SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
A PASSAROLA


“quem se atreve a sonhar, arrisca-se
a que algum dos seus sonhos se
realize” José Fernandes in: O Poeta e a Linguagem




       Prof. Elisabete Tavares
Prof. Elisabete Tavares
Deus quer, o homem sonha, a obra nasce
                                                              Fernando Pessoa, poema O Infante




                               O sonho
      Além da conversa das mulheres, são os sonhos que seguram o
      mundo na sua órbita.(cap. XI Memorial do Convento)

                                                            O sonho é ver as formas invisíveis
Triste de quem vive em casa,                                Da distância imprecisa, e, com sensíveis
Contente com o seu lar,                                     Movimentos da esp’rança e da vontade,
Sem que um sonho, no erguer da asa,                         Buscar na linha fria do horizonte
Faça até mais rubra a brasa                                 A árvore, a praia, a flor, a ave, a fonte-
Da lareira abandonar!                                       Os beijos merecidos na Verdade
      Fernando Pessoa , poema O quinto Império                        Fernando Pessoa, poema Horizonte



                                         Prof. Elisabete Tavares
Baltasarblimunda (trovante)
                   Metade barco e balão
                                                         Asas e bico


Outra metade a sonhar
                                            Guardadas estão as vontades

Que nos irão sustentar
                                         Criador, nas mão de um padre doutor

  Subiu no céu de Lisboa
                                                     Baltasar
       Blimunda




                           Prof. Elisabete Tavares
                                                                          Texto 5, pag.233
O homem primeiro tropeça, depois anda, depois corre, um dia voará

                                       A PARTILHA DE UM SEGREDO…



UMA PROFUNDA AMIZADE
 Deitou o padre Bartolomeu Lourenço a bênção ao soldado e à vidente, eles beijaram-lhe a
  mão, mas no último momento se abraçaram os três, teve mais força a amizade do que o
  respeito, e o padre disse, Adeus Blimunda, adeus Baltasar, cuidem um do outro e da
  passarola, que eu voltarei um dia com o que vou buscar. (cap. IX)

A PARTILHA DE UM SONHO

   Foi Blimunda que veio abrir a porta. Estava escurecendo a tarde, mas ela reconheceu o
    vulto do padre que desmontava, quatro anos não é tanto tempo assim, beijou-lhe a mão,
    não andassem por ali vizinhos curiosos e seria diferente a saudação, que estes dois, estes
    três, quando estiver Baltasar, têm razões do coração que os governam, e, em tantas
    noites passadas, uma terá havido pelo menos, em que sonharam um mesmo sonho, viram
    a máquina de voar batendo asas, viram o sol explodindo em luz maior, e o âmbar atraindo
    o éter (cap. XI)



                                        Prof. Elisabete Tavares                        Texto5 (pág. 232)
A passarola
                       (…) parecia uma enorme concha, toda eriçada de arames, como um
                       cesto que, em meio fabrico, mostra as guias do entrançado. (cap. VI)




 Barca voadora




Epopeia dos ares




    E quando tudo estiver armado e concordante entre si, voarei
                                Prof. Elisabete Tavares
O funcionamento da passarola

                                          Uma vez por outra, Blimunda levanta-se mais cedo, antes
                                          de comer o pão de todas as manhãs ,e, deslizando ao longo
                                          da parede para evitar pôr os olhos em Baltasar, afasta o
                                          pano e vai inspecionar a obra feita, descobrir a fraqueza
Se Deus é maneta e fez o                  escondida do entrançado, a bolha de ar no interior do ferro,
            Qual o segredo do éter????
Universo, este homem sem                  e, acabada a vistoria, fica enfim a mastigar o alimento,
                                          pouco a pouco se tornando tão cega como a outra gente
mão pode atar a vela e o arame            que só pode ver o que à vista está. (cap. IX)
que hão-de voar .(cap. VI)




        …o caso é que ela voasse, e assim não pode voar se lhe falta o éter, Que é isso,
        perguntou Blimunda, É onde se suspendem as estrelas …para que a máquina se levante
        ao ar, é preciso que o sol atraia o âmbar que há-de estar preso nos arames do tecto, o
        qual, por sua vez, atrairá o éter que teremos introduzido dentro das esferas, o qual, por
        sua vez atrairá os ímanes que estarão por baixo, os quais, por sua vez, atrairão as
        lamelas de ferro de que se compõem o cavername da barca, e então subiremos ao ar.
        (cap IX)

                                                                                    Texto 6 (pag. 235)
                                           Prof. Elisabete Tavares
A construção da passarola: a tríade terrestre

                         Tu construirás a máquina, tu recolherás as
                         vontades, encontrar-nos-emos os três quando
                         chegar o dia de voar. (cap.XI)




É uma irmandade terrestre, o pai, o filho e o espírito santo. (cap. XIV)

                                                                     
                                Prof. Elisabete Tavares
O 4º ELEMENTO

           Na sua frente estava uma ave gigantesca, de asas abertas, cauda em
           leque, pescoço comprido, a cabeça ainda em tosco, por isso não se
           sabia se viria a ser falcão ou gaivota, É este o segredo, perguntou
           |Scarlatti| Este é, até hoje de três pessoas, agora de quatro, aqui está
           Baltasar Sete-Sóis, e Blimunda não se demora, anda na horta.


      SCARLATTI E A MÚSICA: O SABER ARTÍSTICO




Texto 7 (pag. 237)
                                        Prof. Elisabete Tavares
Domenico Scarlatti aproximou-se da máquina, que se
                        equilibrava sobre uns espeques laterais, pousou as
                        mãos numa das asas como se ela fosse um teclado,
                        e, singularmente, toda a ave vibrou apesar do seu
                        grande peso … se houver forças que façam levantar
                        isto, então ao          homem nada é impossível
                        (cap. XIV))


(…) eu Bartolomeu Lourenço de Gusmão( que estou subindo ao céu por obra do meu
génio, por obra também dos olhos de Blimunda (por obra da mão direita de Baltasar (…)
e Baltasar gritou, Conseguimos, abraçou-se a Blimunda e desatou a chorar (…). O padre
veio para eles e abraçou-se também, subitamente perturbado por uma analogia, assim
dissera o italiano, Deus ele próprio, Baltasar seu filho, Blimunda o
Espírito Santo, e estavam os três no céu, Só há um Deus, gritou, mas o
vento levou-lhe as palavras da boca. (cap. XVI)


O VOO DA PASSAROLA

                                 Prof. Elisabete Tavares
A passarola e o voo: simbologia


Simboliza a harmonia entre o desejo e a sua realização. Graças ao sonho, que
uniu Bartolomeu, Baltasar e Blimunda foi possível a conjugação harmoniosa da
ciência, do trabalho artesanal e da magia, aliadas à arte musical de Scarlatti, para
construir e fazer voar a passarola. A trindade terrestre conseguiu o feito de criar e,
com o quarto elemento, deu-lhe solidez, com os naturais limites. E renovou a
esperança da liberdade face a um mundo de opressão.

A passarola materializa o Sonho dos seus construtores, agentes do
progresso e simboliza a perfeição e a sabedoria do Homem, que possui
Vontade e Fé.


Representa uma visão do mundo não metafísica, mas ideológica: o
homem é o verdadeiro criador do mundo.


                                 Prof. Elisabete Tavares
Elementos simbólicos (ver pág.
                     239 manual)
                            Ave: elemento mediador entre o Terra e o Céu, é o
                            mensageiro das divindades. Simboliza a leveza, a
                            libertação do peso terrestre e a elevação espiritual
Número 3: Número fundamental, o 3 representa a relação
espiritual do homem com Deus e com o Cosmos. Simboliza a
união do Céu e da Terra. Está associado à Santíssima
Trindade, isto é a perfeição da Unidade Divina.

Número 4: simboliza a constância, o percorrer passo a passo o
caminho. O 4 é a raiz de todas as coisas que acontecem no
Universo: 4 são as estações do ano; 4 as fases da lua, 4 os
elementos do Universo (terra, ar, fogo, e água), 4 os pontos
cardeais…
    Céu: simboliza a plenitude espiritual, a eternidade, a
    aspiração humana de conquista do absoluto.

                                                                        
                              Prof. Elisabete Tavares
Proposta de escrita
Comente a importância da ação de Blimunda no
sonho de voar, em Memorial do Convento, de
José Saramago, fazendo referências pertinentes à
obra.
Escreva um texto de 80 a 130 palavras



                   Prof. Elisabete Tavares
Cenários de resposta
                         A resposta deve contemplar, entre outros aspetos, os seguintes:



Dotada de poderes sobrenaturais – a extraordinária capacidade de vidência ( no
interior dos corpos e das coisas), Blimunda participa no sonho de voar:
     - inspecionando os materiais para a construção da passarola;
     - recolhendo as 2000 mil vontades com as quais enchem as esferas que
     fazem voar a máquina, pondo em risco a sua própria vida.


 Ela é o elemento mágico indispensável, sem o qual a concretização do sonho não
 tinha sido possível.

 Deve ser feita alusão a acontecimentos da obra (centrar-se no plano da
 construção da passarola)
                                   Prof. Elisabete Tavares

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãSofia_Afonso
 
A nostalgia da infância
A nostalgia da infânciaA nostalgia da infância
A nostalgia da infânciaPaulo Portelada
 
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa "Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa VniaRodrigues30
 
Memorial do convento, cap. 13 14
Memorial do convento,  cap. 13 14Memorial do convento,  cap. 13 14
Memorial do convento, cap. 13 14Ana Teresa
 
Memorial do Convento, de José Saramago
Memorial do Convento, de José SaramagoMemorial do Convento, de José Saramago
Memorial do Convento, de José SaramagoDina Baptista
 
D. João, infante de portugal
D. João, infante de portugalD. João, infante de portugal
D. João, infante de portugalGonaloNuno2
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana SofiaJoana Azevedo
 
Os Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da MaiaOs Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da MaiaAntónio Fernandes
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"MiguelavRodrigues
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeMariaVerde1995
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeDina Baptista
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V12º A Golegã
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas"
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas""Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas"
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas"CatarinaSilva1000
 
Mensagem, D. Filipa de Lencastre
Mensagem,  D. Filipa de Lencastre Mensagem,  D. Filipa de Lencastre
Mensagem, D. Filipa de Lencastre Ana Cristina Matias
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisDina Baptista
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoRaffaella Ergün
 

Mais procurados (20)

Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - Antemanhã
 
A nostalgia da infância
A nostalgia da infânciaA nostalgia da infância
A nostalgia da infância
 
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa "Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
 
Memorial do convento, cap. 13 14
Memorial do convento,  cap. 13 14Memorial do convento,  cap. 13 14
Memorial do convento, cap. 13 14
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Memorial do Convento, de José Saramago
Memorial do Convento, de José SaramagoMemorial do Convento, de José Saramago
Memorial do Convento, de José Saramago
 
D. João, infante de portugal
D. João, infante de portugalD. João, infante de portugal
D. João, infante de portugal
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Os Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da MaiaOs Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da Maia
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
 
Lírica Trovadoresca
Lírica TrovadorescaLírica Trovadoresca
Lírica Trovadoresca
 
Mensagem elementos simbólicos
Mensagem  elementos simbólicosMensagem  elementos simbólicos
Mensagem elementos simbólicos
 
O Mostrengo
O MostrengoO Mostrengo
O Mostrengo
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas"
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas""Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas"
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas"
 
Mensagem, D. Filipa de Lencastre
Mensagem,  D. Filipa de Lencastre Mensagem,  D. Filipa de Lencastre
Mensagem, D. Filipa de Lencastre
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 

Destaque

Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Conventoguest304ad9
 
Memorial convento- José Saramago
Memorial convento- José SaramagoMemorial convento- José Saramago
Memorial convento- José Saramagobecresforte
 
A passarola (sonho e utopia) em Memorial do Convento
A passarola (sonho e utopia) em Memorial do ConventoA passarola (sonho e utopia) em Memorial do Convento
A passarola (sonho e utopia) em Memorial do ConventoElisabete
 
MC construção da passarola
MC construção da passarolaMC construção da passarola
MC construção da passarolaAnaFPinto
 
Capítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MCCapítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MC12anogolega
 
Memorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMemorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMiguelavRodrigues
 
Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)
Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)
Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)Teresa Ferreira
 

Destaque (11)

Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Convento
 
Capítulo IV
Capítulo IVCapítulo IV
Capítulo IV
 
Memorial convento- José Saramago
Memorial convento- José SaramagoMemorial convento- José Saramago
Memorial convento- José Saramago
 
A passarola (sonho e utopia) em Memorial do Convento
A passarola (sonho e utopia) em Memorial do ConventoA passarola (sonho e utopia) em Memorial do Convento
A passarola (sonho e utopia) em Memorial do Convento
 
MC construção da passarola
MC construção da passarolaMC construção da passarola
MC construção da passarola
 
Capítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MCCapítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MC
 
Memorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMemorial do convento - Personagens
Memorial do convento - Personagens
 
Portugues mc
Portugues mcPortugues mc
Portugues mc
 
4. inquisição
4. inquisição4. inquisição
4. inquisição
 
Capítulo viii
Capítulo viiiCapítulo viii
Capítulo viii
 
Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)
Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)
Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)
 

Semelhante a A passarola voa

Liber 333 - O Livro das Mentiras
Liber 333 - O Livro das MentirasLiber 333 - O Livro das Mentiras
Liber 333 - O Livro das MentirasMarcelo Ferreira
 
História de uma gaivota e do gato
História de  uma  gaivota  e do gatoHistória de  uma  gaivota  e do gato
História de uma gaivota e do gatoBiblioteca Escolar
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 79-80
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 79-80Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 79-80
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 79-80luisprista
 
A visão do profeta ezequiel
A visão do profeta ezequielA visão do profeta ezequiel
A visão do profeta ezequielJuarez Fragata
 
As 100 melhores histórias da mitologia.
As 100 melhores histórias da mitologia.As 100 melhores histórias da mitologia.
As 100 melhores histórias da mitologia.Bruna Machado
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112luisprista
 
Introdução a pérola 2013
Introdução a pérola  2013Introdução a pérola  2013
Introdução a pérola 2013Simone Pitta
 
Simbolismo da passarola
Simbolismo da passarolaSimbolismo da passarola
Simbolismo da passarolabecresforte
 
Simbolismo da passarola - "Felizmente há luar"
Simbolismo da passarola - "Felizmente há luar"Simbolismo da passarola - "Felizmente há luar"
Simbolismo da passarola - "Felizmente há luar"becresforte
 
Mensagem fernando pessoa
Mensagem fernando pessoaMensagem fernando pessoa
Mensagem fernando pessoaprof_daniela
 
Mensagem fernando pessoa
Mensagem   fernando pessoaMensagem   fernando pessoa
Mensagem fernando pessoaLeandro Doras
 
Semear, Resistir, Colher.
Semear, Resistir, Colher.Semear, Resistir, Colher.
Semear, Resistir, Colher.Sílvio Mendes
 
Bíblia e Mitologia
Bíblia e Mitologia Bíblia e Mitologia
Bíblia e Mitologia Leialdo Pulz
 
A poesia de castro alves
A poesia de castro alvesA poesia de castro alves
A poesia de castro alvesma.no.el.ne.ves
 

Semelhante a A passarola voa (20)

Liber 333 - O Livro das Mentiras
Liber 333 - O Livro das MentirasLiber 333 - O Livro das Mentiras
Liber 333 - O Livro das Mentiras
 
História de uma gaivota e do gato
História de  uma  gaivota  e do gatoHistória de  uma  gaivota  e do gato
História de uma gaivota e do gato
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 79-80
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 79-80Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 79-80
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 79-80
 
A visão do profeta ezequiel
A visão do profeta ezequielA visão do profeta ezequiel
A visão do profeta ezequiel
 
Liber 418 port comentado
Liber 418 port comentadoLiber 418 port comentado
Liber 418 port comentado
 
As 100 melhores histórias da mitologia.
As 100 melhores histórias da mitologia.As 100 melhores histórias da mitologia.
As 100 melhores histórias da mitologia.
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
 
Introdução a pérola 2013
Introdução a pérola  2013Introdução a pérola  2013
Introdução a pérola 2013
 
Simbolismo da passarola
Simbolismo da passarolaSimbolismo da passarola
Simbolismo da passarola
 
Simbolismo da passarola - "Felizmente há luar"
Simbolismo da passarola - "Felizmente há luar"Simbolismo da passarola - "Felizmente há luar"
Simbolismo da passarola - "Felizmente há luar"
 
Alvaro de campos
Alvaro de camposAlvaro de campos
Alvaro de campos
 
Publicidade.04
Publicidade.04Publicidade.04
Publicidade.04
 
Mensagem fernando pessoa
Mensagem fernando pessoaMensagem fernando pessoa
Mensagem fernando pessoa
 
Mensagem fernando pessoa
Mensagem   fernando pessoaMensagem   fernando pessoa
Mensagem fernando pessoa
 
Ria5
Ria5Ria5
Ria5
 
Semear, Resistir, Colher.
Semear, Resistir, Colher.Semear, Resistir, Colher.
Semear, Resistir, Colher.
 
Bíblia e Mitologia
Bíblia e Mitologia Bíblia e Mitologia
Bíblia e Mitologia
 
Mozart+ Bemol
Mozart+ BemolMozart+ Bemol
Mozart+ Bemol
 
Apariçao
ApariçaoApariçao
Apariçao
 
A poesia de castro alves
A poesia de castro alvesA poesia de castro alves
A poesia de castro alves
 

Último

Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 

A passarola voa

  • 1. A PASSAROLA “quem se atreve a sonhar, arrisca-se a que algum dos seus sonhos se realize” José Fernandes in: O Poeta e a Linguagem Prof. Elisabete Tavares
  • 3. Deus quer, o homem sonha, a obra nasce Fernando Pessoa, poema O Infante O sonho Além da conversa das mulheres, são os sonhos que seguram o mundo na sua órbita.(cap. XI Memorial do Convento) O sonho é ver as formas invisíveis Triste de quem vive em casa, Da distância imprecisa, e, com sensíveis Contente com o seu lar, Movimentos da esp’rança e da vontade, Sem que um sonho, no erguer da asa, Buscar na linha fria do horizonte Faça até mais rubra a brasa A árvore, a praia, a flor, a ave, a fonte- Da lareira abandonar! Os beijos merecidos na Verdade Fernando Pessoa , poema O quinto Império Fernando Pessoa, poema Horizonte Prof. Elisabete Tavares
  • 4. Baltasarblimunda (trovante) Metade barco e balão Asas e bico Outra metade a sonhar Guardadas estão as vontades Que nos irão sustentar Criador, nas mão de um padre doutor Subiu no céu de Lisboa Baltasar Blimunda Prof. Elisabete Tavares Texto 5, pag.233
  • 5. O homem primeiro tropeça, depois anda, depois corre, um dia voará A PARTILHA DE UM SEGREDO… UMA PROFUNDA AMIZADE  Deitou o padre Bartolomeu Lourenço a bênção ao soldado e à vidente, eles beijaram-lhe a mão, mas no último momento se abraçaram os três, teve mais força a amizade do que o respeito, e o padre disse, Adeus Blimunda, adeus Baltasar, cuidem um do outro e da passarola, que eu voltarei um dia com o que vou buscar. (cap. IX) A PARTILHA DE UM SONHO  Foi Blimunda que veio abrir a porta. Estava escurecendo a tarde, mas ela reconheceu o vulto do padre que desmontava, quatro anos não é tanto tempo assim, beijou-lhe a mão, não andassem por ali vizinhos curiosos e seria diferente a saudação, que estes dois, estes três, quando estiver Baltasar, têm razões do coração que os governam, e, em tantas noites passadas, uma terá havido pelo menos, em que sonharam um mesmo sonho, viram a máquina de voar batendo asas, viram o sol explodindo em luz maior, e o âmbar atraindo o éter (cap. XI) Prof. Elisabete Tavares Texto5 (pág. 232)
  • 6. A passarola (…) parecia uma enorme concha, toda eriçada de arames, como um cesto que, em meio fabrico, mostra as guias do entrançado. (cap. VI) Barca voadora Epopeia dos ares E quando tudo estiver armado e concordante entre si, voarei Prof. Elisabete Tavares
  • 7. O funcionamento da passarola Uma vez por outra, Blimunda levanta-se mais cedo, antes de comer o pão de todas as manhãs ,e, deslizando ao longo da parede para evitar pôr os olhos em Baltasar, afasta o pano e vai inspecionar a obra feita, descobrir a fraqueza Se Deus é maneta e fez o escondida do entrançado, a bolha de ar no interior do ferro, Qual o segredo do éter???? Universo, este homem sem e, acabada a vistoria, fica enfim a mastigar o alimento, pouco a pouco se tornando tão cega como a outra gente mão pode atar a vela e o arame que só pode ver o que à vista está. (cap. IX) que hão-de voar .(cap. VI) …o caso é que ela voasse, e assim não pode voar se lhe falta o éter, Que é isso, perguntou Blimunda, É onde se suspendem as estrelas …para que a máquina se levante ao ar, é preciso que o sol atraia o âmbar que há-de estar preso nos arames do tecto, o qual, por sua vez, atrairá o éter que teremos introduzido dentro das esferas, o qual, por sua vez atrairá os ímanes que estarão por baixo, os quais, por sua vez, atrairão as lamelas de ferro de que se compõem o cavername da barca, e então subiremos ao ar. (cap IX) Texto 6 (pag. 235) Prof. Elisabete Tavares
  • 8. A construção da passarola: a tríade terrestre Tu construirás a máquina, tu recolherás as vontades, encontrar-nos-emos os três quando chegar o dia de voar. (cap.XI) É uma irmandade terrestre, o pai, o filho e o espírito santo. (cap. XIV)  Prof. Elisabete Tavares
  • 9. O 4º ELEMENTO Na sua frente estava uma ave gigantesca, de asas abertas, cauda em leque, pescoço comprido, a cabeça ainda em tosco, por isso não se sabia se viria a ser falcão ou gaivota, É este o segredo, perguntou |Scarlatti| Este é, até hoje de três pessoas, agora de quatro, aqui está Baltasar Sete-Sóis, e Blimunda não se demora, anda na horta. SCARLATTI E A MÚSICA: O SABER ARTÍSTICO Texto 7 (pag. 237) Prof. Elisabete Tavares
  • 10. Domenico Scarlatti aproximou-se da máquina, que se equilibrava sobre uns espeques laterais, pousou as mãos numa das asas como se ela fosse um teclado, e, singularmente, toda a ave vibrou apesar do seu grande peso … se houver forças que façam levantar isto, então ao homem nada é impossível (cap. XIV)) (…) eu Bartolomeu Lourenço de Gusmão( que estou subindo ao céu por obra do meu génio, por obra também dos olhos de Blimunda (por obra da mão direita de Baltasar (…) e Baltasar gritou, Conseguimos, abraçou-se a Blimunda e desatou a chorar (…). O padre veio para eles e abraçou-se também, subitamente perturbado por uma analogia, assim dissera o italiano, Deus ele próprio, Baltasar seu filho, Blimunda o Espírito Santo, e estavam os três no céu, Só há um Deus, gritou, mas o vento levou-lhe as palavras da boca. (cap. XVI) O VOO DA PASSAROLA Prof. Elisabete Tavares
  • 11. A passarola e o voo: simbologia Simboliza a harmonia entre o desejo e a sua realização. Graças ao sonho, que uniu Bartolomeu, Baltasar e Blimunda foi possível a conjugação harmoniosa da ciência, do trabalho artesanal e da magia, aliadas à arte musical de Scarlatti, para construir e fazer voar a passarola. A trindade terrestre conseguiu o feito de criar e, com o quarto elemento, deu-lhe solidez, com os naturais limites. E renovou a esperança da liberdade face a um mundo de opressão. A passarola materializa o Sonho dos seus construtores, agentes do progresso e simboliza a perfeição e a sabedoria do Homem, que possui Vontade e Fé. Representa uma visão do mundo não metafísica, mas ideológica: o homem é o verdadeiro criador do mundo. Prof. Elisabete Tavares
  • 12. Elementos simbólicos (ver pág. 239 manual) Ave: elemento mediador entre o Terra e o Céu, é o mensageiro das divindades. Simboliza a leveza, a libertação do peso terrestre e a elevação espiritual Número 3: Número fundamental, o 3 representa a relação espiritual do homem com Deus e com o Cosmos. Simboliza a união do Céu e da Terra. Está associado à Santíssima Trindade, isto é a perfeição da Unidade Divina. Número 4: simboliza a constância, o percorrer passo a passo o caminho. O 4 é a raiz de todas as coisas que acontecem no Universo: 4 são as estações do ano; 4 as fases da lua, 4 os elementos do Universo (terra, ar, fogo, e água), 4 os pontos cardeais… Céu: simboliza a plenitude espiritual, a eternidade, a aspiração humana de conquista do absoluto.  Prof. Elisabete Tavares
  • 13. Proposta de escrita Comente a importância da ação de Blimunda no sonho de voar, em Memorial do Convento, de José Saramago, fazendo referências pertinentes à obra. Escreva um texto de 80 a 130 palavras Prof. Elisabete Tavares
  • 14. Cenários de resposta A resposta deve contemplar, entre outros aspetos, os seguintes: Dotada de poderes sobrenaturais – a extraordinária capacidade de vidência ( no interior dos corpos e das coisas), Blimunda participa no sonho de voar: - inspecionando os materiais para a construção da passarola; - recolhendo as 2000 mil vontades com as quais enchem as esferas que fazem voar a máquina, pondo em risco a sua própria vida. Ela é o elemento mágico indispensável, sem o qual a concretização do sonho não tinha sido possível. Deve ser feita alusão a acontecimentos da obra (centrar-se no plano da construção da passarola) Prof. Elisabete Tavares