Orlando globalizacaoefragmentacao 2ano

1.508 visualizações

Publicada em

teste

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.508
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Orlando globalizacaoefragmentacao 2ano

  1. 1. Globalização e fragmentação“desintegradora” do espaço: asregiões “excluídas” ouprecariamente inseridas na NovaOrdem Mundial.
  2. 2. Globalização e Fragmentação.Segundo Haesbaert (2001), vivemos umaépoca de grandes contradições ecomplexidades.Globalização contemporânea é vista antes detudo como um produto da expansão docapitalismo e da sociedade de consumo.A globalização se manifesta de formasdiferenciadas ou em “fatias” geográficas dentrode um mercado mundial, a fragmentação podeestar intimamente ligada à globalização comopode contradizê-la e mesma contestá-la.Podemos definir uma fragmentação “inclusiva”ou “integradora” e uma fragmentação“excludente” ou “desintegradora”.
  3. 3. a) A proliferação e o fortalecimento dosblocos de poder ou econômicos:b) A divisão NORTE X SUL:c) A D.I.T. – Divisão Internacional do Trabalho:1 - A fragmentação integradora.
  4. 4. Mapa da Fragmentaçãointegradora.
  5. 5. d) A fragmentação da produção edas relações de trabalho:Subcontratações, terceirização, trabalho tem-porário, deslocações de empresas (firmas-rede) erenovação constantes dos produtos.
  6. 6. 2 – A fragmentação desintegradora.Produto da globalização.Se contrapondo a ela, seja no sentindo de“correr paralela” a ela, como nos projetosalternativos a globalização.Alimentada sobre tudo pela problemáticaambiental ou ecológica.
  7. 7. a) As regiões periféricas“excluídas”.a.1) África negra ou subsaariana:- Nessa região, concentram-se alguns dosprincipais problemas econômicos e sociaisdo planeta.- Índices alarmantes de desnutrição.- No ranking do Índice de DesenvolvimentoHumano (IDH), feito pela ONU, as 27 últimascolocações, de um total de 173, pertencem anações africanas, situadas na maioria ao suldo Saara.- Outro flagelo da região são as guerrascivis, que opõem diferentes grupos étnicos,e os ciclos aparentemente intermináveis degolpes e contragolpes de Estado.
  8. 8. África Negra, palco de guerras civis econflitos étno-religiosos.A maior parte deve-se ao processo dedescolonização do continente, entre asdécadas de 50 e 70.A África, explorada e dividida entre naçõeseuropéias, serviu de apoio aodesenvolvimento econômico de nações ricas.Que traçaram novas fronteiras política.O problema é que não foram respeitadas asdivisões étnicas, religiosas e lingüísticasque existiam anteriormente, foram mantidasas fronteiras artificiais dos colonizadores.
  9. 9. Desde então, cerca de 20 nações jáentraram em guerra. As disputas envolvemnão apenas divergências filosóficas oureligiosas, mas também econômicas.As reservas de minérios, que poderiamimpulsionar o desenvolvimento, também sãoobjeto de disputas. Resultado: a economiada região ainda apresenta o mesmodesempenho da década de 60.
  10. 10. A África é assim...
  11. 11. ...mas deveria ser assim.
  12. 12. Por isso existe conflitos na África.
  13. 13. Mas também por isso.
  14. 14. b) Regiões periféricas da ÁsiaMeridional.Destaque para a península indostânica e para osudeste asiático, regiões da Ásia que sofrem comprofundas desigualdades sociais e econômicas.Os planos de “ajuda” econômica do FMI e do BancoMundial, desde o Plano Colombo (pós-guerra) nãoconseguiram amenizar a situação.Assim como os países da América latina e do lesteeuropeu endividados, os países da Ásia meridionalpassaram por um “plano de Choque” do FMI no iníciodos anos 1990, que contribuiu para o “sucateamento”do Estado, a desestabilização da economia e mazelasainda maiores para a sociedade.Outros fatores estão associados aos conflitosétnicos-religiosos.
  15. 15. O caso da Índia :Endividamento do Estado.Somado a isso, foram privatizadas as industriaisindianas, o governo reduziu os gastos públicos(investimentos em saúde, educação, cultura,funcionalismo, infra-estrutura, etc.).A cartilha do FMI para a Índia contava, também, coma flexibilização das leis trabalhistas (sub-contratações, mão-de-obra temporária e nãoorganizada), a exploração das Castas (hierarquiasocial da índia) e desvalorização da moeda.
  16. 16. E ainda tem os Conflitos.
  17. 17. b) A Fragmentação do BlocoSocialista.
  18. 18. O fim da URSS.
  19. 19. c) A Proliferação de redes ilegais● As redes do narcotráfico:cada vez mais globalizadas e que sevinculam com rede capitalista “oficial”.● “Paraísos fiscais” internacionais (Panamá, Bahamas, Mônaco, ilhasCayman, Hong Kong, Emirados Árabes, Uruguai, etc.● As redes do crime organizado:estão em forte expansão nos paísesde legislação e fiscalização fracas, com o antigo bloco soviético, onde otráfico de armas e de material nuclear é um questão cada vez mais séria,e que envolvem contrabando, jogo, informações secretas (militares ou deKnow-how) e terrorismo.● As redes do tráfico humano:estão relacionadas ao comércio debebês, à prostituição, ao tráfico de órgãos e especialmente à migraçãoclandestina, estando ligada com a rede econômica “legal”, como no casodo chineses levados praticamente como mão-de-obra escrava paracertas fábricas nos Estados Unidos.
  20. 20. d) Movimentosantiglobalização.

×