Causas de Maldicao Parte II 18

866 visualizações

Publicada em

Pastoreando uma Igreja Ferida

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
866
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
64
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Causas de Maldicao Parte II 18

  1. 1. CAUSAS DE MALDIÇÃO PARTE II
  2. 2. QUEBRA DE ALIANÇAS.
  3. 3. QUEBRA DE ALIANÇAS NO CASAMENTO ADULTÉRIO E DIVÓRCIO.
  4. 4. “Porque o Senhor, Deus de Israel, diz que aborrece o repúdio e aquele que encobre a violência com a sua veste, diz o Senhor dos Exército; Portanto, guardai-vos em vosso espírito e não sejais desleais.” Malaquias 2:16 Adultério e repúdio estão implícitos um no outro. Estes são os principais mecanismos de destruição do matrimônio, deixando consequências amaldiçoadas. Malaquias está falando que o adultério é o aspecto principal do divórcio, que significa se vestir de violência. A carga de violência contida no divórcio pode destruir gerações.
  5. 5. No caso de Abraão e Hagar, a poligamia causou uma desestrutura familiar resultante na expulsão de Hagar e o seu filho. Isso, ao longo das futuras gerações desenvolveu um crescente conflito entre os descendentes de Ismael e Isaque, que continuam brigando até hoje, ameaçando a paz mundial. Essa guerra cultural do terror entre o bloco islâmico e o mundo judaico-cristão começou com um “simples” adultério que terminou em repúdio.
  6. 6. AS IMPLICAÇÕES DO ADULTÉRIO. O adultério é o rompimento da aliança trazendo espiritualmente uma pessoa estranha para dentro do casamento.
  7. 7. 1. Marginalização espiritual da pessoa que adulterou. Está cada vez mais difícil em nossas igrejas achar um homem que possa dizer: “Eu nunca traí a minha esposa!” 2. O adultério perturba emocionalmente o casamento, produzindo obsessão por ciúmes, desprezo, competição, desentendimento crônicos, e todo tipo de quebra e desvirtuamento na comunicação do casal. 3. O adultério também endemoniza a cama, contamina espiritualmente o leito, produzindo em um dos cônjuges ou em ambos inibição, interrupção ou até mesmo aversão sexual pelo outro. É da natureza do espírito do adultério remover o prazer sexual de dentro para fora do casamento.
  8. 8. 4. O adultério desprotege sexualmente a vida dos filhos, deixando-os susceptíveis a diversas possibilidades de perseguições e abusos sexuais. 5. O adultério de um dos cônjuges expõe o outro cônjuge, vítima da mesma situação. 6. O adultério afeta diretamente a vida financeira da família. O dinheiro começa a ser desviado para a imoralidade. A tendência é o espírito de adultério levar a família a bancarrota.
  9. 9. 7. O adultério implica no princípio ativo do escândalo e da decepção. Todo adultério, mais cedo ou mais tarde, se não for tratado, vai produzir uma situação crônica de decepção familiar, dor, rejeição, repúdio, divórcio e abandono.
  10. 10. PERSPECTIVA BÍBLICA SOBRE O DIVÓRCIO.
  11. 11. É importante considerar que a lei do divórcio exerce uma função civilizadora, ajudando a acomodar as pessoas envolvidas direta e indiretamente nessas situações de extremo conflito e trauma. Primeiramente, é importante estabelecer a diferença entre o repúdio e o divórcio. O repúdio envolve desonra, rejeição, ódio, separação, adultério, traição, abandono do lar, ameaça, violência, indisponibilidade de querer a reconciliação. Tudo isso vem da natureza de coração. É isso o que Deus odeia, como afirma o profeta Malaquias. É quando o relacionamento é intencionalmente inviabilizado no coração.
  12. 12. O divórcio é a carta, um simples documento formalizado, depois de um processo adequado, a decisão de um dos cônjuges ou de ambos de se repudiarem. O que realmente está em jogo não é o divórcio e sim o repúdio. O repúdio é uma falta moral; o divórcio é um dispositivo legal. O divórcio legaliza a separação, porém existe o aspecto espiritual. Em muitos casos o legal é absurdamente imoral, podendo ser socialmente aceitável, mas espiritualmente condenável.
  13. 13. ATÉ QUE A MORTE OS SEPARE.
  14. 14. É no namoro que temos que abrir bem os olhos, analisando que é a pessoa que você quer casar; por que depois não adianta alegar que o casamento não foi de Deus. A bíblia diz que o marido está ligado à sua mulher pela lei do matrimônio até que a morte os separe. “A mulher casada está ligada pela lei todo tempo em que seu marido vive; mas, se falecer o seu marido, fica livre para casar com quem quiser, contando que seja no Senhor.” I Co 7:39 Qualquer cônjuge que endurece o seu coração, repudiando o outro, desonrando a aliança de casamento, abandonando o lar, optando definitivamente pelo divórcio, está invocando a própria morte, como está escrito: “até que a morte os separe”.
  15. 15. O casamento é a escola do caráter, o principal teste para a verdadeira maturidade, envolvendo uma aliança de sangue para a vida inteira. Infelizmente, um ato percentual de casais fracassam nessa prova, que é um dos principais crivos o governo na igreja.
  16. 16. FIM

×