O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Termorregulação

8.679 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Termorregulação

  1. 1. TERMORREGULAÇÃO
  2. 2. EQUIPE Daiane Dambroski Daniele Moro Santana Helena do Amaral de Lima Joyce Ribeiro Letícia Araújo Fernandes Lucimara Strugava
  3. 3. Introdução Conceito de Termorregulação – Daniele Troca de Calor com o Ambiente – Daniele Produção de Calor – Helena Transferência de Calor no Corpo – Joyce Regulação da Temperatura – Lucimara Respostas Integradas – Daiane Febre, Intermação, hipotermia e ulceração pelo frio – Letícia
  4. 4. Conceito Termorregulação é a capacidade de manutenção da temperatura corpórea dentro de certos limites, mesmo quando a temperatura do ambiente é diferente.
  5. 5. Termorregulação Classificação quanto à capacidade de regulação da temperatura: Homeotermos: mantém sua temperatura corporal constante independente das variações do meio (mamíferos e aves) POIQUILOTÉRMICOS: aqueles cuja temperatura varia com as alterações da temperatura do meio (Peixes, répteis e anfíbios).
  6. 6. Poiquilotermos Poiquilotermos (ectodérmicos): Suas temperaturas corporais variam de acordo com a temperatura do ambiente. Fonte: http://www.panoramio.com/photo/16074030 Fonte: http://es.wikipedia.org/wiki/Ectotermia
  7. 7. Homeotermos Homeotermos (endotérmicos): Mantém temperatura corporal constante, na presença de variações consideráveis na temperatura ambiental. Fonte:http://cienciasbenoni6.blogspot.com.br/2010/11/mamiferos.html Fonte: http://www.o-que-e.com/o-que-e-homeotermos/
  8. 8. Temperatura do corpo depende: • Ganho de calor → metabolismo e fontes externas; • Irradiação da luz infravermelha (sol, atmosfera e objetos sólidos). Fonte: O autor Fonte: http://www.estimacao.com.br/como-alimentar-um-gato-recem-nascido/
  9. 9. Perda de calor → exposição à luz solar - Convecção; - Condução; - Evaporação ; - Irradiação infravermelha do animal. Fonte: Adaptado de CUNNINGHAM, 2008
  10. 10. Troca de calor com o ambiente Perda por convecção: Quando o ar ou água em contato com a pele é aquecido (a), ele (a) flui pra longe expondo a pele. Fonte: O autor Fonte:http://www.espacoturismo.com/ecoturismo/parques- nacionais/parque-mamiferos-aquaticos
  11. 11. Perda de calor por condução Ocorre quando o corpo está em contato com uma superfície mais fria. http://agroevento.com/agenda/curso-cirurgias-pequenos-animais-3/ http://www.simposiumvet.pt/Media/NoticiaDetails?pk_media=240
  12. 12. Perda de calor por Irradiação Infravermelha e Absorção por Objetos O calor pode ser perdido para paredes não isoladas de uma construção, mesmo que o ar ambiente esteja aquecido. Fonte: http://flickr.com/photos/fabio
  13. 13. Perda de calor por evaporação  Ocorre continuamente pela difusão de água através da pele e pela perda de calor;  Glândulas sudoríparas tubulares e espiraladas (apócrinas e écrinas);  No cão e suíno são pouco desenvolvidas e de pouca utilidade na termorregulação.
  14. 14. Perda de calor Roedores e lagomorfos (semelhante a lebre); Ofego: ↑ a evaporação no trato respiratório. Fonte: O autor Fonte:http/;jornaldacanastra.com.br/jornal/index.php?option=com_content&view =article&id=789:um-cao-chamado-valente&catid=11:causos- debambui&Itemid=12
  15. 15. Produção de Calor De onde vem o calor do corpo?  O calor que os homeotermos conseguem manter constante na presença de variações significativas de temperatura ambiente, e que os poiquilotermos variam por métodos comportamentais de acordo com a temperatura ambiente?
  16. 16. Produção de Calor O calor é um subproduto de todos os processos metabólicos:  Metabolismo de carboidratos;  Metabolismo de gorduras;  Metabolismo de proteínas;  Também a partir da troca de calor com o ambiente através de radiação, condução e convecção.
  17. 17. Produção de Calor O metabolismo mínimo que mantém um organismo vivo pode ser medido pela taxa metabólica basal:  Quantidade de energia metabólica medida sob o mínimo estresse, enquanto o animal ainda está em jejum;
  18. 18.  O metabolismo basal é mais elevado em homeotermos do que em poiquilotermos;  Em poiquilotermos a taxa metabólica será tanto maior quanto maior for a temperatura ambiente.  A taxa metabólica por quilo de peso corporal é mais elevada em mamíferos menores do que nos maiores; Produção de Calor
  19. 19. Relação superfície/volume em pequenos animais.  A superfície de perda de calor dos pequenos animais é relativamente maior que nos grandes animais. Assim precisam gerar mais calor, pois trocam mais facilmente com o meio. Produção de Calor Calor dissipa-se mais facilmente do interior para a periferia. Armazena melhor o calor no seu interior. Fonte: O Autor Fonte: O Autor
  20. 20. Produção de Calor  Relação entre o peso corporal e a produção de calor: Fonte: CUNNINGHAM, 2008. Grandes animais produzem uma quantidade de calor maior que a quantidade de calor que perdem para o meio.
  21. 21. O tremor produz calor pela contração muscular:  Grupos musculares dos membros são ativados de modo que não produzem trabalho útil;  A energia química usada no tremor é transferida para o centro do corpo como calor. Produção de Calor
  22. 22.  A termogênese sem tremor é um aumento da taxa do metabolismo basal, causada especialmente pela oxidação dos ácidos graxos para produzir calor:  Quando os animais são expostos cronicamente ao frio, eles desenvolvem uma habilidade de elevar a produção de calor metabólico sem o tremor (termogênese sem tremor). Produção de Calor
  23. 23.  A termogênese sem tremor é mediada por:  Secreção de tiroxina (T4) que faz com que ocorra o aumento do metabolismo;  Efeitos das catecolaminas sobre os lipídeos; Produção de Calor
  24. 24.  As catecolaminas aumentam o metabolismo de todas as gorduras, principalmente a do tecido adiposo marrom;  Tecido adiposo marrom é uma gordura especializada, muito vascularizada, rica em mitocôndrias, encontrado entre as escápulas dos pequenos mamíferos recém- nascidos;  O calor produzido é distribuído pelo corpo através da corrente sanguínea. Produção de Calor
  25. 25.  Exercício  Processos metabólicos Tiroxina (T4)  Trabalho muscular  Respiração  Digestão de alimentos  Produção de leite  Catecolaminas Lipídeos Produção de Calor Calor
  26. 26. Transferência de calor pelo corpo  Como os tecidos são maus condutores térmicos, o calor é transferido mais efetivamente pelo sangue.  Produção de calor → Músculos dos Membros e Fígado  Eliminação → pele e trato respiratório Fonte:http://www.jobmix.com.br
  27. 27. Transferência de calor pelo corpo  O sangue que perfunde um órgão metabolicamente ativo recolhe calor e transfere-o para as partes mais frias do corpo por convecção circulatória;  Sob condições de estresse provocado pelo calor:  Arteríolas dos leitos vasculares cutâneos se dilatam;  Anastomoses arteriovenosas nos membros, orelhas e focinhos. Fonte: O Autor.
  28. 28. Transferência de calor pelo corpo Aumento do fluxo total de sangue para periferia → liberação de calor eleva a temperatura da pele → facilidade na perda de calor. Fonte: http://blogs.jovempan.uol.com.br
  29. 29. Transferência de calor pelo corpo  Sob condições de estresse provocado pelo frio:  Arteríolas dos leitos vasculares cutâneos se contraem;  Anastomoses arteriovenosas se fecham → temperatura da pele e dos membros diminuem resultando em uma menor perda de calor. Fonte:http://s.glbimg.com/jo/g1/f/original/2012/01/24/000_hkg6842759.jpg
  30. 30. Transferência de calor pelo corpo CALOR FRIO CUNNINGHAN, 2008Fonte: CUNNINGHAN, 2008
  31. 31. Transferência de calor pelo corpo  Mecanismos de troca de calor em contracorrente são usados para conservar e perder calor. Fonte: CUNNINGHAN, 2008
  32. 32. • Transferência de calor pelo corpo  REDE CAROTÍDEA – OVINOS Mecanismo importante durante o exercício O sangue arterial, que transporta o calor dos músculos em exercício, é resfriado antes de penetrar no cérebro. Fonte: http://www.uel.br/pessoal/ambridi/Bioclimatologia_arquivos/caracteristicas%20cutaneas.pdf Cavidade nasal Cérebro Artéria carótida
  33. 33. Transferência de calor pelo corpo  BOLSA GUTURAIS- EQUINOS O calor é transferido do sangue que está sendo levado para o cérebro para a bolsa gutural, protegendo o cérebro de hipertermia. Fonte: CUNNINGHAN, 2008
  34. 34. Transferência de calor pelo corpo Fonte: http://download.ultradownloads.com.br/wallpaper/71941_Papel-de-Parede-Cavalo--71941_1600x1200.jpg  Os seios venosos cavernosos intracranianos podem ajudar no resfriamento do cérebro do cavalo durante o exercício. Acredita-se que tal mecanismo funcione da mesma maneira que a rede carotídea, mas de forma menos eficiente.
  35. 35. Regulação da Temperatura  Manutenção da temperatura é controlada por:  Perda  Ganho Calor Fonte: o autor Fonte: o autor
  36. 36.  Frio Alteração na T central Neurônios termossensíveis conservação de calor, antes que a T Regulação da Temperatura
  37. 37. T: Neurônios sensíveis ao calor disparos: sudorese Neurônios termoinsensíveis: disparos constantes Ajuste: disparos se soprepõem Fonte: Adaptado de CUNNINGHAM, 2008
  38. 38. Fonte: Adaptado de: blog.africaraw.com/not-too-hot-and-not-too-cold-jargon-in-heat-regulation-its-greek-to-me-part-3/
  39. 39. Temperatura retal média de várias espécies Animal T ºC (média) Limites Garanhão 37,6 37,2 - 38,1 Égua 37,8 37,3 - 38,2 Jumento 37,4 36,4 - 38,4 Camelo 37,5 34,2 - 40,7 Vaca de corte 38,3 36,7 - 39,1 Vaca leiteira 38,6 38 - 39,3 Ovelha 39,1 38,3 - 39,9 Cabra 39,1 38,5 - 39,7 Porco 39,2 38,7 - 39, 8 Cão 38,9 37,9 - 39,9 Gato 38,6 38,1 - 39,2 Coelho 39,5 38,6 - 40,1 Galinha 41,7 40,6 - 43 Fonte: CUNNINGHAM; REECE, 2008. Fonte: www.dicasdesaude.info/cuidados/termometro-para-febre
  40. 40. Respostas Integradas  Zona de neutralidade  Taxa metabólica  Quantidade de isolamento térmico Fonte: http://viralatando.blogspot.com.br/2013/03/c aes-e-gatos-estao-cada-vez-mais- Fonte:http://www.sobiologia.com.br/conteudos/ oitava_serie/Calor5.php
  41. 41. Resposta ao Estresse Causado pelo calor  Vasodilatação periférica  Maior resfriamento por evaporação Fonte:http://caoleotta.blogspot.com.br/p/dicas-deveterinarios.html Fonte:http://www.slideshare.net/sandranascimento/iiitermorregula o?from_search=1
  42. 42.  Vasodilatação Periférica Fonte: http://www.slideshare.net/nunocorreia/b23-regulao-nervosa-e-hormonal-em-animais-termorregulao-e- osmorregulao Fonte: O autor
  43. 43.  Maior Resfriamento por Evaporação Fonte: http://www.ranchodotonicao.com.br/index.php/2012/02/11/no- verao-os-caes-nao-precisam-de-desodorantes/ Fonte: http://www.slideshare.net/sandranascimento/iii- termorregulao?from_search=1
  44. 44. Resposta ao Estresse  Causado pelo frio  Vasoconstrição Periférica  Piloereção  Produção de calor metabólico por termogênese
  45. 45.  Vasoconstrição Periférica http://www.slideshare.net/sandranascimento/iii-termorregulao?from_search=1
  46. 46.  Piloereção Fonte: http://www.slideshare.net/sandranascimento/iii-termorregulao?from_search=1
  47. 47. Fonte: http://www.slideshare.net/nunocorreia/bg26-regulao-nos-seres-vivos-regulao-hormonal
  48. 48. Não decorrente de tremores  Neonatos  Gordura marrom Fonte:http://www.slideshare.net/nunocorreia/bg26-regulao-nos-seres-vivos-regulao-hormonal
  49. 49. Febre  Resposta a uma elevação no ponto de ajuste termorregulatório Fonte: http://www.agendapet.com.br/2013/03/saiba-o-que-e- pielonefrite-em-caesas-causas-sinais-e-tratamento-dessa-infeccao- nos-rins.html
  50. 50. Febre Fonte: http://pt-br.infomedica.wikia.com/wiki/Fisiopatologia_da_Febre
  51. 51. Febre Reduzem a quantidade de IL-1 e FNT produzidos pelas células envolvidas na indução da febre; Controle natural dos pirogênios endógenos por ação de citocinas específicas IF- γ ,IL-4 e IL-6.
  52. 52. Febre Drogas bloqueadoras da cicloxigenase como a aspirina, flunixin-meglumine e ibuprofeno são usadas para tratar a febre Fonte: http://bichoscaprichosvet.blogspot.com.br/2011/03/normal-0-21-false-false-false.html
  53. 53. Febre Fonte: CUNNINGHAN, 2008
  54. 54. Intermação Ocorre quando a produção ou o ganho de calor excede a perda, de maneira que a temperatura corporal se eleva a níveis perigosos; Em climas quentes, o exercício extenuante pode levar a um aumento perigoso na temperatura corporal.
  55. 55. Intermação  O ofego, a sudorese ou ambos resultam na desidratação e colapso respiratório, de maneira que fica mais difícil transferir calor para a pele;  41,5 a 42,5 C função celular prejudicada. Fonte: http://noticias.uol.com.br/album/110824animais_album.jhtm Fonte:http://www.redetv.com.br/jornalismo/portaljor nalismo/Noticia.aspx?118,4,439382,200,Sorvete- alivia-calor-de-animais-em-zoologico-no-Rio
  56. 56. Hipotermia  Ocorre quando a perda de calor excede sua produção, de maneira que a temperatura corporal cai a níveis perigosos;  Animais de porte pequeno ou doentes.
  57. 57. Hipotermia Neonatos e animais senis são os principais candidatos a hipotermia; Fonte: http://dicaspeludas.blogspot.com.br/2013/07/hipotermia-em-caes-e- gatos.html#!/2013/07/hipotermia-em-caes-e-gatos.html
  58. 58. Queimadura por congelamento Cristais de gelo se formam nos tecidos das extremidades; Vasoconstrição para conservar calor; Gangrena.
  59. 59. Queimadura por congelamento Normalmente a queimadura pelo frio é impedida devido a vasodilatação da musculatura lisa. Fonte:http:/dicaspeludas.blogspot.com.br/201 3/07/hipotermia-em-caes-e- gatos.html#!/2013/07/hipotermia-em-caes-e- gatos.html Fonte:http://greenstyle.com.br/tag/urso-polar
  60. 60.  A água é o elemento mais importante para a manutenção do metabolismo animal, estando envolvida diretamente em todos os processos fisiológicos necessários para um desempenho satisfatório;  Apesar dos animais poderem sobreviver após a perda de quase toda a gordura e de cerca de 50% de sua proteína corporais, uma perda de água de apenas 10% pode ser fatal. Fonte:http://teclopravoces.blogspot.com.br
  61. 61. Curiosidades Fonte: www.curiosidadesdomundo.com/a-maior-orelha-do-mundo/ A pele das orelhas, irrigadas, fazem com que o animal dissipe o calor do corpo, sempre que abana as orelhas, equilibrando assim a temperatura interior.
  62. 62. Referências Bibliográficas RECEE, W. O. Calor corpóreo e regulação da temperatura. Anatomia Funcional e Fisiologia dos Animais Domésticos. 3ª edição. São Paulo. Editora Roca, p.349 - 357, 2008. CUNNINGHAM, J. G. Termorregulação. Tratado de Fisiologia Veterinária. 3ª edição. Rio de Janeiro. Editora Guanabara Koogan, p.550 - 561, 2008. Rocha, N. C. Termorregulação. Disponível em: http://www.uff.br/fisiovet/Conteudos/termorregulacao.htm. Acesso em: 05/10/2013.
  63. 63. Obrigada!
  64. 64. Fonte:http://teclopravoces.blogspot.com.br/

×