SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 48
Baixar para ler offline
Uma publicação da Igreja Batista da Lagoinha
1ª Edição: maio/2013
Capa e Diagramação:
Junio Amaro
5
Introdução
Aconselhando tantas pessoas nesses 13 anos na
mocidade, temos percebido uma atitude padrão
em jovens: quando nos pedem uma direção a res-
peito de algo, uma importante decisão, uma luta
que precisam vencer, uma resposta que já aguar-
dam de Deus há algum tempo, e respondemos vão
orar, vamos orar ou oramos com eles, fica estampa-
do em seus rostos a decepção, pois eles ficam com
a sensação que não fizemos nada por eles. Pedir
alguém para buscar na oração um mover de Deus
e não pedir nada, na cabeça de muitos, são coisas
cada vez mais parecidas. Mas a oração não é um
6
amuleto ou uma ação mecânica para dar satisfação
à igreja ou sociedade que você é religioso. A oração
tem um poder incalculável extremamente subesti-
mado pelas pessoas. Apenas para citar três exem-
plos da Bíblia:
• Diante das terríveis notícias que recebeu a res-
peito de seu povo, Neemias clamou a Deus pedindo
uma intervenção.
“E sucedeu que, ouvindo eu estas palavras, assen-
tei-me e chorei, e lamentei por alguns dias; e estive je-
juando e orando perante o Deus dos céus.”
(Neemias 1.4)
Sua oração moveu o coração de Deus e mudou a
história do povo que em um período de dois meses
reconstruiu todos os seus muros.
• Jabez orou para Deus estender suas terras e viu
a mão do Senhor cumprindo esse propósito.
“Jabez orou ao Deus de Israel: Ah, abençoa-me e
aumenta as minhas terras! Que a tua mão esteja co-
migo, guardando-me de males e livrando-me de do-
res. E Deus atendeu ao seu pedido.” (1 Crônicas 4.10)
• Eliseu tinha visão aberta, era um profeta pode-
rosamente usado por Deus, no entanto, seu servo
não conseguia ver o agir sobrenatural que estava
7
ocorrendo quando eles estavam sitiados por um
exército inimigo, foi então que o profeta orou para
que os olhos do servo abrissem e ele então viu que
maior era o que estava com eles.
“E Eliseu orou: Senhor, abre os olhos dele para
que veja. Então o Senhor abriu os olhos do rapaz, que
olhou e viu as colinas cheias de cavalos e carros de
fogo ao redor de Eliseu.” (2 Reis 6.17)
Se crermos, podemos mover montanhas, mudar
histórias, fazer a diferença com um gesto aparente-
mente tão simples que é a oração, podemos trans-
tornar essa geração. Por meio deste livro desejamos
estimular você a buscar a oração não como um
hábito ou um ritual, mas como algo essencial para
continuar caminhando nesta Terra, um verdadeiro
estilo de vida.
8
9
1 – O QUE É
ORAR?	
Orar é desenvolver intimidade com Deus por
meio de um diálogo sincero e dinâmico. É conversar
com Deus. Nada tem a ver com repetições. Muitas
pessoas acreditam que repetir uma oração que foi
pré-escrita por alguém pode trazer sorte, a pessoa
amada, uma boa noite de sono, tudo isso é um gran-
de engano. Deus quer desenvolver relacionamento
conosco. Quando você está conversando com al-
guém, pega um papel e começa a ler, o que você
deve falar com a outra pessoa? Ficaria estranho não
10
é? Pense em Deus como esse amigo, esse pai, esse
Senhor que não temos formalidades para encontrar
e abrir o coração e o que ele tem para dizer.
“E, quando orares, não sejas como os hipócritas;
pois se comprazem em orar em pé nas sinagogas, e
às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens.
Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.
Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e,
fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em se-
creto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará
publicamente. E, orando, não useis de vãs repeti-
ções, como os gentios, que pensam que por muito
falarem serão ouvidos.
Não vos assemelheis, pois, a eles; porque vosso
Pai sabe o que vos é necessário, antes de vós lho
pedirdes.”
(Mateus 6.5-8)
11
2 – COMO
ORAR?
Há um momento da trajetória de Cristo que ele
busca ensinar aos seus discípulos como eles devem
conversar com Deus, essa oração modelo hoje é co-
nhecida como o Pai Nosso.
“Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás
nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu rei-
no, seja feita a tua vontade, assim na terra como no
céu; o pão nosso de cada dia nos dá hoje;
E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós
perdoamos aos nossos devedores; e não nos indu-
12
zas à tentação; mas livra-nos do mal; porque teu é
o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém.”
(Mateus 6.9-13)
Ao contrário de usá-la como um amuleto, deve-
mos ter no “Painosso” todos os elementos que com-
põem uma oração completa e, portanto, ela deve
fazer parte do momento de intimidade em oração
de um cristão com o seu Pai.
PAI NOSSO – toda oração deve estabelecer de
forma clara que existe relacionamento entre quem
está orando e o próprio Deus. Precisamos entrar na
presença do Santíssimo sem reservas, como deve
ser uma relação entre um pai e um filho. Não há es-
paço para reservas, medos ou formalidades. Ele é o
MEU Pai, o MEU Pai! Será que Deus já é o SEU Pai?
QUE ESTÁS NOS CÉUS – Precisamos entender
a transcendência de Deus, assim como ele está ao
nosso lado, ele também habita no trono de glória e
é soberano sobre todas as coisas. Podemos também
pensar, espiritualmente, que se estamos na terra e
Ele nos céus, um tem que subir ou o outro tem que
descer. É muito importante nos vermos espiritual-
mente, durante a oração, realmente diante do trono
do Pai, na atmosfera do céu. Podemos pedir a Jesus
13
que nos revista com o seu sangue, com o seu perfu-
me, com a sua atitude e nos conduza até ao Pai, pois
Jesus é o único caminho que nos leva ao Pai.
SANTIFICADO SEJA O VOSSO NOME – Devemos
adorá-lo! Muitos começam a oração pedindo ou bri-
gando com Ele, mas é sempre bom começar reco-
nhecendo quem Deus é para cada um de nós e para
toda a criação. Contudo, não adianta tentarmos dar
a Ele uma adoração só de palavras, como Caim ten-
tou fazer no início. Deus recebe primeiro a adoração
da sua vida e depois a adoração da sua oferta de
louvor, assim como fez com Abel.
VENHA A NÓS O VOSSO REINO – Um reino pos-
sui um rei, suas leis e sua cultura. Quando oramos
“venha o teu Reino”, estamos dizendo ao Pai para
que venha sobre nós a Sua vontade, os Seus man-
damentos e o Seu estilo de vida. Estamos abrindo
mão da nossa vontade, mesmo que essa atitude
nos traga dor ou prejuízo aos olhos humanos.
SEJA FEITA A TUA VONTADE – Na oração, em vez
de abrirmos uma infindável lista de pedidos, pode-
mos muito bem dar espaço para Ele fazer a obra
que lhe aprouver, é uma oportunidade para matar
o nosso ego e deixar o Pai agir, pois a vontade de
14
Deus é boa, perfeita e agradável.
ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU – A vontade de
Deus é soberana no céu e deve ser soberana na ter-
ra em nossas vidas. Mais que deixá-Lo agir é perce-
ber a dimensão da sua ação. Ele trabalha no micro e
no macro, Ele pode curar uma dor de cabeça como
ressuscitar um morto.
O PÃO NOSSO DE CADA DIA NOS DÁ HOJE –
Nossa oração deve estar carregada da convicção
que ele supre todas as nossas necessidades. E é nes-
se momento da oração que rasgamos o nosso co-
ração para expor a Ele aquilo que nos aflige, nossos
desafios e dificuldades. Por mais que Ele saiba de
todas as coisas, é o nosso momento de contarmos
para o nosso Pai o que estamos vivendo e pedir a
Sua intervenção. Nessa parte da oração, sentimos
um enorme alívio se realmente entregamos os nos-
sos problemas a Deus, uma paz vem e a ansiedade
vai embora.
PERDOAI AS NOSSAS OFENSAS – É na oração que
confessamos nossos pecados, vamos aos pés da cruz,
abrimos o coração e buscamos o arrependimento, a
mudança de vida. Nesse momento da oração, o Espí-
rito Santo já teve tempo suficiente para trabalhar em
15
nossos corações e jogar luz nas nossas trevas, nos re-
velando aquilo que não está de acordo com as leis do
Reino dos Céus ou de acordo com a vontade de Deus
e,portanto,éaquiquenosarrependemosdeverdade.
ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS AQUELE QUE
NOSTEM OFENDIDO – Só nos tornamos aptos a rece-
ber o perdão à medida que nos tornarmos perdoado-
res, na oração temos esse momento.
NÃO NOS DEIXEIS CAIR EM TENTAÇÃO – Pela ora-
ção nos santificamos e nos tornamos mais alertas,
podemos pedir discernimento e vigilância para não
cairmos nas ciladas do pecado.
MAS LIVRAI-NOS DO MAL – Observe que na ora-
çãodo“Painosso”aoraçãodeguerraficouparaofinal,
não devemos ser precipitados e entrar na batalha de-
pois de fecharmos todas as brechas.
POISTEUÉOREINO,OPODEREAGLÓRIAETERNA-
MENTE –Termine a oração exaltando Deus e reconhe-
cendo quem Ele é.
16
17
3 – QUANDO E
ONDE ORAR?
“Regozijai-vos sempre. Orai sem cessar.”
(1 Tessalonicenses 5.16 e 17)
“Quero,pois,queoshomensorememtodoolugar,
levantando mãos santas, sem ira nem contenda.” (1
Timóteo 2.8)
Como mostram os textos de Paulo que acaba-
mos de ler, DEVEMOS ORAR TODO TEMPO E EM
TODO LUGAR. Portanto, não existe um momento
específico para orar, um lugar “sagrado para ora-
ção”, claro que como veremos no capítulo final
18
deste livro, ter um horário específico e um lugar
aconchegante para a prática da oração é sempre
uma boa estratégia para desenvolver o prazer desta
disciplina espiritual.
19
4 – PARA
QUE SERVE A
ORAÇÃO?
Protegermos das tentações
Não existem pessoas blindadas a tal ponto que
tentação nenhuma não as leve a tropeçar, por isso
a Palavra é clara quando nos alerta que temos que
fugir das tentações. A Bíblia nos motiva a resistir ao
diabo, mas a tentação não pode ser alvo de nossas
brincadeiras, delas devemos fugir. Como vimos
anteriormente, a tentação pode ser bloqueada e
20
afastada de nossas vidas através da oração.
“Vigiai e orai, para que não entreis em tentação;
na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fra-
ca.” (Mateus 26.41)
Abençoar mutuamente
Liberar palavras de vida e de bênçãos para as ou-
tras pessoas é maravilhoso, é um privilégio e a ora-
ção é um ambiente propício para isso. Costumamos
fazer isso pouco, oramos muito para nós mesmos,
precisamos gastar tempo de oração intercedendo
pelos outros.
“Por esta razão, nós também, desde o dia em que
o ouvimos, não cessamos de orar por vós, e de pedir
que sejais cheios do conhecimento da sua vontade,
emtodaasabedoriaeinteligênciaespiritual;paraque
possais andar dignamente diante do Senhor, agra-
dando-lhe em tudo, frutificando em toda a boa obra,
e crescendo no conhecimento de Deus; corroborados
emtodaafortaleza,segundoaforçadasuaglória,em
toda a paciência, e longanimidade com gozo; dando
graças ao Pai que nos fez idôneos para participar da
herança dos santos na luz; o qual nos tirou da potes-
tade das trevas, e nos transportou para o reino do
21
Filho do seu amor; em quem temos a redenção pelo
seu sangue, a saber, a remissão dos pecados; o qual
é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda
a criação; porque nele foram criadas todas as coisas
que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam
tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam
potestades. Tudo foi criado por ele e para ele.”
(Colossenses 1.9-16)
Dar ações de graças a Deus
A gratidão tem se tornado artigo raro em nossos
dias. Precisamos viver uma vida de reconhecimento
dessa mão poderosa definindo nossos caminhos,
prosperando o trabalho de nossas mãos e nos enco-
rajando a seguir em frente no meio da tempestade.
Muitas vezes nos focamos no que ainda queremos e
esquecemos de tudo que Ele já fez por nós. Louvar
a Deus falando sobre o que Ele tem feito em nossas
vidas, fazer isso todos os dias na oração.
“LouvareionomedeDeuscomumcântico,eengran-
decê-lo-ei com ação de graças. Isto será mais agradável
ao SENHOR do que boi, ou bezerro que tem chifres e
unhas.Osmansosverãoisto,eseagradarão;ovossoco-
raçãoviverá,poisquebuscaisaDeus.”(Salmos69.30-32)
22
Cura e libertação
Muitas vezes indicamos pessoas e até as leva-
mos para orarem por enfermos, opressos e até en-
demoniados. Pensamos coisas do tipo “ele tem o
dom para curar, ele é experiente para fazer libertação”
e muitas vezes fugimos de nossa responsabilidade,
muitas vezes somos a resposta de nossa oração. É
tarefa nossa orar para que as pessoas sejam cura-
das e libertas, somos canais para a manifestação da
vontade de Deus.
“E aconteceu estar de cama enfermo de febre e di-
senteria o pai de Públio, que Paulo foi ver, e, havendo
orado, pôs as mãos sobre ele, e o curou.
Feito, pois, isto, vieram também ter com ele os
demais que na ilha tinham enfermidades, e sara-
ram.”(Atos 28.8-9)
Abrir as portas da prosperidade
A área material é um alvo legítimo da oração,
mas é importante ter uma noção bíblica do que é
prosperidade, ser próspero não é acumular e esban-
jar posses, mas sim, a ausência de necessidade.
“Orai pela paz de Jerusalém; prosperarão aqueles
que te amam.” (Salmos 122.6)
23
Para praticar a adoração
“Cantai ao SENHOR um cântico novo, e o seu lou-
vor desde a extremidade da terra; vós os que navegais
pelomar,etudoquantohánele;vós,ilhas,eseushabi-
tantes. Alcem a voz o deserto e as suas cidades, com as
aldeias que Quedar habita; exultem os que habitam
nas rochas, e clamem do cume dos montes. Deem a
glória ao SENHOR, e anunciem o seu louvor nas ilhas.”
(Isaías 42.10-12)
24
25
5 – ORAÇÃO
COM
IMPOSIÇÃO DE
MÃOS
Muitos acham que é uma atitude sem signifi-
cado impor as mãos sobre alguém para orar, mas
ao olharmos atentamente para os momentos em
que isso foi feito na Bíblia iremos perceber que orar
desta forma envolve grande importância, grande
responsabilidade. Vejamos então quais situações
demandam desta atitude durante uma oração.
26
1) Transferir dons e autoridade
“Dou graças a Deus, a quem desde os meus ante-
passadossirvocomumaconsciênciapura,dequesem
cessar faço memória de ti nas minhas orações noite e
dia; desejando muito ver-te, lembrando-me das tuas
lágrimas, para me encher de gozo; trazendo à memó-
ria a fé não fingida que em ti há, a qual habitou pri-
meiro em tua avó Lóide, e em tua mãe Eunice, e estou
certo de que também habita em ti. Por cujo motivo te
lembro que despertes o dom de Deus que existe em ti
pela imposição das minhas mãos.” (2 Timóteo 1.3-6)
Você há de notar que o ministério e os seus dons
foram despertados por uma oração com imposição
de mãos. Quando colocamos a mão na cabeça de
alguém, o símbolo desta ação é que estamos trans-
ferindo algo que existe em nós para o outro, ou em
outro sentido, estamos sendo canais de Deus para
por meio de nós transferir algo que vem direto
Dele; com o objetivo de atingir esta pessoa em que
nossas mãos estão colocadas.
Em reuniões em que são consagrados pastores
e líderes, é comum a imposição de mãos. Na minha
adolescência (Richarde), um homem falou com uma
amiga que o dom dela precisava ser despertado
27
e então colocou a mão em sua cabeça e começou
uma longa oração, ao final nada visível aconteceu
e ela ficou triste; então ele falou-lhe que a oração
estava feita e que o despertamento era questão de
tempo. No dia seguinte ela foi tomada por uma po-
derosa ação profética, falava em línguas e entrega-
va revelações para todos.
Sempre que tivermos a oportunidade e a dire-
ção do Espírito Santo, precisamos orar pelo desper-
tamento dos dons. Não tenha vergonha de orar por
alguém, não busque manifestações imediatas, re-
sultados na hora, simplesmente deixe-se ser usado
para ministrar, o Espírito Santo fará o resto. Mas pro-
curai com zelo os maiores dons (1 Coríntios 12.31a).
Para ministrar cura:
“E Jesus, estendendo a mão, tocou-o, dizendo:
Quero; sê limpo. E logo ficou purificado da lepra.” (Ma-
teus 8.3)
“E, aproximando-se Jesus, tocou-lhes, e disse: Le-
vantai-vos, e não tenhais medo.” (Mateus 17.7)
Como já dissemos anteriormente, temos o pés-
simo hábito de estereotipar as pessoas: “Essa pessoa
é a da cura, essa é a da Palavra, aquela é do louvor”;
28
aos olhos de Jesus não é assim que funciona. A pa-
lavra é categórica, se cremos e pedirmos com fé Ele
vai fazer o milagre. Não é você que cura uma pes-
soa, mas Ele quer usar você para esse fim.
Recentemente, um liderado nosso sofreu um
terrível acidente de moto, fez uma cirurgia e fui vi-
sitá-lo no hospital. Ele estava em um setor de enfer-
magem só de acidentados, umas 17 pessoas mais
ou menos. Quando terminei a oração por ele, per-
guntei se os demais gostariam de receber orações,
todos solicitaram de bom grado. Alguém me cha-
mou a atenção para um rapaz que estava em estado
catatônico: “Ore por ele, levou um tiro na cabeça”, e
quando fui, outro falou: “Mas ele nem vai entender
o que você está fazendo”, ignorei, impus as mãos so-
bre sua cabeça enfaixada com todo cuidado e co-
meçamos a orar. No meio da oração ele moveu seus
olhos em minha direção e começou a tentar falar.
Aproximamo-nos e ouvimos claramente: “Eu quero
ir à igreja”, descobrimos que era um rapaz desvia-
do e naquele momento recobrava sua lucidez, que
desde o tiro tinha perdido. Se ficarmos esperando
o irmão que cura chegar para orar pelo enfermo,
pode ser tarde ou podemos perder a oportunidade
29
de sermos essa pessoa que é usada para cura. Seja
ousado e profetize cura!
2) Libertação:
“E, respondendo João, disse: Mestre, vimos um que
em teu nome expulsava os demônios, e lho proibimos,
porque não te segue conosco.” (Lucas 9.49)
Orar por libertação exige preparo, não pode-
mos pôr as mãos para repreender se não tivermos
cobertura e direções estratégicas para fazê-lo. Mas,
se por medo de retaliação, jamais expulsarmos os
demônios, como é que ficarão as coisas? Então, pro-
cure se preparar. Não tenha o nome de Jesus como
um amuleto exorcista, tenha intimidade com Cristo,
para que o inimigo não lhe veja, mas, quando ele
olhar para você, na oração, veja a face de Jesus e
fuja!
3)Abençoar alguém de forma específica:
As bênçãos que o pai Isaque profetizou com im-
posição de mãos para os filhos Esaú e Jacó.
“E chegou-se, e beijou-o; então sentindo o cheiro
das suas vestes, abençoou-o, e disse: Eis que o cheiro
domeufilhoécomoocheirodocampo,queoSENHOR
30
abençoou; assim, pois, te dê Deus do orvalho dos
céus, e das gorduras da terra, e abundância de trigo
e de mosto. Sirvam-te povos, e nações se encurvem a
ti; sê senhor de teus irmãos, e os filhos da tua mãe se
encurvemati;malditossejamosqueteamaldiçoarem,
e benditos sejam os que te abençoarem.” (Gênesis
27.27-29)
“Esaú pediu ao pai: Meu pai, o senhor tem apenas
uma bênção? Abençoe-me também, meu pai! Então,
chorou Esaú em alta voz.
Seu pai Isaque respondeu-lhe: Sua habitação
será longe das terras férteis, distante do orvalho
que desce do alto céu. Você viverá por sua espada e
servirá a seu irmão. Mas quando você não suportar
mais, arrancará do pescoço o jugo.” (Gênesis 27.38-
40)
Aqui temos uma bênção específica, falar “Deus
te abençoe” é maravilhoso, mas haverá oportunida-
des que você terá que fazer mais do que isso. No
texto vemos dois irmãos, o primeiro enganou o pai
e recebeu a bênção do outro, Esaú não tinha com-
preensão de que a bênção é intransferível, cada um
tem a sua. Mas ele também recebeu uma palavra,
não foi boa como a do irmão, mas também foi uma
31
bênção. Em Gênesis 33, quando os irmãos se reen-
contram, podemos ler que Esaú também teve uma
vida próspera e abençoada.
Isaque falou que Esaú teria terras inférteis e sem
chuva, essa situação o obrigaria a fertilizar e irrigar a
terra, trabalho dobrado, certamente quando viesse
o fruto ele daria muito mais valor. Disse que sua es-
pada não descansaria, quem vive sempre em guer-
ra está sempre alerta, nunca relaxa, sempre é cuida-
doso. Disse que ele serviria o irmão, Jesus mesmo
disse que o maior no Reino é aquele que serve, ele
então teria oportunidade de ser o maior. Ele termi-
na falando que a bênção seria plena quando ele ar-
rancasse o julgo sobre sua vida. Precisamos é tirar o
jugo para ver que em cada tribulação, cada desafio,
cada trabalho tem uma oportunidade de promoção
da nossa qualidade de vida.
4) Não imponha as mãos se estiver em
pecado:
“Agora, ó sacerdotes, este mandamento é para
vós.
Se não ouvirdes e se não propuserdes, no vosso
coração, dar honra ao meu nome, diz o SENHOR dos
32
Exércitos, enviarei a maldição contra vós, e amal-
diçoarei as vossas bênçãos; e também já as tenho
amaldiçoado, porque não aplicais a isso o coração.”
(Malaquias 2.1-2)
Fechamos esta parte com um alerta, não ore
com imposições de mãos com a vida em pecado,
você trará problemas não só para você, mas tam-
bém para quem está recebendo a oração. A profe-
cia de Malaquias é categórica: AMALDIÇOAREI AS
TUAS BÊNÇÃOS, isto é, aquilo que você abençoar
será amaldiçoado, isso é muito sério, não brinque
de ser crente. Sempre sonde sua vida antes de im-
por as mãos sobre alguém.
33
6 – “Nem por
uma hora?”
POR QUE
MUITOS NÃO
ORAM?
“Então chegou Jesus com eles a um lugar chama-
do Getsêmani, e disse a seus discípulos: Assentai-vos
aqui, enquanto vou além orar.
E, levando consigo Pedro e os dois filhos de Ze-
bedeu, começou a entristecer-se e a angustiar-se
34
muito. Então lhes disse: A minha alma está cheia
de tristeza até a morte; ficai aqui, e velai comigo. E,
indo um pouco mais para diante, prostrou-se sobre
o seu rosto, orando e dizendo: Meu Pai, se é possível,
passe de mim este cálice; todavia, não seja como eu
quero, mas como tu queres. E, voltando para os seus
discípulos, achou-os adormecidos; e disse a Pedro:
Então nem uma hora pudeste velar comigo?
Vigiai e orai, para que não entreis em tentação;
na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fra-
ca. E, indo segunda vez, orou, dizendo: Pai meu, se
este cálice não pode passar de mim sem eu o beber,
faça-se a tua vontade.
E, voltando, achou-os outra vez adormecidos;
porque os seus olhos estavam pesados. E, deixan-
do-os de novo, foi orar pela terceira vez, dizendo
as mesmas palavras.” (Mateus 26.36-44)
Jesus estava ali prestes a se entregar na cruz,
sofrer as piores dores, estava em profunda dor,
suava sangue, pediu ao Pai inclusive que, se fosse
possível, lhe passasse aquele cálice. Ele também
ali era um homem; portanto, numa situação como
essa desejaria a companhia dos amigos e aliados,
alguém para compartilhar o sofrimento por meio
35
da oração. Infelizmente, os discípulos que estavam
com ele não tiveram essa sensibilidade e dormiam
enquanto Ele pedia a companhia deles naquela
intercessão. Talvez você ache um absurdo o que
eles fizeram, mas não agimos diferente, sempre
há um motivo para justificar o fato de que nun-
ca temos tempo para orar, nem quinze minutos,
imagine uma hora. Já ouvimos tanta coisa, olha
algumas clássicas:
• “Tive um compromisso inadiável” = Falta de
prioridade;
• “Estava muito ocupado” = Ativismo;
• “Tudo é oração, que chato!” = Falta de compro-
misso com Deus;
• “O que importa é agir, oração é perda de tempo”
= Carnalidade;
• “Eu não sei orar, tenho vergonha de falar com
Deus” = Timidez;
• “Quando o meu marido me chamar, eu oro” =
Falta de iniciativa;
• “Toda vez que oro começa a acontecer coisas es-
tranhas, tenho dor de cabeça, vem um sono pesado” =
pode ser opressão demoníaca ou pode ser preguiça
mesmo!
36
37
7 – DICAS PARA
TRANSFORMAR
A ORAÇÃO EM
UM ESTILO DE
VIDA:
Em seu livro “Loucos por Jesus de joelhos”, o Pr.
Lucinho fala um pouco de sua experiência pesso-
al na área da oração. Temos caminhado bem perto
dele e podemos garantir que é verdade, ele dá tes-
temunho na área da oração. Nesta obra ele também
38
dá preciosas dicas para viabilizar nossa oração e
torná-la excelente. A seguir passamos as principais,
leia e pratique:
• Planeje sua oração com pelo menos 24 horas
de antecedência, tenha disciplina;
• Tenha um lugar específico de oração;
• Feche a porta e não atenda nada e nem nin-
guém;
• Avise as pessoas que você vai se retirar para
orar, assim você não será importunado;
• Evite orar antes de dormir, ore preferencial-
mente pela manhã;
• Deixe o Espírito Santo guiar a oração, pois não
sabemos orar como convém: “Me ensina a orar Se-
nhor”, ore sobre a oração. Oração exige exclusivida-
de, a distração é satânica;
• Evite orar e fazer outra coisa ao mesmo tempo;
• Conte a Deus sobre seu dia;
• No reino da oração o que vale é a simplicidade;
• Ore a Bíblia;
• Ore mesmo triste, cansado ou em pecado;
• Ore cantando salmos (exemplos 120-134);
• Ore em línguas;
• Mude de posições durante o processo da
39
oração, crie um ambiente favorável;
•Tudo que Deus lembrá-lo durante a oração leve
muito a sério, registre imediatamente;
• Priorize um pedido acima dos demais, pelo me-
nos naquele dia;
• Seja específico e detalhista na oração, evite
usar o termo “abençoe” como artifício para generali-
zar ou resumir a oração;
• Tenha um diário de oração, nele coloque dia,
local, o que orou e como Deus respondeu, dentre
outras coisas;
• Ao terminar o período de oração tenha um
tempo de silêncio para ouvir a Deus e não duvide
que é Ele que está falando;
• Não fique avaliando o seu período de oração;
• Ore sistematicamente por tempos mínimos
pré-estabelecidos;
• Deixe a disciplina virar prazer;
40
41
CONCLUSÃO
Um dos maiores exemplos de homem de oração
na Bíblia certamente foi o rei Davi, no Salmo 51 ele
está sendo confrontado por Deus, pois havia peca-
do, diante daquele quadro, o único caminho era a
confissão e ele o fez por meio deste impactante Sal-
mo. Que ele lhe inspire a orar:
“Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a
tua benignidade; apaga as minhas transgressões,
segundo a multidão das tuas misericórdias. Lava-
me completamente da minha iniquidade, e purifica-
me do meu pecado. Porque eu conheço as minhas
42
transgressões, e o meu pecado está sempre diante de
mim. Contra ti, contra ti somente pequei, e fiz o que
é mal à tua vista, para que sejas justificado quando
falares, e puro quando julgares. Eis que em iniquidade
fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe.
Eis que amas a verdade no íntimo, e no oculto me
fazes conhecer a sabedoria. Purifica-me com hissopo,
e ficarei puro; lava-me, e ficarei mais branco do que a
neve. Faze-me ouvir júbilo e alegria, para que gozem
os ossos que tu quebraste. Esconde a tua face dos
meus pecados, e apaga todas as minhas iniquidades.
Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova
em mim um espírito reto. Não me lances fora da tua
presença, e não retires de mim o teu Espírito Santo.
Torna a dar-me a alegria da tua salvação, e sustém-
me com um espírito voluntário. Então ensinarei aos
transgressores os teus caminhos, e os pecadores a ti se
converterão. Livra-me dos crimes de sangue, ó Deus,
Deus da minha salvação, e a minha língua louvará
altamente a tua justiça. Abre, Senhor, os meus lábios,
e a minha boca entoará o teu louvor. Pois não desejas
sacrifícios, senão eu os daria; tu não te deleitas em
holocaustos. Os sacrifícios para Deus são o espírito
quebrantado; coração quebrantado e contrito não
43
desprezarás, ó Deus. Faze o bem a Sião, segundo a tua
boa vontade; edifica os muros de Jerusalém. Então te
agradarás dos sacrifícios de justiça, dos holocaustos e
das ofertas queimadas; então se oferecerão novilhos
sobre o teu altar.”
E então meu querido irmão? Que tal fechar esse
livro, dobrar os joelhos e começar a orar?
Ministério dos Namorados 	
É um projeto da Igreja Batista da Lagoinha que
atua, há quinze anos, em parceria com a Mocidade e
com a Rede da Família. Esse é um ministério pioneiro
na comunidade evangélica, sendo referência em todo
o Brasil e no mundo. O trabalho do ministério consiste
no acompanhamento de casais de namorados e noi-
vos auxiliando-lhes a desenvolver um relacionamen-
to saudável em todas as áreas (espiritual, emocional
e física). Contamos até hoje com mais de 1.000 casais
acompanhados e atualmente uma equipe de 60 con-
selheiros. O ministério também promove eventos
como; acampamentos, festas, caminhadas ecológi-
cas, festivais, almoços e jantares, além dos bate-papos
mensais. Acompanhamos Células específicas para
44
esse público e também um espaço na internet: o
blog Namorados Online (www.namoradosonline.
blogspot.com) com mais de 5 mil acessos por mês
e reprodução de nossos textos em outros, sendo
estes não apenas de todo Brasil, mas também de
países como: Estados Unidos, Portugal, Japão, Es-
panha, Canadá, Bélgica, Reino Unido, Indonésia,
Alemanha, Argentina, Suíça, Austrália, Cuba, dentre
outros. Ore sempre por esse projeto. Atualmente,
Richarde Guerra lidera a mocidade da IBL e Priscila
Guerra é líder de intercessão da mocidade.
Contatos: Casa da Mocidade Lagoinha - Rua Pi-
tangui, 405, (2° andar), São Cristóvão – BH/MG. (31)
3478-6500 - Pr. Richarde Guerra e Priscila Guerra –
(31) 8489-3057. richarde.guerra@lagoinha.com
45
JESUS TE
AMA E QUER
VOCÊ!
1º PASSO: Deus o ama e tem um plano
maravilhosoparasuavida. “PorqueDeusamou
omundodetalmaneiraquedeuoseu Filhounigê-
nito,paraquetodooquenelecrênãopereça,mas
tenhaavidaeterna.“(Jo3.16.)
46
2º PASSO: O Homem é pecador e está
separado de Deus. “Pois todos pecaram e ca-
recem da glória de Deus.“ (Rm 3.23b.)
3º PASSO: Jesus é a resposta de Deus,
para o conflito do homem. “Respondeu-lhe
Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida;
ninguém vem ao Pai senão por mim.“ (Jo 14.6.)
4º PASSO: É preciso receber a Jesus em
nosso coração. “Mas, a todos quantos o rece-
beram, deu-lhes o poder de serem feitos filhos
de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome.“
(Jo 1.12a.) “Se, com tua boca, confessares Jesus
como Senhor e, em teu coração, creres que Deus
oressuscitoudentreosmortos,serásalvo.Porque
com o coração se crê para justiça e com a boca
seconfessaarespeitodasalvação.”(Rm10.9-10.)
5º PASSO: Você gostaria de receber a
Cristo em seu coração? Faça essa oração de
decisão em voz alta: “Senhor Jesus eu preciso
47
de Ti, confesso-te o meu pecado de estar
longe dos teus caminhos. Abro a porta do
meu coração e te recebo como meu único
Salvador e Senhor. Te agradeço porque me
aceita assim como eu sou e perdoa o meu pe-
cado. Eu desejo estar sempre dentro dos teus
planos para minha vida, amém”.
6º PASSO: Procure uma igreja evangé-
lica próxima à sua casa.
Nós estamos reunidos na Igreja Batista da
Lagoinha, à rua Manoel Macedo, 360, bairro
São Cristóvão, Belo Horizonte, MG.
Nossa igreja está pronta para lhe acom-
panhar neste momento tão importante da
sua vida.
Nossos principais cultos são realizados
aos domingos, nos horários de 10h, 15h e
18h horas.
Ficaremos felizes com sua visita!
48
Uma publicação da Igreja Batista da Lagoinha
Gerência de Comunicação
Rua Manoel Macedo, 360 - São Cristóvão
CEP: 31110-440 - Belo Horizonte - MG
www.lagoinha.com
Twitter: @Lagoinha_com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudo da Semana - A benção de ser um dizimista fiel
Estudo da Semana - A benção de ser um dizimista fielEstudo da Semana - A benção de ser um dizimista fiel
Estudo da Semana - A benção de ser um dizimista fielUnção Do Crescimento
 
Lição 09 - A Fé que nos une a Deus e nos torna produtivos
Lição 09 - A Fé que nos une a Deus e nos torna produtivosLição 09 - A Fé que nos une a Deus e nos torna produtivos
Lição 09 - A Fé que nos une a Deus e nos torna produtivosÉder Tomé
 
2 consequências do pecado
2   consequências do pecado2   consequências do pecado
2 consequências do pecadoJesiel Freitas
 
Qué sucede cuando Dios se enoja
Qué sucede cuando Dios se enojaQué sucede cuando Dios se enoja
Qué sucede cuando Dios se enojabalbontin
 
Cómo conquistar la amargura a través del perdón
Cómo conquistar la amargura a través del perdónCómo conquistar la amargura a través del perdón
Cómo conquistar la amargura a través del perdónGilberto Ramos Amarilla
 
Lição 6 perseverança e fé em tempo de apostasia
Lição 6   perseverança e fé em tempo de apostasiaLição 6   perseverança e fé em tempo de apostasia
Lição 6 perseverança e fé em tempo de apostasiaHamilton Souza
 
Prophetic Imagination Part 3
Prophetic Imagination Part 3Prophetic Imagination Part 3
Prophetic Imagination Part 3Butch Yulo
 
Gente de oração - Como Orar
Gente de oração - Como OrarGente de oração - Como Orar
Gente de oração - Como OrarMichel Plattiny
 
Como dirigir um culto
Como dirigir um cultoComo dirigir um culto
Como dirigir um cultoPaulo Roberto
 

Mais procurados (20)

Nascer de novo
Nascer de novoNascer de novo
Nascer de novo
 
Estudo da Semana - A benção de ser um dizimista fiel
Estudo da Semana - A benção de ser um dizimista fielEstudo da Semana - A benção de ser um dizimista fiel
Estudo da Semana - A benção de ser um dizimista fiel
 
O Propósito da Tentação
O Propósito da TentaçãoO Propósito da Tentação
O Propósito da Tentação
 
Lição 09 - A Fé que nos une a Deus e nos torna produtivos
Lição 09 - A Fé que nos une a Deus e nos torna produtivosLição 09 - A Fé que nos une a Deus e nos torna produtivos
Lição 09 - A Fé que nos une a Deus e nos torna produtivos
 
O Hábito de Jesus em Orar
O Hábito de Jesus em OrarO Hábito de Jesus em Orar
O Hábito de Jesus em Orar
 
Intimidade
IntimidadeIntimidade
Intimidade
 
VENCENDO AS TENTAÇÕES
VENCENDO AS TENTAÇÕESVENCENDO AS TENTAÇÕES
VENCENDO AS TENTAÇÕES
 
2 consequências do pecado
2   consequências do pecado2   consequências do pecado
2 consequências do pecado
 
Uma Palavra de Encorajamento em Dias de Crise
Uma Palavra de Encorajamento em Dias de CriseUma Palavra de Encorajamento em Dias de Crise
Uma Palavra de Encorajamento em Dias de Crise
 
Qué sucede cuando Dios se enoja
Qué sucede cuando Dios se enojaQué sucede cuando Dios se enoja
Qué sucede cuando Dios se enoja
 
AS BASES DA FÉ CRISTÃ
AS BASES DA FÉ CRISTÃAS BASES DA FÉ CRISTÃ
AS BASES DA FÉ CRISTÃ
 
Cómo conquistar la amargura a través del perdón
Cómo conquistar la amargura a través del perdónCómo conquistar la amargura a través del perdón
Cómo conquistar la amargura a través del perdón
 
Lição 6 perseverança e fé em tempo de apostasia
Lição 6   perseverança e fé em tempo de apostasiaLição 6   perseverança e fé em tempo de apostasia
Lição 6 perseverança e fé em tempo de apostasia
 
O caráter de Deus
O caráter de DeusO caráter de Deus
O caráter de Deus
 
Os três campos de batalha parte 2 - NA IGREJA
Os três campos de batalha   parte 2 - NA IGREJAOs três campos de batalha   parte 2 - NA IGREJA
Os três campos de batalha parte 2 - NA IGREJA
 
Prophetic Imagination Part 3
Prophetic Imagination Part 3Prophetic Imagination Part 3
Prophetic Imagination Part 3
 
Dp16 a oracao
Dp16 a oracaoDp16 a oracao
Dp16 a oracao
 
Gente de oração - Como Orar
Gente de oração - Como OrarGente de oração - Como Orar
Gente de oração - Como Orar
 
Como dirigir um culto
Como dirigir um cultoComo dirigir um culto
Como dirigir um culto
 
O PÃO DA VIDA
O PÃO DA VIDAO PÃO DA VIDA
O PÃO DA VIDA
 

Semelhante a Livro ebook-oracao-como-estilo-de-vida

Ebook 264 oração-como-estilo-de-vida1
Ebook 264 oração-como-estilo-de-vida1Ebook 264 oração-como-estilo-de-vida1
Ebook 264 oração-como-estilo-de-vida1Luiza Dayana
 
A oração muda as coisas r. c. sproul
A oração muda as coisas    r. c. sproulA oração muda as coisas    r. c. sproul
A oração muda as coisas r. c. sproulPastor Marcello Rocha
 
A oração muda as coisas r. c. sproul
A oração muda as coisas    r. c. sproulA oração muda as coisas    r. c. sproul
A oração muda as coisas r. c. sproulSheimon Mim
 
Elementos para uma oraçao vitoriosa
Elementos para uma oraçao vitoriosaElementos para uma oraçao vitoriosa
Elementos para uma oraçao vitoriosaCarlos Allvarenga
 
Institutogamaliel.com 12 coisas-que_voc_precisa_saber_sobre_a_orao
Institutogamaliel.com 12 coisas-que_voc_precisa_saber_sobre_a_oraoInstitutogamaliel.com 12 coisas-que_voc_precisa_saber_sobre_a_orao
Institutogamaliel.com 12 coisas-que_voc_precisa_saber_sobre_a_oraoInstituto Teológico Gamaliel
 
Interpretação da oração pai nosso
Interpretação da oração pai nossoInterpretação da oração pai nosso
Interpretação da oração pai nossoHelio Cruz
 
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço   meditação - instrumentalOs pontos concretos de esforço   meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumentalRubens José Terra Campos
 
O Poder da Oração - Autores diversos
O Poder da Oração - Autores diversosO Poder da Oração - Autores diversos
O Poder da Oração - Autores diversosedbtr
 
Interpretando a Oração Pai Nosso
Interpretando a Oração Pai NossoInterpretando a Oração Pai Nosso
Interpretando a Oração Pai NossoHelio Cruz
 
Os Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - MeditaçãoOs Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - MeditaçãoRubens José Terra Campos
 
A patrola de deus (reinando em vida) bob mumford
A patrola de deus (reinando em vida)   bob mumfordA patrola de deus (reinando em vida)   bob mumford
A patrola de deus (reinando em vida) bob mumfordArauto Profetico
 
Praticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oraçãoPraticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oraçãobaixarlivros1
 
Oração, cura e restauração_1242014_GGR
Oração, cura e restauração_1242014_GGROração, cura e restauração_1242014_GGR
Oração, cura e restauração_1242014_GGRGerson G. Ramos
 
Disciplinas Espirituais - Oração
Disciplinas Espirituais - OraçãoDisciplinas Espirituais - Oração
Disciplinas Espirituais - OraçãoTiago de Souza
 

Semelhante a Livro ebook-oracao-como-estilo-de-vida (20)

Ebook 264 oração-como-estilo-de-vida1
Ebook 264 oração-como-estilo-de-vida1Ebook 264 oração-como-estilo-de-vida1
Ebook 264 oração-como-estilo-de-vida1
 
A oração do x.tão 2
A oração do x.tão 2A oração do x.tão 2
A oração do x.tão 2
 
John piper a oração que constroi a eternidade
John piper   a oração que constroi a eternidadeJohn piper   a oração que constroi a eternidade
John piper a oração que constroi a eternidade
 
Pai Nosso
Pai   NossoPai   Nosso
Pai Nosso
 
A oração muda as coisas r. c. sproul
A oração muda as coisas    r. c. sproulA oração muda as coisas    r. c. sproul
A oração muda as coisas r. c. sproul
 
A oração muda as coisas r. c. sproul
A oração muda as coisas    r. c. sproulA oração muda as coisas    r. c. sproul
A oração muda as coisas r. c. sproul
 
Elementos para uma oraçao vitoriosa
Elementos para uma oraçao vitoriosaElementos para uma oraçao vitoriosa
Elementos para uma oraçao vitoriosa
 
Institutogamaliel.com 12 coisas-que_voc_precisa_saber_sobre_a_orao
Institutogamaliel.com 12 coisas-que_voc_precisa_saber_sobre_a_oraoInstitutogamaliel.com 12 coisas-que_voc_precisa_saber_sobre_a_orao
Institutogamaliel.com 12 coisas-que_voc_precisa_saber_sobre_a_orao
 
Interpretação da oração pai nosso
Interpretação da oração pai nossoInterpretação da oração pai nosso
Interpretação da oração pai nosso
 
O poder da oração
O poder da oraçãoO poder da oração
O poder da oração
 
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço   meditação - instrumentalOs pontos concretos de esforço   meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumental
 
O Poder da Oração - Autores diversos
O Poder da Oração - Autores diversosO Poder da Oração - Autores diversos
O Poder da Oração - Autores diversos
 
Interpretando a Oração Pai Nosso
Interpretando a Oração Pai NossoInterpretando a Oração Pai Nosso
Interpretando a Oração Pai Nosso
 
A prece
A preceA prece
A prece
 
Os Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - MeditaçãoOs Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - Meditação
 
A patrola de deus (reinando em vida) bob mumford
A patrola de deus (reinando em vida)   bob mumfordA patrola de deus (reinando em vida)   bob mumford
A patrola de deus (reinando em vida) bob mumford
 
Praticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oraçãoPraticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oração
 
estudos 2.docx
estudos 2.docxestudos 2.docx
estudos 2.docx
 
Oração, cura e restauração_1242014_GGR
Oração, cura e restauração_1242014_GGROração, cura e restauração_1242014_GGR
Oração, cura e restauração_1242014_GGR
 
Disciplinas Espirituais - Oração
Disciplinas Espirituais - OraçãoDisciplinas Espirituais - Oração
Disciplinas Espirituais - Oração
 

Último

Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxGestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxSebastioFerreira34
 
2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx
2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx
2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptxhenrygabrielsilvarib
 
10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José OperárioNilson Almeida
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EMicheleRosa39
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...silvana30986
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaWillemarSousa1
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxCelso Napoleon
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoRicardo Azevedo
 
07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA
07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA
07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JAhenrygabrielsilvarib
 

Último (10)

Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxGestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
 
2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx
2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx
2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx
 
10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
 
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.pptFluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
 
07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA
07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA
07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA
 

Livro ebook-oracao-como-estilo-de-vida

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4. Uma publicação da Igreja Batista da Lagoinha 1ª Edição: maio/2013 Capa e Diagramação: Junio Amaro
  • 5. 5 Introdução Aconselhando tantas pessoas nesses 13 anos na mocidade, temos percebido uma atitude padrão em jovens: quando nos pedem uma direção a res- peito de algo, uma importante decisão, uma luta que precisam vencer, uma resposta que já aguar- dam de Deus há algum tempo, e respondemos vão orar, vamos orar ou oramos com eles, fica estampa- do em seus rostos a decepção, pois eles ficam com a sensação que não fizemos nada por eles. Pedir alguém para buscar na oração um mover de Deus e não pedir nada, na cabeça de muitos, são coisas cada vez mais parecidas. Mas a oração não é um
  • 6. 6 amuleto ou uma ação mecânica para dar satisfação à igreja ou sociedade que você é religioso. A oração tem um poder incalculável extremamente subesti- mado pelas pessoas. Apenas para citar três exem- plos da Bíblia: • Diante das terríveis notícias que recebeu a res- peito de seu povo, Neemias clamou a Deus pedindo uma intervenção. “E sucedeu que, ouvindo eu estas palavras, assen- tei-me e chorei, e lamentei por alguns dias; e estive je- juando e orando perante o Deus dos céus.” (Neemias 1.4) Sua oração moveu o coração de Deus e mudou a história do povo que em um período de dois meses reconstruiu todos os seus muros. • Jabez orou para Deus estender suas terras e viu a mão do Senhor cumprindo esse propósito. “Jabez orou ao Deus de Israel: Ah, abençoa-me e aumenta as minhas terras! Que a tua mão esteja co- migo, guardando-me de males e livrando-me de do- res. E Deus atendeu ao seu pedido.” (1 Crônicas 4.10) • Eliseu tinha visão aberta, era um profeta pode- rosamente usado por Deus, no entanto, seu servo não conseguia ver o agir sobrenatural que estava
  • 7. 7 ocorrendo quando eles estavam sitiados por um exército inimigo, foi então que o profeta orou para que os olhos do servo abrissem e ele então viu que maior era o que estava com eles. “E Eliseu orou: Senhor, abre os olhos dele para que veja. Então o Senhor abriu os olhos do rapaz, que olhou e viu as colinas cheias de cavalos e carros de fogo ao redor de Eliseu.” (2 Reis 6.17) Se crermos, podemos mover montanhas, mudar histórias, fazer a diferença com um gesto aparente- mente tão simples que é a oração, podemos trans- tornar essa geração. Por meio deste livro desejamos estimular você a buscar a oração não como um hábito ou um ritual, mas como algo essencial para continuar caminhando nesta Terra, um verdadeiro estilo de vida.
  • 8. 8
  • 9. 9 1 – O QUE É ORAR? Orar é desenvolver intimidade com Deus por meio de um diálogo sincero e dinâmico. É conversar com Deus. Nada tem a ver com repetições. Muitas pessoas acreditam que repetir uma oração que foi pré-escrita por alguém pode trazer sorte, a pessoa amada, uma boa noite de sono, tudo isso é um gran- de engano. Deus quer desenvolver relacionamento conosco. Quando você está conversando com al- guém, pega um papel e começa a ler, o que você deve falar com a outra pessoa? Ficaria estranho não
  • 10. 10 é? Pense em Deus como esse amigo, esse pai, esse Senhor que não temos formalidades para encontrar e abrir o coração e o que ele tem para dizer. “E, quando orares, não sejas como os hipócritas; pois se comprazem em orar em pé nas sinagogas, e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão. Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em se- creto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente. E, orando, não useis de vãs repeti- ções, como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos. Não vos assemelheis, pois, a eles; porque vosso Pai sabe o que vos é necessário, antes de vós lho pedirdes.” (Mateus 6.5-8)
  • 11. 11 2 – COMO ORAR? Há um momento da trajetória de Cristo que ele busca ensinar aos seus discípulos como eles devem conversar com Deus, essa oração modelo hoje é co- nhecida como o Pai Nosso. “Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu rei- no, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu; o pão nosso de cada dia nos dá hoje; E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores; e não nos indu-
  • 12. 12 zas à tentação; mas livra-nos do mal; porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém.” (Mateus 6.9-13) Ao contrário de usá-la como um amuleto, deve- mos ter no “Painosso” todos os elementos que com- põem uma oração completa e, portanto, ela deve fazer parte do momento de intimidade em oração de um cristão com o seu Pai. PAI NOSSO – toda oração deve estabelecer de forma clara que existe relacionamento entre quem está orando e o próprio Deus. Precisamos entrar na presença do Santíssimo sem reservas, como deve ser uma relação entre um pai e um filho. Não há es- paço para reservas, medos ou formalidades. Ele é o MEU Pai, o MEU Pai! Será que Deus já é o SEU Pai? QUE ESTÁS NOS CÉUS – Precisamos entender a transcendência de Deus, assim como ele está ao nosso lado, ele também habita no trono de glória e é soberano sobre todas as coisas. Podemos também pensar, espiritualmente, que se estamos na terra e Ele nos céus, um tem que subir ou o outro tem que descer. É muito importante nos vermos espiritual- mente, durante a oração, realmente diante do trono do Pai, na atmosfera do céu. Podemos pedir a Jesus
  • 13. 13 que nos revista com o seu sangue, com o seu perfu- me, com a sua atitude e nos conduza até ao Pai, pois Jesus é o único caminho que nos leva ao Pai. SANTIFICADO SEJA O VOSSO NOME – Devemos adorá-lo! Muitos começam a oração pedindo ou bri- gando com Ele, mas é sempre bom começar reco- nhecendo quem Deus é para cada um de nós e para toda a criação. Contudo, não adianta tentarmos dar a Ele uma adoração só de palavras, como Caim ten- tou fazer no início. Deus recebe primeiro a adoração da sua vida e depois a adoração da sua oferta de louvor, assim como fez com Abel. VENHA A NÓS O VOSSO REINO – Um reino pos- sui um rei, suas leis e sua cultura. Quando oramos “venha o teu Reino”, estamos dizendo ao Pai para que venha sobre nós a Sua vontade, os Seus man- damentos e o Seu estilo de vida. Estamos abrindo mão da nossa vontade, mesmo que essa atitude nos traga dor ou prejuízo aos olhos humanos. SEJA FEITA A TUA VONTADE – Na oração, em vez de abrirmos uma infindável lista de pedidos, pode- mos muito bem dar espaço para Ele fazer a obra que lhe aprouver, é uma oportunidade para matar o nosso ego e deixar o Pai agir, pois a vontade de
  • 14. 14 Deus é boa, perfeita e agradável. ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU – A vontade de Deus é soberana no céu e deve ser soberana na ter- ra em nossas vidas. Mais que deixá-Lo agir é perce- ber a dimensão da sua ação. Ele trabalha no micro e no macro, Ele pode curar uma dor de cabeça como ressuscitar um morto. O PÃO NOSSO DE CADA DIA NOS DÁ HOJE – Nossa oração deve estar carregada da convicção que ele supre todas as nossas necessidades. E é nes- se momento da oração que rasgamos o nosso co- ração para expor a Ele aquilo que nos aflige, nossos desafios e dificuldades. Por mais que Ele saiba de todas as coisas, é o nosso momento de contarmos para o nosso Pai o que estamos vivendo e pedir a Sua intervenção. Nessa parte da oração, sentimos um enorme alívio se realmente entregamos os nos- sos problemas a Deus, uma paz vem e a ansiedade vai embora. PERDOAI AS NOSSAS OFENSAS – É na oração que confessamos nossos pecados, vamos aos pés da cruz, abrimos o coração e buscamos o arrependimento, a mudança de vida. Nesse momento da oração, o Espí- rito Santo já teve tempo suficiente para trabalhar em
  • 15. 15 nossos corações e jogar luz nas nossas trevas, nos re- velando aquilo que não está de acordo com as leis do Reino dos Céus ou de acordo com a vontade de Deus e,portanto,éaquiquenosarrependemosdeverdade. ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS AQUELE QUE NOSTEM OFENDIDO – Só nos tornamos aptos a rece- ber o perdão à medida que nos tornarmos perdoado- res, na oração temos esse momento. NÃO NOS DEIXEIS CAIR EM TENTAÇÃO – Pela ora- ção nos santificamos e nos tornamos mais alertas, podemos pedir discernimento e vigilância para não cairmos nas ciladas do pecado. MAS LIVRAI-NOS DO MAL – Observe que na ora- çãodo“Painosso”aoraçãodeguerraficouparaofinal, não devemos ser precipitados e entrar na batalha de- pois de fecharmos todas as brechas. POISTEUÉOREINO,OPODEREAGLÓRIAETERNA- MENTE –Termine a oração exaltando Deus e reconhe- cendo quem Ele é.
  • 16. 16
  • 17. 17 3 – QUANDO E ONDE ORAR? “Regozijai-vos sempre. Orai sem cessar.” (1 Tessalonicenses 5.16 e 17) “Quero,pois,queoshomensorememtodoolugar, levantando mãos santas, sem ira nem contenda.” (1 Timóteo 2.8) Como mostram os textos de Paulo que acaba- mos de ler, DEVEMOS ORAR TODO TEMPO E EM TODO LUGAR. Portanto, não existe um momento específico para orar, um lugar “sagrado para ora- ção”, claro que como veremos no capítulo final
  • 18. 18 deste livro, ter um horário específico e um lugar aconchegante para a prática da oração é sempre uma boa estratégia para desenvolver o prazer desta disciplina espiritual.
  • 19. 19 4 – PARA QUE SERVE A ORAÇÃO? Protegermos das tentações Não existem pessoas blindadas a tal ponto que tentação nenhuma não as leve a tropeçar, por isso a Palavra é clara quando nos alerta que temos que fugir das tentações. A Bíblia nos motiva a resistir ao diabo, mas a tentação não pode ser alvo de nossas brincadeiras, delas devemos fugir. Como vimos anteriormente, a tentação pode ser bloqueada e
  • 20. 20 afastada de nossas vidas através da oração. “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fra- ca.” (Mateus 26.41) Abençoar mutuamente Liberar palavras de vida e de bênçãos para as ou- tras pessoas é maravilhoso, é um privilégio e a ora- ção é um ambiente propício para isso. Costumamos fazer isso pouco, oramos muito para nós mesmos, precisamos gastar tempo de oração intercedendo pelos outros. “Por esta razão, nós também, desde o dia em que o ouvimos, não cessamos de orar por vós, e de pedir que sejais cheios do conhecimento da sua vontade, emtodaasabedoriaeinteligênciaespiritual;paraque possais andar dignamente diante do Senhor, agra- dando-lhe em tudo, frutificando em toda a boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus; corroborados emtodaafortaleza,segundoaforçadasuaglória,em toda a paciência, e longanimidade com gozo; dando graças ao Pai que nos fez idôneos para participar da herança dos santos na luz; o qual nos tirou da potes- tade das trevas, e nos transportou para o reino do
  • 21. 21 Filho do seu amor; em quem temos a redenção pelo seu sangue, a saber, a remissão dos pecados; o qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele.” (Colossenses 1.9-16) Dar ações de graças a Deus A gratidão tem se tornado artigo raro em nossos dias. Precisamos viver uma vida de reconhecimento dessa mão poderosa definindo nossos caminhos, prosperando o trabalho de nossas mãos e nos enco- rajando a seguir em frente no meio da tempestade. Muitas vezes nos focamos no que ainda queremos e esquecemos de tudo que Ele já fez por nós. Louvar a Deus falando sobre o que Ele tem feito em nossas vidas, fazer isso todos os dias na oração. “LouvareionomedeDeuscomumcântico,eengran- decê-lo-ei com ação de graças. Isto será mais agradável ao SENHOR do que boi, ou bezerro que tem chifres e unhas.Osmansosverãoisto,eseagradarão;ovossoco- raçãoviverá,poisquebuscaisaDeus.”(Salmos69.30-32)
  • 22. 22 Cura e libertação Muitas vezes indicamos pessoas e até as leva- mos para orarem por enfermos, opressos e até en- demoniados. Pensamos coisas do tipo “ele tem o dom para curar, ele é experiente para fazer libertação” e muitas vezes fugimos de nossa responsabilidade, muitas vezes somos a resposta de nossa oração. É tarefa nossa orar para que as pessoas sejam cura- das e libertas, somos canais para a manifestação da vontade de Deus. “E aconteceu estar de cama enfermo de febre e di- senteria o pai de Públio, que Paulo foi ver, e, havendo orado, pôs as mãos sobre ele, e o curou. Feito, pois, isto, vieram também ter com ele os demais que na ilha tinham enfermidades, e sara- ram.”(Atos 28.8-9) Abrir as portas da prosperidade A área material é um alvo legítimo da oração, mas é importante ter uma noção bíblica do que é prosperidade, ser próspero não é acumular e esban- jar posses, mas sim, a ausência de necessidade. “Orai pela paz de Jerusalém; prosperarão aqueles que te amam.” (Salmos 122.6)
  • 23. 23 Para praticar a adoração “Cantai ao SENHOR um cântico novo, e o seu lou- vor desde a extremidade da terra; vós os que navegais pelomar,etudoquantohánele;vós,ilhas,eseushabi- tantes. Alcem a voz o deserto e as suas cidades, com as aldeias que Quedar habita; exultem os que habitam nas rochas, e clamem do cume dos montes. Deem a glória ao SENHOR, e anunciem o seu louvor nas ilhas.” (Isaías 42.10-12)
  • 24. 24
  • 25. 25 5 – ORAÇÃO COM IMPOSIÇÃO DE MÃOS Muitos acham que é uma atitude sem signifi- cado impor as mãos sobre alguém para orar, mas ao olharmos atentamente para os momentos em que isso foi feito na Bíblia iremos perceber que orar desta forma envolve grande importância, grande responsabilidade. Vejamos então quais situações demandam desta atitude durante uma oração.
  • 26. 26 1) Transferir dons e autoridade “Dou graças a Deus, a quem desde os meus ante- passadossirvocomumaconsciênciapura,dequesem cessar faço memória de ti nas minhas orações noite e dia; desejando muito ver-te, lembrando-me das tuas lágrimas, para me encher de gozo; trazendo à memó- ria a fé não fingida que em ti há, a qual habitou pri- meiro em tua avó Lóide, e em tua mãe Eunice, e estou certo de que também habita em ti. Por cujo motivo te lembro que despertes o dom de Deus que existe em ti pela imposição das minhas mãos.” (2 Timóteo 1.3-6) Você há de notar que o ministério e os seus dons foram despertados por uma oração com imposição de mãos. Quando colocamos a mão na cabeça de alguém, o símbolo desta ação é que estamos trans- ferindo algo que existe em nós para o outro, ou em outro sentido, estamos sendo canais de Deus para por meio de nós transferir algo que vem direto Dele; com o objetivo de atingir esta pessoa em que nossas mãos estão colocadas. Em reuniões em que são consagrados pastores e líderes, é comum a imposição de mãos. Na minha adolescência (Richarde), um homem falou com uma amiga que o dom dela precisava ser despertado
  • 27. 27 e então colocou a mão em sua cabeça e começou uma longa oração, ao final nada visível aconteceu e ela ficou triste; então ele falou-lhe que a oração estava feita e que o despertamento era questão de tempo. No dia seguinte ela foi tomada por uma po- derosa ação profética, falava em línguas e entrega- va revelações para todos. Sempre que tivermos a oportunidade e a dire- ção do Espírito Santo, precisamos orar pelo desper- tamento dos dons. Não tenha vergonha de orar por alguém, não busque manifestações imediatas, re- sultados na hora, simplesmente deixe-se ser usado para ministrar, o Espírito Santo fará o resto. Mas pro- curai com zelo os maiores dons (1 Coríntios 12.31a). Para ministrar cura: “E Jesus, estendendo a mão, tocou-o, dizendo: Quero; sê limpo. E logo ficou purificado da lepra.” (Ma- teus 8.3) “E, aproximando-se Jesus, tocou-lhes, e disse: Le- vantai-vos, e não tenhais medo.” (Mateus 17.7) Como já dissemos anteriormente, temos o pés- simo hábito de estereotipar as pessoas: “Essa pessoa é a da cura, essa é a da Palavra, aquela é do louvor”;
  • 28. 28 aos olhos de Jesus não é assim que funciona. A pa- lavra é categórica, se cremos e pedirmos com fé Ele vai fazer o milagre. Não é você que cura uma pes- soa, mas Ele quer usar você para esse fim. Recentemente, um liderado nosso sofreu um terrível acidente de moto, fez uma cirurgia e fui vi- sitá-lo no hospital. Ele estava em um setor de enfer- magem só de acidentados, umas 17 pessoas mais ou menos. Quando terminei a oração por ele, per- guntei se os demais gostariam de receber orações, todos solicitaram de bom grado. Alguém me cha- mou a atenção para um rapaz que estava em estado catatônico: “Ore por ele, levou um tiro na cabeça”, e quando fui, outro falou: “Mas ele nem vai entender o que você está fazendo”, ignorei, impus as mãos so- bre sua cabeça enfaixada com todo cuidado e co- meçamos a orar. No meio da oração ele moveu seus olhos em minha direção e começou a tentar falar. Aproximamo-nos e ouvimos claramente: “Eu quero ir à igreja”, descobrimos que era um rapaz desvia- do e naquele momento recobrava sua lucidez, que desde o tiro tinha perdido. Se ficarmos esperando o irmão que cura chegar para orar pelo enfermo, pode ser tarde ou podemos perder a oportunidade
  • 29. 29 de sermos essa pessoa que é usada para cura. Seja ousado e profetize cura! 2) Libertação: “E, respondendo João, disse: Mestre, vimos um que em teu nome expulsava os demônios, e lho proibimos, porque não te segue conosco.” (Lucas 9.49) Orar por libertação exige preparo, não pode- mos pôr as mãos para repreender se não tivermos cobertura e direções estratégicas para fazê-lo. Mas, se por medo de retaliação, jamais expulsarmos os demônios, como é que ficarão as coisas? Então, pro- cure se preparar. Não tenha o nome de Jesus como um amuleto exorcista, tenha intimidade com Cristo, para que o inimigo não lhe veja, mas, quando ele olhar para você, na oração, veja a face de Jesus e fuja! 3)Abençoar alguém de forma específica: As bênçãos que o pai Isaque profetizou com im- posição de mãos para os filhos Esaú e Jacó. “E chegou-se, e beijou-o; então sentindo o cheiro das suas vestes, abençoou-o, e disse: Eis que o cheiro domeufilhoécomoocheirodocampo,queoSENHOR
  • 30. 30 abençoou; assim, pois, te dê Deus do orvalho dos céus, e das gorduras da terra, e abundância de trigo e de mosto. Sirvam-te povos, e nações se encurvem a ti; sê senhor de teus irmãos, e os filhos da tua mãe se encurvemati;malditossejamosqueteamaldiçoarem, e benditos sejam os que te abençoarem.” (Gênesis 27.27-29) “Esaú pediu ao pai: Meu pai, o senhor tem apenas uma bênção? Abençoe-me também, meu pai! Então, chorou Esaú em alta voz. Seu pai Isaque respondeu-lhe: Sua habitação será longe das terras férteis, distante do orvalho que desce do alto céu. Você viverá por sua espada e servirá a seu irmão. Mas quando você não suportar mais, arrancará do pescoço o jugo.” (Gênesis 27.38- 40) Aqui temos uma bênção específica, falar “Deus te abençoe” é maravilhoso, mas haverá oportunida- des que você terá que fazer mais do que isso. No texto vemos dois irmãos, o primeiro enganou o pai e recebeu a bênção do outro, Esaú não tinha com- preensão de que a bênção é intransferível, cada um tem a sua. Mas ele também recebeu uma palavra, não foi boa como a do irmão, mas também foi uma
  • 31. 31 bênção. Em Gênesis 33, quando os irmãos se reen- contram, podemos ler que Esaú também teve uma vida próspera e abençoada. Isaque falou que Esaú teria terras inférteis e sem chuva, essa situação o obrigaria a fertilizar e irrigar a terra, trabalho dobrado, certamente quando viesse o fruto ele daria muito mais valor. Disse que sua es- pada não descansaria, quem vive sempre em guer- ra está sempre alerta, nunca relaxa, sempre é cuida- doso. Disse que ele serviria o irmão, Jesus mesmo disse que o maior no Reino é aquele que serve, ele então teria oportunidade de ser o maior. Ele termi- na falando que a bênção seria plena quando ele ar- rancasse o julgo sobre sua vida. Precisamos é tirar o jugo para ver que em cada tribulação, cada desafio, cada trabalho tem uma oportunidade de promoção da nossa qualidade de vida. 4) Não imponha as mãos se estiver em pecado: “Agora, ó sacerdotes, este mandamento é para vós. Se não ouvirdes e se não propuserdes, no vosso coração, dar honra ao meu nome, diz o SENHOR dos
  • 32. 32 Exércitos, enviarei a maldição contra vós, e amal- diçoarei as vossas bênçãos; e também já as tenho amaldiçoado, porque não aplicais a isso o coração.” (Malaquias 2.1-2) Fechamos esta parte com um alerta, não ore com imposições de mãos com a vida em pecado, você trará problemas não só para você, mas tam- bém para quem está recebendo a oração. A profe- cia de Malaquias é categórica: AMALDIÇOAREI AS TUAS BÊNÇÃOS, isto é, aquilo que você abençoar será amaldiçoado, isso é muito sério, não brinque de ser crente. Sempre sonde sua vida antes de im- por as mãos sobre alguém.
  • 33. 33 6 – “Nem por uma hora?” POR QUE MUITOS NÃO ORAM? “Então chegou Jesus com eles a um lugar chama- do Getsêmani, e disse a seus discípulos: Assentai-vos aqui, enquanto vou além orar. E, levando consigo Pedro e os dois filhos de Ze- bedeu, começou a entristecer-se e a angustiar-se
  • 34. 34 muito. Então lhes disse: A minha alma está cheia de tristeza até a morte; ficai aqui, e velai comigo. E, indo um pouco mais para diante, prostrou-se sobre o seu rosto, orando e dizendo: Meu Pai, se é possível, passe de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres. E, voltando para os seus discípulos, achou-os adormecidos; e disse a Pedro: Então nem uma hora pudeste velar comigo? Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fra- ca. E, indo segunda vez, orou, dizendo: Pai meu, se este cálice não pode passar de mim sem eu o beber, faça-se a tua vontade. E, voltando, achou-os outra vez adormecidos; porque os seus olhos estavam pesados. E, deixan- do-os de novo, foi orar pela terceira vez, dizendo as mesmas palavras.” (Mateus 26.36-44) Jesus estava ali prestes a se entregar na cruz, sofrer as piores dores, estava em profunda dor, suava sangue, pediu ao Pai inclusive que, se fosse possível, lhe passasse aquele cálice. Ele também ali era um homem; portanto, numa situação como essa desejaria a companhia dos amigos e aliados, alguém para compartilhar o sofrimento por meio
  • 35. 35 da oração. Infelizmente, os discípulos que estavam com ele não tiveram essa sensibilidade e dormiam enquanto Ele pedia a companhia deles naquela intercessão. Talvez você ache um absurdo o que eles fizeram, mas não agimos diferente, sempre há um motivo para justificar o fato de que nun- ca temos tempo para orar, nem quinze minutos, imagine uma hora. Já ouvimos tanta coisa, olha algumas clássicas: • “Tive um compromisso inadiável” = Falta de prioridade; • “Estava muito ocupado” = Ativismo; • “Tudo é oração, que chato!” = Falta de compro- misso com Deus; • “O que importa é agir, oração é perda de tempo” = Carnalidade; • “Eu não sei orar, tenho vergonha de falar com Deus” = Timidez; • “Quando o meu marido me chamar, eu oro” = Falta de iniciativa; • “Toda vez que oro começa a acontecer coisas es- tranhas, tenho dor de cabeça, vem um sono pesado” = pode ser opressão demoníaca ou pode ser preguiça mesmo!
  • 36. 36
  • 37. 37 7 – DICAS PARA TRANSFORMAR A ORAÇÃO EM UM ESTILO DE VIDA: Em seu livro “Loucos por Jesus de joelhos”, o Pr. Lucinho fala um pouco de sua experiência pesso- al na área da oração. Temos caminhado bem perto dele e podemos garantir que é verdade, ele dá tes- temunho na área da oração. Nesta obra ele também
  • 38. 38 dá preciosas dicas para viabilizar nossa oração e torná-la excelente. A seguir passamos as principais, leia e pratique: • Planeje sua oração com pelo menos 24 horas de antecedência, tenha disciplina; • Tenha um lugar específico de oração; • Feche a porta e não atenda nada e nem nin- guém; • Avise as pessoas que você vai se retirar para orar, assim você não será importunado; • Evite orar antes de dormir, ore preferencial- mente pela manhã; • Deixe o Espírito Santo guiar a oração, pois não sabemos orar como convém: “Me ensina a orar Se- nhor”, ore sobre a oração. Oração exige exclusivida- de, a distração é satânica; • Evite orar e fazer outra coisa ao mesmo tempo; • Conte a Deus sobre seu dia; • No reino da oração o que vale é a simplicidade; • Ore a Bíblia; • Ore mesmo triste, cansado ou em pecado; • Ore cantando salmos (exemplos 120-134); • Ore em línguas; • Mude de posições durante o processo da
  • 39. 39 oração, crie um ambiente favorável; •Tudo que Deus lembrá-lo durante a oração leve muito a sério, registre imediatamente; • Priorize um pedido acima dos demais, pelo me- nos naquele dia; • Seja específico e detalhista na oração, evite usar o termo “abençoe” como artifício para generali- zar ou resumir a oração; • Tenha um diário de oração, nele coloque dia, local, o que orou e como Deus respondeu, dentre outras coisas; • Ao terminar o período de oração tenha um tempo de silêncio para ouvir a Deus e não duvide que é Ele que está falando; • Não fique avaliando o seu período de oração; • Ore sistematicamente por tempos mínimos pré-estabelecidos; • Deixe a disciplina virar prazer;
  • 40. 40
  • 41. 41 CONCLUSÃO Um dos maiores exemplos de homem de oração na Bíblia certamente foi o rei Davi, no Salmo 51 ele está sendo confrontado por Deus, pois havia peca- do, diante daquele quadro, o único caminho era a confissão e ele o fez por meio deste impactante Sal- mo. Que ele lhe inspire a orar: “Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das tuas misericórdias. Lava- me completamente da minha iniquidade, e purifica- me do meu pecado. Porque eu conheço as minhas
  • 42. 42 transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim. Contra ti, contra ti somente pequei, e fiz o que é mal à tua vista, para que sejas justificado quando falares, e puro quando julgares. Eis que em iniquidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe. Eis que amas a verdade no íntimo, e no oculto me fazes conhecer a sabedoria. Purifica-me com hissopo, e ficarei puro; lava-me, e ficarei mais branco do que a neve. Faze-me ouvir júbilo e alegria, para que gozem os ossos que tu quebraste. Esconde a tua face dos meus pecados, e apaga todas as minhas iniquidades. Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto. Não me lances fora da tua presença, e não retires de mim o teu Espírito Santo. Torna a dar-me a alegria da tua salvação, e sustém- me com um espírito voluntário. Então ensinarei aos transgressores os teus caminhos, e os pecadores a ti se converterão. Livra-me dos crimes de sangue, ó Deus, Deus da minha salvação, e a minha língua louvará altamente a tua justiça. Abre, Senhor, os meus lábios, e a minha boca entoará o teu louvor. Pois não desejas sacrifícios, senão eu os daria; tu não te deleitas em holocaustos. Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; coração quebrantado e contrito não
  • 43. 43 desprezarás, ó Deus. Faze o bem a Sião, segundo a tua boa vontade; edifica os muros de Jerusalém. Então te agradarás dos sacrifícios de justiça, dos holocaustos e das ofertas queimadas; então se oferecerão novilhos sobre o teu altar.” E então meu querido irmão? Que tal fechar esse livro, dobrar os joelhos e começar a orar? Ministério dos Namorados É um projeto da Igreja Batista da Lagoinha que atua, há quinze anos, em parceria com a Mocidade e com a Rede da Família. Esse é um ministério pioneiro na comunidade evangélica, sendo referência em todo o Brasil e no mundo. O trabalho do ministério consiste no acompanhamento de casais de namorados e noi- vos auxiliando-lhes a desenvolver um relacionamen- to saudável em todas as áreas (espiritual, emocional e física). Contamos até hoje com mais de 1.000 casais acompanhados e atualmente uma equipe de 60 con- selheiros. O ministério também promove eventos como; acampamentos, festas, caminhadas ecológi- cas, festivais, almoços e jantares, além dos bate-papos mensais. Acompanhamos Células específicas para
  • 44. 44 esse público e também um espaço na internet: o blog Namorados Online (www.namoradosonline. blogspot.com) com mais de 5 mil acessos por mês e reprodução de nossos textos em outros, sendo estes não apenas de todo Brasil, mas também de países como: Estados Unidos, Portugal, Japão, Es- panha, Canadá, Bélgica, Reino Unido, Indonésia, Alemanha, Argentina, Suíça, Austrália, Cuba, dentre outros. Ore sempre por esse projeto. Atualmente, Richarde Guerra lidera a mocidade da IBL e Priscila Guerra é líder de intercessão da mocidade. Contatos: Casa da Mocidade Lagoinha - Rua Pi- tangui, 405, (2° andar), São Cristóvão – BH/MG. (31) 3478-6500 - Pr. Richarde Guerra e Priscila Guerra – (31) 8489-3057. richarde.guerra@lagoinha.com
  • 45. 45 JESUS TE AMA E QUER VOCÊ! 1º PASSO: Deus o ama e tem um plano maravilhosoparasuavida. “PorqueDeusamou omundodetalmaneiraquedeuoseu Filhounigê- nito,paraquetodooquenelecrênãopereça,mas tenhaavidaeterna.“(Jo3.16.)
  • 46. 46 2º PASSO: O Homem é pecador e está separado de Deus. “Pois todos pecaram e ca- recem da glória de Deus.“ (Rm 3.23b.) 3º PASSO: Jesus é a resposta de Deus, para o conflito do homem. “Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.“ (Jo 14.6.) 4º PASSO: É preciso receber a Jesus em nosso coração. “Mas, a todos quantos o rece- beram, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome.“ (Jo 1.12a.) “Se, com tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus oressuscitoudentreosmortos,serásalvo.Porque com o coração se crê para justiça e com a boca seconfessaarespeitodasalvação.”(Rm10.9-10.) 5º PASSO: Você gostaria de receber a Cristo em seu coração? Faça essa oração de decisão em voz alta: “Senhor Jesus eu preciso
  • 47. 47 de Ti, confesso-te o meu pecado de estar longe dos teus caminhos. Abro a porta do meu coração e te recebo como meu único Salvador e Senhor. Te agradeço porque me aceita assim como eu sou e perdoa o meu pe- cado. Eu desejo estar sempre dentro dos teus planos para minha vida, amém”. 6º PASSO: Procure uma igreja evangé- lica próxima à sua casa. Nós estamos reunidos na Igreja Batista da Lagoinha, à rua Manoel Macedo, 360, bairro São Cristóvão, Belo Horizonte, MG. Nossa igreja está pronta para lhe acom- panhar neste momento tão importante da sua vida. Nossos principais cultos são realizados aos domingos, nos horários de 10h, 15h e 18h horas. Ficaremos felizes com sua visita!
  • 48. 48 Uma publicação da Igreja Batista da Lagoinha Gerência de Comunicação Rua Manoel Macedo, 360 - São Cristóvão CEP: 31110-440 - Belo Horizonte - MG www.lagoinha.com Twitter: @Lagoinha_com