SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Profa Ana Karoline Maia
karoline.quimica@gmail.com
   Experiências que comprovam a eletricidade
    nos materiais
   Sec XVIII físico inglês William Crookes
   Descargas elétricas em ampolas de vidro com
    gás em baixa pressão
   Geralmente os gases são maus condutores de
    eletricidade
   Surgiram fluxos luminosos ( raios catódicos)
   Possuem massa
   Caminham em linha reta
   Possuem carga negativa (elétrons)
   Baseados nesses princípios
   Trabalho com raios catódicos
   Chamou os raios catódicos de elétrons
   1897 Joseph John Thomson
   1886: o físico alemão Eugen Goldstein adaptou um
    cátodo perfurado à ampola de Crookes e observou um
    feixe de raios coloridos surgir atrás do cátodo, então os
    denominou de raios anódicos ou raios canais.
    Posteriormente eles passaram a ser chamados de raios
    positivos pois se movimentavam em direção oposta aos
    raios catódicos. PRÓTONS
   1895: físico alemão Wilhelm Konrad Röengestein
    fazia experiências com as ampolas de Crookes

   Tela de material fluorescente brilhava quando a
    ampola em que realizava experiências recebia uma
    descarga elétrica.
    O tubo estar coberto com material opaco à luz - a
    tela estava recebendo uma emissão misteriosa de
    energia, que atravessava os corpos e atingia a tela.
    Sem saber o que eram esses raios, completamente
    desconhecidos até então, chamou-os de X. Raios X.
    Em 1901, Röntgen tornou-se o primeiro físico a
    receber um prêmio Nobel.
   Não sofriam nenhum reflexo ou refração na
    presença de um raio magnético
    Henri Jules Poincaré : Suspeita que as
    substâncias fluorescentes devem emitir raio X
   Becquerel: trabalho com materiais que
    ficavam fluorescentes ao receber energia
    solar
   Materiais ficavam impressos no filme
    fotográfico: emitiam raio X
   Becquerel guardou uma amostra de urânio
    em uma gaveta escura com filme fotográfico
   Resolveu revelar as chapas fotográficas
   Surgimento de imagem bastante nítidas
   Minério havia impressionado o filme
    fotográfico na ausência de luz
   Não era raio X nem fluorescência
   O urânio era responsável pelos raios emitidos
   Radioatividade: capacidade do urânio em
    emitir raios
   Busca para desvendar a natureza da
    radioatividade
   Experimento de Rutherford
   3 tipos de partículas distintas:
   Partículas alfa (α) sofrem pequeno desvio em
    direção à placa negativa: são partículas de
    massa elevada de carga POSITIVA
   Partículas beta (β) sofrem grande desvio em
    direção à placa positiva: são partículas de
    massa pequena e de carga NEGATIVA
   Raios gama (γ) : emissões que não sofrem
    desvio e atravessam a chapa- são radiações
    semelhantes à luz e aos raios X
   Através desse experimento concluiu-se que o
    átomo é INDIVISÍVEL...
   Ao acessar a rede Internet, procurando algum texto a respeito do
    tema radioatividade no Cade?"(http://www.cade.com.br), um jovem
    deparou-se com a seguinte figura, representativa do poder de
    penetração de diferentes tipos de radiação.
   Com o auxílio da figura, julgue os itens que se seguem.
   (0) A radiação esquematizada em II representa o poder de
    penetração das partículas beta.
   (1) A radiação esquematizada em III representa o poder de
    penetração das partículas alfa.
   (2) As partículas alfa e beta são neutras.
   (3) Quando um núcleo radioativo emite uma radiação do tipo I, o
    numero atômico fica inalterado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
Modelos  atômicos 2013   objetivo ituveravaModelos  atômicos 2013   objetivo ituverava
Modelos atômicos 2013 objetivo ituveravaJosé Marcelo Cangemi
 
A revelação dos núcleos instáveis
A revelação dos núcleos instáveisA revelação dos núcleos instáveis
A revelação dos núcleos instáveisBia Errico
 
Dos raios alfa à energia nuclear: caminhos percorridos por Rutherford
Dos raios alfa à energia nuclear: caminhos percorridos por RutherfordDos raios alfa à energia nuclear: caminhos percorridos por Rutherford
Dos raios alfa à energia nuclear: caminhos percorridos por Rutherfordcasifufrgs
 
Física dos Radionuclídeos
Física dos Radionuclídeos Física dos Radionuclídeos
Física dos Radionuclídeos Vanessa Paiva
 
Física atômica
Física atômicaFísica atômica
Física atômicaPedr457
 
Física no final do século XIX
Física no final do século XIXFísica no final do século XIX
Física no final do século XIXScheyla Cadore
 
História da Fotografia
História da FotografiaHistória da Fotografia
História da FotografiaRicardo Anta
 
Edilaine 1º fase noturno
Edilaine 1º fase noturnoEdilaine 1º fase noturno
Edilaine 1º fase noturnoLuziaRosa
 

Mais procurados (14)

Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
Modelos  atômicos 2013   objetivo ituveravaModelos  atômicos 2013   objetivo ituverava
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
 
A revelação dos núcleos instáveis
A revelação dos núcleos instáveisA revelação dos núcleos instáveis
A revelação dos núcleos instáveis
 
Modelos Atômicos
Modelos AtômicosModelos Atômicos
Modelos Atômicos
 
Dos raios alfa à energia nuclear: caminhos percorridos por Rutherford
Dos raios alfa à energia nuclear: caminhos percorridos por RutherfordDos raios alfa à energia nuclear: caminhos percorridos por Rutherford
Dos raios alfa à energia nuclear: caminhos percorridos por Rutherford
 
Modelo atômico
Modelo atômicoModelo atômico
Modelo atômico
 
Física dos Radionuclídeos
Física dos Radionuclídeos Física dos Radionuclídeos
Física dos Radionuclídeos
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Física atômica
Física atômicaFísica atômica
Física atômica
 
Física no final do século XIX
Física no final do século XIXFísica no final do século XIX
Física no final do século XIX
 
História da Fotografia
História da FotografiaHistória da Fotografia
História da Fotografia
 
Para raio 2
Para raio 2Para raio 2
Para raio 2
 
Feltre cap4 atomística
Feltre cap4 atomísticaFeltre cap4 atomística
Feltre cap4 atomística
 
Edilaine 1º fase noturno
Edilaine 1º fase noturnoEdilaine 1º fase noturno
Edilaine 1º fase noturno
 

Semelhante a Radioatividade

Semelhante a Radioatividade (20)

Estrutura atômica
Estrutura atômica Estrutura atômica
Estrutura atômica
 
Energia nuclear 2012
Energia nuclear 2012Energia nuclear 2012
Energia nuclear 2012
 
Capítulo XXIII - Radioatividade e estrutura atômica
Capítulo XXIII - Radioatividade e estrutura atômicaCapítulo XXIII - Radioatividade e estrutura atômica
Capítulo XXIII - Radioatividade e estrutura atômica
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
História da Radioatividade
História da RadioatividadeHistória da Radioatividade
História da Radioatividade
 
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIAINTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
 
História da Física das Radiações Apresentação
História da Física das Radiações ApresentaçãoHistória da Física das Radiações Apresentação
História da Física das Radiações Apresentação
 
Estrutura atomica 2012
Estrutura atomica 2012Estrutura atomica 2012
Estrutura atomica 2012
 
Descoberta da radioatividade
Descoberta da radioatividadeDescoberta da radioatividade
Descoberta da radioatividade
 
ATOMÍSTICA-INTRODUÇÃO
ATOMÍSTICA-INTRODUÇÃOATOMÍSTICA-INTRODUÇÃO
ATOMÍSTICA-INTRODUÇÃO
 
Quimica
QuimicaQuimica
Quimica
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
 
2016 evolução do modelo atômico
2016   evolução do modelo atômico2016   evolução do modelo atômico
2016 evolução do modelo atômico
 
Apresentação modelos atômicos elenice
Apresentação modelos atômicos  eleniceApresentação modelos atômicos  elenice
Apresentação modelos atômicos elenice
 
Estrutura atômica para apresntação
Estrutura atômica para apresntaçãoEstrutura atômica para apresntação
Estrutura atômica para apresntação
 
Apostila raio x
Apostila raio xApostila raio x
Apostila raio x
 
Física no final do século XIX
Física no final do século XIXFísica no final do século XIX
Física no final do século XIX
 
70661 20090210080029
70661 2009021008002970661 20090210080029
70661 20090210080029
 
Física no século XIX
Física no século XIXFísica no século XIX
Física no século XIX
 

Mais de Karol Maia

Cinética parte ii
Cinética parte iiCinética parte ii
Cinética parte iiKarol Maia
 
Cinética parte I
Cinética parte ICinética parte I
Cinética parte IKarol Maia
 
Notações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tiposNotações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tiposKarol Maia
 
Questões Química Orgânica
Questões Química OrgânicaQuestões Química Orgânica
Questões Química OrgânicaKarol Maia
 
Turma avançada - Química Orgânica
Turma avançada - Química OrgânicaTurma avançada - Química Orgânica
Turma avançada - Química OrgânicaKarol Maia
 
Equilibrio Químico 3o ano
Equilibrio Químico 3o anoEquilibrio Químico 3o ano
Equilibrio Químico 3o anoKarol Maia
 
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)Karol Maia
 
Petroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetosPetroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetosKarol Maia
 
Trabalho elementos químicos
Trabalho elementos químicosTrabalho elementos químicos
Trabalho elementos químicosKarol Maia
 
Trabalho elementos químicos
Trabalho elementos químicosTrabalho elementos químicos
Trabalho elementos químicosKarol Maia
 
Lista ciencias 9oano_karol_2bim
Lista ciencias 9oano_karol_2bimLista ciencias 9oano_karol_2bim
Lista ciencias 9oano_karol_2bimKarol Maia
 
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)Karol Maia
 
Tabela periódica
Tabela periódicaTabela periódica
Tabela periódicaKarol Maia
 
Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Karol Maia
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigidoKarol Maia
 
Notações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tiposNotações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tiposKarol Maia
 
Lista de exercícios 9oano
Lista de exercícios 9oanoLista de exercícios 9oano
Lista de exercícios 9oanoKarol Maia
 

Mais de Karol Maia (20)

Ligações
LigaçõesLigações
Ligações
 
Cinética parte ii
Cinética parte iiCinética parte ii
Cinética parte ii
 
Cinética parte I
Cinética parte ICinética parte I
Cinética parte I
 
Notações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tiposNotações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tipos
 
Questões Química Orgânica
Questões Química OrgânicaQuestões Química Orgânica
Questões Química Orgânica
 
Turma avançada - Química Orgânica
Turma avançada - Química OrgânicaTurma avançada - Química Orgânica
Turma avançada - Química Orgânica
 
Equilibrio Químico 3o ano
Equilibrio Químico 3o anoEquilibrio Químico 3o ano
Equilibrio Químico 3o ano
 
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
 
Petroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetosPetroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetos
 
Trabalho elementos químicos
Trabalho elementos químicosTrabalho elementos químicos
Trabalho elementos químicos
 
Trabalho elementos químicos
Trabalho elementos químicosTrabalho elementos químicos
Trabalho elementos químicos
 
Lista ciencias 9oano_karol_2bim
Lista ciencias 9oano_karol_2bimLista ciencias 9oano_karol_2bim
Lista ciencias 9oano_karol_2bim
 
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
 
Tabela periódica
Tabela periódicaTabela periódica
Tabela periódica
 
Balanceamento
BalanceamentoBalanceamento
Balanceamento
 
Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
 
Notações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tiposNotações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tipos
 
Lista de exercícios 9oano
Lista de exercícios 9oanoLista de exercícios 9oano
Lista de exercícios 9oano
 
Materiais
MateriaisMateriais
Materiais
 

Radioatividade

  • 1. Profa Ana Karoline Maia karoline.quimica@gmail.com
  • 2. Experiências que comprovam a eletricidade nos materiais  Sec XVIII físico inglês William Crookes  Descargas elétricas em ampolas de vidro com gás em baixa pressão
  • 3. Geralmente os gases são maus condutores de eletricidade  Surgiram fluxos luminosos ( raios catódicos)  Possuem massa  Caminham em linha reta  Possuem carga negativa (elétrons)
  • 4. Baseados nesses princípios  Trabalho com raios catódicos  Chamou os raios catódicos de elétrons  1897 Joseph John Thomson
  • 5. 1886: o físico alemão Eugen Goldstein adaptou um cátodo perfurado à ampola de Crookes e observou um feixe de raios coloridos surgir atrás do cátodo, então os denominou de raios anódicos ou raios canais. Posteriormente eles passaram a ser chamados de raios positivos pois se movimentavam em direção oposta aos raios catódicos. PRÓTONS
  • 6. 1895: físico alemão Wilhelm Konrad Röengestein fazia experiências com as ampolas de Crookes  Tela de material fluorescente brilhava quando a ampola em que realizava experiências recebia uma descarga elétrica.  O tubo estar coberto com material opaco à luz - a tela estava recebendo uma emissão misteriosa de energia, que atravessava os corpos e atingia a tela. Sem saber o que eram esses raios, completamente desconhecidos até então, chamou-os de X. Raios X. Em 1901, Röntgen tornou-se o primeiro físico a receber um prêmio Nobel.
  • 7. Não sofriam nenhum reflexo ou refração na presença de um raio magnético  Henri Jules Poincaré : Suspeita que as substâncias fluorescentes devem emitir raio X  Becquerel: trabalho com materiais que ficavam fluorescentes ao receber energia solar  Materiais ficavam impressos no filme fotográfico: emitiam raio X
  • 8. Becquerel guardou uma amostra de urânio em uma gaveta escura com filme fotográfico  Resolveu revelar as chapas fotográficas  Surgimento de imagem bastante nítidas  Minério havia impressionado o filme fotográfico na ausência de luz  Não era raio X nem fluorescência
  • 9. O urânio era responsável pelos raios emitidos  Radioatividade: capacidade do urânio em emitir raios  Busca para desvendar a natureza da radioatividade  Experimento de Rutherford
  • 10.
  • 11. 3 tipos de partículas distintas:  Partículas alfa (α) sofrem pequeno desvio em direção à placa negativa: são partículas de massa elevada de carga POSITIVA  Partículas beta (β) sofrem grande desvio em direção à placa positiva: são partículas de massa pequena e de carga NEGATIVA  Raios gama (γ) : emissões que não sofrem desvio e atravessam a chapa- são radiações semelhantes à luz e aos raios X
  • 12. Através desse experimento concluiu-se que o átomo é INDIVISÍVEL...
  • 13.
  • 14.
  • 15. Ao acessar a rede Internet, procurando algum texto a respeito do tema radioatividade no Cade?"(http://www.cade.com.br), um jovem deparou-se com a seguinte figura, representativa do poder de penetração de diferentes tipos de radiação.  Com o auxílio da figura, julgue os itens que se seguem.  (0) A radiação esquematizada em II representa o poder de penetração das partículas beta.  (1) A radiação esquematizada em III representa o poder de penetração das partículas alfa.  (2) As partículas alfa e beta são neutras.  (3) Quando um núcleo radioativo emite uma radiação do tipo I, o numero atômico fica inalterado.