SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
1. Por que a Europa passa por uma crise?
A formação de uma crise financeira na zona do euro deu-se, fundamentalmente, por
problemas fiscais. Alguns países, como a Grécia, gastaram mais dinheiro do conseguiram
arrecadar por meio de impostos nos últimos anos. Para se financiar, passaram a acumular
dívidas. Assim, a relação do endividamento sobre PIB de muitas nações do continente
ultrapassou significativamente o limite de 60% estabelecido no Tratado de Maastricht, de
1992, que criou a zona do euro. No caso da economia grega, exemplo mais grave de
descontrole das contas públicas, a razão dívida/PIB é mais que o dobro deste limite. A
desconfiança de que os governos da região teriam dificuldade para honrar suas dívidas
fez com que os investidores passassem a temer possuir ações, bem como títulos públicos
e privados europeus.




2. Quando os investidores passaram a desconfiar da Europa?
Os primeiros temores remontam 2007 quando existiam suspeitas de que o mercado
imobiliário dos Estados Unidos vivia uma bolha. Temia-se que bancos americanos e
também europeus possuíam ativos altamente arriscados, lastreados em hipotecas de baixa
qualidade. A crise de 2008 confirmou as suspeitas e levou os governos a injetarem
trilhões de dólares nas economias dos países mais afetados. No caso da Europa, a
iniciativa agravou os déficits nacionais, já muito elevados. Em fevereiro de 2010, uma
reportagem do The New York Times revelou que a Grécia teria fechado acordos com o
banco Goldman Sachs com o objetivo de esconder parte de sua dívida pública. A notícia
levou a Comissão Européia a investigar o assunto e desencadeou uma onda de
desconfiança nos mercados. O clima de pessimismo foi agravado em abril pelo
rebaixamento, por parte das agências de classificação de risco, das notas dos títulos
soberanos de Grécia, Espanha e Portugal.




3. Quais países se encontram em situação de risco na Europa e por quê?
Portugal, Irlanda, Itália, Grécia e Espanha - que formam o chamado grupo dos PIIGS -
são os que se encontram em posição mais delicada dentro da zona do euro, pois foram os
que atuaram de forma mais indisciplinada nos gastos públicos e se endividaram
excessivamente. Além de possuírem elevada relação dívida/PIB, estes países possuem
pesados déficits orçamentários ante o tamanho de suas economias. Como não possuem
sobras de recursos (superávit), entraram no radar da desconfiança dos investidores. Para
este ano, as projeções da Economist Intelligence Unit apontam déficits/PIB de 8,5% para
Portugal, 19,4% para Irlanda, 5,3% para Itália, 9,4% para Grécia e 11,5% para Espanha.
5.A crise financeira pode afetar a economia real da Europa?
A desconfiança em relação à Europa pode disseminar pânico no mercado e fazer com que
bancos fiquem excessivamente cautelosos ou até parem de liberar crédito para empresas e
clientes. Os investidores, ao venderem ações e títulos europeus, provocam fuga de
capitais da região. Sem poder provocar uma maxidesvalorização do euro, haja vista que
isso prejudicaria aqueles países que têm as contas controladas, a opção é impor sacrifícios
à população, como corte de salários e congelamento de benefícios sociais. Tudo isso
implica menos dinheiro para fazer a economia girar - justo num momento em que a zona
do euro precisa crescer e aumentar sua arrecadação para diminuir o endividamento. O
risco é a criação de um círculo vicioso, em que uma estagnação ou, até mesmo, uma
recessão, prejudique os esforços de ajuste fiscal - o que levaria a medidas de austeridade
ainda mais severas, mais recessão, e assim por diante. Num segundo momento, a Europa,
como um dos maiores mercados consumidores do mundo, diminuiria o ritmo de
importação de bens e serviços e prejudicaria a dinâmica econômica global.




Por que o euro se desvaloriza?
A possibilidade de que governos e empresas da região tornem-se insolventes faz com boa
parte dos investidores simplesmente não queira ficar exposta ao risco de ações e títulos
europeus. Na primeira metade do ano, o que se viu foi um movimento de venda destes
papéis e fuga para ativos considerados seguros, como os títulos do Tesouro norte-
americano. Tal movimento, de procura por dólares e abandono do euro, fez com que a
cotação da moeda européia atingisse valores historicamente baixos. As moedas também
refletem o vigor das economias. Assim, argumentam os analistas, a tendência de longo
prazo é de fortalecimento do dólar e das moedas dos países emergentes (real inclusive),
enquanto a Europa não conseguir resolver seus problemas fiscais e criar condições para
um crescimento econômico mais acentuado.


Maio de 2010

Crise na Europa
A Europa, sempre lembrada como uma região de altíssimo desenvolvimento econômico e
bem-estar social, agora tem sua imagem associada a turbulências de mercado. Entenda
como o descontrole das contas públicas e as particularidades políticas do continente
conduziram a zona do euro a uma crise financeira que levará anos para ser totalmente
superada.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Europa - os devedores de uma dívida não pagável
Europa - os devedores de uma dívida não pagávelEuropa - os devedores de uma dívida não pagável
Europa - os devedores de uma dívida não pagávelGRAZIA TANTA
 
Perdão da dívida não é solução
Perdão da dívida  não é solução Perdão da dívida  não é solução
Perdão da dívida não é solução pr_afsalbergaria
 
A Crise Econômica Nos EUA e na Europa
A Crise Econômica Nos EUA e na EuropaA Crise Econômica Nos EUA e na Europa
A Crise Econômica Nos EUA e na EuropaIsabela Mendonça
 
As narrativas sobre as origens da crise e suas implicações - Ricardo Paes Mamede
As narrativas sobre as origens da crise e suas implicações - Ricardo Paes MamedeAs narrativas sobre as origens da crise e suas implicações - Ricardo Paes Mamede
As narrativas sobre as origens da crise e suas implicações - Ricardo Paes MamedeCriativas
 
Fundo de desendividamento jose ferrazalves
Fundo de desendividamento jose ferrazalvesFundo de desendividamento jose ferrazalves
Fundo de desendividamento jose ferrazalvesDianova
 
fmi_completo
fmi_completofmi_completo
fmi_completoM Ribeiro
 
Notícias dn a inflação europeia e os efeitos em portugal
Notícias dn  a inflação europeia e os efeitos em portugalNotícias dn  a inflação europeia e os efeitos em portugal
Notícias dn a inflação europeia e os efeitos em portugalAlexandra Fonseca
 
Monografia: crise de 2008
Monografia: crise de 2008Monografia: crise de 2008
Monografia: crise de 2008Lucas De David
 
GEOGRAFIA CRISE FINANCEIRA.pptx
GEOGRAFIA CRISE FINANCEIRA.pptxGEOGRAFIA CRISE FINANCEIRA.pptx
GEOGRAFIA CRISE FINANCEIRA.pptxmessias ferreira
 

Mais procurados (18)

Crise europeia
Crise europeiaCrise europeia
Crise europeia
 
Europa - os devedores de uma dívida não pagável
Europa - os devedores de uma dívida não pagávelEuropa - os devedores de uma dívida não pagável
Europa - os devedores de uma dívida não pagável
 
Perdão da dívida não é solução
Perdão da dívida  não é solução Perdão da dívida  não é solução
Perdão da dívida não é solução
 
Bolsas caem na europa
Bolsas caem na europaBolsas caem na europa
Bolsas caem na europa
 
A Crise Econômica Nos EUA e na Europa
A Crise Econômica Nos EUA e na EuropaA Crise Econômica Nos EUA e na Europa
A Crise Econômica Nos EUA e na Europa
 
O que é austeridade
O que é austeridadeO que é austeridade
O que é austeridade
 
As narrativas sobre as origens da crise e suas implicações - Ricardo Paes Mamede
As narrativas sobre as origens da crise e suas implicações - Ricardo Paes MamedeAs narrativas sobre as origens da crise e suas implicações - Ricardo Paes Mamede
As narrativas sobre as origens da crise e suas implicações - Ricardo Paes Mamede
 
Politica internacional
Politica internacionalPolitica internacional
Politica internacional
 
Macroeconomia e Blockchain
Macroeconomia e BlockchainMacroeconomia e Blockchain
Macroeconomia e Blockchain
 
5
55
5
 
Os PIIGS
Os PIIGSOs PIIGS
Os PIIGS
 
Dados economicos genari
Dados economicos genariDados economicos genari
Dados economicos genari
 
Fundo de desendividamento jose ferrazalves
Fundo de desendividamento jose ferrazalvesFundo de desendividamento jose ferrazalves
Fundo de desendividamento jose ferrazalves
 
Dn christine lagarde...
Dn  christine lagarde...Dn  christine lagarde...
Dn christine lagarde...
 
fmi_completo
fmi_completofmi_completo
fmi_completo
 
Notícias dn a inflação europeia e os efeitos em portugal
Notícias dn  a inflação europeia e os efeitos em portugalNotícias dn  a inflação europeia e os efeitos em portugal
Notícias dn a inflação europeia e os efeitos em portugal
 
Monografia: crise de 2008
Monografia: crise de 2008Monografia: crise de 2008
Monografia: crise de 2008
 
GEOGRAFIA CRISE FINANCEIRA.pptx
GEOGRAFIA CRISE FINANCEIRA.pptxGEOGRAFIA CRISE FINANCEIRA.pptx
GEOGRAFIA CRISE FINANCEIRA.pptx
 

Destaque

Destaque (20)

Buscadores
BuscadoresBuscadores
Buscadores
 
ALR DA HEPCOMOTION: ANÉIS DE ALUMÍNIO PARA CARGAS LEVES
ALR DA HEPCOMOTION: ANÉIS DE ALUMÍNIO PARA CARGAS LEVESALR DA HEPCOMOTION: ANÉIS DE ALUMÍNIO PARA CARGAS LEVES
ALR DA HEPCOMOTION: ANÉIS DE ALUMÍNIO PARA CARGAS LEVES
 
Ranking da liga serrana de futebol infantil
Ranking da liga serrana de futebol infantilRanking da liga serrana de futebol infantil
Ranking da liga serrana de futebol infantil
 
Certificado Sql Server 2005
Certificado   Sql Server 2005Certificado   Sql Server 2005
Certificado Sql Server 2005
 
Conteúdo do curso
Conteúdo do cursoConteúdo do curso
Conteúdo do curso
 
Roteiro polivalente
Roteiro polivalenteRoteiro polivalente
Roteiro polivalente
 
Infantil b
Infantil bInfantil b
Infantil b
 
Flotacion de cobre
Flotacion de cobreFlotacion de cobre
Flotacion de cobre
 
Renato russo
Renato russoRenato russo
Renato russo
 
Ofensiva aliada
Ofensiva aliadaOfensiva aliada
Ofensiva aliada
 
029 haikai 俳句 distorção e trinca aço aisi h13
029 haikai 俳句 distorção e trinca aço aisi h13029 haikai 俳句 distorção e trinca aço aisi h13
029 haikai 俳句 distorção e trinca aço aisi h13
 
Cuadro de enfoques de investigacion
Cuadro de enfoques de investigacionCuadro de enfoques de investigacion
Cuadro de enfoques de investigacion
 
Anexo 13 balanço financeiro
Anexo 13 balanço financeiroAnexo 13 balanço financeiro
Anexo 13 balanço financeiro
 
3 filo prov. multidiciplinar bc 3bi
3 filo    prov. multidiciplinar  bc 3bi3 filo    prov. multidiciplinar  bc 3bi
3 filo prov. multidiciplinar bc 3bi
 
nanotecnologia
nanotecnologiananotecnologia
nanotecnologia
 
Mascara
MascaraMascara
Mascara
 
Acta sima
Acta simaActa sima
Acta sima
 
Folheto técnico comercial c304
Folheto técnico comercial c304Folheto técnico comercial c304
Folheto técnico comercial c304
 
Anexo 13 balanço financeiro
Anexo 13 balanço financeiroAnexo 13 balanço financeiro
Anexo 13 balanço financeiro
 
Segurito 75
Segurito 75 Segurito 75
Segurito 75
 

Semelhante a Documento

A crise econômica ok definitivo
A crise econômica ok definitivoA crise econômica ok definitivo
A crise econômica ok definitivoIsabela Mendonça
 
Crise econômica internacional: começou o segundo capítulo?
Crise econômica internacional: começou o segundo capítulo?Crise econômica internacional: começou o segundo capítulo?
Crise econômica internacional: começou o segundo capítulo?Alessandro de Moura
 
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdfUnião Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdfGRAZIA TANTA
 
A não solução com um novo escudo
A não solução com um novo escudoA não solução com um novo escudo
A não solução com um novo escudoGRAZIA TANTA
 
Dívida soberana na EU (resumo)
Dívida soberana na EU (resumo)Dívida soberana na EU (resumo)
Dívida soberana na EU (resumo)Aldo Medeiros
 
Como surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundialComo surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundialletieri11
 
O volátil domínio da riqueza financeira
O volátil domínio da riqueza financeiraO volátil domínio da riqueza financeira
O volátil domínio da riqueza financeiraGRAZIA TANTA
 
Trabalho sistema financeiro completo
Trabalho sistema financeiro completoTrabalho sistema financeiro completo
Trabalho sistema financeiro completoftrajano
 
Á procura dos culpados da crise (draft) prof doutor Rui Teixeira Santos (2012)
 Á procura dos culpados da crise (draft) prof doutor Rui Teixeira Santos (2012) Á procura dos culpados da crise (draft) prof doutor Rui Teixeira Santos (2012)
Á procura dos culpados da crise (draft) prof doutor Rui Teixeira Santos (2012)A. Rui Teixeira Santos
 
A crise financeira. o naufrágio dos ppr e os fundos de investimento em geral
A crise financeira. o naufrágio dos  ppr e os fundos de investimento em geralA crise financeira. o naufrágio dos  ppr e os fundos de investimento em geral
A crise financeira. o naufrágio dos ppr e os fundos de investimento em geralGRAZIA TANTA
 
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9Aléxia Fortes
 
1606 centro e periferias na europa 2- - portugal, um desastre periférico
1606   centro e periferias na europa  2- - portugal, um desastre periférico1606   centro e periferias na europa  2- - portugal, um desastre periférico
1606 centro e periferias na europa 2- - portugal, um desastre periféricoGRAZIA TANTA
 
A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)
A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)
A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)A. Rui Teixeira Santos
 
Bdm 21.05.2010
Bdm 21.05.2010Bdm 21.05.2010
Bdm 21.05.2010oabcred
 

Semelhante a Documento (20)

A crise econômica ok definitivo
A crise econômica ok definitivoA crise econômica ok definitivo
A crise econômica ok definitivo
 
Crise na grécia
Crise na gréciaCrise na grécia
Crise na grécia
 
Crise econômica internacional: começou o segundo capítulo?
Crise econômica internacional: começou o segundo capítulo?Crise econômica internacional: começou o segundo capítulo?
Crise econômica internacional: começou o segundo capítulo?
 
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdfUnião Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
 
A não solução com um novo escudo
A não solução com um novo escudoA não solução com um novo escudo
A não solução com um novo escudo
 
2corsi12a19
2corsi12a192corsi12a19
2corsi12a19
 
G8 - Crise econômica
G8 - Crise econômicaG8 - Crise econômica
G8 - Crise econômica
 
Dívida soberana na EU (resumo)
Dívida soberana na EU (resumo)Dívida soberana na EU (resumo)
Dívida soberana na EU (resumo)
 
Como surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundialComo surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundial
 
O volátil domínio da riqueza financeira
O volátil domínio da riqueza financeiraO volátil domínio da riqueza financeira
O volátil domínio da riqueza financeira
 
Trabalho sistema financeiro completo
Trabalho sistema financeiro completoTrabalho sistema financeiro completo
Trabalho sistema financeiro completo
 
Mensal julho 2012
Mensal julho 2012Mensal julho 2012
Mensal julho 2012
 
Á procura dos culpados da crise (draft) prof doutor Rui Teixeira Santos (2012)
 Á procura dos culpados da crise (draft) prof doutor Rui Teixeira Santos (2012) Á procura dos culpados da crise (draft) prof doutor Rui Teixeira Santos (2012)
Á procura dos culpados da crise (draft) prof doutor Rui Teixeira Santos (2012)
 
A crise financeira. o naufrágio dos ppr e os fundos de investimento em geral
A crise financeira. o naufrágio dos  ppr e os fundos de investimento em geralA crise financeira. o naufrágio dos  ppr e os fundos de investimento em geral
A crise financeira. o naufrágio dos ppr e os fundos de investimento em geral
 
CURSO DE ATUALIDADES INICIO
CURSO DE ATUALIDADES INICIOCURSO DE ATUALIDADES INICIO
CURSO DE ATUALIDADES INICIO
 
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
 
1606 centro e periferias na europa 2- - portugal, um desastre periférico
1606   centro e periferias na europa  2- - portugal, um desastre periférico1606   centro e periferias na europa  2- - portugal, um desastre periférico
1606 centro e periferias na europa 2- - portugal, um desastre periférico
 
9º ano reda cem - 9.20
9º ano   reda cem - 9.209º ano   reda cem - 9.20
9º ano reda cem - 9.20
 
A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)
A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)
A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)
 
Bdm 21.05.2010
Bdm 21.05.2010Bdm 21.05.2010
Bdm 21.05.2010
 

Documento

  • 1. 1. Por que a Europa passa por uma crise? A formação de uma crise financeira na zona do euro deu-se, fundamentalmente, por problemas fiscais. Alguns países, como a Grécia, gastaram mais dinheiro do conseguiram arrecadar por meio de impostos nos últimos anos. Para se financiar, passaram a acumular dívidas. Assim, a relação do endividamento sobre PIB de muitas nações do continente ultrapassou significativamente o limite de 60% estabelecido no Tratado de Maastricht, de 1992, que criou a zona do euro. No caso da economia grega, exemplo mais grave de descontrole das contas públicas, a razão dívida/PIB é mais que o dobro deste limite. A desconfiança de que os governos da região teriam dificuldade para honrar suas dívidas fez com que os investidores passassem a temer possuir ações, bem como títulos públicos e privados europeus. 2. Quando os investidores passaram a desconfiar da Europa? Os primeiros temores remontam 2007 quando existiam suspeitas de que o mercado imobiliário dos Estados Unidos vivia uma bolha. Temia-se que bancos americanos e também europeus possuíam ativos altamente arriscados, lastreados em hipotecas de baixa qualidade. A crise de 2008 confirmou as suspeitas e levou os governos a injetarem trilhões de dólares nas economias dos países mais afetados. No caso da Europa, a iniciativa agravou os déficits nacionais, já muito elevados. Em fevereiro de 2010, uma reportagem do The New York Times revelou que a Grécia teria fechado acordos com o banco Goldman Sachs com o objetivo de esconder parte de sua dívida pública. A notícia levou a Comissão Européia a investigar o assunto e desencadeou uma onda de desconfiança nos mercados. O clima de pessimismo foi agravado em abril pelo rebaixamento, por parte das agências de classificação de risco, das notas dos títulos soberanos de Grécia, Espanha e Portugal. 3. Quais países se encontram em situação de risco na Europa e por quê? Portugal, Irlanda, Itália, Grécia e Espanha - que formam o chamado grupo dos PIIGS - são os que se encontram em posição mais delicada dentro da zona do euro, pois foram os que atuaram de forma mais indisciplinada nos gastos públicos e se endividaram excessivamente. Além de possuírem elevada relação dívida/PIB, estes países possuem pesados déficits orçamentários ante o tamanho de suas economias. Como não possuem sobras de recursos (superávit), entraram no radar da desconfiança dos investidores. Para este ano, as projeções da Economist Intelligence Unit apontam déficits/PIB de 8,5% para Portugal, 19,4% para Irlanda, 5,3% para Itália, 9,4% para Grécia e 11,5% para Espanha.
  • 2. 5.A crise financeira pode afetar a economia real da Europa? A desconfiança em relação à Europa pode disseminar pânico no mercado e fazer com que bancos fiquem excessivamente cautelosos ou até parem de liberar crédito para empresas e clientes. Os investidores, ao venderem ações e títulos europeus, provocam fuga de capitais da região. Sem poder provocar uma maxidesvalorização do euro, haja vista que isso prejudicaria aqueles países que têm as contas controladas, a opção é impor sacrifícios à população, como corte de salários e congelamento de benefícios sociais. Tudo isso implica menos dinheiro para fazer a economia girar - justo num momento em que a zona do euro precisa crescer e aumentar sua arrecadação para diminuir o endividamento. O risco é a criação de um círculo vicioso, em que uma estagnação ou, até mesmo, uma recessão, prejudique os esforços de ajuste fiscal - o que levaria a medidas de austeridade ainda mais severas, mais recessão, e assim por diante. Num segundo momento, a Europa, como um dos maiores mercados consumidores do mundo, diminuiria o ritmo de importação de bens e serviços e prejudicaria a dinâmica econômica global. Por que o euro se desvaloriza? A possibilidade de que governos e empresas da região tornem-se insolventes faz com boa parte dos investidores simplesmente não queira ficar exposta ao risco de ações e títulos europeus. Na primeira metade do ano, o que se viu foi um movimento de venda destes papéis e fuga para ativos considerados seguros, como os títulos do Tesouro norte- americano. Tal movimento, de procura por dólares e abandono do euro, fez com que a cotação da moeda européia atingisse valores historicamente baixos. As moedas também refletem o vigor das economias. Assim, argumentam os analistas, a tendência de longo prazo é de fortalecimento do dólar e das moedas dos países emergentes (real inclusive), enquanto a Europa não conseguir resolver seus problemas fiscais e criar condições para um crescimento econômico mais acentuado. Maio de 2010 Crise na Europa A Europa, sempre lembrada como uma região de altíssimo desenvolvimento econômico e bem-estar social, agora tem sua imagem associada a turbulências de mercado. Entenda como o descontrole das contas públicas e as particularidades políticas do continente conduziram a zona do euro a uma crise financeira que levará anos para ser totalmente superada.