SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
-     -          • ,r."-
                                                                               _




ção é parte do progresso do conhecimento. Mas, sobretudo e de um ponto de vista mais profundo, o
ensino da Matemática é uma peça essencial do treino do cérebro, o nosso órgão mais nobre. Todos
nascemos prematuros, precisamos de proteção durante a juventude, porque no mundo naturalmente
hostil dependemos da nossa capacidade de tomar decisões certas com base em informações incertas, o
que só é possível se conseguirmos identificar padrões e deduzir consequências. Por isso os adultos, para
alem da proteção imediata, devem-nos nessa fase juvenil o amparo do futuro, que consiste no treino do
cérebro, por forma a desenvolver as capacidades indutivas e dedutivas indispensáveis para aquelas
tarefas de sobrevivência quotidiana.
Todos temos latente a capacidade de raciocínio dedutivo, um tipo de raciocínio que se for bem apli-
cado só pode conduzir a verdade; deve ser desenvolvido com Matemática, com Lógica, com puzzles e
jogos, com histórias policiais. Temos também raciocínio indutivo, aquele que nos permite a partir
de um conjunto de observações, quase sempre escassas, reconhecer padrões e, podando os porme-
nores concretos irrelevantes para esses padrões, construir um conhecimento mais amplo, mais geral e
abstrato. Treina-se com a experiência e o exemplo, embora pouco se saiba ainda sobre como o
nosso cérebro consegue esse salto qualitativo extraordinário que e estruturar a informação avulsa em
conhecimento. O raciocínio indutivo é a base das ciências naturais, sociais e humanas. Mas claro que
estas áreas evoluíram (diria mesmo que se tomaram ciências) com a quantificação dependem, elas
também, de um domínio adequado de habilitação dedutiva, nomeadamente matemática. É necessário,
cada vez mais necessário, treinar essas duas componentes da inteligência, e o ensino da Matemática é
um instrumento impar no que refere o desenvolvimento do raciocínio dedutivo. Ramos
relativamente recentes da Matemática, a Probabilidade, que em certo sentido, se pode apodar de
Matemática da incerteza) e a Estatística — que é a ciência da organização da informação, de como se
devem recolher e “ler" os dados — usam, e por isso estruturam e treinam, quer o raciocínio
dedutivo quer o raciocínio indutivo, e por isso a inclusão dos rudimentos dessas áreas nos
programas de Matemática do Secundário foi uma evolução que merece aplauso. Face a estas
banalidades, que qualquer um de vocês conhece, porque       essa falta de prazer em estudar
Matemática? A Matemática é um jogo, e nós gostamos de jogos! Possivelmente, porque ao invés
dos jogos que todos apreciam, este jogo é a sós. Outras disciplinas são mais sedutoras, no imediato,
porque podem ser estudadas em conjunto, enquanto o domínio, da Matemática decorre de um treino
solitário ou na companhia de um livro, treino que depressa se toma fastidioso se não for
recompensado pela satisfação do êxito. Como todos as prazeres duradouros e que valem a pena, é
necessário um investimento inicial, para se obter a alta recompensa que é a satisfação de
constatar que o poder do nosso raciocínio é cada vez mais vasto. Por isso vale a pena.

Dinis Pestana

Lisboa, 25 de Maio de 2004
Carta aos alunos2

Mais conteúdo relacionado

Mais de pr_afsalbergaria (20)

Cesar e Deus
Cesar e DeusCesar e Deus
Cesar e Deus
 
A Vinha do Senhor
A Vinha do SenhorA Vinha do Senhor
A Vinha do Senhor
 
O Caminho da Cruz
O Caminho da CruzO Caminho da Cruz
O Caminho da Cruz
 
Tu és Pedro
Tu és PedroTu és Pedro
Tu és Pedro
 
Coragem sou Eu
Coragem sou EuCoragem sou Eu
Coragem sou Eu
 
O meu avô
O meu avôO meu avô
O meu avô
 
Joio e Trigo
Joio e TrigoJoio e Trigo
Joio e Trigo
 
O Semeador
O SemeadorO Semeador
O Semeador
 
Sim Pai
Sim PaiSim Pai
Sim Pai
 
Pedro e Paulo
Pedro e PauloPedro e Paulo
Pedro e Paulo
 
O Medo
O MedoO Medo
O Medo
 
A Messe
A MesseA Messe
A Messe
 
Solenidade da Santíssima Trindade
Solenidade da Santíssima TrindadeSolenidade da Santíssima Trindade
Solenidade da Santíssima Trindade
 
Pentecostes
PentecostesPentecostes
Pentecostes
 
Ascensão
AscensãoAscensão
Ascensão
 
Caminho, Verdade e Vida
Caminho, Verdade e VidaCaminho, Verdade e Vida
Caminho, Verdade e Vida
 
Fica conosco
Fica conoscoFica conosco
Fica conosco
 
A Comunidade
A ComunidadeA Comunidade
A Comunidade
 
Ressuscitou
RessuscitouRessuscitou
Ressuscitou
 
Ramos
RamosRamos
Ramos
 

Último

Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do BrasilMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 

Último (20)

Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 

Carta aos alunos2

  • 1. - - • ,r."- _ ção é parte do progresso do conhecimento. Mas, sobretudo e de um ponto de vista mais profundo, o ensino da Matemática é uma peça essencial do treino do cérebro, o nosso órgão mais nobre. Todos nascemos prematuros, precisamos de proteção durante a juventude, porque no mundo naturalmente hostil dependemos da nossa capacidade de tomar decisões certas com base em informações incertas, o que só é possível se conseguirmos identificar padrões e deduzir consequências. Por isso os adultos, para alem da proteção imediata, devem-nos nessa fase juvenil o amparo do futuro, que consiste no treino do cérebro, por forma a desenvolver as capacidades indutivas e dedutivas indispensáveis para aquelas tarefas de sobrevivência quotidiana. Todos temos latente a capacidade de raciocínio dedutivo, um tipo de raciocínio que se for bem apli- cado só pode conduzir a verdade; deve ser desenvolvido com Matemática, com Lógica, com puzzles e jogos, com histórias policiais. Temos também raciocínio indutivo, aquele que nos permite a partir de um conjunto de observações, quase sempre escassas, reconhecer padrões e, podando os porme- nores concretos irrelevantes para esses padrões, construir um conhecimento mais amplo, mais geral e abstrato. Treina-se com a experiência e o exemplo, embora pouco se saiba ainda sobre como o nosso cérebro consegue esse salto qualitativo extraordinário que e estruturar a informação avulsa em conhecimento. O raciocínio indutivo é a base das ciências naturais, sociais e humanas. Mas claro que estas áreas evoluíram (diria mesmo que se tomaram ciências) com a quantificação dependem, elas também, de um domínio adequado de habilitação dedutiva, nomeadamente matemática. É necessário, cada vez mais necessário, treinar essas duas componentes da inteligência, e o ensino da Matemática é um instrumento impar no que refere o desenvolvimento do raciocínio dedutivo. Ramos relativamente recentes da Matemática, a Probabilidade, que em certo sentido, se pode apodar de Matemática da incerteza) e a Estatística — que é a ciência da organização da informação, de como se devem recolher e “ler" os dados — usam, e por isso estruturam e treinam, quer o raciocínio dedutivo quer o raciocínio indutivo, e por isso a inclusão dos rudimentos dessas áreas nos programas de Matemática do Secundário foi uma evolução que merece aplauso. Face a estas banalidades, que qualquer um de vocês conhece, porque essa falta de prazer em estudar Matemática? A Matemática é um jogo, e nós gostamos de jogos! Possivelmente, porque ao invés dos jogos que todos apreciam, este jogo é a sós. Outras disciplinas são mais sedutoras, no imediato, porque podem ser estudadas em conjunto, enquanto o domínio, da Matemática decorre de um treino solitário ou na companhia de um livro, treino que depressa se toma fastidioso se não for recompensado pela satisfação do êxito. Como todos as prazeres duradouros e que valem a pena, é necessário um investimento inicial, para se obter a alta recompensa que é a satisfação de constatar que o poder do nosso raciocínio é cada vez mais vasto. Por isso vale a pena. Dinis Pestana Lisboa, 25 de Maio de 2004