Joint Application Design

1.958 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre JAD - Joint Application Design, para a disciplina de Prática e Gerenciamento de Projetos, curso de Sistemas de Informação pela Universidade de São Paulo

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.958
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
79
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Joint Application Design

  1. 1. JAD<br />JOINT APPLICATION DESIGN (DEVELOPMENT)<br />
  2. 2. #1<br />LEVANTAMENTO DE REQUISITOS<br />
  3. 3. LEVANTAMENTO DE REQUISITOS<br />Entender o cliente.<br />Parte mais importante do processo de desenvolvimento.<br />Garantir que todos os envolvidos saibam o que é esperado.<br />
  4. 4. DIFICULDADES<br />O MÉTODO DE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS<br />MAIS UTILIZADO É A ENTREVISTA INDIVIDUAL.<br />APESAR DA PRATICIDADE, TORNA O<br />PROCESSO MUITO DEMORADO.<br />NÃO TRATA ASPECTOS CRÍTICOS.<br />
  5. 5. ?<br />#2<br />O QUE É JAD<br />
  6. 6. DEFINIÇÃO<br />SURGIU PARA MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE<br />DESENVOLVEDORES, CLIENTES E ENVOLVIDOS.<br />MÉTODO PARA DEFINIÇÃO<br />DE REQUISITOS DE SISTEMAS.<br />MAIS USUAL EM EMPRESAS QUE POSSUEM ESTRUTURAS<br />ORGANIZACIONAIS VOLTADAS AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS.<br />UTILIZADO NAS EMPRESAS QUE QUEIRAM TOMAR DECISÕES<br />QUE AFETAM MÚLTIPLAS ÁREAS DA ORGANIZAÇÃO.<br />
  7. 7. PROPOSTAS<br />Promove a integração com os clientes.<br />Propõe o compromisso, coesão de grupo, reuniões produtivas, papéis bem definidos, trabalho estruturado e dinamismo de trabalho.<br />
  8. 8. OBJETIVOS<br />FAZER COM QUE OS CLIENTES<br />SINTAM-SE CO-AUTORES.<br />CRIAR VÍNCULO MUITO<br />FORTE DE POSSE,<br />PROPRIEDADE E DOMÍNIO<br />
  9. 9. #3<br />ESTRUTURA DA REUNIÃO<br />
  10. 10. INFRAESTRUTURA<br />SALA DE REUNIÃO: LOCAL “ISENTO DE INFLUENCIAS”. BOA ILUMINAÇÃO, VENTILAÇÃO ADEQUADA E BAIXO NÍVEL DE RUÍDO.<br />QUADRO BRANCO: FACILITAR A COMPREENSÃO DO TEMA EXPOSTO.<br />FLIP CHART: OFICIALIZAR AS PRINCIPAIS DECISÕES DO GRUPO. AFIXAR TUDO O QUE FOI PUBLICADO.<br />MESA: FORMATO EM “U”.<br />
  11. 11.
  12. 12. CRONOGRAMA E<br />CHECKLIST<br />AGENDA: CONSIDERAR TODOS OS TÓPICOS QUE SERÃO ABORDADOS DURANTE AS SESSÕES.<br />CHECKLIST: CRIAR LISTA PARA CHECAGEM DOS ITENS PRÉ REUNIÃO.<br />
  13. 13. FORMATO DA REUNIÃO<br />Abertura:<br />Apresentação dos participantes, metodologia da reunião e definir a conduta do grupo. Apresentar a agenda.<br />Desenvolvimento:<br />Ocorre o levantamento de dados. Conclusão de tópico por tópico da agenda. Aprovações necessárias.<br />Fechamento:<br />São feitos os resumos do que foi discutido e aprovado. Momento para resolver assuntos pendentes e distribuir tarefas para próximas reuniões.<br />
  14. 14. #4<br />ELEMENTOS DA REUNIÃO<br />
  15. 15. CLIENTE<br />Estabelece as diretrizes e objetivos do projeto.<br />Responsável pela abertura da primeira sessão de trabalho.<br />
  16. 16. EQUIPE<br />Responsáveis pelo conteúdo da reunião.<br />Representam as áreas envolvidas no projeto.<br />Os participantes são escolhidos entre pessoas chave de cada área de negócio. Na sessão, não há distinção hierárquica.<br />
  17. 17. LÍDER DE SESSÃO<br />Responsável pela condução da reunião. Deve ser o guia do grupo.<br />Deve garantir que a sessão será conduzida adequadamente e que a opinião de todos seja ouvida.<br />Habilidade para lidar com pessoas é essencial.<br />Não opina!<br />
  18. 18. ESCRIBA<br />É UM AUXILIAR DO LÍDER DA SESSÃO.<br />DEVE REGISTRAR AS DECISÕES E ESPECIFICAÇÕES PRODUZIDAS.<br />DOCUMENTA AS INFORMAÇÕES MAIS RELEVANTES, SEGUNDO ORIENTAÇÃO DO LÍDER DA SESSÃO.<br />
  19. 19. GERENCIADOR DO<br />TEMPO<br />Deve monitorar o andamento da sessão com base no tempo estimado.<br />Avisar aos membros da sessão quando o tempo para cada assunto estiver sendo ultrapassado.<br />Reservar um tempo ao fim da sessão para as considerações finais.<br />
  20. 20. #5<br />TÉCNICAS PARA<br />CONDUÇÃO DA REUNIÃO<br />
  21. 21. BRAINSTORM<br />FAZER PERGUNTAS ABERTAS.<br />REFORÇAR COLOCAÇÕES INTERESSANTES.<br />IGNORAR COMENTÁRIOS FORA DO OBJETIVO.<br />INTERROMPER DIÁLOGOS PARALELOS.<br />FAZER PERGUNTAS ORIENTADAS A TÓPICOS ESPECÍFICOS.<br />NÃO PERMITIR QUE A DISCUSSÃO FUJA DOS OBJETIVOS.<br />ESCUTAR TODOS OS PARTICIPANTES.<br />ESCREVER NO FLIP-CHART AS PRINCIPAIS DECISÕES DO GRUPO.<br />
  22. 22. É proibido proibir!!!<br />JAD não é Joint Application DISASTER!<br />REGRAS<br />É proibido criticar qualquer coisa.<br />Qualquer um pode aproveitar qualquer idéia já lançada e melhorá-la.<br />As idéias lançadas num brainstorming são propriedade do grupo e não do indivíduo.<br />Todos os participantes devem conhecer os objetivos do projeto.<br />
  23. 23. #6<br />REFERÊNCIAS<br />
  24. 24. WOOD, Jane; SILVER, Denise. JAD - Joint Application Development. John Wiley & Sons, Inc., 1995.<br />SOLTYS, Romam. JAD For Business PlansAnd Designs. 1993.<br />RUSH, Gary. JAD - Its History And Evolution. 2006<br />http://youtu.be/dtDLnhuBCTI - Visitado em 26/08/2010<br />
  25. 25. Escola de Artes, Ciências e Humanidades<br />Universidade de São Paulo<br />Prática e Gerenciamento de Projetos<br />Lucas Lima Oliveira<br />Luiz Roberto Contim<br />Marcus Vinícius Viudes Rocha<br />Vitor Kenzo Kataguire<br />JOINT<br />APPLICATION<br />DESIGN<br />

×