Sintomascomunsdaexistenciademaldicoes9

292 visualizações

Publicada em

Pastoreando uma Igreja Ferida

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
292
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sintomascomunsdaexistenciademaldicoes9

  1. 1. SINTOMAS COMUNS DA EXISTÊNCIA DE MALDIÇÃO. Parte I
  2. 2. DOM MINISTERIAL CONTAMINADO Quando a pessoa está “servindo a Deus” com dons espíritas.
  3. 3. Para alguns, isso pode parecer estranho e até inadmissível, mas se você estudar as cartas que Jesus enviou para as igrejas da Ásia vai se deparar exatamente com essas realidades. Jesus menciona que dentro das igrejas haviam os que eram da sinagoga de satanás (Esmirna), os que eram da doutrina de balaão, os que seguiam a doutrina dos nicolaítas (Pérgamo), os adeptos de Jezabel (Tiatira). Essa infiltração dos dons espíritas no ministério da igreja normalmente resulta de um passado de ocultismo vivido pela pessoa e também está associada a uma herança familiar de feitiçaria.
  4. 4. Quando analisamos as nossos origens como nação brasileira, e também a forma como a nossa história se desenrolou, percebemos uma pesada carga de ocultismo na nossa bagagem cultural. Nossa cosmovisão religiosa e cultural foi formada por um sincretismo envolvendo a pajelança nativa, o catolicismo islamizado de Portugal (sincretizado com a necromancia e outras formas de espiritismo), a quimbanderia negra dos escravos africanos e o kardecismo francês. Tudo isso se misturou dando origem a várias outras religiões.
  5. 5. Existem três opções para lidarmos com o nosso passado geracional: A primeira é ficar lamentando sobre as nossas terríveis heranças espirituais baseadas em imoralidade, ocultismo, violência e escravidão, como fomos roubados pelos colonizadores. A segunda seria, simplesmente, ignorar a nossa história e tentar remar o barco com a âncora lançada. Arrastar esse tipo de âncora pode fazer com que demoremos muito mais a chegar onde precisamos chegar no propósito de Deus e, até mesmo, colocar nossos esforços em colapso.
  6. 6. A terceira opção, é a mais viável, seria redimir a nossa história, desempenhando como igreja, o papel sacerdotal que nos cabe. “E eles edificarão as antigas ruínas, levantarão as desolações de outrora, e restaurarão as cidades assoladas, as desolações de muitas gerações.” Is 61:4 A maioria dos nossos familiares e antepassados se envolveram direta e indiretamente com ocultismo. Em muitas famílias percebe-se um cajado de feitiçaria sendo passado de geração em geração. Apesar do rótulo “católico, apostólico, romano”, ou também “evangélico”, em cada geração, é fácil encontrar uma ou mais pessoas envolvidas diretamente com ocultismo, magia, bruxaria, satanismo, espiritismo, sociedade secreta, e pajelança.
  7. 7. Qual é o sintoma latente em estas famílias? Pessoas desde criança apresentando dons sobrenaturais, como premonição, visão de espíritos, audição de vozes, viagem astral, adivinhação, incorporação e guia de entidades e outras formas de mediunidade. Médium, em latim significa “aquele que está no meio”, é a palavra usada pelo espiritismo para designar pessoas que seriam um elo entre o mundo dos vivos e o mundo dos mortos. A pessoa desde infância é acometida por uma forte atração e desejos estranhos ligados ao ocultismo, filmes de terror, feitiçaria, ligação com os mortos e perversão sexual.
  8. 8. A essência do ocultismo é receber e manipular conhecimento, poder, prazer e favores de todas as espécies provenientes de uma fonte espiritual realmente demoníaca, e não divina. Quando essas pessoas chegam à experiência da salvação na pessoa de Jesus, inicia-se um confronto com todos esses hábitos, e padrões. Que foram recebidos no ocultismo, seja por prática ou herança. A questão básica para ser trabalhada com esse tipo de pessoa é a idolatria pelo poder. Em praticamente todos os ramos do ocultismo desenvolve-se uma cultura de idolatria pelo sobrenatural, uma sensação arrogante de ser mais “especial”.
  9. 9. É comum pessoas recém-convertidas, que vieram do ocultismo, onde ocupavam até mesmo posições sacerdotais, que em pouco tempo já se auto estabelecem líderes e pastores de uma igreja. Continuam sendo inspiradas pela mesma concupiscência de poder que aprenderam no ocultismo. Se isso não for tratado, mesmo que o ministério dessa pessoa tenha uma roupagem evangélica a essência será espírita. O ponto mais importante a ser tratado em uma pessoa que veio das práticas ocultistas é a idolatria pelo poder. Essa é uma maneira sutil do inimigo se infiltrar na igreja eu e roubar a autoridade que Deus deu ao líder espiritual.
  10. 10. SIMÃO PEDRO X SIMÃO, O MAGO
  11. 11. O livro de Atos dos Apóstolos nos relata um grande exemplo, Atos 8:1-25. No versículo 13 Simão tinha uma admiração maior “pelo poder de Deus” do que pela “pessoa de Deus”. Simão tenta comprar esse poder que ele tanto cobiçava. (V. 18) Pedro consegue discernir a infiltração maligna e confronta a Simão, indo na verdadeira raiz do seu problema, que era, a idolatria pelo poder. (v.20-23)
  12. 12. Observemos que Simão já havia se convertido, já havia se batizado, foi discípulo de Filipe e era uma grande testemunha de conversão para todos em Samaria. Mas da mesma forma que se auto promovia manipulando o poder de satanás ele queria se promover com o poder de Deus. Era uma pessoa sincera que queria servir a Deus, porém agindo com a inspiração, espírita.
  13. 13. CAJADO OU COBRA? Ex 3: 1-22
  14. 14. Esse é outro exemplo tremendo, o exemplo de Moisés. Onde Moisés fora educado? No Egito, uma nação mergulhada no ocultismo, que cultuava os mortos construindo pirâmides, que na verdade eram túmulos ou altares aos espíritos de morte. Tudo isso contaminou a motivação de Moisés em ajudar o seu povo, a ponto dele matar uma pessoa. Moisés foge para Midiã e fica no seminário do pastor Jetro. Deus então não só cura o coração de Moisés como também purifica o seu ministério. Deus ordena a Moisés jogar o seu cajado no chão, e ele se transforma em serpente, Deus estava dizendo para Moisés que seu cajado ou seja o seu ministério estava contaminado.
  15. 15. Era necessário que Moisés enfrentasse o seu passado de feitiçaria, amargura, decepção que havia culminado em um assassinato no Egito. O segredo da libertação ministerial é abrir mão do ministério ou seja perder o ministério para Deus. Deixar o cajado se transformar em serpente e depois voltar um cajado puro sem nenhum vínculo do passado espírita.

×