SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 118
Baixar para ler offline
1
2
Índice
ManualdeDiscipulado
3
Introdução
Você já recebeu a Cristo como Salvador? Parabéns, esta foi
a decisão mais importante de sua vida, significa o início de
um relacionamento com Deus. Na Bíblia esta decisão é
chamada de “nascer de novo.” Trata-se de uma nova opor-
tunidade que Deus nos concede para vivermos de acordo
com a Sua vontade. É o início de uma jornada para o céu.
Em 2 Coríntios 5.17 lemos: “Assim que, se alguém está em Cristo, nova
criatura é, as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo."
Veja 7 coisas importantes que ocorreram em sua vida ao tomar esta decisão:
1. Seus pecados foram perdoados
É o pecado separa o homem de Deus, mas ao confessar a Cristo como
Salvador, Ele perdoou todos os seus pecados. Na Bíblia está escrito: “Se
confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os
pecados e nos purificar de toda injustiça.” (1 João 1.9). Em Atos 10.43
lemos sobre Cristo: "A este dão testemunho todos os profetas, de que
todos os que nele creem receberão o perdão dos pecados pelo seu nome."
Paulo, antes de ser apóstolo, havia sido perseguidor da igreja, mas após
sua conversão ele compreendeu que foi completamente perdoado. Ele
declarou: "Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo
Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores, dos quais eu sou o
principal." (1 Timóteo 1.15) Paulo creu na promessa de Cristo, o qual nos
garantiu: “O Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido."
(Lucas 19.10) O perdão de Cristo é real e segundo a Palavra de Deus, você
também foi perdoado e agora está salvo!
2. Você foi justificado
Não importa os erros cometidos no passado, descanse e aceite a afirma-
ção da Palavra de Deus sobre o seu perdão, isso se chama fé. É através
da fé, dessa confiança na fidelidade de Deus em nos perdoar que somos
justificados. Em Romanos 5.1 lemos: “Tendo sido, pois, justificados pela
fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo.” Em Romanos
8.1 lemos também: “Portanto, agora nenhuma condenação há para os
Um Novo Começo em Cristo
4
que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segun-
do o Espírito.” Não aceite que o seu passado o condene, alegre-se em
Deus. A justificação em Cristo além de nos livrar da condenação eterna
nos torna herdeiros de Deus. Em Tito 3.7 lemos: "Para que, sendo justi-
ficados pela sua graça, sejamos feitos herdeiros segundo a esperança da
vida eterna." Adiante você aprenderá mais sobre a herança dos salvos.
3. Seu nome tem a garantia de estar escrito no céu
Em Apocalipse 21.27 lemos sobre a cidade celestial: “E não entrará nela
coisa alguma que a contamine, e cometa abominação e mentira; mas só os
que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro.” Jesus declarou: “Alegrai-
vos antes por estarem seus nomes escritos nos céus.” O céu é o lugar
reservado aos que vivem separados do pecado e consagrados a Deus – os
santos. Em Hebreus 12.14 lemos: “Segui a paz com todos, e a santificação,
sem a qual ninguém verá o Senhor."
4. Agora você é filho de Deus
Pode parecer estranho, mas para Deus só é considerado filho quem
recebeu a Cristo como Salvador! No Evangelho de João lemos: “Mas a
todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de
Deus, a saber, aos que creem no seu nome” (João 1.12). Os que fizeram
esta confissão agora procuram obedecer a Deus, sabendo que Ele é
santo (separado do pecado). Em 1 Pedro 1.14,15 lemos assim: “Como
filhos obedientes, não vos conformando com as concupiscências que
antes havia em vossa ignorância; mas, como é santo aquele que vos
chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver.”
A Bíblia nos mostra a diferença entre o nosso antigo modo de vida e a
nova vida em Cristo: "Porque noutro tempo éreis trevas, mas agora sois
luz no Senhor; andai como filhos da luz" (Efésios 5.8). “Filho da luz” fala
de nosso testemunho, e de como podemos ajudar outros a saírem do
caminho de trevas. Em Filipenses 2.15 lemos: "Para que sejais irre-
preensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma
geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros
no mundo."
5
5. O Espírito Santo passou a habitar em você
Para certificar a sua filiação com Deus, no dia de sua decisão o Espirito
Santo passou habitar em você! Em Romanos 8.16 lemos: "O mesmo
Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus." É o
Espírito Santo que nos dá poder para vencer os desejos da velha nature-
za humana e nos capacita para o conhecimento de Deus. O apóstolo
Paulo escreveu aos efésios: “Para que, segundo as riquezas da sua glória,
vos conceda que sejais corroborados com poder pelo seu Espírito no ho-
mem interior; para que Cristo habite pela fé nos vossos corações; a fim
de, estando arraigados e fundados em amor, poderdes perfeitamente
compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimen-
to, e a altura, e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo, que excede
todo o entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de
Deus.” (Ef 3.16-19) Adiante você aprenderá mais sobre a pessoa do
Espírito Santo e sobre sua filiação com Deus.
6. Você foi (e está sendo) santificado
Já vimos que a palavra santificação significa ser separado do pecado e
dedicado a Deus. Este foi o propósito para o qual fomos criados! Ao
receber a Cristo como Salvador simplesmente voltamos ao propósito
original de Deus! A nossa separação do pecado deve continuar até o dia
da volta de Cristo, onde seremos completamente transformados. (1
Coríntios 15.52), por isso Paulo instruiu os irmãos de Tessalônica:
“Abstende-vos de toda a aparência do mal. E o mesmo Deus de paz vos
santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam
plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor
Jesus Cristo. Fiel é o que vos chama, o qual também o fará.” (1
Tessalonicenses 5.22-24) Então um verdadeiro filho de Deus não vive
mais propositalmente no pecado. Novamente Paulo disse aos tessa-
lonicenses: “Deus não nos chamou para a imundícia, mas para a
santificação." (1 Ts 4.7) A santificação não é algo impossível de ser
alcançado, pois o Espírito Santo nos capacita a compreender a Palavra
de Deus e esta quando obedecida produz uma progressiva separação do
pecado. Jesus afirmou: "Santifica-os na verdade; a tua palavra é a
verdade." (João 17.17) Em 2 Tessalonicenses 2.13 lemos também: "Mas
devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados do Senhor,
por vos ter Deus elegido desde o princípio para a salvação, em
santificação do Espírito, e fé da verdade."
6
Salvação é a vida eterna. Já que você está salvo, isto é, já que você tem a
vida eterna, veja o que Jesus falou sobre este privilégio: "E a vida eterna
é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus
Cristo, a quem enviaste." (João 17.3) Este texto nos mostra que temos
pela frente uma maravilhosa jornada de conhecimento de Deus. Para
começar, a salvação é como um presente embalado. Precisamos saber
tudo o que contém em seu interior. Fique certo que você terá muitas
surpresas agradáveis a cada descoberta. A Bíblia chama este exercício de
“desenvolvimento da salvação.” Em Filipenses 2.12,13 lemos: “Assim, pois,
amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha presença,
porém, muito mais agora, na minha ausência, desenvolvei a vossa salvação
com temor e tremor, porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer
como o realizar, segundo a sua boa vontade.”
A vida segue normal. A diferença é que, de agora em diante, teremos novas
prioridades. Usaremos o nosso tempo de forma mais prudente escolhendo
aquilo que nos edifica espiritualmente e rejeitando tudo que não agrada a
Deus. Talvez alguns de seus antigos companheiros lhe dirão que não há
mal nenhum em acompanhá-los nos velhos caminhos do pecado, mas a
Palavra de Deus nos adverte: “Filho meu, se os pecadores querem seduzir-
te, não o consintas” (Provérbios 1.10). O nosso relacionamento com o
mundo deve ser no sentido de falar sobre a transformação que Deus fez
em nossa vida, pois Deus deseja que todos os homens se salvem, e venham
ao pleno conhecimento da verdade. (1 Timóteo 2.4)
1. Confie – Deus é fiel para nos guardar
Jamais negue a sua fé. O apóstolo Paulo disse em um momento difícil:
“Portanto, tudo sofro por amor dos escolhidos, para que também eles
alcancem a salvação que está em Cristo Jesus com glória eterna. Fiel é
esta Palavra: que, se morrermos com ele, também com ele viveremos.
Se sofrermos, também com ele reinaremos; se o negarmos, também ele
nos negará. Se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode negar-se a si
mesmo.” (2 Timóteo 2.10-13) Em Mateus 10.32,33 Jesus nos adverte:
“Aquele que me negar diante dos homens eu o negarei diante de meu
ATITUDES PARA DESENVOLVER A SALVAÇÃO
DESENVOLVENDO A SALVAÇÃO
(1 pé 2.12
7
Pai que está nos céus.” Portanto, lutas virão, mas não há o que temer.
Confesse a Palavra de Deus como fazia Paulo: "E o Senhor me livrará de
toda a má obra, e guardar-me-á para o seu reino celestial; a quem seja
glória para todo o sempre. Amém." (2 Timóteo 4.18)
2. Ore
Orar é conversar com Deus expressando-se diante dele conforme seu
entendimento, nada é decorado. Através de seu relacionamento com Deus
você está habilitado a adorá-lo livremente. Expresse gratidão pelo seu
perdão, provisão, saúde, emprego, etc. Fale sobre suas necessidades e pro-
blemas. Em Filipenses 4.6 lemos assim: “Não andeis ansiosos por coisa
alguma, mas em tudo, pela oração e pela súplica, com ações de graças,
sejam vossas petições conhecidas diante de Deus”. Mais adiante teremos
um estudo sobre a importância da oração.
3. Leia a Bíblia
A Bíblia é a Palavra escrita de Deus e nela nós podemos depositar toda
confiança. Os ensinamentos de Cristo estão exclusivamente na Bíblia, não
precisamos recorrer a nenhuma outra fonte para aprendermos sobre
Deus. A Bíblia possui um elevado padrão de vida para nós e através dela
conhecemos a vontade de Deus para nossa vida. À medida que você lê a
Bíblia vai perceber que este mundo vive muito diferente do que Jesus
ensinou!
Observação: Por onde começar a leitura da Bíblia? Como sugestão
de leitura, inicie com o Evangelho de João (Novo Testamento). Este livro
destaca os acontecimentos da vida de Jesus nas duas últimas semanas
antes de sua crucificação, daí a importância de crer nele para obter a
vida eterna. Antes da leitura ore pedindo sabedoria a Deus. Você pode
orar assim: “Senhor abre o meu entendimento para compreender a tua
Palavra.” O Espírito Santo o ajudará a compreendê-la e você se sentirá
confortado pela revelação recebida. Em Salmos 19.8-11 temos uma bela
descrição da Bíblia: “Os preceitos do Senhor são retos e alegram o cora-
ção; o mandamento do Senhor é puro, e ilumina os olhos. O temor do
Senhor é limpo, e permanece eternamente; os juízos do Senhor são ver-
dadeiros e justos juntamente. Mais desejáveis são do que o ouro, sim, do
que muito ouro fino; e mais doces do que o mel e o licor dos favos.
Também por eles é admoestado o teu servo; e em os guardar há grande
8
recompensa.” Esforce-se para memorizar versículos da Bíblia. Em
Salmos 119.9-11 lemos: “Com que purificará o jovem o seu caminho?
Observando-o conforme a tua palavra. Com todo o meu coração te
busquei; não me deixes desviar dos teus mandamentos. Escondi a tua
palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti.”
4. Participe dos cultos
Durante o culto o pastor ministra o ensino da Palavra de Deus. É mais
uma oportunidade para aprender de Cristo. O objetivo do ensino está
em Efésios 4.13: "Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao
conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da es-
tatura completa de Cristo." Leve seus familiares e amigos para parti-
ciparem do próximo culto.
O culto visa, em primeiro lugar, a adoração a Deus. A igreja se reúne
para orar, cantar e adorar a Deus com muita alegria. Lá você não verá
nenhuma imagem de escultura, porque servimos a Deus em espirito e
em verdade, como Jesus ensinou. (João 4.23) Neste ambiente de
adoração a nossa fé é fortalecida no único Deus vivo, onde Ele fala
através das mensagens, cânticos e orações. O culto também proporciona
um momento especial de comunhão com os irmãos. Ali você estará em
contato com crentes mais experientes na vida espiritual.
Se tiver alguma dúvida sobre algum assunto particular converse com o
seu pastor ou líder de sua igreja. Procure integrar-se, informe-se tam-
bém quando deverá ser batizado nas águas conforme o mandamento de
Jesus expresso em Mateus 28.19
Parabéns mais uma vez pela nobre decisão de iniciar um relacio-
namento com Deus. Em continuação à nossa jornada de crescimento
em Cristo, preparamos 15 estudos bíblicos fundamentais para
fortalecer sua fé. Estude este e-book com calma procurando ler todas
as referências bíblicas, fazendo isto o seu progresso será proveitoso.
Bons estudos!
o (a) abençoe.
9
“Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade.” (Jo 17.17)
1.1 O autor da Bíblia
A Bíblia é a revelação da Verdade à humanidade. Através dela conhecemos
o caráter de Deus, a realidade do pecado, o plano de Deus para salvar o
homem e a plena vontade dele para nossa vida. Deus é o autor da Bíblia.
Sobre Ele está escrito: “Ele é a Rocha, cuja obra é perfeita, porque todos os
seus caminhos justos são; Deus é a verdade, e não há nele injustiça; justo e
reto é.” (Deuteronômio 32.4)
1.2 A Bíblia é a verdade
O texto acima declara que Deus é a verdade, então não há erros nem
contradições em sua Palavra. A Bíblia é, portanto, digna de toda confiança.
No livro de Salmos lemos: “O caminho de Deus é perfeito; a palavra do
Senhor é provada; é um escudo para todos os que nele confiam.” (Salmos
18.30); “A lei do Senhor é perfeita, e refrigera a alma; o testemunho do
Senhor é fiel, e dá sabedoria aos simples. Os preceitos do Senhor são retos
e alegram o coração; O mandamento do Senhor é puro, e ilumina os olhos.
O temor do Senhor é limpo, e permanece eternamente; os juízos do
Senhor são verdadeiros e justos juntamente." (Salmos 19.7-9)
1.3 A Bíblia é inspirada por Deus
Como autor da Bíblia, Deus supervisionou todos os seus escritores de
modo que eles escreveram o que Deus tinha em mente. Embora os escri-
tores da Bíblia tenham vivido em lugares e em épocas diferentes, com
idiomas e culturas diferentes, todos escreveram sem contradições sobre a
pessoa de Jesus Cristo. Isto só foi possível mediante a inspiração do
Espírito Santo. Em 2 Timóteo 3.16 lemos: “Toda a Escritura é divinamente
inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para
instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeita-
mente instruído para toda a boa obra.” Não foram homens quaisquer que
escreveram a Bíblia. Em 2 Pedro 1.21 lemos: “Porque a profecia nunca foi
produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus
falaram inspirados pelo Espírito Santo.”
1. O QUE É A BÍBLIA?
A Bíblia - A Infalível Palavra de DeusEstudo 01
10
1.4 Cristo é o tema central da Bíblia
O assunto dominante nas Escrituras é a redenção em Cristo. Ao longo da
Bíblia Deus revela o seu plano para salvar a humanidade. Um resumo
simples da Bíblia pode ser descrito assim: A Criação do Mundo, a
Corrupção do Mundo e a Redenção do Mundo. Cristo, como Salvador
da humanidade ocupa o centro das Escrituras! Ele se expressou desta
maneira: “Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida
eterna, e são elas que de mim testificam.” (João 5.39) Ao ressuscitar
dentre os mortos Cristo falou novamente: “Porventura não convinha que o
Cristo padecesse estas coisas e entrasse na sua glória? E, começando por
Moisés, e por todos os profetas, explicava-lhes o que dele se achava em
todas as Escrituras.” (Lucas 24.26,27) Aos colossenses Paulo escreveu:
“Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra,
visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados,
sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de todas
as coisas, e todas as coisas subsistem por ele. E ele é a cabeça do corpo, da
igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo
tenha a preeminência.” (Colossenses 1.16-18)
2.1 Para nos guiar na verdade
Já vimos que a Bíblia nos mostra o que é certo e o que é errado, o caminho
do bem e o do mal. No Antigo Testamento os sacerdotes tinham a
responsabilidade de ensinar a Palavra de Deus ao povo de Israel para que
conhecessem a verdade e andassem nela. Em Ezequiel 44.23 lemos: “E a
meu povo ensinarão a distinguir entre o santo e o profano, e o farão
discernir entre o impuro e o puro.”
Já que a Bíblia nos mostra o caminho da vida e os caminhos da morte, o
estilo de vida do justo e o do ímpio, daquele que serve a Deus e daquele
que não o serve, só há duas opções para o homem: escolher o caminho de
Deus (seguir sua Palavra) ou seguir em seu próprio caminho, (evidente-
mente o caminho do pecado). No Antigo Testamento, Deus disse a Israel:
“Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho
proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição. Escolhe, pois a vida, para
que vivas, tu e a tua descendência.” (Deuteronômio 30.19) Quem quiser
ser bem sucedido na vida precisa ser guiado pela Palavra de Deus. Em
Provérbios lemos: “Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te
2. POR QUE DEUS DEU A BÍBLIA AO HOMEM?
11
estribes no teu próprio entendimento, reconhece-o em todos os teus
caminhos, e Ele endireitará as tuas veredas. Não sejas sábio a teus
próprios olhos; teme ao Senhor e aparta-te do mal.” (Pv 3.5-7)
2.2 Para nos libertar do poder do pecado
A Bíblia diz que o pecado escraviza quem a ele se se entrega. (Romanos
6.16) Quando estávamos no mundo não sabíamos disso, mas ao ouvir a
Palavra fomos libertos! Cumpriu-se em nós João 8.32: “E conhecereis a
verdade, e a verdade vos libertará.” Como lidaremos com o pecado? Em
Hebreus 12.1 lemos: “Portanto nós também, pois que estamos rodeados
de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o
pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira
que nos está proposta.” Graças a Deus através da Bíblia aprendemos tudo
sobre o perigo do pecado. A Bíblia é enfática: "Porque o salario do pecado
é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, em Cristo Jesus
nosso Senhor." (Romanos 6.23) Somente sob a ótica da Palavra de Deus
somos capacitados a examinar tudo, extrair somente o que é bom e
evitamos o mal e a sua aparência (1 Tessalonicenses 5.22).
2.3 Para nos ensinar a amar a Deus
Amar a Deus é bem diferente do que ouvimos no mundo. Segundo a Bíblia
amamos a Deus quando obedecemos as Escrituras! Em João 14.21 Jesus
declarou: "Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o
que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e
me manifestarei a ele." Em 1 João 2.4 lemos também: "Aquele que diz: Eu
conheço-o, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não
está a verdade." Ainda em Tiago 1.22 diz: “E sede cumpridores da palavra, e
não somente ouvintes, enganando-vos com falsos discursos.”
Será difícil obedecer a Deus através de sua Palavra? Em 1 João 5.3 le-
mos: "Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamen-
tos; e os seus mandamentos não são pesados." Jesus disse: “Tomai sobre
vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração;
e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave
e o meu fardo é leve.” (Mateus 11.29,30) Se tentarmos viver sem depender
da Palavra de Deus vamos achar a vida cristã muito difícil.
12
A Bíblia se divide em duas partes: O Antigo e o Novo Testamento
(AT/NT) A palavra testamento significa “aliança”, “pacto”. O Antigo
Testamento ou Antiga Aliança foi celebrado entre Deus e o povo de Israel
(os judeus). O Novo Testamento ou Nova Aliança foi celebrado entre Deus
e a igreja pelo sacrifício de Jesus na cruz do calvário. No Antigo Testa-
mento Deus instituiu a páscoa que incluía o sacrifício de um cordeiro
como símbolo do sacrifício perfeito o qual se cumpriu na morte de Jesus.
Jesus celebrou a última páscoa na terra instituindo a “Ceia do Senhor.” Em
Lucas 22.20 lemos: “Semelhantemente, tomou o cálice, depois da ceia,
dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue, que é derramado
por vós.” Em Efésios 1.7 também lemos sobre Jesus: "Em quem temos a
redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da
sua graça."
O Antigo Testamento trata da promessa de Deus em enviar o Salvador
(Messias) ao mundo através de Israel. O Novo Testamento trata do cumpri-
mento desta promessa. Então podemos afirmar que no Antigo Testamento
o “Messias virá” (Daniel 9.24-27). No Novo Testamento o “Messias já veio”
(Atos 1.2; Lucas 24.26,27).
4.1 Porque Ela sonda o nosso coração
A Palavra de Deus nos examina! Em Salmos 139.23,24 lemos assim:
“Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece os
meus pensamentos e vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me
pelo caminho eterno.”
O Espírito Santo inspira os pregadores a citar versículos que atendem à
necessidade dos ouvintes, seja para consolar, edificar, corrigir ou repreen-
der, pois Deus em sua onisciência, conhece a todos. Está escrito: “Porque a
palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma
de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e
medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.”
4. OUTROS MOTIVOS PARA LER A BÍBLIA
3. A DIVISÃO DA BÍBLIA
13
4.2 Porque na Palavra encontramos conforto e paz
Paulo disse aos irmãos de Roma: “Porque tudo o que dantes foi escrito,
para nosso ensino foi escrito, para que pela paciência e consolação das
Escrituras tenhamos esperança. Ora, o Deus de paciência e consolação vos
conceda o mesmo sentimento uns para com os outros, segundo Cristo
Jesus.” (Romanos 15.4,5) O profeta Jeremias disse: “Achadas as tuas
palavras logo as comi, as tua palavras me foram gozo e alegria para o
coração; pois pelo teu nome sou chamado, ó Senhor Deus dos Exércitos.
(Jeremias 15.16). O rei Davi declarou: "Tu és o meu refúgio e o meu
escudo; espero na tua palavra." (Salmos 119.114) O Salmo 119 é o maior
Salmo da Bíblia e trata exatamente da excelência da Palavra de Deus. Este
Salmo destaca diversos atributos de Deus: amor, juízo, onipresença,
onipotência, onisciência, misericórdia, bondade, fidelidade, etc.
4.3 A Bíblia dirige os nossos passos
Em Provérbios 6.22-23 lemos assim: “Quando caminhares, te guiará;
quando te deitares, te guardará; quando acordares, falará contigo. Porque
o mandamento é lâmpada, e a lei é luz; e as repreensões da correção são o
caminho da vida.” Vejamos alguns Salmos e Provérbios sobre isto: “Bem-
aventurados os retos em seus caminhos, que andam na lei do Senhor.” (Sl
119.1); "Pelos teus mandamentos alcancei entendimento, por isso odeio
todo falso caminho. Lâmpada para os meus pés é tua palavra, e luz para o
meu caminho.” (Sl 119.104,105); “Ouve, filho meu, e aceita as minhas
palavras, e se multiplicarão os anos da tua vida. No caminho da sabedoria
te ensinei, e por veredas de retidão te fiz andar. Por elas andando, não se
embaraçarão os teus passos; e se correres não tropeçarás. Apega-te à
instrução e não a largues; guarda-a, porque ela é a tua vida.” (Pv 4.10-13)
4.4 A Bíblia é arma de defesa e ataque contra o mal
Em Mateus 4 Jesus venceu o diabo pela Palavra de Deus. Em Efésios 6.7
somos instruídos a fazer o mesmo: “Tomai também o capacete da salva-
ção, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus.” A Palavra de Deus só
opera em defesa daqueles que creem. Deus obviamente conhece os que
confiam nele. Em Provérbios 30.5 lemos: “Toda a Palavra de Deus é pura;
escudo é para os que confiam nele.” Em Naum 1.7 lemos também: "O
Senhor é bom, ele serve de fortaleza no dia da angústia, e conhece os que
confiam nele." E se alguém não convertido se atrever a usar a Palavra de
Deus para sua defesa? Em Salmos 50.16-20 lemos: “Mas ao ímpio diz
14
Deus: Que fazes tu em recitar os meus estatutos, e em tomar a minha
aliança na tua boca? Visto que odeias a correção, e lanças as minhas
palavras para detrás de ti. Quando vês o ladrão, consentes com ele, e tens
a tua parte com adúlteros. Soltas a tua boca para o mal, e a tua língua
compõe o engano. Assentas-te a falar contra teu irmão; falas mal contra o
filho de tua mãe.” Então para vencermos o mal temos que estar em
obediência à Palavra. Em 2 Coríntios 10.4-6 está escrito: “Porque as armas
da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para
destruição das fortalezas; destruindo os conselhos, e toda a altivez que se
levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o
entendimento à obediência de Cristo; e estando prontos para punir toda a
desobediência, quando for cumprida a vossa obediência.”
4.5 Para crescer na graça e conhecimento de Deus
Em 2 Pedro 3.18a lemos assim: "Crescei na graça e conhecimento de nosso
Senhor e Salvador, Jesus Cristo.” Para crescer na fé é necessário um desejo
sincero pela Palavra. Em 1 Pedro 2.2,3 lemos: “Desejai afetuosamente,
como meninos recém-nascidos, o leite racional, não falsificado, para que
por ele vades crescendo. Se é que já provastes que o Senhor é bom.” Deus
tem preciosas revelações para nós. Em Oseias 6.3 lemos: “Então conhe-
çamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor; a sua saída, como a alva, é
certa; e ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra.”
4.6 Para saber responder com sabedoria
A Obediência nos capacita a responder sabiamente. Em Salmos 111.10
lemos: "O temor do Senhor é o princípio da sabedoria; bom entendimento
têm todos os que cumprem os seus mandamentos; o seu louvor permane-
ce para sempre.” Falemos da esperança que há em Cristo. Em 1 Pedro 3.15
lemos: “Antes, santificai ao Senhor Deus em vossos corações; e estai
sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer
que vos pedir a razão da esperança que há em vós.”
Os textos bíblicos podem ser citados por extenso ou abreviados: Mt
(Mateus) Gn (Gênesis ); Lc (Lucas); Sl (Salmos); Js (Josué), Dt
(Deuteronômio); Jz (juízes); 1 Pe (1 Pedro), etc. Veja como se lê uma
referência bíblica:
5. MANUSEANDO A BÍBLIA
15
Jo 1.10 João capítulo primeiro,
versículo dez.
Ap 3.4,5 Apocalipse capítulo três,
versículos quatro e cinco.
Fp 3.4-7 Filipenses capítulo três,
versículos quatro a sete.
Mc 8.15, 20,38 Marcos capítulo oito
versículo quinze, vinte e trinta e oito.
Mc 8.15, 20-38 Marcos capítulo oito
versículo quinze, e versículos vinte
ao trinta e oito.
Jo 2.7; 8.10 João capítulo dois verso
sete e capítulo oito versículo dez
(ponto e vírgula separam os
capítulos)
Jó 42.5 Jó capítulo quarenta e dois
versículo cinco.
Jo 10.10a João capítulo 10 versículo
10 parte a
Jo 10.10b João capítulo 10 versículo
10 parte b
Fm 9 Filemom versículo nove
OBS: Há livros que só possuem um
capítulo, neste caso só citamos só os
versículos. São eles: 2 João, 3 João e
Judas. A leitura é feita assim:
3 Jo 3-5 Terceira de João versículos
três a cinco.
Judas 4 Judas versículo quatro.
OBS: Também se usa dois pontos (:) para separar o capítulo dos
versículos: Ex: Lc 1:8
1. Inicie com o Evangelho de João o qual trata sobre a divindade de
Jesus.
2. Leia o Evangelho de Mateus o qual traz diversos eventos que provam
que Jesus é o Messias prometido no Antigo Testamento.
3. Leia o Evangelho de Marcos o qual registra os eventos sobre Jesus em
ordem cronológica.
4. Leia o Evangelho de Lucas e depois Atos. Estes dois livros foram
escritos por Lucas, companheiro do apostolo Paulo em suas viagens
missionárias. Lucas retrata a humanidade de Cristo. Atos é a
continuação de Lucas e aborda a origem e desenvolvimento da igreja
primitiva através do Espírito Santo. Atos relata de muitas conversões.
5. Leia as Cartas de Paulo a quais interpretam o ensino de Cristo.
6. Leia o Antigo Testamento. Inicie com Provérbios, Salmos e siga
com Gênesis, Êxodo, Deuteronômio e demais livros.
6. ALGUMAS DICAS PARA LER A BÍBLIA
16
Antes da leitura da Bíblia não se esqueça de orar pedindo sabedoria a
Deus. Em Salmos 119.34,35 Davi orava assim: “Dá-me entendimento, e
guardarei a tua lei, e observá-la-ei de todo o meu coração. Faze-me andar
na vereda dos teus mandamentos, porque nela tenho prazer.” Igualmente
ao terminar a leitura ore agradecendo a Deus pelas revelações que
recebeu.
Outras dicas:
1. Separe a melhor hora para ler a Bíblia;
2. Escolha um ambiente bem iluminado;
3. Não deixe para ler quando estiver cansado;
4. Anote o que achar necessário; use um pincel marca texto para
destacar os versículos que mais falaram ao seu coração.
5. Para uma melhor aprendizagem faça perguntas sobre o texto que
acabou de ler. Exemplo de algumas perguntas:
 Há neste texto alguma ordem que devo obedecer?
 Há algum exemplo que devo seguir ou imitar?
 Há algum pecado que devo abandonar ou evitar?
 Há alguma promessa que se aplica a mim?
Observação: A leitura da Bíblia não visa acumular conhecimento, mas
acima de tudo a transformação de nosso caráter à semelhança do cará-
ter de Cristo. Permita que a palavra de Deus sonde o seu coração e
receba-a com humildade.
17
“Porque a graça de Deus se manifestou trazendo salvação a todos os
homens." (Tt 2.11)
Deus tem uma boa notícia para a humanidade: Salvação. Esta palavra
significa basicamente livramento, preservação, segurança. A Bíblia
declara que morrer perdido é a pior tragédia que existe. Significa sofrer
eternamente no inferno longe da presença de Deus. Cristo veio ao mundo
para nos livrar deste estado de perdição. (Lc 19.10) Então o evangelho é
chamado de Boa Nova porque a má notícia da condenação pelo pecado é
anulada quando recebemos a Cristo como Senhor e Salvador. Em
Hebreus 2.3 somos exortados a considerar a preciosidade da salvação:
“Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande
salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois
confirmada pelos que a ouviram?” A salvação é exclusivamente na pessoa
de Jesus. (At 4.12)
1.1 Compreendendo mais sobre necessidade de salvação
No primeiro livro da Bíblia (Gênesis) lemos que Deus criou o mundo em
perfeita harmonia. O homem foi criado à imagem e semelhança de Deus e
foi lhe dado um espírito a fim de que pudesse ter comunhão com Deus,
porque Deus é espírito. (João 4.24) Deus pôs o homem em um jardim para
lavrá-lo e guardá-lo. Adão e Eva poderiam comer de todo fruto que havia
no jardim, exceto da árvore do conhecimento do bem e do mal, e caso a
comessem morreriam espiritualmente, isto é, seu relacionamento com
Deus terminaria. A obediência do casal provaria lealdade a Deus. Como
seres morais com capacidade de escolha, enquanto obedecessem vive-
riam. Um dia, porém, cederam à tentação de Satanás e ocorreu a morte
espiritual, daí eles perderam imediatamente a comunhão com Deus e
fugiram de sua presença (veja os passos da queda em Tiago 1.15) A partir
de então Adão e Eva ficaram contaminados pelo pecado e a morte
espiritual foi transmitida a toda a humanidade (1 Co 15.21; Rm 5.12).
Então a nascemos espiritualmente mortos, embora fisicamente vivos!
Graças a Deus você teve contato com a pregação da Palavra de Deus e se
converteu, isto significa que você passou da morte espiritual para a vida.
1. O PLANO DE DEUS PARA SALVAR A HUMANIDADE
A Salvação em Cristo02Estudo
18
Em João 5.24 Jesus se expressou assim: "Na verdade, na verdade vos digo
que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida
eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida." A
Bíblia diz que o pecado leva à morte em três sentidos: Morte Espiritual,
Física e Eterna. Primeiramente Deus nos criou para existir eternamente.
(a nossa existência não cessa com a morte física, e por isso Deus enviou
Cristo para nos livrar da perdição eterna). Em João 3.36 lemos: "Aquele
que crê no Filho tem a vida eterna; mas aquele que não crê no Filho não
verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece." Durante a nossa
existência na terra temos a oportunidade de receber a Cristo como
Salvador ou rejeitá-lo! Como você já confessou a Cristo como Salvador,
você está salvo! Em Tito 3.5 lemos: “Mas quando apareceu a benignidade e
amor de Deus, nosso Salvador, para com os homens, não pelas obras de
justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos
salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo.”
Veja abaixo a diferença entre os três tipos mortes existentes: A palavra
morte vem do grego “thanatos” que significa separação.
Morte
espiritual
(Gn 2.17)
Ocorreu com Adão e Eva ainda no jardim do Éden. Pela
desobediência eles ficaram separados da comunhão com
Deus, daí toda a humanidade se encontra neste estado! (Gn
2.16,17; Rm 6.23; 1 Jo 3.14; Jo 5.25, 1Tm 5.6; Tg 1.15 etc.)
Morte
Física
(Gn 3.19)
Separação das partes materiais e imateriais do ser
humano. A matéria (corpo) volta ao pó. Equivale a “expirar”.
(Gn 3.19; Jó 34.14,15; Gn 25.7-9; Sl 146.4; Tg 2.26, etc).
Morte
Eterna
(2ª morte)
(Ap 21.8)
É falecer sem ter recebido a Cristo como Salvador, daí a pessoa
aguardará o Juízo Final onde será julgado, condenado e
lançado no Lago de fogo. E a separação definitiva da
presença de Deus na “vida” do ser humano. (Hb 9.27; 2 Ts
1.8,9; Ap 20.11-15; 21.8, etc.)
Então a morte espiritual é viver na prática do pecado sem levar em conta
a vontade de Deus. (Lc 15.32; Ef 2.1-3). Significa amar o mundo e seus
prazeres. (Tg 4.4; 1 Jo 2.15-17; 5.19) Em Romanos 8.13 lemos: "Porque,
se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo Espírito mortifi-
cardes as obras do corpo, vivereis." Esse tipo de morte é temporária se a
pessoa se converter para viver para Cristo. Porém se passar pela morte
física sem ter recebido a Cristo como salvador, vai para o Hades (inferno)
onde aguardará o Juízo Final (Veja: Lc 16.23; Jo 12.48; Sl 9.17)
19
A salvação vem com a convicção de nosso estado de perdição. Mediante a
pregação da Palavra o Espírito Santo nos convence do pecado, justiça e
juízo divino. (Jo 16.8-11) Ele mostra que precisamos confessar a Cristo
como Salvador (Rm 10.8-11). De forma simples, os passos para a salvação
são estes: arrependimento, fé e confissão.
a) Arrependimento: Mudança de mente que é refletida diretamente em
nossa maneira de viver. Quem se arrepende sente profunda tristeza por
ter ofendido a Deus e decide relacionar-se com Ele com sinceridade
abandonando definitivamente a vida de pecado. Veja na bíblia a atitude
de pessoas arrependidas: “Que, quanto ao trato passado, vos despojeis
do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano; e
vos renoveis no espírito da vossa mente; e vos revistais do novo homem,
que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade. Por isso
deixai a mentira, e falai a verdade cada um com o seu próximo; porque
somos membros uns dos outros. Irai-vos, e não pequeis; não se ponha o
sol sobre a vossa ira. Não deis lugar ao diabo. Aquele que furtava, não
furte mais; antes trabalhe, fazendo com as mãos o que é bom, para que
tenha o que repartir com o que tiver necessidade. Não saia da vossa
boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a
edificação, para que dê graça aos que a ouvem.” (Ef 4.22-29)
b) Fé: É a convicção de que Cristo nos ama, nos aceita e nos perdoa
apesar dos erros cometidos. O resultado desta convicção é uma profun-
da paz e certeza de salvação. A parábola do filho pródigo contada por
Jesus ilustra muito bem isto. O filho arrependido está convicto que seu
pai o ama, e o perdoará aceitando-o de volta. Em Lucas 15. 17,18 lemos:
“E, tornando em si, disse: Quantos trabalhadores de meu pai têm
abundância de pão, e eu aqui pereço de fome! Levantar-me-ei, e irei ter
com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti.” (Veja a
parábola completa em Lucas 15.11-32) Deus é compassivo! Observe
outros textos sobre o caráter de Deus: Miquéias 7.18,19 e Isaias 1.18.
c) Confissão: Declarar e assumir o senhorio de Cristo mediante a dispo-
sição para obedecer a Palavra de Deus. Uma confissão autêntica envolve
arrependimento e a fé em Jesus. Em Romanos 10.9,10 lemos: “Se com a
2. PASSOS PARA A SALVAÇÃO
descrição de
arrependimento
ef 1.13
20
tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus
o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Visto que com o coração se
crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação.” Jesus
declarou: “Qualquer que me confessar diante dos homens, eu o
confessarei diante de meu Pai, que esta nos ceus. Mas qualquer que
me negar diante dos homens, eu o negarei tambem diante de meu Pai,
que esta nos ceus.” (Mt 10.32,33)
Podemos ser salvos por boas obras? Absolutamente não. Em Efésios
2.8,9 lemos: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem
de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie.” A
gloria da salvação é exclusivamente de Cristo. Em Gálatas 1.3-5 lemos:
“Graça e paz da parte de Deus Pai e do nosso Senhor Jesus Cristo, o qual se
deu a si mesmo por nossos pecados, para nos livrar do presente século
mau, segundo a vontade de Deus nosso Pai, ao qual seja dada glória para
todo o sempre. Amém.“
A única fonte da salvação é a Bíblia. Através dela conhecemos o plano de
Deus para a salvação. Em Atos 4.12 referindo-se a Cristo, o apóstolo
Pedro declarou: “E em nenhum outro há salvação, porque também
debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual
devamos ser salvos.”
No Antigo Testamento há muitos registros sobre a salvação em Cristo. Em
Isaias 43.11 lemos: "Eu, eu sou o Senhor, e fora de mim não há Salvador."
Em Oséias 13.4 lemos: "Todavia, eu sou o Senhor teu Deus desde a terra
do Egito; portanto não reconhecerás outro deus além de mim, porque não
há Salvador senão eu." Estes textos estão na Bíblia para que ninguém se
iluda buscando salvação em outras fontes. Quando Israel caiu no pecado
da idolatria Deus falou: “Houve alguma nação que trocasse os seus deuses,
ainda que não fossem deuses? Todavia o meu povo trocou a sua glória por
aquilo que é de nenhum proveito. Espantai-vos disto, ó céus, e horrorizai-
vos! Ficai verdadeiramente desolados, diz o Senhor. Porque o meu povo
fez duas maldades: a mim me deixaram, o manancial de águas vivas, e
cavaram cisternas, cisternas rotas, que não retêm águas.” (Jr 2.11-13)
3. A FONTE DA SALVAÇÃO
21
4.1 justificação: É um ato da Graça de Deus onde Ele declara justo
quem receber pela fé a Cristo como Salvador. É um termo judicial que
lembra um tribunal onde Deus absolve o pecador (réu) de suas trans-
gressões para com a Sua santa Lei e o declara justo e inocente. (Rm 5.1;
1 Co 6.11) A pessoa obtém a condição de estar alinhado à Lei de Deus
em todos os seus aspectos e por essa razão não precisa temer as
punições prescritas nela. (Rm 3.24; 8.1)
4.2 Regeneração: É a natureza de Deus implantada em nós operando o
novo nascimento. (Tg 1.18; 1 Jo 5.1; Tt 3.5) Também é uma mudança de
condição: Um pecador que servia ao diabo e era por natureza inimigo de
Deus, agora em Cristo se torna filho de Deus. (Jo 1.12)
4.3 Santificação: É um ato da Graça de Deus onde o pecador abandona
suas práticas pecaminosas e é restaurado à comunhão com Deus
separando-se (santificando-se) para o serviço de Deus. (Lv 20.26; 1 Pe
2.9,10) Então passa a “andar na luz” (1 Jo 1.7), e “agradar a Deus” (1Ts
4.1) “vivendo de modo digno do Senhor.” (Cl 1.10) Já vimos que a Bíblia
afirma que sem a santificação ninguém verá o Senhor. (Hb 12.14).d
4. ASPECTOS DA SALVAÇÃO
22
"Então conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor.” (Os 6.3a)
Em Salmos 19 Deus se revela de duas maneiras: através de sua criação
(versículos 1 a 6) e através de sua Palavra escrita (versículos 7 a 11).
Observe que a Bíblia não tenta provar a existência de Deus! Todas as
afirmações contidas na Bíblia sobre Deus são definitivas. Crer ou não
crer é uma escolha individual, pois provas de Sua existência encontra-
mos em todo lugar. Em Romanos 1.20 lemos assim: “Pois desde a cria-
ção do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua
natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por
meio das coisas criadas, de forma que tais homens são indesculpáveis.”
A beleza do universo e toda sua diversidade em perfeito funcionamento
através de leis perfeitas denotam a existência de um criador. O Salmo 14.1
denomina de louco (néscio) aquele que não crê na existência de Deus.
O mais importante de tudo é que Deus anseia ter um relacionamento com
suas criaturas. Esta é a razão pela qual fomos criados à imagem e seme-
lhança de Deus. (Gn 1.26) E então? É possível o homem desenvolver um
relacionamento com Deus mesmo depois de se envolver com o pecado
no início do mundo?
Com a entrada do pecado no mundo, Deus não pode ser plenamente
conhecido pelo homem, por causa de sua natureza pecaminosa (Leia Êx
33.20; Jo 1.18; 1 Tm 6.16), mas Deus em seu amor tomou a iniciativa e
veio ao mundo em forma humana para que creiamos nele. Jesus Cristo é a
imagem expressa Deus e nele habita toda a divindade (Leia Cl 2.9; Hb 1.3).
Jesus se dirigia a Deus chamando-lhe de pai. Filipe, um dos apóstolos de
Cristo desejou ver o Pai e disse a Jesus: “Senhor, mostra-nos o Pai, o que
nos basta.” Mas Jesus lhe disse: “Estou há tanto tempo convosco, e não me
tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu:
Mostra-nos o Pai? Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em
mim?” (Veja João 14.8,)
1. É POSSÍVEL CONHECER A DEUS?
Conhecendo o Caráter de Deus03Estudo
2. DEUS VEIO AO MUNDO!
23
A palavra amor define Deus. Em 1 João 4.8 lemos: "Aquele que não ama
não conhece a Deus; porque Deus é amor." É Deus quem nos capacita a
amar. No verso 19 lemos: “Nós o amamos porque ele nos amou primeiro.”
Se Deus nos amou quando ainda éramos inimigos dele (vivendo em peca-
do), imagine depois de reconciliados com Ele através de Cristo! Em Roma-
nos 8.32 lemos: “Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou,
antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas
as coisas?” Agora como filhos de Deus podemos desfrutar deste grande
privilégio. Deus em sua bondade ainda nos garante uma herança nos céus.
Em Romanos 8.15-17 lemos: “Porque não recebestes o espírito de
escravidão, para, outra vez, estardes em temor, mas recebestes o espírito
de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai. O mesmo Espírito
testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. E, se nós somos
filhos, somos, logo, herdeiros também, herdeiros de Deus e co-herdeiros
de Cristo; se é certo que com ele padecemos, para que também com ele
sejamos glorificados.” Vale a pena servir a Deus.
Em Provérbios 1.7 lemos: "O temor do Senhor é o princípio da sabe-
doria..." O temor a Deus consiste em amá-lo e obedecê-lo com alegria,
considerando as consequências eternas do pecado das quais Deus nos
livrou. Em Hebreus 12.28-29 lemos assim: “Por isso, recebendo nós um
reino inabalável, retenhamos a graça, pela qual sirvamos a Deus de
modo agradável, com reverência e santo temor; porque o nosso Deus é
fogo consumidor." Este texto expressa a santidade de Deus. Portanto
conhecer o caráter de Deus (quem ele é) é fundamental para sabermos o
quanto Ele nos ama e deseja o nosso crescimento. Deus não deseja que
saibamos apenas informações sobre a sua pessoa, mas que tenhamos uma
comunhão íntima com Ele. Conhecer a Deus pela experiência é o maior
privilégio que existe. Em Jeremias 9.23,24 lemos: “Assim diz o Senhor: Não
se glorie o sábio na sua sabedoria, nem o forte, na sua força, nem o rico,
nas suas riquezas; mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me conhecer e
saber que eu sou o Senhor e faço misericórdia, juízo e justiça na terra;
porque destas coisas me agrado, diz o Senhor.”
Você já experimentou o amor de Deus, a sua misericórdia, bondade,
fidelidade, paciência etc, Que tal descobrirmos outros aspectos de sua
3. DEUS É AMOR!
4. O TEMOR DE DEUS – O PRINCÍPIO DA SABEDORIA
psragrafo
24
pessoa? Em Oseias 6.3 lemos: “Então conheçamos, e prossigamos em
conhecer ao Senhor; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como
a chuva, como chuva serôdia que rega a terra."
São qualidades que definem a Deus como ele é, a sua natureza. Eviden-
temente não podemos conhecê-lo em sua totalidade, mas somente o que
ele permite. (Dt 29.29) Compreender os atributos de Deus é essencial
para que o adoremos de forma sábia e agradável, por isso a verdadeira
adoração envolve o conhecimento da natureza de Deus. Quem busca a
Deus para conhecê-lo é cheio de gratidão, primeiramente, por tudo que
Ele é, por tudo que Ele fez, faz e fará por nós. Vale a pena conhecer a Deus,
deleitando-se em sua Palavra a fim de conhecer o seu amor, bondade,
fidelidade, paciência, misericórdia, etc. Em Salmos há muitas declarações
sobre a natureza de Deus. Aproveitemos a leitura se Salmos para adorar a
Deus expressando-lhe gratidão como fez Davi, Asafe, e outros adoradores.
Vejamos de forma breve alguns dos atributos de Deus e como eles se
relacionam à nossa nova vida em Cristo:
Amor: A Bíblia diz que Deus é amor. (1 Jo 4.8) O amor de Deus é sacrificial
(Veja Ef 2.4,5; 1 Jo 3.14,16) Em 1 Jo 4.10 lemos: “Nisto consiste o amor,
não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e
enviou seu Filho como propiciação pelos nossos pecados.”
Misericórdia: O pecado é algo odioso aos olhos de Deus. Se não fosse sua
misericórdia já teríamos sido consumidos. (Lm 3.22,23) Deus espera que
os pecadores se arrependam e reconheçam sua compaixão enquanto é
tempo. (Ef 2.4-5; Tt 3.5) Graças a Deus já fomos alcançados por sua
compaixão. Ele espera que sejamos também compassivos para com o
nosso próximo (1 Pe 3.8,9; Jd 1.21,22)
Verdade: Deus é a verdade absoluta. É impossível que Ele minta. (Tt 1.2;
Nm 23.19) Sua Palavra é a verdade. (Jo 17.17) Como novas criaturas em
Cristo devemos viver na verdade (Cl 3.9; Ef 4.25; 3 Jo 1.4)
6. ALGUNS ATRIBUTOS DE DEUS
5. O QUE SÃO OS ATRIBUTOS DE DEUS?
25
Bondade: Deus é bom, logo tudo o que ele faz é bom (Gn 1.12,31). Ele
concede bênçãos às suas criaturas. (At 14.17; Sl 145.9; 34.8; Na 1.7; Tg
1,17) A bondade e a misericórdia de Deus aparecem juntas muitas vezes.
(Sl 100.5; 106.1; 118.29; 103.10-14; 136.1). À semelhança de Deus
devemos ser bons para com todos. (Rm 15.14; 2 Ts 1.11).
Fidelidade: Deus é fiel e, portanto digno de toda confiança. Sua Palavra
nunca falhará daí podemos descansar em suas promessas. (1 Co 1.9; Js
21.45; Mt 24.35; Is 34.16) Não devemos temer o fracasso e nem as ciladas
do diabo. (2 Ts 3.3; 1 jo 5.18) Temos que ser fiéis em tudo. (Lc 16.10; Hb
3.12; 1 Co 4.2; Ap 2.10)
Retidão: Deus é reto. É impossível Ele errar. (Sl 111.7,8; 92.15; Dt 32.4; Jó
34.10-12); Ele odeia o pecado (Hb 1.9; 1 Jo 1.5; Sl 5.4-6; Mq 6.11; 1 Jo 3.8).
Retidão é sua meta para nós (Gn 17.1,2; Sl 89.14-17) e é o melhor caminho
(Sl 84.11; 125.4; Pv 2.7). O bem e o mal estão diante de nós. A nossa
escolha define nosso caráter. (Dt 30.19,20) Em sua retidão Deus dará a
cada um segundo sua obra (Rm 2.7-10)
Santidade: Deus é santo: Ele é moralmente perfeito. Por natureza Ele é
separado do pecado (1 Sm 2.2; Is 6.3; Sl 77.13) por isso Deus exige
santidade dos que irão habitar com ele. (1Pe 1.15,16; Hb 12.14). Santidade
em relação ao homem significa ser “separado do pecado e consagrado a
Deus” (Lv 20.7,8,26); O meio que Deus nos santifica é através de Sua
Palavra. (Jo 17.17)
Justiça: É a santidade de Deus em ação para punir toda injustiça. (Sl 98.9;
119.137; 145.17; Ap 16.5,6) Deus é imparcial (2 Cr 19.7), e portanto não
faz acepção de pessoas. (Rm 2.11; 1 Pe 1.17). Temos mandamentos para
sermos justos e imparciais. (Lv 19.35-37; 1 Pe 3.12)
Soberania: Deus é dono de tudo (Sl 24.1; 1 Cr 29.11,12) e governa sobre
todos. Nada está fora de seu controle. Seus planos são realizados em seu
tempo segundo sua soberana vontade. (Sl 103.19; Jó 42.2; Is 46.10,11)
Ira: Deus se opõe a tudo que fere o seu caráter. O pecado atrai a ira de
Deus (Ef 2.1-4; 5.3-6; Cl 3.5,6) Deus castiga os ímpios com tribulação,
1o43 110 colocar no começo
MT 25.21
26
angústia e sofrimento eterno (Rm 2.7,8; 2 Pe 2.9; Sl 9.17) Todavia quem
está em Cristo está livre da ira de Deus. (1 Ts 5.8,9)
Longanimidade: É o mesmo que paciência. É um dos aspectos do amor
de Deus. (1 Co 13.4; Ex 34.6,7; Na 1.3) Paulo reconheceu que Deus foi
longânimo para com ele. (1 Tm 1.16) Deus dá tempo para o arrepen-
dimento mas o homem não deve abusar da longanimidade de Deus, como
fizeram os que morreram pelo dilúvio. (1 Pe 3.18-20) Muitos igualmente
estão abusando da longanimidade de Deus em relação à segunda vinda de
Jesus. (2 Pe 3.3-90)
Onipotência: Somente Deus tem todo poder para realizar tudo o que
deseja e nada ou ninguém pode impedi-lo. (Mt 19.26; Jó 42.2; Sl 33.10.11)
Obviamente Deus só fará o que estiver de acordo com sua natureza santa
expressa em outros de seus atributos.
Onipresença: Deus é infinito e se faz presente em qualquer lugar. (Jr
23.24; Sl 139.7-12) Então não há necessidade de se deslocar para locais
“santos” para tem um encontro com Deus (Jo 4.23). Em Cristo usufruímos
da presença de Deus onde estivermos. Sua presença é real e Ele jamais nos
desampara. (Hb 13.5,6; Mt 28.20).
Onisciência: Deus conhece todas as coisas, mesmo antes que aconteçam.
(Sl 139.1-4; 1 Cr 28.9) e ninguém pode enganá-lo. (Is 29.15) Os que
confiam nele, devem descansar, pois Ele conhece e sabe tudo sobre nossas
necessidades, ansiedades, temores, etc. (Sl 103.13,14; 1 Pe 5.7)
Imutabilidade: Deus é perfeito e, portanto não muda. (Ml 3.6; Tg 1.17; Hb
6.17-19; 13.8) Nenhum de seus atributos muda: a sua justiça, bondade,
fidelidade, permanece eternamente. Ao lermos a Bíblia podemos ter a
certeza que servimos ao mesmo Deus que operou grandes as maravilhas
no passado, na época do Antigo e do Novo Testamento.
Eternidade: Deus não tem início nem terá fim. Ele transcende o tempo. (Sl
90.4) Sua eternidade está ligada à sua imutabilidade. Deus se revelou a
Moisés como o “Eu sou” Essa linguagem pode ser compreendida assim:
“Eu continuarei sendo o que fui e o que sempre serei” Jesus usou este
27
mesmo verbo em relação a si mesmo. Ele disse aos judeus: “antes de
Abraão nascer, Eu Sou!" (Jo 8.58) Em Apocalipse 1.8 lemos que o Deus
Eterno Jesus Cristo virá ao nosso encontro no arrebatamento. Ele mesmo
declarou: “Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, diz o Senhor, que é,
e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso.
Sabedoria: A sabedoria de Deus é perfeita e inesgotável. (Rm 11.33) Ele
governa tudo com inteligência, segurança e ordem. Obedecê-lo é
prudência, pois a sua vontade é o melhor para nós. (Rm 12.1,2) Ele
compartilha parte de sua sabedoria com seus filhos! (At 6.10; Lc 12.11,12)
A doutrina da trindade é uma das mais difíceis de ser explicada. Embora
esta palavra não apareça na Bíblia, Deus se revela em sua Palavra de três
formas distintas: Pai, Filho e Espírito Santo, porém há um só Deus (Dt 6.4)
A Bíblia declara que o Pai é Deus, (Jo 6.27; Rm 1.7; 1 Pe 1.2) O Filho é Deus
([Jo 1.1; 1.14]; Cl 2.8,9; Hb 1.8) e o Espírito Santo é Deus. (Atos 5.3-4) Não
há motivo para ficarmos confusos. Um dia na eternidade com Cristo
compreenderemos tudo sobre a natureza de Deus. Em 1 João 3.2 lemos:
“Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que
havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos
semelhantes a ele; porque assim como é o veremos.”
7. A TRINDADE DE DEUS
28
"Buscai ao Senhor e a sua força; buscai a sua face continuamente.”(Sl 105.4)
É o meio de cultivar a comunhão com Deus. A sua primeira oração foi de
confissão, ao receber a Cristo como Salvador. A partir dai você tem o
privilégio de aprofundar o seu relacionamento com Ele. Deus tem
infinitas formas de responder nossas orações, e geralmente o faz através
de sua Palavra escrita. Seguramente quanto mais tempo passamos com
Deus em oração mais aprendemos a ouvir a Sua voz. (Jo 10.14) Em
Mateus 6.5-13 Jesus ensinou seus discípulos a orar. Neste texto
aprendemos que a oração não deve ser decorada e não há necessidade
de repetição de frases. Na oração podemos agradecer a Deus pela salva-
ção, saúde, emprego, livramentos, etc. Podemos comunicar nossas
necessidades, problemas e dificuldades a Deus. Ele nos ouve quando
oramos de acordo com Sua vontade. Em 1 João 5.14 lemos: "E esta é a
confiança que temos nele, que, se pedirmos alguma coisa, segundo a sua
vontade, ele nos ouve." Inclusive por isso aprendemos um pouco sobre o
caráter de Deus para descobrirmos a sua vontade e assim aprender a orar
com eficiência. A oração deve ser em nome de Jesus (Jo 14.13,14; 15.16). É
importante saber que antes de recebermos a Cristo como Salvador o
pecado nos separava de Deus. Não podemos nos relacionar com Deus
vivendo em pecado. (Is 59.2; Pv 15.29; 21.27; Sl 66.18; Is 1.15). Agora
perdoados e salvos, temos livre acesso a Deus pelo sacrifício de Cristo e
mesmo se falharmos, mediante o arrependimento, Jesus está pronto a
nos perdoar. (1 Jo 1.9; Tg 5.16)
2.1 Para cultivar o nosso relacionamento com Deus
A oração nos proporciona discernimento para identificarmos qualquer
coisa prejudicial à nossa vida espiritual como também somos capacitados a
escolher tudo o que agrada a Deus. Devemos submeter tudo à Sua vontade.
Este é o segredo para viver com propósito e poder.
2.2 Para não cair em tentação
Em Mateus 26.41 Jesus nos adverte sobre a fraqueza da carne. O que é
tentação? É a vontade de fazer algo errado; vontade de voltar ao pecado.
Falando com Deus através da oraçãoEstudo 04
1. O QUE É A ORAÇÃO
2. POR QUE DEVEMOS ORAR
29
Isso acontece se descuidarmos da oração e dermos lugar à velha natu-
reza, que a Bíblia chama de “carne” (Rm 13.14). Precisamos orar sempre
para vencermos estes desejos. (Hb 12.1; Gl 5.16). A tentação sempre será
vencida se alimentarmos a nossa nova natureza em Cristo. (Cl 3.2,3)
2.3 Para que outros possam ser salvos
No capítulo 17 do evangelho de João Jesus orou por nós! Quando nos
colocamos no lugar de outra pessoa orando por ela, estamos interce-
dendo. Jesus intercedeu por nós deixando-nos o exemplo. Com base em 1
Timóteo 2.1,2 podemos interceder pela família, amigos, nossos líderes
espirituais, autoridades, e inclusive por quem nos persegue. (Mt 5.44; At
12.5). O plano de Deus para nós inclui a intercessão! Deus nos constituiu
intercessores à semelhança dos sacerdotes do Antigo Testamento (1 Pedro
2.9) Paulo via a intercessão como um combate: "E rogo-vos, irmãos, por
nosso Senhor Jesus Cristo e pelo amor do Espírito, que combatais comigo
nas vossas orações por mim a Deus" (Rm 15.30).
2.4. Para aprender a se humilhar diante de Deus
O menor versículo da Bíblia diz: “Jesus chorou." (Jo 11.35). Inúmeros
personagens da Bíblia tiveram seus corações quebrantados. Exceto
Jesus, todos sentiram e choraram seus pecados, suas culpas. Pedro
chorou, (Lc 22.62) Paulo chorou (Rm 9.2), Esdras chorou, Jeremias ficou
conhecido como o “profeta chorão” e neste estado ele escreveu o livro
“Lamentações.” Tiago escreveu: "Senti as vossas misérias, e lamentai e
chorai; converta-se o vosso riso em pranto, e o vosso gozo em tristeza."
(Tg 4.9) A Bíblia chama isto de “coração quebrantado.” Em Salmos 51.17
lemos: “Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um
coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus.”
Após orar intensamente Deus disse ao profeta Daniel: “Não temas,
Daniel, porque desde o primeiro dia em que aplicaste o teu coração a
compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, são ouvidas as tuas
palavras; e eu vim por causa das tuas palavras.” (Dn 10.12) Em Salmos
34.17,18 lemos: “Os justos clamam, e o Senhor os ouve, e os livra de
todas as suas angustias. Perto está o Senhor dos que têm o coração
quebrantado e salva os contritos de espírito.” Não nos preocupemos
com que outros pensem. O choro diante de Deus é saudável para a nossa
30
alma. Em 1 Pedro 5.6 está escrito: "Humilhai-vos, pois, debaixo da
potente mão de Deus, para que a seu tempo vos exalte."
Evidentemente há muitos momentos de alegria na vida cristã, mas o
quebrantamento não pode ser excluído. Podemos estar aflitos e até sem
palavras diante de Deus, mas Ele nos compreende. Em Romanos 8.25,26
lemos: “E da mesma maneira também o Espírito ajuda as nossas fraque-
zas; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o
mesmo Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis.”
3.1 Ao levantar-se: Inicie o dia conversando com Deus agradecendo-
lhe pela noite que passou. Davi se expressou assim: “Pela manhã ouvirás
a minha voz, ó Senhor; pela manhã apresentarei a ti a minha oração, e
vigiarei. (Sl 5.3) Em Provérbios 8.17 Deus nos diz: “Eu amo aos que me
amam, e os que cedo me buscarem, me acharão.” Ore pedindo sabedoria
a Deus para agir corretamente de acordo com a sua Palavra e peça
ousadia para compartilhar a Palavra de Deus. (2 Tm 4.2)
3.2 Ao deitar-se: Agradeça a Deus por tudo: pelo dia, livramentos,
proteção contra assaltos, batidas de veículos, atropelamentos, em fim, por
todos os benefícios recebidos. Davi orava assim: “Bendize, ó minha alma,
ao Senhor, e não te esqueças de nenhum de seus benefícios.” (Sl 103.2) Em
Efésios 5.20 lemos também: “Dando sempre graças por tudo a nosso Deus
e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo.” Em fim, devemos orar
sempre: ao levantar-se, deitar-se, ao viajar, quando chegar de viagem, ao
fazer um empreendimento, etc. Em Salmos 105.3,4 lemos: “Gloriai-vos no
seu santo nome; alegre-se o coração daqueles que buscam ao Senhor.
Buscai ao Senhor e a sua força; buscai a sua face continuamente.”
4.1 Em casa: A família é um núcleo de adoração a Deus, uma espécie de
mini-igreja. Deus tem que ter prioridade e ser exaltado nela. Separe
momentos especiais para um culto doméstico. Dessa forma estaremos
blindando a nossa família contra ataques satânicos. Além do mais, bus-
car a Deus é a chave de toda prosperidade espiritual. Josué, general das
3. QUANDO ORAR
4. ONDE ORAR
31
guerras do Senhor em Israel, cedo tomou esta decisão. Ele disse: “Eu e a
minha casa serviremos ao Senhor.” (Js 24.15b)
4.2 Na igreja: Melhor dizendo, no prédio onde se chama igreja (porque
a igreja somos nós, o corpo de Cristo). Ali os crentes se reúnem para
orar. Além dos cultos normais de oração, há consagração, vigília, círculo
de oração, etc.(o nome da reunião depende de sua denominação) Deus
sempre se manifesta com batismo no Espírito Santo, cura divina e
solução de muitos problemas. Em Atos 4.31 vemos uma notável reunião
de oração da igreja primitiva: “E, tendo orado, moveu-se o lugar em que
estavam reunidos; e todos foram cheios do Espírito Santo, e anunciavam
com ousadia a palavra de Deus.”
4.3 Em qualquer lugar: Em João 4.20 lemos sobre mulher samaritana a
qual se mostrou preocupada com o lugar certo para buscar a Deus! Jesus
esclareceu que podemos buscar a Deus em qualquer lugar, desde que o
adoremos em Espírito e em verdade. (Veja João 4.5-29). Paulo instruiu o
jovem Timóteo assim: “Quero, pois, que os homens orem em todo o
lugar, levantando mãos santas, sem ira nem contenda.” (1 Tm 2.8) O
profeta Jeremias estava preso quando o Senhor lhe disse: “Clama a mim,
e responder-te-ei, e anunciar-te-ei coisas grandes e firmes que não
sabes.” (Jr 33.3) O profeta Jonas orou no ventre de um grande peixe: “Na
minha angústia clamei ao Senhor e ele me respondeu; do ventre do
abismo gritei, e tu ouviste a minha voz. (Jn2.2)
Qualquer posição é aceita por Deus. Já vimos que o que importa é a nossa
atitude em busca-lo com um coração limpo e sincero. É conveniente uma
posição que indique submissão e reverência a Deus. Veja alguns exemplos
bíblicos: Gn 17.3; 2 Cr 20.5,6,18; Lc 5.12; 22.41,42; Ef 3.14,15
Sim, evidentemente o pecado! Em Isaias 59.1,2 lemos: “Eis que a mão do
Senhor não está encolhida, para que não possa salvar; nem agravado o
seu ouvido, para não poder ouvir. Mas as vossas iniquidades fazem
separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o
5. EM QUAL POSIÇÃO ORAR
6. ALGO PODE IMPEDIR NOSSAS ORAÇÕES?
32
seu rosto de vós, para que não vos ouça.” Outros textos: Sl 66.18, 15.29,
etc Daí é essencial estar sempre em comunhão com Deus. (Mt 5.23-25)
Na Bíblia há diversos textos específicos que falam a causa do impedi-
mento de orações. Vejamos alguns:
 Falta de comunhão com o próximo (Mt 5.23,24).
 Não valorizar a Palavra de Deus (Pv 28.9);
 Pedidos mundanos (Tg 4.2-4);
 Mau tratamento para com o cônjuge (1 Pe 3.7);
 Suposta superioridade moral (Lc 18.10-14);
 Descrença (Tg 1.6,7);
 Não permanecer em Cristo e em Sua Palavra (Jo 15.7);
 Não dar prioridade ao Reino de Deus (Mt 6.33);
Devemos pedir a Deus que sonde o nosso coração para sabermos o que
precisa ser corrigido. Davi orava assim: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o
meu coração; prova-me, e conhece os meus pensamentos. E vê se há em
mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno.” (Sl 139.23,24)
A oração é vital e por ela exercitamos a nossa comunhão com Deus. Logo
desprezar uma oportunidade de orar significa desprezar um encontro
com Deus. É o Espírito Santo que nos leva a orar e não ser sensível à Sua
voz é equivale a “extinguir o Espírito” (1 Ts 5.19). A falta de sensibili-
dade para orar tem levado muitos crentes ao fracasso espiritual. Jesus
nos advertiu: "Orai, para que não entreis em tentação." (Lucas 22.40) A
tentação é o primeiro passo para a queda. Veja como o profeta Samuel
via a falta de oração: “E quanto a mim, longe de mim que eu peque
contra o Senhor, deixando de orar por vós; antes vos ensinarei o
caminho bom e direito.” Em vez de desanimar em relação à oração,
imitemos Davi, o qual disse no Salmo 42.1,2: “Assim como o cervo brama
pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus! A
minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando entrarei e me
apresentarei ante a face de Deus?” No Salmo 84 ele disse também: “Quão
amáveis são os teus tabernáculos, Senhor dos Exércitos! A minha alma
está desejosa, e desfalece pelos átrios do Senhor; o meu coração e a
minha carne clamam pelo Deus vivo.” (Sl 84.1,2)
7. DEIXAR DE ORAR O QUE SIGNIFICA
33
No dia em que nos convertemos entramos em guerra contínua contra o
reino das trevas e orar significa batalhar espiritualmente. Satanás não quer
que oremos, porque ele conhece o poder da oração. Ele sabe que quando
oramos somos fortalecidos contra as tentações; ele sabe que podemos
interceder por alguém e resultar em libertação; ele sabe que até nações são
impactadas quando oramos; ele sabe que Jesus fará maravilhas, etc. Em fim
ele sabe que terá sérios prejuízos no seu império por isso fará tudo para
nos desviar do propósito da oração. Cientes disto, devemos estar atentos às
suas armadilhas. Muitas vezes ele insinua que estamos cansados, que orar
não é importante, que não temos tempo, que não vai adiantar..., etc. Não
desanime. Ao sentir-se desanimado, e desafiado você pode estar sob ata-
que. Em Efésios 6.18 lemos assim: "Orando em todo o tempo com toda a
oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e
súplica por todos os santos." Ao jovem Timóteo Paulo aconselhou: "Tu,
pois, meu filho, fortifica-te na graça que há em Cristo Jesus." (2 Tm 2.1)
Como interpretar: “Orai sem cessar”? (1 Ts 5.17) A oração deve ser vista
como um privilégio, um estilo de vida. Significa estar continuamente em
atitude de oração! Quando vemos algo de bom, podemos dar graças a Deus
por isso. Quando somos tentados pedimos ajuda por livramento, quando
vemos alguém precisando de Cristo podemos pedir a Deus que nos use
como instrumento para conduzi-lo a Cristo, e assim por diante. Vivendo
assim estaremos em constante contato com Deus. Oração contínua é uma
entrega completa de nosso coração ao Senhor. Em Salmos 19.14 Davi orava
assim: “Sejam agradáveis as palavras da minha boca e a meditação do meu
coração perante a tua face, Senhor, Rocha minha e Redentor meu!” Qual-
quer cristão salvo pode desfrutar da comunhão com Deus 24 por dia!
9. “ORAI SEM CESSAR” – O QUE SIGNIFICA?
8. VENCENDO OS OBSTÁCULOS DA ORAÇÃO
34
"Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas." (Ap 2.29)
A palavra igreja vem do grego ekklesia, que significa “uma assembleia de
chamados para fora” (At 11.22; 13.1), ou seja, é uma referencia àqueles
que saíram do mundo e se converteram a Cristo. Mundo, se refere à
multidão perdida, separada de Deus por causa do pecado. O mundo está
envolvido em muitos prazeres, diversões, busca de glória, desonestidades,
imoralidades e tudo que se opõe ao reino de Deus. Por isso a Bíblia diz que
o mundo jaz no maligno, isto é, o mundo está sob influência direta de
satanás, a quem Jesus chama de “o príncipe deste mundo.” (Jo 14.30) Foi
deste mundo que fomos resgatados, como igreja, para servir a Deus. Então
a igreja é formada de pessoas os quais foram perdoadas e transformadas.
Em Tito 2.14 lemos sobre Jesus: "o qual se deu a si mesmo por nós para
nos remir de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo seu especial,
zeloso de boas obras." Paulo ao se despedir da igreja de Éfeso chamou
seus líderes e lhes disse: “Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre
que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de
Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue.” (At 20.28). Ainda em
Efésios 2.2-5 lemos: “Em que noutro tempo andastes segundo o curso
deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que
agora opera nos filhos da desobediência, entre os quais todos nós também
antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne
e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros
também. Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito
amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossas ofensas,
nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos).”
Pela leitura dos textos acima podemos ver que a igreja não é invenção
humana, foi fundada pelo próprio Cristo mediante o seu sacrifício na cruz.
Antes de ir para a cruz, Jesus fez uma pergunta a seus discípulos: “Quem
dizem os homens ser o Filho do homem?” Pedro foi enfático: “Tu és o
Cristo, o Filho do Deus vivo.” (Mt 16.16) Jesus comentou a confissão de
Pedro: “Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra
A Igreja - O meio de alcançar o mundoEstudo 05
2. A FUNDAÇÃO E INVENCIBILIDADE DA IGREJA
1. A COMPOSIÇÃO DA IGREJA
35
edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra
ela. E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra
será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos
céus.” (Mt 16.18,19) Essa foi a primeira vez que Jesus usou a palavra
igreja. Portanto ela é invencível e o próprio Cristo é a pedra principal, que
Pedro havia confessado!
O termo ekklesia é aplicado somente a pessoas e nunca a um prédio. Em 1
Pedro 2.5 lemos: “Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa
espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agra-
dáveis a Deus por Jesus Cristo.” Em Atos 4.11 Pedro mesmo explica aos
judeus sobre Cristo: "Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edifica-
dores, a qual foi posta por cabeça de esquina." Em Efésios 2.20-22 lemos:
“Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus
Cristo é a principal pedra da esquina; no qual todo o edifício, bem ajus-
tado, cresce para templo santo no Senhor. No qual também vós junta-
mente sois edificados para morada de Deus em Espírito.” E que chave
seria essa que Cristo prometeu a Pedro? É simples: Pedro em sua primeira
pregação conduziu 3.000 almas a Cristo! A partir daí a igreja se expandiu.
O sermão completo de Pedro encontra-se em Atos 2.14-41. A igreja segue
pregando a Palavra até a volta de Cristo onde você e eu somos parte dela!
4.1 Adoração: Em João 4.23 lemos: “Mas a hora vem, e agora é, em que os
verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque
o Pai procura a tais que assim o adorem.” Vejamos apenas dois ensinos
neste texto:
a) Os verdadeiros adoradores: Certamente há adoradores enganados,
cuja adoração não se fundamenta na verdade da Palavra. O verdadeiro
adorador adora somente a Deus. Já vimos em João 17.3 onde Jesus disse:
“E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verda-
deiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” Em Efésios 3.21 lemos: “A esse
glória na igreja, por Jesus Cristo, em todas as gerações, para todo o sem-
pre. Amém.” Em 1 Tessalonicenses 1.8-10 também lemos: “Porque por vós
soou a palavra do Senhor, não somente na Macedônia e Acaia, mas tam-
4. FINALIDADES DA IGREJA
3. CRISTO: O ALICERCE DA IGREJA
36
bém em todos os lugares a vossa fé para com Deus se espalhou, de tal
maneira que já dela não temos necessidade de falar coisa alguma; porque
eles mesmos anunciam de nós qual a entrada que tivemos para convosco,
e como dos ídolos vos convertestes a Deus, para servir o Deus vivo e
verdadeiro, e esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dentre os
mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura.”
b) Em Espírito: Ao nascer de novo (espiritualmente) a nossa comunhão
com Deus foi restabelecida. Agora podemos adorar a Deus de forma
agradável. Adorar em espírito fala de uma adoração sincera que parte de
um coração purificado do pecado (santo). Em Salmos 96.9 lemos: “Adorai
ao Senhor na beleza da santidade; tremei diante dele toda a terra.” Maria, a
mulher escolhida por Deus para ser a mãe de Jesus se expressou assim: “A
minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegra em Deus meu
Salvador.” (Veja Lucas 1.46,47)
4.2 Evangelização do mundo: Vimos que Deus está em busca de verda-
deiros adoradores. Jesus morreu por todos, mas nem todos sabem disso.
Há outros que pensam que, se Cristo morreu por todos, eles podem ser
salvos sem se converterem! Há também os desesperados, que acham que
não há mais solução para eles. Então, a todos, temos que falar-lhes sobre o
amor de Deus, do perigo de viver no pecado e da justiça de Deus. Em fim,
precisamos ensinar-lhes toda a verdade. Esta é a missão da igreja. Em
Mateus 28.19-20 Jesus nos comissionou: “Portanto ide, fazei discípulos de
todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito
Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado;
e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos.”
4.3 Edificação de seus membros: Saímos de um mundo cheio de engano.
(1 Jo 5.19) Como novas criaturas precisamos ser edificados na Palavra da
verdade, para isto Deus colocou na igreja pessoas idôneas para nos ajudar a
crescer em Cristo. Em Efésios 4.11-14 lemos sobre Cristo: “E Ele mesmo
deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e
outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos,
para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo, até que todos
cheguemos à unidade da fé e ao conhecimento do Filho de Deus, a varão
perfeito, à medida da estatura completa de Cristo, para que não sejamos
37
mais meninos inconstantes, levados em roda por todo vento de doutrina,
pelo engano dos homens que, com astúcia, enganam fraudulosamente.”
Como igreja devemos nos reunir para sermos edificados. Em Hebreus
10.25,26 lemos: “Não deixando a nossa congregação, como é costume de
alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes
que se vai aproximando aquele dia. Porque, se pecarmos voluntariamente,
depois de termos recebido o conhecimento da verdade, já não resta mais
sacrifício pelos pecados.”
4.4 Preservação do mundo
a) A igreja como sal da terra: Em Mateus 5.13-16 os discípulos são
chamados de “sal da terra e luz do mundo.” Uma das principais função do
sal é evitar o apodrecimento. A igreja é o único organismo capaz de pre-
servar o mundo da corrupção total. Em 1 João 5.19 lemos: "Sabemos que
somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno." Quando, porém a
igreja sair da terra, por ocasião da segunda vinda de Cristo, o mundo
entrará em completa ruina em todos os sentidos.
b) A igreja como luz do mundo: Como luz a igreja mostra o perigo de
viver nas trevas do pecado. Fomos iluminados e agora sabemos que o
pecado tem consequências temporais e eternas. Em Filipenses 2.15 lemos:
“Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no
meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis
como astros no mundo.” A igreja como luz também glorifica a Deus por
sua fidelidade. Em Mateus 5.16 lemos: "Assim resplandeça a vossa luz
diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a
vosso Pai, que está nos céus."
No Novo Testamento encontramos diversos nomes que identificam
aqueles que entregaram suas vidas a Cristo. Vejamos alguns:
Discípulos: "E Jesus subiu ao monte, e assentou-se ali com os seus discí-
pulos." (Jo 6.3); "Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim
sereis meus discípulos." (Jo 15.8); "Então, disse aos seus discípulos: A
seara é realmente grande, mas poucos os ceifeiros." (Mt 9.37)
5. COMO A BÍBLIA DENOMINA OS QUE CRERAM
38
Cristãos: "E sucedeu que todo um ano se reuniram naquela igreja, e
ensinaram muita gente; e em Antioquia foram os discípulos, pela primeira
vez, chamados cristãos." (At 11.26); “Mas, se padece como cristão, não se
envergonhe, antes glorifique a Deus nesta parte.” (1 Pe 4.16)
Irmãos: "Vós, porém, não queirais ser chamados Rabi, porque um só é o
vosso Mestre, a saber, o Cristo, e todos vós sois irmãos." (Mt 23.8); “Disse-
lhe Jesus: Não me detenhas, porque ainda não subi para meu Pai, mas vai
para meus irmãos, e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu
Deus e vosso Deus.” (Jo 20.17); "Porque, assim o que santifica, como os
que são santificados, são todos de um; por cuja causa não se envergonha
de lhes chamar irmãos." (Hb 2.11); "Nós sabemos que passamos da morte
para a vida, porque amamos os irmãos. Quem não ama a seu irmão
permanece na morte." (1 Jo 3.14)
Amados: "Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus;
e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus." (1 Jo 4.7);
"Amados, se Deus assim nos amou, também nós devemos amar uns aos
outros." (1 Jo 4.11); "Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é
manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se
manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos."
(1 Jo 3.2)
Amados irmãos: "Sabendo, amados irmãos, que a vossa eleição é de
Deus." (1 Ts 1.4); "Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e cons-
tantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso
trabalho não é vão no Senhor." (1 Co 15.58); "Portanto, meus amados e
mui queridos irmãos, minha alegria e coroa, estai assim firmes no
Senhor, amados." (Fp 4.1); "Ouvi, meus amados irmãos: Porventura não
escolheu Deus aos pobres deste mundo para serem ricos na fé, e herdeiros
do reino que prometeu aos que o amam?" (Tg 2.5)
Santos: (Separados do pecado e consagrados a Deus) "Aos santos e
irmãos fiéis em Cristo, que estão em Colossos: Graça a vós, e paz da parte
de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo." (Cl 1.2); "A todos os que
estais em Roma, amados de Deus, chamados santos: Graça e paz de Deus
nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo." (Rm 1.7); "À igreja de Deus que está
39
em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados santos, com todos
os que em todo o lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo,
Senhor deles e nosso:" (1 Co 1.2); “Porque o marido descrente é santifica-
do pela mulher; e a mulher descrente é santificada pelo marido; de outra
sorte os vossos filhos seriam imundos; mas agora são santos.” (1 Co 7.14)
Crentes: Dependendo da versão bíblica pode aparecer como sinônimo.
Vejamos: “E a multidão dos que criam no Senhor, tanto homens como
mulheres, crescia cada vez mais.” (At 5.14); "Depois disse a Tomé: Põe
aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos; e chega a tua mão, e põe-na no meu
lado; e não sejas incrédulo, mas crente." (Jo 20.27); De sorte que os que
são da fé são benditos com o crente Abraão. (Gl 3.9); “E chegou a Derbe e
Listra. E eis que estava ali um certo discípulo por nome Timóteo, filho de
uma judia que era crente, mas de pai grego.” (Atos 16.1)
Na Bíblia, Deus usa diversas metáforas para expressar a natureza de sua
igreja e como ela funciona. Veja alguns símbolos:
6.1 Corpo: Jesus ao realizar a obra de redenção, ressuscitou dentre os
mortos e subiu ao céu, mas a sua presença é sentida na terra por meio de
sua igreja. No Novo Testamento a igreja é chamada de “o corpo de Cristo.”
Em 1 Coríntios 12.27 lemos assim: “Ora, vós sois o corpo de Cristo, e seus
membros em particular.” Colossenses 1.18 é uma referência a Cristo: “E
ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os
mortos, para que em tudo tenha a preeminência.” Observe em Atos 9.4,5 o
relato quando Saulo (depois apóstolo Paulo) perseguia a igreja: “E, caindo
em terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me perse-
gues? E ele disse: Quem és, Senhor? E disse o Senhor: Eu sou Jesus, a quem
tu persegues. Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões.” Leia outros
textos sobre igreja como corpo: Ef 1.22,23; 4.15; 5.23.
6.1.1 A união do corpo: Corpo fala de união e unidade. A igreja de Cristo
tem esta marca. Em 1 Coríntios 12.12 lemos: "Porque, assim como o corpo
é um, e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um
só corpo, assim é Cristo também." Lembremo-nos como Jesus orou pela
igreja: “E não rogo somente por estes, mas também por aqueles que pela
6. A IGREJA: COMO ELA É E COMO FUNCIONA
40
sua palavra hão de crer em mim; para que todos sejam um, como tu, ó Pai,
o és em mim, e eu em ti; que também eles sejam um em nós, para que o
mundo creia que tu me enviaste." (Jo 17.20,21) O elo da união entre Cristo
e a igreja é o amor. No versículo 23 lemos: “Eu neles, e tu em mim, para
que eles sejam perfeitos em unidade, e para que o mundo conheça que tu
me enviaste a mim, e que os tens amado a eles como me tens amado a
mim.” Em João 15.12 Jesus diz: "O meu mandamento é este: Que vos ameis
uns aos outros, assim como eu vos amei."
6.2 Noiva/Esposa: A simbologia da noiva fala de nossa preparação antes
do arrebatamento. Após o arrebatamento ocorrerá um evento no céu
chamado as Bodas do Cordeiro. Em Apocalipse 21.2-3 lemos: “Vi também
a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus,
ataviada como noiva adornada para o seu esposo. Então, ouvi grande voz
vinda do trono, dizendo: Eis o tabernáculo de Deus com os homens. Deus
habitará com eles. Eles serão povos de Deus, e Deus mesmo estará com
eles.” Em Mateus 25 Jesus contou uma parábola para nos ensinar sobre a
vigilância da igreja em relação à sua volta. A parábola é concluída assim:
“Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do
homem há de vir.” (Mt 25.13) Em Efésios temos esta comparação:
“Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si
mesmo se entregou por ela, para que a santificasse, tendo-a purificado por
meio da lavagem de água pela palavra, para a apresentar a si mesmo
igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa
e sem defeito....Grande é este mistério, mas eu me refiro a Cristo e à
igreja.” (Ef 5:25-27,32)
6.3 Família: A igreja também é uma família. Em Efésios 2.19 lemos:
"Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos
santos, e da família de Deus." O nosso ingresso na família de Deus ocorreu
mediante o novo nascimento (a conversão). Vamos lembrar o texto de
João 1.12,13: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de
serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome; os quais não
nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do
homem, mas de Deus.” No estudo número três aprendemos que o nosso
ingresso na família de Deus foi por adoção. A palavra Aba citada em
Romanos 8.15,16 expressa muita intimidade e era muito usada no
41
relacionamento pai-filho. Já que nos tornamos filhos de Deus temos agora
intimidade com o nosso pai celestial. A família de Deus se faz presente em
qualquer lugar do mundo onde o evangelho é pregado e crido. Como famí-
lia de Deus temos muitos privilégios, mas também sérias responsa-
bilidades. Vejamos algumas delas:
• Amar uns aos outros. (1 Jo 4.7; 1 Jo 3.16; 1 Pe 1.22)
• Orar uns pelos outros. (Hb 13.18; Tg 5.14-16)
• Ser benigno, compassivo e perdoador. (Ef 4.32)
• Ajudar os irmãos necessitados. (1 Jo 3.16-18; Rm 12.13)
• Acolher uns aos outros. (Rm 12.13; Hb 13.2)
• Consolar uns aos outros. (2 Co 1.4; 1 Ts 5.11)
• Edificar uns aos outros (Ef 4.16; Rm 12.7)
• Suportar uns aos outros. (Ef 4.2; Gl 6.2)
Vimos que Cristo é o cabeça da igreja, logo a igreja lhe é submissa. Veja
esta comparação: “Vós, mulheres, sujeitai-vos a vossos maridos, como ao
Senhor; porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a
cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo. De sorte que,
assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam
em tudo sujeitas a seus maridos.” (Ef 5.22-24) Em outras palavras: a
verdadeira igreja é submissa a Cristo, à sua Palavra, por isso ela não pode
criar nenhum dogma ou doutrina contraria à Palavra. A igreja é o esteio
da verdade (1 Tm 3.15) e a verdade é a Palavra de Deus. (Jo 17.17).
Igualmente se alguém não se comportar de acordo com a Palavra a
igreja tem autoridade (dada por Cristo) para disciplinar ou excluir tal
pessoa. (Veja Mt 18.15-19; Jo 20.22,23)
Em Efésios 4.11-14 vimos que Jesus estabeleceu as autoridades em sua
igreja para cumprir o seu ministério. Eles são designados por imposição
de mãos (1 Tm 4.14; 2 Tm 1.6)e sobre eles pesa a responsabilidade de
ensinar a sã doutrina e refutar o erro. (Tito 1.9; 1 Tm 3.2) A sã doutrina é
o conteúdo da Palavra expresso em 2 Timóteo 3.16: “Toda a Escritura é
divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para
7. A BASE DA AUTORIDADE DA IGREJA
8. A LIDERANÇA DA IGREJA
42
corrigir, para instruir em justiça, para que o homem de Deus seja perfeito,
e perfeitamente instruído para toda a boa obra.”
A liderança na igreja deve se fundamentar no exemplo de Cristo. Pedro
que esteve sob a liderança direta de Jesus escreveu: “Aos presbíteros, que
estão entre vós, admoesto eu, que sou também presbítero com eles, e
testemunha das aflições de Cristo, e participante da glória que se há de
revelar: apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado
dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de
ânimo pronto; nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas
servindo de exemplo ao rebanho. E, quando aparecer o Sumo Pastor,
alcançareis a incorruptível coroa da glória.” (1 Pe 5.1-4)
8.1 A liderança deve ser respeitada e valorizada: Em 1 Timóteo 5.17
lemos: “Os presbíteros que governam bem sejam estimados por dignos de
duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na
doutrina” A atitude da igreja em relação a seus lideres é esta: "Obedecei a
vossos pastores, e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossas almas,
como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e
não gemendo, porque isso não vos seria útil." (Hb 13.17)
Jesus deixou somente duas ordenanças à sua igreja: O Batismo e a Ceia.
9.1 O batismo: Mandamento de Jesus registrado em Mateus 28.19:
“Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome
do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.” A palavra batismo vem do grego
“baptizo” que significa “imergir completamente”. O batismo não salva, mas
é necessário porque simboliza o nosso compromisso com Cristo, ou seja, a
morte e o sepultamento do velho homem e a ressurreição de um novo
homem para viver a nova vida em Cristo. Em Romanos 6.3,4 lemos: “Ou
não sabeis que todos quantos fomos batizados em Jesus Cristo fomos
batizados na sua morte? De sorte que fomos sepultados com ele pelo
batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os
mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de
vida.” Em Colossenses 3.1-4 temos uma explicação desta ressureição
espiritual: “Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que
9. AS ORDENANÇAS DE CRISTO À SUA IGREJA
43
são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai nas coi-
sas que são de cima, e não nas que são da terra, porque já estais mortos, e
a vossa vida está escondida com Cristo em Deus. Quando Cristo, que é a
nossa vida, se manifestar, então também vós vos manifestareis com ele em
glória.” Este texto resume a nossa morte para o mundo e a nova vida em
Cristo. (Veja João 3.5; Gl 2:20)
9.2 A ceia do Senhor: A ceia é um memorial do sacrifício de Jesus para
nos salvar. Um dos textos mais lido na igreja por ocasião da Ceia está em 1
Coríntios 11.23-26 onde o apostolo Paulo diz: “Porque eu recebi do
Senhor o que também vos ensinei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi
traído, tomou o pão; e, tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei;
isto é o meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de mim.
Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este
cálice é o novo testamento no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que
beberdes, em memória de mim. Porque todas as vezes que comerdes este
pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha.”
Naquela noite primeiramente Cristo celebrou páscoa que apontava para
Ele mesmo como o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo e logo
ele instituiu a ceia usando pão e vinho, símbolos de seu sacrifício na cruz.
Cristo comemorou antecipadamente a sua vitória sobre o pecado e a
morte. O pão fala de sua carne dilacerada na cruz. Em Isaias 53.5 lemos:
“Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa
das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e
pelas suas pisaduras fomos sarados.” Comer o pão significa também
receber pela fé a Palavra de Deus, a qual nos alimenta espiritualmente. Em
João 6.51 Jesus disse: “Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém
comer deste pão, viverá para sempre; e o pão que eu der é a minha carne,
que eu darei pela vida do mundo.” No versículo 63 Cristo explica: “As
palavras que eu vos disse são espírito e vida.” O vinho representa o sangue
de Cristo derramado por nós. Cristo falou deste cálice quando estava em
intensa angústia no jardim do Getsêmani, um pouco antes de ser
humilhado pelos homens. (Veja Marcos 14.32-42). A Ceia do Senhor
também anuncia Cristo até que Ele venha. Trata-se do arrebatamento da
igreja, um tema que estudaremos mais adiante.
44
"Senhor dos Exércitos, bem-aventurado o homem que em ti põe a sua
confiança." (Sl 84.12)
A fé em Deus (fé salvadora) não se origina em nós mesmos, mas pelo
contato com Palavra de Deus. Em Romanos 10.17 lemos: “De sorte que a
fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.” Vejamos um exemplo: “E
havia entre eles alguns homens cíprios e cirenenses, os quais entrando em
Antioquia falaram aos gregos, anunciando o Senhor Jesus. E a mão do
Senhor era com eles; e grande número creu e se converteu ao Senhor.” (At
11.20,21) Neste texto podemos ver que a Palavra gerou arrependimento,
fé e a decisão de se render a Cristo para obedecê-lo como Senhor.
Após a decisão por Cristo, precisamos perseverar na fé, ou seja, insistir em
permanecer. Jesus não omitiu a seus discípulos as pressões que enfren-
tariam: "Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo
tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo." (Jo 16.33)
Alguns seguem a Cristo, movidos apenas por emoções e nunca se firmam
na Palavra para nutrir um relacionamento sólido com Deus. Há também os
que não concordam com o que encontram na Palavra de Deus e, por isso
se decepcionam voltando-se para a velha vida mundana. Certa vez, a fala
de Jesus foi considerada um “duro discurso” e o resultado foi que muitos
deixaram de segui-lo. Felizmente houve exceções. Em João 6.67-69 lemos:
“Então disse Jesus aos doze: Quereis vós também retirar-vos? Respondeu-
lhe, pois, Simão Pedro: Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras
da vida eterna. E nós temos crido e conhecido que tu és o Cristo, o Filho de
Deus.” Pedro e os onze mostraram convicção e firmeza na decisão de
seguir Jesus. Esta é a atitude digna de imitação! Provas virão. Você tem a
mesma convicção de Pedro. A declaração dele foi prova que assimilou
bem o ensino de Cristo: “Na verdade, na verdade vos digo que quem
ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e
não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida.” (Jo 5.24)
Fé - Plena confiança na Palavra de DeusEstudo 06
1. A ORIGEM DA FÉ
2. A PERSEVERANÇA NA FÉ
45
Pedro e os onze escolheram o caminho da vida. Eles perceberam que
rejeitar a Jesus seria voltar à condenação. A Bíblia diz: “Mas o justo
viverá da fé; e, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele. Nós,
porém, não somos daqueles que se retiram para a perdição, mas daque-
les que creem para a conservação da alma.” (Hb 10.38,39) E os que se
retiraram? Eles não tinham ideia para onde estavam indo. A coragem é
uma marca dos discípulos de Cristo. Os covardes desistem. (Ap 21.8)
E então? Pedro e os onze; nós que passamos da morte para a vida, por
qual razão voltaríamos para o mundo? A Palavra de Deus nos convida
para uma avaliação: “E que fruto tínheis então das coisas de que agora vos
envergonhais? Porque o fim delas é a morte. Mas agora, libertados do
pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e
por fim a vida eterna.” (Rm 6.21,22) Em Salmos 119.104 lemos também:
"Pelos teus mandamentos alcancei entendimento; por isso odeio todo
falso caminho."
O justo viverá da fé! Isto significa crer que Jesus é o único que conduz à
vida. Ele disse: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao
Pai, senão por mim.” (Jo 14.6) Também significa confessá-lo publicamente
como Pedro fez. Sobre esta atitude Jesus nos diz: “Portanto, qualquer que
me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que
está nos céus. Mas qualquer que me negar diante dos homens, eu o
negarei também diante de meu Pai, que está nos céus.” (Mt 10.32,33).
Pedro decidiu com prudência? Sim, pois prudência é a habilidade de
perceber antecipadamente o resultado de certa atitude. Como podemos
evitar erros desta natureza? Em Provérbios 13.16 lemos: "Todo pru-
dente procede com conhecimento, mas o insensato espraia a sua loucu-
ra." Em Salmos 111.10 lemos também: "O temor do Senhor é o princípio
da sabedoria; bom entendimento têm todos os que cumprem os seus
mandamentos; o seu louvor permanece para sempre." A conclusão é
simples: A Bíblia nos torna prudentes para tomar decisões certas! Paulo
escreveu ao jovem Timóteo: “Tu, porém, permanece naquilo que apren-
deste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido, e que
3. O JUSTO VIVERÁ DA FÉ!
4. FÉ E PRUDÊNCIA
46
desde a tua meninice sabes as sagradas Escrituras, que podem fazer-te
sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus.” (2 Tm 3.14-15)
O dicionário Aurélio define fundamento assim: certeza, base principal,
prova, causa, motivo, fundação, alicerce. Em Efésios 2.20 vemos que
somos “edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de
que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina..."
No Antigo Testamento a pedra de esquina era a primeira a ser assentada e
servia de base para o alinhamento das demais. Era também a base para
que o edifício se erguesse na vertical como fora programado, sem risco de
desabar. Esta pedra é uma simboliza Jesus, o qual Israel rejeitou. Em uma
de suas pregações Pedro citou o Salmo 118.22 referindo-se a Cristo: “Pelo
que também na Escritura se contém: Eis que ponho em Sião a pedra
principal da esquina, eleita e preciosa; e quem nela crer não será
confundido. E assim para vós, os que credes, é preciosa, mas, para os
rebeldes, a pedra que os edificadores reprovaram, essa foi a principal da
esquina, e uma pedra de tropeço e rocha de escândalo, para aqueles que
tropeçam na palavra, sendo desobedientes; para o que também foram
destinados.” (1 Pe 2.6-8) Nós porém aceitemos sempre a Palavra de Deus
e sejamos edificados na Rocha inabalável que é Cristo.
A verdade é: só pratica a Palavra de Deus quem tem fé que ela funciona!
Ter fé na Palavra de Deus significa ter prudência! Jesus diz: “Todo aquele,
pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao
homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha; e desceu a chuva,
e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e não
caiu, porque estava edificada sobre a rocha. E aquele que ouve estas
minhas palavras, e não as cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato,
que edificou a sua casa sobre a areia; e desceu a chuva, e correram rios, e
assopraram ventos, e combateram aquela casa, e caiu, e foi grande a sua
queda.” (Mt 7.24-27) Este texto mostra, entre outras coisas, que a adver-
sidade vem sobre todos, mas a base correta para enfrentá-la (sem
fracassar) é ter fé na Palavra de Deus! Em Isaias 26.4 lemos: "Confiai no
Senhor perpetuamente, porque o Senhor Deus é uma rocha eterna."
5. O FUNDAMENTO DA FÉ
6. EDIFICADOS NA ROCHA PELA FÉ!
47
Em Hebreus 11.1 lemos assim: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas
que se esperam e a prova das coisas que não se veem.” Vejamos: o que
você espera quando ora ao Senhor? O que você espera quando lê a Bíblia?
O que você espera quando prega a Palavra? Evidentemente se oramos é
porque temos fé que Deus nos responderá; se lemos a Bíblia é porque
temos fé que Deus falará conosco; se evangelizamos é porque temos fé
que Jesus salvará alguém. E então? Você já teve alguma oração respondi-
da? Deus já falou com você através da Bíblia? Já viu alguém ser salvo ao
ouvir a Palavra? Glória a Deus, tudo isto acontece porque Deus tem
compromisso em cumprir a sua Palavra. (Jr 1.12; Rm 9.28) Observe a
comparação das frases:
a) “Praticamos a Palavra de Deus porque temos certeza que ela funciona!”
b) Praticamos a Palavra de Deus porque temos fé que ela funciona!”
Então fé não é uma intuição, algo vago, abstrato, é certeza plena. A
tradução bíblica Nova Versão internacional traduziu Hebreus 11.1 desta
maneira: “Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das
coisas que não vemos.”
No tópico anterior vimos que a fé em Deus é fundamentada no que Deus
diz em sua Palavra. Em Salmos 89.38 Deus nos garante: “Não quebrarei a
minha aliança, não alterarei o que saiu dos meus lábios.” Então Ele
cumprirá tudo o que deixou escrito! Nos primeiros livros da Bíblia Deus
havia feito diversas promessas aos patriarcas Abraão, Isaque e Jacó (Israel).
Josué viu o cumprimento de muitas promessas e fez menção da fidelidade
de Deus declarando: "Palavra alguma falhou de todas as boas coisas que o
Senhor falou à casa de Israel; tudo se cumpriu." (Js 21.45) Será que o povo
de Israel tinha fé que essas promessas se cumpririam? Sim! Deus se
agradou da fé deles, dai as promessas se cumpriram. Em Hebreus 11.6
lemos: “Ora, sem fé é impossível agradar a Deus; porque é necessário que
aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador
dos que o buscam.”
7. COMO A BÍBLIA DEFINE A PALAVRA FÉ
8. AS PROMESSAS DE DEUS E A NOSSA FÉ
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado
Manual do-discipulado

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneOs Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneMárcio Martins
 
Lição 9 - O Conhecimento de Deus que Conduz ao Crescimento Espiritual
Lição 9 - O Conhecimento de Deus que Conduz ao Crescimento EspiritualLição 9 - O Conhecimento de Deus que Conduz ao Crescimento Espiritual
Lição 9 - O Conhecimento de Deus que Conduz ao Crescimento EspiritualÉder Tomé
 
Lição 11 - Adotados por Deus
Lição 11 - Adotados por DeusLição 11 - Adotados por Deus
Lição 11 - Adotados por DeusÉder Tomé
 
Conhecendo a salvação
Conhecendo a salvaçãoConhecendo a salvação
Conhecendo a salvaçãoJosue Lima
 
1 l1 cresc e maturidade do cristao
1 l1   cresc e maturidade do cristao1 l1   cresc e maturidade do cristao
1 l1 cresc e maturidade do cristaoClaudinei Dias
 
A Formação do Caráter Cristão
A Formação do Caráter CristãoA Formação do Caráter Cristão
A Formação do Caráter CristãoMárcio Martins
 
Lição 11 - A Ressurreição de Jesus Cristo
Lição 11 - A Ressurreição de Jesus CristoLição 11 - A Ressurreição de Jesus Cristo
Lição 11 - A Ressurreição de Jesus CristoÉder Tomé
 
Apostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreirosApostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreirosmgno42
 
Videira Verdadeira - João 15.1-8
Videira Verdadeira - João 15.1-8Videira Verdadeira - João 15.1-8
Videira Verdadeira - João 15.1-8André Monteiro
 
Lição 13 - A atualidade dos dons espirituaisl
Lição 13 - A atualidade dos dons espirituaislLição 13 - A atualidade dos dons espirituaisl
Lição 13 - A atualidade dos dons espirituaislÉder Tomé
 
Lição 5 - Conselhos Valiosos para a Vida Cristã em Família
Lição 5 - Conselhos Valiosos para a Vida Cristã em FamíliaLição 5 - Conselhos Valiosos para a Vida Cristã em Família
Lição 5 - Conselhos Valiosos para a Vida Cristã em FamíliaÉder Tomé
 
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristãLição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristãJoanilson França Garcia
 
Lição 18 Apostasia da Fé
Lição 18   Apostasia da FéLição 18   Apostasia da Fé
Lição 18 Apostasia da FéWander Sousa
 
Princípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadePrincípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadeIBMemorialJC
 

Mais procurados (20)

Os Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneOs Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da Carne
 
A armadura de_deus_completa
A armadura de_deus_completaA armadura de_deus_completa
A armadura de_deus_completa
 
Lição 9 - O Conhecimento de Deus que Conduz ao Crescimento Espiritual
Lição 9 - O Conhecimento de Deus que Conduz ao Crescimento EspiritualLição 9 - O Conhecimento de Deus que Conduz ao Crescimento Espiritual
Lição 9 - O Conhecimento de Deus que Conduz ao Crescimento Espiritual
 
Lição 11 - Adotados por Deus
Lição 11 - Adotados por DeusLição 11 - Adotados por Deus
Lição 11 - Adotados por Deus
 
Conhecendo a salvação
Conhecendo a salvaçãoConhecendo a salvação
Conhecendo a salvação
 
Treinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliaresTreinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliares
 
1 l1 cresc e maturidade do cristao
1 l1   cresc e maturidade do cristao1 l1   cresc e maturidade do cristao
1 l1 cresc e maturidade do cristao
 
apostila-cura-interior
 apostila-cura-interior apostila-cura-interior
apostila-cura-interior
 
A Formação do Caráter Cristão
A Formação do Caráter CristãoA Formação do Caráter Cristão
A Formação do Caráter Cristão
 
Lição 11 - A Ressurreição de Jesus Cristo
Lição 11 - A Ressurreição de Jesus CristoLição 11 - A Ressurreição de Jesus Cristo
Lição 11 - A Ressurreição de Jesus Cristo
 
Apostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreirosApostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreiros
 
Videira Verdadeira - João 15.1-8
Videira Verdadeira - João 15.1-8Videira Verdadeira - João 15.1-8
Videira Verdadeira - João 15.1-8
 
Lição 13 - A atualidade dos dons espirituaisl
Lição 13 - A atualidade dos dons espirituaislLição 13 - A atualidade dos dons espirituaisl
Lição 13 - A atualidade dos dons espirituaisl
 
Lição 5 - Conselhos Valiosos para a Vida Cristã em Família
Lição 5 - Conselhos Valiosos para a Vida Cristã em FamíliaLição 5 - Conselhos Valiosos para a Vida Cristã em Família
Lição 5 - Conselhos Valiosos para a Vida Cristã em Família
 
O poder da palavra de Deus
O poder da palavra de DeusO poder da palavra de Deus
O poder da palavra de Deus
 
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristãLição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
 
Lição 18 Apostasia da Fé
Lição 18   Apostasia da FéLição 18   Apostasia da Fé
Lição 18 Apostasia da Fé
 
A Doutrina da Salvação
A Doutrina da SalvaçãoA Doutrina da Salvação
A Doutrina da Salvação
 
Princípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadePrincípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de Santidade
 
Evangelismo estudo pratico
Evangelismo   estudo pratico Evangelismo   estudo pratico
Evangelismo estudo pratico
 

Semelhante a Manual do-discipulado

ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptxKARINEVONEYVIEIRABAR
 
Lição 10 o processo da salvação
Lição   10 o processo da salvaçãoLição   10 o processo da salvação
Lição 10 o processo da salvaçãoCicero
 
Apostila do discipulado encontro das aguas
Apostila do discipulado encontro das aguasApostila do discipulado encontro das aguas
Apostila do discipulado encontro das aguasPedro Henrique
 
Jornal Missionário n° 104
Jornal Missionário n° 104Jornal Missionário n° 104
Jornal Missionário n° 104Almir Rodrigues
 
Muitas pessoas não conseguem receber o que eles oram por causa da falta
Muitas pessoas não conseguem receber o que eles oram por causa da faltaMuitas pessoas não conseguem receber o que eles oram por causa da falta
Muitas pessoas não conseguem receber o que eles oram por causa da faltaantonio ferreira
 
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteAula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteRicardo Gondim
 
Discipulado-para-o-batismo-consciente.pdf
Discipulado-para-o-batismo-consciente.pdfDiscipulado-para-o-batismo-consciente.pdf
Discipulado-para-o-batismo-consciente.pdfJooAlbertoSoaresdaSi
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
RegeneraçãoPr Neto
 
As marcas do nascimento john wesley
As marcas do nascimento   john wesleyAs marcas do nascimento   john wesley
As marcas do nascimento john wesleyCarla Lopes da Silva
 
John wesley as marcas do nascimento
John wesley   as marcas do nascimentoJohn wesley   as marcas do nascimento
John wesley as marcas do nascimentoFrancisco Deuzilene
 
As marcas do nascimento _John Wesley
As marcas do nascimento _John WesleyAs marcas do nascimento _John Wesley
As marcas do nascimento _John WesleyAdriana Nacif
 
Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013
Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013
Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013Gerson G. Ramos
 
Lição 1 - Uma promessa de salvação
Lição 1 - Uma promessa de salvaçãoLição 1 - Uma promessa de salvação
Lição 1 - Uma promessa de salvaçãoErberson Pinheiro
 
Ministração para libertação interior e perdão
Ministração para libertação interior e perdãoMinistração para libertação interior e perdão
Ministração para libertação interior e perdãoAnésio Lopes Júnior
 

Semelhante a Manual do-discipulado (20)

Apostila discipulado
Apostila discipuladoApostila discipulado
Apostila discipulado
 
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
 
Entreguei minha vida pra jesus e-book
Entreguei minha vida pra jesus   e-bookEntreguei minha vida pra jesus   e-book
Entreguei minha vida pra jesus e-book
 
O que é a santificacao
O que é a santificacaoO que é a santificacao
O que é a santificacao
 
Lição 10 o processo da salvação
Lição   10 o processo da salvaçãoLição   10 o processo da salvação
Lição 10 o processo da salvação
 
Aplicação da redenção
Aplicação da redençãoAplicação da redenção
Aplicação da redenção
 
Apostila do discipulado encontro das aguas
Apostila do discipulado encontro das aguasApostila do discipulado encontro das aguas
Apostila do discipulado encontro das aguas
 
Jornal Missionário n° 104
Jornal Missionário n° 104Jornal Missionário n° 104
Jornal Missionário n° 104
 
Muitas pessoas não conseguem receber o que eles oram por causa da falta
Muitas pessoas não conseguem receber o que eles oram por causa da faltaMuitas pessoas não conseguem receber o que eles oram por causa da falta
Muitas pessoas não conseguem receber o que eles oram por causa da falta
 
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteAula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
 
Pré revisão 3
Pré revisão 3Pré revisão 3
Pré revisão 3
 
03 santificação
03 santificação03 santificação
03 santificação
 
Discipulado-para-o-batismo-consciente.pdf
Discipulado-para-o-batismo-consciente.pdfDiscipulado-para-o-batismo-consciente.pdf
Discipulado-para-o-batismo-consciente.pdf
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
 
As marcas do nascimento john wesley
As marcas do nascimento   john wesleyAs marcas do nascimento   john wesley
As marcas do nascimento john wesley
 
John wesley as marcas do nascimento
John wesley   as marcas do nascimentoJohn wesley   as marcas do nascimento
John wesley as marcas do nascimento
 
As marcas do nascimento _John Wesley
As marcas do nascimento _John WesleyAs marcas do nascimento _John Wesley
As marcas do nascimento _John Wesley
 
Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013
Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013
Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013
 
Lição 1 - Uma promessa de salvação
Lição 1 - Uma promessa de salvaçãoLição 1 - Uma promessa de salvação
Lição 1 - Uma promessa de salvação
 
Ministração para libertação interior e perdão
Ministração para libertação interior e perdãoMinistração para libertação interior e perdão
Ministração para libertação interior e perdão
 

Último

A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 

Último (20)

“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 

Manual do-discipulado

  • 1. 1
  • 3. 3 Introdução Você já recebeu a Cristo como Salvador? Parabéns, esta foi a decisão mais importante de sua vida, significa o início de um relacionamento com Deus. Na Bíblia esta decisão é chamada de “nascer de novo.” Trata-se de uma nova opor- tunidade que Deus nos concede para vivermos de acordo com a Sua vontade. É o início de uma jornada para o céu. Em 2 Coríntios 5.17 lemos: “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é, as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo." Veja 7 coisas importantes que ocorreram em sua vida ao tomar esta decisão: 1. Seus pecados foram perdoados É o pecado separa o homem de Deus, mas ao confessar a Cristo como Salvador, Ele perdoou todos os seus pecados. Na Bíblia está escrito: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.” (1 João 1.9). Em Atos 10.43 lemos sobre Cristo: "A este dão testemunho todos os profetas, de que todos os que nele creem receberão o perdão dos pecados pelo seu nome." Paulo, antes de ser apóstolo, havia sido perseguidor da igreja, mas após sua conversão ele compreendeu que foi completamente perdoado. Ele declarou: "Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal." (1 Timóteo 1.15) Paulo creu na promessa de Cristo, o qual nos garantiu: “O Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido." (Lucas 19.10) O perdão de Cristo é real e segundo a Palavra de Deus, você também foi perdoado e agora está salvo! 2. Você foi justificado Não importa os erros cometidos no passado, descanse e aceite a afirma- ção da Palavra de Deus sobre o seu perdão, isso se chama fé. É através da fé, dessa confiança na fidelidade de Deus em nos perdoar que somos justificados. Em Romanos 5.1 lemos: “Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo.” Em Romanos 8.1 lemos também: “Portanto, agora nenhuma condenação há para os Um Novo Começo em Cristo
  • 4. 4 que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segun- do o Espírito.” Não aceite que o seu passado o condene, alegre-se em Deus. A justificação em Cristo além de nos livrar da condenação eterna nos torna herdeiros de Deus. Em Tito 3.7 lemos: "Para que, sendo justi- ficados pela sua graça, sejamos feitos herdeiros segundo a esperança da vida eterna." Adiante você aprenderá mais sobre a herança dos salvos. 3. Seu nome tem a garantia de estar escrito no céu Em Apocalipse 21.27 lemos sobre a cidade celestial: “E não entrará nela coisa alguma que a contamine, e cometa abominação e mentira; mas só os que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro.” Jesus declarou: “Alegrai- vos antes por estarem seus nomes escritos nos céus.” O céu é o lugar reservado aos que vivem separados do pecado e consagrados a Deus – os santos. Em Hebreus 12.14 lemos: “Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor." 4. Agora você é filho de Deus Pode parecer estranho, mas para Deus só é considerado filho quem recebeu a Cristo como Salvador! No Evangelho de João lemos: “Mas a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome” (João 1.12). Os que fizeram esta confissão agora procuram obedecer a Deus, sabendo que Ele é santo (separado do pecado). Em 1 Pedro 1.14,15 lemos assim: “Como filhos obedientes, não vos conformando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância; mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver.” A Bíblia nos mostra a diferença entre o nosso antigo modo de vida e a nova vida em Cristo: "Porque noutro tempo éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor; andai como filhos da luz" (Efésios 5.8). “Filho da luz” fala de nosso testemunho, e de como podemos ajudar outros a saírem do caminho de trevas. Em Filipenses 2.15 lemos: "Para que sejais irre- preensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo."
  • 5. 5 5. O Espírito Santo passou a habitar em você Para certificar a sua filiação com Deus, no dia de sua decisão o Espirito Santo passou habitar em você! Em Romanos 8.16 lemos: "O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus." É o Espírito Santo que nos dá poder para vencer os desejos da velha nature- za humana e nos capacita para o conhecimento de Deus. O apóstolo Paulo escreveu aos efésios: “Para que, segundo as riquezas da sua glória, vos conceda que sejais corroborados com poder pelo seu Espírito no ho- mem interior; para que Cristo habite pela fé nos vossos corações; a fim de, estando arraigados e fundados em amor, poderdes perfeitamente compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimen- to, e a altura, e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus.” (Ef 3.16-19) Adiante você aprenderá mais sobre a pessoa do Espírito Santo e sobre sua filiação com Deus. 6. Você foi (e está sendo) santificado Já vimos que a palavra santificação significa ser separado do pecado e dedicado a Deus. Este foi o propósito para o qual fomos criados! Ao receber a Cristo como Salvador simplesmente voltamos ao propósito original de Deus! A nossa separação do pecado deve continuar até o dia da volta de Cristo, onde seremos completamente transformados. (1 Coríntios 15.52), por isso Paulo instruiu os irmãos de Tessalônica: “Abstende-vos de toda a aparência do mal. E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. Fiel é o que vos chama, o qual também o fará.” (1 Tessalonicenses 5.22-24) Então um verdadeiro filho de Deus não vive mais propositalmente no pecado. Novamente Paulo disse aos tessa- lonicenses: “Deus não nos chamou para a imundícia, mas para a santificação." (1 Ts 4.7) A santificação não é algo impossível de ser alcançado, pois o Espírito Santo nos capacita a compreender a Palavra de Deus e esta quando obedecida produz uma progressiva separação do pecado. Jesus afirmou: "Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade." (João 17.17) Em 2 Tessalonicenses 2.13 lemos também: "Mas devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados do Senhor, por vos ter Deus elegido desde o princípio para a salvação, em santificação do Espírito, e fé da verdade."
  • 6. 6 Salvação é a vida eterna. Já que você está salvo, isto é, já que você tem a vida eterna, veja o que Jesus falou sobre este privilégio: "E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste." (João 17.3) Este texto nos mostra que temos pela frente uma maravilhosa jornada de conhecimento de Deus. Para começar, a salvação é como um presente embalado. Precisamos saber tudo o que contém em seu interior. Fique certo que você terá muitas surpresas agradáveis a cada descoberta. A Bíblia chama este exercício de “desenvolvimento da salvação.” Em Filipenses 2.12,13 lemos: “Assim, pois, amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha presença, porém, muito mais agora, na minha ausência, desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor, porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade.” A vida segue normal. A diferença é que, de agora em diante, teremos novas prioridades. Usaremos o nosso tempo de forma mais prudente escolhendo aquilo que nos edifica espiritualmente e rejeitando tudo que não agrada a Deus. Talvez alguns de seus antigos companheiros lhe dirão que não há mal nenhum em acompanhá-los nos velhos caminhos do pecado, mas a Palavra de Deus nos adverte: “Filho meu, se os pecadores querem seduzir- te, não o consintas” (Provérbios 1.10). O nosso relacionamento com o mundo deve ser no sentido de falar sobre a transformação que Deus fez em nossa vida, pois Deus deseja que todos os homens se salvem, e venham ao pleno conhecimento da verdade. (1 Timóteo 2.4) 1. Confie – Deus é fiel para nos guardar Jamais negue a sua fé. O apóstolo Paulo disse em um momento difícil: “Portanto, tudo sofro por amor dos escolhidos, para que também eles alcancem a salvação que está em Cristo Jesus com glória eterna. Fiel é esta Palavra: que, se morrermos com ele, também com ele viveremos. Se sofrermos, também com ele reinaremos; se o negarmos, também ele nos negará. Se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode negar-se a si mesmo.” (2 Timóteo 2.10-13) Em Mateus 10.32,33 Jesus nos adverte: “Aquele que me negar diante dos homens eu o negarei diante de meu ATITUDES PARA DESENVOLVER A SALVAÇÃO DESENVOLVENDO A SALVAÇÃO (1 pé 2.12
  • 7. 7 Pai que está nos céus.” Portanto, lutas virão, mas não há o que temer. Confesse a Palavra de Deus como fazia Paulo: "E o Senhor me livrará de toda a má obra, e guardar-me-á para o seu reino celestial; a quem seja glória para todo o sempre. Amém." (2 Timóteo 4.18) 2. Ore Orar é conversar com Deus expressando-se diante dele conforme seu entendimento, nada é decorado. Através de seu relacionamento com Deus você está habilitado a adorá-lo livremente. Expresse gratidão pelo seu perdão, provisão, saúde, emprego, etc. Fale sobre suas necessidades e pro- blemas. Em Filipenses 4.6 lemos assim: “Não andeis ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e pela súplica, com ações de graças, sejam vossas petições conhecidas diante de Deus”. Mais adiante teremos um estudo sobre a importância da oração. 3. Leia a Bíblia A Bíblia é a Palavra escrita de Deus e nela nós podemos depositar toda confiança. Os ensinamentos de Cristo estão exclusivamente na Bíblia, não precisamos recorrer a nenhuma outra fonte para aprendermos sobre Deus. A Bíblia possui um elevado padrão de vida para nós e através dela conhecemos a vontade de Deus para nossa vida. À medida que você lê a Bíblia vai perceber que este mundo vive muito diferente do que Jesus ensinou! Observação: Por onde começar a leitura da Bíblia? Como sugestão de leitura, inicie com o Evangelho de João (Novo Testamento). Este livro destaca os acontecimentos da vida de Jesus nas duas últimas semanas antes de sua crucificação, daí a importância de crer nele para obter a vida eterna. Antes da leitura ore pedindo sabedoria a Deus. Você pode orar assim: “Senhor abre o meu entendimento para compreender a tua Palavra.” O Espírito Santo o ajudará a compreendê-la e você se sentirá confortado pela revelação recebida. Em Salmos 19.8-11 temos uma bela descrição da Bíblia: “Os preceitos do Senhor são retos e alegram o cora- ção; o mandamento do Senhor é puro, e ilumina os olhos. O temor do Senhor é limpo, e permanece eternamente; os juízos do Senhor são ver- dadeiros e justos juntamente. Mais desejáveis são do que o ouro, sim, do que muito ouro fino; e mais doces do que o mel e o licor dos favos. Também por eles é admoestado o teu servo; e em os guardar há grande
  • 8. 8 recompensa.” Esforce-se para memorizar versículos da Bíblia. Em Salmos 119.9-11 lemos: “Com que purificará o jovem o seu caminho? Observando-o conforme a tua palavra. Com todo o meu coração te busquei; não me deixes desviar dos teus mandamentos. Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti.” 4. Participe dos cultos Durante o culto o pastor ministra o ensino da Palavra de Deus. É mais uma oportunidade para aprender de Cristo. O objetivo do ensino está em Efésios 4.13: "Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da es- tatura completa de Cristo." Leve seus familiares e amigos para parti- ciparem do próximo culto. O culto visa, em primeiro lugar, a adoração a Deus. A igreja se reúne para orar, cantar e adorar a Deus com muita alegria. Lá você não verá nenhuma imagem de escultura, porque servimos a Deus em espirito e em verdade, como Jesus ensinou. (João 4.23) Neste ambiente de adoração a nossa fé é fortalecida no único Deus vivo, onde Ele fala através das mensagens, cânticos e orações. O culto também proporciona um momento especial de comunhão com os irmãos. Ali você estará em contato com crentes mais experientes na vida espiritual. Se tiver alguma dúvida sobre algum assunto particular converse com o seu pastor ou líder de sua igreja. Procure integrar-se, informe-se tam- bém quando deverá ser batizado nas águas conforme o mandamento de Jesus expresso em Mateus 28.19 Parabéns mais uma vez pela nobre decisão de iniciar um relacio- namento com Deus. Em continuação à nossa jornada de crescimento em Cristo, preparamos 15 estudos bíblicos fundamentais para fortalecer sua fé. Estude este e-book com calma procurando ler todas as referências bíblicas, fazendo isto o seu progresso será proveitoso. Bons estudos! o (a) abençoe.
  • 9. 9 “Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade.” (Jo 17.17) 1.1 O autor da Bíblia A Bíblia é a revelação da Verdade à humanidade. Através dela conhecemos o caráter de Deus, a realidade do pecado, o plano de Deus para salvar o homem e a plena vontade dele para nossa vida. Deus é o autor da Bíblia. Sobre Ele está escrito: “Ele é a Rocha, cuja obra é perfeita, porque todos os seus caminhos justos são; Deus é a verdade, e não há nele injustiça; justo e reto é.” (Deuteronômio 32.4) 1.2 A Bíblia é a verdade O texto acima declara que Deus é a verdade, então não há erros nem contradições em sua Palavra. A Bíblia é, portanto, digna de toda confiança. No livro de Salmos lemos: “O caminho de Deus é perfeito; a palavra do Senhor é provada; é um escudo para todos os que nele confiam.” (Salmos 18.30); “A lei do Senhor é perfeita, e refrigera a alma; o testemunho do Senhor é fiel, e dá sabedoria aos simples. Os preceitos do Senhor são retos e alegram o coração; O mandamento do Senhor é puro, e ilumina os olhos. O temor do Senhor é limpo, e permanece eternamente; os juízos do Senhor são verdadeiros e justos juntamente." (Salmos 19.7-9) 1.3 A Bíblia é inspirada por Deus Como autor da Bíblia, Deus supervisionou todos os seus escritores de modo que eles escreveram o que Deus tinha em mente. Embora os escri- tores da Bíblia tenham vivido em lugares e em épocas diferentes, com idiomas e culturas diferentes, todos escreveram sem contradições sobre a pessoa de Jesus Cristo. Isto só foi possível mediante a inspiração do Espírito Santo. Em 2 Timóteo 3.16 lemos: “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeita- mente instruído para toda a boa obra.” Não foram homens quaisquer que escreveram a Bíblia. Em 2 Pedro 1.21 lemos: “Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo.” 1. O QUE É A BÍBLIA? A Bíblia - A Infalível Palavra de DeusEstudo 01
  • 10. 10 1.4 Cristo é o tema central da Bíblia O assunto dominante nas Escrituras é a redenção em Cristo. Ao longo da Bíblia Deus revela o seu plano para salvar a humanidade. Um resumo simples da Bíblia pode ser descrito assim: A Criação do Mundo, a Corrupção do Mundo e a Redenção do Mundo. Cristo, como Salvador da humanidade ocupa o centro das Escrituras! Ele se expressou desta maneira: “Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam.” (João 5.39) Ao ressuscitar dentre os mortos Cristo falou novamente: “Porventura não convinha que o Cristo padecesse estas coisas e entrasse na sua glória? E, começando por Moisés, e por todos os profetas, explicava-lhes o que dele se achava em todas as Escrituras.” (Lucas 24.26,27) Aos colossenses Paulo escreveu: “Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele. E ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência.” (Colossenses 1.16-18) 2.1 Para nos guiar na verdade Já vimos que a Bíblia nos mostra o que é certo e o que é errado, o caminho do bem e o do mal. No Antigo Testamento os sacerdotes tinham a responsabilidade de ensinar a Palavra de Deus ao povo de Israel para que conhecessem a verdade e andassem nela. Em Ezequiel 44.23 lemos: “E a meu povo ensinarão a distinguir entre o santo e o profano, e o farão discernir entre o impuro e o puro.” Já que a Bíblia nos mostra o caminho da vida e os caminhos da morte, o estilo de vida do justo e o do ímpio, daquele que serve a Deus e daquele que não o serve, só há duas opções para o homem: escolher o caminho de Deus (seguir sua Palavra) ou seguir em seu próprio caminho, (evidente- mente o caminho do pecado). No Antigo Testamento, Deus disse a Israel: “Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição. Escolhe, pois a vida, para que vivas, tu e a tua descendência.” (Deuteronômio 30.19) Quem quiser ser bem sucedido na vida precisa ser guiado pela Palavra de Deus. Em Provérbios lemos: “Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te 2. POR QUE DEUS DEU A BÍBLIA AO HOMEM?
  • 11. 11 estribes no teu próprio entendimento, reconhece-o em todos os teus caminhos, e Ele endireitará as tuas veredas. Não sejas sábio a teus próprios olhos; teme ao Senhor e aparta-te do mal.” (Pv 3.5-7) 2.2 Para nos libertar do poder do pecado A Bíblia diz que o pecado escraviza quem a ele se se entrega. (Romanos 6.16) Quando estávamos no mundo não sabíamos disso, mas ao ouvir a Palavra fomos libertos! Cumpriu-se em nós João 8.32: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” Como lidaremos com o pecado? Em Hebreus 12.1 lemos: “Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta.” Graças a Deus através da Bíblia aprendemos tudo sobre o perigo do pecado. A Bíblia é enfática: "Porque o salario do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, em Cristo Jesus nosso Senhor." (Romanos 6.23) Somente sob a ótica da Palavra de Deus somos capacitados a examinar tudo, extrair somente o que é bom e evitamos o mal e a sua aparência (1 Tessalonicenses 5.22). 2.3 Para nos ensinar a amar a Deus Amar a Deus é bem diferente do que ouvimos no mundo. Segundo a Bíblia amamos a Deus quando obedecemos as Escrituras! Em João 14.21 Jesus declarou: "Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele." Em 1 João 2.4 lemos também: "Aquele que diz: Eu conheço-o, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade." Ainda em Tiago 1.22 diz: “E sede cumpridores da palavra, e não somente ouvintes, enganando-vos com falsos discursos.” Será difícil obedecer a Deus através de sua Palavra? Em 1 João 5.3 le- mos: "Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamen- tos; e os seus mandamentos não são pesados." Jesus disse: “Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.” (Mateus 11.29,30) Se tentarmos viver sem depender da Palavra de Deus vamos achar a vida cristã muito difícil.
  • 12. 12 A Bíblia se divide em duas partes: O Antigo e o Novo Testamento (AT/NT) A palavra testamento significa “aliança”, “pacto”. O Antigo Testamento ou Antiga Aliança foi celebrado entre Deus e o povo de Israel (os judeus). O Novo Testamento ou Nova Aliança foi celebrado entre Deus e a igreja pelo sacrifício de Jesus na cruz do calvário. No Antigo Testa- mento Deus instituiu a páscoa que incluía o sacrifício de um cordeiro como símbolo do sacrifício perfeito o qual se cumpriu na morte de Jesus. Jesus celebrou a última páscoa na terra instituindo a “Ceia do Senhor.” Em Lucas 22.20 lemos: “Semelhantemente, tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue, que é derramado por vós.” Em Efésios 1.7 também lemos sobre Jesus: "Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça." O Antigo Testamento trata da promessa de Deus em enviar o Salvador (Messias) ao mundo através de Israel. O Novo Testamento trata do cumpri- mento desta promessa. Então podemos afirmar que no Antigo Testamento o “Messias virá” (Daniel 9.24-27). No Novo Testamento o “Messias já veio” (Atos 1.2; Lucas 24.26,27). 4.1 Porque Ela sonda o nosso coração A Palavra de Deus nos examina! Em Salmos 139.23,24 lemos assim: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece os meus pensamentos e vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno.” O Espírito Santo inspira os pregadores a citar versículos que atendem à necessidade dos ouvintes, seja para consolar, edificar, corrigir ou repreen- der, pois Deus em sua onisciência, conhece a todos. Está escrito: “Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.” 4. OUTROS MOTIVOS PARA LER A BÍBLIA 3. A DIVISÃO DA BÍBLIA
  • 13. 13 4.2 Porque na Palavra encontramos conforto e paz Paulo disse aos irmãos de Roma: “Porque tudo o que dantes foi escrito, para nosso ensino foi escrito, para que pela paciência e consolação das Escrituras tenhamos esperança. Ora, o Deus de paciência e consolação vos conceda o mesmo sentimento uns para com os outros, segundo Cristo Jesus.” (Romanos 15.4,5) O profeta Jeremias disse: “Achadas as tuas palavras logo as comi, as tua palavras me foram gozo e alegria para o coração; pois pelo teu nome sou chamado, ó Senhor Deus dos Exércitos. (Jeremias 15.16). O rei Davi declarou: "Tu és o meu refúgio e o meu escudo; espero na tua palavra." (Salmos 119.114) O Salmo 119 é o maior Salmo da Bíblia e trata exatamente da excelência da Palavra de Deus. Este Salmo destaca diversos atributos de Deus: amor, juízo, onipresença, onipotência, onisciência, misericórdia, bondade, fidelidade, etc. 4.3 A Bíblia dirige os nossos passos Em Provérbios 6.22-23 lemos assim: “Quando caminhares, te guiará; quando te deitares, te guardará; quando acordares, falará contigo. Porque o mandamento é lâmpada, e a lei é luz; e as repreensões da correção são o caminho da vida.” Vejamos alguns Salmos e Provérbios sobre isto: “Bem- aventurados os retos em seus caminhos, que andam na lei do Senhor.” (Sl 119.1); "Pelos teus mandamentos alcancei entendimento, por isso odeio todo falso caminho. Lâmpada para os meus pés é tua palavra, e luz para o meu caminho.” (Sl 119.104,105); “Ouve, filho meu, e aceita as minhas palavras, e se multiplicarão os anos da tua vida. No caminho da sabedoria te ensinei, e por veredas de retidão te fiz andar. Por elas andando, não se embaraçarão os teus passos; e se correres não tropeçarás. Apega-te à instrução e não a largues; guarda-a, porque ela é a tua vida.” (Pv 4.10-13) 4.4 A Bíblia é arma de defesa e ataque contra o mal Em Mateus 4 Jesus venceu o diabo pela Palavra de Deus. Em Efésios 6.7 somos instruídos a fazer o mesmo: “Tomai também o capacete da salva- ção, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus.” A Palavra de Deus só opera em defesa daqueles que creem. Deus obviamente conhece os que confiam nele. Em Provérbios 30.5 lemos: “Toda a Palavra de Deus é pura; escudo é para os que confiam nele.” Em Naum 1.7 lemos também: "O Senhor é bom, ele serve de fortaleza no dia da angústia, e conhece os que confiam nele." E se alguém não convertido se atrever a usar a Palavra de Deus para sua defesa? Em Salmos 50.16-20 lemos: “Mas ao ímpio diz
  • 14. 14 Deus: Que fazes tu em recitar os meus estatutos, e em tomar a minha aliança na tua boca? Visto que odeias a correção, e lanças as minhas palavras para detrás de ti. Quando vês o ladrão, consentes com ele, e tens a tua parte com adúlteros. Soltas a tua boca para o mal, e a tua língua compõe o engano. Assentas-te a falar contra teu irmão; falas mal contra o filho de tua mãe.” Então para vencermos o mal temos que estar em obediência à Palavra. Em 2 Coríntios 10.4-6 está escrito: “Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruição das fortalezas; destruindo os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo; e estando prontos para punir toda a desobediência, quando for cumprida a vossa obediência.” 4.5 Para crescer na graça e conhecimento de Deus Em 2 Pedro 3.18a lemos assim: "Crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo.” Para crescer na fé é necessário um desejo sincero pela Palavra. Em 1 Pedro 2.2,3 lemos: “Desejai afetuosamente, como meninos recém-nascidos, o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo. Se é que já provastes que o Senhor é bom.” Deus tem preciosas revelações para nós. Em Oseias 6.3 lemos: “Então conhe- çamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra.” 4.6 Para saber responder com sabedoria A Obediência nos capacita a responder sabiamente. Em Salmos 111.10 lemos: "O temor do Senhor é o princípio da sabedoria; bom entendimento têm todos os que cumprem os seus mandamentos; o seu louvor permane- ce para sempre.” Falemos da esperança que há em Cristo. Em 1 Pedro 3.15 lemos: “Antes, santificai ao Senhor Deus em vossos corações; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós.” Os textos bíblicos podem ser citados por extenso ou abreviados: Mt (Mateus) Gn (Gênesis ); Lc (Lucas); Sl (Salmos); Js (Josué), Dt (Deuteronômio); Jz (juízes); 1 Pe (1 Pedro), etc. Veja como se lê uma referência bíblica: 5. MANUSEANDO A BÍBLIA
  • 15. 15 Jo 1.10 João capítulo primeiro, versículo dez. Ap 3.4,5 Apocalipse capítulo três, versículos quatro e cinco. Fp 3.4-7 Filipenses capítulo três, versículos quatro a sete. Mc 8.15, 20,38 Marcos capítulo oito versículo quinze, vinte e trinta e oito. Mc 8.15, 20-38 Marcos capítulo oito versículo quinze, e versículos vinte ao trinta e oito. Jo 2.7; 8.10 João capítulo dois verso sete e capítulo oito versículo dez (ponto e vírgula separam os capítulos) Jó 42.5 Jó capítulo quarenta e dois versículo cinco. Jo 10.10a João capítulo 10 versículo 10 parte a Jo 10.10b João capítulo 10 versículo 10 parte b Fm 9 Filemom versículo nove OBS: Há livros que só possuem um capítulo, neste caso só citamos só os versículos. São eles: 2 João, 3 João e Judas. A leitura é feita assim: 3 Jo 3-5 Terceira de João versículos três a cinco. Judas 4 Judas versículo quatro. OBS: Também se usa dois pontos (:) para separar o capítulo dos versículos: Ex: Lc 1:8 1. Inicie com o Evangelho de João o qual trata sobre a divindade de Jesus. 2. Leia o Evangelho de Mateus o qual traz diversos eventos que provam que Jesus é o Messias prometido no Antigo Testamento. 3. Leia o Evangelho de Marcos o qual registra os eventos sobre Jesus em ordem cronológica. 4. Leia o Evangelho de Lucas e depois Atos. Estes dois livros foram escritos por Lucas, companheiro do apostolo Paulo em suas viagens missionárias. Lucas retrata a humanidade de Cristo. Atos é a continuação de Lucas e aborda a origem e desenvolvimento da igreja primitiva através do Espírito Santo. Atos relata de muitas conversões. 5. Leia as Cartas de Paulo a quais interpretam o ensino de Cristo. 6. Leia o Antigo Testamento. Inicie com Provérbios, Salmos e siga com Gênesis, Êxodo, Deuteronômio e demais livros. 6. ALGUMAS DICAS PARA LER A BÍBLIA
  • 16. 16 Antes da leitura da Bíblia não se esqueça de orar pedindo sabedoria a Deus. Em Salmos 119.34,35 Davi orava assim: “Dá-me entendimento, e guardarei a tua lei, e observá-la-ei de todo o meu coração. Faze-me andar na vereda dos teus mandamentos, porque nela tenho prazer.” Igualmente ao terminar a leitura ore agradecendo a Deus pelas revelações que recebeu. Outras dicas: 1. Separe a melhor hora para ler a Bíblia; 2. Escolha um ambiente bem iluminado; 3. Não deixe para ler quando estiver cansado; 4. Anote o que achar necessário; use um pincel marca texto para destacar os versículos que mais falaram ao seu coração. 5. Para uma melhor aprendizagem faça perguntas sobre o texto que acabou de ler. Exemplo de algumas perguntas:  Há neste texto alguma ordem que devo obedecer?  Há algum exemplo que devo seguir ou imitar?  Há algum pecado que devo abandonar ou evitar?  Há alguma promessa que se aplica a mim? Observação: A leitura da Bíblia não visa acumular conhecimento, mas acima de tudo a transformação de nosso caráter à semelhança do cará- ter de Cristo. Permita que a palavra de Deus sonde o seu coração e receba-a com humildade.
  • 17. 17 “Porque a graça de Deus se manifestou trazendo salvação a todos os homens." (Tt 2.11) Deus tem uma boa notícia para a humanidade: Salvação. Esta palavra significa basicamente livramento, preservação, segurança. A Bíblia declara que morrer perdido é a pior tragédia que existe. Significa sofrer eternamente no inferno longe da presença de Deus. Cristo veio ao mundo para nos livrar deste estado de perdição. (Lc 19.10) Então o evangelho é chamado de Boa Nova porque a má notícia da condenação pelo pecado é anulada quando recebemos a Cristo como Senhor e Salvador. Em Hebreus 2.3 somos exortados a considerar a preciosidade da salvação: “Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram?” A salvação é exclusivamente na pessoa de Jesus. (At 4.12) 1.1 Compreendendo mais sobre necessidade de salvação No primeiro livro da Bíblia (Gênesis) lemos que Deus criou o mundo em perfeita harmonia. O homem foi criado à imagem e semelhança de Deus e foi lhe dado um espírito a fim de que pudesse ter comunhão com Deus, porque Deus é espírito. (João 4.24) Deus pôs o homem em um jardim para lavrá-lo e guardá-lo. Adão e Eva poderiam comer de todo fruto que havia no jardim, exceto da árvore do conhecimento do bem e do mal, e caso a comessem morreriam espiritualmente, isto é, seu relacionamento com Deus terminaria. A obediência do casal provaria lealdade a Deus. Como seres morais com capacidade de escolha, enquanto obedecessem vive- riam. Um dia, porém, cederam à tentação de Satanás e ocorreu a morte espiritual, daí eles perderam imediatamente a comunhão com Deus e fugiram de sua presença (veja os passos da queda em Tiago 1.15) A partir de então Adão e Eva ficaram contaminados pelo pecado e a morte espiritual foi transmitida a toda a humanidade (1 Co 15.21; Rm 5.12). Então a nascemos espiritualmente mortos, embora fisicamente vivos! Graças a Deus você teve contato com a pregação da Palavra de Deus e se converteu, isto significa que você passou da morte espiritual para a vida. 1. O PLANO DE DEUS PARA SALVAR A HUMANIDADE A Salvação em Cristo02Estudo
  • 18. 18 Em João 5.24 Jesus se expressou assim: "Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida." A Bíblia diz que o pecado leva à morte em três sentidos: Morte Espiritual, Física e Eterna. Primeiramente Deus nos criou para existir eternamente. (a nossa existência não cessa com a morte física, e por isso Deus enviou Cristo para nos livrar da perdição eterna). Em João 3.36 lemos: "Aquele que crê no Filho tem a vida eterna; mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece." Durante a nossa existência na terra temos a oportunidade de receber a Cristo como Salvador ou rejeitá-lo! Como você já confessou a Cristo como Salvador, você está salvo! Em Tito 3.5 lemos: “Mas quando apareceu a benignidade e amor de Deus, nosso Salvador, para com os homens, não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo.” Veja abaixo a diferença entre os três tipos mortes existentes: A palavra morte vem do grego “thanatos” que significa separação. Morte espiritual (Gn 2.17) Ocorreu com Adão e Eva ainda no jardim do Éden. Pela desobediência eles ficaram separados da comunhão com Deus, daí toda a humanidade se encontra neste estado! (Gn 2.16,17; Rm 6.23; 1 Jo 3.14; Jo 5.25, 1Tm 5.6; Tg 1.15 etc.) Morte Física (Gn 3.19) Separação das partes materiais e imateriais do ser humano. A matéria (corpo) volta ao pó. Equivale a “expirar”. (Gn 3.19; Jó 34.14,15; Gn 25.7-9; Sl 146.4; Tg 2.26, etc). Morte Eterna (2ª morte) (Ap 21.8) É falecer sem ter recebido a Cristo como Salvador, daí a pessoa aguardará o Juízo Final onde será julgado, condenado e lançado no Lago de fogo. E a separação definitiva da presença de Deus na “vida” do ser humano. (Hb 9.27; 2 Ts 1.8,9; Ap 20.11-15; 21.8, etc.) Então a morte espiritual é viver na prática do pecado sem levar em conta a vontade de Deus. (Lc 15.32; Ef 2.1-3). Significa amar o mundo e seus prazeres. (Tg 4.4; 1 Jo 2.15-17; 5.19) Em Romanos 8.13 lemos: "Porque, se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo Espírito mortifi- cardes as obras do corpo, vivereis." Esse tipo de morte é temporária se a pessoa se converter para viver para Cristo. Porém se passar pela morte física sem ter recebido a Cristo como salvador, vai para o Hades (inferno) onde aguardará o Juízo Final (Veja: Lc 16.23; Jo 12.48; Sl 9.17)
  • 19. 19 A salvação vem com a convicção de nosso estado de perdição. Mediante a pregação da Palavra o Espírito Santo nos convence do pecado, justiça e juízo divino. (Jo 16.8-11) Ele mostra que precisamos confessar a Cristo como Salvador (Rm 10.8-11). De forma simples, os passos para a salvação são estes: arrependimento, fé e confissão. a) Arrependimento: Mudança de mente que é refletida diretamente em nossa maneira de viver. Quem se arrepende sente profunda tristeza por ter ofendido a Deus e decide relacionar-se com Ele com sinceridade abandonando definitivamente a vida de pecado. Veja na bíblia a atitude de pessoas arrependidas: “Que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano; e vos renoveis no espírito da vossa mente; e vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade. Por isso deixai a mentira, e falai a verdade cada um com o seu próximo; porque somos membros uns dos outros. Irai-vos, e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira. Não deis lugar ao diabo. Aquele que furtava, não furte mais; antes trabalhe, fazendo com as mãos o que é bom, para que tenha o que repartir com o que tiver necessidade. Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação, para que dê graça aos que a ouvem.” (Ef 4.22-29) b) Fé: É a convicção de que Cristo nos ama, nos aceita e nos perdoa apesar dos erros cometidos. O resultado desta convicção é uma profun- da paz e certeza de salvação. A parábola do filho pródigo contada por Jesus ilustra muito bem isto. O filho arrependido está convicto que seu pai o ama, e o perdoará aceitando-o de volta. Em Lucas 15. 17,18 lemos: “E, tornando em si, disse: Quantos trabalhadores de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome! Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti.” (Veja a parábola completa em Lucas 15.11-32) Deus é compassivo! Observe outros textos sobre o caráter de Deus: Miquéias 7.18,19 e Isaias 1.18. c) Confissão: Declarar e assumir o senhorio de Cristo mediante a dispo- sição para obedecer a Palavra de Deus. Uma confissão autêntica envolve arrependimento e a fé em Jesus. Em Romanos 10.9,10 lemos: “Se com a 2. PASSOS PARA A SALVAÇÃO descrição de arrependimento ef 1.13
  • 20. 20 tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação.” Jesus declarou: “Qualquer que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que esta nos ceus. Mas qualquer que me negar diante dos homens, eu o negarei tambem diante de meu Pai, que esta nos ceus.” (Mt 10.32,33) Podemos ser salvos por boas obras? Absolutamente não. Em Efésios 2.8,9 lemos: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie.” A gloria da salvação é exclusivamente de Cristo. Em Gálatas 1.3-5 lemos: “Graça e paz da parte de Deus Pai e do nosso Senhor Jesus Cristo, o qual se deu a si mesmo por nossos pecados, para nos livrar do presente século mau, segundo a vontade de Deus nosso Pai, ao qual seja dada glória para todo o sempre. Amém.“ A única fonte da salvação é a Bíblia. Através dela conhecemos o plano de Deus para a salvação. Em Atos 4.12 referindo-se a Cristo, o apóstolo Pedro declarou: “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.” No Antigo Testamento há muitos registros sobre a salvação em Cristo. Em Isaias 43.11 lemos: "Eu, eu sou o Senhor, e fora de mim não há Salvador." Em Oséias 13.4 lemos: "Todavia, eu sou o Senhor teu Deus desde a terra do Egito; portanto não reconhecerás outro deus além de mim, porque não há Salvador senão eu." Estes textos estão na Bíblia para que ninguém se iluda buscando salvação em outras fontes. Quando Israel caiu no pecado da idolatria Deus falou: “Houve alguma nação que trocasse os seus deuses, ainda que não fossem deuses? Todavia o meu povo trocou a sua glória por aquilo que é de nenhum proveito. Espantai-vos disto, ó céus, e horrorizai- vos! Ficai verdadeiramente desolados, diz o Senhor. Porque o meu povo fez duas maldades: a mim me deixaram, o manancial de águas vivas, e cavaram cisternas, cisternas rotas, que não retêm águas.” (Jr 2.11-13) 3. A FONTE DA SALVAÇÃO
  • 21. 21 4.1 justificação: É um ato da Graça de Deus onde Ele declara justo quem receber pela fé a Cristo como Salvador. É um termo judicial que lembra um tribunal onde Deus absolve o pecador (réu) de suas trans- gressões para com a Sua santa Lei e o declara justo e inocente. (Rm 5.1; 1 Co 6.11) A pessoa obtém a condição de estar alinhado à Lei de Deus em todos os seus aspectos e por essa razão não precisa temer as punições prescritas nela. (Rm 3.24; 8.1) 4.2 Regeneração: É a natureza de Deus implantada em nós operando o novo nascimento. (Tg 1.18; 1 Jo 5.1; Tt 3.5) Também é uma mudança de condição: Um pecador que servia ao diabo e era por natureza inimigo de Deus, agora em Cristo se torna filho de Deus. (Jo 1.12) 4.3 Santificação: É um ato da Graça de Deus onde o pecador abandona suas práticas pecaminosas e é restaurado à comunhão com Deus separando-se (santificando-se) para o serviço de Deus. (Lv 20.26; 1 Pe 2.9,10) Então passa a “andar na luz” (1 Jo 1.7), e “agradar a Deus” (1Ts 4.1) “vivendo de modo digno do Senhor.” (Cl 1.10) Já vimos que a Bíblia afirma que sem a santificação ninguém verá o Senhor. (Hb 12.14).d 4. ASPECTOS DA SALVAÇÃO
  • 22. 22 "Então conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor.” (Os 6.3a) Em Salmos 19 Deus se revela de duas maneiras: através de sua criação (versículos 1 a 6) e através de sua Palavra escrita (versículos 7 a 11). Observe que a Bíblia não tenta provar a existência de Deus! Todas as afirmações contidas na Bíblia sobre Deus são definitivas. Crer ou não crer é uma escolha individual, pois provas de Sua existência encontra- mos em todo lugar. Em Romanos 1.20 lemos assim: “Pois desde a cria- ção do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens são indesculpáveis.” A beleza do universo e toda sua diversidade em perfeito funcionamento através de leis perfeitas denotam a existência de um criador. O Salmo 14.1 denomina de louco (néscio) aquele que não crê na existência de Deus. O mais importante de tudo é que Deus anseia ter um relacionamento com suas criaturas. Esta é a razão pela qual fomos criados à imagem e seme- lhança de Deus. (Gn 1.26) E então? É possível o homem desenvolver um relacionamento com Deus mesmo depois de se envolver com o pecado no início do mundo? Com a entrada do pecado no mundo, Deus não pode ser plenamente conhecido pelo homem, por causa de sua natureza pecaminosa (Leia Êx 33.20; Jo 1.18; 1 Tm 6.16), mas Deus em seu amor tomou a iniciativa e veio ao mundo em forma humana para que creiamos nele. Jesus Cristo é a imagem expressa Deus e nele habita toda a divindade (Leia Cl 2.9; Hb 1.3). Jesus se dirigia a Deus chamando-lhe de pai. Filipe, um dos apóstolos de Cristo desejou ver o Pai e disse a Jesus: “Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta.” Mas Jesus lhe disse: “Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai? Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim?” (Veja João 14.8,) 1. É POSSÍVEL CONHECER A DEUS? Conhecendo o Caráter de Deus03Estudo 2. DEUS VEIO AO MUNDO!
  • 23. 23 A palavra amor define Deus. Em 1 João 4.8 lemos: "Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor." É Deus quem nos capacita a amar. No verso 19 lemos: “Nós o amamos porque ele nos amou primeiro.” Se Deus nos amou quando ainda éramos inimigos dele (vivendo em peca- do), imagine depois de reconciliados com Ele através de Cristo! Em Roma- nos 8.32 lemos: “Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas?” Agora como filhos de Deus podemos desfrutar deste grande privilégio. Deus em sua bondade ainda nos garante uma herança nos céus. Em Romanos 8.15-17 lemos: “Porque não recebestes o espírito de escravidão, para, outra vez, estardes em temor, mas recebestes o espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai. O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. E, se nós somos filhos, somos, logo, herdeiros também, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados.” Vale a pena servir a Deus. Em Provérbios 1.7 lemos: "O temor do Senhor é o princípio da sabe- doria..." O temor a Deus consiste em amá-lo e obedecê-lo com alegria, considerando as consequências eternas do pecado das quais Deus nos livrou. Em Hebreus 12.28-29 lemos assim: “Por isso, recebendo nós um reino inabalável, retenhamos a graça, pela qual sirvamos a Deus de modo agradável, com reverência e santo temor; porque o nosso Deus é fogo consumidor." Este texto expressa a santidade de Deus. Portanto conhecer o caráter de Deus (quem ele é) é fundamental para sabermos o quanto Ele nos ama e deseja o nosso crescimento. Deus não deseja que saibamos apenas informações sobre a sua pessoa, mas que tenhamos uma comunhão íntima com Ele. Conhecer a Deus pela experiência é o maior privilégio que existe. Em Jeremias 9.23,24 lemos: “Assim diz o Senhor: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem o forte, na sua força, nem o rico, nas suas riquezas; mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me conhecer e saber que eu sou o Senhor e faço misericórdia, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o Senhor.” Você já experimentou o amor de Deus, a sua misericórdia, bondade, fidelidade, paciência etc, Que tal descobrirmos outros aspectos de sua 3. DEUS É AMOR! 4. O TEMOR DE DEUS – O PRINCÍPIO DA SABEDORIA psragrafo
  • 24. 24 pessoa? Em Oseias 6.3 lemos: “Então conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra." São qualidades que definem a Deus como ele é, a sua natureza. Eviden- temente não podemos conhecê-lo em sua totalidade, mas somente o que ele permite. (Dt 29.29) Compreender os atributos de Deus é essencial para que o adoremos de forma sábia e agradável, por isso a verdadeira adoração envolve o conhecimento da natureza de Deus. Quem busca a Deus para conhecê-lo é cheio de gratidão, primeiramente, por tudo que Ele é, por tudo que Ele fez, faz e fará por nós. Vale a pena conhecer a Deus, deleitando-se em sua Palavra a fim de conhecer o seu amor, bondade, fidelidade, paciência, misericórdia, etc. Em Salmos há muitas declarações sobre a natureza de Deus. Aproveitemos a leitura se Salmos para adorar a Deus expressando-lhe gratidão como fez Davi, Asafe, e outros adoradores. Vejamos de forma breve alguns dos atributos de Deus e como eles se relacionam à nossa nova vida em Cristo: Amor: A Bíblia diz que Deus é amor. (1 Jo 4.8) O amor de Deus é sacrificial (Veja Ef 2.4,5; 1 Jo 3.14,16) Em 1 Jo 4.10 lemos: “Nisto consiste o amor, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou seu Filho como propiciação pelos nossos pecados.” Misericórdia: O pecado é algo odioso aos olhos de Deus. Se não fosse sua misericórdia já teríamos sido consumidos. (Lm 3.22,23) Deus espera que os pecadores se arrependam e reconheçam sua compaixão enquanto é tempo. (Ef 2.4-5; Tt 3.5) Graças a Deus já fomos alcançados por sua compaixão. Ele espera que sejamos também compassivos para com o nosso próximo (1 Pe 3.8,9; Jd 1.21,22) Verdade: Deus é a verdade absoluta. É impossível que Ele minta. (Tt 1.2; Nm 23.19) Sua Palavra é a verdade. (Jo 17.17) Como novas criaturas em Cristo devemos viver na verdade (Cl 3.9; Ef 4.25; 3 Jo 1.4) 6. ALGUNS ATRIBUTOS DE DEUS 5. O QUE SÃO OS ATRIBUTOS DE DEUS?
  • 25. 25 Bondade: Deus é bom, logo tudo o que ele faz é bom (Gn 1.12,31). Ele concede bênçãos às suas criaturas. (At 14.17; Sl 145.9; 34.8; Na 1.7; Tg 1,17) A bondade e a misericórdia de Deus aparecem juntas muitas vezes. (Sl 100.5; 106.1; 118.29; 103.10-14; 136.1). À semelhança de Deus devemos ser bons para com todos. (Rm 15.14; 2 Ts 1.11). Fidelidade: Deus é fiel e, portanto digno de toda confiança. Sua Palavra nunca falhará daí podemos descansar em suas promessas. (1 Co 1.9; Js 21.45; Mt 24.35; Is 34.16) Não devemos temer o fracasso e nem as ciladas do diabo. (2 Ts 3.3; 1 jo 5.18) Temos que ser fiéis em tudo. (Lc 16.10; Hb 3.12; 1 Co 4.2; Ap 2.10) Retidão: Deus é reto. É impossível Ele errar. (Sl 111.7,8; 92.15; Dt 32.4; Jó 34.10-12); Ele odeia o pecado (Hb 1.9; 1 Jo 1.5; Sl 5.4-6; Mq 6.11; 1 Jo 3.8). Retidão é sua meta para nós (Gn 17.1,2; Sl 89.14-17) e é o melhor caminho (Sl 84.11; 125.4; Pv 2.7). O bem e o mal estão diante de nós. A nossa escolha define nosso caráter. (Dt 30.19,20) Em sua retidão Deus dará a cada um segundo sua obra (Rm 2.7-10) Santidade: Deus é santo: Ele é moralmente perfeito. Por natureza Ele é separado do pecado (1 Sm 2.2; Is 6.3; Sl 77.13) por isso Deus exige santidade dos que irão habitar com ele. (1Pe 1.15,16; Hb 12.14). Santidade em relação ao homem significa ser “separado do pecado e consagrado a Deus” (Lv 20.7,8,26); O meio que Deus nos santifica é através de Sua Palavra. (Jo 17.17) Justiça: É a santidade de Deus em ação para punir toda injustiça. (Sl 98.9; 119.137; 145.17; Ap 16.5,6) Deus é imparcial (2 Cr 19.7), e portanto não faz acepção de pessoas. (Rm 2.11; 1 Pe 1.17). Temos mandamentos para sermos justos e imparciais. (Lv 19.35-37; 1 Pe 3.12) Soberania: Deus é dono de tudo (Sl 24.1; 1 Cr 29.11,12) e governa sobre todos. Nada está fora de seu controle. Seus planos são realizados em seu tempo segundo sua soberana vontade. (Sl 103.19; Jó 42.2; Is 46.10,11) Ira: Deus se opõe a tudo que fere o seu caráter. O pecado atrai a ira de Deus (Ef 2.1-4; 5.3-6; Cl 3.5,6) Deus castiga os ímpios com tribulação, 1o43 110 colocar no começo MT 25.21
  • 26. 26 angústia e sofrimento eterno (Rm 2.7,8; 2 Pe 2.9; Sl 9.17) Todavia quem está em Cristo está livre da ira de Deus. (1 Ts 5.8,9) Longanimidade: É o mesmo que paciência. É um dos aspectos do amor de Deus. (1 Co 13.4; Ex 34.6,7; Na 1.3) Paulo reconheceu que Deus foi longânimo para com ele. (1 Tm 1.16) Deus dá tempo para o arrepen- dimento mas o homem não deve abusar da longanimidade de Deus, como fizeram os que morreram pelo dilúvio. (1 Pe 3.18-20) Muitos igualmente estão abusando da longanimidade de Deus em relação à segunda vinda de Jesus. (2 Pe 3.3-90) Onipotência: Somente Deus tem todo poder para realizar tudo o que deseja e nada ou ninguém pode impedi-lo. (Mt 19.26; Jó 42.2; Sl 33.10.11) Obviamente Deus só fará o que estiver de acordo com sua natureza santa expressa em outros de seus atributos. Onipresença: Deus é infinito e se faz presente em qualquer lugar. (Jr 23.24; Sl 139.7-12) Então não há necessidade de se deslocar para locais “santos” para tem um encontro com Deus (Jo 4.23). Em Cristo usufruímos da presença de Deus onde estivermos. Sua presença é real e Ele jamais nos desampara. (Hb 13.5,6; Mt 28.20). Onisciência: Deus conhece todas as coisas, mesmo antes que aconteçam. (Sl 139.1-4; 1 Cr 28.9) e ninguém pode enganá-lo. (Is 29.15) Os que confiam nele, devem descansar, pois Ele conhece e sabe tudo sobre nossas necessidades, ansiedades, temores, etc. (Sl 103.13,14; 1 Pe 5.7) Imutabilidade: Deus é perfeito e, portanto não muda. (Ml 3.6; Tg 1.17; Hb 6.17-19; 13.8) Nenhum de seus atributos muda: a sua justiça, bondade, fidelidade, permanece eternamente. Ao lermos a Bíblia podemos ter a certeza que servimos ao mesmo Deus que operou grandes as maravilhas no passado, na época do Antigo e do Novo Testamento. Eternidade: Deus não tem início nem terá fim. Ele transcende o tempo. (Sl 90.4) Sua eternidade está ligada à sua imutabilidade. Deus se revelou a Moisés como o “Eu sou” Essa linguagem pode ser compreendida assim: “Eu continuarei sendo o que fui e o que sempre serei” Jesus usou este
  • 27. 27 mesmo verbo em relação a si mesmo. Ele disse aos judeus: “antes de Abraão nascer, Eu Sou!" (Jo 8.58) Em Apocalipse 1.8 lemos que o Deus Eterno Jesus Cristo virá ao nosso encontro no arrebatamento. Ele mesmo declarou: “Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, diz o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso. Sabedoria: A sabedoria de Deus é perfeita e inesgotável. (Rm 11.33) Ele governa tudo com inteligência, segurança e ordem. Obedecê-lo é prudência, pois a sua vontade é o melhor para nós. (Rm 12.1,2) Ele compartilha parte de sua sabedoria com seus filhos! (At 6.10; Lc 12.11,12) A doutrina da trindade é uma das mais difíceis de ser explicada. Embora esta palavra não apareça na Bíblia, Deus se revela em sua Palavra de três formas distintas: Pai, Filho e Espírito Santo, porém há um só Deus (Dt 6.4) A Bíblia declara que o Pai é Deus, (Jo 6.27; Rm 1.7; 1 Pe 1.2) O Filho é Deus ([Jo 1.1; 1.14]; Cl 2.8,9; Hb 1.8) e o Espírito Santo é Deus. (Atos 5.3-4) Não há motivo para ficarmos confusos. Um dia na eternidade com Cristo compreenderemos tudo sobre a natureza de Deus. Em 1 João 3.2 lemos: “Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos.” 7. A TRINDADE DE DEUS
  • 28. 28 "Buscai ao Senhor e a sua força; buscai a sua face continuamente.”(Sl 105.4) É o meio de cultivar a comunhão com Deus. A sua primeira oração foi de confissão, ao receber a Cristo como Salvador. A partir dai você tem o privilégio de aprofundar o seu relacionamento com Ele. Deus tem infinitas formas de responder nossas orações, e geralmente o faz através de sua Palavra escrita. Seguramente quanto mais tempo passamos com Deus em oração mais aprendemos a ouvir a Sua voz. (Jo 10.14) Em Mateus 6.5-13 Jesus ensinou seus discípulos a orar. Neste texto aprendemos que a oração não deve ser decorada e não há necessidade de repetição de frases. Na oração podemos agradecer a Deus pela salva- ção, saúde, emprego, livramentos, etc. Podemos comunicar nossas necessidades, problemas e dificuldades a Deus. Ele nos ouve quando oramos de acordo com Sua vontade. Em 1 João 5.14 lemos: "E esta é a confiança que temos nele, que, se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve." Inclusive por isso aprendemos um pouco sobre o caráter de Deus para descobrirmos a sua vontade e assim aprender a orar com eficiência. A oração deve ser em nome de Jesus (Jo 14.13,14; 15.16). É importante saber que antes de recebermos a Cristo como Salvador o pecado nos separava de Deus. Não podemos nos relacionar com Deus vivendo em pecado. (Is 59.2; Pv 15.29; 21.27; Sl 66.18; Is 1.15). Agora perdoados e salvos, temos livre acesso a Deus pelo sacrifício de Cristo e mesmo se falharmos, mediante o arrependimento, Jesus está pronto a nos perdoar. (1 Jo 1.9; Tg 5.16) 2.1 Para cultivar o nosso relacionamento com Deus A oração nos proporciona discernimento para identificarmos qualquer coisa prejudicial à nossa vida espiritual como também somos capacitados a escolher tudo o que agrada a Deus. Devemos submeter tudo à Sua vontade. Este é o segredo para viver com propósito e poder. 2.2 Para não cair em tentação Em Mateus 26.41 Jesus nos adverte sobre a fraqueza da carne. O que é tentação? É a vontade de fazer algo errado; vontade de voltar ao pecado. Falando com Deus através da oraçãoEstudo 04 1. O QUE É A ORAÇÃO 2. POR QUE DEVEMOS ORAR
  • 29. 29 Isso acontece se descuidarmos da oração e dermos lugar à velha natu- reza, que a Bíblia chama de “carne” (Rm 13.14). Precisamos orar sempre para vencermos estes desejos. (Hb 12.1; Gl 5.16). A tentação sempre será vencida se alimentarmos a nossa nova natureza em Cristo. (Cl 3.2,3) 2.3 Para que outros possam ser salvos No capítulo 17 do evangelho de João Jesus orou por nós! Quando nos colocamos no lugar de outra pessoa orando por ela, estamos interce- dendo. Jesus intercedeu por nós deixando-nos o exemplo. Com base em 1 Timóteo 2.1,2 podemos interceder pela família, amigos, nossos líderes espirituais, autoridades, e inclusive por quem nos persegue. (Mt 5.44; At 12.5). O plano de Deus para nós inclui a intercessão! Deus nos constituiu intercessores à semelhança dos sacerdotes do Antigo Testamento (1 Pedro 2.9) Paulo via a intercessão como um combate: "E rogo-vos, irmãos, por nosso Senhor Jesus Cristo e pelo amor do Espírito, que combatais comigo nas vossas orações por mim a Deus" (Rm 15.30). 2.4. Para aprender a se humilhar diante de Deus O menor versículo da Bíblia diz: “Jesus chorou." (Jo 11.35). Inúmeros personagens da Bíblia tiveram seus corações quebrantados. Exceto Jesus, todos sentiram e choraram seus pecados, suas culpas. Pedro chorou, (Lc 22.62) Paulo chorou (Rm 9.2), Esdras chorou, Jeremias ficou conhecido como o “profeta chorão” e neste estado ele escreveu o livro “Lamentações.” Tiago escreveu: "Senti as vossas misérias, e lamentai e chorai; converta-se o vosso riso em pranto, e o vosso gozo em tristeza." (Tg 4.9) A Bíblia chama isto de “coração quebrantado.” Em Salmos 51.17 lemos: “Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus.” Após orar intensamente Deus disse ao profeta Daniel: “Não temas, Daniel, porque desde o primeiro dia em que aplicaste o teu coração a compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, são ouvidas as tuas palavras; e eu vim por causa das tuas palavras.” (Dn 10.12) Em Salmos 34.17,18 lemos: “Os justos clamam, e o Senhor os ouve, e os livra de todas as suas angustias. Perto está o Senhor dos que têm o coração quebrantado e salva os contritos de espírito.” Não nos preocupemos com que outros pensem. O choro diante de Deus é saudável para a nossa
  • 30. 30 alma. Em 1 Pedro 5.6 está escrito: "Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus, para que a seu tempo vos exalte." Evidentemente há muitos momentos de alegria na vida cristã, mas o quebrantamento não pode ser excluído. Podemos estar aflitos e até sem palavras diante de Deus, mas Ele nos compreende. Em Romanos 8.25,26 lemos: “E da mesma maneira também o Espírito ajuda as nossas fraque- zas; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis.” 3.1 Ao levantar-se: Inicie o dia conversando com Deus agradecendo- lhe pela noite que passou. Davi se expressou assim: “Pela manhã ouvirás a minha voz, ó Senhor; pela manhã apresentarei a ti a minha oração, e vigiarei. (Sl 5.3) Em Provérbios 8.17 Deus nos diz: “Eu amo aos que me amam, e os que cedo me buscarem, me acharão.” Ore pedindo sabedoria a Deus para agir corretamente de acordo com a sua Palavra e peça ousadia para compartilhar a Palavra de Deus. (2 Tm 4.2) 3.2 Ao deitar-se: Agradeça a Deus por tudo: pelo dia, livramentos, proteção contra assaltos, batidas de veículos, atropelamentos, em fim, por todos os benefícios recebidos. Davi orava assim: “Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nenhum de seus benefícios.” (Sl 103.2) Em Efésios 5.20 lemos também: “Dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo.” Em fim, devemos orar sempre: ao levantar-se, deitar-se, ao viajar, quando chegar de viagem, ao fazer um empreendimento, etc. Em Salmos 105.3,4 lemos: “Gloriai-vos no seu santo nome; alegre-se o coração daqueles que buscam ao Senhor. Buscai ao Senhor e a sua força; buscai a sua face continuamente.” 4.1 Em casa: A família é um núcleo de adoração a Deus, uma espécie de mini-igreja. Deus tem que ter prioridade e ser exaltado nela. Separe momentos especiais para um culto doméstico. Dessa forma estaremos blindando a nossa família contra ataques satânicos. Além do mais, bus- car a Deus é a chave de toda prosperidade espiritual. Josué, general das 3. QUANDO ORAR 4. ONDE ORAR
  • 31. 31 guerras do Senhor em Israel, cedo tomou esta decisão. Ele disse: “Eu e a minha casa serviremos ao Senhor.” (Js 24.15b) 4.2 Na igreja: Melhor dizendo, no prédio onde se chama igreja (porque a igreja somos nós, o corpo de Cristo). Ali os crentes se reúnem para orar. Além dos cultos normais de oração, há consagração, vigília, círculo de oração, etc.(o nome da reunião depende de sua denominação) Deus sempre se manifesta com batismo no Espírito Santo, cura divina e solução de muitos problemas. Em Atos 4.31 vemos uma notável reunião de oração da igreja primitiva: “E, tendo orado, moveu-se o lugar em que estavam reunidos; e todos foram cheios do Espírito Santo, e anunciavam com ousadia a palavra de Deus.” 4.3 Em qualquer lugar: Em João 4.20 lemos sobre mulher samaritana a qual se mostrou preocupada com o lugar certo para buscar a Deus! Jesus esclareceu que podemos buscar a Deus em qualquer lugar, desde que o adoremos em Espírito e em verdade. (Veja João 4.5-29). Paulo instruiu o jovem Timóteo assim: “Quero, pois, que os homens orem em todo o lugar, levantando mãos santas, sem ira nem contenda.” (1 Tm 2.8) O profeta Jeremias estava preso quando o Senhor lhe disse: “Clama a mim, e responder-te-ei, e anunciar-te-ei coisas grandes e firmes que não sabes.” (Jr 33.3) O profeta Jonas orou no ventre de um grande peixe: “Na minha angústia clamei ao Senhor e ele me respondeu; do ventre do abismo gritei, e tu ouviste a minha voz. (Jn2.2) Qualquer posição é aceita por Deus. Já vimos que o que importa é a nossa atitude em busca-lo com um coração limpo e sincero. É conveniente uma posição que indique submissão e reverência a Deus. Veja alguns exemplos bíblicos: Gn 17.3; 2 Cr 20.5,6,18; Lc 5.12; 22.41,42; Ef 3.14,15 Sim, evidentemente o pecado! Em Isaias 59.1,2 lemos: “Eis que a mão do Senhor não está encolhida, para que não possa salvar; nem agravado o seu ouvido, para não poder ouvir. Mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o 5. EM QUAL POSIÇÃO ORAR 6. ALGO PODE IMPEDIR NOSSAS ORAÇÕES?
  • 32. 32 seu rosto de vós, para que não vos ouça.” Outros textos: Sl 66.18, 15.29, etc Daí é essencial estar sempre em comunhão com Deus. (Mt 5.23-25) Na Bíblia há diversos textos específicos que falam a causa do impedi- mento de orações. Vejamos alguns:  Falta de comunhão com o próximo (Mt 5.23,24).  Não valorizar a Palavra de Deus (Pv 28.9);  Pedidos mundanos (Tg 4.2-4);  Mau tratamento para com o cônjuge (1 Pe 3.7);  Suposta superioridade moral (Lc 18.10-14);  Descrença (Tg 1.6,7);  Não permanecer em Cristo e em Sua Palavra (Jo 15.7);  Não dar prioridade ao Reino de Deus (Mt 6.33); Devemos pedir a Deus que sonde o nosso coração para sabermos o que precisa ser corrigido. Davi orava assim: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece os meus pensamentos. E vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno.” (Sl 139.23,24) A oração é vital e por ela exercitamos a nossa comunhão com Deus. Logo desprezar uma oportunidade de orar significa desprezar um encontro com Deus. É o Espírito Santo que nos leva a orar e não ser sensível à Sua voz é equivale a “extinguir o Espírito” (1 Ts 5.19). A falta de sensibili- dade para orar tem levado muitos crentes ao fracasso espiritual. Jesus nos advertiu: "Orai, para que não entreis em tentação." (Lucas 22.40) A tentação é o primeiro passo para a queda. Veja como o profeta Samuel via a falta de oração: “E quanto a mim, longe de mim que eu peque contra o Senhor, deixando de orar por vós; antes vos ensinarei o caminho bom e direito.” Em vez de desanimar em relação à oração, imitemos Davi, o qual disse no Salmo 42.1,2: “Assim como o cervo brama pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus! A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando entrarei e me apresentarei ante a face de Deus?” No Salmo 84 ele disse também: “Quão amáveis são os teus tabernáculos, Senhor dos Exércitos! A minha alma está desejosa, e desfalece pelos átrios do Senhor; o meu coração e a minha carne clamam pelo Deus vivo.” (Sl 84.1,2) 7. DEIXAR DE ORAR O QUE SIGNIFICA
  • 33. 33 No dia em que nos convertemos entramos em guerra contínua contra o reino das trevas e orar significa batalhar espiritualmente. Satanás não quer que oremos, porque ele conhece o poder da oração. Ele sabe que quando oramos somos fortalecidos contra as tentações; ele sabe que podemos interceder por alguém e resultar em libertação; ele sabe que até nações são impactadas quando oramos; ele sabe que Jesus fará maravilhas, etc. Em fim ele sabe que terá sérios prejuízos no seu império por isso fará tudo para nos desviar do propósito da oração. Cientes disto, devemos estar atentos às suas armadilhas. Muitas vezes ele insinua que estamos cansados, que orar não é importante, que não temos tempo, que não vai adiantar..., etc. Não desanime. Ao sentir-se desanimado, e desafiado você pode estar sob ata- que. Em Efésios 6.18 lemos assim: "Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos." Ao jovem Timóteo Paulo aconselhou: "Tu, pois, meu filho, fortifica-te na graça que há em Cristo Jesus." (2 Tm 2.1) Como interpretar: “Orai sem cessar”? (1 Ts 5.17) A oração deve ser vista como um privilégio, um estilo de vida. Significa estar continuamente em atitude de oração! Quando vemos algo de bom, podemos dar graças a Deus por isso. Quando somos tentados pedimos ajuda por livramento, quando vemos alguém precisando de Cristo podemos pedir a Deus que nos use como instrumento para conduzi-lo a Cristo, e assim por diante. Vivendo assim estaremos em constante contato com Deus. Oração contínua é uma entrega completa de nosso coração ao Senhor. Em Salmos 19.14 Davi orava assim: “Sejam agradáveis as palavras da minha boca e a meditação do meu coração perante a tua face, Senhor, Rocha minha e Redentor meu!” Qual- quer cristão salvo pode desfrutar da comunhão com Deus 24 por dia! 9. “ORAI SEM CESSAR” – O QUE SIGNIFICA? 8. VENCENDO OS OBSTÁCULOS DA ORAÇÃO
  • 34. 34 "Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas." (Ap 2.29) A palavra igreja vem do grego ekklesia, que significa “uma assembleia de chamados para fora” (At 11.22; 13.1), ou seja, é uma referencia àqueles que saíram do mundo e se converteram a Cristo. Mundo, se refere à multidão perdida, separada de Deus por causa do pecado. O mundo está envolvido em muitos prazeres, diversões, busca de glória, desonestidades, imoralidades e tudo que se opõe ao reino de Deus. Por isso a Bíblia diz que o mundo jaz no maligno, isto é, o mundo está sob influência direta de satanás, a quem Jesus chama de “o príncipe deste mundo.” (Jo 14.30) Foi deste mundo que fomos resgatados, como igreja, para servir a Deus. Então a igreja é formada de pessoas os quais foram perdoadas e transformadas. Em Tito 2.14 lemos sobre Jesus: "o qual se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras." Paulo ao se despedir da igreja de Éfeso chamou seus líderes e lhes disse: “Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue.” (At 20.28). Ainda em Efésios 2.2-5 lemos: “Em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência, entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também. Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos).” Pela leitura dos textos acima podemos ver que a igreja não é invenção humana, foi fundada pelo próprio Cristo mediante o seu sacrifício na cruz. Antes de ir para a cruz, Jesus fez uma pergunta a seus discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do homem?” Pedro foi enfático: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.” (Mt 16.16) Jesus comentou a confissão de Pedro: “Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra A Igreja - O meio de alcançar o mundoEstudo 05 2. A FUNDAÇÃO E INVENCIBILIDADE DA IGREJA 1. A COMPOSIÇÃO DA IGREJA
  • 35. 35 edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.” (Mt 16.18,19) Essa foi a primeira vez que Jesus usou a palavra igreja. Portanto ela é invencível e o próprio Cristo é a pedra principal, que Pedro havia confessado! O termo ekklesia é aplicado somente a pessoas e nunca a um prédio. Em 1 Pedro 2.5 lemos: “Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agra- dáveis a Deus por Jesus Cristo.” Em Atos 4.11 Pedro mesmo explica aos judeus sobre Cristo: "Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edifica- dores, a qual foi posta por cabeça de esquina." Em Efésios 2.20-22 lemos: “Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina; no qual todo o edifício, bem ajus- tado, cresce para templo santo no Senhor. No qual também vós junta- mente sois edificados para morada de Deus em Espírito.” E que chave seria essa que Cristo prometeu a Pedro? É simples: Pedro em sua primeira pregação conduziu 3.000 almas a Cristo! A partir daí a igreja se expandiu. O sermão completo de Pedro encontra-se em Atos 2.14-41. A igreja segue pregando a Palavra até a volta de Cristo onde você e eu somos parte dela! 4.1 Adoração: Em João 4.23 lemos: “Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem.” Vejamos apenas dois ensinos neste texto: a) Os verdadeiros adoradores: Certamente há adoradores enganados, cuja adoração não se fundamenta na verdade da Palavra. O verdadeiro adorador adora somente a Deus. Já vimos em João 17.3 onde Jesus disse: “E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verda- deiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” Em Efésios 3.21 lemos: “A esse glória na igreja, por Jesus Cristo, em todas as gerações, para todo o sem- pre. Amém.” Em 1 Tessalonicenses 1.8-10 também lemos: “Porque por vós soou a palavra do Senhor, não somente na Macedônia e Acaia, mas tam- 4. FINALIDADES DA IGREJA 3. CRISTO: O ALICERCE DA IGREJA
  • 36. 36 bém em todos os lugares a vossa fé para com Deus se espalhou, de tal maneira que já dela não temos necessidade de falar coisa alguma; porque eles mesmos anunciam de nós qual a entrada que tivemos para convosco, e como dos ídolos vos convertestes a Deus, para servir o Deus vivo e verdadeiro, e esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dentre os mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura.” b) Em Espírito: Ao nascer de novo (espiritualmente) a nossa comunhão com Deus foi restabelecida. Agora podemos adorar a Deus de forma agradável. Adorar em espírito fala de uma adoração sincera que parte de um coração purificado do pecado (santo). Em Salmos 96.9 lemos: “Adorai ao Senhor na beleza da santidade; tremei diante dele toda a terra.” Maria, a mulher escolhida por Deus para ser a mãe de Jesus se expressou assim: “A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador.” (Veja Lucas 1.46,47) 4.2 Evangelização do mundo: Vimos que Deus está em busca de verda- deiros adoradores. Jesus morreu por todos, mas nem todos sabem disso. Há outros que pensam que, se Cristo morreu por todos, eles podem ser salvos sem se converterem! Há também os desesperados, que acham que não há mais solução para eles. Então, a todos, temos que falar-lhes sobre o amor de Deus, do perigo de viver no pecado e da justiça de Deus. Em fim, precisamos ensinar-lhes toda a verdade. Esta é a missão da igreja. Em Mateus 28.19-20 Jesus nos comissionou: “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos.” 4.3 Edificação de seus membros: Saímos de um mundo cheio de engano. (1 Jo 5.19) Como novas criaturas precisamos ser edificados na Palavra da verdade, para isto Deus colocou na igreja pessoas idôneas para nos ajudar a crescer em Cristo. Em Efésios 4.11-14 lemos sobre Cristo: “E Ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo, até que todos cheguemos à unidade da fé e ao conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à medida da estatura completa de Cristo, para que não sejamos
  • 37. 37 mais meninos inconstantes, levados em roda por todo vento de doutrina, pelo engano dos homens que, com astúcia, enganam fraudulosamente.” Como igreja devemos nos reunir para sermos edificados. Em Hebreus 10.25,26 lemos: “Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia. Porque, se pecarmos voluntariamente, depois de termos recebido o conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados.” 4.4 Preservação do mundo a) A igreja como sal da terra: Em Mateus 5.13-16 os discípulos são chamados de “sal da terra e luz do mundo.” Uma das principais função do sal é evitar o apodrecimento. A igreja é o único organismo capaz de pre- servar o mundo da corrupção total. Em 1 João 5.19 lemos: "Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno." Quando, porém a igreja sair da terra, por ocasião da segunda vinda de Cristo, o mundo entrará em completa ruina em todos os sentidos. b) A igreja como luz do mundo: Como luz a igreja mostra o perigo de viver nas trevas do pecado. Fomos iluminados e agora sabemos que o pecado tem consequências temporais e eternas. Em Filipenses 2.15 lemos: “Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo.” A igreja como luz também glorifica a Deus por sua fidelidade. Em Mateus 5.16 lemos: "Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus." No Novo Testamento encontramos diversos nomes que identificam aqueles que entregaram suas vidas a Cristo. Vejamos alguns: Discípulos: "E Jesus subiu ao monte, e assentou-se ali com os seus discí- pulos." (Jo 6.3); "Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos." (Jo 15.8); "Então, disse aos seus discípulos: A seara é realmente grande, mas poucos os ceifeiros." (Mt 9.37) 5. COMO A BÍBLIA DENOMINA OS QUE CRERAM
  • 38. 38 Cristãos: "E sucedeu que todo um ano se reuniram naquela igreja, e ensinaram muita gente; e em Antioquia foram os discípulos, pela primeira vez, chamados cristãos." (At 11.26); “Mas, se padece como cristão, não se envergonhe, antes glorifique a Deus nesta parte.” (1 Pe 4.16) Irmãos: "Vós, porém, não queirais ser chamados Rabi, porque um só é o vosso Mestre, a saber, o Cristo, e todos vós sois irmãos." (Mt 23.8); “Disse- lhe Jesus: Não me detenhas, porque ainda não subi para meu Pai, mas vai para meus irmãos, e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus.” (Jo 20.17); "Porque, assim o que santifica, como os que são santificados, são todos de um; por cuja causa não se envergonha de lhes chamar irmãos." (Hb 2.11); "Nós sabemos que passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos. Quem não ama a seu irmão permanece na morte." (1 Jo 3.14) Amados: "Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus." (1 Jo 4.7); "Amados, se Deus assim nos amou, também nós devemos amar uns aos outros." (1 Jo 4.11); "Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos." (1 Jo 3.2) Amados irmãos: "Sabendo, amados irmãos, que a vossa eleição é de Deus." (1 Ts 1.4); "Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e cons- tantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor." (1 Co 15.58); "Portanto, meus amados e mui queridos irmãos, minha alegria e coroa, estai assim firmes no Senhor, amados." (Fp 4.1); "Ouvi, meus amados irmãos: Porventura não escolheu Deus aos pobres deste mundo para serem ricos na fé, e herdeiros do reino que prometeu aos que o amam?" (Tg 2.5) Santos: (Separados do pecado e consagrados a Deus) "Aos santos e irmãos fiéis em Cristo, que estão em Colossos: Graça a vós, e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo." (Cl 1.2); "A todos os que estais em Roma, amados de Deus, chamados santos: Graça e paz de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo." (Rm 1.7); "À igreja de Deus que está
  • 39. 39 em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados santos, com todos os que em todo o lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso:" (1 Co 1.2); “Porque o marido descrente é santifica- do pela mulher; e a mulher descrente é santificada pelo marido; de outra sorte os vossos filhos seriam imundos; mas agora são santos.” (1 Co 7.14) Crentes: Dependendo da versão bíblica pode aparecer como sinônimo. Vejamos: “E a multidão dos que criam no Senhor, tanto homens como mulheres, crescia cada vez mais.” (At 5.14); "Depois disse a Tomé: Põe aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos; e chega a tua mão, e põe-na no meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente." (Jo 20.27); De sorte que os que são da fé são benditos com o crente Abraão. (Gl 3.9); “E chegou a Derbe e Listra. E eis que estava ali um certo discípulo por nome Timóteo, filho de uma judia que era crente, mas de pai grego.” (Atos 16.1) Na Bíblia, Deus usa diversas metáforas para expressar a natureza de sua igreja e como ela funciona. Veja alguns símbolos: 6.1 Corpo: Jesus ao realizar a obra de redenção, ressuscitou dentre os mortos e subiu ao céu, mas a sua presença é sentida na terra por meio de sua igreja. No Novo Testamento a igreja é chamada de “o corpo de Cristo.” Em 1 Coríntios 12.27 lemos assim: “Ora, vós sois o corpo de Cristo, e seus membros em particular.” Colossenses 1.18 é uma referência a Cristo: “E ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência.” Observe em Atos 9.4,5 o relato quando Saulo (depois apóstolo Paulo) perseguia a igreja: “E, caindo em terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me perse- gues? E ele disse: Quem és, Senhor? E disse o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões.” Leia outros textos sobre igreja como corpo: Ef 1.22,23; 4.15; 5.23. 6.1.1 A união do corpo: Corpo fala de união e unidade. A igreja de Cristo tem esta marca. Em 1 Coríntios 12.12 lemos: "Porque, assim como o corpo é um, e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também." Lembremo-nos como Jesus orou pela igreja: “E não rogo somente por estes, mas também por aqueles que pela 6. A IGREJA: COMO ELA É E COMO FUNCIONA
  • 40. 40 sua palavra hão de crer em mim; para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste." (Jo 17.20,21) O elo da união entre Cristo e a igreja é o amor. No versículo 23 lemos: “Eu neles, e tu em mim, para que eles sejam perfeitos em unidade, e para que o mundo conheça que tu me enviaste a mim, e que os tens amado a eles como me tens amado a mim.” Em João 15.12 Jesus diz: "O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei." 6.2 Noiva/Esposa: A simbologia da noiva fala de nossa preparação antes do arrebatamento. Após o arrebatamento ocorrerá um evento no céu chamado as Bodas do Cordeiro. Em Apocalipse 21.2-3 lemos: “Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo. Então, ouvi grande voz vinda do trono, dizendo: Eis o tabernáculo de Deus com os homens. Deus habitará com eles. Eles serão povos de Deus, e Deus mesmo estará com eles.” Em Mateus 25 Jesus contou uma parábola para nos ensinar sobre a vigilância da igreja em relação à sua volta. A parábola é concluída assim: “Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir.” (Mt 25.13) Em Efésios temos esta comparação: “Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela, para que a santificasse, tendo-a purificado por meio da lavagem de água pela palavra, para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito....Grande é este mistério, mas eu me refiro a Cristo e à igreja.” (Ef 5:25-27,32) 6.3 Família: A igreja também é uma família. Em Efésios 2.19 lemos: "Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos, e da família de Deus." O nosso ingresso na família de Deus ocorreu mediante o novo nascimento (a conversão). Vamos lembrar o texto de João 1.12,13: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.” No estudo número três aprendemos que o nosso ingresso na família de Deus foi por adoção. A palavra Aba citada em Romanos 8.15,16 expressa muita intimidade e era muito usada no
  • 41. 41 relacionamento pai-filho. Já que nos tornamos filhos de Deus temos agora intimidade com o nosso pai celestial. A família de Deus se faz presente em qualquer lugar do mundo onde o evangelho é pregado e crido. Como famí- lia de Deus temos muitos privilégios, mas também sérias responsa- bilidades. Vejamos algumas delas: • Amar uns aos outros. (1 Jo 4.7; 1 Jo 3.16; 1 Pe 1.22) • Orar uns pelos outros. (Hb 13.18; Tg 5.14-16) • Ser benigno, compassivo e perdoador. (Ef 4.32) • Ajudar os irmãos necessitados. (1 Jo 3.16-18; Rm 12.13) • Acolher uns aos outros. (Rm 12.13; Hb 13.2) • Consolar uns aos outros. (2 Co 1.4; 1 Ts 5.11) • Edificar uns aos outros (Ef 4.16; Rm 12.7) • Suportar uns aos outros. (Ef 4.2; Gl 6.2) Vimos que Cristo é o cabeça da igreja, logo a igreja lhe é submissa. Veja esta comparação: “Vós, mulheres, sujeitai-vos a vossos maridos, como ao Senhor; porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo. De sorte que, assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seus maridos.” (Ef 5.22-24) Em outras palavras: a verdadeira igreja é submissa a Cristo, à sua Palavra, por isso ela não pode criar nenhum dogma ou doutrina contraria à Palavra. A igreja é o esteio da verdade (1 Tm 3.15) e a verdade é a Palavra de Deus. (Jo 17.17). Igualmente se alguém não se comportar de acordo com a Palavra a igreja tem autoridade (dada por Cristo) para disciplinar ou excluir tal pessoa. (Veja Mt 18.15-19; Jo 20.22,23) Em Efésios 4.11-14 vimos que Jesus estabeleceu as autoridades em sua igreja para cumprir o seu ministério. Eles são designados por imposição de mãos (1 Tm 4.14; 2 Tm 1.6)e sobre eles pesa a responsabilidade de ensinar a sã doutrina e refutar o erro. (Tito 1.9; 1 Tm 3.2) A sã doutrina é o conteúdo da Palavra expresso em 2 Timóteo 3.16: “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para 7. A BASE DA AUTORIDADE DA IGREJA 8. A LIDERANÇA DA IGREJA
  • 42. 42 corrigir, para instruir em justiça, para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra.” A liderança na igreja deve se fundamentar no exemplo de Cristo. Pedro que esteve sob a liderança direta de Jesus escreveu: “Aos presbíteros, que estão entre vós, admoesto eu, que sou também presbítero com eles, e testemunha das aflições de Cristo, e participante da glória que se há de revelar: apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho. E, quando aparecer o Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa da glória.” (1 Pe 5.1-4) 8.1 A liderança deve ser respeitada e valorizada: Em 1 Timóteo 5.17 lemos: “Os presbíteros que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina” A atitude da igreja em relação a seus lideres é esta: "Obedecei a vossos pastores, e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossas almas, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil." (Hb 13.17) Jesus deixou somente duas ordenanças à sua igreja: O Batismo e a Ceia. 9.1 O batismo: Mandamento de Jesus registrado em Mateus 28.19: “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.” A palavra batismo vem do grego “baptizo” que significa “imergir completamente”. O batismo não salva, mas é necessário porque simboliza o nosso compromisso com Cristo, ou seja, a morte e o sepultamento do velho homem e a ressurreição de um novo homem para viver a nova vida em Cristo. Em Romanos 6.3,4 lemos: “Ou não sabeis que todos quantos fomos batizados em Jesus Cristo fomos batizados na sua morte? De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida.” Em Colossenses 3.1-4 temos uma explicação desta ressureição espiritual: “Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que 9. AS ORDENANÇAS DE CRISTO À SUA IGREJA
  • 43. 43 são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai nas coi- sas que são de cima, e não nas que são da terra, porque já estais mortos, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus. Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então também vós vos manifestareis com ele em glória.” Este texto resume a nossa morte para o mundo e a nova vida em Cristo. (Veja João 3.5; Gl 2:20) 9.2 A ceia do Senhor: A ceia é um memorial do sacrifício de Jesus para nos salvar. Um dos textos mais lido na igreja por ocasião da Ceia está em 1 Coríntios 11.23-26 onde o apostolo Paulo diz: “Porque eu recebi do Senhor o que também vos ensinei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão; e, tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei; isto é o meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim. Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha.” Naquela noite primeiramente Cristo celebrou páscoa que apontava para Ele mesmo como o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo e logo ele instituiu a ceia usando pão e vinho, símbolos de seu sacrifício na cruz. Cristo comemorou antecipadamente a sua vitória sobre o pecado e a morte. O pão fala de sua carne dilacerada na cruz. Em Isaias 53.5 lemos: “Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.” Comer o pão significa também receber pela fé a Palavra de Deus, a qual nos alimenta espiritualmente. Em João 6.51 Jesus disse: “Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer deste pão, viverá para sempre; e o pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo.” No versículo 63 Cristo explica: “As palavras que eu vos disse são espírito e vida.” O vinho representa o sangue de Cristo derramado por nós. Cristo falou deste cálice quando estava em intensa angústia no jardim do Getsêmani, um pouco antes de ser humilhado pelos homens. (Veja Marcos 14.32-42). A Ceia do Senhor também anuncia Cristo até que Ele venha. Trata-se do arrebatamento da igreja, um tema que estudaremos mais adiante.
  • 44. 44 "Senhor dos Exércitos, bem-aventurado o homem que em ti põe a sua confiança." (Sl 84.12) A fé em Deus (fé salvadora) não se origina em nós mesmos, mas pelo contato com Palavra de Deus. Em Romanos 10.17 lemos: “De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.” Vejamos um exemplo: “E havia entre eles alguns homens cíprios e cirenenses, os quais entrando em Antioquia falaram aos gregos, anunciando o Senhor Jesus. E a mão do Senhor era com eles; e grande número creu e se converteu ao Senhor.” (At 11.20,21) Neste texto podemos ver que a Palavra gerou arrependimento, fé e a decisão de se render a Cristo para obedecê-lo como Senhor. Após a decisão por Cristo, precisamos perseverar na fé, ou seja, insistir em permanecer. Jesus não omitiu a seus discípulos as pressões que enfren- tariam: "Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo." (Jo 16.33) Alguns seguem a Cristo, movidos apenas por emoções e nunca se firmam na Palavra para nutrir um relacionamento sólido com Deus. Há também os que não concordam com o que encontram na Palavra de Deus e, por isso se decepcionam voltando-se para a velha vida mundana. Certa vez, a fala de Jesus foi considerada um “duro discurso” e o resultado foi que muitos deixaram de segui-lo. Felizmente houve exceções. Em João 6.67-69 lemos: “Então disse Jesus aos doze: Quereis vós também retirar-vos? Respondeu- lhe, pois, Simão Pedro: Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna. E nós temos crido e conhecido que tu és o Cristo, o Filho de Deus.” Pedro e os onze mostraram convicção e firmeza na decisão de seguir Jesus. Esta é a atitude digna de imitação! Provas virão. Você tem a mesma convicção de Pedro. A declaração dele foi prova que assimilou bem o ensino de Cristo: “Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida.” (Jo 5.24) Fé - Plena confiança na Palavra de DeusEstudo 06 1. A ORIGEM DA FÉ 2. A PERSEVERANÇA NA FÉ
  • 45. 45 Pedro e os onze escolheram o caminho da vida. Eles perceberam que rejeitar a Jesus seria voltar à condenação. A Bíblia diz: “Mas o justo viverá da fé; e, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele. Nós, porém, não somos daqueles que se retiram para a perdição, mas daque- les que creem para a conservação da alma.” (Hb 10.38,39) E os que se retiraram? Eles não tinham ideia para onde estavam indo. A coragem é uma marca dos discípulos de Cristo. Os covardes desistem. (Ap 21.8) E então? Pedro e os onze; nós que passamos da morte para a vida, por qual razão voltaríamos para o mundo? A Palavra de Deus nos convida para uma avaliação: “E que fruto tínheis então das coisas de que agora vos envergonhais? Porque o fim delas é a morte. Mas agora, libertados do pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna.” (Rm 6.21,22) Em Salmos 119.104 lemos também: "Pelos teus mandamentos alcancei entendimento; por isso odeio todo falso caminho." O justo viverá da fé! Isto significa crer que Jesus é o único que conduz à vida. Ele disse: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” (Jo 14.6) Também significa confessá-lo publicamente como Pedro fez. Sobre esta atitude Jesus nos diz: “Portanto, qualquer que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus. Mas qualquer que me negar diante dos homens, eu o negarei também diante de meu Pai, que está nos céus.” (Mt 10.32,33). Pedro decidiu com prudência? Sim, pois prudência é a habilidade de perceber antecipadamente o resultado de certa atitude. Como podemos evitar erros desta natureza? Em Provérbios 13.16 lemos: "Todo pru- dente procede com conhecimento, mas o insensato espraia a sua loucu- ra." Em Salmos 111.10 lemos também: "O temor do Senhor é o princípio da sabedoria; bom entendimento têm todos os que cumprem os seus mandamentos; o seu louvor permanece para sempre." A conclusão é simples: A Bíblia nos torna prudentes para tomar decisões certas! Paulo escreveu ao jovem Timóteo: “Tu, porém, permanece naquilo que apren- deste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido, e que 3. O JUSTO VIVERÁ DA FÉ! 4. FÉ E PRUDÊNCIA
  • 46. 46 desde a tua meninice sabes as sagradas Escrituras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus.” (2 Tm 3.14-15) O dicionário Aurélio define fundamento assim: certeza, base principal, prova, causa, motivo, fundação, alicerce. Em Efésios 2.20 vemos que somos “edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina..." No Antigo Testamento a pedra de esquina era a primeira a ser assentada e servia de base para o alinhamento das demais. Era também a base para que o edifício se erguesse na vertical como fora programado, sem risco de desabar. Esta pedra é uma simboliza Jesus, o qual Israel rejeitou. Em uma de suas pregações Pedro citou o Salmo 118.22 referindo-se a Cristo: “Pelo que também na Escritura se contém: Eis que ponho em Sião a pedra principal da esquina, eleita e preciosa; e quem nela crer não será confundido. E assim para vós, os que credes, é preciosa, mas, para os rebeldes, a pedra que os edificadores reprovaram, essa foi a principal da esquina, e uma pedra de tropeço e rocha de escândalo, para aqueles que tropeçam na palavra, sendo desobedientes; para o que também foram destinados.” (1 Pe 2.6-8) Nós porém aceitemos sempre a Palavra de Deus e sejamos edificados na Rocha inabalável que é Cristo. A verdade é: só pratica a Palavra de Deus quem tem fé que ela funciona! Ter fé na Palavra de Deus significa ter prudência! Jesus diz: “Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha; e desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e não caiu, porque estava edificada sobre a rocha. E aquele que ouve estas minhas palavras, e não as cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia; e desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e caiu, e foi grande a sua queda.” (Mt 7.24-27) Este texto mostra, entre outras coisas, que a adver- sidade vem sobre todos, mas a base correta para enfrentá-la (sem fracassar) é ter fé na Palavra de Deus! Em Isaias 26.4 lemos: "Confiai no Senhor perpetuamente, porque o Senhor Deus é uma rocha eterna." 5. O FUNDAMENTO DA FÉ 6. EDIFICADOS NA ROCHA PELA FÉ!
  • 47. 47 Em Hebreus 11.1 lemos assim: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que não se veem.” Vejamos: o que você espera quando ora ao Senhor? O que você espera quando lê a Bíblia? O que você espera quando prega a Palavra? Evidentemente se oramos é porque temos fé que Deus nos responderá; se lemos a Bíblia é porque temos fé que Deus falará conosco; se evangelizamos é porque temos fé que Jesus salvará alguém. E então? Você já teve alguma oração respondi- da? Deus já falou com você através da Bíblia? Já viu alguém ser salvo ao ouvir a Palavra? Glória a Deus, tudo isto acontece porque Deus tem compromisso em cumprir a sua Palavra. (Jr 1.12; Rm 9.28) Observe a comparação das frases: a) “Praticamos a Palavra de Deus porque temos certeza que ela funciona!” b) Praticamos a Palavra de Deus porque temos fé que ela funciona!” Então fé não é uma intuição, algo vago, abstrato, é certeza plena. A tradução bíblica Nova Versão internacional traduziu Hebreus 11.1 desta maneira: “Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos.” No tópico anterior vimos que a fé em Deus é fundamentada no que Deus diz em sua Palavra. Em Salmos 89.38 Deus nos garante: “Não quebrarei a minha aliança, não alterarei o que saiu dos meus lábios.” Então Ele cumprirá tudo o que deixou escrito! Nos primeiros livros da Bíblia Deus havia feito diversas promessas aos patriarcas Abraão, Isaque e Jacó (Israel). Josué viu o cumprimento de muitas promessas e fez menção da fidelidade de Deus declarando: "Palavra alguma falhou de todas as boas coisas que o Senhor falou à casa de Israel; tudo se cumpriu." (Js 21.45) Será que o povo de Israel tinha fé que essas promessas se cumpririam? Sim! Deus se agradou da fé deles, dai as promessas se cumpriram. Em Hebreus 11.6 lemos: “Ora, sem fé é impossível agradar a Deus; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam.” 7. COMO A BÍBLIA DEFINE A PALAVRA FÉ 8. AS PROMESSAS DE DEUS E A NOSSA FÉ