Palestra Arranha-Céus- Filipe Boni

453 visualizações

Publicada em

Palestra sobre Arranha-Céus apresentada dia 9 de setembro na UFSC na noite de Palestras 2015. Temas abordados: História, viabilidade, projeto e experimentos para edifícios de referência.

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
453
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
25
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Palestra Arranha-Céus- Filipe Boni

  1. 1. ARRANHA-CÉUSNORMAS, PROCESSOS E EXPERIMENTOS PARA PROJETOS DE REFERÊNCIA APRESENTADO POR: FILIPE BONI ARQUITETO, LEED AP BD+C EMBRAED EMPREENDIMENTOS, 2030STUDIO
  2. 2. Estrutura da ApresentaçãoSobre arranha-céus Como torná-lo viável Proporções e diferenças legislativas Experimentos & Futuro Buscando a diferenciação e contrapartida com a sociedade O insight e referências históricas Como surgiu O projeto As regras e a relação com a cidade
  3. 3. UM POUCO DE HISTÓRIA
  4. 4. 1853Primeiro elevador com trava de segurança
  5. 5. Equitable Life Assurance Building (NY) Primeiro edifício com elevador
  6. 6. Modelo de NegócioApós o Elevador Térreo 4o 3o 2o 6o 5o Térreo 4o 3o 2o 6o 5o
  7. 7. Após o Elevador Modelo de Negócio Demanda Tecnologia Legislação
  8. 8. Grande Incêndio em Chicago 1871
  9. 9. Reconstrução de Chicago Dois dias depois
  10. 10. 1882- Montauk Block, 10 pavimentos 1891- Manhattan Building, 16 pavimentos1884- Home Insurance Building 1904- Carson Pirie Scott Building, 15 pavimentos Primeiros Arranha-Céus Primeira Escola de Chicago
  11. 11. Edifícios Referência Segunda Escola de Chicago
  12. 12. VIABILIZANDO UM EDIFÍCIO ALTO
  13. 13. + + = 01 02 03 04Terreno VGV Custo da Construção Viabilidade Viabilidade do ProjetoOs maiores impactantes Valor global de vendaAquisição, permuta… Matéria prima, mão de obra... Não esquecer de outros fatores como despesas administrativas, marketing
  14. 14. Caso 1Edifício distribuído em 16 pavimentos Terreno • Área: 1.000,00m2 • Coeficiente: 2,5 • Área computável: 2.500,00m2 Briefing • Apartamentos de 165,00m2 • 3 vagas de garagem tipo • 4 vagas de garagem no duplex Apartamentos Tipo Computável: 159,60m2 Não computável: 45,00m2 (escada + elevadores + esp. tec) Área Privativa: 167,55m2 Apartamento Duplex Computável: 159,60m2 Não computável: 106,37m2 (escada + elevadores, sacadas + esp. tec. + 1/3 área do pavto de potencial construtivo) Área privativa: 335,10m2 (incluindo 1/3 de terraços) 2 Subsolos Área Não Computável Total: 1.344,00m2 Térreo Área Computável: 105,05m2 (hall) Área Não Computável: 99,50m2 (escada + elevadores + recreação) Espaços Técnicos Área Não Computável: 70,00m2 Produto Final • 1 Apartamento por andar • 14 Apartamentos de 167,55m2 e 3 vagas de garagem. • 1 Apartamento Duplex de 335,10m2 e 4 vagas de garagem. Áreas Totais • Computável: 2.500,00m2 • Construída Total: 4.793,00m2 • Privativa Total: 2.680,00m2 A
  15. 15. Caso 2Edifício distribuído em 8 pavimentos Apartamentos Tipo Computável: 326,10m2 Não computável: 58,00m2 (escada + elevadores + sacadas + esp. tec.) Área Privativa: 171,05m2 Apartamento Duplex Computável: 326,10m2 Não computável: 217,40m2 (escada + elevadores + sacadas + 1/3 área do pavto de potencial construtivo) Área privativa: 342,10m2 (incluindo 1/3 de terraços) 2 Subsolos Área Não Computável Total: 1.344,00m2 Térreo Área Computável: 217,10m2 (hall + garden) Área Não Computável: 167,00m2 (escada + elevadores + recreação) Área Privativa: 117,10m2 Espaços Técnicos Área Não Computável: 70,00m2 Terreno • Área: 1.000,00m2 • Coeficiente: 2,5 • Área computável: 2.500,00m2 Briefing • Apartamentos de 165,00m2 • 3 vagas de garagem tipo • 4 vagas de garagem no duplex Produto Final • 2 Apartamentos por andar • 12 Apartamentos de 171,05m2 e 3 vagas de garagem. • 2 Apartamento Duplex de 342,10m2 e 4 vagas de garagem. • 1 Apto garden de 117,10m2 Áreas Totais • Computável: 2.500,00m2 • Construída Total: 4.704,00m2 • Privativa Total: 2.854,00m2 A
  16. 16. Subsolo 2 Subsolo 1 Térreo Tipo 1 Tipo 2 Tipo 3 Tipo 4 Tipo 5 Tipo 6 Tipo 7 Caso 1 ComparativoEdifício 16 andares x 8 andares (Curitiba/PR) Não computávelComputável Tipo 8 Tipo 9 Tipo 10 Tipo 11 Tipo 12 Tipo 13 Tipo 14 Duplex Inferior Ático Espaços Técnicos 672 672 159 45 159 45 159 45 159 45 159 45 159 45 159 45 159 45 105 99 159 45 159 45 159 45 159 45 159 45 159 45 159 45 106 70 Subsolo 2 Subsolo 1 Térreo Tipo 1 Tipo 2 Tipo 3 Tipo 4 Tipo 5 Tipo 6 Caso 2 Duplex Inferior Ático Espaços Técnicos 672 672 326 58 217 167 217 70 Tipo 7 326 58 326 58 326 58 326 58 326 58 326 58 326 58
  17. 17. Caso 2 …mas comparando com o Caso 1 possuímos 89m2 a menos de área construída e 174m2 a mais de área privativa. 500 1000 1500 2000 2500 3000 3500 4000 4500 5000 Caso 1 No edifício de 16 andares conseguimos uma boa proporção de áreas, onde a área computável supera a área privativa… ComparativoEdifício 16 andares x 8 andares (Curitiba/PR) Área (m2) Construída 4.793 Privativa 2.680 Computável 2.500 500 1000 1500 2000 2500 3000 3500 4000 4500 5000 Área (m2) Construída 4.704 Privativa 2.854 Computável 2.500 Proporção Privativa x Construída: 0,56 Proporção Privativa x Construída: 0,60 Produto mais eficiente (nesta matemática!)
  18. 18. Caso 1Variação de valorização Valorização de 10% Do Térreo até o Último Apto Valorização de 5% Do Térreo até o Último Apto Caso 2Variação de valorização
  19. 19. E aí? Qual vale mais?Venha para o mundo de Marlb… das variáveis! Cultura da empresa Conceito Arquitetônico Velocidade de Construção Tecnologia Construtiva Relação com o entorno Orientação Solar Concorrência Exigências Técnicas Conformação do TerrenoLegislação Regional Pesquisa de Mercado
  20. 20. Sinergia entre ProjetosOtimizando o produto COMPETITIVIDADE Arquitetura Lógica + Automação + Ar- Condicionado Sondagem + Topografia + Ambiental Elétrica Estrutura Consultores Diversos + BIM + Sustentabilidade Hidráulica Pesquisa de Mercado + Incorporação + Vendas + Condomínio + Marketing
  21. 21. DesvantagensDos arranha-céus Manutenção mais Difícil Consequentemente mais cara Custo de Obra mais Elevado Estrutura mais cara, transições, tempo de obra, obra em condições adversas Menor Possibilidade de Diversificação de Produto Estrutura interfere mais na arquitetura Projetos Adicionais Tunel de vento, fachada, hidráulico com sistema de sprinkler Maiores Exigências Técnicas Normas Estaduais de Bombeiro, NBR9077, entre outros Áreas Menos Otimizadas Conforme 3 slides anteriores Dificuldade de Transporte Vertical Exige melhor tecnologia de elevadores Tendência em consumir mais energia Mais área de absorção de calor Maior Facilidade de Patologias Maior vulnerabilidade a ventos Efeitos ao Entorno Sombreamento, canyon de vento
  22. 22. VantagensDos arranha-céus Mais Visuais Se legislação considerar afastamentos eficazes Visibilidade do Construtor Estabelecendo sua marca Menor Possibilidade de Interferências Externas Vizinhos, sombreamento Maior Área de Lazer Descoberta Devido a menor área construída Maior Valor de Venda nos Apartamentos Mais Altos * Oscilação de 20% em 30 pavimentos Visibilidade do Empreendimento Facilitando sua divulgação e venda Mais Conforto Em privacidade, iluminação e silêncio
  23. 23. O PROJETO DE UM ARRANHA-CÉU
  24. 24. Os elementos principais do projetode um aranha-céu TERRENO & LEGISLAÇÃO NORMAS TÉCNICAS TORRE BOAS PRÁTICAS EMBASAMENTO COROAMENTO
  25. 25. O PROJETO DE UM ARRANHA-CÉU PARTE 1: TERRENO E LEGISLAÇÃO
  26. 26. Mapa de CuritibaE seu zoneamento ZC SE CENTRAL SE-OUTRAS VIAS SE- VIAS EXTERNAS SE-CC SE- NOVA CURITIBA SE- BR-116
  27. 27. Mapa de Balneário CamboriúE seu zoneamento ZACC-I-A ZACC-I-B ZACC-I-C
  28. 28. Comparativo Curitiba Balneário Camboriú Recuo h/6 Recuo h/6 Referência de Nível Aeronáutica Limita edifícios altos a aprox. 100 metros de altura Recuo 5mRecuo 5m TÉRREO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 ÁTICO (até 2/3 do tipo N.C.) SS3 SS2 SS1 TÉRREO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 G1 G2 G3 G4 LAZER Coeficiente Entre 2 e 5 Taxa de Ocupação 50% para a torre Recuos 5m frontal e h/6 para laterais e fundos Coeficiente Entre 5 e 7 Taxa de Ocupação 40% para a torre Recuos 5m para laterais e fundos ÁTICO (Computavel)
  29. 29. Parâmetros Coeficiente 5 Taxa Ocup.: 50% Recuos: H/6 laterais e fundos Torre B com 10 pavimentos Estudo de Caso Torre A City Centro Cívico (Curitiba/PR) Briefing Torre A com 60% Escritórios e 40% Residencial Escritórios 40 a 80m2 Apartamentos de 45 a 70m2 Torre B Corporativa Escritórios de 240m2 Áreas Totais Computável: 29.415,00m2 Construída Total: 48.423,00m2 Privativa Total: 27.730,00m2 A Proporção Privativa x Construída: 0,56
  30. 30. Cone Aeronáutica Recuo h/6 Recuo h/6 32o Pavto 12o Pavto Transição Est. + Hidro Transição Est. Transição Est.
  31. 31. Burj KhalifaEdifício mais alto do mundo (por enquanto) – 828 metros de altura Custo $1.500,000.000,00 Área: 334.000,00m2 Valor venda 2010: $24.500,00/m2 Valor venda hoje: $7.200,00/m2
  32. 32. O PROJETO DE UM ARRANHA-CÉU PARTE 2: NORMAS TÉCNICAS
  33. 33. Example 1 Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Integer pulvinar nulla ut. Bombeiro Paraná NPT-11 (2013)Exigências dos Sistemas Residencial TransitóriaResidencial Multifamiliar Comercial Elevador de Emergência 150m 60m 20m 36m 30m 12m 50m 0m Elevador de Emergência Elevador de Emergência 80m Duas escadas ou substituir a segunda por Elevador de Emergência Duas escadasDuas escadas Análise de comisão técnica Análise de comisão técnica Análise de comisão técnica Escada Enclausurada a Prova de Funaça Escada Protegida Escada Comum Escada Enclausurada a Prova de Funaça Escada Protegida Escada Comum Escada Enclausurada a Prova de Funaça Escada Protegida Escada Comum 6m
  34. 34. Example 1 Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Integer pulvinar nulla ut. Bombeiro Santa Catarina IN-09 (2014)Quantidade de Escadas Escada Enclausurada Residencial TransitóriaResidencial Multifamiliar Comercial Escada a Prova de Fumaça Escada Protegida Escada Comum 30m 21m 12m 0m 6m Escada Enclausurada Escada a Prova de Fumaça (2 unid.) Escada Protegida Escada Comum Escada Enclausurada Escada a Prova de Fumaça Escada Protegida Escada Comum Escada Enclausurada (2 unid.)
  35. 35. Example 1 Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Integer pulvinar nulla ut. Bombeiro Santa Catarina IN-01 (2014)Exigências dos Sistemas Sistema de Alarme / Detecção de incêndio / ancoragem de cabos / Proteção contra desc. atmosféricas Residencial TransitóriaResidencial Multifamiliar Comercial Elevador de Emergência 150m Local para resgate aéreo Sistema hidráulico preventivo / Plano de Emergência Proteção por extintores / saída de emergência / instalações gás combustível / Iluminação de Emergência e sinalização / Materiais de Acabamento IN18 / Piscinas IN33 *População acima de 20 pessoas Brigada Voluntária *População acima de 100 pessoas Brigada Particular Sistema de Sprinklers 60m 20m 40m 30m 4 pav 50m Sistema de Sprinklers Local para resgate aéreo Sistema de Alarme / Detecção de incêndio / ancoragem de cabos / Proteção contra desc. atmosféricas Sistema de Alarme / Detecção de incêndio / ancoragem de cabos / Proteção contra desc. atmosféricas 0m Elevador de Emergência Local para resgate aéreo Sistema hidráulico preventivo / Plano de Emergência Proteção por extintores / saída de emergência / instalações gás combustível / Iluminação de Emergência e sinalização / Materiais de Acabamento IN18 / Piscinas IN33 / Caldeiras IN32 *População acima de 20 pessoas Brigada Voluntária *População acima de 100 pessoas Brigada Particular Elevador de Emergência Sistema hidráulico preventivo / Plano de Emergência Saída de emergência / instalações gás combustível / Iluminação de Emergência e sinalização / Materiais de Acabamento IN18 / Piscinas IN33 / Caldeiras IN32 *Acima de 50m2 Proteção por Extintores *Acima de 3000m2 Sistema de Sprinklers
  36. 36. ESCADA PRESSURIZADA ELEVADOR DE EMERGÊNCIA GERADOR DE EMERGÊNCIA MANGOTINHOS COM CARRETEL MÓVEL Substituição para Resgate AéreoConforme IN-09 (2014)
  37. 37. Eleva Custo de Obra Pois necessita de equipamentos e casa de pressurização Necessita de consultoria específica Conforme NBR 14480 Exige mais manutenção & energia Não é um sistema natural Eficiente para apenas alguns casos Comparar projetos e consultar legislação específica Otimizam as áreas do pavimento tipo Ganhando alguns metros quadrados preciosos Dispensa Heliponto & Concentração Concentração= 50% área do tipo Ganho de áreas de terraço no duplex Ganho de área privativa Facilita a diversificação de produto Deixa a planta menos intrincada Escada PressurizadaVantagens e desvantagens
  38. 38. Dúvidas nas Normas Estaduais?NBR neles!
  39. 39. O PROJETO DE UM ARRANHA-CÉU PARTE 3: BOAS PRÁTICAS
  40. 40. Embasamento do EdifícioBoas práticas Harmonia ao contexto urbano Respeitando a escala humana e o contexto público e privado
  41. 41. Embasamento do EdifícioBoas práticas Torne o empreendimento saudável a longo prazo Aumentando a vendabilidade, visibilidade e transparência das lojas
  42. 42. Embasamento do EdifícioBoas práticas Entenda a relação de privacidade Entre partes comerciais e residenciais
  43. 43. Embasamento do EdifícioBoas práticas Repeite o entorno Buscando uma relação de escala
  44. 44. Tunel de VentoInvestimento que compensa Mais segurança ao empreendimento Otimiza a estrutura Melhora o conforto aos pedestres Deveria ser feito para qualquer empreendimento acima de 40 pavimentos
  45. 45. Tunel de VentoEscopo de análise Estudo de dados meteorológicos e modelagem real de um raio de no mínimo 800m com o edifício no centro Análise de vento para pedestres Modelagem de pressão para paredes externas Modelagem estrutural de força e balanço Acima de 300m: Análise estrutural aero- elástica
  46. 46. Problema 1 Vento fluindo para baixo da construção causando muita aceleração nos cantos barlavento. Ocasionado por fachadas amplas e altas. Solução 1 As torres podem possuir afastamentos no embasamento que ajudam a reduzir grandes fluxos de vento. A proporção dos recuos e sua influência são afetadas pela altura dos edificios adjacentes. Problema 2 Construções altas e baixas sem área de escape criam uma pressão inferior a favor do vento. Solução 2 Arquitetura pode reorganizar espaços buscando maior fluidez. Paisagismo nas coberturas ajudam ainda mais a mitigar a pressão. Tunel de VentoProblemas e soluções
  47. 47. Problema 3 Vento é afunilado entre duas construções causando a aceleração de vento (wind canyon effect). A altura, espaçamento e orientação das construções afetam a intensidade da aceleração do vento. Solução 3 O Uso de coberturas horizontais nas faces que recebem o vento são benéficas. Paredes adicionais também podem ajudar. Tunel de VentoProblemas e soluções Outras soluções Construções com colunas podem ser usadas para controlar os fluxos de vento, e dão escolha ao pedestre por regiões com mais ou menos vento.
  48. 48. Torre do EdifícioBoas práticas Limite o tamanho da torre Buscando melhorar o sombreamento do entorno Não cole-a no recuo Melhorando assim a escala urbana
  49. 49. TorreBoas práticas Distancie as torres Buscando maior privacidade, ventilação e luz natural
  50. 50. TorreBoas práticas Oriente corretamente o edifício Buscando excelência, inovação e sustentabilidade.
  51. 51. Topo do EdifícioBoas práticas Projete um topo que contribua com o Skyline Cuidando com a iluminação excessiva e gastos de energia
  52. 52. EXPERIMENTOS PARA PROJETOS DE REFERÊNCIA
  53. 53. A FERRAMENTA NÚMERO 1, IMPRESCINDÍVELPaciência!
  54. 54. EOS- Curitiba/PREdifício residencial de 27 pavimentos
  55. 55. Mai Home- Curitiba/PREdifício residencial de 26 pavimentos
  56. 56. 59
  57. 57. 60 Parametrização de Elementos Criando novas soluções arquitetônicas
  58. 58. 61
  59. 59. Análise EnergéticaEstudos na Embraed Niveis de ASE Niveis de SDA
  60. 60. Confira a viabilidade a cada passo Atenção para as normas técnicas Busque diferenciais, respeite o entorno e gerencie o caos Se você projeta alto…Um resumo Tenha uma equipe coesa de projeto Entenda a legislação local
  61. 61. E agora? Voltando para Chicago
  62. 62. 1995Onda de calor em Chicago
  63. 63. 1880 a 1945 1945 a 1975 1975 a 2000 (pos-crise energética) 2000 (consciência energética)
  64. 64. 2012 Plano de redução de emissões
  65. 65. O QUE PODEMOS FAZER?
  66. 66. Mais importante que construir alto, é construir com eficiência, buscando além do lucro uma contrapartida para a socidade
  67. 67. OBRIGADO Sinta-se livre para perguntas sobre nos contatos abaixo: contato@2030studio.com (41) 8413 7279 www.2030studio.com

×