Ficha Técnica
Título:
“Écrans de Visualização – Normas e Procedimentos”
Autores:
Técnicas de Saúde Ambiental
Carmo Pereira...
Écrans de Visualização Setembro 2003
GLOSSÁRIO
LUX – Unidade de medida da intensidade de iluminação. (Manual de
Ergonomia,...
Écrans de Visualização Setembro 2003
ÍNDICE
Pág.
GLOSSÁRIO ..................................................................
Écrans de Visualização Setembro 2003
5.4.2 O Descanso para os Pés ...........................................................
Écrans de Visualização Setembro 2003
1. INTRODUÇÃO
Actualmente o trabalho com écrans de visualização tem mais
representati...
Écrans de Visualização Setembro 2003
2. OBJECTIVOS
•
•
•
Dar ferramentas à entidade empregadora para fazer monitorização.
...
Écrans de Visualização Setembro 2003
3. O QUE É O TRABALHO COM ÉCRANS DE VISUALIZAÇÃO?
Quando se fala muito simplesmente d...
Écrans de Visualização Setembro 2003
4. QUAIS AS PRINCIPAIS QUEIXAS NO TRABALHO COM ÉCRANS?
O trabalho com écrans de visua...
Écrans de Visualização Setembro 2003
4.3 PERTURBAÇÕES DE ORDEM PSICOLÓGICA
É preciso não esquecer as dificuldades de ordem...
Écrans de Visualização Setembro 2003
5. ELEMENTOS E EXIGÊNCIAS DO POSTO DE TRABALHO COM
ÉCRANS DE VISUALIZAÇÃO
Nos postos ...
Écrans de Visualização Setembro 2003
5.1.3 Mobilidade do écran
Para permitir um posicionamento óptimo em função das exigên...
Écrans de Visualização Setembro 2003
•
•
•
•
•
•
A inclinação do documento deve corresponder de muito perto à do écran.
Pa...
Écrans de Visualização Setembro 2003
•
•
•
•
•
•
O tampo da mesa difere com a estatura das pessoas e com o comprimento das...
Écrans de Visualização Setembro 2003
•
•
•
•
Deve ter no mínimo 40 cm de largura, uma profundidade não inferior a 30 cm,
u...
Écrans de Visualização Setembro 2003
•
•
•
•
•
Para os postos de trabalho com écrans são indicadas cadeiras giratórias com...
Écrans de Visualização Setembro 2003
5.6 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE UMA POSTURA CORRECTA
Em numerosas publicações define-s...
Écrans de Visualização Setembro 2003
Figura 1 – Princípios fundamentais de uma postura correcta
[Centro Regional de Saúde ...
Écrans de Visualização Setembro 2003
6. ILUMINAÇÃO DOS POSTOS DE TRABALHO COM ÉCRANS DE
VISUALIZAÇÃO
Como em outros sector...
Écrans de Visualização Setembro 2003
Podem ser recomendadas as seguintes orientações gerais para a intensidade de
iluminaç...
Écrans de Visualização Setembro 2003
Outro factor que contribui para a existência de reflexos são as características
das s...
Écrans de Visualização Setembro 2003
6.1.4 Iluminação Natural
A luz do dia, só por si, não convém para iluminar os postos ...
Écrans de Visualização Setembro 2003
Má colocação
As janelas estão colocadas dentro do campo
visual, daí resultam grandes ...
Écrans de Visualização Setembro 2003
6.1.5 Iluminação artificial
Os locais iluminados pela luz do dia têm necessidade, em ...
Écrans de Visualização Setembro 2003
Os locais de trabalho interiores com écrans de visualização devem ser iluminados
com ...
Écrans de Visualização Setembro 2003
As armaduras de grelha prateadas com luz dirigida para baixo.•
• As armaduras de luz ...
Écrans de Visualização Setembro 2003
Técnicas de Saúde Ambiental
Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Per...
Écrans de Visualização Setembro 2003
7. CONSIDERAÇÕES FINAIS
A organização do trabalho, as características do equipamento,...
Écrans de Visualização Setembro 2003
Técnicas de Saúde Ambiental
Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Per...
Ecrans de visualização
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ecrans de visualização

199 visualizações

Publicada em

Ergonomia

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
199
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ecrans de visualização

  1. 1. Ficha Técnica Título: “Écrans de Visualização – Normas e Procedimentos” Autores: Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira Filomena Sampaio Lúcia Lacerda Lúcia Pereira Teresa Pereira Vanda Brito Sub-Região de Saúde de Setúbal Setembro, 2003
  2. 2. Écrans de Visualização Setembro 2003 GLOSSÁRIO LUX – Unidade de medida da intensidade de iluminação. (Manual de Ergonomia, 1998) LUMINÂNCIA – Intensidade luminosa por unidade de área aparente de uma superfície, numa dada direcção. (Apontamentos da Formação – Gestão da Qualidade do Ar Interior, 2002) Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 3 / 28
  3. 3. Écrans de Visualização Setembro 2003 ÍNDICE Pág. GLOSSÁRIO ....................................................................................................................... 3 1. INTRODUÇÃO ............................................................................................................... 6 2. OBJECTIVOS ................................................................................................................ 7 3. O QUE É O TRABALHO COM ÉCRANS DE VISUALIZAÇÃO? ....................... 8 4. QUAIS AS PRINCIPAIS QUEIXAS NO TRABALHO COM ÉCRANS ............ 9 4.1 PERTURBAÇÕES OCULARES ................................................................................ 9 4.2 PERTURBAÇÕES MUSCULO-ESQUELÉTICAS .................................................... 9 4.3 PERTURBAÇÕES DE ORDEM PSICOLÓGICA ....................................................... 10 5. ELEMENTOS E EXIGÊNCIAS DO POSTO DE TRABALHO COM ÉCRANS DE VISUALIZAÇÃO ................................................................................................... 11 5.1 O MONITOR ........................................................................................................ 11 5.1.1 Dimensão do Écran ............................................................................. 11 5.1.2 Curvatura do Écran ........................................................................... 11 5.1.3 Mobilidade do Écran .......................................................................... 12 5.1.4 Caixa do Écran .................................................................................... 12 5.2 O TECLADO ......................................................................................................... 12 5.3 O PORTA-DOCUMENTOS ................................................................................... 12 5.4 MESA DE TRABALHO .......................................................................................... 13 5.4.1 Espaço Reservado às Pernas ........................................................... 14 Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 4 / 28
  4. 4. Écrans de Visualização Setembro 2003 5.4.2 O Descanso para os Pés ................................................................... 14 5.4.3 Suporte para os Cabos ..................................................................... 15 5.5 A CADEIRA DE TRABALHO ................................................................................ 15 5.6 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE UMA POSTURA CORRECTA ......................... 17 6. ILUMINAÇÃO DOS POSTOS DE TRABALHO COM ÉCRANS DE VISUALIZAÇÃO ............................................................................................................... 19 6.1 ILUMINAÇÃO NO LOCAL ................................................................................... 19 6.1.1 Intensidade de Iluminação ............................................................... 19 6.1.2 O Tom da Luz ...................................................................................... 20 6.1.3 Reflexos ............................................................................................... 20 6.1.4 Iluminação Natural ............................................................................ 21 6.1.5 Iluminação Artificial ......................................................................... 24 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS ...................................................................................... 27 8. BIBLIOGRAFIA ............................................................................................................ 28 Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 5 / 28
  5. 5. Écrans de Visualização Setembro 2003 1. INTRODUÇÃO Actualmente o trabalho com écrans de visualização tem mais representatividade numérica do que há uns anos atrás. No trabalho em geral e nomeadamente nos serviços das administrações públicas e locais começa a generalizar-se o trabalho com écrans (computadores, televisores, video-conferências etc.), a evolução é fulgurante. Muitos locais de trabalho passam por metamorfoses: o antigo escritório de papel passa a escritório electrónico. Enquanto que em 1965 só havia alguns écrans de visualização no sector económico, em 1975 já se estimava o seu número em 30 000, em 1980 em 80 000 e em 1985, 220 000. Em 1990 são utilizados em número superior a 500 000. Se lhe acrescentarmos os computadores pessoais (p. c.) nos últimos anos o número é certamente muito superior a 1 milhão. (Walter Lips, 1991) Posto isto, e tendo em conta o aumento significativo desta forma de trabalho há que preparar uma brochura/manual que permita inserir recomendações e formas de procedimento que de uma forma acessível permitam vislumbrar os princípios básicos do trabalho com écrans de visualização. Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 6 / 28
  6. 6. Écrans de Visualização Setembro 2003 2. OBJECTIVOS • • • Dar ferramentas à entidade empregadora para fazer monitorização. Avaliar as condições de segurança e saúde existentes nos locais de trabalho com equipamento de visor, nomeadamente no que respeita aos factores ambientais, aos riscos para a visão, às afecções físicas. Dar a conhecer aos profissionais de saúde formas de estar e actuar, bem como os conhecimentos essenciais para a prevenção dos riscos profissionais inerentes à utilização dos écrans de visualização. Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 7 / 28
  7. 7. Écrans de Visualização Setembro 2003 3. O QUE É O TRABALHO COM ÉCRANS DE VISUALIZAÇÃO? Quando se fala muito simplesmente de “trabalho com écran” minimiza-se o problema. A prática mostra que este trabalho pode diferir caso a caso, consoante a carga mental e física. É por isso que é vantajoso fazer a distinção entre os dois principais tipos de trabalho com o écran: introdução de dados e trabalho tipo conversacional. No primeiro, numerosas informações são introduzidas por unidade de tempo, pelo operador por meio de teclado. Uma ou duas mãos estão sobre o teclado. O olhar está na maior parte do tempo fixo no documento e não passa ao écran senão de relance. A postura sentada e a posição da cabeça são constantes. O trabalho é monótono. É sobretudo o aparelho de suporte, ou seja, a coluna vertebral, os músculos e os tendões dos braços e das mãos, que é solicitado. A carga visual é devida sobretudo à má legibilidade de certos documentos e a um brilho incómodo do plano de trabalho. Apesar da monotonia do trabalho, a capacidade de assimilação e de concentração são muito solicitadas. O trabalho em moldes conversacionais usa o aparelho para saída e entrada de dados. Neste caso, é predominante a incidência do olhar sobre o écran. Na prática, há sempre trabalhos acessórios, tais como, procurar dados nos dossiers, chamadas telefónicas, etc. o trabalho é variado. Põe grandes exigências na capacidade de concentração assimilação e redacção. A carga visual provocada pelo écran é menor na pesquisa do que no lançamento dos dados, e a tendência para posturas forçadas é igualmente menor. O trabalho efectuado pelos profissionais da Sub-Região começa a generalizar-se sob a forma de informática, pelo que importa ter a percepção adequada de que 8 horas a trabalhar com écrans pode provocar queixas, que poderão estar relacionadas com o trabalho. Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 8 / 28
  8. 8. Écrans de Visualização Setembro 2003 4. QUAIS AS PRINCIPAIS QUEIXAS NO TRABALHO COM ÉCRANS? O trabalho com écrans de visualização pode originar: • • • • • • • Uma carga visual considerável (perturbações oculares); Posturas forçadas (perturbações musculo-esqueléticas); Solicitação excessiva das capacidades de assimilação e concentração (perturbações de ordem psicológica). 4.1 PERTURBAÇÕES OCULARES No que respeita às perturbações oculares, a sua origem deve ser procurada na carga visual e na fadiga dos olhos que daí resultam e que são devidas aos seguintes factores: Maiores exigências visuais de acomodação e de adaptação (adaptação dos olhos às intensidades luminosas que variam constantemente); Encandeamento directo e indirecto (superfícies brilhantes, reflexos); Forma insatisfatória de certos caracteres, linhas ou páginas inteiras; Falta de nitidez e de contraste dos caracteres. 4.2 PERTURBAÇÕES MUSCULO-ESQUELÉTICAS As dores na nuca e nos membros podem ter origem nas posturas incorrectas frequentemente adoptadas no trabalho com os écrans. A carga intelectual acrescida durante o trabalho com écrans de visualização provoca a diminuição do limiar da tolerância e, em consequência, o aumento das queixas. Toma-se consciência, por exemplo, de certas perturbações visuais que até então não eram incómodas. Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 9 / 28
  9. 9. Écrans de Visualização Setembro 2003 4.3 PERTURBAÇÕES DE ORDEM PSICOLÓGICA É preciso não esquecer as dificuldades de ordem psicológica sentidas pelos indivíduos perante as novas formas de trabalho e as novas formas de organização do mesmo, agravadas também pela falta de formação adequada. Como fazer face a estes problemas e prevenir as perturbações daí resultantes? É o que vamos explicar a seguir. Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 10 / 28
  10. 10. Écrans de Visualização Setembro 2003 5. ELEMENTOS E EXIGÊNCIAS DO POSTO DE TRABALHO COM ÉCRANS DE VISUALIZAÇÃO Nos postos de trabalho com écrans de visualização é necessário conceber o maior número possível de elementos do sistema em função uns dos outros, de tal maneira que, por um lado, o trabalho possa ser feito sem dificuldades, sem erros e resulte do ponto de vista económico, e, por outro lado, as exigências colocadas ao homem não sejam, se possível, nem excessivas, nem insuficientes. 5.1 O MONITOR 5.1.1 Dimensão do écran A dimensão do écran deve ser adequada ao trabalho. Considera-se como máxima a que permite apresentar a informação na zona de trabalho com caracteres e espaços suficientemente grandes, isto é, de maneira bem legível. 5.1.2 Curvatura do écran Um écran, o menos curvado possível (grande raio de curvatura), tem a vantagem de diminuir os reflexos que provêm das fontes luminosas do ambiente. Estes aparelhos são mais fáceis de colocar em posição de evitar os reflexos. Por outro lado, um écran de grande curvatura permite evitar mais facilmente as distorções da informação nas zonas periféricas. Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 11 / 28
  11. 11. Écrans de Visualização Setembro 2003 5.1.3 Mobilidade do écran Para permitir um posicionamento óptimo em função das exigências do utilizador e das particularidades do posto de trabalho, o écran deve permitir a sua inclinação e orientação tal como ser deslocado na horizontal e na vertical. 5.1.4 Caixa do écran Para evitar os contrastes muito violentos, a caixa do écran não deve ser um factor de reflexão muito elevado, isto é, não deve ser nem brilhante nem muito clara. Recomenda-se para a caixa superfícies neutras e mates com luminâncias que se situem aproximadamente entre as do fundo do écran e as do documento. 5.2 O TECLADO Para as pessoas que utilizam com frequência ou permanentemente o écran de visualização é importante, do ponto de vista ergonómico, que seja possível adaptar a posição do teclado ao tipo de tarefa (em frente do écran ou do documento) e a outras situações. A utilização de um porta-documentos impõe-se como necessária quando o lançamento de dados é frequente. Assim, deve respeitar os seguintes requisitos: 5.3 O PORTA-DOCUMENTOS • Ser reguláveis em altura e permitirem uma inclinação de 30 a 70º em relação ao plano horizontal. Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 12 / 28
  12. 12. Écrans de Visualização Setembro 2003 • • • • • • A inclinação do documento deve corresponder de muito perto à do écran. Para as operações que implicam a mudança frequente do olhar do documento para o écran é necessário que as distâncias olho-écran e olho documento sejam, tanto quanto possível, iguais. Isto permite evitar uma constante ginástica de acomodação. Para prevenir a fadiga dos músculos oculares é preciso colocar o documento e o écran de modo a ficarem o mais próximo possível um do outro. Quando o olhar alterna mais entre o documento e o teclado, o documento deve ser colocado o mais perto possível do teclado. 5.4 A MESA DE TRABALHO As dimensões da mesa e a sua construção são decisivas para uma boa acomodação fisiológica dos postos de trabalho com écrans de visualização. Assim, a mesa de trabalho deve possuir as seguintes características: O tampo da mesa deve oferecer espaço suficiente para as tarefas a executar e permitir uma disposição fácil dos diferentes elementos. A superfície do tampo não deve ser de material frio ao toque. O tampo deve ter a largura mínima de 160 cm e a profundidade mínima de 90 cm, o que corresponde a uma superfície de 1,44 m2. Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 13 / 28
  13. 13. Écrans de Visualização Setembro 2003 • • • • • • O tampo da mesa difere com a estatura das pessoas e com o comprimento das pernas, não sendo por isso conveniente que a altura das mesas seja fixa. Assim, devem escolher-se preferencialmente mesas de trabalho que sejam reguláveis em altura e permitam igualmente uma fraca inclinação. Conforme a actividade e a forma dos elementos do terminal assim haverá necessidade de uma superfície maior ou menor. As arestas da mesa deverão ser arredondadas. No que respeita à cor da mesa, são aconselhados os tons neutros ( por exemplo, cinzentos, verdes ou castanhos) com um factor de reflexão relativamente baixo – entre os 20 e os 50% - a superfície do tampo deve, em princípio, ser baça. 5.4.1 Espaço reservado às pernas Com base em experiências que têm sido feitas recomenda-se um espaço mínimo de 60 cm ao nível dos joelhos e 80 cm ao nível dos pés. Em certas condições (comprimento das pernas, concepção pessoal, mudança, etc.), as dimensões inferiores até 10 cm são toleradas. A altura do espaço reservado às pernas depende necessariamente do tampo e não deve ser em caso nenhum reduzido por gavetas ou outros elementos do mesmo género. 5.4.2 O descanso para os pés O descanso para os pés deve ter em conta o comprimento das pernas e as necessidades individuais de cada um. Deve ter área suficiente para um posicionamento confortável e estar regulado (em altura e inclinação) de acordo com a estatura e características do posto de trabalho. Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 14 / 28
  14. 14. Écrans de Visualização Setembro 2003 • • • • Deve ter no mínimo 40 cm de largura, uma profundidade não inferior a 30 cm, uma inclinação entre 0º e 20 º e a possibilidade de regulação da altura de 15 cm. Este tipo de descanso para os pés limita a mobilidade fisiológica. Devem ser anti-derrapantes o que poderá ser conseguido utilizando um tapete anti- derrapante ou fixando o descanso para os pés. Não devem ser utilizados pequenos suportes onde só existe espaço para os pés ou que tenham no meio um tubo ou uma barra. Poderá ser utilizado como apoio de pés uma lista telefónica. 5.4.3 Suporte para os cabos O escritório deve estar equipado com suportes de forma a evitar a existência de cabos soltos, susceptíveis de provocar quedas ou outros acidentes de trabalho. Se os cabos forem introduzidos logo do início em tubos próprios, no solo, eliminam-se as desagradáveis possibilidades de tropeçar. 5.5 A CADEIRA DE TRABALHO Para as actividades na posição permanentemente de sentado, a cadeira de trabalho deve permitir uma posição sentada cómoda e o alívio dos músculos das costas. As características da cadeira de trabalho são assim, de uma grande importância do ponto de vista ergonómico. Assim, a cadeira deverá apresentar as seguintes características: Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 15 / 28
  15. 15. Écrans de Visualização Setembro 2003 • • • • • Para os postos de trabalho com écrans são indicadas cadeiras giratórias com cinco rodas cuja altura seja ajustável entre os 42 e os 55 cm, e que permitam uma boa estabilidade, não deslizem nem tombem e permitam ter os pés bem apoiados no chão, mantendo os seus joelhos alinhados com as ancas. Recomenda-se para a cadeira uma base de assento de cerca de 40 x 40 cm, ligeiramente côncava mas não completamente moldável ao corpo, com um ligeiro estofo de látex com uma espessura de cerca de 1 cm e coberta com um material permeável ao vapor de água (por exemplo, fibra natural ou tecido misto). Por outro lado, é aconselhável um dispositivo de regulação que permita inclinar o assento, 2º para diante e 14º para trás, relativamente à posição horizontal. O rebordo anterior da cadeira deve ser ligeiramente arredondado a fim de evitar a pressão mecânica sobre os vasos e os nervos das pernas. Os assentos almofadados, ligeiramente côncavos no meio e inclináveis, têm tido também resultados satisfatórios. O espaldar da cadeira deve ter uma à volta de 50 cm acima do assento. Deve ter um apoio lombar em forma de almofada com uma altura de 10 a 20 cm e ser ligeiramente moldado na parte superior. Se não possuir este apoio pode utilizar uma toalha enrolada com cerca de 5 a 8 cm de diâmetro. O espaldar da cadeira deve ser inclinável e poder ser fixado na posição desejada. A cadeira não deve ter braços. O mais importante é existir apoio adequado para os antebraços assim como para as mãos no bordo anterior da mesa (diante do teclado e do écran). A cadeira não deve ser demasiado alta ou encontrar-se afastada do local de trabalho, obrigando a arquear as costas. Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 16 / 28
  16. 16. Écrans de Visualização Setembro 2003 5.6 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE UMA POSTURA CORRECTA Em numerosas publicações define-se como posição sentada correcta, diante do écran, sem justificação fisiológica, aquela em que a coluna está direita. Para evitar as posturas forçadas e as sequelas que daí resultam é preciso ter em conta igualmente as posições correctas e de conforto da cabeça, braços, mãos e pernas. Isto só se pode fazer com a possibilidade de regulação dos componentes do posto de trabalho já mencionadas (posicionamento dos instrumentos de trabalho relativamente á altura, inclinação, etc.). O simples facto das condições de trabalho que não permitem adoptar uma postura calma e relaxada estarem muitas vezes na origem de perturbações, prova que esta exigência responde a uma necessidade fisiológica imperiosa. Assim, para o trabalho com écrans de visualização, é importante a adopção de uma postura correcta, como é representado na Figura 1. Muitas horas de trabalho contínuo com écrans de visualização levam não só à fadiga visual, mas também à fadiga postural, uma vez que se está muito tempo na mesma posição rígida ou estática. Assim, devem ser seguidas as seguintes recomendações: • • • • Variar a inclinação do encosto; Alternar a postura sentada com a postura de pé; Fazer pausas de mais ou menos 15 minutos por cada duas horas de trabalho contínuo com écrans; Variar as tarefas durante o dia. Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 17 / 28
  17. 17. Écrans de Visualização Setembro 2003 Figura 1 – Princípios fundamentais de uma postura correcta [Centro Regional de Saúde Pública - Pólo de Setúbal – Folheto - 2002] Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 18 / 28
  18. 18. Écrans de Visualização Setembro 2003 6. ILUMINAÇÃO DOS POSTOS DE TRABALHO COM ÉCRANS DE VISUALIZAÇÃO Como em outros sectores profissionais o trabalho com écrans de visualização poderá afectar a vista do homem. Assim, visto que a iluminação tem um papel fundamental no posto de trabalho com écrans de visualização, de seguida apresentam-se as principais características que a mesma deve apresentar, assim como a sua disposição relativamente aos diferentes elementos do posto de trabalho. 6.1 ILUMINAÇÃO NO LOCAL 6.1.1 Intensidade de Iluminação As principais tarefas a executar num posto de trabalho com écrans de visualização colocam em termos de iluminação duas exigências quase opostas. A leitura do texto e o olhar sobre o teclado requerem um nível de iluminação relativamente elevado, enquanto que a leitura da informação no écran exige um bom contraste entre os caracteres e o fundo. Pela sua natureza este contraste diminui em função do aumento do nível da iluminação do local por interferência da luz. A qualidade da iluminação do local de trabalho deve ser de modo a não existir diminuição do contraste no écran de visualização e reflexos, e permitir uma boa leitura do documento, por isso as recomendações para intensidades de iluminação divergem bastante entre si. Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 19 / 28
  19. 19. Écrans de Visualização Setembro 2003 Podem ser recomendadas as seguintes orientações gerais para a intensidade de iluminação: • • • Para documentos bem legíveis, valores de 300 Lux. Para documentos com legibilidade diminuída, valores de 400-500 Lux. Para trabalho de introdução de dados, valores iguais ou superiores a 500 Lux. 6.1.2 O tom da luz Deve-se escolher como tom da luz os tubos fluorescentes o “branco neutro” ou o “branco quente”, sendo este último o mais compatível com as exigências acrescidas em matéria de conforto e o que permite um ambiente luminoso agradável. Para além disso, os tubos fluorescentes com tons quentes têm um grau de oscilação e uma tendência de cintilação inferiores. Por outro lado, a tolerância aos efeitos da iluminação é mais elevada quando a luz é “branco quente”. 6.1.3 Reflexos O factor de reflexão influi seriamente na difusão da luz no local. Sobre a superfície dos écrans podem formar-se reflexos mais claros o que pode levar a ofuscamentos incómodos. Em muitas pesquisas de campo foi constatado que os reflexos eram considerados a mais desagradável manifestação que acompanha o trabalho com monitores (Manual de Ergonomia, 1998) É possível lutar contra os reflexos a partir da regulação do écran. O meio mais simples consiste em inclinar o écran para baixo. O écran deve ser inclinável de 88 º a 105 º relativamente ao plano horizontal. Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 20 / 28
  20. 20. Écrans de Visualização Setembro 2003 Outro factor que contribui para a existência de reflexos são as características das superfícies de trabalho. Estas devem ser mates de modos a diminuir a sua intensidade. É também necessário escolher e colocar as armaduras de maneira a evitar o mais possível os reflexos na superfície de écran. Correcto Incorrecto A – Raio luminoso com ângulo de incidência de 30º B - Raio luminoso com ângulo de incidência de 15º Figura 2 - Inclinação do écran e reflexos possíveis da iluminação do tecto sob os diferentes ângulos visuais [ IDICT,1991] Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 21 / 28
  21. 21. Écrans de Visualização Setembro 2003 6.1.4 Iluminação Natural A luz do dia, só por si, não convém para iluminar os postos de trabalho com écrans de visualização porque está sujeita a fortes variações (atingindo o máximo de 10000 lux directamente por detrás das janelas). Dado que a maior parte dos locais onde existem écrans de visualização têm janelas, convém ter em conta os seguintes pontos: Não deve haver janelas nem diante nem atrás do écran.• • • • • O ângulo principal do olhar deve ser paralelo à fila de janelas. Os écrans de visualização devem, tanto quanto possível, ser colocados ou mudados para zonas ou sítios do local de trabalho afastados das janelas. As janelas deverão ser equipadas com estores exteriores porque estes são termicamente mais vantajosos do que os interiores. Para as janelas com vidros isolantes do calor devem ser tomadas medidas particulares no interior do local. É vantajoso a existência de cortinas ou estores interiores. Estes devem ser reguláveis e de material espesso, liso e claro (tons pastel), de modo a evitar reflexos. Se, por razões de serviço, os écrans não podem ser implantados de acordo com os critérios estabelecidos, ou se há mais do que uma fila de janelas, é necessário recorrer a divisórias amovíveis para obter a solução óptima. Nestes casos trata-se não somente de eliminar os eventuais reflexos sobre o écran, mas também de reduzir as luminâncias demasiado elevadas no campo visual. Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 22 / 28
  22. 22. Écrans de Visualização Setembro 2003 Má colocação As janelas estão colocadas dentro do campo visual, daí resultam grandes diferenças de luminância. Má colocação As janelas reflectem-se na superfície do visor. Boa colocação Diferenças de luminância equilibradas. Não existem superfícies luminosas, na zona de reflexão do visor Figura 3 - Disposição do écran de visualização num local com luz do dia. [IDICT,1991] Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 23 / 28
  23. 23. Écrans de Visualização Setembro 2003 6.1.5 Iluminação artificial Os locais iluminados pela luz do dia têm necessidade, em todos os casos, de uma iluminação artificial complementar. Esta deve ser composta sob a forma de filas de lâmpadas dispostas paralelamente à fila das janelas. Por vezes a iluminação artificial provoca reflexos e complica ainda mais a colocação do écran no local adequado. A figura seguinte mostra como ultrapassar esta dificuldade. Janelas com Estores interiores e exteriores Filas de Armaduras Janelas com Estores interiores e exteriores Postos de Trabalho com Écrans Figura 4 - Disposição dos postos de trabalho com écrans de visualização, combinação dos meios de iluminação natural e artificial. [Adaptado de Manual de Ergonomia, 1998] Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 24 / 28
  24. 24. Écrans de Visualização Setembro 2003 Os locais de trabalho interiores com écrans de visualização devem ser iluminados com a ajuda de filas de lâmpadas contínuas, dispostas paralelamente ao eixo do olhar, podendo ser colocadas separadamente. Não devem ser colocadas luminárias atrás do écran de visualização porque provocam reflexos, nem na frente e são fontes de ofuscamento directo, conforme se pode observar na figura seguinte. Figura 5 – Fontes luminosas atrás do operador de écrans de visualização provocam reflexos. Fontes luminosas na frente do operador são fontes de ofuscamento directo. [Manual de Ergonomia, 1998] Não são convenientes: As lâmpadas fluorescentes nuas.• • • • As armaduras dispostas em forma de calha. As armaduras dispostas em filas paralelas. As armaduras dispostas em filas cruzadas. Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 25 / 28
  25. 25. Écrans de Visualização Setembro 2003 As armaduras de grelha prateadas com luz dirigida para baixo.• • As armaduras de luz incandescente com lâmpadas nuas. O mais conveniente é uma iluminação em todas as direcções, difusa em grandes superfícies e de pouca luminância. Em certos casos pode ser útil uma iluminação de apoio dirigida sobre o posto de trabalho. Excluem-se em regra os candeeiros de mesa porque ofuscam muitas vezes os operadores dos postos próximos. Sendo dado adquirido que a lâmpada fluorescente com a armadura convencional é a iluminação mais comum dedicamo-nos a ela com mais detalhe. São recomendáveis as armaduras com lâminas ou grelha. A protecção dos reflexos que incidem sobre o écran e que resultam das armaduras faz-se tomando medidas apropriadas sobre o próprio écran (protecção anti- reflexo, mudança da disposição da sala). Luz directa Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 26 / 28
  26. 26. Écrans de Visualização Setembro 2003 Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 27 / 28 Luz indirecta atenuada combinada com indirecta Fig. n.º 6 - Diversas modalidades de iluminação para postos de trabalho com visor. [IDICT,1991]
  27. 27. Écrans de Visualização Setembro 2003 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS A organização do trabalho, as características do equipamento, o mobiliário, a iluminação, e outras condições de trabalho podem afectar a saúde, o bem estar e a eficiência dos trabalhadores. Através da organização do ambiente de trabalho e hábitos pessoais podem minimizar-se a fadiga e o desconforto reduzindo assim o risco de tensões que podem provocar danos físicos. Sempre que existe um posto de trabalho com écrans de visualização são tomadas decisões que podem afectar o conforto e a segurança dos trabalhadores. Daí que seja importante a escolha adequada de cadeiras, mesas, do próprio computador e de outros equipamentos de trabalho. A possibilidade de regulação dos diferentes elementos do posto de trabalho, dos factores ambientais e a adopção de condições posturais adequadas são determinantes para o desenvolvimento de um trabalho eficiente em boas condições de segurança e saúde. Para arrumação dos postos de trabalho e adaptação dos seus elementos ao pessoal que lhe está afecto deve ser solicitado apoio às equipas de saúde ocupacional, que posteriormente irão apoiar a sua execução. Pretendemos com este Manual criar um documento com recomendações que visam ajudar a trabalhar de um modo mais seguro, confortável e saudável. Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 28 / 28
  28. 28. Écrans de Visualização Setembro 2003 Técnicas de Saúde Ambiental Carmo Pereira, Filomena Sampaio, Lúcia Lacerda, Lúcia Pereira, Teresa Pereira, Vanda Brito Pág. 29 / 28 8. BIBLIOGRAFIA • • • • • • • • • • ABREU, P., CRUZ, E. - Trabalhar Sentado: Como Prevenir as Dores na Sua Coluna. Lisboa: Associação Portuguesa de Fisioterapeutas, 2000. CENTRO REGIONAL DE SAÚDE PÚBLICA - POLO DE SETÚBAL – EQUIPA DE SAÚDE OCUPACIONAL – Promoção da Saúde no Local de Trabalho – Écrans de Visualização (Folheto). Setúbal: 2002. GRANDJEAN, E. - Manual de Ergonomia – Adaptando o trabalho ao Homem, Bookman. Porto Alegre: 1998. INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO E INSPECÇÃO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO (IDICT) - O Trabalho com Écrans de Visualização. Lisboa: 1991. INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO E INSPECÇÃO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO (IDICT) - Segurança e Saúde no Trabalho com Equipamentos Dotados de Visor (Folheto). Lisboa. MIGUEL, A.S.R. - Manual de Higiene e Segurança no Trabalho. Porto: Porto Editora, 2000. OLIVEIRA, C. G., MACEDO, C. M. - Segurança Integrada. Lisboa: Companhia de Seguros Bonança, 1996. Decreto Lei n.º 349/93, de 1 de Outubro, Diário da República – I Série – A. Portaria n.º 989/93, de 6 de Outubro, Diário da República – I Série – A. www. idict.gov.pt

×