SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
Til, de José de Alencar
Classificação da obra: romance regionalista do Romantismo brasileiro
2 volumes de 31 capítulos cada
Foco narrativo: 3.ª pessoa, narrador onisciente
Personagens principais: Berta, Jão Fera, Miguel, Brás, Ribeiro-Barroso
Personagens secundárias: Afonso, Luís Galvão, Ermelinda, Linda, Zana...
Tempo da narrativa: década de 40 do séc. XIX
Linguagem: adjetivada, cheia de metáforas, típica do autor.
Ela, pequena, esbelta, ligeira, buliçosa, saltitava sobre a relva, gárrula e
cintilante do prazer de pular e correr; saciando-se na delícia inefável de se difundir
pela criação e sentir-se flor no regaço daquela natureza luxuriante.
(cap. I, 1.º vol.)
Com o toque desse brando serpear sentiu Berta a doçura de uma carícia; a
boicininga titilava de volúpia ao tépido calor da cútis acetinada; e escondendo a
monstruosa cabeça na conchinha da mão que a menina recolhera ao seio, caiu no
letargo.
(cap. VIII, 2.º vol.)
Resumo:
Em um passeio pela fazenda, Berta, jovem pequena, esbelta, ligeira, buliçosa,
grandes olhos negros, boca mimosa. E Miguel que era alto, ágil, de talhe robusto e bem
conformado, encontram Jão Fera, homem de grande estatura e vigorosa compleição,
que tinha fama de bandido. Após um desentendimento entre Jão Fera e Miguel, o
primeiro vai embora a pedido de Berta.
Os dois amigos vão ao encontro de Linda e Afonso, irmãos gêmeos de cabelos
castanhos e olhos pardos, filhos de Luís Galvão que era um bonito homem, de
fisionomia inteligente e regular estatura, e de D. Ermelinda de 38 anos. Linda ama
Miguel. Berta e Miguel se amam. Mas para não fazer sofrer a amiga Linda, Berta faz de
tudo para que Miguel ame Linda. E consegue.
Ficam sabendo que Luís Galvão vai fazer uma viagem para Campinas e que a
mãe deles estava com mau pressentimento. Berta fica assustada, pois acha que Jão Fera
está por trás disso, e parte pela floresta para evitar a emboscada. Chegando lá discute
com ele, que lhe tem muito amor, e consegue evitar o assassinato. Havia sido contratado
por Barroso, homem de cinquenta anos, uma barba ruiva e áspera, de mediana estatura
e excessivamente magro. Este fica furioso ao saber que ele não cumprira o acordo. Jão
fica em débito com Barroso e precisa de cinquenta mil reis para saldar a dívida.
Todos gostavam muito de Berta, pois era alegre e de bom coração. Ela visitava
constantemente Zana, mulher com problemas mentais.
Brás de 15 anos era feio, e descomposto em seus gestos. Tinha um ar pasmado,
um olhar morno, com expressão indiferente e parva, ele também tem problemas
mentais. Ao sentir ciúme de Berta ele tenta matar Zana, é repreendido por Berta e se
arrepende. Brás era filho de uma irmã de Luís Galvão, que morrera viúva, e por isso ele
vivia na casa de seu tio. Ele dera a Berta o apelido de Til, pois quando ela lhe ensinava
o abc ele achava o til do alfabeto gracioso, então o associou a Berta, a quem queria
muito bem.
- Não sou mais Til! disse a menina lentamente.
Caiu-lhe então aos pés, outra vez humilde e cativo, rojando como um verme, o
mísero idiota, de cujo corpo rompia em arquejos e contorções o pranto, que não sabia
exprimir como os homens em lágrimas e lamentos.
Acalentou-o Berta, amimando-lhe as faces, e depois que o viu calmo, trouxe-o
de novo à reza e o fez recitar a prece interrompida.
“- Virgem Puríssima, Rainha do Céu, Bem-aventurança nossa, Mãe de Jesus e
dos aflitos, intercedei por meu tio, minha tia e meus primos; por mim, por Berta e
aqueles a quem ela quer bem, e fazei-nos a todos felizes.”
(cap. XXIV, 1.º vol.)
Associando-se a lembrança original do idiota, disse-lhe a menina, ajudando a
palavra com mímica expressiva e apontando para a carta.
- Eu sou Til!
Esteve Brás um instante pasmo e boquiaberto, sem compreender, apesar da
ânsia com que afinal bateu palmas de contente e deitou a pular, regougando a sua
parva risada.
- Eh!... eh!... eh!... Berta, umh!... Berta, umh!...
Daí em diante aquele sinal, que para o idiota era símbolo de graça, da gentileza
e do prazer, tornou-se a imagem de Berta, e não se cansava Brás de o repetir, não por
palavras, mas por acenos com os meneios mais extravagantes.
Dias depois, chamando-a ele pelo nome, a menina respondeu-lhe:
- Não me chamo mais Berta; meu nome agora é Til.
(cap. XXVI, 1.º vol.)
Pelo assassinato de Aguiar, do Limoeiro, seu filho oferecera uma recompensa a
quem matar o assassino Jão Fera. Avisado do acontecido por Chico, Jão pede que este
vá até o filho de Aguiar do Limoeiro e peça cinquenta mil reis; em troca Jão Fera irá a
seu encontro.
Barroso e seu bando planejam provocar um incêndio na casa de Luís Galvão
para matá-lo e depois, apagando o incêndio, Barroso pretende oferecer seus serviços à
viúva e conquistá-la. Vingando assim a traição do passado, pois ficaria com a esposa
daquele que manchara a honra da esposa Besita.
Ribeiro trocara seu nome para Barroso, tinha agora uma irrupção no rosto. Jão
e Ribeiro tinham-se visto poucas vezes na época de Besita, por isso não se
reconheceram quando se encontraram.
Na noite São João, Gonçalo, o pajem Faustino e Monjolo, trancam a senzala e
ateiam fogo no canavial. Luís tenta apagar o fogo e é agredido pelas costas por Gonçalo,
Jão o salva e mata os três bandidos. Barroso foge.
Conforme o combinado, Jão se entrega ao filho de Aguiar, diz que irá pra onde
ele quiser desde que ninguém toque nele, pois se isso acontecer estará desfeito o acordo
e ele ficará livre novamente. Os capangas tentam amarrá-lo, ele espanca todos e vai
embora. Barroso volta para tentar matar Berta. Jão que estava solto novamente consegue
pegá-lo e o mata de forma violenta.
Quem o visse dilacerando a vítima com as mãos transformadas em garras,
pensaria que a fera de vulto humano ia devorar a presa e já palpitava com o prazer de
trincar as carnes vivas do inimigo.
(cap. XXVI, 2.º vol)
Brás que presenciara tudo e, como não gosta dele, leva Berta pra ver a cena. Ela
foge horrorizada. Jão tenta explicar o ocorrido, ela bate-lhe no rosto. Percebendo que ela
Agora lhe tem asco, Jão se entrega à polícia.
Luís resolve contar tudo à esposa, ela chora e decide que ele deve reconhecer
Berta como filha. Contam tudo a Berta, omitindo porém as circunstâncias
desagradáveis. Berta sente que estão escondendo algo.
Jão foge da prisão e procura Berta, ela o faz prometer que nunca mais matará
ninguém. Ele fala de Besita, mãe de Berta, e esta implora que lhe conte tudo. Ele conta.
Besita era a moça mais bonita da cidade, vivia com seu pai Guedes. Luís Galvão e Jão
Fera, que eram amigos, apaixonam-se por ela. Jão achando que ela nunca o amaria abre
mão desse amor para Luís, este só quer divertir-se não pretende casar-se. Ela conhece
Ribeiro e aceita casar-se com ele. Jão fica Furioso e se afasta de Luís. Besita casa-se
com Ribeiro que desaparece logo depois do casamento, após receber um bilhete
chamando-o com urgência a Itu. Alguns meses depois Besita é avisada por Zana que
seu marido chegara. Era noite, e no escuro ela se entrega às caricias do marido, depois
descobre que não era ele, e sim Luís Galvão. Jão pensa em matá-lo por isso mas ela o
impede. Meses depois Luís casa-se com D. Ermelinda e nasce Berta, filha de Besita.
Elas vivem isoladas, mora com elas Zana, que amamenta o bebê, e Jão Fera, que cuida
delas como um cão fiel.
Um dia Besita pede a Jão que vá a Itu comprar algumas coisas para o bebê.
Durante sua ausência, aparece Ribeiro, que a acusa de traição e a estrangula. Jão chega e
consegue salvar Berta, mas Ribeiro foge.
Nhá Tudinha, mãe de Miguel, ouve choro vindo da casa de Besita e vai até lá.
Jão conta o acontecido e ela adota Berta como sua filha. Zana enlouquece e continua
morando na casa de Besita, e tendo alucinações com a morte dela. Jão torna-se capanga
e matador, tentando aplacar a furiosa sede de vingança que tem.
Berta o abraça e diz que ele cuidou dela, e que é seu pai. Jão passa a trabalhar na
terra. Luís quer que Berta vá morar com ele e sua família, ela se nega e pede que leve
Miguel, que ama Linda. Miguel tenta convencê-la a ir junto, mas ela recusa. “Não,
Miguel. Lá todos são felizes! Meu lugar é aqui, onde todos sofrem.” Eles partem para
São Paulo.
Como as flores que nascem nos despenhadeiros e algares, onde não penetram os
esplendores da natureza, a alma de Berta fora criada para perfumar os abismos da
miséria, que se cavam nas almas, subvertidas pela desgraça.
Era a flor da caridade, alma sóror.
(cap. XXXI, 2.º vol)
Características:
José de Alencar busca mostrar a vida do caipira do interior de São Paulo do
século XIX, vocabulário e costumes da região, as diferenças sociais da época (escravos,
capangas, pobres e ricos donos de terras).
O Romance é ambientalizado em Campinas, interior de SP, onde há o contraste
entre aspectos sociais, marginalização que sofrem personagens pobres, como Miguel
(que para casar-se com Linda teve de ir estudar na capital). Relata-se também um pouco
do namoro da época, e festas, como a de São João.
Mostra-se o ambiente dos escravos, senzala, e seus conflitos, como a rivalidade
entre duas cativas, além da marginalização consciente dos escravos como Faustino e
Monjolo, os quais conspiram para a morte de Galvão.
O romance segue o clima do folhetim, em que os capítulos são curtos e
terminam num momento de grande tensão. Além disso a temática do suspense e do
soturno são marcas registrados da obra, que é repleta de aventuras, momentos
de tensão, como quando Berta corre perigo fugindo de porcos selvagens furiosos.
No Livro, Berta é sempre comparada a flor. no capitulo inicial surge uma
imagem de flor bela, mas imatura; já no fim do livro (no poente do sol) a imagem da
flor se repete mostrando a “Flor Interior” cheia de caridade e abnegação. O autor cria
assim uma ideia nítida de desabrochar, pelos trechos:
− Manhã: "Eram dois, ele e ela, ambos na flor da beleza e mocidade"
− Poente: "Era a flor da caridade, alma soror"
Berta sacrifica-se para que todos vivem em paz e felizes, faz com que Miguel e
Linda fiquem juntos, e se resigna a cuidar dos que mais sofrem, como
Zana, Brás, Jão Fera (a quem ela reconhece como o seu verdadeiro pai), a galinha sem
pernas, e continua morando com nhá Tudinha.
Personagens do Romance
Berta, Inhá ou Til é a personagem central do livro, filha bastarda do fazendeiro
Luis Galvão com uma pobre moça da vila (Besita que foi morta por vingança) foi criada
por nhá Tudinha. Berta é uma adolescente muito bonita, graciosa, com
movimentos espontâneos e encantadores, atrai para si o amor e carinho de todos, é
caridosa e não se afasta das criaturas mais repulsivas e desprezadas
da região (como Jão Fera, o louco Brás, e Zana). É chamada de Inhá por Miguel, e de
Til por Brás durante uma aula que dava a ele; já no fim do livro ela própria se intitula
TIL.
Ninguém na casa se importava com essa galinha, a não ser para fazer-lhe mal.
Antes de perder os pés, por ser feia e arisca perseguiam-na a pedradas, quando
aparecia no quintal. Depois que a roeu a ratazana, esteve ameaçada da panela, donde
a salvou Berta, que desde esse dia a tomou a seu cuidado.
(cap. XVI, 1.º vol.)
Miguel é irmão de criação de Berta, filho de nhá Tudinha; é um jovem que se
mostra desde o principio apaixonado por Inhá. Esta porém faz de tudo para aproximá-lo
se da amiga Linda, que gosta de Miguel. Sendo pobre, Miguel não poderia casar-se com
Linda, mas por fim ele acaba estudando para ascender socialmente e poder unir-se a
Linda (o carinho que por ela “descobre” sentir foi pintado por Berta, que colocou seu
encanto na faces serenas da amiga).
Luis Galvão é o dono da Fazenda Palmas, muito jovial e alegre, que na
juventude foi homem de muitas aventuras amorosas e enrascadas – numa dessas
desonrou Besita, recém casada com Barroso a qual ficou grávida de Berta.
Linda é filha de Luís Galvão e D. Ermelinda, menina educada aos moldes da
corte, mas que junto ao irmão Afonso faz amizade com os jovens simples Berta e
Miguel.
Afonso, irmão de Linda, possui o mesmo espírito alegre e conquistador do pai
Luis, acaba gostando de Berta (sem saber ser esta sua irmã de sangue).
Jão Fera ou Bugre - terrível homem, de feições assustadoras e fama de matador
(que na verdade é); segundo uma interpretação do livro podemos considerar que a vida
o tornou assim (foi cheio de desilusões e sofrimentos). Era apaixonado por Besita,
porém apesar de seu desejo a tinha como “santa” e queria apenas sua felicidade, pois
sabia que ela não o amaria como ele. Assim quando Luís Galvão se recusou a casar com
ela, ele rompeu a “amizade” que os unia; protegia Besita de tudo, porém ela foi
assassinada e ele passou a cuidar de Berta, e prometeu vingança a sua amada.
Brás - um sobrinho de Luís Galvão; sofria de ataques epiléticos e era retardado
mental; na casa grande sua presença era desprezada. Ele apaixonou-se por Berta que
nunca o distratara e propôs-se a ensinar-lhe o abecedário e rezas. Numa das lições ele se
encantara pelo acento til, e só conseguia memorizá-lo; assim Berta teve
uma resolução: chamar-se-ia Til, e a partir daí foi ensinando as letras com associações a
coisas ou pessoas que o deficiente conhecia.
Zana – senhora de origem africana que trabalhava para Besita e presenciou toda
a história de Berta, e do assassinato de sua mãe; por isso enlouquecera e todos os dias
repetia suas ações no dia da morte de Besita (reproduzindo os fatos
daquele fatídico dia).
Barroso ou Ribeiro – casou-se com Besita, mas na noite de núpcias a
abandonou para resolver negócios relacionados a uma herança que recebera. Partiu e
ficou anos longe; quando voltou a sua casa viu a esposa com um bebê, planejou
sua vingança (que incluía a morte de Luís e Berta); matou a esposa, mas foi impedido
de matar o bebê por Jão Fera.
D. Ermelinda – esposa de Luís Galvão, muito elegante e educada,
mas não muito bela. Ao descobrir sobre o passado de seu marido se entristece, mas
quando ele confessa (no final do romance) ela o apoia a reconhecer Berta como filha.
Questões
1. Em Viagens na Minha Terra a personagem Carlos é volúvel em relação às mulheres
que lhe despertam paixão. Pode-se dizer o mesmo em relação a Berta, de Til? Justifique.
2. Identifique características típicas do Romantismo no texto que segue, o qual descreve
Berta, de Til.
Ela, pequena, esbelta, ligeira, buliçosa, saltitava sobre a relva, gárrula e
cintilante do prazer de pular e correr; saciando-se na delícia inefável de se difundir
pela criação e sentir-se flor no regaço daquela natureza luxuriante.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Lurdes Augusto
 
Iracema - caracteristicas e resumo
Iracema - caracteristicas e resumoIracema - caracteristicas e resumo
Iracema - caracteristicas e resumo
lucas_12
 

Mais procurados (20)

Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Amor perdic
Amor perdicAmor perdic
Amor perdic
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
[RESUMO] Amor de salvação - Camilo Castelo Branco
[RESUMO] Amor de salvação - Camilo Castelo Branco[RESUMO] Amor de salvação - Camilo Castelo Branco
[RESUMO] Amor de salvação - Camilo Castelo Branco
 
Minhas Queridas
Minhas QueridasMinhas Queridas
Minhas Queridas
 
Romantismo romancistas
Romantismo romancistasRomantismo romancistas
Romantismo romancistas
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Amor de perdição camilo castelo branco
Amor de perdição  camilo castelo brancoAmor de perdição  camilo castelo branco
Amor de perdição camilo castelo branco
 
AMOR DE PERDIÇÃO - SINTESE
AMOR DE PERDIÇÃO - SINTESE AMOR DE PERDIÇÃO - SINTESE
AMOR DE PERDIÇÃO - SINTESE
 
Resumo dos livros
Resumo dos livrosResumo dos livros
Resumo dos livros
 
Amor De PerdiçãO
Amor De PerdiçãOAmor De PerdiçãO
Amor De PerdiçãO
 
Memórias de um sargento de milícias
Memórias de um sargento de milíciasMemórias de um sargento de milícias
Memórias de um sargento de milícias
 
Amor de perdição 1
Amor de perdição 1Amor de perdição 1
Amor de perdição 1
 
Iracema - caracteristicas e resumo
Iracema - caracteristicas e resumoIracema - caracteristicas e resumo
Iracema - caracteristicas e resumo
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Camilo castelo branco
Camilo castelo branco  Camilo castelo branco
Camilo castelo branco
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidadeEnc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
 
resumo dos trabalhos de jose de alencar
resumo dos trabalhos de jose de alencar resumo dos trabalhos de jose de alencar
resumo dos trabalhos de jose de alencar
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 

Semelhante a Til jose de alencar 2

281094411-Amor-de-Perdicao-Camilo-Castelo-Branco-Analise.pdf
281094411-Amor-de-Perdicao-Camilo-Castelo-Branco-Analise.pdf281094411-Amor-de-Perdicao-Camilo-Castelo-Branco-Analise.pdf
281094411-Amor-de-Perdicao-Camilo-Castelo-Branco-Analise.pdf
Tnia32
 
Fuvest unicamp 2013 olimpo em ordem
Fuvest unicamp 2013 olimpo em ordemFuvest unicamp 2013 olimpo em ordem
Fuvest unicamp 2013 olimpo em ordem
Yuri Augustus
 
Resumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroResumão Dom Casmurro
Resumão Dom Casmurro
BriefCase
 
Resumão de dom casmurro
Resumão de dom casmurroResumão de dom casmurro
Resumão de dom casmurro
BriefCase
 
Atividades sobre a obra til
Atividades sobre a obra tilAtividades sobre a obra til
Atividades sobre a obra til
jeniffer_orlandi
 

Semelhante a Til jose de alencar 2 (20)

Til
TilTil
Til
 
Til 3ª C 2013
Til 3ª C 2013Til 3ª C 2013
Til 3ª C 2013
 
Til - José de Alencar
Til - José de AlencarTil - José de Alencar
Til - José de Alencar
 
mua8.pptx
mua8.pptxmua8.pptx
mua8.pptx
 
Livro: O cortiço - 2º ano CIC
Livro: O cortiço - 2º ano CICLivro: O cortiço - 2º ano CIC
Livro: O cortiço - 2º ano CIC
 
Resumo de Livros
Resumo de LivrosResumo de Livros
Resumo de Livros
 
O Gaúcho - 2ª A - 2011
O Gaúcho - 2ª A - 2011O Gaúcho - 2ª A - 2011
O Gaúcho - 2ª A - 2011
 
Til
TilTil
Til
 
O Primo Basílio - Análise
O Primo Basílio -  AnáliseO Primo Basílio -  Análise
O Primo Basílio - Análise
 
281094411-Amor-de-Perdicao-Camilo-Castelo-Branco-Analise.pdf
281094411-Amor-de-Perdicao-Camilo-Castelo-Branco-Analise.pdf281094411-Amor-de-Perdicao-Camilo-Castelo-Branco-Analise.pdf
281094411-Amor-de-Perdicao-Camilo-Castelo-Branco-Analise.pdf
 
Fuvest unicamp 2013 olimpo em ordem
Fuvest unicamp 2013 olimpo em ordemFuvest unicamp 2013 olimpo em ordem
Fuvest unicamp 2013 olimpo em ordem
 
Dom Casmurro 3ª D - 2011
Dom Casmurro   3ª D - 2011Dom Casmurro   3ª D - 2011
Dom Casmurro 3ª D - 2011
 
Prof. André: Análise Literaria
Prof. André: Análise LiterariaProf. André: Análise Literaria
Prof. André: Análise Literaria
 
Resumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroResumão Dom Casmurro
Resumão Dom Casmurro
 
Resumão de dom casmurro
Resumão de dom casmurroResumão de dom casmurro
Resumão de dom casmurro
 
Atividades sobre a obra til
Atividades sobre a obra tilAtividades sobre a obra til
Atividades sobre a obra til
 
Vidas secas graciliano ramos (1)
Vidas secas   graciliano ramos (1)Vidas secas   graciliano ramos (1)
Vidas secas graciliano ramos (1)
 
Dom Casmurro, de Machado de Assis - análise
Dom Casmurro, de Machado de Assis - análiseDom Casmurro, de Machado de Assis - análise
Dom Casmurro, de Machado de Assis - análise
 
Largo Das Palmas Cepra 3 V1
Largo Das Palmas   Cepra   3 V1Largo Das Palmas   Cepra   3 V1
Largo Das Palmas Cepra 3 V1
 
Esau e jaco 1
Esau e jaco 1Esau e jaco 1
Esau e jaco 1
 

Mais de rafabebum

Mais de rafabebum (20)

LITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 3.ppsx
LITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 3.ppsxLITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 3.ppsx
LITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 3.ppsx
 
LITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 2.ppsx
LITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 2.ppsxLITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 2.ppsx
LITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 2.ppsx
 
LITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 1.ppsx
LITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 1.ppsxLITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 1.ppsx
LITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 1.ppsx
 
Dois Irmãos.ppsx
Dois Irmãos.ppsxDois Irmãos.ppsx
Dois Irmãos.ppsx
 
Nós Matamos o Cão Tinhoso.ppsx
Nós Matamos o Cão Tinhoso.ppsxNós Matamos o Cão Tinhoso.ppsx
Nós Matamos o Cão Tinhoso.ppsx
 
Machado de Assis blog.ppsx
Machado de Assis blog.ppsxMachado de Assis blog.ppsx
Machado de Assis blog.ppsx
 
Romanceiro da Inconfidência.ppsx
Romanceiro da Inconfidência.ppsxRomanceiro da Inconfidência.ppsx
Romanceiro da Inconfidência.ppsx
 
Romanceiro da Inconfidência - análise.pdf
Romanceiro da Inconfidência - análise.pdfRomanceiro da Inconfidência - análise.pdf
Romanceiro da Inconfidência - análise.pdf
 
Quincas Borba.ppsx
Quincas Borba.ppsxQuincas Borba.ppsx
Quincas Borba.ppsx
 
Quincas Borba - estudo.pdf
Quincas Borba - estudo.pdfQuincas Borba - estudo.pdf
Quincas Borba - estudo.pdf
 
Poemas Escolhidos - análise.pdf
Poemas Escolhidos - análise.pdfPoemas Escolhidos - análise.pdf
Poemas Escolhidos - análise.pdf
 
Nove Noites.ppsx
Nove Noites.ppsxNove Noites.ppsx
Nove Noites.ppsx
 
Angústia - material de aula.pdf
Angústia - material de aula.pdfAngústia - material de aula.pdf
Angústia - material de aula.pdf
 
Angústia.ppsx
Angústia.ppsxAngústia.ppsx
Angústia.ppsx
 
Vinicius de Moraes.pptx
Vinicius de Moraes.pptxVinicius de Moraes.pptx
Vinicius de Moraes.pptx
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
"Caminhos Cruzados", de Érico Veríssimo
"Caminhos Cruzados", de Érico Veríssimo"Caminhos Cruzados", de Érico Veríssimo
"Caminhos Cruzados", de Érico Veríssimo
 
"Minha Vida de Menina", de Helena Morley
"Minha Vida de Menina", de Helena Morley"Minha Vida de Menina", de Helena Morley
"Minha Vida de Menina", de Helena Morley
 
Minha vida de menina
Minha vida de meninaMinha vida de menina
Minha vida de menina
 
Terra sonâmbula
Terra sonâmbulaTerra sonâmbula
Terra sonâmbula
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 

Último (20)

Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxSão Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 

Til jose de alencar 2

  • 1. Til, de José de Alencar Classificação da obra: romance regionalista do Romantismo brasileiro 2 volumes de 31 capítulos cada Foco narrativo: 3.ª pessoa, narrador onisciente Personagens principais: Berta, Jão Fera, Miguel, Brás, Ribeiro-Barroso Personagens secundárias: Afonso, Luís Galvão, Ermelinda, Linda, Zana... Tempo da narrativa: década de 40 do séc. XIX Linguagem: adjetivada, cheia de metáforas, típica do autor. Ela, pequena, esbelta, ligeira, buliçosa, saltitava sobre a relva, gárrula e cintilante do prazer de pular e correr; saciando-se na delícia inefável de se difundir pela criação e sentir-se flor no regaço daquela natureza luxuriante. (cap. I, 1.º vol.) Com o toque desse brando serpear sentiu Berta a doçura de uma carícia; a boicininga titilava de volúpia ao tépido calor da cútis acetinada; e escondendo a monstruosa cabeça na conchinha da mão que a menina recolhera ao seio, caiu no letargo. (cap. VIII, 2.º vol.) Resumo: Em um passeio pela fazenda, Berta, jovem pequena, esbelta, ligeira, buliçosa, grandes olhos negros, boca mimosa. E Miguel que era alto, ágil, de talhe robusto e bem conformado, encontram Jão Fera, homem de grande estatura e vigorosa compleição, que tinha fama de bandido. Após um desentendimento entre Jão Fera e Miguel, o primeiro vai embora a pedido de Berta. Os dois amigos vão ao encontro de Linda e Afonso, irmãos gêmeos de cabelos castanhos e olhos pardos, filhos de Luís Galvão que era um bonito homem, de fisionomia inteligente e regular estatura, e de D. Ermelinda de 38 anos. Linda ama Miguel. Berta e Miguel se amam. Mas para não fazer sofrer a amiga Linda, Berta faz de tudo para que Miguel ame Linda. E consegue. Ficam sabendo que Luís Galvão vai fazer uma viagem para Campinas e que a mãe deles estava com mau pressentimento. Berta fica assustada, pois acha que Jão Fera está por trás disso, e parte pela floresta para evitar a emboscada. Chegando lá discute com ele, que lhe tem muito amor, e consegue evitar o assassinato. Havia sido contratado por Barroso, homem de cinquenta anos, uma barba ruiva e áspera, de mediana estatura
  • 2. e excessivamente magro. Este fica furioso ao saber que ele não cumprira o acordo. Jão fica em débito com Barroso e precisa de cinquenta mil reis para saldar a dívida. Todos gostavam muito de Berta, pois era alegre e de bom coração. Ela visitava constantemente Zana, mulher com problemas mentais. Brás de 15 anos era feio, e descomposto em seus gestos. Tinha um ar pasmado, um olhar morno, com expressão indiferente e parva, ele também tem problemas mentais. Ao sentir ciúme de Berta ele tenta matar Zana, é repreendido por Berta e se arrepende. Brás era filho de uma irmã de Luís Galvão, que morrera viúva, e por isso ele vivia na casa de seu tio. Ele dera a Berta o apelido de Til, pois quando ela lhe ensinava o abc ele achava o til do alfabeto gracioso, então o associou a Berta, a quem queria muito bem. - Não sou mais Til! disse a menina lentamente. Caiu-lhe então aos pés, outra vez humilde e cativo, rojando como um verme, o mísero idiota, de cujo corpo rompia em arquejos e contorções o pranto, que não sabia exprimir como os homens em lágrimas e lamentos. Acalentou-o Berta, amimando-lhe as faces, e depois que o viu calmo, trouxe-o de novo à reza e o fez recitar a prece interrompida. “- Virgem Puríssima, Rainha do Céu, Bem-aventurança nossa, Mãe de Jesus e dos aflitos, intercedei por meu tio, minha tia e meus primos; por mim, por Berta e aqueles a quem ela quer bem, e fazei-nos a todos felizes.” (cap. XXIV, 1.º vol.) Associando-se a lembrança original do idiota, disse-lhe a menina, ajudando a palavra com mímica expressiva e apontando para a carta. - Eu sou Til! Esteve Brás um instante pasmo e boquiaberto, sem compreender, apesar da ânsia com que afinal bateu palmas de contente e deitou a pular, regougando a sua parva risada. - Eh!... eh!... eh!... Berta, umh!... Berta, umh!... Daí em diante aquele sinal, que para o idiota era símbolo de graça, da gentileza e do prazer, tornou-se a imagem de Berta, e não se cansava Brás de o repetir, não por palavras, mas por acenos com os meneios mais extravagantes. Dias depois, chamando-a ele pelo nome, a menina respondeu-lhe: - Não me chamo mais Berta; meu nome agora é Til. (cap. XXVI, 1.º vol.) Pelo assassinato de Aguiar, do Limoeiro, seu filho oferecera uma recompensa a quem matar o assassino Jão Fera. Avisado do acontecido por Chico, Jão pede que este vá até o filho de Aguiar do Limoeiro e peça cinquenta mil reis; em troca Jão Fera irá a seu encontro.
  • 3. Barroso e seu bando planejam provocar um incêndio na casa de Luís Galvão para matá-lo e depois, apagando o incêndio, Barroso pretende oferecer seus serviços à viúva e conquistá-la. Vingando assim a traição do passado, pois ficaria com a esposa daquele que manchara a honra da esposa Besita. Ribeiro trocara seu nome para Barroso, tinha agora uma irrupção no rosto. Jão e Ribeiro tinham-se visto poucas vezes na época de Besita, por isso não se reconheceram quando se encontraram. Na noite São João, Gonçalo, o pajem Faustino e Monjolo, trancam a senzala e ateiam fogo no canavial. Luís tenta apagar o fogo e é agredido pelas costas por Gonçalo, Jão o salva e mata os três bandidos. Barroso foge. Conforme o combinado, Jão se entrega ao filho de Aguiar, diz que irá pra onde ele quiser desde que ninguém toque nele, pois se isso acontecer estará desfeito o acordo e ele ficará livre novamente. Os capangas tentam amarrá-lo, ele espanca todos e vai embora. Barroso volta para tentar matar Berta. Jão que estava solto novamente consegue pegá-lo e o mata de forma violenta. Quem o visse dilacerando a vítima com as mãos transformadas em garras, pensaria que a fera de vulto humano ia devorar a presa e já palpitava com o prazer de trincar as carnes vivas do inimigo. (cap. XXVI, 2.º vol) Brás que presenciara tudo e, como não gosta dele, leva Berta pra ver a cena. Ela foge horrorizada. Jão tenta explicar o ocorrido, ela bate-lhe no rosto. Percebendo que ela Agora lhe tem asco, Jão se entrega à polícia. Luís resolve contar tudo à esposa, ela chora e decide que ele deve reconhecer Berta como filha. Contam tudo a Berta, omitindo porém as circunstâncias desagradáveis. Berta sente que estão escondendo algo. Jão foge da prisão e procura Berta, ela o faz prometer que nunca mais matará ninguém. Ele fala de Besita, mãe de Berta, e esta implora que lhe conte tudo. Ele conta. Besita era a moça mais bonita da cidade, vivia com seu pai Guedes. Luís Galvão e Jão Fera, que eram amigos, apaixonam-se por ela. Jão achando que ela nunca o amaria abre mão desse amor para Luís, este só quer divertir-se não pretende casar-se. Ela conhece Ribeiro e aceita casar-se com ele. Jão fica Furioso e se afasta de Luís. Besita casa-se com Ribeiro que desaparece logo depois do casamento, após receber um bilhete chamando-o com urgência a Itu. Alguns meses depois Besita é avisada por Zana que seu marido chegara. Era noite, e no escuro ela se entrega às caricias do marido, depois descobre que não era ele, e sim Luís Galvão. Jão pensa em matá-lo por isso mas ela o impede. Meses depois Luís casa-se com D. Ermelinda e nasce Berta, filha de Besita.
  • 4. Elas vivem isoladas, mora com elas Zana, que amamenta o bebê, e Jão Fera, que cuida delas como um cão fiel. Um dia Besita pede a Jão que vá a Itu comprar algumas coisas para o bebê. Durante sua ausência, aparece Ribeiro, que a acusa de traição e a estrangula. Jão chega e consegue salvar Berta, mas Ribeiro foge. Nhá Tudinha, mãe de Miguel, ouve choro vindo da casa de Besita e vai até lá. Jão conta o acontecido e ela adota Berta como sua filha. Zana enlouquece e continua morando na casa de Besita, e tendo alucinações com a morte dela. Jão torna-se capanga e matador, tentando aplacar a furiosa sede de vingança que tem. Berta o abraça e diz que ele cuidou dela, e que é seu pai. Jão passa a trabalhar na terra. Luís quer que Berta vá morar com ele e sua família, ela se nega e pede que leve Miguel, que ama Linda. Miguel tenta convencê-la a ir junto, mas ela recusa. “Não, Miguel. Lá todos são felizes! Meu lugar é aqui, onde todos sofrem.” Eles partem para São Paulo. Como as flores que nascem nos despenhadeiros e algares, onde não penetram os esplendores da natureza, a alma de Berta fora criada para perfumar os abismos da miséria, que se cavam nas almas, subvertidas pela desgraça. Era a flor da caridade, alma sóror. (cap. XXXI, 2.º vol) Características: José de Alencar busca mostrar a vida do caipira do interior de São Paulo do século XIX, vocabulário e costumes da região, as diferenças sociais da época (escravos, capangas, pobres e ricos donos de terras). O Romance é ambientalizado em Campinas, interior de SP, onde há o contraste entre aspectos sociais, marginalização que sofrem personagens pobres, como Miguel (que para casar-se com Linda teve de ir estudar na capital). Relata-se também um pouco do namoro da época, e festas, como a de São João. Mostra-se o ambiente dos escravos, senzala, e seus conflitos, como a rivalidade entre duas cativas, além da marginalização consciente dos escravos como Faustino e Monjolo, os quais conspiram para a morte de Galvão. O romance segue o clima do folhetim, em que os capítulos são curtos e terminam num momento de grande tensão. Além disso a temática do suspense e do soturno são marcas registrados da obra, que é repleta de aventuras, momentos de tensão, como quando Berta corre perigo fugindo de porcos selvagens furiosos.
  • 5. No Livro, Berta é sempre comparada a flor. no capitulo inicial surge uma imagem de flor bela, mas imatura; já no fim do livro (no poente do sol) a imagem da flor se repete mostrando a “Flor Interior” cheia de caridade e abnegação. O autor cria assim uma ideia nítida de desabrochar, pelos trechos: − Manhã: "Eram dois, ele e ela, ambos na flor da beleza e mocidade" − Poente: "Era a flor da caridade, alma soror" Berta sacrifica-se para que todos vivem em paz e felizes, faz com que Miguel e Linda fiquem juntos, e se resigna a cuidar dos que mais sofrem, como Zana, Brás, Jão Fera (a quem ela reconhece como o seu verdadeiro pai), a galinha sem pernas, e continua morando com nhá Tudinha. Personagens do Romance Berta, Inhá ou Til é a personagem central do livro, filha bastarda do fazendeiro Luis Galvão com uma pobre moça da vila (Besita que foi morta por vingança) foi criada por nhá Tudinha. Berta é uma adolescente muito bonita, graciosa, com movimentos espontâneos e encantadores, atrai para si o amor e carinho de todos, é caridosa e não se afasta das criaturas mais repulsivas e desprezadas da região (como Jão Fera, o louco Brás, e Zana). É chamada de Inhá por Miguel, e de Til por Brás durante uma aula que dava a ele; já no fim do livro ela própria se intitula TIL. Ninguém na casa se importava com essa galinha, a não ser para fazer-lhe mal. Antes de perder os pés, por ser feia e arisca perseguiam-na a pedradas, quando aparecia no quintal. Depois que a roeu a ratazana, esteve ameaçada da panela, donde a salvou Berta, que desde esse dia a tomou a seu cuidado. (cap. XVI, 1.º vol.) Miguel é irmão de criação de Berta, filho de nhá Tudinha; é um jovem que se mostra desde o principio apaixonado por Inhá. Esta porém faz de tudo para aproximá-lo se da amiga Linda, que gosta de Miguel. Sendo pobre, Miguel não poderia casar-se com Linda, mas por fim ele acaba estudando para ascender socialmente e poder unir-se a Linda (o carinho que por ela “descobre” sentir foi pintado por Berta, que colocou seu encanto na faces serenas da amiga). Luis Galvão é o dono da Fazenda Palmas, muito jovial e alegre, que na juventude foi homem de muitas aventuras amorosas e enrascadas – numa dessas desonrou Besita, recém casada com Barroso a qual ficou grávida de Berta. Linda é filha de Luís Galvão e D. Ermelinda, menina educada aos moldes da corte, mas que junto ao irmão Afonso faz amizade com os jovens simples Berta e Miguel. Afonso, irmão de Linda, possui o mesmo espírito alegre e conquistador do pai Luis, acaba gostando de Berta (sem saber ser esta sua irmã de sangue). Jão Fera ou Bugre - terrível homem, de feições assustadoras e fama de matador (que na verdade é); segundo uma interpretação do livro podemos considerar que a vida
  • 6. o tornou assim (foi cheio de desilusões e sofrimentos). Era apaixonado por Besita, porém apesar de seu desejo a tinha como “santa” e queria apenas sua felicidade, pois sabia que ela não o amaria como ele. Assim quando Luís Galvão se recusou a casar com ela, ele rompeu a “amizade” que os unia; protegia Besita de tudo, porém ela foi assassinada e ele passou a cuidar de Berta, e prometeu vingança a sua amada. Brás - um sobrinho de Luís Galvão; sofria de ataques epiléticos e era retardado mental; na casa grande sua presença era desprezada. Ele apaixonou-se por Berta que nunca o distratara e propôs-se a ensinar-lhe o abecedário e rezas. Numa das lições ele se encantara pelo acento til, e só conseguia memorizá-lo; assim Berta teve uma resolução: chamar-se-ia Til, e a partir daí foi ensinando as letras com associações a coisas ou pessoas que o deficiente conhecia. Zana – senhora de origem africana que trabalhava para Besita e presenciou toda a história de Berta, e do assassinato de sua mãe; por isso enlouquecera e todos os dias repetia suas ações no dia da morte de Besita (reproduzindo os fatos daquele fatídico dia). Barroso ou Ribeiro – casou-se com Besita, mas na noite de núpcias a abandonou para resolver negócios relacionados a uma herança que recebera. Partiu e ficou anos longe; quando voltou a sua casa viu a esposa com um bebê, planejou sua vingança (que incluía a morte de Luís e Berta); matou a esposa, mas foi impedido de matar o bebê por Jão Fera. D. Ermelinda – esposa de Luís Galvão, muito elegante e educada, mas não muito bela. Ao descobrir sobre o passado de seu marido se entristece, mas quando ele confessa (no final do romance) ela o apoia a reconhecer Berta como filha. Questões 1. Em Viagens na Minha Terra a personagem Carlos é volúvel em relação às mulheres que lhe despertam paixão. Pode-se dizer o mesmo em relação a Berta, de Til? Justifique. 2. Identifique características típicas do Romantismo no texto que segue, o qual descreve Berta, de Til. Ela, pequena, esbelta, ligeira, buliçosa, saltitava sobre a relva, gárrula e cintilante do prazer de pular e correr; saciando-se na delícia inefável de se difundir pela criação e sentir-se flor no regaço daquela natureza luxuriante.