Micoses Profundas e Sistêmicas
Micoses: classificação
• Micoses Subcutâneas
– Esporotricose-Sporothrix schenckii
– Cromomicose-Phialophora, Cladosporium ...
Histoplasmose
Def. Doença sistêmica causada pelo fungo Histoplasma
capsulatum que ocorre em climas temperados e
tropicais ...
EPIDEMIOLOGIA
• Ampla distribuição geográfica
• Áreas endêmicas: América Latina, América do Norte, Caribe,
África e sudest...
Histoplasmose no Brasil
• Rio Grande do Sul: 111 pacientes de 1977 a 2002, desses
63,1% tinham AIDS.
Unis G. RSBMT. 2004; ...
EPIDEMIOLOGIA
• Ampla distribuição geográfica
• Áreas endêmicas: América Latina, América do Norte, Caribe,
África e sudest...
Histoplasmose no Brasil
• Rio Grande do Sul: 111 pacientes de 1977 a 2002, desses
63,1% tinham AIDS.
Unis G. RSBMT. 2004; ...
Patogênese
HISTOPLASMOSE
• Micose sistêmica produzida pelo Histoplasma capsulatum
var. capsulatum
• Transmissão inalatória
• Não há t...
HISTOPLASMOSE: PATOGÊNESE
• Influenciam as manifestações clínicas:
• magnitude da exposição: números de partículas de fung...
Histoplasma capsulatum
Filamentosa
Reservatório
• Solo, poeira e animais
• Vísceras e fezes de morcegos
• Solo e ar de cavernas habitadas por morcegos
• Feze...
Formas clínicas
Afinidade pelo SRE
• Pulmonar
– Aguda
– Crônica
• Disseminada
– Aguda (progressiva)
– Crônica
Formas clínicas
• Apresentação e evolução clínica depende:
– Número de microconídios inalados
– “Status” imune do hospedei...
Formas clínicas
HISTOP. PULMONAR AGUDA
• Pacientes imunocompetentes
• PI = 3 a 21ds
• Quadro gripal (febre, cefaléia, aste...
Formas clínicas
HISTOP. PULMONAR CRÔNICA (HPC)
• Adultos c/ DPOC, eg tabagistas  50 anos
• Fat. predisponente: defeito na...
Formas disseminadas
 Fat. predisponente: deficit imunidade
 Aids
 Doenças onco-hematológicas
 Neoplasias
 Corticotera...
Formas clínicas
HISTOP. DISSEMINADA AGUDA
• Imunodepressão grave: aids, onco-hemato, Febre, 
peso, diarréia, vômitos, sin...
Formas clínicas
HISTOP. DISSEMINADA AGUDA (HDA)
• Lesões cutâneo-mucosas:
– América Latina: 80% dos casos
– EUA: 6 – 10% d...
Histoplasmose e AIDS
Formas clínicas
HISTOP. DISSEMINADA CRÔNICA
• Imunodepressão moderada
• Lesões mucocutâneas freqüentes
• Comp laríngeo:
– ...
Formas clínicas
HISTOP. DISSEMINADA CRÔNICA (HDC)
• Lesões cutâneas: 10% dos casos – polimorfismo
• Comprometimento pulmon...
Histoplasmose disseminada:
mucosa e pele
• Geralmente, se localizam na face, tronco e membros
superiores
• Apresentam-se c...
Histoplasmose Disseminada e
Pulmão
Histoplasmose e Aids
Histoplasmose: estudo de 28 casos HIV
positivos
Sintomas %
Febre 100
Com calafrios 72
Adinamia 79
Perda de peso 79
Diarréi...
Histoplasmose: estudo de 28 casos HIV-
positivos
Hemoglobina 74% < 9,5 mg/dl
Leucócitos 50% < 2.800
LDH 72% > 700 mU/ml
TA...
Histoplasmose e Aids
Diagnóstico
• Ex. direto – cultura – biópsia – escarro, lesões, sangue
– Hemocultura (+) em 75% dos casos
– Hemocultura (-...
Tratamento
HISTOP. PULMONAR AGUDA
 Anfotericina B, IV → ITZ oral p/ 3 meses (ausência de remissão ou
imunodeprimido)
HIST...
CryptococcusCryptococcus
neoformansneoformans
LevedurasLeveduras
I - Introdução
• A criptococose é uma infecção subaguda ou
crônica causada pelo Cryptococcus neoformans,
uma levedura que ...
Cryptococcus neoformans
Patógeno ou oportunista?
1) Características básicas para produzir
infecçcão:
– Formas viáveis <4µm
de diâmetro
Patógeno ou oportunista?
2) Fatores de virulência que afetam o grau de
patogenicidade
– Cápsula
– Produtos de metabolismo
...
II - Epidemiologia e Transmissão
• Cosmopolita
• Isolamento de solo e matéria orgânica
– Fezes de pombos e outras aves
– E...
Rota de infecçãoRota de infecção
• Aids
• Corticoterapia
• Linfoma
• Diabetes mellitus
• Transplante renal
• Doenças do colágeno
III – Fatores predisponent...
IV – Formas clínicas
• Pulmonar
• Meningoencefálica
• Disseminada
Mitchell & Perfect, Clin Microb Rev, 1995, 8:515.
V - Manifestações Clínicas
• Pulmonar
– Imunocompetentes - infiltrados pulmonares que se resolvem
espontaneamente, resulta...
Criptococose
Criptococose
V - Manifestações Clínicas
• Meningoencefalite
– Ocorre em 40 a 86% dos casos disseminados
– Cefaléia, febre, distúrbio do...
VI - Manifestações Clínicas
• Cutânea
– 10 a 15% dos casos de criptococose
– Pápulas, vesículas, nódulos, granulomas super...
Criptococose - Aids
Criptococose - Aids
Criptococose
Criptococose
VII - Diagnóstico Laboratorial
• Exame direto com Tinta-da-China (nankin)
– Pesquisa do agente etiológico no material susp...
Exame direto: cápsulaExame direto: cápsula
Cultura em Ágar Sabouraud dextroseCultura em Ágar Sabouraud dextrose
Colônias mucóidesColônias mucóides
HistopatológicoHistopatológico
CryptococcusCryptococcus sppspp
MucicarmimMucicarmim
VIII - Tratamento
• O êxito do tratamento depende do
diagnóstico precoce e do estado geral do
paciente
• Anfotericina B
• ...
Fatores de virulência
• Produção de D-manitol
– Sobrevivência no hospedeiro – inibe danos oxidativos
• Superoxido dismutas...
Criptococose
Fatores de risco
• AIDS
• Linfoma
• Terapia com corticosteróides
• ↓ CD4
Micoses Pulmonares
• Aspergillus:
- Existem mais de 200 espécies de Aspergillus que podem
causar doença no homem.
- Encont...
• Aspergilose: constitui espectro amplo de doenças no
hospedeiro humano, cujas manifestações clínicas dependem
basicamente...
- O envolvimento saprófita do Aspergillus inclui o aspergiloma.
- Na condição alérgica destacam-se a aspergilose
broncopul...
Doenças causadas por várias espécies de Aspergillus
• Colonização
• Aspergiloma
– Pulmomar
– Seio paranasal
• Doença alérg...
Aspergilose Pulmonar Invasiva
• A situação clínica mais frequente é a de um paciente com
neutropenia persistente, geralmen...
Aspergilose Pulmonar Invasiva
• Exames complementares:
- TC de Tórax: sinal do halo (nódulo cercado por imagem em vidro
fo...
Aspergiloma Pulmonar
(bola fúngica)
• Lesões cavitárias pulmonares têm risco para desenvolvimento de
colonização intracavi...
Aspergiloma Pulmonar
(bola fúngica)
• Tratamento: cirúrgico.
• Em alguns casos opta-se por tratamento clínico ou infusão d...
Aspergilose Broncopulmonar
Alérgica
Critérios maiores: Critérios menores:
asma presença de tampões de muco no escarro
infi...
Fatores de virulência
• Relativos: dep. do hospedeiro
• Catalase
• Proteases
– Elastase (tec.pulmonar 30% elastina)
• Seri...
Aspergilose
Diagnóstico laboratorial
• Material clínico: escarro, Aspirado bronco-
pulmonar, tecido pulmonar
• Exame diret...
Aspergilose/Aspergiloma
Aspergillus spp
Diagnóstico laboratorial
Exame direto
(escarro)
Aspergilose
Tratamento
•ALÉRGICA: esteróides
•ASPERGILOMA: cirurgia e anfotericina B
•LOCAL, SUPERFICIAL: nistatina
•INVAS...
MICOSES PULMONARES
 RADIOLOGIA - ABPARADIOLOGIA - ABPA
MICOSES PULMONARES
 RADIOLOGIA - ABPARADIOLOGIA - ABPA
MICOSES PULMONARES
 RADIOLOGIA - ABPARADIOLOGIA - ABPA
MICOSES PULMONARES
 TERAPÊUTICA - ABPA
Prednisona via oral.
Itraconazol – pode diminuir a dose
necessária de corticosteró...
MICOSES PULMONARES
 RADIOLOGIA – ASPERGILOMARADIOLOGIA – ASPERGILOMA
MICOSES PULMONARES
 RADIOLOGIA – ASPERGILOMARADIOLOGIA – ASPERGILOMA
MICOSES PULMONARES
 RADIOLOGIA – ASPERGILOMARADIOLOGIA – ASPERGILOMA
MICOSES PULMONARES
 TERAPÊUTICA – ASPERGILOMATERAPÊUTICA – ASPERGILOMA
Paciente assintomático: observação
Hemoptise poten...
MICOSES PULMONARES
 DIAGNÓSTICO – ASPERGILOMA
Geralmente clínica + radiologia são
suficientes
MICOSES PULMONARES
 RADIOLOGIA – ASPERGILOSE INVASIVARADIOLOGIA – ASPERGILOSE INVASIVA
MICOSES PULMONARES
 PATOLOGIA – ASPERGILOSE INVASIVAPATOLOGIA – ASPERGILOSE INVASIVA
MICOSES PULMONARES
 RADIOLOGIA – ABPA + ASPERGILOMARADIOLOGIA – ABPA + ASPERGILOMA
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Micoses pulmonares e sistemicas

1.094 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.094
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
104
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Aparece precocemente o eritema nodoso ou multiforme, mas a associação com histoplasmose pode não ser aparente por várias semanas
  • Aparece precocemente o eritema nodoso ou multiforme, mas a associação com histoplasmose pode não ser aparente por várias semanas
  • Micoses pulmonares e sistemicas

    1. 1. Micoses Profundas e Sistêmicas
    2. 2. Micoses: classificação • Micoses Subcutâneas – Esporotricose-Sporothrix schenckii – Cromomicose-Phialophora, Cladosporium e Fonsecaea – Micetomas-Pseudoallescheria, Madurella, Acremonium – Doença de Jorge Lobo- Lacazia loboi • Micoses Sistêmicas – Paracoccidioidomicose- P. brasiliensis – Histoplasmose- Histoplasma capsulatum – Criptococose- Cryptococcus neoformans – Coccidioidomicose – Coccidiodes immitis e C. posadasii
    3. 3. Histoplasmose Def. Doença sistêmica causada pelo fungo Histoplasma capsulatum que ocorre em climas temperados e tropicais através do mundo. - encontrado no solo em locais ricos em fezes de aves e morcegos - cosmopolita - dimórfico -filamento a temp. ambiente -levedura em parasitismo - Infecção por inalação
    4. 4. EPIDEMIOLOGIA • Ampla distribuição geográfica • Áreas endêmicas: América Latina, América do Norte, Caribe, África e sudeste da Ásia • Na Ámerica: estende-se desde o sul do Canadá até as regiões da Argentina • Zonas endêmicas importantes: vales dos rios Mississippi-Ohio na América do Norte; bacia do rio da Prata e Serra do Mar na América do Sul. • Transmissão inter-humana: NÃO EXISTE
    5. 5. Histoplasmose no Brasil • Rio Grande do Sul: 111 pacientes de 1977 a 2002, desses 63,1% tinham AIDS. Unis G. RSBMT. 2004; 37(6):463 • Minas gerais: 18 casos em 10 anos, 17 com co-infecção pelo HIV. Borges AS. RSBMT. 1997; 30(2): 119. • Ceará: de 1999 a 2012 foram encontrados 330 casos de histoplasmose disseminada em pacientes com AIDS.
    6. 6. EPIDEMIOLOGIA • Ampla distribuição geográfica • Áreas endêmicas: América Latina, América do Norte, Caribe, África e sudeste da Ásia • Na Ámerica: estende-se desde o sul do Canadá até as regiões da Argentina • Zonas endêmicas importantes: vales dos rios Mississippi-Ohio na América do Norte (30 milhões de casos) ; bacia do rio da Prata e Serra do Mar na América do Sul. • Transmissão inter-humana: NÃO EXISTE
    7. 7. Histoplasmose no Brasil • Rio Grande do Sul: 111 pacientes de 1977 a 2002, desses 63,1% tinham AIDS. Unis G. RSBMT. 2004; 37(6):463 • Minas gerais: 18 casos em 10 anos, 17 com co-infecção pelo HIV. Borges AS. RSBMT. 1997; 30(2): 119. • Ceará: de 1999 a 2012 foram encontrados 310 casos de histoplasmose disseminada em pacientes com AIDS.
    8. 8. Patogênese
    9. 9. HISTOPLASMOSE • Micose sistêmica produzida pelo Histoplasma capsulatum var. capsulatum • Transmissão inalatória • Não há transmissão inter-humana nem de animal p/ homem • Disseminação linfo-hematogênica p/ baço, fígado e medula óssea • Formas clínicas: – Pulmonar – Disseminada
    10. 10. HISTOPLASMOSE: PATOGÊNESE • Influenciam as manifestações clínicas: • magnitude da exposição: números de partículas de fungos inaladas. • estado imunológico do hospedeiro: linfócitos T CD4 são os principais responsáveis pela destruição do fungo. • virulência da cepa.
    11. 11. Histoplasma capsulatum Filamentosa
    12. 12. Reservatório • Solo, poeira e animais • Vísceras e fezes de morcegos • Solo e ar de cavernas habitadas por morcegos • Fezes de pássaros, galinheiros • Túneis, chaminés, construções antigas, jardins e parques públicos c/ pombos, morcegos e árvores decaídas • Epidemias em explorações de cavernas ou sítios ricos em fezes de pássaros
    13. 13. Formas clínicas Afinidade pelo SRE • Pulmonar – Aguda – Crônica • Disseminada – Aguda (progressiva) – Crônica
    14. 14. Formas clínicas • Apresentação e evolução clínica depende: – Número de microconídios inalados – “Status” imune do hospedeiro
    15. 15. Formas clínicas HISTOP. PULMONAR AGUDA • Pacientes imunocompetentes • PI = 3 a 21ds • Quadro gripal (febre, cefaléia, astenia, tosse seca, anorexia, mialgia) auto-limitado • Remissão espontânea em 6 semanas • Rx: infiltrados em bases pulmonares + adenomegalia mediastinal • Nódulos calcificados em pulmão ou linfonodos
    16. 16. Formas clínicas HISTOP. PULMONAR CRÔNICA (HPC) • Adultos c/ DPOC, eg tabagistas  50 anos • Fat. predisponente: defeito na arquitetura pulmonar → impede resolução da micose • Q. clínico (febre, tosse, escarro purulento ou hemoptóico, perda de peso, dispnéia, dor torácica) • Evolução de anos, c/ progressão/remissão • RX: envolvimento simétrico, ápices, cavitações
    17. 17. Formas disseminadas  Fat. predisponente: deficit imunidade  Aids  Doenças onco-hematológicas  Neoplasias  Corticoterapia  Transplante de órgãos  Diabetes tipo II  Corticoterapia  doses  Idade avançada  Etilismo ou tabagismo Grave Moderado
    18. 18. Formas clínicas HISTOP. DISSEMINADA AGUDA • Imunodepressão grave: aids, onco-hemato, Febre,  peso, diarréia, vômitos, sintomas respiratórios, hepatoesplenomegalia, adenomegalia, lesões cutâneo-mucosas, pancitopenia • Alguns casos: envolvimento SNC, falência respiratória, falência de múltiplos órgãos
    19. 19. Formas clínicas HISTOP. DISSEMINADA AGUDA (HDA) • Lesões cutâneo-mucosas: – América Latina: 80% dos casos – EUA: 6 – 10% dos casos • Pele – Polimorfismo: múltiplas micropápulas, úlceras granulomatosas, nódulos • Mucosa – Menos freqüentes; úlceras em orofaringe e laringe
    20. 20. Histoplasmose e AIDS
    21. 21. Formas clínicas HISTOP. DISSEMINADA CRÔNICA • Imunodepressão moderada • Lesões mucocutâneas freqüentes • Comp laríngeo: – 50% dos casos – disfonia, odinofagia, dispnéia, tosse, expectoração • Comp cav oral e orofaringe: – 40% dos casos – úlceras e granulomas – dor, odinofagia, sialorréia, macroglossia – Úlcera em língua é comum
    22. 22. Formas clínicas HISTOP. DISSEMINADA CRÔNICA (HDC) • Lesões cutâneas: 10% dos casos – polimorfismo • Comprometimento pulmonar: 10 – 20% • Envolvimento de adrenais: 10%
    23. 23. Histoplasmose disseminada: mucosa e pele • Geralmente, se localizam na face, tronco e membros superiores • Apresentam-se como quadro clínico inicial dominante • Tendem a desaparecer nas primeiras semanas de terapêutica • Adquire importância porque constituem um meio de diagnóstico fácil nestes pacientes
    24. 24. Histoplasmose Disseminada e Pulmão
    25. 25. Histoplasmose e Aids
    26. 26. Histoplasmose: estudo de 28 casos HIV positivos Sintomas % Febre 100 Com calafrios 72 Adinamia 79 Perda de peso 79 Diarréia 75 Tosse 75 Com escarro 50
    27. 27. Histoplasmose: estudo de 28 casos HIV- positivos Hemoglobina 74% < 9,5 mg/dl Leucócitos 50% < 2.800 LDH 72% > 700 mU/ml TAP 71% < 40 Rx de Tórax 74% alterado
    28. 28. Histoplasmose e Aids
    29. 29. Diagnóstico • Ex. direto – cultura – biópsia – escarro, lesões, sangue – Hemocultura (+) em 75% dos casos – Hemocultura (-), Cultura medula óssea (+), • Acs específicos (Imunodifusão):  após 3-4 sem: > 1/32 ou 4x basal /  após resol. clín. • Histoplasmina: – (+) 3-4 sem após primo-infecção
    30. 30. Tratamento HISTOP. PULMONAR AGUDA  Anfotericina B, IV → ITZ oral p/ 3 meses (ausência de remissão ou imunodeprimido) HISTOP. PULMONAR CRÔNICA  Anfotericina B, IV → ITZ oral p/ 12-24 meses HISTOP. DISSEMINADA CRÔNICA  Anfotericina B, IV → ITZ oral p/ 6-18 meses HISTOP. DISSEMINADA AGUDA  Anfotericina B, IV + ITZ oral p/ ..........  Aids: indução – 12 sem / Manutenção – toda a vida
    31. 31. CryptococcusCryptococcus neoformansneoformans LevedurasLeveduras
    32. 32. I - Introdução • A criptococose é uma infecção subaguda ou crônica causada pelo Cryptococcus neoformans, uma levedura que raramente se dissemina em indivíduos sadios e que tem tropismo pelo SNC.
    33. 33. Cryptococcus neoformans
    34. 34. Patógeno ou oportunista? 1) Características básicas para produzir infecçcão: – Formas viáveis <4µm de diâmetro
    35. 35. Patógeno ou oportunista? 2) Fatores de virulência que afetam o grau de patogenicidade – Cápsula – Produtos de metabolismo – Produção de melanina – Produção de manitol – Superóxido dismutase – Proteases – Fosfolipase B – Lisofosfolipase
    36. 36. II - Epidemiologia e Transmissão • Cosmopolita • Isolamento de solo e matéria orgânica – Fezes de pombos e outras aves – Eucalipto • Transmissão: Inalação do fungo
    37. 37. Rota de infecçãoRota de infecção
    38. 38. • Aids • Corticoterapia • Linfoma • Diabetes mellitus • Transplante renal • Doenças do colágeno III – Fatores predisponentes
    39. 39. IV – Formas clínicas • Pulmonar • Meningoencefálica • Disseminada Mitchell & Perfect, Clin Microb Rev, 1995, 8:515.
    40. 40. V - Manifestações Clínicas • Pulmonar – Imunocompetentes - infiltrados pulmonares que se resolvem espontaneamente, resultando em granulomas cicatrizados – Imunocomprometidos • Infecção primária ou reativação de focos pré-existentes • Disseminação • Estabelecimento de infecção no SNC – Tosse, febre, perda de peso, dispnéia – Rx: nódulos isolados ou múltiplos nos campos pulmonares médio e inferior
    41. 41. Criptococose
    42. 42. Criptococose
    43. 43. V - Manifestações Clínicas • Meningoencefalite – Ocorre em 40 a 86% dos casos disseminados – Cefaléia, febre, distúrbio do comportamento
    44. 44. VI - Manifestações Clínicas • Cutânea – 10 a 15% dos casos de criptococose – Pápulas, vesículas, nódulos, granulomas superficiais e tumores – Lesões herpetiformes e lesões tipo molusco contagioso
    45. 45. Criptococose - Aids
    46. 46. Criptococose - Aids
    47. 47. Criptococose
    48. 48. Criptococose
    49. 49. VII - Diagnóstico Laboratorial • Exame direto com Tinta-da-China (nankin) – Pesquisa do agente etiológico no material suspeito - escarro, líquor, urina e sangue • Cultura: LCR e sangue • Sorologia: Crypto látex – Detecção de Ag capsular de C. neoformans no LCR, soro e urina: sens: 83-100% • Biópsia c/ histopatológico: PAS e Mucicarmim
    50. 50. Exame direto: cápsulaExame direto: cápsula
    51. 51. Cultura em Ágar Sabouraud dextroseCultura em Ágar Sabouraud dextrose Colônias mucóidesColônias mucóides
    52. 52. HistopatológicoHistopatológico CryptococcusCryptococcus sppspp MucicarmimMucicarmim
    53. 53. VIII - Tratamento • O êxito do tratamento depende do diagnóstico precoce e do estado geral do paciente • Anfotericina B • Anfotericina B associada a 5- fluorocitosina • Fluconazol • Voriconazol
    54. 54. Fatores de virulência • Produção de D-manitol – Sobrevivência no hospedeiro – inibe danos oxidativos • Superoxido dismutase (SOD) – Produção ↑ com ↑ da temperatura • Proteases – Digerem proteínas plasmáticas • Fosfolipases – Ruptura de membranas
    55. 55. Criptococose Fatores de risco • AIDS • Linfoma • Terapia com corticosteróides • ↓ CD4
    56. 56. Micoses Pulmonares • Aspergillus: - Existem mais de 200 espécies de Aspergillus que podem causar doença no homem. - Encontrado no ar, na água e no solo. Coloniza com grande frequência o trato respiratório alto de indivíduos normais. - É descrito a ocorrência de surtos de infecção invasiva pulmonar em pacientes de risco, após reformas de hospital.
    57. 57. • Aspergilose: constitui espectro amplo de doenças no hospedeiro humano, cujas manifestações clínicas dependem basicamente da resposta imunológica do mesmo, classicamente definidas como formas invasiva, saprofítica e alérgica. • A doença invasiva inclui: - Infecção do trato respiratório inferior, seios da face e pele como portas de entrada. - SNC, aparelho cardiovascular e outros sítios podem ser acometidos como consequência de disseminação hematogênica ou por invasão direta de focos de infecção contíguos.
    58. 58. - O envolvimento saprófita do Aspergillus inclui o aspergiloma. - Na condição alérgica destacam-se a aspergilose broncopulmonar alérgica e a sinusite.
    59. 59. Doenças causadas por várias espécies de Aspergillus • Colonização • Aspergiloma – Pulmomar – Seio paranasal • Doença alérgica • Aspergilose invasiva – Doença aguda invasiva • Pulmonar, dos seios paranasais ou disseminada
    60. 60. Aspergilose Pulmonar Invasiva • A situação clínica mais frequente é a de um paciente com neutropenia persistente, geralmente superior a 10 dias, que apresenta quadro de febre persistente apesar da antibioticoterapia de amplo espectro. • Em não neutropênicos e usuários de corticosteróides podem apresentar aspergilose invasiva com instalação mais insidiosa. Es Quadro clínico de tosse, eventualmente dor pleural, febre baixa ou ausente e lesão nodular ou cavitária em pulmões.
    61. 61. Aspergilose Pulmonar Invasiva • Exames complementares: - TC de Tórax: sinal do halo (nódulo cercado por imagem em vidro fosco). - Cultura com crescimento do fungo( LBA). - Detecção de galactomanana, polissacarídeo da parede do Aspergillus e, portanto, marcador da antigenemia. - Outro marcador potencial é o β-D glucan; sua presença significa infecção fúngica invasiva, porém não é específico.
    62. 62. Aspergiloma Pulmonar (bola fúngica) • Lesões cavitárias pulmonares têm risco para desenvolvimento de colonização intracavitária pulmonar por fungos (bola fúngica), sendo Aspergillus spp o gênero de fungo mais comumente envolvido no processo, por isso denominado aspergiloma. • 10% dos pacientes com cavitação secundária à tuberculose desenvolvem aspergiloma em período de 3 anos de seguimento. • Normalmente assintomático. Em alguns casos hemoptise.
    63. 63. Aspergiloma Pulmonar (bola fúngica) • Tratamento: cirúrgico. • Em alguns casos opta-se por tratamento clínico ou infusão de anfotericina B na cavitação.
    64. 64. Aspergilose Broncopulmonar Alérgica Critérios maiores: Critérios menores: asma presença de tampões de muco no escarro infiltrados pulmonares migratórios expectoração hemóptica; elevada taxa de eosinófilos no escarro bronquiectasias proximais impactação mucóide alta taxa de eosinófilos no sangue reação cutânea tardia valor da IgE sérica acima de 1000ng/mL presença de Aspergillus no escarro IgE e IgG específicas contra o A. fumigatus precipitinas contra antígeno de A. fumigatus resposta cutânea imediata.
    65. 65. Fatores de virulência • Relativos: dep. do hospedeiro • Catalase • Proteases – Elastase (tec.pulmonar 30% elastina) • Serina protease e metaloproteinase • Toxinas – Gliotoxina (imunossupressor) – Aflatoxina (carcinogênica)
    66. 66. Aspergilose Diagnóstico laboratorial • Material clínico: escarro, Aspirado bronco- pulmonar, tecido pulmonar • Exame direto • Cultura • Sorologia • Exame histopatológico
    67. 67. Aspergilose/Aspergiloma Aspergillus spp Diagnóstico laboratorial Exame direto (escarro)
    68. 68. Aspergilose Tratamento •ALÉRGICA: esteróides •ASPERGILOMA: cirurgia e anfotericina B •LOCAL, SUPERFICIAL: nistatina •INVASIVA: - Cirurgia - Anfotericina B, itraconazol ***Alta taxa de mortalidade
    69. 69. MICOSES PULMONARES  RADIOLOGIA - ABPARADIOLOGIA - ABPA
    70. 70. MICOSES PULMONARES  RADIOLOGIA - ABPARADIOLOGIA - ABPA
    71. 71. MICOSES PULMONARES  RADIOLOGIA - ABPARADIOLOGIA - ABPA
    72. 72. MICOSES PULMONARES  TERAPÊUTICA - ABPA Prednisona via oral. Itraconazol – pode diminuir a dose necessária de corticosteróide.
    73. 73. MICOSES PULMONARES  RADIOLOGIA – ASPERGILOMARADIOLOGIA – ASPERGILOMA
    74. 74. MICOSES PULMONARES  RADIOLOGIA – ASPERGILOMARADIOLOGIA – ASPERGILOMA
    75. 75. MICOSES PULMONARES  RADIOLOGIA – ASPERGILOMARADIOLOGIA – ASPERGILOMA
    76. 76. MICOSES PULMONARES  TERAPÊUTICA – ASPERGILOMATERAPÊUTICA – ASPERGILOMA Paciente assintomático: observação Hemoptise potencialmente letal: cirurgia Indicação cirúrgica sem condições clínicas: embolização de a. brônquica. Antifúngico intracavitário: ?
    77. 77. MICOSES PULMONARES  DIAGNÓSTICO – ASPERGILOMA Geralmente clínica + radiologia são suficientes
    78. 78. MICOSES PULMONARES  RADIOLOGIA – ASPERGILOSE INVASIVARADIOLOGIA – ASPERGILOSE INVASIVA
    79. 79. MICOSES PULMONARES  PATOLOGIA – ASPERGILOSE INVASIVAPATOLOGIA – ASPERGILOSE INVASIVA
    80. 80. MICOSES PULMONARES  RADIOLOGIA – ABPA + ASPERGILOMARADIOLOGIA – ABPA + ASPERGILOMA

    ×