REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 
53 
Volume 15 - Número 2 - 2º Semestre 2015 
GÊNESE E MORFOLOGIA D...
54 
INTRODUÇÃO 
O estado de Roraima está situado no 
extremo norte do país e possui 225 mil km². 
Possui fronteiras com a ...
55 
comum as espécies Curatella americana, 
Byrsonima sp., Cereus e Melocactus 
(SCHAEFER et al., 1993; SHAEFER; 
DALRYMPL...
Figura 1 – Perfis de solo analisados no trecho Boa Vista/RR – Uiramutã/RR. A: Latossolo Vermelho; B: Planossolo 
Nátrico; ...
57 
Planossolos Nátricos 
São solos com horizonte subsuperficiais 
B plânico (Btn) precedido de horizonte A e E 
(Figura 1...
58 
3 - Solos encontrados na região do município de 
Uiramutã como Chernossolos e Planossolos não 
são comuns ao estado. A...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Artigo bioterra v15_n2_07

347 visualizações

Publicada em

Artigo bioterra v15_n2_07

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
347
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo bioterra v15_n2_07

  1. 1. REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 53 Volume 15 - Número 2 - 2º Semestre 2015 GÊNESE E MORFOLOGIA DAS PRINCIPAIS CLASSES DE SOLO ENCONTRADAS NAS REGIÕES CENTRAL E NORTE DE RORAIMA Carlos Henrique Lima de Matos1; Pedro Paulo Ramos Ribeiro Nascimento2; Romildo Nicolau Alves3; Kelen Mendes de Almeida4 RESUMO Objetivou-se através deste trabalho classificar morfologicamente as principais classes de solo representativas das regiões Central e Norte do Estado de Roraima. Seguiu-se o transecto Boa Vista/RR - Uiramutã/RR. Foram selecionados seis perfis representativos da região: Latossolo Vermelho, Planossolo Nátrico, Cambissolo Háplico, Plintossolo Háplico, Chernossolo Ebânico e Nitossolo Vermelho. Os solos foram descritos e classificados de acordo com o Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Constatou-se uma grande diversidade pedológica na região devido a atuação diferenciada dos fatores de formação do solo, sobretudo clima, material de origem e relevo. Os solos na região Central do estado são mais desenvolvidos, profundos e bem drenados. No extremo Norte, encontram-se classes de solo mais férteis e de características morfológicas diferenciadas da maior parte do estado. Palavras-chave: Diversidade pedológica, fatores de formação, Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. GENESIS AND MORPHOLOGY OF THE MAIN TYPES OF SOIL FOUND IN CENTRAL AND NORTH REGIONS OF RORAIMA ABSTRACT The objective of this work through morphologically classify the major classes of representative soils of Central and Northern regions of the state of Roraima. Followed the transect Boa Vista / RR - Uiramutã / RR. Six representative profiles of the region were selected: Oxisol, Alfisol, Inceptsol, Plinthosol, Molisol and Ultisol: The soils were described and classified according to the Brazilian System of Soil Classification. It found a great pedological diversity in the region due to different activities of soil formation factors, especially climate, parent material and relief. The soils in the Central region of the state are more developed, deep and well drained. In the far north, are classes of more fertile soil and differentiated morphology of most of the state. Keywords: Pedological diversity, formation factors, Brazilian System of Soil Classification.
  2. 2. 54 INTRODUÇÃO O estado de Roraima está situado no extremo norte do país e possui 225 mil km². Possui fronteiras com a Guiana e Venezuela e com os estados do Amazonas e Pará (MELO et al., 2004). É composto por três biomas: Florestas, Campinaranas e Savanas, com a última ocupando a região central do estado (VALE JÚNIOR; SCHAEFER, 2010). A porção central do Estado representa um extenso domínio savânico (Pediplano Rio Branco), ladeado por formações florestais; bordejando este domínio, com transição de forma abrupta, verifica-se a distribuição das Floretas Tropicais com grandes variações fitofisionômicas, geologicamente representado por rochas magmáticas plutônicas (granitos/granitóides), com relevo ondulado a fortemente ondulado, posicionado no alto a médio do rio Uraricoera, alto ao médio Rio Branco, sendo os Latossolos Vermelho- Amarelos e Argissolos Vermelho-Amarelos os solos predominantes, seguidos de Latossolos e Argissolos Amarelos e Plintossolos (VALE JÚNIOR et al., 2011). Já a região Nordeste de Roraima é a mais seca da Amazônia. Como consequência, possui vegetação transicional entre cerrado e caatinga, caracterizado por espécies arbóreo-arbustivas como a lixeira (Curatella americana), murici (Byrsonima sp.), cactáceas (Cereus e Melocactus) e buritis (Mauritia flexuosa) (SCHAEFER et al., 1993). Em se tratando da geologia, é formada por rochas vulcânicas ácidas e intermediárias como riolitos, dacitos e riodacitos da formação Surumu, compostas de minerais como quartzo, feldspato e plagioclásio. Há a presença de sedimentos quartenários correspondentes à formação Boa Vista (SCHAEFER et al., 1993; SCHAEFER; DALRYMPLE, 1996). Os solos da região são influenciados pela geologia local, relevo e clima. São encontrados solos de caráter eutrófico (Planossolos) nas regiões aplainadas, Cambissolos e Plintossolos em relevos acidentados, Chernossolos e Nitossolos. O presente trabalho teve como objetivo selecionar e classificar os principais tipos de solo encontrados na região Central e Norte do Estado de Roraima. MATERIAL E MÉTODOS Caracterização da região de estudo O estado de Roraima possui clima classificado como Aw (tropical chuvoso sem estação fria), quente e úmido, apresentando período seco (dezembro a março) e chuvoso (maio a agosto) bem definido segundo a classificação climática de KÖppen. De acordo com Barbosa (1997), a temperatura média anual é da ordem de 25 °C e a precipitação pluvial varia de 1100 mm na fronteira com a Venezuela, 1600 mm na região central do estado até 2900 mm na região sul. A região central do estado é derivada de sedimentos pré-intemperizados da Formação Boa Vista acumulados em bacia rasa, datadas do final do período Terciário e início do Quaternário, de mineralogia caulinítica e pobre em óxidos de ferro (VALE JÚNIOR; SCHAEFER, 2010; BENEDETTI et al., 2011). Por conseguinte, são solos ácidos, de baixa fertilidade, matéria orgânica (MO), capacidade de troca de cátions (CTC) e elevada saturação por alumínio (m%) (BRASIL, 1984; RODRIGUES et al., 2000; VALE JÚNIOR; SCHAEFER, 2010; BENEDETTI, 2011). As principais classes representativas dessa Formação são os Latossolos e Argissolos Amarelos (MELO et al., 2006). Ocorre, pontualmente, a presença de relevos residuais provenientes de granitos e gnaisses do Complexo Guianense ou do basalto da Formação Apoteri, responsável pelos solos vermelhos encontrados em menor evidência na região (VALE JÚNIOR; SCHAEFER, 2010). A vegetação varia de Savana Graminosa a Savana Parque sobre solos provenientes de sedimentos até ilhas de floresta nas inclusões de solos oriundos do basalto (BENEDETTI et al., 2011). No extremo norte se distribui o domínio da depressão sedimentar e pediplano do Surumu, Parimé e baixo Cotingo. Nessa região, encontra-se grandes manchas de Planossolos Háplicos e Planossolos Nátricos, com elevada saturação por sódio, oriundos de rochas vulcânicas ácidas e intermediárias (riolitos, dacitos e riodacitos) (VALE JÚNIOR et al., 2011). Os principais minerais que formam essas rochas são quartzo, feldspato potássico e plagioclásio sódico. A vegetação apresenta características intrínsecas, em transição de savana para caatinga, sendo
  3. 3. 55 comum as espécies Curatella americana, Byrsonima sp., Cereus e Melocactus (SCHAEFER et al., 1993; SHAEFER; DALRYMPLE, 1996). Seleção e classificação dos perfis Foram selecionados seis perfis representativos do Estado de Roraima no trecho Boa Vista – Uiramutã: Latossolo Vermelho, Planossolo Nátrico, Cambissolo Háplico, Plintossolo Háplico, Chernossolo Ebânico, Nitossolo Vermelho. Os perfis foram abertos e classificados morfologicamente de acordo com o Manual de Descrição e Coleta de Solo no Campo (SANTOS et al., 2013). A taxonomia foi obtida obedecendo os critérios do Sistema Brasileiro de Classificação dos Solos (EMBRAPA, 2013). RESULTADOS E DISCUSSÃO Latossolo Vermelho O Basalto é uma rocha ígnea básica rica em minerais como a biotita. A constituição férrica desses minerais dá aos solos formados a coloração vermelha como em Latossolos Vermelhos (Figura 1A), o que evidencia a presença de hematita em todo o perfil. Esses Latossolos Vermelhos estão presentes em regiões planas com vegetação do tipo savana fechada, com presença de espécies arbóreas. São formados por horizonte subsuperficial B latossólico (Bw) precedido ou não de horizonte A. São solos de fertilidade moderada, bem drenados, com estrutura granular moderada do tipo “pó de café”. Possuem textura argilosa e ausência de minerais intemperizáveis, característica inerente à classe.
  4. 4. Figura 1 – Perfis de solo analisados no trecho Boa Vista/RR – Uiramutã/RR. A: Latossolo Vermelho; B: Planossolo Nátrico; C: Cambissolo Háplico; D: Plintossolo Háplico; E: Chernossolo Ebânico; F: Nitossolo Vermelho. 56 A B C D E F
  5. 5. 57 Planossolos Nátricos São solos com horizonte subsuperficiais B plânico (Btn) precedido de horizonte A e E (Figura 1B). Tem mudança textural abrupta do horizonte A para o B, com elevada presença de silte. São caracterizados pela estrutura colunar. Ocorrem em relevo plano sob vegetação de savana estépica, com clima seco durante metade do ano. Tem como material de origem riolitos, dacitos e riodacitos, rochas compostas de quartzo, feldspato e plagioclásio. São solos de cores mais neutras a escurecidas, evidenciando a ausência de hematita, em virtude de condições favoráveis à remoção de ferro. São solos densos e pouco porosos devido a dispersão de argila causada pelo sódio presente no horizonte Btn. Possuem fertilidade mediana, com teores de sódio e magnésio elevados. Cambissolos Háplicos São formados por horizonte subsuperficial B insipiente (Bi) sobrejacente a qualquer horizonte superficial. Os Cambissolos Háplicos analisados estavam em fase truncada, sem a presença do horizonte A devido a processos erosivos provenientes da posição do relevo (Figura 1C). Estão presentes, comumente, no terço médio da paisagem, em regiões onduladas, o que impede o desenvolvimento do horizonte diagnóstico. Possuem CTC > 17 cmolc kg-1, com presença de mais de 4% de minerais primários. Diferindo dos Latossolos, possuem relação silte/argila maior que 0,6 e 0,7 para solos argilosos e de textura média respectivamente. Plintossolo Háplico São solos minerais formados através da restrição de percolação de água, com oscilação do lençol freático durante boa parte do ano. Esse processo é responsável pela oxidação e redução dos minerais ferrosos, formando a plintita. São imperfeitamente a mal drenados, fortemente ácidos e com baixa saturação por bases.Para caracterização de Plintossolo, o horizonte diagnóstico deve ser composto de plintita em pelo menos 15 cm da sessão de controle em quantidade igual ou superior a 15%. Os solos analisados possuem sequência A - Btf - Cf (Figura 1D), localizada em relevo acidentado (0 a 8%), próximo às regiões de Cambissolos Háplicos. Chernossolo Ebânico Solos que têm como horizonte diagnóstico o A chernozêmico sobrejacente a horizonte B textural ou B incipiente (Figura 1E). Possuem alta atividade de argila e alta saturação por bases. Têm estrutura prismática ou em blocos de moderada a forte, reflexo do alto teor de matéria orgânica presente no horizonte superficial. O horizonte A chernozêmico tem cor escura e alta atividade microbiana, visto seu caráter orgânico. São solos férteis, bem drenados, ocupando uma posição mais baixa no relevo (terço inferior) e recebendo parte dos restos culturais associados a queima. Nitossolo Vermelho São solos com horizonte diagnóstico B nítico subjacente a qualquer horizonte A com atividade de argila baixa (Figura 1F). Possuem textura argilosa a muito argilosa, e relação textural menor que 1,5, diferenciando-os dos Argissolos. São solos de estrutura moderada a forte, geralmente de matiz avermelhada, com a presença de cerosidade comum a abundante devido ao processo de podzolização. São moderadamente drenados em virtude da sua textura. CONSIDERAÇÕES FINAIS 1 - As relações solo-paisagem são importantes para determinar a pedogênese e o uso e aptidão agrícola dos solos de cada região. Essa mutualidade foi constatada no presente trabalho; 2 - Os principais fatores de formação dos solos encontrados no trecho analisado foram geologia, relevo e clima. Este último tem forte influência e diferencia as classes encontradas de outras regiões do estado de Roraima;
  6. 6. 58 3 - Solos encontrados na região do município de Uiramutã como Chernossolos e Planossolos não são comuns ao estado. A presença dessas classes é explicada pela diferenciação de ação dos fatores de formação do solo. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARBOSA, R. I. Distribuição das chuvas em Roraima. In: BARBOSA, R. I.; FERREIRA, E. J. G.; CASTELLÓN, E. G. Homem, ambiente e ecologia no estado de Roraima. Manaus: INPA, 1997. p.325-335. BENEDETTI, U. G.; VALE JÚNIOR, J. F. do; SCHAEFER, C. E. G. R.; MELO, V. F.; UCHÔA, S. C. P. Gênese, química e mineralogia de solos derivados de sedimentos pliopleistocênicos e de rochas vulcânicas básicas em Roraima, norte Amazônico. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 35, p. 299-312, 2011. EMBRAPA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3. ed. Brasília: EMBRAPA, 2013. 353 p. MELO, V. F.; GIANLUPPI, D.; UCHOA, S. C. P. Características edafológicas dos solos do estado de Roraima. Boa Vsita: DSI/UFRR, 2004. 43 p. MELO, V. F.; SCHAEFER, C. E. G. R.; FONTES, L. E. F.; CHAGAS, A. C.; LEMOS JÚNIOR, J. B.; ANDRADE, R. P. de. Caracterizacão física, química e mineralógica de solos da colônia agrícola do Apiaú (Roraima, Amazônia), sob diferentes usos e após queima. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 30, p. 1039-1050, 2006. MELO, V. F.; SCHAEFER, C. E. G. R. Matéria Orgânica em Solos Desenvolvidos de Rochas Máficas no Nordeste de Roraima. Revista Acta Amazônica, v. 39, p. 53-60, 2009. SANTOS, R. D. dos; LEMOS, R. C. de; SANTOS, H. G. dos; KER, J. C.; ANJOS, L. H. C. dos; SHIMIZU, S. H. Manual de descrição e coleta de solo no campo. 6. ed. Viçosa: SBCS, 2013. 100 p. SCHAEFER, C. E. G. R.; DALRYMPLE, J. Pedogenesis and relict properties of soils with columnar structure from Roraima, north Amazonia. Geoderma, v. 71, p. 1-17, 1996. SCHAEFER, C. E. G. R.; REZENDE, S. B. de; CORRÊA, G. F.; LANI, J. L. Características Químicas e Pedogênese de Solos Afetados por Sódio do Nordeste de Roraima. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 17, p. 431-438, 1993. VALE JÚNIOR, J. F. do; SCHAEFER, C. E. G. R. Solos sob Savanas de Roraima: Gênese, Classificação e Relações Ambientais. Gráfica Ioris, Boa Vista, 2010. VALE JÚNIOR, J. F. do; SOUZA, M. I. L. de; NASCIMENTO, P. P. R. R.; CRUZ, D. L. de S. Solos da Amazônia: etnopedologia e desenvolvimento sustentável. Revista Agroambiente, v. 5, n. 2, p. 158-165, 2011. _____________________________________ 1-Mestre em Agronomia (UFRR). Professor EBTT do Instituto Federal de Roraima (IFRR). carlos.matos@ifrr.edu.br 2-Engenheiro Agrônomo (UFRR) e Mestrando em Ciência do Solo (UFSM). 3-Doutor em Tecnologias Energéticas Nucleares. Professor EBTT do Instituto Federal de Roraima (IFRR). 4-Graduanda em Agronomia (UFRR).

×