B23 regulação nervosa e hormonal em animais (termorregulação e osmorregulação)

9.261 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.261
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.410
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
479
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

B23 regulação nervosa e hormonal em animais (termorregulação e osmorregulação)

  1. 1. Lá no alto das montanhas Qin Ling, na região central da China, um primata ágil, com umfocinho esquisito, conquistou uma paisagem implacável. O rinopiteco-dourado é uma decinco espécies aparentadas entre si. Ele é também o sobrevivente de populações emtempos amplamente disseminadas por domínios que se foram restringindo devido àsalterações climáticas ocorridas após a última idade do gelo. Organizados em bandosterritoriais que por vezes excedem os 400 animais, os grupos sobreviventes estãonovamente a perder território, desta vez por culpa do abate madeireiro, da colonizaçãohumana e dos caçadores ávidos da sua carne, ossos e pelagem luxuosa. Muitos foramempurrados para o isolamento das grandes altitudes, onde pulam nos galhos, atravessamrios gelados e suportam invernos a quase três mil metros de altitude, protegidos pelo seutão cobiçado casaco.http://www.nationalgeographic.pt/articulo_print.jsp?id=2340068 Nuno Correia 10/11 2
  2. 2. A regulação da homeostasia implica retroalimentação Nuno Correia 10/11 3
  3. 3. Nuno Correia 10/11 4
  4. 4. Nuno Correia 10/11 5
  5. 5. Nuno Correia 10/11 6
  6. 6. Nuno Correia 10/11 7
  7. 7. A temperatura é um factor que influencia em muito os seres vivos. Nuno Correia 10/11 8
  8. 8. Nuno Correia 10/11 9
  9. 9. Factor Limitante É um factor ambiental, cuja variação (e factores atingidos pode impedir a sobrevivência de determinadas espécies. Nuno Correia 10/11 10
  10. 10. Termorregulação Conjunto de mecanismos desencadeados para manterem o corpo a temperaturas compatíveis com a vida. Nuno Correia 10/11 11
  11. 11. Como se classificam os animais, de acordo com as respostas às alterações da temperatura? Nuno Correia 10/11 12
  12. 12. Nuno Correia 10/11 13
  13. 13. Possuem temperatura Homeotérmicos corporal constante Possuem mecanismos Endotérmicos fisiológicos para controlo da temperaturaAnimais Possuem temperatura Poiquilotérmicos corporal variável Apresentam mecanismos Ectotérmicos comportamentais de controlo da temperatura Nuno Correia 10/11 14
  14. 14. Nuno Correia 10/11 15
  15. 15. Nuno Correia 10/11 16
  16. 16. Nuno Correia 10/11 17
  17. 17. Que estratégias comportamentais são adoptadas pelos animais para controlar a sua temperatura corporal?  Mecanismos de aclimatização  Mecanismos comportamentais  Mecanismos fisiológicos Nuno Correia 10/11 18
  18. 18. Regulação da temperatura nos animais homeotérmicos Nuno Correia 10/11 19
  19. 19. Que mecanismos são desencadeados pelo hipotálamo em situações de variação de temperatura? Nuno Correia 10/11 20
  20. 20. Relação entre o aumento da temperatura ambiental e a perda de calor por vasodilatação Nuno Correia 10/11 21
  21. 21. Relação entre o aumento da temperatura ambiental e a perda de calor por sudorese Nuno Correia 10/11 22
  22. 22. Nuno Correia 10/11 23
  23. 23. Nuno Correia 10/11 24
  24. 24. Nuno Correia 10/11 25
  25. 25. Nuno Correia 10/11 26
  26. 26. Hipotálamo Responde a alterações da temperatura corporal Aumento DiminuiçãoDesencadeia as respostas: Desencadeia as respostas: Vasodilatação Vasodilatação. Piloerecção; Sudorese tremores Nuno Correia 10/11 27
  27. 27. Nuno Correia 10/11 28
  28. 28. Nuno Correia 10/11 29
  29. 29. Alguns animais apresentam um mecanismo de contracorrente que se revela uma eficaz estratégia.Muitos animais endotérmicos ealguns exotérmicos conseguemfazer variar diferencialmente ovolume sanguíneo que circulano núcleo do corpo e na suaperiferia.Este facto está relacionado coma capacidade de vasoconstriçãoe vasodilatação dos vasossanguíneos, despoletada porsinais nervosos que relaxam osmúsculos das paredes destesvasos. Nuno Correia 10/11 30
  30. 30. A figura resume o princípio da contracorrente aplicado às transferências de energia calorífica. Nuno Correia 10/11 31
  31. 31. Um outro mecanismo envolvido nas transferências de calor em seres vivos é conhecido por contracorrente.Este mecanismo é particularmente evidente em seres vivos endotérmicos marinhos, onde o meio aquáticoimplica, normalmente, o contacto constante com tem-peraturas inferiores às necessidades funcionais dealguns órgãos do organismo.A proximidade física entre artérias e veias possibilita permutas de calor. Regra geral, este mecanismo éutilizado para aprisionar calor nas zonas mais in-ternas do corpo e para diminuir as perdas de calor pelasextremidades.No entanto, estudos efectuados em golfinhos machos revelaram que este animal utiliza o mesmomecanismo para arrefecer as gónadas internas, isto é, os testículos. Nuno Correia 10/11 32
  32. 32. Os animais endotérmicos, como o golfinho, controlam a sua temperatura corporal,produzindo ou perdendo calor.Este facto está intimamente relacionado com a variação da sua taxa metabólica.O gráfico relaciona a temperatura corporal e a taxa metabólica do golfinho, de acordocom a variação da temperatura ambiental. Nuno Correia 10/11 33
  33. 33. Osmorregulação Todos os animais possuem uma percentagem elevada de água em relação ao peso total do seu organismo. A desidratação pode provocar a morte, sendo, por isso, fundamental manter o equilíbrio hídrico. Nuno Correia 10/11 34
  34. 34. Nuno Correia 10/11 35
  35. 35. Nuno Correia 10/11 36
  36. 36. Nuno Correia 10/11 37
  37. 37. Nuno Correia 10/11 38
  38. 38. Seres VivosOsmoconformantes Osmorreguladores Nuno Correia 10/11 39
  39. 39. Nuno Correia 10/11 40
  40. 40. Nuno Correia 10/11 41
  41. 41. Nuno Correia 10/11 42
  42. 42. Nuno Correia 10/11 43
  43. 43. Etapas do Sistema Excretor Nuno Correia 10/11 44
  44. 44. Nuno Correia 10/11 45
  45. 45. Nuno Correia 10/11 46
  46. 46. Nuno Correia 10/11 47
  47. 47. Nuno Correia 10/11 48
  48. 48. Nuno Correia 10/11 49
  49. 49. Glândulas de sal Nuno Correia 10/11 50
  50. 50. Nuno Correia 10/11 51
  51. 51. Nuno Correia 10/11 52
  52. 52. Nuno Correia 10/11 53
  53. 53. Nuno Correia 10/11 54
  54. 54. Nuno Correia 10/11 55
  55. 55. Nuno Correia 10/11 56
  56. 56. Nuno Correia 10/11 57
  57. 57. Nuno Correia 10/11 58
  58. 58. Nuno Correia 10/11 59
  59. 59. Nuno Correia 10/11 60
  60. 60. Nuno Correia 10/11 61
  61. 61. Nuno Correia 10/11 62
  62. 62. Nuno Correia 10/11 63
  63. 63. Nuno Correia 10/11 64
  64. 64. Nuno Correia 10/11 65
  65. 65. Nuno Correia 10/11 66
  66. 66. Nuno Correia 10/11 67
  67. 67. Nuno Correia 10/11 68
  68. 68. Nuno Correia 10/11 69

×