Movimentos transmembranares

4.120 visualizações

Publicada em

1 comentário
3 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.120
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
307
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Movimentos transmembranares

  1. 1. TRANSPORTE TRANSMEMBRANAR Margarida Barbosa Teixeira
  2. 2. Transportes transmembranares2  A membrana plasmática é atravessada livremente por pequenas moléculas, a favor de um gradiente de concentração no final deste processo, quando os dois meios ficam com concentrações iguais de soluto (meios isotónicos), é atingido o equilíbrio dinâmico.  De entre os processos passivos de transporte de substâncias distinguem-se: • Osmose • Difusão simples • Difusão facilitada
  3. 3. Osmose3
  4. 4. Osmose4  Osmose é o movimento de água através de uma membrana com permeabilidade selectiva (permeável à água e impermeável ao soluto)  Ocorre sempre do meio hipotónico (com menor concentração de soluto) para o meio hipertónico (com maior concentração de soluto)  Quando os meios atingem uma concentração igual de soluto (meios isotónicos), a água passa a deslocar-se em ambos os sentidos, na mesma quantidade.  É um caso particular de difusão simples.
  5. 5. Osmose5  Pressão osmótica é a pressão necessária para contrabalançar a tendência da água para se mover, através de uma membrana selectivamente permeável, da região onde há maior quantidade de moléculas de água (hipotónica) para a região onde há menor quantidade de moléculas de água (hipertónica) É a pressão que é necessário exercer para impedir a osmose.  A pressão osmótica do meio é directamente proporcional à presença de solutos. a água tende a mover-se de uma região com menor pressão osmótica (solução hipotónica) para uma região com maior pressão osmótica (solução hipertónica).
  6. 6. Osmose6  Potencial hídrico mede a tendência relativa para a água deixar uma localização em favor de outra.  A água desloca-se dos sistemas com maior potencial de água para os de menor potencial de água até se atingir o equilíbrio dinâmico.  Depende da concentração do soluto É inversamente proporcional à concentração dos solutos (mais hipertónica menor potencial hídrico) Diminui pela adição de solutos
  7. 7. Osmose7 Baixa concentração de soluto Elevada concentração de soluto (meio hipotónico) (meio hipertónico) Concentração de água mais elevada H2O Concentração de água mais baixa (elevado potencial hidríco) (baixo potencial hidríco) Menor pressão osmótica Maior pressão osmótica
  8. 8. Osmose8  A velocidade osmótica varia com a diferença de concentração entre os dois meios é directamente proporcional à diferença de concentração entre os dois meios
  9. 9. Osmose em células animais9 A água sai da célula Quantidade de A água entra na célula A água entra água que entra é continuamente na célula O volume celular igual à que sai diminui O volume celular A membrana plasmática A superfície fica O volume e forma aumenta rompe enrugada mantêm-se Célula plasmolisada Célula túrgida Lise celular
  10. 10. Osmose em células animais10 Hemácias bicôncavas Hemácias plasmolisadas Hemácias túrgidas
  11. 11. Osmose em células animais11  As células animais realizam trocas de água com o meio exterior mas, como não possuem parede celular, quando colocadas em meios fortemente hipotónicos, como é o caso da água destilada, podem rebentar.
  12. 12. Osmose em células vegetais12 Meio extracelular hipotónico Meio extracelular hipertónico Célula túrgida Célula plasmolisada
  13. 13. Osmose em células vegetais13  As células vegetais apresentam uma parede celulósica permeável à água.  No entanto, devido à sua rigidez, o volume da célula não se altera.  A entrada de água dá-se principalmente para os vacúolos, que aumentam e diminuem de volume conforme a concentração do meio que envolve as células.
  14. 14. Osmose em células vegetais14  Quando inseridas num meio fortemente hipotónico o volume vacuolar aumenta grandemente, pressionando a parede celular (pressão de turgescência) A parede celular exerce uma pressão sobre o vacúolo (pressão da parede) de igual valor da pressão de turgescência, mas de sentido oposto. A quantidade de água que entra na célula é igual à que sai Não ocorre lise celular
  15. 15. Difusão simples15  As moléculas tendem a deslocar-se ao acaso, em todas as direcções, distribuindo-se uniformemente, fazendo com que, numa solução, a concentração de soluto seja homogénea e se mantenha assim ao longo do tempo.  Quando se adiciona um soluto a um solvente (por exemplo, sal a água) cria- se temporariamente uma zona de maior concentração de solutos Movimento espontâneo das moléculas do soluto a favor do gradiente de concentração do meio onde a sua concentração é mais elevada (meio hipertónico) para o meio onde a sua concentração é mais baixa (meio hipotónico), até atingirem uma distribuição uniforme. Difusão simples
  16. 16. Difusão simples16 Soluto
  17. 17. Difusão simples17  A velocidade de difusão é directamente proporcional à diferença de concentração entre os meios intracelular e extracelular.  À medida que ocorre a difusão, a diferença de concentração entre os meios intracelular e extracelular reduz a velocidade de difusão diminui
  18. 18. Difusão simples18  A bicamada fosfolipídica só pode ser atravessada por • moléculas lipossolúveis, • moléculas de pequeno tamanho, • moléculas sem carga global.  Parte da água e os iões atravessam a membrana, por difusão, através de poros – canais de água (aquaporínas) e canais iónicos.
  19. 19. Difusão facilitada19 Moléculas polares de dimensões consideráveis (ex: glicose) não podem atravessar a membrana plasmática por difusão simples, podem fazê-lo através da intervenção de proteínas membranares transportadoras (permeases), a favor do gradiente de concentração, sem gasto de energia. Difusão facilitada.
  20. 20. Difusão facilitada20
  21. 21. Difusão facilitada21 Etapas da Difusão facilitada: 1 – Ligação da molécula a transportar com a permease; 2 – Alteração conformacional da permease, permitindo a passagem da molécula através da membrana, e sua separação da permease na outra face da membrana; 3 – Regresso da permease à forma inicial
  22. 22. Difusão facilitada22
  23. 23. Difusão simples v/s Difusão facilitada23 B - Difusão facilitada A velocidade de transporte da substância: - aumenta com a concentração; - para baixa diferença de concentração é superior à da difusão simples; - mantém-se quando todos os locais de ligação das permeases estão ocupados (saturação), mesmo que a concentração aumente – velocidade máxima. A - Difusão simples Quando a concentração da A velocidade de movimentação do molécula a transportar é elevada soluto é as permeases ficam todas directamente proporcional à ocupadas, ou seja saturadas, e a diferença de taxa de incorporação (de entrada) concentração entre os dois meios. estabiliza.
  24. 24. Difusão simples v/s Difusão facilitada24
  25. 25. Transporte activo25  Em muitas situações biológicas, iões ou moléculas necessitam de ser transportados, através da membrana, de regiões onde se encontram menos concentrados (hipotónicas) para regiões onde se encontram mais concentrados (hipertónicas). movimento do soluto através de proteínas membranares (ATPases) contra o gradiente de concentração requer dispêndio de energia (ATP) Transporte activo
  26. 26. Transporte activo26 Teores relativos de diferentes iões em células de mamíferos  A diferença de concentrações dos iões, entre os meios intracelular e extracelular, é mantida por transporte activo.  Esta diferença de concentração é mantida pela célula uma vez que é necessária ao seu metabolismo.
  27. 27. Transporte activo27
  28. 28. Síntese28  A bicamada fosfolipídica da membrana plasmática é selectivamente permeável.  Na estrutura da membrana plasmática existem proteínas que permitem que as moléculas entrem e saiam na célula.
  29. 29. Síntese29
  30. 30. Transporte de partículas de maiores dimensões Endocitose e Exocitose30 As células possuem recursos que permitem o transporte, para o interior ou para o exterior, de macromoléculas, de partículas com maiores dimensões ou mesmo de pequenas células Endocitose e Exocitose
  31. 31. Endocitose31 Endocitose  Transporte em que há a inclusão de material por invaginação da membrana plasmática.  As invaginações da membrana progridem e separam-se da membrana plasmática, constituindo vesículas endocíticas.  Intervém na captação de partículas, transporte de moléculas através de células e armazenamento de reservas na célula.
  32. 32. Endocitose32  Dependendo do tipo de material que entra na célula distinguem-se três tipos de endocitose: • Fagocitose, • Pinocitose, • Endocitose mediada por receptores. Fagocitose A célula emite prolongamentos que envolvem partículas de maiores dimensões, acabando por englobá-las, formando vesículas fagocíticas.
  33. 33. Endocitose33
  34. 34. Endocitose34 Pinocitose Pequenas gotas de fluido são captadas em invaginações da membrana plasmática. As invaginações acabam por formar pequenas vesículas pinocíticas. Endocitose mediada por receptores As macromoléculas entram na célula ligadas a receptores específicos. A membrana plasmática invagina formando vesículas endocíticas.
  35. 35. Exocitose35 Exocitose  Transporte pelo qual a célula pode expulsar para o exterior determinadas substâncias através de vesículas – vesículas secretoras ou exocíticas - cuja membrana se funde com a membrana celular.  Intervém quando são lançados no meio extracelular produtos sintetizados por células glandulares e na eliminação de resíduos de digestão intracelular de partículas alimentares.
  36. 36. Síntese global36

×