas:
Sensório-motor: São atividades que relacionam o som e o gesto. As crianças podem fazer
gestos para produzir sons e expressar-se corporalmente para representar o que ouvem ou
cantam. Favorecem o desenvolvimento da motricidade. Um bom exemplo de atividade
sensório-motora é saltar no mesmo lugar com os pés juntos, lançar uma bola de meia dentro
de uma caixa de papelão e andar livremente batendo palmas; mas existem muitos outros.
Essas brincadeiras são jogos que se transformam em músicas e exercícios a serem aplicados
com as crianças desenvolvendo assim o aprendizado na educação. Simbólico: Esta busca
representar o significado da música, o sentimento e a expressão. O som tem a função de
ilustração e de sonoplastia contribuindo para o desenvolvimento da linguagem das crianças.
6
Eis aqui alguns exemplos, brincadeiras de roda (cantando e se movimentando ao mesmo
tempo), modelagem (utilizando argila, massa de modelar ou massa de biscuit), dobraduras
(utilizando vários tipos de papel e diversos modelos) percebendo assim as diferentes
texturas, formas, etc. Analítico ou regras: São jogos que envolvem a estrutura da música,
onde é necessária a organização e a existência de parceiros. O ganhar ou perder toma
proporções bem definidas e por conta disso é indispensável que seja despertado nas
crianças o espírito de cooperação, mecanismos de preparação para a competição sadia.
Essas características ajudam no desenvolvimento do sentido de organização e de disciplina.
Envolvendo assim a música e o físico para se movimentar (dança), a corrida de bastão, a
corrida com obstáculos ou o circuito das dificuldades utilizando diversos materiais como:
pneus, bolas, cordas, entre outros. Como exemplo pode-se citar: Pular Corda: É uma das
brincadeiras mais populares e divertidas da infância e um enorme exercício físico, ideal
para a saúde e os momentos de diversão das crianças. Além de ser uma brincadeira muito
fácil e que exige só mesmo uma corda e energia para pular. A criança tanto pode pular
sozinha como em grupo, tanto em casa, como no colégio ou na rua. Para isso, ela deverá ter
habilidades motoras de saltar com um e dois pés, agachar, girar e equilibrar-se. (SITE
GUIA INFANTIL.COM, visitado em 30/10/2017) Brincar de Bonecas (os): Essa é uma
importante atividade e brincadeira para as crianças na educação infantil. Seja ela para
meninos ou para meninas. Conforme a Pedagogia Waldorf, a(o) boneca(o) representa muito
mais do que um brinquedo, é a expressão dos sentimentos das crianças através da boneca
que demonstra o momento que a mesma está vivendo. As(os) bonecas(os) continuam
ocupando nos dias de hoje um lugar que traz aconchego e afeto, mesmo havendo o
aparecimento, o desenvolvimento e a difusão dos brinquedos mais modernos e com
materiais industrializados. A criança, seja ela menino ou menina, pode brincar sozinha ou
em grupo; em casa, na escola, na praça, etc. (SITE REVISTA CRESCER, visitado em
30/10/2017) Soltar Pipa: A pipa, papagaio de papel, papagaio, pandorga ou raia, é
um brinquedo que voa baseado na oposição entre a força do vento e a da corda segurada
pelo operador. É composta de papel que tem a função de asa, sustentando o brinquedo.
Conforme o modelo pode contar com uma rabiola que pode ser de sacola, que é um adereço
preso na parte inferior para proporcionar estabilidade, aerodinâmica e equilíbrio. É um dos
brinquedos mais utilizados por crianças, adolescentes e até adultos. Pode ser praticado em
qualquer local, mas na maioria das vezes, não há um local apropriado para a prática desta
brincadeira. (CADERNO DE ESTUDOS. LÚDICO MUSICALIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO
INFANTIL, 2011. 272 p/UNIASSELVI). Jogos online: São os jogos eletrônicos jogados
via Internet. Neles, um jogador com um computador, vídeo game ou celular conectado à
rede pode jogar com outros sem que ambos precisem estar no mesmo ambiente, sem sair de
casa, o jogador pode desafiar adversários que estejam em outros lugares do país, ou até do
mundo. Tudo em tempo real, como se o outro estivesse lado a lado, de forma que esta
categoria de jogos abre novas perspectivas de diversão inclusive na educação infantil, pois
nos dias de hoje as crianças estão aprendendo e tendo acesso as redes sócias cada vez mais
cedo. Entre outros. Todas essas brincadeiras e jogos permitem que a criança desenvolva
plenamente seus aspectos, físicos, mentais, cognitivos, emocionais, afetivos. (CADERNO
DE ESTUDOS.LÚDICO MUSICALIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL,2011. 272 p/
UNIASSELVI).
Ludicidade se refere à música, a qualidade do que é lúdico e que é estimulado pelo lúdico.
O conceito de atividades lúdicas está relacionado aos jogos e as brincadeiras na educação infantil
pelo ato de brincar, sendo um componente muito importante para a aprendizagem para as crianças,
a ludicidade desperta prazer, tristeza e desânimo. Isso dá a forma e a criatividade dos
conhecimentos por meio de jogos, música e dança. O lúdico não é somente uma prática de
Pedagogia e nem foi inventada por ela, está presente na maioria na vida humana e com certeza na
educação infantil que é o início da aprendizagem na educação.
Buscar nas pesquisas o processo educativo através do lúdico recurso como, por exemplo, a
utilização da música e dos brinquedos. A utilização de alguns instrumentos musicais, a música
7
como atividade e a construção de músicas com as crianças fazem com que elas venham a explorar
sua criatividade, utilizando mímicas, gestos, trabalhando assim vários aspectos que contribuem para
o crescimento cognitivo.
Ao escutar músicas educativas as crianças não ficam muito tempo sem informação porque
criam diversificados gestos devido às canções que lhes foram apresentadas. Hoje o conhecimento
sobre o lúdico é da importância de toda a humanidade que corresponde a muitos anos de estudos e
progressos que permitam uma aproximação e entendimento do mundo infantil.
Assim abrem-se as possibilidades de intervenção nas escolas e creches de educação básica,
tendo-se o espaço lúdico como principal no desenvolvimento de habilidades e atitudes básicas, que
podem cooperar imensamente, para uma aprendizagem sistematizada nas crianças.
Lúdico se transforma em brincar é uma forma de atividades complexa, que combina o faz
de conta com a realidade. Brincando a criança trabalha com suas mentes e vivência momentos
valiosos de aprendizagem. Ouvir, interpretar e dramatizar todo tipo de música é indispensável para
as crianças, porém as atividades como essas há o incentivo da expressão criadora e da capacidade
de observação. O professor deve apresentar as crianças diferentes ritmos musicais que varia de som
e de instrumentos.
4 A EDUCAÇÃO INFANTIL E A LEGISLAÇÃO
Na atual Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB (9394/96) que trata da
educação em geral e, em especial, a Educação Infantil - isto é, o atendimento a crianças de zero a
seis anos em creches e pré-escolas -, é direito público subjetivo assegurado pela Constituição
Federal de 1988. Abordaremos ainda a eficácia dessa legislação frente aos desafios enfrentados ao
longo dos anos pela educação no Brasil, concluindo, sobre a necessidade ou não de uma ampla
reforma nesse aspecto legislativo.
De acordo com o 29º artigo da LDB (9394/96), atualizada em 02 de março de 2017, a
Educação Infantil é o início da primeira etapa da educação básica, que tem como finalidade o
crescimento integral da criança até os 5 anos de idade, em seus aspectos físicos, psicológicos,
intelectuais e sociais complementando assim a ação da família e da comunidade. Seguindo adiante o
30º artigo, desta mesma Lei (9394/96-17), afirma que a Educação Infantil será oferecida em creches
ou comunidades equivalentes para as crianças de 0 a 3 anos; e em pré-escolas para as crianças de 4
e 5 anos de idade. E concluindo, a LDB da Educação Infantil, o 31º artigo declara que a Educação
8
Infantil não tem um currículo formal, mas é organizada de acordo e respeita as seguintes regras
listadas abaixo:
Avaliação mediante acompanhamento e registro do desenvolvimento das crianças, sem o
objetivo de promoção, mesmo para o acesso ao ensino fundamental; Carga horária mínima
anual de 800 (oitocentas) horas, distribuída por um mínimo de 200 (duzentos) dias de
trabalho educacional; Atendimento à criança de, no mínimo, 4 (quatro) horas diárias para o
turno parcial e de 7 (sete) horas para a jornada integral; Controle de frequência pela
instituição de educação pré-escolar, exigida a frequência mínima de 60% (sessenta por
cento) do total de horas; Expedição de documentação que permita atestar os processos de
desenvolvimento e aprendizagem da criança.
O Referencial Curricular Nacional (1998) para Educação Infantil, documento esse que se
equivale aos Parâmetros Curriculares Nacionais e que embasa os demais segmentos da educação
Básica, foi modificado em 02 de março de 2017. A partir desta data (02/03/2017) os currículos da
educação infantil, do ensino fundamental e do ensino médio devem ter uma base nacional comum, a
ser complementada, em cada sistema de ensino e em cada estabelecimento escolar, por uma parte
diversificada, exigida pelas características regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e
dos educandos. (LDB, 1996 (alterada em 2017), p. 21).
O papel da educação infantil é o cuidar da criança em espaço formal, contemplando a
alimentação, a limpeza e o lazer (brinca). Seu papel também é educar, sempre respeitando o caráter
lúdico das atividades, com ênfase no desenvolvimento das crianças. Na educação infantil não se
alfabetiza as crianças por causa da sua imaturidade. O objetivo é desenvolver algumas capacidades
como, por exemplo, ampliar relações sociais na interação com outras crianças e adultos, conhecer
seu próprio corpo, brincar e se expressar das mais variadas formas utilizando diferentes linguagens
para se comunicar com o outro. Seu objetivo é o desenvolvimento integral das crianças, ou seja, não
apenas o cognitivo, mas sim o físico e o socioemocional. Nesta fase as crianças fazem descobertas e
consequentemente inicia-se o processo de alfabetização.
5 A EDUCAÇÃO NA ATUALIDADE CONCERNENTE A LUDICIDADE
Uma rápida viagem através das constituições brasileiras leva-nos às seguintes
conclusões: A "Constituição Política do Império do Brasil", de 25 de março de 1824, conhecida
por "Carta Imperial "e, a "Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil", de 24 de
fevereiro de 1891, conhecida como "Carta Republicana de 1891", não trataram especificamente
do tema educação. A "Carta Imperial " tinha como principal objetivo consolidar e manter a
independência do Brasil, em razão da resistência oposta pelo Rei de Portugal quanto dos
segmentos da sociedade portuguesa aqui radicada que não se conformavam em perder o domínio
sobre o Brasil Colônia. Do mesmo modo, a "Carta Republicana de 1891" não tratou
9
especificamente da educação que somente foi explicitada a nível constitucional a partir da
"Constituição da Republica dos Estados Unidos do Brasil", de 16 de julho de 1934, seguindo-se
nas demais constituições, cujo apogeu deu-se na atual "Constituição da República Federativa do
Brasil", de 5 de outubro de 1988, também conhecida por "Constituição Cidadã", em razão de ter
como foco de suas ações - o cidadão.
Nesse contexto, a educação foi genericamente tratada pela "Constituição da Republica
dos Estados Unidos do Brasil", de 16 de julho de 1934. O mesmo aconteceu com as demais
constituições: "Constituição dos Estados Unidos do Brasil", de 10 de novembro de 1937;
"Constituição dos Estados Unidos do Brasil", de 18 de setembro de 1946; "Constituição do
Brasil", de 24 de janeiro de 1967; "Constituição da República Federativa do Brasil" ou "Emenda
Constitucional nº 1/69", de 17 de outubro de 1969 e, finalmente, a atual "Constituição da
República Federativa do Brasil", de 5 de outubro de 1988, a "Constituição Cidadã”.
Entretanto, diferentemente das demais, a atual Constituição Federal erigiu a educação ao
status de fundamento da República Federativa do Brasil no artigo 1º, inciso III, ao dispor sobre a
"dignidade da pessoa humana" e, através do artigo 3º, inciso III, que dispõe sobre o objetivo
fundamental a ser alcançado pela República Federativa do Brasil: "erradicar a pobreza e a
marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais". A "Constituição Cidadã" foi mais
além ao dispor no artigo 6º que: "São direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, o lazer, a
segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos
desamparados, na forma da lei".
Verifica-se, portanto, que a "Constituição Cidadã", foi mais ousada que as suas
antecessoras ao elevar a educação ao patamar de direito fundamental, objetivo fundamental e
direito social da República Federativa do Brasil, seguindo, desse modo, a moderna tendência das
atuais Nações Democráticas cujas políticas encontraram-se centradas no bem-estar e na dignidade
da pessoa humana. Essa Constituição Cidadã também analisa a educação nas diversas
constituições brasileiras, detendo-se sobre elementos do contexto onde estas são concebidas.
Apresenta considerações sobre o conjunto dos textos, buscando elucidar aspectos comuns e
diferenças marcantes. Evidencia que a presença da educação nas constituições relaciona-se com o
seu grau de importância.
A educação vem sendo cada vez mais pauta de debates e reivindicações por parte da
população. Nas manifestações populares ocorridas em 2013, embora não tenha sido o assunto
principal ou propulsor dos levantes, constituiu um dos temas mais presentes em cartazes e gritos dos
10
manifestantes. Não é sem razão. A educação é apontada por estudiosos e pesquisadores como uma
forma eficaz de promover o desenvolvimento do indivíduo e da sociedade.
Na perspectiva individual, o indivíduo com maior escolaridade se insere com mais
facilidade no mercado de trabalho, obtém salários e rendimentos melhores, tendo maiores
possibilidades de mobilidade social e rompimento do ciclo da pobreza. Na perspectiva social, uma
população com maior escolaridade se torna mais produtiva no trabalho, gerando maior riqueza e
utilizando melhor os recursos que a sociedade dispõe. Não obstante a importância do ponto de vista
econômico, a maior escolaridade contribui para cidadãos mais conscientes de seu dever cívico,
interessados e engajados em questões políticas, menos propensos a atividades ilícitas e mais
preparados para prevenir doenças e acidentes.
Nesse sentido, a legislação brasileira evoluiu na direção da garantia do direito à educação,
até sua consagração como direito público subjetivo, na Constituição Federal de 1988 (CF/88).
Inicialmente garantida apenas para o ensino fundamental, a universalização do atendimento e
gratuidade tem sido aos poucos expandida para as outras etapas do ensino básico. A Emenda
Constitucional nº 59, de 2009, determinou a universalização dos ensinos infantil e médio,
garantindo acesso para todos os jovens dos 4 aos 17 anos de idade.
A positivação de um direito, porém, não significa sua imediata concretização e efetivação
para os cidadãos. O poder público deve empreender ações e prover a infraestrutura e os serviços
necessários a tal fim. É de se esperar que a compreensão das bases legais e da evolução da
concretização do direito à educação seja de grande valia aos formuladores e gestores de políticas
públicas. Este artigo pretende fornecer uma explanação sobre tal, almejando-se assim contribuir
com o trabalho daqueles que atuam nesse campo tão nobre.
5. MATERIAL E MÉTODOS
O presente estudo trata-se de uma pesquisa de natureza básica, com uma abordagem
qualitativa. Configura-se em um estudo de cunho bibliográfico, buscando através da revisão de
literatura, autores que contribuíram sobremaneira para essa temática, como Kishimoto (2011),
Piaget (1975), Vygotsky (1994), como principais autores.
6. RESULTADOS E DISCUSSÃO
Foi possível perceber, de modo geral, que a ludicidade está presente no universo da
educação infantil. E a evolução dos tempos, a inclusão de tecnologias no mundo infantil não tem
11
sido suficiente para extinguir o universo lúdico. Como podemos perceber, a tecnologia hoje em dia
está em alta principalmente na Educação Infantil, as crianças já pedem celular para os seus pais para
brincarem aborda o uso das tecnologias e como elas podem comprometer a infância, o uso das
tecnologias e como podem comprometer a infância, todavia, no nosso país, isso é relativo, pois em
algumas comunidades de baixa renda, as crianças ainda costumam brincar na rua, utilizando vários
tipos de brincadeiras do universo infantil, que outrora citamos: Jogar bola, pular corda, bola de
gude, pega-pega, bonecas, carrinhos dentre as mais diversas, sendo seu acesso as tecnologias muita
das vezes limitado, restringindo-se apenas a utilização dentro da escola, isso quando há dentro da
instituições salas de informática que ofereçam esse recurso. O papel da informática na educação
infantil no processo de ensino e aprendizagem sofreu muitas transformações ao longo dos anos.
O uso do computador na educação infantil gera mais flexibilidade na educação de hoje nas
creches e escolas com as crianças. Dentre os diferentes tipos de recursos didáticos conhecidos até
hoje, a tecnologia apresenta como diferencial a maior número de recursos disponíveis. Pois através
do computador podemos comunicar-nos, criar desenhos, efetuar cálculos, simular fenômenos entre
outras coisas. Ainda não ouvimos falar de nenhum outro recurso didático que apresente tantas
funções quanto este. E ele é também o recurso tecnológico mais utilizado nos tempos atuais.
As mídias tecnológicas surgiram para facilitar nossas vidas, encurtando assim a distância
entre pessoas, aproximando-as, possibilitando-as de conhecer outras, auxiliam nas creches e
instituições de ensino em geral, no aprendizado e desenvolvimento pedagógico. Mas há também o
lado ruim na era das mídias tecnológicas, porque a internet nos dias de hoje tornou-se um grande
perigo a todos, principalmente, as crianças. Os cuidados com os pequenos na internet são muito
importante, porque com o avanço da tecnologia e o rápido desenvolvimento deles faz com que
aprendam com mais facilidade o acesso a páginas, jogos online, sites que nós adultos. Por mais que
sejamos cuidadosos não temos como saber com quem ou o que nossos pequenos estão interagindo,
quem está do outro lado da tela conversando, jogando online ou postando vídeos para que eles
assistam. No passado isso era mais tranquilo e mais fácil identificar as pessoas de má índole para
com as crianças que aproveitam as oportunidades e distração dos pais. Já hoje tornou-se quase
impossível.
Portanto, este estudo sobre a ludicidade, sobre o universo lúdico, proporcionado pelas
novas tecnologias trazem bons resultados, muitos conhecimentos e cultura. Todo este exagero
reflete nas creches, escolas e instituições pelo o mundo a fora. As crianças têm muita facilidade em
descobrir e aprender as atividades das mídias, as letras de músicas e até as brincadeiras na internet
que a elas são apresentadas. A internet é uma presença crescente na Educação Infantil nos dias de
12
hoje. Ela integrasse as atividades lúdicas propondo sua inserção no mundo virtual. Muita pesquisa
vem sendo desenvolvidas no intuito de facilitar ainda mais a relação das crianças com as diferentes
tecnologias. Mas infelizmente a maioria delas atribui uma perspectiva adulta sobre a essa relação. A
tecnologia na vida das crianças não pode ser proibida, mas deve ser controlada. E se acreditamos
que as tecnologias participam e se modificam em vários aspectos, a concepção de infância também
deve ser revista.
6 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Ao longo da pesquisa sobre ludicidade e suas classificações percebi que todos nós temos
necessidade dela não importando a idade, mas que se aproxima mais das crianças. Poder ocorrer
através de um simples olhar, no brincar, etc. expressando suas emoções, sentimentos e gestos. A
ludicidade torna mais flexíveis os profissionais que se predispuseram a trabalhar com ela na
educação infantil. A ter consciência sobre os benefícios que a ludicidade proporciona, o verdadeiro
sentido da brincadeira e a dedicação.
É um prazer falar sobre a educação infantil, mas ao mesmo tempo muito complicado, pois
é uma das primeiras fases da aprendizagem das crianças junto com o desenvolvimento integral das
mesmas. Houveram mudanças e transformações na Lei das diretrizes e bases da educação (LDB),
lei essa que trata da Educação Infantil e do contexto educacional em geral. No entanto, as mudanças
ainda foram poucas, ainda há muito o que fazer, o que melhorar para que sejamos um país exemplo
na educação do nosso povo. Tudo começa na educação infantil e este é justamente o tópico em que
no momento encontramos os maiores problemas. Nossa educação, alfabetização, ensinos
fundamental e médio, a qualificação e valorização dos nossos profissionais são péssimos!
As crianças estão sempre em permanente construção, seja de caráter ou social. Durante
muito tempo elas não foram consideradas como sujeitos de direito, mas como “robozinhos” vivendo
junto à sociedade. Hoje são consideradas pessoinhas de direito, com opinião própria e identidade.
Tudo isso por causa do Estatuto da Criança e do Adolescente, vugo “ECA”.
Devemos valorizar a infância como ela é e suas mudanças, oferecendo uma educação
adequada e compatível. E neste sentido o educador/professor deve estar disposto e ter
constantemente uma educação continuada. Pensando nisso a LDB proporcionou algumas mudanças
poucas, mas houveram. Agora não falamos mais em Referencial Curricular Nacional, mas em Base
Nacional Comum.
13
A perspectiva tecnológica vem evoluindo a cada dia e nessa evolução elas incluem as
crianças. E com isso podemos observar que por meio dos suportes digitais as crianças jogam,
conversam, trocam conteúdos, compartilham fotos e vídeos nas redes sociais, entre outros.
Incluindo a aprendizagem nos ambientes virtuais específicos a aprendizagem pedagógica. Mesmo
sendo utilizada para o ensino há um cuidado especial dos familiares e professores, pois hoje em dia
as crianças têm acesso a essas tecnologias desde cedo. Tornando-a assim objeto de uso cotidiano.
7 REFERÊNCIAS
EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA, IV. 2009, Belém. Anais. Disponível em:
<http://connepi2009.ifpa.edu.br/connepi-anais/artigos/104_2619_679.pdf>. Acesso em: 1 jun. 2012.
HOLANDA, Aurélio Buarque. Míni Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa - 8ªEd. 2010 – Nova
Ortografia – Positivo Editora
KISHIMOTO, Tizuko Morchida (org). Jogos brinquedo, brincadeira e a educação – 14. Ed-
São Paulo: Costez, 2011.
____________, T.M. (Org.) Jogo, brinquedo, brincadeira e educação. 2. ed. São Paulo: Cortez,
1997.
____________, Tizuko Morchida. Jogos Infantis: O jogo, a Criança e a Educação. Rio de
Janeiro: Vozes, 1993.
LEGISLAÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL
https://pt.wikipedia.org/wiki/Educa%C3%A7%C3%A3o_infantil ( visitado em 31/10/17)
MELO, Fabiana Carbonera Malinveni. Lúdico e Musicalização na Educação Infantil – Indaial:
Uniasselvi, 2011. 272 p.il.Caderno de Estudos.
MOYLES, Janet. Fundamentos da educação infantil: enfrentando o desafio. (tradução Maria
Adriana Verissímo Veronese; Consultora, supervisão técnica: Tânia Ramos Fortuna- Porto Alegre:
Artmed, 2010
PIAGET, Jean. A formação de símbolos na criança. Rio de Janeiro: Zabar, 1975.
SANTA, Marli Pires dos Santos. O brincar na escola - Metodologia Lúdico-vivencial, coletânea
de jogos, brinquedos e dinâmicas 3. Ed – Petrópolis,RJ: Vozes. 2104 (Coleção Brinquedoteca).
SANTOS, Santa Marli Pires dos (org). Brinquedoteca, o lúdico em diferentes contexto. 14 ed-
Petrópolis, RJ: Vozes,2011.
SENADO. Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional (9394/96)
http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/529732/lei_de_diretrizes_e_bases_1ed.pdf
(visitada em 30/08/2017)
Site Eu Sem Fronteiras: https://www.eusemfronteiras.com.br/que-importancia-tem-as-bonecas-na-
vida-da-crianca/ ( visitado em 30/10/2017)
14
Site Guia Infantil: https://br.guiainfantil.com/materias/educacao/jogospular-corda-uma-brincadeira-
saudavel-e-divertida-para-as-criancas/ (visitado em 30/10/2017)
Site Revista Crescer: http://revistacrescer.globo.com/Criancas/Desenvolvimento-
noticia/2014/09/brincar-de-boneca-ajuda-expressar-emocoes.html (visitado em 30/10/2017)
STEUCKS, Cristina Dana- Pedagogia da Educação Infantil. Indaial: Uniasselvi, 2013.
VYGOTSKY,L. S. A Formação social da mente. São paulo: Martins Fontes, 1994

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Jerome Seymour Bruner
Jerome Seymour Bruner Jerome Seymour Bruner
Jerome Seymour Bruner lidiane98
 
A importancia-da-psicomotricidade seminario
A importancia-da-psicomotricidade seminarioA importancia-da-psicomotricidade seminario
A importancia-da-psicomotricidade seminariopatricia vieira
 
Livro digital de Daniela Silva
Livro digital de Daniela SilvaLivro digital de Daniela Silva
Livro digital de Daniela SilvaDaniElaSSilva
 
Construtivismo Pós Piagetiano e Tecnologia
Construtivismo Pós Piagetiano e TecnologiaConstrutivismo Pós Piagetiano e Tecnologia
Construtivismo Pós Piagetiano e TecnologiaRaimundo Nonato
 
PRÁTICAS INTERVERTIVAS NA NEUROPSICOPEDAGOGIA.PDF.pdf
PRÁTICAS INTERVERTIVAS NA NEUROPSICOPEDAGOGIA.PDF.pdfPRÁTICAS INTERVERTIVAS NA NEUROPSICOPEDAGOGIA.PDF.pdf
PRÁTICAS INTERVERTIVAS NA NEUROPSICOPEDAGOGIA.PDF.pdfDemirOliveira
 
Método fônico
Método fônicoMétodo fônico
Método fônicoJoao Silva
 
Orientações Curriculares Para A Educação Infantil Final
Orientações Curriculares Para A Educação Infantil FinalOrientações Curriculares Para A Educação Infantil Final
Orientações Curriculares Para A Educação Infantil FinalMaria Galdino
 
Ребус-метод Л. Штернберга
Ребус-метод   Л. ШтернбергаРебус-метод   Л. Штернберга
Ребус-метод Л. ШтернбергаAniram11
 
Memorial_reflexivo_de_estagio_.docx
Memorial_reflexivo_de_estagio_.docxMemorial_reflexivo_de_estagio_.docx
Memorial_reflexivo_de_estagio_.docxRafael408221
 
O desenho
O desenhoO desenho
O desenhoPTAI
 
Powerpoint a criança e o j i
Powerpoint a criança e o j iPowerpoint a criança e o j i
Powerpoint a criança e o j iBela Catarina
 
Slide ludicidade
Slide ludicidadeSlide ludicidade
Slide ludicidadeGislaine
 

Mais procurados (20)

TEATRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
TEATRO NA EDUCAÇÃO INFANTILTEATRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
TEATRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Jerome Seymour Bruner
Jerome Seymour Bruner Jerome Seymour Bruner
Jerome Seymour Bruner
 
A importancia-da-psicomotricidade seminario
A importancia-da-psicomotricidade seminarioA importancia-da-psicomotricidade seminario
A importancia-da-psicomotricidade seminario
 
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAICSlides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
 
Livro digital de Daniela Silva
Livro digital de Daniela SilvaLivro digital de Daniela Silva
Livro digital de Daniela Silva
 
Construtivismo Pós Piagetiano e Tecnologia
Construtivismo Pós Piagetiano e TecnologiaConstrutivismo Pós Piagetiano e Tecnologia
Construtivismo Pós Piagetiano e Tecnologia
 
Maria Montessori
Maria MontessoriMaria Montessori
Maria Montessori
 
PRÁTICAS INTERVERTIVAS NA NEUROPSICOPEDAGOGIA.PDF.pdf
PRÁTICAS INTERVERTIVAS NA NEUROPSICOPEDAGOGIA.PDF.pdfPRÁTICAS INTERVERTIVAS NA NEUROPSICOPEDAGOGIA.PDF.pdf
PRÁTICAS INTERVERTIVAS NA NEUROPSICOPEDAGOGIA.PDF.pdf
 
Método fônico
Método fônicoMétodo fônico
Método fônico
 
Orientações Curriculares Para A Educação Infantil Final
Orientações Curriculares Para A Educação Infantil FinalOrientações Curriculares Para A Educação Infantil Final
Orientações Curriculares Para A Educação Infantil Final
 
Ppt jogos
Ppt jogosPpt jogos
Ppt jogos
 
Ребус-метод Л. Штернберга
Ребус-метод   Л. ШтернбергаРебус-метод   Л. Штернберга
Ребус-метод Л. Штернберга
 
Psicomotricidade
PsicomotricidadePsicomotricidade
Psicomotricidade
 
Memorial_reflexivo_de_estagio_.docx
Memorial_reflexivo_de_estagio_.docxMemorial_reflexivo_de_estagio_.docx
Memorial_reflexivo_de_estagio_.docx
 
Psicomotricidade Relacional 2.ppt
Psicomotricidade Relacional 2.pptPsicomotricidade Relacional 2.ppt
Psicomotricidade Relacional 2.ppt
 
O desenho
O desenhoO desenho
O desenho
 
Monografia Marivalda Pedagogia 2012
Monografia Marivalda Pedagogia 2012Monografia Marivalda Pedagogia 2012
Monografia Marivalda Pedagogia 2012
 
Projetos variados
Projetos variadosProjetos variados
Projetos variados
 
Powerpoint a criança e o j i
Powerpoint a criança e o j iPowerpoint a criança e o j i
Powerpoint a criança e o j i
 
Slide ludicidade
Slide ludicidadeSlide ludicidade
Slide ludicidade
 

Semelhante a O Lúdico na Educação Infantil

O brincar na educação infantil
O brincar na educação infantilO brincar na educação infantil
O brincar na educação infantilRenata Santana Cruz
 
Brincadeira e ludico na ed infantil
Brincadeira e ludico na ed infantilBrincadeira e ludico na ed infantil
Brincadeira e ludico na ed infantilLuciana Silva
 
4791-32024-1-PB.pdf
4791-32024-1-PB.pdf4791-32024-1-PB.pdf
4791-32024-1-PB.pdfValria13
 
Gt1 educação de_crianças_jovens_e_adultos.a_importância_do_lúdico_no_processo...
Gt1 educação de_crianças_jovens_e_adultos.a_importância_do_lúdico_no_processo...Gt1 educação de_crianças_jovens_e_adultos.a_importância_do_lúdico_no_processo...
Gt1 educação de_crianças_jovens_e_adultos.a_importância_do_lúdico_no_processo...EMS27071992
 
O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: JOGAR, BRINCAR, UMA FORMA DE EDUCAR
O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: JOGAR, BRINCAR, UMA FORMA DE EDUCARO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: JOGAR, BRINCAR, UMA FORMA DE EDUCAR
O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: JOGAR, BRINCAR, UMA FORMA DE EDUCARBrinquedoteca Joana D'Arc
 
O brincar e a criação
O brincar e a criaçãoO brincar e a criação
O brincar e a criaçãoMaria Bersch
 
A relação do jogo, da brincadeira e do brincar simone helen drumond
A relação do jogo, da brincadeira e do brincar simone helen drumondA relação do jogo, da brincadeira e do brincar simone helen drumond
A relação do jogo, da brincadeira e do brincar simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
Paper TRABALHO DE GRADUAÇÃO
Paper TRABALHO DE GRADUAÇÃOPaper TRABALHO DE GRADUAÇÃO
Paper TRABALHO DE GRADUAÇÃOPolliane Almeida
 
A relação entre o brincar e o desenvolvimento infantil,
A relação entre o brincar e o  desenvolvimento infantil,A relação entre o brincar e o  desenvolvimento infantil,
A relação entre o brincar e o desenvolvimento infantil,Caminhos do Autismo
 
A importância dos jogos e brincadeiras na educação infantil
A importância dos jogos e brincadeiras na educação infantilA importância dos jogos e brincadeiras na educação infantil
A importância dos jogos e brincadeiras na educação infantilElaine Costa
 
A Criança e a Cultura Lúdica
A Criança e a Cultura LúdicaA Criança e a Cultura Lúdica
A Criança e a Cultura LúdicaPaula Matos
 
Brincadeiras na educação infantil artigo 29.03
Brincadeiras na educação infantil   artigo  29.03Brincadeiras na educação infantil   artigo  29.03
Brincadeiras na educação infantil artigo 29.03Tom Sales
 

Semelhante a O Lúdico na Educação Infantil (20)

O brincar na educação infantil
O brincar na educação infantilO brincar na educação infantil
O brincar na educação infantil
 
Brincadeira e ludico na ed infantil
Brincadeira e ludico na ed infantilBrincadeira e ludico na ed infantil
Brincadeira e ludico na ed infantil
 
4791-32024-1-PB.pdf
4791-32024-1-PB.pdf4791-32024-1-PB.pdf
4791-32024-1-PB.pdf
 
trabalho feito
trabalho feitotrabalho feito
trabalho feito
 
Gt1 educação de_crianças_jovens_e_adultos.a_importância_do_lúdico_no_processo...
Gt1 educação de_crianças_jovens_e_adultos.a_importância_do_lúdico_no_processo...Gt1 educação de_crianças_jovens_e_adultos.a_importância_do_lúdico_no_processo...
Gt1 educação de_crianças_jovens_e_adultos.a_importância_do_lúdico_no_processo...
 
Monografia Aurelina pedagogia 2010
Monografia  Aurelina pedagogia 2010Monografia  Aurelina pedagogia 2010
Monografia Aurelina pedagogia 2010
 
O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: JOGAR, BRINCAR, UMA FORMA DE EDUCAR
O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: JOGAR, BRINCAR, UMA FORMA DE EDUCARO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: JOGAR, BRINCAR, UMA FORMA DE EDUCAR
O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: JOGAR, BRINCAR, UMA FORMA DE EDUCAR
 
O brincar e a criação
O brincar e a criaçãoO brincar e a criação
O brincar e a criação
 
Prontp
ProntpProntp
Prontp
 
A relação do jogo, da brincadeira e do brincar simone helen drumond
A relação do jogo, da brincadeira e do brincar simone helen drumondA relação do jogo, da brincadeira e do brincar simone helen drumond
A relação do jogo, da brincadeira e do brincar simone helen drumond
 
Bruna sdmara
Bruna sdmaraBruna sdmara
Bruna sdmara
 
Paper TRABALHO DE GRADUAÇÃO
Paper TRABALHO DE GRADUAÇÃOPaper TRABALHO DE GRADUAÇÃO
Paper TRABALHO DE GRADUAÇÃO
 
Artigo7
Artigo7Artigo7
Artigo7
 
A relação entre o brincar e o desenvolvimento infantil,
A relação entre o brincar e o  desenvolvimento infantil,A relação entre o brincar e o  desenvolvimento infantil,
A relação entre o brincar e o desenvolvimento infantil,
 
A importância dos jogos e brincadeiras na educação infantil
A importância dos jogos e brincadeiras na educação infantilA importância dos jogos e brincadeiras na educação infantil
A importância dos jogos e brincadeiras na educação infantil
 
Brincar
BrincarBrincar
Brincar
 
Jucilene priscila
Jucilene priscilaJucilene priscila
Jucilene priscila
 
A Criança e a Cultura Lúdica
A Criança e a Cultura LúdicaA Criança e a Cultura Lúdica
A Criança e a Cultura Lúdica
 
Brincadeiras na educação infantil artigo 29.03
Brincadeiras na educação infantil   artigo  29.03Brincadeiras na educação infantil   artigo  29.03
Brincadeiras na educação infantil artigo 29.03
 
Ludiccdd
LudiccddLudiccdd
Ludiccdd
 

Último

Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 

Último (20)

Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 

O Lúdico na Educação Infantil

  • 1. O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosemeri Camilo de Araújo Zanonato Prof. André Ricardo Gonçalves Dias Centro Universitário Leonardo da Vinci – UNIASSELVI Curso (1175) – Trabalho de Graduação 03/12/2017 RESUMO Este estudo tem como objetivo investigar a presença da ludicidade na Educação Infantil. Trata-se de uma pesquisa de natureza básica, com uma abordagem qualitativa. Configura-se em um estudo de cunho bibliográfico, buscando através da revisão de literatura, autores que contribuíram sobremaneira para essa temática, como Kishimoto (2011), Piaget (1975), Vygotsky (1994), entre outros. De forma preliminar, o estudo constatou que existe uma produção bibliográfica e científica bastante ampla. Também foi possível constatar que alguns dos métodos utilizados na educação infantil visa exclusivamente ao envolvimento social. Em todo material investigado, a educação infantil, em sua totalidade utiliza a ludicidade para promover além da socialização, a afetividade e o desenvolvimento científico. Palavras-chave: Lúdico. Educação Infantil. Brincar. 1 INTRODUÇÃO O presente Trabalho de Graduação investiga a presença da ludicidade na Educação Infantil. Tem como área de concentração Metodologias de Ensino. Busca compreender a importância da Ludicidade na Educação Infantil. A pesquisa é de cunho bibliográfico, com embasamento teórico de Kishimoto, Piaget, Vygotsky, entre outros. Nesta pesquisa buscou-se refletir sobre o uso da ludicidade nas práticas docentes desenvolvidas no contexto escolar através do estudo bibliográfico. Afinal, o lúdico torna-se uma prática integral na educação das crianças. Através dos jogos, dos brinquedos, das cantigas, do uso da música, da brincadeira as crianças aprendem de uma forma prazerosa, diversos conceitos, valores e aprendizagens que fazem parte do ensinamento das crianças e ludicamente não se está abandonando a seriedade e a importância dos conteúdos a serem apresentados. Ao longo da História Constitucional do Brasil (iniciando pela “Carta Imperial”), de 1824 até os dias atuais sob a égide da “Carta Cidadã”, de 1988 (com o objetivo de verificar a educação vem sendo tratada a nível constitucional (ou seja, se a política educacional brasileira atende aos
  • 2. 2 verdadeiros anseios do cidadão). Aborda-se, assim, a Educação Infantil na atual constituição, na Legislação Infraconstitucional, o Plano Nacional de Educação (PNE), nos dados estatísticos da Educação Infantil e finalizando nosso artigo abordaremos a formação dos profissionais da Educação Infantil. Nas próximas seções apresentaremos os seguintes tópicos: 2 O Lúdico e seus conceitos na Educação Infantil; 3 Tipos de Ludicidade; 4 A Educação Infantil e a Legislação; 5 Perspectivas – A tecnologia presente na ludicidade”; 6 Conclusão; 7 Bibliografia. 2 O LÚDICO E SEUS CONCEITOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Conforme o Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa (2010) “Lúdico é um termo que se refere a tudo que é relacionado ou próprio de uma diversão, brinquedos, jogos, isto é, uma saída com a família para um clube aquático, um jogo de cartas; todas estas atividades são lúdicas. A palavra lúdica é um adjetivo da língua portuguesa com origem no latim ludos, cuja expressão está relacionada a maneiras de recreação, ou seja, formas de promover a diversão e entretenimento. Em métodos de aprendizagem e ensino para crianças, o termo lúdico é bastante utilizado, já que o ato de brincar é considerado o canal de comunicação principal entre os professores e alunos. “Assim como Jean Piaget,1975 (Kishimoto, 2000, p32), considera essencial a definição de determinados termos que para a sociedade podem possuir o mesmo sentido: brinquedo, brincadeiras e jogos. “Para Piaget ao manifestar a conduta lúdica, a criança demonstra o nível de seus estágios cognitivos e constrói conhecimentos”. Como já foi dito anteriormente lúdico é um adjetivo masculino originário do latim ludos que remete para jogos e divertimento, o seu significado e seus conceitos são bem definido para desenvolver saberes para a vida pessoal e profissional, com o intuito de interagir e intervir em seu meio social de forma prazerosa. Para que o lúdico contribua na construção do conhecimento faz- se necessário que o educador direcione toda a criatividade e estabeleça os objetivos fazendo com que a brincadeira tenha um caráter pedagógico e não uma mera brincadeira, promovendo, assim, interação social e desenvolvimento de habilidades intelectuais. A Ludicidade é um assunto extremamente importante para o desenvolvimento da criança em todos os aspectos, facilita a aprendizagem, o desenvolvimento pessoal, social, cultural e colabora para uma boa saúde mental, tornando as aulas mais agradáveis. Isso da à criança a oportunidade de ser livre para criar e imaginar. Estimula a criatividade e a integra com outras
  • 3. 3 crianças. A prática de jogos lúdicos é uma atividade que exerce um importante papel na socialização das crianças e até da humanidade. De um modo geral, a forma lúdica de ensinar a criança utilizando-se de jogos, brincadeiras e brinquedos e o ponto de vista psicológico e pedagógico é de suma importância no processo de ensino-aprendizagem na Educação Infantil. Segundo Piaget (1975) o universo lúdico que envolve o brincar, brincadeiras e brinquedos, assunto que vem conquistando espaço na sociedade principalmente na educação infantil, é fundamental para o início de um conhecimento no mundo estudantil, pois envolve a curiosidade, a evolução e o crescimento da criança. O lúdico faz parte das atividades essenciais da dinâmica humana, passando a ser necessidade básica da personalidade, do corpo e da mente. Isto se confirma ao voltarmos e analisarmos um pouco a história da humanidade. E ao realizar esta análise podemos perceber a conduta daqueles que brincam e se divertem. Os jogos são brincadeiras que envolvem certas regras e referem-se ao comportamento espontâneo nas mais diversas atividades. E o brinquedo é identificado como objeto da brincadeira. Kishimoto (2002, p.28) diz que os jogos são criados e recriados pelo homem. “A criança é um ser em pleno processo de apropriação da cultura, precisando participar dos jogos de uma forma espontânea e criativa.” Sendo assim, a criança desenvolve a curiosidade pelo conhecimento necessário para apropriar-se do mundo da cultura. Ainda de acordo com Kishimoto (2011) “O brinquedo coloca a criança na presença de reprodução, tudo que existe no cotidiano, a natureza e as construções humanas. Pode-se dizer que um dos objetivos do brinquedo é dar a criança um substituto aos objetos reais manipulando-os”. (KISHIMOTO, 2009, P.18). Kishimoto (1993, p.7) afirma: “Cada tempo histórico possui uma hierarquia de valores que oferece uma organicidade a essa heterogeneidade. São esses valores que orientam a elaboração de um banco de imagens culturais que se refletem nas concepções da criança e do seu brincar.” Os homens primitivos, mesmo de maneira rude e peculiar, já demonstravam curiosidade e envolvimento com as atividades lúdicas ao iniciar uma forma de comunicação por desenhos, símbolos e formas representativas. Percebemos então que, dotado de um instinto lúdico natural, o ser humano criou mecanismos de linguagem para comunicar-se. Isso reforça a ideia de que a ludicidade é uma forma simples e natural de expressão pela qual todos os seres humanos.
  • 4. 4 No mundo todo, durante a Idade Média, o sentimento de infância não existia. As crianças, que sobreviviam ao alto índice de mortalidade infantil, à falta de recursos financeiros e aos problemas decorrentes da escassez de saneamento, passavam a fazer do cotidiano dos mais velhos e eram tratados como “adultos em miniatura”, participando da vida coletiva, dos jogos e do trabalho, sem nenhum tipo de expressão social. É bom salientar neste contexto que a ludicidade não existia, o que ocorria era uma camuflagem, como as crianças eram vistas como adultos em miniaturas. É importante ressaltar que, para um entendimento do sentido do lúdico, é necessário ter claro que existe uma forte influência cultural de cada região e povos e também outros. É interessante afirmar que o lúdico envolve a efetividade e são aliados no processo de ensino-aprendizagem da criança neste contexto não envolve cultura, época e classes sociais, os primeiros sinais de valorização das atividades lúdica tiveram um início no século XVI, resgatados pelos humanistas, que perceberam o valor educativo das atividades lúdicas. Na história da infância sempre existiram jogos, brinquedos e brincadeiras como, por exemplo: bolas de gude, pernas de pau, pular de corda, amarelinha, brincar de esconder, o jogo das pedrinhas, e muitos desses jogos e brincadeiras foram passados e que existiam no mundo das crianças e hoje infelizmente se vê muito pouco este tipo de brincadeiras e de jogos antigamente os brinquedos antigos e jogos eram influenciados pela cultura de cada região. O lúdico tem tanta influência que hoje é uma visão de um mundo real por criatividades e descobertas no mundo infantil para o seu desenvolvimento na educação e melhoria mental e saúde da criança. De acordo com Vygotsky (1984, p.97), “A brincadeira cria para as crianças uma “zona de desenvolvimento proximal” que não é outra coisa senão a distância entre o nível atual de desenvolvimento, determinado pela capacidade de resolver independentemente um problema, e o nível atual de desenvolvimento potencial, determinado através da resolução de um problema sob a orientação de um adulto ou com a colaboração de um companheiro mais capaz”. Ainda de acordo com Vygotsky (1984), o lúdico atribui relevante papel ao ato de brincar na constituição do pensamento infantil. É brincando, jogando, que a criança revela seu estado cognitivo, visual, auditivo, contato, motor, seu modo de aprender e entrar em uma relação cognitiva com o mundo de eventos, pessoas, coisas e símbolos. Então, a cada dia se pode trabalhar e aprender o lúdico que não está somente nas brincadeiras, está também no ler. As crianças de hoje estão brincando menos a cada dia por pouco tempo, algumas crianças desenvolvem mais rápido, e reduz a violência do espaço físico e do tempo de brincar. É
  • 5. 5 assim que as crianças têm atividades lúdicas que se preparam para a vida, assimilando a cultura do meio em que vivem, a ela se integrando, e adaptando ao mundo social. E falando em mundo social a brinquedoteca que surgiu na década de 60, com o objetivo de assegurar à criança o direito de brincas e a valorização do empréstimo de brinquedos e materiais lúdicos. Portanto a definição da brinquedoteca é como uma instituição recreativa, cultural e publica que pode ser implantado em escolas ou em outros locais tais como, hospitais, nos centros comunitários, em supermercados, em instituições públicas, em lojas, etc. então a importância da brinquedoteca na vida das crianças é um momento que ela estão brincando se aprende e junto o jogo que se bom funcionamento é necessário estar fundamentada em ações bem definidas que ajudem a desenvolverem os seus raciocínios e o desenvolvimento infantil. Vale a pena frisar que na brinquedoteca não é necessário ter muitos brinquedos e sim baseado numa proposta educacional um local lúdico e feliz. O professor pode ter várias idéias em relação as crianças ao brincarem com elas que devem ser prazerosas, alegre e divertidas. Vale a pena brincar, brincando. 3. TIPOS DE LUDICIDADE Como dito anteriormente, as atividades com caráter lúdico podem desenvolver a criatividade e os conhecimentos através dos jogos, das músicas, da dança, etc. Classifica-se em três categorias, que tem em comum o brincar. Pois brincando favorece-se o domínio da motricidade e do desenvolvimento da criança. E cada categoria é desenvolvida conforme os símbolos e expressões desenvolvidos. Esta informação é afirmada por Piaget (1975, pg. 66), que diz: “a evolução do jogo na criança e a forma com que elas aprendem são divididas em três categorias: sensório-motor, o jogo simbólico e o jogo das regras. “E é também confirmada por Bréscia (2003, p. 81) que ressalta ‘os jogos musicais podem ser de três tipos que correspondem às fases do desenvolvimento infantil” Sendo elas: Sensório-motor: São atividades que relacionam o som e o gesto. As crianças podem fazer gestos para produzir sons e expressar-se corporalmente para representar o que ouvem ou cantam. Favorecem o desenvolvimento da motricidade. Um bom exemplo de atividade sensório-motora é saltar no mesmo lugar com os pés juntos, lançar uma bola de meia dentro de uma caixa de papelão e andar livremente batendo palmas; mas existem muitos outros. Essas brincadeiras são jogos que se transformam em músicas e exercícios a serem aplicados com as crianças desenvolvendo assim o aprendizado na educação. Simbólico: Esta busca representar o significado da música, o sentimento e a expressão. O som tem a função de ilustração e de sonoplastia contribuindo para o desenvolvimento da linguagem das crianças.
  • 6. 6 Eis aqui alguns exemplos, brincadeiras de roda (cantando e se movimentando ao mesmo tempo), modelagem (utilizando argila, massa de modelar ou massa de biscuit), dobraduras (utilizando vários tipos de papel e diversos modelos) percebendo assim as diferentes texturas, formas, etc. Analítico ou regras: São jogos que envolvem a estrutura da música, onde é necessária a organização e a existência de parceiros. O ganhar ou perder toma proporções bem definidas e por conta disso é indispensável que seja despertado nas crianças o espírito de cooperação, mecanismos de preparação para a competição sadia. Essas características ajudam no desenvolvimento do sentido de organização e de disciplina. Envolvendo assim a música e o físico para se movimentar (dança), a corrida de bastão, a corrida com obstáculos ou o circuito das dificuldades utilizando diversos materiais como: pneus, bolas, cordas, entre outros. Como exemplo pode-se citar: Pular Corda: É uma das brincadeiras mais populares e divertidas da infância e um enorme exercício físico, ideal para a saúde e os momentos de diversão das crianças. Além de ser uma brincadeira muito fácil e que exige só mesmo uma corda e energia para pular. A criança tanto pode pular sozinha como em grupo, tanto em casa, como no colégio ou na rua. Para isso, ela deverá ter habilidades motoras de saltar com um e dois pés, agachar, girar e equilibrar-se. (SITE GUIA INFANTIL.COM, visitado em 30/10/2017) Brincar de Bonecas (os): Essa é uma importante atividade e brincadeira para as crianças na educação infantil. Seja ela para meninos ou para meninas. Conforme a Pedagogia Waldorf, a(o) boneca(o) representa muito mais do que um brinquedo, é a expressão dos sentimentos das crianças através da boneca que demonstra o momento que a mesma está vivendo. As(os) bonecas(os) continuam ocupando nos dias de hoje um lugar que traz aconchego e afeto, mesmo havendo o aparecimento, o desenvolvimento e a difusão dos brinquedos mais modernos e com materiais industrializados. A criança, seja ela menino ou menina, pode brincar sozinha ou em grupo; em casa, na escola, na praça, etc. (SITE REVISTA CRESCER, visitado em 30/10/2017) Soltar Pipa: A pipa, papagaio de papel, papagaio, pandorga ou raia, é um brinquedo que voa baseado na oposição entre a força do vento e a da corda segurada pelo operador. É composta de papel que tem a função de asa, sustentando o brinquedo. Conforme o modelo pode contar com uma rabiola que pode ser de sacola, que é um adereço preso na parte inferior para proporcionar estabilidade, aerodinâmica e equilíbrio. É um dos brinquedos mais utilizados por crianças, adolescentes e até adultos. Pode ser praticado em qualquer local, mas na maioria das vezes, não há um local apropriado para a prática desta brincadeira. (CADERNO DE ESTUDOS. LÚDICO MUSICALIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL, 2011. 272 p/UNIASSELVI). Jogos online: São os jogos eletrônicos jogados via Internet. Neles, um jogador com um computador, vídeo game ou celular conectado à rede pode jogar com outros sem que ambos precisem estar no mesmo ambiente, sem sair de casa, o jogador pode desafiar adversários que estejam em outros lugares do país, ou até do mundo. Tudo em tempo real, como se o outro estivesse lado a lado, de forma que esta categoria de jogos abre novas perspectivas de diversão inclusive na educação infantil, pois nos dias de hoje as crianças estão aprendendo e tendo acesso as redes sócias cada vez mais cedo. Entre outros. Todas essas brincadeiras e jogos permitem que a criança desenvolva plenamente seus aspectos, físicos, mentais, cognitivos, emocionais, afetivos. (CADERNO DE ESTUDOS.LÚDICO MUSICALIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL,2011. 272 p/ UNIASSELVI). Ludicidade se refere à música, a qualidade do que é lúdico e que é estimulado pelo lúdico. O conceito de atividades lúdicas está relacionado aos jogos e as brincadeiras na educação infantil pelo ato de brincar, sendo um componente muito importante para a aprendizagem para as crianças, a ludicidade desperta prazer, tristeza e desânimo. Isso dá a forma e a criatividade dos conhecimentos por meio de jogos, música e dança. O lúdico não é somente uma prática de Pedagogia e nem foi inventada por ela, está presente na maioria na vida humana e com certeza na educação infantil que é o início da aprendizagem na educação. Buscar nas pesquisas o processo educativo através do lúdico recurso como, por exemplo, a utilização da música e dos brinquedos. A utilização de alguns instrumentos musicais, a música
  • 7. 7 como atividade e a construção de músicas com as crianças fazem com que elas venham a explorar sua criatividade, utilizando mímicas, gestos, trabalhando assim vários aspectos que contribuem para o crescimento cognitivo. Ao escutar músicas educativas as crianças não ficam muito tempo sem informação porque criam diversificados gestos devido às canções que lhes foram apresentadas. Hoje o conhecimento sobre o lúdico é da importância de toda a humanidade que corresponde a muitos anos de estudos e progressos que permitam uma aproximação e entendimento do mundo infantil. Assim abrem-se as possibilidades de intervenção nas escolas e creches de educação básica, tendo-se o espaço lúdico como principal no desenvolvimento de habilidades e atitudes básicas, que podem cooperar imensamente, para uma aprendizagem sistematizada nas crianças. Lúdico se transforma em brincar é uma forma de atividades complexa, que combina o faz de conta com a realidade. Brincando a criança trabalha com suas mentes e vivência momentos valiosos de aprendizagem. Ouvir, interpretar e dramatizar todo tipo de música é indispensável para as crianças, porém as atividades como essas há o incentivo da expressão criadora e da capacidade de observação. O professor deve apresentar as crianças diferentes ritmos musicais que varia de som e de instrumentos. 4 A EDUCAÇÃO INFANTIL E A LEGISLAÇÃO Na atual Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB (9394/96) que trata da educação em geral e, em especial, a Educação Infantil - isto é, o atendimento a crianças de zero a seis anos em creches e pré-escolas -, é direito público subjetivo assegurado pela Constituição Federal de 1988. Abordaremos ainda a eficácia dessa legislação frente aos desafios enfrentados ao longo dos anos pela educação no Brasil, concluindo, sobre a necessidade ou não de uma ampla reforma nesse aspecto legislativo. De acordo com o 29º artigo da LDB (9394/96), atualizada em 02 de março de 2017, a Educação Infantil é o início da primeira etapa da educação básica, que tem como finalidade o crescimento integral da criança até os 5 anos de idade, em seus aspectos físicos, psicológicos, intelectuais e sociais complementando assim a ação da família e da comunidade. Seguindo adiante o 30º artigo, desta mesma Lei (9394/96-17), afirma que a Educação Infantil será oferecida em creches ou comunidades equivalentes para as crianças de 0 a 3 anos; e em pré-escolas para as crianças de 4 e 5 anos de idade. E concluindo, a LDB da Educação Infantil, o 31º artigo declara que a Educação
  • 8. 8 Infantil não tem um currículo formal, mas é organizada de acordo e respeita as seguintes regras listadas abaixo: Avaliação mediante acompanhamento e registro do desenvolvimento das crianças, sem o objetivo de promoção, mesmo para o acesso ao ensino fundamental; Carga horária mínima anual de 800 (oitocentas) horas, distribuída por um mínimo de 200 (duzentos) dias de trabalho educacional; Atendimento à criança de, no mínimo, 4 (quatro) horas diárias para o turno parcial e de 7 (sete) horas para a jornada integral; Controle de frequência pela instituição de educação pré-escolar, exigida a frequência mínima de 60% (sessenta por cento) do total de horas; Expedição de documentação que permita atestar os processos de desenvolvimento e aprendizagem da criança. O Referencial Curricular Nacional (1998) para Educação Infantil, documento esse que se equivale aos Parâmetros Curriculares Nacionais e que embasa os demais segmentos da educação Básica, foi modificado em 02 de março de 2017. A partir desta data (02/03/2017) os currículos da educação infantil, do ensino fundamental e do ensino médio devem ter uma base nacional comum, a ser complementada, em cada sistema de ensino e em cada estabelecimento escolar, por uma parte diversificada, exigida pelas características regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e dos educandos. (LDB, 1996 (alterada em 2017), p. 21). O papel da educação infantil é o cuidar da criança em espaço formal, contemplando a alimentação, a limpeza e o lazer (brinca). Seu papel também é educar, sempre respeitando o caráter lúdico das atividades, com ênfase no desenvolvimento das crianças. Na educação infantil não se alfabetiza as crianças por causa da sua imaturidade. O objetivo é desenvolver algumas capacidades como, por exemplo, ampliar relações sociais na interação com outras crianças e adultos, conhecer seu próprio corpo, brincar e se expressar das mais variadas formas utilizando diferentes linguagens para se comunicar com o outro. Seu objetivo é o desenvolvimento integral das crianças, ou seja, não apenas o cognitivo, mas sim o físico e o socioemocional. Nesta fase as crianças fazem descobertas e consequentemente inicia-se o processo de alfabetização. 5 A EDUCAÇÃO NA ATUALIDADE CONCERNENTE A LUDICIDADE Uma rápida viagem através das constituições brasileiras leva-nos às seguintes conclusões: A "Constituição Política do Império do Brasil", de 25 de março de 1824, conhecida por "Carta Imperial "e, a "Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil", de 24 de fevereiro de 1891, conhecida como "Carta Republicana de 1891", não trataram especificamente do tema educação. A "Carta Imperial " tinha como principal objetivo consolidar e manter a independência do Brasil, em razão da resistência oposta pelo Rei de Portugal quanto dos segmentos da sociedade portuguesa aqui radicada que não se conformavam em perder o domínio sobre o Brasil Colônia. Do mesmo modo, a "Carta Republicana de 1891" não tratou
  • 9. 9 especificamente da educação que somente foi explicitada a nível constitucional a partir da "Constituição da Republica dos Estados Unidos do Brasil", de 16 de julho de 1934, seguindo-se nas demais constituições, cujo apogeu deu-se na atual "Constituição da República Federativa do Brasil", de 5 de outubro de 1988, também conhecida por "Constituição Cidadã", em razão de ter como foco de suas ações - o cidadão. Nesse contexto, a educação foi genericamente tratada pela "Constituição da Republica dos Estados Unidos do Brasil", de 16 de julho de 1934. O mesmo aconteceu com as demais constituições: "Constituição dos Estados Unidos do Brasil", de 10 de novembro de 1937; "Constituição dos Estados Unidos do Brasil", de 18 de setembro de 1946; "Constituição do Brasil", de 24 de janeiro de 1967; "Constituição da República Federativa do Brasil" ou "Emenda Constitucional nº 1/69", de 17 de outubro de 1969 e, finalmente, a atual "Constituição da República Federativa do Brasil", de 5 de outubro de 1988, a "Constituição Cidadã”. Entretanto, diferentemente das demais, a atual Constituição Federal erigiu a educação ao status de fundamento da República Federativa do Brasil no artigo 1º, inciso III, ao dispor sobre a "dignidade da pessoa humana" e, através do artigo 3º, inciso III, que dispõe sobre o objetivo fundamental a ser alcançado pela República Federativa do Brasil: "erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais". A "Constituição Cidadã" foi mais além ao dispor no artigo 6º que: "São direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma da lei". Verifica-se, portanto, que a "Constituição Cidadã", foi mais ousada que as suas antecessoras ao elevar a educação ao patamar de direito fundamental, objetivo fundamental e direito social da República Federativa do Brasil, seguindo, desse modo, a moderna tendência das atuais Nações Democráticas cujas políticas encontraram-se centradas no bem-estar e na dignidade da pessoa humana. Essa Constituição Cidadã também analisa a educação nas diversas constituições brasileiras, detendo-se sobre elementos do contexto onde estas são concebidas. Apresenta considerações sobre o conjunto dos textos, buscando elucidar aspectos comuns e diferenças marcantes. Evidencia que a presença da educação nas constituições relaciona-se com o seu grau de importância. A educação vem sendo cada vez mais pauta de debates e reivindicações por parte da população. Nas manifestações populares ocorridas em 2013, embora não tenha sido o assunto principal ou propulsor dos levantes, constituiu um dos temas mais presentes em cartazes e gritos dos
  • 10. 10 manifestantes. Não é sem razão. A educação é apontada por estudiosos e pesquisadores como uma forma eficaz de promover o desenvolvimento do indivíduo e da sociedade. Na perspectiva individual, o indivíduo com maior escolaridade se insere com mais facilidade no mercado de trabalho, obtém salários e rendimentos melhores, tendo maiores possibilidades de mobilidade social e rompimento do ciclo da pobreza. Na perspectiva social, uma população com maior escolaridade se torna mais produtiva no trabalho, gerando maior riqueza e utilizando melhor os recursos que a sociedade dispõe. Não obstante a importância do ponto de vista econômico, a maior escolaridade contribui para cidadãos mais conscientes de seu dever cívico, interessados e engajados em questões políticas, menos propensos a atividades ilícitas e mais preparados para prevenir doenças e acidentes. Nesse sentido, a legislação brasileira evoluiu na direção da garantia do direito à educação, até sua consagração como direito público subjetivo, na Constituição Federal de 1988 (CF/88). Inicialmente garantida apenas para o ensino fundamental, a universalização do atendimento e gratuidade tem sido aos poucos expandida para as outras etapas do ensino básico. A Emenda Constitucional nº 59, de 2009, determinou a universalização dos ensinos infantil e médio, garantindo acesso para todos os jovens dos 4 aos 17 anos de idade. A positivação de um direito, porém, não significa sua imediata concretização e efetivação para os cidadãos. O poder público deve empreender ações e prover a infraestrutura e os serviços necessários a tal fim. É de se esperar que a compreensão das bases legais e da evolução da concretização do direito à educação seja de grande valia aos formuladores e gestores de políticas públicas. Este artigo pretende fornecer uma explanação sobre tal, almejando-se assim contribuir com o trabalho daqueles que atuam nesse campo tão nobre. 5. MATERIAL E MÉTODOS O presente estudo trata-se de uma pesquisa de natureza básica, com uma abordagem qualitativa. Configura-se em um estudo de cunho bibliográfico, buscando através da revisão de literatura, autores que contribuíram sobremaneira para essa temática, como Kishimoto (2011), Piaget (1975), Vygotsky (1994), como principais autores. 6. RESULTADOS E DISCUSSÃO Foi possível perceber, de modo geral, que a ludicidade está presente no universo da educação infantil. E a evolução dos tempos, a inclusão de tecnologias no mundo infantil não tem
  • 11. 11 sido suficiente para extinguir o universo lúdico. Como podemos perceber, a tecnologia hoje em dia está em alta principalmente na Educação Infantil, as crianças já pedem celular para os seus pais para brincarem aborda o uso das tecnologias e como elas podem comprometer a infância, o uso das tecnologias e como podem comprometer a infância, todavia, no nosso país, isso é relativo, pois em algumas comunidades de baixa renda, as crianças ainda costumam brincar na rua, utilizando vários tipos de brincadeiras do universo infantil, que outrora citamos: Jogar bola, pular corda, bola de gude, pega-pega, bonecas, carrinhos dentre as mais diversas, sendo seu acesso as tecnologias muita das vezes limitado, restringindo-se apenas a utilização dentro da escola, isso quando há dentro da instituições salas de informática que ofereçam esse recurso. O papel da informática na educação infantil no processo de ensino e aprendizagem sofreu muitas transformações ao longo dos anos. O uso do computador na educação infantil gera mais flexibilidade na educação de hoje nas creches e escolas com as crianças. Dentre os diferentes tipos de recursos didáticos conhecidos até hoje, a tecnologia apresenta como diferencial a maior número de recursos disponíveis. Pois através do computador podemos comunicar-nos, criar desenhos, efetuar cálculos, simular fenômenos entre outras coisas. Ainda não ouvimos falar de nenhum outro recurso didático que apresente tantas funções quanto este. E ele é também o recurso tecnológico mais utilizado nos tempos atuais. As mídias tecnológicas surgiram para facilitar nossas vidas, encurtando assim a distância entre pessoas, aproximando-as, possibilitando-as de conhecer outras, auxiliam nas creches e instituições de ensino em geral, no aprendizado e desenvolvimento pedagógico. Mas há também o lado ruim na era das mídias tecnológicas, porque a internet nos dias de hoje tornou-se um grande perigo a todos, principalmente, as crianças. Os cuidados com os pequenos na internet são muito importante, porque com o avanço da tecnologia e o rápido desenvolvimento deles faz com que aprendam com mais facilidade o acesso a páginas, jogos online, sites que nós adultos. Por mais que sejamos cuidadosos não temos como saber com quem ou o que nossos pequenos estão interagindo, quem está do outro lado da tela conversando, jogando online ou postando vídeos para que eles assistam. No passado isso era mais tranquilo e mais fácil identificar as pessoas de má índole para com as crianças que aproveitam as oportunidades e distração dos pais. Já hoje tornou-se quase impossível. Portanto, este estudo sobre a ludicidade, sobre o universo lúdico, proporcionado pelas novas tecnologias trazem bons resultados, muitos conhecimentos e cultura. Todo este exagero reflete nas creches, escolas e instituições pelo o mundo a fora. As crianças têm muita facilidade em descobrir e aprender as atividades das mídias, as letras de músicas e até as brincadeiras na internet que a elas são apresentadas. A internet é uma presença crescente na Educação Infantil nos dias de
  • 12. 12 hoje. Ela integrasse as atividades lúdicas propondo sua inserção no mundo virtual. Muita pesquisa vem sendo desenvolvidas no intuito de facilitar ainda mais a relação das crianças com as diferentes tecnologias. Mas infelizmente a maioria delas atribui uma perspectiva adulta sobre a essa relação. A tecnologia na vida das crianças não pode ser proibida, mas deve ser controlada. E se acreditamos que as tecnologias participam e se modificam em vários aspectos, a concepção de infância também deve ser revista. 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao longo da pesquisa sobre ludicidade e suas classificações percebi que todos nós temos necessidade dela não importando a idade, mas que se aproxima mais das crianças. Poder ocorrer através de um simples olhar, no brincar, etc. expressando suas emoções, sentimentos e gestos. A ludicidade torna mais flexíveis os profissionais que se predispuseram a trabalhar com ela na educação infantil. A ter consciência sobre os benefícios que a ludicidade proporciona, o verdadeiro sentido da brincadeira e a dedicação. É um prazer falar sobre a educação infantil, mas ao mesmo tempo muito complicado, pois é uma das primeiras fases da aprendizagem das crianças junto com o desenvolvimento integral das mesmas. Houveram mudanças e transformações na Lei das diretrizes e bases da educação (LDB), lei essa que trata da Educação Infantil e do contexto educacional em geral. No entanto, as mudanças ainda foram poucas, ainda há muito o que fazer, o que melhorar para que sejamos um país exemplo na educação do nosso povo. Tudo começa na educação infantil e este é justamente o tópico em que no momento encontramos os maiores problemas. Nossa educação, alfabetização, ensinos fundamental e médio, a qualificação e valorização dos nossos profissionais são péssimos! As crianças estão sempre em permanente construção, seja de caráter ou social. Durante muito tempo elas não foram consideradas como sujeitos de direito, mas como “robozinhos” vivendo junto à sociedade. Hoje são consideradas pessoinhas de direito, com opinião própria e identidade. Tudo isso por causa do Estatuto da Criança e do Adolescente, vugo “ECA”. Devemos valorizar a infância como ela é e suas mudanças, oferecendo uma educação adequada e compatível. E neste sentido o educador/professor deve estar disposto e ter constantemente uma educação continuada. Pensando nisso a LDB proporcionou algumas mudanças poucas, mas houveram. Agora não falamos mais em Referencial Curricular Nacional, mas em Base Nacional Comum.
  • 13. 13 A perspectiva tecnológica vem evoluindo a cada dia e nessa evolução elas incluem as crianças. E com isso podemos observar que por meio dos suportes digitais as crianças jogam, conversam, trocam conteúdos, compartilham fotos e vídeos nas redes sociais, entre outros. Incluindo a aprendizagem nos ambientes virtuais específicos a aprendizagem pedagógica. Mesmo sendo utilizada para o ensino há um cuidado especial dos familiares e professores, pois hoje em dia as crianças têm acesso a essas tecnologias desde cedo. Tornando-a assim objeto de uso cotidiano. 7 REFERÊNCIAS EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA, IV. 2009, Belém. Anais. Disponível em: <http://connepi2009.ifpa.edu.br/connepi-anais/artigos/104_2619_679.pdf>. Acesso em: 1 jun. 2012. HOLANDA, Aurélio Buarque. Míni Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa - 8ªEd. 2010 – Nova Ortografia – Positivo Editora KISHIMOTO, Tizuko Morchida (org). Jogos brinquedo, brincadeira e a educação – 14. Ed- São Paulo: Costez, 2011. ____________, T.M. (Org.) Jogo, brinquedo, brincadeira e educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1997. ____________, Tizuko Morchida. Jogos Infantis: O jogo, a Criança e a Educação. Rio de Janeiro: Vozes, 1993. LEGISLAÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL https://pt.wikipedia.org/wiki/Educa%C3%A7%C3%A3o_infantil ( visitado em 31/10/17) MELO, Fabiana Carbonera Malinveni. Lúdico e Musicalização na Educação Infantil – Indaial: Uniasselvi, 2011. 272 p.il.Caderno de Estudos. MOYLES, Janet. Fundamentos da educação infantil: enfrentando o desafio. (tradução Maria Adriana Verissímo Veronese; Consultora, supervisão técnica: Tânia Ramos Fortuna- Porto Alegre: Artmed, 2010 PIAGET, Jean. A formação de símbolos na criança. Rio de Janeiro: Zabar, 1975. SANTA, Marli Pires dos Santos. O brincar na escola - Metodologia Lúdico-vivencial, coletânea de jogos, brinquedos e dinâmicas 3. Ed – Petrópolis,RJ: Vozes. 2104 (Coleção Brinquedoteca). SANTOS, Santa Marli Pires dos (org). Brinquedoteca, o lúdico em diferentes contexto. 14 ed- Petrópolis, RJ: Vozes,2011. SENADO. Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional (9394/96) http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/529732/lei_de_diretrizes_e_bases_1ed.pdf (visitada em 30/08/2017) Site Eu Sem Fronteiras: https://www.eusemfronteiras.com.br/que-importancia-tem-as-bonecas-na- vida-da-crianca/ ( visitado em 30/10/2017)
  • 14. 14 Site Guia Infantil: https://br.guiainfantil.com/materias/educacao/jogospular-corda-uma-brincadeira- saudavel-e-divertida-para-as-criancas/ (visitado em 30/10/2017) Site Revista Crescer: http://revistacrescer.globo.com/Criancas/Desenvolvimento- noticia/2014/09/brincar-de-boneca-ajuda-expressar-emocoes.html (visitado em 30/10/2017) STEUCKS, Cristina Dana- Pedagogia da Educação Infantil. Indaial: Uniasselvi, 2013. VYGOTSKY,L. S. A Formação social da mente. São paulo: Martins Fontes, 1994