SlideShare uma empresa Scribd logo
História da Igreja IHistória da Igreja I
Pr. Moisés Sampaio de Paula
IBBC - Aula 3
ESBOÇO - O que vamos estudarESBOÇO - O que vamos estudar
1. O mundo do Novo Testamento
2. O Judaísmo
3. Jesus Cristo – vida e obra
4. Os apóstolos
5. A origem da Igreja em Jerusalém
6. Apósotolo Paulo – Vida e Obra
2Pr Moises Sampaio - História da Igreja I
-Nomeação de Matia em substituição de Judas - At 1
- O Pentecostes – At 2
- Curas e Libertações de Endemoninhados – At 3, 16
- Perseguição por parte dos judeus – At 4
- Primeira morte dentro da Igreja – At 5
- Instituição do Diaconato – At 6
- Primeiro Martírio (Estevão) - At 7
- Pregações em Samaria – At 8
- Conversão de Saulo – At 9
-
- Ressurreição de Tabita, Dorcas – At 10
- Fome e necessidade da Igreja de Jerusalém – At 11, 12
- Morte de Tiago – At 12
- Chamada ministerial paulina e início das missões transculturais – At 13
- Viagens Paulinas – At 13 – até 28
- Primeiro Concílio da Igreja em Jerusalém (Tiago) – At 15
- Ministério paulino – At 16 – 24
- Julgamentos de Paulo e ida para Roma – At 25 – 28
- Pedro foi para Roma
- Livros do Novo Testamento foram escritos
- João para Éfeso, Ilha de Patmos e o Apocalipse
- Os apóstolos respondem as questões doutrinárias
- João morre e termina essa era
O NASCIMENTO DA IGREJAO NASCIMENTO DA IGREJA
A Igreja de Cristo iniciou sua história
com um movimento de âmbito
mundial, no dia de Pentecostes,
cinqüenta dias após a ressurreição, e
dez dias depois da ascensão do
Senhor Jesus Cristo.
Chamados para foraChamados para fora
Igreja
Chamados para fora do mundo
A igreja e o MundoA igreja e o Mundo
O que a Bíblia diz:
(JO 15:19) - Se vós fôsseis do mundo, o mundo
amaria o que era seu, mas porque não sois do
mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por
isso é que o mundo vos odeia.
(JO 15:18) - Se o mundo vos odeia, sabei que,
primeiro do que a vós, me odiou a mim.
(JO 16:33) - Tenho-vos dito isto, para que em
mim tenhais paz; no mundo tereis aflições,
mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.
Deus e o mundoDeus e o mundo
O que a Bíblia diz:
 (JO 3:16) - Porque Deus amou o mundo
de tal maneira que deu o seu Filho
unigênito, para que todo aquele que
nele crê não pereça, mas tenha a vida
eterna.
 (JO 3:17) - Porque Deus enviou o seu
Filho ao mundo, não para que
condenasse o mundo, mas para que o
mundo fosse salvo por ele.
Mundo - relacionamentoMundo - relacionamento
O que a Bíblia diz:
(MT 13:38) - O campo é o mundo...
(MT 5:14) - Vós sois a luz do mundo...
(MC 16:15) - E disse-lhes: Ide por todo o mundo,
pregai o evangelho a toda criatura.
?
?
PerguntaPergunta
Como se relacionar com o
mundo se você não tem mais
ligação com ele?
Não estamos sósNão estamos sós
Eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro
CONSOLADOR, o Espírito Santo, a quem o
Pai enviará em meu nome, esse vos
ensinará todas as coisas e vos fará
lembrar de tudo o que vos tenho dito (Jo
14.16,26)
O Espírito Santo e sua relação com oO Espírito Santo e sua relação com o
Mundo e o CrenteMundo e o Crente
MundoMundo CrenteCrente
1. não pode receber 3. e estará em vós.
2. porque não o vê 2. porque habita
convosco
3. nem o conhece 1. o conheceis
Joao 14:17
Nossa sorteNossa sorte
Porque todos os que são guiados pelo Espírito
de Deus, esses são filhos de Deus.Porque não
recebestes o espírito de escravidão, para outra
vez estardes em temor, mas recebestes o
espírito de adopção de filhos, pelo qual
clamamos; Aba, Pai. O mesmo Espírito testifica
com o nosso espírito, que somos filhos de Deus.
Rm 8.14-16
Qual a sorte de quem não tem o
Espírito de Deus?
Origem da IgrejaOrigem da Igreja
tempo
Chamado
de
Abraão
Gentios
Israel
Igreja
(Fiéis, Impios)
(Fiéis)
(Fiéis, Impios)
(Fiéis)
(Fiéis)
Descida do Esp.Santo
EternidadePassada
EternidadeFutura
Jesus instrui seus discípulosJesus instrui seus discípulos
40 dias 10 dias
1. Dar aos discípulos a certeza de Sua ressurreição.
2. Dar aos discípulos as diretrizes acerca do Reino de Deus
Ficar até que sejamosFicar até que sejamos
Eis que sobre vós (discípulos)
envio (Jesus) a promessa de meu
pai (Jl 2:28; Ez 36:26,27); ficai
pois, na cidade de Jerusalém, até
que do alto sejais revestidos de
poder. Lucas 24:49
Receber para serReceber para ser
Mas recebereis poder, ao descer
sobre vós o Espírito Santo, e sereis
minhas testemunhas tanto em
Jerusalém como em toda Judéia e
Samaria, e até os confins da terra.
(Atos 1.8)
RecebereisRecebereis
O que acontecerá?
Mas recebereis poder,
Quando acontecerá?
ao descer sobre vós o Espírito Santo,
Qual o objetivo?
e sereis minhas testemunhas
Onde seremos testemunhas?
tanto em Jerusalém como em toda Judéia e
Samaria, e até os confins da terra. (Atos 1.8)
As ordens eram...As ordens eram...
Ficar
Receber
Ser
Para quê ?
Para TestemunharPara Testemunhar
Testemunhar
 Pessoa que assiste a determinado fato
ou dele tem conhecimento, e é
chamada a relatar sobre o que souber a
respeito desse fato.
 Pessoa que presencia um fato
qualquer; espectador.
CenáculoCenáculo
Parte da casa de
Maria, mãe de João
Marcos,
onde supõe-se
Que teria se
realizado
A última ceia
A verdeira esperaA verdeira espera
Expectativa
Oração
Consagração
FestasFestas
dede
IsraelIsrael
Festas PrincipaisFestas Principais
Páscoa
Pentecostes (colheita)
Tabernáculos (cabanas)
Pentecostes – O NomePentecostes – O Nome
Festa da Colheita ou Sega - no hebraico hag haqasir.
Por se tratar de uma colheita de grãos, trigo e cevada,
essa festa ganhou esse segundo nome. Provavelmente,
hag haqasir Festa da Colheita é o nome original (Ex
23.16).
Festa das Semanas - no hebraico, hag xabu´ot. A razão
desse nome está no período de duração dessa
celebração: sete semanas. O início da festa se dá,
cinqüenta dias depois da Páscoa, com a colheita da
cevada; o encerramento acontece com a colheita do
trigo (Dt 34.22; Nm 28.26; Dt 16.10).
Pentecostes – O NomePentecostes – O Nome
Dia das Primícias dos Frutos - no hebraico yom
habikurim. Este nome tem sua razão de ser na
entrega de uma oferta voluntária, a Deus, dos
primeiros frutos da terra colhidos naquela sega (Nm
28.26).
Provavelmente, a oferta das primícias acontecia em
cada uma das três tradicionais festas do antigo
calendário bíblico.
Na primeira, Páscoa, entregava-se uma ovelha
nascida naquele ano; na segunda, Colheita ou
Semanas, entregava-se uma porção dos primeiros
grãos colhidos; e, finalmente, na terceira festa,
Tabernáculos ou Cabanas, o povo oferecia os
primeiros frutos da colheita de frutas, como uva,
tâmara e figo, especialmente.
Pentecostes – O NomePentecostes – O Nome
Festa de Pentecostes. As razões deste novo nome são
várias: (a) nos últimos trezentos anos do período do
Antigo Testamento, os gregos assumiram o controle
do mundo, impondo sua língua, que se tornou muito
popular entre os judeus.
Os nomes hebraicos - hag haqasir e hag xabu´ot -
perderam as suas atualidades e foram substituídos
pela denominação Pentecostes, cujo significado é
cinqüenta dias depois (da Páscoa).
Como o Império Grego assumiu o controle do mundo,
em 331 anos antes de Jesus, é provável que o nome
Pentecostes ganhou popularidade a partir desse
período.
Pentecostes - MotivosPentecostes - Motivos
Um dos detalhes marcantes dessa "Santa
Convocação" é o fortalecimento da
fraternidade entre os trabalhadores do
campo, incluindo a população israelita, os
servos e estrangeiros.
Pentecostes - MotivosPentecostes - Motivos
A festa das Colheitas ensinou a comunidade de
trabalhadores do campo que se deveria
entregar o excedente de sua produção agrícola
para Javé, a fim de que essa oferta seja
compartilhada com os menos favorecidos (Lv
25.6-7, 21-22). A pedagogia dessa lei possui
uma profunda sabedoria, pois ela tem como
alvo educar o povo dentro dos princípios da
solidariedade e igualdade social.
Pentecostes - MotivosPentecostes - Motivos
Aprender a agradecer. Ao agradecer a Deus pelo dom
da terra - para morar, plantar e alimentar dos frutos
produzidos nela - o povo descobria os mistérios da
graça divina. Ser grato pela "terra que mana leite e
mel", pela cevada, trigo e outros grãos que sustentam
vida representam uma alegria de enormes
proporções. Além da terra, os celebrantes eram
ensinados a agradecer a Deus pela instrução que
disciplina e ordena a vida comunitária.
Pentecostes - ResumoPentecostes - Resumo
• Os judeus chamavam a festa das semanas.
• Eles observavam 7 semanas após a Páscoa
(1) Na festividade, ele realizava sacrifícios.
(2) Acontecia a oferta dos primeiros frutos da terra
( reconhecimento de Deus como o autor e o domínio
de todas as coisas)
(3) Festejavam a LEI dada no Sinai cinqüenta dias
após a saída dos israelitas do Egito.
• Era o qüinquagésimo dia após o segundo dia da
páscoa.
Analisando Joel 2:28-32
E há-de ser que, depois, derramarei o meu Espírito sobre toda a carne,
(DONS)
e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os
vossos mancebos terão visões.
E, também, sobre os servos e sobre as servas, naqueles dias,
derramarei o meu Espírito.
(SINAIS)
E mostrarei prodígios no céu, e na terra, sangue e fogo, e colunas de fumo.
O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o grande
e terrível dia do Senhor.
E há-de ser que, todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo;
porque, no monte de Sião e em Jerusalém haverá livramento, assim como
o Senhor tem dito, e nos restantes, que o Senhor chamar.
O Derramar do Espírito nosO Derramar do Espírito nos
Últimos DiasÚltimos Dias
Grande e terrível
dia do Senhor
SinaisDons
Espírito
igreja
1° - Separação da Igreja e do Judaísmo
2° - Recebimento do Espírito Santo
3° - Início das Missões
Por que o Pentecostes é oPor que o Pentecostes é o
nascedouro da Igreja?nascedouro da Igreja?
PerseveravamPerseveravam
Doutrina dos apóstolos
Comunhão
Partir dos Pão
Orações
Na manhã do dia de Pentecostes.Na manhã do dia de Pentecostes.
1. - 120 seguidores de Jesus
oravam reunidos
2. - Línguas de fogo desceram
sobre eles
3. - Falaram em outras línguas
O tríplice efeito do PentecostesO tríplice efeito do Pentecostes
1. - Iluminou a mente dos
discípulos
2. - Compreenderam que o Reino
não era político
3. - Deveriam estar totalmente na
dependência do espírito Santo
A Vida na IgrejaA Vida na Igreja
Naquele tempo uma Igreja cristã era
comumente um pequeno grupo de crentes que
viviam numa grande comunidade pagã.
Quase todos eram pessoas pobres, alguns
escravos, embora houvesse cristãos nas classes
mais altas, especialmente na igreja de Roma.
Em toda parte havia muita coisa que distinguia
um cristão dos vizinhos pagãos.
Eles se tratavam mutuamente por irmãos em
Cristo, e realmente agiam como irmãos.
A Vida na IgrejaA Vida na Igreja
Cuidavam desveladamente dos órfãos, dos
doentes, das viúvas, dos desamparados.
As coletas e a administração dos fundos de
caridade constituíam uma das partes mais
importantes da vida dessas igrejas primitivas.
Dentro da Igreja todas as distinções foram
abolidas, escravos e senhores foram nivelados.
As mulheres alcançaram uma posição de honra
e de influência que jamais haviam conseguido
na sociedade profana.
A Vida na IgrejaA Vida na Igreja
Distinguiam-se também os cristãos por
um fervor e pureza moral jamais
conhecidos em qualquer parte.
As Epístolas de Paulo aos Coríntios nos
falam de um povo que estava longe de
ser perfeito como era de se esperar
daqueles recém-convertidos do
paganismo e que viviam no meio de suas
tentações.
A Vida na IgrejaA Vida na Igreja
Não obstante, as vidas dos cristãos gentios
demonstravam o poder que tem o Evangelho
de conceder aos homens uma nova justiça.
Além disso, a atitude dominante dos cristãos
era de contentamento e confiança admiráveis.
Regozijavam-se no amor de Deus, o Pai; na
comunhão com Cristo redivivo; no perdão dos
pecados; na certeza da imortalidade. Assim
desconheciam a tristeza e o desespero que
oprimiam a vida de muitos que os cercavam.
A Vida na IgrejaA Vida na Igreja
Todas essas características derivavam parte
do seu vigor da constante expectação em
que vivam esses discípulos quanto à
iminente vinda do Senhor, em glória visível,
para restabelecer seu Reino triunfante
sobre a terra.
A predominância dessa esperança na Igreja
apostólica nunca deve ser esquecida
quando consideramos esse período
histórico da Igreja.
Atendimento aos necessitados
da igreja.
AA falta de organizaçãofalta de organização penalizavapenalizava
as viúvas helenistaas viúvas helenista
SoluçãoSolução
Diáconos
serviriam
às mesas.
ApóstolosApóstolos
se dedicariamse dedicariam
à oraçãoà oração
à Palavraà Palavra
Administrativo Espiritual
7 Diáconos7 Diáconos
Solução para o problema do atendimento aos
cristãos necessitados.
Eleição - Escolhidos pelo povo
Identificação - e dentre o povo.
Reconhecimento - Efetivados no cargo pela
imposição de mãos dos apóstolos.
 Atenderiam as mesasAtenderiam as mesas
Características dos diáconosCaracterísticas dos diáconos
Morais - Boa reputação
Espirituais - Cheios do Espírito Santo
Intelectuais - Cheios de Sabedoria
Condições
Os 7 diáconosOs 7 diáconos
1. Estêvão
2. Filipe
3. Prócoro
4. Nicanor
5. Timão
6. Pármenas
7. Nicolau
•Nomes gregos
•Judeus Helenistas
Os 7 diáconosOs 7 diáconos
1. Estêvão
2. Filipe
3. Prócoro
4. Nicanor
5. Timão
6. Pármenas
7. Nicolau
•Nomes gregos
•Judeus Helenistas
Martírio de EstêvãoMartírio de Estêvão
1. Deus
2. Moisés
3. Lei
4. Templo
Natureza das Acusações
Dispersão porDispersão por
conta daconta da
perseguiçãoperseguição
A Inclusão dosA Inclusão dos
GentiosGentios
na Igrejana Igreja
Lida
Enéias é curado
Cornélio é Batizado
Samaria é Batizada
Dorcas ressuscita
As 3 fases do desenvolvimento daAs 3 fases do desenvolvimento da
igrejaigreja
Na 1ª fase (O início) – O evangelho era
algo exclusivo dos judeus.
Na 2ª fase (Judeus Helenistas) –
samaritanos e gregos tementes são
incluídos na igreja.
Na 3ª fase (pagãos) – O evangelho é
levado aos pagãos.
Expansão da IgrejaExpansão da Igreja
Dispersão porDispersão por
conta daconta da
perseguiçãoperseguição
A Inclusão dosA Inclusão dos
samaritanos esamaritanos e
gentiosgentios
Lida
Enéias é curado
Cornélio é Batizado
Samaria é Batizada
Dorcas ressuscita
Importância de Antioquia da SíriaImportância de Antioquia da Síria
Antioquia da SíriaAntioquia da Síria
Antioquia da Síria
Jerusalém
482 km
• 3ª maior cidade do Império Romano
• População mista de 500.000 pessoas
• Chamada de rainha do oriente.
• Local de culto a Astarote
• Porta de acesso às estradas orientais
• Nessa cidade os discípulos foram
chamados pela 1ª vez de CRISTÃOS
Extensão do Império RomanoExtensão do Império Romano
Densidade populacional ImpérioDensidade populacional Império
RomanoRomano
64

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Periodo interbiblico
Periodo interbiblicoPeriodo interbiblico
Periodo interbiblico
Magrão Silva
 
6. sinais da volta de jesus
6. sinais da volta de jesus6. sinais da volta de jesus
6. sinais da volta de jesus
Moisés Sampaio
 

Mais procurados (20)

História da Igreja I - Aula 1 - Introdução
História da Igreja I - Aula 1 - IntroduçãoHistória da Igreja I - Aula 1 - Introdução
História da Igreja I - Aula 1 - Introdução
 
Periodo interbiblico
Periodo interbiblicoPeriodo interbiblico
Periodo interbiblico
 
3 aula profetas menores
3 aula profetas menores3 aula profetas menores
3 aula profetas menores
 
A Vida do Apóstolo Paulo
A Vida do Apóstolo PauloA Vida do Apóstolo Paulo
A Vida do Apóstolo Paulo
 
Lição 11 - A segunda vinda de Cristo
Lição 11 - A segunda vinda de CristoLição 11 - A segunda vinda de Cristo
Lição 11 - A segunda vinda de Cristo
 
Panorama do NT - Mateus
Panorama do NT - MateusPanorama do NT - Mateus
Panorama do NT - Mateus
 
BEMA - O Tribunal de Cristo
BEMA - O Tribunal de CristoBEMA - O Tribunal de Cristo
BEMA - O Tribunal de Cristo
 
Apocalipse
ApocalipseApocalipse
Apocalipse
 
Jeremias
JeremiasJeremias
Jeremias
 
Historia da igreja
Historia da igrejaHistoria da igreja
Historia da igreja
 
6. sinais da volta de jesus
6. sinais da volta de jesus6. sinais da volta de jesus
6. sinais da volta de jesus
 
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
 
10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja
 
Slides panorama do velho testamento 2
Slides   panorama do velho testamento 2Slides   panorama do velho testamento 2
Slides panorama do velho testamento 2
 
7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos
 
5. O Evangelho de Lucas
5. O Evangelho de Lucas5. O Evangelho de Lucas
5. O Evangelho de Lucas
 
geografia bíblica, hidrografia de israel.
geografia bíblica, hidrografia de israel.geografia bíblica, hidrografia de israel.
geografia bíblica, hidrografia de israel.
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
 
7 selos do apocalipse
7 selos do apocalipse7 selos do apocalipse
7 selos do apocalipse
 

Destaque (16)

As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
 
Curso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEPCurso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEP
 
Jesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiroJesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiro
 
Daniel nosso contemporaneo
Daniel nosso contemporaneoDaniel nosso contemporaneo
Daniel nosso contemporaneo
 
Livros históricos aula 3
Livros  históricos aula 3Livros  históricos aula 3
Livros históricos aula 3
 
O cuidado ao falar e a religião pura
O cuidado ao falar e a religião puraO cuidado ao falar e a religião pura
O cuidado ao falar e a religião pura
 
1. introducao
1. introducao1. introducao
1. introducao
 
Epístolas gerais aula 2
Epístolas gerais aula 2Epístolas gerais aula 2
Epístolas gerais aula 2
 
A peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
A peregrinação de Israel no deserto até o SinaiA peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
A peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
 
O Deus que intervém na história
O Deus que intervém na históriaO Deus que intervém na história
O Deus que intervém na história
 
O evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo LucasO evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo Lucas
 
O divórcio
O divórcioO divórcio
O divórcio
 
Lança o teu pão sobre as águas
Lança o teu pão sobre as águasLança o teu pão sobre as águas
Lança o teu pão sobre as águas
 
Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1
 
Como baixar os estudo no slideshare
Como baixar os estudo no slideshareComo baixar os estudo no slideshare
Como baixar os estudo no slideshare
 
Tiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obrasTiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obras
 

Semelhante a Historia da igreja i aula 3

História da Igreja I - Pr. Moisés Sampaio de Paula - IBBC - Aula 3.ppt
História da Igreja I - Pr. Moisés Sampaio de Paula - IBBC - Aula 3.pptHistória da Igreja I - Pr. Moisés Sampaio de Paula - IBBC - Aula 3.ppt
História da Igreja I - Pr. Moisés Sampaio de Paula - IBBC - Aula 3.ppt
charleshonda2005
 
Algumas notas sobre as provas baha'i's baseadas na bi blia
Algumas notas sobre as provas baha'i's baseadas na bi bliaAlgumas notas sobre as provas baha'i's baseadas na bi blia
Algumas notas sobre as provas baha'i's baseadas na bi blia
Mauricio Gonçalves
 
Ordem cronologica da biblia - Pb. Jonas Carlos.pptx
Ordem cronologica da biblia - Pb. Jonas Carlos.pptxOrdem cronologica da biblia - Pb. Jonas Carlos.pptx
Ordem cronologica da biblia - Pb. Jonas Carlos.pptx
charleshonda2005
 
As festas de deus
As festas de deusAs festas de deus
As festas de deus
Edson Ap
 
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, DoutrinaA Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
ministeriotemplovivo
 
Estudo sobre o Arrebatamento - Juniores
Estudo sobre o Arrebatamento - JunioresEstudo sobre o Arrebatamento - Juniores
Estudo sobre o Arrebatamento - Juniores
Sandra Fuso
 
Escatologia bíblica
Escatologia bíblicaEscatologia bíblica
Escatologia bíblica
Marcos Kinho
 
Apostila de escatologia
Apostila de escatologiaApostila de escatologia
Apostila de escatologia
Rubens Bastos
 
912 e se jesus voltasse agora 1
912 e se jesus voltasse agora 1912 e se jesus voltasse agora 1
912 e se jesus voltasse agora 1
Sadrac Pereira
 

Semelhante a Historia da igreja i aula 3 (20)

História da Igreja I - Pr. Moisés Sampaio de Paula - IBBC - Aula 3.ppt
História da Igreja I - Pr. Moisés Sampaio de Paula - IBBC - Aula 3.pptHistória da Igreja I - Pr. Moisés Sampaio de Paula - IBBC - Aula 3.ppt
História da Igreja I - Pr. Moisés Sampaio de Paula - IBBC - Aula 3.ppt
 
A historia da igreja parte 3
A historia da igreja parte 3A historia da igreja parte 3
A historia da igreja parte 3
 
Algumas notas sobre as provas baha'i's baseadas na bi blia
Algumas notas sobre as provas baha'i's baseadas na bi bliaAlgumas notas sobre as provas baha'i's baseadas na bi blia
Algumas notas sobre as provas baha'i's baseadas na bi blia
 
Ordem cronologica da biblia - Pb. Jonas Carlos.pptx
Ordem cronologica da biblia - Pb. Jonas Carlos.pptxOrdem cronologica da biblia - Pb. Jonas Carlos.pptx
Ordem cronologica da biblia - Pb. Jonas Carlos.pptx
 
A mensagem do anjo do sarçal e algumas orações (osvaldo polidoro reencarnaç...
A mensagem do anjo do sarçal e algumas orações (osvaldo polidoro   reencarnaç...A mensagem do anjo do sarçal e algumas orações (osvaldo polidoro   reencarnaç...
A mensagem do anjo do sarçal e algumas orações (osvaldo polidoro reencarnaç...
 
Cetadeb sonora- ms
Cetadeb  sonora- msCetadeb  sonora- ms
Cetadeb sonora- ms
 
As festas de deus
As festas de deusAs festas de deus
As festas de deus
 
Curso de-ministros
Curso de-ministrosCurso de-ministros
Curso de-ministros
 
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, DoutrinaA Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
 
Estudo sobre o Arrebatamento - Juniores
Estudo sobre o Arrebatamento - JunioresEstudo sobre o Arrebatamento - Juniores
Estudo sobre o Arrebatamento - Juniores
 
Escatologia bíblica
Escatologia bíblicaEscatologia bíblica
Escatologia bíblica
 
Escatologia cap07
Escatologia cap07Escatologia cap07
Escatologia cap07
 
7. arrebatamento
7. arrebatamento7. arrebatamento
7. arrebatamento
 
O arrebatamento da igreja lição 5
O arrebatamento da igreja   lição 5O arrebatamento da igreja   lição 5
O arrebatamento da igreja lição 5
 
Apostila de escatologia
Apostila de escatologiaApostila de escatologia
Apostila de escatologia
 
Livro o ultimo_dia_-_com_fotos
Livro o ultimo_dia_-_com_fotosLivro o ultimo_dia_-_com_fotos
Livro o ultimo_dia_-_com_fotos
 
Slide - EBD MVN 2023 Licao 06 1Trim.pptx
Slide - EBD MVN 2023 Licao 06 1Trim.pptxSlide - EBD MVN 2023 Licao 06 1Trim.pptx
Slide - EBD MVN 2023 Licao 06 1Trim.pptx
 
FORMAÇÃO PAROQUIAL PARA MINISTROS EXTRAORDINÁRIO DA PALAVRA
FORMAÇÃO PAROQUIAL PARA MINISTROS EXTRAORDINÁRIO DA PALAVRAFORMAÇÃO PAROQUIAL PARA MINISTROS EXTRAORDINÁRIO DA PALAVRA
FORMAÇÃO PAROQUIAL PARA MINISTROS EXTRAORDINÁRIO DA PALAVRA
 
912 e se jesus voltasse agora 1
912 e se jesus voltasse agora 1912 e se jesus voltasse agora 1
912 e se jesus voltasse agora 1
 
Parousia o arrebatamento da igreja
Parousia   o arrebatamento da igrejaParousia   o arrebatamento da igreja
Parousia o arrebatamento da igreja
 

Mais de Moisés Sampaio

O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
Moisés Sampaio
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
Moisés Sampaio
 
Jesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulosJesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulos
Moisés Sampaio
 
Não darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoNão darás falso testemunho
Não darás falso testemunho
Moisés Sampaio
 

Mais de Moisés Sampaio (20)

O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram Jesus
 
Jesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulosJesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulos
 
A tentação de Jesus
A tentação de JesusA tentação de Jesus
A tentação de Jesus
 
A infância de Jesus
A infância de JesusA infância de Jesus
A infância de Jesus
 
O nascimento de Jesus
O nascimento de JesusO nascimento de Jesus
O nascimento de Jesus
 
A igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de DeusA igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de Deus
 
9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum
 
8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia
 
Não cobiçarás
Não cobiçarásNão cobiçarás
Não cobiçarás
 
7- Tiberíades
7- Tiberíades7- Tiberíades
7- Tiberíades
 
6 meggido
6   meggido6   meggido
6 meggido
 
Não darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoNão darás falso testemunho
Não darás falso testemunho
 
5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo
 
4 - Haifa
4 - Haifa4 - Haifa
4 - Haifa
 
3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima
 
2-Jaffa
2-Jaffa2-Jaffa
2-Jaffa
 
1 - Tel Aviv
1 - Tel Aviv1 - Tel Aviv
1 - Tel Aviv
 
Não furtarás
Não furtarásNão furtarás
Não furtarás
 

Historia da igreja i aula 3

  • 1. História da Igreja IHistória da Igreja I Pr. Moisés Sampaio de Paula IBBC - Aula 3
  • 2. ESBOÇO - O que vamos estudarESBOÇO - O que vamos estudar 1. O mundo do Novo Testamento 2. O Judaísmo 3. Jesus Cristo – vida e obra 4. Os apóstolos 5. A origem da Igreja em Jerusalém 6. Apósotolo Paulo – Vida e Obra 2Pr Moises Sampaio - História da Igreja I
  • 3. -Nomeação de Matia em substituição de Judas - At 1 - O Pentecostes – At 2 - Curas e Libertações de Endemoninhados – At 3, 16 - Perseguição por parte dos judeus – At 4 - Primeira morte dentro da Igreja – At 5 - Instituição do Diaconato – At 6 - Primeiro Martírio (Estevão) - At 7 - Pregações em Samaria – At 8 - Conversão de Saulo – At 9 -
  • 4. - Ressurreição de Tabita, Dorcas – At 10 - Fome e necessidade da Igreja de Jerusalém – At 11, 12 - Morte de Tiago – At 12 - Chamada ministerial paulina e início das missões transculturais – At 13 - Viagens Paulinas – At 13 – até 28 - Primeiro Concílio da Igreja em Jerusalém (Tiago) – At 15 - Ministério paulino – At 16 – 24 - Julgamentos de Paulo e ida para Roma – At 25 – 28 - Pedro foi para Roma - Livros do Novo Testamento foram escritos - João para Éfeso, Ilha de Patmos e o Apocalipse - Os apóstolos respondem as questões doutrinárias - João morre e termina essa era
  • 5. O NASCIMENTO DA IGREJAO NASCIMENTO DA IGREJA A Igreja de Cristo iniciou sua história com um movimento de âmbito mundial, no dia de Pentecostes, cinqüenta dias após a ressurreição, e dez dias depois da ascensão do Senhor Jesus Cristo.
  • 6. Chamados para foraChamados para fora Igreja Chamados para fora do mundo
  • 7. A igreja e o MundoA igreja e o Mundo O que a Bíblia diz: (JO 15:19) - Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia. (JO 15:18) - Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim. (JO 16:33) - Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.
  • 8. Deus e o mundoDeus e o mundo O que a Bíblia diz:  (JO 3:16) - Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.  (JO 3:17) - Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.
  • 9. Mundo - relacionamentoMundo - relacionamento O que a Bíblia diz: (MT 13:38) - O campo é o mundo... (MT 5:14) - Vós sois a luz do mundo... (MC 16:15) - E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.
  • 10. ? ? PerguntaPergunta Como se relacionar com o mundo se você não tem mais ligação com ele?
  • 11. Não estamos sósNão estamos sós Eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro CONSOLADOR, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito (Jo 14.16,26)
  • 12. O Espírito Santo e sua relação com oO Espírito Santo e sua relação com o Mundo e o CrenteMundo e o Crente MundoMundo CrenteCrente 1. não pode receber 3. e estará em vós. 2. porque não o vê 2. porque habita convosco 3. nem o conhece 1. o conheceis Joao 14:17
  • 13. Nossa sorteNossa sorte Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus.Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o espírito de adopção de filhos, pelo qual clamamos; Aba, Pai. O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito, que somos filhos de Deus. Rm 8.14-16 Qual a sorte de quem não tem o Espírito de Deus?
  • 14. Origem da IgrejaOrigem da Igreja tempo Chamado de Abraão Gentios Israel Igreja (Fiéis, Impios) (Fiéis) (Fiéis, Impios) (Fiéis) (Fiéis) Descida do Esp.Santo EternidadePassada EternidadeFutura
  • 15. Jesus instrui seus discípulosJesus instrui seus discípulos 40 dias 10 dias 1. Dar aos discípulos a certeza de Sua ressurreição. 2. Dar aos discípulos as diretrizes acerca do Reino de Deus
  • 16. Ficar até que sejamosFicar até que sejamos Eis que sobre vós (discípulos) envio (Jesus) a promessa de meu pai (Jl 2:28; Ez 36:26,27); ficai pois, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder. Lucas 24:49
  • 17. Receber para serReceber para ser Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda Judéia e Samaria, e até os confins da terra. (Atos 1.8)
  • 18. RecebereisRecebereis O que acontecerá? Mas recebereis poder, Quando acontecerá? ao descer sobre vós o Espírito Santo, Qual o objetivo? e sereis minhas testemunhas Onde seremos testemunhas? tanto em Jerusalém como em toda Judéia e Samaria, e até os confins da terra. (Atos 1.8)
  • 19. As ordens eram...As ordens eram... Ficar Receber Ser Para quê ?
  • 20. Para TestemunharPara Testemunhar Testemunhar  Pessoa que assiste a determinado fato ou dele tem conhecimento, e é chamada a relatar sobre o que souber a respeito desse fato.  Pessoa que presencia um fato qualquer; espectador.
  • 21. CenáculoCenáculo Parte da casa de Maria, mãe de João Marcos, onde supõe-se Que teria se realizado A última ceia
  • 22. A verdeira esperaA verdeira espera Expectativa Oração Consagração
  • 24. Festas PrincipaisFestas Principais Páscoa Pentecostes (colheita) Tabernáculos (cabanas)
  • 25.
  • 26.
  • 27. Pentecostes – O NomePentecostes – O Nome Festa da Colheita ou Sega - no hebraico hag haqasir. Por se tratar de uma colheita de grãos, trigo e cevada, essa festa ganhou esse segundo nome. Provavelmente, hag haqasir Festa da Colheita é o nome original (Ex 23.16). Festa das Semanas - no hebraico, hag xabu´ot. A razão desse nome está no período de duração dessa celebração: sete semanas. O início da festa se dá, cinqüenta dias depois da Páscoa, com a colheita da cevada; o encerramento acontece com a colheita do trigo (Dt 34.22; Nm 28.26; Dt 16.10).
  • 28. Pentecostes – O NomePentecostes – O Nome Dia das Primícias dos Frutos - no hebraico yom habikurim. Este nome tem sua razão de ser na entrega de uma oferta voluntária, a Deus, dos primeiros frutos da terra colhidos naquela sega (Nm 28.26). Provavelmente, a oferta das primícias acontecia em cada uma das três tradicionais festas do antigo calendário bíblico. Na primeira, Páscoa, entregava-se uma ovelha nascida naquele ano; na segunda, Colheita ou Semanas, entregava-se uma porção dos primeiros grãos colhidos; e, finalmente, na terceira festa, Tabernáculos ou Cabanas, o povo oferecia os primeiros frutos da colheita de frutas, como uva, tâmara e figo, especialmente.
  • 29. Pentecostes – O NomePentecostes – O Nome Festa de Pentecostes. As razões deste novo nome são várias: (a) nos últimos trezentos anos do período do Antigo Testamento, os gregos assumiram o controle do mundo, impondo sua língua, que se tornou muito popular entre os judeus. Os nomes hebraicos - hag haqasir e hag xabu´ot - perderam as suas atualidades e foram substituídos pela denominação Pentecostes, cujo significado é cinqüenta dias depois (da Páscoa). Como o Império Grego assumiu o controle do mundo, em 331 anos antes de Jesus, é provável que o nome Pentecostes ganhou popularidade a partir desse período.
  • 30. Pentecostes - MotivosPentecostes - Motivos Um dos detalhes marcantes dessa "Santa Convocação" é o fortalecimento da fraternidade entre os trabalhadores do campo, incluindo a população israelita, os servos e estrangeiros.
  • 31. Pentecostes - MotivosPentecostes - Motivos A festa das Colheitas ensinou a comunidade de trabalhadores do campo que se deveria entregar o excedente de sua produção agrícola para Javé, a fim de que essa oferta seja compartilhada com os menos favorecidos (Lv 25.6-7, 21-22). A pedagogia dessa lei possui uma profunda sabedoria, pois ela tem como alvo educar o povo dentro dos princípios da solidariedade e igualdade social.
  • 32. Pentecostes - MotivosPentecostes - Motivos Aprender a agradecer. Ao agradecer a Deus pelo dom da terra - para morar, plantar e alimentar dos frutos produzidos nela - o povo descobria os mistérios da graça divina. Ser grato pela "terra que mana leite e mel", pela cevada, trigo e outros grãos que sustentam vida representam uma alegria de enormes proporções. Além da terra, os celebrantes eram ensinados a agradecer a Deus pela instrução que disciplina e ordena a vida comunitária.
  • 33. Pentecostes - ResumoPentecostes - Resumo • Os judeus chamavam a festa das semanas. • Eles observavam 7 semanas após a Páscoa (1) Na festividade, ele realizava sacrifícios. (2) Acontecia a oferta dos primeiros frutos da terra ( reconhecimento de Deus como o autor e o domínio de todas as coisas) (3) Festejavam a LEI dada no Sinai cinqüenta dias após a saída dos israelitas do Egito. • Era o qüinquagésimo dia após o segundo dia da páscoa.
  • 34. Analisando Joel 2:28-32 E há-de ser que, depois, derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, (DONS) e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos mancebos terão visões. E, também, sobre os servos e sobre as servas, naqueles dias, derramarei o meu Espírito. (SINAIS) E mostrarei prodígios no céu, e na terra, sangue e fogo, e colunas de fumo. O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o grande e terrível dia do Senhor. E há-de ser que, todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo; porque, no monte de Sião e em Jerusalém haverá livramento, assim como o Senhor tem dito, e nos restantes, que o Senhor chamar.
  • 35. O Derramar do Espírito nosO Derramar do Espírito nos Últimos DiasÚltimos Dias Grande e terrível dia do Senhor SinaisDons Espírito igreja
  • 36. 1° - Separação da Igreja e do Judaísmo 2° - Recebimento do Espírito Santo 3° - Início das Missões Por que o Pentecostes é oPor que o Pentecostes é o nascedouro da Igreja?nascedouro da Igreja?
  • 38. Na manhã do dia de Pentecostes.Na manhã do dia de Pentecostes. 1. - 120 seguidores de Jesus oravam reunidos 2. - Línguas de fogo desceram sobre eles 3. - Falaram em outras línguas
  • 39. O tríplice efeito do PentecostesO tríplice efeito do Pentecostes 1. - Iluminou a mente dos discípulos 2. - Compreenderam que o Reino não era político 3. - Deveriam estar totalmente na dependência do espírito Santo
  • 40.
  • 41. A Vida na IgrejaA Vida na Igreja Naquele tempo uma Igreja cristã era comumente um pequeno grupo de crentes que viviam numa grande comunidade pagã. Quase todos eram pessoas pobres, alguns escravos, embora houvesse cristãos nas classes mais altas, especialmente na igreja de Roma. Em toda parte havia muita coisa que distinguia um cristão dos vizinhos pagãos. Eles se tratavam mutuamente por irmãos em Cristo, e realmente agiam como irmãos.
  • 42. A Vida na IgrejaA Vida na Igreja Cuidavam desveladamente dos órfãos, dos doentes, das viúvas, dos desamparados. As coletas e a administração dos fundos de caridade constituíam uma das partes mais importantes da vida dessas igrejas primitivas. Dentro da Igreja todas as distinções foram abolidas, escravos e senhores foram nivelados. As mulheres alcançaram uma posição de honra e de influência que jamais haviam conseguido na sociedade profana.
  • 43. A Vida na IgrejaA Vida na Igreja Distinguiam-se também os cristãos por um fervor e pureza moral jamais conhecidos em qualquer parte. As Epístolas de Paulo aos Coríntios nos falam de um povo que estava longe de ser perfeito como era de se esperar daqueles recém-convertidos do paganismo e que viviam no meio de suas tentações.
  • 44. A Vida na IgrejaA Vida na Igreja Não obstante, as vidas dos cristãos gentios demonstravam o poder que tem o Evangelho de conceder aos homens uma nova justiça. Além disso, a atitude dominante dos cristãos era de contentamento e confiança admiráveis. Regozijavam-se no amor de Deus, o Pai; na comunhão com Cristo redivivo; no perdão dos pecados; na certeza da imortalidade. Assim desconheciam a tristeza e o desespero que oprimiam a vida de muitos que os cercavam.
  • 45. A Vida na IgrejaA Vida na Igreja Todas essas características derivavam parte do seu vigor da constante expectação em que vivam esses discípulos quanto à iminente vinda do Senhor, em glória visível, para restabelecer seu Reino triunfante sobre a terra. A predominância dessa esperança na Igreja apostólica nunca deve ser esquecida quando consideramos esse período histórico da Igreja.
  • 46. Atendimento aos necessitados da igreja. AA falta de organizaçãofalta de organização penalizavapenalizava as viúvas helenistaas viúvas helenista
  • 47. SoluçãoSolução Diáconos serviriam às mesas. ApóstolosApóstolos se dedicariamse dedicariam à oraçãoà oração à Palavraà Palavra Administrativo Espiritual
  • 48. 7 Diáconos7 Diáconos Solução para o problema do atendimento aos cristãos necessitados. Eleição - Escolhidos pelo povo Identificação - e dentre o povo. Reconhecimento - Efetivados no cargo pela imposição de mãos dos apóstolos.  Atenderiam as mesasAtenderiam as mesas
  • 49. Características dos diáconosCaracterísticas dos diáconos Morais - Boa reputação Espirituais - Cheios do Espírito Santo Intelectuais - Cheios de Sabedoria Condições
  • 50. Os 7 diáconosOs 7 diáconos 1. Estêvão 2. Filipe 3. Prócoro 4. Nicanor 5. Timão 6. Pármenas 7. Nicolau •Nomes gregos •Judeus Helenistas
  • 51. Os 7 diáconosOs 7 diáconos 1. Estêvão 2. Filipe 3. Prócoro 4. Nicanor 5. Timão 6. Pármenas 7. Nicolau •Nomes gregos •Judeus Helenistas
  • 52. Martírio de EstêvãoMartírio de Estêvão 1. Deus 2. Moisés 3. Lei 4. Templo Natureza das Acusações
  • 53. Dispersão porDispersão por conta daconta da perseguiçãoperseguição
  • 54. A Inclusão dosA Inclusão dos GentiosGentios na Igrejana Igreja Lida Enéias é curado Cornélio é Batizado Samaria é Batizada Dorcas ressuscita
  • 55.
  • 56. As 3 fases do desenvolvimento daAs 3 fases do desenvolvimento da igrejaigreja Na 1ª fase (O início) – O evangelho era algo exclusivo dos judeus. Na 2ª fase (Judeus Helenistas) – samaritanos e gregos tementes são incluídos na igreja. Na 3ª fase (pagãos) – O evangelho é levado aos pagãos.
  • 58. Dispersão porDispersão por conta daconta da perseguiçãoperseguição
  • 59. A Inclusão dosA Inclusão dos samaritanos esamaritanos e gentiosgentios Lida Enéias é curado Cornélio é Batizado Samaria é Batizada Dorcas ressuscita
  • 60. Importância de Antioquia da SíriaImportância de Antioquia da Síria
  • 61. Antioquia da SíriaAntioquia da Síria Antioquia da Síria Jerusalém 482 km • 3ª maior cidade do Império Romano • População mista de 500.000 pessoas • Chamada de rainha do oriente. • Local de culto a Astarote • Porta de acesso às estradas orientais • Nessa cidade os discípulos foram chamados pela 1ª vez de CRISTÃOS
  • 62. Extensão do Império RomanoExtensão do Império Romano
  • 63. Densidade populacional ImpérioDensidade populacional Império RomanoRomano
  • 64. 64