SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Fisiologia
          Vascular


Ana Paula T . G de Freitas
Jullyana Mendonça Souza
Características Físicas e
Funcionais da Circulação
ARTÉRIAS –
transporte de
sangue sob alta
pressão e alta
velocidade




                                         VEIAS –
                                         transporte sob
                                         baixa pressão
                                         Paredes finas
                                         Importante
                                         reservatório
                  CAPILARES – trocas
                  entre sangue e
                  espaço intersticial.
                  Constituído por
                  camada única de
                  células endoteliais
metaarteríolas
                                                           5-9
          se ramifica    ARTERÍOLAS     Se ramificam   micrômetros
          entre 6-8x       Diâmetro       por 2-5x
ARTÉRIA                                                  esfincter
                        interno 10-15
                                                         pré-capilar
                         micrômetros
                                                        CAPILARES

                        válvulas de                      esfincter
                         controle –                      pós-capilar
                        distribuição    coletam
                                        sangue dos        VÊNULAS
                                        capilares
CAPILAR       Camada única de células
              endoteliais circundada
              por uma membrana basal
              muito fina




          Diâmetro da   Diâmetro da luz: 4
          parede: 0.5   a 9 micrômetros
          micrômetro     Justamente o
                        necessário para a
                        passarem dos
                        eritrócitos e outras
                        células sanguíneas
VESÍCULAS
               PLASMALÊMICAS        Diferentes tecidos,
                                    diferentes poros....


                                   Cérebro junções
                                   oclusivas
                                   Fígado  fendas
                                   muito abertas
                     CANAIS
                   VESICULARES      Gastrointestinal 
FENDA                               tamanho
INTERCELULAR       Coalescência das intermediário
                   vesículas
                                   Glomérulos renais
                                   fenestrações, além
Comunicação
intercelular                       das fendas.
Capilares sinusóides

                            endotélio é
                            descontínuo com
                            membrana basal        Capilares
                            parcial ou ausente    Contínuos:
                                                  quando a parede
                                                  endotelial do
                                                  capilar é
                                                  contínua.




Capilares Fenestrados

quando as paredes das
células do endotélio não
estão sempre unidas,
aparecendo espaços
vazios (fenestras); a
lâmina basal é contínua
Fluxo sanguíneo




                                    Determinantes do fluxo sangüíneo
          F = ∆P/R                         - bombeamento cardíaco
                                           - retração diastólica das paredes
∆P diferença de pressão sanguínea
                                           arteriais
R resistência vascular
F fluxo sanguíneo                          - compressão venosa pela
                                           musculatura esquelética
                                           - pressão torácica negativa na
                                           inspiração
Natureza do Fluxo Sanguíneo
Fluxo laminar - Partículas deslizam em linha reta , uniformemente , em
camadas concêntricas com camadas centrais fluindo com maior velocidade
que as externas devido ao atrito interno das moléculas do fluido.




Fluxo turbilhonar – há perda de energia entre choque das partículas e paredes
do vaso  fluxo menos eficiente .
Número de Reynolds
relação entre 4 fatores que determinam que o fluxo de um líquido
por um tubo seja laminar ou turbilhonar


              Re = v . . d
                      


               = densidade
               = viscosidade (poise)
              d= diâmetro
              v= velocidade (cm/s)
Hemodinâmica – Lei de Poiseuille
Q velocidade do fluxo sanguíneo
∆P diferença de pressão entre as extremidades do vaso
r é o raio do vaso,
L comprimento do vaso
μ viscosidade do sangue.




O diâmetro de um vaso sanguíneo tem de longe o papel mais
importante de todos os fatores na determinação da velocidade
do fluxo sanguíneo no vaso.
Resistência
                         É o impedimento ao fluxo
                          sanguíneo em um vaso.


Aorta contribui 4% da resistência total ao fluxo
As grandes artérias 5%
                                                   principal componente dos
As arteríolas 41%                                    “vasos de resistência”
Os capilares 27%



Microvasos 70% da resistência total de escoamento
Sistema venoso apenas com 7%.
Pressões sanguíneas nas diferentes partes do sistema circulatório




      À medida que o sangue flui pela circulação sistêmica, sua
      pressão cai progressivamente para cerca de 0 mm Hg ao
           chegar ao fim das veias cavas no átrio direito.
o As arteríolas constituem o principal componente dos “vasos de
resistência” . A capacidade da arteríola de regular o débito de
sangue para órgão/tecido deve-se a sua espessa camada muscular e
sua sensibilidade a substâncias microrreguladoras vasoconstritoras
e vasodilatadoras (nervosas, hormonais, sistêmicas, humorais,
teciduais, endoteliais) responsáveis pela tensão e contração do vaso.




o A rede capilar recebe sangue em alto volume, em baixa
velocidade, em baixa pressão e sem pulsações , condições idéias
para as trocas histovasculares.
COMPLACÊNCIA VASCULAR                  Distensibilidade
quantidade total de sangue
que pode ser armazenada em
determinada parte da
circulação                              Distensibilidade =
                                       aumento do volume
      Complacência =            Aumento a pressão x volume original
 Distensibilidade x volume




Vasos venosos           A complacência de uma veia sistêmica é
acomodam 80%
                        cerca de 24x maior que a de sua artéria
do volume total
de sangue da             correspondente, porque é cerca de 8x
circulação              mais distensível e apresenta um volume
                                  cerca de 3x maior.
Amortecimento da pressão de pulso




A diminuição progressiva das pulsações na periferia é denominada
            amortecimento dos pulsos de pressão.
                         São duas as causas:
       (1)a resistência ao movimento do sangue nos vasos
                   (2) a complacência dos vasos.
A resistência amortece as pulsações porque pequena
  quantidade de sangue tem de fluir adiante na crista da onda
    de pressão, para distender o segmento seguinte do vaso;
          quanto maior a resistência, mais dificilmente
                         isto ocorre.


A complacência amortece as pulsações porque, quanto maior a
complacência do vaso, maior tem de ser o fluxo sanguíneo na
crista da onda de pressão para causar a elevação da pressão.


  Por esta razão, de fato, o grau de amortecimento é quase
   diretamente proporcional ao produto da resistência pela
                       complacência.
SISTEMA VENOSO
oGrande reservatório de sangue do
organismo
o Grande complacência
o Baixa resistência vascular
o Sistema valvular
o Bombas auxiliares
Na MICROCIRCULAÇÃO            TRANSPORTE DE NUTRIENTES
ocorre a principal função     PARA OS TECIDOS E A
do sistema circulatório:      REMOÇÃO DOS PRODUTOS
                              DA EXCREÇÃO CELULAR




                                           Cada tecido,
                            CONTROLAM      na maioria
   PEQUENAS
                            FLUXO          dos casos,
   ARTERÍOLAS
                            SANGUÍNEO      controla seu
                            PARA CADA
                                           próprio fluxo
                            REGIÃO
                            TECIDUAL       sanguíneo,
  CONTROLAM O                              de acordo
  DIÂMETRO DAS              AS             com as suas
   ARTERÍOLAS               CONDIÇÕES      próprias
                            LOCAIS         necessidades
baixa demanda Controle do fluxo local

    esfíncteres
    pré-capilares
    fechados




vasoconstrição
arteriolar

                    anastomoses aa-vv abertas
alta demanda Controle do fluxo local

    esfíncteres
    pré-capilares
    abertos




vasodilatação
arteriolar
                    anastomoses aa-vv fechadas
TROCA DE NUTRIENTES E OUTRAS
SUBSTÂNCIAS ENTRE O SANGUE E O LÍQUIDO
             INTERSTICIAL


               DIFUSÃO
Forças que atuam sobre a membrana capilar e tendem a
mover líquido para dentro ou para fora através da membrana




                                  Pressão
         Pressão
                              coloidosmótica
        Capilar (Pc)
                                do plasma




      Pressão do líquido           Pressão
          interstical        coloidosmótica do
                             líquido intersticial
Equilíbrio de Starling


Fluxo de troca do Fluído:
    Permeabilidade do vaso
    pela diferença entre:
                Pressão Hidrostática e Oncótica.



       •Líquido Filtrado ≈ Líquido reabsorvido
      Pequena diferença captada pelos linfáticos
       1/10 líquido filtrado retorna como linfa
                2 a 3 litros de linfa/dia
                       120 ml/h
FLUXO SANGUÍNEO NOS CAPILARES

                controle


        LOCAL              HUMORAL



AGUDO       A LONGO
             PRAZO
LOCAL                             AGUDO


                                METABOLISMO
                                 CELULAR

                                [ OXIGÊNIO ]


   Vasodilatação                   2 TEORIAS                 Falta de O2

Quanto maior o metabolismo                Abertura e fechamento cíclicos dos
ou menor a disponibilidade de             esfíncteres  vasomotilidade
O2 e outros nutrientes, maior
será a produção de subst                  O músculo liso precisa de
vasodilatadoras pelas células do          oxigênio para se manter contraído:
tecido
                                                Muito O2 tecidual – esfíncter
Subst: adenosina, CO2,                                   fechado
compostos de fosfato de                         Pouco O2 tecidual – esfíncter
adenosina, histamina, íons K,                             aberto
íons H.
A LONGO
                             PRAZO


                            H, d, sem




                          QND DEMANDA
                          METABÓLICA DO
                       TECIDO SE ALTERA DE
                          A LONGO PRAZO                 Fator de
                       (tecido cronicamente             crescimento
                             hiperativo)                do endotélio
                                                        vascular
Reconstrução física
da vascularização                                       Fator de
tecidual                                                crescimento
Diferente de acordo       Vascularização                dos
com idade                    tecidual         fatores   fibroblastos
(>neonatos, <idosos)
                                                        Angiogenina
Aumento na vascularização tecidual

  oAumento do metabolismo a longo prazo

  oMais rápida em tecidos jovens
             Dias - neonato
             Meses – idoso

  oMais rápida em tecidos cicatriciais
  oMais rápida em tecidos cancerosos




Diminuição na vascularização tecidual
  oDiminuição do metabolismo a longo prazo
Oxigênio
 ⇓ O2 – estimula angiogênese
      Ex: animais que vivem em altas altitudes


 ⇑ O2 – inibe angiogênese
      Ex: bebês prematuros em cúpula de O2 - ⇑ [O2]
      Inibe crescimento dos vasos retinianos
      Quando bebê deixa UTI neonatal - ⇓ [O2]
      Estimula crescimento exagerado - cegueira
Circulação
                             colateral




                             bloqueio


                                                        Permite nova
                     Um novo canal vascular se           mas parcial
                      desenvolve ao redor do           vascularização
                            bloqueio




   Dilatação das                       Ocorre uma
                                    abertura maior –     Poucos dias –
  pequenas alças
                         Após        após um dia ½        suprimento
       que já
                       algumas      das necessidades       completo
conectavam-se ao
                        horas        já são supridas
   vaso acima e
abaixo do bloqueio
A oclusão total da luz da artéria
implica em enorme aumento da
RESISTÊNCIA ao fluxo que pode ser
contornada com o desenvolvimento
dos condutos arteriais colaterais pré
existentes.
São necessários 256 ramos colaterais
com diâmetro de 2,5 mm para
igualar a resistência de um vaso
normal de 10 mm de diâmetro.
CONTROLE
                            HUMORAL

       endotelina
                              Agentes
 Intenso
                          vasoconstritores       vasopressina
 Estímulo  lesão
 do endotélio
 Impedir                                        Hormômio
 sangramento                                    antidiurético

                                                Mais intenso que
                                                Angio II
                              Angiotensina II
    NOREPINEFRINA
     EPINEFRINA                                 Formada pelas
                            Contração intensa
                                                células nervosas
                            pequenas
1)Estimulação simpática                         do hipotálamo
                            arteríolas
2) SN simpático 
                            aumento da
Glândula adrenal
                            resistência
                            periférica
Contração miocárdio,
veias e arteríolas
CONTROLE
                        HUMORAL



                          Agentes
                       vasodilatadores



    Bradicinina                                  Histamina

Dilatação arteriolar                     Liberada por tecido
                                         lesado ou inflamado,
Aumento da                               reação alérgica
permeablidade
capilar                                  Deriva dos mastócitos,
                                         basófilos
Controle íons



   Íons cálcio  vasoconstrição  Contração muscular

   Íons potássio  vasodilatação  Inibição contração

   Íons magnésio  vasodilatação  Inibe contração

   Íons hidrogênio  dilatação arteríolas

   [CO2]  Vasodilatação  Acentuada no cérebro
Em qualquer tecido do corpo a elevação aguda da PA provoca o aumento
                    imediato do fluxo sanguíneo.
Após menos de 1min, o fluxo na maioria dos tecidos retorna ao seu nível
                  normal (embora PA ainda elevada)




            Auto regulação do fluxo sanguíneo



                             2 TEORIAS
Teoria Metabólica:

Qnd a PA fica muito alta, o excesso de fluxo fornece O2 e nutrientes
em demasia  vasoconstrição  normalidade do fluxo



Teoria Miogênica:

O estiramento súbito de pequenos vasos provoca a contração do
músculo liso da parede vascular por alguns segundos.

Qnd há aumento da PA  Há constrição vascular reativa

Qnd PA está baixa  nível de estiramento do vaso é menor 
músculo relaxado  maior fluxo
   GUYTON E HALL – TRATADO DE FISIOLOGIA
    MÉDICA – 11ªEd
   BRITO – CIRURGIA VASCULAR
   MEMBROS
   DIRETORIA                 GIOVANNA MENEZES
   IVAN LUIZ GAYOSO          JOÃO PAULO SANTOS
   PEDRO DE SOUZA JAFAR      KASSIO HORII
   ANA PAULA FREITAS         AMANDA RIBEIRO
   JULLYANA MENDONÇA         INGRIDY NORMANDO
   ALEXANDRE BERNARDO        BIANCA LUIZA
                              TASSILA PEIXOTO
   GUILHERME GOBBI
                              WILLIAM SILVEIRA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosMauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoJaqueline Almeida
 
Distúrbios Hemodinâmicos; Alterações da circulação
Distúrbios Hemodinâmicos; Alterações da circulaçãoDistúrbios Hemodinâmicos; Alterações da circulação
Distúrbios Hemodinâmicos; Alterações da circulaçãoAlanna Rayssa Pinheiro
 
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaDistúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaJosé Alexandre Pires de Almeida
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosMauro Cunha Xavier Pinto
 
Atelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotraxAtelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotraxFlávia Salame
 
Semiologia das Linfadenopatias
Semiologia das LinfadenopatiasSemiologia das Linfadenopatias
Semiologia das Linfadenopatiaspauloalambert
 
Anatomia do sistema respiratório
Anatomia do sistema respiratórioAnatomia do sistema respiratório
Anatomia do sistema respiratórioFlávia Salame
 
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsHamilton Nobrega
 
Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015resenfe2013
 
Ecg básico
Ecg básicoEcg básico
Ecg básicodapab
 
Síndromes pulmonares
Síndromes pulmonaresSíndromes pulmonares
Síndromes pulmonarespauloalambert
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosMauro Cunha Xavier Pinto
 
INSUFICIENCIA HEPÁTICA E HIPERTENSÃO PORTA
INSUFICIENCIA HEPÁTICA E HIPERTENSÃO PORTAINSUFICIENCIA HEPÁTICA E HIPERTENSÃO PORTA
INSUFICIENCIA HEPÁTICA E HIPERTENSÃO PORTApauloalambert
 
Histologia respiratória
Histologia respiratóriaHistologia respiratória
Histologia respiratóriaFlávia Salame
 
Cópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxCópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxJucie Vasconcelos
 

Mais procurados (20)

Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
 
Exame neurológico
Exame neurológicoExame neurológico
Exame neurológico
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
 
Distúrbios Hemodinâmicos; Alterações da circulação
Distúrbios Hemodinâmicos; Alterações da circulaçãoDistúrbios Hemodinâmicos; Alterações da circulação
Distúrbios Hemodinâmicos; Alterações da circulação
 
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaDistúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
 
Aula de Inflamacao
Aula de InflamacaoAula de Inflamacao
Aula de Inflamacao
 
Atelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotraxAtelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotrax
 
Fisiologia Gastrointestinal - Resumo
Fisiologia Gastrointestinal - ResumoFisiologia Gastrointestinal - Resumo
Fisiologia Gastrointestinal - Resumo
 
Semiologia das Linfadenopatias
Semiologia das LinfadenopatiasSemiologia das Linfadenopatias
Semiologia das Linfadenopatias
 
Anatomia do sistema respiratório
Anatomia do sistema respiratórioAnatomia do sistema respiratório
Anatomia do sistema respiratório
 
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
 
Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015
 
Hemostasia
HemostasiaHemostasia
Hemostasia
 
Ecg básico
Ecg básicoEcg básico
Ecg básico
 
Síndromes pulmonares
Síndromes pulmonaresSíndromes pulmonares
Síndromes pulmonares
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
 
INSUFICIENCIA HEPÁTICA E HIPERTENSÃO PORTA
INSUFICIENCIA HEPÁTICA E HIPERTENSÃO PORTAINSUFICIENCIA HEPÁTICA E HIPERTENSÃO PORTA
INSUFICIENCIA HEPÁTICA E HIPERTENSÃO PORTA
 
Histologia respiratória
Histologia respiratóriaHistologia respiratória
Histologia respiratória
 
Cópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxCópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tórax
 

Destaque

Biofísica da Circulação
Biofísica da CirculaçãoBiofísica da Circulação
Biofísica da CirculaçãoSonynhaRegis
 
Fisiologia Cardiaca
Fisiologia CardiacaFisiologia Cardiaca
Fisiologia CardiacaLAC
 
Fisiologia renal
Fisiologia renalFisiologia renal
Fisiologia renalAna Nataly
 
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema RenalFisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema RenalHerbert Santana
 

Destaque (6)

fluxo sanguineo
fluxo sanguineofluxo sanguineo
fluxo sanguineo
 
Biofísica da Circulação
Biofísica da CirculaçãoBiofísica da Circulação
Biofísica da Circulação
 
Biofísica da Circulação
Biofísica da CirculaçãoBiofísica da Circulação
Biofísica da Circulação
 
Fisiologia Cardiaca
Fisiologia CardiacaFisiologia Cardiaca
Fisiologia Cardiaca
 
Fisiologia renal
Fisiologia renalFisiologia renal
Fisiologia renal
 
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema RenalFisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
 

Semelhante a Fisiologia vascular

A vascularização , liquor e barreiras
A vascularização , liquor e barreirasA vascularização , liquor e barreiras
A vascularização , liquor e barreirasrenatalmeida
 
Tutorial 02 -104-1.pdf
Tutorial 02 -104-1.pdfTutorial 02 -104-1.pdf
Tutorial 02 -104-1.pdfFabio259479
 
Slide 1 - FISIOTERAPIA - AULA 11 - SISTEMAS CARDIORRESPIRATÓRIO.pdf
Slide 1 - FISIOTERAPIA - AULA 11 - SISTEMAS CARDIORRESPIRATÓRIO.pdfSlide 1 - FISIOTERAPIA - AULA 11 - SISTEMAS CARDIORRESPIRATÓRIO.pdf
Slide 1 - FISIOTERAPIA - AULA 11 - SISTEMAS CARDIORRESPIRATÓRIO.pdfBrunaFarias386198
 
Tutorial 2 parte 1 - 104.docx.pdf
Tutorial 2 parte 1 - 104.docx.pdfTutorial 2 parte 1 - 104.docx.pdf
Tutorial 2 parte 1 - 104.docx.pdfFabio259479
 
Poligrafo histologia animal ii 2015
Poligrafo histologia animal ii 2015Poligrafo histologia animal ii 2015
Poligrafo histologia animal ii 2015ReginaReiniger
 
Vasos e pressao aula 1 imprimir
Vasos e pressao aula 1 imprimirVasos e pressao aula 1 imprimir
Vasos e pressao aula 1 imprimirIsabela Sousa
 
Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02
Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02
Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02tatimantilla
 
Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02
Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02
Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02tatimantilla
 
Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02
Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02
Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02tatimantilla
 
Sistema Circulatório....
Sistema Circulatório....Sistema Circulatório....
Sistema Circulatório....Gabriela Bruno
 
Aula sistema circulatã³rio
Aula sistema circulatã³rioAula sistema circulatã³rio
Aula sistema circulatã³rioDaisy
 
Histo II - Sist. Circulatório
Histo II - Sist. CirculatórioHisto II - Sist. Circulatório
Histo II - Sist. CirculatórioPedro Guarnier
 
Órgãos internos sistema circulatório
Órgãos internos   sistema circulatórioÓrgãos internos   sistema circulatório
Órgãos internos sistema circulatórioHamilton Nobrega
 
Sist Cardiovascular
Sist CardiovascularSist Cardiovascular
Sist CardiovascularNatalianeto
 
11126120 apostila-anatomia-sistema-circulatorio
11126120 apostila-anatomia-sistema-circulatorio11126120 apostila-anatomia-sistema-circulatorio
11126120 apostila-anatomia-sistema-circulatorioCaroline Augusta
 
Sisitema circulatório - Super med
Sisitema circulatório - Super medSisitema circulatório - Super med
Sisitema circulatório - Super medemanuel
 
Sistema cardio respiratorio
Sistema cardio respiratorio Sistema cardio respiratorio
Sistema cardio respiratorio Susana Barrios
 

Semelhante a Fisiologia vascular (20)

A vascularização , liquor e barreiras
A vascularização , liquor e barreirasA vascularização , liquor e barreiras
A vascularização , liquor e barreiras
 
Tutorial 02 -104-1.pdf
Tutorial 02 -104-1.pdfTutorial 02 -104-1.pdf
Tutorial 02 -104-1.pdf
 
Circulação slides
Circulação slidesCirculação slides
Circulação slides
 
neurologia
neurologianeurologia
neurologia
 
Slide 1 - FISIOTERAPIA - AULA 11 - SISTEMAS CARDIORRESPIRATÓRIO.pdf
Slide 1 - FISIOTERAPIA - AULA 11 - SISTEMAS CARDIORRESPIRATÓRIO.pdfSlide 1 - FISIOTERAPIA - AULA 11 - SISTEMAS CARDIORRESPIRATÓRIO.pdf
Slide 1 - FISIOTERAPIA - AULA 11 - SISTEMAS CARDIORRESPIRATÓRIO.pdf
 
Tutorial 2 parte 1 - 104.docx.pdf
Tutorial 2 parte 1 - 104.docx.pdfTutorial 2 parte 1 - 104.docx.pdf
Tutorial 2 parte 1 - 104.docx.pdf
 
Poligrafo histologia animal ii 2015
Poligrafo histologia animal ii 2015Poligrafo histologia animal ii 2015
Poligrafo histologia animal ii 2015
 
Vasos e pressao aula 1 imprimir
Vasos e pressao aula 1 imprimirVasos e pressao aula 1 imprimir
Vasos e pressao aula 1 imprimir
 
Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02
Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02
Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02
 
Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02
Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02
Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02
 
Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02
Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02
Sistemacirculatorio 100318163738-phpapp02
 
Sistema Circulatório....
Sistema Circulatório....Sistema Circulatório....
Sistema Circulatório....
 
Aula sistema circulatã³rio
Aula sistema circulatã³rioAula sistema circulatã³rio
Aula sistema circulatã³rio
 
Histo II - Sist. Circulatório
Histo II - Sist. CirculatórioHisto II - Sist. Circulatório
Histo II - Sist. Circulatório
 
Órgãos internos sistema circulatório
Órgãos internos   sistema circulatórioÓrgãos internos   sistema circulatório
Órgãos internos sistema circulatório
 
Sist Cardiovascular
Sist CardiovascularSist Cardiovascular
Sist Cardiovascular
 
11126120 apostila-anatomia-sistema-circulatorio
11126120 apostila-anatomia-sistema-circulatorio11126120 apostila-anatomia-sistema-circulatorio
11126120 apostila-anatomia-sistema-circulatorio
 
Sisitema circulatório - Super med
Sisitema circulatório - Super medSisitema circulatório - Super med
Sisitema circulatório - Super med
 
Sistema cardio respiratorio
Sistema cardio respiratorio Sistema cardio respiratorio
Sistema cardio respiratorio
 
Apostila Sistema CirculatórioRevisada.PDF
Apostila Sistema CirculatórioRevisada.PDFApostila Sistema CirculatórioRevisada.PDF
Apostila Sistema CirculatórioRevisada.PDF
 

Mais de LAC

Aula cardiopatia completa[1]
Aula cardiopatia completa[1]Aula cardiopatia completa[1]
Aula cardiopatia completa[1]LAC
 
Valvulopatias
Valvulopatias  Valvulopatias
Valvulopatias LAC
 
Varizes fisiologia
Varizes fisiologiaVarizes fisiologia
Varizes fisiologiaLAC
 
Insuficiencia cardiaca
Insuficiencia cardiacaInsuficiencia cardiaca
Insuficiencia cardiacaLAC
 
8 coagul..
8  coagul..8  coagul..
8 coagul..LAC
 
hipertensao-arterial_-_lac_-_guilherme._joao
 hipertensao-arterial_-_lac_-_guilherme._joao hipertensao-arterial_-_lac_-_guilherme._joao
hipertensao-arterial_-_lac_-_guilherme._joaoLAC
 
Estatuto lac
Estatuto lacEstatuto lac
Estatuto lacLAC
 
Anatomia Cardiaca
Anatomia CardiacaAnatomia Cardiaca
Anatomia CardiacaLAC
 

Mais de LAC (8)

Aula cardiopatia completa[1]
Aula cardiopatia completa[1]Aula cardiopatia completa[1]
Aula cardiopatia completa[1]
 
Valvulopatias
Valvulopatias  Valvulopatias
Valvulopatias
 
Varizes fisiologia
Varizes fisiologiaVarizes fisiologia
Varizes fisiologia
 
Insuficiencia cardiaca
Insuficiencia cardiacaInsuficiencia cardiaca
Insuficiencia cardiaca
 
8 coagul..
8  coagul..8  coagul..
8 coagul..
 
hipertensao-arterial_-_lac_-_guilherme._joao
 hipertensao-arterial_-_lac_-_guilherme._joao hipertensao-arterial_-_lac_-_guilherme._joao
hipertensao-arterial_-_lac_-_guilherme._joao
 
Estatuto lac
Estatuto lacEstatuto lac
Estatuto lac
 
Anatomia Cardiaca
Anatomia CardiacaAnatomia Cardiaca
Anatomia Cardiaca
 

Fisiologia vascular

  • 1. Fisiologia Vascular Ana Paula T . G de Freitas Jullyana Mendonça Souza
  • 3. ARTÉRIAS – transporte de sangue sob alta pressão e alta velocidade VEIAS – transporte sob baixa pressão Paredes finas Importante reservatório CAPILARES – trocas entre sangue e espaço intersticial. Constituído por camada única de células endoteliais
  • 4. metaarteríolas 5-9 se ramifica ARTERÍOLAS Se ramificam micrômetros entre 6-8x Diâmetro por 2-5x ARTÉRIA esfincter interno 10-15 pré-capilar micrômetros CAPILARES válvulas de esfincter controle – pós-capilar distribuição coletam sangue dos VÊNULAS capilares
  • 5.
  • 6. CAPILAR Camada única de células endoteliais circundada por uma membrana basal muito fina Diâmetro da Diâmetro da luz: 4 parede: 0.5 a 9 micrômetros micrômetro  Justamente o necessário para a passarem dos eritrócitos e outras células sanguíneas
  • 7. VESÍCULAS PLASMALÊMICAS Diferentes tecidos, diferentes poros.... Cérebro junções oclusivas Fígado  fendas muito abertas CANAIS VESICULARES Gastrointestinal  FENDA tamanho INTERCELULAR Coalescência das intermediário vesículas Glomérulos renais fenestrações, além Comunicação intercelular das fendas.
  • 8. Capilares sinusóides endotélio é descontínuo com membrana basal Capilares parcial ou ausente Contínuos: quando a parede endotelial do capilar é contínua. Capilares Fenestrados quando as paredes das células do endotélio não estão sempre unidas, aparecendo espaços vazios (fenestras); a lâmina basal é contínua
  • 9. Fluxo sanguíneo Determinantes do fluxo sangüíneo F = ∆P/R - bombeamento cardíaco - retração diastólica das paredes ∆P diferença de pressão sanguínea arteriais R resistência vascular F fluxo sanguíneo - compressão venosa pela musculatura esquelética - pressão torácica negativa na inspiração
  • 10. Natureza do Fluxo Sanguíneo Fluxo laminar - Partículas deslizam em linha reta , uniformemente , em camadas concêntricas com camadas centrais fluindo com maior velocidade que as externas devido ao atrito interno das moléculas do fluido. Fluxo turbilhonar – há perda de energia entre choque das partículas e paredes do vaso  fluxo menos eficiente .
  • 11. Número de Reynolds relação entre 4 fatores que determinam que o fluxo de um líquido por um tubo seja laminar ou turbilhonar Re = v . . d   = densidade  = viscosidade (poise) d= diâmetro v= velocidade (cm/s)
  • 12.
  • 13. Hemodinâmica – Lei de Poiseuille Q velocidade do fluxo sanguíneo ∆P diferença de pressão entre as extremidades do vaso r é o raio do vaso, L comprimento do vaso μ viscosidade do sangue. O diâmetro de um vaso sanguíneo tem de longe o papel mais importante de todos os fatores na determinação da velocidade do fluxo sanguíneo no vaso.
  • 14. Resistência É o impedimento ao fluxo sanguíneo em um vaso. Aorta contribui 4% da resistência total ao fluxo As grandes artérias 5% principal componente dos As arteríolas 41% “vasos de resistência” Os capilares 27% Microvasos 70% da resistência total de escoamento Sistema venoso apenas com 7%.
  • 15. Pressões sanguíneas nas diferentes partes do sistema circulatório À medida que o sangue flui pela circulação sistêmica, sua pressão cai progressivamente para cerca de 0 mm Hg ao chegar ao fim das veias cavas no átrio direito.
  • 16. o As arteríolas constituem o principal componente dos “vasos de resistência” . A capacidade da arteríola de regular o débito de sangue para órgão/tecido deve-se a sua espessa camada muscular e sua sensibilidade a substâncias microrreguladoras vasoconstritoras e vasodilatadoras (nervosas, hormonais, sistêmicas, humorais, teciduais, endoteliais) responsáveis pela tensão e contração do vaso. o A rede capilar recebe sangue em alto volume, em baixa velocidade, em baixa pressão e sem pulsações , condições idéias para as trocas histovasculares.
  • 17. COMPLACÊNCIA VASCULAR Distensibilidade quantidade total de sangue que pode ser armazenada em determinada parte da circulação Distensibilidade = aumento do volume Complacência = Aumento a pressão x volume original Distensibilidade x volume Vasos venosos A complacência de uma veia sistêmica é acomodam 80% cerca de 24x maior que a de sua artéria do volume total de sangue da correspondente, porque é cerca de 8x circulação mais distensível e apresenta um volume cerca de 3x maior.
  • 18. Amortecimento da pressão de pulso A diminuição progressiva das pulsações na periferia é denominada amortecimento dos pulsos de pressão. São duas as causas: (1)a resistência ao movimento do sangue nos vasos (2) a complacência dos vasos.
  • 19. A resistência amortece as pulsações porque pequena quantidade de sangue tem de fluir adiante na crista da onda de pressão, para distender o segmento seguinte do vaso; quanto maior a resistência, mais dificilmente isto ocorre. A complacência amortece as pulsações porque, quanto maior a complacência do vaso, maior tem de ser o fluxo sanguíneo na crista da onda de pressão para causar a elevação da pressão. Por esta razão, de fato, o grau de amortecimento é quase diretamente proporcional ao produto da resistência pela complacência.
  • 20. SISTEMA VENOSO oGrande reservatório de sangue do organismo o Grande complacência o Baixa resistência vascular o Sistema valvular o Bombas auxiliares
  • 21. Na MICROCIRCULAÇÃO TRANSPORTE DE NUTRIENTES ocorre a principal função PARA OS TECIDOS E A do sistema circulatório: REMOÇÃO DOS PRODUTOS DA EXCREÇÃO CELULAR Cada tecido, CONTROLAM na maioria PEQUENAS FLUXO dos casos, ARTERÍOLAS SANGUÍNEO controla seu PARA CADA próprio fluxo REGIÃO TECIDUAL sanguíneo, CONTROLAM O de acordo DIÂMETRO DAS AS com as suas ARTERÍOLAS CONDIÇÕES próprias LOCAIS necessidades
  • 22. baixa demanda Controle do fluxo local esfíncteres pré-capilares fechados vasoconstrição arteriolar anastomoses aa-vv abertas
  • 23. alta demanda Controle do fluxo local esfíncteres pré-capilares abertos vasodilatação arteriolar anastomoses aa-vv fechadas
  • 24. TROCA DE NUTRIENTES E OUTRAS SUBSTÂNCIAS ENTRE O SANGUE E O LÍQUIDO INTERSTICIAL DIFUSÃO
  • 25. Forças que atuam sobre a membrana capilar e tendem a mover líquido para dentro ou para fora através da membrana Pressão Pressão coloidosmótica Capilar (Pc) do plasma Pressão do líquido Pressão interstical coloidosmótica do líquido intersticial
  • 26. Equilíbrio de Starling Fluxo de troca do Fluído: Permeabilidade do vaso pela diferença entre: Pressão Hidrostática e Oncótica. •Líquido Filtrado ≈ Líquido reabsorvido Pequena diferença captada pelos linfáticos 1/10 líquido filtrado retorna como linfa 2 a 3 litros de linfa/dia 120 ml/h
  • 27. FLUXO SANGUÍNEO NOS CAPILARES controle LOCAL HUMORAL AGUDO A LONGO PRAZO
  • 28. LOCAL AGUDO METABOLISMO CELULAR [ OXIGÊNIO ] Vasodilatação 2 TEORIAS Falta de O2 Quanto maior o metabolismo Abertura e fechamento cíclicos dos ou menor a disponibilidade de esfíncteres  vasomotilidade O2 e outros nutrientes, maior será a produção de subst O músculo liso precisa de vasodilatadoras pelas células do oxigênio para se manter contraído: tecido  Muito O2 tecidual – esfíncter Subst: adenosina, CO2, fechado compostos de fosfato de  Pouco O2 tecidual – esfíncter adenosina, histamina, íons K, aberto íons H.
  • 29. A LONGO PRAZO H, d, sem QND DEMANDA METABÓLICA DO TECIDO SE ALTERA DE A LONGO PRAZO Fator de (tecido cronicamente crescimento hiperativo) do endotélio vascular Reconstrução física da vascularização Fator de tecidual crescimento Diferente de acordo Vascularização dos com idade tecidual fatores fibroblastos (>neonatos, <idosos) Angiogenina
  • 30. Aumento na vascularização tecidual oAumento do metabolismo a longo prazo oMais rápida em tecidos jovens Dias - neonato Meses – idoso oMais rápida em tecidos cicatriciais oMais rápida em tecidos cancerosos Diminuição na vascularização tecidual oDiminuição do metabolismo a longo prazo
  • 31. Oxigênio  ⇓ O2 – estimula angiogênese Ex: animais que vivem em altas altitudes  ⇑ O2 – inibe angiogênese Ex: bebês prematuros em cúpula de O2 - ⇑ [O2] Inibe crescimento dos vasos retinianos Quando bebê deixa UTI neonatal - ⇓ [O2] Estimula crescimento exagerado - cegueira
  • 32. Circulação colateral bloqueio Permite nova Um novo canal vascular se mas parcial desenvolve ao redor do vascularização bloqueio Dilatação das Ocorre uma abertura maior – Poucos dias – pequenas alças Após após um dia ½ suprimento que já algumas das necessidades completo conectavam-se ao horas já são supridas vaso acima e abaixo do bloqueio
  • 33. A oclusão total da luz da artéria implica em enorme aumento da RESISTÊNCIA ao fluxo que pode ser contornada com o desenvolvimento dos condutos arteriais colaterais pré existentes. São necessários 256 ramos colaterais com diâmetro de 2,5 mm para igualar a resistência de um vaso normal de 10 mm de diâmetro.
  • 34. CONTROLE HUMORAL endotelina Agentes Intenso vasoconstritores vasopressina Estímulo  lesão do endotélio Impedir Hormômio sangramento antidiurético Mais intenso que Angio II Angiotensina II NOREPINEFRINA EPINEFRINA Formada pelas Contração intensa células nervosas pequenas 1)Estimulação simpática do hipotálamo arteríolas 2) SN simpático  aumento da Glândula adrenal resistência periférica Contração miocárdio, veias e arteríolas
  • 35. CONTROLE HUMORAL Agentes vasodilatadores Bradicinina Histamina Dilatação arteriolar Liberada por tecido lesado ou inflamado, Aumento da reação alérgica permeablidade capilar Deriva dos mastócitos, basófilos
  • 36. Controle íons  Íons cálcio  vasoconstrição  Contração muscular  Íons potássio  vasodilatação  Inibição contração  Íons magnésio  vasodilatação  Inibe contração  Íons hidrogênio  dilatação arteríolas  [CO2]  Vasodilatação  Acentuada no cérebro
  • 37. Em qualquer tecido do corpo a elevação aguda da PA provoca o aumento imediato do fluxo sanguíneo. Após menos de 1min, o fluxo na maioria dos tecidos retorna ao seu nível normal (embora PA ainda elevada) Auto regulação do fluxo sanguíneo 2 TEORIAS
  • 38. Teoria Metabólica: Qnd a PA fica muito alta, o excesso de fluxo fornece O2 e nutrientes em demasia  vasoconstrição  normalidade do fluxo Teoria Miogênica: O estiramento súbito de pequenos vasos provoca a contração do músculo liso da parede vascular por alguns segundos. Qnd há aumento da PA  Há constrição vascular reativa Qnd PA está baixa  nível de estiramento do vaso é menor  músculo relaxado  maior fluxo
  • 39. GUYTON E HALL – TRATADO DE FISIOLOGIA MÉDICA – 11ªEd  BRITO – CIRURGIA VASCULAR
  • 40. MEMBROS  DIRETORIA  GIOVANNA MENEZES  IVAN LUIZ GAYOSO  JOÃO PAULO SANTOS  PEDRO DE SOUZA JAFAR  KASSIO HORII  ANA PAULA FREITAS  AMANDA RIBEIRO  JULLYANA MENDONÇA  INGRIDY NORMANDO  ALEXANDRE BERNARDO  BIANCA LUIZA  TASSILA PEIXOTO  GUILHERME GOBBI  WILLIAM SILVEIRA