Patrocínio, Marca e Reputação - Aula II Julho/2014 Cemec

652 visualizações

Publicada em

05 de julho de 2014
AULA 2 | O patrocínio cultural no âmbito do planejamento estratégico da empresa e de sua comunicação integrada. Branding. Reputação. A potencialidade do patrocínio cultural na construção/consolidação de uma marca. Estudo de casos.

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
652
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Patrocínio, Marca e Reputação - Aula II Julho/2014 Cemec

  1. 1. CEMEC – 5 e 6 de julho/14 – Eliane Costa - elianecosta.cult@gmail.com Parte 4 Patrocínios e a cena do financiamento à Cultura no Brasil
  2. 2. Mecenato  Caio Mecenas (68 - 8 a.C, Roma), conselheiro do imperador Augusto (cultura como legitimadora do poder, “eternidade”) Círculo de intelectuais e poetas: financiamento à produção artística, proteção política e prestígio social. Disseminação das ideias imperiais a partir do aval de sua credibilidade.  Renascença (entre os séc XIV e XVI, Europa): Leonardo da Vinci, Boticelli e Michelangelo (burguesia e Igreja). Status.
  3. 3. Afrescos de Michelangelo na Capela Sistina Mecenato
  4. 4. Mecenato contemporâneo (EUA)  Mecenato de capital Início do século XX: Guggenheim, Rockfeller, Ford (grandes fortunas / busca de legitimação na sociedade, filantropia). Museus, coleções de arte.  Mecenato de empresas 1967: criação do Comitê de Negócios para as Artes por John e David Rockefeller: estímulo à participação de empresas no universo das subvenções à arte e à cultura.
  5. 5. Mecenato contemporâneo (Brasil)  Francisco Matarazzo Sobrinho (MAM-SP/1949, Bienal de SP /1951), Chateaubriand (MASP /1947), Paulo Bittencourt e Niomar Muniz Sodré (MAM-Rio / 1947)  termo usado de forma indiscriminada  na Lei Rouanet: estímulo às atividades culturais e artísticas pelo uso da lei de incentivo federal.
  6. 6. PATROCÍNIO (Dicionário Houaiss) n substantivo masculino 1 ato ou efeito de amparar auxílio, ajuda, proteção. 2 mecenato. 3 custeio total ou parcial de um espetáculo artístico ou desportivo, de programa de rádio ou televisão etc, com objetivos publicitários chancela. 4 apoio financeiro, concedido como estratégia de marketing / comunicação por uma organização a determinada atividade artística, cultural, científica, comunitária, educacional, esportiva ou promocional.
  7. 7. Patrocínio É o apoio financeiro a ações de terceiros para agregar valor à marca, reforçar a imagem de responsabilidade socioambiental e/ou divulgar produtos, serviços, programas, projetos, políticas e ações do patrocinado junto a seus públicos de interesse. (PR/SECOM – IN nº 1 de 08/05/2009).
  8. 8. Patrocínio x Publicidade “A diferença entre “publicidade” e “patrocínio” está na característica da comunicação e, principalmente, em sua intenção. Na publicidade, ocupam-se mídias para expor a marca, gerar visibilidade. No patrocínio, ocorre o efetivo investimento em uma realização para qualificar a marca, gerar reconhecimento”. (Yacoff Sarkovas em “Breve parecer sobre patrocínio e sua distinção de publicidade, em http://comatitude.com.br/
  9. 9. Patrocínio x Merchandising (product placement) Merchandising é a ação promocional utilizada no ponto de venda com o objetivo de dar visibilidade a produtos, marcas ou serviços, com o propósito de motivar e influenciar as decisões de compra dos consumidores. Patrocínio é qualificação da marca.
  10. 10. Patrocínio cultural Apoio econômico, por parte de pessoas ou instituições, particulares ou públicas, a produtores culturais para a produção de obra ou atividade cultural. Pode ser total ou parcial, custear as necessidades vitais do artista ou produtor, ou mesmo ter como objeto a produção de uma obra, um sistema de obras ou eventos. Motivado por interesses diversos, como amizade, criação de empregos, formação de patrimônio privado ou de interesse público, ato de filantropia e ato promocional para empresa, entre outros. Engloba diversas modalidades de parceria e colaboração entre poderes públicos, empresas e sociedade, seja por meio do uso das leis de incentivo, de investimentos diretos ou recursos orçamentários. (Frederico Barbosa, IPEA)
  11. 11. O patrocínio é uma forma de comunicação por associação: a marca do patrocinador se vincula a conteúdos que expressem seus atributos e tenham valor para seus públicos, buscando, com estes, estabelecer vínculos emocionais.
  12. 12. Patrocínios => associações (de marcas, de valores)
  13. 13. Patrocínios => Negócios
  14. 14. Patrocínios => Escolhas da empresa
  15. 15. Patrocínio -------------------------- Marketing Cultural
  16. 16. Nos anos 60…  Banco Nacional: carteira de financiamento, merchandising (década de 60) Anos 80: a construção do conceito do Mkt Cultural  Shell: festivais MPB Shell, Prêmio Shell de Música (início anos 80)  Petrobras: Seis e Meia no Teatro João Caetano (início anos 80)  Banco Nacional: Estação Botafogo (Rio, 1985) e Espaço Banco Nacional de Cinema (SP)  Coca-Cola, Nestlé, Souza Cruz  1987: Petrobras -> Orquestra Pró-Música (hoje, Orquestra Petrobras Sinfônica)  1988: Shell -> Prêmio Shell de Teatro, patrocínio ao grupo Corpo
  17. 17. “Sem querer entrar em polêmica com a publicidade tradicional, existe um certo grau de esterilidade em apenas fazer propaganda de produtos. Você faz grandes investimentos, mas não planta uma semente realmente significativa. Percebi que poderia ajudar o Banco e a comunidade tanto material quanto espiritualmente. [...] Vimos que não adiantava tentar atingir indiscriminadamente todos os tipos de público, porque, no final, você não chamava a atenção de ninguém: precisávamos nos concentrar em um público específico. Estávamos cientes de que, partindo de um ponto, onde concentraríamos nossos esforços, os efeitos de nosso trabalho, mais cedo ou mais tarde, se espalhariam”. Ana Lucia Magalhães Pinto, então gerente de Publicidade do Banco Nacional, no livro Marketing Cultural (1996), de Candido José Mendes de Almeida
  18. 18. “A idéia é simples: se o Nacional apóia um filme, ele tem seu próprio espaço de exibição. Além disso, quando as atividades do Espaço ganham a mídia, promove-se não somente o Nacional como todas as demais atividades artísticas nas quais ele está envolvido. Trabalhamos também com um sistema de desconto de ingresso para os portadores do Cartão nacional. Isso aumentou tanto a procura pelo cartão, quanto o número de ingressos vendidos. Aliás, a Mostra Banco Nacional de Cinema teve o dobro de vendas de ingresso graças aos uso do cartão”. Ana Lucia Magalhães Pinto, gerente de Publicidade do Banco Nacional, no livro Marketing Cultural, lançado em 1996 por Candido José Mendes de Almeida
  19. 19. “Quando as atividades do Espaço Nacional de Cinema ganham a mídia, promove-se não somente o Banco Nacional como todas as demais atividades nas quais ele está envolvido. Trabalhamos também com um sistema de desconto de ingresso para os portadores do Cartão Nacional. Isso aumentou tanto a procura pelo cartão, quanto o número de ingressos vendidos. Aliás, a Mostra Banco Nacional de Cinema teve o dobro de vendas de ingresso graças ao uso do cartão”. Ana Lucia Magalhães Pinto, então gerente de Publicidade do Banco Nacional, no livro Marketing Cultural (1996), de Candido José Mendes de Almeida
  20. 20. “O apoio ao cinema nos trouxe benefícios por vias indiretas. Não é sua associação com o cinema que estimula o público a nos procurar, mas a visão de que somos ágeis, competentes, que somos bem sucedidos, que estamos ligados à comunidade, que estamos antenados aos seus valores e em sintonia com suas preferências estéticas e artísticas”. Ana Lucia Magalhães Pinto, então gerente de Publicidade do Banco Nacional, no livro Marketing Cultural (1996), de Candido José Mendes de Almeida
  21. 21. 1989 1990 “o Banco do cinema Nacional” Naming
  22. 22. “A convivência com a cultura é benéfica à imagem institucional de qualquer empresa, mas é necessário que se leve em consideração o perfil dos produtos apresentados para patrocínio. Cada companhia tem uma cultura, uma ideologia própria, que os produtores culturais devem conhecer, ajustando-se, evidentemente, a esse figurino. Para um ajuste perfeito, é importante que haja conhecimento mútuo e um bom entendimento entre os dois atores responsáveis por esse processo, chamado de marketing cultural. Só assim ele frutifica”. João Madeira, então gerente de marketing da Shell, no livro Marketing Cultural (1996), de Candido José Mendes de Almeida
  23. 23. “Mas nunca misturamos patrocínio cultural com venda de produtos. Nunca aproveitamos um cartaz de peça de teatro ou espetáculo de dança para colocar um anúncio de produtos da companhia, porque não estamos fazendo marketing de vendas, mas marketing cultural. O grande alvo da empresa é a divulgação do seu nome em revistas, cartazes, programas e peças de divulgação ao lado de espetáculos de alta qualidade. [...] Não fazemos filantropia. Damos pensando na troca. Queremos sempre qualidade e queremos que nossos patrocinados sejam um sucesso de público e de crítica. E que o nome da Shell seja colocado em todas as partes, associado a esse sucesso”. João Madeira, então gerente de marketing da Shell, no livro Marketing Cultural (1996), de Candido José Mendes de Almeida
  24. 24. “a empresa que apóia a cultura, especialmente num país como o Brasil, onde são escassos os recursos governamentais para a área, está devolvendo à sociedade a riqueza que esta lhe proporciona de forma consistente e fecunda”. Candido José Mendes de Almeida, Marketing Cultural (1996).
  25. 25. Anos 90:  retração da presença do Estado (Estado-Mínimo)  políticas públicas culturais se reduzem à lógica das leis de incentivo (1991 – Rouanet, 1993 – Audiovisual)  mecenato passa a ser usado como “sinônimo” de patrocínio incentivado.
  26. 26. PRONAC  Fundo Nacional de Cultura  Mecenato  FICART
  27. 27. O Estado a atuar, não mais como indutor direto da cultura, mas como incentivador do apoio privado mediante o mecanismo da renúncia fiscal, sob o qual abre mão do recolhimento de impostos, em troca do patrocínio das empresas. Função concentrada apenas na aprovação dos projetos e nas respectivas prestações de contas. Na Lei Rouanet: aprovação em artigo 18 (100% do valor destinado ao projeto), em artigo 26 (30%).
  28. 28. A “Retomada” do cinema brasileiro 1995
  29. 29. Mega-exposições de arte no MNBA
  30. 30. “os visitantes permaneciam horas em pé na fila fora do museu para poderem usufruir de alguns momentos diante das peças inéditas aos seus olhos [...] Eram multidões atraídas certamente pelo prazer da arte, mas também haviam milhares de outros comparecendo ao museu graças à força da mídia, conforme o que se assistia nos telejornais, jornais, revistas, rádios, e outdoors, gerando assim grande visibilidade às exposições em cartaz. Certamente este novo cenário serviu para formar plateias, tanto que hoje não é raro notarmos nos diálogos de alguns visitantes do Museu recordações destas grandes exposições”. Revista Museu MNBA - maio de 1996
  31. 31. http://sistemas.cultura.gov.br/salicnet/Salicnet/Salicnet.php
  32. 32. CNPJ Incentivador Valor incentivado (R$) 1993 1994 1 33009911000 139 Souza Cruz S.A 14.909,13 2 17147777084 166 Banco Nacional S/A 6.303,65 1 34274233000102 Petrobrás Distribuidora S.A 170.000,00 2 17147777084166 Banco Nacional S/A 92.242,63 3 33274515000139 Intergráfica S.A Máquinas Impressoras 81.880,00 4 33131541000108 Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração – CBMM 42.500,00 5 60500139000126 Saraiva S/A. Livreiros Editores 20.000,00 6 61186490000157 Editora FTD S/A 20.000,00 7 61365284000104 Siciliano S.A 20.000,00 8 61259958000196 Editora Atica S/A 20.000,00 9 33254319000100 HSBC Investment Bank Brasil S.A - Banco de Investimento 16.560,00 10 35828763000100 Concal Carbureto de Cálcio Ltda. 12.888,44
  33. 33. 1995 1 43642727000185 Telecomunicações de São Paulo - Telesp 2.050.000,00 2 33252156000119 TV Globo Ltda 1.685.224,00 3 34274233000102 Petrobrás Distribuidora S.A 1.540.000,00 4 33100967000102 Infoglobo Comunicações Ltda 900.000,00 5 33258450000138 Knoll Prods. Químicos e Farm, Ltda 700.000,00 6 58160789000128 Banco Safra S.A. 614.520,60 7 33304056000199 Liquid Carbonic Industrial S/A 500.000,00 8 68616978000116 Globo Participações Ltda 500.000,00 9 59104422000150 Volkswagen do Brasil Ltda 430.701,00 10 17156514000133 Banco Real S.A. 300.000,00
  34. 34. 1996 1 43642727000185 Telecomunicações de São Paulo - Telesp 11.912.624,12 2 60701190000104 Banco Itaú S.A 6.522.038,36 3 62500376000112 Companhia Real de Crédito Imobiliário 5.390.849,28 4 33009911000139 Souza Cruz S.A 3.949.209,14 5 34274233000102 Petrobrás Distribuidora S.A 3.413.165,99 6 17184201000199 Telecomunicações de Minas Gerais S/A.- TELEMIG 2.962.118,41 7 00336701000104 Telecomunicações Brasileiras S/A -Telebrás 2.756.939,80 8 59104422000150 Volkswagen do Brasil Ltda 2.031.351,64 9 17156514000133 Banco Real S.A. 1.975.454,09 10 33000118000179 Telemar Norte Leste S.A 1.933.606,16
  35. 35. 1997 1 00336701000104 Telecomunicações Brasileiras S/A -Telebrás 12.994.008,17 2 43642727000185 Telecomunicações de São Paulo - Telesp 10.900.514,74 3 60701190000104 Banco Itaú S.A 8.872.185,73 4 33000167000101 Petróleo Brasileiro S. A - Petrobrás 8.724.114,35 5 17184201000199 Telecomunicações de Minas Gerais S/A.-TELEMIG 7.401.782,33 6 59104422000150 Volkswagen do Brasil Ltda 5.796.652,87 7 33530486000129 Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. – Embratel 5.234.726,00 8 00001180000207 Centrais Elétricas Brasileiras S/A – ELETROBRÁS 4.979.565,16 9 33657248000189 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômomico e Social - BNDES 4.971.737,74 10 33009911000139 Souza Cruz S.A 4.594.329,98
  36. 36. 1998 1 33000167000101 Petróleo Brasileiro S. A - Petrobrás 16.111.083,31 2 00001180000207 Centrais Elétricas Brasileiras S/A - ELETROBRÁS 12.292.804,12 3 43642727000185 Telecomunicações de São Paulo - Telesp 11.769.038,06 4 33530486000129 Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. - Embratel 9.653.204,40 5 33657248000189 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES 7.785.623,28 6 33055146000193 Bradesco Seguros S. A. 5.685.374,90 7 47508411000156 Cia Brasileira de Distribuição - CBD 5.517.766,06 8 00336701000104 Telecomunicações Brasileiras S/A - Telebrás 5.128.883,47 9 17184201000199 Telecomunicações de Minas Gerais S/A.-TELEMIG 4.681.551,61 10 59104422000150 Volkswagen do Brasil Ltda 4.673.940,05
  37. 37. 1999 1 33000167000101 Petróleo Brasileiro S. A - Petrobrás 14.587.830,80 2 00001180000207 Centrais Elétricas Brasileiras S/A - ELETROBRÁS 11.195.108,68 3 47508411000156 Cia Brasileira de Distribuição - CBD 7.286.064,91 4 59104422000150 Volkswagen do Brasil Ltda 7.079.165,23 5 33657248000189 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômomico e Social – BNDES 5.084.559,03 6 02809496000174 Alfastar Participações Ltda 4.750.000,00 7 17298092000130 Banco Itáú BBA S.A 4.315.000,00 8 33700394000140 UNIBANCO - União de Bancos Brasileiros S.A 4.024.919,93 9 34274233000102 Petrobrás Distribuidora S.A 3.958.804,69 10 00000000094587 Banco do Brasil S.A - Centro Cultural 3.879.959,81
  38. 38. 2000 1 33000167000101 Petróleo Brasileiro S. A - Petrobrás 46.197.799,55 2 00001180000207 Centrais Elétricas Brasileiras S/A – ELETROBRÁS 10.932.157,99 3 47508411000156 Cia Brasileira de Distribuição - CBD 10.873.480,13 4 34274233000102 Petrobrás Distribuidora S.A 10.734.938,44 5 60701190000104 Banco Itaú S.A 7.605.362,26 6 33009911000139 Souza Cruz S.A 5.640.079,80 7 33530486000129 Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. – Embratel 4.985.600,00 8 59104422000150 Volkswagen do Brasil Ltda 4.945.271,72 9 61557039000107 Itáu Seguros S.A 4.610.540,00 10 33657248000189 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômomico e Social – BNDES 4.523.401,40
  39. 39. Fonte: SalicNet, MinC
  40. 40. Cinema (longa): Ancine
  41. 41. Ministério da Cultura - www.cultura.gov.br
  42. 42. 70-80% dos empreendimentos culturais / criativos no Brasil depende de recursos públicos. Fomento direto (FNC, editais) ou indireto (renúncia fiscal)
  43. 43. A cena do financiamento à cultura no Brasil continua girando em torno das leis de incentivo
  44. 44. Renúncia fiscal Patrocínio incentivado
  45. 45. Recursos públicos com escolhas privadas
  46. 46. Mercado X Política pública
  47. 47. Distorções
  48. 48. “Acalanto: As Canções das Mulheres Indígenas do Alto Rio Negro”, do pesquisador e musicólogo Ricardo Franco de Sá, foi o único projeto do Amazonas aprovado pelo programa Petrobras Cultural 2005. Circo Crescer e Viver / RJ Conexão Felipe Camarão / RN
  49. 49. Fonte: SalicNet, MinC (em 13/07/14) CO 1,60% NE 4,10% N 0,50% SE 80,40% S 13,40%
  50. 50. 5 % !
  51. 51. Fonte: SalicNet, MinC
  52. 52. Fonte: SalicNet, MinC
  53. 53.  Visibilidade da marca (artistas midiáticos)  Otimização tributária (sobras de fim de ano)  Sem uma política cultural (balcão de patrocínios)  Oportunidades restritas de acesso público aos recursos  Critérios reservados, pouca transparência  Confusão entre patrocínio e ações promocionais, produtos patrocinados e brindes.  Públicos prioritários  Praças prioritárias Patrocínio cultural, em grande parte das empresas:
  54. 54.  Falta de sintonia com o Planejamento Estratégico  Desconhecimento do potencial do patrocínio como ferramenta de comunicação  Gestores não qualificados  Desconhecimento, desinteresse ou receio sobre incentivo fiscal  Confusão entre público e privado  Pouca pro-atividade do Ministério da Cultura  Pouca “Responsabilidade Cultural” Patrocínio cultural, em grande parte das empresas:
  55. 55. Leonardo Brant, em “O poder da Cultura” (2009).   Mecenato Marketing Cultural Investimento Cultural Privado Entendimento de cultura Arte Produto ou evento Modos de vida e produção  simbólica Relação investidor/cultura Fomento Patrocínio Investimento Tipo de investidor Pessoas físicas Marcas Cidadãos e empresas cidadãs Estratégia de investimento Não estratégico Marketing Cidadania cultural Interesse na ação Benemérito Interesse privado Convergência entre público e  privado Efeito desejado Desenvolvimento das  artes Visibilidade da marca Desenvolvimento sociocultural e  artístico Estruturação dos processos Ações pontuais /  continuadas Ações pontuais /  sequenciais Ações continuadas/articuladas Planejamento Atividade não planejada Promoção de marca Efeitos socioculturais e  envolvimento do investidor com a sociedade Comunicação Não estruturada Objetivo principal da  ação Transparência no processo e  diálogo  com a sociedade Avaliação de resultados Sem avaliação Recall de marca Impacto sociocultural Contrapartida De caráter pessoal Visibilidade da marca Benefício sociocultural como  ponto de partida
  56. 56.   Mecenato Marketing Cultural Investimento Social Privado Entendimento de cultura Arte Produto ou evento Modos de vida e produção simbólica Relação investidor/cultura Fomento Patrocínio Investimento Tipo de investidor Pessoas físicas Marcas Cidadãos e empresas cidadãs Estratégia de investimento Não estratégico Marketing Cidadania cultural Interesse na ação Benemérito Interesse privado Convergência entre público e privado Efeito desejado Desenvolvimento das artes Visibilidade da marca Desenvolvi/o sociocultural e artístico Estruturação dos processos Ações pontuais / continuadas Ações pontuais / sequenciais Ações continuadas/articuladas Planejamento Atividade não planejada Promoção de marca Efeitos socioculturais e envolvimento do investidor com a sociedade Comunicação Não estruturada Objetivo principal da ação Transparência no processo e diálogo  com a sociedade Avaliação de resultados Sem avaliação Recall de marca Impacto sociocultural Contrapartida De caráter pessoal Visibilidade da marca Benefício sociocultural como  ponto de partida REPUTAÇÃO  DA   MARCA RESPONSABILIDADE  CULTURAL
  57. 57. financiamento coletivo crowdfunding
  58. 58.  captação tradicional com empresas + financiamento coletivo  projetos culturais pequenos e médios crossfunding
  59. 59. “O patrocínio cultural nos moldes tradicionais vai se tornando, aos poucos, mais um canal saturado de comunicação, entre tantos outros. A simples exposição de uma marca a partir de critérios meramente mercadológicos já não basta para que a empresa obtenha ganhos consistentes e duradouros para a sua imagem institucional”. Rômulo Avelar, “O avesso da cena” (2008)
  60. 60. Reputação Corporativa “Decorre da percepção da identidade, posicionamento e da qualidade das relações da empresa com seus públicos, formadas ao longo do tempo. Representa a reação afetiva ou emocional, boa ou má, fraca ou forte, do público interno e externo em relação às práticas da empresa a longo prazo”. (Charles Fombrun, em Reputation: realizing value from the corporate image)
  61. 61.  Mecenato  Marketing cultural  Investimento Social Privado (cidadania corporativa)  indo além da questão tributária e do foco na exposição da marca;  buscando ações continuadas, articuladas e estruturantes;  potencial transformador como ponto de partida;  transparência nos processos e diálogo com a sociedade;  formação de públicos, acesso;  patrocínio privado de interesse público.
  62. 62. “A gestão cultural e as políticas públicas de cultura devem ser compartilhadas entre o Estado, a iniciativa privada, o terceiro setor e a própria sociedade, direta ou indiretamente. O Estado tem 4 papéis fundamentais: formular políticas que possam servir de parâmetro para todos; articular os diversos setores; viabilizar mecanismos de incentivo; e zelar pelo interesse público. Os executivos devem fazer com que suas empresas invistam mais e melhor em cultura, seguindo políticas de patrocínio, realizando seleções públicas e mobilizando gestores especializados, sob a lógica da Cidadania Corporativa. E sem perder resultados significativos em termos e imagem e venda”. Gilberto Gil, em discurso no Fórum Nacional e Cultura e Cidadania Corporativa (2006)
  63. 63. Compreensão contemporânea  da amplitude da ação de patrocínios (negócio, ferramenta de comunicação, responsabilidade social)  do conceito de Cultura... e de suas múltiplas dimensões  dos desafios brasileiros e globais  da Cultura como “o 4º pilar da Sustentabilidade” (John Howkes, 2001)
  64. 64. “Cultura como o conjunto de traços distintivos, espirituais e materiais, intelectuais e afetivos que caracterizam uma sociedade ou um grupo social e que compreende, além das artes e das letras, os modos de vida, as formas de convivência, os sistemas de valores, as tradições e as crenças”. Convenção sobre a Proteção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais (UNESCO, 2005)
  65. 65. Cultura: três dimensões que se sobrepõem  a dimensão simbólica, traduzida nos valores, crenças e práticas que caracterizam a expressão humana;  a dimensão cidadã, que parte do princípio de que os direitos culturais estão incluídos no âmbito dos direitos humanos e, como tal, devem ser considerados como base na concepção das políticas culturais;  e a dimensão econômica, que compreende que a cultura é um elemento estratégico e dinâmico na economia dos países, gerando trabalho e riqueza em um ambiente que, crescentemente, valoriza a informação, a criatividade e o conhecimento. MinC / gestão Gilberto Gil

×